BREVE OLHAR ACERCA DA (DES)CONSTRUÇÃO DO PARADÍGMA PRISIONAL ENQUANTO FERRAMENTA DE RESSOCIALIZAÇÃO RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BREVE OLHAR ACERCA DA (DES)CONSTRUÇÃO DO PARADÍGMA PRISIONAL ENQUANTO FERRAMENTA DE RESSOCIALIZAÇÃO RESUMO"

Transcrição

1 BREVE OLHAR ACERCA DA (DES)CONSTRUÇÃO DO PARADÍGMA PRISIONAL ENQUANTO FERRAMENTA DE RESSOCIALIZAÇÃO Fernando Ferreira da Silva Júnior 1 Alessandro Buarque Couto 2 RESUMO Diariamente nossos noticiários são preenchidos por imagens de conflitos e rebeliões, nos diversos sistemas penitenciários de quase todos os estados da Federação, gerando questionamentos constantes acerca do modelo de ressocialização empregado e sua real efetividade. Pouco se sabe acerca do sistema penitenciário, seus modelos e como se formou, o que nos abre uma janela para um breve olhar acerca deste tema, com vistas a contribuir para a comunidade acadêmica trazendo a (des)construção desse modelo que deve ser relido constantemente, com fito de atingir seu fim ressocializador. Assim, este trabalho tem por escopo apresentar, sob uma abordagem descritiva, a privação da liberdade dentro do contexto social, bem como o sistema penitenciário e seus modelos, uma linha histórica, partindo da Antiguidade até chegar à Idade Moderna, enfatizando a natureza da pena de prisão e o seu objetivo e, em sede derradeira, debruçando-se sobre o modelo brasileiro, de modo a fazer com que se possa tornar mais inteligível o estado de falência múltipla em que se apresenta o sistema carcerário brasileiro. Palavras-chave: Prisão. Penitência. Sistema penitenciário. 1 Bacharel em Segurança Pública pela Universidade Estadual da Paraíba; Especialista em Segurança Pública pela Universidade Estadual da Bahia; Especialista em Políticas Públicas pela Universidade Tiradentes. Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal de Sergipe. Professor da Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe. 2 Bacharel em Direito pela Universidade Tiradentes; Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal pela Universidade Tiradentes; Especialista em Direito do Trabalho e Processual do Trabalho pela Universidade Paulista; Especialista em Direito Público pela Universidade Cândido Mendes; Especialista em Direito Civil e Processo Civil pela Universidade Cândido Mendes; Especialista em Registro Público pela Universidade Cândido Mendes, Doutorando em Direito pela Universidade do Museu Social Argentino. Servidor Público Estadual de Sergipe. Professor da Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe.

2 1 INTRODUÇÃO O sistema prisional, enquanto ferramenta de isolamento e ressocialização do indivíduo acautelado pelo Estado, se demonstra ineficiente em cumprir com seu objetivo de transformar e educar, sendo, em verdade bolsões de desumanização, fato este que se materializa em rebeliões e histórias de conflitos noticiadas constantemente, em virtude da falta de estrutura e superlotações, demonstrando total desrespeito a princípios basilares abraçados na Carta Republicana de É mais que sabido que os estabelecimentos prisionais estão abarrotados de pessoas expostas à condições insalubres, sem oportunidade de educação formal, atividades de ressocialização e alimentação precária, situações estas que afrontam também as normas postas Lei nº /84 Lei de Execução Penal (LEP) e, assim, a pena, sob tais condições, reflete apenas o castigo e a segregação e nada mais que isso, não sendo tocados os vetores prevenção e ressocialização, para os quais se destina o cárcere, no qual o preso que aproveitasse a oportunidade de estudar e trabalhar, passaria a ser o instrumento de sua própria evolução, enquanto sujeito de direitos. Notamos que é mais que urgente a adoção de medidas que desconstruam o paradigma do cárcere hobbesiano em que o indivíduo mau deve ser tão e somente castigado pelos outros lobos 1 que o lançam à própria sorte nos braços do Leviatã 2, de modo a fazer com que se concretize de fato a ressocialização. Neste sentido, surge a alternativa da terceirização do serviço de acautelamento dos cidadãos postos à margem social, após serem penalizados, sem que seja retirado do Estado seu dever-poder de punir. O surgimento desse novo paradigma no trato dispensado pelo Estado aos seus acautelados, tendo por azo cumprir seu papel de ressocializador, cria uma oportunidade de reflexão acerca do tema e assim formata rico diapasão de estudos e pesquisas nos vários eixos de conhecimento, o que mostra relevância deste estudo e convida pó leitor a seguir nas linhas que se seguem. Assim, de modo a apresentar uma análise descritiva do tema supra apontado, além deste intróito, seguimos as próximas seções traçando um resgate da pena privativa de liberdade e dos sistemas próprios a ela, de modo a traçar verdadeira (des)construção do papel 1 Menção à ideia de Thomas Hobbes que diz que o homem é lobo do próprio homem. 2 Retratada pela primeira vez no Livro de Jó, o Leviatã foi considerado pela Igreja Católica durante a Idade Média, como o demônio representante do quinto pecado e foi utilizado por Hobbes para representar o Estado.

3 ressocializador do Estado, por meio de seu sistema de penitências e, em sede derradeira são apresentadas as considerações finais. 2 O CERCEAMENTO DE LIBERDADE E O SISTEMA PENITENCIÁRIO 2.1 Alguns traços históricos do cerceamento de liberdade O cerceamento de liberdade é ferramenta coercitiva do Estado, decorrente da aplicação de sanção penal proferida em decisão condenatória transitada em julgado. Além do fato de servir como instrumento cautelar na persecução penal, de modo a coibir novos delitos praticados pelo acusado, como também, para evitar sua fuga, dentre outras razões e circunstâncias, a depender do caso concreto. Quanto ao resgate histórico, Weber Martins Batista (1996) leciona que: Desde o início das relações humanas, nas eras mais remotas, o respeito às regras comunitárias tornou-se fundamental, ensejando a preservação do interesse comum. Deste modo, cada indivíduo passou a ceder parte de seus objetivos pessoais para então compor as regras de convivência, com isso, permitindo que fosse punido ao infringir tais normas, prevalecendo o bem geral sobre o individual. Destarte, essas regras evoluíram com a história visando atender às necessidades das relações humanas e impulsionaram a adaptação gradativa dos ordenamentos jurídicos e das modalidades punitivas, embora tenham permanecido os conflitos em torno da finalidade e eficácia das punições. Ocorre, contudo, que há significativa dificuldade de definir a origem da pena de prisão, haja vista que porém, que: A origem da pena, todos recordam, é muito remota, perdendo-se na noite dos tempos, sendo tão antiga quanto a humanidade. Por isso mesmo é muito difícil situála em suas origens. [...] Quem quer que se proponha a aprofundar-se na história da pena de prisão corre o risco de equivocar-se a cada passo. As contradições que se apresentam são dificilmente evitadas, uma vez que o campo encontra-se cheio de espinhos. (BITENCOURT, 2004) Desta forma, a análise cronológica posta pela doutrina, nos situa melhor nessa análise que segue da Antiguidade à Modernidade, conforme se vê a seguir Na antiguidade A Antiguidade desconheceu totalmente a privação de liberdade estritamente considerada como sanção penal. Embora seja inegável que o encarceramento de delinquentes existiu desde tempos imemoráveis, não tinha o caráter de pena e repousava em outras razões. (BITENCOURT, 2004) Depreende-se, portanto, que o encarceramento não era utilizado como sanção penal, mas sim, com objetivo de contenção e guarda até o momento da execução, sendo a prisão uma ante-sala de suplícios como a pena de morte ou castigos físicos. Assim, não havia uma

4 arquitetura própria para o cárcere, apenas eram reservados os piores lugares, como arcabouços ou aposentos em ruínas ou insalubres de uma diversidade de edifícios abandonados. A privação da liberdade não possuía qualquer característica de pena, e sim, era apenas utilizada como meio de assegurar a efetividade da condenação. Aliás, como sanção penal, só passou a ser utilizada com o decorrer dos anos, especialmente com a mudança de paradigmas, mediante a evolução dos princípios humanistas Na idade média No medievo, a prisão permaneceu com seu foco custodial, antes dos encarcerados serem submetidos aos shows sangrentos aos quais seguiriam e, assim, teriam braços e pernas amputados, queima de carne a fogo e a morte em formas variadas. Nesse período, a Igreja Católica, tendo como substrato o direito canônico, trabalhou para por a pena como ferramenta de espiritualização, propagando o dogma de que a pena purificaria o sujeito à qual estaria submetido, tornando o condenado digno de entrar no paraíso, tendo a imortalidade de sua alma sido contemplada com a paz celestial. O Direito Canônico, predominando na Idade Média, perpetuou o caráter sacro da punição, que continuava severa, mas havia, ao menos, o intuito corretivo, visando à regeneração do criminoso. A religião e o poder estavam profundamente ligados nessa época e a heresia implicava em crime contra o próprio Estado. Surgiram os manifestos excessos cometidos pela denominada Santa Inquisição, que se valia, inclusive, da tortura para extrair a confissão e punir, exemplarmente, com medidas cruéis e públicas, os culpados. Inexistia, até então, qualquer proporcionalidade entre a infração cometida e a punição aplicada. (NUCCI, 2009) Na Idade Média, emerge a prisão eclesiástica tendo como destinatários clérigos rebeldes que, segundo a Santa Sé, atentavam em desfavor das ideias de caridade, redenção e fraternidade. Destarte, é nesse período que se nota a grande influência da religião na evolução da pena, conforme se vê: O direito canônico contribuiu consideravelmente para com o surgimento da prisão moderna, especialmente no que se refere às primeiras idéias sobre a reforma do delinquente. Precisamente do vocábulo penitência, de estreita vinculação com o direito canônico, surgiram as palavras penitenciário e penitenciária. (BITENCOURT, 2004) Assim, é notável a ascendência que a Igreja Católica teve com a pena de prisão, vale dizer que foi a genitora das chamadas penitenciárias. Como ainda, é evidente a influência da prisão canônica no conceito e princípios da prisão moderna Na idade moderna A Idade Moderna, toda a Europa foi marcada por extrema pobreza, a qual gerou um clima de desespero e empurrou muitos cidadãos à marginalidade, fazendo com que o crime se

5 torne a opção de sobrevivência. Tornando quase que impossível fazer da pena de morte como resposta à enorme quantidade de pessoas que delinquiam. Deste modo, a política carcerária necessitava de revisão, de modo a fazer com que a prisão assumisse outro papel, conforme se vê nos ensinamentos de Foucault (2007): [...] desaparece, destarte, em princípio do séc. XIX, o grande espetáculo da punição física, o corpo supliciado é escamoteado; exclui-se do castigo a encenação da dor. Penetramos na época da sobriedade punitiva. Até mesmo por que, a ideia neste momento, era a de que a pena não deveria ter apenas o viés punitivo, mas também, deveria assumir uma função mais nobre, que seria a de recuperar o infrator, tornando-o apto a retornar ao convívio em sociedade. Pode-se entender que a guisa do exposto, que a evolução da pena, desde a aplicação das infamantes até as mais brandas, reflete na busca em equacionar problemas históricos de política criminal e de ordem sócio-econômica. Mas também, pode ser atribuída à busca da valorização da vida e da preservação da integridade física e mental do encarcerado. 2.2 Revisando o sistema prisional As instituições prisionais surgiram por necessidade própria do homem, consequência do contrato social, que exige um ordenamento coercitivo que sirva para manutenção da harmonia social. [...] uma exigência amarga, mas imprescindível. A história não é a de sua progressiva abolição, mas de sua reforma. A prisão é concebida modernamente como um mal necessário, sem esquecer que guarda em sua essência contradições insolúveis. (BITENCOURT, 2004) Neste contexto, Oliveira (1984), traz os principais sistemas prisionais, os quais detalhamos a seguir: Sistema Panótico Criado pelo filósofo inglês Jeremy Bentham, em verdade, pode ser considerado mais como um modelo de arquitetura do que um sistema prisional propriamente dito. Deste modo, sua característica principal era a vigilância constante, pois apresentava uma forma arquitetônica que objetivava incutir no detento a ideia de permanente visibilidade pelo poder dominante. Prisões do modelo radial povoaram o mundo inteiro, sendo a primeira construída em 1800, na cidade americana de Virgínia. Em 1826, foi inaugurada a Penitenciária Panótica de Pittsburgh na Pensilvânia.

6 2.2.2 Sistema de Filadélfia ISSN: Também denominado de celular ou pensilvânico, teve origem na cidade de Filadélfia, nos Estados Unidos, em 1790, e foi influenciado por princípios religiosos católicos. Pregavase o isolamento absoluto e constante, sem visitas, trabalho, predominando a ociosidade. A única atividade desenvolvida pelo custodiado seria a leitura da Bíblia, acreditando-se que sua consciência reagiria e atingiria o remorso. [...] isolamento absoluto [...] não se pede a requalificação do criminoso ao exercício de uma lei comum, mas à relação do indivíduo com sua própria consciência e com aquilo que pode iluminá-lo de dentro. Desse modo, chegamos à conclusão de que no regime adotado na Filadélfia, as únicas operações de correção do indivíduo foram a consciência e a arquitetura que isolava o indivíduo de todo contato com outro ser humano. (FOUCAULT, 2007) O Sistema pensilvânico foi muito criticado dada a sua severidade em desfavor do condenado. Além disto, em muitas vezes o preso era exibido a estranhos para servir de exemplo, já que se abria a cela para que o povo pudesse ver a triste reclusão e o estado em que o detento se encontrava Sistema de Auburn Este sistema tem sua origem no ano de 1821, na prisão nova-iorquina de Auburn, como alternativa ao Sistema de Filadélfia. Tal modelo prescrevia o cumprimento da pena de prisão em silêncio absoluto, porém, num regime de comunidade durante o dia e isolamento em cela individual no período noturno. Neste sistema, caso algum dos presos rompesse o silêncio, seria submetido à castigos físicos, sendo chicoteado, de modo a retomar a disciplina e manter o mutismo total. Outrossim, proibiam-se visitas e a prática de exercícios físicos, como também, não havia qualquer forma de lazer. Oportuno colocar que Auburn surgiu também como forma de aproveitar a mão-deobra carcerária como força produtiva, e não só por que oferece mais vantagens que o filadélfico, mas porque o desenvolvimento das forças produtivas, assim como as condições imperantes do desenvolvimento econômico o permitiam. (BITENCOURT, 2004) Desta forma, ante o rigor excessivo, os detentos adquiriram o costume de se comunicar com as mãos, formando um alfabeto. Tal atitude ainda hoje é praticada nos presídios de segurança máxima que apresentam um esquema mais rígido de disciplina. Os presos comunicam-se através de sinais sonoros, mediante batidas em paredes, esvaziamento da bacia dos sanitários etc.

7 2.2.4 Sistema de Montesinos Este sistema herda o nome de seu idealizador, o Coronel espanhol Manoel Montesinos y Molina, que na criticou veementemente o Sistema de Auburn, defendendo que os acautelados tinham direito a tratamento digno, durante o cumprimento da pena privativa de liberdade. Em 1834, tornou-se diretor do Presídio de San Agustín, na cidade espanhola de Valência, onde propôs que a pena deveria ter em sua essência a busca da regeneração daquele que havia cometido o delito, extinguindo castigos corporais e remunerando o trabalho desempenhado pelos presos, com vistas a não se sentirem explorados, situações essas que fizeram diminuir o número de evasões Sistema progressivo inglês Em 1846, Capitão da Marinha inglesa Alexander Maconochie, diretor do Presídio da Ilha de Norfolk, localizado na Austrália, colônia da Inglaterra à época, criou o modelo progressivo que levava em consideração a gravidade do crime praticado, a conduta carcerária do detento e o seu labor no presídio, no qual o condenado ao longo de sua pena, recebia marcas ou vales à proporção que sua conduta era considerada positiva, porém, perderia no caso de ter uma postura desabonadora. De sorte que tal modelo também foi denominado de Sistema de vales ou marcas. A pena era dividida, basicamente, em três períodos: 1º) Período de Prova, durante o qual o preso permanecia em isolamento; 2º) Período de Isolamento e trabalho neste período o preso ficava em isolamento noturno e, durante o dia, podia trabalhar em grupo, mas em silêncio; 3º) Período da comunidade neste período, o preso era transferido para Casa de Trabalho Pública, passando a adquirir privilégios até receber o livramento condicional Sistema progressivo irlandês O Sistema Irlandês acrescentou um período ao modelo inglês, de modo a preparar o preso para o retorno ao convívio social. Seu idealizador foi Walter Crofton, que implantou a transferência do detento para prisões intermediárias onde a vigilância era menor e era abonado o uso de uniforme, além de ser permitida a conversação com as demais pessoas e admitida a saída até certa distância. O Sistema progressivo irlandês foi adotado no Brasil, com exceção das marcas, ao mesmo tempo em que adicionou o trabalho com isolamento noturno, a observação, a liberdade condicional e o regime semi-aberto ou colônia agrícola.

8 2.3 Projetando o sistema penitenciário brasileiro ISSN: Os presídios brasileiros existentes por volta do século XIX traziam características do período colonial, durante o qual a Prisão Pública dividia espaço com a Câmara Municipal, possuindo dois pisos, onde primeiro era ocupado pela cadeia e o segundo pela casa legislativa. Em 1830, com o advento do Código Criminal do Império, alguns aspectos ficaram melhor definidos, essencialmente quanto à pena de prisão, que previamente implicava apenas no depósito de indivíduos em celas. Assim, devido a ideias inovadoras oriundas do exterior, a partir das reformulações penais implementadas nos Estados Unidos e na Europa, o cerceamento da liberdade passou a ter uma caracterização mais racional. Todavia, o Código Criminal não previu medidas quanto ao funcionamento das prisões. Desta forma, estabeleceu-se que competiria às Assembleias Legislativas Provinciais preceituar por leis acerca de sua estruturação, como ainda, sobre o regime nelas a serem adotados. Destarte, após estas primeiras linhas, o histórico da realidade penitenciária brasileira será adiante analisado de forma particularizada, desde o Brasil Colônia até os dias atuais Período colonial e império No Livro V das Ordenações Filipinas do Reino Código de Leis Portuguesas implantado no Brasil durante o período Colonial, encontra-se a primeira menção que se faz à prisão no Brasil. Esse Código decretava que a colônia brasileira fosse tida como local de degredo ou, em outras palavras, como um presídio para aqueles que em Portugal tivessem cometido os mais diversos crimes, como por exemplo: alcaguetagem, culpados de ferimentos por arma de fogo, duelo, entrada violenta ou tentativa de entrada em casa alheia, resistência às ordens judiciais, falsificação de documentos, contrabando de pedras e metais preciosos (MINHOTO, 2000). O Brasil, então, foi utilizado como local para degredados até o ano de 1808, quando a Família Real Portuguesa desembarcou nestas terras e, assim, os degradados passaram a ser encaminhados para o Continente Africano. Em 1824, por força da Carta Magna, o Brasil segue uma tendência progressista e, adere à nova modalidade penal, decretando a criação de prisões adaptadas ao trabalho e com a devida separação dos réus por delito cometido. Mais tarde, em 1830, o Código Criminal regularizaria a pena de trabalho e da prisão simples, sendo que o Ato Adicional de 12 de agosto de 1834, daria às Assembleias Legislativas Provinciais o direito sobre a construção de casas de prisão, trabalho, correção e seus respectivos regimes (THOMPSON, 2002). Adverte Laurindo Dias Minhoto (ibidem), que mesmo naquela época, a opinião pública tomou parte nos debates sobre a implantação do regime penitenciário em nosso país. Os grandes centros urbanos, a exemplo de Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, discutiram as

9 questões em torno da melhor forma de implantar um novo regime penitenciário, reunindo intelectuais e juristas, devidamente apoiados pelo Estado, os quais compuseram comissões especiais e seguiram em visita para alguns países, a exemplo dos EUA, da Inglaterra e da França, objetivando verificar as verdadeiras circunstâncias de aprisionamento e gerenciamento das chamadas prisões-modelo. De qualquer forma, as diretrizes do novo padrão penitenciário já estavam determinadas pela Constituição Política do Império do Brazil (Carta de Lei de 25 de Março de 1824), que em seu artigo 179, inciso XXI, determinava que: As Cadêas serão seguras, limpas, o bem arejadas, havendo diversas casas para separação dos Réos, conforme suas circumstancias, e natureza dos seus crimes. Contudo, o que se via eram as casas de recolhimento, que apresentavam situação deprimente, não oferecendo nenhum destes requisitos. Exemplo disso é a Prisão Eclesiástica do Aljube, situada cidade do Rio de Janeiro, que teve como fundador o Bispo Antônio de Guadalupe em Os vários testemunhos sobre a Prisão do Aljube dão-nos o quadro do sofrimento dos presos, apontando para uma história que ainda precisa ser escrita e que ecoa até os dias de hoje, uma vez que a edificação fora projetada para abrigar 15 indivíduos e, naquela data, tinha cerca de 390 acautelados. Tal fato revela que já é antigo o grande descaso pelo poder público e que as condições deprimentes e a total carência de um programa de recuperação do cidadão infrator já compunham os problemas que, séculos depois, foram apenas potencializadas. Em verdade, o que se nota é que todos os escopos que orbitavam o sistema prisional; mesmo no século XIX, não se concretizam até os dias atuais, fazendo com o sistema resumase em somente recepcionar, internar e submeter o preso a uma série de procedimentos-padrão, como banho de sol, nada que se configure como atividade de labor, intelectual ou de desporto, estando os internos expostos à vontade da carceragem. O que se anunciava como uma revolução humanitária em relação à regulamentação do sistema prisional, acabou se tornando um novelo de regramentos burocráticos, como bem observa Minhoto (2000), ao colocar que: [...] todo o arcabouço legislativo montado pela regulamentação das prisões e pelo conjunto de leis, decretos e códigos não humanizou o sistema penitenciário; muito pelo contrário, a quantidade de novos mandamentos sobre a conduta e direção das casas de aprisionamento fez com que se perdesse a finalidade da origem da prisão, transformando a instituição em mero aparelho burocrático. Constatamos, dessa forma, que o mau gerenciamento foi uma das causas que desde a implantação dos cárceres em território brasileiro, impediu que o objetivo de transformar o condenado em uma nova pessoa fosse atingido, retornando, assim, após o cumprimento da pena, à readaptação social.

10 Assim, o que se nota é que, muito embora houvesse uma preocupação com as condições gerais dos presos e com o sanção que lhe fora imposta, a almejada readaptação não renunciava substituía à ideia de mero instrumento repressor A Prisão e a República As transformações ocorridas no Brasil no final do século XIX, pondo termo na monarquia e dando início à República, trouxeram reflexos para a estrutura penal punitiva. De modo que se tornou imperioso um novo sistema jurídico que representasse a nova ordem. Com esse espírito, é que exatamente um ano após a promulgação da República, entrou em vigor o Código Penal de 1890 (Decreto nº. 847 de 11 de outubro de 1890), que em seu artigo 43, estabelecia as seguintes modalidades de penas: a) prisão cellular; b) banimento; c) reclusão; d) prisão com trabalho obrigatorio; e) prisão disciplinar; f) interdicção; g) suspensão e perda do emprego publico, com ou sem inhabilitação para exercer outro; h) multa. Com relação à prisão celular, afirma-se que tal modalidade antecipava o que hoje é chamado de humanismo na administração carcerária, como defendem setores ligados à prática dos direitos humanos. E mais, muito do que ainda hoje se pratica como disposição legal relativamente à prisão, quanto à impossibilidade de penas perpétuas e coletivas, fora previsto no supramencionado diploma (ibidem), conforme se constata em seu artigo 44: Não ha penas infamantes. As penas restrictivas da liberdade individual são temporarias e não excederão de 30 annos. Deste modo, a ideia da prisão celular constituía-se como verdadeiramente moderna, e serviria de sustentáculo a todo o sistema repressivo brasileiro, cuja regulação se encontraria nos artigos 50 e 51 da norma em comento (ibidem), in verbis: Art. 50. O condemnado a prisão cellular por tempo excedente de seis annos e que houver cumprido metade da pena, mostrando bom comportamento, poderá ser transferido para alguma penitenciaria agricola, afim de ahi cumprir o restante da pena. 1º Si não perseverar no bom comportamento, a concessão será revogada e voltará a cumprir a pena no estabelecimento de onde sahiu. 2º Si perseverar no bom comportamento, de modo a fazer presumir emenda, poderá obter livramento condicional, comtanto que o restante da pena a cumprir não exceda de dous annos. Art. 51. O livramento condicional será concedido por acto do poder federal, ou dos Estados, conforme a competencia respectiva, mediante proposta do chefe do estabelecimento penitenciario, o qual justificará a conveniencia da concessão em minucioso relatorio. Paragrapho unico. O condemnado que obtiver livramento condicional será obrigado a residir no logar que for designado no acto da concessão e ficará sujeito á vigilancia da policia.

11 As considerações e disposições previstas e/ou pretendidas pela estrutura penitenciária idealizavam um modelo no qual os indivíduos não seriam meros apenados, condenados a pagarem seus infortúnios legais sem a mínima chance de se recuperarem, ao contrário, a pena privativa de liberdade passava a ser encarada como a esperança de conseguir a recuperação dos condenados (BITENCOURT, 2004). Assim, entre os pressupostos desta idealização penitenciária estavam: a segurança dos detentos; higiene apropriada em todos os recintos da prisão; segurança por parte dos vigilantes e guardas; execução do regime carcerário aplicado; e, inspeções frequentes às prisões. Do ponto de vista do que poderíamos chamar de idealização do sistema, a questão penitenciária deveria tratar das funções exercidas pela pena na vida social. De qualquer forma, as condições gerais do então sistema penitenciário não permitiam quaisquer chances de efetivação da prisão celular. Tanto é prova, que ficara positivado no artigo 409 do referido Código (ibidem), o seguinte comando: Art Emquanto não entrar em inteira execução o systema penitenciario, a pena de prisão cellular será cumprida como a de prisão com trabalho nos estabelecimentos penitenciarios existentes, segundo o regimen actual; e nos logares em que os não houver, será convertida em prisão simples, com augmento da sexta parte do tempo. Desta feita, à espécie de uma fábula, o sistema penitenciário brasileiro não criava condições morais, tampouco físicas de colocar em prática o projeto idealizado, mas insistia em alardear sua aplicação sob as estruturas de um modelo arcaico. A tendência, e note-se que aqui se reporta a eventos ocorridos a pouco mais de um século, era transformar, ou manter, o preso desocupado, tornando-o cada vez mais promíscuo e incapaz de vislumbrar qualquer possibilidade de recuperação. [...] a prisão celular é desumana porque elimina ou atrofia o instinto social, já fortemente atrofiado nos criminosos e porque torna inevitável entre os presos a loucura ou a extenuação (por onanismo, por insuficiência de movimentos, de ar, etc.) [...] a Psiquiatria tem notado, igualmente, uma forma especial de alienação que chama loucura penitenciária, assim como a clínica médica conhece a tuberculose das prisões [...] (FERRI apud BITENCOURT, 2004) Porém, independentemente de a sociedade passar por transformações, transformava-se o sistema prisional. Assim é que, já na primeira década do século XX, sob pretexto de se legitimar socialmente, o sistema prisional adquire variações com vistas a obter um melhor controle sobre a população carcerária. Daí que surgem, como observância à qualificação do preso, prisões adequadas às categorias criminais: contraventores, menores, processados, loucos e mulheres.

12 Ocorre, no entanto, que as soluções aplicadas acabavam seguindo o mesmo sentido e, medida paliativa, a direção dos presídios utilizava os castigos físicos, assumidamente em razão das deficiências operacionais do sistema penitenciário. Além disso, a inexistência de um ordenamento jurídico que dispusesse claramente como se daria a aplicação das sanções impostas, impediu que os princípios norteadores do Código Penal de 1890 fossem exitosos. Desta forma, emergiu ainda mais forte a necessidade de regras para a execução penal, uma vez que as casas de correição começaram a criar seus próprios códigos de conduta que, em regra, eram concebidos por Decretos, eram contraditórios entre si. Assim, com a sistematização da execução penal se deu com o advento da Lei de Execução Penal - LEP, várias foram as tentativas e ensaios normativos, a exemplo do Projeto do Código Penitenciário de 1933, do Anteprojeto do Código Penitenciário de 1957, do Anteprojeto de 1963, do Anteprojeto de 1970 e das Leis nº /57 e nº /77. O sistema penitenciário padeceu sob as chamadas normas gerais do regime penitenciário, a princípio estabelecidas pela própria conduta regimentar em relação ao sistema. As intermináveis pelejas legislativas faziam apenas paralisá-lo, condição básica para que determinadas situações fossem ainda mais agravadas, como por exemplo, o problema da superlotação dos presídios e a profusão de leis e decretos que criminalizavam certas condutas que, por outros discursos já estariam criminalizadas, ou seja, um repertório redundante que vem há muito tempo colaborando com a situação atual do sistema (DOTTI, 2003, [n.p.]). Neste diapasão, mediante o Decreto-lei nº , de 07 de dezembro de 1940, é publicado o Código Penal em vigor, no qual foram dispostas inovações visando a condução moderada do Estado em relação ao poder de punir. Entrementes, em face do desmando e da negligência do poder público, o sistema prisional continuou padecendo de problemas como a superpopulação, promiscuidade, falta de ações quanto à recuperação e reinserção do preso, desrespeito a princípios de dignidade e humanitários etc. Com a reforma da Parte Geral do Código Penal e a edição da Lei de Execução Penal, em 1984, houve uma valorização do sistema progressivo. De fato, além de dependente do atendimento de exigências formais (motivação da decisão; oitiva prévia do Ministério Público; parecer da Comissão Técnica de Classificação; exame criminológico, quando necessário), a progressividade encontra-se, de acordo com a legislação, subordinada ao cumprimento de pelo menos um sexto da pena no regime anterior e ao mérito do condenado, indicativo da progressão. (PRADO, 2010) Impende registrar, que aos condenados pelo cometimento de crimes hediondos, pela prática da tortura, do tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, bem como de terrorismo; a progressão de regime dar-se-á após o cumprimento de dois quintos da sanção, caso seja

13 primário, e de três quintos, na hipótese de reincidente, conforme nova redação dada pela Lei nº /2007, ao art. 2º, 2º, da Lei nº /1990, a qual dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do art. 5º, inciso XLIII, da Constituição Federal de CONSIDERAÇÕES FINAIS Um olhar histórico-legal sobre a aplicação de medida coercitiva contra o transgressor da ordem nos mostra que o cárcere representava, até meados da idade moderna, mera vingança. Contudo, a humanidade, seguiu aspirando, ao longo do tempo, por melhores reflexões acerca da essência das sanções, haja vista que o mero suplício diante do ofendido não bastava para solucionar o problema da violência. Na segunda metade do século XVIII, as correntes doutrinárias lançaram buscaram dar novo sentido às penas, qual seja, de reabilitar o indivíduo para a vida em sociedade e, portanto, o Estado precisou adaptar-se, por meio de criação de casas de custódia, onde eram recolhidos os delinquentes com o objetivo de recuperá-los, caracterizando o início daquilo que seria o sistema penitenciário. O sistema de penitências, mesmo passando pelo caleidoscópio humanista, seguiu sobrecarregado, dadas as consequências nefastas da Revolução Industrial e do capitalismo enquanto vetor ideológico de matriz excludente, conduzindo às unidades prisionais aqueles que foram postos à margem dos padrões estabelecidos pelo capital. Esta sobrecarga ecoa até hoje, levando o sistema prisional à falência que a sociedade presencia através de situações-limite, a exemplo da superlotação, e dos altos índices de reincidência, o que ensejou a busca por alternativas que levassem à efetividade do que se procura através do acautelamento do indivíduo infrator da norma, ou seja, a dita ressocialização. No Brasil, seguindo tendências já vividas em nível mundial e envolvido numa ciranda de perspectiva humanista, mas frustrado pelo dinâmica torpe, verifica-se que apenas se vê (des)construindo constantemente o conceito pragmático de prisão como instrumento essencialmente punitivo e que se apresenta ineficiente em sua real função de ressocializar. Por fim, o que se nota é que, mesmo com todo esforço para sedimentar o ideário racional e humanista no cárcere, a desordem multifatorial, sobretudo na gestão administrativa do sistema penitenciário, cria verdadeiro anteparo para que a execução penal possa cumprir sua missão de bem efetivar as disposições do Estado-juiz e oferecer condições necessárias

14 para a integração harmônica daqueles que são acautelados pelo Estado em seu sistema prisional. REFERÊNCIAS ARRUDA, Sande Nascimento de. Breves considerações sobre a Parceria Público-Privada no Sistema Penitenciário Brasileiro. Disponível em: <http://www.conteudojuridiuco.com.br/?colunas&colunista=14528_sande_arruda&ver=660 >. Acesso em: 11 ago BATISTA, Weber Martins. Direito Penal e Direito Processual Penal. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, BITENCOURT, Cézar Roberto. Falência da pena de prisão: causas e alternativas. 3. ed. São Paulo: Saraiva, Tratado de direito penal: parte geral, volume ed. São Paulo: Saraiva, BOREKI, Vinícius. PPPs Presídios Públicos ou Privados? Disponível em: <http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1&id=973662&tit=pp Ps--Presidios-Publicos-ou-Privados>. Acesso em: 18 ago BRASIL. Constituição, Carta de Lei de 25 de Março de Brasília, DF: Fundação Projeto Rondom Minter, Decreto nº 847 de 11 de outubro de Promulga o Código Penal. Ministério dos Negócios da Justiça. 11 out Disponível em: <http://www6.senado.gov.br/legislacao/listapublicacoes.action?id=66049>. Acesso em: 14 jul Lei de 16 de dezembro de Manda executar o Código Criminal. Secretaria de Estado de Negócios da Justiça. 08 jan Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/lim htm>. Acesso em: 14 jul Lei n 7.210, de 11 de julho de Institui a Lei de Execução Penal. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 13 jul Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/l7210.htm>. Acesso em: 20 jul Lei n 8.072, de 25 de julho de Dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do art. 5º, inciso XLIII, da Constituição Federal, e determina outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 26 jul Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8072.htm>. Acesso em: 20 jul Ministério da Justiça. Sistema Prisional. Disponível em: <http://portal.mj.gov.br/data/pages/mjd574e9ceitemid364ac56ade924046b46c6b9c C447B586PTBRIE.htm>. Acesso em: 07 out CARVALHO. Priscila Almeida. Privatização dos presídios: Problema ou solução? Âmbito Jurídico, Rio Grande, 58, 31 out Disponível em: <http://www.ambito-

15 juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=5206>. Acesso em: 10 ago CORDEIRO, Grecianny Carvalho. Privatização do Sistema Prisional Brasileiro. Rio de Janeiro: Freiras Bastos, DOTTI, Rene Ariel. Bases alternativas para um sistema de penas. 2. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, FALCONI, Romeu. Reabilitação Criminal. São Paulo: Ícone, FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Tradução de Raquel Ramalhete. 33. ed. Petrópolis: Editora Vozes, MINHOTO, Laurindo Dias. Privatização de Presídios e Criminalidade. São Paulo: Max Limonad, MIOTTO, Arminda Bergamini. Curso de Ciência Penitenciária. São Paulo: Saraiva, NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de direito penal: parte geral: parte especial 6. ed. rev. atual. ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, OLIVEIRA, Jose Roberto Pimenta. PPPs: indelegabilidade no exercício da atividade administrativa de polícia e na atividade administrativa penitenciária. In: Carlos Ari Sundfeld. (Org.). Parcerias Público-Privadas. 1 ed. São Paulo: Editora Malheiros, OLIVEIRA, Odete Maria de. Prisão: um paradoxo social. 1. ed. Florianópolis: UFSC, PEDROSO. Regina Célia. Utopias penitenciárias. Projetos jurídicos e realidade carcerária no Brasil. Jus Navegandi, Teresina, ano 8, nº 333, 5 jun Disponível em: <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=5300>. Acesso em: 20 jul TELES, Ney Moura. Direito penal: parte geral: 1º a 120, volume 1 2. ed. São Paulo: Atlas, THOMPSON, Augusto. A questão penitenciária. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2002.

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO TRABALHO VOLTA AO CRIME CARTILHA DO REEDUCANDO CARTILHA DO REEDUCANDO ÍNDICE Introdução...5 Deveres...6 Direitos...7 Disciplina...10 Sanções...11 Formulário para Habeas Corpus...12 Petição Simplificada...13

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM NOME DO ALUNO A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA DENTRO DO SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO

FACULDADE DE DIREITO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM NOME DO ALUNO A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA DENTRO DO SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO FACULDADE DE DIREITO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM NOME DO ALUNO A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA DENTRO DO SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 2010 NOME DO ALUNO A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA

Leia mais

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS Camila Silvia Martinez Perbone 30* As penalidades, desde os primórdios da civilização, sempre tiveram a finalidade de punir de modo severo, apenas para restabelecer

Leia mais

PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR

PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR MARIA FERNANDA DE LIMA ESTEVES [1] Desde o início da história, a humanidade depara-se com o cometimento das mais diversas infrações, e, ao lado delas, surge

Leia mais

Princípios norteadores

Princípios norteadores Princípios norteadores A Associação pela Reforma Prisional, Conectas Direitos Humanos, Instituto dos Defensores de Direitos Humanos, Instituto Sou da Paz, Instituto Terra, Trabalho e Cidadania, Instituto

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. "Educação prisional na Penitenciária Industrial de Guarapuava - PIG: Da prisão que pune à privação que educa.

Mostra de Projetos 2011. Educação prisional na Penitenciária Industrial de Guarapuava - PIG: Da prisão que pune à privação que educa. Mostra de Projetos 2011 "Educação prisional na Penitenciária Industrial de Guarapuava - PIG: Da prisão que pune à privação que educa." Mostra Local de: Guarapuava Categoria do projeto: Projetos finalizados.

Leia mais

GISELE CALDEIRA DE FREITAS PROJETO DE PESQUISA APLICADA: A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO FRENTE AO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO

GISELE CALDEIRA DE FREITAS PROJETO DE PESQUISA APLICADA: A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO FRENTE AO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO GISELE CALDEIRA DE FREITAS PROJETO DE PESQUISA APLICADA: A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO FRENTE AO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO IBAITI 2013 3 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

Leia mais

Políticas Publicas de Ressocialização

Políticas Publicas de Ressocialização Primeiro Encontro Mato Grossense de Conselhos da Comunidade Políticas Publicas de Ressocialização ão Rosangela Peixoto Santa Rita 26 de junho de 2008. O Brasil já tem mais de 423 mil presos em seus cárceres;

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014 Altera a Lei de Execução Penal e o Código Penal para criminalizar o diretor do estabelecimento penal ou o agente público competente pela não atribuição de trabalho

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

A DISCIPLINA DE MICHEL FOUCAULT E O PANÓTICO DE BENTHAM COMO ESTRATÉGIA POLÍTICA NO SISTEMA PENAL

A DISCIPLINA DE MICHEL FOUCAULT E O PANÓTICO DE BENTHAM COMO ESTRATÉGIA POLÍTICA NO SISTEMA PENAL A DISCIPLINA DE MICHEL FOUCAULT E O PANÓTICO DE BENTHAM COMO ESTRATÉGIA POLÍTICA NO SISTEMA PENAL Vivian Martins Cardoso Professora de Direito Processual Penal II e Prática de Processo Penal I, Universidade

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR ELBERT DA CRUZ HEUSELER Mestre em Direito da Administração Pública Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais Pós Graduado em Estratégia e Relações Internacionais Especialista em Globalização e Brasil

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO. Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO. Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 Componente Curricular: DIREITO PENAL II Código: DIR - 265 CH Total: 60 horas Pré-requisito:Direito

Leia mais

Considerando a inspeção empreendida no dia 19.09.2012 no Centro de Recuperação Feminina;

Considerando a inspeção empreendida no dia 19.09.2012 no Centro de Recuperação Feminina; Considerando que ao Conselho Penitenciário do Estado do Pará compete, de acordo com o Decreto 418/79, inspecionar os estabelecimentos prisionais sediados no Estado do Pará, com objetivo de assegurar condições

Leia mais

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990.

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990. A NOVA DISCIPLINA DA PROGRESSÃO DE REGIME TRAZIDA PELA LEI Nº 11.464/07. MAURICIO MAGNUS FERREIRA JUIZ DE DIREITO DO TJ/RJ No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação

Leia mais

Associação de Proteção e Assistência aos condenados. Criação e Implantação nos Municípios

Associação de Proteção e Assistência aos condenados. Criação e Implantação nos Municípios Associação de Proteção e Assistência aos condenados Criação e Implantação nos Municípios O Método APAC O que é? A APAC é uma entidade civil de Direito Privado, com personalidade jurídica própria, destinada

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

ESTADO DE GOIÁS ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA RELATÓRIO DA VISITA FEITA AO CENTRO DE INSERÇÃO SOCIAL DE ANÁPOLIS (PRESÍDIO DE ANÁPOLIS), REALIZADA EM 25 DE MAIO DE 2011, PELA COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Execução Penal, ressocialização, trabalho, preso, PEPI.

PALAVRAS-CHAVE: Execução Penal, ressocialização, trabalho, preso, PEPI. LEI DE EXECUÇÃO PENAL E O SISTEMA CARCERÁRIO GOIANO Nayara Rodrigues de Amorim 1 Profª Drª Ana Celuta Fulgêncio Taveira 2 RESUMO: A evolução da pena de prisão, é importante para entendermos a natureza

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Nelson Marchezan Junior) Dispõe sobre a indenização das despesas realizadas com a manutenção devida ao Estado pelo condenado à pena privativa de liberdade independentemente

Leia mais

ASSISTÊNCIA A SAÚDE À MULHER - PRESA: UM DIREITO NEGADO

ASSISTÊNCIA A SAÚDE À MULHER - PRESA: UM DIREITO NEGADO 1 ASSISTÊNCIA A SAÚDE À MULHER - PRESA: UM DIREITO NEGADO Hilderline Câmara de Oliveira Christianne Medeiros Cavalcante Eduardo Franco Correia Cruz Joseneide Sousa Pessoa dos Santos Universidade Federal

Leia mais

A PRÁTICA PSICOLÓGICA EM UMA U IDADE PRISIO AL DE REGIME SEMIABERTO

A PRÁTICA PSICOLÓGICA EM UMA U IDADE PRISIO AL DE REGIME SEMIABERTO A PRÁTICA PSICOLÓGICA EM UMA U IDADE PRISIO AL DE REGIME SEMIABERTO 2013 Psicóloga do Sistema Prisional Paulista. Especialista em Psicologia Jurídica (Brasil) Email: borgeskb@gmail.com RESUMO Este texto

Leia mais

CAPÍTULO I Das Espécies de Pena

CAPÍTULO I Das Espécies de Pena PROJETO DE LEI Nº /2011 (Do Senhor Deputado Hugo Leal) Altera dispositivos do Decretolei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 Código Penal, e da Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984 Lei de Execução Penal,

Leia mais

O PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO DE CONDENADOS DE PIRAPORA MG: VIABILIDADES DA CADEIA PÚBLICA E DA APAC

O PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO DE CONDENADOS DE PIRAPORA MG: VIABILIDADES DA CADEIA PÚBLICA E DA APAC O PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO DE CONDENADOS DE PIRAPORA MG: VIABILIDADES DA CADEIA PÚBLICA E DA APAC Lourdes Anália Oliveira Cotrim 1 A imperfeição da justiça gera, a princípio, o terror; depois, a corrupção;

Leia mais

CURSO DE MONITOR DA SOCIAL CARCERÁRIA FASE 01/04

CURSO DE MONITOR DA SOCIAL CARCERÁRIA FASE 01/04 CURSO DE MONITOR DA SOCIAL CARCERÁRIA FASE 01/04 PROGREESSÃO DE REGIME PRISIONAL www.socialcarceraria.org.br lealdade profissionalismo justiça e liberdade ORIENTAÇÃO PEDIDO DE A TESTADO DE PERMANÊNCIA

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA DO IPA CURSO DE DIREITO PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MULHERES ENCARCERADAS FACE AO SISTEMA PUNITIVO NO BRASIL Letícia Paim Talavera PORTO ALEGRE 2011 Letícia

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA TÍTULO: "DIÁRIO" DE UM EX - DETENTO : AS DIFICULDADES E PRECONCEITOS ENCONTRADOS, NO DIA A DIA,PARA RESSOCIALIZAÇÃO DO EX - PRESIDIÁRIO NEGRO NO BRASIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

A redução da maioridade penal não é a solução

A redução da maioridade penal não é a solução A redução da maioridade penal não é a solução Mandato do Deputado Estadual Marcelo Freixo 2 Redação: Ana Marcela Terra Bruno Villa Sidney Teles Tomás Ramos Edição: Renata Souza Revisão: Bruno Villa Fotos:

Leia mais

Será que era isso que eles pretendiam com a revolta. Não estavam satisfeitos com aquela situação ou são masoquistas e gostam de sofrer?

Será que era isso que eles pretendiam com a revolta. Não estavam satisfeitos com aquela situação ou são masoquistas e gostam de sofrer? SISTEMA CARCERÁRIO E DIREITOS HUMANOS DALIO ZIPPIN FILHO ADVOGADO CRIMINALISTA Recentemente eclodiu na Penitenciária Central do Estado uma rebelião envolvendo os mil e quinhentos presos que ali estão recolhidos,

Leia mais

JANE PAIVA ELIONALDO FERNANDES JULIÃO

JANE PAIVA ELIONALDO FERNANDES JULIÃO EDUCAÇÃO EM PRISÕES Refere-se à oferta de educação como direito de jovens e adultos em privação de liberdade, no marco dos direitos humanos, em modalidade de atendimento que considera necessidades específicas

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador MAGNO MALTA

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador MAGNO MALTA PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA, sobre o Ofício S nº 51, de 2009, que encaminha ao Senado Federal cópia de Relatório de Inspeção Prisional realizada no Estado

Leia mais

PROGRAMA PATRONATO: RESSOCIALIZAÇÃO EM BUSCA DE DIGNIDADE

PROGRAMA PATRONATO: RESSOCIALIZAÇÃO EM BUSCA DE DIGNIDADE 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Realização. Estados Vizinhos Convidados

Realização. Estados Vizinhos Convidados Relatório-síntese do III Seminário de Articulação Nacional e Construção de Diretrizes para a Educação no Sistema Penitenciário Regional Sul Centro Administrativo Porto Alegre - RS 6 e 7 de março de 2006

Leia mais

SÍNTESE HISTÓRICA DO DIREITO PENAL BRASILEIRO

SÍNTESE HISTÓRICA DO DIREITO PENAL BRASILEIRO SÍNTESE HISTÓRICA DO DIREITO PENAL BRASILEIRO Laércio da Costa Veloso 1 Daniela Ribeiro Coutinho Santos 2 Roger Moko Yabiku 3 Diogenis Bertolino Brotas 4 Resumo O objetivo deste artigo é apresentar uma

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS RESGATE DA HISTÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BRASIL Maria Izabel Rocha Simão e Silva Capacitação de Candidatos ao Conselho Tutelar Barbacena, julho/2010 Objetivos: 1- Entendimento

Leia mais

A ORIGEM DA APLICAÇÃO DA PENA

A ORIGEM DA APLICAÇÃO DA PENA A ORIGEM DA APLICAÇÃO DA PENA Cinthia Marins Teles 1, Cláudia de Lima e Séllos 2, Prof. Dr. Nivaldo dos Santos 3 1,2,3 Núcleo de Estudos e Pesquisas do Departamento de Ciências Jurídicas da Universidade

Leia mais

Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres

Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres 01- A prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes, o terrorismo e os crimes definidos como hediondos podem ser imputados, com

Leia mais

ADVERTÊNCIA E SUSPENSÃO DISCIPLINAR

ADVERTÊNCIA E SUSPENSÃO DISCIPLINAR ADVERTÊNCIA E SUSPENSÃO DISCIPLINAR A CLT ao estabelecer em seu artigo 2º a definição de empregador, concede a este o poder e o risco da direção da atividade, controlando e disciplinando o trabalho, aplicando,

Leia mais

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Boa tarde! Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Chediek, e a toda sua equipe, pela oportunidade em participar desse importante

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 6, ANO III JUNHO DE 2011 1 TRIBUTOS COM EXIGIBILIDADE SUSPENSA NÃO PODEM SER DEDUZIDOS DA CSLL De acordo com o CARF, os valores provisionados

Leia mais

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Prof. Sandro Caldeira Prezado(a) aluno(a), Na nossa primeira aula abordamos um roteiro de teses defensivas que iremos treinar durante

Leia mais

LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990

LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990 LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: LEI DOS CRIMES HEDIONDOS Dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do art. 5º, inciso XLIII, da Constituição Federal, e determina outras

Leia mais

Isabella Camarço Gomes Aluna do Curso de Bacharelado em Moda, Design e Estilismo UFPI

Isabella Camarço Gomes Aluna do Curso de Bacharelado em Moda, Design e Estilismo UFPI Isabella Camarço Gomes Aluna do Curso de Bacharelado em Moda, Design e Estilismo UFPI Iara Mesquita da Silva Braga Prof. Msc. Do Curso de Bacharelado em Moda, Design e Estilismo - UFPI ATIVIDADES DA CADEIA

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO Ana Sachs* 20/09/2009-07h00 Do UOL Notícias Em São Paulo Ainda que seja uma exigência da lei de Execuções Penais, o trabalho

Leia mais

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Público Área: Direito Penal e Processo Penal PLANO DE ENSINO

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Público Área: Direito Penal e Processo Penal PLANO DE ENSINO Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Direito Penal II Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Público Área: Direito Penal e Processo Penal PLANO DE ENSINO EMENTA A prática do crime

Leia mais

Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista

Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista 1 SUMÁRIO DEDICATÓRIAS E AGRADECIMENTOS 02 CARTA DE APRESENTAÇÃO 03 O QUE SERIA O SOFRIMENTO FÍSICO? 04 E O SOFRIMENTO MENTAL? 04 TORTURA-PROVA 05 TORTURA

Leia mais

REINTEGRAÇÃO SOCIAL: ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO JUNTO AOS ENCARCERADOS

REINTEGRAÇÃO SOCIAL: ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO JUNTO AOS ENCARCERADOS 1 REINTEGRAÇÃO SOCIAL: ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO JUNTO AOS ENCARCERADOS Dandrea Moura BORBA 1 Izabel Cristina Marion CORREIA 2 RESUMO: A Lei de Execuções Penais Brasileira enfoca o sistema progressivo

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Respostas a perguntas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Estado de São Paulo

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Respostas a perguntas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Estado de São Paulo Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Respostas a perguntas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Estado de São Paulo 21. Em relação ao crime de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA, CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS GABINETE DA SECRETÁRIA RESOLUÇÃO N 126/2012 GS/SEJU

SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA, CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS GABINETE DA SECRETÁRIA RESOLUÇÃO N 126/2012 GS/SEJU RESOLUÇÃO N 126/2012 GS/SEJU Dispõe sobre a criação da Central de Alvarás de Soltura e disciplina os procedimentos administrativos para o encaminhamento, cumprimento e execução dos alvarás de soltura eletrônicos.

Leia mais

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes.

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA Daiani

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 Dispõe sobre as atribuições da Coordenação de Atendimento ao Preso Provisório da Defensoria Pública da Capital e dá outras providências.

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução: A Pena 2. A Pena na Constituição Federal de 1988 3. Finalidades da pena 4. Espécies de pena no Código Penal brasileiro 5. Direito Penitenciário 6. Legislação 7. Aplicação

Leia mais

CRESS / 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social RJ

CRESS / 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social RJ OFÍCIO /CRESS/SEC/Nº 0535/2013 Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2013 De: Conselho Regional de Serviço Social 7ª Região À Comissão de Juristas com a finalidade de realizar estudos e propor atualização

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) Identificação Disciplina Direito Penal II - NOTURNO Carga horária

Leia mais

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ Princípio A segurança pública deve promover a cidadania e prevenir a criminalidade. Princípio As políticas de segurança pública devem ser transversais.

Leia mais

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010.

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010. 1/7 CONSIDERANDO a Lei de Execução Penal 7.210/1984, a partir da redação em vigor dada pela Lei 10.792/2003, especificamente no que diz respeito ao Exame Criminológico; CONSIDERANDO a Súmula Vinculante

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Pena de prisão e perda do caráter ressocializador Marco Antônio Garcia de Pinho * Como citar este artigo: PINHO, Marco Antônio Garcia de. Pena de prisão e perda do caráter ressocializador.

Leia mais

Rogério Sanches Cunha

Rogério Sanches Cunha Art. 24 SEÇÃO VII Da Assistência Religiosa Art. 24 A assistência religiosa, com liberdade de culto, será prestada aos presos e aos internados, permitindo-se-lhes a participação nos serviços organizados

Leia mais

O suspeito, o acusado e o condenado frente aos direitos humanos fundamentais

O suspeito, o acusado e o condenado frente aos direitos humanos fundamentais Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Departamento VI Direitos Difusos e Coletivos Programa de Ensino - Núcleo de Prática Jurídica - 2016 Professor: Plínio Antônio Britto Gentil O suspeito, o acusado

Leia mais

20 Desembargador Luiz Vicente Cernicchiaro

20 Desembargador Luiz Vicente Cernicchiaro 20 Desembargador Luiz Vicente Cernicchiaro DADOS PESSOAIS NOME: Luiz Vicente Cernicchiaro FILIAÇÃO: Vicente Cernicchiaro e Anna Maria Lopes Cernicchiaro DATA DE NASCIMENTO: 2/11/1929 LOCAL DE NASCIMENTO:

Leia mais

Questão de Direito Penal 1,0 Ponto PADRÃO DE RESPOSTA.

Questão de Direito Penal 1,0 Ponto PADRÃO DE RESPOSTA. Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios XL Concurso Público para Provimento de Cargos de Juiz de Direito Substituto da Justiça do Distrito Federal SEGUNDA PROVA

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

EXECUÇÃO E GESTÃO DE COOPERATIVA: A RESSOCIALIZAÇÃO E A CONSEQUENTE DIMINUIÇÃO DO ÍNDICE DE REINCIDÊNCIA SÃO POSSÍVEIS

EXECUÇÃO E GESTÃO DE COOPERATIVA: A RESSOCIALIZAÇÃO E A CONSEQUENTE DIMINUIÇÃO DO ÍNDICE DE REINCIDÊNCIA SÃO POSSÍVEIS 1 EXECUÇÃO E GESTÃO DE COOPERATIVA: A RESSOCIALIZAÇÃO E A CONSEQUENTE DIMINUIÇÃO DO ÍNDICE DE REINCIDÊNCIA SÃO POSSÍVEIS Rosi Keli Guedes 1 Resumo O crescente número de casos de reincidência de ex-detentos

Leia mais

A PRISÃO DO DIREITO PENAL. Aurélio Wander Bastos

A PRISÃO DO DIREITO PENAL. Aurélio Wander Bastos A PRISÃO DO DIREITO PENAL Aurélio Wander Bastos O moderno Direito Penal Brasileiro tem evoluído em três grandes linhas teóricas: a do Direito Penal Comum, que trata principalmente da criminalidade comum;

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

FIXAÇÃO DA FIANÇA: HÁ ABUSOS? NÃO

FIXAÇÃO DA FIANÇA: HÁ ABUSOS? NÃO FIXAÇÃO DA FIANÇA: HÁ ABUSOS? NÃO Nadir de Campos Júnior 7º. PJ do Patrimônio Público Com a edição da lei 12.403/11, as medidas cautelares passam a estar a serviço do processo e da eficácia de uma Justiça

Leia mais

Avaliação da coordenação da Pastoral Carcerária SP sobre o sistema prisional

Avaliação da coordenação da Pastoral Carcerária SP sobre o sistema prisional São Paulo, 19 de junho de 2006 Avaliação da coordenação da Pastoral Carcerária SP sobre o sistema prisional O Estado de São Paulo vive hoje o clima do pós-rebeliões, do pós-confronto do crime organizado

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CENTRO DE PROGRESSÃO PENITENCIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL NA RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO

A IMPORTÂNCIA DO CENTRO DE PROGRESSÃO PENITENCIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL NA RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO Centro Universitário do Distrito Federal UDF Coordenação do Curso de Direito WALTÉCIO DOS SANTOS LEITE A IMPORTÂNCIA DO CENTRO DE PROGRESSÃO PENITENCIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL NA RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.381.315 - RJ (2013/0148762-1) RELATOR : MINISTRO ROGERIO SCHIETTI CRUZ RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RECORRIDO : JOSÉ JERÔNIMO ALVES FERREIRA ADVOGADO

Leia mais

Projeto de Lei da Câmara nº 37/2013 Nota Técnica. Em 29 de outubro de 2014 foi aprovado pela Comissão

Projeto de Lei da Câmara nº 37/2013 Nota Técnica. Em 29 de outubro de 2014 foi aprovado pela Comissão Projeto de Lei da Câmara nº 37/2013 Nota Técnica Em 29 de outubro de 2014 foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal o relatório da lavra do Senador Antônio Carlos Valarares

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.645, DE 2014. Altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias

Leia mais

ANDRÉA FRANÇA COELHO ROSA Presidente Nacional do PMB

ANDRÉA FRANÇA COELHO ROSA Presidente Nacional do PMB Prezados familiares, amigos e simpatizantes dos militares do Exercito, Marinha, Aeronáutica, Policias Militares e Corpos de Bombeiros Militares do Brasil, é com grande satisfação e enorme esperança na

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Gilberto, quando primário, apesar de portador de maus antecedentes, praticou um crime de roubo simples, pois, quando tinha 20 anos de idade, subtraiu de Renata, mediante

Leia mais

TRABALHO PRISIONAL: O ANTAGONISMO ENTRE A LEI E A REALIDADE

TRABALHO PRISIONAL: O ANTAGONISMO ENTRE A LEI E A REALIDADE 1 TRABALHO PRISIONAL: O ANTAGONISMO ENTRE A LEI E A REALIDADE CARLOS EDUARDO DIAS MENDES 1 MOÉSIO MUNIZ LOPES 2 ANA PAULA MARQUES DE SOUZA 3 Resumo: O trabalho prisional é um meio de garantir a dignidade

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

O SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO

O SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO O SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO SUMÁRIO Bruna Rafaela Fernandes 1 Luiz Eduardo Cleto Righetto 2 Introdução; 1 Breve histórico do direito penal brasileiro e a função da pena; 2 O Sistema Penitenciário Brasileiro;

Leia mais

O desafio da educação nas prisões

O desafio da educação nas prisões Fotos: Christian Montagna O desafio da educação nas prisões A educação prisional, mais do que um instrumento de reintegração social, é um direito conferido aos presos pela igualdade sacramentada na Declaração

Leia mais

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 TÍTULO VIII Da Ordem Social CAPÍTULO VII DA FAMÍLIA, DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO Art. 227. É dever da família, da sociedade

Leia mais

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS Relatório FEVEREIRO, 2014 Direito à integridade física e psíquica de recluso Observatório dos Direitos Humanos http://www.observatoriodireitoshumanos.net/ dh.observatorio@gmail.com

Leia mais

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA AOS PRESOS E SEUS FAMILIARES. O que não pode ficar preso é o relacionamento familiar.

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA AOS PRESOS E SEUS FAMILIARES. O que não pode ficar preso é o relacionamento familiar. NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA AOS PRESOS E SEUS FAMILIARES O que não pode ficar preso é o relacionamento familiar. O afastamento do preso do ambiente familiar provoca uma readequação nas relações sociais,

Leia mais

Módulo 01- Sistema de Justiça Criminal no Brasil Disciplina: Sistema Penitenciário, Tipos de Prisão, Unidades e Regimes

Módulo 01- Sistema de Justiça Criminal no Brasil Disciplina: Sistema Penitenciário, Tipos de Prisão, Unidades e Regimes Módulo 01- Sistema de Justiça Criminal no Brasil Disciplina: Sistema Penitenciário, Tipos de Prisão, Unidades e Regimes Módulo 01- Sistema de Justiça Criminal no Brasil Introdução: A PRISÃO Segundo Canto

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 10.006

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 10.006 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 10.006 Institui o Comitê Estadual para a Prevenção e Erradicação da Tortura no Espírito Santo - CEPET/ES e o Mecanismo Estadual de Prevenção e Erradicação da Tortura no

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CONSELHO PENITENCIÁRIO DO ESTADO DE SÃO PAULO

APRESENTAÇÃO DO CONSELHO PENITENCIÁRIO DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DO CONSELHO PENITENCIÁRIO DO ESTADO DE SÃO PAULO Renato Ribeiro Velloso 1 Alexandre Tozini 2 Rubens da Silva 3 Sérgio Paulo Rigonatti 4 Quirino Cordeiro 5 --------------------------------------------------

Leia mais

A progressão de regime e o exame criminológico à luz da Súmula Vinculante 26 e Súmula 439 do STJ

A progressão de regime e o exame criminológico à luz da Súmula Vinculante 26 e Súmula 439 do STJ A progressão de regime e o exame criminológico à luz da Súmula Vinculante 26 e Súmula 439 do STJ Irving Marc Shikasho Nagima Bacharel em Direito. Especialista em Direito Criminal. Advogado Criminalista

Leia mais

PROCESSO PENAL I 2ª - Par a t r e Pro r f o e f ss s o s r o : r :Ru R b u ens s Co C r o r r e r ia a Jun u ior

PROCESSO PENAL I 2ª - Par a t r e Pro r f o e f ss s o s r o : r :Ru R b u ens s Co C r o r r e r ia a Jun u ior PROCESSO PENAL I 2ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 I HISTÓRIA 2 PROCESSO E PROCEDIMENTO Procedimento: é o conteúdo do processo; Processo: atividade jurisdicional; SUJEITOS PRINCIPAIS E SECUNDÁRIOS

Leia mais

SISTEMA PRISIONAL E PSICOLOGIA: INÚMEROS DESAFIOS

SISTEMA PRISIONAL E PSICOLOGIA: INÚMEROS DESAFIOS SISTEMA PRISIONAL E PSICOLOGIA: INÚMEROS DESAFIOS (2006) Cleuza Pio Psicóloga pela Universidade Metodista de Piracicaba - Unimep (Brasil) Contactos: cleuzapio@yahoo.com.br RESUMO O presente texto propõe

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Estatuto do idoso em Benefício do Réu. Roberto Dantes Schuman de Paula * DA NOVATIO LEGIS IN PEJUS Em outubro de 2003 a ordem jurídica foi inovada com o advento da lei 10741/03,

Leia mais

A MENOR ELEGIBILIDADE ("LESS ELIGIBILITY") DA PRISÃO. Luiz Flávio Gomes

A MENOR ELEGIBILIDADE (LESS ELIGIBILITY) DA PRISÃO. Luiz Flávio Gomes A MENOR ELEGIBILIDADE ("LESS ELIGIBILITY") DA PRISÃO Luiz Flávio Gomes A MENOR ELEGIBILIDADE ("LESS ELIGIBILITY") DA PRISÃO Luiz Flávio Gomes Diretor geral dos cursos de Especialização TeleVirtuais da

Leia mais

Uma vez mais: da garantia da ordem pública como fundamento de decretação da prisão preventiva

Uma vez mais: da garantia da ordem pública como fundamento de decretação da prisão preventiva Uma vez mais: da garantia da ordem pública como fundamento de decretação da prisão preventiva Elaborado em 06.2005. Bruno César Gonçalves da Silva Mestre em Direito Processual pela PUC-Minas, professor

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

Educação no Sistema Prisional: Desafios e Compromissos

Educação no Sistema Prisional: Desafios e Compromissos Educação no Sistema Prisional: Desafios e Compromissos ASSIS, Luana Rambo; NASCIMENTO, Lizandra Andrade URI São Luiz Gonzaga e-mail: luanarambo@yahoo.com.br RESUMO: O presente artigo tem a pretensão de

Leia mais

O PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE INFORMADOR DAS MEDIDAS CAUTELARES PROCESSUAIS PENAIS APÓS A REFORMA INTRODUZIDA PELA LEI Nº 12.

O PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE INFORMADOR DAS MEDIDAS CAUTELARES PROCESSUAIS PENAIS APÓS A REFORMA INTRODUZIDA PELA LEI Nº 12. O PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE INFORMADOR DAS MEDIDAS CAUTELARES PROCESSUAIS PENAIS APÓS A REFORMA INTRODUZIDA PELA LEI Nº 12.403/11 Liana Carine Fernandes de Queiroz * Lenildo Queiroz Bezerra ** INTRODUÇÃO

Leia mais

A Polícia Comunitária no Brasil

A Polícia Comunitária no Brasil BuscaLegis.ccj.ufsc.br A Polícia Comunitária no Brasil José Ricardo Chagas* Admite-se a polícia comunitária como filosofia, vez que é uma nova forma de conceber e pensar a ação da polícia, mas também,

Leia mais

AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA

AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA INTRODUÇÃO O constituinte de 1988 inaugurou no Direito Constitucional brasileiro um capítulo sobre a segurança pública, e o fez repartindo competência

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES ÍNDICE PREFÁCIO par. pág. Razão de ser 1-3 13 Os objectivos 4-5 13 A origem 6-8 13 Agradecimentos: aos redactores 9 14 Agradecimentos: aos patrocinadores 10 14 Aos destinatários 11 14 ONDE COMEÇA O MANUAL

Leia mais

Do estado de natureza ao governo civil em John Locke

Do estado de natureza ao governo civil em John Locke Adyr Garcia Ferreira Netto 1 Resumo No estado de natureza, situação em que segundo a doutrina contratualista o homem ainda não instituiu o governo civil, John Locke entende que os indivíduos são iguais,

Leia mais

Prof. Alison Rocha QUESTÕES COMENTADAS DA LEI DE EXECUÇÕES PENAIS

Prof. Alison Rocha QUESTÕES COMENTADAS DA LEI DE EXECUÇÕES PENAIS Prof. Alison Rocha QUESTÕES COMENTADAS DA LEI DE EXECUÇÕES PENAIS A respeito da execução penal, instituída pela Lei n.º 7.210/1984, assinale a opção correta. a) O trabalho do condenado, como dever social

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA ESTUDO POLUIÇÃO SONORA José de Sena Pereira Júnior Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional ESTUDO DEZEMBRO/2005 Câmara

Leia mais