REVISÃO DOS REQUISITOS REGULAMENTARES DE FUNDOS PRÓPRIOS APLICÁVEIS ÀS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO E ÀS EMPRESAS DE INVESTIMENTO DA UNIÃO EUROPEIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISÃO DOS REQUISITOS REGULAMENTARES DE FUNDOS PRÓPRIOS APLICÁVEIS ÀS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO E ÀS EMPRESAS DE INVESTIMENTO DA UNIÃO EUROPEIA"

Transcrição

1 COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DO MERCADO INTERNO MARKT/1123/99-PT REVISÃO DOS REQUISITOS REGULAMENTARES DE FUNDOS PRÓPRIOS APLICÁVEIS ÀS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO E ÀS EMPRESAS DE INVESTIMENTO DA UNIÃO EUROPEIA Documento de consulta MARKT/1123/99-PT

2 REVISÃO DOS REQUISITOS REGULAMENTARES DE FUNDOS PRÓPRIOS DOCUMENTO DE CONSULTA DA UNIÃO EUROPEIA O presente documento de consulta expõe as reflexões actualmente em curso no que diz respeito a uma eventual revisão do regime de adequação de fundos próprios aplicável às instituições de crédito e às empresas de investimento. Tem por objectivo suscitar uma reacção do sector financeiro e de outras partes interessadas. O Plano de Acção da Comissão destinado à aplicação de um enquadramento para os mercados financeiros referia que a Comissão tencionava avançar com propostas de directiva para alterar o actual enquadramento comunitário em matéria de fundos próprios em 2000, em função da evolução que viesse a verificar-se em Basileia. Tendo em conta o facto de ser necessário um novo processo de consulta relativamente a determinados aspectos do pacote relacionado com os requisitos de capital, o calendário destas propostas poderá ser sujeito a alteração. As propostas deverão de qualquer modo basear-se nos resultados das consultas efectuadas pelos serviços da Comissão e ter em consideração os trabalhos desenvolvidos em paralelo a nível do Comité de Basileia. As reacções ao presente documento de consulta deverão ser enviadas (até 31 de Março de 2000) ao Director-Geral (Mercado Interno e Serviços Financeiros), para o seguinte endereço: Comissão Europeia Av. de Cortenbergh, 107 B Bruxelas Podem também ser enviadas por correio electrónico, para o seguinte endereço: O presente documento de consulta está também disponível no endereço web da Comissão Europeia. As autoridades competentes dos Estados-Membros, bem como as restantes partes interessadas, são convidadas a criar ligações (hiperlinks) com este endereço, caso o desejem. A referência do website é a seguinte: 3

3 SÍNTESE Processo de consulta No corrente ano, a Comissão havia já confirmado que elaboraria um documento de consulta respeitante à revisão do regime que determina os requisitos de fundos próprios para as instituições de crédito e as empresas de investimento. Esta revisão foi confirmada no Plano de Acção para a aplicação de um enquadramento para os serviços financeiros 1. A presente consulta serve de complemento à revisão dos requisitos em matéria de adequação de fundos próprios dos bancos, realizado pelo Comité de Basileia, centrando-se nas questões que revestem interesse particular no contexto comunitário para as instituições de crédito e as empresas de investimento. O processo de consulta desenrolar-se-á a nível nacional, para minimizar qualquer potencial sobreposição relativamente ao processo de consulta de Basileia, o que não exclui todavia a possibilidade de as respostas serem directamente enviadas à Comissão. As reacções ao presente documento deverão ser enviadas até finais de Março de Inclui-se um índice para auxiliar a sua consulta. Âmbito do documento de consulta O documento de consulta centra-se no risco de crédito, incluindo as técnicas destinadas à sua atenuação. Dá-se também importância significativa aos "outros riscos"; à análise do âmbito da consolidação; ao papel da disciplina de mercado e ao processo de revisão da supervisão. Estas diferentes questões são brevemente delineadas em seguida. O presente estudo não aborda a questão da definição e da composição dos fundos próprios, nem do tratamento dos elementos que envolvem um risco de mercado. Poderão ser posteriormente necessários outros ajustamentos, no que diz respeito à linha de fronteira entre a carteira bancária e a carteira de negociação. Consolidação Dada a crescente complexidade das estruturas dos grupos que contêm instituições de crédito e empresas de investimento, é necessário assegurar que o âmbito de consolidação seja devidamente definido. No Capítulo II aborda-se a questão da convergência entre as 1 Aplicação de um enquadramento para os mercados financeiros: Plano de acção [COM(1999)232, ]. 4

4 normas internacionais de consolidação e o enquadramento da UE, o tratamento das participações minoritárias, o tratamento das instituições que pertencem a uma mesma entidade que pode ser abrangida numa consolidação (como por exemplo uma empresa-mãe de um país terceiro com participações financeiras na UE) e outras estruturas em relação às quais as técnicas de consolidação não são viáveis ou adequadas. Ponderação de risco O tratamento do risco de crédito na carteira bancária constitui um dos aspectos fulcrais da presente análise. Os participantes no mercado e as autoridades de supervisão consideraram ser necessário reforçar a relação entre as ponderações de risco de crédito e o risco económico; acentuar a diferenciação entre os diferentes níveis de risco de crédito; e alinhar mais estreitamente as estratégias de afectação de crédito e de fixação de preços. As alterações significativas a nível das actividades sujeitas a risco de crédito dos bancos (por exemplo, a passagem de técnicas de gestão estáticas para técnicas dinâmicas, no que diz respeito à carteira de risco de crédito, novos instrumentos financeiros e financiamentos estruturados e inovadores), contribuíram para se apressar esta revisão. Uma questão prioritária consiste em assegurar que o risco económico das transacções financeiras seja reflectido de forma mais precisa nos requisitos de capital. Existem duas estratégias possíveis, a saber, uma abordagem baseada nos sistemas internos de avaliação de crédito das instituições e uma revisão do regime normal de ponderação de risco de crédito. Ambas as opções são consideradas no Capítulo III, respectivamente nas Secções ii e iii. Atenuação do risco Dentro do objectivo global, segundo o qual o novo regime de fundos próprios deveria ser melhor alinhado com os riscos subjacentes, existe um acordo generalizado no sentido de dever existir um reconhecimento adequado para as práticas sãs de gestão de risco no domínio da atenuação do risco de crédito. O presente documento procura identificar os elementos que são comuns às técnicas de atenuação de risco e delinear uma abordagem susceptível de tratar os riscos subjacentes ou os efeitos económicos comuns de modo coerente. Apesar de certos produtos ou técnicas individuais poderem exigir uma adaptação específica, uma vantagem desta estratégia é a sua capacidade para se adaptar a 5

