JANAINA BOMTEMPO DE SOUZA FLÁVIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JANAINA BOMTEMPO DE SOUZA FLÁVIO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROJETO DE PESQUISA DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Direito Privatização dos Presídios: uma abordagem sobre o modelo adotado no Brasil e a escolha da gestão compartilhada como solução para a crise do sistema penitenciário. Autor (a): Janaina Bomtempo Souza Flávio Orientador (a): Prof.(a) Ana Cristina Silva Souza BRASÍLIA 2008

2 JANAINA BOMTEMPO DE SOUZA FLÁVIO PRIVATIZAÇÃO DOS PRESÍDIOS: UMA ABORDAGEM SOBRE O MODELO ADOTADO NO BRASIL E A ESCOLHA DA GESTÃO COMPARTILHADA COMO SOLUÇÃO PARA A CRISE DO SISTEMA PENITENCIÁRIO. Trabalho apresentado no curso de graduação em Direito da Universidade Católica de Brasília, como requisito parcial para obtenção do Título de Bacharel em Direito. Orientadora : Ana Cristina da Silva Souza. Especialista em Direito. Brasília 2008

3 FOLHA DE APROVAÇÃO

4 Dedico este trabalho aos meus filhos Arthur e Matheus, estímulos que me impulsionaram a buscar vida nova a cada dia e que compreenderam minha ausência nos longos anos destinados aos estudos. Ao meu marido, Milton, que soube entender a importância da realização de um sonho.

5 AGRADECIMENTO A Deus, Pai Supremo e infinito, que me cobriu com suas bênçãos, fazendo com que cada novo dia fosse um aprendizado; cada lágrima, esperança; cada tombo, uma lição de vida; cada sorriso, um reconhecimento. A Ti, Senhor, todas as Glórias, por mais uma etapa vencida; Aos meus pais, Elson e Rosângela, exemplos de caráter e perseverança, o meu eterno agradecimento por tudo que me ensinaram e na confiança que em mim depositaram; Ao meu querido irmão Cristhiano, e à minha cunhada Ludmilla, pois tenho a certeza de que estão felizes com minha conquista; Aos amigos que me incentivaram, que me deram o ombro para chorar, que acreditaram na minha vitória, e ao meu anjo da guarda Luciene Amorim, não posso dizer nada além de MUITO OBRIGADA; A professora Ana Cristina, pelo tempo cedido e pelo aprendizado ao longo deste trabalho.

6 Tenta fazer esta experiência, construindo um palácio. Equipa-o com mármore, quadros, ouro, pássaros do paraíso, jardins suspensos, todo o tipo de coisas... e entra lá para dentro. Bem, pode ser que nunca mais desejasses sair daí. Talvez, de facto, nunca mais saisses de lá. Está lá tudo! 'Estou muito bem aqui sozinho!'. Mas, de repente - uma ninharia! O teu castelo é rodeado por muros, e é-te dito: 'Tudo isto é teu! Desfruta-o! Apenas não podes sair daqui!'. Então, acredita-me, nesse mesmo instante quererás deixar esse teu paraíso e pular por cima do muro. Mais! Todo esse luxo, toda essa plenitude, aumentará o teu sofrimento. Sentir-te-ás insultado como resultado de todo esse luxo... Sim, apenas uma coisa te falta... um pouco de liberdade. A prisão dourada. Fiodor Dostoievski, in 'O Movimento de Liberação'

7 RESUMO O presente trabalho tem o objetivo de apresentar em linhas gerais as características e críticas da então chamada privatização dos presídios. Engloba desde o seu histórico, tanto em âmbito nacional, como internacional. Tendo em vista que o sistema penitenciário no Brasil há muito tempo dá sinais de que necessita de socorro, com problemas de superlotação, condições de vida subumana, falta de assistência médica, psicológica e jurídica, violência, motins e rebeliões é que por volta da década de 80, primeiramente nos Estados Unidos, e mais tarde no Brasil, se fez necessária a busca por novos meios de solucionar tal problema, através da privatização dos presídios. Tal modelo de gestão aflorou vários debates entre conhecedores e doutrinadores do Direito, como a constitucionalidade ou não do modelo adotado em algumas penitenciárias do Brasil, os benefícios e os malefícios resultantes deste modelo, os custos, o direito de punir do Estado. Apresenta os presídios que, no Brasil, atuam juntamente com a iniciativa privada. Retrata a forma escolhida pela autora de resolver o problema do sistema carcerário, como sendo a gestão compartilhada, modelo este onde a execução da pena se concentra nas mãos do Estado e somente os serviços permitidos em lei é que são repassados à iniciativa privada. Palavras-chave: Penas, sistema carcerário, privatização, presídios, direitos humanos, preso, gestão compartilhada.

8 ABSTRACT The present work has the objective to present in general lines the critical characteristics and of then called privatization the penitentiaries. Comprises since its description in such a way in national scope as international. In view of that the penitentiary system in Brazil has much time of the signals that needs aid, with problems of supercapacity, conditions of life miserable, lack of medical, psychological and legal assistance, violence, riots and rebellions is that for return of the decade of 80, first in the United States, and later in Brazil, if it made necessary the search for new ways to solve such problem, through the privatization of the penitentiaries. Such model of management arose some forums between experts of the Right, as the constitutionality or not of the model adopted in some prisons of Brazil, the benefits and the resultant curses of this model, the costs, the right to punish of the State. It presents the penitentiaries that, in Brazil, act together with the private initiative. It portraies the form chosen for the author to decide the problem of the jail system, as being the shared management, model this where the execution of the penalty if concentrates at the hands of the State and the services allowed in law only are that they are repassed to the private initiative. Key words: Feathers, privatization prisons, human rights, inmate, management and reporting share.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Anexo A: Presos X Déficit vagas - Brasil Anexo B: Quadro comparativo das prisões terceirizadas no Brasil

10 LISTA DE SÍMBOLOS CPI Comissão Parlamentar de Inquérito CF Constituição Federal CONAP Companhia Nacional de Administração Prisional CP Código Penal CPP Código de Processo Penal DEPEN Departamento Penitenciário FUNPEN Fundo Penitenciário LEP Lei de Execução Penal PIC Penitenciária Industrial de Cascavel PIG Penitenciária Industrial de Guarapuava PIRC Penitenciária Industrial Regional do Cariri SEDH Secretaria Especial dos Direitos Humanos

11 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DAS PENAS Evolução histórica Vingança privada Vingança divina Vingança pública Humanização das penas Cesare Beccaria John Howard Jeremy Bentham Sistemas penitenciários Sistema Pensilvânico (Filadélfico ou celular) Sistema Auburniano Sistema progressivo...25 CAPÍTULO II - VISÕES DA CRISE DO SISTEMA CARCERÁRIO Fatores determinantes da crise do sistema prisional Dos direitos humanos do preso Dos direitos humanos do preso a teoria Dos direito humanos do preso a realidade A superpopulação carcerária A violência nas prisões...37 CAPÍTULO III - A PRIVATIZAÇÃO DO SISTEMA PRISIONAL Como surgiu a idéia de privatização do sistema prisional Modalidades e extensão da privatização O financiamento da construção de novos estabelecimentos A administração do trabalho prisional (prisões industriais) Provisão de serviços penitenciários Administração total de estabelecimentos penitenciários Aspectos da privatização dos presídios Aspectos jurídicos Aspectos políticos Aspectos éticos Modelos de privatização dos presídios Modelo americano Modelo francês Modelo inglês...49 Capítulo IV A privatização dos presídios brasileiros Privatização ou terceirização A proposta brasileira O modelo brasileiro Os argumentos favoráveis, os benefícios Os argumentos contrários, os malefícios A escolha pelo modelo adotado no sistema penitenciário: gestão compartilhada CONCLUSÃO...66 REFERÊNCIAS...68 ANEXO - A...74 ANEXO - B...74

12 11 INTRODUÇÃO Este trabalho tem como objetivo apresentar os modelos de gestão hoje utilizados no Brasil na administração dos sistemas carcerários. Alternativas tiveram que ser buscadas na iniciativa privada, uma vez que o Estado sozinho não conseguiu resolver os problemas que assolam as penitenciárias, como a superlotação, a violência, o não cumprimento dos direitos do preso, os motins, etc. A dignidade do preso não é preservada nas penitenciárias, lugar este destinado à sua ressocialização. Era ali que o preso deveria ter um trabalho, estudo, cultura, para que após o cumprimento da pena, pudesse retornar à sociedade. O processo de privatização das prisões atualmente em curso pode assumir várias modalidades, que variam do financiamento e arrendamento de presídios à administração total de estabelecimentos penitenciários. No Brasil, com a privatização, a empresa privada assume a maioria dos serviços da prisão, enquanto o Estado participa da direção, designando o diretor, o vice-diretor e o chefe de segurança. As empresas são contratadas (ou deveriam sêlo) através de licitação. O que causa mais polêmica é que muitos doutrinadores entendem que a privatização do sistema prisional trata justamente da interferência da iniciativa privada na execução da pena de prisão, tarefa antes pertencente apenas ao Estado na condição de detentor do monopólio da força. 1 Este tema será explorado de forma a conciliar os obstáculos observados por alguns doutrinadores renomados e estudiosos do assunto, a fim de se demonstrar as vantagens e desvantagens da privatização, bem como o modelo ideal a ser utilizado. A monografia se divide em quatro capítulos. O primeiro capítulo retoma às épocas antigas para demonstrar como surgiram as penas privativas de liberdade. É apresentado o histórico penal no Brasil e no mundo, falando das formas de vingança, da humanização das penas e dos sistemas carcerários adotados. A crise do sistema carcerário, tendo como cenário os problemas detectados nas prisões brasileiras, como a superpopulação carcerária, a violência nas prisões, o 1 CORDEIRO, Carvalho Graciany. Privatização do sistema prisional brasileiro. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2006.p.1.

13 12 não cumprimento dos direitos humanos do preso, e os fatores determinantes desta crise serão abordados no segundo capítulo. É no terceiro capítulo que o tema privatização dos presídios vem à tona. Como surgiu essa idéia? Quais as modalidades de privatização dos presídios? Quais são os obstáculos impostos à privatização? Quais os países iniciaram e ainda adotam este modelo de gestão? Perguntas como estas serão respondidas ao longo deste capítulo. Enfim, o quarto capítulo traz o tema da privatização dos presídios no Brasil. Eis o capítulo mais importante deste trabalho. É aqui que serão esplanadas as dúvidas quanto à privatização e terceirização. Retoma à década de 90 para apresentar a primeira proposta de privatização dos presídios, feita pelo renomado Edmundo Oliveira. Apresenta os presídios brasileiros que hoje adotam o modelo de gestão de privatização, falando um pouquinho sobre os mais importantes e pioneiros. Este capítulo traz os benefícios e malefícios deste sistema, importante para que se possa decidir se privatizar é a melhor saída. A gestão compartilhada é citada como sendo a melhor forma de solucionar o problema carcerário. A metodologia de abordagem neste trabalho estará fundada no método dedutivo, partindo da teoria para sua aplicação no tema em discussão. Ao final será apresentado um gráfico que demonstra o número de presos e déficit de vagas no Brasil, bem como um comparativo entre as prisões terceirizadas no Brasil. Vale ressaltar que, sendo este um tema recente, os trabalhos ainda são escassos. Para tanto, a internet foi utilizada como fonte subsidiária de pesquisa.

14 13 CAPÍTULO I - DAS PENAS 1.1 Evolução histórica A origem da pena é tão antiga como a humanidade. Os estudiosos que buscam aprofundar na investigação da história da pena de prisão se vêem numa tarefa extremamente difícil, uma vez que não há uma cronologia definida e certa para chegar a esse consenso. Por esse motivo, há diferenças cronológicas para o estudo da pena de prisão de acordo com cada doutrinador. Alguns preferem utilizar as idades tradicionais da história, outros designam determinados períodos nomeados por eles mesmos. 2 Traçaremos a trajetória da pena baseada nos vários tipos de vingança. A vingança privada e a divina eram exercidas pelo particular, pois não havia ainda uma sociedade organizada. Criado o Estado surge a vingança pública, este representado primeiramente pelo soberano e mais tarde pela sociedade. A humanização das penas inicia-se quando reformadores e filósofos indignam-se com o tratamento cedido aos presos daquela época, com a crueldade das penas e indiferença da sociedade frente a tudo isso. Beccaria, Howard e Bentham são os mais influentes. A partir da humanização das penas surgem os primeiros sistemas penitenciários, quais sejam os pensilvânicos, auburnianos e o progressivo. No Brasil adota-se hoje o sistema progressivo de penas. Antes de adentrarmos na história da pena, convém expor, através de Fernando Capez, que a pena é: a sanção penal de caráter aflitivo, imposta pelo Estado, em execução de uma sentença, ao culpado pela prática de uma infração penal, consistente na restrição ou privação de um bem jurídico, cujas finalidades são aplicar a retribuição punitiva ao delinqüente, promover a sua readaptação social e prevenir novas transgressões pela intimidação dirigida à coletividade. 3 2 BITENCOURT, Cezar Roberto. Falência da pena de prisão..3 ed. São Paulo: Saraiva, p.3. 3 CAPEZ, Fernando. Execução penal. 13 ed. São Paulo: Ed. Damásio de Jesus, p. 17.

15 14 Vários autores concordam que a finalidade da pena é manter a paz na sociedade, e que ela é justificável por sua necessidade. Para Bitencourt, a pena constitui um recurso elementar com que conta o Estado, e ao qual recorre, quando necessário, para tornar possível a convivência entre os homens. 4 O Brasil adota atualmente, para definir a finalidade da pena, a teoria mista, mas com traços da teoria humanista. Segundo a teoria mista, entende-se que a pena é retributiva, e que sua finalidade não é somente a prevenção mas também um misto de educação e correção. A pena deve ter o objetivo de retribuir e prevenir a infração. Os traços da teoria humanista estão presentes a partir do momento em que se verificou que a sociedade é preservada na medida em que o preso se adapta ao meio social. A ressocialização é vista como papel fundamental para que o preso interaja novamente com o mundo exterior Vingança privada Quando não havia ainda sociedade organizada, inexistindo a presença do Estado, os homens, reunidos em tribos ou clãs, eram ligados através de laços sanguíneos. Aquele que infligisse dano a alguém seria punido mediante ato da própria vitima ou de seus familiares. Era a fase da vingança privada. 6 Desse modo, se membro de uma família fosse morto por membro de outra família, membros da família da vítima de homicídio deveria matar o assassino. Todavia quando o ofensor era um membro do próprio clã geralmente o expulsavam do grupo (expulsão da paz), ou seja, teria que viver isolado enfrentando todas as adversidades do meio e isso invariavelmente o levava à morte, seja por não conseguir sobreviver sozinho, seja em razão dos ataques das antigas tribos rivais. 7 E quando a agressão partia de grupos desvinculados desses laços de sangue, iniciava-se uma verdadeira guerra entre grupos. 4 BITENCOURT, Cezar Roberto. Falência da pena de prisão. 3.ed. São Paulo: Saraiva, p MIRABETE, Julio Fabrini. Manual de Direito Penal. 19. ed. São Paulo: Atlas, p CORDEIRO, Carvalho Graciany. Privatização do sistema prisional brasileiro. Rio de Janeiro:Freitas Bastos, p CAPELA, Fábio Bergamin. Pseudo-evolução do Direito Penal. Jus Navigandi, Teresina, ano 6, n. 55, mar Disponível em: <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=2795>. Acesso em: 24 fev

16 15 Como relata René Ariel Dotti, com relação à vingança privada, [...] a sua existência foi modelada por totens e tabus que lhe imprimiam contornos místicos enquanto os diversos castigos corporais até a morte traduziam as expressões cruentas da defesa e da vingança. 8 A briga entre agressor e ofendido não era defendida por ninguém. Não havia um poder centralizado para que pudesse dirimir os conflitos e aplicar a pena de acordo com o crime cometido. Foi da necessidade de segurança individual que surgiu a idéia de um poder central que pudesse limitar a vingança privada, sendo assim responsável pela punição àqueles que cometessem delitos. 9 E. Magalhães Noronha diz que: a pena, em sua origem, nada mais foi que vindita, pois é mais que compreensível que naquela criatura, dominada pelos instintos, o revide à agressão sofrida devia ser fatal, não havendo preocupações com a proporção, nem mesmo com a justiça. A vingança privada não desapareceria ainda que com o surgimento da lei de talião e da composição, mas pelo menos haveria uma proporcionalidade entre a pena e o delito cometido. 10 A lei de talião consistia em aplicar no delinqüente ou ofensor o mal que ele causou ao ofendido, na mesma proporção. Até hoje é lembrada a frase que traduzia verdadeiramente o que era esta lei: olho por olho, dente por dente. Posteriormente, surge a composição, através da qual o ofensor comprava sua liberdade, com dinheiro, gado, armas, etc. Adotada, também, pelo Código de Hamurabi (Babilônia), pelo pentateuco (Hebreus) e pelo Código de Manu (Índia), foi largamente aceita pelo Direito Germânico, sendo a origem remota das indenizações cíveis e das multas penais DOTTI, René Ariel. Bases e alternativas para o sistema de penas. 2.ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, p CORDEIRO, 2006,.p NORONHA, Edgard Magalhães Noronha. Direito Penal. São Paulo: Saraiva, p DUARTE, Maércio Falcão. Evolução histórica do Direito Penal. Jus Navigandi, Teresina, ano 3, n. 34, ago Disponível em: <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=932>. Acesso em: 24 fev 2008.

17 Vingança divina Na Antiguidade, a pena não mais possuía o caráter individual de antes. O cometimento de um delito ofendia, além do indivíduo, aos deuses. E, enquanto a punição a esses indivíduos infratores não fosse realizada, a ira dos deuses não seria aplacada. O direito de punir tinha um cunho religioso e tinha seu fundamento na justiça divina. A punição representava a própria vontade dos deuses. 12 Aplicavamse penas cruéis, severas, desumanas. O fim da vingança privada deu-se com a instalação da República romana, em 509 a.c., quando houve a separação da religião e do Estado, passando a pena a ser aplicada pelo ente estatal e não mais pelo particular. Como os romanos influenciaram muitos outros povos, a vingança privada viria a ter então seu fim Vingança pública Surge então a vingança pública, esta representada pelo monarca (reis, príncipes, regentes). "Nesta fase o objetivo é a segurança do príncipe ou soberano, através da pena, também severa e cruel, visando à intimidação. 13 Na Roma antiga, a prisão era um lugar onde se colocava o infrator até o momento de seu julgamento e execução, não sendo considerada como um castigo. Era uma maneira de mantê-lo preso até que saísse a sua sentença. Já na Grécia era costume encarcerar os devedores até que saldassem suas dívidas, a custódia servindo para obstar-lhes a fuga e garantir a presença nos tribunais. 14 No início da Idade Média, período das trevas, aquele que desobedecesse as leis do soberano, que detinha poder absoluto e irrefutável, era condenado a permanecer na prisão até que fosse julgado. Geralmente, as penas a serem aplicadas eram as de morte ou prisão perpétua. 12 CORDEIRO, 2006,p NORONHA, 1991, p LEAL, César Barros. Prisão Crepúsculo de uma era. 2.ed. Rev. e atual. Belo Horizonte: Del Rey, p.33.

18 17 Antigamente, o cárcere era utilizado como meio de guardar os prisioneiros e escravos para que estes não fugissem antes da sua punição e julgamento. As punições aplicadas eram as piores possíveis, como pena de morte, suplício, degredo, açoite, amputação de membros... Não se preocupava com a saúde do preso, nem com a limpeza desses recintos. 15 Havia também a prisão do Estado, que condenava aqueles que eram inimigos dos monarcas às penas de morte, prisão perpétua, aos açoites. Neste período, Igreja e Estado estavam tão ligados que qualquer ato contra o Direito Canônico era também contra o Estado. Foi Hobbes que, entre os séculos XV e XVIII conferiu à pena uma nítida função retributiva e preventiva, dispondo que o castigo deveria ter por finalidade a correção do ofensor, além de servir de exemplo para outros. 16 Foi desenvolvido então uma reação alternativa do poder público ao crime: a supressão da liberdade por determinado período de tempo. Nas palavras de Luís Francisco Carvalho Filho : a prisão torna-se então a essência do sistema punitivo. A finalidade do encarceramento passa a ser isolar e recuperar o infrator. O cárcere infecto, capaz de fazer adoecer seus hospedes e matá-los antes da hora, simples acessório de um processo punitivo baseado no tormento físico, é substituído pela idéia de um estabelecimento público, severo, regulamentado, higiênico, intransponível, capaz de prevenir o delito e ressocializar quem o comete. É uma mudança histórica gigantesca ainda que muitas vezes essas últimas características só estejam asseguradas no papel. Por isso, geralmente, o desenvolvimento da prisão é associado ao humanismo. 17 A prisão tinha uma finalidade meramente custodial. A punição tinha o duplo condão de proteger não só a segurança e a autoridade do soberano, como também de intimidar os demais ao cometimento de crimes. 18 As penas de suplícios permaneceram até o início do século XIX, penas estas de extrema crueldade, onde os acusados eram torturados, tinham membros do corpo decepados, eram açoitados, queimados, humilhados frente ao público, constituindo uma verdadeira carnificina. No Brasil, as penas eram também bastante severas, principalmente no que se dizia respeito aos crimes de lesa-majestade. 15 CARVALHO FILHO, Luis Francisco. A prisão. São Paulo: Publifolha, p HOBBES, 2004, p.132 apud CORDEIRO, p CARVALHO FILHO, p CORDEIRO, 2006, p.14.

19 18 Dando lugar a penas tão severas surge então a prisão, representada pelo trabalho forçado, deportação e guilhotina (enforcamento), métodos estes que acabavam com a vida do criminoso rapidamente, não sendo consideradas como suplício. Eis que surge uma nova era na história das punições. Graciany Carvalho Cordeiro 19 nota que desde a abolição da vingança privada, o direito de punir passou a ser exercido essencialmente pelo Estado, por meio de seus órgãos competentes, e não mais pelo particular. O Estado punia o condenado com a prisão, que era uma forma de castigo, em razão do crime cometido, com o objetivo de ressocializar o preso. O direito de punir é do Estado, mas nas palavras sábias de Beccaria, [...]os dolorosos gemidos do fraco, que é sacrificado à ignorância cruel e aos ricos covardes; os tormentos terríveis que a barbárie inflige em crimes não provados, ou em delitos quiméricos; a aparência repugnante dos xadrezes e das masmorras, cujo horror é acrescido pelo suplicio mais insuportável para os desgraçados, a incerteza; tantos métodos odiosos, difundidos por toda parte, teriam por força que despertar a atenção dos filósofos, espécie de magistrados que orientam as opiniões humanas Humanização das penas A lei penal vigente era bastante rigorosa e os juristas levavam em consideração para aplicação da pena até mesmo a sua condição social. Penas de crueldade e corporais eram freqüentes, como já dito anteriormente. O sistema penal não se preocupava com a integridade e os direitos do preso. Em meio a tanta injustiça foi que filósofos, moralistas e juristas começaram a expor suas idéias, censurando a legislação penal vigente e defendendo as liberdades do indivíduo e enaltecendo os princípios da dignidade. 21 Foram as correntes iluministas e humanistas, representadas por Rousseau, Montesquieu e Voltaire que criticaram os excessos da legislação penal, contemplando que o preso deveria ser punido na medida do seu crime; e que para 19 CORDEIRO, 2006, p BECCARIA, Cesare. Dos delitos e das penas. Tradução Torrieri Guimarães. São Paulo: Rideel, p BITENCOURT, 2004, p. 32.

20 19 sua condenação deveria ser levado em conta as circunstâncias pessoais do preso, o grau de malícia, sendo assim a menos cruel para o delinqüente. 22 A reforma do sistema punitivo foi influenciada por Beccaria, Howard e Bentham Cesare Beccaria Cesare Beccaria, em seu livro Dos delitos e das penas, constrói um sistema criminal que substituirá o desumano, impreciso, confuso e abusivo sistema criminal anterior. 23 Sua idéia central era: é melhor prevenir o crime do que castigá-lo. Beccaria propunha a ressocialização do preso, não aceitando que a prisão fosse vista como uma forma de vingança. Este ainda é o objetivo da pena de prisão, embora não seja isso o que aconteça na realidade. Cesare foi o precursor da idealização da pena justa, quando dizia que esta deveria ser aplicada proporcionalmente ao delito cometido. Dizia ainda que a principal função da pena era a prevenção especial e a prevenção geral, preconizando assim a abolição de penas de torturas, suplícios, pena de morte. 24 Ele preocupava-se também com a demora na imposição da pena ao processado. Mais uma vez o presente comete os mesmos erros do passado, já que a execução penal é bastante demorada, mais um sofrimento para o acusado. Conclui-se, portanto, que Beccaria lutou para que a prisão ressocializasse o preso da forma mais humana possível. Ele não concebia uma prisão onde a fome e a sujeira eram visíveis, onde a idéia da força e da prepotência da justiça prevaleciam. Ele conseguiu diminuir as penas de morte e corporais, ainda que vários problemas daquela época prevaleçam até hoje. 22 GUZMAN, Luis Garrido. Manual, p. 86 apud BITENCOURT, 2004, p BITENCOURT, 2004, p MIOTO, Armida Bergamini. Temas penitenciários. São Paulo: RT, p.28.

21 John Howard John Howard conheceu a prisão de perto, pois foi encarcerado no Castelo de Brest e depois na prisão de Morlaix. Com a nomeação de xerife de Bedford, sua paixão pelo tema penitenciário se aflorou e suas idéias foram fundadas com o intuito de resolver os problemas carcerários daquela época. Vendo a situação lamentável das prisões inglesas, Howard propõe ressocialização ao preso através do trabalho. O trabalho reabilitaria o preso, oferecendo, para tanto, condições mínimas de higiene, vestimenta e alimentação. Era a favor também do isolamento, para que o preso pudesse arrepender-se do crime cometido e evitar contato com os demais reclusos. 25 A idéia apresentada por Howard prevalece presente até os dias de hoje, onde se procura regenerar o preso através do trabalho, o que, na maioria das vezes não acontece. Falta trabalho, falta boa vontade dos governantes, falta estrutura adequada. Enfim, as prisões de hoje não são tão diferentes que as prisões de antigamente. Howard propôs também que houvesse isolamento noturno entre os presos, a fim de evitar promiscuidades, propondo também que as mulheres ficassem separadas dos homens e os criminosos jovens dos delinqüentes velhos. Mais uma de suas proposições foi de que na prisão deveria haver magistrados para fiscalização dos presos, ao invés de carcereiros, uma vez que para trabalhar em uma prisão era preciso ter sentido humanitário e honra. Bitencourt ressalta que Howard soube compreender a importância que tinha o controle jurisdicional sobre os poderes outorgados aos carcereiros. 26 Com Howard nasce o penitenciarismo Sua obra marca a luta interminável para alcançar a humanização das prisões e a reforma do delinqüente CORDEIRO, 2006,. p BITENCOURT, 2004, p Ibidem, p.44

22 Jeremy Bentham Fundador do utilitarismo, que era resumidamente a procura da felicidade para a maioria ou simplesmente da felicidade maior. Um ato possui utilidade se visa produzir benefício, vantagem, prazer, bem-estar e se serve para prevenir a dor. 28 Sobre a égide de que o homem sempre procura o prazer e foge da dor, Bentham construiu sua teoria da pena. Ele antecipou traços das atuais propostas de privatização do sistema punitivo (Minhoto), sugerindo a adoção de um castigo moderado, com disciplina severa, alimentação grosseira e vestimenta humilhante, tudo com o objetivo de recuperar o criminoso. A pena serviria para que o condenado se emendasse e não repetisse o delito, tanto pelo temor do castigo tanto pela mudança em seu caráter e seus hábitos. Como cada crime tem o seu motivo, a análise desse motivo serviria para que cada preso fosse tratado de acordo com o crime cometido. 29 Bentham foi o idealizador do panótico 30, estrutura arquitetônica de prisão que foi influente na área penal. Os presos eram vistos pelo vigia, mas estes não podiam vê-lo. Era a preocupação com o controle e a segurança. Segundo Foucault, eis como era conhecido o panóptico: Na periferia uma construção em anel; no centro, uma torre; esta é vazada de largas janelas que se abrem sobre a face interna do anel; a construção periférica é dividida em celas, cada uma atravessando toda a espessura da construção; elas têm duas janelas, uma para o interior, correspondendo às janelas da torre; outra, que dá para o exterior, permite que a luz atravesse a cela de lado a lado. Basta então colocar um vigia na torre central, e em cada cela trancar um louco, um doente, um condenado, um operário ou um escolar. (...) Cada um, em seu lugar, está bem trancado em sua cela de onde é visto de frente pelo vigia; mas os muros laterais impedem que entre em contanto com seus companheiros. É visto, mas não vê. (...) Daí o efeito mais importante do panóptico: induzir no detento um estado consciente e permanente de visibilidade que assegura o funcionamento automático do poder, (...) que os detentos se encontrem presos numa situação de poder de que eles mesmos são os portadores. 31 O modelo prisional panóptico não foi difundido como esperado, circunstância essa que não diminuiu a importância das idéias de Bentham, que são utilizadas até 28 Ibidem, p BITENCOURT, 2004, p Pan=tudo; ótico=ver. Ver tudo. 31 FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir.história da violência nas prisões. Tradução de Raquel Ramalhetes, 34.ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, p

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO TRABALHO VOLTA AO CRIME CARTILHA DO REEDUCANDO CARTILHA DO REEDUCANDO ÍNDICE Introdução...5 Deveres...6 Direitos...7 Disciplina...10 Sanções...11 Formulário para Habeas Corpus...12 Petição Simplificada...13

Leia mais

XXXVII - não haverá juízo ou tribunal de exceção; Tribunal de exceção é aquele criado temporariamente para julgar um ou alguns casos específicos após

XXXVII - não haverá juízo ou tribunal de exceção; Tribunal de exceção é aquele criado temporariamente para julgar um ou alguns casos específicos após XXXVII - não haverá juízo ou tribunal de exceção; Tribunal de exceção é aquele criado temporariamente para julgar um ou alguns casos específicos após o cometimento do delito, sem respeito ao princípio

Leia mais

Capítulo I - Dos Direitos e deveres individuais e coletivos (art. 5º) Diferenciação entre Direitos, Garantias e Remédios Constitucionais.

Capítulo I - Dos Direitos e deveres individuais e coletivos (art. 5º) Diferenciação entre Direitos, Garantias e Remédios Constitucionais. Diferenciação entre Direitos, Garantias e Remédios Constitucionais. Direitos: Declarações que limitam a atuação do Estado ou dos cidadãos. Garantias: Blindagem que envolve o Direito, evitando sua violação.

Leia mais

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direito Constitucional Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Revisão da aula anterior Direito de propriedade Função social da propriedade Desapropriação

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM NOME DO ALUNO A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA DENTRO DO SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO

FACULDADE DE DIREITO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM NOME DO ALUNO A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA DENTRO DO SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO FACULDADE DE DIREITO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM NOME DO ALUNO A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA DENTRO DO SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 2010 NOME DO ALUNO A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA

Leia mais

PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR

PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR MARIA FERNANDA DE LIMA ESTEVES [1] Desde o início da história, a humanidade depara-se com o cometimento das mais diversas infrações, e, ao lado delas, surge

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Direitos e Garantias Fundamentais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direitos e Garantias Fundamentais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direitos e Garantias Fundamentais Objetivos Definir Direitos Humanos. Estabelecer os Direitos e Garantias Fundamentais. Direitos e Garantias Fundamentais Os direitos humanos são os direitos e liberdades

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais

Prof. Alison Rocha QUESTÕES COMENTADAS DA LEI DE EXECUÇÕES PENAIS

Prof. Alison Rocha QUESTÕES COMENTADAS DA LEI DE EXECUÇÕES PENAIS Prof. Alison Rocha QUESTÕES COMENTADAS DA LEI DE EXECUÇÕES PENAIS A respeito da execução penal, instituída pela Lei n.º 7.210/1984, assinale a opção correta. a) O trabalho do condenado, como dever social

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução: A Pena 2. A Pena na Constituição Federal de 1988 3. Finalidades da pena 4. Espécies de pena no Código Penal brasileiro 5. Direito Penitenciário 6. Legislação 7. Aplicação

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Curso Resultado Um novo conceito em preparação para concursos! CRFB/88. Atualizada em 02 de dezembro de 2015.

Curso Resultado Um novo conceito em preparação para concursos! CRFB/88. Atualizada em 02 de dezembro de 2015. Um novo conceito em preparação para concursos! CRFB/88 Atualizada em 02 de dezembro de 2015. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia

Leia mais

DICAS DE DIREITO PENAL. Parte Geral. - art. 5º, XXXIX, XL, XLII, XLIII, XLIV, XLV, XLVI, XLVII, CF

DICAS DE DIREITO PENAL. Parte Geral. - art. 5º, XXXIX, XL, XLII, XLIII, XLIV, XLV, XLVI, XLVII, CF DICAS DE DIREITO PENAL Parte Geral - art. 5º, XXXIX, XL, XLII, XLIII, XLIV, XLV, XLVI, XLVII, CF - diferenciar meios de INTERPRETAÇÃO da lei penal e MEIOS DE INTEGRAÇÃO da lei penal - princípio da legalidade

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.614, DE 2011 (Do Sr. Rubens Bueno)

PROJETO DE LEI N.º 1.614, DE 2011 (Do Sr. Rubens Bueno) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.614, DE 2011 (Do Sr. Rubens Bueno) Altera as Leis nº 9.800, de 26 de maio de 1999, e nº 11.419, de 19 de dezembro de 2006, para estabelecer procedimentos relativos

Leia mais

Considerando a inspeção empreendida no dia 19.09.2012 no Centro de Recuperação Feminina;

Considerando a inspeção empreendida no dia 19.09.2012 no Centro de Recuperação Feminina; Considerando que ao Conselho Penitenciário do Estado do Pará compete, de acordo com o Decreto 418/79, inspecionar os estabelecimentos prisionais sediados no Estado do Pará, com objetivo de assegurar condições

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Execução Penal, ressocialização, trabalho, preso, PEPI.

PALAVRAS-CHAVE: Execução Penal, ressocialização, trabalho, preso, PEPI. LEI DE EXECUÇÃO PENAL E O SISTEMA CARCERÁRIO GOIANO Nayara Rodrigues de Amorim 1 Profª Drª Ana Celuta Fulgêncio Taveira 2 RESUMO: A evolução da pena de prisão, é importante para entendermos a natureza

Leia mais

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA AOS PRESOS E SEUS FAMILIARES. O que não pode ficar preso é o relacionamento familiar.

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA AOS PRESOS E SEUS FAMILIARES. O que não pode ficar preso é o relacionamento familiar. NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA AOS PRESOS E SEUS FAMILIARES O que não pode ficar preso é o relacionamento familiar. O afastamento do preso do ambiente familiar provoca uma readequação nas relações sociais,

Leia mais

A ORIGEM DA APLICAÇÃO DA PENA

A ORIGEM DA APLICAÇÃO DA PENA A ORIGEM DA APLICAÇÃO DA PENA Cinthia Marins Teles 1, Cláudia de Lima e Séllos 2, Prof. Dr. Nivaldo dos Santos 3 1,2,3 Núcleo de Estudos e Pesquisas do Departamento de Ciências Jurídicas da Universidade

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420)

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420) Fica autorizada a reprodução do texto e ilustrações, no todo ou em parte, desde que se não altere o sentido, bem como seja citada a fonte. As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal I Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º ano Docente Responsável: Prof.

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR ELBERT DA CRUZ HEUSELER Mestre em Direito da Administração Pública Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais Pós Graduado em Estratégia e Relações Internacionais Especialista em Globalização e Brasil

Leia mais

DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM

DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM Resolução XXX, Ata Final, aprovada na IX Conferência Internacional Americana, em Bogotá, em abril de 1948. A IX Conferência Internacional Americana,

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO. Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO. Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 Componente Curricular: DIREITO PENAL II Código: DIR - 265 CH Total: 60 horas Pré-requisito:Direito

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 Dispõe sobre as atribuições da Coordenação de Atendimento ao Preso Provisório da Defensoria Pública da Capital e dá outras providências.

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

BRASIL. (tradução não oficial para o português)

BRASIL. (tradução não oficial para o português) Distr. GERAL CCPR/C/BRA/CO/2 2 de Novembro 2005 Original: Inglês Comitê de Direitos Humanos 85ª Sessão CONSIDERAÇÃO DE RELATÓRIOS ENVIADOS POR ESTADOS PARTES SOB O ARTIGO 40 DO PACTO Observações finais

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS Os Juizados Especiais foram criados para atender; de uma forma rápida e simples, problemas cujas soluções podem ser buscadas por qualquer cidadão. Antes deles,

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid INTRODUÇÃO A Convenção Apartheid foi aprovado pela Assembléia Geral da ONU em 1973, mas com um grande número de abstenções por

Leia mais

PRINCÍPIO DA IGUALDADE DIREITOS INDIVIDUAIS PRINCÍPIO DA ISONOMIA. Estrangeiro Não residente. Princípio da Legalidade.

PRINCÍPIO DA IGUALDADE DIREITOS INDIVIDUAIS PRINCÍPIO DA ISONOMIA. Estrangeiro Não residente. Princípio da Legalidade. DIREITOS INDIVIDUAIS PRINCÍPIO DA IGUALDADE Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES ÍNDICE PREFÁCIO par. pág. Razão de ser 1-3 13 Os objectivos 4-5 13 A origem 6-8 13 Agradecimentos: aos redactores 9 14 Agradecimentos: aos patrocinadores 10 14 Aos destinatários 11 14 ONDE COMEÇA O MANUAL

Leia mais

A DEFENSORIA PÚBLICA COMO GARANTIDORA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DOS PRESOS PROVISÓRIOS E CONDENADOS

A DEFENSORIA PÚBLICA COMO GARANTIDORA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DOS PRESOS PROVISÓRIOS E CONDENADOS A COMO GARANTIDORA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DOS PRESOS PROVISÓRIOS E CONDENADOS Maicom Alan Fraga Vendruscolo. Defensor Público do Estado de Mato Grosso, pós-graduado em Ciências Penais e atua na Comarca

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito Efeito suspensivo O RESE, como regra, não tem efeito suspensivo. Terá, apenas, quando a lei prever. O art. 584 do CPP 1 prevê 05 hipóteses

Leia mais

Princípios norteadores

Princípios norteadores Princípios norteadores A Associação pela Reforma Prisional, Conectas Direitos Humanos, Instituto dos Defensores de Direitos Humanos, Instituto Sou da Paz, Instituto Terra, Trabalho e Cidadania, Instituto

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

ESTADO DE GOIÁS ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA RELATÓRIO DA VISITA FEITA AO CENTRO DE INSERÇÃO SOCIAL DE ANÁPOLIS (PRESÍDIO DE ANÁPOLIS), REALIZADA EM 25 DE MAIO DE 2011, PELA COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM. (Aprovada na Nona Conferência Internacional Americana, Bogotá, 1948)

DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM. (Aprovada na Nona Conferência Internacional Americana, Bogotá, 1948) In: http://www.cidh.oas.org/basicos/portugues/b.declaracao_americana.htm DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM (Aprovada na Nona Conferência Internacional Americana, Bogotá, 1948) A IX Conferência

Leia mais

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes.

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA Daiani

Leia mais

Turmas de Direito Empresarial Esboço das aulas Introdução ao Estudo do Direito

Turmas de Direito Empresarial Esboço das aulas Introdução ao Estudo do Direito CONCEITO, ORIGEM E FINALIDADE O Direito nasceu da necessidade do homem de viver em sociedade. O homem só não precisa do Direito, das normas, não há conflito de interesse, lide, existe no máximo conflitos

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

O TROTE NA PERSPECTIVA DOS DIREITOS HUMANOS

O TROTE NA PERSPECTIVA DOS DIREITOS HUMANOS 1. Introdução O TROTE NA PERSPECTIVA DOS DIREITOS HUMANOS Mônica Alves Costa Ribeiro* Na definição da profª Maria Helena Diniz, trote é: b) troça que os estudantes veteranos impõem aos calouros. 1 Ou seja,

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais

AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais Um projeto de vida começa com um sonho, grande ou pequeno, não importa! Na vida temos que ter a capacidade de sonhar, sonhar sempre, sonhar para viver! Meu nome

Leia mais

CAPÍTULO I Das Espécies de Pena

CAPÍTULO I Das Espécies de Pena PROJETO DE LEI Nº /2011 (Do Senhor Deputado Hugo Leal) Altera dispositivos do Decretolei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 Código Penal, e da Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984 Lei de Execução Penal,

Leia mais

ASSISTÊNCIA A SAÚDE À MULHER - PRESA: UM DIREITO NEGADO

ASSISTÊNCIA A SAÚDE À MULHER - PRESA: UM DIREITO NEGADO 1 ASSISTÊNCIA A SAÚDE À MULHER - PRESA: UM DIREITO NEGADO Hilderline Câmara de Oliveira Christianne Medeiros Cavalcante Eduardo Franco Correia Cruz Joseneide Sousa Pessoa dos Santos Universidade Federal

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE GERAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA Marcelo Vituzzo Perciani 1º Tenente da Polícia

Leia mais

A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA NO PROCESSO PENAL

A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA NO PROCESSO PENAL A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA NO PROCESSO PENAL CRISTIANE APARECIDA ROSA DIALUCE 1 GUILHERME JORGE DO CARMO SILVA 2 VÂNIA MARIA BEMFICA GUIMARÃES PINTO COELHO 3 RESUMO O presente estudo vem à lume apresentar

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA TÍTULO: "DIÁRIO" DE UM EX - DETENTO : AS DIFICULDADES E PRECONCEITOS ENCONTRADOS, NO DIA A DIA,PARA RESSOCIALIZAÇÃO DO EX - PRESIDIÁRIO NEGRO NO BRASIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a Lei Maria da Penha Pelo fim da violência ulher contra a Ligação gratuita, 24 horas, para informações sobre a Lei Maria da Penha e os serviços para o atendimento às mulheres em situação de violência. Lei

Leia mais

DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS: Teoria Geral Alexandre de Moraes

DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS: Teoria Geral Alexandre de Moraes DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS: Teoria Geral Alexandre de Moraes Sinopse Este livro divide-se em duas partes, analisando primeira e detalhadamente a Teoria Geral dos Direitos Humanos, para a seguir enfocar

Leia mais

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Público Área: Direito Penal e Processo Penal PLANO DE ENSINO

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Público Área: Direito Penal e Processo Penal PLANO DE ENSINO Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Direito Penal II Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Público Área: Direito Penal e Processo Penal PLANO DE ENSINO EMENTA A prática do crime

Leia mais

O acórdão em análise é oriundo do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento de um agravo regimental em Recurso Especial e assim dispõe:

O acórdão em análise é oriundo do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento de um agravo regimental em Recurso Especial e assim dispõe: 3. COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA 3.1 QUESTÕES PONTUAIS SOBRE EXECUÇÃO PENAL ÉRIKA DE LAET GOULART MATOSINHO Oficial do Ministério Público do Estado de Minas Gerais Bacharel em Direito 1. Escolha do acórdão

Leia mais

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Boa tarde! Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Chediek, e a toda sua equipe, pela oportunidade em participar desse importante

Leia mais

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS Camila Silvia Martinez Perbone 30* As penalidades, desde os primórdios da civilização, sempre tiveram a finalidade de punir de modo severo, apenas para restabelecer

Leia mais

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher.

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Vamos juntos trabalhar em prol da vida! BRASIL É CAMPEÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NUM RANKING DE 54 PAÍSES fonte: Sociedade Mundial de Vitimologia,

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. "Educação prisional na Penitenciária Industrial de Guarapuava - PIG: Da prisão que pune à privação que educa.

Mostra de Projetos 2011. Educação prisional na Penitenciária Industrial de Guarapuava - PIG: Da prisão que pune à privação que educa. Mostra de Projetos 2011 "Educação prisional na Penitenciária Industrial de Guarapuava - PIG: Da prisão que pune à privação que educa." Mostra Local de: Guarapuava Categoria do projeto: Projetos finalizados.

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br As Medidas de Segurança (Inconstitucionais?) e o dever de amparar do Estado Eduardo Baqueiro Rios* Antes mais nada são necessárias breves considerações acerca de pena e das medidas

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 10.006

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 10.006 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 10.006 Institui o Comitê Estadual para a Prevenção e Erradicação da Tortura no Espírito Santo - CEPET/ES e o Mecanismo Estadual de Prevenção e Erradicação da Tortura no

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

Artigo: O instituto do habeas corpus e os direitos humanos

Artigo: O instituto do habeas corpus e os direitos humanos Maria Bueno Barbosa Artigo: O instituto do habeas corpus e os direitos humanos Trabalho apresentado à disciplina de Metodologia do Trabalho Científico da Faculdade Mineira de Direito, PUC Minas Coração

Leia mais

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS COMO É HOJE VERSÃO DO PL ANTERIOR SUBSTITUTIVO APRESENTADO em 22 de setembro de 2015 Art. 141 - As penas cominadas neste Capítulo aumentam-se de um terço, se qualquer dos crimes

Leia mais

A redução da maioridade penal não é a solução

A redução da maioridade penal não é a solução A redução da maioridade penal não é a solução Mandato do Deputado Estadual Marcelo Freixo 2 Redação: Ana Marcela Terra Bruno Villa Sidney Teles Tomás Ramos Edição: Renata Souza Revisão: Bruno Villa Fotos:

Leia mais

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO Lei Maria da Penha 123 Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO De acordo com conceito firmado em 1994, em Belém/PA, na Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO FABIANO CONTARATO, brasileiro, solteiro, com 48 anos de idade, Delegado de Polícia Civil e Professor Universitário,

Leia mais

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS Relatório FEVEREIRO, 2014 Direito à integridade física e psíquica de recluso Observatório dos Direitos Humanos http://www.observatoriodireitoshumanos.net/ dh.observatorio@gmail.com

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais

Avaliação da coordenação da Pastoral Carcerária SP sobre o sistema prisional

Avaliação da coordenação da Pastoral Carcerária SP sobre o sistema prisional São Paulo, 19 de junho de 2006 Avaliação da coordenação da Pastoral Carcerária SP sobre o sistema prisional O Estado de São Paulo vive hoje o clima do pós-rebeliões, do pós-confronto do crime organizado

Leia mais

10 de Setembro de 2013

10 de Setembro de 2013 10 de Setembro de 2013 TJDFT na mídia http://tjdft2013.myclipp.inf.br Segunda-feira, 09 de Setembro de 2013 Revista Veja/SP Brasil Seg, 09 de Setembro de 2013. 07:48:00. REVISTA VEJA BRASIL TJDFT TRIBUNAL

Leia mais

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE Monster Concursos ABUSO DE AUTORIDADE AULÃO PM-MG 06/03/2015 ABUSO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965. #AULÃO #AQUIÉMONSTER Olá Monster Guerreiro, seja bem-vindo ao nosso Aulão, como

Leia mais

RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público.

RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público. RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público. - Resumo e destaques objetivos da Conferência proferida no

Leia mais

Rogério Sanches Cunha

Rogério Sanches Cunha Art. 24 SEÇÃO VII Da Assistência Religiosa Art. 24 A assistência religiosa, com liberdade de culto, será prestada aos presos e aos internados, permitindo-se-lhes a participação nos serviços organizados

Leia mais

Será que era isso que eles pretendiam com a revolta. Não estavam satisfeitos com aquela situação ou são masoquistas e gostam de sofrer?

Será que era isso que eles pretendiam com a revolta. Não estavam satisfeitos com aquela situação ou são masoquistas e gostam de sofrer? SISTEMA CARCERÁRIO E DIREITOS HUMANOS DALIO ZIPPIN FILHO ADVOGADO CRIMINALISTA Recentemente eclodiu na Penitenciária Central do Estado uma rebelião envolvendo os mil e quinhentos presos que ali estão recolhidos,

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

A MUDANÇA DA CULTURA JURÍDICA SOBRE DROGAS

A MUDANÇA DA CULTURA JURÍDICA SOBRE DROGAS A MUDANÇA DA CULTURA JURÍDICA SOBRE DROGAS Mirela Aparecida Xavier da Silva 1 Wagner Edemilson Mendonça Silva Melo 2 Resumo O presente artigo abordará assuntos relativos à nova lei de drogas, a Lei 11.343/2006,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: DIREITO PÚBLICO: PENAL PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS EMENTA: DIREITO PENAL: conceito, crime e contravenção. Crimes contra a fé pública e contra a administração pública.

Leia mais

CRESS / 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social RJ

CRESS / 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social RJ OFÍCIO /CRESS/SEC/Nº 0535/2013 Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2013 De: Conselho Regional de Serviço Social 7ª Região À Comissão de Juristas com a finalidade de realizar estudos e propor atualização

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL AÇÃO PENAL PÚBLICA tem início através de uma peça que se chama denúncia. Essa é a petição inicial dos crimes

Leia mais

CARTILHA DO APENADO OLÁ,

CARTILHA DO APENADO OLÁ, CARTILHA DO APENADO OLÁ, A Corregedoria-Geral da Justiça, através do Projeto RecuperAÇÃO, desenvolveu esta Cartilha com o intuito de ajudá-lo e orientá-lo quanto a seus direitos e deveres durante o período

Leia mais

TÍTULO: OS USOS E ABUSOS DA PRISÃO PREVENTIVA E SEU REFLEXO NA SUPERLOTAÇÃO CARCERÁRIA

TÍTULO: OS USOS E ABUSOS DA PRISÃO PREVENTIVA E SEU REFLEXO NA SUPERLOTAÇÃO CARCERÁRIA TÍTULO: OS USOS E ABUSOS DA PRISÃO PREVENTIVA E SEU REFLEXO NA SUPERLOTAÇÃO CARCERÁRIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE SANTA

Leia mais

Dos Direitos e Garantias Fundamentais.

Dos Direitos e Garantias Fundamentais. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula e breve resumo Dos Direitos e Garantias Fundamentais. Os direitos e garantias fundamentais correspondem às normas constitucionais que possibilitam as condições mínimas

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão Votada definitivamente em 2 de outubro de 1789

Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão Votada definitivamente em 2 de outubro de 1789 Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão Votada definitivamente em 2 de outubro de 1789 Os representantes do Povo Francês constituídos em Assembléia Nacional, considerando, que a ignorância o olvido

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Gilberto, quando primário, apesar de portador de maus antecedentes, praticou um crime de roubo simples, pois, quando tinha 20 anos de idade, subtraiu de Renata, mediante

Leia mais