DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA WEB PARA MONITORAMENTO RESIDENCIAL E PREDIAL EM TEMPO REAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA WEB PARA MONITORAMENTO RESIDENCIAL E PREDIAL EM TEMPO REAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIJUÍ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS DCEEng CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MARTIN ANDRÉ ARNOLD DILL DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA WEB PARA MONITORAMENTO RESIDENCIAL E PREDIAL EM TEMPO REAL IJUÍ 2012

2 MARTIN ANDRÉ ARNOLD DILL DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA WEB PARA MONITORAMENTO RESIDENCIAL E PREDIAL EM TEMPO REAL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Colegiado de Coordenação do Curso de Ciência da Computação a da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUÍ, como pré-requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação. Orientador: Dr. Paulo Sérgio Sausen IJUÍ 2012

3 MARTIN ANDRÉ ARNOLD DILL DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA WEB PARA MONITORAMENTO RESIDENCIAL E PREDIAL EM TEMPO REAL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Colegiado de Coordenação do Curso de Ciência da Computação a da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUÍ, como pré-requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação. Orientador: Prof. Dr. Paulo Sérgio Sausen BANCA EXAMINADORA Prof. Msc. Juliano Gomes Weber IJUÍ Dezembro de 2012

4 AGRADECIMENTOS Primeiramente, agradeço a Deus pela oportunidade de cursar uma ótima universidade, e agora, ao final do curso, poder finalizá-lo com ótimas experiências conhecimento adquirido ao longo da mesma. Agradeço também à minha família por todo o apoio e suporte, não deixando faltar nenhum recurso durante a realização do curso. Agradeço ao amigo Felipe Scherer, que cedeu seu trabalho para que eu pudesse fazer o meu, estendendo-o e melhorando-o. Agradeço ao meu orientador, Paulo Sérgio Sausen, que realizou muito bem seu trabalho, sempre conduzindo o trabalho para o caminho certo, auxiliando com importantes orientações que foram muito importantes para a coesão e implementação do trabalho. Por fim, agradeço ao amigo Regis Schuch, que muito me auxiliou durante a realização do meu trabalho, principalmente nos ajustes finais, agradeço a todos estes no geral, pois sem a ajuda dos mesmos, o trabalho certamente não seria entregue.

5 RESUMO Este trabalho visa desenvolver uma aplicação web de monitoramento, em tempo real, utilizando as melhores opções em tecnologia possíveis, através de um estudo dividido em etapas que visa avaliar cada recurso individualmente, conforme seu propósito. Inicialmente, será apresentada uma contextualização do projeto, explicando sua razão e seus objetivos. Após esta contextualização, serão apresentados os resultados do estudo que conduziu para a escolha das seguintes tecnologias: arquitetura de sistema, linguagem de programação, banco de dados, criptografia e formas de comunicação entre diferentes sistemas. Após a escolha das tecnologias, será apresentada a aplicação de monitoramento desenvolvida, detalhando todas as suas funcionalidades e particularidades do desenvolvimento. Por fim, os resultados e a conclusão serão apresentados. Palavras Chave: Sistema Web, Monitoramento e Web Services.

6 ABSTRACT This work intends to develop a web application real time-based monitoring using the best possible technology options, through a study divided into stages that aims to evaluate each feature individually, according to their purpose. Initially a contextualization of the project will be submitted, explaining its reason and objectives. After this context, will be present the results of the study that lead to the choice of the following technologies: system architecture, programming language, database, encryption and communication forms between different systems. After the choice of technologies, will be presented the developed monitoring application detailing all its features and peculiarities of development. Finally, results and conclusion will be presented. Keywords: System Web, Monitoring and Web Services.

7 LISTA DE FÍGURAS Figura 1. Esquema simplificado do sistema atual Figura 2. Software de automação e monitoramento - Status dos dispositivos Figura 3. Software de automação e monitoramento - Histórico Figura 4. Esquema simples do sistema de monitoramento com a inclusão do módulo web Figura 5. Modelo 3 camadas Figura 6. Sistema web representado no modelo de arquitetura em 3 camadas Figura 7. Estatísticas de Uso do PHP Figura 8. Estatística de utilização das linguagens web: Quantidade de Utilização X Quantidade de Tráfego Figura 9. Exemplo de sistema utilizando um Web Service Figura 10. Modelo simples de criptografia Figura 11. Interface da Aplicação para telas maiores Figura 12. Tela principal da aplicação para dispositivos móveis Figura 13. Tela de monitoramento Lista de dispositivos Figura 14. Tela de Histórico Últimas dez ocorrências Figura 15. Tela de Relatórios da aplicação Web Figura 16. Tela de autenticação da aplicação de monitoramento web Figura 17. Tela inicial da aplicação: Mapa de Dispositivos Figura 18. Histórico de eventos da aplicação de monitoramento Figura 19. Formulário para geração de relatórios Figura 20. Exemplo de geração do relatório de ocorrências Figura 21. Listagem de Atividades Irregulares Figura 22. Cadastro de atividades irregulares Figura 23. Listagem dos dispositivos

8 Figura 24. Tela de inserção/edição de um dispositivo Figura 25. Tela de listagem de Tipos de Dispositivos Figura 26. Inserção/edição de um tipo de dispositivo Figura 27. Tela de Dados do Cliente e Alteração de Senha

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Custo de licenças de alguns SGBD s pagos Tabela 2. Comparativo de Preços entre Entidades Certificadoras

10 LISTA DE ABREVIATURAS CSS - Cascading Style Sheets HTML - HyperText Markup Language HTTP - HyperText Transfer Protocol HTTPS - Hypertext Transfer Protocol Secure WSDL - Web Services Description Language UDDI - Universal Description, Discovery and Integration SSL - Secure Sockets Layer SGBD - Sistema Gerenciador de Banco de Dados ASP - Active Server Pages JSP - Java Server Pages PHP - PHP: Hypertext Preprocessor AJAX - Asynchronous Javascript and XML SQL - Structured Query Language PIC - Programmable Interrupt Controller JVM - Java Virtual Machine ISS - Internet Information Services] PDF - Portable Document Format XML - extensible Markup Language LAMP - Linux + Apache + MySQL + PHP TCP -Transmission Control Protocol IP - Internet Protocol SOA - Service Oriented Arquiteture RMI - Remote Method Invocation DCOM - Distributed Component Object Model CORBA - Common Object Request Broker Architecture

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO E ESTRUTURA EXISTENTE A PROPOSTA DO MÓDULO DE MONITORAMENTO WEB EM TEMPO REAL REFERENCIAL TEÓRICO A ARQUITETURA DE SISTEMA A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO O BANCO DE DADOS A FORMA DE COMUNICAÇÃO CRIPTOGRAFIA: A SEGURANÇA DO SISTEMA DEMAIS TECNOLOGIAS WEB HTML CSS Javascript SISTEMA DE MONITORAMENTO WEB O MÓDULO DESKTOP Web Service: Cliente O MÓDULO WEB Web Service: Servidor Modelagem do Banco de Dados Interfaces com o Usuário APLICAÇÃO DE MONITORAMENTO Mapa de Dispositivos Histórico e Filtros Relatórios Alertas para Atividades Incomuns Painel de Controle: Cadastros CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 59

12 11 INTRODUÇÃO Este trabalho de conclusão de curso é uma extensão do trabalho intitulado DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE AUTOMAÇÃO PREDIAL PARA PEQUENAS EDIFICAÇÕES. Apresentado em 2010 pelo acadêmico Luís Felipe Scherer e orientado pelo Professor MSc. Maurício de Campos. No trabalho em questão, o acadêmico desenvolveu um sistema de automação capaz de coletar sinais de dispositivos distribuídos por um ambiente e enviá-los para um software em um computador que realizava os processos e monitoramento a nível local. Nos últimos anos, a procura por softwares desktop convencionais veio diminuindo gradativamente. Este fato se deve à recente evolução dos sistemas e aplicativos web, juntamente com a consolidação das tecnologias presentes, que nos permitiram realizar praticamente as mesmas tarefas que vinham sendo utilizadas nos softwares desktop de outrora. Uma das vantagens da utilização destes sistemas e aplicativos é a possibilidade de acesso a partir de qualquer lugar onde haja uma conexão com a Internet, garantindo também ao usuário o acesso a seus dados, permitindo maior grau de mobilidade e facilidade de acesso. Este trabalho estende o projeto inicial a partir do desenvolvimento de um módulo web, em tempo real, deste sistema de automação e monitoramento. Este módulo web resgatará as informações coletadas pelo hardware e software já existentes e tornará possível o monitoramento remoto em qualquer lugar do mundo através de uma conexão com a internet, tanto por um computador quanto por dispositivos móveis (ex.: smartphones e tablets). O restante deste trabalho está organizado da seguinte forma: Na seção 1, será apresentada uma contextualização da estrutura de software e hardware já existente, juntamente com um exemplo que explana a utilização do sistema de automação e monitoramento com a adição do módulo web. A contextualização deste cenário será importante didaticamente e também permitirá melhor entendimento do objetivo do sistema existente e o módulo web. Na seção 2 será apresentado o referencial teórico. Em que será explanada a preparação para o estudo, a análise de tecnologias web para o desenvolvimento deste sistema de monitoramento online, tais como: arquitetura de sistema,

