M-6-PM. Polícia Militar do Estado de São Paulo MANUAL POLICIAL MILITAR MANUAL DE SEGURANÇA DE PRESÍDIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "M-6-PM. Polícia Militar do Estado de São Paulo MANUAL POLICIAL MILITAR MANUAL DE SEGURANÇA DE PRESÍDIOS"

Transcrição

1 M-6-PM Polícia Militar do Estado de São Paulo MANUAL POLICIAL MILITAR MANUAL DE SEGURANÇA DE PRESÍDIOS Setor Gráfico do CSM/M Int 1ª Edição Impresso em Tiragem: 600 exemplares Publicado Bol G PM 066/78

2 POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO COMANDO GERAL São Paulo, 24 de novembro de 1977 Despacho n.º 1EM/PM-178/02 O Comandante Geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo, usando da atribuição que lhe confere o artigo 16 das Instruções para Publicações da Polícia Militar (I-1-PM), aprova, manda pôr em execução o M-6-PM (MANUAL DE SEGURANÇA DE PRESÍDIOS). Autorizo impressão nos termos do artigo 43 da I-1-PM. ARNALDO BASTOS DE CARVALHO BRAGA Coronel EB Comandante Geral

3 D I S T R I B U I Ç Ã O 1. Órgãos de Direção a. Geral: Cmt G... 1 Ch EM/PM... 1 S Ch EM/PM... 1 Sec do EM/PM (cada)... 1 CJ... 1 Asst Cmt G... 1 AG... 2 b. Setorial Dir. (cada) Órgãos de Apoio a. OPM de Apoio de Ensino: APM e CFAP (cada)... 5 EEF... 1 b. OPM de Apoio de Saúde: C Farm., C Odont. e C Med (cada)... 1 c. OPM de Apoio Logístico: CSM/MB, CSM/Int. (cada)... 3 CSM/O. CSM/S e C Fin. (cada) Órgãos de Execução: a. Gdes Cmdos (CPC, CPI e CCB) (cada)... 2 b. Cmdo de Área (CPA/M, CPA/I CPT)... 2 c. U OP (cada)... 2 d. BPGd e. OPM especiais de execução (C Mil, PMRG, C Mus e CIPGd (cada) Reserva: a. No EM/PM (1ª Seção) b. No CSM/Int. (para venda)

4 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Capítulo 1 - Responsabilidades Penal e Disciplinar dos Componentes da guarda militar Capítulo 2 - Riscos ou ações que podem ameaçar o Funcionamento normal de um presídio Capítulo 3 - Incidentes involuntários, propositais e outros riscos Capítulo 4 Sabotagens Capítulo 5 - Situações de emergência num presídio Capítulo 6 - Serviços executados pela polícia militar em presídios legislação vigente referente ao policiamento em presídios Capítulo 7 - A guarda militar organização - postos e setores de vigilância - área de Segurança - fiscalização constante - pontos sensíveis e vulneráveis - conclusão Capítulo 8 - Plano de segurança e operações da guarda militar Capítulo 9 - Sistema de iluminação da segurança externa de presídios.. 27 Capítulo 10 - Sistema de alarme na segurança externa de presídios Capítulo 11 - Incêndio e prevenção de incêndio em presídios Capítulo 12 - Escolta de presos Capítulo 13 Competência Capítulo 14 - Busca pessoal do escoltado Capítulo 15 - A escolta de presos propriamente dita Capítulo 16 - Escolta de presos em hospitais Capítulo 17 - Escolta de presos em velório Capítulo 18 - Escolta de parque agrícola Capítulo 19 - Sistema de comunicações e sua importância para o funcionamento normal da segurança de presídios... 69

5 CAPÍTULO 1 Responsabilidades penal e disciplinar dos componentes da guarda militar ARTIGO I Introdução 1. Ao 1 Batalhão de Polícia de Guarda (1º BPGd), subordinado ao Comando de Policiamento da Capital, cabe executar os serviços de segurança externa dos Presídios e Estabelecimentos Penais de maiores e menores da Capital, competindo-lhe o planejamento, comando, execução e fiscalização do emprego operacional da Unidade, de acordo com planos e ordens do escalão superior. Tamanha é a responsabilidade relativa à segurança externa de presídios, que as autoridades estaduais atribuíram essa missão, como função específica, à Polícia Militar, visto esta dispensar maior dedicação ao cumprimento do dever, consideradas a estrutura da Corporação e a severidade da disciplina. ARTIGO II A fuga e a pena 2. O Código Penal não comina pena ao preso que foge. Considera que o anseio à liberdade é irreprimível e instintivo no homem. Conseqüentemente, não sufragou a idéia de querer abafá-lo com a ameaça da pena. A fuga de preso constitui delito, somente quando ele se evade praticando violência à pessoa (Art. 352 CP). 3. Embora condescendendo com a simples fuga, a lei não permite que outros, não impelidos pelo incoercível impulso de liberdade, contribuam para que sejam frustradas as decisões judiciárias e as imposições legais, com inegável menosprezo e desprestígio à ordem constituída. 4. De acordo com o Art. 351, comete crime quem promove ou facilita a fuga de preso ou de pessoa submetida à medida de segurança. O agente ou sujeito ativo pode ser qualquer pessoa, desde que imputável. Nada impede a co-autoria que, entretanto, não abrange a pessoa do preso ou detento. Promove a fuga quem diligencia e prepara a evasão, tornando-a exeqüível. Prescinde o agente até da ciência do preso ou detento. Facilita-a quem auxilia na fuga, afastando os óbices existentes, cooperando e colaborando para o evento. Na promoção, a iniciativa, plano e providências são do agente; no auxílio, ele secunda o preso ou detento, quer fornecendo-lhe instrumentos de fuga, quer instruindo-o a respeito. 5. A promoção ou auxílio objetivam a fuga, que consiste na subtração da pessoa à esfera de guarda ou custódia legítima. 6. A fuga se consuma, quando o preso ou detento se encontra livre, quando já

6 saiu daquela órbita de vigilância, mesmo que precariamente. E não somente dos estabelecimentos carcerários pode efetivar-se a fuga: esta também ocorre, por exemplo, quando o preso ou detento se evade da viatura que o transporta. 7. Consuma-se o crime com a fuga efetivada, que ocorre quando o preso ou detento já transpôs os limites da esfera de sua guarda ou vigilância, ainda que logo depois seja recapturado. Enquanto aquela não se dá, não se pode cogitar de promoção ou auxílio à fuga, por parte do agente. É admissível a tentativa, sempre que não se consumar a fuga. Por exemplo, o preso é detido no momento em que tenta galgar ou escalar o muro da prisão em que se encontra. 8. O 3 do artigo 351 do C. P. tem em consideração a violação do dever funcional. É natural que se é crime promover ou auxiliar a fuga de um sentenciado ou detento, maior deve ser a punição quando o fato for praticado por quem é responsável por sua vigilância. 9. Já o 4 do mesmo artigo ocupa-se da forma culposa, visando ao funcionário encarregado da custódia ou guarda. Trata-se de crime especial e que ocorre mesmo na hipótese em que a fuga é executada pelo preso ou detento, sem que terceiros a promovam ou a facilitem. É entretanto, necessária a fuga, quer por iniciativa do próprio evadido, quer de outrem com a concomitância da culpa do funcionário. Caso não haja fuga o comportamento culposo do agente poderá constituir outro delito, como ficar sujeito, a prescrições disciplinares ou ser penalmente indiferente. ARTIGO III Competência para julgamento dos Crimes Militares 10. O S.T.F. em acórdão, no «habeas-corpus» n 47111, de que foi relator o Ministro Barros Monteiro, adotou tese de grande interesse para a Justiça Militar. A Alta Corte salientou no julgado, que milicianos da Polícia Militar, em serviço de Guarda do Instituto de Reeducação de Tremembé, responsáveis por fuga de preso (reeducandos) que ali se encontravam, deviam responder pelo fato perante a Justiça Militar do Estado e não perante a Justiça Comum. No caso, consoante salientou a Corte, os policiais estavam sujeitos às autoridades militares e exerciam funções militares, razão por que não tinha aplicação a Súmula 297. (Segundo essa Súmula, o policial militar em serviço de policiamento não está sujeito às autoridades militares e exercem funções policiais; em conseqüência, o crime inerente ao serviço, se cometido, será comum, estando sujeito à Justiça Comum e não à Justiça Militar). Pelo que se depreende, os componentes da G M. poderão ser julgados pela Justiça Militar do Estado. A matéria é igualmente tratada pelo Código Penal Militar, que segue à mesma linha do Código Penal. 11. Considerando ainda as guardas Militares como lugares sujeitos à

7 administração militar, aplica-se aos componentes da G.M. o Código Penal Militar nos crimes cometidos em serviço, tais como artigo 163 (recusa de obediência), artigo 195 (abandono de posto), artigo 202 (embriaguez em serviço), artigo 203 (dormir em serviço), etc. E o Regulamento Disciplinar prevê as transgressões Disciplinares que se referem ao serviço, capitulando-as na letra «b» do parágrafo único do art. 12: «CONTRA AS REGRAS E ORDENS DE SERVIÇOS ESTABELECIDAS NAS LEIS OU REGULAMENTOS OU PRESCRITAS POR AUTORIDADES COMPETENTES» e no artigo 13, nºs 7, 8, 17, 18, 19, 20, 25, 26 e 59. ARTIGO IV Considerações gerais 12. Existem certas transgressões disciplinares que devem ser reprimidas com rigor para que seja possível manter um nível razoável de segurança: são, entre outras, as seguintes: a. desviar a atenção para qualquer assunto audiovisual; b. dormir no posto; c. abandonar o posto. 13. É preciso ter em mente que o preso só tentará fuga após estudar devidamente a sentinela e certificar-se de que pode contar com a omissão da mesma na ocasião da transposição da muralha, conseqüência da sua desatenção e negligência. E a sentinela só estará atenta se estiver acordada (não dormindo) e com a atenção voltada para o interior do presídio e certa de que o rondante constantemente a está fiscalizando. 14. Citam-se a seguir alguns dispositivos legais referentes ao assunto: a. CÓDIGO PENAL (Decreto-lei 2.848, de 7-XII-1940) «PARTE ESPECIAL... «Capítulo III - Dos crimes contra a administração da Justiça... «Art Promover ou facilitar a fuga de pessoa legalmente presa ou submetida a medida de segurança detentiva: «Pena - Detenção de seis meses a dois anos. «1 - Se o crime é praticado a mão armada, ou por mais de uma pessoa mediante arrombamento, a pena é de reclusão, de dois a seis anos. «2º - Se há emprego de violência contra a pessoa, aplica-se também a pena correspondente a violência. «3 - A pena é de reclusão, de um a quatro anos, se o crime é praticado por pessoa sob cuja custódia ou guarda está o preso ou o internado. «4º - No caso de culpa de funcionário incumbido da custódia ou guarda, aplica-se a pena de detenção, de três meses a um ano, ou multa, de mil cruzeiros a

8 cinco mil cruzeiros. «Art. 352 Evadir-se ou tentar evadir-se o preso ou indivíduo submetido a medida de segurança detentiva, usando de violência contra a pessoa: «Pena - Detenção de três meses a um ano, além da pena correspondente à violência. b. CÓDIGO PENAL MILITAR (Decreto-lei 1.001, de 21-X-1969) «PARTE ESPECIAL... «TÍTULO II «Dos crimes contra a Autoridade ou Disciplina Militar... «CAPÍTULO VIII «Da fuga, evasão, arrebatamento e amotinamento de presos. «Art Promover ou facilitar a fuga de pessoa legalmente presa ou submetida a medida de segurança detentiva. «Pena - Detenção de seis meses a dois anos. «1º - Se o crime é praticado a mão armada ou por mais de uma pessoa mediante arrombamento. «Pena - Reclusão de dois a seis anos. «2º - Se há emprego de violência contra pessoa, aplica-se também a pena correspondente à violência. «3º - Se o crime é praticado por pessoa sob cuja guarda, custódia ou condução está o preso ou internado. «Pena - Reclusão, até quatro anos. «Art Deixar, por culpa, fugir pessoa legalmente presa confiada à sua guarda ou condução. «Pena - Detenção de três meses a um ano. «Art. 180 Evadir-se ou tentar evadir-se o preso ou internado usando de violência contra a pessoa. «Pena - Detenção de um a dois anos, além da correspondente à violência «1º - Se a evasão ou tentativa ocorre mediante arrombamento da prisão militar. «Pena - Detenção de seis meses a um ano. «2º - Se do fato sucede deserção, aplicam-se cumulativamente as penas correspondentes».

9 CAPÍTULO 2 Riscos ou ações que podem ameaçar o funcionamento normal de um presídio ARTIGO V Introdução 15. O planejamento da segurança externa de um Presídio começa pelo meticuloso estudo relativo aos tipos e à amplitude dos problemas que possam pôr em risco o pessoal (componentes da G.M., funcionários civis, sentenciados, visitantes), às instalações e à vida interna desse Estabelecimento Penal. ARTIGO VI Desenvolvimento 16. Um método freqüentemente usado na solução desses problemas, consiste em examinar a situação procurando as respostas para os quesitos: QUE, QUANDO, ONDE, PORQUE e QUEM. As respostas devem, naturalmente, ser condicionadas a cada presídio em estudo, sua localização e às condições prevalentes. Determinadas respostas são geralmente aplicáveis à maioria dos estabelecimentos penais. 17. Analisemos o primeiro quesito: QUE a. QUE RISCOS OU AÇÕES PODERÃO AMEAÇAR O FUNCIONAMENTO NORMAL DE UM PRESÍDIO? São: 1) tentativa de fuga de um ou mais sentenciados; 2) fuga de um ou mais sentenciados; 3) levante ou motim; 4) incêndio; 5) ação externa de uma ou mais pessoa para propiciar ou facilitar fuga de preso; 6) ação externa de uma ou mais pessoa contra as instalações, ou pessoal de serviço; 7) ação interna (subversão, espionagem, sabotagem física ou psicológica, atividades terroristas); 8) incidentes naturais (incêndios não provocados, curtos-circuitos, por exemplo) devido a erro humano ou falta de cuidado.

10 CAPÍTULO 3 Incidentes involuntários, propositais e outros riscos ARTIGO VII Incidentes involuntários 18. Involuntários, são os incidentes que independem da vontade humana, tais como: acidentes, incêndios, explosões de munição e falhas no fornecimento de energia elétrica que podem provocar situações de emergência e afetar a eficiência da vigilância. Esses incidentes resultam de negligência, imprudência ou imperícia, falta de treinamento, manutenção defeituosa. 19. O intento deliberado, por parte de qualquer pessoa ou grupo, não concorre para tais incidentes, sendo eles perfeitamente evitáveis. Métodos positivos de prevenções podem reduzi-los ou eliminá-los. ARTIGO VIII Incidentes propositais 20. São propositais, os incidentes causados deliberadamente por pessoas ou grupos, cujos interesses são hostis ao da Direção do Presídio ou Comando da G.M. Os incidentes podem ser planejados de modo a simularem «ocorrências naturais», tais como, incêndios. Se aquele que provoca o incêndio, tiver êxito em disfarçar a ação deliberada, sua identidade permanecerá obscura e ele estará livre para atacar novamente (a suspeita não foi suscitada, tendo executado com êxito sua missão). Incidentes, assim disfarçados, são de difícil solução. 21. Todo incidente, intencional ou não, merece profunda investigação para verificação de todos os fatores contribuintes. Os dados coligidos oferecem orientação quanto às exigências de segurança, mediante cuidadosa análise e avaliação. ARTIGO IX Outros riscos 22. Muitos outros riscos enquadram-se no grupo intencional. Para os objetivos de maior importância, nos instrumentos usados incluem-se espionagem, infiltração e subversão (deverão ser objeto de palestras).

11 CAPÍTULO 4 Sabotagens ARTIGO X A Sabotagem Psicológica 23. É um método que objetiva incitar e transformar problemas, conflitos pessoais e animosidade em descontentamento geral: operação tartaruga, anonimato de rebeldia e boicote. Ela pode ser o instrumento para induzir executantes à produção de trabalho inferior ou estragos; a criar problemas entre comandantes e comandados. 24. Numa escala maior, os meios psicológicos são empregados para investigar falsos problemas políticos, sociais ou ocorrências e para disseminar propaganda inflamatória, visando causar descontentamento, criar tensões emocionais e diminuir o moral e apoio públicos ao governo e seus órgãos representativos 25. Os meios empregados são os mais diversos: meias verdades ou grandes mentiras; insinuações ou alegações vagos a respeito do caráter de uma pessoa; lançamento de dúvidas sobre a integridade, sinceridade, competência ou relações de um chefe; rumores que, iniciados, podem difundir a intranqüilidade geral. 26. Os boatos, juntamente com outros indícios, constituem importante indicação de aumento de tensões e da deterioração do clima emocional numa área. Cuidadosa coleta e análise de tais informações podem fornecer valiosa orientação quanto às necessidades de controle. ARTIGO Xl Sabotagem Física 27. A sabotagem física pode ser agrupada em duas categorias genéricas: a. Atos dissimulados ou secretos que são disfarçados com a aparência de conseqüentes erros ou imprudência, para os quais são envidados esforços no sentido de ocultar a ação do agente e a noção de que o ato foi deliberado. b. Atos ostensivos e não disfarçados que são imediatamente reconhecidos como sabotagem. 28. Entre os primeiros, temos: incêndio causado por «combustão espontânea», instalação errônea de circuitos elétricos; entre os segundos, temos por exemplo: o corte de fios elétricos sem qualquer esforço para ocultar o fato. No serviço da Guarda Militar, encontramos não muito raramente cartuchos sem pólvora e cheios de areia. Já houve casos de sirene de alarme não funcionar, no exercício de treinamento, em virtude de encontrar-se com trava de madeira impedindo qualquer

12 movimento ARTIGO XII Investigação de Acidentes 29. A investigação é uma pesquisa sistemática da verdade relativa a um assunto. Investigar é pesquisar mediante paciente averiguação e exame dos fatos. O propósito da investigação é verificar o que aconteceu, como sucedeu e porque ocorreu. Destina-se, pois, a estabelecer um relato completo dos eventos que culminaram com o incidente, a hora de cada um e todas as circunstâncias contribuintes. 30. As partes necessárias da informação incluem a identidade de todas as pessoas envolvidas; a posição e o movimento de cada uma, e os motivos que nortearam suas ações. As características físicas do local e as relações de cada um com os eventos transpirados, devem ser descobertos e detalhadamente descritos e os resultados dos incidentes e efeitos precisa e cabalmente estabelecidos. 31. A investigação objetiva, principalmente, determinar os meios e os processos de salvaguarda que devam ser aplicados para prevenir futuras ocorrências de incidentes semelhantes. A perfeita identificação de todos os fatores contribuintes aponta o meio de controlar ou eliminar um ou mais deles, para reduzir a possibilidade de ocorrências e resultados indesejados. 32. Os tipos de incidentes que exigem investigação são numerosos e variados. Em resumo, toda ocorrência não contemplada e não projetada deve ser investigada.

13 CAPITULO 5 Situações de emergência num presídio ARTIGO XIII Ocorrências 33. Existem certas ocorrências peculiares em um presídio que provocam medidas especiais, desde o início ao término. Havendo, em certos casos, necessidade da intervenção do próprio Governador. 34. São situações de emergências em um presídio: a. TENTATIVA DE FUGA: Acontece quando o preso ou presos, com ou sem meios, chegam até a muralha e a ultrapassam ou não, sem conseguir, todavia, sair das vistas da Guarda externa. b. FUGA: Quando o preso ou presos, com ou sem meios, chegam até a muralha e a ultrapassam conseguindo sair das vistas da Guarda externa. Escapar da esfera da vigilância, eis a característica de uma fuga. A recaptura poderá ocorrer posteriormente, minutos, horas, dias, meses, ou até anos após; mas nem que seja por um instante, o agente ficou fora dos limites perimetrais do estabelecimento penal, sem vigilância de funcionários civis ou da Polícia Militar. c. LEVANTE OU MOTIM: Diz o Código Penal: «Art amotinarem-se presos, perturbando a ordem ou disciplina da prisão. Pena - detenção de seis meses a dois anos, além da pena correspondente à violência». 1) O verbo amotinar é o empregado pela lei. Designa o levante, o movimento coletivo de rebeldia, desordem e indisciplina obediente a um fim comum, que indiferentemente pode ser justo ou injusto; reação contra punições impostas; contra determinação regulamentar; meio de obrigar funcionário a praticar outro ato, para facilitar a fuga, etc. 2) A rebelião há de ser de presos, isto é, reunião deles; um, jamais constituirá motim. Por conseguinte, se um preso se alia a funcionários em movimento de rebeldia, não haverá motim. 3) Consuma-se o crime, quando a ordem ou a disciplina forem transgredidas, com os primeiros atos de motim, pouco importando a permanência da perturbação. Esta deve traduzir-se em violência à pessoa ou à coisa. O não acatamento de uma determinação, a assuada, a vaia, etc., são transgressões disciplinares, não, porém, motim. É mister a prática de violência física contra funcionários, componentes da G. M., etc. ou depredações. Ocorrendo a violência à pessoa, há concurso de crimes (motim mais violência). d. INCÊNDIO: O incêndio pode ser acidental ou provocado geralmente e o provocado que causa maiores problemas, colocando a administração do presídio e o Cmt da G.M. em dificuldades, visto a série de providências a serem tomadas: debelar o fogo, salvar vidas, e maior vigilância, a fim de evitar seja aproveitada a situação para a fuga, etc. É de supor-se, ainda, que o incêndio quase sempre

14 acontece juntamente com o levante, o que gera maiores problemas. e. AÇÃO EXTERNA: Pode ser de dois tipos: uma destinada a propiciar ou facilitar a fuga de presos; outra dirigida contra as instalações ou pessoal do presídio. 1) Ambas as ações devem ser consideradas perigosas. E para combater qualquer dos tipos de ação externa, os componentes da G.M. devem estar sempre bem treinados e instruídos, o que os deixa em condições ideais de agir de imediato em caso concreto. ARTIGO XIV Conclusão 35. Existindo uma razoável segurança externa em um presídio e uma certa tranqüilidade no seu interior, dificilmente a Guarda externa é chamada par a agir em ocorrências de grande envergadura. Entretanto, devemos estar preparados para enfrentar qualquer situação mediante treinamento adequado e instrução suficiente, cientes de que pessoas ou grupos que estejam planejando as atividades ilegais tem a vantagem de escolher a hora e local, métodos e as condições mais favoráveis ao seu intento.

15 CAPÍTULO 6 Serviços executados pela Polícia Militar em presídios - Legislação vigente referente ao policiamento em presídios ARTIGO XV Introdução 36. Desde há muito tempo, a Polícia Militar do Estado de São Paulo presta serviços na segurança externa de cadeias públicas e estabelecimentos penais do Estado. Alguns presídios, como por exemplo, a Penitenciaria do Estado, tem sua história ligada à Força Pública e à Polícia Militar. 37. Até 1962 entretanto não havia uma Unidade especializada de presídios, quando então foi criado, pela Lei 7.184, de 19-X-1962, o 15 B P (posteriormente o 1º BPGd), para esse mister, cujos atribuições foram fixadas pelo Decreto , de 4-I Essa Unidade passou à disposição da Secretaria da Justiça para a execução dos serviços de Guarda externa de presídios e escolta de presos em trabalho. ARTIGO XVI Serviços Executados pela Polícia Militar em Presídios 38. Na segurança externa dos presídios 3 (três) serviços são executados pela Polícia Militar: GUARDA MILITAR, ESCOLTA DE PRESOS EM TRABALHO e ESCOLTA DE PRESOS EM TRÂNSITO. a. Considera-se Guarda Militar ou Guarda Externa de Presídios a linha de segurança que se faz em volta dos estabelecimentos penais para evitar tentativas de fuga; evasão em massa, provocada por tumultos ou incêndios; assim como a ação desencadeada em caso de tumulto ou revolta de qualquer espécie ou proporção, com ou sem auxílio de outras Unidades da Corporação. Tem-se em vista, ainda na Guarda Militar, evitar a atuação de elementos de fora do presídio em pequeno ou grande número, inclusive interferência de elementos subversivos; b. Considera-se escolta de presos em trabalho, aquela feita nas Penitenciárias do Estado, dos presos nos diversos serviços fora da linha de segurança da Guarda Militar, especialmente no Parque Agrícola, dentro do programa de laborterapia, em virtude de serem eles escoltados por tropa armada, a fim de garantir sua permanência no cárcere, uma vez que se encontram em um estágio da pena que não permite a sua utilização em prisão aberta; c. Considera-se escolta de presos em trânsito fora dos presídios, aquela que se faz conduzindo-os ao Fórum Criminal ou Varas Distritais para atender requisições do Juiz; a que se realiza na condução de presos a hospitais, destinados a exames especializados e a referente a presos em velório de parentes.

16 ARTIGO XVII Legislação referente ao policiamento em presídios 39. É a seguinte, a legislação que disciplina a matéria: a. O Decreto-lei 667, de 2-VII-1969, modificado pelo Decreto-lei 1.072, de 30- XII-1969, que reorganiza as Polícias Militares e os Corpos de Bombeiros Militares dos Estados, dos Territórios e do Distrito Federal e dá outras providências, diz no art. 3º, letra «a»: «Executar com exclusividade, ressalvadas as missões peculiares das Forças Armadas, o policiamento ostensivo, fardado, planejado pelas autoridades policiais competentes, a fim de assegurar o cumprimento da lei, a manutenção da ordem pública e o exercício dos poderes constituídos». b. Regulamento para as Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares (R 200), diz no art. 29, nº 13: «Policiamento Ostensivo Ação policial em cujo emprego o homem ou fração de tropa engajados sejam identificados de relance quer pela farda quer pelo equipamento, armamento, ou viatura. «São considerados tipos desse policiamento a cargo das Polícias Militares, ressalvadas as missões peculiares das Forças Armadas, os seguintes de segurança externa dos estabelecimentos penais do Estado outros, fixados em legislação da Unidade Federativa». c. Lei Orgânica da Polícia (Lei , de 27-V-1968), que, pelo art. 9º, IV, cabe à Polícia Militar a guarda externa dos estabelecimentos Penais; d. Decreto Estadual 7.290, de 15-XII-1975, cujo teor é o seguinte: «PAULO EGYDIO MARTINS, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições legais, Decreta: Artigo 1º - Fica aprovado o Regulamento Geral da Policia Militar do Estado de São Paulo, que com este baixa. Artigo 2º - Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação, revogados os Decretos , de 20 de junho de 1968; , de 22 de dezembro de 1969 e de 22 de julho de 1974, e as demais disposições em contrário. Palácio dos Bandeirantes, 15 de dezembro de PAULO EGYDIO MARTINS Antônio Erasmo Dias, Secretário da Segurança Pública. Publicado na Casa Civil, aos 15 de dezembro de Maria Angélica Galiazzi, Diretora da Divisão de atos do Governador.

17 REGULAMENTO GERAL DA POLÍCIA MILITAR CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º - A Polícia Militar cumpre as missões que lhe são atribuídas pela legislação federal e estadual, através dos órgãos de Direção, Apoio e Execução. Artigo 2º - O Comandante Geral (Cmt G) é o responsável superior pela atuação da Polícia Militar. Artigo 3º - A disciplina e a hierarquia constituem a base da organização da Polícia Militar Artigo 4º - A cadeia de comando se caracteriza pelo escalonamento vertical dos órgãos, a partir do Comandante Geral até o Subdestacamento Policial Militar (Subdest PM). Artigo 5º - Todas as ordens do órgão superior a outro subordinado devam ser dadas pelo comandante superior ao comandante imediatamente subordinado. A cadeia de comando só não será observada em situações de emergência. Artigo 6º - As ordens são baixadas para o nível imediatamente inferior da cadeia de comando. Cabe a quem recebê-las difundi-las entre seus órgãos subordinados. Artigo 7º - O Comando (Cmdo) é constituído pelo Comandante Geral (Cmt G) e seu Estado Maior (EM)... Artigo 89 - O Batalhão de Polícia de Guarda (1º BPGd), subordinado ao Comando de Policiamento da Capital, é o órgão responsável pela segurança externa dos presídios e estabelecimentos penais de maiores e menores da Capital, competindo-lhe o planejamento, comando, execução e fiscalização do emprego operacional da Unidade, de acordo com planos e ordens do escalão superior» e. Decreto , de 4-I-1963, que estabelece as atribuições do 15º Batalhão Policial da Força Pública, criado pela Lei 7.184, de 18-X-1962 e dá outras providências, cujo teor é o seguinte: «CARLOS ALBERTO ALVES DE CARVALHO PINTO GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO, usando de suas atribuições legais, Decreta: Artigo 1º - O 15º Batalhão Policial (15º BP), à disposição da Secretaria da

18 Justiça e Negócios do Interior, destina-se à guarda externa de presídios e à escolta de presos em trabalho Artigo 2º - O pessoal para o 15º BP será submetido a provas de seleção e a curso de especialização. 1º - O Departamento dos Institutos Penais do Estado (D.I.P.E.) colaborará com a Diretoria Geral de Instrução da Força Pública na organização e realização dos cursos. 2º - Satisfeitas todas as exigências desse curso e após estágio probatório de seis meses, os componentes do 15º BP serão efetivados em suas funções. 3º - Uma vez incluídos definitivamente no efetivo da Unidade, somente serão transferidos: a) a pedido; b) por conveniência; c) a pedido fundamentado do Diretor do D.I.P.E.; e, d) por necessidade do serviço. Artigo 3º - Provisoriamente poderá fazer parte do 15º BP pessoal não habilitado pelo curso de especialização desde que aprovados nos exames de seleção. Artigo 4º - A apreciação dos problemas atinentes a atribuições específicas do Batalhão caberá ao seu Comandante e ao Diretor do D.I.P.E. Parágrafo único - Cabe ao Comandante do Batalhão estabelecer a ligação entre o Comando Geral da Força Pública e á Diretoria do D.I.P.E. Artigo 5º - Correrão por conta da Secretaria da Justiça (D.I.P.E.) as despesas com diárias de diligências, gratificações, viaturas e imóveis, e por verba da Secretaria da Segurança Pública, as de material e pessoal. Artigo 6º - O 15º BP reger-se-á, como Unidade Administrativa da Força Pública, pelas leis, decretos, regulamentos, instruções, diretrizes, etc., em vigor na Corporação. Artigo 7º - As sedes do Batalhão e de suas Subunidades, ou frações destas, serão determinadas pelo Comando Geral, de acordo com o Diretor do D.I.P.E., à vista da necessidade do serviço. Artigo 8º - O efetivo do 15º BP será determinado pelo decreto de distribuição de efetivos da Força Pública. Artigo 9º - Este decreto entrará em vigor na data de sua publicação. Artigo 10 - Revogam-se as disposições em contrário.

19 Palácio do Governo do Estado de São Paulo, aos 4 de janeiro de CARLOS ALBERTO ALVES DE CARVALHO PINTO, (D.O. de 5-I-1963) e (item 2 do Bol G nº 6, de 9-I-1962)». ARTIGO XVIII Conclusão 40. Ao contrário de outros países onde o mesmo corpo de funcionários (militar ou civis, fardados ou não) executa os serviços no presídio, no Brasil a segurança externa é função da Polícia Militar, enquanto que os funcionários civis prestam serviços no interior do Estabelecimento Penal sob a orientação e supervisão do Diretor. O Cmt da G.M. e o Diretor do Presídio são autoridades autônomas, que devem estar estreitamente ligadas para a consecução do objetivo comum.

20 CAPÍTULO 7 A guarda militar - organiza - postos e setores de vigilância - área de segurança fiscalização constante - pontos sensíveis e vulneráveis - conclusão ARTIGO XIX 41. A Guarda Militar é a força de proteção de um Presídio. Os indivíduos que a compõem são elementos humanos de proteção dos quais dependem o sucesso ou o fracasso da própria existência do presídio. Para isso devem estar cientes de suas missões para perfeita consecução de sua finalidade: a segurança externa dos estabelecimentos penais. ARTIGO XX Organização 42. Ainda não temos um regulamento próprio de segurança externa de presídios que dite normas para a organização das Guardas Militares e prescreva os deveres de cada um dos seus componentes. Em virtude disso, aplicamos para esse tipo de atividade o que dispõe o RISG para o serviço de dia às Unidades, e em particular, para a Guarda do Quartel, ou seja, do art. 231 ao 264, «mutatis mutandis», considerando sempre o seguinte: a. O Cmt da G. M. exerce as funções de Oficial de Dia em conseqüência, tem os mesmos deveres; b. O Sargento, auxiliar da G.M., executa as funções de Adjunto (encarregado da documentação e substituto eventual do Cmt da GM) do Sgt de Dia à Subunidade e Sgt Cmt da Guarda do Quartel; c. Dois ou mais rondantes têm, como funções, as do Cmt da Guarda do Quartel; d. Aos policiais militares competem as missões de Soldados da guarda e sentinelas, tendo, porém, em vista, que, a vigilância maior, é a do interior do presídio (sem dispensar a do exterior), ao contrário da Guarda do Quartel onde se sobressai a vigilância externa. 43. O efetivo da G.M. pode ser determinado mediante cuidadosa análise de todas as exigências de segurança, variando, assim, em número aquém ou além do efetivo de um pelotão. 44. O plano de Segurança e Operações prevê especialmente a divisão das atribuições de cada homem assim como os deveres, dentro da situação específica de cada presídio.

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

DECRETO Nº 6.323 DE 27 DE AGOSTO DE 1.998.

DECRETO Nº 6.323 DE 27 DE AGOSTO DE 1.998. DECRETO Nº 6.323 DE 27 DE AGOSTO DE 1.998. Estabelece as penalidades aplicáveis aos infratores da Lei 3.491 de 19 de dezembro de 1.997, que dispõe sobre a consolidação das leis de propaganda no Município

Leia mais

Condomínios mais Seguros

Condomínios mais Seguros Condomínios mais Seguros Palestra ministrada pelo Capitão Yasui Comandante da 2ª Companhia do 49º Batalhão de Polícia Militar. 13/04/2011 Formulado por um grupo de trabalho composto por policiais civis

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 6/2013/CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 6/2013/CM PROVIMENTO N. 6/2013/CM Revoga o Provimento n. 017/2011/CM e estabelece critérios para a remoção e movimentação interna dos servidores do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso. O EGRÉGIO CONSELHO DA

Leia mais

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Subordinação: Finalidade: ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR - ADMINISTRAÇÃO DIRETA AO PREFEITO

Leia mais

1 Fique atento ao entrar ou sair de sua casa ou apartamento

1 Fique atento ao entrar ou sair de sua casa ou apartamento 1 Fique atento ao entrar ou sair de sua casa ou apartamento O momento em que entramos ou saímos de nossas residências, costuma oferecer grande risco, pois normalmente estamos distraídos, além de abrirmos,

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

Áreas de atuação do Perito Criminal

Áreas de atuação do Perito Criminal Áreas de atuação do Perito Criminal Art. 19. São deveres do funcionário policial civil: I - assiduidade; II - pontualidade; III - discreção; IV - urbanidade; V - lealdade às instituições constitucionais

Leia mais

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos.

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos. Consultas à Defesa Anualmente, o Departamento de Defesa Profissional da Associação Paulista de Medicina (APM) realiza cerca de mil atendimentos, esclarecendo dúvidas sobre uma série de assuntos e garantindo

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 Estabelece as competências da Secretaria de Segurança Legislativa do Senado Federal e das Subsecretarias e Serviços a ela subordinados. O DIRETOR-GERAL DO SENADO FEDERAL,

Leia mais

REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE POLÍCIA MUNICIPAL DE ALBUFEIRA. Artigo 1.º (mesma epígrafe e redacção)

REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE POLÍCIA MUNICIPAL DE ALBUFEIRA. Artigo 1.º (mesma epígrafe e redacção) REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE POLÍCIA MUNICIPAL DE ALBUFEIRA Artigo 1.º (mesma epígrafe e redacção) Artigo 2.º (mesma epígrafe e redacção) Artigo 3.º Natureza do corpo de

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos.

Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos. NO CARRO Como se prevenir Procure usar um carro que não chame a atenção. Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos. Evite transportar objetos de valor quando

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010. Institui a Política de Segurança da Informação e Comunicações POSIC, no âmbito do IPEA. O PRESIDENTE DO INSTITUTO DE

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014 Regulamenta, no âmbito do Poder Judiciário e do Ministério Público, os arts. 6º, inciso XI, e 7 -A, ambos da

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 032/DAT/CBMSC) CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 032/DAT/CBMSC) CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 032/DAT/CBMSC)

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES - Evasão de divisas e lavagem de capitais as alterações da Lei 12.683/12 - Investigação de crimes financeiros - Cooperação jurídica internacional

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 11 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. Institui a política de segurança da informação do Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS DECRETO N o 525, DE 11 DE JULHO DE 2013. Regulamenta a utilização de veículos oficiais pela administração direta e indireta do Município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso de suas atribuições que

Leia mais

O OFICIAL DE DIA COMO POLICIAL, AUTORIDADE POLICIAL MILITAR, AUTORIDADE PENITENCIÁRIA E AUTORIDADE JUDICIÁRIA MILITAR Luiz Carlos Couto

O OFICIAL DE DIA COMO POLICIAL, AUTORIDADE POLICIAL MILITAR, AUTORIDADE PENITENCIÁRIA E AUTORIDADE JUDICIÁRIA MILITAR Luiz Carlos Couto O OFICIAL DE DIA COMO POLICIAL, AUTORIDADE POLICIAL MILITAR, AUTORIDADE PENITENCIÁRIA E AUTORIDADE JUDICIÁRIA MILITAR Luiz Carlos Couto I - INTRODUÇÃO: O presente artigo, está sendo escrito, imaginando

Leia mais

A REPERCUSSÃO, NO AMBITO DA ADMINISTRAÇÃO CASTRENSE, DA PRÁTICA DE CRIME COMUM POR MILITAR. 1

A REPERCUSSÃO, NO AMBITO DA ADMINISTRAÇÃO CASTRENSE, DA PRÁTICA DE CRIME COMUM POR MILITAR. 1 A REPERCUSSÃO, NO AMBITO DA ADMINISTRAÇÃO CASTRENSE, DA PRÁTICA DE CRIME COMUM POR MILITAR. 1 1. INTRODUÇÃO As Forças Armadas, conforme previsão constitucional, são organizadas com base na hierarquia e

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO

CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO Os Governos dos Estados Membros da Organização dos Estados Americanos, desejosos de estabelecer uma Convenção sobre Asilo Diplomático, convieram nos seguintes artigos:

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. PROMOÇÃO CONCEITO: O acesso na hierarquia

Leia mais

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO CARTA DEL LAVORO (Aprovada no Grande Conselho Fascista, de 21 de abril de 1927) DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO I - A Nação italiana é um organismo com finalidades, vida, meios, de ação superior,

Leia mais

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Novo Código de Ética Médico e Saúde do Trabalhador Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Realização: DIESAT Apoio: Fundacentro São Paulo, 22 jun 2010 Os dilemas, os sensos, os consensos,

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009.

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Trânsito - CMT, órgão executivo de trânsito, vinculado à Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito, em conformidade

Leia mais

MENSAGEM Nº, de 2008.

MENSAGEM Nº, de 2008. MENSAGEM Nº, de 2008. = Tenho a honra de submeter à elevada consideração de Vossas Excelências o projeto de Lei anexo, que objetiva criar o Conselho Municipal Antidrogas COMAD. Um dos mais graves problemas

Leia mais

São Paulo, 8 de setembro de 1999. BOLETIM GERAL PM 171 1 - DIRETRIZES A SEREM SEGUIDAS NO ATENDIMENTO DE LOCAIS DE CRIME

São Paulo, 8 de setembro de 1999. BOLETIM GERAL PM 171 1 - DIRETRIZES A SEREM SEGUIDAS NO ATENDIMENTO DE LOCAIS DE CRIME São Paulo, 8 de setembro de 1999. BOLETIM GERAL PM 171 1 - DIRETRIZES A SEREM SEGUIDAS NO ATENDIMENTO DE LOCAIS DE CRIME Resolução SSP- 382, de 1/9/99 O Secretario da Segurança Pública Considerando que

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA N.º 33.284, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2015 (DOU de 06/02/2015 Seção I Pág.

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: LIVRO II DOS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 7.102, DE 20 DE JUNHO DE 1983. Dispõe sobre segurança para estabelecimentos financeiros, estabelece normas para constituição

Leia mais

PORTARIA Nº 7.465, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2012.

PORTARIA Nº 7.465, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2012. PORTARIA Nº 7.465, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2012. Dispõe quanto à integração, desvinculação, desfazimento, classificação, destinação, uso, identificação e controle, relacionados aos veículos oficiais da frota

Leia mais

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE Monster Concursos ABUSO DE AUTORIDADE AULÃO PM-MG 06/03/2015 ABUSO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965. #AULÃO #AQUIÉMONSTER Olá Monster Guerreiro, seja bem-vindo ao nosso Aulão, como

Leia mais

Substitua-se o Projeto pelo seguinte:

Substitua-se o Projeto pelo seguinte: Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 89, de 2003 (PL nº 84, de 1999, na Casa de origem), que Altera o Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal e a Lei nº 9.296, de

Leia mais

MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO

MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO (Artigo 3.º do Anexo III ao Regulamento n.º 36/2013 do INAC, I.P., publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 14, de 21 de janeiro de 2013) CLASSES I E

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADO EM PLACAR Em 26/10/05 Mª Neide Freire da Silva Mat. 13941 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 271, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. Aprova o Regimento Interno e Organograma da Guarda Metropolitana

Leia mais

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 TÍTULO VIII Da Ordem Social CAPÍTULO VII DA FAMÍLIA, DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO Art. 227. É dever da família, da sociedade

Leia mais

CONSIDERANDO o que o Sr. João Lima Goes relatou ao Conselho Tutelar de Alto Piquiri Paraná, cuja cópia segue em anexo;

CONSIDERANDO o que o Sr. João Lima Goes relatou ao Conselho Tutelar de Alto Piquiri Paraná, cuja cópia segue em anexo; RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 05/2012 CONSIDERANDO que, nos termos do art. 201, inciso VIII, da Lei nº 8.069/90, compete ao Ministério Público zelar pelo efetivo respeito aos direitos e garantias legais

Leia mais

REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO

REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO Lei n.º 1/2005, de 10 de (versão actualizada) REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO Contém as seguintes alterações: - Lei n.º 39-A/2005, de 29 de Julho - Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro [ Nº de

Leia mais

Como dicas de segurança, sugerimos:

Como dicas de segurança, sugerimos: POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO QÜINQUAGÉSIMO PRIMEIRO BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR DO INTERIOR SETOR DE ASSUNTOS CIVIS Como dicas de segurança, sugerimos: Edifícios: - As normas de segurança a serem

Leia mais

Informação e Comunicações

Informação e Comunicações ORIGEM Ministério da Integração Nacional Departamento Nacional de Obras Política de Segurança da Contra as Secas DNOCS Informação e Comunicações Departamento Nacional de Obras Contra as Secas REFERÊNCIA

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N 0 5.618, DE 2005 (Apensados os Projetos de Lei nº 7.456, de 2006 e nº 7.741, de 2010) Dispõe sobre a regulamentação da profissão

Leia mais

SP 09/95 NT 193/95. Subsídios para Legislação de Trânsito sobre Veículos de Emergência. Arqº Luis Fernando C. Figueiredo. 1.

SP 09/95 NT 193/95. Subsídios para Legislação de Trânsito sobre Veículos de Emergência. Arqº Luis Fernando C. Figueiredo. 1. SP 09/95 NT 193/95 Subsídios para Legislação de Trânsito sobre Veículos de Emergência Arqº Luis Fernando C. Figueiredo 1. Introdução Apresentam-se neste artigo as disposições referentes aos veículos policiais,

Leia mais

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01 Anexo I - Plano de Classificação de Documentos Secretaria de Estado de Segurança - SESEG Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro - PMERJ 33 - Competência: Exercer a polícia ostensiva e a preservação

Leia mais

A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA

A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA RESPONSABILIDADE CIVIL Principais Características ÍNDICE O que é RC Riscos Excluídos Forma de Contratação e Prescrição O que é a Responsabilidade Civil Responsabilidade

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

PORTARIA N.272 DE 15 DE AGOSTO DE 2013 (Consolidada).

PORTARIA N.272 DE 15 DE AGOSTO DE 2013 (Consolidada). PORTARIA N.272 DE 15 DE AGOSTO DE 2013 (Consolidada). Dispõe sobre o controle de acesso, circulação e permanência de pessoas no Conselho Nacional do Ministério Público O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO - AME/RJ

ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO - AME/RJ ot nojo ~ /20U Rio de Janeiro, 27 de setembro de ~OU. Do: Presidente da AMEIRJ. ;\0: ~xmo Sr. Procurador Geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Assunto: Desvio de função. Esta Associação, considerando

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA Nº- 12

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA Nº- 12 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA Nº- 12.620, DE 13 DEZEMBRO DE 2012 (Alterada pela Portaria nº 30.536/13

Leia mais

1268-(1728) Diário da República, 1.ª série N.º 27 7 de fevereiro de 2014

1268-(1728) Diário da República, 1.ª série N.º 27 7 de fevereiro de 2014 1268-(1728) Diário da República, 1.ª série N.º 27 7 de fevereiro de 2014 Artigo 14.º Norma revogatória É revogada a Portaria n.º 571/2008, de 3 de julho. Artigo 15.º Produção de efeitos 1 A presente portaria

Leia mais

I-18-PM. Polícia Militar do Estado de São Paulo Instrução Policial Militar

I-18-PM. Polícia Militar do Estado de São Paulo Instrução Policial Militar I-18-PM Polícia Militar do Estado de São Paulo Instrução Policial Militar INSTRUÇÕES PARA A LAVRATURA, A APOSTILA E A EXPEDIÇÃO DE CARTAS PATENTES, FOLHAS DE APOSTILA E CERTIDÕES AFINS Setor Gráfico do

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MEDIDA PROVISÓRIA Nº 203, DE 31 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre as formas de cumprimento da jornada de trabalho e o banco de horas no âmbito da Polícia Civil do Estado de Santa Catarina e estabelece outras

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

Gabinete do vereador André Régis. Projeto de Lei nº /2013

Gabinete do vereador André Régis. Projeto de Lei nº /2013 Gabinete do vereador André Régis Projeto de Lei nº /2013 EMENTA: Estabelece a proibição do uso de fogos de artifício e a realização de shows pirotécnicos dentro de bares, boates, teatros, cinemas, auditórios,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA GADE SOLUTION Tatiana Lúcia Santana GADE SOLUTION 1. Conceituação: A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação de qualidade é capaz

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER.

REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER. REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER. 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação

Leia mais

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO De acordo com as disposições combinadas previstas na alín. u), do nº1, alín. f), do nº2 e na

Leia mais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais 1 von 6 31.05.2010 10:06.: DAI - Divisão de Atos Internacionais DECRETO Nº 2.579, DE 6 DE MAIO DE 1998. Promulga o Acordo Básico de Cooperação Técnica, celebrado entre o Governo da República Federativa

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.207, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação e Comunicações do Ministério da Saúde. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Crimes Contra a Administração Pública 1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Crimes contra a Administração Pública impedem a progressão de regime sem a reparação do dano. A reparação

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS

REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS 2014 Regulamento Interno para o uso da viatura do CCD PM Cascais Página 1 Artigo 1º Objeto O presente regulamento interno estabelece as normas

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014 Altera a Lei de Execução Penal e o Código Penal para criminalizar o diretor do estabelecimento penal ou o agente público competente pela não atribuição de trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº. INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Ari Pargendler. Dispõe sobre pesquisas eleitorais. O TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, usando das atribuições que

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE TECNOLOGIA NT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE TECNOLOGIA NT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO I Do Departamento de Engenharia Elétrica Art. 1 O Departamento de Engenharia Elétrica é o órgão acadêmico que congregam docentes

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula LEI COMPLEMENTAR Nº 055/2007 Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração do Magistério Público do Município de Porciúncula/RJ e dá outras providências O PREFEITO MUNICIPAL DE PORCIÚNCULA, no uso das

Leia mais

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 Estabelece condições mínimas de segurança das instalações de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE COMBUSTÍVEIS,

Leia mais

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher.

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Vamos juntos trabalhar em prol da vida! BRASIL É CAMPEÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NUM RANKING DE 54 PAÍSES fonte: Sociedade Mundial de Vitimologia,

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

Informativo 24. Guia de Conduta nas Competições da SAE BRASIL

Informativo 24. Guia de Conduta nas Competições da SAE BRASIL Informativo 24 Guia de Conduta nas Competições da SAE BRASIL Objetivo: Orientar e esclarecer todos os participantes e presentes as condutas necessárias para a realização da Competição em clima de respeito

Leia mais

CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET

CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET ESTUDO CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET Ribamar Soares Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional

Leia mais

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança.

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança. OBJETIVO De acordo com o Artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008 (Regime Jurídico de SCIE), descrever e detalhar como devem ser instruídos e apresentados os Projetos de SCIE (com o conteúdo descrito no

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07)

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) RESOLUÇÃO Nº 311 DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) 758 Ementa: Dispõe sobre a Inscrição, Averbação e Âmbito Profissional do Auxiliar Técnico

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA FÍSICA Introdução Recomendações para o controle do acesso físico Política de segurança

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 7.306, DE 2002 (Apensos os Projetos de Lei nºs 3.402/2004 e 5.555/2005) Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de sistema

Leia mais

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio GESTÃO DA CONTINUADE DOS NEGÓCIOS E DE PGI 002 Incêndio INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio As informações existentes neste documento e em seus anexos são para uso exclusivo

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre: I - direito civil, comercial, penal,

Leia mais

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Rota de Fuga e Análise de Riscos Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig 2010 É um mapa que representa, através de símbolos apropriados, o trajeto a ser seguido pelo indivíduo

Leia mais