876 REPARTICAO SANITARIA PAN-AMERICANA [Agosto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "876 REPARTICAO SANITARIA PAN-AMERICANA [Agosto"

Transcrição

1 876 REPARTICAO SANITARIA PAN-AMERICANA [Agosto Sâ;o Roque, no municipio de Deodoro, a cerca de 25 km da capital, dispondo de urna área de 100 hectares, em parte coberta de mattas, tem capacidade para mais de 500 doentes, sendo de esperar que náo exceda a esse o numero de leprosos existentes no Estado. No logar Laranjeiras, a 3 lrm do Leprosario, um pavilhão está preparado para receber os filhos menores dos leprosos, ainda náo contaminados, devendo o recolhimento dos seus recem-nascidos fazer-se tambem em estabelecimento proprio. 0 Leprosario foi inaugurado a 20 de outubro de 1926 e tem agora capacidade para 600 doentes. Até 10 de novembro de 1931 havia recebido 551 doentes, dos quaes se achavam em tratamento Sanatorio Sáo Sebastiáo fica a 920 metros de altitude, distante 4.5 km da cidade da Lapa, a 1,300 m da via ferrea. Comprehende duas grandes divisões: o sanatorio propriamente dito e o hospital, sendo que aquelle com urna seccáo para pensionistas e outra para indigentes. Comporta actualmente 81 indigentes, 20 contribuintes de la classe, 12 de 2 e 34 de hospitalisados, no total de 147. As installacões e os servicos do Sanatorio sáo de primeira ordem, tornando-o um dos mais bem apparelhados do Brasil, se náo um dos melhores da America do Sul. Desde sua inauguracao, em 1927, a 1931, o estabelecimente recolheu 706 doentes, dos quaes 422 no sanatorio e 284 no hospital. 0 Hospital de Oswaldo Cruz é um excellente hospital de isolamento, em urna das mais pittorescas eminencias de Coritiba. Inaugurado a 28 de janeiro de 1928, tem capacidade para 40 doentes. Annexo ao hospital existe o Desinfectorio Central. 0 Hospital N. S. da Luz destina-se ao tratamento de molestias mentaes. Tem capacidade para 330 doentes, mas mantém presentemente cerca de 400. Existe ainda em Coritiba a Maternidade Victor do Amaral, que tem o nome do seu benemerito fundador e foi inaugurada a 3 de maio de Pertence á Faculdade de Medicina do Paraná e tem capacidade para 50 leitos. Entre os hospitaes do interior, merece ser referido o de Ponta Grossa, construido pela Associapáo Beneficente 26 de outubro (empregados da Estrada de Ferro). 0 Beriberi na Ilha de Fernando de Noronha Ao que parece o beriberi é endemico nas prisões da ilha de Fernando de Noronha, pertencente ao Estado de Pernambuco, Brasil. Surtos anteriores ao ano 1932 ahi se têm verificado, convindo citar o de 1919, em que dia houve com um total de oito obitos attribuidos a essa doenca. Entre os doentes observados em 1932, ha um que remonta os seus padecimentos a 1928 ou seja ha 4 anos. Em dezembro do ano 1931 comecaram a surgir os primeiros casos do presente surto, alias nao diagnosticados, e que tiveram o seu fastigio em abril de 1932 e hoje se acham em franco declinio com as medidas tomadas pelo governo. Numa populacáo de 1,560 pessoas, houvera 135 casos; coefficiente de mortalidade 81.4 por 1,000 habitantes, de letalidade de 8.1 por cerito, e de morbidade de 8.6 por 100,000 habitantes. A prevalescencia por sexo mostra que as mulheres foram dez

2 19331 NOTICIARIO BRASILEIRO 877 veaes menos attingidas que os homens. Facil alias é a explicacáo e favoravel á theoria infecciosa, porque o contacto lhes C, certamente, menos frequente, por isto que vivem, em geral, com os maridos sentenciados, em casas de taipa que o governo tolera sejam construidas, esparsamente e isoladamente. A é porém a mesma do sentenciado. Na incidencia por grupos de edade ve-se: ll a 20 anos, 17 casos; 21 a 30, 78; 31-40, 28; 41-50, 10; maiores de 50, 2. 0 joven adulto parece ter sido o mais attingido, justificado pelo surto entre presos militares. Incidencia por côr: brancos, 52; pardos, 65; pretos, 18. Quanto a nacionalidade, a doenca verificou-se apenas entre brasileiros e náo entre os 9 estrangeiros, funccionarios das estacóes radiotelegraphicas italiana e franceza, ahi existentes, que vivem em habitaoões isoladas e perfeitamente cuidadas. Não ha pois como negar o valor da exposicáo ao contagio na diffusão em Fernando de Noronha. 0 estudo ainda do predominio da doenca por nucleos de traz interessantes verificacões da epidemiologia. Os fócos iniciacs de da doenca foram o Presidio da Aldeia-Quartel do 210. Batalháo de CaGadores, e o Forte dos Remedios (prisao de correcionaes e sentenciados) donde sahiram cerca de 90 por cento das victimas, ambos superlotados, e onde maiores eram as probabilidades de contagio. (Barreto Goncalves, A.: Ann. Dpto. Suude Pub ) Ramos examinou 36 fezes de beribericos. Em 25 (69.4 por cerito) encontrou bacilos do tipo coli communior, que aglutinavam con os soros de beribericos de lj200 a 1/800. Entre esses bacilos escolheu 25 sementes das que melhor reagiam, cada qud oriunda de um doente, e verificou em cada urna o poder aglutinante de 59 sôros de beribericos, sendo que 9 estavam em convalescenca. Negativos (incluindo os positivos a l/loo), 17 ou 19.1 por cerito; positivos de 1/200 a 1/800, 72 ou 80.9 por cerito. Experimentou essas 25 sementes com 50 soros de individuos nao beribericos, valendo-se dos sangues enviados ao laboratorio para reacáo de Wassermann. Negativos (incluindo os positivos a l/loo), 23 ou 46 por cerito; positivos de 1/200 a 1/800, 27 ou 54 por cerito. A alta percentagem de positivas entre 1/200 e 1/800 com soros normais torna muito duvidosa a suposicáo que a epidemia de beriberi de Fernando de Noronha seja devida a um bacilo coli communior. As provas de fixacáo de complemento e sobretudo a em animais permitirá0 urna conclusão mais segura. Para chegar a este resultado, além de outras experiencias, realizou 6,180 aglutinacões. (Ramos, Mario: id.) As observasoes por Barros emprehendidas em pequeno numero, pois apenas ll doentes beribericos por elle estudados, apresentaram resultados analogos aos dois outros auctores no beriberi humano. Notou-se que os pacientes que apresentavam apenas alguns dias de doenca, tinham sempre seu metabolismo elevado, chegando um delles, que se encontrava febril (38.5), no momento da medida do metabolismo de base, chegado a ter um augmento de 45 por cerito. Os dois ultimos observados, com 3 e 4 mezes de doenca, ja quasi curados, apresentando ainda hgeira da sensibilidade, presenta de 5 mezes de molestia e ainda eom phenomenos evidentes de polinevrite apresentava o seu metabolismo muito augmentado (4.8 por cento), augmento este contido ainda na margem dos erros esperimentaes. Assim ternos o metabolismo de base augmentado sempre no beriberi. Em media o augmento verificado foi de 15.8 por cerito. É urna questao aberta, prestando-se a faser provas varias para chegar a urna conclusáo definitiva. (Do Rego Barros, Ruy: id.) A contribui&o brasileira ao estudo clinico esgotou, por assim dlzer, o assunto, pois desde que Silva Lima, na Bahia, identificou o primelro caso de beriberi em 1866, a dos clinicos brasileiros fisou-se de tal modo que hoje pouco haverá o que respigar no dominio clinico, inclusas as desordens cardiaco-respiratorias

3 878 REPARTICAO SANITARIA PAN-AMERICANA [Agosto tipicas e consideradas patognomonicas e at6 aquela outra fórma em que nao s6 o mas tambem outras viceras, ausentes embóra as manifestacões no terreno sensitivo-motor, deram, no complexo fisiopatologico com que se apresentavam, a Cosme de Sá Pereira, em 1887, o ensejo de crear nova fórma clinica, a quarta fórma ou viceral. E, assim, o beriberi molestia familiarissima na nosologia brasileira. A ausencia, porém, de especificidade etiologica e a de estados morbidos semelhantes, polineuriticos com ataque ao sistema vago simpatico surgidos esporadicamente ou em pequenos grupos fóra das regiões onde se considera endemico o beriberi, levaram alguns autores, entre os quaes Juliano Moreira, a considerar as manifestacões morbidas em apreco, nao como doenca autonoma, mas como simples sindrome de causalidade varia, á mercê da predominancia de fatores cosmicos ou sociaes, locaes ou ainda, individuaes. Foi desse geito que os antigos clinicos brasileiros, Torres Homem B frente, imaginaram urna teoria miasmatica. Logo surge a idéa infectuosa, cada pesqnizador apresentando seu germe como responsavel (Fajardo, Lacerda, Pekelharing e Winchler, etc.), seguida ou simultanea da concep&o toxica ou infecgão alimentar. A escola brasileira nao admite, porém, essa etiologia variada capaz de limitar o beriberi a feicão de sindrome e no momento atual o conceito dominante 6 que o beriberi 6 bem urna doenca tropica do tipo toxi-infetuoso. Ainda merece pordm grande conceito, como teoria etiologica, a influencia alimentar de carencia surgida com os trabalhos de Funk, Eijkman, Frazer e Stanton, Braddon e da chamada escola americana, apezar das experimentacóes nao haverem conseguido, nessa orientacão, estabelecer a polineurinite senão em animais de laboratorio e nao no homem. Assim foi que Clementino Fraga náo obteve que a doenca ocorresse em individuos submetidos á carenciada, em condicóes, al&, mesologicas e individuais propicias á aparicrio do mal. As experiencias de Fraga, feitas na Bahia, foram completas e. exaustlvas. As observacóes de Lovelace, na estrada de ferro Madeira-Mamoré, da regiáo amazomca, tambem depóem nesse sentido. 0 fracasso, porém, das descobertas de germens especificos (nao tendo sido demonstrada irrecusavelmente, até os dias que correm, a causa infectuosa), mantem no consenso medico nacional a existencia de concepcão ecletica, pela qual em terreno carenciado agiria a causa infectuosa, parecendo tal o conceito patogenico mais aceitavel. Evidentemente n80 poderemos pensar que a avitaminose produzida pela com o arroz decorticado, como se pensa acerca do beriberi asiatico, seja a do beriberi brasileiro, pois que a geral do provo nao conta com o arroz como factor mas não devemos desprezar a nocao de que a alimentacao popular por excelencia, entre os homens do norte brasileiro pelo menos, consta quase exclusivamente de feijbo, farinha e carne seca salgada ou carne de xarque. E não foi outra a que era distribuida aos doentes em Fernando de Noronha: feijão, farinha e carne seca, importados do continente e tcndo perdido, assim a condlcáo de frescura necessana. Tornou-se, desse geito, verdadeira de conserva a que recebiam os presidiarios, tal como aconteceu no explodir de todas as epidemias brasrleiras e nas dos veleiros ou dos grandes cruzeiros maritimos (Schift-beriberi de Nocht, beriberi da corveta brasileira Vital de Oliveira, em 1880, etc.). Alias, é sempre essa de conserva a que 6 consumida nos casos de escorbuto, simples, ou complicado, ou seguido de polinevrite com sintomatologia tao semelhante & do beriberi, como mostrou Austregesilo, ha tempos passados, descrevendo urna epidemia de polineurinite escorbutics,que irrompera no Hospicio Nacional de Alienados do Rio. Em 1923, em trabalho apresentado á Sociedade de Medicina sobre Sindromes de carencia, Araujo tivera a oportunidade de considerar a semelhanca do quadro clinico entre a polineurite beriberica e as demais polineurites:acompanhadas de fenomenos da esféra vegetativa, sejam as escorbuticas ou os estados polineuriticos consequentes ás diétas hospitalares, ou B alimentacao de conserva como ha sido

4 19331 NOTICIARIO BRASILEIRO 879 verificado nos grandes cruzeiros maritimos á vela ou em periodo de guerra, como no Brasil ao tempo da guerra do Paraguai. E eoncluiu aceitando ser o beriberi sindrome de carencia, como as outras cuja consolidacáo etiologica náo era cousa mais a discutir. Ou entáo si outra causa ha para o beriberi, com exclusáo da alimentar, seja essa etiologia extensiva ás outras manifestacóes morbidas semelhantes. Náo aceitando, aliás, a teoria orizinica do beriberi, Miguel Couto diz (Licões de Clinica Medica) : 0 nosso beriberi é em tudo, na sintomatologia, nas fórmas clinicas, na no substrato anatomice, egual ao asiatico, mas náo no é na etiologia; erramos na interpretacáo: o nosso beriberi náo é o beriberi. Mas se náo o é na etiologia, tambem náo o deve ser na epidemiologia. Com a chegada ao presidio de Fernando de Noronha cerca de 300 rebeldes do 21 B.C., comecaram a aparecer os primeiros casos de urna doenca manifestada por cansaqo, fraqueza geral, sobretudo nas pernas, palpitacões, edema dos membros inferiores, dispnéa, etc. Foram aumentando os casos novos, gradativamente, até o alarme que o fato despertou em maio ultimo, com o exito letal e rapido de alguns doentes. Soube-se, entáo, que em 1919 houvéra pequeno surto de doenca semelhante, havendo no presidio apenas sentenciados. Desta vez, porém, a presenta dos soldados do 21 B.C. determinou verdadeiro encombrement, ofrecendo o facto melhores condicões para a maior expansáo que se verificou. Encontravam-se no hospital improvizado da praia do Sueste, S5 doentes, todos do sexo masculino, de 18 a 54 anos de edade, dos quaes 41 soldados e 44 sentenciados ou correcionaes. Taes pacientes eram portadores de sintomas de polineurinite periferiea com ataque ao sistema neuro-vegetativo, do tipo do beriberi. As fórmas encontradas foram, em sua grande maioria, do tipo mixto de Silva Lima, ou hidropico-trafico de Scheube, predominando ora o elemento edema, ora o sensitivo-motor: 73 casos dessa fórma e apenas 12 em que a evolucáo morbida se operou sem edemas. Entre esses casos de tipo sêco inicial o doente mais antigo tinha 5 mezes de nosologica e o mais recente 10 dias. É de assinalar tambem que atribuindo geralmente os autores a essa fórma a mais longa evolucáo, dentre todas, pelas amiotrofias constantes e paralisias que, comquanto curaveis a longo prazo, deixam contudo ao portador sequelas irremoviveis por vezes, náo foram verificadas nos doentes e outros js estavam convalescentes. A maxima estava normal na maioria dos casos (62.9 por cento), elevada em 16 doentes (29.6 por cerito) e baixa em 4 (7.4 por cento). A minima tambem foi normal na maioria (53.7), elevou-se em dous casos (3.7) e foi baixa 23 vezes (42.5). Na maioria de casos em que a pressáo se apresentou anormal, foi muito maior o numero de pacientes em que a incidiu sobre a maxima; ao contrario, foi a minima que se apresentou em proporcáo maior de baixa. Relativamente aos numeros extremos encontrados, quanto á eleva&0 foi 17 para a maxima e ll para a minima. Quanto ao abaixamento foi 9 para a maxima e 3 para a minimo. No que toca a combinacões de ou abaixamento simultaneo de ambas, depararam-se dous casos de e quatro de abaixamento. Em 13 casos achava-se elevada a maxima e normal a minima. Num caso apenas havia da maxima. Em 18 casos a maxima estava normal e a minima abaixada. Do exposto póde concluir-se que a da maxima, cuja maior altitude náo foi além de 17, halendo ocorrido em 29.6 por cento dos casos estudados, náo autoriza a suposicáo de que no beriberi a pressáo sistolica nunca se encontre elevada ou apenas raramente, a despeito do pouco valor diagnostico que merecem as variacóes dessa medida isoladamente. Póde concluir-se que a pressáo arterial apresenta-se, via de regra, normal no beriberi, correndo as anomalias que se possam encontrar expressas por da maxima e abaixamento da minima, pelo grau ou modalidade de ataque S funcáo vaso-motora. Os autores referem a existencia no beriberi de perturbacões digestivas desde o inicio da doenca. Esta confirma o facto. Os vomitos que estáo assinalados nos livros como indicios de

5 880 REPARTICAO SANITARIA PAN-AMERICANA [Agosto mau prognostico, eram entretanto frequentes, mesmo em convalescentes que os atribuiam B má qualidade e preparo da racáo alimenticia. 0 apetite estava conservado em grande numero de casos. As recaídas náo foram ausentes. Foram em numero de 7 os doentes que tiveram recaída. (Altino de Araujo, Edgar: id.) Annaes da Faculdade de Medicina de São Paulo Teem aparecido os volumes VII e VIII (1932) dos Annaes da Paculdade de Medicina de São Paulo. Os livros, muito bem impressos e illustrados, conformam-se as mesmas qualidades dos anos anteriores e conteem os seguintes trabalhos: Volume VII: Anatomia do paladar duro, Affonso Bovero; Caso de musculus supraclavicularis proprius de Gruber, G. Sampaio; Gliomas multiplos no peritoneo, Carmo Lordy; Mitose e amitose, A. Dreyfus; metabolismo basal em doentes tratados pelo Lugol, F. A. Moura Campos; Accáo do infuso de café sobre a chronaxia, F. Moura Campos e Dutra de Oliveira; Incidencia da capillaria gastrica nos ratos, Joáo Alves Meira; Alteracões do pulmáo na trypanosomiase americana, Estado de Souza Campos e P. de Toledo Artigas; Morphologia do coccidioides immitis, Floriano de Almeida; Tronco arterioso commum permanente com endocardite chronica fetal, Cunha Motta; Carcinoma primario do figado, Paulo Q. T. Tibiricá e Lounval Santos; Adenoma sebhceo múltiplo, Paulo Q. T. e Alcino Bittencourt de Abreu; Caso de hernia diaphragmatica, Constantino Mignone; Ulcera diftérica da péle, W. Edgard Maffei; Achados de urna necroscopia medico-legal, Flaminio Favero e H. Veiga de Carvalho; Liquido cephalo rachideano nas meningites, Oswaldo Lange; e Molestia de Ayerza, Jairo Ramos. Volume VIII: Anatomia dos nervos phrenico e paraphrenico, R. Locchi; Particularidades histologicas em um embryoma do ovario, Carmo Lordg; Elementos figurados do sangue de alguns teleosteos fluviaes, José Oria; Metabolismo dos gyrinos, F. A. de Moma Campos e Octavio de Paula Santos; Flagellado parasito do myopotamus coipus, P. dc Toledo Artigas e Genesio Pacheco; 0 coccidioides immitis, F. Paulo de Almeida; Methodo para pesquisa do hydrogenio sulfurado nas culturas bacterianas, G. Pacheco e Toledo Mello; Histopathologia e pathogenese do megaesophago e megarecto, Moacyr Amorim e Alipio Correa Netto; Neoplasmas miomatosos, Paulo Q. T. Tibiricd; Aneurisma aórtico com compressáo da arteria pulmonar, Paulo Q. T. Tibiricá e Alcino Bittencourt de Abreu; Hemocytoblastoma sub-seroso com a presenta de elementos semelhantes a hemocytoblastos em derrames ascitico e pleural, Eduardo Etzel; Quadro hematológico de camondongos inoculados com linfosarcoma de Meyer Mario E. de Souza Aranha e Paulo Q. T. Enfarto do myocardio e ulcera duodenal associada, Jairo Ramos; Estudo da nephrose lipoidica, Jairo Ramos e J. Octavio Nebias. Estes artigos representam estudos originaes de grande valor cientifico. No fim dos volumes encontram-se fichas bibliograficas com o resumo de cada Diretor da Faculdade de Medicina de Sao Paulo, Prof. Dr. Sergio de Paiva Mcira Filho; vice-diretor, Prof. Dr. Luiz M. de Rezende Puech; secretario, Dr. Domingos Goulart de Faria. Educqüo e suude.-educapáo e saude publica-eis de que precisam 40 milhócs dc brasileiros. E não nos dcem saude publica scm cducacáo OLI scm saude publica; a 6 urna inutilidade scm a saude; a saudc, ridicula sem a educacáo. A saude publica e a valorizando o homem, sáo a unica politica que ausculta os interesses nacionaes.-paur,tno DE BARROS, e Saude Publica, 1932.

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2 Homeopatia A Homeopatia é um sistema terapêutico baseado no princípio dos semelhantes (princípio parecido com o das vacinas) que cuida e trata de vários tipos de organismos (homem, animais e plantas) usando

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Informação ao abrigo do artigo 43, alínea 1, secção 1, da Lei de proteção contra infecções (LPCI)

Informação ao abrigo do artigo 43, alínea 1, secção 1, da Lei de proteção contra infecções (LPCI) Admínístração do Concelho Informação ao abrigo do artigo 43, alínea 1, secção 1, da Lei de proteção contra infecções (LPCI) Informação de saúde para os cuidados a ter com géneros alimenticios Indivíduos

Leia mais

DA FREQUENCIA DA LEPRA NOS FOCOS FAMILIARES

DA FREQUENCIA DA LEPRA NOS FOCOS FAMILIARES DA FREQUENCIA DA LEPRA NOS FOCOS FAMILIARES Estudo Epidemiologico DUARTE DO PATEO E SOLANO PEREIRA Medicos da Secção de Communicanres (Contactos) do Departamento de Prophylaxia da Lepra (Séde) Estado de

Leia mais

INFLUENCIA DOS FATORES ALERGICOS NA PATOGENESE DA LEPRA (*)

INFLUENCIA DOS FATORES ALERGICOS NA PATOGENESE DA LEPRA (*) INFLUENCIA DOS FATORES ALERGICOS NA PATOGENESE DA LEPRA (*) A. ROTBERG Medico do D.P.L., S. Paulo A inexistencia de um animal receptivel á lepra humana e de uma prova objetiva de reatividade alergica especifica

Leia mais

Prof. Ms. Alex Miranda Rodrigues

Prof. Ms. Alex Miranda Rodrigues È a ciência e a arte cujo objeto é o estudo dos sintomas e sinais clínicos como manifestações de doença. Compreende a terminologia médica e o método de estudo do paciente. Medicina em transformação. Tecnificação

Leia mais

HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO

HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO Luizinho e Chiquinho HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO SBD: DERMATOLOGISTA COM TÍTULO DE ESPECIALISTA CUIDANDO DE VOCÊ. Oi LuizinhO. nossa conversa sobre DST foi muito útil, mas agora, eu tenho uma dúvida

Leia mais

PROJETOS APROVADOS PELO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA (CEP-IMIP) EM REUNIÃO ORDINÁRIA DE 28.01.15. CAAE Título do Projeto Pesquisador Responsável

PROJETOS APROVADOS PELO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA (CEP-IMIP) EM REUNIÃO ORDINÁRIA DE 28.01.15. CAAE Título do Projeto Pesquisador Responsável PROJETOS APROVADOS PELO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA (CEP-IMIP) EM REUNIÃO ORDINÁRIA DE 28.01.15 CAAE Título do Projeto Pesquisador Responsável 38889314.1.0000.5201 Estudo comparativo das representações

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal.

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR

Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR ADRIANA SANT ANA GASQUEZ (UNINGÁ)¹ SANDRA MARISA PELLOSO (UEM)² EVERTON FERNANDO ALVES (G-UNINGÁ)³

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico 1. Assunto: Indicadores epidemiológicos, de morbidade: incidência, prevalência, taxa de ataque e taxa de ataque secundária..

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de tórax

Imagem da Semana: Radiografia de tórax Imagem da Semana: Radiografia de tórax Figura: Radiografia de tórax em PA. Enunciado Paciente masculino, 30 anos, natural e procedente de Belo Horizonte, foi internado no Pronto Atendimento do HC-UFMG

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA

INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Saúde Coletiva INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA Profª Ma. Andressa Menegaz e Profª Ma. Ana Cássia Lira de Amorim O que é EPIDEMIOLOGIA?

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Epidemiologia Hospitalar

Epidemiologia Hospitalar Epidemiologia Hospitalar Construindo um novo pensar na Vigilância Epidemiológica... Secretaria da Saúde A implantação dos NHE Márcia Sampaio Sá SESAB/SUVISA/DIVEP Setembro-2009 I Encontro Nacional de Vigilância

Leia mais

CONHECENDO A TUBERCULOSE

CONHECENDO A TUBERCULOSE CONHECENDO A TUBERCULOSE Œ Tuberculose Œ Transmissão Œ Sintomas Iniciais Œ Diagnóstico Œ Contatos Œ Tratamento Œ Convívio Social Œ Vacinação Œ TB, AIDS Œ Alcoolismo Œ Prevenção Œ Cura O QUE É TUBERCULOSE?

Leia mais

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Ano lectivo 2004/2005 Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Este trabalho vai falar de: Doenças sexualmente transmissíveis. Meios contraceptivos. Como usar alguns dos métodos m de contracepção. As

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS CEFALEIAS (IHS 2004)

CLASSIFICAÇÃO DAS CEFALEIAS (IHS 2004) CLASSIFICAÇÃO DAS CEFALEIAS (IHS 2004) ENXAQUECAS Enxaqueca sem aura De acordo com a IHS, a enxaqueca sem aura é uma síndroma clínica caracterizada por cefaleia com características específicas e sintomas

Leia mais

SANATORIO "PADRE BENTO"

SANATORIO PADRE BENTO SANATORIO "PADRE BENTO" DEPARTAMENTO DE PROPHYLAXIA DA LEPRA. ESTADO DE S. PAULO. BRASIL SITUAÇÃO O Sanatorio "Padre Bento" acha-se situado no bairro de Gopouva, municipio de Guarulhos, Comarca da Capital,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA 1 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE ASSUNTOS DESTE INFORME Agravos notificados

Leia mais

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES LEPTOSPIROSE X ENCHENTES Durante os temporais e inundações, a bactéria leptospira, presente na urina do rato, se espalha nas águas, invade as casas e pode contaminar, através da pele, os que entram em

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Ébola. O que é?

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Ébola. O que é? UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO Ébola. O que é? O vírus Ébola encontra-se em alguns países africanos em reservatórios naturais, e foi descoberto pela primeira vez em 1976 no antigo

Leia mais

TABAGISMO. O tema deste informe foi sugerido pelo Laboratorista Edmund Cox

TABAGISMO. O tema deste informe foi sugerido pelo Laboratorista Edmund Cox Informativo Semanal O tema deste informe foi sugerido pelo Laboratorista Edmund Cox O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável em todo o mundo.

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DE CIRURGIA

FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DE CIRURGIA 1 FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DE CIRURGIA Av. Prof. Alfredo Balena 190-2 0 andar Caixa postal 340 - CEP 30130-100 031-3409-9759 e 3409-9760 cirurgia@medicina.ufmg.br CIR TÓPICOS CLÍNICA

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Em 08 de agosto de 2014 a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto pela Doença do Vírus Ebola no Oeste da África, uma Emergência

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 1 INDICADORES MUNICIPAIS DE SAÚDE II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 Ago/2013 2 INTRODUÇÃO A Vigilância em Saúde tem como objetivo a análise permanente da situação de saúde

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

O fígado e a deficiência de alfa-1. antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION

O fígado e a deficiência de alfa-1. antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION O fígado e a deficiência de alfa-1 antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION O que é deficiência de alfa-1 antitripsina? Alfa-1 é uma condição que pode resultar em graves doenças pulmonares em adultos

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

2º CICLO MÓDULO IV OBJETIVOS DO CICLO

2º CICLO MÓDULO IV OBJETIVOS DO CICLO CURSO DE MEDICINA O currículo do Curso de Medicina da UCG será desenvolvido a partir de dois grandes eixos:?eixo teórico-prático integrado Eixo do desenvolvimento pessoal No eixo teórico-prático integrado,

Leia mais

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h.

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Vigilância Epidemiológica de Febre Chikungunya No Brasil, a febre chikungunya é uma doença de notificação compulsória e imediata,

Leia mais

Diarreicas Agudas e CóleraC

Diarreicas Agudas e CóleraC Superintendência ncia de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis Coordenaçã ção o de Controle de Doenças de Transmissão o Hídrica H e Alimentar Doenças Diarreicas

Leia mais

EDUCAÇÃO E TREINAMENTO EM SERVIÇO PARA ATENDENTES DE ENFERMAGEM

EDUCAÇÃO E TREINAMENTO EM SERVIÇO PARA ATENDENTES DE ENFERMAGEM TREVIZAN, M.A.; FÁVERO, N.; NUTI, E. Educação e treinamento em serviço para atendentes de enfermagem. Revista de Enfermagem EERP-USP, v.01, n.2, p.63-69, 1973. EDUCAÇÃO E TREINAMENTO EM SERVIÇO PARA ATENDENTES

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente Diário da Sessão n.º 008 de 25/01/01 Vamos passar ao ponto nº 4 da nossa ordem do dia, ou seja, à Proposta de Resolução Medidas de Combate à Leptospirose. Tem a palavra o Sr. Deputado Bento Barcelos. Deputado

Leia mais

RASTREIO PRÉ-NATAL DE DEFEITOS ABERTOS DO TUBO NEURAL E SÍNDROME DE DOWN O QUE É A SÍNDROME DE DOWN? A Síndrome de Down (vulgarmente conhecida como mongolismo ou mongoloidismo) é uma doença causada pela

Leia mais

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda 1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda A execução do tráfico atlântico de africanos escravizados envolveu a construção de portos, locais de quarentena e venda de africanos recém-chegados nas

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Página 1 / 8 1. Situação Epidemiológica do Sarampo Diferentes regiões do mundo estão definindo metas para a eliminação do sarampo e da rubéola até o ano de 2015. No entanto, surtos recentes de sarampo

Leia mais

é a vez dos homens câncer.

é a vez dos homens câncer. Agora é a vez dos homens falarem sobre câncer. Agora é a vez dos homens falarem sobre câncer Uma publicação do SIEMACO Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Prestação de Serviços de Asseio e Conservação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

ESTUDO CRITICO DO "TEST" LEPROMINA

ESTUDO CRITICO DO TEST LEPROMINA ESTUDO CRITICO DO "TEST" LEPROMINA (R. DE MITSUDA) DR. MOACYR SOUSA LIMA Bacteriologista do Serviço de Prophylaxia da Lepra de S. Paulo O antigeno-bacilo de Hansen, quando introduzido no corpo humano,

Leia mais

2a. prova Simulado 5 Dissertativo 26.09.06 BIOLOGIA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO

2a. prova Simulado 5 Dissertativo 26.09.06 BIOLOGIA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO Simulado 5 Padrão FUVEST Aluno: N o do Cursinho: Sala: BIOLOGIA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO 1. Aguarde a autorização do fiscal para abrir o caderno de questões e iniciar a prova. 2. Duração

Leia mais

Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica

Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica ETAPA DE MINIMIZAÇÃO Diagnóstico, vigilância e tratamento Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica O Plano de Contingência dos Açores para a Pandemia da Gripe (PCA) prevê mecanismos para garantir

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS DIAGNÓSTICO SÓCIOAMBIENTAL E MONITORIZAÇÃO DA DOENÇA DIARREICA AGUDA EM MORADORES DE UMA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CAMPO GRANDE/MS RESUMO: Sabrina Piacentini O presente trabalho

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA. CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella

EPIDEMIOLOGIA. CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella EPIDEMIOLOGIA CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella CONCEITOS EPIDÊMICOS - ENDEMIA ENDEMIA: É uma doença localizada em um espaço limitado denominado faixa endêmica. Isso quer dizer

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde NOTA TÉCNICA Nº 03/2015 DIVEP/LACEN/SUVISA/SESAB Assunto: Casos de ZIKA Vírus e de Doença

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ORIENTAÇÃO MÉDICA TELEFÔNICA E RESGATE AEROMEDICO.

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ORIENTAÇÃO MÉDICA TELEFÔNICA E RESGATE AEROMEDICO. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ORIENTAÇÃO MÉDICA TELEFÔNICA E RESGATE AEROMEDICO. I DO OBJETO CLÁUSULA PRIMEIRA: Cobertura para os serviços de Orientação Médica Telefônica e, se for o caso, transporte

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

DENGUE E FEBRE AMARELA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV

DENGUE E FEBRE AMARELA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV DENGUE E FEBRE AMARELA Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV Os Arbovírus ARBOVÍRUS = ARthropod BOrne VIRUS Arbovírus pertencem a três famílias: Togavírus Bunyavírus Flavivírus: Febre

Leia mais

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006.

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Prof. Alexandre Vranjac NOTA TÉCNICA 2 Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados

Leia mais

TABAGISMO E GÊNERO NO BRASIL"

TABAGISMO E GÊNERO NO BRASIL TABAGISMO E GÊNERO NO BRASIL" SEMINÁRIO INTERNACIONAL CONTROLE SOCIAL DO TABACO EM DEBATE - PROPOSTAS DE ACTUAÇÃO 13 DE NOVEMBRO 2006 Ministério da Saúde Nos países em desenvolvimento, os fumantes constituem

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 80/99 DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução Nº 91/93 do Grupo Mercado

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA Universidade do Minho 2007 Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA RIA Fernando Costa Silva UOSP - Braga Definição Monitorizar Sistema dinâmico que permite

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer

O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer Os estudos sobre mortalidade com freqüência enfatizam a importância das causas relacionadas às doenças

Leia mais

I. Os anticorpos são transferidos através da placenta.

I. Os anticorpos são transferidos através da placenta. Revisão para recuperação Questão 01) A descoberta dos sistemas sanguíneos ABO e Rh teve grande impacto na área médica, pois permitiu realizar transfusões de sangue apenas entre pessoas de grupos sanguíneos

Leia mais

Passos para a prática de MBE Elaboração de uma pergunta clínica Passos para a prática de MBE

Passos para a prática de MBE Elaboração de uma pergunta clínica Passos para a prática de MBE Passos para a prática de MBE Elaboração de uma pergunta clínica Dr. André Deeke Sasse 1. Formação da pergunta 2. Busca de melhor evidência resposta 3. Avaliação crítica das evidências 4. Integração da

Leia mais

A CÓLERA, DOENÇA DAS MAÕS SUJAS

A CÓLERA, DOENÇA DAS MAÕS SUJAS A CÓLERA, DOENÇA DAS MAÕS SUJAS Lembre-se da transmissão da diarreia: Tenreira Martins Suzanne, Responsavel da formação Cada bicho tem um nome e um orgao onde prefere instalar-se e atacar. O corpo humano

Leia mais

Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA. Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão

Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA. Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão 1 Alguns factos históricos da epidemia tabágica Consumo de cigarros raro em 1900 (EUA: 54 cig/pessoa/ano)

Leia mais

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção A gripe é uma doença causada pelo vírus da Influenza, que ocorre predominantemente nos meses mais frios do ano. Esse vírus apresenta diferentes subtipos que produzem a chamada gripe ou influenza sazonal.

Leia mais

3. Enfatizar a importância da coleta de material para o diagnóstico laboratorial das meningites e da

3. Enfatizar a importância da coleta de material para o diagnóstico laboratorial das meningites e da TEMAS SELECIONADOS - Ano XI - N 0. 02 / 2011 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

Taxa de mortalidade neonatal RN < 1500g

Taxa de mortalidade neonatal RN < 1500g Taxa de mortalidade neonatal RN < 1500g V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EFT-04 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

www.pediatric-rheumathology.printo.it FEBRE MEDITERRÂNICA FAMILIAR (FMF)

www.pediatric-rheumathology.printo.it FEBRE MEDITERRÂNICA FAMILIAR (FMF) www.pediatric-rheumathology.printo.it FEBRE MEDITERRÂNICA FAMILIAR (FMF) O que é? A Febre Mediterrânica Familiar (FMF) é uma doença genética caracterizada por recorrentes surtos de febre, acompanhada por

Leia mais

ISSN: 0872-4334 & ' (!!" #$%!

ISSN: 0872-4334 & ' (!! #$%! ISSN: 0872-4334 & ' (!!" #$%! Documento da responsabilidade de: Departamento de Doenças Infecciosas Unidade de Referência e Vigilância Epidemiológica Núcleo de Vigilância Laboratorial de Doenças Infecciosas

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO II CICLO DE DEBATES DESNUTRIÇÃO HOSPITALAR A EPIDEMIOLOGIA DA DESNUTRIÇÃO NO BRASIL NA EPIDEMIA DE OBESIDADE A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO Edilaine Maria Stella da Cruz Instituto do Câncer Arnaldo

Leia mais

PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE. ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE ELABORAÇÃO DA PERGUNTA

PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE. ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE ELABORAÇÃO DA PERGUNTA PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE Curso Avançado MBE ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br 1. Formação da pergunta 2. Busca de melhor evidência resposta 3. Avaliação crítica das

Leia mais

Situação Epidemiológica

Situação Epidemiológica 9. Tabagismo Situação Epidemiológica Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Estado do Paraná O tabagismo é a segunda maior causa de morte no planeta, responsável por 8,8% do total de óbitos. São cerca

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

Dengue. Febre hemorrágica Febre não diferenciada Síndrome de febre da dengue (síndrome viral) da dengue (efusão de plasma)

Dengue. Febre hemorrágica Febre não diferenciada Síndrome de febre da dengue (síndrome viral) da dengue (efusão de plasma) Dengue Manifestações clínicas As infecções pelos vírus da dengue podem ser assintomáticas ou produzir febre não diferenciada, febre de dengue ou febre de dengue hemorrágica (figura 1). Figura 1- Manifestações

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 Sinônimos: Diabetes, hiperglicemia Nomes populares: Açúcar no sangue, aumento de açúcar. O que é? Doença

Leia mais

MAPEAMENTO DA ESQUISTOSSOMOSE MANSÔNICA EM VINTE E SEIS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE ALFENAS, MINAS GERAIS

MAPEAMENTO DA ESQUISTOSSOMOSE MANSÔNICA EM VINTE E SEIS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE ALFENAS, MINAS GERAIS MAPEAMENTO DA ESQUISTOSSOMOSE MANSÔNICA EM VINTE E SEIS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE ALFENAS, MINAS GERAIS Lucas Emanuel Servidoni 1 Ericson Hideki Hayakawa 2 lucas_servidoni@hotmail.com, ericson_geo@yahoo.com.br

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais