TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE FRETAMENTO EVENTUAL: DESAFIOS E POSSIBILIDADES PARA O TURISMO NO ESTADO DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE FRETAMENTO EVENTUAL: DESAFIOS E POSSIBILIDADES PARA O TURISMO NO ESTADO DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 [Digite texto] TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE FRETAMENTO EVENTUAL: DESAFIOS E POSSIBILIDADES PARA O TURISMO NO ESTADO DE SÃO PAULO Este estudo é resultado de uma parceria entre o Grupo de Pesquisa TCI- Turismo, Conhecimento e Inovação, do curso de Lazer e Turismo, da EACH- USP e a FRESP - Federação das Empresas de Transportes de Passageiros por Fretamento do Estado de São Paulo, São Paulo Maio de 2011

2 Equipe Técnica Universidade de São Paulo EACH - Escola de Artes, Ciências e Humanidades Grupo de Pesquisa Turismo, Conhecimento e Inovação Coordenação: Profa. Dra. Karina Toledo Solha Assistente de Pesquisa: Aline Cristina Luques Contato: Parceria FRESP Federação das Empresas de Transporte por Fretamento Rodoviário do Estado de São Paulo Claudinei Brogliato Presidente Gestão Regina Rocha de Souza Pinto Diretora Executiva 2

3 APRESENTAÇÃO A aproximação entre universidade e a iniciativa privada é percebida como um dos maiores desafios para o desenvolvimento de muitos setores, inclusive no turismo. Isto se deve principalmente aos diferentes objetivos e à dinâmica de funcionamento de cada um. Todavia, a necessidade de uma maior articulação entre os diversos segmentos que atuam no turismo tem-se mostrado imprescindível para garantir o desenvolvimento sustentável da atividade. O grupo de pesquisa TCI Turismo, Conhecimento e Inovação tem como uma de suas premissas promover a aproximação entre a universidade e a iniciativa privada, por meio da realização de estudos e pesquisas, que atendam aos interesses comuns e que contribuam efetivamente para o desenvolvimento do turismo. Dentre os temas de interesse estão aqueles que se referem à elaboração de subsídios para a formulação de políticas públicas para o setor e a identificação de demandas de informação e de qualificação dos diferentes segmentos que atuam no turismo. Esta pesquisa é resultado desta iniciativa, a qual contou com o expressivo apoio da FRESP e dos empresários do setor, tanto para identificar demandas de informação quanto para discutir os resultados do trabalho e definir novas atividades em comum. Desta forma considera-se que esta ação certamente já contribuiu para estabelecer uma maior aproximação com o segmento de transporte rodoviário por fretamento em especial, espera-se que esta experiência seja apenas o início de uma duradoura e frutífera parceria. 3

4 SUMÁRIO 1. Introdução 6 2. Os procedimentos metodológicos 9 3. Os resultados Considerações Referências 45 Anexos 47 4

5 Lista de Gráficos Gráfico 1. Transporte eventual nas empresas 12 Gráfico 2. Transporte eventual segundo importância no portfólio de negócios 13 Gráfico 3. Principais destinos de viagens eventuais no Estado 14 Gráfico 3:1. Principais destinos do interior do Estado 15 Gráfico 3:2. Principais destinos do litoral do Estado 16 Gráfico 3:3. Destinos visitados em outros Estados 17 Gráfico 4. As viagens segundo distância e frequência 18 Gráfico 5. A demanda segundo nível de renda 20 Gráfico 6. A demanda segundo motivação 22 Gráfico 7. As ações de captação de viagens 23 Gráfico 8. Características o atendimento para viagens 25 Gráfico 8:1. Diferencial de atendimento 25 Gráfico 9. As ações de capacitação 27 Gráfico 10. Os intermediários 30 Gráfico 11. Volume de parcerias no turismo 31 Gráfico 12. As parcerias com segmentos do turismo 32 Gráfico 13. A participação das empresas no setor turístico 33 Gráfico 14. A participação das empresas junto ao poder público 34 Gráfico 15. O conhecimento sobre o turismo no país. 34 Gráfico 16. Os aspectos restritivos à atuação no turismo 36 Gráfico 17. Os aspectos facilitadores à atuação no turismo 37 Gráfico 18. As percepções acerca das oportunidades de negócios 39 5

6 1. Apresentação Este estudo teve como objetivo identificar os principais desafios e as possibilidades de atuação das empresas de transporte rodoviário por fretamento no turismo do Estado de São Paulo sob a óptica dos empresários do setor associados à Federação das Empresas de Transportes de Passageiros por Fretamento do Estado de São Paulo FRESP. Para tanto foi necessário conhecer a realidade do setor de transporte rodoviário por fretamento, compreendendo sua dinâmica e organização. Assim buscou-se obter informações por meio de documentos oficiais da ANTT Agência Nacional de Transportes Terrestres, DNIT Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, artigos em revistas especializadas e científicas, relatórios. Os dados obtidos foram complementados por entrevistas realizadas com representantes da FRESP. A partir desta aproximação com o tema elaborou-se um questionário que buscou: caracterizar e identificar a dimensão do fretamento eventual e sua importância para as empresas do setor. identificar algumas características da demanda real por fretamento eventual a partir da percepção dos empresários. verificar o envolvimento das empresas com o turismo. busca identificar a percepção dos empresários acerca das restrições e oportunidades de atuação no turismo. Em função da facilidade de acesso e da possibilidade de um retorno rápido, decidiu-se aplicar os questionários para todo o universo de empresas associadas a FRESP. Isto significou enviar o questionário para os responsáveis pelas 270 empresas cadastradas nos sindicatos afiliados à entidade, desconsiderando as filiais que estão distribuídas em diferentes regiões do estado. 6

7 Quadro 1 - Universo e amostra da pesquisa. Sindicatos Empresas Respondentes Cadastradas SETFRET 14 7 SINFRECAR SINFREPASS SINFRESAN 5 1 SINFRET 23 7 SINFREVALE 6 2 TRANSFRETUR Total Infelizmente, o baixo retorno não permite que os resultados obtidos possam ser generalizados para o conjunto de empresas associadas à entidade. Todavia, ainda traz importantes indicativos acerca dos assuntos abordados. 7

8 2. Os resultados Transporte rodoviário de fretamento: desafios e possibilidades no Estado de São Paulo Dimensão do fretamento eventual Neste item buscou-se verificar a representatividade do transporte eventual, por meio da observação de questões relativas a importância do segmento no conjunto de negócios das empresas de fretamento e a relação de distâncias comumente percorridas nas viagens de lazer e turismo. No gráfico 2, verifica-se que embora as viagens com fretamento eventual ocorram com freqüência, representam para cerca de metade das empresas (39) apenas 20% dos seus negócios. Para o restante a importância do fretamento eventual no portfólio de negócios é bastante equilibrada, em 13 empresas representa até 40% e nas demais varia entre 40 a 100%. Sendo que 9 empresas não responderam. Para 10 empresas o fretamento eventual é muito significativo representando até 100% de suas atividades. Estes dados são importantes indicadores da atuação destas empresas com fretamento eventual, que é uma atividade presente no cotidiano de todas elas, apesar dos indicadores gerais do decréscimo do transporte rodoviário regular de passageiros no país, apontado em pesquisas recentes. E principalmente, pela inexistência de políticas públicas de turismo estimulando este tipo de viagem. Ou seja, existe uma demanda real e espontânea pelo uso do transporte de fretamento eventual, que pode ser um indicativo das possibilidades da existência de uma demanda latente ainda inexplorada, pela inexistência do oferecimento de viagens organizadas com estas características. 8

9 Além disso, a falta de resposta de nove empresas é dado relevante, pois pode indicar a pouca importância dada à esta atividade que segue sendo oferecida de forma pouco profissional, atendendo à algumas demandas espontâneas. Esta demanda real atendida anualmente pelas empresas de transporte por fretamento, com um total de 275 indicações de destinos, os quais foram divididos em cinco categorias para facilitar a análise. A primeira contemplou as cidades localizadas no interior do Estado, a segunda as viagens realizadas para a capital, seguida por aquelas direcionadas às cidades do litoral paulista, as viagens que tem por destino equipamentos ou atrativos turísticos diferenciados, e por fim aquelas realizadas para destinos fora do Estado de São Paulo. Esta divisão foi necessária em função da grande quantidade de indicações de destinos apontadas pelas empresas, e da necessidade de identificar e caracterizar estas localidades. Assim a análise do conjunto de indicações, destaca os destinos localizados no interior do estado, com 143 indicações, seguido pelas viagens realizadas à capital (52), para as cidades do litoral paulista (22), para equipamentos de lazer (15), como Hopi Hari, Wet n Wild, Play Center, e por fim as cidades localizadas em outros estados (43). Apesar de apresentar um grande conjunto de indicações de destinos, nove empresas afirmaram que trabalham com destinos muito diversificados, e não conseguiram apontar os que tem destaque de freqüência no conjunto de viagens realizadas. 9

10 Os municípios do interior do Estado de São Paulo são os mais visitados, correspondendo a um total de 143 indicações. Entre os destinos mais visitados no interior paulista destaca-se a cidade de Aparecida (55), compreensível em função da sua importância como principal destino de turismo religioso do estado, seguida por Campinas (12). 10

11 A maior parte dos municípios indicados são considerados estâncias turísticas pelo governo do estado, como Campos do Jordão (8). Ademais, algumas delas fazem parte dos principais circuitos turísticos do estado, como por exemplo, o tradicional Circuito das Águas, com destaque para Serra Negra (6) e Águas de Lindóia (5). Para conhecimento, o Circuito das Águas Paulista foi elaborado com o objetivo de divulgar os atrativos turísticos e colaborar para o desenvolvimento econômico e social de Águas de Lindóia, Amparo, Jaguariúna, Lindóia, Monte Alegre do Sul, Pedreira, Serra Negra e Socorro. Além disso, também estão indicados outros destinos como Guarulhos (2) e Leme (2) que embora não sejam destinos turísticos por natureza, são destinos de viagem por fretamento. O item outros com (21) consiste na indicação de diferentes cidades do interior com apenas uma indicação cada, como Araras, Artur Nogueira, Brotas, Cosmópolis, Cunha, Franca, Itapecerica, Jaú, Lins, Mairiporã, Miguelópolis, Paulínia, Ribeirão Preto, Salezópolis, São José dos Campos, Socorro, Sumaré, Suzano, Taboão da Serra, Tatuí e Taubaté. A pequena quantidade de indicações de destinos localizados no litoral paulista tem profunda relação com a política restritiva adotada pela gestão pública municipal destes municípios, desde a década de 1990, restringindo o acesso de ônibus fretado. Apesar destas restrições continuam sendo destinos de viagens que 11

12 utilizam o fretamento eventual, com um total de 22 indicações. Do conjunto de cidades do litoral paulista, o maior destaque é a cidade de Santos (11), provavelmente em função do deslocamento para embarque nos Cruzeiros Marítimos. Em seguida com pouquíssimas indicações estão Ubatuba (3), Guarujá (2), Caraguatatuba (2), Bertioga, Mongaguá, Praia Grande e Peruíbe com apenas uma indicação cada são considerados de interesse da demanda porém são menos procurados. 12

13 Além da grande freqüência de destinos no Estado de São Paulo, também existe fretamento eventual para outros estados do país (43), com destaques para alguns como Goiás (12), nas cidades de Caldas Novas (8), Goiânia (3) e Trindade (1). Seguida pelos estados vizinhos do Rio de Janeiro (11), que tem como principais destinos a própria capital (7), seguida por Angra dos Reis (2), Petrópolis e Parati, uma indicação cada. E depois Minas Gerais (8), aparecendo com vários destinos diferentes como Sapucaí Mirim (2), Poços de Caldas (2), Monte Sião (1), Rio Quente (1), Virginia (1), Belo Horizonte (1). Com poucas indicações para destinos mais distantes como Curitiba, no Paraná (4), Balneário Camboriu (5) e Blumenau (1) em Santa Catarina, Porto Alegre e Brasília com uma indicação cada uma. Apesar das indicações apontarem para diferentes destinos, a maior parte deles está localizada em regiões em que o acesso é predominantemente rodoviário e com poucas facilidades de composição de modais (aéreo+rodoviário). Além disto, ressalta-se que são destinos turísticos consolidados, com boa infra-estrutura e tradicionais. 13

14 Neste gráfico pode-se verificar a preferência pelo uso de fretamento eventual para alcançar destinos mais próximos, com distância de até 100 km do ponto de origem. No entanto, também são muito freqüentes os trajetos para destinos distantes até 200 km, e freqüentes para os destinos localizados até 300 km. Verificase ainda, um padrão na freqüência, ou seja, quanto maior a distância, neste caso até 400 km, menor a freqüência das viagens. Embora haja uma importante diminuição na freqüência das viagens para destinos mais distantes, as mesmas continuam a ocorrer, mesmo que raramente. Na análise destes dados é preciso considerar que a questão distância normalmente está associada à qualidade da infra-estrutura rodoviária, e conseqüentemente o tempo de viagem. Desta forma, considerar concomitantemente os destinos visitados e as distâncias usualmente percorridas oferece alguns indicativos que podem explicar este fluxo de deslocamentos. Os dados indicam uma preferência por destinos conhecidos, dotados de infra-estrutura turística, próximos e de fácil acesso, mas não desconsidera possibilidades de destinos mais distantes, tradicionais e com infra-estrutura rodoviária de qualidade. Bloco C - Demanda por fretamento eventual A representatividade do serviço de fretamento eventual nas empresas consultadas indicou a importância deste segmento para o conjunto de negócios, apontando para as características gerais destas viagens. Neste estudo, não se pretende aprofundar as questões acerca do perfil da demanda real, mas identificar alguns aspectos que permitam compreender um pouco melhor as dificuldades e as oportunidades de atuação das empresas neste segmento. 14

15 Para tanto solicitou-se aos empresários que indicassem os níveis de renda do público que costuma atender com freqüência. Considerando o salário mínimo de R$ 510,00, foram propostas cinco faixas de renda, sendo a mais baixa correspondente a R$ 1.020,00 e a mais alta acima de R$ 4.590,00. De modo geral, os empresários demonstraram conhecer o perfil da demanda atendida pelos serviços oferecidos, verifica-se uma maior concentração (87 indicações) entre as faixas de renda de até R$ 1.020,00 a R$ 3.060,00. Sendo que a maior ocorrência está na faixa de R$ 1.020,00 a R$ 2.040,00 (44 indicações). As faixas de renda com valores superiores a R$ 3.060,00 são menos representativas (13 indicações) e parte dos empresários (20) não tinha informação sobre esta questão. A análise destes dados é um importante indicador da capacidade de gastos do público que utiliza o ônibus fretado, de certa forma confirmando que os meios de transportes escolhidos para as viagens mudam conforme a renda, como já ressaltado nas análises realizadas pelo Ministério do Turismo. Ao analisar a pesquisa de Caracterização e Dimensionamento do Turismo Doméstico, realizada em 2007, verifica-se que o ônibus de excursão é utilizado por cerca de 5% da população para atividades de lazer e para negócios, sendo utilizado predominantemente pela população que detém de renda de até 4 SM, enquanto o avião é predominantemente utilizado pela população que detém de acima de 15 SM. 15

16 A faixa de renda do público tem implicações não somente no meio de transporte escolhido, mas também na escolha do destino, dos equipamentos e serviços, assim como nos objetivos e duração da viagem. Assim, a predominância do público, com faixa de renda entre R$ 1.020,00 a R$ 2.040,00 (44), indica que apesar da faixa de renda considerada baixa, há um aumento da sua capacidade de consumo, o que pode significar um incremento na demanda por este tipo de transporte para viagens de lazer. Este aspecto também foi verificado em estudos mais amplos, realizados recentemente que apontaram maior acesso das classes C e D nas viagens de lazer de um modo geral, que usam o ônibus como principal meio de transporte para suas viagens. Este uso do ônibus está dividido em 74% ônibus de linha regular, 14% ônibus de excursão, 10% ônibus alternativo e 1% ônibus intermunicipal, neste estudo aponta-se como um dos principais problemas a utilização dos ônibus clandestinos aos quais denominaram alternativos, que custam mais barato, mas são muito inseguros (Ministério do Turismo, s/d: 71). Bloco D - Atendimento para fretamento eventual 16

17 Há vezes em que a demanda não sabe como solicitar os serviços de transporte adequado às viagens pretendidas e neste momento o intermediador é o responsável por fazer a ligação entre o cliente e a empresa. A intermediação do fretamento para transporte eventual é bastante comum, como pode ser verificado no gráfico 10, e pode ser bastante diversificada. Das 83 empresas consideradas nesta pesquisa, 70 indicaram ter a pessoa física como forma de intermediação para propaganda, organização e venda do fretamento eventual. Além deste tipo de intermediário também se destacam as pessoas jurídicas (60) e as Igrejas (60). Seguidos por escolas (59), agências de viagens (58) e clubes (33). Além desses também foram citadas as empresas de eventos, os acampamentos, as associações e instituições e órgãos governamentais, com uma indicação cada uma. Somente 6 empresas indicaram não trabalhar com intermediários na captação das viagens. Assim é possível identificar dois grupos de captadores de viagens, por uma lado as pessoas jurídicas representadas por empresas e associações, e por outro as pessoas físicas como motoristas, freelancers e donas marias. O Freelancer é um termo em inglês para denominar um profissional autônomo, no caso, caracteriza-se como pessoa física que não tem vínculos com a empresa, mas capta 17

18 e atende clientes de forma independente obtendo lucro cobrando seu valor de intermediação e/ou comissão a partir de acordos com a empresa que lhe convém. Enquanto que Dona Maria é o nome informal empregado pelos profissionais do setor para denominar aquele que representa um grupo de pessoas que esteja interessado em contratar os serviços de fretamento eventual, também não mantém vínculos com a empresa e pode ou não obter lucro pela intermediação assim como estabelecer acordos com a empresa que lhe convém. Visto que a maior parte das empresas utiliza algum tipo de intermediação, há um forte indicativo da necessidade de ações por segmentos, assim pode-se nortear a desagregação e a prestação mais personalizada de serviços. O primeiro passo seria identificar o perfil dos diferentes tipos de clientes buscando assim adequar o oferecimento de serviços às características da demanda. Além disso, sugere-se verificar se estes intermediários valorizam e reconhecem as empresas regulares que oferecem serviços de fretamento, para então definir as estratégias para tornar as parcerias mais eficientes, para divulgar e organizar as viagens. Bloco E - Inserção, Conhecimento e Participação na Atividade Turística O turismo é uma vivência que necessita utilizar diferentes tipos de equipamentos, como hospedagem, transporte, alimentação, atrativo etc., portanto para trabalhar com tal segmento parcerias setoriais podem auxiliar na expansão da atividade e a estabelecer vínculos comerciais de forma estratégica, principalmente quando se trata de logística. 18

19 Dentre os principais tipos de parcerias destacam-se as de caráter comercial, principalmente com as Agências de Viagem (43), que é o representante de perfil jurídico mais indicado como parceiro por manter acordos que estabelecem vínculos entre os serviços que a agência oferece a os serviços que as empresas de fretamento oferecem, permitindo até mesmo a elaboração de serviços que casem a utilização de ambas às empresas. Ao passo que a agência de viagem é responsável pelo projeto, as Operadoras de Viagens (21) são normalmente responsáveis por uma seleção de fornecedores e cuidam do processo. Esse processo inclui viabilizar transporte, hospedagem, hotéis, guias, passeios, refeições por meio de pesquisas e visitas aos locais e ainda se dedicar a fazer negociações e acordos com parceiros que fornecem cada item da viagem. Segundo a Associação Brasileira das Operadoras de Turismo BRAZTOA, a operadora tem a vantagem da escala enquanto as agências de viagem trabalham de forma mais personalizada. O resultado é que operadoras e agências se completam no atendimento dos seus clientes. Ou seja, a operadora atua como um atacadista e as agências, como varejistas. A operadora tem volume de vendas para conseguir preços mais baixos já a agência, por tratar com os passageiros 19

20 sempre de forma individualizada procura oferecer a melhor solução para o cliente conforme seus desejos e disponibilidade financeira. Por outro lado, também ser verificam parcerias estabelecidas com pessoas físicas que se dão através dos guias de viagens (22), e dos comissionados (14). Os guias de viagens são profissionais habilitados à guiar visitantes por roteiros turísticos enquanto os comissionados devem ser compreendidos como os freelancers e donas marias. Além das parcerias com diferentes tipos de organizadores de viagem, também são parceiros de algumas empresas meios de hospedagem (8) e restaurantes (4). Na categoria Outro (3) estão agrupadas as parcerias realizadas com os próprios funcionários das empresas de fretamento e as parcerias com empresas transportadoras de passageiros, o que mostra que os serviços de transporte podem ser complementados quando a distância é grande ou quando determinada empresa só presta serviços até determinado lugar, realizando algo similar ao vôo por escala. A participação das empresas de fretamento nas organizações representativas do setor de turismo é quase nula, apenas duas empresas indicaram participar de alguma organização ou entidade, uma empresa indicou Convention and Visitors Bureau de São Paulo, e a outra empresa indicou participar simultaneamente da ABAV Associação Brasileira de Agências de Viagens e da AMITUR - Associação dos Municípios de Interesse Cultural e Turístico. 20

21 Bloco F - Percepção sobre o Desenvolvimento do Fretamento Eventual O gráfico 16 trata da percepção das empresas quanto aos aspectos que são restritivos ao uso do transporte rodoviário por fretamento no turismo. Dentre os aspectos apresentados, a concorrência com clandestinos mostra-se como a restrição mais relevante, com 40 indicações, seguida pela legislação restrita ou confusa (34 indicações), seguida pela marginalização do transporte rodoviário por ônibus (27), pelo preço (24), pela concorrência com outros meios de transporte (23), 21

22 pelo trânsito (20) e com menor importância a infra-estrutura oferecida pela cidade receptora (18) e a infra-estrutrura da própria empresa (3). Como aspectos que são facilitadores ao uso do transporte rodoviário por fretamento no turismo, 79 empresas expuseram livremente suas opiniões. Por se tratar de uma pergunta aberta, muitas respostas referiam-se ao mesmo tema e para compreender os assuntos abordados definiram-se categorias nas quais os assuntos foram agrupados conforme ao que se referiam. A pontualidade, a possibilidade de consumo de alimentos e bebidas, a despreocupação com a estrada, com o trânsito e com documentação de veículos e a possibilidade de viajar distancias menores com a utilização de apenas um modal que oferece conforto durante a viagem, permitido pela utilização de frota em bom estado de conservação, são os temas mais indicados como aspecto facilitador ao uso do fretamento e assim agrupam-se na categoria Conforto e Comodidade (37). 22

23 As empresas de fretamento geralmente disponibilizam veículos em bom estado de conservação e oferecem ao cliente informações claras sobre a contratação dos serviços oferecidos, sanando dúvidas rapidamente e facilitando aspectos burocráticos necessários á contratação de serviços de transportes além de disponibilizar ao contratante flexibilidade, uma vez que é possível a elaboração de roteiros antes e durante o percurso da viagem. Agrupando estes aspectos, considerou-se a categoria Forma de contratação fácil e flexibilidade de roteiros (29) seguido de Preço (27) que é a terceira categoria mais indicada por tratar dos valores na contratação dos serviços de fretamento, uma vez que se leva em consideração as características econômicas do público que consome este tipo de serviço. As empresas indicam que a Infraestrutura rodoviária e das cidades receptoras (18) é aspecto facilitador quando as vias de acesso estão em bom estado de utilização e não congestionadas, quando o trânsito tem sinalização adequada e quando há áreas reservadas para o estacionamento de veículos de fretamento. A preocupação na utilização de transporte seguro que seja guiado por motorista capacitado e a credibilidade que a empresa transmite na prestação dos serviços compõe a quinta categoria mais apontada como aspecto facilitador, a Segurança (13). A sexta categoria é a Qualidade (12) e abrange o atendimento e a prestação do serviço oferecido pelas empresas de fretamento. A rara utilização dos corredores para ônibus existentes nos municípios pelos veículos de fretamento, a falta de espaços adequados para embarque e desembarque dos passageiros nos atrativos turísticos e o fato de o deslocamento não ser tão veloz, uma vez que o veículo é grande e pesado se comparado a um automóvel depende das condições do trânsito, a categoria Agilidade (8) é a menos citada como aspecto facilitador. 23

24 Dos empresários consultados, 29 não acreditam no desenvolvimento de novos negócios com lazer e turismo no Estado de São Paulo e 55 vislumbram a possibilidade de haver esse desenvolvimento. Pediu-se então que aqueles que acreditavam neste desenvolvimento indicassem quais seriam estes fatores, o que gerou 47 respostas. Não houve empresa que especificou exatamente a possibilidade de desenvolvimento de negócios nesse segmento, mas citaram fatores que devem ser desenvolvidos e aprimorados para que haja um incremento do setor. Entre os fatores que podem estimular este desenvolvimento, destacam-se a Divulgação e Receptividade (19), caracterizado pela divulgação de atrativos de cidades-destinos e o aprimoramento na receptividade destas cidades, a Legislação e Burocracia (17), que tem indícios de necessitar de reavaliação e estabelecimento de padrões para sistematizar o setor e Atrativos e Eventos (14) que aborda a promoção e realização dos atrativos naturais e artificiais e dos mais diversos eventos, feiras e convenções. A categoria Incentivo Governamental (10) engloba as solicitações que as empresas indicam quanto à necessidade de posicionamento dos órgãos públicos na 24

25 reavaliação das taxas que são cobradas pelas cidades-destinos no momento em que emitem documentação de permissão da circulação dos veículos de fretamento nas extensões de seus municípios. Ademais, inclui propostas para que o poder público intervenha nos valores cobrados por pedágios, além de facilitar atualização da frota, uma vez que a legislação impõe a necessidade de renovação constante, e os valores destes veículos são altos. Apesar de ter a mesma quantidade de indicações, as alternativas de desenvolvimento por meio da exploração da demanda deve ser melhor analisada em suas possibilidades de trabalho lembrando que a diversidade de público com diferentes desejos e motivações podem ser cativados através da presença de atendimento personalizado, como já discutido anteriormente.. A melhoria na Infraestrutura (8) é vista como uma categoria que tem possibilidades de desenvolvimento a partir do momento em que houver investimentos em infra-estrutura rodoviária, não só de vias, mas também de sinalização, para resolver o problema dos congestionamentos nos grandes centros, e assim possibilitar a locomoção ágil e organizada. Tal categoria inclui ainda a construção e aprimoramento de saneamento básico nas cidades-destino. Críticas e sugestões No espaço destinado a sugestões, críticas, opiniões e outras informações, 6 empresas agradeceram e parabenizaram a realização da pesquisa, afirmando que o setor tem pouca informação para que os empresários tenham direcionamento em suas ações e 53 empresas não utilizaram o espaço. As principais reclamações referem-se: às complicações diárias de trânsito, à falta de vistoria e fiscalização do transporte clandestino e paralelamente o excesso de restrições com as empresas regulares, aos altos valores cobrados em impostos, taxas e pedágios, às empresas disfarçadas em locadoras e as clandestinas. 25

26 É válido ressaltar a grande preocupação do setor com as empresas clandestinas que prestam serviços com menores preços por terem menores custos, já que não são legalizadas. Acreditam que esse comportamento é prejudicial, pois desvaloriza o setor e põe em risco a segurança nas estradas. A idéia de que o governo deve incentivar o setor de fretamento eventual através da ajuda na compra de veículos e possivelmente isentando o setor do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviço (ICMS), além de intervir nas tarifas de pedágio ao determinar cobrança de valor diferenciado para o transporte de fretamento eventual, indica que os prestadores de serviços de fretamento estão descontentes com o posicionamento governamental no quesito financeiro. Também foram mencionadas (9) dificuldades com a legislação falha e restritiva, a restrição de acesso no interior dos municípios e a falta de infraestrutura dos mesmos para recepção de demanda turística. Essas críticas são indicadores importantes de questões permanentes que precisam ser resolvidas. A legislação falha e restritiva geram procedimentos burocráticos que dificultam a entrada nos municípios. A restrição de acesso no interior dos municípios e a falta de infraestrutura como estacionamentos e áreas que permitam o embarque e o desembarque de forma ágil e segura são críticas relevantes, e deveriam ser apresentadas e discutidas com os representantes do poder públicos para que se possa estudar maneiras de facilitar o deslocamento interno. A proposta de os municípios investirem no setor de turismo e serem mais receptivos, não dificultando o acesso e favorecendo o transporte coletivo, e ainda realizando investimentos na melhoria da infraestrutura dos pontos turísticos são algumas das sugestões oferecidas pelas empresas. Para isto, os municípios poderiam realizar um estudo técnico que estabelecesse vias de acesso, estacionamentos e áreas para embarque e desembarque de veículos de fretamento. Ademais, para que ocorra maior visibilidade das possibilidades de viagens aos destinos, as empresas contribuir para ampliar a divulgação de pontos turísticos e de lazer. Dentre as sugestões apresentadas que são de responsabilidade das empresas de fretamento, está a realização de convênios com embarcações, hotéis, 26

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo PERFIL PROFISSIONAL Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo É o profissional que atua em agências de viagens, em meios de hospedagem, em empresas de transportes e de eventos; promove

Leia mais

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br ABORDAGEM DE QUALIDADE EM TRANSPORTE COLETIVO POR PESQUISA QUALITATIVA Stanislav Feriancic

Leia mais

Dispomos de filiais em Natal/RN, bairro de Ponta Negra.

Dispomos de filiais em Natal/RN, bairro de Ponta Negra. Quem Somos? Atua há 22 anos firmada no mercado como agência especializada na negociação, planejamento, divulgação e execução das atividades turísticas. Empresa esta, devidamente cadastrada pelos órgãos

Leia mais

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015 MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO Rosana Bignami Outubro_2015 ATRATIVOS CIDADES PESSOAS TRANSPORTES SISTEMA DE TRANSPORTE VEÍCULO ATENDE LOCAIS E ATENDE A MINHA EMPRESA ESTÁ PRONTA PARA O MARKETING? OUÇA

Leia mais

PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA

PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA PROMOTORES DE EVENTOS ASSOCIATIVOS ESTADUAIS ASSOCIATIVOS LOCAIS CORPORATIVOS TURISTAS NEGÓCIOS ( 2016) EVENTOS FEIRAS CONGRESSOS 2 SEMINÁRIO PARANÁ

Leia mais

O roteiro de uma. boa viagem. começa na preocupação com conforto e a segurança de quem você vai levar.

O roteiro de uma. boa viagem. começa na preocupação com conforto e a segurança de quem você vai levar. O roteiro de uma boa viagem começa na preocupação com conforto e a segurança de quem você vai levar. Sobre o Turismo Rodoviário O Brasil e a América do Sul como um todo possuem os mais variados atrativos.

Leia mais

Palavras chave: Transporte Rodoviário; Passageiros; Qualidade; Cliente.

Palavras chave: Transporte Rodoviário; Passageiros; Qualidade; Cliente. A importância da avaliação do transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros através dos critérios de qualidade priorizados pelos clientes Lílian da Silva Santos (UFOP) lilisisa@gmail.com

Leia mais

Encontros FRESP. Nossa equipe trabalha durante todo o ano para que o evento seja um sucesso. Esperamos contar com sua valiosa presença.

Encontros FRESP. Nossa equipe trabalha durante todo o ano para que o evento seja um sucesso. Esperamos contar com sua valiosa presença. Conheça a FRESP A FRESP Federação das Empresas de Transportes de Passageiros por Fretamento do Estado de São Paulo é uma entidade sindical de grau superior, constituída com o objetivo de agrupar, representar,

Leia mais

Comunicações e Artes e do Mestrado em Turismo da Escola de Artes Ciências e Humanidades, ambos da Universidade de São Paulo. kasolha@usp.br.

Comunicações e Artes e do Mestrado em Turismo da Escola de Artes Ciências e Humanidades, ambos da Universidade de São Paulo. kasolha@usp.br. O transporte rodoviário de fretamento eventual no estado de São Paulo e sua aproximação com a atividade turística: academia e mercado planejando juntos Karina Toledo SOLHA 1 Debora Cordeiro BRAGA 2 Resumo:

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

Projeto de Pesquisa: principais resultados. Perfil dos guias de turismo atuantes no estado de Alagoas

Projeto de Pesquisa: principais resultados. Perfil dos guias de turismo atuantes no estado de Alagoas Projeto de Pesquisa: principais resultados Perfil dos guias de turismo atuantes no estado de Alagoas A pesquisa Este projeto de pesquisa traçou o perfil dos guias de turismo atuantes em Alagoas, apresentando

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO MTUR/DEAOT/CGQT Campinas, 20 de março de 2010 ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO POLÍTICAS DE INCENTIVO AO TURISMO NORMATIZAÇÃO DE CAMPINGS COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS REGISTRO

Leia mais

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45%

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45% 1 2 A FECOMÉRCIO SC, com o intuito de mapear o perfil do turista e do empresário do turismo de carnaval em Santa Catarina, realizou uma pesquisa com esses públicos nas quatro cidades de maior movimento

Leia mais

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%)

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%) 3.9 Oferta Turística Para análise da oferta turística em Sergipe, o PDITS Costa dos Coqueirais apresenta a evolução da oferta turística no estado no período 1980-2000. Indica ainda o número atual de quartos

Leia mais

Coordenação-geral de Competitividade e Inovação

Coordenação-geral de Competitividade e Inovação Coordenação-geral de Competitividade e Inovação Legislação Turística LEI N º 11.771/2008 DECRETO N 7.381/2010 PORTARIA N 197/20103 PORTARIA Nº 311/2013 Legislação Turística Lei Geral do Turismo 11.771/2008

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso...

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso... PORTO SEGURO APRESENTAÇÃO Qualquer forma de desenvolvimento econômico requer um trabalho de planejamento consistente para atingir o objetivo proposto. O turismo é apresentado hoje como um setor capaz de

Leia mais

A verdadeira arte de viajar

A verdadeira arte de viajar A verdadeira arte de viajar A Ducato Turismo é uma agência especializada na prestação de serviços de gestão de viagens corporativas, com proposta e objetivo de personalização no atendimento diferenciado

Leia mais

ESTUDO DE COMPETITIVIDADE NITERÓI

ESTUDO DE COMPETITIVIDADE NITERÓI ESTUDO DE COMPETITIVIDADE NITERÓI APRESENTAÇÃO Com o intuito de auxiliar destinos turísticos a analisar, conjugar e equilibrar os diversos fatores que, para além da atratividade, contribuem para a evolução

Leia mais

Proporcionar aos idosos, aposentados e pensionistas oportunidade de viajar e de usufruir os benefícios

Proporcionar aos idosos, aposentados e pensionistas oportunidade de viajar e de usufruir os benefícios Objetivos do Projeto Geral Proporcionar aos idosos, aposentados e pensionistas oportunidade de viajar e de usufruir os benefícios da atividade turística, como forma de fortalecimento do setor de turismo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.406 DE 30 DE MARÇO DE 2005. Regulamenta o cadastro obrigatório para fins de fiscalização das sociedades empresárias, das

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS INTERMUNICIPAL NO ESTADO DE GOIÁS Meirielle França Amaral 1 Kalinka Martins da Silva 2 RESUMO O presente trabalho analisa a atuação das empresas

Leia mais

EMPRESÁRIO. Impacto econômico. São Joaquim

EMPRESÁRIO. Impacto econômico. São Joaquim Um dos roteiros turísticos de Santa Catarina é sua região serrana. Composta por uma série de pequenos municípios, os atrativos da Serra Catarinense vão além do inverno de frio intenso e belezas naturais,

Leia mais

da avaliação do transporte rodoviário

da avaliação do transporte rodoviário /2007 A IMPORTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DO RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NO BRASIL A Agência Nacional de Transportes Terda avaliação do transporte rodoviário passageiros através dos critérios de qualidade priorizados

Leia mais

PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013

PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 SUMÁRIO Página Capítulo 3 Objetivos, conceitos utilizados e metodologia 12 Dados socioeconômicos

Leia mais

REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO

REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO 1.Introdução A divisão modal pode ser definida como a divisão proporcional de total de viagens realizadas pelas pessoas e cargas, entre diferentes modos de viagem. Se refere

Leia mais

A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS

A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS A QUALIDADE PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NOS CAMPOS GERAIS NA VISÃO DAS EMPRESAS Alexandre Milkiewicz Sanches (UTFPR) riversonic@ibestvip.com.br Profª. Dra. Isaura Alberton de Lima (UTFPR)

Leia mais

Entrevistas pessoais com as 80 maiores empresas de turismo no Brasil;

Entrevistas pessoais com as 80 maiores empresas de turismo no Brasil; 10ª edição / 2014 Apresentação Entrevistas pessoais com as 80 maiores empresas de turismo no Brasil; Série histórica iniciada em 2004 Pesquisa complementar ao BDET (Boletim de Desempenho Econômico do Turismo),

Leia mais

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO Turismo de Cruzeiros em Itajaí

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO Turismo de Cruzeiros em Itajaí Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO Turismo de Cruzeiros em Itajaí Sumário Introdução... 3 Perfil dos turistas... 4 Hábitos e comportamentos sobre o turismo

Leia mais

Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais.

Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais. Especificações Técnicas Objetivo geral: Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais. Público-alvo: Pessoas físicas usuárias

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE LOJA

FRANQUIA MODALIDADE LOJA FRANQUIA MODALIDADE LOJA SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE

FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE SUMÁRIO QUEM SOMOS 02 PREMIAÇÕES 03 ONDE ESTAMOS 04 O MODELO QUIOSQUE 06 NOSSO NEGÓCIO 07 MULTIMARCAS 07 MULTISERVIÇOS 08 PERFIL DO FRANQUEADO 09 VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE

Leia mais

Job 150904 Setembro / 2015

Job 150904 Setembro / 2015 Job 50904 Setembro / Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de

Leia mais

3.14 Demanda atual e potencial

3.14 Demanda atual e potencial 3.14 Demanda atual e potencial O Estado do Ceará vem adquirindo, no cenário nacional, uma importância turística crescente. Em 1998, por exemplo, ocupou o terceiro lugar dentre os destinos mais visitados

Leia mais

PACOTES CRUZEIROS. e Turismo www.faypassagens.com.br A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI!

PACOTES CRUZEIROS. e Turismo www.faypassagens.com.br A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI! CORPORATE FRETAMENTOS CRUZEIROS PACOTES A SUA VIAGEM COMEÇA AQUI! QUEM SOMOS QUEM SOMOS A Fay Passagens é uma agência que atua há mais de 10 anos, o nosso principal objetivo é prestar atendimento personalizado

Leia mais

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras Diretoria de Engenharia - DE Cidades candidatas e seus aeroportos Aeroportos da INFRAERO primeira e última imagem que o turista estrangeiro

Leia mais

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL ARMAÇÃO DOS BÚZIOS 2015 2 APRESENTAÇÃO A fim de dar continuidade ao trabalho iniciado em 2008, o Ministério do Turismo (MTur), o Serviço Brasileiro de Apoio

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur Prefeitura Municipal de Mairiporã Secretaria de Meio Ambiente e Turismo Departamento de Turismo - DeTur Apresentação Um Plano Diretor de Turismo é uma ferramenta

Leia mais

PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA

PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA INTRODUÇÃO A mobilidade das cidades tem se tornado um desafio cada vez maior com o passar do tempo. Em 10 anos, a frota de automóveis e motocicletas cresceu 400% no

Leia mais

turístico: a oferta e a demanda turísticas

turístico: a oferta e a demanda turísticas 2 Mercado turístico: a oferta e a demanda turísticas Meta da aula Apresentar os conceitos e o funcionamento do mercado turístico, especialmente a oferta e a demanda turística. Objetivos Esperamos que,

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

Táxi em São Paulo parklets

Táxi em São Paulo parklets Táxi em São Paulo A atividade de taxista existe na Capital paulista desde 1902. Naquela época, poucas pessoas possuíam automóveis e o táxi era um meio de transporte muito requisitado. Atualmente, aproximadamente

Leia mais

FRANQUIA HOME OFFICE

FRANQUIA HOME OFFICE FRANQUIA HOME OFFICE SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

Transporte Terrestre X Aluguel de Veículos:

Transporte Terrestre X Aluguel de Veículos: Transporte Terrestre X Aluguel de Veículos: Serviços Diferentes para Clientes Diferentes? Moderador: Tomás Ramos 04/02/2009 Considerando-se o tráfego e os problemas de segurança nas grandes cidades da

Leia mais

PLANO DE MARKETING: UMA PROPOSTA PARA A AGÊNCIA DE VIAGENS COM FOCO NO PÚBLICO SÊNIOR DE SANTA VITÓRIA DO PALMAR (RS)

PLANO DE MARKETING: UMA PROPOSTA PARA A AGÊNCIA DE VIAGENS COM FOCO NO PÚBLICO SÊNIOR DE SANTA VITÓRIA DO PALMAR (RS) PLANO DE MARKETING: UMA PROPOSTA PARA A AGÊNCIA DE VIAGENS COM FOCO NO PÚBLICO SÊNIOR DE SANTA VITÓRIA DO PALMAR (RS) RESUMO: O objetivo deste trabalho é apresentar um Plano de Marketing para uma agência

Leia mais

Por que temos um Estudo de Competitividade?

Por que temos um Estudo de Competitividade? Por que temos um Estudo de Competitividade? Criação de índices nos ajuda a conhecer as dificuldades do destino turístico. O estudo proporciona informações para a elaboração de planos de ação mais objetivos.

Leia mais

Modelo de gestão de portfolio em projetos operacionais para uma instituição pública.

Modelo de gestão de portfolio em projetos operacionais para uma instituição pública. Modelo de gestão de portfolio em projetos operacionais para uma instituição pública. Daniela Quirico Peron; Rogério da Silva Marcelino Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo S/A EMTU/SP

Leia mais

VIAJE LEGAL. www.viajelegal.turismo.gov.br

VIAJE LEGAL. www.viajelegal.turismo.gov.br Aqui você encontra dicas para viajar sem problemas. Afinal, uma viagem legal é aquela que traz boas recordações. Palavra do Ministro Prezado leitor, O turismo é uma atividade que envolve expectativas e

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO

FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO

Leia mais

Guia para contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros sob regime de FRETAMENTO

Guia para contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros sob regime de FRETAMENTO Guia para contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros sob regime de FRETAMENTO 100 95 75 25 5 0 Introdução A Artesp tem a finalidade de regulamentar e fiscalizar todas as modalidades de serviços

Leia mais

Introdução... 4. Percepção sobre a economia e o comércio... 5. Gargalos da economia brasileira... 7. Consumo das famílias... 8

Introdução... 4. Percepção sobre a economia e o comércio... 5. Gargalos da economia brasileira... 7. Consumo das famílias... 8 Conteúdo Introdução... 4 Percepção sobre a economia e o comércio... 5 Gargalos da economia brasileira... 7 Consumo das famílias... 8 Ambiente regulatório... 9 Logística pública... 10 Mão de obra... 10

Leia mais

Guia para compra de passagens e contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros. Suburbano e Rodoviário

Guia para compra de passagens e contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros. Suburbano e Rodoviário Guia para compra de passagens e contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros 100 95 Suburbano e Rodoviário 75 25 5 0 Introdução A Artesp tem a finalidade de regulamentar e fiscalizar todas as

Leia mais

Índice. O projeto. Público-Alvo do Projeto. Critérios de Participação. Sistema de Convidados. Processo de Participação. Pedidos e Alocação

Índice. O projeto. Público-Alvo do Projeto. Critérios de Participação. Sistema de Convidados. Processo de Participação. Pedidos e Alocação Guideline Copa do Mundo da FIFA 2014 TM Índice O projeto Público-Alvo do Projeto Critérios de Participação Sistema de Convidados Processo de Participação Jogos com Hospitality Pedidos e Alocação As Responsabilidades

Leia mais

Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road

Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road Apresentador 1 Ana Paula Cunha Apresentador

Leia mais

Logística no Ponto de Venda (PDV)

Logística no Ponto de Venda (PDV) Logística no Ponto de Venda (PDV) Pesquisa: Percepção do Varejo em Relação às Ações Promocionais Maio de 2005 Objetivo: Avaliar o impacto dos vários tipos de promoções praticadas em supermercados junto

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL SOBRE NÓS Fundada em 2003, a Navega Viagens e Turismo atua no mercado de turismo comprometida com a qualidade de atendimento aos clientes e sua consequente satisfação. Nosso

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

Projeto Circulando Cultura: inclusão cultural através do transporte público.

Projeto Circulando Cultura: inclusão cultural através do transporte público. Projeto Circulando Cultura: inclusão cultural através do transporte público. Aline Leite 1 ; Daniel Lopes 1 ; Denise Navegantes 1 ; Diego Mateus da Silva 1 ; Marcelo Mancini 1 ; Miguel Dias 1 ; Natália

Leia mais

Pesquisa de Levantamento e Percepções sobre o Estacionamento de Veículos no Centro de Campo Grande - MS

Pesquisa de Levantamento e Percepções sobre o Estacionamento de Veículos no Centro de Campo Grande - MS Pesquisa de Levantamento e Percepções sobre o Estacionamento de Veículos no Centro de Campo Grande - MS Julho de 2012 1 Catalogação Bibliográfica Pesquisa de Opinião Pública do Comércio Varejista de Campo

Leia mais

ABTI - Entidade que congrega as empresas brasileiras habilitadas ao Transporte Rodoviário Internacional de Cargas Fundada em 1974.

ABTI - Entidade que congrega as empresas brasileiras habilitadas ao Transporte Rodoviário Internacional de Cargas Fundada em 1974. ABTI - Entidade que congrega as empresas brasileiras habilitadas ao Transporte Rodoviário Internacional de Cargas Fundada em 1974. VISÃO DA ABTI SOBRE ASPECTOS LEGAIS DA PROFISSÃO DE MOTORISTA E FORMA

Leia mais

ABTI - Entidade que congrega as empresas brasileiras habilitadas ao Transporte Rodoviário Internacional de Cargas Fundada em 1974.

ABTI - Entidade que congrega as empresas brasileiras habilitadas ao Transporte Rodoviário Internacional de Cargas Fundada em 1974. ABTI - Entidade que congrega as empresas brasileiras habilitadas ao Transporte Rodoviário Internacional de Cargas Fundada em 1974. VISÃO DA ABTI SOBRE ASPECTOS LEGAIS DA PROFISSÃO DE MOTORISTA E FORMA

Leia mais

BRASIL FRET e 16º ENCONTRO DAS EMPRESAS DE FRETAMENTO E TURISMO. A nova regulamentação do fretamento interestadual

BRASIL FRET e 16º ENCONTRO DAS EMPRESAS DE FRETAMENTO E TURISMO. A nova regulamentação do fretamento interestadual BRASIL FRET e 16º ENCONTRO DAS EMPRESAS DE FRETAMENTO E TURISMO A nova regulamentação do fretamento interestadual 21 de outubro de 2015 Agência Nacional de Transportes Terrestres Áreas de Atuação: TRANSPORTE

Leia mais

Uma fonte inédita de informação

Uma fonte inédita de informação Mensagem do Presidente Uma fonte inédita de informação Este trabalho, patrocinado pelo Sincor-SP, corresponde a uma expectativa do setor quanto aos dados relativos às corretoras de seguros, em um momento

Leia mais

Demanda e Marketing Turísticos em Áreas Rurais

Demanda e Marketing Turísticos em Áreas Rurais Demanda e Marketing Turísticos em Áreas Rurais Retrato do Turismo Rural no Brasil, com foco nos Pequenos Negócios Perfil Empresarial Andrea Faria da Silva 1 Resumo: O estudo objetiva a geração de insumos,

Leia mais

2.2 A operadora elabora, organiza e executa o roteiro da viagem contratada.

2.2 A operadora elabora, organiza e executa o roteiro da viagem contratada. CONDIÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE PROGRAMAS DE VIAGENS NACIONAIS E INTERNACIONAIS A aquisição de pacotes e programas de viagens nacionais e internacionais adquiridas da ARA TRAVEL TURISMO E VIAGENS LTDA.

Leia mais

Panorama do emprego no turismo

Panorama do emprego no turismo Panorama do emprego no turismo Por prof. Wilson Abrahão Rabahy 1 Emprego por Atividade e Região Dentre as atividades do Turismo, as que mais se destacam como geradoras de empregos são Alimentação, que

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA Alexandro Ferreira Reis Carlos Eduardo Brasil Campos Rossana Souza Almeida, Esp. (Orientadora) Este estudo tem como objetivo

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL Mapa de oportunidades para Agências de Viagens O que é ABAV? Entidade empresarial, sem fins lucrativos, que representa as Agências de Viagens espalhadas

Leia mais

FASTPASS. Soluções em Transporte Executivo

FASTPASS. Soluções em Transporte Executivo FASTPASS Soluções em Transporte Executivo A FastPass é uma empresa que oferece soluções completas em transporte de passageiros, desde a locação de veículos executivos e vans com motorista para transfers,

Leia mais

Ministério do Turismo. Brasil: Destino Turístico Internacional Gestão da Política de Turismo Turismo no Brasil: Uma Viagem para Todos

Ministério do Turismo. Brasil: Destino Turístico Internacional Gestão da Política de Turismo Turismo no Brasil: Uma Viagem para Todos Ministério do Turismo Brasil: Destino Turístico Internacional Gestão da Política de Turismo Turismo no Brasil: Uma Viagem para Todos Sumário Executivo Em 2005, do total previsto para o Ministério do Turismo,

Leia mais

Direito do Consumidor Turista. Seja muito bem-vindo ao Estado do Paraná

Direito do Consumidor Turista. Seja muito bem-vindo ao Estado do Paraná Direito do Consumidor Turista Seja muito bem-vindo ao Estado do Paraná No Brasil os direitos do consumidor são regulamentados pelo Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8078/90). A lei é aplicada quando

Leia mais

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

NOVA METODOLOGIA DE PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO FLUTUANTE

NOVA METODOLOGIA DE PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO FLUTUANTE NOVA METODOLOGIA DE PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO FLUTUANTE Rute Eduviges Godinho (*) A população residente, ou seja, a que mora nos domicílios ocupados, é registrada nos Censos Demográficos e pode ser conhecida

Leia mais

As Categorias Comparadas

As Categorias Comparadas Capítulo 2 As Categorias Comparadas Ao aplicar e analisar as respostas aos instrumentos do Diagnóstico da Extensão Universitária Brasileira 2005, a CPAE concluiu pela viabilidade de realizar um estudo

Leia mais

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010 Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre Outono 2010 Pesquisa realizada pela SMTur, em parceria com a FARGS e com apoio da Infraero e da Veppo. 22 a 28 de abril Aeroporto área de embarque

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO URBANO E A ROTEIRIZAÇÃO

TRANSPORTE COLETIVO URBANO E A ROTEIRIZAÇÃO TRANSPORTE COLETIVO URBANO E A ROTEIRIZAÇÃO Tamires Soares Ferreira 1, Dante Alves Medeiros Filho 2, Emanuely Velozo Aragão Bueno 3 RESUMO:NAS EMPRESAS DE GRANDE E MÉDIO PORTE TEMOS A INCIDÊNCIA DO SISTEMA

Leia mais

Hábitos de utilização dos serviços disponíveis nos hotéis da região e similares.

Hábitos de utilização dos serviços disponíveis nos hotéis da região e similares. S A N T O S E R E G I Ã O C O N V E N T I O N & V I S I T O R S B U R E A U PESQUISA JUNTO AOS TURISTAS CORPORATIVOS DA CIDADE DE SANTOS CONSULTOR SENAC MARCO AURÉLIO GIANGIARD Especialista nas Áreas de

Leia mais

Motivos e insatisfações dos usuários dos modos de transporte.

Motivos e insatisfações dos usuários dos modos de transporte. Motivos e insatisfações dos usuários dos modos de transporte. Anna Carolina Côrrea Pereira 1 ; Ana Gabriela Furbino Ferreira 2 ; Igor Jackson Arthur Costa e Souza 3 ; José Irley Ferreira Júnior 4 ; Antônio

Leia mais

A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento.

A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento. A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento. AUTORES ALVES, Felipe Alberto Martins¹; ANDRADE, Beatriz Rodrigues². ¹Universidade Federal do Ceará.

Leia mais

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE 1 O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE GUILHERME ALVES DE SANTANA, MICHELLY ELAINE DE OLIVEIRA CONCEIÇÃO & EVERTON MEDEIROS BEZERRA Introdução Devido

Leia mais

Sindicato das Empresas de Transporte Turístico e de Fretamento no Estado de Pernambuco

Sindicato das Empresas de Transporte Turístico e de Fretamento no Estado de Pernambuco Recife, 09/12/2014 Contribuições 014/2014 A ANTT Agência Nacional de Transporte Terrestre Superintendência de Serviços de Transportes de Passageiros (SUPAS) Ref.: Audiência Pública nº 014/2014 Revisão

Leia mais

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL PORTO SEGURO 2015

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL PORTO SEGURO 2015 ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL PORTO SEGURO 2015 2 APRESENTAÇÃO A fim de dar continuidade ao trabalho iniciado em 2008, o Ministério do Turismo (MTur), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro

Leia mais

Qualidade dos Transportes Públicos Suburbanos no Município de Rio Claro-SP

Qualidade dos Transportes Públicos Suburbanos no Município de Rio Claro-SP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE RIO CLARO-SP INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS - IGCE Qualidade dos Transportes Públicos Suburbanos no Município de Rio Claro-SP

Leia mais

IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL PESQUISA QUANTITATIVA APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS PÚBLICOS-ALVO: POPULAÇÃO e FORMADORES DE OPINIÃO FÓRUM VOLVO DE SEGURANÇA NO TRÂNSITO 24 DE SETEMBRO

Leia mais

Observatório do Turismo

Observatório do Turismo USUS 2012 Observatório do Turismo Cidade de São Paulo Brasil Turismo no Mundo 9,0% Representatividade no PIB Mundial em 2011 US$ 6,3 TRILHÕES Movimentação Financeira em 2011 980 MILHÕES Viagens no Mundo,

Leia mais

3.260.292 habitantes Taxa crescimento População: 2% (8 anos) IDH: 0,824 26 municípios

3.260.292 habitantes Taxa crescimento População: 2% (8 anos) IDH: 0,824 26 municípios Números Curitiba 1.828.092 habitantes TaxaCrescimentoPopulação: 1,8% (8 anos) TaxaCrescimentoAnualPIB: 3,8% (5 anos) PIB 2008 (estimado): R$ 39,2 bi (US$ 20 bi) 5º PIB do Brasil PIB per Capita: R$ 21.447

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS EVENTOS PARA AS CIDADES INTERIORANAS: ESTUDO DE CASO EM LAGOA SALGADA / RN

A IMPORTÂNCIA DOS EVENTOS PARA AS CIDADES INTERIORANAS: ESTUDO DE CASO EM LAGOA SALGADA / RN GESTÃO DO TURISMO A IMPORTÂNCIA DOS EVENTOS PARA AS CIDADES INTERIORANAS: ESTUDO DE CASO EM LAGOA SALGADA / RN Elizane do Nascimento Bacharel em Turismo pela UFRN, Natal-RN. e-mail: elizane.donascimento@yahoo.com

Leia mais

Planejamento e estratégia em turismo. Antonio Liccardo - UEPG

Planejamento e estratégia em turismo. Antonio Liccardo - UEPG Planejamento e estratégia em turismo Antonio Liccardo - UEPG O desenvolvimento do turismo impõe uma permanente articulação entre os diversos setores, públicos e privados, relacionados à atividade, no sentido

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE.

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. Autor: ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA E SÁ FILHO Introdução O Turismo de Eventos está em plena ascensão

Leia mais

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES.

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES. HOTEL DE NEGÓCIOS Mary Lessa Alvim Ayres Ilka Gonçalves Daemon Paulo Cesar Siruffo Fernandes* Resumo Muito têm-se falado de hotéis de negócios: oportunidades de investimentos, grupos estrangeiros alardeando

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Frotistas tecnologia 72

Frotistas tecnologia 72 tecno Frotistas 72 Por Luiz Carlos Beraldo Há opiniões controversas no mundo dos empresários brasileiros de transportes quando o assunto trata do futuro dos veículos comerciais. Alguns apostam que não

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

Campus Catalão Prefeitura do CAC

Campus Catalão Prefeitura do CAC Campus Catalão Prefeitura do CAC ORIENTAÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS Critérios para liberação de diárias e/ou passagens: Para liberação de diária ou passagem, deve-se dar entrada na Prefeitura

Leia mais

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 O espaço urbano como bem ambiental. Aspectos ambientais do Estatuto da cidade garantia da qualidade de vida. Meio ambiente natural; Meio ambiente cultural; Meio ambiente

Leia mais