GESTÃO DE PESSOAS: O ENDOMARKETING NO SISTEMA PRISIONAL Penitenciária I de Balbinos SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE PESSOAS: O ENDOMARKETING NO SISTEMA PRISIONAL Penitenciária I de Balbinos SP"

Transcrição

1 1 UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Administração Itamar Aparício de Oliveira GESTÃO DE PESSOAS: O ENDOMARKETING NO SISTEMA PRISIONAL Penitenciária I de Balbinos SP LINS SP 2008

2 2 ITAMAR APARICIO DE OLIVEIRA GESTÃO DE PESSOAS: O ENDOMARKETING NO SISTEMA PRISIONAL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Banca Examinadora do Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, curso de Administração sob a orientação do Profº M.Sc Paulo Jair Viottto e orientação técnica da Profª Esp. Ana Beatriz Lima. LINS-SP 2008

3 3 ITAMAR APARICIO DE OLIVEIRA GESTAO DE PESSOAS: O ENDOMARKETING NO SISTEMA PRISIONAL Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, para a obtenção do título de Bacharel em Administração. Aprovada em:.../.../... Banca Examinadora: Profº Orientador : Paulo Jair Viotto Titulação: Mestre em ciências gerenciais pela Universidade de Marília. Assinatura: 1ºProf.(ª): Titulação: Assinatura: 2ºProf.(ª): Titulação: Assinatura:

4 4 Dedico esta conquista, primeiramente a Deus, que, com seu amor misericordioso e paciente, me forneceu todas as ferramentas necessárias para chegar até aqui e a todos os que Ele colocou em minha vida. Ao Sr. Luiz França de Oliveira, administrador nato e meu maior incentivador. A Sra. Júlia Benedita Vasiules de Oliveira, que com seu carinho de mãe mais parece uma xerografia da Mãe Auxiliadora. Ao André, exemplo de administrador arrojado. A Dayana, fiel companheira que esteve sempre presente. Aos amigos que me suportam e acreditam nos meus ideais. Itamar Aparício de Oliveira.

5 5 Agradecimentos A Deus, Obrigado por me dar forças e abrir os caminhos para que eu pudesse ter chego até aqui. À Penitenciária I de Balbinos, Agradeço a todos os funcionários e diretores que se dispuseram a contribuir com esse trabalho. Aos Orientadores, Bia e Viotto, obrigado pelos ensinamentos e por disponibilizarem, sem medidas, atenção e conhecimentos. Aos professores e mestres, Obrigado a todos os que ao longo desses anos contribuíram, cada um com sua parcela, para o meu crescimento. A todos o meu muito obrigado!

6 10 RESUMO Com a globalização do mercado e o surgimento da era da qualidade total, estudiosos da Administração perceberam que, na maioria das vezes, as pessoas constituem o capital mais importante das organizações. Assim, muitas empresas focalizam a gestão de pessoas como estratégia gerencial para se tornarem mais competitivas, surgindo então o endomarketing, que, de uma forma resumida, se conceitua como o marketing voltado para o cliente interno. O sistema prisional tem por objetivo inserir novamente o individuo preso, de forma reabilitadora na sociedade e os agentes responsáveis por esse trabalho são expostos aos influxos deletérios da prisão que podem levá-los ao distanciamento dos valores sociais normais e muitas vezes os tornam desmotivados. A insalubridade e a periculosidade existentes nos locais de exercício dessa função, propiciam aos funcionários, situações que os levam a um baixo nível de motivação e comprometimento com a instituição, além de afetar a saúde física e psicológica dos mesmos. Os problemas existentes comumente nas organizações prisionais devem ser combatidos com ações voltadas a dar suporte aos funcionários para que eles consigam se motivar. A gestão de pessoas nesse ambiente deve ser feita com muita cautela e atenção, pois, os relacionamentos com pessoas que apresentam comportamento tido como normal pela sociedade já é instável, portanto, muito mais complexo é o trabalho dos agentes penitenciários que trabalham diretamente com pessoas que tiveram algum desvio de conduta e se distanciaram dos valores sociais. A falta de um significado no trabalho que os agentes desenvolvem é apontada como variável que inibe a motivação. Nesse contexto, o endomarketing pode ser usado como ferramenta para aumentar a motivação desses funcionários e criar condições para que eles desenvolvam suas funções de forma mais satisfatória. O endomarketing, com a utilização de uma gerencia participativa e a busca de uma valorização do funcionário, é uma das principais ferramentas gerenciais para o sucesso de uma instituição prisional. Palavras-Chave: Endomarketing. Gestão. Pessoas. Motivação.

7 11 ABSTRACT With the globalization of market and appearance of the era of total equality, experts of administration perceibed that, most of the time, people constitute the most important capital of organizations. So, many companies focus the management of people as management strategy to become more competitive, emerging the endomarketing, which, in a short way, if form as the marketing is returned to the internal client. The prison system aims to relocate the arrested person to resocialize in the society and the agents responsible for this work are exposed to inflows of the prisons that may take them to distance of the regular social values and many times make them demotivating. Unsanitary and hazard existing in places of this function, offer for the employees situations that takes them to a low level of motivation and commitment with the institution, besides to affect the physical and psychological health of them. The existing problems commonly in the prison organizations must be fight with actions returned support to the employees so that they can motivate themselves. The people management in this environment must be done with a lot caution and attention, because the relationships with people who present behavior held as normal by the society, is already unstable, therefore, much more complex is the work of the Prison Officers who work directly with people that had some diversion of conduct and have got away of the social values. The lack of meaning at work that the agents develop is pointed as a variable that inhibit the motivation. In this context, endomarketing may be used as a tool to increase the motivation of these employees and create condition so they develop their duties of forn more satisfatory. The endomarketing, with the use of a participatory management and the search of a enhancement of the employee, is one of the main management tools to the success of a prisonal institution. Key words: Endomarketing. Management. People. Motivation.

8 6 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Projetos fundamentais de Gestão de RH Figura 2: Pirâmide de Maslow Figura 3: Entrada da Penitenciária I de Balbinos Figura 4: Veículo usado para o transporte de presos Figura 5: Sub portaria da Penitenciária I de Balbinos Figura 6: Instalações da Penitenciária I de Balbinos Figura 7: Organograma da Penitenciária Figura 8: Grau de motivação Figura 9: Grau de motivação Figura 10: Grau de motivação Figura 11: Grau de motivação Figura 12: Grau de motivação Figura 13: Grau de motivação Figura 14: Tipo de liderança Figura 15: Tipo de liderança Figura 16: Tipo de liderança Figura 17: Tipo de liderança Figura 18: Tipo de liderança Figura 19: Tipo de liderança LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ASP Agente de Segurança Penitenciário SAP Secretaria da Administração Penitenciária

9 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPITULO I A GESTÃO DE PESSOAS E SUA IMPORTÂNCIA NA BUSCA DE MELHORIAS GESTÃO DE PESSOAS A satisfação do cliente O cliente interno As teorias X e Y Gerencia Participativa A cultura Organizacional Análise do ambiente interno Motivação Ambiente e motivação O endomarketing Planejamento básico de endomarketing Empregando o endomarketing CAPÍTULO II A PENITENCIÁRIA I DE BALBINOS HISTÓRICO A Penitenciária I de Balbinos A Missão As instalações físicas e as atividades As instalações para os funcionários Organograma As dificuldades CAPÍTULO III A PESQUISA INTRODUÇÃO Relato e discussão sobre a motivação dos funcionários Relato e entrevista feita aos diretores Parecer final do caso... 35

10 8 PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES APÊNDICE A Roteiro de estudo de caso APÊNDICE B Roteiro de observação sistemática APÊNDICE C Roteiro de entrevista aos funcionários APÊNDICE D Roteiro de entrevista para os diretores... 45

11 9 O47g Oliveira, Itamar Aparício de Gestão de pessoas: o endomarketing no sistema prisional: Penitenciária I de Balbinos - SP / Itamar Aparício de Oliveira. Lins, p. il. 31cm. Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium UNISALESIANO, Lins-SP, para graduação em Administração, 2008 Orientadores: Paulo Jair Viotto; Ana Beatriz Lima 1. Gestão de Pessoas. 2. Endomarketing. 3. Motivação. I Título. CDU 658 ~

12 10 INTRODUÇÃO Há muito tempo, as organizações, sejam elas quais forem e a que ramo de atividade pertençam, perceberam que a satisfação de seus clientes é um dos fatores mais importantes para o sucesso de seu negócio. A partir de então, instaurou-se no mercado uma verdadeira maratona em busca de, mais do que satisfazer, encantar o cliente. Segundo Chiavenato, (1999, p.4), em vez de investirem diretamente nos clientes, elas estão investindo nas pessoas que os atendem.... Então, o grau de motivação dos funcionários passa a ser visto como um termômetro que aponta a abertura da organização para um mercado cada vez mais competitivo. Descobrir o significado do trabalho e as vantagens que ele trás, torna-se imprescindível para que o funcionário tenha motivação em desenvolver suas atividades. Na contramão de tudo isso, estão os serviços prestados pelo funcionalismo público, que, na maioria das vezes, é apontado por grande parte das pessoas como de baixa qualidade e ineficientes. A burocratização de algumas repartições, somado à utilização de métodos e processos ultrapassados e a falta de uma fiscalização permanente nos serviços prestados talvez justifique parte desta insatisfação da população, mas, veremos nesse trabalho, que a motivação é particular a cada pessoa e o gestor de pessoas deve fornecer condições para que os seus comandados se desenvolvam. Para Dutra, (1996, p.137), a gestão de pessoas até o presente momento tem se focalizado mais no controle dos recursos humanos do que em seu desenvolvimento. Pode-se observar claramente que quando as empresas buscam desenvolver os seus colaboradores e os manter motivados, as mesmas colhem, geralmente bons frutos, principalmente a médio e longo prazo. Os funcionários do sistema prisional paulista, administrado pela Secretaria da Administração Penitenciaria SAP além das limitações comuns a todos os funcionários públicos, trabalham com a parcela da sociedade marginalizada e classificada como de alta periculosidade e o contato com essa população carcerária cria dentre outros, o fenômeno da prisionização, que é a

13 11 assimilação dos costumes da vida carcerária e o distanciamento dos padrões sociais normais. Mussak (2007, p.106) afirma que um clima saudável aceita a diferença de opinião, a discussão calorosa e até um certo nível de estresse... Buscar o aumento da motivação e uma melhoria na qualidade de vida dos funcionários pode ser a melhor maneira de fornecer condições para que os mesmos executem suas funções da melhor forma possível. A partir do que foi estudado, surgiu a seguinte pergunta: Até que ponto o endomarketing deve ser usado como ferramenta para a melhoria da motivação do quadro funcional de uma instituição prisional? Em resposta a essa pergunta, foi apontada a seguinte hipótese: Os funcionários do sistema prisional são expostos a atividades de elevado grau de estresse e baixo nível motivacional e o endomarketing é de suma importância para amenizar os problemas adquiridos com essas adversidades. Com o objetivo de demonstrar na prática a veracidade da hipótese apresentada, foi realizada uma pesquisa de campo na penitenciaria I de Balbinos no período de Fevereiro a Setembro de 2008, utilizando-se como métodos e técnicas de pesquisa: estudo de caso e observação sistemática. O trabalho conta com o Capítulo I, que trata dos conceitos de Gestão de Pessoas e o Endomarketing, o Capítulo II que tem um breve histórico do sistema prisional paulista e da penitenciária I de Balbinos SP e o Capítulo III que traz a pesquisa realizada nesta Organização. Finalizando o trabalho, teremos a proposta de intervenção e a conclusão.

14 12 CAPITULO I A GESTÃO DE PESSOAS E SUA IMPORTÂNCIA NA BUSCA DE MELHORIAS 1 GESTÃO DE PESSOAS A gestão de pessoas é uma das ferramentas mais importantes que uma empresa tem para aumentar sua produtividade e atingir seus objetivos. As empresas devem investir não apenas nos tomadores de decisão, mas em todo o corpo funcional para obter melhores resultados. Gerir pessoas consiste não apenas em controlar, mas também em buscar desenvolve-las. Mais isso nem sempre é fácil, principalmente diante da instabilidade emocional das pessoas e as suas diferentes formas de reações diante das diferentes situações que o dia-a-dia trás. A gestão de pessoas deve englobar uma série de fatores que, agindo em conjunto proporcionam as condições necessárias para as pessoas desempenharem suas funções. O mercado sofre constantes mudanças e a cada dia surgem novas tendências que devem ser acompanhadas pelas empresas. As inovações que o mercado apresenta, exige das organizações, profissionais bem preparados, que possam atender, de forma mais satisfatória possível as necessidades dos clientes. Segundo Fernandes (1996), tais inovações exigirão novas posturas, novos comportamentos, novas concepções sobre a gestão de recursos humanos. Sendo assim, faz-se necessário um projeto fundamental de Gestão de Pessoas. Por projetos fundamentais de gestão de pessoas, entendemos, uma política de cargos e salários, treinamento conectado à ascensão profissional, plano de carreira, pesquisa salarial, empowerment groups (delegação de poderes aos grupos), projetos de produtividade, estrutura de endomarketing, flexibilização hierárquica e a pesquisa de clima organizacional. Tudo isso deve estar agindo em conjunto para se obter melhores resultados.

15 13 O sucesso de uma organização depende muito das pessoas que nela trabalha e o desenvolvimento das mesmas depende de uma série de fatores que devem agir em conjunto, como podemos observar na figura a seguir: Fonte:www.skywalker.com.br/artigos/imagens/fig3/2008 Figura 1: Projetos fundamentais de Gestão de RH 1.1 A satisfação do cliente As organizações desenvolvem suas atividades, voltadas a satisfazerem às necessidades e desejos de seus clientes, que são os que as fazem viver ou sobreviver no mercado. O crescimento do mercado e o surgimento de um número cada vez maior de empresas, faz com que se crie um ambiente competitivo e as organizações se deparam com um cenário onde já não basta satisfazer, é

16 14 preciso encantar o cliente, é preciso ir um pouco além daquilo que o cliente espera. Os clientes cada vez mais estão atentos a qualidade dos produtos ou serviços que consomem e essa crescente exigência por parte deles exigem das organizações uma postura de mais empenho e atenção em relação a eles O cliente interno A melhor forma de atender a clientes cada vez mais exigentes, é a busca incessante pela qualidade dos produtos ou serviços prestados. Os colaboradores da empresa são, na maioria das vezes, os grandes responsáveis pelo sucesso ou fracasso da organização. Nesse contexto, os funcionários devem ser tratados como clientes internos da organização e tanto quanto os clientes externos, precisam de motivos para se manterem satisfeitos com organização e colaborarem com ela. 1.2 As teorias X e Y Segundo Douglas McGregor, autor da teoria X e da teoria Y, a organização tradicional, com a decisão centralizada e o controle exterior do trabalho, se baseia em suposições a respeito da natureza humana e da motivação do homem. A Teoria X, afirma que a maioria das pessoas não gostam de assumir responsabilidades e não se interessam pelo serviço, elas preferem ser dirigidas e não gostam de trabalhar. Os gerentes que aceitam a teoria X procuram supervisionar e controlar seus subordinados com muita rigidez e nem sempre conseguem bons resultados. Já a Teoria Y, supõe que as pessoas não são por natureza preguiçosas e é preciso uma compreensão mais exata da natureza e do comportamento humano e sua motivação. Segundo essa teoria, as pessoas se interessam pelo trabalho e o encaram como natural, desde que as condições sejam favoráveis.

17 Gerencia participativa Encontramos como uma das formas mais eficazes e que traz melhores resultados na gestão de pessoas, a chamada gerencia participativa, onde a principal característica é que as decisões são tomadas diante da obtenção das opiniões de todas as pessoas envolvidas. Para que a gerencia participativa ocorra, é de fundamental importância que a liderança exercida pelo gerente seja uma liderança carismática, ou seja, que ela tenha sido conquistada e não imposta de forma autoritária. O líder carismático consegue o comprometimento dos seus liderados e maior produtividade dos mesmos com muito mais eficiência do que um líder imposto pela organização e que não leva em conta a opinião dos colaboradores. Em geral, as pessoas se sentem motivadas quando visualizam que são importantes no desenvolver dos processos ou atividades que as organizações desenvolvem. Além de administrar as pessoas, o gerente deve buscar desenvolve-las, incentivando-as a melhorar suas habilidades. O gestor de pessoas deve ter atenção especial com os possíveis talentos da empresa, sem, contudo, se esquecer dos demais. 1.4 A cultura organizacional A cultura organizacional está ligada aos costumes e rituais que a empresa possui no desenvolver de suas atividades diárias e abrange todo corpo funcional. A cultura organizacional tem impacto principalmente na forma das pessoas se comunicarem e no ambiente criado no trabalho. Esse clima dentro da organização deve ser o mais saudável possível e as novas pessoas que vierem a fazer parte da empresa devem ser incentivadas a se adaptarem a essas normas e costumes. A cultura organizacional varia de uma organização para outra e é ela que define o ambiente organizacional, que deve ser trabalhado para se tornar favorável para que as pessoas sejam mais prestativas e motivadas, o que resultará em maior produtividade para a empresa. Um bom clima

18 16 organizacional resulta em boas chances de sucesso para qualquer tipo de organização. Numa cultura avançada, todos devem falar a mesma linguagem, baseada em valores consensados. Os treinamentos modernos devem introduzir conceitos culturais que facilitem o comprometimento, mas não basta treinar por treinar; é preciso globalizar, atingindo chefias e, se possível, todos os funcionários da empresa. (CERQUEIRA, 1999) O ambiente organizacional deve ser projetado com o intuito de criar condições mais favoráveis para o bom relacionamento entre as pessoas. Funcionários vindos de outras organizações devem ser logo familiarizados com as normas e costumes da nova organização e observados se não trazem algum costume que seja prejudicial ao novo ambiente. 1.5 Análise do ambiente interno Cada ambiente propicia condições diferentes que podem levar os funcionários a se motivarem ou a se frustrarem. Segundo Chiavenato (2003), a ação organizacional nem sempre cria condições motivacionais suficientes para melhorar a qualidade de vida das pessoas e trazer interesse e satisfação no trabalho. 1.6 Motivação Normalmente, ninguém trabalha de graça. As pessoas recebem algum tipo de incentivo para desenvolverem suas atividades e a esses incentivos podemos chamar de fatores motivacionais. Como vemos na teoria de MASLOW, o ser humano possui necessidades que podem ser divididas e hierarquizadas em cinco partes. A primeira necessidade é a fisiológica, que constitui o nível mais baixo de todas as necessidades humanas como alimentação, o sono e repouso, abrigo e outros, seguido da necessidade de segurança, que leva a pessoa a se proteger de

19 17 qualquer perigo, real ou imaginário. A terceira é a necessidade que as pessoas têm de serem aceitas na sociedade, de terem amizades, são as chamadas necessidades sociais. A quarta necessidade é a de estima, está relacionado com a maneira com que a pessoa se avalia. E por ultimo aparece a necessidade de auto-realização. Se o indivíduo tem necessidade de reconhecimento uma necessidade de ser visto como uma pessoa produtiva e que contribui para a construção de alguma coisa o elogio é um incentivo que o ajudará a satisfazer essa necessidade. (HARSEY 1974, p. 22) Alguns fatores materiais como o salário, por exemplo, não garantem uma motivação permanente dos funcionários, ele pode mantê-los motivados por algum tempo, mas não constantemente. Percebe-se que outros fatores, como o senso de utilidade e a satisfação em desenvolver certas tarefas podem ser mais úteis para melhorar a motivação das pessoas. Conforme os aspectos básicos que formam a qualidade de vida são preenchidos, podem deslocar os desejos das pessoas para aspirações cada vez maiores. A figura a seguir mostra as necessidades humanas segundo MASLOW e a sua hierarquização. Fonte:

20 18 Figura 2: Pirâmide de Maslow Pode-se observar que as necessidades do topo da pirâmide não podem ser alcançadas se a sua base não for atingida. Algumas empresas não conseguem um bom resultado com estratégias voltadas aos recursos humanos, justamente por buscarem ir direto ao topo dessa pirâmide e não atendem as necessidades básicas das pessoas. Algumas pessoas acham que o dinheiro é motivo para que o funcionário trabalhe motivado. Ele não deixa de ser um motivo, porém muito complexo. Ele deve estar associado com todos os outros tipos de necessidades, por isso é muito difícil de avaliar a sua importância. Em alguns casos, o dinheiro pode trazer algumas coisas materiais que posteriormente atinge a outras necessidades. Um exemplo disso é quando um indivíduo compra um carro esportivo. Isso pode trazer-lhe um sentimento de sociabilidade se ele participar de um clube de carros esportivos, ou reconhecimento, como status. 1.7 Ambiente e motivação Em 1924, deu-se inicio na fábrica da Western Electric Companhy, localizada em Hawthorne, nos Estados Unidos, uma das primeiras pesquisas para se avaliar os efeitos do ambiente no desempenho dos funcionários. Na pesquisa foi separado um grupo de moças que trabalhavam nesta fábrica e por mais de um ano e meio foram melhoradas as condições de trabalho dessas moças, como por exemplo, períodos marcados de repouso, almoços dados pela companhia e semanas mais curtas de trabalho. O desempenho delas melhorou consideravelmente. Então, repentinamente, foram retirados todos os benefícios. Esperava-se que o desempenho delas caísse com essa mudança radical, mas, ao contrario, a produção aumentava mais e mais. A resposta para isso não está nos aspectos de produção do experimento, como as mudanças nas condições físicas de trabalho e da fábrica, mas nos aspectos humanos. Graças à atenção que era dada as moças pelos pesquisadores, elas se sentiam importantes colaboradoras da empresa. Não se sentiam apenas como

21 19 indivíduos isolados, que trabalhavam juntas apenas no sentido de estarem fisicamente próximas, mas se sentiam membros participantes de um grupo. 1.8 O endomarketing Endo vem do grego e quer dizer ação interior ou movimento para dentro. Endomarketing quer dizer, então, marketing para dentro, ou marketing voltado aos clientes internos da empresa, ou seja, os funcionários. É toda e qualquer ação de marketing voltada para a satisfação e aliança do público interno com o intuito de melhor atender aos clientes externos. Segundo Kotler (1998), o Marketing interno é como uma tarefa bem sucedida de contratar, treinar e motivar funcionários hábeis que desejam atender bem aos consumidores, e ainda ressalta a associação estabelecida entre o Marketing interno, o treinamento e a motivação dos colaboradores para o atendimento adequado aos consumidores. O endomarketing deve ser usado para atrair e manter o primeiro cliente da empresa, que é o funcionário, sempre desenvolvendo melhorias nos relacionamentos entre os mesmos e a organização. Para Cerqueira (1999, p.52) o endomarketing melhora a comunicação, o relacionamento e estabelece uma base motivacional para o comprometimento entre as pessoas e das pessoas com o sistema organizacional. O endomarketing forma então um conjunto de ações que uma organização deve buscar desenvolver para consolidar uma base de comprometimento dos seus funcionários, com o objetivo de criar um clima ideal de valorização e reconhecimento das pessoas, conseguindo, consequentemente, maiores índices de produtividade e qualidade Planejamento básico do endomarketing O endomarketing deve englobar desde as necessidades básicas que os funcionários necessitam para desenvolverem suas atividades, até pequenos detalhes que os farão desenvolve-las com maior empenho e satisfação.

22 20 Segundo França (2004), dentre as atividades de gestão de pessoas, Treinamento é sem dúvida uma das áreas que melhor viabiliza as ações de preparação e desenvolvimento da gestão da qualidade de vida no trabalho. O treinamento e desenvolvimento pode ser considerado parceiro e instrumentador das metas de bem-estar no trabalho Empregando o endomarketing O Endomarketing ou Marketing Interno tem se tornado uma ferramenta de extrema importância para as organizações e a razão de tal importância é porque se constituiu em um processo cujo foco é sintonizar e sincronizar todas as pessoas que trabalham na empresa na implementação e operacionalização de ações com o objetivo de criar um ambiente mais saudável no local de trabalho. O principal benefício que se busca é o fortalecimento e construção de relacionamentos, bem como melhorar a qualidade de vida dos colaboradores da organização, compartilhando os objetivos da mesma e fortalecendo as relações, inserindo a noção de que todos são clientes de todos também dentro da empresas O endomarketing deve ser aplicado não apenas focando as atividades diárias, buscando melhorias, mas também deve-se fornecer incentivos aos funcionários para que a sua qualidade de vida melhore.

23 21 CAPÍTULO II A PENITENCIÁRIA I DE BALBINOS 2 HISTÓRICO A história do sistema penitenciário paulista começa em primeiro de março de 1892, quando o Decreto nº 28 criou a Secretaria da Justiça. Até o início de 1979, os estabelecimentos destinados ao cumprimento de penas privativas de liberdade, no Estado de São Paulo, estavam subordinados ao Departamento dos Institutos Penais do Estado - DIPE, órgão pertencente à Secretaria da Justiça. Em treze de março de 1979, o DIPE foi transformado em Coordenadoria dos Estabelecimentos Penitenciários do Estado - COESPE, à época com 15 unidades prisionais. Até março de 1991, as unidades prisionais ficaram sob a responsabilidade da Secretaria da Justiça. Em seguida, a responsabilidade foi para a segurança pública e com ela ficou até dezembro de 1992, onde, em quatro de janeiro de 1993, foi criada a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), a primeira no Brasil a tratar esse segmento. Ao todo, a SAP administra 144 unidades prisionais espalhadas em todo o Estado. 2.1 A Penitenciária I de Balbinos A Penitenciária I de Balbinos é uma das mais recentes unidades inauguradas, começou suas atividades em Março de 2006 e está localizada na Rodovia de acesso Arcirio Rigotto, Km 2,5 em Balbinos-SP. Atualmente, conta com de aproximadamente 120 funcionários, na maioria agentes de segurança penitenciário, que são divididos em turnos ininterruptos de trabalho, onde se trabalha 12 horas seguidas por 36 horas de descanso. Além dos funcionários plantonistas, existem os diaristas que trabalham nos setores administrativos de segunda a sexta-feira. Existe ainda outros funcionários, como os motoristas, os oficiais administrativos e os psicólogos que podem ser encontrados em algumas unidades.

24 22 Fonte : elaborado pelo autor, 2008 Fig. 3 Entrada da Penitenciária I de Balbinos O número de detentos que a unidade abriga sofre constantes oscilações, devido à transferências dos presos, chegada de novos sentenciados e livramentos por liberdade condicional ou cumprimento da pena. Mas em média, a unidade abriga entre 1200 e 1300 presos. Fonte: elaborado pelo autor Fig. 4 Veículo usado para o transporte de presos 2.2 Missão

25 23 É um órgão que tem como missão a aplicação da Lei de Execução Penal, de acordo com a sentença judicial, visando a volta à sociedade dos sentenciados. A administração penitenciária, parte integrante do processo da execução da pena, objetiva tratar e assistir o preso e o internado, prevenindo o crime e proporcionando-lhes a reintegração à convivência em sociedade. Deve constituir a base de uma política penitenciária moderna, o respeito à dignidade do homem, aos seus direitos individuais e coletivos e a crença no potencial de aperfeiçoamento do ser humano. Destaca-se ainda como missão da penitenciária I de Balbinos a reabilitação do preso, através da oferta de trabalho, da profissionalização e da educação, buscando, simultaneamente, o comprometimento da sociedade com a questão penitenciária As instalações físicas e as atividades Os detentos são divididos em oito raios, que possuem oito celas cada, com capacidade para doze presos cada cela. Em horários pré-estabelecidos, os detentos são liberados para uma quadra, chamada de pátio de sol, que se localiza em frente às celas e os agentes de segurança penitenciário são encarregados de abrir e fechar as celas nesses horários estabelecidos, bem como permanecer no meio deles, zelando pela ordem e disciplina e atendendo a alguma possível necessidade dos detentos, como por exemplo, atendimento à saúde. As refeições são preparadas pelos próprios sentenciados, monitorados por um funcionário em uma cozinha localizada próxima aos raios. A unidade de Balbinos conta também com uma enfermaria que contém vários remédios, além de aparelhos de inalação, termômetros e outros. E ainda possui salas equipadas para dentista e médico, que atendem diariamente os sentenciados. A unidade possui varias atividades de trabalho para os presos, como a costura de bolas de futebol e a confecção de equipamentos de proteção

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline de Oliveira Rocha 4

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE MUITOS DOS PROBLEMAS MAIS CRÍTICOS NÃO ESTÃO NO MUNDO DAS COISAS, MAS NO MUNDO DAS PESSOAS. DESENVOLVIMENTO: APTIDÕES TÉCNICAS >>> HABILIDADES SOCIAIS CIÊNCIAS BEM SUCEDIDAS X CIÊNCIAS MAL SUCEDIDAS. -

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG Wemerton Luis EVANGELISTA()*; Franciele Ribeiro DA COSTA (2). () Professor do Curso Superior de Tecnologia em Administração: Pequenas e

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

11. Abordagem Comportamental

11. Abordagem Comportamental 11. Abordagem Comportamental Conteúdo 1. Behaviorismo 2. Novas Proposições sobre a Motivação Humana 3. Teoria da Hierarquia das de Maslow 4. Teoria dos dois fatores 5. Teoria X & Y de McGregor 6. Outros

Leia mais

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA DISCIPLINA: MOTIVACAO E ETICA LIDERAR PESSOAS ATRAVÉS DA MOTIVAÇÃO Por que as pessoas se comportam de certos modos? Liderar - é o processo de dirigir e influenciar as

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho

Qualidade de Vida no Trabalho 1 Qualidade de Vida no Trabalho Alessandra Cristina Rubio¹ Thiago Silva Guimarães² Simone Cristina Fernandes Naves³ RESUMO O presente artigo tem como tema central a Qualidade de Vida no Trabalho, com um

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Profª Sandra Regina da Rocha-Pinto /Profª. Lea Mara BeenattiAssaid

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Profª Sandra Regina da Rocha-Pinto /Profª. Lea Mara BeenattiAssaid 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Profª Sandra Regina da Rocha-Pinto /Profª. Lea Mara BeenattiAssaid Currículos Resumidos: Autor Hannah Cláudia Neves de Andrade Graduada em Administração

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 Natal, outubro de 2014 DESEMBARGADOR PRESIDENTE ADERSON SILVINO JUÍZES RESPONSÁVEIS

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO Considerando que o ser humano é formado por características de personalidade únicas e complexas, o seu comportamento no trabalho e em outros lugares,

Leia mais

FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ROSANGELA APARECIDA PEREIRA

FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ROSANGELA APARECIDA PEREIRA FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ROSANGELA APARECIDA PEREIRA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO: ESTUDO SOBRE OS ESTILOS DE LIDERANÇA E O QUE ELES INFLUENCIAM A MOTIVAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira²

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE UM MELHOR APROVEITAMENTO DO GESTOR NA ORGANIZAÇÃO BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² RESUMO O mundo tem passado por constantes mudanças, que têm

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES?

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? Engajamento/comprometimento do colaborador: estado em que esse se encontra de genuíno envolvimento,

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Recursos Humanos Coordenação de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Introdução No dia 04 de Agosto de 2011, durante a reunião de Planejamento, todos os

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

A ESSENCIALIDADE DA MOTIVAÇÃO NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS THE ESSENTIAL MOTIVATION IN THE ORGANIZATIONAL ENVIRONMENT

A ESSENCIALIDADE DA MOTIVAÇÃO NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS THE ESSENTIAL MOTIVATION IN THE ORGANIZATIONAL ENVIRONMENT A ESSENCIALIDADE DA MOTIVAÇÃO NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS THE ESSENTIAL MOTIVATION IN THE ORGANIZATIONAL ENVIRONMENT Andréia Lopes Graduanda em Administração UNISALESIANO Lins azdeia@yahoo.com.br Jessica

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível.

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível. MODELO DE PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 1 FICHA DE INSTRUÇÕES A proposta deste questionário é conhecer as pessoas que trabalham na empresa, analisar suas necessidades e insatisfações, e tornar a organização

Leia mais

Módulo 11 Socialização organizacional

Módulo 11 Socialização organizacional Módulo 11 Socialização organizacional O subsistema de aplicação de recursos humanos está relacionado ao desempenho eficaz das pessoas na execução de suas atividades e, por conseguinte, na contribuição

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO COM OS COLABORADORES DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO COM OS COLABORADORES DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO COM OS COLABORADORES DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO Bruno Samways dos Santos (UTFPR) bruno.samways@gmail.com Thais Distefano Wiltenburg (PUC) thais_distefano@hotmail.com

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS Juliana da Silva, RIBEIRO 1 Roberta Cavalcante, GOMES 2 Resumo: Como a cultura organizacional pode influenciar no processo de agregar

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA Como é sabido existe um consenso de que é necessário imprimir qualidade nas ações realizadas pela administração pública. Para alcançar esse objetivo, pressupõe-se

Leia mais

Marketing e Comunicação Interna

Marketing e Comunicação Interna Marketing e Comunicação Interna Mestrado em Gestão e Desenvolvimento de RH 2º Semestre Cristina Mouta 2 Conteúdo Programático 2. Marketing interno 2.1. Conceito 2.2. Teorias e ferramentas do Marketing

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

1.1.1.2. clima organizacional: Para Luz (2003, p. 13) é a atmosfera psicológica que envolve, num dado momento, a relação entre a empresa e seus

1.1.1.2. clima organizacional: Para Luz (2003, p. 13) é a atmosfera psicológica que envolve, num dado momento, a relação entre a empresa e seus AULAS 11, 12 e 13 1. implantação do Mkt interno: implantar o marketing interno em uma empresa é fazer um ajuste na cultura, baseado no uso adequado da sistema de comunicação, alinhado à estratégia da empresa

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO?

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO? Resumo: O texto cita algumas evoluções no processo de recrutamento e seleção realizado pelas empresas. Avalia a importância dos recursos humanos, no contexto organizacional. Palavras-Chave: 1. Incentivo

Leia mais

TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO

TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO XXVIENANGRAD TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO PAULO ROBERTO VIDIGAL ANDRE LUIZ RAMOS RODRIGO CONCEIÇÃO

Leia mais

José Benedito Alves Junior

José Benedito Alves Junior 1 José Benedito Alves Junior Gerenciamento de Projetos de TI: Uma análise sobre a possibilidade de aplicação da estrutura motivacional sugerida pelo Project Management Body of Knowledge - PMBOK - em uma

Leia mais

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância:

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância: LIDERANÇA EMPRESARIAL EVIDÊNCIAS DO COACHING COMO ESTRATÉGIA DE SUCESSO Prof. Dr. Edson Marques Oliveira, Doutor em Serviço Social pela Unesp-Franca-SP, mestre em Serviço Social pela PUC-SP e bacharel

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula de Motivação Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Teorias da Motivação? As teorias sobre a motivação, que explicam desempenho das pessoas

Leia mais

Um breve histórico sobre a psicologia organizacional e as possíveis atuações do psicólogo nesta área.

Um breve histórico sobre a psicologia organizacional e as possíveis atuações do psicólogo nesta área. Um breve histórico sobre a psicologia organizacional e as possíveis atuações do psicólogo nesta área. A história da psicologia organizacional é uma criação do século XX, com seu inicio no final do século

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas.

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas. INTRODUÇÃO Você, provavelmente, já sabe que colaboradores felizes produzem mais. Mas o que sua empresa tem feito com esse conhecimento? Existem estratégias que de fato busquem o bem-estar dos funcionários

Leia mais

TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS.

TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS. TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS. MICHEL, Murillo Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias murillo@faef.br RESUMO O presente

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO. DIAS, Carla Regina Faustino Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais-FAEG carla@refrisaojose.com.

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO. DIAS, Carla Regina Faustino Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais-FAEG carla@refrisaojose.com. RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DIAS, Carla Regina Faustino Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais-FAEG carla@refrisaojose.com.br FERREIRA, Silvana Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

workshop Ciência do Sucesso

workshop Ciência do Sucesso PROF. MARCELINO FERNANDES workshop Ciência do Sucesso professormarcelino@hotmail.com Objetivo do workshop Revelar aos participantes as chaves do segredo do sucesso 2 1 Referências Bibliográficas 3 Referências

Leia mais

Obtendo resultados reais através do CRM

Obtendo resultados reais através do CRM Porque investir em CRM? Aresposta é simples: Seus clientes consideram o foco da empresa no consumidor como prérequisito, não como diferencial. Eles esperam poder negociar com você quando, onde e como quiserem.

Leia mais

ARTIGO EM REVISTA. Publicado em:

ARTIGO EM REVISTA. Publicado em: ARTIGO EM REVISTA Publicado em: CASTRO, Luciano Thomé e ; NEVES, Marcos Fava ; CONSOLI, M. A.. O Médico-Gestor de Vendas. Revista Venda Mais, Curitiba- PR, v. 12/135, p. 16-17, 11 jul. 2005. O Médico-Gestor

Leia mais

www.verriveritatis.com.br

www.verriveritatis.com.br INTELIGÊNCIA ESPIRITUAL EM PROJETOS Por quê? Esta é uma pergunta com um infinito número de respostas, dependendo do contexto. Quando um membro da Equipe pergunta por que um determinado desafio corporativo

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS ALCIDES DE SOUZA JUNIOR, JÉSSICA AMARAL DOS SANTOS, LUIS EDUARDO SILVA OLIVEIRA, PRISCILA SPERIGONE DA SILVA, TAÍS SANTOS DOS ANJOS ACADÊMICOS DO PRIMEIRO ANO DE

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Motivação e liderança: um trabalho em equipe nas organizações

Motivação e liderança: um trabalho em equipe nas organizações Motivação e liderança: um trabalho em equipe nas organizações Marcelo Augusto Loenert 1 Introdução As práticas de motivação e liderança estão sendo cada vez mais aplicadas nas organizações. Várias mudanças

Leia mais

Líder: o fio condutor das mudanças

Líder: o fio condutor das mudanças Líder: o fio condutor das mudanças Por Patrícia Bispo para o RH.com.br Para quem imagina que liderar pessoas significa apenas delegar ordens e cobrar resultados a qualquer custo, isso pode significar o

Leia mais

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA Ana Priscila da Silva Vieira 1 Elizabete Rodrigues de Oliveira 2 Tatiana Nogueira Dias 3 Élcio Aloisio Fragoso 4 Edson Leite Gimenez 5 RESUMO

Leia mais