13 12 linguagem de programação, banco de dados, criptografia e formas de comunicação entre diferentes sistemas. Na seção 3 o módulo de monitoramento online é apresentado, este módulo é subdividido em 2 partes: o módulo desktop, contendo uma aplicação que coleta os dados do software local existente e enviando-os para o segundo módulo. O segundo módulo é a aplicação web que recebe estes dados e os exibe de forma dinâmica na tela através de uma aplicação de monitoramento web. Juntamente com esta aplicação há um painel de controle onde são parametrizados os dados coletados. Por fim serão apresentados a conclusão e os resultados do trabalho. Este trabalho se refere exclusivamente a um projeto de software, para mais detalhes sobre hardware e o projeto físico, consultar em (Scherer, 2010).

14 13 CONTEXTUALIZAÇÃO E ESTRUTURA EXISTENTE Nesta seção será realizada uma contextualização da estrutura de software e hardware desenvolvidos no trabalho de conclusão do acadêmico Luis Felipe Scherer. Serão apresentados os objetivos e resultados obtidos no trabalho do acadêmico, justificando também o propósito e significado da extensão deste trabalho. A proposta do acadêmico foi o desenvolvimento de um hardware capaz de monitorar diversos dispositivos tais como: sensores, lâmpadas, alarme, controles para acesso, entre outros. Estes dispositivos podem estar distribuídos por um condomínio, prédio ou residência. A leitura da situação destes dispositivos seria realizada em tempo real e centralizada em uma placa de hardware contendo um microprocessador PIC que envia estes dados a um computador através de uma conexão serial. A situação do dispositivo representa seu estado no momento da leitura, neste caso há duas possibilidades: ligado e desligado. Na Figura 1 é apresentado um esquema contendo as partes integrantes do sistema inicial. Figura 1. Esquema simplificado do sistema atual.

15 14 No momento em que os dados são transferidos para o computador, um software desenvolvido na linguagem de programação C++ realiza a leitura dos mesmos e exibe em uma interface gráfica a situação de cada dispositivo, desde que estes estejam devidamente mapeados no software. Na Figura 2 é possível visualizar a tela de situação de dispositivos. Figura 2. Software de automação e monitoramento - Status dos dispositivos. Neste mesmo software há um histórico da mudança de situação dos dispositivos, em que é possível verificar as mudanças de estado de todos os dispositivos monitorados. Um exemplo de utilização deste recurso é saber exatamente o dia e horário de todas as ocorrências durante um determinado período em que o alarme disparou ou por quanto tempo em determinada noite o alarme esteve desligado. Estas análises são utilizadas para resolver questões de segurança, porém o monitoramento pode servir para outros propósitos. A tela de histórico da mudança dos dispositivos pode ser visualizada na Figura 3.

16 15 Figura 3. Software de automação e monitoramento - Histórico A PROPOSTA DO MÓDULO DE MONITORAMENTO WEB EM TEMPO REAL Após a explanação do sistema inicial, nesta subseção será apresentada a proposta do desenvolvimento do sistema web. Aqui serão descritos os objetivos do trabalho e serão propostas melhorias que posteriormente serão implantadas no sistema e que conduzirão para a criação do módulo de monitoramento web. O primeiro objetivo que levou à ideia da criação do sistema web foi permitir que os clientes que estão residindo nos locais monitorados possam ter a visão geral do comportamento da sua residência ou prédio, mesmo estando fora de casa. Desde que haja acesso à Internet, será possível verificar a situação de sua moradia. Este aspecto por si só já revela um grande avanço em relação à proposta inicial, pois nela só é possível o monitoramento local. Este objetivo em particular é o mais complexo, pois implica no estudo e seleção de diversas tecnologias para tornar possível a integração entre o módulo local e o módulo web do sistema. Entre elas: a escolha de uma linguagem de

17 16 programação para a web em que o programa será desenvolvido, um banco de dados para armazenar as informações coletadas, uma forma de comunicação entre estes diferentes locais, uma forma de comunicação segura entre as partes (criptografia) e também aspectos organizacionais, tais como escolha de uma arquitetura de sistema. Na Figura 4 pode ser visualizado um esquema de como o sistema deverá se adaptar para receber o módulo web. Figura 4. Esquema simples do sistema de monitoramento com a inclusão do módulo web. O sistema Web também terá como objetivo, através da análise dos dados capturados, analisar e detectar comportamentos irregulares, pois estará armazenando um histórico das atividades. Um exemplo de atividade irregular seria o desligamento do alarme no período entre 23h da noite e 06h da manhã do dia seguinte. O terceiro objetivo do sistema web será criar diferentes interfaces de usuário, tais como interfaces para smartphones e tablets, e não apenas computadores pessoais. Isto possibilitará melhor usabilidade em diferentes plataformas, visto que em telas menores muita informação dificulta a visão e interação do usuário. Isto é incomum em computadores convencionais com telas maiores, em que mais informações e opções gráficas mais avançadas podem ser agregadas ao sistema para melhorar o entendimento.

18 17 2. REFERENCIAL TEÓRICO Nesta seção serão apresentadas as tecnologias e ferramentas utilizadas para o desenvolvimento e validação do módulo de monitoramento web. Atualmente há inúmeras opções de tecnologias para se desenvolver um sistema web. Há diversas formas de organização (arquitetura de sistema), linguagens de programação, bancos de dados e comunicação entre sistemas. É necessário então um estudo mais aprofundado das tecnologias, para que o software seja desenvolvido com as ferramentas que mais se adequam ao estilo e propósito do sistema, que podem ser os mais diversos A ARQUITETURA DE SISTEMA Segundo (BOOCH et. al., 1999), arquitetura de sistema é O conjunto de decisões significativas sobre a organização de um sistema de software, a seleção dos elementos estruturais e as suas interfaces em que o sistema é composto, em conjunto com o seu comportamento, tal como especificado nas colaborações entre esses elementos, a composição destes elementos estruturais e comportamentais em subsistemas progressivamente maiores, e o estilo arquitetônico que guia esta organização - esses elementos e suas interfaces, suas colaborações e sua composição. Escolher uma arquitetura de sistema é importante, pois quando é utilizada, está se fazendo a organização fundamental de um sistema, incorporada em seus componentes, suas relações com os outros sistemas e os princípios que regem a sua concepção e evolução (HILLARD, 2000). Existem diversas arquiteturas de sistemas que podem ser utilizadas para se conceber um software, cada uma delas apresenta vantagens e desvantagens para cada caso. Para este sistema web, a arquitetura a ser utilizada é o modelo 3 camadas (MICROSOFT GUIDE, 2010). Nesta arquitetura, o software é dividido em três camadas distintas que comunicam-se entre si. A primeira camada é Aplicação, esta é responsável pela

19 18 interação do usuário com o sistema, pode-se dizer que esta é a parte visual do sistema, as telas. Na segunda camada, estão as regras de negócio, nesta parte há todas as regras que regem o funcionamento do software, ou seja, todas os serviços que fazem o sistema funcionar. A terceira camada é chamada de Camada de persistência, a persistência se refere à persistência de dados, esta camada é responsável por armazenar e buscar os dados coletados pelo sistema ou necessários para o funcionamento do mesmo, pode ser chamada também de camada de dados. Na Figura 5 é ilustrado o modelo 3 camadas e suas partes integrantes (MICROSOFT GUIDE, 2010). Figura 5. Modelo 3 camadas (Microsoft Dynamics Nav). A vantagem da utilização de um modelo 3 camadas neste sistema é que se for necessário realizar ajustes ou até mesmo substituir uma camada inteira, as outras camadas permanecerão intactas e o sistema funcionará normalmente, pois estas serão independentes entre si. Um exemplo de troca de camada seria a substituição de um sistema gerenciador de banco de dados por outro, com mais recursos. É possível também reaproveitar o código das demais camadas para se desenvolver um sistema multi-canal (acessado por vários meios ou plataformas).

20 19 Neste trabalho serão desenvolvidas duas camadas de apresentação para o sistema web: A principal para telas grandes (computadores e tablets) e a segunda para se adaptar a telas menores, por exemplo: smartphones. Utilizando o modelo de 3 camadas será necessário desenvolver apenas uma nova camada de apresentação, as regras de negócio e camada de persistência continuam intactas e são totalmente reaproveitadas sem qualquer modificação. Outra vantagem é a possibilidade de integração com outras aplicações, pela comunicação mais acessível à camada de regras de negócio e banco de dados. Na Figura 6 pode ser visualizada arquitetura do sistema de monitoramento web utilizando o modelo 3 camadas. Figura 6. Sistema web representado no modelo de arquitetura em 3 camadas A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO Várias propriedades das linguagens de programação devem ser analisadas ao escolher a que melhor se adapta ao propósito do sistema a ser desenvolvido. Alguns destes aspectos são: Simplicidade: O quão simples é escrever os comandos na sintaxe da linguagem para se fazer um programa;

21 20 Portabilidade: Propriedade que permite utilizar o mesmo software para ser executado em diferentes plataformas (sistemas operacionais); Compatibilidade: Possibilidade de integração da linguagem com diversas tecnologias, como por exemplo, bancos de dados ou Web Services; Segurança: O quão a linguagem está vulnerável a ataques e invasões; Documentação: Suporte que a linguagem oferece para consulta sobre seus métodos e recursos. Neste trabalho, um estudo com as linguagens de programação para a web mais populares foi realizado, entre elas ASP, JSP e PHP. A linguagem que se destacou e foi escolhida para o desenvolvimento do módulo web foi a linguagem PHP. A seguir serão explicados os motivos da escolha. O PHP: Hypertext Preprocessor é uma das linguagens para web mais utilizadas no mundo (PHP, 2008). Sua popularidade se deve à facilidade em criar aplicações dinâmicas com suporte à maioria dos bancos de dados existentes e ao conjunto de funções que, por meio de uma estrutura flexível de programação, permitem desde a criação de simples portais até complexas aplicações de negócio. (DALL'OGLIO, 2007) Na Figura 7 pode ser visualizado um gráfico com a evolução da utilização do PHP nos servidores web, na figura em questão mostra que desde 2000 o número de domínios que está utilizando PHP aumentou consideravelmente e este se mantém estável. Figura 7. Estatísticas de Uso do PHP (php.net).

22 21 Sob o aspecto da simplicidade, PHP é uma linguagem com um modelo de desenvolvimento muito simples. O propósito original do PHP era desenvolver rapidamente aplicações para a Web sem qualquer treinamento preliminar. Isto foi tão bem sucedido que todas as principais empresas de hospedagem oferecem pacotes de hospedagem para aplicações PHP. Além disso, o PHP possui duas sintaxes, a estruturada e a orientada a objeto, que permite ao desenvolvedor a liberdade de escolher o estilo de programação que mais lhe é vantajosa. Em relação à portabilidade, a linguagem está disponível para quase todos os sistemas operacionais. A abordagem técnica do PHP é idêntica a uma Máquina Virtual Java (JVM). É necessário apenas instalar o PHP na máquina servidor e o aplicativo irá funcionar imediatamente, sem reescrever código, não importa qual sistema operacional está sendo utilizado. A linguagem PHP está disponível para utilização nos dois servidores de páginas mais utilizados atualmente: Apache e Microsoft ISS. O PHP possui bibliotecas nativas para acesso aos principais SGBDs do mercado, entre eles: MySQL, PostgreSQL, Oracle e SQL Server. Possui bibliotecas nativas para desenvolvimento de Web Services SOAP, permite criar documentos das mais diversas extensões, tais como documentos de texto, PDFs, Planilhas eletrônicas, XML entre outros. A plataforma PHP não teve nenhum alerta de segurança em vários anos, atualmente é a plataforma mais confiável para desenvolvimento de aplicações e web sites. A documentação é muito ampla, todas as funções e bibliotecas suportadas pela linguagem estão disponíveis no site oficial (http://php.net), a linguagem é aperfeiçoada e mantida por cerca de mil engenheiros e a comunidade de desenvolvedores que utilizam PHP é de aproximadamente 4,5 milhões de usuários. Na Figura 8 podem ser vistos mais alguns detalhes sobre a natureza da utilização do PHP, pode-se observar que o mesmo está liderando sob o aspecto da quantidade de utilização.

23 22 Figura 8. Estatística de utilização das linguagens web: Quantidade de Utilização X Quantidade de Tráfego. Ao analisar as propriedades da linguagem de programação PHP, concluiu-se que esta é a mais adequada para o desenvolvimento do módulo web, pois neste sistema deverão ser utilizados diversas tecnologias para que o desenvolvimento do mesmo seja possível, entre elas um SGBD e um Web Service a serem escolhidos posteriormente, como o PHP já suporta nativamente estes recursos, o uso desta linguagem é apropriado. Em relação às questões de segurança, o sistema web a ser desenvolvido deve ter um cuidado especial, pois estará trabalhando com dados sigilosos, como a linguagem está estável a muitos anos e possui uma equipe de desenvolvimento grande, a linguagem garante a segurança necessária para o sistema. A questão da portabilidade também é importante, pois um dos objetivos da criação deste sistema web é o acesso em diversos dispositivos em diferentes plataformas, por ser uma linguagem de execução no lado do servidor, não importa qual plataforma está sendo utilizada. Desde que haja uma aplicação que permita a navegação na internet, o sistema poderá ser acessado. O PHP oferece vantagens também para o desenvolvedor, que contará com uma sintaxe simples e uma extensa documentação e comunidade de desenvolvedores. Com estes recursos a disposição, o desenvolvimento se torna

24 23 facilitado, além de possuir nativamente diversos recursos que mais tarde serão necessários para o desenvolvimento do sistema O BANCO DE DADOS Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a estes dados. O conjunto de dados, comumente chamado de banco de dados, contém, por exemplo, informações sobre uma empresa em particular. O principal objetivo de um SGBD é proporcionar um ambiente conveniente e suficiente para a recuperação e armazenamento das informações do banco de dados (KORTH, 1999). Um SGBD faz mais do que simplesmente gravar e acessar dados, se fosse apenas isso, uma aplicação poderia fazê-lo através de um gerenciamento de arquivos simples. Um SGBD possui diversos recursos transparentes ao utilizador que garantem que não haja inconsistências e redundâncias nos dados, dificuldade no acesso, problemas de integridade, também implementam questões de segurança relacionados ao acesso aos dados e gerenciam acessos concorrentes (KORTH, 1999). Nesta seção será explanada a escolha do SGDB que tem como objetivo a gravação dos dados coletados pelo sistema de monitoramento local e que serão utilizados para consulta e análise no módulo web. Existem diversos produtos de SGBDs disponíveis no mercado atualmente, cada qual com suas características que os tornam melhores em alguns casos e piores em outras ocasiões sob a ótica do desempenho e recuperação de dados. Entre os mais utilizados estão: PostgreSQL, Oracle, Microsoft SQL Server e MySQL. O foco deste trabalho está mais relacionado à aplicação em si e não a forma de armazenamento e recuperação das informações. Tendo isso como base, não seria necessário um banco de dados demasiadamente robusto, pois a aplicação, não estará trabalhando com um grande volume de dados. Neste caso, a melhor opção de SGBD para o módulo web de monitoramento é o SGBD MySQL.

25 24 O MySQL é um SGBD livre de custo e de código aberto. No início da sua história, o MySQL enfrentou muitas críticas devido a sua falta de suporte a recursos básicos dos SGBDs, tais como chaves estrangeiras e sub-consultas. Porém, nos últimos anos, o MySQL tornou-se banco de dados mais popular do mundo pelo seu alto desempenho, alta confiabilidade e facilidade de uso. (CONVERSE, 2004) É também o SGBD de escolha para uma nova geração de aplicativos que utilizam o LAMP (Sigla da combinação: Linux + Apache + MySQL + PHP / Perl / Python). Muitas das maiores organizações e de mais rápido crescimento do mundo, incluindo Facebook, Google, Adobe, Alcatel Lucent e Zappos encontraram no MySQL uma forma de economizar tempo e dinheiro ligando seus web sites, sistemas críticos de negócio e pacotes de software (MySQL, 2012). Uma das vantagens para a escolha deste SGBD foi a sua ampla disponibilidade nos servidores de hospedagem web, praticamente todos os servidores trabalham com o MySQL em conjunto com a Linguagem PHP. Outra vantagem de utilização é o custo zero, ou seja, o MySQL é livre de custo, ao contrário de outros SGBDs como Oracle, SQL Server e DB2. Na Tabela 1 pode-se verificar o custo de manutenção de alguns SGBDs pagos do mercado. Tabela 1. Custo de licenças de alguns SGBD s pagos. SGBDs Custo pela licença (em Reais) Oracle Standard (para 1 processador) R$ ,00 Microsoft SQL Server (para 1 processador) R$ 3.500,00 O SGBD é nativo para as 3 plataformas mais utilizadas em servidores: Unix, Linux e Windows. Também não é necessária compatibilidade específica com algum servidor web específico, o PHP se encarrega de integrar ambas as partes. MySQL é o padrão de fato para sites de alto tráfego web pelo seu mecanismo de consulta de alto desempenho, capacidade de inserção de dados otimizado, e um forte apoio para as funções especializadas da web como pesquisas rápidas em textos longos (MySQL, 2012). Por fim, a vantagem da utilização do MySQL para este trabalho advém da escolha da linguagem de programação anterior, o PHP. A linguagem PHP e o MySQL foram praticamente desenvolvidos para trabalharem juntos, a união destas duas ferramentas faz com que os softwares obtenham maior desempenho e

26 25 agilidade. Por fim, a estabilidade deste SGBD é comprovada, não há grandes mudanças de versão para versão, fazendo com que este seja fácil de se trabalhar. (CONVERSE, 2004) A FORMA DE COMUNICAÇÃO Nesta seção serão apresentados os conceitos envolvendo formas de comunicação entre diferentes plataformas e justificada a escolha por uma tecnologia específica. O sistema de monitoramento local e o módulo web estarão sendo executados em locais distantes fisicamente, ou seja, fora do alcance de uma rede local. O primeiro estará instalado em um computador no local monitorado e o outro estará em um servidor na web que poderá ser acessado em qualquer local. As plataformas em que foram desenvolvidas estes dois módulos são distintas, o sistema local foi desenvolvido na linguagem C++ para o sistema operacional Windows e o sistema web local será desenvolvido em PHP que é uma linguagem exclusiva para web. Para realizar uma conexão bem sucedida entre os dois módulos é necessária uma tecnologia que utilize um padrão de comunicação. Este padrão deve ser suportado em ambas as linguagens e que possa ser facilmente configurado. Sabendo disso, uma pesquisa foi feita para verificar quais meios de comunicação poderiam ser utilizados para interligar estes dois módulos. Uma opção seria realizar uma conexão TCP/IP padrão, que está disponível nativamente em praticamente todas as linguagens de programação de alto nível, porém esta opção é de difícil implementação. Para que esta opção seja bem sucedida o sistema deveria reconhecer as mensagens enviadas e tratá-las para que o programa entenda o que deve fazer e então chamar os métodos responsáveis. Além disso, a comunicação entre estas duas tecnologias que teria que ser configurada manualmente. Na pesquisa concluiu-se que a melhor opção para comunicação entre os módulos seria a utilização de um Web Service. Um Web Service é um conjunto de funções empacotas, entidades independentes que estão publicadas na web para outros programas utilizarem.

27 26 A tecnologia de Web Services oferece um modelo de programação para a criação de aplicações distribuídas que utilizam padrões abertos. A arquitetura utiliza padrões da Internet como HTTP, XML e SOAP (Simple Object Acess Protocol) e introduz novos conceitos e tecnologias, tais como Arquitetura Orientada a Serviços (SOA), Universal Description, Discovery and Integration (UDDI), e Web Services Description Language (WSDL) (SONERA PLAZA, 2002). A tecnologia de Web Services foi escolhida porque a linguagem de programação PHP, que será utilizada para o desenvolvimento do módulo web e a Linguagem de programação C++ utilizada no desenvolvimento do sistema local possuem suporte nativo para desenvolvimento de Web Services com o protocolo SOAP, que será o padrão utilizado para a comunicação entre os módulos. SOAP é um protocolo leve para troca de informações em um ambiente distribuído. É um protocolo de comunicação, diferente de um sistema de computação distribuída como RMI, DCOM ou CORBA, que são protocolos específicos para uma linguagem. SOAP é independente do modelo de programação, plataforma ou de transporte usado para trocar as mensagens SOAP, e sua sintaxe é baseada em XML. Na Figura 9 pode ser visualizado um exemplo de funcionamento de um Web Service SOAP. Figura 9. Exemplo de sistema utilizando um Web Service. (http://www.oficinadanet.com.br/) Neste exemplo, a aplicação local da esquerda está invocando um método de um web service em um sistema remoto, esta comunicação acontece web utilizando HTTP através do protocolo SOAP. Depois que o método é processado, uma resposta é enviada para a aplicação com o resultado da solicitação. Também é

28 27 possível perceber que o web service se divide em duas partes: servidor e cliente, sendo o servidor responsável por abrigar e disponibilizar os métodos e o cliente que irá utilizar estes métodos. O funcionamento do Web Service no sistema de monitoramento web será realizado da mesma forma: No módulo web (servidor do Web Service) serão criadas e abrigadas as funções que irão receber os dados vindos da aplicação local e que irão fazer a análise e armazenamento destes dados. Este conjunto de funções serão métodos, que estarão disponíveis para execução pela aplicação local (cliente). O web service, ao receber uma requisição, irá processar os dados e enviará uma resposta para o sistema local informando que mais dados podem ser enviados ou, em caso de erro, o que está acontecendo de errado. Outro motivo que conduziu à escolha desta tecnologia foi a facilidade na implementação e disponibilização de novos métodos para a aplicação local. A publicação de um novo método é transparente, basta desenvolver o método no servidor e automaticamente o método estará disponível para acesso na aplicação cliente, não sendo necessária modificação no código da aplicação local. Além da facilidade de utilização, uma questão importante é a segurança. A tecnologia de web services está apta a implementar um sistema de proteção aos dados que estão trafegando sobre o protocolo SOAP. Isso é necessário devido à questão que envolve o sigilo dos dados captados. Na próxima seção o assunto de criptografia aos dados será explanada CRIPTOGRAFIA: A SEGURANÇA DO SISTEMA Criptografia é um meio de aprimorar a segurança de uma mensagem ou arquivo embaralhando o conteúdo de modo que ele só possa ser lido por quem tenha a chave de criptografia correta para desembaralhá-lo. Por exemplo, ao comprar algo em um site, as informações da transação (como endereço, número de telefone e número do cartão de crédito) normalmente serão criptografadas para ajudar a mantê-la segura (MICROSOFT BRASIL, 2012).

29 28 Na Figura 10 pode-se observar um fluxo de informação utilizando criptografia, onde a mensagem é criptografada antes de ser enviada, e descriptografada na chegada ao seu destindo, impedindo que seja lida durante seu percurso. Figura 10. Modelo simples de criptografia. Neste sistema serão aplicadas duas formas de criptografia, essas criptografias possuem o mesmo objetivo: proteger os dados que trafegarem pela Internet. A primeira será responsável pela proteção da aplicação web em si, que fará a comunicação com o utilizador do sistema, protegendo os dados enviados pela aplicação ao navegador do cliente, a tecnologia utilizada será a SSL (Secure Socket Layer). Já a segunda criptografia tratará de proteger os dados enviados através do web service, no sentido da aplicação web service local (cliente) para a aplicação web (servidor), a resposta do servidor para a aplicação não será necessária, pois este estará enviando apenas uma confirmação de recebimento dos dados, neste caso será utilizada um algoritmo criptográfico secreto. O SSL é uma tecnologia de proteção ao trafego de dados mais utilizada na Web. Praticamente todos os sistemas web ou web sites que necessitam ter uma proteção aos dados que enviam aos clientes utilizam este tipo de criptografia. Isto permite que os dados enviados não sejam entendidos por outras máquinas na rede, senão a real utilizadora do serviço. O SSL utilizado neste sistema web será o Módulo do servidor de páginas Apache denominado OpenSSL, uma solução que implementa o algoritmo de forma gratuíta e já é nativa do servidor. Utilizando o OpenSSL e fazendo com que o cliente

30 29 sempre utilize uma conexão segura através do protocolo HTTPS, é possivel implementar a comunicação de forma segura, porém apenas isso não basta. Para a aplicação que recebe os dados se certificar que a aplicação que está os enviando os dados é a verdadeira, ou seja, que não há nenhuma máquina estranha enviando dados falsos para o receptor é necessário que, a aplicação no servidor (neste caso o sistema web) utilize um certificado digital válido. Um certificado digital é um documento eletrônico que visa atestar a identidade do seu titular (usuário ou instituição, como bancos e lojas de comércio eletrônico), em documentos ou s digitalmente assinados, em navegação na internet ou em operações online, inclusive sigilosas. Ao ser instalado no computador e usado em uma dessas ações pelo titular, por meio de software capaz de operá-lo, o certificado dá garantias dessa identidade, ou de privacidade, para as partes envolvidas (REZENDE, 2005). Após a certificação, que, em tese, prova que a aplicação do servidor é a original, os dados podem ser transmitidos, mas caso a identidade não seja comprovada, o navegador de internet bloqueará o tráfego dos dados a não ser que o cliente utilizador deseje conectar no serviço mesmo assim, adicionando uma exceção de segurança. Para obter o certificado digital válido, é necessário que a aplicação do servidor compre-o de uma entidade certificadora. Esta entidade vai gerar um certificado válido e garantirá que este não está sendo usado por aplicações mal intencionadas, assegurando trafego seguro à aplicação web e também aos utilizadores. Neste trabalho não serão utilizados certificados digitais, devido ao seu alto valor e estar em fase inicial, porém caso a aplicação seja utilizada por clientes reais em um futuro próximo, a aplicação deverá fazer uso de um. Na Tabela 2 podem-se observar alguns valores em dólares de certificados digitais oferecidos pelas mais populares entidades certificadoras da internet (WhichSSL, 2012). Tabela 2. Comparativo de Preços entre Entidades Certificadoras (WhichSSL,2012). Entidade Certificadora Valor do Certificado Validade do Certificado Verisign $ 234,00 1 Ano GeoTrust $ 118,00 1 Ano COMODO $ 64,95 1 Ano

31 30 Para a comunicação entre o web service do módulo local com o módulo web será utilizado um algoritmo criptográfico secreto. A tecnologia SSL também poderia ser utilizada para esta conexão, porém a utilização desta faz com que a aplicação perca desempenho no envio dos dados, pois leva um tempo considerável para criptografar e descriptografar as mensagens. Além da conexão SSL será utilizada autenticação por meio de sessões, uma forma fundamental e simples de implementar a segurança, através de um controle de acesso utilizando usuario e senha. Para que a conexão seja mais rápida entre as partes, um algoritmo criptográfico menos complexo pode ser utilizado, visto que os dados, mesmo que interpretados, não podem ser compreendidos em sua totalidade, pois estes não estão associados aos dispositivos no momento do envio. A aplicação cliente do web service apenas envia um vetor de elementos numéricos que só faz sentido unindo estes valores com as informações que estão contidas no servidor, que possui a segurança SSL DEMAIS TECNOLOGIAS WEB Ao criar um sistema web são utilizadas algumas tecnologias que são essenciais para que o desenvolvimento se inicie. Estas tecnologias já estão consolidadas e são utilizadas praticamente em todos os sistemas desenvolvidos especialmente para a web. Estas tecnologias são o HTML, CSS e Javascript HTML Para publicar informação de distribuição global, é preciso uma linguagem de compreensão universal, um tipo de publicação de língua materna que todos os computadores podem potencialmente entender. A linguagem de publicação utilizada na Internet é HTML (HyperText Markup Language) (W3C, 2012). HTML dá aos autores a possibilidade de: Publicar documentos on-line com títulos, textos, tabelas, listas, fotos, etc;

32 31 Recuperar informações on-line através de links de hipertexto, com o clique de um botão; Projetar formas para a realização de transações com serviços remotos, para uso na busca de informações, reservas ou encomenda de produtos; Incluir videoclipes, músicas e outras aplicações diretamente em seus documentos. O HTML é uma linguagem de marcação, baseada em XML, é o padrão utilizado por todas as páginas de internet que existem, para se publicar algo na web, é necessário que seja feito através de um documento/página HTML. Isto significa que apenas escolher uma linguagem de programação e utilizá-la para desenvolver um sistema web não basta. É necessário utilizar o HTML para padronizar as informações que serão exibidas na tela e também dar forma ao sistema. A linguagem de programação PHP está diretamente ligada ao HTML, pois a linguagem, ao ser executada, gera documentos HTML que serão as telas do sistema. Atualmente a versão 5 do HTML ainda está em desenvolvimento, portanto será utilizada a última versão já estável e suportada pelos principais navegadores de Internet. Esta versão é o HTML CSS O CSS (Cascading Style Sheets) é um mecanismo simples para adicionar estilo (por exemplo, fontes, cores, espaçamentos) aos documentos web. É possível desenvolver um sistema sem usar estilos, porém sistemas muito básicos, sem cores nem formas personalizadas. O CSS é utilizado para personalizar e destacar as informações presentes em um documento HTML, ou seja, dá forma e desenvolve a interface com o usuário do sistema (W3C, 2012). No caso deste trabalho serão desenvolvidos dois estilos, o primeiro para computadores desktop, com telas maiores, o segundo para dispositivos móveis com acesso à internet, que por consequência possuem telas menores. É dada extrema importância à interface de utilização do sistema porque esta cumpre a tarefa essencial de acertar a devida importância para cada informação

33 32 presente na tela, como a forma de acesso ao sistema será destas duas formas distintas, é necessário que se destaque de forma diferenciada as informações para cada tipo de dispositivo, melhorando o aproveitamento do sistema objetivando a fácil utilização do mesmo Javascript Javascript é a linguagem de programação do tipo script mais popular do mundo. É a linguagem padrão utilizada para interação em páginas Web, mas também é amplamente usado por aplicativos de desktop, aplicativos de telefonia móvel, e servidores de internet. O Javascript, diferentemente do PHP, é executado na máquina do cliente (utilizador de sistema) e não no servidor (disponibilizador do sistema), o que lhe permite realizar funções que não são possiveis pelo PHP, como, por exemplo, detectar a resolução da tela do computador em que está sendo utilizado um sistema web, esta informação o PHP não consegue capturar, pois não está sendo executado na máquina do utilizador, mas sim em um servidor (W3C, 2012). O javascript será utilizado neste sistema para requisitar novas informações sobre o monitoramento em intervalos de tempo determinado. Como o sistema de monitoramento é em tempo real, as informações precisam ser atualizadas constantemente. É possivel atualizar estas informaçoes sem a utilização desta linguagem de script, porém há uma diferença. Sem usar o Javascript é necessário atualizar toda a página para requerer novas informações, isso significa ter de carregar novamente, além das novas informações, todas as imagens, estilos e demais componentes do documento HTML. Isto gera uma lentidão no sistema e não constitui uma interface fluída de navegação, o que prejudicaria muito a utilização do sistema. Com javascript, apenas as novas informações podem ser recuperadas através de requisições assíncronas (AJAX) e o fluxo de dados se torna muito menor e a atualização dos dados do sistema se dá de forma transparente, como uma aplicação desktop tradicional.

34 33 O Javascript também será utilizado para detectar informações sobre o cliente utilizador, como, por exemplo, em que tipo de máquina o sistema está sendo executado (computador ou dispositivo móvel) e assim aplicar o estilo adequado para cada cliente. Além disso o Javascript é utilizado para dar mais dinamismo ao sistema, projetando animações com imagens ou componentes do sistema.

35 34 3. SISTEMA DE MONITORAMENTO WEB Nesta seção será apresentado o sistema de monitoramento web, descrevendo todos os seus detalhes de desenvolvimento. O sistema será descrito em duas subseções, a primeira apresentará detalhes sobre o módulo do sistema desenvolvido para a parte local do sistema, responsável pelo controle e envio dos dados para a aplicação web, que será descrita na segunda subseção e que será responsável pela análise e exibição dos dados coletados O MÓDULO DESKTOP O módulo desktop do sistema possui uma função simples, porém essencial para o funcionamento da aplicação. Os dados que estão sendo capturados pelo sistema local de monitoramento necessitam ser enviados para o servidor web, onde estará rodando a aplicação que será responsável pela análise e exibição destes dados. A função deste módulo desktop é enviar, através de um web service, os dados que foram coletados pelo hardware presente no local monitorado. Para isso, foi necessário adaptar e reescrever parte da aplicação cliente já existente, adicionando uma chamada para o web service do módulo web Web Service: Cliente Para desenvolver o Web Service na aplicação local é necessário utilizar uma biblioteca em C, que realiza conexões e interage com web services remotos. A biblioteca utilizada para desenvolvimento se chama GSoap, esta não é nativa na linguagem C, mas basta importá-la para o arquivo principal da aplicação local para fazer uso da mesma.

36 35 A partir do momento em que o código da aplicação reúne todos os sinais dos dispositivos em um vetor, a chamada de web service é adicionada, enviando os sinais de todos os dispositivos coletados, juntamente com a identificação do cliente o qual está os enviando e também a data e a hora do envio. O Web Service se encarrega de enviar os dados e receber uma resposta de confirmação que garante que os dados chegaram com sucesso. Inicialmente o código foi escrito sem uma Thread, porém ao perceber que, se a conexão com o servidor falhasse por um momento, a aplicação travaria, pois estaria esperando a resposta do Web Service. Constatando esta falha, foi criada uma Thread para enviar os dados, assim caso a conexão falhasse, a aplicação continuaria funcionando normalmente, um marcador foi adicionado à interface da aplicação para exibir se o web service estava conectado ao servidor, baseado na resposta obtida. Este marcador pode ser observado na Figura 3, localizado à direita da aplicação, se chamando Net Conectado. Quando conectado exibe uma cor vermelha, ao desconectar exibe uma cor cinza. No caso da figura a aplicação encontra-se desconectada do Web Service O MÓDULO WEB Nesta seção são descritos todos os detalhes de implementação do módulo web, contendo o Web Service servidor, o banco de dados e a aplicação de monitoramento web Web Service: Servidor O Web Service do servidor é responsável pela captura dos dados enviados pelo Web Service cliente e a interpretação dos mesmos, tendo como responsabilidade a análise dos dados e a geração do histórico, juntamente com a gravação da situação atual no banco de dados. Ao receber novos dados através da função RecebeDados do Web Service, a primeira tarefa do servidor é identificar qual cliente está os enviando, já que o

37 36 sistema comporta múltiplos clientes. Esta verificação é realizada através da consulta à primeira posição do vetor de dados recebido, que carrega o identificador único do cliente. Ao identificar o cliente, a função verifica quais dados foram alterados desde o último envio. Esta verificação é realizada para saber quais dispositívos alteraram a sua situação. Após identificar alterações, as posições alteradas são consultadas na tabela de dispositivos para verificar quais dispositivos estão ativos e se os dispositivos cadastrados ativos possuem a opção Gerar Histórico, esta opção é utilizada para definir quais deles, ao alterarem seus Status, gerarão ou não uma nova atividade no histórico. Isto é interessante para destacar alguns dispositivos mais importantes, tais como o alarme ou a sirene, e desconsiderar alterações em lâmpadas, por exemplo. Se um dispositivo possui a opção Gerar Histórico, uma nova entrada no histórico é criada, contendo a data de envio dos dados, qual dispositivo teve seu status alterado e qual foi a alteração realizada. Neste caso só há dois tipos de alteração: de Ligado para Desligado, ou de Desligado Para Ligado. Ao analisar a situação de todos os dispositivos, a situação atual é gravada no banco de dados como última situação válida, que será utilizada para comparar com novos dados que o Web Service estará recebendo. Este processo se repete a cada novo envio, caracterizando um loop infinito, em que os dados são recebidos, processados, e uma confirmação é enviada ao cliente para que este possa enviar novos dados. O envio de dados pela aplicação cliente é realizado em um intervalo menor que 2 segundos, então a situação atual pode ser considerada como tempo real. E a atualização dos dados na aplicação é instantânea, exibindo ao cliente o status dos dispositivos de seu local monitorado há apenas alguns segundos atrás Modelagem do Banco de Dados Nesta subseção é apresentada a modelagem lógica de banco de dados da aplicação de monitoramento web. O projeto é composto por 6 tabelas: Sinais,

38 37 Descrição dos Sinais, Clientes, Histórico, Tipos de Dispositivos e Atividades Irregulares. Tabela Sinais Nesta tabela é armazenada a situação atual de cada cliente em um registro único, que é constantemente atualizada pelo Web Service. SINAIS Chave Atributo Tipo de Dado Tamanho DATAHORA timestamp - Chave primária # CLIENTE caractere 50 Chave estrangeira da tabela Clientes VALORES caractere 1000 A modelagem foi realizada desta forma porque se fossem utilizadas chaves estrangeiras para todos os dispositivos, em múltiplos registros, a cada segundo centenas de atualizações de registros deveriam ser feitas, fazendo com que o sistema se tornasse lento, ao obter todos os dados em um só registro, seu uso se torna muito mais eficiente. Tabela Descrição de Sinais Nesta tabela é realizada a associação de um dispositivo cadastrado no sistema com a posição no vetor recebido de um cliente, ou seja, apenas a partir deste momento é possível identificar qual sinal pertence a qual dispositivo. DESC_SINAIS Chave Atributo Tipo de Dado Tamanho CLIENTE Inteiro 10 Chave NUM_SINAL Inteiro 10 Chave primária DESC_SINAL caractere 100 Chave Estrangeira de Tipo TIPO_DISP # inteiro 10 de Dispositivo GERA_HISTORICO caractere 1 sim ou não (0 ou 1) ATIVO caractere 1 Ativo ou inativo POS_PLANTA Posição na planta da caractere 20 aplicação web. Nesta tabela estão todas as informações de cada dispositivo, a qual cliente ele pertence, qual sua posição no vetor de dados do cliente, seu nome, tipo de

39 38 dispositivo, se suas mudanças de estado geram histórico ou não, se o dispositivo está sendo utilizado ou está desativado e também qual sua posição na planta do cliente utilizada na aplicação web na tela de monitoramento do sistema. Tabela Clientes Nesta tabela são armazenadas as informações sobre os clientes do sistema, informações tais como número de identificação, nome completo, login de utilização, senha de acesso e nível de acesso. CLIENTES Chave Atributo Tipo de Dado Tamanho ID_CLI Inteiro 10 Chave NOME_CLI caractere 10 Chave primária USERNAME caractere 100 PASSWORD caractere 10 Senha Criptografada NIVEL_ACESSO caractere 1 Total ou parcial (1 ou 0) Nesta tabela são armazenadas apenas as informações utilizadas pelo sistema a respeito dos seus clientes, informações completas estarão sendo armazenadas em outros sistemas. O nível de acesso define se o usuário pode ou não controlar seus dispositivos, cadastrálos ou alterá-los, normalmente os usuários padrão vêm com acesso apenas parcial, pois não há necessidade de alteração dos dados e esta será feita pela administração do sistema. Tabela de Histórico Nesta tabela ficam armazenadas todas as ocorrências de mudança de estado dos dispositivos, nela são registradas a data e a hora da mudança, qual dispositivo sofreu a alteração, a qual cliente pertence o dispositivo e qual foi o tipo de evento registrado.

40 39 HISTORICO Chave Atributo Tipo de Dado Tamanho ID Inteiro 10 Chave primária DATAHORA timestamp - # CLIENTE Inteiro 10 Chave estrangeira de Clientes Chave estrangeira de Descrição de DISPOSITIVO # Inteiro 10 Dispositivos EVENTO caractere 1 0 ou 1 O tipo de evento registrado representa se o dispositivo alterou seu status de Desligado para Ligado (1), ou de Ligado para Desligado (0). Tabela Tipos de Dispositivos Nesta Tabela é cadastrado apenas um descritivo dos tipos de dispositivos existentes no sistema, para que, quando forem necessários novos tipos, estes possam ser cadastrados e utilizados sem que haja necessidade de alteração no sistema. TIPO_DISPOSITIVO Chave Atributo Tipo de Dado Tamanho ID Inteiro 10 Chave primária DESCRICAO Caractere 50 Atualmente no sistema há quatro tipos de dispositivos cadastrados e utilizáveis: Lâmpadas, Sensores, Alarmes e Sirenes. Tabela Atividades Irregulares Nesta tabela são armazenadas informações a respeito de dispositivos que, se determinadas regras cadastradas acontecerem, por exemplo, acendimento de uma lãmpada de madrugada, o sistema gerará um alerta de atividade irregular. Na tabela são armazenadas o cliente e dispositivo ou tipo de dispositivo que gerará o alarme, a hora inicial e final do acontecimento, a mensagem que será exibida na tela e para qual mudança de estado a atividade se configure como irregular (ex: ligar, desligar ou os dois).

41 40 ATIVIDADES_IRREGULARES Chave Atributo Tipo de Dado Tamanho ID Inteiro 10 Chave primária # ID_CLI Inteiro 10 Chave Estrangeira Cliente # ID_DISP Inteiro 10 Chave Estrangeira Descrição Dispositivos # ID_TIPO_DISP Inteiro 10 Chave Estrangeira Tipo Dispositivos HORA_INICIO Tempo - HORA_FIM Tempo - MENSAGEM Caractere 255 ESTADO Caractere 1 Apenas (0,1,2) Interfaces com o Usuário Nesta subseção são apresentadas as duas interfaces com o usuário desenvolvidas para a aplicação. Será dada maior ênfase para a interface para dispositivos móveis, pois na próxima seção que apresentará a aplicação em seu funcionamento, serão exibidas as telas da interface com o usuário para a aplicação para computadores e notebooks. A aplicação para dispositivos móveis tem o intuito de trazer uma visão mais agradável da aplicação web para telas menores, partindo deste princípio, alguns recursos da aplicação para telas maiores foram removidos para que a informação melhor se adequasse na tela e não deixasse a visualização da aplicação poluída, exibindo apenas as informações mais importantes. Isto não significa que a interface para telas grandes não possa ser carregada pelos dispositivos móveis, pelo contrário, se o cliente optar por utilizar a interface padrão para computadores, basta trocar de interface através de um link disponível na aplicação. A maioria dos dispositivos modernos com sistemas operacionais já suportam os recursos mais avançados dos navegadores, então é possível visualizar a interface normal, porém com limitação de tamanho de tela que pode trazer eventuais encômodos. Na Figura 11 pode-se observar a interface para telas maiores.

42 41 Figura 11. Interface da Aplicação para telas maiores. Na tela da Figura 11, que é a tela inicial da aplicação, percebe-se que são utilizados diversos recursos gráficos com imagens para representar os dispositivos monitorados, por isso a necessidade da criação de uma interface especial para os dispositivos menores, pois com uma tela pequena, os dispositivos ficam dificeis de se observar, e o histórico de eventos e os filtros do histórico ficam de difícil visualização, por estarem com uma letra muito pequena. Levando estes fatos em consideração, decidiu-se recriar a interface para se adequar às telas menores, esta nova interface foi desenvolvida e pode ser visualizada na Figura 12.

43 42 Figura 12. Tela principal da aplicação para dispositivos móveis. Na Figura 12 percebemos que a interface é diferente de uma aplicação web convencional, se parece e se comporta tal qual uma aplicação para disposivos móveis, com menos informações, botões maiores e simples navegação, nesta versão para dispositivos móvies o usuário tem acesso ao monitoramento dos dispositivos, o histórico e também à alguns relatórios. Na tela de monitoramento, o usuário pode visualizar uma lista de todos os dispositivos monitorados ativos e, ao lado de cada dispositivo, uma miniatura representando o tipo de dispositivo e também seu estado, nesta lista é possível filtrar por nome de dispositivo para ser de mais simples localização. Os dados são atualizados em tempo real sem necessidade de atualização da página. Na Figura 13 é possível visualizar a tela de monitoramento.

44 43 Figura 13. Tela de monitoramento Lista de dispositivos. Na tela do histórico, o usuário pode visualizar as últimas 10 ocorrências de mudanças de estado dos dispositivos, trazendo uma lista com o nome do dispositivo, o tipo de evento (ativou ou desativou) e o horário da ocorrência, esta lista também é atualizada em tempo real sem a necessidade de atualização. Na Figura 14 é possível visualizar a tela de histórico da aplicação para dispositivos móveis.

45 44 Figura 14. Tela de Histórico Últimas dez ocorrências. Como a tela de histórico mostra apenas os últimos registros da aplicação, é necessária uma funcionalidade para recuperar informações do passado, sobre determinados dispositivos, em determinados horários. Para isso a funcionalidade de histórico foi criada, objetivando recuperar estas informações e trazer relatórios sobre o comportamento dos dispositivos em um determinado intervalo de tempo, a tela de relatórios pode ser visualizada na Figura 15.

46 45 Figura 15. Tela de Relatórios da aplicação Web 3.3. APLICAÇÃO DE MONITORAMENTO Nesta seção será apresentada a aplicação de monitoramento, desenvolvida na linguagem PHP, instalada em um servidor remoto, que obtêm os dados do banco de dados MYSQL, alimentado pelo Web Service instalado no mesmo servidor. Por se tratar de um sistema que exige autenticação do usuário, ao abrir a aplicação de monitoramento em um navegador de internet, a tela de autenticação é apresentada. A aplicação como um todo utiliza navegação segura (HTTPS), então a partir deste ponto, desde o envio das credenciais do usuário até quando este abandonar o sistema, os dados que transitarão entre o utilizador da aplicação e o servidor estão protegidos por criptografia de alto nível. Na Figura 16 pode ser visualizada a tela de autenticação.

47 46 Figura 16. Tela de autenticação da aplicação de monitoramento web. Cabe salientar que o sistema de monitoramento é multi-cliente, então diversos clientes podem se conectar, ilimitadamente, à aplicação de monitoramento e receber dados, estando limitados apenas à velocidade de conexão de sua Internet e também à capacidade de processamento do servidor da aplicação. As credenciais são informadas para o cliente pelo oficial da aplicação no momento do cadastro, e caso a senha seja perdida, por segurança, deve-se solicitar nova senha por ou entrar em contato diretamente com o administrador de sistema, para garantir a identidade do cliente que está solicitando a nova senha e não se trate de um usuário mal intencionado Mapa de Dispositivos Ao se conectar a aplicação, a tela principal é apresentada, nela, as informações de mais destaque estão no mapa de dispositivos. Nesta tela, é

48 47 apresentada uma planta baixa do local monitorado, cada cliente possui uma planta que é carregada no momento da autenticação. Nesta planta são carregados os dispositivos que estão sendo monitorados pela aplicação web, estes ficam posicionados na planta simulando a sua localização de fato do local monitorado. Há diferentes e intuitivas formas de exibição dos dispositivos conforme o seu tipo (por exemplo, uma lâmpada), bem como seu estado atual, que pode ser ligado ou desligado. Estas informaçoes são carregadas a partir da tabela de descrição dos dispositivos. Quando um dispositivo muda seu estado, o mesmo ocorre com o indicativo na planta baixa no mesmo momento. Isto faz com que o cliente perceba exatamente quando ocorreu a mudança e qual o local aproximado onde tal evento ocorreu, esta forma de visualização permite que o usuário tenha uma visão geral do local monitorado, percebendo facilmente o que está ocorrendo com cada dispositivo e qual o local em que o mesmo se encontra. Estes dados são atualizados de segundo em segundo, conforme dados enviados pelo web service da aplicação local, que fica encarregado pelo envio dos mesmos, um indicativo à direita da tela informa qual a data e a hora da última atualização, para que, caso o web service local perca temporariamente a sua conexão, o cliente perceba que a situação que está vendo no mapa dos dispositivos não é a mais atual, mas sim a do último dado recebido no passado. Porém, ao possuir uma conexão estável a aplicação flui as informações normalmente podendo ser considerada uma aplicação de monitoramento em tempo real. Na Figura 17 pode-se observar um exemplo de mapa de dispositivos com alguns dispositivos pré-cadastrados.

49 48 Figura 17. Tela inicial da aplicação: Mapa de Dispositivos Histórico e Filtros O histórico é outra importante ferramenta presente na tela inicial da aplicação de monitoramento. Em tempo real são atualizadas, segundo a segundo, as últimas atividades envolvendo dispositivos que possuem a opção de gerar histórico marcada em seu registro. No mesmo momento em que chegam os dados do estado atual dos dispositivos no mapa, o histórico também é atualizado, exibindo e registrando os fatos ocorridos para que estes não se percam quando a aplicação for fechada. A lista de histórico exibe os últimos 10 eventos registrados pela aplicação, os dados apresentados são o dispositivo que teve seu estado alterado, qual foi a mudança e também a data e a hora desta mudança. Este recurso conta ainda com opções de filtragem dos dados, para que o cliente possa observar mudanças específicas nos dispositivos, os filtros disponíveis atualmente são:

50 49 Filtro por Dispositivo; Filtro por Estado. No primeiro é possivel filtrar o histórico para exibir apenas as entradas de um determinado tipo de dispositivo, como por exemplo apenas Lâmpadas, por padrão a opção Todos os Dispositivos vem selecionada. No segundo filtro é possivel filtrar eventos do histórico por estado, por exemplo, apenas quando dispositivos foram ligados ou ativados, por padrão, a opção Todos os Estados vem selecionada. Com estes dois filtros é possivel fazer combinações de eventos específicos para selecionar melhor o que o cliente deseja ver. Na Figura 18 é possivel observar o Histórico na aplicação de monitoramento com dados de exemplo. Figura 18. Histórico de eventos da aplicação de monitoramento Relatórios A tela de monitoramento mostra um pequeno histórico contendo apenas os últimos acontecimentos do local monitorado. Então é necessário que exista uma funcionalidade que possa recuperar mais informações do passado em qualquer

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Lista de Exercício: PARTE 1

Lista de Exercício: PARTE 1 Lista de Exercício: PARTE 1 1. Questão (Cód.:10750) (sem.:2a) de 0,50 O protocolo da camada de aplicação, responsável pelo recebimento de mensagens eletrônicas é: ( ) IP ( ) TCP ( ) POP Cadastrada por:

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2 AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA CONTEÚDO DA AULA Tipos de Software Serviços Web Tendências 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Conceitos Web Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011 Tecnologias Web jgw@unijui.edu.br Conceitos Básicos Sistema

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Março/2015 Página 1 de 17 Projuris Enterprise Projuris Enterprise é um sistema 100% Web, com foco na gestão de contencioso por empresas ou firmas

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

Manual de utilização do STA Web

Manual de utilização do STA Web Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Web Versão 1.1.7 Sumário 1 Introdução... 3 2 Segurança... 3 2.1 Autorização de uso... 3 2.2 Acesso em homologação... 3 2.3 Tráfego seguro...

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX

Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX Bruno Simões Kleverson Pereira Marcos Santos Eduardo Barrere Associação Educacional Dom Bosco - AEDB RESUMO

Leia mais

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet.

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. TERMINOLOGIA Navegador ou Browser Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. Os Browsers se comunicam com servidores

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões Prof. MSc. Hugo Souza Se você precisar manter informações sobre seus usuários enquanto eles navegam pelo seu site, ou até quando eles saem

Leia mais

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev P27070 - Rev. 0 1. RESTRIÇÕES DE FUNCIONAMENTO RECEPTOR IP ÍNDICE 1. Restrições de Funcionamento... 03 2. Receptor IP... 03 3. Inicialização do Software... 03 4. Aba Eventos... 04 4.1. Botão Contas...

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Regilan Meira Silva Professor de Informática do Campus Ilhéus Formação em Ciência da Computação com Especialização

Leia mais

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot Proposta Loja Virtual Schmitt Tricot Apresentação: Atualmente atuo no mercado de sites e lojas virtuais desde 2010, desenvolvendo novas ideias, trabalhando com agilidade, para sempre atender a todas as

Leia mais

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto

Leia mais

A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5

A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5 A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5 Juliano Flores Prof. Lucas Plautz Prestes Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Gestão de TI (GTI034) 06/11/2012 RESUMO Escrever programas de computador,

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet

Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet Por Matheus Orion Principais tecnologias front-end HTML CSS JAVASCRIPT AJAX JQUERY FLASH JAVA APPLET Linguagens que executam no cliente HTML

Leia mais

Treinamento em PHP. Aula 1. Ari Stopassola Junior stopassola@acimainteractive.com

Treinamento em PHP. Aula 1. Ari Stopassola Junior stopassola@acimainteractive.com Treinamento em PHP Aula 1 Ari Stopassola Junior stopassola@acimainteractive.com Introdução PHP Hypertext Preprocessor Nome original era Personal Home Page Tools Criada por Rasmus Lerdorf e atualmente mantida

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras

Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras 1. Introdução O que é a Consulta ao SCR via Web Service? A consulta ao SCR via Web Service permite a consulta da posição consolidada

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR MANUAL E DICAS DO ASSISTENTE VIRTUAL (AV) POR ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 ÍNDICE Introdução...3 Requisitos e Restrições do Assistente...3 Diferenças da Versão

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

Violin Tours Management

Violin Tours Management vtm Violin Tours Management Violin Tours Management tm vviolin Tours Management Visão Geral Bem-vindo ao Violin Tours Management, uma aplicação completa para que você automatize canais de relacionamento,

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE OS SERVIDORES DE E-MAILS MAIS UTILIZADOS ATUALMENTE

COMPARAÇÃO ENTRE OS SERVIDORES DE E-MAILS MAIS UTILIZADOS ATUALMENTE COMPARAÇÃO ENTRE OS SERVIDORES DE E-MAILS MAIS UTILIZADOS ATUALMENTE Mayara Dos Santos Marinho¹, Julio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil mayara-marinho@hotmail.com

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Manual do equipamento Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Uma poderosa ferramenta de monitoramento Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Abril de 2008 O que é? Características Requisitos Componentes Visual O que é?

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Apache + PHP + MySQL

Apache + PHP + MySQL Apache + PHP + MySQL Fernando Lozano Consultor Independente Prof. Faculdade Metodista Bennett Webmaster da Free Software Foundation fernando@lozano.eti.br SEPAI 2001 O Que São Estes Softwares Apache: Servidor

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST E-DOC Peticionamento APRESENTAÇÃO O sistema E-DOC substituirá o atual sistema existente. Este sistema permitirá o controle de petições que utiliza certificado digital para autenticação de carga de documentos.

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

ANDRÉ ALENCAR 1 INFORMÁTICA INTERNET EXPLORER 9

ANDRÉ ALENCAR 1 INFORMÁTICA INTERNET EXPLORER 9 ANDRÉ ALENCAR 1 INFORMÁTICA INTERNET EXPLORER 9 1. JANELA PADRÃO Importante: O Internet Explorer não pode ser instalado no Windows XP. 2. INTERFACE MINIMALISTA Seguindo uma tendência já adotada por outros

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

Conheça Melhor a Loja Virtual ASP

Conheça Melhor a Loja Virtual ASP Proposta para Instalação da Loja Virtual Grátis no mês de junho 2011 O comércio eletrônico não é um bicho de 7 cabeças Ter sua loja virtual, agora ficou mais fácil ainda! Sem necessidade de saber programação

Leia mais

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS O QUE É PHP Se você já programa PHP, aconselho que pule para o capítulo 7 desse livro. Pois até esse capitulo iremos abordar algoritmos em PHP até a construção de uma classe com seus métodos e atributos

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 4 Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software 2 1 OBJETIVOS

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Desenvolvimento de Sistema Bibliotecário Simplificado Usando PHP

Desenvolvimento de Sistema Bibliotecário Simplificado Usando PHP Desenvolvimento de Sistema Bibliotecário Simplificado Usando PHP Rafael Keller Tesser 1, Patrick Pivotto Viera 1 1 Acadêmico do Curso de Ciência da Computação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM),

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Sistema de Informação para Coleções de Interesse Biotecnológico

Sistema de Informação para Coleções de Interesse Biotecnológico Sistema de Informação para Coleções de Interesse Biotecnológico Sidnei de Souza Centro de Referência em Informação Ambiental, CRIA 24º Congresso Brasileiro de Microbiologia Brasília, 04 de outubro de 2007

Leia mais