APRISIONAMENTO E REINCIDÊNCIA: DISCURSOS E REALIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRISIONAMENTO E REINCIDÊNCIA: DISCURSOS E REALIDADE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL APRISIONAMENTO E REINCIDÊNCIA: DISCURSOS E REALIDADE MAURINA BOHN (Yrn. ( n'3 rly Vens n Trigt3 ) Chaim do De$ito. :lerviço Social CSII/UPSO Florianópolis, julho de 1999.

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL APRISIONAMENTO E REINCIDÊNCIA: DISCURSOS E REALIDADE Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina para obtenção do titulo de Assistente Social, orientado pela Prof. Dra. Ivete Simionatto Florianópolis, julho de 1999.

3 AGRADECIMENTOS ik Prof. Dra. Ivete Simionatto, sem a qual, a realização deste trabalho não seria possível. Assistente Social Roseana da Silva, por ter possibilitado a realização do estagio no Presidio Masculino. Psicóloga Deise Maria do Nascimento, por ter contribuído para o desvendamento da realidade prisional e pela sua incansável busca de fazer algo além do que lhe é proposto. Ao José Carlos Eloy Martins, pela paciência e carinho dedicados neste período. Aos amigos que colaboraram direta ou indiretamente para a realização deste trabalho, em especial ao Alexandre Luis Giehl, Andréia Espíndola, Fernando Goulart Rocha, Ivan Paulo Demarchi, e Suzana VaIda Vidal. Aos entrevistados, acima de tudo os reclusos do Presidio Masculino de Florianópolis.

4 ÍNDICE INTRODUÇÃO 5 CAPÍTULO I Instituições Prisionais: Resgate Histórico e Conjuntura Atual A Prisão e o AcOmulo de Riqueza Papel do Estado Questões Relacionadas A Eficácia do Aprisionamento 25 CAPITULO II 0 Presidio e a Reincidência: um problema a ser enfrentado Presidio e a Reincidência na Visão da Direção de Administração Penal e Administração do Presidio Masculino de Florianópolis A Visão do Serviço Social 37 CAPÍTULO Ill Com a Palavra, os Reincidentes A Compreensão do Processo de Reincidência e os Fatores Determinantes A Relação entre a Instituição e a Reincidência A Contribuição do Presidio para a Diminuição do Índice de Reincidência 59 Considerações Finais 64 Referências Bibliográficas 68 Apêndice 72

5 INTRODUÇÃO 1 0 tema 0 presente trabalho de conclusão de curso tem, como objeto de análise, a reincidência verificada no Presidia Masculino de Florianópolis. Entendemos o fenômeno da reincidência como uma anomalia. Se o indivíduo já foi preso alguma vez por cometer um delito, ao passar pela Instituição prisional deveria ter sido recuperado. Se não o foi, supõe-se que seja porque ele não é objeto de correção, ou a Instituição falhou em alguma ação ou, ainda, ambas as coisas. Muitas discussões já foram travadas em torno do tema, assim como muitas teses e livros foram escritos com intuito de compreender e propor soluções para a correção dos erros e atingir a conseqüente diminuição dos indices de reincidência. Porém, enquanto a questão não tem solução, vale rediscuti-la até a exaustão, até esgotadas as possibilidades. Abandoná-la seria como entender o processo de ida e vinda dos homens ã prisão, como irremediável, natural, normal. 2 A metodologia A pesquisa foi realizada no Presidio Masculino de Florianópolis, instituição onde desenvolvemos o estágio curricular de Serviço Social. 0 Presidio tem capacidade para alojar 152 pessoas, sendo que atualmente comporta cerca de 276. A Instituição conta com 25 agentes prisionais, 01 professor, 02 técnicos administrativos, 02 técnicos em enfermagem, 01 psicólogo e 01 estagiário em psicologia e 01 assistente social e 01 estagiário de serviço social.

6 O universo da pesquisa compreende a Direção de Administração Penal DIAP, a Administração e o setor de Serviço Social do Presidio Masculino de Florianópolis, num total de 3 pessoas e 12 reclusos reincidentes. As entrevistas com o Diretor, Administrador e Assistente Social foram realizadas através de questionário respondido por escrito, contendo as seguintes questões para os primeiros: 1 Sabe-se que o Presidio tem a função de custodiar. Além desta, prevista em lei o senhor acha que ele assume outras funções ou deveria assumir; 2 Quais os fatores que impedem o cumprimento das funções pelas instituições penais e como o senhor percebe as possibilidades de transpô-los; 3 Qual a sua avaliação sobre a reincidência que ocorre no Presidio Masculino de Florianópolis; e para a Assistente Social: 1 Como você avalia a prática do Serviço Social nas instituições penais; 2 Qual a sua avaliação sobre a reincidência que ocorre no Presidio. As entrevistas corn os reclusos foram gravadas, durante o mês de maio deste ano e transcritas na integra, sendo compostas das seguintes questões: 1 Por que uns reincidem e outros não? Quais os fatores que levam à reincidência? 2 A instituição Presidio tem algo a ver com a reincidência? De que forma? 3 Como a instituição poderia contribuir para a não reincidência? Ressaltamos que utilizamos nomes fictícios com intuito de preservar suas identidades. Segundo Perfil da Unidade Prisional datado em setembro de 1998, o indice de reincidência no Presidio Masculino de Florianópolis é de 80%, seguindo a média nacional. Percebe-se que a reincidência concentra-se nos crimes contra o patrirneinio e no tráfico de drogas. Sendo assim, o critério adotado para a escolha

7 7 dos entrevistados foi baseado no fato de os reclusos serem reincidentes em furto, roubo, estelionato e tráfico de drogas. Desta forma, 04 dos entrevistados são reincidentes em furto, 03 ern assalto, 01 em estelionato e 04 em tráfico de drogas. Contemplamos somente estes, pelo fato de serem em maior número e como forma de delimitar a pesquisa. Segundo Santos (1998) o Código Penal, art.63, versa que é necessária para o reconhecimento da reincidência que o agente cometa novo crime após sentença condenatória, transitado em julgado, no Pais ou no estrangeiro. Ainda segundo o art. 64 "não prevalece a condenação anterior, se entre a data do cumprimento ou extinção da pena e a infração posterior tiver decorrido período de tempo superior a 5 (cinco) anos..." (Santos, 1998, p.27). Uma vez, porém, que o Direito Penal restringe o conceito de reincidência, utilizamos a expressão de retomo dos agentes á prática do crime, independente dos termos técnicos legais. Dos 276 reclusos,127 já haviam recebido sentença e aguardavam resultado de apelações ou vagas nas penitenciárias do Estado, 122 foram presos em flagrante e 27 são presos preventivos. Legalmente, estes últimos, sem que tenham recebido duas ou mais condenações, ainda não podem ser considerados reincidentes, peio fato de não haver sido proferida sentença atual. Porém, mesmo assim alguns foram convidados a dar entrevista pelo fato de assumirem seus delitos e, sendo assim, serem reincidentes, mesmo que ainda não legalmente. 3 A organização do trabalho Inicialmente buscamos fazer o resgate histórico do surgimento da prisão e como se apresenta atualmente. Para tanto buscamos relacionar sua existência ao

8 8 acúmulo de capital, ou seja, como a acumulação de capital, financeiro e global agudizou a exclusão de uma parcela da população para a qual restou o aprisionamento. Descrevemos também o papel do Estado em relação A sua responsabilidade com a sociedade e com o cumprimento das leis. Apresentamos algumas questões relacionadas ao aprisionamento e que relembram sua ineficácia em relação a seus propósitos. No segundo capitulo indicamos as posições daqueles que representam a Instituição no que se refere As suas funções e o fenômeno da reincidência. Expusemos, ainda, a visão do setor de Serviço Social, tendo em vista ser nossa Area de estágio, no que se refere à avaliação da prática da profissão nas instituições prisionais e A reincidência que ocorre no Presidio. No terceiro capitulo abordamos a reincidência segundo os reclusos que reincidem, expondo seus motivos, assim corno sua relação com a instituição e corno esta poderia contribuir para a diminuição de seu índice. Cada capitulo foi tratado teoricamente segundo as exigências do tema abordado. As principais categorias que fundamentam esse trabalho são: Estado, exclusão, sociedade, direitos humanos, cidadania, estigma, cultura, valor, trabalho, entre outros. Finalmente, apresentamos as conclusões que foram possíveis de obter com este trabalho e a bibliografia consultada.

9 CAPÍTULO I INSTITUIÇÕES PRISIONAIS: RESGATE HISTORIC E CONJUNTURA ATUAL 1.1 A prisão e o Acúmulo de Riqueza Podemos dizer que a pena nasceu quando os homens, vivendo em sociedade, de alguma forma, quebraram as regras de convivência. A partir daí, a pena surge como forma de punir e conter o indivíduo considerado potencialmente infrator. De acordo com Beccaria ( 1997, p.42) a pena é necessária porque, "a multidão não adota princípios estáveis de conduta, nem se afasta daquele principio universal de dissolução porque é observado no universo físico e moral, senão por motivos que afetam de imediato os sentidos e que se assomam de continuo mente para contrabalançar as fortes impressões das paixões parciais que se opõe ao bem universal: nem a eloquência, nem a declamação, nem mesmo as mais sublimes verdades bastaram para refrear por longo tempo as paixões suscitadas pelo vivo impacto dos objetos presentes". A pena serviria de limite da liberdade de todos mas, para que todos pudessem viver. Segundo o autor, as penas tem como fim "impedir que o réu cause novos danos aos seus concidadãos e dissuadir os outros a fazer o mesmo" (Beccaria, 1997, p.74), Conforme Oliveira, (1996), a pena sempre existiu porém de tempos em tempos sofreu modificações em sua aplicação, modificações estas que refletiam as transformações sociais, políticas e econômicas na sociedade. De acordo com a autora, houve quatro períodos distintos até os dias atuais. 0 primeiro seria o da Vingança Privada, onde o sentimento era o principal motivador da justiça. Esta se caracterizava como vingança ao ofensor individual ou

10 I () coletivo. As ações movidas por esse sentimento eram as mais variadas, do confisco de bens, a mutilação e a morte. Depois veio o período da Vingança Divina. Nesta época os Estados Católicos buscaram usar o poder da Igreja para coibir comportamentos fora dos padrões da moral e da ética (bons costumes). A pena seria supostamente imputada por Deus e os representantes deste eram os reis e imperadores. A partir dai, aqueles de maior poder econômico-politico tomaram para si a incumbência de fazer justiça. Cada vez mais, os crimes sujeitos a pena, reduziram-se ao atentado contra a pessoa e seus bens. Segundo Ribeiro de Sá (1996) nesta época não havia espaço para o preguiçoso, indolente, vadio, desonesto, ladrão e outros transgressores, pois suas práticas desagradavam a Deus. O comportamento paternalista foi substituído pelo comportamento disciplinar, de acordo com as reformas que visavam o progresso. Dai a necessidade de cadeias para reeducação, disciplina e salvação que transformasse aqueles, em homens honestos e, acima de tudo em trabalhadores. No período da Vingança Pública, inicio do século XVIII, houve maior fortalecimento do Estado e este tomou para si o exercício da pena. De acordo com Ribeiro de sá (1996, p.27) há a transformação "do pecado em crime, do Direito Divino em Direito Penal, da vadiagem em delito, do coletivo em individual, da penitência em prisão, do confessionário em prisão". As decisões passaram da vitima ou sua família para o conjunto da sociedade onde os crimes mais graves eram resolvidos em comício. Apesar disto a pena continuou a ser dolorosa, principalmente para o corpo do condenado, que continuou a sofrer torturas, até a morte. 0 quarto período foi o humanitário e pode-se considerar seu inicio ern fins do século XVIII. Neste, a forma de tratamento aos apenados começou a ser protestada por diversas categorias profissionais. Os reformadores da justiça buscavam acabar

11 I 1 com a corrupção que a minava. Ela deveria ser mais bem distribuída, ocorrendo de forma universal. Além disso, eles propunham substituir a retribuição pela intimidação, atenuar a punição e prevenir os crimes, pois o interesse maior concentrava-se no futuro. A principio, as prisões existentes eram utitizadas para deter os indivíduos, enquanto aguardavam o julgamento às vezes a morte - e também como local de constantes suplicios físicos. A pena-prisão surgiu com discussões posteriores, inclusive com Sócrates, que propunha a prisão perpétua e, Platão, a substituição de outras penas pelo aprisionamento. A partir, dai muitas penas foram, aos poucos, substituidas pela reclusão que, da mesma forma, castiga a mente do aprisionado e limita seu físico, condicionando-o a novos hábitos. Mas, segundo Oliveira (1996, p. 74) "foi só no século passado que se substituiu definitivamente a pena de morte pela reclusão, ainda que com fatores torturantes". As mutilações foram suprimidas com o Código Penal de 1810, para os crimes de morte, na França e, a partir dai muitos países ocidentais adotaram tal posição. Antes da consolidação de capitalismo, as prisões abrigavam principalmente aqueles acusados de assassínios e agressões, sendo sujeitos às formas mais grotescas de punição, porém, com a complexificação da sociedade, o delito em destaque passou a ser aquele relacionado ao roubo. Surge então a necessidade de mudar as formas de punição, recuperando estas pessoas para o sistema capitalista. Até porque, se fossem adotadas aquelas formas de punição aos infratores do patrimônio, estes seriam muitos e não haveria concordância da sociedade. Contudo, nem todos os países adotaram estas transformações a partir daquela época e, ainda hoje, em muitos luares, pode-se encontrar a pena de morte, legalmente instituída.

12 17 A medida em que a sociedade evoluiu, as responsabilidades, que antes eram coletivas, passaram a ser individuais. Assim, cada um dos vários indivíduos, que cometem atos inf racionais, como meio de vida, são considerados únicos culpados e passíveis de regeneração. 0 problema é dele e não do coletivo. Desta forma, além do caráter retributivo da pena, a reclusão teria por objetivo recuperar o indivíduo, ressocializando-o, para que fosse digno de viver em conformidade corn a liberdade, Segundo Ribeiro de SA (1996) Marx vinculou a criação da prisão à economia capitalista. As prisões visavam sobretudo disciplinar os infratores para o trabalho forçado. 0 modo de produção capitalista, circulacdo e consumo de riquezas estimulou a evolução das cidades, expulsando os camponeses de suas terras. Desta forma, pela necessidade de trabalhar para ter seus meios de sobrevivência garantidos, estes tornaram-se mão de obra das indústrias em ascensão. Porém, estes camponeses excediam as reais necessidades da época. Apartir dai amplia-se o número de trabalhadores sobrantes que já, penalizados pela falta de trabalho, sofriam as repressões legais do Estado. Ainda segundo Ribeiro de Sá (1996), o sistema capitalista carrega em seu âmago a violência surda que é a apropriação do excedente produzido pelos trabalhadores e a violência direta, em caráter excepcional. Esta integra o judiciário, a policia e a prisão e destina-se a todos os segmentos sociais. Porem, sua existência é justificada como forma de controle e repressão de um certo número de pessoas, servindo para a proteção da sociedade. 0 trabalhador honesto estaria isento teoricamente, de tal controle. Sendo assim, aquele que vivesse em conformidade com os preceitos capitalistas, além de não ser importunado, serviria de exemplo aqueles relutantes ou sobrantes. Segundo Ribeiro de SA (1996, p.32)"a prisão foi recriada como urn espaço especial de disciplinamento do homem para viver e conviver na sociedade capitalista e destinada

13 13 a urna população especial, que deverá ser submetida a técnicas especiais de transformação". Esta população especial, atualmente, pode ser entendida como sendo aqueles que foram excluídos do modo formal de trabalho. A partir do momento em que as pessoas não têm acesso ao trabalho formal e portanto não tem direitos e garantias, ficam A mercê da sorte do mercado informal ou recorrem a formas ilegais de sobrevivência e, assim, passam a ser vistas como passíveis de correção de comportamento ou, mesmo, de eliminação. Esta exclusão social e econômica vivida por grande parte da população tem causas históricas de construção da sociedade brasileira onde os que detinham e detêm o poder econômico e politico sempre se mostraram coniventes e estimuladores da desigualdade pelo fato de esta contribuir para a consolidação do poder estabelecido. Atualmente, tem ocorrido a acentuação da exclusão, devido ao processo de globalização e adoção do modelo econômico neoliberal. Conforme Petras (1997), as transformações neoliberais ocorridas na América Latina têm sua origem no período da ditadura. Porém, seu discurso de liberdade pelas urnas e pelo mercado, não conseguiu convencer a maioria dos latino americanos pois, muitos ainda resistem As políticas propostas. Estas resumem-se em cinco: estabilização, privatização, liberalização do comércio, desregulamentação e corte de verbas para os gastos públicos. Segundo o autor, não se pode esquecer que os neoliberais buscaram alguns conceitos de esquerda para explicar e justificar suas propostas, porém o conteúdo não corresponde ao significado original dos termos. Como por exemplo, ajuste estrutural e reforma econômica. Para a esquerda, os termos previam redistribuição de renda e investimento na área social; para os neoliberais, a transferência de propriedade pública para a esfera privada. Esta divergência entre o

14 14 significado real dos termos e o conteúdo utilizado pelos neoliberais explica-se pelo fato de seu poder ser legitimado pelas urnas. Portanto, suas promessas devem ser mascaradas com propostas que aparentemente sejam esperadas pela maioria da população. Conforme o autor, o neoliberalismo foi consolidado por uma classe ascendente que se constitui de detentores do capital financeiro e de industriais exportadores. Tiveram inicio, valendo-se de recursos públicos para fins particulares. Segundo Borón (1995), lucra com a política neoliberal um grupo de capitalistas locais e seus sócios metropolitanos, pois estes reforçam seu predomínio econômico à medida que: reduzem o controle público, facilitando a atuação do setor privado; garantem o pagamento da divida com recursos públicos e, modificam a seu favor a correlação de forças entre mercado e Estado. Em contrapartida, o neoliberalismo marginaliza os trabalhadores e pequenos empresários, fundamentais para o fortalecimento do mercado interno. A pequena propriedade agrícola desaparece, afastando ainda mais a possibilidade de reforma agrária, pois as terras são arrematadas por grandes produtores, voltados para a exportação. Os neoliberais anunciam sua doutrina política como única alternativa, assim como a globalização como um passo inevitável para o capitalismo. É corno se o desenvolvimento tecnológico e a revolução causada pela comunicação fizessem da globalização um processo irreversível. Segundo lanni (1997), a globalização não é um fato acabado, está em marcha, sendo que, em alguns continentes tende a aprofundar-se ainda mais, como na América Latina. Porém, isto não faz dela um processo inevitável, pois são os governantes que optam por inserir-se ou não no processo global.

15 15 0 sistema capitalista baseia-se no acúmulo pelo acúmulo e está calcado na exploração humana pois, sem esta, não há expropriação de riqueza. Não há, portanto, possibilidade de haver capitalismo sem exploração e, quanto mais se investe no acúmulo, menos importância é dada para o investimento no tratamento das questões sociais, Logo, um pais capitalista, subdesenvolvido, que adota o neoliberalismo corno doutrina política tem condições reduzidas de extrapolar sua condição, ocasionada pela ma distribuição de renda, e, em conseqüência, a geração e agudização de inúmeros problemas sociais, cujo desfecho acaba sendo a prisão papal de Estado A teoria relativa do Estado remete a vários períodos históricos. No entanto, tomamos como ponto de partida a natureza do Estado moderno que também vai se alterando, de acordo com do desenvolvimento da sociedade capitalista. Para Marx, não existe nenhum Estado neutro. 0 Estado é sempre uma arma de domínio das classes proprietárias. Enfatiza que o Estado capitalista existe para garantir o domínio da burguesia em relação ao proletariado. No Estado moderno não havia espaço para a participação política da classe operária, que vivia na clandestinidade. O Estado era considerado um aparelho coercitivo, instrumento de dominação, e ao contrário do que diziam os liberais, seria antidemocrático, pois, "o Estado capitalista democrático mantém o domínio da burguesia, porque os partidos politicos burgueses são muito ricos e a ideologia burguesa impregna a consciência das multidões" (Martins, 1994, p. 133). Sendo permeado por contradições, possuía a função de manter a ordem política, mediando e impedindo os conflitos entre as classes e a conseqüente destruição da estrutura. social. De acordo com Sader (1993, p. 102) "o Estado revela então que so

16 IC) existe sob a forma de dissimulação, porque representa a unidade fictícia de uma multiplicidade". Conforme Simionatto (1996), com a complexificação da sociedade, ocasionada pela consolidação do capitalismo, o estado se amplia, devido As crescentes e amplas organizações da sociedade de massa, como os sindicatos e partidos politicos. Com base nas transformações ocorridas no século XX, Gramsci buscou rever o conceito de Estado formulado por Marx para, a partir dele, elaborar um, que melhor retratasse a realidade e o desenvolvimento do próprio capitalismo. 0 Estado ampliado descrito por Gramsci, atende também a determinados interesses públicos, ou seja, ele é uma arena de luta entre as classes sociais, não se restringindo somente àquela de maior poder econômico ou politico. É nesse embate entre.interesses de classe que o Estado se alarga, buscando incorporar demandas da classe trabalhadora. Da Segunda Guerra aos anos 70, denominados por Hobsbawn como os 30 anos gloriosos do capitalismo é que se expandiram as propostas do chamado Estado de Bem Estar Social. No entanto, a crise do capitalismo que eclode em nível mundial já no final dos anos 60, obriga o Estado a rever seu papel intervencionista na sociedade. Iniciam-se a partir de então, as políticas de privatização da esfera pública, ou seja, a redução das funções do Estado no âmbito das chamadas políticas sociais. Pode-se dizer assim que o Estado tem sofrido constantes reduções, A medida que algumas de suas responsabilidades são passadas A sociedade civil e ao mercado. O incentivo ao trabalho voluntário, em nome da solidariedade, por exemplo, está imbufdo da concepção de que é a sociedade quem deve resolver seus problemas, e não o Estado, que continua a ser o depositário de impostos.

17 17 Enquanto o patrimônio público é desmantelado, com privatizações a portas fechadas, o patrimônio privado é mantido com dinheiro público. Em contrapartida, assistimos o discenso dos institutos representativos que não tem conseguido rearticular espaços de luta e contraposição ao Estado ou mesmo apontar alternativas à crise em curso, por ser esta de natureza estrutural e não apenas conjuntural. Um Estado descompromissado com a classe trabalhadora, separa ainda mais os muito ricos dos muito pobres, trazendo como conseqüência a falta de saúde, educação, trabalho, moradia, terra, lazer para os últimos e fartura para os primeiros. Estudos do IPEA ( Folha de São Paulo 13/06/99) indicam que em 1997, por exemplo, o percentual de renda dos 10% mais ricos chegou a 48,21% em relação a totalidade da população, enquanto que os 40% mais pobres tiveram acesso apenas a 7,10% da riqueza produzida no pais. A desigualdade social existente gera conflitos a medida que aqueles sem acesso aos bens de consumo e sem representação política, manifestam-se como insatisfeitos diante de sua condição. 0 Estado, por sua vez procura minimizá-los, tendo em vista a harmonia entre as classes, pois é preciso ordem para chegar ao progresso e, portanto, a sociedade como um todo, deve ter os mesmos interesses. Para resguarda-los, o Estado promulga leis que regulam a vida social e coíbem as manifestações, sem, contudo, coibir as diferenças sociais que as motivaram. A sua presença na vida social 6, conforme Gramsci (1988), cada vez mais coercitiva, do que consensual, ou estruturada na relação Estado/sociedade civil. A legislação que permeia a política criminal, segundo Ribeiro de Sá (1996, p.108) visa a "proteção da sociedade contra a ação arbitrária de seus malfeitores.

18 Is Esta proteção se efetivará pela punição, prevenção e dissuasão do comportamento criminoso". Segundo ele, a proteção da sociedade se dá pela proteção de seus bens jurídicos, ou seja o patrimônio e a pessoa, em relação à sua vida, honra e liberdade. As formas de se efetivar essa proteção são as leis e as penalidades para aqueles que a transgridem. A pena privativa da liberdade, 6 um exemplo, e é sobre esta forma de pena que nos deteremos neste trabalho. Com a privação da liberdade a contenção do crime contra os bens jurídicos, no entendimento de legislador se efetivaria de duas maneiras: "servindo de ensinamento e exemplo para os próprios condenados ao Ilies proporcionar os `merecidos' sofrimentos, ao mesmo tempo que lhes priva do direito de ir e vir e os impede de praticar novas agressões 'sociedade atemorizando com o sofrimento alheio os atuais e futuros infratores, ainda participantes de livre convívio social" (Ribeiro de SA, 1996, p.110). Segundo o autor, tendo em vista o caráter coercivo da pena de prisão para as pessoas que não estão presas, esta se torna mais preventiva que a pena de morte pelo fato de prolongar o sofrimento do condenado, sendo que a morte, cai no esquecimento. Assim, o Código Penal Brasileiro e a Lei de Execução Penal são orientados e inspiradas em dois princípios básicos da escola penal clássica: o "retributivismo", à medida que se retribui o mal cometido e no "utilitarismo" ã medida que se justifica sua utilidade social poder de dissuasão. A Lei de Execução Penal n , de 11 de julho de 1984, em seu primeiro artigo diz que: "Art. 1 A execução penal tem por objetivo efetivar as disposições de sentença ou decisão criminal e proporcionar condições para a harmônica integração social do condenado e do internado" (Mirabete, 1984, p.29).

19 19 Entenda-se por condenado aquele indivíduo cujo sentença transitou em julgado e esta cumprindo pena de reclusão; e por internado aquele que, por medida de segurança se encontra em Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico. Mas, para que ocorra a 'harmônica integração social', torna-se necessário cumprir os seguintes artigos: "Art A assistência ao preso e ao internado é dever do Estado, objetivando prevenir o crime e orientar o retorno convivência em sociedade. Parágrafo tif7ico. A assistência estende-se ao egresso. Art A assistência sera: 1 - material; 2- saúde; 3 - jurídica; 4 - educacional 5 - religiose." (Mirabete, 1984, p.30). O próprio Estado compreende a necessidade da existência destes quesitos para o cumprimento dos objetivos de pena-prisão e não resistência ou harmônica integração, inclusive do egresso. No entanto, quem acompanha a realidade prisional brasileira, o que não é tão fácil, devido As distorções de mídia sensacionalista, percebe a divergência existente entre a lei e o que ocorre por trás dos muros. 0 descumprimento da lei, por parte do Estado gera inúmeros conflitos como fugas, motins e rebeliões, expondo a vida de presos e funcionários das instituições prisionais. Para Ribeiro de SA (1996, p.112) a implementação da lei descrita anteriormente, pressupõe "a efetivação da harmónica integração social supije a presença e a ação conjunta de uma complexa tecnologia discipliner. Esta tecnologia compreende: a racional distribuição do tempo e do espaço ocupado pelo prisioneiro e pelo internado; (...) o seiviço 'eficiente' da assistência jurídica; (...) o assíduo e amplo acompanhamento do serviço de assistência social, a freqüência e o desenvolvimento de um curricula escolar de aprendizado da cultura oficial vigente dominante,..."

20 20 Além de ser cumprida de forma precária, a lei tem por intuito modelar a mente do preso, para que aceite sua condição. Desta forma, não há estimulo para que desenvolva postura critica frente à realidade e para que se perceba como mais um a viver condições que são coletivas entre eles. 0 mecanismo disciplinar, que racionaliza a ocupação do tempo oóorre no sentido de regular os horários de banho de sol, café, almoço, janta e saídas para instituições que compõem a sociedade civil, pois para a maioria não há outra ocupação. Dai os inúmeros conflitos que surgem todos os dias. Com o intuito de sanar alguns dos problemas enfrentados, o Governo Federal inclui algumas propostas de soluções para as questões em seu Programa Nacional de Direitos Humanos, lançado pelo Ministério da Justiça em "É preciso dizer não banaliza ção da violência e proteger a existência humana. É neste contexto que o Governo brasileiro, sob a presidência de Fernando Henrique Cardoso, decidiu elaborar o Programa Nacional de Direitos Humanos. Direitos Humanos referem-se a um cem número de campos da atividade humane: o direito de ir e vir sem ser molested(); o direito de ser tratado pelos agentes do Estado com respeito e dignidade, mesmo tendo cometido uma infração; (..) o direito de exigir o cumprimento da lei e ainda, de ter acesso a um judiciário e ao Ministério Público que (...) não descansem enquanto graves violações de direitos humanos estejam impunes..." (PNDH, 1996,p.7). Dentre as propostas temos, a curto prazo: "Apoiar programas de emergência para corrigir as condições inadequadas das prisões: criar (70 VOS estabelecimentos e aumentar o número de vagas no pais em parceria com os Estados, utilizando-se recursos do Fundo Penitenciário Nacional FUNPEN". "Promover a discussão, em âmbito nacional, sobre a necessidade de repensar as formes de punição ao cidadão infrator, incentivando o Poder Judiciário a utilizar as penas alternatives contidas nas leis vigentes com vistas a minimizer a crise do sistema penitenciário" (PNDH,1996, p.22). Conforme Araújo (1998,p.2): "Construir mais prisões é inviável. Uma prisão para 500 presos custa entre 8 milhões e 15 milhões de dólares." Segundo informações

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS Camila Silvia Martinez Perbone 30* As penalidades, desde os primórdios da civilização, sempre tiveram a finalidade de punir de modo severo, apenas para restabelecer

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

PROGRAMA PATRONATO: RESSOCIALIZAÇÃO EM BUSCA DE DIGNIDADE

PROGRAMA PATRONATO: RESSOCIALIZAÇÃO EM BUSCA DE DIGNIDADE 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

Políticas Publicas de Ressocialização

Políticas Publicas de Ressocialização Primeiro Encontro Mato Grossense de Conselhos da Comunidade Políticas Publicas de Ressocialização ão Rosangela Peixoto Santa Rita 26 de junho de 2008. O Brasil já tem mais de 423 mil presos em seus cárceres;

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA TÍTULO: "DIÁRIO" DE UM EX - DETENTO : AS DIFICULDADES E PRECONCEITOS ENCONTRADOS, NO DIA A DIA,PARA RESSOCIALIZAÇÃO DO EX - PRESIDIÁRIO NEGRO NO BRASIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

ASSISTÊNCIA A SAÚDE À MULHER - PRESA: UM DIREITO NEGADO

ASSISTÊNCIA A SAÚDE À MULHER - PRESA: UM DIREITO NEGADO 1 ASSISTÊNCIA A SAÚDE À MULHER - PRESA: UM DIREITO NEGADO Hilderline Câmara de Oliveira Christianne Medeiros Cavalcante Eduardo Franco Correia Cruz Joseneide Sousa Pessoa dos Santos Universidade Federal

Leia mais

Associação de Proteção e Assistência aos condenados. Criação e Implantação nos Municípios

Associação de Proteção e Assistência aos condenados. Criação e Implantação nos Municípios Associação de Proteção e Assistência aos condenados Criação e Implantação nos Municípios O Método APAC O que é? A APAC é uma entidade civil de Direito Privado, com personalidade jurídica própria, destinada

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

Princípios norteadores

Princípios norteadores Princípios norteadores A Associação pela Reforma Prisional, Conectas Direitos Humanos, Instituto dos Defensores de Direitos Humanos, Instituto Sou da Paz, Instituto Terra, Trabalho e Cidadania, Instituto

Leia mais

Indicadores de Violência e Segurança Pública

Indicadores de Violência e Segurança Pública Indicadores de Violência e Segurança Pública 1 2 3 Indicadores de Violência e Segurança Pública Proposta: criação e implementação do Sistema Estadual de Informações de Violência e Segurança Pública Parcerias

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 Dispõe sobre as atribuições da Coordenação de Atendimento ao Preso Provisório da Defensoria Pública da Capital e dá outras providências.

Leia mais

As Propostas da Pastoral Carcerária Nacional em relação ao Eixo 6 Sistema Penitenciário da 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública (I CONSEG).

As Propostas da Pastoral Carcerária Nacional em relação ao Eixo 6 Sistema Penitenciário da 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública (I CONSEG). PASTORAL CARCERÁRIA NACIONAL - CNBB Praça Clovis Bevilácqua, 351, conj.501 Centro - 01018-001 - São Paulo - SP Tel/fax (11) 3313-5735, 3227-8683, 3101-9419 - gzgubic@uol.com.br - www.carceraria.org.br

Leia mais

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL Boaventura de Sousa Santos Coimbra, 20 de Julho de 12015 CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL DAS VIOLÊNCIAS

Leia mais

GISELE CALDEIRA DE FREITAS PROJETO DE PESQUISA APLICADA: A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO FRENTE AO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO

GISELE CALDEIRA DE FREITAS PROJETO DE PESQUISA APLICADA: A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO FRENTE AO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO GISELE CALDEIRA DE FREITAS PROJETO DE PESQUISA APLICADA: A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO FRENTE AO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO IBAITI 2013 3 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA DO IPA CURSO DE DIREITO PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MULHERES ENCARCERADAS FACE AO SISTEMA PUNITIVO NO BRASIL Letícia Paim Talavera PORTO ALEGRE 2011 Letícia

Leia mais

www.fecomercio-rj.org.br [ 1 ]

www.fecomercio-rj.org.br [ 1 ] www.fecomercio-rj.org.br [ 1 ] A SEGURANÇA PÚBLICA NO BRASIL 16 de abril de 2008 [ 2 ] (1 MENÇÃO) - SG1) Na sua opinião, quem tem mais responsabilidade pelo combate à criminalidade e violência contra as

Leia mais

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ Princípio A segurança pública deve promover a cidadania e prevenir a criminalidade. Princípio As políticas de segurança pública devem ser transversais.

Leia mais

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV Proposta de Recomendações GT dos Trabalhadores da CNV DOS CRIMES CONTRA A HUMANIDADE 1. Reconhecer e acatar as normas do direito internacional sobre crimes contra a humanidade. Ratificação da Convenção

Leia mais

A importância da correta execução penal para a segurança pública. Cristiano Lajóia

A importância da correta execução penal para a segurança pública. Cristiano Lajóia A importância da correta execução penal para a segurança pública Cristiano Lajóia Uma das primeiras coisas em que pensamos quando o assunto é Ministério Público (MP), é que o órgão tem duas funções no

Leia mais

PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR

PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR MARIA FERNANDA DE LIMA ESTEVES [1] Desde o início da história, a humanidade depara-se com o cometimento das mais diversas infrações, e, ao lado delas, surge

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR ELBERT DA CRUZ HEUSELER Mestre em Direito da Administração Pública Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais Pós Graduado em Estratégia e Relações Internacionais Especialista em Globalização e Brasil

Leia mais

RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público.

RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público. RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público. - Resumo e destaques objetivos da Conferência proferida no

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO Ana Sachs* 20/09/2009-07h00 Do UOL Notícias Em São Paulo Ainda que seja uma exigência da lei de Execuções Penais, o trabalho

Leia mais

BRASIL. (tradução não oficial para o português)

BRASIL. (tradução não oficial para o português) Distr. GERAL CCPR/C/BRA/CO/2 2 de Novembro 2005 Original: Inglês Comitê de Direitos Humanos 85ª Sessão CONSIDERAÇÃO DE RELATÓRIOS ENVIADOS POR ESTADOS PARTES SOB O ARTIGO 40 DO PACTO Observações finais

Leia mais

Egressos e mercado de trabalho. Sonora Édio Araújo : 00:26/00:45

Egressos e mercado de trabalho. Sonora Édio Araújo : 00:26/00:45 Egressos e mercado de trabalho Imagens externas de presídios no Rio de Janeiro. Imagem Édio Araújo Cooperativa eu quero Liberdade. Gráfico e imagens de apoio. Imagem Maíra Fernandes Presidente do conselho

Leia mais

A EDUCAÇÃO EM UM PRESÍDIO DE CURITIBA SEGUNDO OS PROFESSORES

A EDUCAÇÃO EM UM PRESÍDIO DE CURITIBA SEGUNDO OS PROFESSORES A EDUCAÇÃO EM UM PRESÍDIO DE CURITIBA SEGUNDO OS PROFESSORES Fernanda Bonatto * - PUCPR fernandabonatto@hotmail.com Romilda Teodora Ens ** - PUCPR romilda.ens@pucpr.br Resumo A presente investigação descreve

Leia mais

CICLO DE INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA 14/07/2014 TRABALHO PARA O PRESO

CICLO DE INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA 14/07/2014 TRABALHO PARA O PRESO TRABALHO PARA O PRESO Julho 2014 1 Sumário Categoria:... 3 Ementa... 3 Ideia... 4 Trabalho para o preso... 4 Nome do Pré-Projeto:... 4 Órgão executor:... 4 Início / Término da implementação:... 4 Público-alvo:...

Leia mais

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO TRABALHO VOLTA AO CRIME CARTILHA DO REEDUCANDO CARTILHA DO REEDUCANDO ÍNDICE Introdução...5 Deveres...6 Direitos...7 Disciplina...10 Sanções...11 Formulário para Habeas Corpus...12 Petição Simplificada...13

Leia mais

Rede de Defesa e Segurança

Rede de Defesa e Segurança Rede de Defesa e Segurança 1 PROGRAMA ALIANÇA PELA VIDA Objetivo: Estruturar ações integradas de prevenção, acolhimento e tratamento dos usuários e dependentes de álcool e outras drogas e seus familiares,

Leia mais

Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil.

Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil. Arquivo do Estado de SP O Uso dos Documentos de Arquivo na Sala de Aula Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil. Mariana Ramos Apolinário 2º semestre 2013 São Paulo SP

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM NOME DO ALUNO A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA DENTRO DO SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO

FACULDADE DE DIREITO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM NOME DO ALUNO A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA DENTRO DO SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO FACULDADE DE DIREITO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM NOME DO ALUNO A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA DENTRO DO SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 2010 NOME DO ALUNO A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA

Leia mais

PRINCIPAIS CONCLUSÕES SOBRE PRISÃO PROVISÓRIA EM CASOS DE FURTO: 1) HÁ PRISÃO PROVISÓRIA NA MAIORIA DOS CASOS

PRINCIPAIS CONCLUSÕES SOBRE PRISÃO PROVISÓRIA EM CASOS DE FURTO: 1) HÁ PRISÃO PROVISÓRIA NA MAIORIA DOS CASOS PRISÃO PROVISÓRIA EM CASOS DE FURTO ESTUDO REALIZADO EM CINCO REGIÕES BRASILEIRAS (NAS CIDADES DE RECIFE, BELÉM, DISTRITO FEDERAL, SÃO PAULO E PORTO ALEGRE). Resultado de pesquisa de mestrado em direito

Leia mais

Inclusão. Construindo o Futuro

Inclusão. Construindo o Futuro Inclusão. Construindo o Futuro Mostra Local de: Irati Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Conselho da Comunidade da Comarca de Irati

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

Sistema Penitenciário Paulista. Profª Dra. Rosalice Lopes

Sistema Penitenciário Paulista. Profª Dra. Rosalice Lopes Sistema Penitenciário Profª Dra. Rosalice Lopes Histórico A história do sistema penitenciário paulista começa em 1º/03/1892, quando o Decreto nº 28 criou a Secretaria da Justiça. Até o início de 1979,

Leia mais

Políticas Públicas sobre drogas no Brasil. Luciana Cordeiro Aline Godoy

Políticas Públicas sobre drogas no Brasil. Luciana Cordeiro Aline Godoy Políticas Públicas sobre drogas no Brasil Luciana Cordeiro Aline Godoy O que são políticas públicas? Para que servem? Como são elaboradas? Políticas Públicas para quê? Instrumento na organização da sociedade

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

CRESS / 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social RJ

CRESS / 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social RJ OFÍCIO /CRESS/SEC/Nº 0535/2013 Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2013 De: Conselho Regional de Serviço Social 7ª Região À Comissão de Juristas com a finalidade de realizar estudos e propor atualização

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

O CONSUMO DE DROGAS DEVE SER DESCRIMINALIZADO?

O CONSUMO DE DROGAS DEVE SER DESCRIMINALIZADO? O CONSUMO DE DROGAS DEVE SER DESCRIMINALIZADO? (Revista Época nº 897 17/08/2015 pág. 57) Há nítida diferença entre o consumidor de drogas, levado ao vício pelo traficante, e este. O primeiro inicia-se

Leia mais

CURSO DE MONITOR DA SOCIAL CARCERÁRIA FASE 01/04

CURSO DE MONITOR DA SOCIAL CARCERÁRIA FASE 01/04 CURSO DE MONITOR DA SOCIAL CARCERÁRIA FASE 01/04 PROGREESSÃO DE REGIME PRISIONAL www.socialcarceraria.org.br lealdade profissionalismo justiça e liberdade ORIENTAÇÃO PEDIDO DE A TESTADO DE PERMANÊNCIA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 47 Discurso em mesa-redonda com membros

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SEGURANÇA PÚBLICA OUTUBRO/2011

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SEGURANÇA PÚBLICA OUTUBRO/2011 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SEGURANÇA PÚBLICA OUTUBRO/2011 PESQUISA CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto

Leia mais

Os homens no cenário da Lei Maria da Penha

Os homens no cenário da Lei Maria da Penha Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Os homens no cenário da Lei Maria da Penha Maria Lúcia Chaves Lima (UFP), Ricardo Pimentel Mello (UFC) Lei Maria

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO NO SISTEMA PRISIONAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPASSES DE UMA POLÍTICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO HOMEM PRESO.

EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO NO SISTEMA PRISIONAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPASSES DE UMA POLÍTICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO HOMEM PRESO. EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO NO SISTEMA PRISIONAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPASSES DE UMA POLÍTICA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO HOMEM PRESO. Marilsa Fátima Favaro, FE/UNICAMP. mfavaro99@hotmail.com Resumo: A proposta

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Entrevista com Pedro (nome fictício), egresso do sistema prisional.

Entrevista com Pedro (nome fictício), egresso do sistema prisional. Entrevista com Pedro (nome fictício), egresso do sistema prisional. 1) (Cristiano) Pedro, é o seguinte, estamos construindo aqui um livro falado, e é um livro sobre o exame criminológico. E nós estivemos

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução: A Pena 2. A Pena na Constituição Federal de 1988 3. Finalidades da pena 4. Espécies de pena no Código Penal brasileiro 5. Direito Penitenciário 6. Legislação 7. Aplicação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso em jantar oferecido ao

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA. SUGESTÃO N o 24, DE 2007

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA. SUGESTÃO N o 24, DE 2007 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO N o 24, DE 2007 Propõe Projeto de Lei que estabelece a existência de um posto de saúde para cada complexo prisional com mais de 1200 detentos e unidades prisionais

Leia mais

PESQUISA MAIORIDADE PENAL

PESQUISA MAIORIDADE PENAL PESQUISA MAIORIDADE PENAL OBJETIVOS Entender o pensamento da população do Rio sobre a redução da maioridade penal; Saber se ela é favorável a mudança das penalidades aplicadas ao menor infrator; Buscar

Leia mais

Regras Mínimas das Nações Unidas para a Administração da Justiça da Infância e da Juventude. Regras de Beijing. *

Regras Mínimas das Nações Unidas para a Administração da Justiça da Infância e da Juventude. Regras de Beijing. * Regras Mínimas das Nações Unidas para a Administração da Justiça da Infância e da Juventude. Regras de Beijing. * PRIMEIRA PARTE. PRINCÍPIOS GERAIS 1. Orientações fundamentais 1.1. Os Estados Membros procurarão,

Leia mais

10 de Setembro de 2013

10 de Setembro de 2013 10 de Setembro de 2013 TJDFT na mídia http://tjdft2013.myclipp.inf.br Segunda-feira, 09 de Setembro de 2013 Revista Veja/SP Brasil Seg, 09 de Setembro de 2013. 07:48:00. REVISTA VEJA BRASIL TJDFT TRIBUNAL

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

Sobre a criminalização das ocupações urbanas

Sobre a criminalização das ocupações urbanas Sobre a criminalização das ocupações urbanas Mauri J.V Cruz 1 Que as lutas e conflitos sociais são tratados no Brasil como caso de polícia nós já sabemos há muitos anos. Esta prática, infelizmente, não

Leia mais

5. Considerações finais

5. Considerações finais 99 5. Considerações finais Ao término da interessante e desafiadora jornada, que implicou em estabelecer um olhar crítico e relativamente distanciado em relação ao universo pesquisado, na medida em que

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais

Realização. Estados Vizinhos Convidados

Realização. Estados Vizinhos Convidados Relatório-síntese do III Seminário de Articulação Nacional e Construção de Diretrizes para a Educação no Sistema Penitenciário Regional Sul Centro Administrativo Porto Alegre - RS 6 e 7 de março de 2006

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA TÍTULO I DA ÉTICA DA ORDEM DO MÉRITO SOCIAL CAPÍTULO I DAS REGRAS FUNDAMENTAIS

CÓDIGO DE ÉTICA TÍTULO I DA ÉTICA DA ORDEM DO MÉRITO SOCIAL CAPÍTULO I DAS REGRAS FUNDAMENTAIS CÓDIGO DE ÉTICA TÍTULO I DA ÉTICA DA ORDEM DO MÉRITO SOCIAL CAPÍTULO I DAS REGRAS FUNDAMENTAIS Art. 1º O exercício do Agente do Mérito do Elo Social exige conduta compatível com os preceitos deste Código,

Leia mais

Avaliação da coordenação da Pastoral Carcerária SP sobre o sistema prisional

Avaliação da coordenação da Pastoral Carcerária SP sobre o sistema prisional São Paulo, 19 de junho de 2006 Avaliação da coordenação da Pastoral Carcerária SP sobre o sistema prisional O Estado de São Paulo vive hoje o clima do pós-rebeliões, do pós-confronto do crime organizado

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL Sistema Integrado de Informações Penitenciárias InfoPen

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL Sistema Integrado de Informações Penitenciárias InfoPen Habitantes Habitantes no estado 2585000 2482500 506750 na Polícia Polícia 3444 132 3576 1 100% 0 0% 1 100% Presos Provisórios 1900 90 199 População (1) Sistema Penitenciário Presos Condenados Regime Fechado

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS

SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS BARBOSA, Lenires Terezinha de Oliveira Toledo1 JARDIM, Edeveraldo Alessandro da Silva2 NASCIMENTO, Rogerio3 SILVA, Cristiane

Leia mais

Carta da Terra. www.oxisdaquestao.com.br PREÂMBULO

Carta da Terra. www.oxisdaquestao.com.br PREÂMBULO 1 www.oxisdaquestao.com.br Carta da Terra PREÂMBULO Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a humanidade deve escolher o seu futuro. À medida que o mundo torna-se cada

Leia mais

A PRÁTICA PSICOLÓGICA EM UMA U IDADE PRISIO AL DE REGIME SEMIABERTO

A PRÁTICA PSICOLÓGICA EM UMA U IDADE PRISIO AL DE REGIME SEMIABERTO A PRÁTICA PSICOLÓGICA EM UMA U IDADE PRISIO AL DE REGIME SEMIABERTO 2013 Psicóloga do Sistema Prisional Paulista. Especialista em Psicologia Jurídica (Brasil) Email: borgeskb@gmail.com RESUMO Este texto

Leia mais

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão SUMÁRIO Apresentação Introdução Soluções para resolv esolver er a violência e a criminalidade Popularidade de possíveis soluções Políticas sociais x políticas de segurança Redução da maioridade penal Legislação

Leia mais

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS 1 Introdução O presente estudo se insere no contexto do sistema penitenciário feminino e, empiricamente, tem como tema as

Leia mais

CAPÍTULO 10. Enfoque Comportamental na Administração

CAPÍTULO 10. Enfoque Comportamental na Administração CAPÍTULO 10 Enfoque Comportamental na Administração MAXIMIANO /TGA Fig. 9.1 A produção robotizada, que ilustra o sistema técnico das organizações, contrasta com o sistema social, formado pelas pessoas

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES ÍNDICE PREFÁCIO par. pág. Razão de ser 1-3 13 Os objectivos 4-5 13 A origem 6-8 13 Agradecimentos: aos redactores 9 14 Agradecimentos: aos patrocinadores 10 14 Aos destinatários 11 14 ONDE COMEÇA O MANUAL

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55 Planejamento Estratégico Criança e Adolescente 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 56 INTRODUÇÃO Tema: Criança e Adolescente A questão da infância

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

O Ministério Público do DF. Apoia

O Ministério Público do DF. Apoia O Ministério Público do DF Apoia CAMPANHA 10 MEDIDAS CONTRA A CORRUPÇÃO Sofremos, no Brasil, com altos índices de corrupção. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), estima-se que, aproximadamente,

Leia mais

EDUCAR OU REMEDIAR, QUEM GASTA MAIS, UM ALUNO OU UM PRESIDIÁRIO?

EDUCAR OU REMEDIAR, QUEM GASTA MAIS, UM ALUNO OU UM PRESIDIÁRIO? ISSN 2316-7785 EDUCAR OU REMEDIAR, QUEM GASTA MAIS, UM ALUNO OU UM PRESIDIÁRIO? Resumo Alexandre da Silva Faculdades Integradas de Taquara (FACCAT) alexandre.pratessilva@gmail.com Atualmente no Brasil,

Leia mais

3 O Serviço Social no setor de ONGs

3 O Serviço Social no setor de ONGs 3 O Serviço Social no setor de ONGs Uma análise sobre a atuação do assistente social em organizações não governamentais (ONGs) deve partir da reflexão sobre a configuração da sociedade civil brasileira,

Leia mais

O desafio da educação nas prisões

O desafio da educação nas prisões Fotos: Christian Montagna O desafio da educação nas prisões A educação prisional, mais do que um instrumento de reintegração social, é um direito conferido aos presos pela igualdade sacramentada na Declaração

Leia mais

REGRAS MÍNIMAS DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA, DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE (REGRAS DE BEIJING)

REGRAS MÍNIMAS DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA, DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE (REGRAS DE BEIJING) REGRAS MÍNIMAS DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA, DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE (REGRAS DE BEIJING) PRIMEIRA PARTE - PRINCÍPlOS GERAIS 1. Orientações fundamentais 1.1 Os Estados Membros procurarão,

Leia mais

O que acontece quando o Código Deontológico dos Jornalistas é violado

O que acontece quando o Código Deontológico dos Jornalistas é violado O que acontece quando o Código Deontológico dos Jornalistas é violado Florbela Batalha Ramiro Marques (Orientação) 1. Introdução O Código Deontológico é um documento que reúne um conjunto de regras que

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 6, ANO III JUNHO DE 2011 1 TRIBUTOS COM EXIGIBILIDADE SUSPENSA NÃO PODEM SER DEDUZIDOS DA CSLL De acordo com o CARF, os valores provisionados

Leia mais

Educação e Políticas Sociais no Brasil

Educação e Políticas Sociais no Brasil lucianapsico@yahoo.com.br Educação e Políticas Sociais no Brasil Este trabalho apresenta resultados parciais de uma dissertação de mestrado que vem sendo desenvolvida no Programa de Pós Graduação da Faculdade

Leia mais

A redução da maioridade penal não é a solução

A redução da maioridade penal não é a solução A redução da maioridade penal não é a solução Mandato do Deputado Estadual Marcelo Freixo 2 Redação: Ana Marcela Terra Bruno Villa Sidney Teles Tomás Ramos Edição: Renata Souza Revisão: Bruno Villa Fotos:

Leia mais

EXECUÇÃO E GESTÃO DE COOPERATIVA: A RESSOCIALIZAÇÃO E A CONSEQUENTE DIMINUIÇÃO DO ÍNDICE DE REINCIDÊNCIA SÃO POSSÍVEIS

EXECUÇÃO E GESTÃO DE COOPERATIVA: A RESSOCIALIZAÇÃO E A CONSEQUENTE DIMINUIÇÃO DO ÍNDICE DE REINCIDÊNCIA SÃO POSSÍVEIS 1 EXECUÇÃO E GESTÃO DE COOPERATIVA: A RESSOCIALIZAÇÃO E A CONSEQUENTE DIMINUIÇÃO DO ÍNDICE DE REINCIDÊNCIA SÃO POSSÍVEIS Rosi Keli Guedes 1 Resumo O crescente número de casos de reincidência de ex-detentos

Leia mais

AS ENTIDADES NÃO GOVERNAMENTAIS E O ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE: A EXPERIÊNCIA DO GAFAM/AE

AS ENTIDADES NÃO GOVERNAMENTAIS E O ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE: A EXPERIÊNCIA DO GAFAM/AE AS ENTIDADES NÃO GOVERNAMENTAIS E O ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE: A EXPERIÊNCIA DO GAFAM/AE Amália Madureira Paschoal Anna Débora Fritzen Marcante Jaqueline Nadir da Silva Patrícia Ortigosa Chaves

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista

Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista 1 SUMÁRIO DEDICATÓRIAS E AGRADECIMENTOS 02 CARTA DE APRESENTAÇÃO 03 O QUE SERIA O SOFRIMENTO FÍSICO? 04 E O SOFRIMENTO MENTAL? 04 TORTURA-PROVA 05 TORTURA

Leia mais

SISTEMA PRISIONAL: AS DIVERGÊNCIAS SOBRE SUA VERDADEIRA FUNÇÃO

SISTEMA PRISIONAL: AS DIVERGÊNCIAS SOBRE SUA VERDADEIRA FUNÇÃO SISTEMA PRISIONAL: AS DIVERGÊNCIAS SOBRE SUA VERDADEIRA FUNÇÃO Fernando Diego * Janainy Martins de Carvalho * Juliendel Alves de Moraes * Valleska Tayane Felipe Faria * Rafael Pereira de Menezes * Sílvio

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO FABIANO CONTARATO, brasileiro, solteiro, com 48 anos de idade, Delegado de Polícia Civil e Professor Universitário,

Leia mais

ALBERTO MARQUES DOS SANTOS Juiz de Direito

ALBERTO MARQUES DOS SANTOS Juiz de Direito ALBERTO MARQUES DOS SANTOS Juiz de Direito CRIMINALIDADE causas e soluções Juruá Editora Curitiba, 2006 CATALOGAÇÃO NA FONTE S237 Santos, Alberto Marques dos. Criminalidade: causas e soluções./ Alberto

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL Sistema Integrado de Informações Penitenciárias InfoPen

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL Sistema Integrado de Informações Penitenciárias InfoPen Quantidade de Habitantes Habitantes no estado Quantidade de Presos na Polícia Polícia População (1) Capacidade de Ocupação (1) Estabelecimentos Penais (1) Quantidade de Presos/Internados Sistema Penitenciário

Leia mais

Considerando a inspeção empreendida no dia 19.09.2012 no Centro de Recuperação Feminina;

Considerando a inspeção empreendida no dia 19.09.2012 no Centro de Recuperação Feminina; Considerando que ao Conselho Penitenciário do Estado do Pará compete, de acordo com o Decreto 418/79, inspecionar os estabelecimentos prisionais sediados no Estado do Pará, com objetivo de assegurar condições

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO E NO

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais