UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI ROBERTA MONTEIRO DE OLIVEIRA TURISMO PEDAGÓGICO: A RELAÇÃO ENTRE AGÊNCIAS DE TURISMO E ESCOLAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI ROBERTA MONTEIRO DE OLIVEIRA TURISMO PEDAGÓGICO: A RELAÇÃO ENTRE AGÊNCIAS DE TURISMO E ESCOLAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI ROBERTA MONTEIRO DE OLIVEIRA TURISMO PEDAGÓGICO: A RELAÇÃO ENTRE AGÊNCIAS DE TURISMO E ESCOLAS São Paulo 2008

2 ROBERTA MONTEIRO DE OLIVEIRA TURISMO PEDAGÓGICO: A RELAÇÃO ENTRE AGÊNCIAS DE TURISMO E ESCOLAS Dissertação de Mestrado apresentado à Banca Examinadora, como exigência parcial para a obtenção do título de Mestre do Programa de Mestrado em Hospitalidade, área de concentração em Planejamento e Gestão Estratégica em Hospitalidade da Universidade Anhembi Morumbi, sob a orientação do Prof. Dr. Raul Amaral Rego. São Paulo 2008

3 FICHA CATALOGRAFICA O51 Oliveira, Roberta Monteiro de Turismo pedagógico: a relação entre agências de turismo e escolas / Roberta Monteiro de Oliveira f.: il.; 30 cm. Orientador: Raul Amaral Rego. Dissertação (Mestrado em Hospitalidade) - Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, Bibliografia: f Hospitalidade. 2. Turismo pedagógico. 3. Agências de turismo. 4. Serviços. 5. Educação. I. Título. CDD

4 ROBERTA MONTEIRO DE OLIVEIRA TURISMO PEDAGÓGICO: A RELAÇÃO ENRE AGÊNCIAS DE TURISMO E ESCOLAS Dissertação de Mestrado apresentado à Banca Examinadora, como exigência parcial para a obtenção do título de Mestre do Programa de Mestrado em Hospitalidade, área de concentração em Planejamento e Gestão Estratégica em Hospitalidade da Universidade Anhembi Morumbi, sob a orientação do Prof. Dr. Raul Amaral Rego. Aprovado em 13 de outubro de 2008 Prof. Dr. Raul Amaral Rego (orientador) Prof. Dr. Mário Carlos Beni Profa. Dra. Mirian Rejowski

5 Dedico este trabalho a todas as pessoas que acreditam que as limitações podem ser transformadas em superação e os obstáculos são lições a serem aprendidas.

6 Agradeço A Deus pela fé que rege os meus dias e por me fazer acreditar que os sonhos podem se tornar realidade. Ao Junior, meu companheiro de todos os momentos, pelo carinho e compreensão e principalmente por me incentivar e acreditar nos meus objetivos. Ao Arthur, meu amado filho, por ser meu raio de sol e pela infindável energia que auxiliou no término desta etapa de minha vida, o mestrado, e o início de outra, ser mãe. A minha mãe por ser o exemplo de coragem e determinação e por me ensinar que a paciência e o amor são os alicerces da vida. Ao meu pai que me ensinou que devemos transformar os percalços que a vida nos apresenta em aprendizado. As minhas irmãs Rosemeire, Rosana, Regina e aos meus cunhados Philippe, Lage, Casagrandi, Renata e Fabiano agradeço pelas palavras de incentivo e carinho nos momentos de desalento. Aos meus sobrinhos pelo carinho e alegria por tornarem os meus dias mais coloridos e aos meus sogros Rosa Maria e Mauro por compreenderem e assim abdicaram de preciosos momentos em família. Aos amigos, Ana Chaves pela sabedoria e paciência em entender minhas dificuldades e me incentivar nos momentos mais incertos; ao Renê por ter acreditado em meu potencial enquanto professora e a Luciane pela cumplicidade. Aos meus alunos que são a essência do meu aperfeiçoamento, enquanto educadora e profissional. Aos professores do Curso de Mestrado por compartilharem o conhecimento intelectual e os inesquecíveis momentos de convívio social e principalmente ao Prof. Raul pelas sábias orientações e por me mostrar as diferentes possibilidades de ampliar o meu conhecimento científico. Aos mestres Mário Beni, Mirian Rejowski e Maria do Rosário que me concederam imprescindíveis informações, auxiliando-me no aprimoramento da minha pesquisa. A Milena da Escola Carandá, ao Silvio do Colégio Santa Cruz, ao José da Agência Ambiental, ao Marcelo da Agência Quíron e as demais pessoas que contribuíram com preciosas informações sobre o planejamento, realização e avaliação do estudo do meio, tema desta pesquisa.

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Estrutura dos Parâmetros Curriculares Nacionais para o ensino fundamental...30 Figura 2 Diagrama de Serviços - Agência de turismo especializada em turismo pedagógico...56 Figura 3 Natureza e determinantes das expectativas do cliente em relação aos serviços...58 Figura 4 Ginásio Santa Cruz, em Figura 5 Colégio Santa Cruz, em Figura 6 Fotografia tirada em 05/06/2007 Sr. Valdomiro e Sra. Valquíria...78 Figura 7 Fotografia tirada em 05/06/2007 alunos entrevistando meeiro...79 Figura 8 Fotografia tirada em 05/06/2007 Representantes do MST...79 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Escola: Plano de visitas técnicas e viagens de estudos do meio Visita ao Assentamento do MST...38 Quadro 2 Circuitos de distribuição...45 Quadro 3 Agência de Turismo: Plano de visitas técnicas e viagens de estudo do meio Visita ao Assentamento do MST...60

8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABAV- Associação Brasileira de Agências de Viagens IFTA Federação Internacional das Agências de Viagens EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo GDS - Global Distribution Systems MEC Ministério da Educação MST - Movimento dos trabalhadores rurais sem terra PCNs - Parâmetros Curriculares Nacionais

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 EDUCAÇÃO, VIAGENS E O ESTUDO DO MEIO Propostas pedagógicas e o estudo do meio O estudo do meio no cenário brasileiro O uso do estudo do meio como atividade pedagógica A inserção do estudo do meio nos Parâmetros Curriculares Nacionais A inserção do estudo do meio no planejamento pedagógico Principais questões identificadas para pesquisa CAPÍTULO 2 AGÊNCIAS DE VIAGENS Breve caracterização das agências de viagens Os serviços prestados pelas agências de viagens A especialização das agências de viagens em turismo pedagógico O planejamento dos serviços de turismo pedagógico A análise das necessidades e expectativas da escola Principais questões identificadas para pesquisa CAPÍTULO 3 RESULTADOS DA PESQUISA DE CAMPO Colégio Santa Cruz Escola Carandá Quíron Turismo Educacional Agência Ambiental Expedições Visita ao Assentamento MST - realizada pela Escola Carandá e Quíron Turismo Educacional...76 CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...85 BIBLIOGRAFIA AMPLIADA...90 APÊNDICES Roteiros Entrevista ANEXOS Termos de Consentimento...103

10 RESUMO A presente pesquisa tem como objetivo estudar o relacionamento entre as escolas particulares e as agências de turismo especializadas em turismo pedagógico, no que diz respeito ao planejamento, realização e avaliação de viagens para estudos do meio, verificando as atribuições das agências de turismo e das instituições escolares. Do ponto de vista das escolas, buscou-se compreender as teorias pedagógicas que perpassam a educação contemporânea, bem como as metodologias utilizadas no processo ensino-aprendizagem, com destaque para as formas de inserção dos estudos do meio no planejamento de ensino. Do lado das agências, buscou-se, na teoria, a compreensão das características dos serviços prestados pelas agências de turismo no segmento educacional, com ênfase no processo de desenvolvimento do roteiro turístico com finalidade pedagógica, analisando as formas pelas quais as agências desenham este tipo de roteiro. Para isso recorreu-se à literatura específica sobre agências de turismo e à literatura sobre marketing de serviços, principalmente quanto ao uso de diagramas de serviços. O trabalho abrangeu uma pesquisa de campo a partir de um estudo comparativo entre duas escolas do ensino fundamental e duas agências especializadas em turismo pedagógico. O instrumento utilizado foi roteiro de entrevista semi-estruturado com coordenador pedagógico e com orientador educacional, além dos agentes de viagens que organizam essas atividades de campo. Nos resultados de pesquisa apresentados, procurou-se identificar as formas pelas quais as escolas e agências interagem na formatação das viagens, destacando as atribuições de cada uma no processo de planejamento, elaboração, realização e avaliação dos serviços. Verificou-se que as agências pesquisadas desenham os roteiros à luz das diretrizes pedagógicas, oferecendo soluções compatíveis com os requisitos e restrições impostas pelas escolas. Em relação às escolas analisadas, os resultados evidenciaram um bom grau de satisfação com os serviços prestados. Palavras -chave Turismo Pedagógico. Estudo do Meio. Agências de Turismo. Serviços. Educação.

11 ABSTRACT The present research aims at studying the relationship between private schools and travel agencies specialized in pedagogical tourism, regarding planning, accomplishment and evaluation of the traveling by means of study, verifying the attributions of the travel agencies and the school institutions. From the school's point of view, the search was to comprehend the pedagogical theories that postpone the contemporary education, as the methodologies used in the teaching-learning process, with emphasis for the insertion forms by means of study in the teaching planning. On the other hand, the travel agencies searched, in theory, the characteristics comprehension of the service given by the travel agencies on the educational segment, with emphasis in the developing process of a touristic guide with pedagogical finality, analyzing the forms which the agencies draw this kind of guide. For this, specific literature was overrun about travel agencies and service marketing, especially as the use of service diagrams. The labor included a field research from a comparative study between two elementary teaching schools and two travel agencies specialized in pedagogical tourism. The used instrument was a semi-structured interview guide with a pedagogical coordinator and with an educational guider, besides the travel agents who organize these field activities. The presented research results were to search identification of forms which the schools and agencies interact on the definition of the trips, emphasizing the attribution of each one in the planning process, elaborating, accomplishment and evaluation of the services. It was verified that the searched agencies design the guides based on pedagogical discernment, offering compatible solutions with the requirements and restrictions imposed by the schools. Regarding the analyzed schools, the results attested a good grade of satisfaction with the services given. Key words Pedagogical Tourism. By means of study. Travel Agencies. Services. Education.

12 10 INTRODUÇÃO O ato de ensinar e aprender faz parte da evolução humana, considerando-se que desde sempre o homem utilizou técnicas para suprir suas necessidades de sobrevivência e que são passadas de geração à geração por meio do senso comum ou da ciência. Nesse sentido, Rubem Alves (2000) menciona que a construção do conhecimento implica no despertar do interesse, dúvida, indagação, ocasionando assim a investigação sobre um determinado assunto, visando a descobrir soluções e respostas. Assim, o senso comum corresponde àquilo que as pessoas acreditam, almejam, seja por meio de crenças ou idéias. Já a ciência apesar de ter início no senso comum, tem como objetivo especializar-se em um determinado assunto, comprovando-o por meio de métodos e técnicas no âmbito da investigação, reflexão e experimentação, possibilitando legitimar as hipóteses teóricas. Tanto o senso comum como a ciência podem ser instigados por meio do processo de educação, que contempla o ato de ensinar e aprender, sendo preciso a participação do emissor e receptor para que ele aconteça no universo que condiz à relação entre pai e filho, professor e aluno, mestre e aprendiz, preceptor e discípulo etc. Nessa conexão o importante é o aprendizado mútuo, socializando conhecimentos, tendo como cenário o núcleo familiar, escolar, profissional; independentemente do nível social ou núcleo cultural em que o indivíduo se encontra. Para Brandão (2006) a educação ajuda a pensar tipos de homens, guerreiros ou burocratas, passando o saber uns aos outros, dando continuidade ao processo de produção de crenças e idéias que envolvem as trocas de símbolos, bens e poderes, construindo, assim, tipos de sociedades, sendo que não há uma única forma, nem um único modelo de educação. Assim, a escola não é apenas o lugar onde ela acontece e talvez nem seja o melhor. O saber tribal, que vai do fabrico do arco e flecha à recitação das rezas sagradas aos deuses da tribo, não é aprendido na escola. Tudo o que se sabe, aos poucos se adquire, por viver muitas e diferentes situações de trocas entre pessoas, com o corpo, com a consciência. As pessoas convivem umas com as outras e o saber flui, pelos atos de quem sabe-e-faz, para quem não-sabe-eaprende. São situações de aprendizado. A criança vê, entende, imita e aprende com a sabedoria que existe no próprio gesto de fazer a coisa. (BRANDÃO, p ).

13 11 Podemos constatar essa afirmação no trecho da carta 1 escrita pelos Índios das Seis Nações para os governantes de Virgínia e Maryland, Estados Unidos (Estes queriam que os índios enviassem alguns de seus jovens às escolas dos brancos). Os chefes agradecendo e recusando escreveram o seguinte: [...] nós estamos convencidos, portanto, que os senhores desejam o bem para nós e agradecemos de todo o coração. Mas aqueles que são sábios reconhecem que diferentes nações têm concepções diferentes das coisas e, sendo assim, os senhores não ficarão ofendidos ao saber que a vossa idéia de educação não é a mesma que a nossa. [...] Muitos dos nossos bravos guerreiros foram formados nas escolas do Norte e aprenderam toda a vossa ciência. Mas, quando eles voltavam para nós, eles eram maus corredores, ignorantes da vida da floresta e incapazes de suportarem o frio e a fome. Não sabiam como caçar o veado, matar o inimigo e construir uma cabana, e falavam a nossa língua muito mal. Eles eram, portanto, totalmente inúteis. Não seriam como guerreiros, como caçadores ou como conselheiros. Ficamos extremamente agradecidos pela vossa oferta e, embora não possamos aceitá-la, para mostrar a nossa gratidão oferecemos aos nobres senhores de Virgínia que nos enviem alguns dos seus jovens, que lhes ensinaremos tudo o que sabemos e faremos, deles, homens. (BRANDÃO, 2006 P. 8). Cada grupo tem sua cultura; não podemos dizer que a educação de determinado povo é melhor do que a outra, pois cada qual tem as suas especificidades. Assim, não devemos e nem podemos ser etnocêntricos 2. Na educação não há verdade absoluta. A educação escolar, eixo norteador desta pesquisa, pode ser aprendida tanto em sala de aula por meio da teoria, como também, em muitos casos é importante que a prática, ou seja, o ato de fazer, vivenciar ou mesmo observar estejam inseridos no processo de aprendizagem do aluno. Há diferentes maneiras de se utilizar a prática como aprendizado, por exemplo, as atividades realizadas em laboratórios, podendo ser na esfera escolar (laboratório de química), social (entrevistas com a comunidade), atividades de campo (visitas técnicas em museus, teatros, centros comerciais, indústrias, bairros etc.) ou mesmo viagens para outros lugares, sejam tradicionais ou emergentes. É importante salientar que as escolas utilizam diferentes 1 texto retirado do livro O que é educação de Carlos Rodrigues Brandão, 2006 p. 8 2 Etnocentrismo é uma visão do mundo onde o nosso próprio grupo é tomado como centro de tudo e todos os outros são pensados e sentidos através dos nossos valores, nossos modelos, nossas definições do que é a existência. No plano intelectual, pode ser visto como a dificuldade de pensarmos a diferença; no plano afetivo, como sentimentos de estranheza, medo, hostilidade, etc. (ROCHA, p. 7)

14 12 denominações para o estudo do meio, sendo elas: atividades extraclasse, visitas técnicas, trabalhos de campo, viagens de estudo de um dia ou mais, vivência extraclasse, etc. As atividades de campo, há muito tempo, acontecem em diversos lugares do mundo. Nos Estados Unidos as viagens de estudo do meio são conhecidas como viagens de campo (field trips); no Reino Unido como viagem escolar (school trip). No Brasil, o estudo do meio teve início por volta de 1910, durante a Escola Moderna, tendo Ferrer 3 como idealizador e a pedagogia libertária como referência. Ainda hoje há muitas escolas que contemplam essas atividades de campo em seus currículos, tendo como referências os Parâmetros Curriculares Nacionais PCNs, articulando assim o conhecimento teórico e prático, possibilitando que o aluno, por meio desse aprendizado, desenvolva conhecimento intelectual, e que a escola traga, à luz da sua formação, aspectos sociais, ambientais e culturais, formando cidadãos mais conscientes. É importante que os professores conheçam a política de educação e os projetos educacionais que fazem parte do sistema, pois é a partir do conhecimento global que será possível fazer um adequado planejamento educacional e curricular, o plano de ensino, de curso, de unidade e de aula. Foi então que se constatou a necessidade de elaborar um instrumento denominado plano de estudo do meio como demostrado no capítulo 1. Com base nesse cenário, verificou-se a necessidade de estudar e compreender um pouco mais deste universo, aspirando-se que este trabalho sirva como referência teórica para as escolas, agências de turismo e também para a academia, pois constatou-se que este nicho de mercado ainda é emergente e que há pouca bibliografia específica sobre o assunto. Desta maneira, entende-se que há muito que ser produzido e desenvolvido, sendo este o início de um longo caminho. Os orientadores educacionais poderão utilizar essa pesquisa para compreender quais são as atribuições e responsabilidades de uma agência de turismo, bem como entender a função do agente de viagem no processo de formatação de pacotes turísticos. Por outro lado, as agências de turismo encontrarão informações sobre o universo escolar, ou seja, aspectos relevantes sobre a finalidade de documentos como os PCNs, o projeto pedagógico da escola, o currículo escolar, os conteúdos básicos e as metodologias de ensino. 3 O educador espanhol Francisco Ferrer Guardiã ( ) fundador da escola moderna, nacionalista e libertária, foi o mais destacado crítico da escola tradicional, apoiando-se no pensamento iluminista. Ferrer foi um revolucionário que acreditava no valor da educação como remédio absoluto para os males da sociedade. (GADOTTI, p. 174)

15 13 O interesse pelo tema foi despertado com base na atuação no ensino superior, no processo de realização de viagens e visitas técnicas com alunos do Curso de Turismo, bem como na necessidade de ampliar conhecimentos relacionados às áreas concernentes à Hospitalidade e Turismo. Desse modo, o objetivo principal desta pesquisa foi compreender as relações existentes entre as escolas e as agências de turismo (operadoras), verificando a especialização das viagens de estudos do meio. Os objetivos específicos da pesquisa são: verificar os fundamentos das atividades de estudos do meio no cenário educacional brasileiro; entender a importância do estudo do meio como método de ensino; conhecer e compreender as funções das agências de turismo; verificar os procedimentos das agências de turismo, especializadas em turismo pedagógico, e das escolas no processo de planejamento, realização e avaliação das viagens de estudos do meio. Algumas questões foram pensadas, tais como: As agências de turismo oferecem pacotes e roteiros desenvolvidos de acordo com as diretrizes pedagógicas das escolas? As agências de turismo têm contribuído para que os estudos do meio cumpram plenamente com os objetivos contemplados no planejamento curricular? Para uma melhor compreensão do tema, buscaram-se como referenciais teóricos obras de alguns autores, tais como: Ghiraldelli (1992) e Gadotti (2001) que fundamentaram os estudos sobre educação aqui apresentados; Pontuscka (1994) e Haydt (2003) no que se refere ao estudo do meio como método de ensino; Rejowski (2001; 2002; 2008), Cordeiro (2008) e Beni (2006) sobre a evolução, tipologia e conceitos das agências de turismo no mundo e no Brasil; Piza (1982) sobre a utilização do Turismo como possibilidade de aprendizagem no âmbito escolar Turismo Pedagógico; Lovelock; Wright (2001), Zeithaml; Bitner (2003), Cobra (2001) como base para o entendimento e compreensão dos aspectos inerentes a marketing de serviços; bem como Dencker (1998), Schlütler (2003) e Yin (2001), colaborando no contexto metodológico da pesquisa científica. É importante ressaltar que a nomenclatura utilizada para agências de turismo, neste estudo, tem como base a pesquisa realizada pela autora Rejowski, (2008, p.3) da qual se utiliza o termo agências de viagens para designar a trajetória dessas empresas no mundo, termo mais usual, e agências de turismo ao referir-se a essas empresas no cenário brasileiro, termo legalmente utilizado. Este estudo está estruturado em três capítulos. No primeiro, constam algumas questões sobre a função do estudo do meio como recurso pedagógico em diferentes linhas, a trajetória

16 14 desse método de ensino no Brasil, bem como o estudo do meio no contexto que se refere ao planejamento educacional. O segundo capítulo refere-se a alguns aspectos evolutivos das agências de turismo no mundo e no Brasil, tipos de serviços oferecidos por essas agências e as diferentes denominações das viagens, com o objetivo de aprendizagem. No terceiro capítulo foram apresentados os resultados obtidos dos estudos de casos, a partir da análise das entrevistas realizadas, visando a compreender as atribuições de cada um no processo de planejamento, realização e avaliação das atividades relacionadas ao estudo do meio. A metodologia utilizada nesta pesquisa foi o estudo comparativo entre duas escolas do ensino fundamental e duas agências de turismo, especializadas em turismo pedagógico, pretendendo-se compreender os fenômenos que envolvem aspectos relacionados ao Turismo Pedagógico, tanto no contexto das instituições escolares, quanto das operadoras turísticas. Segundo Yin (2001, p.21) o estudo de caso tem algumas características principais como: [...] permite uma investigação para se preservar as características holísticas e significativas dos eventos da vida real tais como ciclos de vida individuais, processos organizacionais e administrativos, mudanças ocorridas em regiões urbanas, relações internacionais e a maturação de alguns setores. De acordo com Dencker (1998, p. 127) o estudo de caso é estudo profundo e exaustivo de determinados objetos ou situações. Permite o conhecimento em profundidade dos processos e relações sociais. A autora enfatiza ainda que esse estudo pode envolver exame de registros, observação de ocorrência de fatos, entrevistas estruturadas e nãoestruturadas ou qualquer outra técnica de pesquisa. O objetivo do estudo de caso, por sua vez, pode ser um indivíduo, um grupo, uma organização, um conjunto de organizações ou até mesmo uma situação. Nesse sentido, Yin (2001, p. 27) ressalta que o estudo de caso é a estratégia escolhida ao se examinarem acontecimentos contemporâneos, mas quando não se podem manipular comportamentos relevantes tendo como questões do tipo como ou por que sobre o qual o pesquisador tem pouco ou nenhum controle. Schramm apud Yin (2001, p.31) cita que: [...] a essência de um estudo de caso, a principal tendência em todos os tipos de estudo de caso, é que ela tenta esclarecer uma decisão ou um conjunto de decisões: o motivo pelo qual foram tomadas, como foram implementadas e com quais resultados.

17 15 Assim, pretendeu-se verificar, por meio do estudo de caso, questões que envolvam todo o processo das viagens, desde a escolha do destino até os resultados obtidos, bem como as decisões de cada um, pedagogos e agentes de viagens em todo o processo da viagem. O objetivo principal deste estudo foi compreender as relações existentes entre o papel desempenhado pelas escolas e agências de turismo, no processo de elaboração de roteiros turísticos de interesse pedagógico, tendo como base: Como é o processo de planejamento, realização e avaliação das viagens de estudos do meio, considerando as atribuições das instituições escolares e turísticas? Para realizar tal análise foi preciso entender aspectos no âmbito da educação, estudos do meio, propostas pedagógicas, agências de viagens, funções do agente de viagem, expectativas dos clientes, roteiros turísticos etc. Para tanto, algumas questões foram indagadas por meio de entrevistas aos orientadores pedagógicos e aos agentes de viagens, tais como: quais critérios a escola utiliza para a realização da escolha dos destinos a serem visitados? De que maneira a agência de turismo colabora com a escola durante o processo de planejamento das viagens de estudos do meio? Segundo Yin, para a entrevista ter êxito, o entrevistador [...] tem que ser bom ouvinte e não ser enganado por suas próprias ideologias e preconceitos, ser adaptável e flexível; ter noção clara sobre as questões que estão sendo estudadas, ser imparcial em relação a noções preconcebidas, incluindo aquelas que se originam de uma teoria. (2001 p. 81). Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas 4 com a coordenadora pedagógica da Escola Carandá e com o orientador educacional do Colégio Santa Cruz, ambos profissionais responsáveis pelas viagens de estudo do meio, no ensino fundamental. A escolha para realizar a pesquisa no Colégio Santa Cruz deu-se pelo fato de ser um das primeiras escolas a realizar o estudo do meio, utilizando-se dos serviços de uma Agência de Turismo, como cita em seu artigo Piza (1992) em 1962, três colégios realizaram esse roteiro: Sion, Santa Cruz e o Deux Oiseaux. O destino escolhido foi Cidades Históricas Minas Gerais. E também por esta escola ser considerada uma das mais tradicionais da cidade de São Paulo atuando na área educacional há 56 anos. 4 Os roteiros das entrevistas semi-estruturadas aplicados nas escolas e agências de turismo encontram-se no apêndice 1.

18 16 O Colégio Carandá foi escolhido por realizar atividades de campo há mais de 30 anos e, também, por realizar atividades de estudo do meio em assentamentos do MST Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. A escola também conta com os serviços de uma agência especializada em Turismo Pedagógico. As agências de turismo (operadoras) Quíron Turismo Educacional e a Agência Ambiental Expedições foram escolhidas por serem especializadas em Turismo Pedagógico e por ambas prestarem serviços ao Colégio Santa Cruz, sendo que a Quíron também presta serviços ao Colégio Carandá. As entrevistas foram realizadas com o Sr. Sílvio Hotimsky, orientador educacional, (Colégio Santa Cruz) e Srta. Milena Terron, coordenadora pedagógica, (Escola Carandá) que planejam, juntamente com os professores, as atividades de campo e com os agentes de viagens Sr. José Zuquim (Agência Ambiental) e o Sr. Marcelo Salum (Agência Quíron) responsáveis pelo processo de elaboração, realização e avaliação das viagens de estudos do meio. A pesquisadora realizou visita ao assentamento do MST na cidade de Sumaré - SP. Os métodos utilizados foram de observação e entrevistas não estruturadas, sendo que os entrevistados foram: o professor, a orientadora educacional, os alunos, o monitor e os anfitriões. O objetivo era compreender a opinião de cada um referente aos aspectos que envolvem atividades de estudo do meio. Para tanto, foi utilizado caderno de campo, máquina fotográfica e gravador. De acordo com Schütler as entrevistas não estruturadas consistem em uma conversa sem restrições entre o pesquisador e o entrevistado sobre temas relacionados com o objeto de estudo (2003, p. 107).

19 17 CAPÍTULO 1 EDUCAÇÃO, VIAGENS E O ESTUDO DO MEIO 1.1 Propostas pedagógicas e o estudo do meio Com o objetivo de aprimorar a educação, tornando-a um aprendizado flexível, dinâmico e mútuo entre professores e alunos, muitos educadores começaram tratar o aluno como o centro do processo de ensino, um ser pensante que tem condições de dar a sua opinião e expressar seus interesses, contrariando a educação tradicional. Nesse sentido, há muito tempo a educação vem sendo estudada por diferentes nações, tendo diversos pensadores de renome, que a partir de idéias pedagógicas propuseram-se compreender, analisar e discutir a Educação e as suas influências na evolução humana. No âmbito do pensamento pedagógico, serão abordadas as idéias de alguns educadores que ressaltaram o estudo do meio como recurso de aprendizagem e que muitas escolas se inspiraram, tendo-as como referência. Dentre esses educadores citaremos Ferrer e a Escola Moderna como movimento da pedagogia libertária; Freinet, abordando a educação pelo trabalho e a pedagogia do bom senso; Dewey, instigando o aprendizado por meio do aprender fazendo; Montessori, defendendo métodos ativos; Piaget, com a psicopedagogia e a educação para a ação; Nidelcolff, discutindo a formação do professor e a escola para o povo e os educadores brasileiros, Paulo Freire com a concepção dialética de aprendizagem e Maurício Tragtenberg. Segundo Ghiraldelli (1992), Francisco Ferrer 5 foi um livre pensador espanhol, criador da Escola Moderna, considerada um movimento da pedagogia libertária cartacterizada por abordar a questáo pedagógica a partir de uma perspectiva libertária e igualitária, eliminando relações autoritárias presentes no modelo educacional e tradicional. Preocupado em desenvolver um outro tipo de formação pedagógica em oposição a formação educacional gerida pelo Estado ou pela Igreja, esse educador foi relevante na inserção do estudo do meio no Brasil, como veremos mais adiante. Outro educador, Celéstin Freinet 6, de acordo com Gadotti (2001, p. 178) foi um dos precursores da Escola Nova, sendo que seus princípios pedagógicos eram baseados na 5 ( ) 6 ( )

20 18 valorização do trabalho manual, tendo destaque tanto na prática quanto na teoria da educação. Para o autor, Freinet: [...] centrava a educação no trabalho, na expressão livre, na pesquisa. O estudo do meio, o texto livre, a imprensa na escola, a correspondência interescolar são algumas das técnicas que empregava. Para ele a escola popular do futuro seria a escola do trabalho. (GADOTTI, 2001, p. 178). Deste modo, percebe-se que o estudo do meio é apresentado como instrumento de aprendizagem, possibilitando que o aluno vivencie o meio social e se prepare para adaptar-se à vida comunitária. Freinet dava à criança consciência de sua capacidade a fim de convertê-la em autora de seu próprio futuro em meio à grande ação coletiva. Já Maria Montessori 7, nascida na Itália, também pioneira da educação pré-escolar e da Escola Nova, utilizava-se de métodos ativos, a partir dos quais propunha: [...] despertar a atividade infantil através do estímulo de promover a autoeducação da criança, colocando meios de trabalhos adequados à sua disposição. Portanto, o educador não atuaria diretamente sobre a criança, mas ofereceria meios para a sua auto-formação, pois ela acreditava que só a criança é educadora da sua personalidade. (GADOTTI, 2001, p. 151). O mesmo autor informa que o material criado por Montessori teve papel preponderante no seu trabalho educativo, pressupondo a compreensão das coisas a partir delas mesmas, tendo como função estimular e desenvolver na criança um impulso interior que se manifestasse no trabalho espontâneo do intelecto. Essa pedagogia foi inicialmente praticada com crianças da educação infantil e das primeiras séries do ensino fundamental, sendo que o material utilizado era composto por peças sólidas de diversos tamanhos, formas e cores com a finalidade de prepará-las para resolver problemas por meio da concentração e, ao finalizarem as atividades, socializarem os resultados com o grupo. Dessa forma, percebe-se que as escolas que utilizam a educação, inspiradas em Montessori, possuem ambientes com inúmeras opções de atividades lúdicas, fazendo com que a criança utilize a criatividade e a reflexão para resolver situações e compartilhar os resultados com o grupo. Segundo Gadotti (2001, p. 148), o filósofo e pedagogo norte-americano, John Dewey 8, também exerceu grande influência sobre toda a pedagogia contemporânea, pois foi defensor 7 ( ). 8 ( )

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Eduardo Vargas Pereira (IC) 1*, Diego Soares de Moura (IC) 1, Caroline Pereira Dutra (IC) 1, Roberta Almeida dos Santos

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS:

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: Art. 3º - A Escola oferece os seguintes níveis de ensino: I. Educação Infantil: de 0 a 05 anos de idade. Educação Precoce de 0 a 03 anos Educação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

PROJETO DE XADREZ NO CAC/UFG

PROJETO DE XADREZ NO CAC/UFG PROJETO DE XADREZ NO CAC/UFG ALCÂNTARA, Franciele Brandão Ferreira 1 OLIVEIRA, Leandro Damas de 2 SANTOS JÚNIOR, Porfírio Azevedo dos 3 SILVA, André Carlos 4 SILVA, Elenice Maria Schons 5 SILVA, Élida

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br INTRODUÇÃO Jorge Nagle com o livro Educação e Sociedade na Primeira República consagrou-se

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL P á g i n a 123 A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Fábio de Melo BANDEIRA (Esp./UEG) (fabiobandeira@ueg.br) Ludimilla Ribeiro de ALMEIDA (UEG/G) (lu_dimilla22@hotmail.com)

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) Resumo DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 Eunice Piccin 2 Fabiano Bolzan Scherer² Fernanda Dalosto Moraes² Marcos Vinicius Conceição

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL ISSN 2316-7785 PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Ivanete Zuchi Siple ivazuchi@gmail.com Marnei Mandler mmandler@gmail.com Tatiana Comiotto Menestrina comiotto.tatiana@gmail.com

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD PROFª Mª MARIA DA GRAÇA GONÇALVES VINHOLI- GT-EAD E SENACmgvinholi@yahoo.com.br mariadagraca@ms.senac.br QUEM É O TUTOR? Mantendo a essência do termo e, transpondo

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais