SEMEAR AMIGOS : A CAMINHO DA RESSOCIALIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMEAR AMIGOS : A CAMINHO DA RESSOCIALIZAÇÃO"

Transcrição

1 SEMEAR AMIGOS : A CAMINHO DA RESSOCIALIZAÇÃO Prof. Dra. Tatiana REIDEL 1 Prof. Ms. Rosana Jardim CANDELORO 2 RESUMO O artigo que ora se apresenta pretende relatar uma face do projeto de extensão Semear Amigos, da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), em parceria com a empresa Pioneer, desenvolvido entre o segundo semestre de 2008 e março de Através de um diagnóstico, em cinco bairros da periferia de Santa Cruz do Sul, de abrangência do projeto Semear Amigos, foi possível atender às famílias de apenados dos bairros, que cumpriam, então, pena no Presídio Regional de Santa Cruz do Sul, além de construir um mapeamento das necessidades e prioridades dos mesmos, a partir dos depoimentos de seus familiares visitados em seus domicílios. Através de uma pesquisa de natureza qualitativa, os familiares que responderam à entrevista foram indicados pelos apenados através de um termo de consentimento, no qual constavam seu nome e o endereço completo. Não obstante as dificuldades encontradas na coleta de dados nos bairros, bem como o fato de os prontuários dos apenados não serem informatizados, chegou-se a resultados que sinalizaram a necessidade permanente de escolarização dentro do presídio e de cursos de capacitação aos apenados em vias de migrarem para o regime semi-aberto, como forma de reintegrá-los à sociedade e ao mercado de trabalho, com vistas a uma verdadeira ressocialização. Palavras-chave: Extensão. Apenados. Capacitação ABSTRACT This article intends to report aspect of the extension project Semear Amigos ( Sowing Friends ) of the University of Santa Cruz do Sul (UNISC) with the partner company Pioneer, developed between the second semester 2008 and March of Trough a diagnosis in five poor neighborhoods of Santa Cruz do Sul covered by the project, it was possible to attend to the families of inmates that served time in the local prison called Presídio Regional de Santa Cruz do Sul. It was also possible to map the needs and priorities of inmates, based on the testimonials of their relatives. Through a qualitative research, the families who answered to the interview were appointed by the inmates through a term of agreement containing their names and addresses. Despite the difficulties found in the collecting of data in the neighborhoods and also the fact that the inmates records aren t computerized, we came to the conclusion that there is a permanent need of schooling inside the prison and the need of professional skills development for the inmates, in order to help them to go on probation, to reintegrate in the society and in the job market, with the view to a true resocialization. Key-words: Extension Project. Inmates. Professional Skills Development. 1 Coordenadora do Projeto de Extensão Semear Amigos, em parceria com a empresa Pioneer, de Santa Cruz do Sul, Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da PUC/RS e docente do Curso de Serviço Social do Departamento de Ciências Humanas da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC/RS). 2 Integrante do Projeto de Extensão Semear Amigos, de agosto de 2008 a março de 2009, e docente do Curso de Filosofia do Departamento de Ciências Humanas da UNISC/RS. Coordenadora do Projeto de Extensão da UNISC no Presídio Regional de SCS. Vivências. Vol.6, N.11: p.81-87, Outubro/

2 INTRODUÇÃO O artigo que ora se apresenta relata e problematiza as atividades do projeto de extensão da Universidade de Santa Cruz do Sul, Semear Amigos, em parceria com a empresa Pioneer, coordenado pela Prof. Dra. Tatiana Reidel, com a participação da Prof. Ms. Rosana Jardim Candeloro e de duas assistentes sociais contratadas, Carine Rech e Juliane Pedroso, concernente ao período de agosto de 2008 a março de Este trabalho é resultado de um diagnóstico das famílias dos apenados, que residem nos bairros de abrangência do projeto mencionado e que cumpriam pena no regime fechado do Presídio Regional de Santa Cruz do Sul, a partir de uma solicitação formal da Pró-Reitoria de Extensão e Relações Comunitárias da Universidade de Santa Cruz do Sul, em julho de Realizou-se para a consecução do diagnóstico uma pesquisa qualitativa com os familiares indicados pelos próprios apenados do Presídio Regional de Santa Cruz do Sul, nos bairros do município de Santa Cruz do Sul em que o projeto Semear Amigos se desenvolve há alguns anos, a saber, Harmonia, Glória, Beckemkamp, Cristal e Imigrante. Até dezembro de 2008, conforme dados da Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe), havia 520 apenados de Santa Cruz do Sul, de Venâncio Aires, de Vera Cruz e de outros municípios gaúchos nesse presídio e no albergue. Desse total, havia, então, 37 mulheres cumprindo pena nos regimes fechado, semi-aberto e aberto. Uma parte dessa população é originária dos bairros fronteiriços ao presídio, o que justificou o levantamento de dados acerca das necessidades e prioridades dos apenados, segundo a visão de seus familiares. Nesse mesmo período, qual seja, o segundo semestre de 2008, foi constatado que apenas três estagiárias da UNISC estavam desenvolvendo atividades curriculares supervisionadas com os apenados: uma do curso de Serviço Social e duas do curso de Psicologia. Isso sinalizava para a equipe que a UNISC, até então, não possuía um projeto de ações no presídio, junto aos apenados e suas famílias, no sentido de apoiar a ressocialização dos mesmos. Entende-se, com base nisso, por que o Ministério Público e os segmentos que constituem o Conselho da Comunidade do Presídio mobilizaram-se em março de 2008 para que a universidade, com forte caráter comunitário e extensionista, ocupasse o nicho prisional e propusesse um projeto de extensão de caráter permanente junto aos sujeitos em situação prisional. As necessidades humanas e sociais da população não são atendidas de imediato e em curto prazo (SOUZA, 2004). Do ponto de vista da pobreza, da segregação, da exclusão social e do estigma de se ter um familiar cumprindo pena no presídio, as pesquisas etnográficas com essa população movimentam-se a partir das representações simbólicas dos agentes sociais envolvidos no contexto. Entretanto, para o diagnóstico das necessidades dos apenados do Presídio Regional de Santa Cruz do Sul, da perspectiva de seus familiares moradores dos bairros em que atua a equipe do Semear Amigos, um questionário simples de perguntas fechadas foi submetido, inicialmente, ao diretor do presídio, por se tratarem de sujeitos vulneráveis e institucionalizados sob sua responsabilidade. O questionário (primeiro instrumento) simples com questões fechadas foi entregue nas galerias do setor masculino e feminino dos internos e dos apenados do regime semi-aberto pelo diretor da casa prisional, sob sua prévia autorização. Recolheram-se os dados pertinentes ao endereço dos familiares dos apenados e da pessoa indicada por eles, que receberia a docente responsável para uma entrevista com roteiro semi-estruturado (segundo instrumento), em uma perspectiva qualitativa. Os apenados, que se encontravam nas galerias naquele momento da distribuição do instrumento, foram orientados pelo diretor acerca dos objetivos da pesquisa, modo de preenchimento e alertados para o fato de que apenas os que possuíam familiares nos bairros indicados, de Santa Cruz do Sul, poderiam preenchê-lo. Uma vez que os projetos de extensão ainda não são submetidos ao Comitê de Ética em Pesquisa da Vivências. Vol.6, N.11: p.81-87, Outubro/

3 UNISC, a Prof. Rosana J. Candeloro, que já foi integrante desse comitê por dois anos e meio, tomou medidas no sentido de preservar a confidencialidade dos dados e o sigilo das identidades das famílias (BRASIL, 1996). Recolhidos os 62 questionários com os endereços das famílias dos apenados residentes nos cinco bairros de atuação do Semear Amigos, iniciou-se a sistematização dos endereços completos e da logística para se coletar os dados, sempre às quintas e sextas à tarde. Dos 62 instrumentos de coleta de dados, recolhidos das galerias pelos apenados plantonistas, que colaboraram na coleta de dados a pedido do diretor do presídio, 23 deles tinham famílias nos bairros de atuação do Semear Amigos. Na segunda fase da coleta de dados, através de entrevista com um roteiro de questões semiestruturadas, iniciou-se a imersão nos bairros, não sem antes visitar as lideranças locais e conhecer as instalações dos cursos do Centro de Referência em Assistência Social (CRAS). Houve problemas de várias ordens, como endereços incorretos, incompletos e inexistentes, fora o fato de que algumas pessoas, indicadas pelos apenados, não se encontravam durante o dia, em horário útil. Ao final da coleta de dados, alguns familiares nunca foram encontrados no bairro, o que determinou a redução da amostra para 23 famílias. Em suma, a amostra de familiares ficou reduzida a 23 pessoas entrevistadas, consequentemente, em visitas domiciliares ocorridas entre setembro e novembro de Os objetivos do projeto de extensão na época foram: realizar um diagnóstico das necessidades básicas dos apenados do Presídio Regional de Santa Cruz do Sul, através de seus familiares, residentes em cinco bairros desse município; visitar os familiares em suas casas para a realização de uma entrevista com questões semi-estruturadas; analisar os dados qualitativos, resultantes das entrevistas; e, finalmente, conceber um plano de ações da UNISC no Presídio Regional de Santa Cruz do Sul. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Terminada a fase de coleta com os sujeitos de pesquisa designados, iniciou-se a transcrição das respostas às questões abertas. Cada questionário semi-estruturado foi digitado e seus dados analisados, através de categorizações ou eixos temáticos, que orientaram a análise de conteúdo (BARDIN, 2008). A partir das falas dos sujeitos que eram, em sua maioria, mulheres, quatro eixos de análise foram deduzidos do manancial de dados das entrevistas, o que permitiu elencá-los assim: o estudo como capacitação, o trabalho como meio para a ressocialização, a família e a sociedade trabalhando no acolhimento do apenado e a assistência judiciária. Entre setembro e final de novembro de 2008, procedeu-se à realização das entrevistas nas casas de famílias dos bairros citados, a partir da sistematização dos endereços fornecidos pelos apenados, através de um formulário e de um termo de consentimento. Nas tardes em que a coleta ocorreu, às quintas e sextas-feiras, a Prof. Rosana J. Candeloro, que coordenou o trabalho de levantamento dos dados, não pôde acompanhar as ações socioeducativas com os adolescentes do projeto, coordenadas no turno da tarde de sextas pela assistente social Carine Rech. Não fosse a presença da assistente social Juliane Pedroso, como elemento mediador entre a docente e as famílias dos bairros, a coleta de dados não teria sido concluída ao final do semestre letivo e alguns endereços não teriam sido visitados para o diagnóstico das necessidades dos apenados. Para contemplar as ações socioeducativas, que ocorrem no âmbito do Projeto Semear Amigos, a docente Rosana Candeloro procurou assenhorear-se dos dados acerca das crianças vinculadas aos apenados/apenadas, que cumprem pena no Presídio Regional de Santa Cruz do Sul. Uma das questões realizada, quando das visitas, foi se as crianças da família visitada participavam de algum projeto social nos bairros, qual e se teriam interesse em participar do Semear Amigos. Vivências. Vol.6, N.11: p.81-87, Outubro/

4 No que tange ao atendimento dos 12 adolescentes no âmbito do Semear Amigos, no segundo semestre de 2008, não foi possível relacioná-los às famílias dos apenados visitadas nos bairros, dado o fato de que aqueles adolescentes não possuíam vínculo familiar com apenados e apenadas no Presídio Regional de Santa Cruz do Sul. O projeto Semear Amigos também possuía um curso de capacitação em corte e costura, que, no segundo semestre de 2008, estava ocorrendo em uma sala do Centro de Referência em Assistência Social (CRAS). As mulheres de famílias de apenados, entrevistadas na pesquisa, não faziam parte do núcleo de corte e costura, oferecido pelo Semear Amigos e tampouco apresentaram interesse em frequentá-lo. Observou-se que há pouco interesse em cursos de capacitação, oferecidos como atividades dos projetos de extensão da UNISC nos bairros, de um modo geral, uma vez que, anualmente, essas mesmas mulheres, vinculadas aos apenados, tornam-se safristas das fumageiras localizadas em Santa Cruz do Sul e municípios da região. Das 23 famílias visitadas nos bairros em que o Semear Amigos atua, apenas uma mulher, do bairro Imigrante, manifestou interesse em se vincular a um curso de corte e costura, com vistas à formação de uma futura cooperativa de trabalho. As outras respondentes, quando indagadas sobre capacitação, manifestaram interesse em aprender um ofício nos segmentos de confeitaria, mecânica, culinária e Recursos Humanos (RH). DISCUSSÃO DOS RESULTADOS ALCANÇADOS Ainda que a amostra de famílias dos bairros tenha sido constituída de 23 sujeitos, em se tratando de uma pesquisa qualitativa, com a aplicação de um questionário semi-estruturado, através de uma entrevista realizada face a face, o diagnóstico foi realizado nos cinco bairros, de atuação do projeto Semear Amigos, com o apoio da assistente social Juliane Pedroso, em tempo hábil. Obteve-se com isso um manancial de dados importante para alimentar o diagnóstico solicitado pela Proext, da UNISC, em julho de Procedeu-se à análise dos dados a partir das quatro categorizações (BARDIN, 2008) concebidas após a transcrição e leitura exaustiva das respostas ao questionário semi-estruturado, aplicado em forma de entrevista com as representantes das famílias dos apenados, residentes nos bairros citados. Abaixo, estão dispostas as categorias e suas respectivas análises. Tratando-se de mulheres a quase totalidade das entrevistadas e de seu baixo nível de escolaridade, optou-se, para este artigo, apenas comentar as respostas às questões abertas que introduzem algum elemento novo, em detrimento das respostas repetitivas, tendo em vista que, muitos dos questionários, aplicados em formato de entrevista, recebiam das entrevistadas como resposta uma única palavra, um sim ou um não. O estudo foi indicado como forma de manter a cabeça do apenado longe do mundo do crime, além de ser uma possibilidade de terminar a escolarização um dia iniciada. Algumas das mulheres respondentes, mães ou esposas de apenados, enfatizaram o estudo como ocupação dentro do presídio, o que afastaria a mente dos apenados de bobagens, uma vez que, é sabido, a prisão possibilita um intervalo para a reflexão, mas reflexão viciada, que conduz muito mais à volta, a ponto de a unanimidade dos presos apontar como uma vantagem do trabalho prisional a ocupação do tempo (HIRDES; PINTO, 2006). Duas das entrevistadas, mães de apenados do regime fechado, que já cumprem pena há mais anos, rememoraram a época em que a população carcerária tinha aulas regulares, trabalho respeitado por todos, mas que, considerando questões singulares do serviço público estadual, foi interrompido. Vivências. Vol.6, N.11: p.81-87, Outubro/

5 Há que se destacar aqui o papel da UNISC, no sentido de garantir que bolsistas de extensão ou estagiárias do curso de licenciatura em Pedagogia possam desenvolver suas práticas dentro do presídio, restaurando o trabalho outrora desenvolvido por uma professora cedida e, mais ainda, ressignificando a tarefa pedagógica de permitir que os apenados não apenas cresçam intelectualmente, mas readquiram sua dignidade humana, através da educação formal. Ao responder à questão sobre o trabalho, a maior parte das respondentes dos bairros apresentou a convicção de que a capacitação para o trabalho profissional e o desenvolvimento do artesanato dentro do presídio trazem bem-estar e dignidade aos apenados e apenadas, além de poderem gerar renda em prol das famílias e progressão na pena privativa de liberdade. Algumas mães mostraram-nos peças feitas pelos apenados com material levado pelas famílias quando das visitas ao presídio. Várias delas disseram que é preciso de material para que eles possam desenvolver peças artesanais na rotina diária. Duas mães queixaram-se muito de que não têm dinheiro para comprar material para a confecção do artesanato. Além do artesanato, veiculado em várias das respostas, observou-se que algumas das famílias visitadas eram formadas de recicladores de lixo, o que nos levou a supor que os apenados, provenientes dos cinco bairros, têm noção de reciclagem de lixo e do fato de que o lixo pode ser considerado como matéria-prima e tem valor de mercado. Associado a isso, indagou-se o diretor do presídio sobre a produção de lixo de parte da população carcerária: parte dele é reciclado; outra parte fica depositada nas dependências da instituição, o que implica um espaço comprometido constituído de material reciclável sem utilização. Assim, diante de dificuldades para tornar os apenados produtivos dentro do espaço prisional, urge constituir uma comissão que refletirá acerca das várias possibilidades de trabalho prisional, construindo uma proposição, através de um projeto de ações de extensão, de caráter multidisciplinar, para a resolução de um dos problemas mais graves na sociedade, que se traduz como a ausência de mecanismos de ressocialização dos apenados, através do trabalho dignificante. Durante as entrevistas, observou-se que a família é o mecanismo protetivo mais valorizado pelas mães, esposas e irmãs. Todas, de um modo geral, destacaram que a sociedade tem um descomprometimento ético perverso com aquele que errou e reincidiu. A reincidência é justamente fruto do estigma que a sociedade impõe sobre os apenados, estigma esse reforçado pela mídia e disseminado pela opinião pública. Várias esposas jovens, mães de crianças pequenas, ficaram com a incumbência de manter a economia doméstica, mas não conseguiam nada além de bicos como faxinas esporádicas. Comentou-se que o fato de residirem nos bairros da periferia destrói qualquer possibilidade de acessarem um emprego com carteira assinada, uma vez que tão logo divulguem seus endereços residenciais, nunca mais são chamadas para o processo de seleção e passam a vivenciar o ultraje de viver nos bairros e de ter um parente em situação de cárcere. Goyeneche (2008), em pesquisa realizada no Presídio Regional de Santa Cruz do Sul, aponta vários problemas e alternativas para a questão da ressocialização. Uma das falas de seus respondentes, em pesquisa realizada como trabalho de conclusão de curso em Direito, na UNISC, é do Promotor do Ministério Público de Santa Cruz do Sul, que reforça a falta de políticas públicas no sistema prisional: a falta de políticas públicas e programas adequados ao retorno do preso à sociedade, as condições subumanas a que são submetidos no interior dos presídios, implica a criação de pessoas mais afastadas do sistema produtivo, com valores deturpados, e muitas vezes Vivências. Vol.6, N.11: p.81-87, Outubro/

6 mais inseridas no cotidiano criminoso. (p.73). Quanto aos aspectos psicológicos determinantes do estado de exclusão social, que naturalmente apareceram nas entrevistas, destaca-se a fala de uma das mulheres respondentes, jovem, com três filhos em casa, que ficou com a carroça de recolhimento de lixo, uma vez que seu marido estava preso no regime fechado, aguardando audiência, em função do assassinato de um colega papeleiro. Ela inspirava cuidados e parecia-nos em estado de depressão, não possuindo, então, força física para dar continuidade ao trabalho de coleta de lixo reciclável, além de ter um filho pequeno para cuidar. Ficou claro que ela e as crianças estavam passando fome, na medida em que não dava conta do serviço e dependiam de doações da Igreja do bairro para sobreviver. Várias senhoras comentaram que é preciso terapia para as famílias, porque, em seu entendimento, as famílias devem participar do processo de acompanhamento e restabelecimento do equilíbrio emocional do apenado/apenada, que deve permear todo o grupo familiar. CONSIDERAÇÕES FINAIS É primordial para a ressocialização que o Código Penal e a Lei de Execução Penal sejam alteradas e adequadas à realidade prisional. Os juízes e promotores de Justiça não têm condições de acompanhar a execução da pena e conceder os benefícios da mesma, na medida em que não há políticas públicas institucionalizadas, de parte do Poder Público, que implementem programas de apoio ao egresso. As famílias dos apenados estão abandonadas, sem acesso a apoio psicológico e socioeducativo. Finalmente, não há incentivos fiscais aos empresários para empregarem mão de obra carcerária. Constatou-se que a pobreza e a exclusão social das famílias dos apenados, residentes nos bairros Glória, Cristal, Imigrante, Harmonia e Beckemkamp são mais profundas que as das famílias atendidas por outros projetos de extensão da UNISC nos bairros. Não obstante os revezes e as dificuldades apontadas, defende-se aqui a implementação de um programa mínimo de ações, com vistas à ressocialização, a partir da inserção da Universidade no cotidiano da casa prisional. O diagnóstico inicial, junto às famílias dos apenados de bairros de Santa Cruz do Sul, foi relevante para determinar a concepção de um projeto permanente para os apenados do Presídio Regional de Santa Cruz do Sul, que, em 2009, foram alfabetizados, e, desde 2010, participam de uma oficina de Leitura e Produção Textual, utilizando o acervo da biblioteca prisional organizada pela Universidade de Santa Cruz do Sul em parceria com o Conselho da Comunidade do município e com a 6ª Coordenadoria Regional de Educação (6ª CRE). Desde a fase inicial, de contato com o diretor do presídio, observou-se que a missão de chegar aos familiares era quase inviável, uma vez que os prontuários dos apenados são manuscritos, o equipamento de Informática da Susepe dentro do presídio era defasado, à época da pesquisa, e alguns endereços fornecidos pelos apenados no formulário inicial não coincidia com o constante em seus prontuários, o que causou problemas nas incursões a pé pelos bairros, quando da coleta de dados. Os endereços incompletos, inexistentes ou não localizados atrapalharam sobremaneira o andamento da coleta de dados nos bairros, alterando, significativamente, a amostra inicial constituída para o levantamento. Em se tratando de uma pesquisa qualitativa, no entanto, não houve problemas com a significância da amostra. O diagnóstico com as famílias dos apenados, residentes nos bairros, foi uma demanda da Proext, já ressaltada anteriormente, que surgiu em julho de 2008, em um momento em que várias reuniões de trabalho com a equipe do Semear Amigos já haviam sido realizadas e o plano de trabalho das docentes concebido. Vivências. Vol.6, N.11: p.81-87, Outubro/

7 A maior dificuldade foi proceder à coleta de dados nos bairros, em um tempo exíguo, sem contar com uma equipe de apoio treinada e com bolsistas de extensão, para dar o suporte necessário ao diagnóstico solicitado. As histórias de vida das mulheres das famílias dos apenados, acessadas através das visitas domiciliares e das entrevistas realizadas, não puderam ser contempladas na pesquisa, em função de objetivos norteadores bem-delimitados na constituição do diagnóstico das necessidades dos apenados do presídio. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, BRASIL. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei de Execução Penal. Brasília, BRASIL. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Regras mínimas para o tratamento do preso no Brasil. Brasília, BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Resolução 196/96. Brasília, GOYENECHE, Mirelle C. Sistema prisional brasileiro sob a ótica da Teoria Sistêmica. Santa Cruz do Sul, 2008 Monografia de conclusão do curso de Direito. UNISC, 96f. HIRDES, A.; PINTO, G. O processo de institucionalização de detentos: perspectivas de reabilitação e reinserção social. Revista de Enfermagem, v. 4, n. 10, p , dez SOUZA, Maria Luiza. Desenvolvimento de comunidade e participação. São Paulo: Cortez, Vivências. Vol.6, N.11: p.81-87, Outubro/

Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação: Professora e Pesquisadora da FSS/ graduação e pós-graduação

Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação: Professora e Pesquisadora da FSS/ graduação e pós-graduação PROJETO DE PESQUISA: Condições de Acesso das Pessoas com Deficiência às Universidades do RS Responsável: Profa Dra Idília Fernandes Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação:

Leia mais

Realização. Estados Vizinhos Convidados

Realização. Estados Vizinhos Convidados Relatório-síntese do III Seminário de Articulação Nacional e Construção de Diretrizes para a Educação no Sistema Penitenciário Regional Sul Centro Administrativo Porto Alegre - RS 6 e 7 de março de 2006

Leia mais

Políticas Publicas de Ressocialização

Políticas Publicas de Ressocialização Primeiro Encontro Mato Grossense de Conselhos da Comunidade Políticas Publicas de Ressocialização ão Rosangela Peixoto Santa Rita 26 de junho de 2008. O Brasil já tem mais de 423 mil presos em seus cárceres;

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PEDAGOGIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PEDAGOGIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PEDAGOGIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Alessandra Sagica Gonçalves 1 Arquijane Cardoso de Abreu 2 Resumo: Este artigo tem por escopo socializar as experiências vivenciadas no estágio

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM Górki Pires de Andrade gorkipires@hotmail.com Jessica Rabelo Holanda jeholanda2010@hotmail.com Kelianny Pinheiro Bezerra

Leia mais

Egressos e mercado de trabalho. Sonora Édio Araújo : 00:26/00:45

Egressos e mercado de trabalho. Sonora Édio Araújo : 00:26/00:45 Egressos e mercado de trabalho Imagens externas de presídios no Rio de Janeiro. Imagem Édio Araújo Cooperativa eu quero Liberdade. Gráfico e imagens de apoio. Imagem Maíra Fernandes Presidente do conselho

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA TÍTULO: "DIÁRIO" DE UM EX - DETENTO : AS DIFICULDADES E PRECONCEITOS ENCONTRADOS, NO DIA A DIA,PARA RESSOCIALIZAÇÃO DO EX - PRESIDIÁRIO NEGRO NO BRASIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE

A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE Título: A Proteção Socioassistencial para Usuários de Crack e suas Famílias: Os Desafios da Intersetorialidade

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO 1322 PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO Janyelle Silva Mendes¹;Juliana Alves Leite Leal² 1. Graduanda do Curso de Enfermagem,

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO Ana Sachs* 20/09/2009-07h00 Do UOL Notícias Em São Paulo Ainda que seja uma exigência da lei de Execuções Penais, o trabalho

Leia mais

Profª Ms. Ana Paula de Aguiar 1 Profª Esp. Ana Cristina Pereira Diniz 2 Diálogos Abertos sobre a Educação Básica. Relato de experiência.

Profª Ms. Ana Paula de Aguiar 1 Profª Esp. Ana Cristina Pereira Diniz 2 Diálogos Abertos sobre a Educação Básica. Relato de experiência. PROEJA FIC/PRONATEC: RELATO DO DIAGNÓSTICO DO PERFIL SÓCIO- CULTURAL DO EDUCANDO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DE DUAS ESCOLAS DA REDE MUNICIPAL DE GOIÂNIA Profª Ms. Ana Paula de Aguiar 1 Profª Esp.

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA A ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESCOLAR O Planejamento é o principal instrumento norteador da ação dos coordenadores e profissionais

Leia mais

Secretaria Nacional de Segurança Pública

Secretaria Nacional de Segurança Pública Secretaria Nacional de Segurança Pública Mulheres da Paz Conceito do Mulheres da Paz O Projeto MULHERESDAPAZ é uma iniciativa do Ministério da Justiça, instituída pela Lei n 11.530/2007 e pelo Decreto

Leia mais

TÍTULO: A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA (NASF): VISÃO DOS PROFISSIONAIS

TÍTULO: A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA (NASF): VISÃO DOS PROFISSIONAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA (NASF):

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

EDITAL REFITIFCADO 01/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO

EDITAL REFITIFCADO 01/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Universidade Federal de Juiz de Fora Pró-Reitoria de Assuntos Acadêmicos EDITAL REFITIFCADO 01/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO PROJETO DE EXTENSÃO: Casa da Criança / IBPeron / Axé Criança

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL RESUMO AMORIM 1, Tâmara Ramalho de Sousa SIMÕES 2, Poliana

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Câmpus Curitiba RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Câmpus Curitiba RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Câmpus Curitiba RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO ROSILENE XAVIER DA SILVA LOPES Relatório apresentado ao

Leia mais

Juventude com Arte, Saúde e Cidadania Autores: Ellen da Silva Mourão; Giovanna Grasiane de Sousa; Preceptora de Serviço: Maria Regina de Paula Fagundes Netto; Preceptora Acadêmica: Lêda Maria Leal de Oliveira.

Leia mais

Larissa Florido Hernandes Quintans florido.larissa@gmail.com Instituto de Psicologia 10º Período

Larissa Florido Hernandes Quintans florido.larissa@gmail.com Instituto de Psicologia 10º Período Levantamento de Necessidades de Treinamento e Monitoramento do Clima Organizacional: Estudo de Caso no Instituto de Geociências (IGEO) da Universidade Federal do Rio de Janeiro Larissa Florido Hernandes

Leia mais

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR 1.1 1.2 Cheile Kátia da Silva 1. Michelly Laurita Wiese 1.3 INTRODUÇÃO: De acordo com

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG RECICLAGEM E CIDADANIA: UMA VISÃO SOCIO AMBIENTAL DOS CATADORES DE RESIDUOS SOLIDOS NO MUNICIPIO DE GARANHUNS

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA PROLAR: BUSCANDO A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À MORADIA.

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA PROLAR: BUSCANDO A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À MORADIA. VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA PROLAR: BUSCANDO A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À MORADIA. LIMA Evelyn Paula Soares Matioski de 1 RIBEIRO Juliana 2 SANTOS Marcia Pedroso dos 3 SCHIMANSKI

Leia mais

Inclusão. Construindo o Futuro

Inclusão. Construindo o Futuro Inclusão. Construindo o Futuro Mostra Local de: Irati Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Conselho da Comunidade da Comarca de Irati

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA OLIVEIRA, Paula Cristina Silva de Faculdade de Educação/UFMG EITERER, Carmem Lúcia. (Orientadora) Faculdade de Educação/UFMG RESUMO: Este é um trabalho de

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Nº 0004/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Nº 0004/2014 Universidade Federal de Juiz de Fora Diretoria de Gerenciamento de Projetos da UFJF EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Nº 0004/2014 PROJETOS DE EXTENSÃO: Casa da Criança / IBPeron / Axé Criança

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

Coordenação: Profª Vera Rodrigues

Coordenação: Profª Vera Rodrigues III Oficina Técnica da Chamada CNPq/MDS - 24/2013 Seminário de Intercâmbio de pesquisas em Políticas Sociais, Combate à Fome e à Miséria no Brasil Projeto E agora falamos nós: mulheres beneficiárias do

Leia mais

Metodologia da Pesquisa

Metodologia da Pesquisa BACHARELADO EM ENFERMAGEM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I Prof. Me. Eurípedes Gil de França Metodologia da Pesquisa AULA 5 Refere-se ao como vou fazer a pesquisa. É a parte mecânica da pesquisa. Por meio

Leia mais

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos:

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos: LEI Nº. 1917 SÚMULA: Institui o Programa de Guarda Subsidiada de Crianças e Adolescentes, denominado "Programa Família Acolhedora e dá outras providências. A Câmara Municipal de Palmas, Estado do Paraná,

Leia mais

PESQUISANDO O QUARTEL DO XX:

PESQUISANDO O QUARTEL DO XX: PESQUISANDO O QUARTEL DO XX: Um Olhar Sobre a Experiência de Integração Curricular no Curso de Conservação e Restauro na Modalidade EJA Renata Tavares de Brito Falleti* Diante do contexto pedagógico conflitante

Leia mais

Perfil dos jovens das Comunidades do Real Parque e Jardim Panorama

Perfil dos jovens das Comunidades do Real Parque e Jardim Panorama Perfil dos jovens das Comunidades do Real Parque e Jardim Panorama Objetivo da Pesquisa Coletar informações para diagnosticar a demanda dos jovens das Comunidades Real Parque e Jardim Panorama, quanto

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

Relatório Devolutivo 22 a 23/09/2014 Cascavel - PR

Relatório Devolutivo 22 a 23/09/2014 Cascavel - PR Projeto Rede Cidadania e Qualidade de Vida FIOCRUZ / MinC Relatório Devolutivo 22 a 23/09/2014 - PR Programa CEU - Centro de Artes e Esportes Unificados Projeto Rede Cidadania e Qualidade de Vida Ativação

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Edson Mayer Mestrando em Educação em Ciências e Matemática PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

As Propostas da Pastoral Carcerária Nacional em relação ao Eixo 6 Sistema Penitenciário da 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública (I CONSEG).

As Propostas da Pastoral Carcerária Nacional em relação ao Eixo 6 Sistema Penitenciário da 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública (I CONSEG). PASTORAL CARCERÁRIA NACIONAL - CNBB Praça Clovis Bevilácqua, 351, conj.501 Centro - 01018-001 - São Paulo - SP Tel/fax (11) 3313-5735, 3227-8683, 3101-9419 - gzgubic@uol.com.br - www.carceraria.org.br

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS ESTUDANTIS - PROEXAE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO - PIBEX EDITAL Nº 006/2015 PROEXAE/UEMA

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS ESTUDANTIS - PROEXAE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO - PIBEX EDITAL Nº 006/2015 PROEXAE/UEMA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS ESTUDANTIS - PROEXAE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO - PIBEX EDITAL Nº 006/2015 PROEXAE/UEMA A Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Estudantis da Universidade

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos

O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos Samile Andréa de Souza Vanz 1 Glória Isabel Sattamini Ferreira 2 Patrícia Mallman Souto Pereira 3 Geraldo Ribas Machado 4 Universidade Federal

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 030/2013.

PROJETO DE LEI N.º 030/2013. PROJETO DE LEI N.º 030/2013. Institui o Programa Menor Aprendiz no âmbito do Município de Bela Vista de Minas e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Bela Vista de Minas, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

Projeto: Acesso das famílias de mulheres presas ao Programa Bolsa Família no Distrito Federal

Projeto: Acesso das famílias de mulheres presas ao Programa Bolsa Família no Distrito Federal Projeto: Acesso das famílias de mulheres presas ao Programa Bolsa Família no Distrito Federal Coordenação: Debora Diniz Instituições: Universidade de Brasília (UnB) e Anis Instituto de bioética, gênero

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio Patrocínio Institucional Parcerias Apoio O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam

Leia mais

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola.

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO DE HISTÓRIA/LICENCIATURA MANUAL DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO EM HISTÓRIA Apresentação O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM.

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. Gabriela Marchiori CARMO AZZOLIN * Marina PEDUZZI** Introdução: O pressuposto

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

A1. Número da Entrevista: A2. Iniciais do Entrevistador: A3. Data: / /2007 A4. Nome da Entidade [POR EXTENSO E A SIGLA]:

A1. Número da Entrevista: A2. Iniciais do Entrevistador: A3. Data: / /2007 A4. Nome da Entidade [POR EXTENSO E A SIGLA]: CENTRO BRASILEIRO DE ANÁLISE E PLANEJAMENTO-CEBRAP A Reforma de Serviços Públicos: O Papel da Ação Coletiva e da Accountability Social (Delhi, Cidade de México e São Paulo) QUESTIONÁRIO PARA LIDERANÇAS

Leia mais

ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*)

ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação

Leia mais

Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania

Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania A prática consiste em democratizar o acesso à justiça aos catadores de materiais recicláveis dos lixões do Distrito Federal. O problema envolvendo a produção

Leia mais

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF O trabalho social com famílias no âmbito do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF Contexto Social: Acesso diferencial às informações Uso e abuso de substâncias psicoativas Nulo ou

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Reitoria

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Reitoria Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Reitoria INSCRIÇÃO PARA O PROCESSO DE RECONHECIMENTO DE SABERES PARA

Leia mais

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA EIXO Macroação ATIVIDADES Compor a equipe técnica com experiências no trabalho de desenvolvimento de comunidade. Identificar

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS Deliberação da IV Conferência Nacional; Garantia de acesso aos direitos socioassistenciais; Modelo democrático e descentralizado

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO CONTINUADA EM EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO CONTINUADA EM EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO DE JOVENS PROVINDOS DE PROJETO SOCIAL. Nelson Miguel Betzek 1 (Coordenador da Ação de Extensão)

INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO DE JOVENS PROVINDOS DE PROJETO SOCIAL. Nelson Miguel Betzek 1 (Coordenador da Ação de Extensão) INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO DE JOVENS PROVINDOS DE PROJETO SOCIAL Área Temática: Educação Nelson Miguel Betzek 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Nelson Miguel Betzek, Vanderlei Roberto Marques 2,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CENTRO DE RECURSOS HUMANOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CENTRO DE RECURSOS HUMANOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CENTRO DE RECURSOS HUMANOS Projeto de pesquisa: Significados e sentidos do trabalho docente: o caso da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA) Proponente:

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL: A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR SOCIAL NA CONSTRUÇÃO DE SABERES PARA A VIDA EM COLETIVIDADE

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL: A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR SOCIAL NA CONSTRUÇÃO DE SABERES PARA A VIDA EM COLETIVIDADE EDUCAÇÃO NÃO FORMAL: A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR SOCIAL NA CONSTRUÇÃO DE SABERES PARA A VIDA EM COLETIVIDADE Joselaine de Araujo 1, Caroline Kraus Luvizotto 2 1 Discente do Programa de Mestrado em Educação

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Considerando a inspeção empreendida no dia 19.09.2012 no Centro de Recuperação Feminina;

Considerando a inspeção empreendida no dia 19.09.2012 no Centro de Recuperação Feminina; Considerando que ao Conselho Penitenciário do Estado do Pará compete, de acordo com o Decreto 418/79, inspecionar os estabelecimentos prisionais sediados no Estado do Pará, com objetivo de assegurar condições

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Encontro das Instituições: Potencializando Parcerias

Encontro das Instituições: Potencializando Parcerias ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA Encontro das Instituições: Potencializando Parcerias Gisele Alves de Sá Quimelli Rosiane Henneberg Roseni Marconato Pinto Thalita Arnaud de Souza Camila Silva

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL LÍVIA MONIQUE DE CASTRO FARIA 1 ; CLÁUDIA MARIA RIBEIRO 2 RESUMO Este trabalho aborda as temáticas educação, lúdico, brinquedos, brincadeiras, formação de educadoras, com

Leia mais

RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO

RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO VILA DO PORTO, JUNHO 05 RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA.

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. ANDRADE 1, Elizandra Faria GRANDO 2, Simone Regina BÖING 3, Jaci Simão VIECELLI 4, Ana Maria SILVA 5, Jeane Barros

Leia mais