RELATÓRIO DA VISITA DO CONSELHO ESTADUAL DE DEFESA DOS DIREITOS DO HOMEM E DO CIDADÃO DA PARAÍBA REALIZADA NO PRESÍDIO MODELO DES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DA VISITA DO CONSELHO ESTADUAL DE DEFESA DOS DIREITOS DO HOMEM E DO CIDADÃO DA PARAÍBA REALIZADA NO PRESÍDIO MODELO DES"

Transcrição

1 RELATÓRIO DA VISITA DO CONSELHO ESTADUAL DE DEFESA DOS DIREITOS DO HOMEM E DO CIDADÃO DA PARAÍBA REALIZADA NO PRESÍDIO MODELO DES. FLÓSCOLO DA NÓBREGA ROGER 20 de maio de DOS ÓRGÃOS PARTICIPANTES A visita foi realizada pelos órgãos integrantes do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos do Homem e do Cidadão da Paraíba CEDDHC-PB: Ministério Público Federal na Paraíba (Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão), Centro de Atendimento às Vítimas de Crimes de João Pessoa CEAV-JP, Pastoral Carcerária, e Núcleo dos Direitos Humanos da Universidade Federal da Paraíba. Dois agentes da Polícia Federal se fizeram presentes, mediante requisição do MPF, mas não entraram na área de alojamento dos presos, alegando questões de segurança. 2. METODOLOGIA A visita, inserida dentro do Programa de Monitoramento de Unidades Prisionais do CEDDHC-PB/MPF não foi anunciada previamente. 3. CONSTATAÇÕES. A vistoria teve início aproximadamente às 08:40h do dia 20 de maio de 2009, com a chegada dos conselheiros ao presídio. Inicialmente, apenas os conselheiros Duciran e Padre Bosco entraram, tendo sido autorizada, posteriormente, a entrada de todo o grupo, após contato com o Diretor da Penitenciária, Dinamérico Cardim. O local de entrada é a "recepção" do presídio, onde são recebidas as visitas e feita a triagem dos pacotes. 1

2 3.1 Revista íntima O dia (quarta feira) era de visita íntima. O primeiro local vistoriado foi onde estava sendo feita a revista íntima das mulheres que iam visitar os apenados. Houve certa tentativa de bloquear o acesso de duas conselheiras destacadas para ingressar na sala onde eram feitas as revistas - a enfermaria do presídio. Foto 1 - Recepção do presídio e triagem de pacotes das visitas Após o ingresso de duas conselheiras na sala, verificaram que havia agentes penitenciárias ajudando na revista. As conselheiras, confundidas com as mulheres que iriam visitar seus companheiros, foram convidadas a submeterem-se a revista nos moldes daquelas que estavam sendo executadas: tirar a toda a roupa na presença de todos e despidas agacharem-se algumas vezes. Não há um local próprio para a realização da revista. Ela é feita na mesma sala da enfermaria, sendo separada desta por uma divisória. Do mesmo modo, não há divisões para a revista, não há compartimentos para que cada mulher seja revistada isoladamente. As 2

3 visitantes são obrigadas a permanecerem despidas uma diante das outras. Segundo a coordenadora da revista, há a intenção de construir um local específico para a realização da revista, com gabinetes. A revista era feita por cerca de 10 (dez) agentes penitenciárias, divididas em 6 grupos. As mulheres passavam primeiramente por um detector de metais e depois eram submetidas à revista. Elas precisavam retirar toda a roupa, inclusive peças íntimas, sendo obrigadas, depois, a se agacharem. Constatou-se o descumprimento à Lei Estadual n , de 18 de abril de 2000, que proíbe a revista íntima indiscriminada nos estabelecimentos prisionais da Paraíba 1, bem como a Recomendação n. 01/08, do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos do Homem 1 LEI NO DE 18 DE ABRIL DE 2000 Dispõe sobre o sistema de revistas nos estabelecimentos penais do Estado da Paraíba e dá outras providencias. O GOVERNADOR DO ESTADO DA PARAÍBA: Faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei; Art 1o A revista dos visitantes, necessária à segurança interna dos presídios do Estado da Paraíba, será realizada com respeito à dignidade humana e segundo o disposto nesta Lei. Art 2o Considera-se como visitante todo aquele que acorrer ao estabelecimento prisional e ingressar em seu interior, para fins de manter contato, direto ou indireto, com pessoas lá detidas, ou prestar qualquer tipo de serviço de administração ou manutenção. Art 3o - VETADO Art 4o - VETADO Art 5o Para garantia da segurança serão instalados detectores de metais e outros equipamentos necessários a impedir o ingresso de qualquer tipo de arma e drogas nas Casas Prisionais. Parágrafo único VETADO Art 6o Fica excluída da rotina da revista padronizada prevista no Art 4o, a realização da revista íntima, que será efetuada, excepcionalmente, dentro dos limites fixados nesta Lei. 1o Considera-se revista íntima toda e qualquer inspeção das cavidades corporais (vagina e anus), nádegas e seios, conduzida visual e manualmente através de instrumento ou objeto, ou qualquer outra maneira. 2o Realizar-se-á revista íntima somente com expressa autorização do Diretor do Presídio, baseada em forte suspeita, ou em fatores objetivos específicos que indiquem que determinado visitante pretende conduzir ou já conduz algum tipo de arma ou droga em cavidade do corpo. 3o Previamente à realização da revista íntima, o Diretor do Estabelecimento Penal fornecerá ao visitante, Declaração escrita sobre os motivos e fatos objetivos em que será baseado o referido procedimento. 4o Em casos em que as condições de tempo forem impeditivas da formulação do documento antes da revista, a Declaração será fornecida até 24 horas depois da revista, sob pena de sanção administrativa. 5o Quando necessária sua realização, a revista deverá ser efetuada de forma privada, por pessoal do mesmo sexo do visitante e com formação na área de saúde. Art 7o Ficam expressamente vedadas quaisquer normas restritivas ao ingresso de pessoas e alimentos nos Estabelecimentos Penais, salvo nas seguintes hipóteses: a) visitantes com ataduras, curativos, ou assemelhados sem atestado médico que justifique o seu uso; 3

4 e do Cidadão da Paraíba CEDDHC-PB, que exorta as autoridades, em especial o Secretário de Cidadania e Administração Penitenciária do Estado da Paraíba, ao cumprimento da lei, proibindo a prática nos presídios estaduais 2 Ao final da revista íntima, as mulheres recebiam preservativos. Quanto à enfermaria, neste dia, não havia ninguém da equipe de saúde do presídio, embora a coordenadora da revista tenha dito que a equipe cumpre regularmente sua presença. Sabe-se que a Penitenciária Modelo Flóscolo da Nóbrega Roger foi b) visitantes com roupas, sapatos, acessórios ou produtos de higiene que propiciem o acondicionamento clandestino de pequenos volumes; c) alimentos acondicionados em embalagens que possam gerar subprodutos atentatórios à segurança. Parágrafo único No caso de necessidade de uso de absorvente higiênico por parte das mulheres, o Estabelecimento Penal deverá fornecer o produto para substituição no momento da rotina da revista. Art 8o Poderá o Poder Executivo estabelecer critérios de credenciamento uniforme aos visitantes, mediante documento específico fornecido pelo próprio Estabelecimento Prisional, sem qualquer despesa ou custo para o credenciado. Art 9o Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação. Art 10o Revogam-se as disposições em contrário PALÁCIO DO GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA, em João Pessoa, 18 de abril de 2000; 110 o da Proclamação da República. JOSÉ TARGINO MARANHÃO - GOVERNADOR 2 O CONSELHO ESTADUAL DE DEFESA DOS DIREITOS DO HOMEM E DO CIDADÃO CEDDHC-PB, no uso de suas atribuições previstas na Lei n. 5551/92, CONSIDERANDO as informações obtidas durante a vistoria realizada no último dia 13 de outubro ao presídio de Jacarapé (PB-01); CONSIDERANDO a efetividade dos princípios constitucionais da cidadania e da dignidade da pessoa humana, erigidos como fundamentos do Estado Democrático de Direito Brasileiro (art. 1º, incisos II e III, da Lei Maior); CONSIDERANDO que cabe às autoridades públicas do Estado da Paraíba respeito aos direitos humanos e à legalidade; CONSIDERANDO que o art. 5, III, da Constituição Federal estabelece que ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante ; CONSIDERANDO que são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação (art. 5, X, CF/88); XLIX, CF/88); CONSIDERANDO que é assegurado aos presos o respeito à integridade física e moral (art. 5, CONSIDERANDO o disposto na Lei n O 6.081, de 18 de abril de 2000, que dispõe sobre o sistema de revistas nos estabelecimentos penais do Estado da Paraíba; 4

5 contemplada pelo Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário com duas equipes médicas, mas no momento da visita do CEDDHC não foi encontrado nenhum profissional das referidas Equipes de Saúde. Também não foi identificado entre os presos os agentes promotores de saúde previstos no Plano Nacional de Saúde do Sistema Penitenciário Visitas às celas CONSIDERANDO que a sujeição indiscriminada de visitantes e familiares de reclusos a aviltantes revistas íntimas, sem qualquer justificativa, ofende não só os direitos humanos mas também a própria legalidade, expondo os agentes carcerários às sanções legais; CONSIDERANDO o princípio da pessoalidade da pena, cujos efeitos não podem passar do condenado, sendo a realidade da revista íntima indiscriminada humilhante para visitantes e familiares dos reclusos; CONSIDERANDO a necessidade de um equilíbrio entre a segurança prisional e os direitos humanos de apenados e visitantes; RESOLVE, O CONSELHO ESTADUAL DE DEFESA DOS DIREITOS DO HOMEM E DO CIDADÃO CEDDHC -PB, por seu Presidente, RECOMENDAR a Vossa Excelência que: 1. Adquira detetores de metal de qualidade confiável e em número suficiente, a fim de que todos os visitantes aos presídios sejam submetidos a inspeção por meio desses aparelhos; 2. Elimine, em todos os estabelecimentos prisionais do Estado, a imposição geral e indiscriminada da revista íntima (tal como definida no 1 o ao artigo 6o. da Lei n O 6.081/2000), reservando-a para casos excepcionais (artigo 6o, caput, do citado diploma legal) 3. Dê conhecimento da providência prevista a todos os diretores de estabelecimentos prisionais no Estado, mediante o encaminhamento de ofício ou circular vedando o uso indiscriminado da prática da revista íntima; 4. Determine que, a teor do 2 o ao artigo 6o. da mesma lei, a revista íntima somente seja realizada em caso de suspeita e mediante expressa autorização por escrito do Diretor do Presídio. 5. Em qualquer caso de realização de revista íntima, seja fornecida à pessoa submetida à revista declaração escrita sobre os motivos e fatos objetivos pelos quais será ou foi submetida à revista íntima ( 3 o artigo 6o, Lei n. 6081/2000), sendo que tal declaração será entregue mesmo que a pessoa decida não submeter-se à revista; 6. No caso da realização de revista íntima em mulheres ou menores, diante de fortes e justificadas suspeitas, seja fornecido absorvente higiênico ou fralda descartável, sendo que a revista íntima de menores será acompanhada por assistente social ou psicólogo a fim de minimizar danos psicológicos sofridos pela criança; 7. Assegure que a revista íntima seja realizada somente por meio de profissional de saúde, nunca por meio de policial, ainda que do mesmo sexo do revistado; 8. Estabeleça critérios de credenciamento uniforme aos visitantes, nos termos do art. 8 o da Lei n O 6.081/2000; 9. No caso de aplicação de penalidade de suspensão de visita, a recluso ou visitante, seja feita sempre por escrito, assegurado o contraditório e o devido processo legal; 5

6 No dia da visita, parte dos pavilhões estavam abertos, e outros fechados, obedecendo, provavelmente, a um esquema de rodízio do banho de sol, considerada a condição de superlotação do presídio. O Diretor do Presídio, Dinamérico Cardim, queixouse da falta de estrutura do estabelecimento. Afirmou que a despeito das dificuldades, desde o início de sua administração não são registradas rebeliões. Também informou que a última morte verificada no interior do presídio ocorreu em agosto do ano passado. 10. Assegure, independentemente de aviso prévio, o acesso de todos os agentes da Pastoral Carcerária a qualquer instalação de estabelecimento prisional do Estado da Paraíba, sendo que impedimentos de acesso à instalação ou a setores do presídio (celas de isolamento, etc. ) deverão ocorrer somente por razões de segurança, devidamente justificadas por escrito. Estabelecemos o prazo de 30 (trinta) dias para cumprimento da presente recomendação, solicitando seja informado o conselho das providências adotadas. Salientamos, por derradeiro, que a presente recomendação, configura-se como manifestação da posição do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos do Homem e do Cidadão quanto à revista íntima nos presídios paraibanos. O descumprimento desta recomendação poderá ensejar representação ao Ministério Público para apuração das responsabilidades. 3 Lei de Execução Penal Federal Lei nº 7.210/84 Art. 12 A assistência material ao preso e ao internado consistirá no fornecimento de alimentação, vestuário e instalações higiênicas. Art. 14 A assistência à saúde do preso e do internado, de caráter preventivo e curativo, compreenderá atendimento médico, farmacêutico e odontológico. Art. 41 Constituem direitos do preso: VII assistência material à saúde, jurídica, educacional, social e religiosa; Ato Portaria Interministerial Nº 1777/Gm de 9 De Setembro De Art. 8º Estabelecer que a atenção básica de saúde, a ser desenvolvida no âmbito das unidades penitenciárias, será realizada por equipe mínima, integrada por médico, enfermeiro, odontólogo, assistente social, psicólogo, auxiliar de enfermagem e auxiliar de consultório dentário, cujos profissionais terão uma carga horária de 20 horas semanais, tendo em conta as características deste atendimento. 1º Cada equipe de saúde será responsável por até 500 presos. Art. 9 Definir que, nos estabelecimentos de saúde em unidades prisionais classificadas como presídios, penitenciárias ou colônias penais, as pessoas presas poderão ser selecionadas para trabalhar como agentes promotores de saúde. 1 A decisão de trabalhar com agentes promotores de saúde deverá ser pactuada entre a direção do estabelecimento prisional e a(s) equipe(s) de saúde. 2º Os agentes promotores de saúde, recrutados entre as pessoas presas, atuarão sob a supervisão da equipe de saúde. 3 Será proposta ao Juízo da Execução Penal a concessão do benefício da remição de pena para as pessoas presas designadas como agentes promotores de saúde. Anexo A do Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário Padronização física da unidade de saúde nos estabelecimentos penais para atendimento de até 500 pessoas presas Ambiente Área Mínima Observações Consultório médico/psicólogo 7,5 m²; Lavatório,Consultório odontologia 9,0 m², Bancada de apoio com pia de lavagem, Sala de coleta de material para laboratório 3,6 m², Bancada de apoio com pia de lavagem,exaustor dotado de filtro e peça de descarga para proteção contra chuva.(pode ser estudada grade de segurança.) A porta da sala deve ter uma tomada de ar tipo grelha ou veneziana de simples deflexão para providenciar ar de reposição para o ar que está sendo exaurido. 6

7 ambiente abafado. Foto 2 - Cela de detento. Raros têm o privilégio de possuir ventilador, naquela A equipe visitante em seguida ingressou na área cercada dos pavilhões. Os conselheiros não foram acompanhados por escolta ou pela direção nessa visita. O primeiro pavilhão visitado, aberto, foi o que demonstrava melhores condições: as celas eram maiores, havia espaço para cama, alguns livros. Algumas celas tinham ventilador. Os presos consideram o ventilador, trazido pela família, indispensável mas poucos dispõe desse bem. Sala de curativos/suturas / vacinas e Posto de enfermagem 12,0 m² Bancada de apoio com pia de lavagem. Visão dos leitos de observação 1 maca de procedimentos1 mesa (para relatórios) 1 hamper de lixo1 hamper de roupa suja. Cela de observação 9,0 m² Lavatório. 2 celas no mínimo com um leito cada com visão do posto de enfermagem Sanitário para pacientes 1,6 m² Comum às celas. Dimensão mínima = 1,2 m Farmácia 1,5 m² Área para armazenagem de medicamentos e material. Pode ser um armário com chave sobre ou sob a bancada do posto de enfermagem Central de Material Esterilizado/simplificada - Sala de lavagem e 9,0 m² - Vestiário: barreira às salas de esterilização e de lavagem e descontaminação - Sala de esterilização- Vestiário - Guichê entre as duas salas- Pia de despejo com válvula de descarga e pia de lavagem na sala de lavagem- Comum aos consultórios e a sala de curativos Rouparia Armário para guarda de roupa limpa DML 2,0 m² Depósito de material de limpeza com tanque Sanitários para equipe de saúde 1,6 m² (cada) 1 masculino e 1 feminino 7

8 Em seguida, houve conversa com os presos que estavam fora das celas, que se queixaram de maus-tratos e torturas. Ainda, vários apenados argumentaram que sua pena já havia sido cumprida, ou que já deveriam ter tido seu regime de pena modificado, mas que continuavam no regime fechado. Os conselheiros anotaram os nomes de alguns apenados, para realizar um levantamento destes casos. Os presos se queixavam da falta de opções no banho de sol diário, e da retirada do interior das celas de televisões, rádios e aparelhos de som. Uns afirmaram que se não permitem TV nas celas, deveriam ao menos disponibilizar um aparelho coletivo. Dizem que em muitas celas não se permite sequer a entrada de ventiladores. Houve pedidos constantes de visita ao "isolado" (isolamento) local, segundo afirmavam os presos que se aglomeravam em torno dos conselheiros, "estaria a tortura". O acesso ao isolamento foi feito com o acompanhamento do Diretor, e escola armada, pois havia a necessidade de abertura do pavilhão de isolamento. A uma ordem do Diretor, os presos mantiveram distância. Foto 3 - Guarda mantém os presos afastados enquanto o isolado é aberto 8

9 Fotos 4 e 5 - O isolado é aberto. Aberto o pavilhão do isolado, os conselheiros entraram no corredor, onde as celas estavam trancadas. A conversa com os presos se deu através da grades, sem a presença do Diretor e da Guarda, que ficaram na entrada do isolado. Verificou-se que o local possuía precárias iluminação e ventilação. Os presos reclamaram das péssimas 9

10 condições a que estavam submetidos: mostraram seu almoço (que era servido logo cedo, às 8, 9h, sendo a próxima refeição apenas a janta) e o local de onde tiravam água para tomar banho e beber (uma torneira ao lado de cada cela, sendo que uma delas estava quebrada). Havia presos doentes, afirmando-se portadores de tuberculose, e outros reclamaram de estarem há dois dias sem remédio. Muitos diziam estar no isolado há mais de trinta dias. Também foram verificadas muitas marcas de tiros nas paredes das celas. Foto 6 - visita ao isolamento - 10

11 Fotos 7 e 8 - torneiras onde os detentos isolados se servem de água As condições de salubridade do isolamento são um castigo à parte. Não há ventilação, o que obriga os presos a permanecerem praticamente despidos, para suportar o calor interno. A iluminação natural é praticamente inexistente, a artificial é precária e o acúmulo de gente, misturando sãos e doentes, deve tornar a permanência ali insuportável. 11

12 Fotos 9 a 11 - isolado e visita ao isolamento. Em seguida foi visitado, no mesmo prédio do isolado, o "reconhecimento". O reconhecimento apresenta melhores condições, havendo iluminação natural adequada. Percebe-se a desigualdade de tratamento, pois duas celas de reconhecimento possuem números diferenciados de detentos. Uma, estava superlotada, enquanto que a outra, do mesmo tamanho, possuía número aceitável de internos. Nesta estava o ator paraibano X, conhecido pela participação nos filmes "Abril Despedaçado" e documentários. O reconhecimento recebe presos recém chegados (a fim de identificar inimizades e prevenir conflitos) e outros que pra lá foram deslocados porque estavam ameaçados por outros presos. Alguns presos agradeceram sua remoção para o reconhecimento, afirmando que sem isso teriam sido mortos. Foram os únicos que elogiaram a direção do presídio. foto 12 - detentos no reconhecimento 12

13 Fechado o pavilhão do isolado e reconhecimento, os conselheiros atendendo aos pedidos dos presos, deixaram a escolta para prosseguir com a vista a outros pavilhões. Os presos aplaudiram quando os conselheiros decidiram continuar com a vista desacompanhados. Foi visitado o pavilhão tido como de número 3, e verificou-se que em um destes, de apenas 13 x 4 m, havia um número excessivo de detentos, estimado em cerca de 95 apenados. Entre eles, havia pessoas doentes, que necessitavam de cuidados médicos, como também alguns com machucaduras e queimaduras, inclusive no rosto, que alegaram ser resultado da tortura. Neste pavilhão foi visto um preso com inúmeras marcas nas costas, indicativo de espancamento. 13

14 Foto 13 a 15 - pavilhão 3 - marcas de agressão e superlotação Queixas contra a direção do presídio foram constantes durante toda a visita. Os presos acusam o Diretor do Presídio Dinamérico Cardim e sua equipe, de atrocidades, submetendo, segundo eles, os detentos a ameaças, torturas e humilhações diárias. Pelas paredes dos pavilhões, constatou-se a presença de inúmeras marcas de tiro, inclusive nas grades. Os presos afirmam que recebem tiros nas celas durante a noite, e que havia pessoas que receberam tiros de policiais dentro do presídio. Foram exibidos presos supostamente torturados com queimaduras e espancamentos. Fotos 16 e 17 detentos exibem marcas de supostas torturas Durante a vistoria foram entregues dezenas de bilhetes pedindo ajuda, verificação de casos na vara de execuções e fazendo denúncias. Os presos enfatizavam que a praxe era que, após a saída de visitantes oficiais do presídio, eles seriam submetidos a agressões generalizadas, por conta das denúncias que estavam fazendo. As queixas de benefícios e progressões não apreciadas também são extensas e frequentes. Muitos presos afirmavam que já haviam cumprido sua pena, ou teriam direito 14

15 ao regime semi-aberto, mas não tinham nenhuma notícia ou perspectiva de sair dali. Constatou-se ainda que há naquele presídio, destinado a apenados do regime fechado, presos que sequer foram ouvidos em 1ª audiência, portanto, tratam-se ainda de presos provisórios que não deveriam estar ali e sim numa casa de detenção provisória, apartados de presos condenados; 3.3 Estrutura do Presídio e Superlotação As condições de superlotação do estabelecimento são evidentes, e tidas pelo Diretor como o principal problema. No Róger há mais de mil presos num espaço destinado para 400 apenados. Um exemplo desta superlotação se dá no pavilhão PB-3, onde mais de 100 presos se amontoam num espaço destinado a, no máximo 24 detentos, pois ali estão apenas 24 camas e um banheiro, ficando os apenados obrigados a instalarem redes em locais altos, ficando praticamente empoleirados, sujeitos a riscos de quedas com repercussão comprometedora. Um apenado de nome Fernando caiu dessas redes e quebrou o fêmur, tendo que se submeter a uma cirurgia, estando agora em cadeira de rodas. No isolado os presos, mais de 12, estão colocados em celas que comportam apenas 4, tendo que dormirem uns por cima dos outros. foto 18 - a superlotação é informada na entrada 15

16 fotos 19 a 20 - celas superlotadas O presídio, construído nos anos 50, parece nunca ter sofrido uma reforma. Encontra-se hoje em local inapropriado, pela proximidade do centro da Capital e cercado de bairros populosos. De dentro do presídio, avistam-se prédios residenciais das redondezas. Os pavilhões e celas apresentam um aspecto pavoroso, repleto de tiros e destruição. Parecem ruínas de guerra. Em um dos pavilhões, o banheiro visitado - compartimentos desprovidos de tudo - as privadas estilo "turco" estavam todas destruídas ou entupidas com excrementos. fotos 21 a 26 abaixo - panorâmicas dos pavilhões. Latrinas destruídas e banheiros entupidos. Marcas de bala nas paredes. 16

17 17

18 A comida servida no dia - feijão com pertences, arroz, macarrão e carne cozida, aparentava qualidade aceitável. Foi dito pelos cozinheiros que era melhor que "comida de batalhão" e que quando não tinha carne os presos se rebelavam. O local onde era servido tinha mau aspecto - uma cantina com bancos e mesas de alvenaria visivelmente desativada - exalava mau cheiro. A comida é servida deste ambiente para os presos em área descoberta, através de uma grade, em vasilhas de plástico providenciadas pelos próprios presos. É ingerida com a mão ou colheres improvisadas. Foto 27 a 28, abaixo - comida servida em recipiente plástico. Panelão de comida 18

19 O esgoto do presídio está em diversos pontos estourado, estando a céu aberto, sujeitando os apenados a contraírem inúmeras doenças. O presídio é tido como fonte de poluição nos arredores, lançando seus dejetos sem tratamento no meio ambiente. 19

20 fotos 29/30 - esgotos entupidos A enfermaria, local onde se realiza a revista íntimas, é visivelmente precária. Não havia nenhum profissional de saúde no dia da visita, nem foi dito quando chegariam. Os presos afirmam que a dispensação de medicamentos é feita por um preso, e que nunca há nenhum médico ou enfermeiro. Os medicamentos controlados ficam na sala do Diretor. Os medicamentos de uso comum em armários da enfermaria. Uma inspeção visual constatou a limitação da oferta de medicamentos. Não estava à vista, por exemplo, o Gardenal, medicamento que os presos afirmam que têm que ser trazido pelos seus familiares. Há presos doentes, aparentemente sem tratamento, vagando por todo o presídio. 20

21 foto 31 - preso com prótese exposta no braço foto 32 - medicamentos parcos na enfermaria. Não havia qualquer atividade oferecida aos presos no dia da visita. Todos os questionados afirmaram haver absoluta ociosidade. As únicas atividades disponíveis aos que se encontravam soltos eram um jogo de bola e um culto evangélico. Não se via presos ocupados com qualquer trabalho manual, salvo raros que trabalhavam sem ferramentas materiais primários como papel, palitos de sorvete, etc. 21

22 Foi verificada a caixa-d água de onde os apenados bebem água. Estava cheia de lodo e aparentava estar há muito tempo sem manutenção. Havia também um local onde o lixo era amontoado. Várias fossas estavam entupidas ou sujas. Em um pátio coberto, apontado pelos presos como "escola" (segundo a direção, um pavilhão destruído em rebeliões anteriores) estavam vários colchões e lençóis secando. Um senhor aparentava estar muito doente, tossindo muito estava largado no chão. Segundo os presos, ele estava com tuberculose, e também apanhava dos policiais. foto 33 - preso idoso doente largado no pátio Foi dito pelo Diretor que havia duas salas de aulas no presídio, com programas de alfabetização, mas elas não foram mostradas. Não havia muito interesse da direção em mostrar os equipamentos e ambientes do presídio, eles só eram visitados quando solicitados. Pediu-se para ver a biblioteca. Foi apresentada uma sala onde estavam acumulados no chão centenas de livros doados pela Justiça Federal. O Diretor explicou que em breve estaria sendo equipada uma biblioteca e os livros seriam disponibilizados para os presos. Os livros doados pareciam inadequados para estimular o hábito da leitura entre os presos. Tratavam-se de compêndios de direito antigos e revistas jurídicas desatualizados. 22

23 3.4 Defensoria Pública e Vara das Execuções Criminais. Os conselheiros conversaram com o defensor público presente, e eles levantou os vários problemas referentes à assistência judiciária dos apenados. Entre eles, foi destacada a demora no andamento dos processos na vara de execução penal. Foram mostrados casos em que o pedido de alteração no regime da pena foi feito em agosto de 2008, e que, até hoje, não havia recebido resposta do juiz. Uma das razões apontadas é a existência de uma única Vara de Execuções Penais da capital. O acúmulo de pedidos faz com que seja retardada em meses a concessão de progressão de regimes, livramentos condicionais, extinções de penas e transferências de presos. Foram apontados casos de presos condenados a cumprir a pena no regime semiaberto mas que foram encaminhados para o regime fechado. Relatou-se também que é comum o presídio receber presos provisórios, por questões de somenos importância, como furtos, sendo citado o caso de um homem que ficou um mês no Róger pelo furto de uma garrafa de uísque. A Vara das Execuções continua exigindo o extinto exame criminológico para a concessão dos benefícios previstos na Lei de Execuções Penais. Existem 400 pedidos na fila para serem apreciados, dependendo do exame criminológico. Há apenas um perito psiquiatra para atender a todo o Estado da Paraíba, e este, segundo informações, comparece apenas uma vez por semana. Os arquivos do presídio são manuais. Não há nenhuma informatização dos arquivos de acompanhamento de cumprimento das penas. A sala da Defensoria é precária e as petições são impressas em máquina de escrever. Ao serem os funcionários da Defensoria questionados sobre situações de benefícios e alvarás que já deveriam ser concedidos, a resposta é de que a demora se dá na Vara de Execução Penal da Capital. 23

24 Verificamos que, urgentemente, precisam ser oferecidas melhores condições para os apenados, e averiguados os casos de tortura ocorridos no presídio. É preciso também que se cumpra a lei referente à revista íntima. 5 - CONCLUSÕES O Presídio Modelo Desembargador Flósculo da Nóbrega na verdade nada tem de modelo. A não ser modelo negativo, modelo do que não deve ser feito, modelo a ser evitado, modelo de desumanidade e degradação. É imperioso fornecer aos presos lazer, trabalho em atividades compatíveis com sua condição, educação e saúde condignas. Os pavilhões necessitam de completa reforma para oferecerem condições mínimas de dignidade humana. As alegações de tortura e maus tratos devem ser investigadas e providências adotadas contra os responsáveis. É preciso que nenhum preso provisório seja encaminhado ao Róger. O Estado da Paraíba deve iniciar estudos para a ampliação da capacidade do presídio mediante sua transferência para local afastado do centro urbano. Constata-se que o Plano Diretor do Sistema Penitenciário da Paraíba existe apenas no papel, no que tange ao Róger. É urgente um levantamento profundo da situação dos vários presos que já cumpriram sua pena ou têm direito à mudança do regime, como também uma maior celeridade por parte do Judiciário no andamento destes processos. 24

Considerando a inspeção empreendida no dia 19.09.2012 no Centro de Recuperação Feminina;

Considerando a inspeção empreendida no dia 19.09.2012 no Centro de Recuperação Feminina; Considerando que ao Conselho Penitenciário do Estado do Pará compete, de acordo com o Decreto 418/79, inspecionar os estabelecimentos prisionais sediados no Estado do Pará, com objetivo de assegurar condições

Leia mais

RELATÓRIO DE VISITA REALIZADA NA PENITENCIÁRIA MODELO DESEMBARGADOR FLÓSCOLO DA NÓBREGA- PRESÍDIO DO RÓGER João Pessoa, 14.02.2013

RELATÓRIO DE VISITA REALIZADA NA PENITENCIÁRIA MODELO DESEMBARGADOR FLÓSCOLO DA NÓBREGA- PRESÍDIO DO RÓGER João Pessoa, 14.02.2013 RELATÓRIO DE VISITA REALIZADA NA PENITENCIÁRIA MODELO DESEMBARGADOR FLÓSCOLO DA NÓBREGA- PRESÍDIO DO RÓGER João Pessoa, 14.02.2013 1. PARTICIPANTES: Padre Bosco Francisco do Nascimento Conselheiro Presidente

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO RELATÓRIO DE INSPEÇÃO CENTRO DE RECUPERAÇÃO REGIONAL DE PARAGOMINAS Aos quatro dias do mês de julho de 2013, o Conselho Penitenciário, neste ato composto pelas representantes Dra. Maria Clara Barros de

Leia mais

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO TRABALHO VOLTA AO CRIME CARTILHA DO REEDUCANDO CARTILHA DO REEDUCANDO ÍNDICE Introdução...5 Deveres...6 Direitos...7 Disciplina...10 Sanções...11 Formulário para Habeas Corpus...12 Petição Simplificada...13

Leia mais

Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária RESOLUÇÃO N.º 06, DE 09 DE MAIO DE 2006.

Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária RESOLUÇÃO N.º 06, DE 09 DE MAIO DE 2006. Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária RESOLUÇÃO N.º 06, DE 09 DE MAIO DE 2006. Dá nova redação ao Anexo I, da Resolução n.º 07, de 14 de abril de 2003. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

INSPEÇÕES DO CONSELHO PENITENCIÁRIO Relatório Complementar

INSPEÇÕES DO CONSELHO PENITENCIÁRIO Relatório Complementar INSPEÇÕES DO CONSELHO PENITENCIÁRIO Relatório Complementar I. HOSPITAL DE CUSTÓDIA E TRATAMENTO PSIQUIÁTRICO HCTP Data: 19 de janeiro de 2012. Hora Início: 11:45h. Conselheiros Participantes: Dr. Igor

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça Memorando nº 001/DMF Brasília, 02 de janeiro de 2014 A Sua Excelência o Senhor Ministro Joaquim Barbosa Presidente do Conselho Nacional de Justiça ASSUNTO: RELATÓRIO DE INSPEÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES ÍNDICE PREFÁCIO par. pág. Razão de ser 1-3 13 Os objectivos 4-5 13 A origem 6-8 13 Agradecimentos: aos redactores 9 14 Agradecimentos: aos patrocinadores 10 14 Aos destinatários 11 14 ONDE COMEÇA O MANUAL

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSPEÇÃO

FORMULÁRIO DE INSPEÇÃO FORMULÁRIO DE INSPEÇÃO COMARCA: I Quanto ao Centro de Reintegração Social da APAC Feminina Nome: Endereço: Bairro: CEP: - Telefone: E-mail: Vagas: recuperandas Lotação atual: recuperandas Responsável:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07, DE 14 DE ABRIL DE 2003.

RESOLUÇÃO Nº 07, DE 14 DE ABRIL DE 2003. RESOLUÇÃO Nº 07, DE 14 DE ABRIL DE 2003. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA CRIMINAL E PENITENCIÁRIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais; CONSIDERANDO a decisão, por unanimidade,

Leia mais

Penitenciária Localizada em Vitória de Santo Antão. Penitenciária Juiz Plácido de Souza. Localizada em Caruaru

Penitenciária Localizada em Vitória de Santo Antão. Penitenciária Juiz Plácido de Souza. Localizada em Caruaru Relatório de Visita e Fiscalização Pernambuco Unidades visitadas: Penitenciária Localizada em Vitória de Santo Antão Penitenciária Juiz Plácido de Souza. Localizada em Caruaru Complexo Prisional do Curado

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA, CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS GABINETE DA SECRETÁRIA RESOLUÇÃO N 126/2012 GS/SEJU

SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA, CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS GABINETE DA SECRETÁRIA RESOLUÇÃO N 126/2012 GS/SEJU RESOLUÇÃO N 126/2012 GS/SEJU Dispõe sobre a criação da Central de Alvarás de Soltura e disciplina os procedimentos administrativos para o encaminhamento, cumprimento e execução dos alvarás de soltura eletrônicos.

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE BELÉM, ESTADO DO PARÁ. Peças de Informação nº 1.23.000.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE BELÉM, ESTADO DO PARÁ. Peças de Informação nº 1.23.000. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE BELÉM, ESTADO DO PARÁ Peças de Informação nº 1.23.000.000059/2012-90 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, no exercício da titularidade

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador MAGNO MALTA

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador MAGNO MALTA PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA, sobre o Ofício S nº 51, de 2009, que encaminha ao Senado Federal cópia de Relatório de Inspeção Prisional realizada no Estado

Leia mais

EXCELENTÍSSIMA SENHORA DOUTORA JUÍZA DE DIREITO DA VARA DE EXECUÇÕES PENAIS DA COMARCA DE LONDRINA-PARANÁ

EXCELENTÍSSIMA SENHORA DOUTORA JUÍZA DE DIREITO DA VARA DE EXECUÇÕES PENAIS DA COMARCA DE LONDRINA-PARANÁ EXCELENTÍSSIMA SENHORA DOUTORA JUÍZA DE DIREITO DA VARA DE EXECUÇÕES PENAIS DA COMARCA DE LONDRINA-PARANÁ O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, por intermédio do Promotor de Justiça que abaixo subscreve,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO TERMO DE VISTORIA Ao décimo nono dia do mês de janeiro do ano de dois mil e doze, o Conselho Regional de Medicina do Estado de Mato Grosso (CRM/MT) esteve presente no Hospital e Pronto Socorro Municipal

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 Dispõe sobre as atribuições da Coordenação de Atendimento ao Preso Provisório da Defensoria Pública da Capital e dá outras providências.

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2009

PROJETO DE LEI N o, DE 2009 PROJETO DE LEI N o, DE 2009 (Do Sr. NELSON GOETTEN) Altera o Decreto-Lei nº 3.689, de 1941 Código de Processo Penal. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta lei altera o Decreto-Lei nº 3.689, de 1941

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Revogado pela Portaria STJ n. 417 de 24 de outubro de 2012 PORTARIA N. 329 DE 19 DE OUTUBRO DE 2011. Dispõe sobre o controle de acesso, circulação e permanência de pessoas no Superior Tribunal de Justiça.

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

ESTADO DE GOIÁS ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA RELATÓRIO DA VISITA FEITA AO CENTRO DE INSERÇÃO SOCIAL DE ANÁPOLIS (PRESÍDIO DE ANÁPOLIS), REALIZADA EM 25 DE MAIO DE 2011, PELA COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS PENITENCIÁRIOS DEPARTAMENTO DE TRATAMENTO PENAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS PENITENCIÁRIOS DEPARTAMENTO DE TRATAMENTO PENAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS PENITENCIÁRIOS DEPARTAMENTO DE TRATAMENTO PENAL POLÍTICA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE PRISIONAL A Política de Atenção

Leia mais

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Introdução A Secretaria de Estado da Saúde estabeleceu como ação estruturante para a implantação das redes de atenção no Paraná,

Leia mais

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991 Dispõe sobre a Política Nacional de Arquivos Públicos e Privados e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. Regulamento Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências.

Leia mais

Relatório do Grupo de Trabalho do Hospital Parque Belém

Relatório do Grupo de Trabalho do Hospital Parque Belém Relatório do Grupo de Trabalho do Hospital Parque Belém Apresentação: o presente relatório é fruto do trabalho desenvolvido pelo grupo constituído em reunião ordinária do CMS de 06 de fevereiro do corrente

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ RELATÓRIO DE INSPEÇÃO CARCERÁRIA I INTRODUÇÃO: Com o objetivo de dar cumprimento ao disposto no art. 68, parágrafo único, da Lei de Execução Penal Lei nº 7.210/84, e na Resolução CNMP nº 56, de 22.06.2010,

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO PROJETO DE LEI Nº 7.311, DE 2002 (Apenso o Projeto de Lei nº 788, de 2003) Dispõe sobre a obrigatoriedade de presença

Leia mais

NORMAS PARA PACIENTES, ACOMPANHANTES E VISITANTES

NORMAS PARA PACIENTES, ACOMPANHANTES E VISITANTES NORMAS PARA PACIENTES, ACOMPANHANTES E VISITANTES INFORMAÇÕES GERAIS Terão direito a um (01) acompanhante, pacientes com mais de 60 anos, menores de 18 anos, pessoas com deficiência ou que tenham dificuldade

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO - 01/2013

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO - 01/2013 RELATÓRIO DE INSPEÇÃO - 01/2013 I - FINALIDADE O presente relatório apresenta o resultado da inspeção realizada no dia 12 de abril deste ano, pela Diretoria Executiva do SINPRF-PA/AP, representada pelo

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420)

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420) Fica autorizada a reprodução do texto e ilustrações, no todo ou em parte, desde que se não altere o sentido, bem como seja citada a fonte. As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria

Leia mais

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos.

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos. Consultas à Defesa Anualmente, o Departamento de Defesa Profissional da Associação Paulista de Medicina (APM) realiza cerca de mil atendimentos, esclarecendo dúvidas sobre uma série de assuntos e garantindo

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /03 Autora: Deputada MANINHA

PROJETO DE LEI Nº /03 Autora: Deputada MANINHA PROJETO DE LEI Nº /03 Autora: Deputada MANINHA Estabelece normas básicas e dispõe sobre condições gerais de funcionamento de estabelecimentos que prestam atendimento institucional e abrigo a idosos, e

Leia mais

Princípios norteadores

Princípios norteadores Princípios norteadores A Associação pela Reforma Prisional, Conectas Direitos Humanos, Instituto dos Defensores de Direitos Humanos, Instituto Sou da Paz, Instituto Terra, Trabalho e Cidadania, Instituto

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA NÚCLEO V

ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA NÚCLEO V ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA NÚCLEO V RELATÓRIO DE INSPEÇÃO 1. DATA DA INSPEÇÃO: 14 de fevereiro de 2013. 2. UNIDADE INSPECIONADA: 2.1. Penitenciária Sul - Criciúma.

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

MUTIRÃO CARCERÁRIO Plano do Projeto

MUTIRÃO CARCERÁRIO Plano do Projeto 1. Introdução O projeto do Mutirão Carcerário, iniciado pelo Conselho Nacional de Justiça em agosto de 2008 a partir da vigência da Resolução Conjunta nº 01/2009 do CNJ/CNMP e Resolução nº 89/2009 do CNJ,

Leia mais

Projeto de Intervenção Modelo Individual

Projeto de Intervenção Modelo Individual Imprimir Projeto de Intervenção Modelo Individual Marcela Haupt Bessil PROJETO DE INTERVENÇÃO Grupo sobre Redução de Danos com Agentes Promotores de Saúde no Sistema Prisional Porto Alegre / RS 2014 1.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 56 DE 22 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 56 DE 22 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 56 DE 22 DE JUNHO DE 2010 Dispõe sobre a uniformização das inspeções em estabelecimentos penais pelos membros do Ministério Público. O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício

Leia mais

Secretaria Executiva de Ressocialização

Secretaria Executiva de Ressocialização Desafio Social Prover a população carcerária de condições necessárias para a construção da Cidadania e de sua Reintegração Social Missão Cumprir a legislação de Execução Penal no Estado de Pernambuco,

Leia mais

Ministério Público do Rio Grande do Sul PROMOTORIA DE JUSTIÇA CÍVEL DE ERECHIM

Ministério Público do Rio Grande do Sul PROMOTORIA DE JUSTIÇA CÍVEL DE ERECHIM Procedimento n.º INQUÉRITO CIVIL: 00763.00041/2014 Investigada: ASSOCIAÇÃO CULTURAL E INDUSTRIAL DE ERECHIM TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA No dia 18 de novembro de 2014, o MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

PRINCIPAIS CONCLUSÕES SOBRE PRISÃO PROVISÓRIA EM CASOS DE FURTO: 1) HÁ PRISÃO PROVISÓRIA NA MAIORIA DOS CASOS

PRINCIPAIS CONCLUSÕES SOBRE PRISÃO PROVISÓRIA EM CASOS DE FURTO: 1) HÁ PRISÃO PROVISÓRIA NA MAIORIA DOS CASOS PRISÃO PROVISÓRIA EM CASOS DE FURTO ESTUDO REALIZADO EM CINCO REGIÕES BRASILEIRAS (NAS CIDADES DE RECIFE, BELÉM, DISTRITO FEDERAL, SÃO PAULO E PORTO ALEGRE). Resultado de pesquisa de mestrado em direito

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara da Educação Superior e Profissional

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara da Educação Superior e Profissional INTERESSADO: Instituto de Educação do Cariri IDEC EMENTA: Credencia o Instituto de Educação do Cariri IDEC e reconhece o curso Técnico em Enfermagem na cidade do Crato, até 31.12.2012. RELATOR: José Batista

Leia mais

PORTARIA N.272 DE 15 DE AGOSTO DE 2013 (Consolidada).

PORTARIA N.272 DE 15 DE AGOSTO DE 2013 (Consolidada). PORTARIA N.272 DE 15 DE AGOSTO DE 2013 (Consolidada). Dispõe sobre o controle de acesso, circulação e permanência de pessoas no Conselho Nacional do Ministério Público O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

LEI FEDERAL Nº 9.982, DE 14 DE JULHO DE

LEI FEDERAL Nº 9.982, DE 14 DE JULHO DE Legislação Capelania CONSTITUIÇÃO FEDERAL / 1988 Art. 5º - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014 Altera a Lei de Execução Penal e o Código Penal para criminalizar o diretor do estabelecimento penal ou o agente público competente pela não atribuição de trabalho

Leia mais

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo.

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo. Conforme o Estatuto da Criança e do Adolesecente Art. 98. As medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados: I -

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUIZ(A) DE DIREITO DA VARA DE FAMÍLIA E SUCESSÕES DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE PORTO ALEGRE-RS.

EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUIZ(A) DE DIREITO DA VARA DE FAMÍLIA E SUCESSÕES DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE PORTO ALEGRE-RS. EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUIZ(A) DE DIREITO DA VARA DE FAMÍLIA E SUCESSÕES DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE PORTO ALEGRE-RS. ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA A DO ESTADO, por seus Defensores Públicos

Leia mais

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO Ana Sachs* 20/09/2009-07h00 Do UOL Notícias Em São Paulo Ainda que seja uma exigência da lei de Execuções Penais, o trabalho

Leia mais

5 ORGANIZAÇÃO E LIMPEZA.R: Que ira conversar com as merendeiras e irá providenciar o acondicionamento correto do lixo.

5 ORGANIZAÇÃO E LIMPEZA.R: Que ira conversar com as merendeiras e irá providenciar o acondicionamento correto do lixo. DATA: 02 de setembro 2011 HORA: 14:30 horas ATA DE REUNIÃO LOCAL: Promotoria de Justiça da Cidadania PARTICIPANTES: Dra. Maria Pilar Cerqueira Maquieira Menezes, Promotora de Justiça, o Diretor Van Mário

Leia mais

Penitenciária II de Potim

Penitenciária II de Potim CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA CRIMINAL E PENITENCIÁRIA Penitenciária II de Potim Relatório de visita de inspeção Conselheiro Fernando Braga Viggiano e Servidor Jefferson Alves Lopes Visita de inspeção

Leia mais

O que deve fazer uma mulher vítima de agressão?

O que deve fazer uma mulher vítima de agressão? PERGUNTAS FREQUENTES O que deve fazer uma mulher vítima de agressão? A mulher em situação de violência doméstica poderá comparecer a uma delegacia de Defesa da Mulher mais próxima à sua casa para registrar

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Deputado Federal Alessandro Lucciola Molon (Partido dos Trabalhadores Rio de Janeiro) Relator do Projeto de Lei 2.126/2011 (Lei 12.965/2014) 16 Giugno 2014 Montecitorio publicado no D.O.U. de 24.4.2014

Leia mais

MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE POSSE COLETIVA.

MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE POSSE COLETIVA. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DEPARTAMENTO DE OUVIDORIA AGRÁRIA E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS - DOAMC MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012 RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012 CONSIDERANDO: 1. A existência do Procedimento Preparatório n. 0089.11.000011-7, cujo objeto é apurar eventual irregularidade em casa de abrigo para idosos na Rua

Leia mais

PROVIMENTO CGJ N.003/2015 CGJ

PROVIMENTO CGJ N.003/2015 CGJ PROVIMENTO CGJ N.003/2015 CGJ Dispõe sobre o cumprimento de alvarás de soltura no âmbito do Estado da Bahia. O DESEMBARGADOR JOSÉ OLEGÁRIO MONÇÃO CALDAS, CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS EMAIL: JAYME.MARINHO@TJAM.JUS.BR NÚCLEO DE ADVOCACIA VOLUNTÁRIA RESPONSÁVEL: JAYME BENCHAYA MARINHO, COORDENADOR DO NÚCLEO DE ADVOCACIA VOLUNTÁRIA DO TRIBUNAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária RELATÓRIO DE VISITA DE INSPEÇÃO PRESÍDIO PROF. ANÍBAL BRUNO, RECIFE/PE. MARÇO DE 2008 Unidade: Presídio Professor Aníbal Bruno Av. Liberdade, s/n - Curado - Recife PE Data: 10 de março de 2008. Conselheiros:

Leia mais

Avaliação da coordenação da Pastoral Carcerária SP sobre o sistema prisional

Avaliação da coordenação da Pastoral Carcerária SP sobre o sistema prisional São Paulo, 19 de junho de 2006 Avaliação da coordenação da Pastoral Carcerária SP sobre o sistema prisional O Estado de São Paulo vive hoje o clima do pós-rebeliões, do pós-confronto do crime organizado

Leia mais

10 de Setembro de 2013

10 de Setembro de 2013 10 de Setembro de 2013 TJDFT na mídia http://tjdft2013.myclipp.inf.br Segunda-feira, 09 de Setembro de 2013 Revista Veja/SP Brasil Seg, 09 de Setembro de 2013. 07:48:00. REVISTA VEJA BRASIL TJDFT TRIBUNAL

Leia mais

Portaria n o 046-GDF de 24 de agosto de 1999

Portaria n o 046-GDF de 24 de agosto de 1999 Página 1 de 7 Volta Portaria n o 046-GDF de 24 de agosto de 1999 O JUIZ FEDERAL - DIRETOR DO FORO E CORREGEDOR PERMANENTE DOS SERVIÇOS AUXILIARES DA JUSTIÇA FEDERAL DE 1º GRAU - SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 Legislações - ANVISA Sex, 01 de Julho de 2011 00:00 RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 Dispõe sobre os requisitos de segurança sanitária para o

Leia mais

Manual de Orientação ao Cliente

Manual de Orientação ao Cliente Manual de Orientação ao Cliente Prezado Cliente O Hospital IGESP reúne em um moderno complexo hospitalar, os mais avançados recursos tecnológicos e a excelência na qualidade do atendimento prestado por

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

Errado, pois não abrange o menor infrator.

Errado, pois não abrange o menor infrator. Exercícios LEP 1. (SEJUS-ES/09) O objetivo da execução penal é efetivar as disposições de decisão criminal condenatória, ainda que não definitiva, de forma a proporcionar condições para a integração social

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

Prof. Alison Rocha QUESTÕES COMENTADAS DA LEI DE EXECUÇÕES PENAIS

Prof. Alison Rocha QUESTÕES COMENTADAS DA LEI DE EXECUÇÕES PENAIS Prof. Alison Rocha QUESTÕES COMENTADAS DA LEI DE EXECUÇÕES PENAIS A respeito da execução penal, instituída pela Lei n.º 7.210/1984, assinale a opção correta. a) O trabalho do condenado, como dever social

Leia mais

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 DUDH Artigo 5º Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante. ART. 5º DA CF Inciso III Ninguém será submetido à tortura nem

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

QUEM É A PESSOA IDOSA?

QUEM É A PESSOA IDOSA? INTRODUÇÃO Líder, este caderno é seu, para cadastrar e acompanhar as pessoas idosas no domicílio. Ele contém os principais indicadores que nos levam a conhecer a realidade na qual vivem as pessoas, permitindo

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

C OMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

C OMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA C OMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, por meio do titular da Promotoria de Justiça de Proteção ao Idoso e à Pessoa Portadora de Deficiência do Núcleo

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.872, DE 2013 (Do Sr. Ricardo Izar)

PROJETO DE LEI N.º 6.872, DE 2013 (Do Sr. Ricardo Izar) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.872, DE 2013 (Do Sr. Ricardo Izar) Altera o 2º, do art. 15, da Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003, para dispensação de fraldas geriátricas por intermédio

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e, DECRETO N.º 2297 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Dispõe sobre procedimentos para concessão de licenças médicas para os servidores públicos

Leia mais

Inspeção Bimestral das Unidades de Internação / Período: 1ºBim./2015

Inspeção Bimestral das Unidades de Internação / Período: 1ºBim./2015 CNMP - Conselho Nacional do Ministério Público Sistema de Resoluções Inspeção Bimestral das Unidades de Internação / Período: 1ºBim./2015 Dados da Entidade Nome: Centro Educacional São Francisco - CESF

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA TC Nº 1, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA CONJUNTA TC Nº 1, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA CONJUNTA TC Nº 1, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014. Disciplina os horários de funcionamento e de atendimento do TCEPE e da ECPBG, e o controle de entrada e de saída de pessoas e suas dependências. O

Leia mais

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências.

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010.

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010. 1/7 CONSIDERANDO a Lei de Execução Penal 7.210/1984, a partir da redação em vigor dada pela Lei 10.792/2003, especificamente no que diz respeito ao Exame Criminológico; CONSIDERANDO a Súmula Vinculante

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 7.018, DE 2013 Dispõe sobre o armazenamento de imagens em dispositivos de monitoramento e gravação eletrônica por meio de

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária Relatório de Visita Prisional ao Estado de Rondônia realizada no dia 22/10/2011 OBSERVAÇÃO: O presente relatório foi apresentado

Leia mais

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 20/2011 Disciplina a concessão de licenças-médicas aos servidores em exercício neste Regional e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas

Leia mais

PROMOTORIA DE JUSTIÇA SECRETARIAS DE VARA

PROMOTORIA DE JUSTIÇA SECRETARIAS DE VARA O original deste documento é eletrônico e foi assinado digitalmente por JOSE TARCILIO SOUZA DA SILVA e FRANCISCO JAIME MEDEIROS NETO e ANTONIO PADUA SILVA e EDITE BRINGEL OLINDA ALENCAR em 10/07/2012 às

Leia mais

PORTARIA Nº 2.113, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.113, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.113, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2010 O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições legais e, CONSIDERANDO o disposto no Decreto nº 7003,

Leia mais

CURSO DE MONITOR DA SOCIAL CARCERÁRIA FASE 01/04

CURSO DE MONITOR DA SOCIAL CARCERÁRIA FASE 01/04 CURSO DE MONITOR DA SOCIAL CARCERÁRIA FASE 01/04 PROGREESSÃO DE REGIME PRISIONAL www.socialcarceraria.org.br lealdade profissionalismo justiça e liberdade ORIENTAÇÃO PEDIDO DE A TESTADO DE PERMANÊNCIA

Leia mais

LOCAL DO EVENTO: Prática Eventos. Brilhante Eventos I INFORMAÇÕES GERAIS ATENDIMENTO AO EXPOSITOR MONTADORA OFICIAL

LOCAL DO EVENTO: Prática Eventos. Brilhante Eventos I INFORMAÇÕES GERAIS ATENDIMENTO AO EXPOSITOR MONTADORA OFICIAL MANUAL DO EXPOSITOR I INFORMAÇÕES GERAIS LOCAL DO EVENTO: Fábrica de Negócios Hotel Praia Centro Av. Monsenhor Tabosa, 740, Bairro Praia de Iracema, CEP:60165-010 Fortaleza-CE ATENDIMENTO AO EXPOSITOR

Leia mais

CONSELHO PENITENCIÁRIO DO PARANÁ

CONSELHO PENITENCIÁRIO DO PARANÁ Lei nº. 12.317, de 28 de agosto de 1998 Lei nº 12.377, de 28 de dezembro de 1998 Lei nº. 14.556, de 09 de dezembro de 2004 Lei nº. 17.908, de 02 de janeiro de 2014. Decreto nº. 1.206, de 05 de maio de

Leia mais

PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ

PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ Modifica o Provimento nº 71/2008, estabelecendo novas regras para a gravação audiovisual de audiências. atribuições legais, O Corregedor-Geral da Justiça, no uso de suas Considerando

Leia mais

Constituição da República Portuguesa. Artigo 65.º (Habitação e urbanismo)

Constituição da República Portuguesa. Artigo 65.º (Habitação e urbanismo) Constituição da República Portuguesa Artigo 65.º (Habitação e urbanismo) 1. Todos têm direito, para si e para a sua família, a uma habitação de dimensão adequada, em condições de higiene e conforto e que

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO N O 20 (Alterada pelas Resoluções CSMPF Nº 23, de 23/4/1996; Nº 26, de 4/6/1996; Nº 31, de 27/6/1997; Nº 40, de 31/3/1998 e Nº 119, de 4/10/2011

Leia mais

DECRETO Nº. 2.469 DE 23 DE NOVEMBRO DE 2009

DECRETO Nº. 2.469 DE 23 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o procedimento de fiscalização para fins de SUSPENSÃO e CANCELAMENTO de Alvará de Funcionamento e INTERDIÇÃO em estabelecimentos empresariais e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Mutum

Prefeitura Municipal de Nova Mutum LEI Nº 1.854, DE 20 DE ABRIL DE 2015. Dispõe sobre a Política Municipal dos Direito da Pessoa Idosa e cria o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa e dá outras providências. O Sr. Leandro Félix

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012

Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012 Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre normas de segurança e acesso aos prédios

Leia mais

CARLOS LÉLIO LAURIA FERREIRA JOSÉ RICARDO VIEIRA TRINDADE JOSÉ BERNARDO DA ENCARNAÇÃO NETO

CARLOS LÉLIO LAURIA FERREIRA JOSÉ RICARDO VIEIRA TRINDADE JOSÉ BERNARDO DA ENCARNAÇÃO NETO CARLOS LÉLIO LAURIA FERREIRA Secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos JOSÉ RICARDO VIEIRA TRINDADE Secretário Executivo JOSÉ BERNARDO DA ENCARNAÇÃO NETO Secretário Executivo Adjunto HISTÓRICO

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito FAESF

Dispõe sobre a regulamentação do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito FAESF RESOLUÇÃO DIR. N. 002/08 CENTRO INTEGRADO DE ENSINO SUPERIOR DE FLORIANO FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE FLORIANO - FAESF RUA FÉLIX PACHÊCO, 1206 BAIRRO: MANGUINHA FONE: (89) 3521-6512 ou 3521-2956 CNPJ:

Leia mais