Municipal de José Bonifácio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Municipal de José Bonifácio"

Transcrição

1 Municipal de Jsé Bnifáci ESTADO DE SÃ PAULO LEI COMPLEMENTAR N. 006/2007 Fls INSTITUI O PLANO DIRETOR DO MUNiCípIO DEFINIDOR DA política URBANA E ESTABELECE DIRETRIZES À ATUAÇÃO DOS AGENTES PÚBLICOS E PRIVADOS. CELSO OLlMAR CALGARO Prefeit Municipal de Jsé Bnifáci Estad de Sã Paul usand das atribuições que lhe sã cnferidas pr lei e etc FAZ SABER que a Câara Municipal aprvu e ele Sancina e Prulga a seguinte lei: TíTULO I DA política DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CAPíTULO I DOS FUNDAMENTOS Art. 1 Esta lei atende a dispsitivs das Cnstituições Federal e Estadual da lei Estatut da Cidade be c da lei Orgânica d Municípi de Jsé Bnifáci cnfre se especifica: I Cnstituiçã da República Federativa d Brasil e: Títul VII Capítul 11 Da Plítica Urbana; 11 Cnstituiçã d Estad de Sã Paul e: Títul VI Capítul 11 D Desenvlvient Urban; 111 lei Orgânica d Municípi de Jsé Bnifáci e: Títul IV Capítul VII Da Plítica Urbana. CAPíTULO 11 DA MISSÃO Art. 2 A plítica unicipal de desenvlvient urban deve prver a autsuficiência de Jsé Bnifáci através d desenvlvient sustentável e da qualidade de vida ds seus radres c respeit à diversidade cultural e a capacidade de enfrentar s desafis futurs. CAPíTULO 11I DOS OBJETIVOS METAS E AÇÕES. Art. 3 Os bjetivs gerais da Plítica de Desenvlvient Sustentável d Municípi de Jsé Bnifáci sã: I Melhrar as cndições de vida d trabalhadr urban; 11 Frtalecer pequen prdutr rural fixand n cap; 111 Garantir a qualidade de vida das gerações futuras; IV Garantir cndições de habitabilidade na cidade; V Eancipar e dar dignidade a cidadã bnifacian; VI Cnseguir a qualidade de vida plena; VII Prver a inclusã scial; VIII Resgatar a identidade sócicultural d bnifacian; e IX Recuperar a tranqüilidade. Art. 4 Os bjetivs específics nas diferentes áreas d desenvlvient sustentável sã: RUA 21 DE ABRIL 4B2. TELEFONE (17) FAX (17) CEP

2 Municipal de Jse Bnifaci ESTADO DE &40 PAULO Fls.0105 I Apliay80 d indice de epreg urban; 11 Melhria da renda failiar d trabalhadr urban; 111 Melhria da prdutividade da pequena prpriedade rural; IV Auent da renda d pequen prdutr rural; V Abiente urban sanead; VI Iplantay80 de u Serviy de Saneaent Sustentavel; VII Diinuiy80 d ipact abiental causad pel Iix; VIII Mei Abiente preservad; IX Expans80 urbana c disciplina e c garantia de qualidade n acess a cidade; X Cidade dtada de u sistea de circulaya urbana segura; XI Preparaya d bnifacian c prfissinal de qualidade e cidad80; XII Melhra da lngevidade; XIII Cntribuiya para 0 desenvlvient s6ciecnic de Jse Bnifaci; XIV Diinuiy80 das desigualdades e garantia da dignidade cnseqollncia da justa distribuiya; XV Melhra da sciabilidade d individu; XVI Ppulay80 c air fray80 cultural e plitica e capacidade fisica e ental; e XVII PrOOy80 da seguranya publica e Jse Bnifaci; TiTULO 11 DA POLiTICA DE DESENVOLVIMENTO URBANO CAPiTULO I DOS OBJETIVOS Art. 5 A plitica de desenvlvient urban de Jse Bnifaci te pr bjetivs: I Ordenar 0 plen desenvlvient das funyes sciais da cidade; 11 Buscar cndiyes que assegure 0 be estar da ppulaya d Municipi; 111 Distribuir 05 uss e interesses de cupay80 d sl de fra cpativel c 0 ei abiente a infraestrutura a vizinhanya e as funyqes sciais da cidade c u td; IV Distribuir de fra justa 05 beneficis e nus d prcess de urbanizaya; V Regularizar a prduy80 cnstruy80 e utilizay80 d espay urban; VI Preservar 0 acerv hist6ric e cultural d Municipi; VII Apliar as pssibilidades de acess a terra urbana e a radia para as ppulayes de renda baixa e edia; VIII Recuperar as argens ds curss d'agua para elhria da qualidade abiental; IX Reduzir 05 teps de deslcaents entre lcais de trabalh e habitayes entre s diverss bairrs entre estes e 0 centr da cidade; X Integrar a iniciativa privada as prcesss de transfraya da cidade. Art. 6 0 Plan Diretr Municipal e 0 instruent rientadr e basic ds prcesss de transfray80 d territ6ri unicipal servind de referencia para tds 05 agentes publics e privads que atua n Municipi. CAPiTULO 11 DA FUNCAO SOCIAL DA PROPRIEDADE URBANA Art. 7 Para cuprir sua funy80 scial a prpriedade urbana deve atender n ini as seguintes requisits: RUA 21 DE A8RIL 482 TELEFQNE (17) FAX (17) CEP

3 Municipal de Jse Bnifaci ESTADO DE SAO PAULO Fls aprveitaent e utilizaya para atividades de interesses urbans inerentes a be estar de seus habitantes e intensidade cpativel c a capacidade de atendient ds equipaents e serviys publics; 11 aprveitaent e utilizaya cpativeis c a preservaya da qualidade d ei abiente; 111 aprveitaent e utilizaya cpativeis c a seguranya de seus usuâris e vizinhs. IV atendient as requisits inis para cada Zna u Areas Especiais definids nesta Lei. T(TULO 11I 00 USO E OCUPACÂO 00 SOLO CAP(TULO I 00 MACROZONEAMENTO Art. 8 0 acr zneaent è cnstituid pela Zna Rural (ZR) Zna Urbana (ZU) Zna de Urbanizaya de Interesse Turistic (ZUIT) Zna de Expansa Urbana Mista (ZEUM) e Zna de Expansa Industrial (ZEI) dearcadas n Anex VI. Parâgraf unic Os critèris urbanistics quant a us e cupaya d sl para as diferentes Znas cnsta d Anex 11. SECÂO I ZONARURAL Art. 9 Zna Rural (ZR) è aquela cnstituida pr âreas destinadas à explraya agrpecuâria extrativa reflrestaent às atividades agrindustrial e industrial cnfre 0 Anex VI. 9 1 A atividade extrativa de ineraya serâ regulaentada pr Lei pr6pria de iniciativa d Executiv Municipal; 9 2 Sera peritidas ap6s autrizaya d Executiv Municipal uvid 0 Cnselh de Desenvlvient Urban as atividades de hspedage recreaya lazer cultura api a transprte rdviâri e equipaents publics. 9 3 Cnsiderase epreendient agrindustrial aquele c prduya agricla u pecuâria que utilize escala tècnica de prdutividade tais c granjas de suins aviâris lacticinis e asseelhads. Art. 10 E brigat6ria na Zna Rural a prâtica de serviys de cnservaya d sl e a recpsiya da ata ciliar a lng das argens ds curss d âgua lags lagas e reservat6ris. Parâgraf unic 0 Executiv Municipal pderâ viabilizar parcerias e cnvênis bjetivand 0 cuprient d dispst neste Artig. Art. 11 Na Zna Rural 0 lte ini è 0 6dul rural de vinte il (20.000) etrs quadrads e as nras e critèris de cupaya sa aqueles cnstantes d Anex 11 da presente Lei. SECÂO 11 ZONAURBANA Art. 12 A Zna Urbana (ZU) de Jsè Bnifâci cpreende as seguintes âreas: RUA 21 DE ABRIL 482 TELEFONE (17) FAX (17) CEP

4 Municipal de Jse Bnifaci ESTADO DE SÂO PAULO Fis la sede d Municipi eseu perietr dearcad n Anex VII. II O Pvad de Santa Luzia c a descriyă cnstante na Lei Municipal no de 04 de agst de III A Vila ds Machad c a sua descriyă cnstante da Lei Municipal no de 16 de utubr de Art. 13 Să ainda cnsiderads urbans tdas as areas Iindeiras a perietr urban e que tivere a sua dispsiyă pel ens tres ds seguintes serviys publics: rede de agua ptavel rede cletra de esgt rede de energia eh3trica e i1uinayă publica guias saetas e pavientayă. Paragraf unic. Tds s i6veis cnsiderads urbans estă sujeits as nras adinistrativas urbanisticas edilicias e tributarias d Municipi. SECĂO III ZONA DE URBANIZACĂO DE INTERESSE TURisTICO Art. 14 A Zna de Urbanizayă de Interesse Turistic (ZUIT) e u trech cntinu d territ6ri unicipal incluind suas aguas territriais a ser preservad n sentid cultural e natural e destinad a realizayă de plans e prjets de desenvlvient tu ristic cultural e de lazer. Art. 15 A cupayă da Zna de Urbanizayă de Interesse Turistic deve se dar de fra a: I garantir ptencial para turis sustentavel; II evitar excessiv adensaent ppulacinal; III evitar a degradayă ds recurss naturais; IV evitar a pluiyă ds recurss hidrics; V criar cndiyes para a recuperayă de areas degradadas; VI prpiciar desenvlvient d turis c setr ecnic. Art. 16 E declarada Zna de Urbanizayă de Interesse Turistic a faixa de (quinhents) etrs de largura a partir da linha dearcat6ria da Area de Preservayă Peranente argeand lag da represa Nva Avanhandava na regiă cpreendida entre s Iiites c s Municipis de Ubarana e de Planalt e na regiă cpreendida entre s liites c s Municipis de Ubarana e de Nva Alianya inclusive s afluentes que tivera sua cta alterada para frayă d lag da Hidreletrica de Prissă e encntrase dearcada n Anex VI. Paragraf unic A Area de Preservayă Peranente e aquela que dispe a Lei Federal n.o de 15 de Junh de (C6dig Flrestal) alterada pela Lei n de 31 de Agst de cpleentada pelas Resluyes d CONAMA n. 302 de 20 de ary de 2002 e a 369 de 28 de ary de 2006 u utras legislayes federais que altere difique u substitua essas. Art. 17 A Zna de Urbanizayă de Interesse Turistic aplicase s seguintes dispsitivs: 1 passivel ediante autrizayă d Executiv Municipal de parcelaent para fins urbans e para us de radia lazer turis atividades culturais e utrs de interesse public u scial; II parcelaent de sl s6 sera peritid para epreendient cnstituid preliinarente c Cndini u Assciayă e cnfridade c a legislayă RUA 21 DE ABRIL 482 TELEFONE (17) FAX (17) CEP

5 Municipal de Jse Bnifaci ESTADO DE sa PAULO Fls.0108 pertinente ficand a instituic;:a respnsavel pela anutenc;:a da infraestrutura instalada; III 05 criteris para parcelaent edificac;:a us e cupac;:a d 5010 e cnsnancia c as legislac;:es federal e estadual sa aqueles definids n Anex 11. Art epreendients bras e atividades existentes na Zna de Urbanizac;:a de Interesse Turistic (ZUIT) que esteja e descnfridade c a presente Lei e c a Lei que dispe sbre parcelaent us e cupac;:a d sl e vigr devera: I n praz de 24 (vinte e quatr) eses a partir da ntificac;:a pela Prefeitura Municipal slicitar sua regularizac;:a junt a Prefeitura Municipal send que 0 na cuprient iplicara e ulta de 200 (duzentas) UF; 11 bter aprvac;:a preliinar junt as 6rgas Federais e Estaduais cpetentes bjetivand eliinar u adequar a descnfridade; III cnstituir Cndini u Assciac;:a que sera 0 respnsavei pela regularizac;:a. Paragraf unic 05 criteris inis quant a parcelaent edificac;:a us e cupac;:a d sl exigids para a regularizac;:a ds epreendients encinads n caput deste artig sera fixads na Lei de Us e Ocupac;:a d SEC;AO IV ZONA DE EXPANSAO URBANA MISTA Art. 19 A Zna de Expansa Urbana Mista (ZEUM) n Anex VII e aquela cpreendida pels seguintes trechs d territ6ri unicipal: 1 ZEUM01 a) Faixa c (quinhents) etrs de largura que cntrna 0 perietr urban n sentid antihrari entre a Avenida Reu Rdrigues Figueired e u pnt lcalizad n epreendient Terra Nstra. b) Area cpreendida entre a Avenida Jaqui Mreira da 8ilva; s Iiites d Jardi Panraa; d Lteaent Vitrian e da Zna de Expansa Industrial. 11 ZEUM02 a) Area cpreendida entre a Avenida Jaqui Mreira da 8ilva; 05 Iiites d Jardi Acliac;:a; a estrada unicipal Gerin Bibian Guiaraes; s Iiites d Lteaent Vitrian e d Jardi Panraa. b) Area cpreendida entre a estrada unicipal Gerin Bibian Guiaraes; s Iiites d Jardi Patriarca; d Jardi Nva Cnceic;:a; ds Cnjunts Habitacinais Jardi Priavera Luiz Antni Capbianc Mrada d 801 Jse Catarucci e Jardi Priavera 11; e a Zna de Expansa Industrial. c) Faixa c (quinhents) etrs de largura que cntrna 0 perietr urban n sentid antihrari entre a Zna de Expansa Industrial junt a Rdvia Federal BR 153 e a Zna de Expansa Industrial junt a Rdvia 8P425. Art. 20 A Zna de Expansa Urbana Mista (ZEUM) e passivel de parcelaent para fins urbans ediante autrizac;:a d Executiv Municipal bservad a legislac;:a federal estadual e as dispsic;:es cnstantes desta Lei e da Lei de Us e Ocupac;:a d 8010 e ainda: I sera aceits epreendients de parcelaent de sl que e func;:a da tpgrafia necessite da instalac;:a de equipaents de recalque para abastecient de agua u afastaent de esgts; RUA 21 DE ABRIL 4B2 TELEFONE (17) FAX (17) CEP

6 Municipal de Jse Bnifaci ESТAпO DE SAO PAULO Fls perissa рага iпstаlщ:ао de Cndinis Residenciais desde que seja garantid о acess irrestrit as areas pubiicas е fralizac;a d cndini ет cnfridade а legislac;a especifica. 111 Atendient das disроsiс;беs cntidas ns Anexs IV е V. SECAOV ZONA DE EXPANSAO INDUSTRIAL Art. 21 А Zna de Expansa Industrial (ZEI) dearcada по Anex VII е aquela cpreendida pels seguintes trechs: 1 faixa de terras сот largura de (сет) etrs lcalizada entre а Rdvia BR 153; а Avenida Jaqui Mreira da 5i1va е о Lteaent Vitrian. 11 faixa de terras сот largura de (сет) etrs lcalizada entre а Rdvia BR 153; о Lteaent Vitrian е о Jardi Priavera faixa de terras сот largura de (сет) etrs lcalizada entre а Rdvia BR 153; о Cnjunt Habitacinal Mrada d 501 е ua linha iaginaria distante 1500 etrs da divisa сот о Cnjunt Habitacinal Mrada d 501 по sentid 5ао Jse d Ri Pret pela BR 153. IV faixa de terras сот largura de (сет) etrs lcalizada entre а Rdvia 5Р 425; а Avenida Manel Felix de Lia е о C6rreg d Tanquinh. V ua агеа cpreendida entre а Rdvia 5Р 425; о perietr urban; а estrada unicipal que е cntinuac;a da Avenida Reu Rdrigues Figueired е а Агеа Especiallndustrialll. VI ua агеа cpreendida entre а Rdvia 5Р 425; а estrada unicipal que е cntinuac;a da Avenida Reu Rdrigues Figueired; а Агеа Especial Industria\ 11 е ua linha iaginaria paralela сот а divisa da Агеа Especial Industrial 11 е distante (il) etrs desta. Art. 22 А Zna de Expansa Industrial aplicase s seguintes dispsitivs: 1 passivel ediante autrizac;a d Executiv Municipal de parcelaent е us cnfre criteris cnstantes ns Anexs IV е V; 11 s criteris рага parcelaent edificac;a us е cupac;a d sl cnstantes das lеgislас;беs federal е estadual da presente Lei е da Lei de Us е Ocupac;a d 5010; 111 о Executiv Municipal pdera criar ecaniss de incentivs as epreendients industriais que se instalare па ZEI. CAPiTULO 11 DAS AREAS ESPECIAIS Art. 23 Areas Especiais sa рогс;беs d territ6ri d Municipi сот destinac;a especifica е nras de us е cupac;a d sl. Paragraf unic. А criac;a de nvas Areas Especiais е а alterac;a ds perietrs das areas existentes devera ser aprvadas рог Lei uvid о Cnselh de Desenvlvient Urban. Art. 24 As Areas Especiais devera bedecer as nras е criteris urbanistics cntids по Anex 11 а\ет daquelas definidas па Lei de Us е Ocupac;a d SECAO 1 AREAS ESPECIAIS DE PRESERVACAO Е PROTECAO RUA 21 DE ABRIL 4В2 TELEFONE (17) FAX (17) СЕР

7 Municipal de Jse Bnifaci ESTADO DE SĀO PAULO Fls.0110 Art. 25 Areas Especiais de Preservac;:a e Prtec;:a sa terrens recurss naturais e pr6pris public u prpriedades particulares lcalizads n territ6ri d Municipi para s quais sa definids cntrles especifics de us e cupac;:li. Art. 26 sa cnsideradas Areas Especiais de Preservac;:a e Prtec;:a: I AEPP1 Areas de Preservac;:a Peranente (APPs) existentes n Municipi definidas pelas legislac;:es federal e estadual e as seguintes: a) ns trechs ds C6rregs que crta a lna Urbana u de Expansa Urbana a Area de Preservac;:a Peranente passa a ser de n ini 5000 etrs de largura e cada arge; b) n trech d C6rreg Mnte Alegre cpreendid entre a Rua Piratininga e a Rua XV de Nvebr a Area de Preservac;:a Peranente sera de 3000 etrs de largura e cada arge. II AEPP2 areas d territ6ri unicipal incluind as da lna Urbana da lna de Urbanizac;:li de Interesse Turistic da lna de Expansa Urbana Mista e da lna de Expansa Industrial recbertas pr atas priarias e secundarias a sere identificadas pel Executiv Municipal uvid Cnselh de Desenvlvient Urban; III AEPP3 pr6pris publics e prpriedades privadas que peia sua fra arquitetnica u pel seu us passe a ter iprtancia para a preservac;:li da e6ria artistica e cultural e identificad e Lei uvid Cnselh de Desenvlvient Urban; IV AEPP4 area circunscrita e u circul c rai de (il) etrs a partir d centr d cplex de trataent de esgts d Municipi. Paragraf unic. O Cnselh de Desenvlvient Urban e tecnics da Prefeitura Municipal devera n praz axi de 24 (vinte e quatr) eses da publicac;:a da presente Lei apresentar a relac;:a das Areas Especiais de Preservac;:a e Prtec;:a (AEPP) de nuers 2 e 3 que devera cnstar e Lei especifica. Art. 27 Nas AEPP 1 aplicase s seguintes dispsitivs: I pribid a iplantac;:a de qualquer tip de bra excet para transpsic;:a de curs d'agua u iplantac;:a de dispsitivs de cntrle de vaza de prjets de drenage urbana bservandse as legislac;:es federal e estadual pertinentes e especial a Resluc;:a Cnaa n 369 de 28 de arc;: de 2006; II pribid desataent a rec;:a da cbertura vegetal existente vients de terras lanc;:aents de esgts e prduts quiics ns curss d'agua be c a dispsic;:a de residus s6lids; III ns c6rregs u trechs destes lcalizads na lna Urbana u lna de Expansa Urbana e peritid a realizac;:a de bras de canalizac;:a a ceu abert e trataent paisagistic da Area de Preservac;:a Peranente; IV brigat6ri pel prprietari a recpsic;:a da vegetac;:a ciliar das AEPP1 dentr de prazs e cndic;:es a sere estabelecidas e Lei. 9 1 Executiv pdera criar ecaniss de incentiv cnvenis e parcerias c bjetiv de atender as dispsic;:es cntidas neste artig. 9 2 A infrac;:a as inciss I e II cabera a respnsavel ulta de 20 (vinte) UF ale da indenizac;:ā d prejuiz causad a ser diensinad pel Executiv Municipal. Art. 28 Cabera a Executiv Municipal a preservac;:ā das caracterfsticas ds pr6pris publics cnsiderads Areas Especiais de Preservac;:ā e Prtec;:ā AEPP3 ficand autrizad a firar cnvenis para tai fi. RUA 21 OE ABRIL 4B2 TELEFONE (17) FAX (17) CEP

8 Municipal de Jse Bnifaci ESTADO DE sao PAULO Fis Art. 29 Os i6veis privads cnsiderads Areas Especiais de Preservac;:a e Prtec;:a devera ser cnservads pels respectivs prprietaris tend direit de transferir ptencial de cnstruc;:a na utilizad a terceirs cnfre dispe Estatut da Cidade (Lei ). Paragraf unic O Executiv Municipal pdera criar ecaniss de cpensac;:a tributaria c fra de auxili na anutenc;:a das fachadas de prèdis privads cnsideradas Areas Especiais de Preservac;:a e Prtec;:a AEPP3. SEl;:AO II AREAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL Art. 30 Areas Especiais de Interesse Scia I sa aquelas lcalizadas na Zna Urbana identificadas n Anex VII e que necessita de atenc;:lio especial quant a regularizac;:a fundiaria u elhrias na infraestrutura urbana. Art. 31 O Executiv Municipal estabelecera e legislac;:a especifica as diretrizes para urbanizac;:a u regularizac;:a de Areas Especiais de Interesse Scial que definira: I padres especifics de parcelaent edificac;:a us e cupac;:a d sl. II fras de gesta e participac;:a da ppulac;:a ns prcesss de interferencia nas Areas Especiais de Interesse Scial; 111 fras de participac;:a da iniciativa privada e especial ds prprietaris de terrens ds prtres ibiliaris e das assciac;:es e cperativas de radres na viabilizac;:a d epreendient. Art. 32 Os prprietaris de ltes u glebas lcalizadas e Areas Especiais de Interesse Scia I pdera apresentar prpstas de urbanizac;:a c base nas diretrizes frnecidas pel Executiv Municipal. SEl;:AO 111 DAS ÀREAS DE URBANIZAl;:AO ESPECIAL Art. 33 Areas de Urbanizac;:a Especial sa terrens na edificads subutilizads u na utilizads c area igual u inferir a lcalizads na Zna Urbana e passiveis de sere parcelads cnfre critèris definids na Lei de Us e Ocupac;:a d Sl. Art. 34 O Executiv Municipal estabelecera as diretrizes para parcelaent us e cupac;:a das Areas de Urbanizac;:a Especial. SEl;:AO IV ÀREAS ESPECIAIS INDUSTRIAIS Art. 35 Areas Especiais Industriais dearcadas n Anex VII sa pr6pris publics u particulares para s quais sa peritids sente s uss definids n Anex II. Art. 36 As Areas Especiais Industriais sa passiveis de parcelaent bservand que dispe s Anexs II 111 IVe V. SEl;:AO V ÀREAS ESPECIAIS COMERCIAIS RUA 21 DE ABRIL 482 TELEFONE (17) FAX (17) CEP

9 Municipal de Jse Bnifáci ESTADO DE SAO PAULO CNPJ / Fls.0112 Art. 37 Areas Especiais Cerciais dearcadas n Anex VIII sac pr6pris publics u prpriedades particulares lcalizads c frente para deterinadas vias nas quais sac peritids s uss preferencialente Cerciais de Serviys e Publics cpreendend: I Area Especial Cercial Diversificada AECD; II Area Especial Cerciallncda AECI; Parágraf unic O Anex II define s uss peritids e cada Área Especial Cercial. CAPiTULO III DO PARCELAMENTO USO E OCUPACÁO DO SOLO Art. 38 O parcelaent d sl para fins urbans sente è peritid na Zna Urbana na Zna de Expansa Urbana Mista na Zna de Urbanizaya de Interesse Turistic e na Zna de Expansa Industrial e será regid pela Lei de Us e Ocupaya d 5010 bedecidas as seguintes diretrizes: I vedad parcelaent para qualquer fi e terrens baixs alagadiys insalubres u sujeits a inundayóes antes de executads s serviys u bras de saneaent e escaent de águas; II s epreendients e fra de cndini fechad atendend a legislaya federal u es de caráter assciativ sente sera peritids casd esteja cntids e prcess regular de parcelaent d sl e de fra que seja garantid acess irrestrit às áreas publicas; III deve ser preservadas as Iinhas de drenage natural ds terrens na psiya riginal e a cèu abert; IV iplantaya pel lteadr às suas custas e dentr de prazs definids das bras de infraestrutura urbana cnfre discriinad ns Anexs III e IV; V reserva de áreas publicas e percentuais inis definids n Anex III; VI ipedient para qualquer tip de cnstruya e lteaents que nad estivere c a rede de água ptável rede de esgt e rede de energia elètrica e i1uinaya publica cncluidas e e funcinaent; Art. 39 O lteadr nad deverá prvcar auent da vaza riginal efluente de águas pluviais da área lteada ns ents de pic de precipitaya devend para tant adtar edidas tècnicas estruturais a critèri d Executiv Municipal. Art. 40 Fica pribid parcelaent de sl e qualquer dalidade na AEPP4 Area Especial de Preservaya e Prteya 4 de que trata Incis IV d Artig 25. Art. 41 Sa cnsiderads urbans tds s epreendients de parcelaent de sl ipleentads nas Znas: Urbana; de Expansa Urbana Mista; de Urbanizaya de Interesse Turistic e de Expansa Industrial e nas Áreas Especiais bservand Artig 40. Parágraf unic Tds s i6veis cnsiderads urbans esta sujeits às nras adinistrativas urbanisticas edilicias e tributárias d Municipi. CAPiTULO IV DO SISTEMA DE VIAS Art. 42 O sistea de vias d Municipi è cpst pr: RUA 21 DE ABRIL 4B2 TELEFONE (17) FAX (17) CEP

10 Municipal de Jse Bnifaci ESTADO DE sao РАИLО CNPJ rdvias federais е estaduais; 11 estradas unicipais е interunicipais; 111 vias urbanas principais; IV vias urbanas lcais. Fls.0113 Aгt. 43 As rdvias federais е estaduais que cгtaт о Municipi sa de respnsabilidade respectivaente da UniA е d Estad de SA Paul quant а sua anutenya sinalizaya fiscalizaya е disciplinaent de us е cupaya d sl de suas argens. Aгt. 44 As estradas unicipais е inteгunicipais que integra а rede de vias principais tera faixa de reseгva de 15 etrs de largura е diretriz cincidente сот о ејхо das vias existentes exigindse recu de dez etrs а paгtjг d Iiite da faixa рага qualquer edificaya. Aгt. 45 Fica definida faixa de reseгva de cinqoenta etгs de larguгa рага iplantaya da Via Sul. Paragraf unic А Via Sul sera а interligaya da Rdvia Federal BR153 а Rdvia Estadual SP425 е а Rdvia Estadual SP304 е о seu trayad iaginari е aquele dearcad по Апехо VI. Aгt. 46 Рага assegurar as iпtегligаубеs entre а Via Sul е as vias е c6rregs existentes sa declaradas areas de inteгvenya viaria u circul сот гајо de сет etrs сот centr па interseya ds eixs ds eleents envlvids. Aгt. 47 Сот а finalidade de anter peгanenteente transitavel о sistea viari atendend о he d сатро е а circulaya da pгduya lcal fica estabelecid as seguintes cpetncias е аtгiьuiубеs: 1 Ао Executiv Municipal: а) anutenya de pessal е equipaents necessaris ао desenvlvient das аубеs; Ь) cnstruya е anutenya de bueirs; desaguadurs; pntes е passadres; с) elhrias по leit carгyavel сот cnstruya de сааlебеs u utrs dispsitivs necessaris ао escaent das aguas pluviais; d) cnstruya de сајха destinada а capitaya de aguas pluviais. 11 As pгprietaris lindeirs as estradas: а) efetuar ryada das argens (асејго) das estradas unicipais bedecend ао liite de dis etrs da faixa de dini preseгvand as aгvres nbres; Ь) anter lipa а testada de sua prpriedade па extensa а que se refere о ite anterir; с) iplantar е anter sistea integrad de cnseгvaya de sl е тјсго bacias hidгgraficas ет sua prpriedade cnseгvand s passadres nas estradas е as entradas ds terrays; d) peritir а utilizaya da агеа de dini рага соггеуао das estradas е cnstruya de passadres; е е) anter afastadas ет 2 (dis) etrs das brdas das estradas; cercas е culturas que tenha altura superir а 2 (dis) etгs. Aгt. 48 Fica terinanteente pribid as prprietaris е usuaris das estradas unicipais: I despejar entulhs ns desaguaduгs е leit das estradas unicipais; RUA 21 DE ABRIL 482 TELEFONE (17) FAX (11) _ СЕР

11 Municipal de Jse Bnifaci ESTADO DE SAO PAULa Fis II transitar c ipleents agriclas que danifique leit das estradas unicipais; III peritir que as aguas pluviaisprvenientes de ersa de su as lavuras seja escadas para leit das estradas unicipais; IV utilizar as estradas unicipais c escadur; V efetuar qualquer intervenya nas estradas unicipais se autrizaya d Pder Executiv. Paragraf (ic A infraya a presente artig cabera a respnsavel ulta de 10 (dez) UF ah da indenizaya d prejuiz causad a ser diensinad pej Executiv Municipal. Art. 49 O Executiv Municipal devera editar Decret regulaentand as dispsiyes cntidas ns Artigs 47 e 48. Art. 50 As vias urbanas principais cpreende as Areas Especiais Cerciais identificadas n Anex VIII. Paragraf (anic Ns epreendients de parcelaent de sl para fins urbans pdera ser definid e prjet a criteri d executiv u d epreendedr as vias que sera c1assificadas ce vias urbanas principais e cnsequenteente c Areas Especiais Cerciais. Art. 51 Vias Urbanas Lcais sad tdas as deais vias da Zna Urbana. CAPiTULOV DOS NAO CONFORMES Art. 52 Os epreendients de parcelaent u desebraent de sl as cnstruyes e s uss existentes nas Znas: Rural Urbana de Urbanizaya de Interesse Turistic e de Expansa Urbana Mista que nad pssua Iicenyas unicipais u esta e descnfridade a presente Lei devera: I n praz axi de dze eses a partir da prulgaya da presente Lei requerer sua regularizaya junt a Prefeitura Municipal tend praz de vinte e quatr eses para cncluir prcess; II bter quand fr cas aprvaya preliinar junt as ćrgas federais e estaduais cpetentes bjetivand eliinar u adequar a descnfridade. Paragraf (anic A infraya a presente artig cabera a respnsavel ujta de 5 (cinc) UF ale da indenizaya d prejuiz causad a ser diensinad pel Executiv Municipal. Art. 53 Aqueles cnsiderads nad cnfres perante a presente Lei tera suas Iicenyas de regularizaya expedidas desde que atenda s criteris inis fixads na Lei de Us e Ocupaya d Sl e Cćdig de Obras. Paragraf (anic N casa de regularizaya de bras sera aceit sente s cass de areas cnstruidas lanyadas n Cadastr Ibiliari da Prefeitura ate a data de 29 de fevereir de TiTU LO IV DOS INSTRUMENTOS DA POLiTICA URBANA RUA 21 DE ABRIL 482 TELEFONE (17) FAX (17) CEP

12 Municipal de Jsé Bnifáci E8TADO DE 810 PAULO CAPíTULO I 00 TOMBAMENTO Fls.0115 Art. 54 Fica instituíd 0 tbaent c instruent para preservar 0 ei abiente e 0 patriòni históric e cultural d Municípi. Art tbaent será bjet de cpeténcia d Cnselh de Desenvlvient Urban e referendad pela Caara Municipal. CAPíTULO PARCELAMENTO EDIFICAC;:AO OU UTILlZAC;:AO COMPULSÓRIOS Art. 56 Fica definidas c áreas passíveis de parcelaent edifica<;a u utilizaa cpulsóris ns ters d Artig 5 da Lei Estatut da Cidade s ltes terrens e edificaéies sub utilizads e naa utilizads lcalizads n Setr assinalad n Anex VII. Art. 57 Cnsiderase lte terren u área urbana vazia aquele que na apresente nenhu tip de cnstrua u us cpatível c a zna urbana. Art. 58 Cnsiderase lte sub utilizad aquele que apresentar ceficiente de aprveitaent para qualquer us inferir a 03 u que cprve pela característica da atividade a utilizaa de pel ens 30% da área d terren. Parágraf únic Na sera cnsiderads para fins d caput d presente artig as cnstruéies de caráter prvisóris c trailers barracas tendas u utras assi definidas pel Executiv Municipal. Art. 59 Cnsiderase i6vel descupad aquele que apresentar as seguintes características: I apresentar sinais de abandn; 11 na apresentar cndies sanitárias u de seguran para us cnfre laud de prfissinal habilitad; 111 estar descupad a ais de dze (12) eses cnsecutivs a partir de 30 de junh de 2007 cprvad pr declaraéies de vizinhana hist6ric de cnsu de água u de energia elétrica. Art. 60 Na sera cnsiderads passíveis de parcelaent edifica<;a u utiliza<;a cpulsória ns ters d Artig 5 da Lei Estatut da Cidade 0 lte terren e edificaa resultante de prcess regular de parcelaent de sl e que apresente ua das seguintes características: 1 fr cprvad através de certida d Cartóri de Registr de I6veis d Municípi tratarse de única prpriedade de pessa residente n unicípi anterirente a 30 de junh de 2006; 11 fr cprvad tratarse de lte reanescente de parcelaent de sl regular e que ainda se encntra e ne d epreendedr; 111 estare e prcess de inventári. CAPíTULO CONSÓRCIO IMOBILlÁRIO DE INTERES5E SOCIAL RUA 21 DE ABRIL 482 TELEFONE (17) FAX (17) _ CEP

13 Municipal de Jsé Bnifáci ESTADO DE SAO PAULO Fis Art. 61 Executiv Municipal pderá facultar a prprietári de área atingida pela brigaä de que trata Capítul II d Titul IV desta Lei a requerient deste estabelecient de cns6rci ibiliári c fra de viabilizaä financeira d aprveitaent d i6vel. S 1 Cnsiderase cns6rci ibiliári a fra de viabilizaä de plans de urbanizaä u edifica pr ei da qual prprietári transfere a Executiv Municipal seu i6vel e ap6s a realizaä das bras recebe c pagaent unidades ibiliárias devidaente urbanizadas u edificadas. S 2 O valr das unidades ibiliárias asere entregues a prprietári será crrespndente a valr d i6vel antes da execuä das bras. TiTULOV DO SISTEMA DE PLANEJAMENTO TERRITORIAl CAPiTUlO I DA ESTRUTURA Art. 62 O Sistea de Planejaent da Prefeitura Municipal de Jsé Bnifáci é estruturad c0!t1 base ns seguintes eleents: I Setr de Engenharia; II Cnselh de Desenvlvient Urban; III Sistea de Infraóes. CAPiTUlO II DO SETOR DE ENGENHARIA Art. 63 O Setr de Engenharia vinculad a Gabinete d Prefeit te pr atribuióes: I crdenar as revisóes d Plan Diretr; II elabrar apreciar analisar e encainhar as prpstas de alteraä da legislaä de parcelaent us e cupa d sl; III analisar e eitir parecer sbre s relat6ris de ipact de que trata esta Lei; IV apreciar e encainhar prpstas de estabelecient de Cns6rcis Ibiliáris de Interesse Scial; V gerir sistea de infraóes de que trata esta Lei; VI prver e executar as edidas necessárias fi aplicaä desta Lei desepenhand as deais atividades que para tant se faa necessárias. CAPiTUlO III DO CONSElHO DE DESENVOlVIMENTO URBANO Art. 64 Fica criad Cnselh de Desenvlvient Urban c as seguintes atribuióes: I diriir dúvidas e deliberar sbre cass isss prventura existentes nesta Lei na legislaä edilícia e nas respectivas regulaentaóes; II apreciar antes de sere encainhadas fi Cäara de Vereadres as prpstas de alteraä d Plan Diretr Municipal Lei de Us e Ocupa d Sl C6dig de Obras e C6dig de Psturas; III elabrar e encainhar a Executiv prpstas de altera d Plan Diretr Municipal Lei de Us e Ocupaä d Sl C6dig de Obras e C6dig de Pstu ras; IV analisar e decidir sbre s prcesss de tbaent; V analisar e aprvar s parcelaents de sl quand da slicitaä de Diretrizes Preliinares e quand da aprvaä final; RUA 21 DE ABRIL 482 TELEFONE (17) FAX (17) CEP

14 Municipal de Jse Bnifaci ESTADO DE sa PAULO Fis VI encainhar as 6rgas cpetentes denuncias de descuprient pela Prefeitura Municipal u pr particulares das dispsic;es cnstantes n Plan Diretr Municipal e na legislac;a crrelata. Paragraf unic Os ats d Cnselh de Desenvlvient Urban devera ser aprvads pr n ini dis terc;s ds seu s ebrs. Art. 65 O Cnselh de Desenvlvient Urban sera integrad pr 05 (cinc) representantes d Executiv Municipal e 10 (dez) da sciedade civil rganizada de Jse Bnifaci a saber: I u representante d Setr de Engenharia; II u representante d Servic; de Agua e Esgt; III u representante da Secretaria Adinistrativa; IV u representante d Setr de Tributac;a; V u representante d Setr de Saude; VI u representante da SUbSeya da OAB; VII u representante ds prfissinais liberais vinculads a CREA; VIII u representante da Assciaya Epresarial de Jse Bnifaci; IX u representante da Plicia Abiental d Estad de Sa Paul; X u representante d Crp de Bbeirs; XI u representante ds epreendedres ibiliaris; XII u representante ds c1ubes de servic;s c sede n u nici pi; XIII u representante ds Sindicats Patrnais c sede n unicipi; XIV u representante ds Sindicats ds Trabalhadres c sede n unicipi; XV u representante das ONG's d setr abiental c sede n unicipi. 91 Os ebrs d Cnselh de Desenvlvient Urban sera neads pr at d Pder Executiv c andat de 2 (dis) ans peritida ua unica recnduc;a. 9 2 O Cnselh de Desenvlvient Urban sera presidid pr u de seus ebrs eleits entre s seus pares e nead pr at d Pder Executiv c andat de 2 (dis) ans. CAPiTULO IV DO SISTEMA DE INFORMACAO Art. 66 Cpete a Setr de Engenharia iplantar crdenar e anter atualizad u sistea de infrac;es para planejaent e as transfrayes da cidade send integrad pr infradres usuaris 6rgas publics cncessinaris de serviys publics e entidades de classe. Art. 67 Os agentes publics e privads incluind Cart6ricis de Registr de I6veis fica brigads a frnecere a Setr de Engenharia s dads e infrayoes necessaris a Sistea. Art. 68 O sistea de infrac;es devera publicar peridicaente as infrac;es analisadas be c clcaias il dispsic;a ds infradres e usuaris. Art. 69 O sistea de infrac;es reunira n ini infrac;es sbre: I identificaya caracterizac;a e utilizac;a ds i6veis d Municipi; II urbanizac;a e edificac;a cpuls6rias; III infraestrutura sua capacidade e plans de apliac;a; IV situaya das areas especiais; RUA 21 DE ABRIL 482 TELEFONE (17) FAX (17) CEP

15 Municipal de Jse Bnifaci ESTADO DE SAO PAULO CNPJ V situaa ds Cns6rcis Ibiliaris de Interesse Scial. Fls.0118 TiTULOVI DAS DISPOSI<;OES GERAIS E TRANSIT6RIAS Art. 70 O Executiv Municipal devera encainhar a Legislativ Municipal dentr de dze eses cntads da publicaya da presente Lei prjet de Lei que disciplinara a aplicaa d instruent de que trata Capitul II d Titul IV da presente Lei bservand que s prprietaris ds i6veis nas cndi5es previstas ns Artigs e 60 lcalizads n Setr definid n Anex VII tera praz de dis ans para prtclar prjet de cnstrua us u parcelaent de sl e trs ans ap6s a aprvaa d prjet para execua d es. Art. 71 Tds s calculs de valres de ltes terrens u areas necessans a aplicaa de dispsies desta Lei levara e cnta s valres de ercad devidaente apurads pel Executiv Municipal. Art. 72 A legislaa cpleentar necessaria ii regulaentaa desta Lei devera ser elabrada e encainhada a aprvaa d Legislativ dentr d praz de 12 eses cntads da data da publicaa desta Lei. Art. 73 As dispsies relativas a parcelaent us e cupaya d sl atualente vigentes peranecera e vigr ate a aprvaa especifica sbre a ateria. Art. 74 O Executiv Municipal devera editar Decret que dispnha sbre bra de rebaixaent de guia para acess de veicul a lte u cnstrua. Art. 75 O Executiv Municipal tera praz axi de sessenta (60) dias cntads da publicaa da presente Lei para cnstituir Cnselh de Desenvlvient Urban. Art. 76 O Executiv Municipal devera n praz axi de 12 eses cntads da prulgaa da presente Lei viabilizar a elabraa de prjet tecnic que cnteple u sistea de drenage de aguas pluviais para tda a Zna Urbana e Zna de Expansa Urbana d unicipi. Paragraf unic Fica Executiv Municipal autrizad a firar cnvni u parceria c 6rgas d Gvern Estadual u Federal de fra a viabilizar dispst n caput d artig. Art. 77 O Executiv Municipal devera n praz axl de 12 eses ap6s a elabraa d prjet tecnic de que trata artig 76 viabilizar a elabraa de prjet que cnteple us e cupaa d sl das areas ribeirinhas as curss d'aguas existentes na Zna Urbana e Zna de Expansa Urbana d unicipi. Paragraf unic Fica Executiv Municipal autrizad a firar cnvni u parceria c 6rgas d Gvern Estadual u Federal de fra a viabilizar dispst n caput d artig. Art. 78 Este Plan Diretr Municipal e sua execua fica sujeits a cntinu acpanhaent revisa e adaptaa as circunstancias eergentes bilizads para tant s ecaniss de participaa prevists na legislaa unicipal. RUA 21 DE ABRIL 4B2 TELEFONE (17) FAX (17) eep

16 Municipal de Jse Bnifaci ESTADO DE SAO PAULO Fls.0119 Art. 79 As despesas decrrentes da execuc;:a da presente Lei crrera pr cnta de dtac;:a pr6pria d rc;:aent vigente supleentada se necessari. Art. 80 Esta Lei entrara e vigr na data de sua publicac;:a revgadas as dispsic;:es e cntrari e especial as Leis nos 001/2006; 001/2005; 005/2004; ; ; 005/2002; 3033/2002 e Prefeitura Municipal de Jse Bnifaci Pa Municipal "Ji Felix de Mendna" as 28 dias d es de Nvebr de dis il e sete. Iivr no. 012 iniciad e 16 de f vereir de sta Lei encntrase registrada as fls. 104 a 0119 d Escri M / SI C1aSup. Executiva RUA 21 DE ABRIL 4B2 TELEFONE (17) FAX (17) CEP

17 Municipal de Jsé Bnifáci ESTADO DE SAO PAULO ví RUMr ".'."'.. ' " ' "" ANEXO I DOS TERMOS TECNICOS E SUAS DEFINICÓES Znas sa prgóes d territ6ri d Municípi deliitadas pr Lei e caracterizadas pela sua funga scial específica; Áreas sa prgóes das Znas definidas pr Lei e caracterizadas pel seu us u funga específica; Área cnstruída é a sa das áreas de tds s pavients cberts de ua edificaga; Afastaent é a distancia hrizntal da face externa das edificagóes as divisas; Ceficiente de aprveitaent é quciente entre a área cnstruída e a área d lte u terren; Taxa de cupaya é quciente entre a área da prjeya hrizntal da edificaya e área d lte u terren; Ceficiente de pereabilidade é quciente entre a área na pavientada u cnstruida capaz de peritir a infiltraga das águas pluviais e a área d lte u terren; Ptencial cnstrutiv de u lte u terren é a área passível de nele ser cnstruíd aplicandse ceficiente de aprveitaent; Habitaga de interesse scial é aquela destinada a ppulagá que vive e cndigóes de habitabilidade precária u afere renda failiar inferir a 3 (tres) saláris ínis; Sl urban na edificad subutilizad u na utilizad é lte u terren descupad se utilizagá pr atividade scial u ecnóica se edificagóes apresentand ceficiente de aprveitaent igual u inferir a íni estipulad n Plan Diretr; RUA 21 DE ABRIL 482 TELEFONE (17) FAX (17) CEP

18 CRITERIOS URBANISTICOS PARA USO E OCUPAc;AO DO SOLO '" C &;.. F t '" c; Z.:::!.. '" UI '" 8.:::!.. UI '" UI.. n!" '" g ZON ASI USOS LOTE RECUOS MAA NOR TAXA ARE OBSERVAc;AO PERMITIOOS MiNIMO PERM AS T.O. C.A... Agrp. Agrind. ns bairrs rurais u nde crra Extrat. Reflr. eneentrac;:ii de radias sera Resid. Hsped. Ree. peritid us eereial. a:: Api a uss agrindustrial N Transp. Rd. 2 hspedage reereac;:a api a ::l N Mtel Clubes transprte rdviari tel elubes seiais. sciais e industrial neeessita de e 15 autrizac;:a da prefeitura R CSL (testada fniade 1000 ) (testada inia de 1000 ) % 15 10% % 15 5% 11 e 12 < (testada inia de % 15 5% 1000 ) Resid. I Reere I I Lazer I Tur I 5 N Hsped.l Hidrv I Psiel Pub. unieipal. 500 As enstruc;:oes resideneiais (frntal); unifailiares pderii ter n (testada de % 03 60% axi d is pavients (terre e 2000 ) (Iateral) ais u). vedad desdbr de ltes. 18 n z :. u. w N :.. t>l ;': "tj. c 3: c ::::J n. c. CD e" O rn CD O ::::J. n.!_ ; tr

19 .. I '" tl ir t '" Iii O Z.:::! l> '" g.:::! l> '" '" Ul l> n Ul ;. g R CSL < (testad a inia de 1000 ) (testada inia de :! 1000 ) ;:) w % 15 10% % 15 5% * nas vias definidas c Area N (testad a Especial Cercial Oiversificada CSO. ZERO 80% 30 5% inia de quand da aprva9å d 500 ) parcelaent e 12 < (testad a inia de % 15 5% 1000 ) R CSL (testada 300 inia de 1000 ) (testada inia de 70% 15 10% % 15 5% :! 1000 ) ;:) w * nas vias definidas c Area N (testada Especial Cercial Oiversificada CSO* ZERO 80% 30 5% inia de quand da aprva9å d 500 ) parcelaent. CSI * * * nas vias definidas c Area (testada Especial Cerciallncda ZERO 80% 15 5% inia de quand da aprvayä d 500 ) arcelaent. 19 n z ::9 t; :;;: N.:. 1;; " _. C OJ s: C :::::J _. C") c. CD c tj) CD. :::::J.. C") er!. I ar

20 .. e!!! < it.. t.. <s z.::j '" '".... g.:::! '".... '" n!".. g g I "+ UU III" 11 e 12 < (tsada lnla de 1000 ) iii I CSI e 13 I (tsada N " lnla de l/) iii «RCSL 1500) (testada íniade 500 ) iii I CSI e 13 I (tsda «" lnla de (J w «R CSD 11 e 12 R <3 w «CSI 1112 e ) (testada ínia de 1000 ) (testada ínia de 500 ) (testada ínia de 1000 ) (testada ínia de J 1500 ) _ ZR Zna Rural ZU Zna Urbana ZUIT Zna de Urbanizac;:a de Interesse Turístic ZEUM Zna de Expansa Urbana Mista ZEI Zna Especial Industrial AEIS Area Especial de Interesse Scial AEI Area Especial Industrial AECD Area Especial Cercial Diversificada AECI Area Especial Cerciallncôda ZERO ZERO 300 ZERO 70% % % % % % % % 115 5% 5% 5% 5% 5% 5% 5% 5% 05 critéris sa para prcesss de regularizac;:a fundiâria para 05 de ais cass vale 05 critéris da Zna Urbana. 20 ('") e;.. w.: el cl cl cl "'t:i. e :s:: e :::s. n. CD c t/) CD. :::s.. n '!.! I er

Zoneamento Caraguatatuba (Lei Complemen

Zoneamento Caraguatatuba (Lei Complemen Zneament Caraguatatuba (Lei Cmplemen Zna (art. 105) Características Macrzna de Prteçã Ambiental (MSPA) A Macrzna de Prteçã Ambiental / MZPA é cnstituída pel Parque Estadual da Serra d Mar Núcle Caraguatatuba.

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

Prefeitura de Betim inicia construção da terceira Unidade Básica de Saúde

Prefeitura de Betim inicia construção da terceira Unidade Básica de Saúde DISTRIBUÍDO EM REPARTIÇÕES DOS PODERES EXECUTIVO E LEGISLATIVO VENDA AVULSA R$ 1,35 ANO 4 - NÚMERO - 471 - BETIM, SÁBADO, 2 DE ABRIL DE 2011 Prefeitura de Beti inicia cnstruçã da terceira Unidade Básica

Leia mais

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00 UHE SANTO ANTONIO Titul: Dcument N. Rev. RELATÓRIO DE DESMOBILIZAÇÃO DO 3 MODULO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE (ETE)- S D- RT- 0063-13 00 Elabraçã: Tarcis Camil MARGEM ESQUERDA Análise crítica:

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL Jardins Mangueiral Primeira Parceria Públic-Privada d Brasil Jardins Mangueiral Famílias beneficiadas: 8.000. Casas de dis e três quarts

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO N 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 Aprva Regiment da Bibliteca Universitária - Sistema de Biblitecas da UFMG, e revga a Resluçã n 27/93, de 22/12/93, que aprvu Regiment da Bibliteca Universitária.

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Relatório Ambiental Prévio (RAP)

Termo de Referência para Elaboração do Relatório Ambiental Prévio (RAP) Term de Referência para Elabraçã d Relatóri Ambiental Prévi (RAP) O Relatóri Ambiental Prévi é um estud técnic elabrad pr um prfissinal habilitad u mesm equipe multidisciplinar que ferece elements para

Leia mais

ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM

ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM 1. Identificação Epresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-ail: Atividade: Localização do epreendiento (Endereço): Bairro: CEP: Contato:

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO 52ª PREMIAÇÃO ANUAL IAB RJ EDITAL 2014 INTRODUÇÃO O Institut de Arquitets d Brasil - IAB-RJ cnvca arquitets e urbanistas a participarem da 52ª Premiaçã Anual ds Arquitets que, em 2014, agrega às categrias

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br.

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br. REGULAMENTO 1. Sbre Event 1. A Gramad Adventure Running é uma prva de revezament junt à natureza que será realizada n dia 09/05/2015 (Sábad) em Gramad, n Estad d Ri Grande d Sul, cm participaçã de ambs

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 Atualiza a Lista de Prduts, Linhas e Prgramas Passíveis de Outrga de Garantia pel Fund Garantidr para Investiments FGI.

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABATE E DESRAME DE ÁRVORES 2 DESCRIÇÃO As tarefas de abate e desrame de árvres estã habitualmente relacinadas cm s seguintes trabalhs Levantaments

Leia mais

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO REGULAMENTO 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O PRÊMIO NA CATEGORIA DE JORNALISMO tem cm bjetiv premiar matérias veiculadas na imprensa nacinal relativas a temas ligads

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

Colégio Integrado EXATO

Colégio Integrado EXATO Clégi Integrad EXATO Rua: Ri de Janeir, 47 Jardim Bela Vista Mgi Guaçu SP CEP 13840-210 Telefne (19) Prpsta Plític-pedagógica d Clégi Integrad EXATO S/S Ltda. O Clégi Integrad EXATO cntextualiza sua açã

Leia mais

Requerimentos para Energia Temporária: Requerimentos para práticas de trabalho:

Requerimentos para Energia Temporária: Requerimentos para práticas de trabalho: Requeriments para Energia Temprária: Requeriments para práticas de trabalh: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departaento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 28/2008 Manipulação,

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Assessoria Urbanística para Implementação do Plano de Urbanização da Meia Praia

Assessoria Urbanística para Implementação do Plano de Urbanização da Meia Praia Excert Planta Plan de Urbanizaçã da Meia Praia - PUMP A área de intervençã d Plan de Urbanizaçã crrespnde a uma faixa da rla csteira d Barlavent Algarvi que se situa a Nascente da Cidade de Lags e se estende

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios:

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios: Requeriments de Energia Temprária: Requeriments Mandatóris: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg deverá ser

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Sistema FlexNEC SS. Componentes e acessórios modulares para soluções em sistemas industriais de movimentação.

Sistema FlexNEC SS. Componentes e acessórios modulares para soluções em sistemas industriais de movimentação. Sistema FlexNEC SS Cmpnentes e acessóris mdulares para sluções em sistemas industriais de mvimentaçã. 11/2012 Esquema de mntagem Sistema FlexNEC SS Cmpnentes e acessóris para esteiras transprtadras Imagem

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

PORTFÓLIO FELCO FALEIROS PROJETOS E CONSULTORIA EM ENGENHARIA LTDA. EPP

PORTFÓLIO FELCO FALEIROS PROJETOS E CONSULTORIA EM ENGENHARIA LTDA. EPP PORTFÓLIO FELCO FALEIROS PROJETOS E CONSULTORIA EM ENGENHARIA LTDA. EPP 2015 FELCO FALEIROS PROJETOS E CONSULTORIA EM ENGENHARIA LTDA. EPP A Felc Faleirs () é uma empresa prestadra de serviçs técnics cnsultivs

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RISCO SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RISCO SOCIOAMBIENTAL Nvembr 2015 Página: 2 de 20 Elabrad Mayer Taublib Cnsultr Revisad Felipe Vn Sydw Gerente de Cntrle de Risc Aprvad Luis Eduard da Csta Carvalh Diretr Presidente Implantaçã

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem.

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem. Aluns de Pós-Graduaçã de Instituições Estrangeiras Visa apiar visitas de n máxim 30 dias, de dutrands de instituições estrangeiras, qualificads, e prcedentes de Centrs de Excelência para estudarem, pesquisarem

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. ads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

Código: MAN-VCIV-002 Versão: 00 Data de Aprovação: 18/01/2011 Elaborado por: Magistrados e servidores das 8ª e 14ª varas cíveis

Código: MAN-VCIV-002 Versão: 00 Data de Aprovação: 18/01/2011 Elaborado por: Magistrados e servidores das 8ª e 14ª varas cíveis Códig: MAN-VCIV-002 Versã: 00 Data de Aprvaçã: 18/01/2011 Elabrad pr: Magistrads e servidres das 8ª e 14ª varas cíveis Aprvad pr: Presidente d TJPB 1 Objetiv Estabelecer critéris e prcediments para recebiment

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. Dads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

Eixo. Norte-Sul. Anhanguera Eixo. Preferenciais. Corredores

Eixo. Norte-Sul. Anhanguera Eixo. Preferenciais. Corredores Crredres Preferenciais Eix Anhanguera Eix Nrte-Sul Capital d Estad de Giás 200km a Sudeste de Brasília Fundada em 1933 1,4 milhões de habitantes Mais de 30 parques Em Giânia há uma única rede de serviçs

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Crss Cuntry: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

Informações mínimas necessárias à Elaboração e Apresentação dos Projetos e Orçamentos dos Empreendimentos PNHR

Informações mínimas necessárias à Elaboração e Apresentação dos Projetos e Orçamentos dos Empreendimentos PNHR Infrmações mínimas necessárias à Elabraçã e Apresentaçã ds Prjets e Orçaments ds Empreendiments PNHR 1) Frmataçã sugerida para s Cabeçalhs: Exempl de Títul: "Planta Baixa para mradias rurais d Prgrama

Leia mais

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008.

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. Senhr Presidente d Senad Federal, Cmunic a Vssa Excelência que, ns terms d 1 d art. 66 da Cnstituiçã, decidi vetar parcialmente, pr incnstitucinalidade e cntrariedade

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST

MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST A MANUAL DO PRODUTO SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE PASSAGEIROS E/OU TRIPULANTE (APP) INVEST O presente Manual d Prdut cntém: SEGURO APP INVEST 1. VANTAGENS

Leia mais

Ocupacional. Litoral Sul

Ocupacional. Litoral Sul Seinári Nacinal Unied de Saúde e Acidente d Trabalh 2009 esa: Experiência de sucess e saúde cupacinal e acidente d trabalh Departaent de Saúde (DSO) Unied /RS Dr. Luiz Fernand Hrain A Unied Fundada e 1994,

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO SEGURO DE VIDA INVEST GLOBAL

MANUAL DO PRODUTO SEGURO DE VIDA INVEST GLOBAL MANUAL DO PRODUTO SEGURO DE VIDA INVEST GLOBAL MANUAL DO PRODUTO SEGURO DE VIDA EM GRUPO INVEST GLOBAL O presente Manual d Prdut cntém: SEGURO DE VIDA EM GRUPO - INVEST GLOBAL 1. VANTAGENS DO PRODUTO...

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Avis Públic Nº 08/Unesc/2012 O Magnífic Reitr da Universidade d Oeste de Santa Catarina - Unesc, pessa jurídica de direit privad, mantida

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Term de Referência Anex I - Especificaçã técnica Cntrataçã de Empresa para prestaçã de Serviçs de Treinament na suíte Libreffice TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos 'n.tltuto do Daf'a do Maio

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos 'n.tltuto do Daf'a do Maio IDt:MJ\ Gvern d Estad d Ri Grande d Nrte Secretaria de Estad d Mei Ambiente e ds Recurss Hídrics 'n.tltut d Daf'a d Mai Ambient d Ri Grande d Nrt Ofici n 1092/2008-DG Natal. 4 de setembr de 2008. À Senhra

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014 EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA Seleçã de Blsistas para Prgrama de Blsa Sciecnômica para períd de 2014 O Reitr d Centr Universitári Tled Unitled, ns terms d Regulament aprvad pel CONSEPE, cm vistas à seleçã

Leia mais

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games Requeriments de Pódi: Requeriments Mandatóris: O frnecedr deverá adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg deverá

Leia mais

Comércio Investe. Período de Candidaturas de 13/02/2015 a 27/03/2015

Comércio Investe. Período de Candidaturas de 13/02/2015 a 27/03/2015 Cmérci Investe Períd de Candidaturas de 13/02/2015 a 27/03/2015 Investiment mínim de 15.000,00 Incentiv 40% fund perdid (limite máxim 35.000,00 ) Decisã da candidatura: 22 de julh de 2015 Abertas nvas

Leia mais