EFEITOS DENTOESQUELÉTICOS E TEGUMENTARES DO APARELHO KLAMMT NA MÁ OCLUSÃO DE CLASSE II

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFEITOS DENTOESQUELÉTICOS E TEGUMENTARES DO APARELHO KLAMMT NA MÁ OCLUSÃO DE CLASSE II"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO MESTRADO EM ORTODONTIA EFEITOS DENTOESQUELÉTICOS E TEGUMENTARES DO APARELHO KLAMMT NA MÁ OCLUSÃO DE CLASSE II SHEILA MARQUES INAMASSU-LEMES São Paulo 2012

2 UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO7 MESTRADO EM ORTODONTIA EFEITOS DENTOESQUELÉTICOS E TEGUMENTARES DO APARELHO KLAMMT NA MÁ OCLUSÃO DE CLASSE II SHEILA MARQUES INAMASSU-LEMES Dissertação apresentada em formato alternativo (projeto para o Exame de Qualificação e artigo científico que tornará os resultados públicos) ao Programa de Mestrado em Ortodontia da Universidade Cidade de São Paulo - UNICID. Orientador: Prof. Dr. Acácio Fuziy. São Paulo 2012

3 DEDICATÓRIA

4 Aos meus queridos pais Jair Inamassu e Maria Eneide Marques Inamassu Pais exemplares, especialistas em matéria não escrita, me ensinam ainda hoje o dom do amor e que diuturnamente avisam quem sou e de onde vim. Que nunca me faltaram o acalento da mesa posta pra uma prosa disfarçada de café da tarde. Obrigada pela vida!

5 Ao meu marido Paulo Sergio Lemes Nada fácil foi, eu sei, perante tantas condições gritando não, e mostrando o preço da escolha, decidir um dos rumos de nossas vidas e a abdicação de alguns sonhos. Xú, obrigada por decidir comigo, ser um monge de paciência e dedicação quando eu não tinha forças pra ser junto e precisar ser sozinha! Obrigada por entender obrigada por tanto amor!

6 AGRADECIMENTOS

7 Ao meu Orientador Prof o Dr o Acácio Fuziy Mas se é, que nesta vida, preciso das mãos muito hábeis, naquilo que escolhi como profissão, Deus então, que nunca me falta, pôs sabiamente em meu caminho um orientador nada pouco. Muito sábio, organizado, dizendo sempre as cores das pedras do caminho certo. Obrigada pela confiança, orientação e amizade!

8 Ao coordenador do curso de Mestrado Prof o Dr o Flávio Vellini Ferreira Pela seriedade e dedicação que conduz o curso

9 Aos demais Professores Doutores Se é certo que uma andorinha só não faz verão, pois bem, que encontrei muitas delas em forma de amigos, bons amigos, se assim me permitem julgar. Valeram muito mais que simples compartilhadores de conhecimento Prof. Dr. Flávio Cotrim Ferreira, Profa. Dra. Rívea Inês Ferreira, Profa. Dra. Karyna Martins do Valle-Corotti, Profa. Dra. Ana Carla Raphaelli Nahás-Scocatte, Prof. Dr. Hélio Scavone Junior, obrigada por despertarem em mim, o fascínio pelo saber. Prof. Dr. Danilo Furquim Siqueira, obrigada por estar sempre presente, pelo incentivo, por cada dica, hoje, parte da profissional que sou, provém dos seus ensinamentos.

10 Aos meus amigos E por conseguinte um deles é, e saiba mais uma vez, meu amigo para todas as causas. Prof. Dr. Pedro Pileggi Vinha que nunca te esquecerei. Obrigada por tudo! Que sorte a minha estar eu aqui. Um dedo de sorte apenas, é verdade, mas de sorte rara, foi encontrar em meio ao caminho árduo, artesão de mãos ágeis, Prof. Dr. Germano Brandão, nem um pouco taciturno, ver em mim, raro material bruto. Obrigada por acreditar em mim! Se estou aqui, devo isso a você! Obrigado Dr. Gerson Paulino dos Santos e Dra Silvia Maria Buratti pelo incentivo e amizade!

11 Difícil é agradecer a todos que de alguma forma estiveram presentes nesse momento tão importante. Nomes não me faltam, talvez o tempo sim Obrigada meus alunos e meus amigos pelo incentivo constante, minha família pelo alicerce, obrigada a todos vocês por entenderem a minha ausência e fazerem parte dessa vitória!

12 Juliana Pereira, muito mais que minha secretária, aos funcionários da disciplina de Ortodontia em especial a Dona Arlinda pelo auxílio constante! Aos pacientes pertencentes à amostra deste estudo, imprescindíveis para a realização do mesmo.

13 RESUMO O presente trabalho avaliou os efeitos dentoesqueléticos e tegumentares em 16 indivíduos com má oclusão de Classe II, divisão 1 de Angle, caracterizados pela deficiência sagital da mandíbula e que foram tratados com o aparelho ortopédico funcional ativador aberto elástico de Klammt (AAE). As crianças foram selecionadas nas escolas estaduais do Município de Guarulhos SP e apresentaram a idade cronológica de 9 a 11.2 anos com média de 9.9 anos. Após a demonstração de interesse em participar do grupo amostral da pesquisa e autorização dos respectivos responsáveis, as crianças foram encaminhadas para a obtenção das telerradiografias em norma lateral. Posteriormente, receberam o tratamento proposto por um período de 12 meses e decorrido este tempo, foram encaminhadas para obtenção de novas documentações para parâmetro de comparação. Os efeitos dentoesqueléticos e tegumentares foram analisados comparando-se as telerradiografias em norma lateral das fases inicial e final do experimento por meio da aplicação do teste t de Student para dados pareados. O AAE promoveu efeitos dentoesqueléticos e tegumentares significantes. Houve um aumento na altura facial anterior inferior e rotação horária da mandíbula obtida a partir do incremento na erupção dos primeiros molares superiores. Houve mesialização dos molares inferiores, retroinclinação e retrusão dos incisivos superiores. O lábio inferior mostrou um deslocamento para anterior devido a proinclinação e protrusão dos incisivos inferiores. Palavras chave: Má oclusão, Classe II de Angle, Aparelhos ortopédicos, Ativador

14 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA Características de má oclusão de Classe II divisão Tratamento Ortopédico Funcional da má oclusão de Classe II divisão PROBLEMA DA PESQUISA E JUSTIFICATIVA PROPOSIÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Material Métodos Obtenção de telerradiografias em norma lateral Elaboração dos cefalogramas Desenho anatômico Pontos cefalométricos Linhas e planos de referência Obtenção das medidas cefalométricas Tratamento ortopédico funcional Controle de erro Análise Estatística REFERÊNCIAS ARTIGO ANEXOS

15 1 INTRODUÇÃO A má oclusão de Classe II foi inicialmente definida como sendo a relação anormal entre os arcos dentários superior e inferior, caracterizada pelo posicionamento dorsal da mandíbula em relação à maxila, promovendo alterações na relação dos incisivos e no perfil facial (ANGLE, 1899). Entretanto, com o advento do cefalostato a padronização das telerradiografias em norma lateral possibilitou a condução dos estudos de crescimento e desenvolvimento craniofacial. Assim sendo, com relação à má oclusão de Classe II, despertou-se o interesse dos profissionais em definir a participação dos componentes esqueléticos e dentoalveolares na determinação dessa anomalia, direcionando para o correto diagnóstico e plano de tratamento. A má oclusão de Classe II podem ser estabelecidas pela protrusão da maxila, pela retrusão mandibular, combinação de ambas as situações, relação maxilomandibular equilibrada e protrusão dentoalveolar superior, sendo que a retrusão mandibular é a característica mais comum (MCNAMARA JR, 1981). A elaboração do diagnóstico estrutural desempenha um papel de elevada importância no estabelecimento do plano de tratamento adequado ao problema em questão. Sendo assim para a abordagem das más oclusões de Classe II determinadas pela deficiência mandibular podem ser enumerados os seguintes protocolos de tratamento: 1) compensações dentárias; 2) ortodontia associada a cirurgia ortognática; 3) ortodontia com extrações dentárias; 4) ortopedia funcional dos maxilares complementada com a ortodontia fixa na segunda fase. A execução do tratamento ortopédico funcional visando a promoção do crescimento mandibular deve ser realizado no período de surto puberal de 15

16 crescimento para obtenção de melhores resultados (BACCETTI, 2005) e se fundamenta na melhoria da estética facial, na reintegração da criança ao seu convívio social, na redução do número de extrações, na simplificação da movimentação ortodôntica e na menor necessidade de cirurgias ortognáticas (ALMEIDA et al., 1999). Desta forma, para a abordagem da má oclusão de Classe II por deficiência mandibular, encontrando-se o paciente em fase de crescimento ativo, são empregados os aparelhos propulsores mandibulares que visam o reposicionamento mandibular para anterior e desta forma buscando a remodelação da cabeça da mandíbula e fossa mandibular do osso temporal, crescimento mandibular e alterações dentoalveolares que no conjunto conduzem à correção do problema. Diversos são os aparelhos funcionais removíveis citados na literatura e que podem ser empregados dentro deste contexto, dentre os quais estão: Bionator de Balters (FALTIN, 1998; JACOBS et al., 2002; SOUZA et al., 2004; MALTAGLIATI et al., 2004; MELO et al., 2006; SIARA-OLDS et al., 2010; MALTA et al., 2010), modelador elástico de Bimler (REINA, 2002; ROSSI, 1995); ativador (ROSSI, 1995; BASCIFTICI, 2003); Fränkel (FREEMAN et al., 2009). O aparelho ortopédico funcional Klammt foi denominado de ativador aberto elástico, sendo considerado um ativador por induzir o posicionamento anterior da mandíbula e estimular a atividade dos músculos faciais; elástico por ser constituído por dois segmentos de acrílico unidos por um fio de aço, em forma de arco palatino, o que propicia a expansão das arcadas dentárias, melhorando a forma de arco, alinhando os dentes e modificando o plano oclusal funcional; e, aberto devido à redução ou à ausência do acrílico na 16

17 região anterior do palato, o que torna possível o contato entre a língua e a mucosa palatina (KLAMMT, 1971; REINA, 1992). Este aparelho ortopédico pela sua simplicidade e modo de ação tornouse um dispositivo de grande aceitação entre os profissionais que atuam na área da Ortopedia Facial, assim sendo, este trabalho teve como proposta analisar as alterações dentoesqueléticas e tegumentares decorrentes do uso do aparelho ativador aberto elástico de Klammt em indivíduos portadores de má oclusão de Classe II divisão 1. 17

18 2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 Características da má oclusão de Classe II O primeiro método científico para classificação das más oclusões foi descrito por Angle em 1899, baseando-se essencialmente nas posições dento oclusais, sendo que o primeiro molar superior era considerado imutável em relação ao arco inferior e, portanto, determinou os três tipos de má oclusão no sentido anteroposterior. As discrepâncias transversais, verticais ou horizontais, assim como as relações com estruturas adjacentes não foram avaliadas. A má oclusão de Classe II foi definida como uma desarmonia bimaxilar no sentido anteroposterior, caracterizada por um posicionamento distal dos dentes inferiores, causando uma desarmonia acentuada na região de incisivos e no perfil tegumentar. De acordo com McNamara Jr. (1981), a má oclusão de Classe II não pode ser considerada uma entidade única, podendo resultar de inúmeras combinações de componentes dentários e esqueléticos. Em 277 casos estudados, apenas em uma pequena porcentagem havia uma protrusão maxilar esquelética em relação à base do crânio. Em média, a maxila apresentava-se bem posicionada e, às vezes, encontrava-se retruída em relação à base do crânio. Em 60% dos casos havia uma retrusão mandibular de pelo menos 9mm. Apesar de uma grande variabilidade individual, um excessivo desenvolvimento vertical foi verificado em pelo menos metade da amostra. Portanto, o autor concluiu que as anormalidades no desenvolvimento 18

19 vertical e horizontal da mandíbula foram as características mais comuns da má oclusão de Classe II. Silva Filho et al. (1989) analisaram 2416 crianças, na faixa etária entre 7 e 11 anos de ambos os gêneros, do município de Bauru-SP. Os resultados mostraram que apenas 11,4% da população avaliada apresentaram características de oclusão normal, 56% de más oclusões de Classe I, 42% de Classe II e 3% de más oclusões de Classe III. Simplício (1995) estudou 100 telerradiografias em norma lateral de jovens leucodermas portadores de má oclusão de Classe II, divisão 1, na faixa etária ente 8 e 12 anos, divididos igualmente quanto ao gênero. Os resultados mostraram que a protrusão da maxila predominou no gênero masculino, e no gênero feminino prevaleceu à normalidade; a posição da mandíbula variou entre normal e retruída tanto no gênero masculino quanto no feminino. O padrão vertical foi o mais observado. Henriques et al. (1998) avaliaram longitudinalmente por 3 anos e 4 meses uma amostra constituída por 25 jovens com idade inicial de 9 anos e 4 meses que não foram tratados ortodonticamente. Os resultados demonstraram que em 75% dos casos a mandíbula apresentava-se retruída, ao passo que, a maxila variou entre retruída, bem posicionada e protruída. O padrão de crescimento apresentou variabilidade, com distribuição uniforme de indivíduos com predominância de crescimento vertical, horizontal e equilibrado. A altura facial anteroinferior aumentou em decorrência do crescimento facial. A relação maxilomandibular não mostrou melhora significante, mantendo a discrepância esquelética da má oclusão de Classe II. Com relação ao componente dentário, verificaram que os molares e incisivos superiores acompanharam o 19

20 crescimento maxilar, apresentando mesialização e extrusão; os inferiores também extruíram, porém com a mesialização apenas dos molares e retrusão dos incisivos, agravando o trespasse horizontal. Bertoz et al. (2003) avaliando 55 telerradiografias em norma lateral de indivíduos com má oclusão de Classe II concluíram que 50% da amostra apresentou a maxila bem posicionada em relação a base do crânio e para a mandíbula a condição que prevaleceu foi a retrusão. Arashiro et al. (2009) avaliaram a prevalência de má oclusão em 660 escolares do município de Campinas, São Paulo. A faixa etária variou de 6,5 até 18,1 anos. A má oclusão foi encontrada em 87% dos escolares examinados; a má oclusão de Classe I foi a mais prevalente (39,7%), seguida da Classe II, com 36% dos casos, sendo que a Classe II divisão 1 teve uma maior prevalência (22,7%) em relação a Classe II divisão 2 (13,3%). A má oclusão de Classe III esteve presente em 11,7% da amostra. 2.2 Tratamento ortopédico funcional da má oclusão de Classe II Jacobs et al, em 2002, revisou duas publicações norte-americanas sobre a eficácia dos aparelhos funcionais no tratamento das más oclusões de Classe II, divisão 1, e concluiu que em pré-adolescentes a correção do primeiro molar ocorreu em 13% dos casos não tratados, 38% dos casos tratados com Bionator e em 50% dos casos tratados com Biteplane combinado com tração extrabucal. Tanto o Bionator quanto a tração extrabucal reduziu o ANB. Trinta e dois por cento dos casos não tratados mostraram reduções favoráveis (>0,5 graus/ano), em comparação com 80% dos pacientes tratados tanto pelo Bionator quanto 20

21 pela tração extrabucal. Resultados bem sucedidos, no entanto, são altamente relacionadas à severidade da má oclusão. Usando uma tração extrabucal ou Bionator, os clínicos devem esperar sucesso na correção da relação molar de Classe II em mais de 57% dos casos de pré-adolescentes que apresentam discrepâncias de meia cúspide molar. Quando não tratados, 30% de tais pacientes alcançam uma relação molar de Classe I. Mas apenas 5% dos casos que apresentaram mais de meia cúspide de discrepância foram corrigidas sem tratamento. Chen, Will e Niederman, em 2002, com o propósito de examinar a hipótese de que aparelhos funcionais estimulam o crescimento mandibular no tratamento da má oclusão de Classe II esquelética, realizaram uma revisão sistemática entre os anos de 1966 e 1999 no banco de dados MEDLINE. Foram encontrados 6 artigos válidos, nos quais foram avaliados 12 medidas clínicas padrão: condílio-pogônio (Co-Pg), articular-pogônio (Ar-Pg), condíliognátio (Go-Gn), articular-gnátio (Ar-Gn) sela-gônio (S-Go), articular-gônio (Ar- Go), condílio-gônio (Co-Go), sela-násio-ponto B (SNB), ângulo do incisivo inferior (LIA), gônio-mento (Go-Me), pogônio para N (Pg-N), e gônio-pogônio (Go-Po). Diferenças significativas foram encontradas apenas para Ar-Pg e Ar- Gn entre os grupos tratados e os grupos controle. Embora esses aparelhos possam ser usados para outros propósitos, estes resultados sugerem a necessidade de reavaliar os aparelhos funcionais usados para estimular crescimento mandibular. Cozza, Toffol e Colagrossi, em 2004, realizaram um estudo retrospectivo que avaliou cefalometricamente as modificações esqueléticas, dentais e no perfil mole induzidas pelo aparelho ativador em pacientes com má oclusão de 21

22 Classe II causada por retrognatismo mandibular. A amostra se constituiu de 40 pacientes tratados com aparelho ativador e 30 pacientes serviram como o grupo controle. Todos os pacientes possuíam média de 10 anos de idade e portadores de Classe II esquelética por deficiência mandibular. O aparelho ativador promoveu a correção do relacionamento de Classe II, restrição do crescimento maxilar e avanço das estruturas mandibulares, correção do overjet e retroinclinação dos incisivos superiores. Oliveira, em 2004, realizou um estudo com propósito de avaliar cefalometricamente as alterações esqueléticas, dentárias e faciais ocorridas em pacientes portadores de má oclusão de Classe II, divisão 1, tratados com tração extrabucal ortopédica e com Bionator de Balters. Foram estudados também 2 grupos controle de indivíduos com o mesmo tipo de má oclusão, porém sem nenhum tratamento. A amostra se constituiu de 80 telerradiografias obtidas de 40 indivíduos com idade entre 7 anos e 5 meses e 13 anos e 7 meses (média de 10 anos e 9 meses), portadores de má oclusão de Classe II, divisão 1. As telerradiografias iniciais foram realizadas em todos os pacientes e foram divididos em 4 grupos: A) protrusão maxilar tratados com tração extrabucal ortopédica por período médio de 9,7 meses. B) retrusão mandibular tratados com Bionator de Balters por um período médio de 10,8 meses. C) protrusão maxilar sem tratamento. D) retrusão mandibular sem tratamento. Os grupos C e D foram observados por um período médio de 9,3 meses. Foram realizadas telerradiografias finais após este período. Comparando-se o grupo tratado com o Bionator com o grupo controle não tratado, concluiu-se que o grupo tratado apresentou avanço mandibular, aumento da altura facial ânteroinferior, aumento do comprimento mandibular, redução do ângulo do plano 22

23 mandibular, aumento da inclinação vestibular dos incisivos inferiores e aumento do ângulo naso-labial. Melo et al, em 2006, avaliou os efeitos do Bionator no tratamento da má oclusão de Classe II, divisão 1, resultante da retrusão mandibular ou uma deficiência do crescimento mandibular. Três pacientes foram observados por um período de 1 ano e, posteriormente, tratados com o Bionator por um período de 2 anos e cefalometricamente avaliados. Observou como resultado do tratamento: 1) a restrição do crescimento da maxila; 2) o estímulo do crescimento mandibular; 3) a alteração na direção do crescimento condilar; 4) a verticalização dos incisivos superiores e 5) a vestibularização dos incisivos inferiores. Cozza el at, em 2006, realizaram uma revisão da literatura para avaliar a evidência científica na eficiência de aparelhos funcionais, aumentando o crescimento mandibular em indivíduos portadores de Classe II, aplicando o banco de dados da Medline ( Entrez Pubmed), envolvendo o período de janeiro de 1966 a janeiro de 2005 e, também empregou os títulos de assuntos médicos (MeSH). Os seguintes tipos de estudos que informaram dados de efeitos de tratamento foram incluídos: estudos clínicos randomizados (RCTs), e estudos clínicos controlados longitudinais (CCTs), prospectivos e retrospectivos com grupo controle de Classe II sem tratamento. A estratégia de procura resultou em 704 artigos. Depois da seleção, de acordo com o critério de inclusão/exclusão, 22 artigos foram qualificados para análise final. Foram acessados 4 RCTs e 18 CCTs. Os padrões de qualidade desses estudos variaram de baixo (3 estudos) para médio/elevado (6 estudos). Dois terços da amostra de 22 estudos relataram um alongamento adicional no comprimento 23

24 total da mandíbula clinicamente significante, (uma mudança maior que 2,0 mm no grupo tratado, comparado com o grupo sem tratamento), como resultado de tratamento ativo total com aparelhos funcionais. A qualidade de crescimento mandibular adicional parece ser significantemente maior se o tratamento funcional for realizado durante o surto puberal de maturação esquelética. Nenhum dos 4 RCTs mostrou uma mudança no comprimento mandibular clinicamente significante induzido por aparelhos funcionais; 3 dos 4 RTCs trataram indivíduos em uma fase pré-puberal de maturidade esquelética. O aparelho Herbst mostrou um coeficiente de eficiência mais alto (0,28 mm por mês), seguido pelo Twin Block (0,23 mm por mês), enquanto que o aparelho Bionator apresentou 0,16 mm por mês. Gonçalves, em 2007, avaliou cefalometricamente alterações esqueléticas e dentárias naturais e induzidas pelo uso do ativador elástico Aberto de Klammt no tratamento interceptador da má oclusão de Classe II, divisão 1 de Angle. A amostra foi constituída por um grupo experimental de 17 indivíduos (10 meninas e 7 meninos) que receberam tratamento com o aparelho Klammt pelo período de 12 meses e um grupo controle com 17 indivíduos não tratados (10 meninas e 7 meninos) observados por um período de tempo similar. Os resultados demonstraram que o aparelho promoveu restrição dentoalveolar da maxila; aumento do comprimento mandibular total; aumento do comprimento do corpo da mandíbula e altura do ramo sem alterar o ângulo goníaco; aumento das alturas faciais anterior e posterior sem alterar o padrão facial de crescimento; melhora na relação maxilo-mandibular; verticalização dos incisivos inferiores; redução dos trespasses vertical e horizontal; correção da relação molar de Classe II. Esses resultados comparados aos observados no 24

25 grupo controle mostraram que o efeito do aparelho Klammt na correção da Classe II são predominantemente dento-alveolares, associados ao favorecimento do crescimento mandibular natural. Marchi (2009) avaliou cefalometricamente alterações dentoesqueléticas em indivíduos portadores de má oclusão de Classe II esquelética tratados com aparelho ortopédico funcional Simões Network 1 (SN1). Foram selecionados 29 indivíduos tratados com SN1. Empregou na avaliação 3 grandezas cefalométricas lineares e 13 angulares. Concluiu que: 1) houve aumento estatisticamente significante nos comprimento maxilar (Co-A), 2) promoveu um estímulo no crescimento mandibular com alterações significantes no comprimento mandibular, 3) ocorreu o aumento do ângulo da profundidade facial e no ângulo SNB, 4) houve uma melhora significante na relação maxilomandibular, 5) ocorreu um controle do crescimento vertical com rotação anti-horária da mandíbula, 6) observou-se a correção do ângulo interincisivos pela mudança significante da inclinação do incisivo superior, e 7) houve a diminuição do trespasse horizontal, porém sem alteração da inclinação dos incisivos inferiores. Em 2010, Malta et al., avaliaram as alterações esqueléticas e do tecido mole a longo prazo induzidas pela aparelho funcional Bionator em indivíduos Classe II. A amostra consistiu no tratamento de 20 pacientes Classe II (6 homens e 14 mulheres), tratados consecutivamente com Bionator. A amostra foi avaliada em T1 (início do tratamento), T2 (final do tratamento) e T3 (observação a longo prazo, incluindo aparelhos fixos). A média de idade no início do tratamento foi respectivamente de 10 anos e 2 meses (em T1); 12 anos e 4 meses (em T2); e de 18 anos e 11 meses (em T3). O grupo controle 25

26 consistiu de 20 indivíduos (8 homens e 12 mulheres) com má oclusão de Classe II não tratados. Analisou as telerradiografias laterais nos 3 momentos avaliados nos grupos. Observou que ocorreu o aumento na dimensão vertical e modificações nos tecidos moles. O grupo tratado mostrou uma melhora no tecido mole pogônio em cerca de 2,5 mm. O Bionator melhorou significantemente o trespasse horizontal e a relação molar, com uma redução significante no trespasse vertical associada a um aumento na altura facial ântero-posterior. Siara-Olds et al. (2010) avaliaram as mudanças dentoesqueléticas decorrentes do uso do Bionator, Hebst, Twin Block e aparelho MARA. A amostra experimental foi constituída de 80 pacientes tratados consecutivamente, que foram divididos igualmente em grupo do Bionator, Herbst, Twin block e MARA. O grupo controle foi composto por 21 crianças não tratadas com má oclusão esquelética de Classe II. Foram obtidas terradiografias em norma lateral dos grupos tratados em T1 (inicio do tratamento), T2 (terapia funcional completa), e T3 (terapia com aparelho fixo completa). Uma análise de variância de medida repetida (ANOVA) foi utilizada para avaliar as diferenças entre e dentro dos grupos. Observaram que o grupo tratado com Bionator mostrou significante abertura do ângulo goníaco (Ar-Go- Me) após tratamento funcional. 3 PROBLEMA DA PESQUISA E JUSTIFICATIVA Em estudo conduzido por Silva Filho et al. (1989) constatou-se que 42% dos indivíduos portadores de más oclusões apresentam Classe II. Deste total, em aproximadamente 60%, a deficiência mandibular constitui-se no fator 26

27 contribuinte na determinação do problema da Classe II (McNAMARA JR, 1981). Esta má oclusão caracteriza-se por alterações dentoesqueléticas que comprometem a função mastigatória e alteram a estética facial. A correção desta anomalia quando executada no período ativo de crescimento facial possui um prognóstico mais favorável (BACCETTI, 2005). Entretanto, após a fase de crescimento, abordagens mais complexas tornamse necessárias, tais como: Ortodontia compensatória com exodontias de premolares e Ortodontia associada à Cirurgia Ortognática. Além dos custos biológicos, os valores dispendidos pelos pacientes para custear estas formas alternativas de tratamento fazem com que nem todos tenham acesso ao tratamento. Portanto, a eficiência do tratamento ortopédico funcional depende da época propícia de crescimento, do padrão de crescimento facial e da cooperação do paciente (COSTA LA, SUGUINO R, ). O tratamento precoce das más oclusões de Classe II por deficiência mandibular merece atenção especial dentro do contexto da Ortodontia Contemporânea, de tal forma que, uma vez detectado o problema, indica-se o emprego dos aparelhos propulsores mandibulares que visam estabelecer a alteração postural da mandíbula, crescimento mandibular e alterações dentoalveolares que conduzam à correção da má oclusão. Outras vantagens citadas e que justificam a realização do tratamento precoce são a redução do número de extrações, simplificação da movimentação ortodôntica exigida e a menor necessidade de cirurgias ortognáticas (ALMEIDA et al., 1999). Dentre os diversos aparelhos funcionais destacam-se: Ativador, Bionator de Balters, Twin Block, Fränkel II, Bimler e outros. Estes dispositivos apresentam diferenças em seus desenhos pela inclusão de alças, escudos e molas. Porém, o profissional 27

28 deve amparar a sua escolha por um aparelho de simples construção e manuseio e que seja confortável para motivar o paciente quanto ao seu uso e que produzam os resultados almejados de correção. Considerando-se a simplicidade de manuseio do aparelho Klammt e aceitação por parte dos pacientes é que se justificou a condução da pesquisa para avaliar os efeitos dentoesqueléticos e tegumentares decorrentes do emprego do AAE no tratamento de pacientes com má oclusão de Classe II, divisão 1. 4 PROPOSIÇÃO O presente estudo analisou os efeitos dentoesqueléticos e tegumentares decorrentes do tratamento da má oclusão de Classe II com o aparelho ortopédico Klammt. 5 MATERIAL E MÉTODOS 5.1. Material O grupo de estudo incluiu 16 pacientes selecionados a partir da triagem de 1200 crianças em escolas estaduais do município de Guarulhos, do estado de São Paulo, com idades entre 9.0 e 11.2 anos com média de 9.9 anos, leucodermas, brasileiras e idade esquelética pré surto de crescimento puberal, a qual foi determinada inicialmente através do método de maturação das vértebras cervicais. A amostra obedeceu aos seguintes critérios de inclusão: 1) Padrão facial de Classe II; 28

29 2) Relação dentária de Classe II, divisão 1 de Angle; 3) Característica facial de deficiência sagital da mandíbula; 4) Ausência de perdas dentárias prematuras; 5) Não tratados ortodonticamente. Os 16 pacientes selecionados foram encaminhados ao Centro de diagnóstico Cury Radiologia para a obtenção de telerradiografias em norma lateral e modelos de estudo. Posteriormente a etapa ativa de tratamento, os pacientes foram reencaminhados para a obtenção de uma nova documentação ortodôntica, contendo os itens acima citados e que propiciou a avaliação dos resultados da abordagem ortodôntica. Este trabalho foi registrado pelo Protocolo de Pesquisa n o CAAE / e foi submetido e aprovado pelo comitê de ética em 20/12/2010 (anexos) Métodos O método se constituiu de: 1) Obtenção das telerradiografias em norma lateral; 2) Elaboração dos cefalogramas; 3) Obtenção das medidas cefalométricas; 4) Controle de erro; e 5) Análise estatística Obtenção de telerradiografias em norma lateral As telerradiografias em norma lateral foram obtidas conforme técnica convencional preconizada por Broadbent, onde o indivíduo é posicionado no 29

30 cefalostato com o plano de Frankfurt paralelo ao solo. Todas foram realizadas no mesmo aparelho de Raio X Digital da marca Soredex, e tempo de escaneamento varia de 8 a 20 segundos. Foi utilizado um cefalostato para posicionamento da cabeça do paciente e, um sensor escaneou a face do paciente, substituindo o porta-chassis com o filme. Foram utilizados filmes da marca Agfa tamanho 20cm x 25cm onde foram impressas as imagens radiográficas obtidas pela técnica descrita Elaboração dos cefalogramas A cada telerradiografia em norma lateral convencional foram adaptadas uma folha de papel acetato transparente Ultraphan, de dimensão 17,5 por 17,5 cm e espessura de 0,07 mm. Em seguida, o desenho anatômico foi delineado sempre pelo mesmo operador, com auxílio de uma lapiseira e grafite HB 0,3 mm, sobre um negatoscópio. Para melhor visualização das estruturas de interesse, esses traçados foram realizados em sala escurecida. Os traçados foram efetuados nas telerradiografias iniciais e finais de tratamento ortodôntico, e repetidos num intervalo de 15 dias para a avaliação do erro de método. A elaboração dos cefalogramas foi dividida em: 1) desenho anatômico; 2) pontos cefalométricos; e 3) linhas e planos de referência Desenho anatômico Nas telerradiografias iniciais e finais dos pacientes serão definidos os seguintes contornos anatômicos (Figura 1): 1- perfil mole; 2- base anterior do crânio, média e posterior; 30

31 3- sela turca; 4- perfil anterior do osso frontal e ossos próprios do nariz; 5- borda posteroinferior das órbitas; 6- fissura pterigomaxilar; 7- meato acústico externo; 8- maxila; 9- mandíbula; 10- incisivo central superior; 11- primeiro molar superior; 12- incisivo central inferior; e 13- primeiro molar inferior. 31

32 Perfil mole; 2 base anterior do crânio, média e posterior; 3 sela turca; 4 perfil anterior do osso frontal e ossos próprios do nariz; 5 borda póstero-inferior das órbitas; 6 fissura pterigomaxilar; 7 meato acústico externo; 8 maxila; 9 mandíbula; 10 incisivo central superior; 11 primeiro molar superior; 12 incisivo central inferior; e 13 primeiro molar inferior. Figura 1- Desenho anatômico apresentando as estruturas de interesse 32

33 Pontos cefalométricos Os pontos cefalométricos de interesse para a efetuação das análises serão os seguintes (Figura 2): 1- Sela (S)- ponto que representa o centro geométrico da sela truca; 2- Násio (N)- ponto mais anterior da sutura frontonasal; 3- Orbitário (Or)- ponto mais inferior da margem infraorbitária; 4- Pório (Pó)- ponto mais superior do meato acústico externo; 5- Subespinhal (A)- ponto mais profundo da concavidade anterior da maxila; 6- Supramentoniano (B)- ponto mais profundo da concavidade anterior da mandíbula; 7- Ponto D (D) - ponto situado no centro do contorno da sínfise mandibular; 8- Pogônio (Pog)- ponto mais anterior do contorno da sínfise mandibular; 9- Gnátio (Gn)- ponto mais anterior e inferior do contorno da sínfise mandibular; 10- Mentoniano (Me)- ponto mais inferior do contorno da sínfise mandibular, na confluência da margem inferior da sínfise com a linha da base mandibular; 11- Gônio (Go)- ponto mais inferior e mais posterior do contorno do ângulo goníaco, definido pela bissetriz do ângulo formado pela tangente à borda inferior do corpo mandibular e outra tangente à borda posterior do ramo mandibular; 12- Espinha nasal anterior (ENA)- ponto mais anterior da maxila em nível do palato; 33

34 13- Espinha nasal posterior (ENP) - ponto localizado na espinha nasal posterior; 14- Incisal do incisivo central superior (I1sup) -ponto da borda incisal do incisivo central superior; 15- Ápice da raiz do incisivo central superior (A1sup); 16- Incisal do incisivo central inferior (I1inf) - ponto da borda do incisivo central inferior; 17- Ápice da raiz do incisivo central inferior (A1inf); 18- Ponto mais distal do primeiro molar superior (6); 19- Ápide da raíz mesial do primeiro molar superior (A6 sup); 20- Ponto oclusal (Ocl) pontode contato médio do primeiro molar superior com o primeiro molar inferior; 21- Ponta da cúspide mésio vestibular do primeiro molar superior (C6 sup); 22- Ponta da cúspide mésio vestibular do primeiro molar inferior (C6 inf) ; 23- Ápice da raíz do primeiro molar inferior (A6inf); 24- Ponto mais distal do primeiro molar inferior (6); 25- Pronasal (Prn) - ponto mais anterior do nariz; 26- Subnasal (Sn) - ponto em que a columela se intersecta com o lábio superior no plano médio sagital; 27- Lábio superior (Ls)- ponto localizado na região mais anterior do lábio superior; 28- Lábio inferior (Li)- ponto mais anterior do lábio inferior; 29- Pogônio mole (Pog )- ponto mais anterior no contorno do mento mole; 30- Pterigóide (Pt) - ponto mais superior e posterior da fissura pterigóide; 31- Codílio (Co) porção mais posterior e superior da cabeça da mandíbula; 34

35 32- Básio (ba) corresponde a porção anterior do forame magno Sela (S); 2 Násio (N); 3 Orbitário (Or); 4 Pório (Po); 5 Subespinhal (A); 6 Supramentoniano (B); 7 Ponto D (D); 8 Pogônio (Pog); 9 Gnátio (Gn); 10 Mentoniano (Me); 11 Gônio (Go); 12 Espinha nasal anterior (ENA); 13 Espinha nasal posterior (ENP); 14 Incisal de incisivo central superior (I1sup); 15 Ápice de incisivo central superior (A1sup); 16 Incisal de incisivo central inferior (I1inf); 17 Ápice de incisivo central inferior (A1inf); 18 Distal do primeiro molar superior (6); 19 Ápide da raíz mesial do primeiro molar superior (A6 sup); 20 Ponto Oclusal (Ocl); 21 Ponta da cúspide mésio vestibular do primeiro molar superior (C6 sup); 22- Ponta da cúspide mésio vestibular do primeiro molar inferior ( C6 inf); 23 Ápice da raíz do primeiro molar inferior ( A6inf); 24 - Distal do primeiro molar inferior (6); 25 Pro-Nasal (Prn); 26 Subnasal (Sn); 27 Lábio superior (Ls); 28 Lábio inferior (Li); 29 Pogônio mole (Pog ); 30 Pterigóide (Pt); 31 Condílio (Co); 32 Básio (Ba). Figura 2- Pontos cefalométricos 35

36 Linhas e planos de referência As linhas e planos cefalométricos de interesse serão os seguintes (Figura 3): 1- Linha SN- linha que passa pelos pontos S e N, situados no plano mediosagital e na base do crânio; 2- Linha NA- linha que une os pontos N e A; 3- Linha NB- linha que une os pontos N e B; 4- Linha ND- linha que une os pontos N e D; 5- Longo eixo do incisivo central superior-linha que segue o eixo longitudinal do incisivo central superior; 6- Longo eixo do incisivo central inferior- linha que segue o eixo longitudinal do incisivo central inferior; 7- Linha E- linha que une os pontos pronasal e pogônio mole; 8- Linha S- linha que une os pontos médio do nariz e o pogônio mole; 9- Linha H- linha que une os pontos do lábio superior e pogônio mole; 10- Linha Nperp linha que passa pelo ponto N, perpendicular ao plano de Frankfut; 11- Plano horizontal de Frankfurt- linha que une os pontos orbitário e pório; 12- Plano mandibular plano que une os pontos Go e Gn; 13- Plano oclusal funcional Plano que une o ponto médio entre os contatos oclusais do primeiro molar superior com o primeiro molar inferior e o ponto da borda incisal do incisivo central inferior; 14- Linha do Eixo Y de crescimento- linha que une os pontos S e Gn, interrompendo-se próximo dos primeiros molares superiores; 36

37 15- Plano Vertical Pterigóide Linha que passa pelo bordo posterior da fossa pterigomaxilar, perpendicular ao plano de Frankfurt; 16- Linha Básio Násio- linha que une o pontos Ba ao N. 17- Linha Horiz Linha de referência SN-7 o ; 18- Linha Vert Linha de referência perpendicular à linha Horiz. 37

38 Linha SN; 2 Linha NA; 3 Linha NB; 4 - Linha ND; 5 Longo eixo do central superior; 6 Longo eixo do incisivo central inferior; 7 Linha E de Ricketts; 8 linha S; 9 Linha H; 10 Linha Nperp; 11 Plano de Frankfurt; 12 Plano mandibular; 13 Plano Oclusal funcional; 14 Linha do eixo Y de crescimento; 15 Plano vertical pterigóide; 16 Linha BaN; 17 Linha Horiz; 18 Linha Vert. Figura 3- Linhas e Planos cefalométricos Obtenção das medidas cefalométricas As medidas cefalométricas foram obtidas empregando-se a técnica manual e efetuada sempre pelo mesmo operador previamente calibrado. A mensuração foi realizada em sala com o auxílio de negatoscópio, lapiseira 0,5mm, régua milimetrada, transferidor e régua protactor. 38

39 As medidas lineares e angulares foram avaliadas e foi realizada a comparação entre as medidas obtidas no início do tratamento (T1) e após 1 ano do uso do AAE (T2). Por razões didáticas as variáveis cefalométricas foram divididas em: 1) componentes da maxila; 2) componentes da mandíbula; 3) componentes intermaxilares; 4) relação interdental e 5) tecidos moles. 1) Componentes da maxila Ângulo SNA: ângulo formado pela intersecção das linhas SN e NA; Linha A-Nperp: distância, em milímetros, entre o ponto A e a linha Nperp; A-Vert: distância em milímetros do ponto A até a linha vertical; ENA-Vert: distância em milímetros do ponto ENA até a linha vertical; ENP-Vert: distância em milímetros do ponto ENP até a linha vertical; N-Vert: distância em milímetros do ponto N até a linha vertical; Linha Co-A: distância, em milímetros do ponto Co ao ponto A. 39

40 Ângulo SNA Linha A Nperp A-Vert ENA-Vert ENP- Vert N-Vert Co-A Figura 4 Componentes da maxila 2) Componentes da mandíbula Ângulo SNB: ângulo formado pela intersecção das linhas SN e NB; Ângulo SND: ângulo formado pela intersecção das linhas SN e ND; Linha Co-Gn: distância, em milímetros, do ponto Co ao ponto Gn; Linha Pg-Nperp: distância, em milímetros, do ponto Pg à linha Nperp; B-Vert: Distância em milímetros do ponto B até a linha vertical; 40

41 Pg-Vert: Distância em milímetros do ponto Pg até a linha vertical; Go-Vert: Distância em milímetros do ponto Go até a linha vertical. Ângulo SNB Ângulo SND Linha Co-Gn Linha Pg-Nperp Linha B-Vert Linha Pg-Vert Linha Go-Vert Figura 5 Componentes da mandíbula 3) Componentes intermaxilares Ângulo SN.GoGn: ângulo formado pela intersecção das linhas SN e GoGn; Ângulo SN.Gn: ângulo anteroinferior formado pela intersecção das linhas SN e SGn; Ângulo SN.PtGn: ângulo superior formado pela intersecção da linha do plano SN e a linha PtGn; 41

42 FMA: ângulo formado pela intersecção da linha do plano de Frankfurt com a linha do plano mandibular; Ângulo ANB: ângulo inferior formado pela intersecção das linhas Na e NB; Linha ENA-Me (AFAI): distância, em milímetros, do ponto Ena ao ponto Me; Linha AO-BO: Distância entre as projeções dos pontos A e B no plano oclusal funcional; Ângulo ANB: Ângulo inferior formado pela intersecção das linhas Na e NB. Ângulo SN.GoGn Ângulo SN.PtGn Ângulo SN.Gn FMA Ângulo ANB ENA-Me (AFAI) Linha AO-BO Figura 6 Componentes intermaxilares 4) Relação Interdental: 42

43 Ângulo 1.1: ângulo posterior formado pela intersecção da linha do longo eixo do incisivo superior e a linha do longo eixo do incisivo inferior; Distância linear 1-NA: distância, em milímetros, do ponto mais vestibular do incisivo superior até a linha NA; Distância linear 1-NB: distância, em milímetros, do ponto mais vestibular do incisivo inferior até a linha NB; Ângulo 1.NA: ângulo superior formado pela intersecção da linha do longo eixo do incisivo superior e a linha NA; Ângulo 1.NB: ângulo superior formado pela intersecção da linha do longo eixo do incisivo inferior e a linha NB; I1sup-horiz: Distância em milímetros da borda incisal do incisivo superior até a linha horizontal; A1sup-horiz: Distância em milímetros do ápice da raíz do incisivo superior até a linha horizontal; I1inf-horiz: Distância em milímetros da borda incisal do incisivo inferior até a linha horizontal; A1inf-horiz: Distância em milímetros do ápice da raíz do incisivo inferior até a linha horizontal; 6-Ptv: distância, em milímetros, da linha vertical pterigóide até o ponto mais distal do primeiro molar superior, paralelo ao plano oclusal; 6-Ptv: distância, em milímetros, da linha vertical pterigóide até o ponto mais distal do primeiro inferior, paralelo ao plano oclusal; A6sup-horiz: Distância em milímetros do ápice da raíz mesial do primeiro molar superior até a linha horizontal; C6sup-horiz: Distância em milímetros da ponta de cúspide mésio vestibular do primeiro molar superior até a linha horizontal; A6inf-horiz: Distância em milímetros do ápice da raíz mesial do primeiro molar inferior até a linha horizontal; C6inf-horiz: Distância em milímetros da ponta de cúspide mésio vestibular do primeiro molar inferior até a linha horizontal. 43

44 Ângulo 1.1 Linha 1-NA Linha 1-NB Ângulo 1.NA Ângulo 1.NB I1sup-horiz A1sup-horiz I1inf-horiz A1inf-horiz 6 Ptv 6 Ptv A6sup-horiz C6sup-horiz A6inf-horiz C6inf-horiz Figura 7 Relação interdental 5) Tecidos Moles: Linha E-Li: distância, em milímetros, da linha E até o ponto Li; Pro nasal-linha H: distância, em milímetros, do ponto pronasal até a linha H; Ângulo H-NB: ângulo formado pela intersecção das linhas H e NB. 44

45 Linha E-Li Prn-Linha H Ângulo H.NB Figura 8 Tecidos moles 45

46 Tratamento ortopédico funcional O AAE (figura 9) é composto por 2 segmentos de resina acrílica unidos por uma mola coffin, molas frontais e arcos vestibulares presentes, tanto no arco dentário superior quanto no inferior. A mola Coffin é construída, empregando-se o fio de aço inoxidável de diâmetro 1,0mm, estendendo-se da mesial do primeiro molar decíduo ou primeiro premolar até a metade do primeiro molar permanente, sendo adaptada a concavidade do palato. Este elemento constituinte pode ser ativado com o alicate 139, acarretando a expansão do arco dentário superior quando necessário e também orientar o posicionamento lingual. As molas frontais são confeccionadas com fio de aço inoxidável 0,8mm e são adaptadas verticalmente, direcionando-se de mesial de incisivo central até a distal do incisivo lateral, mantendo-se a distância de 2,0 a 3,0mm das faces palatinas destes elementos dentários. Quando posicionadas no sentido vertical, dificultam a interposição lingual e quando ativadas podem promover o movimento vestibular de incisivos, contribuindo para o alinhamento dentário na região anterior. Os arcos vestibulares são construídos com o fio de aço inoxidável 0,9mm, estendendo-se da metade do primeiro molar permanente, adaptandose na curvatura incisal e seguindo em direção posterior, obedecendo-se a mesma delimitação anteriormente citada no lado oposto, passando em direção ao rebordo alveolar do palato pela distal dos caninos decíduos ou caninos permanentes. Estes elementos de fio são confeccionados para os arcos 46

47 superior e inferior, mantendo-se uma mínima distância das faces vestibulares dos dentes. Todos os elementos de fio são incorporados na resina acrílica que estende-se da metade da face oclusal dos dentes posterosuperiores até 1,0cm abaixo da gengiva marginal no rebordo alveolar do palato No sentido sagital, estende-se da distal do canino decíduo ou canino permanente até a distal do último molar presente no arco dentário. Estes segmentos bilaterais de resina direcionam-se para o arco inferior, permitindo o posicionamento da mandíbula em relação de Classe I, devido à presença de endentações conseguidas com o auxílio da mordida construtiva. Figura 9 Ativador Aberto Elástico de Klammt As moldagens de trabalho para a confecção do AAE de Klammt foram cuidadosamente realizadas pela mesma operadora e os procedimentos laboratoriais de construção do aparelho foram efetuados sempre pelo mesmo técnico. O tempo decorrido entre a moldagem e a instalação dos aparelhos não ultrapassou do tempo de 10 dias para garantir a perfeita adaptação dos mesmos. No momento da instalação foram observados adaptação, coincidência de linha média e avanço mandibular até a posição de topo a topo. 47

48 Os pacientes foram orientados a usar o AAE por 24 horas por um período de 12 meses, e removê-lo apenas no momento das refeições e prática de esportes. Os pacientes foram acompanhados mensalmente e as ativações realizadas com o auxílio de alicate 139 e tridente, quando necessárias. As ativações consistiram basicamente em abertura da mola coffin com auxílio da ponta piramidal do alicate 139, para promover leve expansão do arco superior e desgaste em porção acrílica interdental com brocas montadas em micromotor para promover intercuspidação dentária Controle do erro Os erros foram minimizados efetuando-se os traçados, sempre pelo mesmo operador e empregando-se uma lapiseira com grafite 0,3 mm e do recurso da sala escurecida. Para a avaliação do erro sistemático e casual, foram sorteadas 6 telerradiografias (37,5%) para a obtenção de um segundo conjunto de cefalogramas e medidas cefalométricas, as quais foram comparadas com as respectivas variáveis cefalométricas pertencentes ao primeiro conjunto de medidas. Para o erro casual foram empregados o limite de Concordância de Bland e Altman e Coeficiente de Concordância de Lin e para o erro sistemático foi empregado o teste t de Student Análise Estatística As alterações dentoesqueléticas decorrentes do tratamento da má oclusão de Classe II, divisão 1 com o aparelho AAE foram determinadas pela comparação das medidas cefalométricas iniciais e pós-tratamento por meio do 48

49 emprego do teste t de Student para dados pareados, em nível de significância de 5%. 49

50 REFERÊNCIAS Almeida RR, Garib DG, Henriques JFC, Almeida MR, Almeida RR. Ortodontia preventiva e interceptadora: mito ou realidade?.rev Dental Press Ortodon Ortop Facial 1999 Nov/Dez;4(6): Angle EH. Classification of malocclusion. Dent Cosmos 1899; 41(3): Arashiro C, Ventura MLS, Mada EY, Uenshi PT, Barbosa JA, Bonecker MJS. Prevalência da maloclusão em escolares do município de Campinas, São Paulo. RGO Porto Alegre 2009 Out/Dez;57(4): Baccetti T, Franchi L, McNamara Jr JA. The cervical vertebral maturation (CVM) method for the assessment of optimal treatment timing in dentofacial orthopedics. Semin Orthod 2005;11: Basciftici, FA, Uysal T, Buyukerkmen A, Sari Z. The effects of activator treatment on the craniofacial structures of Class II division 1 patients. European J of Orthodontics 2003;25: Bertoz, FA, Santos, ECA, Mendonça, MR, Cuoghi, OA, Reis, PMP, Torres, ICP. Caracterísiticas cefalométricas de pacientes com má oclusão de Classe II. Rev da Assoc Paulista de Espec Ortodon E Ortoped Facial Jan/Fev/Mar 2003;1(1): Chen JY, Will LA, Niederman R. Analysis of efficacy of functional appliances on mandibular growth. Am J Orthod Dentofacial Orthop Nov 2002; 122(5): Costa LA, Suguino R. Aparelho de protração mandibular: uma nova abordagem na confecção do aparelho. Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial ;4(6): Cozza P, Toffol LD, Colagrossi S. Dentoskeletal effects and facial profile changes during activator therapy. European J of Orthodontics 2004;26: Cozza P, Baccetti T, Franchi L, Toffol L, McNamara JA. Mandibular changes produced by functional appliances in Class II malocclusion: A systematic review. Am J Orthod Dentofacial Orthop 2006;129(5):e1-e4. Freeman DC, et al. Long-term treatment effects of the FR-2 appliance of Frankel. Am J of Orthod Dentofacial Orthop 2009:135(5):570 e1-e6. Gonçalves RC. Ativador aberto elástico de Klammt no tratamento da maloclusão de Classe II divisão 1. [Dissertação]. Araraquara (SP): UNESP; Henriques JFC, Maltagliati LA, Pinzan A, Freitas MR. Estudo longitudinal das características da maloclusão de Classe II, divisão 1 sem tratamento, em jovens brasileiros, leucodermas, por um período médio de 3 anos. Rev Dental 50

51 Press Ortod Ortop Facial 1998;3(3): Jacobs T, et al. Natinal Institute of Dental and Craniofacial Research Efficacy Trials of Bionator Class II Treatment: A Review. Angle Orthodontist 2002; 72(6):571-5 Malta LA, Baccetti T, Franchi L, Faltin K Junior, McNamara JA. Long-term dentoskeletal effects and facial changes induced by Bionator therapy. Angle Orthodontist 2010;80(1): Maltagliati LA, Henriques JFC, Janson G, Almeida RR de, Freitas MR de.influence of orthopedic treatment on hard and soft facial structures of individuals presenting with Class II, division 1 maloclusion. A comparative study. J Appl Oral Sci 2004;12(2): Marchi, ALVA. Alterações dento esqueléticas em individuos portadores de má oclusão de Classe II basal tratados com aparelho ortopédico funcional do tipo Simões Network 1 (SN1) [dissertação]. São Paulo (SP): UNIP; 2009 McNamara Jr JA. Components of class II in children 8-10 years of age. Angle Orthodontist, Appleton 1981;51(3): Melo ACM, Gandini Jr LG, Santos-Pinto A dos, Araújo AM, Gonçalves JR. Avaliação cefalométrica do efeito do tratamento da maloclusão Classe II, divisão 1, com bionator de Balters: estudo com implantes metálicos. Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial Maringá 2006;11(3): Olante NM. Tratamento precoce da má oclusão de Classe II [Monografia]. São José do Rio Preto (SP): UNORP/UNIPÓS; Oliveira AJ de. Avaliação cefalométrica das alterações esqueléticas, dentárias e faciais ocorridas em pacientes com maloclusão de Classe II, divisão 1, tratados com tração extra-bucal ortopédica e com bionator de Balters [Monografia]. Minas Gerais (MG):FELA-UEMG;2004. Reina ES. Activateurs élastiques: modeleur élastique de Bimler et activateur de Klammt. Rev Orthod Fr 1992: Rossi, NJ, Rossi, RC. Estudo comparativo clínico radiográfico dos resultados dos tratamentos de gêmeos idênticos portadores de deficiência mandibular, tratados com modelador elástico de Bimler e ativador de Rossi. Rev Odontopediatr 1995;4(1): Siara-Olds NJ, Pangrazio-Kulbersh V, Berger J, Bayirli B. Long-term dentoskeletal chancehs with the bionator, herbst, twin block, and MARA functional appliances. Angle Orthodontist 2010;80(1): Silva-Filho OG, Freitas SF, Cavassan AO. Prevalência de oclusão normal e má oclusão na dentadura mista em escolares na cidade de Bauru (São Paulo). Rev. Assoc. Paul. Cir Dentistas 1989;(43): Simplício AM. Avaliação dos componentes horizontais e verticais da 51

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

Perfil Cursos & Eventos INTRODUÇÃO

Perfil Cursos & Eventos INTRODUÇÃO CEFALOMETRIA RADIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Desde os primórdios da Ortodontia, esta especialidade da Odontologia era mais mutilante do que reabilitadora, uma vez que o tratamento resumiase na extração pura, muitas

Leia mais

Extração Seriada, uma Alternativa

Extração Seriada, uma Alternativa Artigo de Divulgação Extração Seriada, uma Alternativa Serial Extraction, an Alternative Procedure Evandro Bronzi Resumo A extração seriada é um procedimento ortodôntico que visa harmonizar

Leia mais

Padrões cefalométricos de Ricketts aplicados a indivíduos brasileiros com oclusão excelente

Padrões cefalométricos de Ricketts aplicados a indivíduos brasileiros com oclusão excelente T ÓPICO ESPECIAL Padrões cefalométricos de Ricketts aplicados a indivíduos brasileiros com oclusão excelente Masato Nobuyasu**, Minol Myahara***, Tieo Takahashi****, Adélqui Attizzani****, Hiroshi Maruo*****,

Leia mais

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias A escolha dos casos a serem apresentados deverá seguir

Leia mais

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa o superiores e splint removível vel inferior MORO, A.; et al. Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de aço superiores

Leia mais

Série Aparelhos Ortodônticos

Série Aparelhos Ortodônticos Série Aparelhos Ortodônticos Em geral, o protocolo de tratamento nos casos de Classe III, principalmente naqueles com deficiência maxilar, tem sido a disjunção, seguida pela protração da ma-xila. De acordo

Leia mais

FECHAMENTO DE ESPAÇOS

FECHAMENTO DE ESPAÇOS FECHAMENTO DE ESPAÇOS Rua 144, n 77 - Setor Marista - Goiânia (GO) - CEP 74170-030 - PABX: (62) 278-4123 - 1 - Introdução Podemos definir essa etapa do tratamento ortodôntico como aquela onde o principal

Leia mais

Série Aparelhos Ortodônticos: Barra Transpalatina

Série Aparelhos Ortodônticos: Barra Transpalatina Série Aparelhos Ortodônticos barra transpalatina INTRODUÇÃO A barra transpalatina (BTP) tem sido aplicada na mecânica ortodôntica de forma crescente e em muitas situações clínicas. Isto pela característica

Leia mais

FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS - FUNORTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FERNANDO BAIER APARELHOS ORTOPÉDICOS DE AVANÇO MANDIBULAR

FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS - FUNORTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FERNANDO BAIER APARELHOS ORTOPÉDICOS DE AVANÇO MANDIBULAR FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS - FUNORTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FERNANDO BAIER APARELHOS ORTOPÉDICOS DE AVANÇO MANDIBULAR SANTA CRUZ DO SUL-RS 2012 FERNANDO BAIER APARELHOS ORTOPÉDICOS DE

Leia mais

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS Informações ao paciente Contém: 1. Explicação geral sobre cirurgias ortognáticas, 2. Perguntas e respostas, A cirurgia ortognática, também chamada de ortodontia cirúrgica, é um tipo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS:

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS: 1 2 BANDAS ORTODÔNTICAS Introdução Para entendermos a real importância destes componentes de um aparelho ortodôntico, devemos inicialmente compreender qual a função da bandagem frente à um complexo sistema

Leia mais

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA 1 ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA INTRODUÇÃO O período da dentição mista inicia-se por volta dos 6 anos de idade com a erupção dos primeiros molares permanentes, e termina ao redor dos 12 anos de idade, com

Leia mais

Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1)

Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1) Artigo de Divulgação Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1) Treatment of a Class III, Subdivision Malocclusion: A Case Report (Part 1) Guilherme R.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO 474 UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO Fábio André Werlang 1 Marcos Massaro Takemoto 2 Prof Elton Zeni 3 RESUMO

Leia mais

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos.

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos. PRINCIPAIS PERGUNTAS SOBRE IMPLANTES DENTÁRIOS. O que são implantes osseointegrados? É uma nova geração de implantes, introduzidos a partir da década de 60, mas que só agora atingem um grau de aceitabilidade

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 87 5 Discussão dos Resultados No procedimento de análises das imagens gráficas obtidas nas simulações pelo método de elementos finitos, comparou-se a distribuição das tensões nas restaurações com material

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS

ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS Anestesia em anestésico o mais próximo possível do ápice do dente a ser anestesiado. Objetivo : Propiciar o conhecimento das técnicas anestésicas, principalmente as utilizadas

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROGRAMA DE MESTRADO EM ODONTOLOGIA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE E COMPORTAMENTO

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROGRAMA DE MESTRADO EM ODONTOLOGIA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE E COMPORTAMENTO UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROGRAMA DE MESTRADO EM ODONTOLOGIA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE E COMPORTAMENTO PÓS-TRATAMENTO DA CLASSE II MANDIBULAR TRATADA COM BIONATOR DE BALTERS Dissertação apresentada ao

Leia mais

central superior IsI Borda do Incisivo Superior Borda Incisal do Incisivo Central Superior

central superior IsI Borda do Incisivo Superior Borda Incisal do Incisivo Central Superior Tabela 3 - Pontos cefalométricos, fiduciais, planos e linhas de referência. Abreviação Ponto cefalométrico Definição S Sela Centro geométrico da sela túrcica N Násio Ponto mais anterior na sutura fronto-nasal

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2.1. Generalidades As vantagens de utilização de sistemas construtivos em aço são associadas à: redução do tempo de construção, racionalização no uso de

Leia mais

Setup: um Auxílio no Diagnóstico Ortodôntico

Setup: um Auxílio no Diagnóstico Ortodôntico Setup: um Auxílio no Diagnóstico Ortodôntico CASO CLÍNICO Setup: a Diagnosis Assistance in Orthodontics Michelle Santos VIANNA* Armando Yukio SAGA** Fernando Augusto CASAGRANDE*** Elisa Souza CAMARGO****

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO PONTO CEFALOMÉTRICO NÁSIO EM PACIENTES PADRÃO III COM DEFICIÊNCIA HORIZONTAL DA MAXILA

AVALIAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO PONTO CEFALOMÉTRICO NÁSIO EM PACIENTES PADRÃO III COM DEFICIÊNCIA HORIZONTAL DA MAXILA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE FUNORTE Higo Keynes Brito AVALIAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO PONTO CEFALOMÉTRICO NÁSIO EM PACIENTES PADRÃO III COM DEFICIÊNCIA HORIZONTAL DA MAXILA Salvador (BA) 2011 Higo Keynes

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS [Digite texto] INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS LEVANTAMENTO DOS VALORES CEFALOMÉTRICOS CONSULTADOS POR PROFESSORES DE ORTODONTIA PARA ESCLARECER O DIAGNÓSTICO E O PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO

Leia mais

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar 1 PUCPR, ORTODONTIA GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO MUDANÇAS REGIONAIS DA FACE Camargo ES, Maruo H, Guariza-Filho O, Tanaka O. As mudanças de crescimento podem ser descritas, para melhor compreensão, como regiões

Leia mais

Utilização do Aparelho Progênico para Correção das Mordidas Cruzadas Anteriores

Utilização do Aparelho Progênico para Correção das Mordidas Cruzadas Anteriores Tópico Especial Tema desenvolvido pelo conselho editorial abordando assuntos de interesse da classe ortodôntica Utilização do Aparelho Progênico para Correção das Mordidas Cruzadas Anteriores O direcionamento

Leia mais

TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE PRÉ-MOLAR

TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE PRÉ-MOLAR Miguel da Nóbrega Médico Especialista em Estomatologia DUO Faculdade de Cirurgia Dentária Universidade Toulouse miguel.nobrega@ortofunchal.com TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE

Leia mais

A Importância do diagnóstico e intervenção precoce no tratamento das maloclusões em odontopediatria

A Importância do diagnóstico e intervenção precoce no tratamento das maloclusões em odontopediatria A Importância do diagnóstico e intervenção precoce no tratamento das maloclusões em odontopediatria The importance of early diagnosis and intervention in the treatment of malocclusion in pediatric dentistry

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3 Série Aparelhos Ortodônticos EXTRABUCAL INTRODUÇÃO A ancoragem extrabucal ainda é um dos recursos mais utilizados e recomendados no tratamento da má oclusão de Classe II, primeira divisão, caracterizada

Leia mais

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso Caso Clínico Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso José Euclides Nascimento* Luciano da Silva

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto

COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto 1 COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto Resumo da monografia apresentada no curso de especilização em Ortodontia da Universidade

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Um novo conceito de ver e atuar com os aparelhos ortodônticos removíveis José Roberto Ramos Na maioria dos casos, o emprego dos aparelhos ortodônticos

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Neste tópico vamos descrever as principais alterações das imagens radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas

Leia mais

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho BRÁQUETES Aparelho Arco E-1886E Partes do aparelho Aparelho Arco E -1886 APARELHO PINO E TUBO - 1912 Arco Cinta -1915 Aparelho Edgewise - 1925 Braquete original Os primeiros bráquetes eram.022 de uma liga

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO PROCESSO SELETIVO 2013 Nome: PARTE 1 BIOESTATÍSTICA, BIOÉTICA E METODOLOGIA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO PROCESSO SELETIVO 2013 Nome: PARTE 1 BIOESTATÍSTICA, BIOÉTICA E METODOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO PROCESSO SELETIVO 2013 Nome: PARTE 1 BIOESTATÍSTICA, BIOÉTICA E METODOLOGIA 1) Um histograma construído a partir de informações amostrais de uma variável

Leia mais

Eficiência dos protocolos de tratamento em uma e duas fases da má oclusão de Classe II, divisão 1*

Eficiência dos protocolos de tratamento em uma e duas fases da má oclusão de Classe II, divisão 1* A r t i g o In é d i t o Eficiência dos protocolos de tratamento em uma e duas fases da má oclusão de Classe II, divisão 1* Rodrigo Hermont Cançado**, Arnaldo Pinzan***, Guilherme Janson****, José Fernando

Leia mais

O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento

O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento Dica Clínica O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento Hallissa Simplício*, Ary dos Santos-Pinto**, Marcus Vinicius Almeida de Araújo***, Sergei Godeiro Fernandes Rabelo Caldas****,

Leia mais

IGC - Índice do Grau de Complexidade

IGC - Índice do Grau de Complexidade IGC - Índice do Grau de Complexidade Uma medida da complexidade do caso DI -American Board of Orthodontics Autorização American Board of Orthodon1cs- ABO Atualização: 13.05.2013 12. Outros Itens pontuados

Leia mais

Avaliação cefalométrica das alterações verticais e anteroposteriores associadas ao uso do expansor maxilar com cobertura oclusal

Avaliação cefalométrica das alterações verticais e anteroposteriores associadas ao uso do expansor maxilar com cobertura oclusal A r t i g o I n é d i t o Avaliação cefalométrica das alterações verticais e anteroposteriores associadas ao uso do expansor maxilar com cobertura oclusal Moara De Rossi*, Maria Bernadete Sasso Stuani**,

Leia mais

ATIVADOR FIXO BIOPEDIC: INDICAÇÕES E INSTALAÇÃO

ATIVADOR FIXO BIOPEDIC: INDICAÇÕES E INSTALAÇÃO ATIVADOR FIXO BIOPEDIC: INDICAÇÕES E INSTALAÇÃO Luiz Fernando Eto*; Eneida Guimarães de Menezes Venuto**; Paula Moura Nagem** Luiz Fernando Eto - Especialista e Mestre em Ortodontia pelo COP-PUCMG; Professor

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AO SISTEMA DA GESTÃO DE DOCUMENTOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE MACAU PROVISÓRIA

BREVE INTRODUÇÃO AO SISTEMA DA GESTÃO DE DOCUMENTOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE MACAU PROVISÓRIA Administração n.º 47, vol. X III, 2000-1.º, 263-271 BREVE INTRODUÇÃO AO SISTEMA DA GESTÃO DE DOCUMENTOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE MACAU PROVISÓRIA Iong Chi Seng, Lao Chon Pio e Lao Sok Chi* A Câmara Municipal

Leia mais

Análise cefalométrica Padrão Unesp Araraquara

Análise cefalométrica Padrão Unesp Araraquara T ÓPICO ESPECIAL Análise cefalométrica Padrão Unesp Araraquara Luiz G. Gandini Jr.*, Ary dos Santos-Pinto**, Dirceu Barnabé Raveli**, Maurício Tatsuei Sakima*, Lidia Parsekian Martins*, Tatsuko Sakima***,

Leia mais

PORTARIA N.º 19, DE 09 DE ABRIL DE 1998

PORTARIA N.º 19, DE 09 DE ABRIL DE 1998 PORTARIA N.º 19, DE 09 DE ABRIL DE 1998 O Secretário de Segurança e Saúde no Trabalho, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto no artigo 168 da Consolidação das Leis do Trabalho, o disposto

Leia mais

Curso de Formação A Abordagem do Atletismo na Educação Física. (Data de início: 22/05/2015 - Data de fim: 13/06/2015)

Curso de Formação A Abordagem do Atletismo na Educação Física. (Data de início: 22/05/2015 - Data de fim: 13/06/2015) Curso de Formação A Abordagem do Atletismo na Educação Física (Data de início: 22/05/2015 - Data de fim: 13/06/2015) I - Autoavaliação (realizada pelos formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação

Leia mais

Grade Palatina como Auxiliar no Fechamento da Mordida Aberta Anterior

Grade Palatina como Auxiliar no Fechamento da Mordida Aberta Anterior TRABALHO DE PESQUISA Grade Palatina como Auxiliar no Fechamento da Mordida Aberta Anterior Palatine Bar as an Auxiliary Measure to Close Anterior Open Bite Sérgio Rúbio Pinto Bastos* Bastos SRP. Grade

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia. DECISÃO N. o 190. de 18 de Junho de 2003

L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia. DECISÃO N. o 190. de 18 de Junho de 2003 L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia DECISÃO N. o 190 de 18 de Junho de 2003 relativa às características técnicas do cartão europeu de seguro de doença (Texto relevante para efeitos do EEE e do

Leia mais

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3;

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3; COMO ESTUDAR SE NÃO TENHO COM QUEM DEIXAR MEUS FILHOS? UM ESTUDO SOBRE AS SALAS DE ACOLHIMENTO DO PROJOVEM URBANO Rosilaine Gonçalves da Fonseca Ferreira UNIRIO Direcionado ao atendimento de parcela significativa

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

ATO DELIBERATIVO Nº 43, DE 19 DE JUNHO DE 2012.

ATO DELIBERATIVO Nº 43, DE 19 DE JUNHO DE 2012. ATO DELIBERATIVO Nº 43, DE 19 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre o auxílio para tratamento ortodôntico e ortopédico dos maxilares. O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO DO PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE E BENEFÍCIOS

Leia mais

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO 1. OBJETIVO Este roteiro, baseado nas normas de desenho técnico em vigor, destina-se a orientar as empresas, interessadas em realizar ensaios para avaliações técnicas

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

Descrição de Técnica. Leopoldino Capelozza Filho*, José Antonio Zuega Capelozza** Palavras-chave: Diagrama. Straight-wire.

Descrição de Técnica. Leopoldino Capelozza Filho*, José Antonio Zuega Capelozza** Palavras-chave: Diagrama. Straight-wire. Descrição de Técnica DIAO: Diagrama individual anatômico objetivo. Uma proposta para escolha da forma dos arcos na técnica de Straight-Wire, baseada na individualidade anatômica e nos objetivos de tratamento

Leia mais

Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora Elevados

Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora Elevados MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA 3214 - NR 7 - ANEXO I - QUADRO II Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora

Leia mais

1º Trabalho: Resumo e Reflexão de duas mensagens dos grupos de Matemática do Yahoo.

1º Trabalho: Resumo e Reflexão de duas mensagens dos grupos de Matemática do Yahoo. 1º Trabalho: Resumo e Reflexão de duas mensagens dos grupos de Matemática do Yahoo. Disciplina: Meios Computacionais no Ensino Professor: Jaime Carvalho e Silva Aluno: Rafael Ferreira de Camargos Sousa

Leia mais

incisivos inferiores 1,3,4,6. Há também um movimento do nariz para frente, tornando o perfil facial menos côncavo e, conseqüentemente,

incisivos inferiores 1,3,4,6. Há também um movimento do nariz para frente, tornando o perfil facial menos côncavo e, conseqüentemente, Série Aparelhos Ortodônticos MÁSCARA FACIAL INTRODUÇÃO Inúmeras formas de tratamento têm sido relatadas para a correção precoce da má oclusão de Classe III. No entanto, talvez por muitos casos necessitarem

Leia mais

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

RECUPERADORES DE ESPAÇO

RECUPERADORES DE ESPAÇO RECUPERADORES DE ESPAÇO Conceito Recuperadores de espaço são usados para recuperar o espaço perdido nas arcadas dentárias. Eles verticalizam os dentes que inclinaram, depois que outros foram perdidos.

Leia mais

O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico

O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico Caso Clínico O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico Alexandre de Almeida Ribeiro* Resumo A morfologia do arco dentário está relacionada diretamente com as demais partes

Leia mais

Ortho In Lab. Resumo PROSTHESIS

Ortho In Lab. Resumo PROSTHESIS Planejamento e individualização da aparatologia ortodôntica conjugada aos mini-implantes ( DATs) Parte I Sítios de instalação uma área de risco controlado. Individualization of planning and orthodontic

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa?

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa? Destaque: Somos, nós mulheres, tradicionalmente responsáveis pelas ações de reprodução da vida no espaço doméstico e a partir da última metade do século passado estamos cada vez mais inseridas diretamente

Leia mais

Rodrigo Passoni Cléber Bidegain Pereira

Rodrigo Passoni Cléber Bidegain Pereira CUSTO BIOLÓGICO DA BOA INFORMAÇÃO Rodrigo Passoni Cléber Bidegain Pereira O custo-benefício das imagens em 3D é um dos pontos principais do SROOF-2012 e tema de justificado interesse da Odontologia. A

Leia mais

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição.

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. De acordo com a Norma NBR 1001, um grande número de fatores influência a freqüência de calibração. Os mais importantes,

Leia mais

MANUAL PARA CONFECÇÃO DE PAINÉIS CIENTÍFICOS*

MANUAL PARA CONFECÇÃO DE PAINÉIS CIENTÍFICOS* MANUAL PARA CONFECÇÃO DE PAINÉIS CIENTÍFICOS* Segundo Carlos Estrela (2001), o painel científico constitui uma discussão informal de um grupo de pessoas conhecedoras de um assunto em análise, apresentando

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO (Adaptado do texto do prof. Adair Santa Catarina) ALGORITMOS COM QUALIDADE MÁXIMAS DE PROGRAMAÇÃO 1) Algoritmos devem ser feitos para serem lidos por seres humanos: Tenha em mente

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA

AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA 1. Introdução. 2. Medida Direta de Distâncias. 2.1. Equipamentos utilizados na Medida Direta de Distâncias. 2.2. Cuidados na Medida Direta de Distâncias. 2.3. Método na Medida

Leia mais

Marcelo c. m. pessoa

Marcelo c. m. pessoa Marcelo c. m. pessoa CRM 52670502 CIRURGIA PLASTICA INFORMAÇÕES SOBRE TRATAMENTO MÉDICO-ESPECIALIZADO SOLICITAÇÃO E AUTORIZAÇÃO PARA TRATAMENTO Eu, identidade número expedida por, solicito e autorizo ao

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

Chegou a Hora da Nossa Feira Escolar de Matemática e Ciências

Chegou a Hora da Nossa Feira Escolar de Matemática e Ciências Elementary Mathematics and Science Fair Student Timeline Portuguese version Chegou a Hora da Nossa Feira Escolar de Matemática e Ciências Prezados Pais ou Responsável, Iremos realizar em nossa escola a

Leia mais

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB ALVES, Giorvan Ânderson dos santos Alves LOPES SOBRINHO, Paulo Naati LUNA, Anibal Henrique Barbosa

Leia mais

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo çã APARELHO DE HERBST COM CANTILEVER (CBJ) MAYES, 1994 Utiliza quatro coroas de açoa o nos primeiros molares e um cantilever,, a partir dos primeiros

Leia mais

A Meta-Analytic Review of Psychosocial Interventions for Substance Use Disorders

A Meta-Analytic Review of Psychosocial Interventions for Substance Use Disorders A Meta-Analytic Review of Psychosocial Interventions for Substance Use Disorders REVISÃO META-ANALÍTICA DO USO DE INTERVENÇÕES PSICOSSOCIAIS NO TRATAMENTO DE DEPENDÊNCIA QUÍMICA Publicado: Am J Psychiattry

Leia mais

Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica

Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica Artigo Inédito Relatos clínicos e de técnicas, investigações científicas e revisões literárias Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica A fotografia

Leia mais

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos.

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Tatiana Sakuyama Jorge Muniz Faculdade de Engenharia de Guaratingüetá - Unesp

Leia mais

Tratamento da classe II, com aparelho de herbst modificado relato de caso clínico

Tratamento da classe II, com aparelho de herbst modificado relato de caso clínico 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 Class II malocclusion treatment with modified Herbst appliance A Case Report Resumo

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

Leia mais

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos.

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos. PERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UENP, EM RELAÇÃO AOS ASPECTOS QUE CARACTERIZAM UM AMBIENTE FAVORECEDOR DA APRENDIZAGEM RESUMO Maria Cristina SIMEONI 1 Este resumo

Leia mais

Rev Inst Ciênc Saúde 2006 abr-jun; 24(2):115-23

Rev Inst Ciênc Saúde 2006 abr-jun; 24(2):115-23 Rev Inst Ciênc Saúde 2006 abr-jun; 24(2):115-23 Avaliação das alterações dentoalveolares verticais em pacientes retrovertidos, neutrovertidos e provertidos portadores de má oclusão de Classe II, divisão

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO ESTRUTURAL DO CORO ALTO DA IGREJA DO PÓPULO EM BRAGA

CONSOLIDAÇÃO ESTRUTURAL DO CORO ALTO DA IGREJA DO PÓPULO EM BRAGA A Intervenção no Património. Práticas de Conservação e Reabilitação 173 CONSOLIDAÇÃO ESTRUTURAL DO CORO ALTO DA IGREJA DO PÓPULO EM BRAGA ESMERALDA PAUPÉRIO Engenheira IC-FEUP ANÍBAL COSTA Engenheiro Prof.

Leia mais

Tratamento cirúrgico da má oclusão de Classe III dentária e esquelética

Tratamento cirúrgico da má oclusão de Classe III dentária e esquelética Caso Clínico BBO Tratamento cirúrgico da má oclusão de Classe III dentária e esquelética Ione Helena Vieira Portella Brunharo 1 O preparo ortodôntico para tratamento cirúrgico do padrão esquelético de

Leia mais

1 Introdução simulação numérica termoacumulação

1 Introdução simulação numérica termoacumulação 22 1 Introdução Atualmente o custo da energia é um dos fatores mais importantes no projeto, administração e manutenção de sistemas energéticos. Sendo assim, a economia de energia está recebendo maior atenção

Leia mais

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS INCISIVOS Os incisivos permanentes são o primeiro e segundo dente a contar da linha média; Juntamente com os caninos constituem os dentes anteriores; Os incisivos superiores são geralmente maiores que

Leia mais

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos.

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos. Os dados e resultados abaixo se referem ao preenchimento do questionário Das Práticas de Ensino na percepção de estudantes de Licenciaturas da UFSJ por dez estudantes do curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados

Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados Caso Selecionado Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados Carlos Eduardo Francischone O caso clínico apresentado mostra resultados estéticos e funcionais excelentes,

Leia mais

Gráficos. Incluindo gráficos

Gráficos. Incluindo gráficos Gráficos Mas antes de começar, você precisa ter em mente três conceitos importantes que constituem os gráficos do Excel 2007. O primeiro deles é o ponto de dados. Este elemento é representado pela combinação

Leia mais

UNIODONTO BELÉM - COOPERATIVA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ODONTOLOGICA TABELA DE ATOS NÃO COBERTOS - NOMENCLATURA DOS ATOS - PREVENÇÃO R$ 81000073

UNIODONTO BELÉM - COOPERATIVA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ODONTOLOGICA TABELA DE ATOS NÃO COBERTOS - NOMENCLATURA DOS ATOS - PREVENÇÃO R$ 81000073 UNIODONTO BELÉM COOPERATIVA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ODONTOLOGICA TABELA DE ATOS NÃO COBERTOS NOMENCLATURA DOS ATOS PREVENÇÃO R$ 81000073 CONSULTA ODONTOLÓGICA PARA AVALIAÇÃO TÉCNICA DE AUDITORIA 130,00

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais