Perspectivas sobre consolidação de mercados Estratégia de investimentos e o movimento de fusões e aquisições. Pesquisa 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perspectivas sobre consolidação de mercados Estratégia de investimentos e o movimento de fusões e aquisições. Pesquisa 2015"

Transcrição

1 Perspectivas sobre consolidação de mercados Estratégia de investimentos e o movimento de fusões e aquisições Pesquisa 2015

2 Índice Momento de superar desafios e criar oportunidades... 3 Alternativas para tempos desafiadores... 4 Sumário executivo... 6 Metodologia do estudo e perfil da amostra... 8 Caminhos para crescer Estratégias de aquisições, parcerias ou vendas...11 Projetos de investimentos realizados Formas de captação de recursos Desafios da consolidação Perspectivas e estratégias... 18

3 Momento de superar desafios e criar oportunidades A Deloitte tem a satisfação de compartilhar por este relatório os resultados da pesquisa Perspectivas sobre consolidação de mercados Estratégia de investimentos e o movimento de fusões e aquisições, que apresenta, por meio de um projeto liderado pela nossa frente de Corporate Finance Advisory, conclusões a partir de respostas obtidas com empresas de todo o Brasil sobre suas estratégias de negócios. O estudo que aqui trazemos visa entender o comportamento das organizações no que diz respeito às operações de compra e venda de empresas ou ativos e iniciativas correlatas. Em um momento em que a economia do Brasil passa por uma fase de inflexão, essas operações estão entre as medidas adotadas pelas organizações para viabilizar projetos de expansão inorgânica visando manter ou adquirir competitividade, em um ambiente onde a inovação e a redução constante de custos também nunca foram tão essenciais. Ao enfrentarem esse ciclo complexo com um posicionamento ativo no mercado, as empresas revelam maturidade e contribuem para criar um ciclo virtuoso, gerando oportunidades de negócios e promovendo o fortalecimento e o desenvolvimento de seus setores e do País. Para lidar com os desafios do atual cenário, as empresas têm se posicionado de forma pragmática com relação à necessidade de otimização da geração de caixa e priorização de sua utilização, o que pressupõe repensar de forma estratégica seu portfólio de ativos, linhas de negócio, marcas e produtos. É com o objetivo de compreender esse movimento que estruturamos esta pesquisa, que contou com a participação de mais de 200 organizações e traz suas motivações, experiências e expectativas em relação às operações de fusões e aquisições no Brasil. Iniciativas como abertura de capital (Initial Public Offering; IPO na sigla em inglês) e internacionalização das empresas nacionais deverão também ganhar espaço na agenda dos empresários, à medida que a atividade econômica começar a mostrar sinais de recuperação. Há alguns anos, os IPOs impulsionaram as operações de fusões e aquisições, ao capitalizar as empresas para movimentos de consolidação de mercados fragmentados. Por sua vez, a internacionalização ampliou o potencial de crescimento das organizações, principalmente quando sua participação de mercado local já era uma restrição, tornando-as menos dependentes das oscilações do mercado doméstico e permitindo acesso a novas tecnologias, produtos, clientes, redes de distribuição e fontes de financiamento. Ao enfrentarem esse ciclo complexo com um posicionamento ativo no mercado, as empresas revelam maturidade e contribuem para criar um ciclo virtuoso, gerando oportunidades de negócios e promovendo o fortalecimento e o desenvolvimento de seus setores e do País. Os resultados de nossa pesquisa indicam que o esforço das empresas é crescente neste sentido, com aumento no número de operações de fusões e aquisições nos últimos anos e perspectiva de continuidade dessa tendência nos próximos anos. Aproveite a leitura, Reinaldo Grasson Sócio da área de Financial Advisory da Deloitte e líder da prática de Corporate Finance Advisory Perspectivas sobre consolidação de mercados

4 Alternativas para tempos desafiadores As empresas estão sentindo há algum tempo as dificuldades do atual ambiente econômico. No último ano, o Produto Interno Bruto (PIB) ficou praticamente estável em relação a 2013, em um patamar inferior aos três anos anteriores e a perspectiva é a de uma continuidade da desaceleração da atividade econômica ao longo de A taxa básica de juros a taxa Selic sofreu seis aumentos consecutivos no primeiro semestre de O aumento da Selic tem como objetivo principal conter o crescimento da inflação, entretanto, como efeito colateral, encarece o crédito e o torna mais seletivo, dificultando o acesso das empresas a recursos para financiar seus projetos de crescimento e expansão, e mesmo para refinanciar as dívidas já contraídas nos últimos anos. Isso pressiona a estrutura de capital e a capacidade de pagamento das empresas, dado que o endividamento das famílias e a consequente redução na demanda impactam as vendas e a geração de caixa das organizações. A abertura de capital também arrefeceu nos últimos anos. Em 2014, apenas duas empresas listaram ações em bolsa, captando R$ 1 bilhão em conjunto. Até o mês de abril, uma única abertura de capital foi realizada em Com exceção de um ligeiro aumento em 2014, o número de empresas que fecharam capital em bolsa supera o número de IPOs desde 2007 um sinal de dificuldades financeiras de algumas empresas ou opção de retomar o perfil privado por questões estratégicas, por falta de liquidez das ações, por terem sido adquiridas por terceiros ou pelo fato de os acionistas discordarem do valor das ações no mercado. Produto Interno Bruto do Brasil (em %) 7,6 5,7 6,0 5,0 3,2 4,0 3,9 2,7 1,8-0,2 0, Fonte: Banco Central do Brasil 4

5 A retomada do número de IPOs é aguardada com grande expectativa pelo mercado, não só por representar uma fonte importante de recursos para investimentos e aquisições, mas também para dar liquidez aos investimentos feitos por fundos de private equity em empresas privadas nos últimos anos. Esses fundos, aliás, tiveram e têm um papel extremamente importante no mercado, ao prover o capital necessário para as empresas executarem seus planos de negócios, especialmente em momentos de falta de janela de mercado para IPOs e escassez de crédito público ou privado. Com menos acesso a recursos no mercado, as organizações têm buscado formas alternativas de obter capital para executarem seus planos e manterem-se competitivas. Nesse sentido, uma venda de participação societária ou de ativos, fusão ou aquisição estratégicas podem ser fundamentais para que a organização continue crescendo e investindo para ampliar capacidade, produtividade e margens de rentabilidade, mesmo em tempos desafiadores como o atual. Taxa de juros e inflação no Brasil (em %) 17,75 18,00 13,25 11,25 13,75 10,75 11,00 13, ,00 11,75 7,6 5,7 3,1 4,5 5,9 8,75 4,3 5,9 6,5 7,25 5,8 5,9 6,4 5,3 2 Inflação IPCA Taxa de juros Selic Fonte: Banco Central do Brasil 1 Índice de dezembro do ano correspondente 2 Acumulado até maio de Índice de maio de 2015 Evolução do número de empresas listadas na BM&FBovespa (Jan/Abr) Fonte: BM&FBovespa e Economist Intelligence Unit Perspectivas sobre consolidação de mercados

6 Sumário executivo Principais conclusões do estudo 1Alternativas ao ambiente desafiador Em cenários de baixo crescimento econômico, como o atual, torna-se muito difícil e demorado para as empresas crescerem apenas de forma orgânica. Portanto, as organizações têm buscado outras formas de aumentar a sua receita, e a principal delas envolve estratégias de crescimento inorgânico como fusões e aquisições. Estratégias de aquisições, parcerias ou vendas nos últimos cinco anos (em % de respondentes; respostas múltiplas) Adquiriu ativos de outras empresas Adquiriu o controle de outra empresa Vendeu ativos da sua empresa Participou de joint venture Realizou uma fusão Teve o controle adquirido por outra empresa Aquisições em crescimento contínuo As aquisições de empresas ou ativos que nos últimos anos apresentaram aumento contínuo entre os participantes do estudo continuarão a se destacar nos próximos anos. Embora as empresas estejam tendo mais cautela para realizar este tipo de operação, há um consenso de que realizar aquisições pode ser uma estratégia eficaz de aplicar recursos, gerando uma vantagem competitiva em relação a concorrentes que continuarem a ter menor porte e escala, especialmente em mercados fragmentados ou de capital intensivo, onde sinergias, ganhos de escala em compras e custos competitivos são essenciais. As três principais estratégias para os próximos dois anos (respostas múltiplas) Fusão 1Aquisição 23 de outra empresa Aquisição de um ativo de outra empresa 6

7 3Crédito para expandir Os números da pesquisa revelam o constante crescimento de fusões e aquisições com o principal objetivo de aumentar as vendas e a participação de mercado. No entanto, as fontes de recursos financeiros tais como crédito e mercado de capitais estão escassas para financiar esses investimentos. As empresas estão financiando essas operações principalmente por meio de reinvestimento do lucro e da venda de ativos ou marcas de baixa rentabilidade. Isso reforça a necessidade de reavaliação constante de seu portfólio, não só para mapear oportunidades de melhorias de margens e retorno sobre capital investido, mas também para identificar linhas ou marcas que não são estratégicas ou não agregam valor, apesar de muitas vezes serem grandes consumidoras de caixa e capital de giro. Principais motivos para não realizar um IPO em 2015 (respostas múltiplas) Estão se preparando para realizar IPO nos próximos anos. Aguardam um melhor momento para a economia global e local O valor atribuído à empresa pelos investidores não reflete a percepção de valor dos atuais acionistas Incertezas sobre o cenário econômico Alto custo para a abertura de capital 5 Principais formas de captação de recursos pelas empresas (respostas múltiplas) Baixa liquidez do mercado acionário no momento Empréstimos ou financiamento bancário 21 Reinvestimento 3 dos lucros Bancos e fundos de fomento 4 Vendas estratégicas A venda de ativos também registrou crescimento nos últimos anos, conforme o estudo. Tal crescimento reforça o fato de que as empresas estão compensando a escassez de capital com fontes alternativas de obtenção de recursos, seja para aumento de liquidez visando reequilibrar ou fortalecer sua estrutura de capital, ou mesmo para pagamento de dívidas. Dessa maneira, o desafio que se coloca para as empresas é a gestão desses recursos financeiros escassos em sua atividade principal ou mais estratégica. Evolução das estratégias de vendas de ativos das empresas nos últimos cinco anos (em % de respondentes) Principais motivos para a venda de ativos da empresa (respostas múltiplas) Aumento da liquidez da empresa Ativo deixou de ser estratégico Reequilíbrio da posição financeira Pagamento de dívidas ou redução de passivo Ativo não era rentável Perspectivas sobre consolidação de mercados

8 Metodologia do estudo e perfil da amostra A pesquisa contou com a participação de 221 empresas, dos mais diferentes portes e segmentos. As informações e opiniões dos respondentes foi levantada por meio de questionário eletrônico, entre os meses de março e abril de Um terço dos respondentes do estudo é formado por presidentes ou acionistas das empresas, e quase metade da amostra é composta por executivos do nível de diretoria (C-levels). Esses números reforçam a alta qualificação da amostra. As empresas do segmento de tecnologia tiveram participação importante no estudo, compondo 19% da amostra, e estão majoritariamente classificadas no grupo que fatura até R$ 250 milhões. Empresas dos setores de infraestrutura, petróleo, gás e mineração, por exemplo, apresentam em sua maior parte faturamento acima de R$ 1 bilhão. Perfil dos respondentes (em % da amostra) 221 empresas compõem a amostra do estudo Porte da empresa (em % dos respondentes) Acima de R$ 1 bilhão Entre R$ 250 milhões e R$ 1 bilhão Até R$ 250 milhões Presidente ou acionista Diretor financeiro Diretor ou superintendente Gerente Outros 8

9 Setor de atuação (em % dos respondentes) Serviços de TI 19 Máquinas e equipamentos 11 Mais da metade das empresas participantes do estudo é de controle familiar. Aproximadamente um quarto dos respondentes são subsidiárias de empresa multinacional. Entre essas empresas, a maior parte tem capital proveniente dos Estados Unidos. Na sequência, e com larga distância, estão França, Japão e Alemanha como os mais recorrentes países de origem. Entre as empresas com capital institucional, a participação média do investidor é de 38%. Atividades financeiras 9 Indústria química 6 Serviços a empresas 6 Controle da empresa (em % dos respondentes) 8 6 Petróleo, gás e mineração 6 Construção 5 Comércio Turismo, hotelaria e lazer 4 Alimentos e bebidas 3 Eletroeletrônicos 3 Outros serviços Controle familiar Subsidiária de multinacional Controle pulverizado Grupo empresarial local Investidor institucional Outras manufaturas 2 13 Origem do capital das empresas subsidiárias de multinacional (em % de respondentes) 42 1 Telecomunicações; Transporte e logística; Saúde; Energia; Gás e saneamento 32 2 Veículos e autopeças; Editorial e gráfico; Agropecuária; Siderurgia e metalurgia; Papel e celulose; higiene e limpeza; Farmacêutica; Perfumaria e cosméticos % é a participação média do investidor em empresas com capital institucional Estados Unidos França Japão Alemanha Outros países Perspectivas sobre consolidação de mercados

10 Caminhos para crescer Os modelos de investimento das empresas Para manterem-se competitivas em um mercado em constante processo de consolidação, as organizações podem optar por diversos modelos de investimento de capital. A escolha vai depender do momento e da maturidade da empresa, e também do ambiente econômico e de negócios. O setor de Serviços de Tecnologia da Informação (TI) se sobressai na utilização de todos os modelos de expansão elencados na pesquisa, figurando como o líder em praticamente todas as frentes. Na operação de modernização do parque fabril, naturalmente, aparece com mais destaque o setor de Máquinas e equipamentos. Os setores de Eletroeletrônicos e Atividades financeiras também realizaram projetos em todos os modelos de expansão. Setores que mais praticaram fusões e aquisições Ampliação do parque fabril Modernização do parque fabril Abertura de novas unidades Aquisição de outra empresa Compra de ativos de outra empresa Joint venture Agropecuária Alimentos e bebidas Atividades financeiras Eletroeletrônicos Indústria química Transporte e logística Máquinas e equipamentos Petróleo, gás e mineração Propaganda e publicidade Serviços a empresas Serviços de telecomunicações Serviços de TI 10

11 Estratégias de aquisições, parcerias ou vendas Ao analisarmos as estratégias de aquisições, parcerias ou vendas de empresas nos últimos cinco anos, é possível verificar o crescimento expressivo do número de empresas envolvidas em iniciativas de joint venture e de vendas de ativos. Entre os principais motivos para a última realização de aquisição de empresa ou ativo, os respondentes destacaram perspectivas de aumento da receita, nova estratégia de expansão e aspectos de mercado, como ganho de market share e fortalecimento frente à concorrência. Evolução das estratégias de aquisições, parcerias ou vendas nos últimos cinco anos (em % de respondentes; respostas múltiplas) Vendeu ativos da sua empresa Participou de joint venture Adquiriu ativos de outras empresas Adquiriu o controle de outra empresa Realizou uma fusão Teve o controle adquirido por outra empresa Principais motivos da última aquisição de empresa ou ativo (em % de respondentes; respostas múltiplas) Aumento de receita Nova estratégia de expansão Ganho de market share Maior poder de mercado frente à concorrência 59 Economia de escala 33 Aquisição de tecnologia ou novo processo de produção 26 Redução de custos de atividades corporativas Reestruturação da empresa Redução de custo de produção Melhoria no acesso aos canais de distribuição Aumento da liquidez da empresa Maior poder de barganha junto aos fornecedores Obtenção de ganhos fiscais Melhoria gerencial e tecnológica Outros Perspectivas sobre consolidação de mercados

12 Projetos de investimentos realizados Ampliação do parque fabril Os projetos de ampliação do parque fabril tiveram crescimento contínuo, tanto em porcentagem de empresas que os realizaram quanto no número de projetos executados. A média de projetos de ampliação realizados por empresa cresceu de 4,8 em 2012 para 5,6 em Empresas que realizaram (em %) Total de projetos realizados 5,6 é a média de projetos de ampliação do parque fabril realizados pelas empresas em 2014 Modernização do parque fabril A prática de modernização do parque fabril foi a que mais engajou as empresas respondentes da pesquisa, com 38% de organizações registrando este tipo de projeto em O total de projetos informados também é crescente nos últimos dois anos ,7 é a média de projetos de modernização do parque fabril realizados pelas empresas em Empresas que realizaram (em %) Total de projetos realizados Abertura de novas unidades A porcentagem de empresas entrevistadas que abriram novas unidades registrou crescimento ao longo dos últimos dois anos. O total de projetos informados pelas empresas em 2014 é o dobro do número de 2012, porém, é menor do que o anotado em Empresas que realizaram (em %) Total de projetos realizados 2,3 é a média de aberturas de novas unidades realizadas pelas empresas em

13 Aquisição de outra empresa O número de empresas que realizaram uma aquisição e o total de operações desta natureza em 2014 são praticamente o dobro do registrado no ano anterior, e superam o patamar de Empresas que realizaram (em %) Total de projetos realizados 1,2 é a média de aquisições realizadas pelas empresas em 2014 Compra de ativos de outra empresa Tanto a porcentagem de organizações que adquiriram ativos de outras empresas quanto o número de operações deste tipo registraram crescimento significativo nos últimos dois anos Empresas que realizaram (em %) Total de projetos realizados 1,3 é a média de operações de compra de ativos de outra empresa realizadas pelas organizações em 2014 Joint venture A porcentagem de empresas que realizaram joint ventures manteve-se estável entre 2012 e 2013, mas registrou um aumento significativo em Já o número total de operações realizadas registrou incremento nos três anos. Esse tipo de operação tem adquirido relevância no mercado, pois muitas vezes requer menor investimento de capital do que uma aquisição, e gera menos risco ao compartilhar expertise e recursos de ambas empresas em um segmento específico, sem envolver toda a organização. 1,3 é a média de operações de joint venture realizadas pelas empresas em Empresas que realizaram (em %) Total de projetos realizados Perspectivas sobre consolidação de mercados

14 Formas de captação de recursos Grande parte das organizações respondentes conta com recursos próprios para a realização de seus projetos de expansão. Outras formas tradicionais de captação como empréstimos ou financiamento bancário, captação junto a bancos e fundos de fomento e empréstimo de partes relacionadas vêm na sequência. Emissão de títulos no mercado, fundos de private equity e oferta de ações ainda não estão entre as opções principais exploradas pelas empresas da amostra. No entanto, para as empresas que têm acesso a estes recursos, a participação dessas fontes nos projetos de expansão é tão ou mais expressiva do que as outras modalidades de financiamento. A forma principal de captação de recursos varia de acordo com o porte da empresa. Enquanto para as empresas menores os recursos próprios são a principal fonte de recursos, as empresas de grande porte contam com bancos e fundos de fomento como principal forma de financiamento. Formas de captação de recursos pelas empresas (em % de respondentes) Reinvestimento dos lucros Empréstimos ou financiamento bancário Bancos e fundos de fomento Empréstimos de partes relacionadas Emissão de títulos no mercado 2 60 Private equity e venture capital 2 43 Oferta de ações 1 Porcentagem de empresas Participação média no financiamento do projeto 65 Formas de captação de recursos por porte de empresa (em % de respondentes) Total Até R$ 250 milhões Entre R$ 250 milhões e R$ 1 bilhão Acima de R$ 1 bilhão Reinvestimento dos lucros Empréstimos ou financiamento bancário Bancos e fundos de fomento Empréstimos de partes relacionadas Emissão de títulos no mercado 1 0,5 0 6 Oferta de ações 1 0,5 0 4 Private equity e venture capital

15 Em termos gerais, é possível destacar que as organizações de maior porte têm à disposição uma diversidade maior de fontes de captação de recursos do que as empresas menores, até em função do nível de garantias que conseguem oferecer e, em alguns casos, de aspectos como governança, demonstrativos financeiros auditados, entre outros que qualificam o grau de maturidade da empresa. A emissão de títulos de dívida no mercado e a oferta de ações são significativamente maiores nas organizações de grande porte em comparação às médias empresas. Estas, por sua vez, contam mais com empréstimos e financiamento de bancos comerciais. Abertura de capital Mais de 90% das empresas pesquisadas não possuem capital aberto na BM&FBovespa. Entre essas empresas, 3% planejam realizar uma oferta inicial de ações ainda em Empréstimos ou financiamentos estrangeiros Apenas 15% das empresas participantes do estudo contam com empréstimos ou financiamentos estrangeiros. Entre essas organizações, a média do endividamento e financiamento estrangeiros sobre as obrigações totais é significativamente maior nas empresas de grande porte, chegando a mais do que o dobro da média das empresas de menor porte. 15% das empresas possuem empréstimos ou financiamentos estrangeiros Tem capital aberto na BM&FBovespa? (em % dos respondentes) 7 Sim Não 93 Pretende realizar um IPO em 2015? (em % dos respondentes) 3 Sim Não Principais motivos para não realizar um IPO em 2015 (em % de respondentes; respostas múltiplas; até três opções) Incertezas sobre o cenário econômico Estão se preparando para realizar um IPO nos próximos anos. Aguardam um melhor momento para a economia global e local Alto custo para a abertura de capital O valor atribuído à empresa pelos investidores não reflete a percepção de valor dos atuais acionistas Baixa liquidez do mercado acionário no momento Matriz é listada no exterior Não há interesse Não é estratégia da empresa Julga não ter porte para realizar IPO Necessidade de disclosure de informações do negócio após a abertura de capital Sempre procuram outras formas de captação Aguardam melhores resultados da empresa Outros Média do endividamento e financiamento estrangeiros sobre as obrigações totais, segmentados pelo porte da empresa (em % de respondentes) Até R$ 250 milhões Entre R$ 250 milhões e R$ 1 bilhão Acima de R$ 1 bilhão Perspectivas sobre consolidação de mercados

16 Desafios da consolidação A maior dificuldade apontada pelas organizações participantes do estudo em seus processos de integração de empresas, bastante à frente das demais, é a conciliação das diferentes culturas. Na sequência, em patamares similares, estão aspectos de tecnologia e sistemas de gestão, comunicação interna e gestão de recursos humanos seja para reter os talentos mais importantes, seja para realizar as demissões necessárias. A maioria dos respondentes nas empresas que fizeram fusões e aquisições nos últimos anos indicou que o processo de integração teve uma duração média de até seis meses. Essa realidade é ainda mais contundente para empresas que faturam até R$ 250 milhões, que podem ter um processo mais ágil de integração. Entre as organizações que faturam acima de R$ 1 bilhão, a maior parte dos participantes da pesquisa respondeu que o processo de integração durou em média um ano. Em consonância com os desafios indicados na pergunta anterior, essas organizações enfrentam um processo complexo de integração de tecnologia e sobretudo de cultura corporativa, demandando mais tempo para a sua realização. Motivos para a venda Entre as empresas que realizaram venda de ativos nos últimos anos, as razões que mais justificaram este movimento foram diretamente relacionadas ao caixa reequilíbrio da posição financeira, aumento da liquidez da empresa e pagamento de dívidas ou redução de passivo. Em um ambiente econômico difícil, as alienações parciais podem apoiar as empresas superalavancadas a levantar fundos e adequar seus balanços. As maiores dificuldades na integração de empresas e ativos (em % de respondentes) Culturas diferentes Integração tecnológica e de sistemas de gestão Comunicação interna para manter a motivação e reter talentos Definição de uma nova estrutura organizacional e de possíveis demissões 26 Uniformização de contratos com terceiros 17 Pressão de tempo por parte dos acionistas para concluir o processo 15 Tempo médio de integração entre as empresas (em % de respondentes) 3 meses 6 meses 1 ano 2 anos Acima de 2 anos Ainda está em integração Total Até R$ 250 milhões Entre R$ 250 milhões e R$ 1 bilhão Acima de R$ 1 bilhão Principais motivos para a venda de ativos da empresa (em % de respondentes; respostas múltiplas) Reequilíbrio da posição financeira Aumento da liquidez da empresa Pagamento de dívidas ou redução de passivo Ativo deixou de ser estratégico 33 Ativo não era rentável 29 Outros motivos 14 16

17 A visão estratégica sobre o ativo surge na sequência, lembrada por um terço das organizações. Neste caso, o objetivo é concentrar os recursos em marcas, segmentos ou mercados essenciais ou produtos e serviços de maior margem de lucro. Trata-se também de uma opção para levantar capital para financiar investimento no core business ou em aquisições estratégicas. Desafios na realização das operações de fusões e aquisições O alinhamento do valor da empresa com os vendedores e a qualidade e suficiência de informações da empresaalvo para realização de uma diligência e posterior negociação de contratos e garantias foram lembrados pelos respondentes do estudo como as principais dificuldades para a realização de fusões e aquisições. O fator humano mostrou-se crucial para o êxito do processo de integração de empresas em operações de fusão ou aquisição. Formação de um grupo executivo multidisciplinar, retenção de talentos e comunicação estão entre os principais fatores de sucesso identificados pelos participantes do estudo. A adaptação das diferentes culturas, lembrada em pergunta anterior como a maior dificuldade na integração de empresas, também surge como um fator determinante para o sucesso do processo. Dificuldades para realização de fusões e aquisições (em % de respondentes; respostas múltiplas) Negociação com vendedores para alinhar a expectativa de valor da empresa Suficiência e qualidade de informações para avaliação e due diligence na empresa alvo Negociação de contratos e de garantias para contingências Contingências da empresa objeto de aquisição Falta de fontes de financiamento Falta de assessoria especializada por parte dos vendedores Aprovação dos órgãos governamentais Fatores determinantes para o sucesso da integração (em % de respondentes; respostas múltiplas) Grupo multidisciplinar de executivos responsáveis pelo processo 51 Estratégia e planejamento da integração já na fase pré-aquisição 46 Retenção dos colaboradores e terceiros-chave 42 Adaptação das diferentes culturas 34 Comunicação efetiva para manter motivação das equipes 30 Perspectivas sobre consolidação de mercados

18 Perspectivas e estratégias Entre os participantes do estudo, nos próximos dois anos as operações de aquisição e fusão deverão superar as de vendas de controle das empresas. A possibilidade de internacionalização é outro dado que merece destaque. As empresas que pretendem realizar operações de aquisição assinalaram a perspectiva de aumento da receita, ganho de market share e entrada em novos mercados como os principais motivadores destas ações. Entre os fatores indicados pelas empresas que não pretendem realizar aquisições destaca-se a falta de recursos para essa iniciativa. As aquisições não estão na estratégia de 29% das empresas. Fatores externos, como cenário econômico não favorável e a falta de empresas atrativas para compra, estão na sequência. Entre as empresas que pretendem vender ativos, a visão estratégica prevalece sobre as limitações de capital para investimentos. O realinhamento de portfólio, portanto, é o foco das operações de venda, por meio da qual a empresa visa direcionar seus recursos à sua atividade principal ou mais rentável. Estratégias para os próximos dois anos (em % de respondentes; respostas múltiplas) Aquisição de outra empresa 39 Fusão 36 Aquisição de um ativo de outra empresa 34 Venda do controle da empresa Internacionalização Venda de um ativo da empresa Nenhuma das opções Por quais motivos sua empresa pretende realizar uma aquisição (em % de respondentes; respostas múltiplas) Aumento da receita 69 Ganho de market share 66 Entrada em novos mercados 62 Obtenção de economia de escala 38 Por quais motivos sua empresa não pretende realizar uma aquisição (em % de respondentes; respostas múltiplas) Não há recursos para aquisição 61 Aquisições não estão na estratégia 29 O cenário econômico não é favorável 18 Não há empresas atrativas 14 Por quais motivos sua empresa pretende vender ativos (em % de respondentes; respostas múltiplas) Há ativos que deixaram de ser estratégicos 36 Limitações ou falta de acesso a capital para investimento e crescimento Acionistas com foco em outros negócios Questões relacionadas a sucessão familiar 18 18

19 Perspectivas sobre consolidação de mercados Estratégia de investimentos e o movimento de fusões e aquisições Liderança do projeto Reinaldo Grasson Sócio da área de Financial Advisory da Deloitte e líder da prática de Corporate Finance Advisory Coordenação da pesquisa e produção do relatório Departamento de Strategy, Brand & Marketing da Deloitte Contato

20 A Deloitte refere-se a uma ou mais entidades da Deloitte Touche Tohmatsu Limited, uma sociedade privada, de responsabilidade limitada, estabelecida no Reino Unido ( DTTL ), sua rede de firmas-membro, e entidades a ela relacionadas. A DTTL e cada uma de suas firmas-membro constituem entidades legalmente separadas e independentes. A DTTL (também chamada Deloitte Global ) não presta serviços a clientes. Consulte para obter uma descrição mais detalhada da DTTL e suas firmas-membro Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados.

Rumo à abertura de capital

Rumo à abertura de capital Rumo à abertura de capital Percepções das empresas emergentes sobre os entraves e benefícios 15º Encontro Nacional de Relações com Investidores e Mercado de Capitais 4 de julho de 2013 Pontos de partida

Leia mais

Termômetro tributário 2015 Tendências e desafios do profissional de impostos no Brasil

Termômetro tributário 2015 Tendências e desafios do profissional de impostos no Brasil Termômetro tributário 01 Tendências e desafios do profissional de impostos no Brasil Gestor tributário: aspirações e tendências Esta é mais uma edição do estudo da Deloitte sobre a área tributária no Brasil,

Leia mais

Rumo à abertura de capital Percepções das empresas emergentes sobre os entraves e benefícios

Rumo à abertura de capital Percepções das empresas emergentes sobre os entraves e benefícios Rumo à abertura de capital Percepções das empresas emergentes sobre os entraves e benefícios Pesquisa 2013 Índice Pontos de partida As empresas emergentes e o mercado de capitais no Brasil... 4 Metodologia

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil

Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil Pesquisa 013 A caminho da maturidade A Governança Corporativa é um tema que está cada vez mais presente nas empresas que pretendem

Leia mais

Profissionais de sustentabilidade Atuação, projetos e aspirações. Pesquisa 2015

Profissionais de sustentabilidade Atuação, projetos e aspirações. Pesquisa 2015 Profissionais de sustentabilidade Atuação, projetos e aspirações Pesquisa 2015 O agente do crescimento sustentável A Deloitte e a Associação Brasileira dos Profissionais de Sustentabilidade (ABRAPS) apresentam

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

Resultado da Pesquisa Corporate Recovery

Resultado da Pesquisa Corporate Recovery CORPORATE RECOVERY Resultado da Pesquisa Corporate Recovery ADVISORY Resultado da Pesquisa Corporate Recovery 3 Apresentação A KPMG tem a satisfação de lhe entregar a primeira edição da Pesquisa de Mercado

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES O Instituto Assaf comparou diversos indicadores de desempenho dos bancos grandes e dos bancos médios de 2009 a 2011. Primeiramente

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

Soluções completas em tecnologia Convergência natural entre negócios e TI

Soluções completas em tecnologia Convergência natural entre negócios e TI Soluções completas em tecnologia Convergência natural entre negócios e TI Abordagem multidisciplinar e equipe especializada em integração tecnológica A dinâmica e as mudanças dos negócios têm tornado a

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES Área de Mercado de Capitais BNDES Desenvolvendo a Governança Corporativa Eduardo Rath Fingerl Diretor 02/06/2006 www.bndes.gov.br 1 de 23 Atuação

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

Comunicação com o mercado Alinhamento estratégico para criação e preservação de valor Pesquisa 2014

Comunicação com o mercado Alinhamento estratégico para criação e preservação de valor Pesquisa 2014 Comunicação com o mercado Alinhamento estratégico para criação e preservação de valor Pesquisa 2014 A transformação da percepção em valor Na era da informação em que vivemos, os avanços em termos de transparência

Leia mais

Oferta Pública. Mercado de Capitais

Oferta Pública. Mercado de Capitais Oferta Pública Mercado de Capitais Oferta Pública Para ter suas ações negociadas na Bolsa, as empresas precisam abrir o capital. O primeiro procedimento para a empresa abrir o capital é entrar com o pedido

Leia mais

A caminho da transparência A evolução dos pilares da governança corporativa. Pesquisa 2015

A caminho da transparência A evolução dos pilares da governança corporativa. Pesquisa 2015 A caminho da transparência A evolução dos pilares da governança corporativa Pesquisa Governança corporativa: um esforço contínuo para a transformação Nenhuma grande transformação ocorre de uma hora para

Leia mais

Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas. Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte

Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas. Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte Desafios do atual momento econômico Os principais segmentos da economia

Leia mais

ENCONTRO ANUAL DO PAEX

ENCONTRO ANUAL DO PAEX ENCONTRO ANUAL DO PAEX Sustentabilidade Financeira para a Competitividade Prof. Haroldo Mota 2007 O CONFORTO DE CURTO PRAZO Empresa Acomodada Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 EBITDA 940 890 820 800 ( ) Var. NCG

Leia mais

A GP no mercado imobiliário

A GP no mercado imobiliário A GP no mercado imobiliário A experiência singular acumulada pela GP Investments em diferentes segmentos do setor imobiliário confere importante diferencial competitivo para a Companhia capturar novas

Leia mais

Critérios para Seleção e Avaliação de Investimentos Versão 1.0

Critérios para Seleção e Avaliação de Investimentos Versão 1.0 Material preparado para uso interno, não pode ser usado sem o consentimento por escrito da CODEMIG. Critérios para Seleção e Avaliação de Investimentos Versão 1.0 Roteiro Estratégia de Investimento Políticas

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Building, Construction & Real Estate

Building, Construction & Real Estate KPMG no Brasil Building, Construction & Real Estate FINANCIAL SERVICES kpmg.com/br Quem somos Constituída na Suíça e com sede em Amsterdã, a KPMG International Cooperative (KPMG International) é uma rede

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Criação de valor em uma nova era de engajamento

Criação de valor em uma nova era de engajamento Governança Corporativa e Relações com Investidores Criação de valor em uma nova era de engajamento Pesquisa 015 O papel do RI na governança das empresas É com grande satisfação que a Deloitte e o Instituto

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL?

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? 8 REVISTA RI Setembro 2013 É o mercado de capitais brasileiro que precisa das pequenas e médias

Leia mais

Confiança em um cenário de riscos A visão de empresas e investidores sobre um mercado em profundas mudanças

Confiança em um cenário de riscos A visão de empresas e investidores sobre um mercado em profundas mudanças Confiança em um cenário de riscos A visão de empresas e investidores sobre um mercado em profundas mudanças Relações e perspectivas em tempos de incerteza As mudanças no cenário econômico ultrapassaram

Leia mais

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A RETOMADA DOS INVESTIMENTOS E O MERCADO DE CAPITAIS Sumário I. O MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA PRIVADA NO BRASIL II. A AGENDA

Leia mais

Fonte: AZ Investimentos / Andima. Fonte: AZ Investimentos / Andima

Fonte: AZ Investimentos / Andima. Fonte: AZ Investimentos / Andima ANÁLISE CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA OFERTAS PUBLICAS DE AÇÕES Por: Ricardo Zeno 55 21 3431 3831 27 de Fevereiro, 2008 Em 2007, o destaque foi para as emissões de Renda Variável, o volume total das ofertas

Leia mais

Termômetro tributário O perfil e as aspirações do profissional de impostos no Brasil. Pesquisa 2014/2015

Termômetro tributário O perfil e as aspirações do profissional de impostos no Brasil. Pesquisa 2014/2015 Termômetro tributário O perfil e as aspirações do profissional de impostos no Brasil Pesquisa 2014/2015 Entre desafios e demandas Um profissional multifacetado, envolvido com complexos aspectos técnicos

Leia mais

Movimentos de abertura de capital A experiência de 2009 e as perspectivas para os próximos anos

Movimentos de abertura de capital A experiência de 2009 e as perspectivas para os próximos anos Movimentos de abertura de capital A experiência de 2009 e as perspectivas para os próximos anos 2 A retomada da atividade econômica no Brasil ganhou destaque no segundo semestre de 2009, conduzindo o mercado

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO DE VALOR

FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO DE VALOR FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO Principais Vantagens Principais fontes de sinergia Principais cuidados Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco CNI-MEI São Paulo, 19 de outubro de 2015 Agenda Atuação da BNDESPAR em Capital de Risco Participações diretas Participações por meio de Fundos de

Leia mais

Recursos Próprios. Amigos e Familiares

Recursos Próprios. Amigos e Familiares Recursos Próprios Chamado de booststrapping, geralmente é a primeira fonte de capital utilizada pelos empreendedores. São recursos sem custos financeiros. O empreendedor tem total autonomia na tomada de

Leia mais

APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009

APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009 APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009 1 1 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

APRESENTAÇÃO APIMEC RELAÇÕES COM INVESTIDORES

APRESENTAÇÃO APIMEC RELAÇÕES COM INVESTIDORES APRESENTAÇÃO APIMEC RELAÇÕES COM INVESTIDORES Dezembro, 2010 ESTÁCIO: BREVE HISTÓRICO Crescimento orgânico N de estudantes (mil) Crescimento anual Consolidação para a liderança nacional 2005 2007: transformação

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

2 Abertura de capital

2 Abertura de capital 2 Abertura de capital 2.1. Mercado de capitais O Sistema Financeiro pode ser segmentado, de acordo com os produtos e serviços financeiros prestados, em quatro tipos de mercado: mercado monetário, mercado

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

2 Histórico de fusões e aquisições e conceitos.

2 Histórico de fusões e aquisições e conceitos. 2 Histórico de fusões e aquisições e conceitos. 2.1. Fusões e aquisições globais Com a globalização e a necessidade de escalas cada vez maiores de operação, as grandes empresas ultrapassaram fronteiras

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

MBA IBMEC SÃO PAULO DISCIPLINAS AVULSAS FEVEREIRO 2007 MBA IBMEC SÃO PAULO. Disciplinas Avulsas Maio 2007

MBA IBMEC SÃO PAULO DISCIPLINAS AVULSAS FEVEREIRO 2007 MBA IBMEC SÃO PAULO. Disciplinas Avulsas Maio 2007 MBA IBMEC SÃO PAULO Disciplinas Avulsas Maio 2007 Disciplinas do MBA Finanças Negociação Estratégica A área de finanças lida com um constante conflito: recursos que serão transferidos de um investidor

Leia mais

Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas

Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas José Paulo Rocha 9 de dezembro de 2008 Resultados referentes à terceira edição da pesquisa As Pequenas e Médias Empresas que Mais Crescem no Brasil

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Painel da Indústria Financeira - PIF

Painel da Indústria Financeira - PIF Painel da Indústria Financeira - PIF Agenda Desintermediação Bancária nas Operações de Créditos Relacionamento com Instituições não Bancárias As Razões de Uso do Sistema Financeiro, segundo as Empresas:

Leia mais

Reorganização de Empresas no Brasil Inovação em um cenário de competitividade

Reorganização de Empresas no Brasil Inovação em um cenário de competitividade Reorganização de Empresas no Brasil Inovação em um cenário de competitividade Índice Estímulo ao poder de competitividade e a capacidade de crescimento das organizações...3 O ciclo de vida de uma empresa...4

Leia mais

Apresentação Corporativa. Novembro de 2010

Apresentação Corporativa. Novembro de 2010 Apresentação Corporativa Novembro de 2010 Estácio: Breve Histórico Crescimento orgânico Consolidação para liderança nacional IPO Companhia listada Turn around e preparação para o crescimento futuro # de

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação 3T08 Apresentação de Resultados José Carlos Aguilera (Diretor Presidente e de RI) Eduardo de Come (Diretor Financeiro) Marcos Leite (Gerente de RI) Destaques do Período Contexto de crise no

Leia mais

Reunião Pública. Gilsomar Maia Diretor de Finanças Corporativas

Reunião Pública. Gilsomar Maia Diretor de Finanças Corporativas Reunião Pública Gilsomar Maia Diretor de Finanças Corporativas Receita Bruta (R$ Milhões) e Margem EBITDA (%) ¹ Visão Geral da Companhia - Trajetória História Fundação Fortalecimento DNA Liderança 1.557

Leia mais

ponto Frio Ponto Frio (GLOB3 e GLOB4) faz parte do Grupo Pão de Açúcar desde 2009. Saiba qual é o futuro da empresa e se suas ações podem se valorizar

ponto Frio Ponto Frio (GLOB3 e GLOB4) faz parte do Grupo Pão de Açúcar desde 2009. Saiba qual é o futuro da empresa e se suas ações podem se valorizar pág. 08 DOUGLAS DUEK COMO AS EMPRESAS PODEM CHEGAR À BOLSA? pág. 12 TRENDS O QUE PODE ATRAPALHAR A BOLSA EM 2011 A REVISTA DO INVESTIDOR NA BOLSA ANO 3 MAR 11 #36 R$ 12,00 9 771982 835003 0 3 0 3 6 EXEMPLAR

Leia mais

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões.

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões. Última Cotação em 30/09/2013 FBMC4 - R$ 43,90 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2013): R$ 31.893,9 milhões US$ 14.431,7 milhões São Bernardo do Campo,

Leia mais

O Processo de Due Diligence: Realizando Aquisições com Segurança

O Processo de Due Diligence: Realizando Aquisições com Segurança O Processo de Due Diligence: Realizando Aquisições com Segurança Luiz Felipe Silva Veloso Superintendência de Aquisições Maio de 2008 1/XX O PROCESSO DE AQUISIÇÃO OPORTUNIDADES Mercado competitivo Globalizado

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

COMO CRESCER EM MOMENTOS DE CRISE?

COMO CRESCER EM MOMENTOS DE CRISE? 35a CONVENÇÃO ANUAL DO ATACADISTA DISTRIBUIDOR ABAD 2015 COMITÊ DE PRESIDENTES REDE PAEX 2015 COMO CRESCER EM MOMENTOS DE CRISE? PROF. LEONARDO TEIXEIRA 2 TEMA E OBJETIVO TEMA: COMO CRESCER EM MOMENTOS

Leia mais

ARRUMANDO A CASA: COMO SE PREPARAR PARA UM PROCESSO DE DUE DILIGENCE?

ARRUMANDO A CASA: COMO SE PREPARAR PARA UM PROCESSO DE DUE DILIGENCE? ARRUMANDO A CASA: COMO SE PREPARAR PARA UM PROCESSO DE DUE DILIGENCE? Publicação Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital (ABVCAP) Edição Setembro 2015 Coordenação Ângela Ximenes Superintendente

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Índice Fora da sombra da área administrativa 3 Como atingir o equilíbrio financeiro 4 O Financeiro encontra várias barreiras até

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

As Pequenas e Médias Empresas que Mais Crescem no Brasil

As Pequenas e Médias Empresas que Mais Crescem no Brasil As Pequenas e Médias Empresas que Mais Crescem no Brasil Uma pesquisa sobre visões e práticas que aceleram o ritmo de expansão dos negócios 2007 1 2 A energia que impulsiona o crescimento A complexa paisagem

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Credenciais da 2Finance -Rápida análise da situação da empresa, elaborando relatórios que permitam ao empreendedor e seus dirigentes compreenderem a real situação da empresa

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. Fusões e aquisições no setor de alimentos BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 1. CRESCIMENTO INTERNO VERSUS

AGROINDÚSTRIA. Fusões e aquisições no setor de alimentos BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 1. CRESCIMENTO INTERNO VERSUS AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 Fusões e aquisições no setor de alimentos 1. CRESCIMENTO INTERNO VERSUS CRESCIMENTO EXTERNO O acirramento da concorrência

Leia mais

PORTIFÓLIO SERVIÇOS MERIDIONAL INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL. Atualizado em Setembro/2014

PORTIFÓLIO SERVIÇOS MERIDIONAL INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL. Atualizado em Setembro/2014 PORTIFÓLIO DE SERVIÇOS MERIDIONAL INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL Atualizado em Setembro/2014 Sobre a Meridional A Meridional Inteligência Empresarial é uma empresa de consultoria e assessoria em gestão com atuação

Leia mais

EM PAUTA PRIVATE EQUITY & VENTURE CAPITAL OPORTUNIDADES EM MEIO À CRISE NO BRASIL

EM PAUTA PRIVATE EQUITY & VENTURE CAPITAL OPORTUNIDADES EM MEIO À CRISE NO BRASIL EM PAUTA PRIVATE EQUITY & VENTURE CAPITAL OPORTUNIDADES EM MEIO À CRISE NO BRASIL 14 REVISTA RI Abril 2015 É sabido que 2015 vai ser um ano difícil diante de uma economia com perspectiva de recessão. No

Leia mais

Conferência de Investimento Alternativo: FIDC, FII E FIP. São Paulo, 11 de dezembro de 2012. Hotel Caesar Park. Patrocínio

Conferência de Investimento Alternativo: FIDC, FII E FIP. São Paulo, 11 de dezembro de 2012. Hotel Caesar Park. Patrocínio Conferência de Investimento Alternativo: FIDC, FII E FIP São Paulo, 11 de dezembro de 2012 Hotel Caesar Park Patrocínio Estratégia FUNCEF Investimentos Estruturados Diversificação de carteira de Fundos

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroenergético e a Importância da Escala de Geração. Nivalde J. de Castro Guilherme de A.

Fusões e Aquisições no Setor Sucroenergético e a Importância da Escala de Geração. Nivalde J. de Castro Guilherme de A. Fusões e Aquisições no Setor Sucroenergético e a Importância da Escala de Geração Nivalde J. de Castro Guilherme de A. Dantas TDSE Textos de Discussão do Setor Elétrico Nº14 Novembro de 2009 Rio de Janeiro

Leia mais

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras As principais modalidades de aplicação financeira disponíveis no mercado doméstico caderneta de poupança, fundos de investimento e depósitos a prazo

Leia mais

Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo

Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo Pesquisa 2013/2014 Existe uma percepção disseminada de que, além do peso de toda a carga tributária, as empresas

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Infraestrutura no Brasil

Infraestrutura no Brasil www.pwc.com.br Infraestrutura no Brasil Como agregar valor e gerenciar a complexidade de ativos de capital, programas ou portfólios de médio a grande porte (greenfield ou brownfield). O contexto de infraestrutura

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Eficiência nos novos tempos da economia Um estudo sobre as pequenas e médias empresas que mais crescem no Brasil

Eficiência nos novos tempos da economia Um estudo sobre as pequenas e médias empresas que mais crescem no Brasil Eficiência nos novos tempos da economia Um estudo sobre as pequenas e médias empresas que mais crescem no Brasil 2009 Índice Metodologia do estudo...4 Amostra da pesquisa...6 As PMEs no novo cenário econômico...7

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006 Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais Carlos Alberto Rosa Coordenador de Participações 07/11/2006 FUNCEF Visão

Leia mais

Contexto Operacional. Operação. Receita Líquida. 12,9 bilhões. Composição da Receita Consolidada (%)

Contexto Operacional. Operação. Receita Líquida. 12,9 bilhões. Composição da Receita Consolidada (%) 103 Contexto Operacional A seguir seguem os comentários sobre o desempenho da S.A. referentes ao exercício de 2014. Com intuito de proporcionar a visibilidade anual dos resultados, tais comentários são

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

Inovação revolucionária

Inovação revolucionária 10Minutos Pesquisa Estratégia de crescimento Inovação revolucionária Destaques Quase metade dos entrevistados (43%) vê a inovação como uma necessidade competitiva para a sua organização. Em um horizonte

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS. 3T l 2015

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS. 3T l 2015 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 3T l 2015 Disclaimer Esta apresentação pode conter referências e declarações que representem expectativas de resultados, planos de crescimento e estratégias futuras do BI&P. Essas

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Vinci Partners Apresentação

Vinci Partners Apresentação Vinci Partners Apresentação Gestora totalmente independente Fundada em 2009 por ex-profissionais seniores do UBS Pactual que ocuparam cargos relevantes nesta instituição; Equipe experiente e coesa Administrada

Leia mais

SPRINGS GLOBAL INVESTOR DAY 12 de novembro de 2014

SPRINGS GLOBAL INVESTOR DAY 12 de novembro de 2014 SPRINGS GLOBAL INVESTOR DAY 12 de novembro de 2014 1 DISCLAIMER Esta apresentação pode incluir declarações que representam expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação

Leia mais

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL FACT SHEET 1T13 PERFIL DA COMPANHIA Fundado em 1928, o Banrisul é um banco múltiplo: comercial, de desenvolvimento e social, controlado pelo Estado do Rio Grande do Sul. A proximidade com o setor público

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

Apresentação para Investidores. Março, 2009

Apresentação para Investidores. Março, 2009 Apresentação para Investidores Março, 2009 1 Filosofia Gerdau VISÃO Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que

Leia mais