5 uma inovação contínua nesta matéria. Esta questão, juntamente com certas opções específicas, são objecto da Secção iv do Capítulo III. Outros riscos O actual regime de fundos próprios baseia-se em larga medida nos riscos de crédito e nos riscos de mercado a que as instituições estão expostas. Todavia, existe uma variedade de outros riscos (por exemplo, operacionais, jurídicos, ligados à reputação) que, actualmente, não estão sujeitos a um requisito de capital identificável e específico. O documento de consulta (Capítulo III, Secção v) propõe um requisito, em conjunto com um requisito específico para o risco de taxa de juro, em determinadas circunstâncias. Processo de revisão prudencial Os requisitos de capital não substituem as práticas sãs de gestão de risco e não deverão excluir, quer um ajustamento através da intervenção das autoridades de supervisão, quer a imposição de normas sãs de gestão de risco por parte das autoridades nacionais. O objectivo da revisão prudencial consiste em assegurar não só que as instituições disponham de um capital adequado para cobrir os respectivos riscos, mas também em encorajar as instituições a desenvolverem e utilizarem melhores técnicas de gestão do risco no controlo e gestão desses riscos. As diferentes instituições têm perfis de risco muito diversos, sendo por conseguinte conveniente que as autoridades de supervisão estejam aptas a aplicar requisitos de capital diferenciados, em consonância com esses perfis de risco. As propostas respeitantes tanto às autoridades de supervisão como às instituições são enunciadas no Capítulo IV. Disciplina de mercado A publicação de informações adequadas, precisas e atempadas por parte das instituições financeiras presta um contributo aos esforços da supervisão no sentido da manutenção da estabilidade financeira. No contexto do presente estudo da adequação dos fundos próprios, pretende-se conhecer as opiniões do sector, dos analistas de mercado e dos consumidores sobre a melhor forma de utilizar as informações publicadas por parte das instituições financeiras no que diz respeito à sua base de capital, por forma a contribuir para uma maior solidez e estabilidade financeira, fomentando simultaneamente condições concorrenciais equitativas. 6

6 CAPÍTULO I REVISÃO DO CAPITAL REGULAMENTAR i. Introdução 1. Foram identificados diversas fontes de preocupação no que se refere ao enquadramento regulamentar para a adequação dos fundos próprios das instituições de crédito e das empresas de investimento. Todavia, tal como referido na Comunicação da Comissão relativa ao seu Plano de Acção para os serviços financeiros 2, o regime prudencial e regulamentar da União Europeia constitui uma base sólida para a emergência do mercado financeiro único que se faz acompanhar da solidez prudencial e da estabilidade financeira. Ao reforçar as normas prudenciais inseridas na regulamentação respeitante aos fundos próprios, pode por conseguinte facilitar-se o desenvolvimento contínuo do mercado financeiro único, em benefício tanto dos consumidores como dos prestadores de serviços financeiros. É do interesse dos mercados financeiros globais, de um modo geral, bem como do mercado interno europeu, em especial, que se procure uma configuração comum para se chegar a condições concorrenciais equitativas entre os diferentes mercados, bem como para continuar a dispor de padrões coerentes e elevados de solidez e estabilidade financeira, mantendo simultaneamente o nível global de capitalização do sistema financeiro. ii. Pressões no sentido da mudança 2. Um aspecto essencial da regulamentação financeira prende-se com as disposições respeitantes a uma prudente adequação dos fundos próprios, com o objectivo de assegurar que as instituições de crédito e as empresas de investimento detenham fundos próprios proporcionais à natureza e à escala dos riscos que incorrem. Na UE, o actual enquadramento em matéria de fundos próprios 3 segue de perto o Acordo sobre capital de Basileia de 1988 e as suas subsequentes alterações. Este enquadramento prestou um importante contributo para a realização do mercado único 2 Aplicação de um enquadramento para os mercados financeiros: Plano de acção [COM(1999)232, ]. 3 A Directiva relativa aos fundos próprios [89/299/CEE] que estabelece a necessária qualidade e composição do capital; a Directiva relativa a um rácio de solvabilidade [89/647/CEE] que estabelece requisitos correspondentes aos riscos de crédito; e as Directivas relativas à adequação dos fundos próprios [93/6/CEE] e [98/31/CE] relativas aos riscos de mercado. 7

7 e para a prevalência de elevados padrões prudenciais. Todavia, tanto as instâncias de supervisão bancária da UE como o Comité de Basileia, que deu início à sua própria revisão no acordo de 1988, identificaram diversos problemas e elementos de tensão no que diz respeito ao regime de adequação de capital. 3. Tem-se verificado um consenso crescente no sentido de o actual enquadramento não conseguir captar a extensão plena ou a natureza dos riscos que são incorridos por certas instituições, de que não são activamente encorajadas ou reconhecidas as novas técnicas de gestão de risco e de que o enquadramento pode mesmo conduzir a uma má afectação de recursos ou a uma arbitragem significativa em matéria de requisitos de capital. O Comité de Basileia abordou estas questões no que diz respeito às instituições de crédito, propondo alterações ao enquadramento do risco de crédito e uma extensão dos requisitos de capital para além dos correspondentes ao risco de mercado e de crédito, por forma a incluir requisitos específicos para outros riscos (incluindo o risco operacional). O comité apresentou além disso propostas relativas a um processo de revisão prudencial e, em matéria de prestação de informações. Na UE estas questões, bem como certas outras, justificam por si só um debate. 4. Surge, por conseguinte, a questão de saber em que medida convém aplicar pormenorizadamente estes novos elementos a todas as instituições de crédito e empresas de investimento, tendo em conta os problemas da relevância, da equidade concorrencial e também os custos e benefícios das alterações propostas relativamente aos diferentes tipos de instituições. Por exemplo, embora os princípios subjacentes aos novos elementos propostos para os requisitos de capital possam revelar-se aplicáveis a todas as instituições de crédito e empresas de investimento, a sua aplicação concreta pode carecer de uma modulação específica para garantir a sua adequação aos diferentes tipos de actividade e ao âmbito e complexidade da instituição regulamentada. Além disso, será necessário avaliar o impacto sobre o capital global detido pelo sistema financeiro, em resultado das alterações propostas. 5. Uma outra crítica que se pode apontar ao actual sistema é que não tem flexibilidade suficiente para se adaptar prontamente à mudança e à inovação. O plano de acção da Comissão sublinha a necessidade de introduzir uma maior flexibilidade na política regulamentar, por forma a que possa ser, sempre que necessário, adaptada mais rapidamente a circunstâncias em permanente evolução (embora deva ser sujeita a um 8

8 controlo político). Dado o maior âmbito e complexidade dos requisitos propostos no presente documento, face ao actual enquadramento, a necessidade de flexibilidade foi em parte resolvida estruturando as propostas em termos de princípios, sempre que possível. Se se adoptar esta abordagem baseada em princípios, será necessário apoiá-la por orientações mais pormenorizadas sobre a interpretação, que poderão ser mais rapidamente actualizadas no futuro, em resposta a inovações no mercado. iii. Enquadramento para o plano de acção 6. O plano de acção da Comissão identifica a alteração das directivas que definem o enquadramento de capital para os bancos e as empresas de investimento como uma acção prioritária, de acordo com o objectivo estratégico de se chegar a normas prudenciais e de supervisão actualizadas. Em Junho do corrente ano, o Comissário Monti confirmou que seria elaborado um documento de consulta sobre a revisão do enquadramento que rege os requisitos de capital para as instituições de crédito e as empresas de investimento. O documento de consulta centra-se, por conseguinte, em questões que dizem especificamente respeito à UE. Pretende-se que as respostas ao presente documento de consulta prestem um contributo aos serviços da Comissão na sua tarefa de elaborar propostas legislativas para a remodelação dos requisitos de capital das instituições de crédito e das empresas de investimento. 9

9 CAPÍTULO II O ÂMBITO DA CONSOLIDAÇÃO NA LEGISLAÇÃO COMUNITÁRIA EM MATÉRIA DE CAPITAIS i. A consolidação dos bancos e sociedades de investimento: As vantagens de uma convergência internacional 1. Razões de carácter prudencial subjacentes ao âmbito da consolidação na União Europeia 1. O âmbito de aplicação dos requisitos de capital é essencial sob vários aspectos. Determina a base para a consolidação, proporcionando uma avaliação do risco a nível de todo o grupo. Além disso, a subconsolidação 4 - permite uma avaliação do capital global disponível do grupo, a afectação do capital no âmbito do grupo e também a possibilidade de eliminar a dupla utilização de capitais e o efeito de "alavanca" 5. Por fim, o âmbito de consolidação pode ser essencial para efeitos de prevenção da arbitragem em termos de requisitos de capital, no caso de existirem alternativas quanto à afectação das actividades financeiras a diferentes entidades no âmbito do grupo. 2. A legislação comunitária baseia a aplicação dos seus requisitos em matéria de adequação de capitais nas entidades que constituem o grupo, incluindo eventuais holdings do sector financeiro no topo do grupo ou no âmbito do grupo. Além disso, o rácio de capital é igualmente aplicado a cada entidade individual, no caso de se tratar de uma instituição de crédito, incluindo a empresa-mãe. Contudo, a legislação comunitária actual prevê alguns casos de isenção dos requisitos de capital numa base subconsolidada e/ou numa base individual. 3. O âmbito da consolidação a nível comunitário foi estabelecido pela Directiva relativa à fiscalização das instituições de crédito numa base consolidada (DFC) 6 e pela 4 Consolidação de subgrupos no âmbito do grupo maior. 5 Financiamento obtido a nível da empresa-mãe (ou a um nível mais alto) do grupo e canalizá-los sob forma de capital para níveis inferiores do grupo. 6 DFC [92/30/CEE]. 10

10 Directiva relativa à adequação dos fundos próprios (DAFP) 7. Estas directivas estabelecem o tratamento a dar aos conglomerados financeiros homogéneos e estipulam a consolidação das holdings do sector financeiro, das instituições de crédito, das empresas de investimento, das sociedades financeiras e empresas de serviços bancários auxiliares. A DAFP alarga às empresas de investimento os princípios e métodos fixados na DFC para as instituições de crédito. 4. A DAFP permite que sejam concedidas algumas derrogações a certos grupos que incluem empresas de investimento, mas que não abrangem instituições de crédito. Em particular, enquanto se aguarda posterior coordenação, a supervisão consolidada destes grupos pode beneficiar de uma derrogação, desde estejam preenchidas determinadas condições A consolidação integral não é requerida nos termos da legislação comunitária no caso de aglomerados financeiros heterogéneos (grupos financeiros que incluem companhias de seguros) e grupos mistos 9. As companhias de seguros estão assim excluídas da consolidação dos grupos bancários. As empresas holding mistas, estão excluídas da consolidação, enquanto se aguarda posterior coordenação, mas deverão fornecer informações relevantes para efeitos da supervisão, que pode ser sujeita a verificação através de inspecções no local. 6. As razões que justificam o amplo âmbito de aplicação da legislação comunitária relativa aos conglomerados financeiros homogéneos são as seguintes: (a) Holdings do sector financeiro: são consolidadas em virtude da sua importância em termos de obtenção de uma "fotografia" global de um grupo e porque a sua consolidação evita o efeito de "alavanca" sobre o capital. 7 Directiva relativa à adequação dos fundos próprios [93/6/CEE]. 8 Ver os nºs 4 a 6 do artigo 7º da DAFP que prevêem, nomeadamente, a dedução de certos elementos dos fundos próprios na condição que sejam criados sistemas para acompanhar e controlar as fontes de capital e financiamento de todas as outras instituições financeiras pertencentes ao grupo. 9 Grupos mistos: grupos cujas actividades são principalmente de carácter não financeiro, mas que incluem, pelo menos, uma instituição de crédito ou uma empresa de investimento. 11

11 (b) (c) Instituições de crédito e instituições financeiras (incluindo as empresas de investimento): são outro dos grupos-alvo para a consolidação nas directivas comunitárias. As instituições de crédito e as empresas de investimento estão sujeitas a requisitos de solvência harmonizados, nos termos da legislação comunitária, principalmente porque têm uma actividade financeira alargada em comum. Assim, é adequado aplicar um tratamento coerente no que diz respeito à consolidação. Empresas de serviços auxiliares (tal como definidas no artigo 1º da DFC (alterada pela DAFP)): são consolidadas para controlar a redistribuição potencial dos riscos e dos custos de exploração. 7. O tratamento de conglomerados financeiros heterogéneos (isto é, os conglomerados que incluem actividades do sector de seguros, bem como do sector bancário e/ou dos valores mobiliários) é considerada uma prioridade urgente, em virtude do desenvolvimento dos conglomerados financeiros nos últimos anos. Está já em andamento uma profunda revisão da legislação comunitária à luz da evolução destes mercados, a qual se baseará no trabalho realizado pelo Fórum conjunto sobre as implicações dos conglomerados para a supervisão. A questão dos grupos mistos é considerada um projecto a médio prazo. 2. Condições equitativas de concorrência 8. Existem diferenças entre a legislação comunitária e o actual Acordo de Basileia. O Acordo não inclui especificamente as holdings de carácter financeiro no âmbito de consolidação dos grupos bancários; não impõe a consolidação das empresas de investimento - ou de outras empresas financeiras não bancárias - no âmbito dos grupos bancários, e não incluiu no perímetro da consolidação as empresas financeiras não sujeitas a regulamentação. Além disso, os regulamentos comunitários aplicam-se a todos os bancos e empresas de investimento, enquanto o Acordo de Basileia é aplicável aos bancos com actividades a nível internacional, embora a sua aplicação seja recomendada relativamente a todos os bancos. 9. A proposta de revisão do Acordo de Basileia, parece aumentar a convergência entre as práticas comunitárias e as preconizadas por Basileia. Esta convergência poderá ser benéfica por razões de carácter prudencial, visto que promove condições equitativas 12

12 de concorrência no mercado financeiro internacional. Em especial, prevê-se que os seguintes dois aspectos reduzam o diferencial entre a UE e Basileia: - As propostas de Basileia alargam o âmbito de consolidação do actual Acordo, propondo a inclusão das holdings que são empresas-mãe dos grupos bancários. - O âmbito proposto inclui igualmente as actividades no âmbito dos valores imobiliários (no caso de estarem sujeitas a requisitos comparáveis aos da actividade bancária). Nos casos em que estas actividades estão excluídas, é proposta a aplicação do método da dedução ou de técnicas alternativas, em conformidade com os princípios desenvolvidos pelo Fórum conjunto. 10. Tal como acima referido, existem razões sólidas para tentar alcançar a maior coerência possível entre o Acordo de Basileia e a legislação comunitária, em ternos de definição das holdings. Todavia, tanto a legislação comunitária como as propostas de Basileia implicam um certo grau de latitude quanto à sua interpretação. A definição de holdings do sector financeiro nas directivas comunitárias baseia-se no requisito de as suas filiais serem exclusivamente ou principalmente instituições de crédito, empresas de investimento ou outro tipo de instituições financeiras. Cada Estado-Membro tem de determinar o que se entende por "exclusivamente" ou "principalmente". Na proposta de Basileia, as holdings a consolidar são as que são empresas-mãe de grupos bancários e os grupos bancários são definidos como grupos que exercem predominantemente a actividade bancária. Seria útil em ambos os casos que as definições fossem clarificadas e, preferivelmente, da forma mais coerente possível. 11. No entanto, mesmo que seja tida em consideração a proposta de Basileia, persistem diferenças entre a abordagem de Basileia e a abordagem comunitária relativamente ao âmbito de consolidação e é conveniente examinar se tais diferenças suscitam preocupações de carácter prudencial se afectam a igualdade das condições de concorrência. 12. Um dos problemas diz respeito à diferença entre a UE e Basileia relativamente ao tratamento das empresas de investimento. A consolidação de empresas de investimento é obrigatória nos termos da legislação comunitária, quando existe uma 13

13 instituição de crédito no grupo 10, enquanto na proposta de Basileia é a opção considerada preferível embora discricionária. Este facto poderá representar uma alteração pouco relevante ou mesmo nula em relação à situação actual, em que as principais empresas de investimento não comunitárias, com bancos ou empresas de investimento estabelecidos no mercado europeu, não são obrigadas no seu país nacional a consolidar as suas actividades distintas, nem a nomear uma entidade reguladora líder ou a aplicar a regulamentação em matéria de adequação de fundos próprios. 13. Deve notar-se que os grupos não comunitários de bancos de negócios são agentes importantes do mercado interno e constituem, para as instituições comunitárias, contrapartes dotadas de um peso significativo. A ausência de um destes grupos poderia ter implicações, quer a nível micro, quer a nível sistémico. Nestes casos, a legislação comunitária relativa aos grandes riscos 11 e relações estreitas 12 pode ser considerada como um instrumento importante no que diz respeito à supervisão das instituições de crédito comunitárias e das empresas de investimento que sejam filiais de empresas de investimento não comunitárias. 3. Recomendações 14. Um âmbito lato da consolidação justifica-se por considerações de carácter prudencial. Enquanto os serviços da Comissão consideram que o âmbito comunitário da consolidação, no que diz respeito aos conglomerados financeiros homogéneos, deve ser mantido, existe porventura a necessidade de clarificar a presente abordagem sob certos aspectos, como, por exemplo, a definição de holdings do sector financeiro. Tendo em conta a vontade de introduzir um maior grau de coerência e homogeneidade, sempre que tal seja possível, é oportuno considerar se a derrogação prevista nos nºs 4 a 6 do artigo 7º da DAFP, em relação aos grupos financeiros que 10 Nestes casos, o grupo é abrangido pela DFC. 11 Directiva relativa aos grandes riscos [92/121/CEE] cujas disposições [nº 6 do artigo 4º] incluem limitações à extensão das transacções intragrupo com entidades não sujeitas a supervisão numa base consolidada, em conformidade com a DFICBC ou com normas equivalentes vigentes num país terceiro. 12 A Directiva post-bcci [95/26/CE] estabelece (entre outras normas) que as autoridades de supervisão não deverão autorizar ou continuar a autorizar instituições cujas relações estreitas (quer de controlo quer de participação) entravem o bom exercício das suas funções de supervisão. 14

14 incluem empresas de investimento, mas não instituições de crédito, continua a ser adequada. Ver igualmente o problema dos "grupos horizontais" (Secção iv). 15. Além disso, os serviços da Comissão consideram que é importante orientar os trabalhos em curso no sentido de estabelecer o tratamento de outros tipos de grupos que incluem instituições financeiras, para além dos conglomerados financeiros homogéneos. Nesta área, o tratamento dos grupos financeiros que incorporem companhias de seguros é considerado uma prioridade e está já em estudo, como referido. A médio prazo, o tratamento de grupos mistos deverá igualmente ser abordado. 16. É vital que exista convergência entre os diferentes regimes de capitais no mercado financeiro internacional, quer por razões prudenciais, quer por razões concorrenciais. O documento consultivo de Basileia propõe certas alterações neste âmbito, as quais se espera venham a promover a convergência com a UE. Contudo, devem ainda ser tomadas várias medidas importantes, se se quiser atingir a desejada harmonização internacional dos níveis prudenciais. ii. Isenção das instituições de crédito dos requisitos de capital numa base subconsolidada ou individual 1. As vantagens e desvantagens da isenção prevista no nº 7 do artigo 3º da DFC e no nº 7 do artigo 7º da DAFP 17. A principal abordagem na legislação comunitária, no que diz respeito à aplicação dos requisitos de capital, consiste na regra de que tais requisitos devem ser aplicados no topo, a nível da holding do sector financeiro, bem como em cada nível inferior do grupo (subconsolidação). Além disso, os requisitos de capital devem ser aplicados a cada instituição de crédito e a cada empresa de investimento individual (aplicação a nível individual). 18. Contudo, a actual legislação comunitária oferece uma isenção da aplicação dos requisitos de capital numa base subconsolidada e/ou individual, nos termos do nº 7 do artigo 3º da DFC e do nº 7 do artigo 7º da DAFP. Esta isenção está sujeita a certos limites: 15

15 (a) (b) (c) o grupo deve estar sujeito a supervisão numa base consolidada pelo Estado-Membro que concede a isenção; apenas a empresa-mãe (instituição de crédito ou holding financeira) e as filiais autorizadas e sujeitas a supervisão no referido Estado-Membro podem beneficiar da isenção; deve existir uma repartição adequada do capital dentro do grupo. 19. Na prática, a aplicação das isenções é limitada e, por exemplo, apenas cinco Estados-Membros utilizam as disposições de isenção relativamente a instituições de crédito. 20. A existência de uma isenção para os requisitos de capital numa base individual e/ou subconsolidada tem vantagens e desvantagens. As isenções conferem às autoridades os poderes (limitados) discricionários necessários para aplicar uma supervisão consolidada, "feita à medida". Em segundo lugar, tornam a legislação neutra em relação à arquitectura do grupo, uma vez que o facto de a legislação requerer uma revisão oficial de contas e supervisão em todos os níveis favorece a criação de entidades individuais (bancos universais) para reduzir custos e trabalho administrativo. Por fim, as isenções limitam os custos de supervisão. 21. Contudo, as isenções têm igualmente desvantagens. Uma destas, comum a todas as excepções a uma regra geral, consiste na distorção das condições de concorrência, dado que as entidades sujeitas a regras mais rigorosas ou inflexíveis podem ser penalizadas (muito embora se deva recordar, por exemplo, que a aplicação da isenção em relação a instituições de crédito é limitada). Mais importante, uma vez que o conceito de "repartição adequada do capital" não está definido na actual legislação, a aplicação da isenção pode implicar que o rácio de adequação dos fundos próprios não atinja os valores mínimos no que diz respeito a bancos individuais ou empresas de investimento específicos pertencentes ao grupo. 22. Outra característica dos princípios consagrados na isenção consiste no facto de poder não ser totalmente compatível com a proposta de Basileia. (Evidentemente, embora a isenção relativa às empresas de investimento não possa ser comparada directamente com Basileia, baseia-se nos mesmos princípios da isenção relativa aos bancos. 16

16 Qualquer alteração da isenção relativa aos bancos terá, consequentemente, implicações no que diz respeito à aplicação ou à interpretação da isenção relativa às empresas de investimento). Para assegurar uma supervisão eficaz e uma repartição adequada do capital dentro do grupo financeiro, Basileia propõe dois conceitos: em primeiro lugar, os requisitos de capital devem ser aplicados a nível da empresa holding. Em segundo lugar, os requisitos de capital devem ser aplicados a todos os bancos que operam a nível internacional, situados a qualquer nível de um grupo bancário, numa base de consolidação integral e, além disso, as autoridades de supervisão devem assegurar que cada banco no âmbito de um grupo esteja, em si mesmo, adequadamente capitalizado. Todavia, é possível conceder isenções numa base individual e numa base de subconsolidação nos termos da legislação comunitária. A diferença entre a legislação comunitária e a proposta de Basileia deve ser examinada à luz da diferença dos seus âmbitos de aplicação. A proposta de Basileia é principalmente centrada nos bancos internacionais, enquanto as isenção comunitárias se limitam às filiais que estão sujeitas a autorização e supervisão no Estado-Membro de origem do grupo. 2. Opções/recomendações para resolver as questões de carácter prudencial 23. A utilização de qualquer isenção não deve enfraquecer os padrões prudenciais. Em princípio, o capital dum grupo financeiro deve estar disponível para suportar eventuais riscos onde quer que se localizem. Assim, a Comissão considera que a redacção adoptada na DFC "devem ser tomadas medidas que garantam uma repartição adequada do capital dentro do grupo" e na DAFP "devem ser tomadas medidas para garantir uma repartição adequada dos fundos próprios no interior do grupo", poderá ser demasiado vaga para assegurar uma distribuição adequada do capital dentro do grupo. 24. Face a este cenário existem essencialmente duas opções: (a) Introdução de princípios harmonizados para a utilização da isenção Uma opção pode consistir em definir mais claramente os requisitos relativos à repartição do capital dentro do grupo. Uma possibilidade pode ser, por exemplo, permitir a isenção dos requisitos do capital a nível individual ou a nível consolidado (mas não em ambos). Em qualquer caso, a legislação dos 17

17 Estados-Membros baseada na isenção e na experiência prática de supervisão em relação a grupos bancários complexos será de grande utilidade na procura de uma definição mais clara das condições em que pode ser concedida a isenção. (b) Revogação da isenção Uma revogação da isenção implicaria que os requisitos de capital seriam aplicados, pelo mesmo, a dois níveis: a nível consolidado e a nível individual e, eventualmente, consoante a estrutura do grupo, a nível subconsolidado. Os serviços da Comissão convidam as partes interessadas a apresentarem observações relativamente às opções de política propostas. iii. As dificuldades de consolidar grupos horizontais 1. Definição do problema 25. Existem estruturas de grupos não abrangidas pelas presentes directivas e em que parece adequado definir um tratamento eficaz, como por exemplo, grupos de instituições de crédito ou grupos de empresas de investimento, cuja empresa-mãe não está incluída na consolidação. Estes grupos, denominados "grupos horizontais" no presente documento, podem dar origem a problemas, uma vez que as entidades dentro do grupo podem estar sujeitas a riscos (incluindo risco de contágio) ainda que não exista dupla utilização de capitais. Quando estes grupos incluem instituições de crédito ou empresas de investimento de grande dimensão, sediadas em vários países, pode existir até um risco potencial a nível sistémico. Assim, é importante que as autoridades de supervisão tenham a possibilidade de efectuar, em relação a estes grupos, uma análise a nível de grupo e dos seus riscos. 26. Existem duas razões principais que podem levar uma empresa-mãe de um grupo que inclua instituições de crédito ou empresas de investimento a não estar abrangida pelo actual âmbito de consolidação: (a) a empresa-mãe é uma empresa não pertencente ao sector financeiro (por exemplo, fabricante de automóveis) ou uma pessoa singular ou um grupo de pessoas 18

18 singulares. Um certo número de empresas industriais que detêm instituições de crédito na UE estão incluídas nesta categoria; (b) a empresa-mãe é uma empresa não comunitária do sector financeiro. Um exemplo típico desta categoria consiste num banco de negócios não comunitário que é a empresa-mãe de uma instituição de crédito comunitária. 27. Outro exemplo de um "grupo horizontal" verifica-se no caso de não existir empresa-mãe, mas entidades individuais que são geridas de forma unificada. 28. Reconhece-se que, uma vez que alguns dos grupos horizontais são de pequena dimensão, não havendo nesse caso riscos potenciais a nível sistémico, pode nem sempre ser necessário tomar medidas de carácter prudencial. Para determinar quais os grupos que devem ser incluídos numa abordagem lata da supervisão, poderá ser necessário estabelecer um critério baseado na dimensão (que, reconheça-se, poderá não ser de fácil definição), bem como um critério baseado na gestão comum do grupo. 1. Opções 29. São propostas duas alternativas principais para o tratamento dos grupos horizontais: (a) Consolidação horizontal de empresas irmãs: Sem prejuízo da possibilidade de aplicar uma consolidação contabilística, a consolidação horizontal deve ser conseguida, neste caso, através da agregação, após a eliminação dos riscos intragrupo e após os necessários ajustamentos em relação às participações cruzadas, por forma a determinar o capital real do "grupo". Deve salientar-se que, em conformidade com a legislação comunitária em matéria de contabilidade, no caso de não haver uma empresa-mãe, mas existir uma direcção única de mais de uma das entidades abrangidas pela regulamentação, um Estado-Membro pode impor a elaboração de contas consolidadas e, nesse caso, parece adequado basear a supervisão a nível do grupo nas contas consolidadas De acordo com artigo 12º da Sétima directiva do Conselho relativa às contas consolidadas. 19

19 (b) Obrigação de o grupo horizontal criar uma empresa (sub)holding financeira por forma a que se torne, de facto, um grupo, ao qual sejam aplicáveis as actuais disposições em matéria de consolidação. Esta alternativa oferece um meio mais transparente de tratamento destes grupos, em comparação com a primeira alternativa. 30. Independentemente da alternativa escolhida, devemos considerar dois problemas práticos. O primeiro e o mais importante consiste na identificação de instituições de crédito e empresas de investimento coligadas na UE. Neste caso é necessária uma partilha de informações e uma coordenação a nível da supervisão eficazes. As disposições da directiva pós-bcci podem ser úteis neste domínio. A directiva procura, nomeadamente, assegurar que as autoridades de supervisão tenham poderes suficientes para examinar grupos com estruturas que poderiam "evitar o exercício efectivo das suas funções de supervisão". A directiva concede às autoridades de supervisão poderes para requerer qualquer informação necessária em matéria de estrutura, relativamente a um grupo que inclua instituições de crédito ou empresas de investimento. 31. Uma segunda dificuldade, que surge após a identificação de um "grupo", consiste na designação da autoridade competente para a sua supervisão numa base consolidada horizontal, ou a selecção do país em que a (sub)holding financeira deve ser localizada (o que determinará qual a autoridade encarregada da supervisão do grupo). A forma mais conveniente para determinar a autoridade de supervisão competente consiste na conclusão de um acordo entre as autoridades dos Estados-Membros envolvidos. Quando não existe tal acordo (ou a fim de o facilitar), devem ser aplicados os critérios estabelecidos no artigo 4º da Directiva FICBC (que tem em vista clarificar a situação no caso de uma instituição não autorizada estar localizada no mesmo território da empresa holding). O primeiro critério define a autoridade competente como a que tenha concedido a autorização à instituição de crédito que possui o total do activo mais elevado. No caso de este critério não ser concludente, a autoridade competente será a que tiver concedido em primeiro lugar uma autorização a uma instituição do grupo. 20

20 2. Recomendação 32. Os serviços da Comissão consideram que não existem razões sólidas de carácter prudencial para incluir os grupos horizontais internacionais numa consolidação à escala mundial, visto que tais grupos podem provocar riscos de contágio e, se forem suficientemente significativos, riscos de carácter sistémico. Além disso, existem vários exemplos de grupos de dimensão significativa com este tipo de estrutura organizativa. Assim, existe uma necessidade urgente de regular esta questão. 33. Como primeiro passo, será necessário realizar uma análise das implicações das duas opções acima apresentadas. Em segundo lugar, será necessário propor orientações práticas para a identificação de grupos horizontais e estabelecer directrizes para a selecção da autoridade supervisora "líder". Os serviços da Comissão convidam as partes interessadas a apresentarem observações em relação à proposta de estratégia relativamente à resolução das questões colocadas no contexto dos grupos horizontais. São particularmente bem-vindas observações relativamente à necessidade e viabilidade das duas opções de política identificadas. Os serviços da Comissão estão igualmente abertos a opções alternativas, desde que se demonstre que tais propostas podem resolver as preocupações de carácter prudencial suscitadas. iv. Métodos alternativos para a supervisão global de um grupo 1. Introdução 34. Em princípio, a consolidação é a melhor forma de preservar a integridade dos fundos próprios, bem como de acompanhar os riscos à escala do grupo. Contudo, existem situações em que a consolidação não é adequada ou viável ou em que pode impor um encargo excessivo a um grupo. Em certos casos podem ser adequados métodos alternativos, como por exemplo, no caso de grupos heterogéneos e/ou quando os requisitos legislativos locais são muito diferentes dos aplicáveis à empresa-mãe, quando a comunicação com a entidade de supervisão competente é impossível ou quando a instituição é demasiado pequena em comparação com as empresas-mãe. Nestes casos, existem outras técnicas ou instrumentos que podem ser aplicados, 21

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

SÍNTESE DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

SÍNTESE DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 10.7.2007 SEC(2007) 870 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO Documento apenso à Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO aos seguros

Leia mais

COMISSÃO DOS ASSUNTOS ECONÓMICOS E MONETÁRIOS

COMISSÃO DOS ASSUNTOS ECONÓMICOS E MONETÁRIOS PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DOS ASSUNTOS ECONÓMICOS E MONETÁRIOS Comunicação aos Membros nº 26/2002 Objecto: Audição de 10 de Julho: Depois da Enron: supervisão financeira na Europa Temas sugeridos para

Leia mais

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo 1. Introdução Documento de consulta Em alguns Estados-Membros, as agências oficiais de crédito

Leia mais

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão)

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão) COMISSÃO EUROPEIA DG Mercado Interno INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Seguros MARKT/2517/02 PT Orig. EN Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

Orientações relativas ao tratamento de empresas relacionadas, incluindo participações

Orientações relativas ao tratamento de empresas relacionadas, incluindo participações EIOPA-BoS-14/170 PT Orientações relativas ao tratamento de empresas relacionadas, incluindo participações EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20; Fax.

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 31.12.2005 PT C 336/109 BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 15 de Dezembro de 2005 sobre uma proposta de regulamento (CE) relativo às informações sobre o ordenante que acompanham

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO 1 QUANDO É QUE O BCE ASSUMIRÁ A SUPERVISÃO DOS BANCOS? O BCE assumirá

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários. Proposta de directiva (COM(2002) 534 C5-0481/2002 2002/0240(COD))

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários. Proposta de directiva (COM(2002) 534 C5-0481/2002 2002/0240(COD)) PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários 9 de Outubro de 2003 PE 323.107/245-265 ALTERAÇÕES 245-265 Projecto de parecer (PE 323.107) Christopher Huhne sobre a proposta

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74 Alterado pelo DL 36/92 28/03 Estabelece o regime da consolidação de contas de algumas instituições financeiras A Directiva do Conselho n.º 86/635/CEE, de 8 de Dezembro de 1986, procedeu à harmonização

Leia mais

Uma primeira resposta da UE às questões relacionadas com a Enron. (5) avaliação dos analistas financeiros e papel das agências de notação.

Uma primeira resposta da UE às questões relacionadas com a Enron. (5) avaliação dos analistas financeiros e papel das agências de notação. NOTA DIRIGIDA AO CONSELHO INFORMAL ECOFIN A REALIZAR EM OVIEDO EM 12 E 13 DE ABRIL Assunto: Uma primeira resposta da UE às questões relacionadas com a Enron O caso da Enron - independentemente do resultado

Leia mais

QUADRO DE CONSULTA ALTERADO SOBRE O PROJECTO SOLVÊNCIA II

QUADRO DE CONSULTA ALTERADO SOBRE O PROJECTO SOLVÊNCIA II COMISSÃO EUROPEIA DG Mercado Interno e Serviços INSTITUIÇÔES FINANCEIRAS Seguros e Pensões Abril de 2006 MARKT/2515/06 QUADRO DE CONSULTA ALTERADO SOBRE O PROJECTO SOLVÊNCIA II Objectivo do presente documento

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. Resumo da Avaliação de Impacto. que acompanha o documento

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. Resumo da Avaliação de Impacto. que acompanha o documento COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.10.2011 SEC(2011) 1218 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO Resumo da Avaliação de Impacto que acompanha o documento Proposta de Regulamento do Parlamento

Leia mais

Orientações relativas à comunicação de informação para efeitos de estabilidade financeira

Orientações relativas à comunicação de informação para efeitos de estabilidade financeira EIOPA-BoS-15/107 PT Orientações relativas à comunicação de informação para efeitos de estabilidade financeira EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20; Fax.

Leia mais

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 13.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 68/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Março de 2009 que altera a Directiva 94/19/CE relativa aos sistemas de garantia

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS

TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS Lei (alterada) do Imposto sobre os Rendimentos de 2005 Lei (alterada) da Contribuição Especial para a Defesa de 2004 Lei (alterada)

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO

RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO L 124/36 20.5.2003 COMISSÃO RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO de 6 de Maio de 2003 relativa à definição de micro, pequenas e médias empresas [notificada com o número C(2003) 1422] (Texto relevante para efeitos

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2005 C(2005) 103/2 RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia Parte 1 Principais condições de oferta grossista

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) 10651/16 EF 206 ECOFIN 654 DELACT 127 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 24 de junho de 2016 para: n. doc. Com.: Secretário-Geral da Comissão

Leia mais

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS AO ESTATUTO DE PME DE UMA EMPRESA A presente comunicação tem por objectivo incentivar a aplicação

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 11.4.2007 COM(2007) 178 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Relatório final da Comissão Europeia sobre a continuação da adequação

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.

GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29. GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29. 00065/2010/PT WP 174 Parecer 4/2010 sobre o código de conduta europeu da FEDMA relativo ao uso de dados pessoais no marketing directo Adoptado

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

CAPÍTULO I- Recomendação da Comissão aos mediadores de seguros REQUISITOS PROFISSIONAIS E REGISTO DOS MEDIADORES DE SEGUROS

CAPÍTULO I- Recomendação da Comissão aos mediadores de seguros REQUISITOS PROFISSIONAIS E REGISTO DOS MEDIADORES DE SEGUROS ÍNDICE CAPÍTULO I- Recomendação da Comissão aos mediadores de seguros ANEXO REQUISITOS PROFISSIONAIS E REGISTO DOS MEDIADORES DE SEGUROS Artigo 1º.- Definições Artigo 2º.- Âmbito de aplicação Artigo 3º.-

Leia mais

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS Versão final de 29/11/2007 COCOF 07/0037/03-PT COMISSÃO EUROPEIA ORIENTAÇÕES PARA A DETERMINAÇÃO DAS CORRECÇÕES FINANCEIRAS A APLICAR ÀS DESPESAS CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE

Leia mais

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Contabilidade das sociedades e fundos de capital de risco A alteração do Decreto-Lei n.º 319/2002, de 28 de Dezembro, pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 85/40 DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Março de 2002 relativa ao estabelecimento de regras e procedimentos para a introdução de restrições de operação relacionadascom

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro RESULTADOS DA CONSULTA PÚBLICA N.º 11/2007 Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro I Enquadramento O Instituto de Seguros de Portugal

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Cultura e da Educação 2007/2253(INI) 7.3.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a concentração e o pluralismo dos meios de comunicação social na União Europeia (2007/2253(INI))

Leia mais

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS 23.4.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 102/1 II (Actos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 330/2010 DA COMISSÃO de 20 de Abril de 2010 relativo à aplicação do artigo 101. o, n. o

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. de 26 de Junho de 2003

Jornal Oficial da União Europeia DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. de 26 de Junho de 2003 15.7.2003 L 176/37 DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Junho de 2003 que estabelece regras comuns para o mercado interno da electricidade e que revoga a Directiva 96/92/CE

Leia mais

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos)

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) http://www.dges.mcies.pt/bolonha/ ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) A razão de um novo sistema de créditos académicos Um dos aspectos mais relevantes

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2010 COM(2010) 315 final PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 MAPA DE RECEITAS E DE DESPESAS POR SECÇÃO Secção II Conselho Europeu e Conselho

Leia mais

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela Regulamento (CE) nº 1610/96 do Parlamento Europeu e do Conselho de 23 de Julho de 1996 relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os produtos fitofarmacêuticos Jornal Oficial nº

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 28.05.2002 COM(2002) 259 final 2002/0112 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera as Directivas 78/660/CEE, 83/349/CEE e 91/674/CEE

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

A Directiva dos Gestores de Fundos de Investimento Alternativos: Impacto nas Sociedades de Capital de Risco

A Directiva dos Gestores de Fundos de Investimento Alternativos: Impacto nas Sociedades de Capital de Risco A Directiva dos Gestores de Fundos de Investimento Alternativos: Impacto nas Sociedades de Capital de Risco A Directiva 2011/61/UE do Parlamento e do Conselho, de 8 de Junho de 2011, também designada por

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia

Jornal Oficial da União Europeia C 91/4 PT 12.4.2008 Comunicação interpretativa da Comissão sobre a aplicação do direito comunitário em matéria de contratos públicos e de concessões às parcerias público-privadas institucionalizadas (PPPI)

Leia mais

DIRECTIVA 2006/43/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2006/43/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 9.6.2006 L 157/87 DIRECTIVA 2006/43/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de Maio de 2006 relativa à revisão legal das contas anuais e consolidadas, que altera as Directivas 78/660/CEE e 83/349/CEE

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

AVISO N.º 04/2013 de 22 de Abril

AVISO N.º 04/2013 de 22 de Abril Publicado no Diário da República, I série, nº 74, de 22 de Abril AVISO N.º 04/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: AUDITORIA EXTERNA Considerando a importância da auditoria externa para o reforço da confiança

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS CONSULTA PÚBLICA N.º 2/2007 PROJECTOS DE INSTRUÇÃO DO BANCO DE PORTUGAL

CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS CONSULTA PÚBLICA N.º 2/2007 PROJECTOS DE INSTRUÇÃO DO BANCO DE PORTUGAL CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS CONSULTA PÚBLICA N.º 2/2007 PROJECTOS DE INSTRUÇÃO DO BANCO DE PORTUGAL Sobre a adequação dos fundos próprios ao nível de um conglomerado financeiro Sobre

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 22.2.2014 Jornal Oficial da União Europeia C 51/3 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 19 de novembro de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho Publicado em DR I.ª Série n.º 129 de 9 de Julho AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho ASSUNTO: AQUISIÇÃO OU AUMENTO DE PARTICIPAÇÕES QUALIFICADAS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Havendo a necessidade de se adequar

Leia mais

Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada

Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada Por vezes surgem perguntas relativas a Intermediários Promotores

Leia mais

ACTIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. 2015 8 de Maio

ACTIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. 2015 8 de Maio O QUE SÃO E PORQUE SURGEM NOS BALANÇOS DOS BANCOS? Os impostos diferidos têm origem, fundamentalmente, nas diferenças existentes entre o resultado contabilístico e o resultado apurado de acordo com as

Leia mais

Agência Europeia para a Segurança da Aviação

Agência Europeia para a Segurança da Aviação Apêndice ao Parecer n.º 05/2007 PreRIA 21.040 Agência Europeia para a Segurança da Aviação AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO IMPACTO REGULAMENTAR Documentação sobre ruído das aeronaves 1. Finalidade e efeito pretendido

Leia mais

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE N.º 01/2008 Data: 2008/07/16 Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública Elaborada por: Núcleo de Apoio Jurídico e Contencioso e Unidade de Certificação SÍNTESE: A

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias

Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 217/18 PT DIRECTIVA 98/48/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Julho de 1998 que altera a Directiva 98/34/CE relativa a um procedimento de informação no domínio das normas e regulamentações

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 5/VI/2008 C(2008) 2274 final RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO de 5/VI/2008 relativa à limitação da responsabilidade civil dos revisores oficiais de contas e das sociedades

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

A Supervisão do Sistema Financeiro

A Supervisão do Sistema Financeiro A Supervisão do Sistema Financeiro Prestam, por isso, um importante contributo para a integridade e a transparência dos mercados de capitais. Amadeu Ferreira OROC 21 de Outubro de 2010 A EFICIÊNCIA DOS

Leia mais

MARKT/2505/03 PT Orig. EN

MARKT/2505/03 PT Orig. EN MARKT/2505/03 PT Orig. EN Para uma nova arquitectura dos comités no sector dos seguros (incluindo o resseguro e as pensões complementares de reforma) Apresentação do plano da Comissão Commission européenne,

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS 24 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS Os mercados de capitais na Europa e no mundo exigem informações financeiras significativas, confiáveis, relevantes e comparáveis sobre os emitentes de valores mobiliários.

Leia mais

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 SISTEMA DE EXERCÍCIO DO DIREITO DE VOTO E DE ELEGIBILIDADE NAS ELEIÇÕES PARA O PARLAMENTO EUROPEU DOS CIDADÃOS DA UNIÃO EUROPEIA RESIDENTES NUM ESTADO-MEMBRO DE QUE

Leia mais

Orientações sobre a capacidade de absorção de perdas das provisões técnicas e dos impostos diferidos

Orientações sobre a capacidade de absorção de perdas das provisões técnicas e dos impostos diferidos EIOPA-BoS-14/177 PT Orientações sobre a capacidade de absorção de perdas das provisões técnicas e dos impostos diferidos EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20;

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

Nota 2014-07-22. Enquadramento

Nota 2014-07-22. Enquadramento Nota Reg (CE) 1407/2013 da Comissão, de 18 de dezembro, relativo à aplicação dos artigos 107º. e 108º. do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia aos auxílios de minimis Conceito de empresa única

Leia mais

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora . Teoria e Prática 1ª edição (2004) ISBN 978-972-592-176-3 2ª edição (2007) ISBN 978-972-592-210-1 3ª edição (2009) ISBN 978-972-592-243-9. Exercícios Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-233-0.

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

Política Global de Conflitos de Interesses

Política Global de Conflitos de Interesses Política Global de Conflitos de Interesses Índice 1. DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. OBJECTIVO... 3 4. ALCANCE... 4 5. REGRAS E REGULAMENTAÇÕES... 5 6. ORIENTAÇÃO GERAL... 6 7. EXEMPLOS

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 A Instrução n.º 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão n.º 2001/193/CE, de 1 de Março de 2001,

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 7.4.2015 COM(2015) 150 final 2015/0075 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura, em nome da União Europeia, do Protocolo de Alteração do Acordo entre a Comunidade

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha a. Proposta de

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha a. Proposta de PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, xxx SEC (2010) xxx final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha a Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Recomendação de Bruxelas, 16.10.2009 COM(2009) 570 final 2009/0158 (CNB) DECISÃO DO CONSELHO sobre o parecer a adoptar pela Comunidade Europeia relativamente

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997R2027 PT 30.05.2002 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 REGULAMENTO (CE) N. o 2027/97 DO CONSELHO de 9 de Outubro de 1997 relativo à

Leia mais

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 10 de Março de 2014 001 Índice Enquadramento 2 Evolução do normativo

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

ENQUADRAMENTO COMUNITÁRIO DOS AUXÍLIOS ESTATAIS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO E À INOVAÇÃO

ENQUADRAMENTO COMUNITÁRIO DOS AUXÍLIOS ESTATAIS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO E À INOVAÇÃO 30.12.2006 PT Jornal Oficial da União Europeia C 323/1 I (Comunicações) COMISSÃO ENQUADRAMENTO COMUNITÁRIO DOS AUXÍLIOS ESTATAIS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO E À INOVAÇÃO (2006/C 323/01) Página 1.

Leia mais

E-Alicante: Serviços de peritos financeiros relacionados com a gestão da tesouraria 2012/S 153-254863. Anúncio de concurso.

E-Alicante: Serviços de peritos financeiros relacionados com a gestão da tesouraria 2012/S 153-254863. Anúncio de concurso. 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:254863-2012:text:pt:html E-Alicante: Serviços de peritos financeiros relacionados com a gestão da tesouraria 2012/S 153-254863

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão dos Transportes e do Turismo 2008/2136(INI) 1.12.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o desenvolvimento de um Espaço de Aviação Comum com Israel (2008/2136(INI)) Comissão

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU ALTERAÇÕES 1-9. Comissão dos Assuntos Jurídicos 2008/2247(INI) 26.11.2008. Projecto de relatório Bert Doorn. PE416.

PARLAMENTO EUROPEU ALTERAÇÕES 1-9. Comissão dos Assuntos Jurídicos 2008/2247(INI) 26.11.2008. Projecto de relatório Bert Doorn. PE416. PARLAMENTO EUROPEU 2004 Comissão dos Assuntos Jurídicos 2009 2008/2247(INI) 26.11.2008 ALTERAÇÕES 1-9 Projecto de relatório Bert Doorn (PE414.935v01-00) sobre a aplicação da Directiva 2006/43/CE, relativa

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, 27.4.2004 L 123/11 REGULAMENTO (CE) N. o 772/2004 DA COMISSÃO de 27 de Abril de 2004 relativo à aplicação do n. o 3 do artigo 81. o do Tratado a categorias de acordos de transferência de tecnologia (Texto

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 29.1.2004 L 24/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 139/2004 DO CONSELHO de 20 de Janeiro de 2004 relativo ao controlo das concentrações de empresas («Regulamento

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento. Proposta de

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento. Proposta de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 27.3.2014 SWD(2014) 119 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha o documento Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

DIRETIVAS. DIRETIVA 2014/49/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 16 de abril de 2014 relativa aos sistemas de garantia de depósitos

DIRETIVAS. DIRETIVA 2014/49/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 16 de abril de 2014 relativa aos sistemas de garantia de depósitos 12.6.2014 Jornal Oficial da União Europeia L 173/149 DIRETIVAS DIRETIVA 2014/49/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 16 de abril de 2014 relativa aos sistemas de garantia de depósitos (reformulação)

Leia mais

Orientações para a apreciação das concentrações horizontais nos termos do regulamento do Conselho relativo ao controlo das concentrações de empresas

Orientações para a apreciação das concentrações horizontais nos termos do regulamento do Conselho relativo ao controlo das concentrações de empresas 5.2.2004 Jornal Oficial da União Europeia C 31/5 Orientações para a apreciação das concentrações horizontais nos termos do regulamento do Conselho relativo ao controlo das concentrações de empresas (2004/C

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais