INÁCIO CORREIA PAMPLONA: O

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INÁCIO CORREIA PAMPLONA: O"

Transcrição

1 Programa de Pós-Graduação em História Universidade Federal de São João del Rei - UFSJ Departamento de Ciências Sociais, Políticas e Jurídicas DECIS Programa de Pós-Graduação em História - PGHIS INÁCIO CORREIA PAMPLONA: O Hércules do sertão mineiro setecentista Maria Emília Aparecida de Assis São João del Rei 2014

2 Programa de Pós-Graduação em História Universidade Federal de São João del Rei - UFSJ Departamento de Ciências Sociais, Políticas e Jurídicas DECIS Programa de Pós-Graduação em História - PGHIS INÁCIO CORREIA PAMPLONA: O Hércules do sertão mineiro setecentista Dissertação de Mestrado apresentada ao curso de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de São João del Rei, como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em História. Orientadora: Profa. Chaves de Resende. Dra. Maria Leônia Maria Emília Aparecida de Assis São João del Rei 2014

3 Ficha catalográfica elaborada pelo Setor de Processamento Técnico da Divisão de Biblioteca da UFSJ Assis, Maria Emília Aparecida de A848i Inácio Correia Pamplona: o Hércules do sertão mineiro setecentista [manuscrito] / Maria Emília Aparecida de Assis f.; il. Orientadora: Maria Leônia Chaves de Resende. Dissertação (mestrado) Universidade Federal de São João Del Rei. Departamento de Ciências Sociais, Política e Jurídicas. Referências: f Poder político - Teses 2. Entradas e bandeiras Teses 3. Sesmarias Minas Gerais Teses I. Minas Gerais História Teses II Pamplona, Inácio Correia III. Resende, Maria Leônia Chaves de (orientadora) IV. Universidade Federal de São João del Rei. Departamento de Ciências Sociais Políticas e Jurídicas V. Título CDU:

4 Programa de Pós-Graduação em História Este exemplar da dissertação intitulada INÁCIO CORREIA PAMPLONA: O HÉRCULES DO SERTÃO MINEIRO SETECENTISTA da mestranda MARIA EMÍLIA APARECIDA DE ASSIS, corresponde à redação final aprovada pela Banca Examinadora, em 03 de fevereiro de 2014, constituída pelos seguintes membros: Profa. Dra. Maria Leônia Chaves de Resende Universidade Federal de São João del- