RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE"

Transcrição

1 As ano, aleatória entidades um e relatório anualmente, prestadoras circunstanciado pela de Inspeção-geral cuidados sobre de o saúde acesso das Atividades devem aos cuidados publicar Saúde, e que divulgar, conforme prestam, até o 31 disposto qual de março será na auditado, alínea de cada do artigo 27.º da Lei n.º 15/2014, de 21 de março. f) cuidados presente do documento Serviço Nacional destina-se Saúde. a orientar a elaboração do relatório pelas entidades prestadoras de O entidades centros relatório que contempla integram a várias informação unidades global (ex. de centro cada entidade, hospitalar, nos capítulos local que de lhe saúde, forem agrupamento aplicáveis. As preencher de os saúde) itens respeitantes devem elaborar às unidades apenas hospitalares um relatório. e às As unidades Unidades de cuidados Locais de saúde Saúde primários deverão que Os Hospitais, as integram. exista. As Administrações Centros Regionais Hospitalares, de Saúde, ULS e IP, ACES deverão, deverão igualmente, disponibilizar disponibilizar o relatório no no respetivo seu site, quando relatórios das instituições hospitalares, ULS e ACES da sua região. site os RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE 1

2 A. Designação IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Localização da Fax Telefone sede ACES site Localização integradas entidade Unidades de na saúde Telefone TAMEGA II VALE DO SOUSA SUL Trav. da Rua Marquês de Pombal UCSP Castelo de Paiva Rua Prof. Egas Moniz Castelo de Paiva Telefone /9 Fax UCSP Oliveira do Arda Avenida Jean Tyssen, Raiva - Castelo de Paiva Raiva Telefone Fax USF União Penafidelis Travessa da Rua Marquês do Pombal 4560 Penafiel Telefone Fax Unidade de Saúde de Recesinhos Lugar Belo Recesinhos Telefone Fax USF 3 Rios Travessa da Rua Marquês do Pombal Penafiel Telefone Fax USF São Martinho Travessa da Rua Marquês do Pombal Penafiel Telefone /9 Fax (RELATÓRIO-TIPO 2

3 Portal UCSP Tâmega e Douro Unidade de Saúde de Peroselo Calvário Peroselo Telefone Fax Unidade de Saúde de Abragão (Sede) Ribaçais Abragão Telefone Fax Unidade de Saúde de Rio de Moinhos Praça 20 Junho Rio Moinhos Telefone Fax USF Egas Moniz Ribadouro Avenida Egas Moniz Paço de Sousa Telefone Fax UCSP Galegos Avenida Carvalheiro - Quinta de Currais Galegos Telefone Fax USF São Vicente Edifício Tapado Novo - Termas São Vicente São Miguel Paredes Telefone Fax (RELATÓRIO-TIPO Centro Diagnóstico Pneumológico (CDP) Travessa da Rua Marquês do Pombal Penafiel Telefone Fax Unidade de Saúde Pública (USP) Avenida Comendador Abílio Seabra, Paredes Telefone Fax UCSP Paredes 3

4 Avenida Comendador Abílio Seabra Paredes Telefone Fax USF Terras de Souza Avenida Comendador Abílio Seabra Paredes Telefone Fax Portal USF Baltar Avenida D. Miguel I, Baltar Telefone (RELATÓRIO-TIPO USF Salvador Lordelo Rua dos Bombeiros Voluntários de Lordelo, Lordelo PRD Telefone Fax USF S. Miguel Arcanjo Rua Cooperativa A Celer, Rebordosa Telefone / Fax USF Tempo de Cuidar (Gandra) Rua Joaquim Tomás, Gandra PRD Telefone Fax USF Cristelo Rua D. Albertina Meireles, Cristelo PRD Telefone Fax USF Nova Era Rua Ernesto Silva, Sobreira Telefone Fax

5 B. (preencher CARACTERIZAÇÃO sempre que Órgãos aplicável) GERAL Administração, (Órgãos de de Administração, Direcção, de Apoio Direcção, Técnico Consulta e de Consulta e Apoio) Direcção / Administração Órgãos Diretora Executiva Constituição / Nomeação Observações Refª e/ou Drª Sandra Rita Fiscalização Participação/Consulta (Ex: Conselho da trabalhadores) comunidade; Comissão consultivo; de Comissão utentes; Conselho de Conselho Pedro Conselho Mendes da Clínico Comunidade Presidente Almiro Vogais: Óscar Mateus e de Saúde Apoio Alice Iolanda Sérgio Gonçalves acesso Técnico aos cuidados no domínio de saúde do Vinagre Couto (Ex: Gestão Cirurgia; Consulta Unidade de Unidade Inscritos Hospitalar Hospitalar para Unidade Acesso a Integrada a Cuidados Tempo e para de Horas; Saúde) o da Outras gestão) (Ex: Unidades Comissões Comissões funcionais) de (apoio ética, à Gabinete Telefone do Utente Gabinete do Cidadão (GC) Travessa da Rua do Marquês do Pombal Penafiel Telefone Fax

6 C.1. Ministério SISTEMAS Aplicações DE informáticas INFORMAÇÃO contratos da Saúde/Administração em uso Central no(s) sector(es) do Sistema que de envolvem Saúde, I.P. o acesso (ou pelo a cuidados antigo IGIF) e fornecidas no âmbito pelo 1. SONHO celebrados pelos serviços centrais (Assinalar com X) de SINUS SAM SAPE CTH 7. SIGIC SIES Equipamentos - Sistema de de Saúde Informação dos SICA SCLINICO X C Outras aplicações informáticas utilizadas no(s) sector(es) que envolvem o acesso a cuidados de saúde C.3. aos utentes, 9. Métodos nos e parâmetros termos da legislação de segurança em vigor e salvaguarda da confidencialidade da informação respeitante 6

7 D. DOCUMENTOS OUTROS NO ACESSO ASPECTOS DE A ORIENTAÇÃO CUIDADOS DE REGULAÇÃO, DE SAÚDE ORGANIZAÇÃO E CONTROLO INTERNO S COM N REFLEXO 1.1 responsáveis O Regulamento pelo acesso Interno a (global) cuidados de instituição saúde? identifica as estruturas Observações Refª e/ou matéria 1.2.Os 1.3. instalada/rentabilização Os Planos do acesso? e Relatórios dos de apresentam recursos Atividades materiais avaliação incluem e humanos pontos da capacidade relacionados disponíveis, com a designadamente centros aplicável)? saúde, ao consultas nível das externas, consultas MCDT, e outras Bloco áreas Operatório de cuidados (qd. dos X 1.4. fundamentais Gabinete Enumeração e/ou de com Regulamentos/Manuais afinidade temática com de o Procedimentos acesso (gestão de de Sectores/Serviços 1.. do Utente, Serviços Financeiros/ Contratualização, ) doentes, Serviço Social,

8 E. IMPLEMENTAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DE ACESSO (RELATÓRIO-TIPO 1.1 Medidas implementadas Sim Não a implementação Existe estrutura da multidisciplinar carta dos direitos interna de acesso? tendo em vista Refª e/ou Observações 1.2 Indicar os serviços envolvidos e constituição procedimentos No caso Indicar Interno afirmativo, para a data publicitação o efeito? de existe deliberação suporte de do regulação CA e Normativo de 1.3 com resultados Estão a(s) Apresentar instância(s) definidos na componente pela em de anexo própria contratualização, do acesso os instituição, indicadores e de indicadores produção? ou definidos de acordo de 1.4. Tempos integrados desempenho? Em caso nos Resposta afirmativo, seus planos Garantidos indicadores de atividades fixados têm pela e de em instituição conta os e 1.5 Os indicadores de resultados direcionados ao acesso são horizontais)? 1.6 A utilizados instituição Especificar a todos utiliza estes níveis indicadores da instituição para (verticais efetuar e relatórios anual 1.7 Existem previsto periódicos planos na Lei especiais de n.º situação 41/2007, de monitorização (para de 24 além de Agosto? do relatório e correção de 1.8Verificam-se, crítica desvios da relevância e/ou incumprimento e regularidade, atualidade de dos objetivos? processos indicadores de revisão utilizados e competentes? respetiva comunicação às entidades e organismos 1.9 minimizar eventual ou está Estão associada desvirtuação definidos o risco aos procedimentos erros, de indicadores informação insuficiência, de de (que controlo resultados)? inadequação constitui para fonte e 1.10 Resposta 1.11 estabelecidos Quais Foram Garantidos? fixados, nas Tempos diferentes nos de termos Resposta áreas da de lei, Garantidos prestação Tempos que de de foram X cuidados? 1.12 dos (apresentar em mapa anexo) 1.13 no Contratos-programa/ Planos Os Tempos e Relatórios de Resposta de Plano Atividades? Garantidos de Desempenho? foram fixados integrados constam X 8

9 1.14 informação Garantidos patologia Está ou afixada, para atualizada grupos em diversos de locais relativa patologias? tipos de ao fácil Tempos de Especificar acesso prestações de e Resposta consulta, e por 1.15 atualizada capacidade Tempos Está disponível, das áreas de no atividade/serviços sítio internet, informação modalidades de Resposta instalada de prestação e, Garantidos, mais de concretamente, cuidados nas diversas de Saúde? disponíveis os respetivos e a X 1.16 próprio, pedido sobre Existe prestação comprovativo, de informação mediante registo aos utentes ou impresso dos cuidados ou Tempos marcação que de de Resposta necessita? consulta, Garantidos Indicar. tratamento para ou prestação exame, no ato de X 1.17 saúde, utentes lhe Em estão sobre caso definidos o tempo referenciação máximo procedimentos de para resposta outra para unidade informar garantido de estabelecimento serem prestados de referência? os respetivos Indicar. cuidados no os para X publicado Atividades As O relatório reclamações em e/ou suporte do anual Plano e/ou autónomo sobre de sugestões o desempenho? acesso ou consta relativas foi divulgado do Relatório ao acesso e de são sua Reguladora Apresentar objeto génese/proveniência de quadro-resumo da tratamento Saúde, etc.)? próprio, (Gabinete discriminando independentemente do Utente, tipo de Entidade da X reclamação, 1.20 participação são As sugestões origem, e objeto, reclamações consequências ou outras (anexo) 1.21 integradas A Entidade dos na Reguladora utentes/cidadãos avaliação e medidas Saúde na melhoria promoveu de correção? formas do acesso de diligências, instituição, acesso a cuidados em intervenções resultado de saúde? ou reclamações outras medidas relativas junto da ao X 1.22 em Lei? 1.23 resultado Quantificar Foram O Relatório constituídos/abertos de e reclamação sobre caracterizar o Acesso e/ou processos foi mero objeto incumprimento sancionatórios auditoria da pela 1.24 comunicados Inspeção-geral As reclamações, à Direcção das sugestões Atividades Geral e Saúde, comentários em Saúde no âmbito? foram do X projeto tratamento SIM das Cidadão? reclamações) (anexar um mapa resumo do X (RELATÓRIO-TIPO 9

10 Tempos máximos de resposta garantidos (TMRG), Tempos de resposta (RELATÓRIO-TIPO a garantidos (Lei (TRG) nº 14/2014 da entidade de 21 de e março tempos e de Portaria resposta nº1529/2008, (TR) da entidade de 26 de em 2013 dezembro) ANÁLISE GLOBAL DE TEMPOS MÁXIMOS DE RESPOSTA GARANTIDOS NO SNS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS CUIDADOS HOSPITALARES (ACES, ULS, Hospitais EPE, Hospitais SPA) 10

11 Primeira consulta Nível de e tipo de cuidados acesso especialidade hospitalar Em TMRG situação Oncológica entidade TRG (RELATÓRIO-TIPO TR Ano da entidade 2013 Cuidados prestados relacionado unidade com de saúde CUIDADOS a pedido DE SAÚDE do utente PRIMÁRIOS Motivo doença não aguda relacionado com 10 Atendimento (dez) da data dias pedido do úteis no pedido dia a partir do Renovação caso Relatórios, referenciação, de doença cartas de orientações medicação crónica de em e 72 (setenta e duas) outros (na médica sequência documentos ou de enfermagem) de consulta escritos 48 após (quarenta a entrega e oito) do pedido horas Consulta utente no domicílio a pedido do 24 a justificação aceite (vinte pelo e quatro) profissional do pedido horas for se Primeira De consulta realização especialidade muito HOSPITAIS hospitalar DO referenciada SERVIÇO S NACIONAL pelos DE centros SAÚDE prioritária avaliação em de triagem acordo com a de saúde hospitalar 30 informático registo consulta (trinta) do dias no pedido CTH sistema a partir pelo da do De acordo realização com a avaliação prioritária em de médico assistente de saúde do centro triagem hospitalar 60 do informático consulta (sessenta) registo do no CTH dias pedido sistema a pelo partir médico assistente do centro da De normal avaliação realização de em acordo triagem com prioridade com a de saúde hospitalar 150 a partir da informático (cento consulta do registo e cinquenta) no CTH sistema do pelo pedido dias médico assistente de saúde do centro 11

12 32 7 referenciação 15 (sete) (quinze) dias dias seguidos seguidos após (RELATÓRIO-TIPO Prioridade 1 30 (trinta) Meios complementares Cateterismo após referenciação dias seguidos Pacemaker cardíaco de diagnóstico e terapêutica 30 (trinta) dias em após doenças a cardiovasculares Cirurgia programada Prioridade acordo com de avaliação nível 4 de da indicação clínica especialidade Prioridade de hospitalar nível 3 de 72 após (setenta a indicação e duas) clínica horas acordo especialidade Prioridade com avaliação hospitalar da 15 após (quinze) indicação dias seguidos acordo com de avaliação nível 2 de da clínica especialidade Prioridade de hospitalar nível 1 de 60 após (sessenta) a indicação dias clínica seguidos acordo especialidade com a avaliação hospitalar da 270 dias indicação (duzentos seguidos clínica após e setenta) a Prioridade acordo especialidade com de a avaliação hospitalar nível 1 de da 270 dias indicação (duzentos seguidos clínica após e setenta) a 12

13 Notas CTH - Consulta a Tempo e Horas Para a realização de uma primeira consulta de infertilidade o TMRG é de 90 (noventa) dias. (RELATÓRIO-TIPO Cirurgia programada Prioridade acordo especialidade de em nível Oncologia Prioridade com de avaliação hospitalar nível 4 3 de de da 72 após (setenta a indicação e duas) clínica horas acordo especialidade Prioridade com avaliação hospitalar da 15 após (quinze) indicação dias seguidos acordo com de avaliação nível 2 de da clínica especialidade Prioridade de hospitalar nível 1 de 45 após (sessenta) a indicação dias clínica seguidos acordo especialidade com a avaliação hospitalar da 60 seguidos clínica (duzentos após e a setenta) indicação dias 13

14 ANÁLISE ESPECÍFICA UNIDADES DE CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS (ACES e ULS) 14

15 (centros de saúde, USF, extensões) AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE / UNIDADE LOCAL DE SAÚDE Área de cuidados N. º consultas 2014 N. º consultas Variação (%) 2013 Nº consultas Variação Consultas de (%) 2012 Medicina Familiar (MGF) Geral e <0,002% >0,041% infantil Consultas materna de saúde <0,020% <0,054% <0,019% Consultas planeamento de <0,051% familiar diabéticos >0,025% >0,018% >0,015% Vigilância doentes de <0,313% hipertensos no domicílio médicas >0,016% >0,043% >0,441% Consultas enfermagem de no >0,086% domicílio <0,007% >0,027% 15

16 ANÁLISE ESPECÍFICA HOSPITAIS (Centros hospitalares, Hospitais EPE, SPA e ULS) 16

17 HOSPITAIS: CONSULTA EXTERNA Comparação da produção Ano 2012 e Ano 2011 consultas Nº (Fonte: SICA) ªs consultas Nº ªs 2013 Variação (%) 2012 consultas Total 2013 consultas Total 2012 ano 2013 Variação (%) 2012 Consultas Realizadas Valência 17

18 Pedidos Tempo consulta previsto agendados. a aguardar em até pedidos à consulta. data da Tempo até à realização Consultas da consulta Realizadas por em nível 2013 ESPECIALIDADE N.º Pedidos de prioridade agendados Tempo médio (dias) máximo Tempo (dias) N.º Realizadas Consultas prioritária Realizadas até Muito 30 dias 31e Prioritária Realizadas entre 60 dias Realizadas Normal entre dias Consultas Realizadas Fora TMRG PRIMEIRAS CONSULTAS DE ESPECIALIDADE - SISTEMA CTH (Fonte: ADW-CTH *) solicitar * ACSS, Caso IP) a colaboração instituição ou à correspondente para não disponha obtenção Unidade dos ainda dados Regional ferramenta à Unidade (ARS, IP). de Central análise da Consulta e gestão a específica Tempo e Horas do CTH (UCCTH poderá / 18

19 ESPECIALIDADE Produção Cirurgias Programadas Lista de Inscritos (LIC) para Cirurgia programadas Nº cirurgias Mediana do Tempo (LIC) de Espera 2013 programadas Nº cirurgias 2012 Variação (%) Nº em entradas 2013 LIC entradas em 2012 Nº LIC LIC 2012 Variação 2013 (%) Variação (%) HOSPITAIS: ACTIVIDADE CIRÚRGICA. Comparação da produção em 2013 e 2012 (Fonte: SIGLIC) LIC TE Tempo Lista de de inscritos espera em cirurgia 19

20 HOSPITAIS: ACTIVIDADE Tempo até à realização Cirurgias CIRÚRGICA. da cirurgia programadas após Tempo indicação realizadas no ano n. de espera clínica, por por nível nível de prioridade de prioridade (Fonte: SIGLIC) ESPECIALIDADE programadas realizadas cirurgias Total % Cirurgias 2013 com realizadas de prioridade nível 4 % Cirurgias 72 horas até de prioridade com % Cirurgias até realizadas nível 15 dias 3 de prioridade com até realizadas 60 nível dias 2 com realizadas % de Cirurgias 270 prioridade nível dias 1 até realizadas (% do >270 Cirurgias TMRG dias) fora 20

21 Intervenções realizadas e tempo de resposta HOSPITAIS: MEIOS COMPLEMENTARES DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA Tipo de intervenção Nº realizados de 2013 exames Nº realizados de 2012 exames Variação (%) relatados %de realizados exames indicação seguidos até após 30 e 2013 clinica dias Cateterismo Pacemaker cardíaco cardíaco Colonoscopia Endoscopia alta Colposcopia digestiva citologia TAC com RM PET Outras 21

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE As entidades prestadoras de cuidados de saúde devem publicar e divulgar, até 31 de Março de cada ano, um relatório circunstanciado sobre o acesso aos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE relatório pela As entidades Inspeção-Geral circunstanciado prestadoras das sobre Atividades de cuidados o acesso em de Saúde, aos saúde cuidados conforme devem que publicar o prestam, disposto e o divulgar,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE As entidades prestadoras de cuidados de saúde devem publicar e divulgar, até 31 de março de cada ano, um relatório circunstanciado sobre o acesso aos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE As entidades prestadoras de cuidados de saúde devem publicar e divulgar, até 31 de Março de cada ano, um relatório circunstanciado sobre o acesso aos

Leia mais

Relatório Anual Sobre o Acesso a Cuidados de Saúde 2013 RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

Relatório Anual Sobre o Acesso a Cuidados de Saúde 2013 RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE 1 A. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação HPP Hospital de Cascais, Dr. José de Almeida Localização da sede Telefone e-mail Fax site Avª Brigadeiro Victor

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR LISBOA NORTE, E.P.E

CENTRO HOSPITALAR LISBOA NORTE, E.P.E CENTRO HOSPITALAR LISBOA NORTE, E.P.E 2013 ÍNDICE 1. Identificação da Entidade... 3 2. Caracterização Geral... 4 3 Sistemas de Informação... 5 4. Outros Aspectos de Regulação, Organização e Controlo Interno

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE As entidades prestadoras de cuidados de saúde devem publicar e divulgar, até 31 de Março de cada ano, um relatório circunstanciado sobre o acesso aos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE NO SNS 2014

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE NO SNS 2014 RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE NO SNS 2014. Largo da Misericórdia 4490-421 Póvoa de Varzim Telefone: 252 690 600 Fax: 252 611 120 w w w.chpvvc.pt SUMÁRIO 0. ENQUADRAMENTO I. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde. Ano de 2014

Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde. Ano de 2014 Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. ENQUADRAMENTO... 3 3. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE... 4 4. CARACTERIZAÇÃO GERAL... 5 5. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO... 7 6. OUTROS

Leia mais

S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 58/2015 de 6 de Maio de 2015

S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 58/2015 de 6 de Maio de 2015 S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 58/2015 de 6 de Maio de 2015 A redução de listas de espera cirúrgicas, de consultas e de meios complementares de diagnóstico e terapêutica para tempos de espera clinicamente

Leia mais

Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde

Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde Hospital Garcia de Orta, E.P.E 1 31 de Março 2011 SUMÁRIO PREÂMBULO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE CARECTERIZAÇÃO GERAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO OUTROS ASPECTOS

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE As entidades prestadoras de cuidados de saúde devem publicar e divulgar, até 31 de março de cada ano, um relatório circunstanciado sobre o acesso aos

Leia mais

Carta dos Direitos de Acesso aos Cuidados de Saúde pelos utentes do Serviço Nacional de Saúde

Carta dos Direitos de Acesso aos Cuidados de Saúde pelos utentes do Serviço Nacional de Saúde DECRETO N.º145/X Carta dos Direitos de Acesso aos Cuidados de Saúde pelos utentes do Serviço Nacional de Saúde A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição,

Leia mais

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 O Decreto Legislativo Regional n.º 16/2008/A, de 12 de junho, que procedeu à criação da Rede de cuidados continuados

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE As entidades prestadoras de cuidados de saúde devem publicar e divulgar, até 31 de Março de cada ano, um relatório circunstanciado sobre o acesso aos

Leia mais

Relatório Anual Sobre o Acesso a Cuidados de Saúde 2013. Relatório Anual Sobre o acesso a Cuidados de Saúde

Relatório Anual Sobre o Acesso a Cuidados de Saúde 2013. Relatório Anual Sobre o acesso a Cuidados de Saúde Relatório Anual Sobre o acesso a Cuidados de Saúde 2013 1 Índice A. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE... 3 B. CARACTERIZAÇÃO GERAL... 4 C. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO... 6 D. OUTROS ASPETOS DE REGULAÇÃO, ORGANIZAÇÃO

Leia mais

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Ficha Informativa 2 Fevereiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Direito

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, EPE, criado através do Decreto Lei n.º 326/2007 de 28 de Setembro, com início de actividade a 1 de Outubro de 2007, resultou da fusão de

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE As entidades prestadoras de cuidados de saúde devem publicar e divulgar, até 31 de Março de cada ano, um relatório circunstanciado sobre o acesso aos

Leia mais

MGIC 2011. Volume II Área de Gestão. Unidade Central de Gestão de Inscritos para Cirurgia

MGIC 2011. Volume II Área de Gestão. Unidade Central de Gestão de Inscritos para Cirurgia MGIC 2011 Volume II Área de Gestão Unidade Central de Gestão de Inscritos para Cirurgia [Volume II Área de Gestão] MGIC 2011 Índice 1. Áreas de acção do responsável de serviço... 3 1.1. Organização e funcionamento

Leia mais

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRETIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL)

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRETIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRETIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) Considerando as atribuições da Entidade Reguladora da Saúde conferidas pelo artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 127/2009,

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro?

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? José Carlos Caiado 26 de Outubro de 2011 Introdução Elaboração do orçamento da saúde Monitorização e divulgação de informação Melhoria do desempenho

Leia mais

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC)

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Impulso Jovem Aviso de Abertura de Convite Público para Apresentação de Candidaturas Sistema de Apoio

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 032/04 PR, de 31de maio de 2004. Publicada no DOE em 1 /07/04, vigência a partir de 31/05/04.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 032/04 PR, de 31de maio de 2004. Publicada no DOE em 1 /07/04, vigência a partir de 31/05/04. Alterações: Alterado o inciso IV do art. 5 pela IN 042/05 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 032/04 PR, de 31de maio de 2004. Publicada no DOE em 1 /07/04, vigência a partir de 31/05/04. Institui critérios para os

Leia mais

SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - INDICADORES

SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - INDICADORES SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - I Introdução INDICADORES O SIGIC é um sistema regulador da actividade cirúrgica programada que visa melhorar o acesso à prestação de cuidados

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Aviso Apresentação de Candidaturas Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL Doenças Respiratórias

PROGRAMA NACIONAL Doenças Respiratórias PROGRAMA NACIONAL Doenças Respiratórias para as REGRAS DE PRESCRIÇÃO DE CUIDADOS RESPIRATÓRIOS DOMICILIÁRIOS Programa Nacional para as Doenças Respiratórias (PNDR) Autoria Elsa Soares Jara Cristina Bárbara

Leia mais

Diagnóstico de Situação em 2015. Diagnóstico de Situação em 2015 Prioridade II: Reforço da Segurança dos Doentes. Entidade: *

Diagnóstico de Situação em 2015. Diagnóstico de Situação em 2015 Prioridade II: Reforço da Segurança dos Doentes. Entidade: * Página 1 de 6 Entidade: * Centro Hospitalar do Porto, EPE Morada: Código Postal - N.º de camas: ARS: Tipologia: * ACES Hospital/Centro Hospitalar Unidade Local de Saúde PLANO DE ATIVIDADES Preenchimento

Leia mais

Aprova o Regulamento da Central de Intermediação de Comunicação telefônica a ser utilizada por pessoas com deficiência auditiva ou da fala CIC.

Aprova o Regulamento da Central de Intermediação de Comunicação telefônica a ser utilizada por pessoas com deficiência auditiva ou da fala CIC. Resolução nº509/08 ANATEL RESOLUÇÃO No 509, DE 14 DE AGOSTO DE 2008 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Aprova o Regulamento da Central de Intermediação de Comunicação telefônica a ser utilizada por pessoas

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMISSÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE PROJETOS DO FMDCA EDITAL N 02/2014

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMISSÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE PROJETOS DO FMDCA EDITAL N 02/2014 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMISSÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE PROJETOS DO FMDCA EDITAL N 02/2014 EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS PARA FINANCIAMENTO COM RECURSOS

Leia mais

A avaliação documental nos cuidados de saúde primários: apresentação de casos de estudo

A avaliação documental nos cuidados de saúde primários: apresentação de casos de estudo Lisboa, 3 de julho de 2015 A avaliação documental nos cuidados de saúde primários: apresentação de casos de estudo CS Lapa do ACES Lisboa Central USP do ACES Lisboa Norte Diogo Pocariço Milene Candeias

Leia mais

TELEFÔNICO FIXO COMUTADO PRESTADO NO REGIME PÚBLICO - PGMU

TELEFÔNICO FIXO COMUTADO PRESTADO NO REGIME PÚBLICO - PGMU A N E X O PLANO GERAL DE METAS PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO PRESTADO NO REGIME PÚBLICO - PGMU CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 o Para efeito deste Plano, entende-se

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM-H

Processo de declaração de conformidade de software PEM-H Processo de declaração de conformidade de software PEM-H Março, 2014 Versão 3,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode ser

Leia mais

HOSPITAL DIVINO ESPÍRITO SANTO DE PONTA DELGADA, E.P.E. Convenção n.º 15/2015 de 29 de Abril de 2015

HOSPITAL DIVINO ESPÍRITO SANTO DE PONTA DELGADA, E.P.E. Convenção n.º 15/2015 de 29 de Abril de 2015 HOSPITAL DIVINO ESPÍRITO SANTO DE PONTA DELGADA, E.P.E. Convenção n.º 15/2015 de 29 de Abril de 2015 CONVENÇÃO PARA A PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE SAÚDE NA ÁREA DA PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA Cláusula

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS Preâmbulo Considerando a missão do INR, I.P., enquanto organismo público, de assegurar o planeamento, execução e

Leia mais

Da Abrangência e dos Objetivos. Das Definições

Da Abrangência e dos Objetivos. Das Definições ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 509, DE 14 DE AGOSTO DE 2008 REGULAMENTO DA CENTRAL DE INTERMEDIAÇÃO DE COMUNICAÇÃO TELEFÔNICA A SER UTILIZADA POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA OU DA FALA CIC CAPÍTULO I Da Abrangência

Leia mais

Promoção da Eficiência Energética no Serviço Nacional de Saúde

Promoção da Eficiência Energética no Serviço Nacional de Saúde Promoção da Eficiência Energética no Serviço Nacional de Saúde Luís Inácio Equipa PEBC e ECO.AP do MS PEBC Plano Estratégico do Baixo Carbono ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública

Leia mais

REGULAMENTO GABINETE DE APOIO PSICOSOCIAL DA FREGUESIA DE AVENIDAS NOVAS

REGULAMENTO GABINETE DE APOIO PSICOSOCIAL DA FREGUESIA DE AVENIDAS NOVAS REGULAMENTO GABINETE DE APOIO PSICOSOCIAL DA FREGUESIA DE AVENIDAS NOVAS Nota Justificativa Considerando que são atribuições da freguesia a promoção e salvaguarda dos interesses próprios das respetivas

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE

RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE Considerando as atribuições da Entidade Reguladora da Saúde conferidas pelo artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 127/2009, de 27 de Maio; Considerando

Leia mais

MGIC 2011. Volume I Princípios Gerais. Unidade Central de Gestão de Inscritos para Cirurgia

MGIC 2011. Volume I Princípios Gerais. Unidade Central de Gestão de Inscritos para Cirurgia MGIC 2011 Volume I Princípios Gerais Unidade Central de Gestão de Inscritos para Cirurgia [Volume I Princípios Gerais] MGIC 2011 Índice 1. Antecedentes e Enquadramento... 3 2. Sistema Integrado de Gestão

Leia mais

Diagnóstico de Situação em 2015. Diagnóstico de Situação em 2015 Prioridade II: Reforço da Segurança dos Doentes. Entidade: *

Diagnóstico de Situação em 2015. Diagnóstico de Situação em 2015 Prioridade II: Reforço da Segurança dos Doentes. Entidade: * Página 1 de 8 Entidade: * Centro Hospitalar Barreiro Montijo Morada: Código Postal - N.º de camas: ARS: Tipologia: * ACES Hospital/Centro Hospitalar Unidade Local de Saúde PLANO DE ATIVIDADES Preenchimento

Leia mais

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento. Optimização da Gestão de Resíduos Sólidos

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento. Optimização da Gestão de Resíduos Sólidos Área Metropolitana do Porto 2007-2013 Programa Territorial de Desenvolvimento Optimização da Gestão de Resíduos Sólidos Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas - AMP - RS/1/2009

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº./ X CARTA DOS DIREITOS DE ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Exposição de motivos A espera por cuidados de saúde é um fenómeno

Leia mais

CIRCULAR NORMATIVA. ASSUNTO: Meios de comprovação para isenção do pagamento de taxas moderadoras

CIRCULAR NORMATIVA. ASSUNTO: Meios de comprovação para isenção do pagamento de taxas moderadoras CIRCULAR NORMATIVA Nº: 36/2011/UOFC Data: 28/12/2011 Republicada pela Circular Normativa n.º 24/2014/DPS de 28/08/2014 Para: ARS, Hospitais, ULS ASSUNTO: Meios de comprovação para isenção do pagamento

Leia mais

1. O doente submetido a teleconsulta deve estar consciente e manifestar o seu acordo com a

1. O doente submetido a teleconsulta deve estar consciente e manifestar o seu acordo com a NÚMERO: 010/2015 DATA: 15/06/2015 ASSUNTO: Modelo de Funcionamento das Teleconsultas PALAVRAS-CHAVE: Telemedicina; teleconsulta PARA: Instituições do Serviço Nacional de Saúde CONTACTOS: Departamento da

Leia mais

0800-728-2001 (Capitais e Interior) 0800-729-2001 (Demais Localidades) 0800-727-2001 (Capitais e Interior) Golden Fone (SAC)

0800-728-2001 (Capitais e Interior) 0800-729-2001 (Demais Localidades) 0800-727-2001 (Capitais e Interior) Golden Fone (SAC) Golden Fone (SAC) 0800-728-2001 (Capitais e Interior) Central Técnica 4004-2001 (Regiões Metropolitanas do Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília e São Luís) 0800-729-2001

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO LINHA NEGÓCIOS PLUS

REGULAMENTO PROMOÇÃO LINHA NEGÓCIOS PLUS REGULAMENTO PROMOÇÃO LINHA NEGÓCIOS PLUS TELEFÔNICA BRASIL S/A., com sede na Av. Engº Luis Carlos Berrini, nº 1376, CEP: 04571-000, São Paulo/SP, e inscrita no CNPJ/MF sob o nº 02.558.157/0001-62, doravante

Leia mais

Quem somos? MUNICÍPIO DO SEIXAL CENSOS 2011. População residente 158.269 hab. População jovem 27% População idosa 15% Mulheres 52% Homens 48%

Quem somos? MUNICÍPIO DO SEIXAL CENSOS 2011. População residente 158.269 hab. População jovem 27% População idosa 15% Mulheres 52% Homens 48% ARPIFF, 21 DE NOVEMBRO DE 2014 Quem somos? MUNICÍPIO DO SEIXAL CENSOS 2011 47.661 30,11% 48.629 30,73% 28886 18,25% 2776 1,75% 13258 8,38% População residente 158.269 hab. População jovem 27% População

Leia mais

Edital 002/16 EDITAL DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, PLANEJAMENTO E GESTÃO GOVERNAMENTAL. Turma 2016-18

Edital 002/16 EDITAL DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, PLANEJAMENTO E GESTÃO GOVERNAMENTAL. Turma 2016-18 Edital 002/16 EDITAL DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, PLANEJAMENTO E GESTÃO GOVERNAMENTAL. Turma 2016-18 O Presidente da Fundação João Pinheiro, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 2

Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 2 Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 2 PRESIDÊNCIA (NÃO HÁ PUBLICAÇÕES NESTA DATA) SECRETARIA JUDICIÁRIA Coordenadoria de Acórdãos e Resoluções Resolução PUBLICAÇÃO

Leia mais

Publicação Periódica sobre o Número de Utentes Inscritos nos Cuidados de Saúde Primários

Publicação Periódica sobre o Número de Utentes Inscritos nos Cuidados de Saúde Primários Publicação Periódica sobre o nos Cuidados de Saúde Primários Outubro de 2015 ACSS RELATÓRIO: 1. inscritos 2. Listas de utentes por de Família Produzido por Ministério da Saúde, ACSS, DPS, Núcleo CSP e

Leia mais

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas de Programas de Acção PRU/2/2008 Grandes Centros Política de Cidades - Parcerias

Leia mais

PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO PLANO DE REQUALIFICAÇÃO DOS EDIFÍCIOS DOS TRIBUNAIS (2012 / 2015)

PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO PLANO DE REQUALIFICAÇÃO DOS EDIFÍCIOS DOS TRIBUNAIS (2012 / 2015) DO PLANO DE REQUALIFICAÇÃO DOS EDIFÍCIOS DOS TRIBUNAIS (2012 / 2015) REFORMA DA ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA (ROJ) MAPA JUDICIÁRIO 1... Tem por missão a gestão dos recursos financeiros do MJ, a gestão do património

Leia mais

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS Nota Justificativa A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE Versão 1-09-2014 1 Conteúdo CONVENÇÃO SAMSPICS - ADSE... 3 O que é a Convenção ADSE?... 3 UNIDADES COM CONVENÇÃO COM A ADSE... 4 Acesso aos beneficiários ADSE...

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS MÓDULO DE INVERNO

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS MÓDULO DE INVERNO PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA TEMPERATURAS EXTREMAS ADVERSAS MÓDULO DE INVERNO Título: Plano de Contingência para Temperaturas Extremas Adversas - Módulo Inverno Editor: Direção-Geral da Saúde Alameda D.

Leia mais

CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO N.º CP/029/DFQ/2013 FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO N.º CP/029/DFQ/2013 FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO N.º CP/029/DFQ/2013 Objeto: FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Outorgantes: 1. Instituto Português do Desporto e Juventude, I. P. 2. Federação Portuguesa de Pentatlo

Leia mais

PARECER DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE RELATIVO À PORTARIA N

PARECER DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE RELATIVO À PORTARIA N PARECER DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE RELATIVO À PORTARIA N.º 347/2013, DE 28 DE NOVEMBRO, QUE ESTABELECE OS REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DAS UNIDADES PRIVADAS DE DIÁLISE

Leia mais

Cristina Pereira Auditora Interna

Cristina Pereira Auditora Interna Cristina Pereira Auditora Interna Coimbra, 30 de maio de 2012 SUMÁRIO INTRODUÇÃO ENQUADRAMENTO AUDITORIA AO MATERIAL À CONSIGNAÇÃO NO BLOCO OPERATÓRIO OBJETIVOS PROGRAMA DE AUDITORIA OBSERVAÇÕES E RECOMENDAÇÕES

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL Junho 2013 PREÂMBULO Considerando o quadro legal de atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Gilmar Mendes Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para o pleito

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE As entidades prestadoras de cuidados de saúde devem publicar e divulgar, até 31 de Março de cada ano, um relatório circunstanciado sobre o acesso aos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas pelas quais o Instituto de Gestão Financeira da Segurança

Leia mais

Unidades prestadores de cuidados de saúde do SNS. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Unidades prestadores de cuidados de saúde do SNS. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) NÚMERO: 006/2015 DATA: 08/04/2015 ASSUNTO: Gestão Integrada da Obesidade Requisitos para Centros de Tratamento Cirúrgico de Obesidade PALAVRAS-CHAVE: Tratamento Cirúrgico de Obesidade, Obesidade PARA:

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA

PROPOSTA ALTERNATIVA PROJECTO DECRETO LEI SOBRE O EXERCÍCIO DA COORDENAÇÃO EM MATÉRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NA ACTIVIDADE DE, PREVISTA NO DECRETO LEI N.º 273/2003, DE 29 DE OUTUBRO, BEM COMO O RECONHECIMENTO DOS RESPECTIVOS

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 DEZEMBRO DE 2014 R u a S. J o ã o d e B r i t o, 6 2 1, L 3 2, 4 1 0 0-4 5 5 P O R T O e-mail: ger a l @ e r s. p t telef.: 222 092 350 fax: 222

Leia mais

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2.

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. Disciplina o serviço de transporte de passageiros em veículos de aluguel (táxi). A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE ITAQUIRAÍ, ESTADO DE MATO GROSSO

Leia mais

EDITAL CURSO DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTETRICIA

EDITAL CURSO DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTETRICIA EDITAL CURSO DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTETRICIA Nos termos do disposto no Despacho nº 1482/2010, publicado em Diário da República, II Série Nº14 de 21 de

Leia mais

Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL

Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL A formação e a remuneração dos profissionais responsáveis pela atenção primária em saúde Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL Henrique Botelho

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE DE SETÚBAL E PALMELA

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE DE SETÚBAL E PALMELA RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE DE SETÚBAL E PALMELA As entidades prestadoras de cuidados de saúde devem publicar e divulgar, até 31 de Março de cada

Leia mais

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Disposições gerais) A Associação para o Planeamento da Família (APF) - Instituição

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DAS UNIDADES HOSPITALARES NA REGIÃO NORTE

O DESENVOLVIMENTO DAS UNIDADES HOSPITALARES NA REGIÃO NORTE O DESENVOLVIMENTO DAS UNIDADES HOSPITALARES NA REGIÃO NORTE Fernando Araújo, Mário Abreu Fernandes Administração Regional de Saúde do Norte, IP - Maio, 2009 Hospitais da ARSN Viana do Castelo 1. Centro

Leia mais

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020 ESTATUTOS Artigo Primeiro (Denominação e sede social) 1 - A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina. 2 - A sociedade

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Pelo presente instrumento, de um lado a SUPERINTENDÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR, órgão estadual de defesa do consumidor vinculado à SECRETARIA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. Fixa os critérios para cobrança das anuidades, serviços e multas a serem pagos pelas pessoas físicas e jurídicas registradas no Sistema Confea/Crea, e dá

Leia mais

Programa Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio

Programa Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio Programa Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio para celebração de contrato de cedência de utilização de diversos espaços, em edifícios municipais, para instalação e exploração

Leia mais

Região Norte. Instituição Instituição local Contexto de Prática Clínica. Cuidados de Saúde Primários. ACeS Douro I - Marão e Douro Norte

Região Norte. Instituição Instituição local Contexto de Prática Clínica. Cuidados de Saúde Primários. ACeS Douro I - Marão e Douro Norte Região Norte Instituição Instituição local Contexto de Prática Clínica Cuidados de Saúde Primários ACeS Douro I - Marão e Douro Norte Unidade de Cuidados na Comunidade de Mateus Unidade de Cuidados de

Leia mais

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004 HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 REVOGADA RESOLUÇÃO Nº 145/04 Palmas, 08 de dezembro de 2004 Fixa normas para criação e autorização de funcionamento de instituições de educação

Leia mais

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais.

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais. ANO:2011 Ministério da Saúde Administração regional de saúde do Norte, I.P. MISSÃO: Garantir à população da sua área de influência o acesso à prestação de cuidados de saúde de qualidade e cumprir e fazer

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO DE SAÚDE DO ACES

DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO DE SAÚDE DO ACES RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO DE SAÚDE DO ACES O Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Santo Tirso / Trofa abrange uma área de 212 Km2, com 32 freguesias e

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE -

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - Considerando que o aumento da sobrevida e o inerente acréscimo de doenças crónicas e progressivas, bem como, as alterações na rede

Leia mais

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º /

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º / Decreto-Lei n.º / O Decreto Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente

Prontuário Eletrônico do Paciente Prontuário Eletrônico do Paciente a experiência portuguesa Paulino Sousa Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Sistemas de Informação em Enfermagem (USINE) Porto - Portugal CBIS 2006 porque a é

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO NOTA JUSTIFICATIVA Considerando a grave crise económica que o país atravessa, com implicações no aumento do desemprego

Leia mais

I - PATOLOGIAS NEUROLÓGICAS (25.02.000.-5):

I - PATOLOGIAS NEUROLÓGICAS (25.02.000.-5): PORTARIA NORMATIVA Nº. 011-2009/DIASS Regulamenta o atendimento de Fisioterapia aos usuários do IPASGO SAÚDE. O Diretor de Assistência do Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás

Leia mais

Projecto de Decreto-lei

Projecto de Decreto-lei Projecto de Decreto-lei O Decreto Lei nº273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

ACORDO MODIFICATIVO 2015 DO CONTRATO-PROGRAMA 2013-2015

ACORDO MODIFICATIVO 2015 DO CONTRATO-PROGRAMA 2013-2015 ACORDO MODIFICATIVO 2015 DO CONTRATO-PROGRAMA 2013-2015 Entre: A ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DE LISBOA E VALE DO TEJO, I.P., como primeiro outorgante, representada pelo seu Presidente Dr. Luís Manuel

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS Artigo 1º (OBJECTO E ÂMBITO) O presente regulamento tem por objecto a definição das regras aplicáveis à atribuição de apoios pela Câmara Municipal no exercício

Leia mais

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) I Introdução

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) I Introdução DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) I Introdução Considerando as atribuições da Entidade Reguladora da Saúde (doravante ERS) conferidas pelo artigo

Leia mais

COMUNICADO. Autorização Prévia do Plano de Saúde ELETROBRAS/CEPEL/ELETROS Nova Lista Unificada e Novo Procedimento

COMUNICADO. Autorização Prévia do Plano de Saúde ELETROBRAS/CEPEL/ELETROS Nova Lista Unificada e Novo Procedimento COMUNICADO CARTA ES - 386/11 Autorização Prévia do Plano de Saúde ELETROBRAS/CEPEL/ELETROS Nova Lista Unificada e Novo Procedimento Prezados Credenciados, Com o intuito de adotar as melhores práticas,

Leia mais

CONSIDERANDOS PROGRAMA

CONSIDERANDOS PROGRAMA PROCEDIMENTO DE HASTA PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO A TÍTULO PRECÁRIO DA EXPLORAÇÃO ECONÓMICA DE UM MÓDULO DE CAFETARIA INSTALADO A SUL DO PARQUE INFANTIL EM FRENTE AO CENTRO MULTIMEIOS DE ESPINHO CONSIDERANDOS

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE AUDITORES

REGULAMENTO DA BOLSA DE AUDITORES Preâmbulo Tendo por objecto a salvaguarda da qualidade das auditorias executadas sobre actividades ou exercício farmacêuticos, a Ordem dos Farmacêuticos veio criar o presente regulamento da Bolsa de Auditores.

Leia mais

Orientação Técnica n.º 1/2016 PPEC 2017-2018 Procedimentos a observar na implementação das medidas

Orientação Técnica n.º 1/2016 PPEC 2017-2018 Procedimentos a observar na implementação das medidas Orientação Técnica n.º 1/2016 PPEC 2017-2018 Procedimentos a observar na implementação das medidas A revisão das Regras do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de energia elétrica (PPEC), aprovada

Leia mais

Hospital de Santo Espirito da Ilha Terceira e a sua articulação com as Unidades de Saúde de Ilha da RAA. Paula Moniz

Hospital de Santo Espirito da Ilha Terceira e a sua articulação com as Unidades de Saúde de Ilha da RAA. Paula Moniz Hospital de Santo Espirito da Ilha Terceira e a sua articulação com as Unidades de Saúde de Ilha da RAA Paula Moniz VISÃO O Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira, EPER pretende ser uma instituição

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO -2014.1-

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO -2014.1- A Universidade Castelo Branco torna público o presente Edital com normas, rotinas e procedimentos relativos ao Processo Seletivo para ingresso no 1º semestre de 2014 nos Cursos de Graduação, na modalidade

Leia mais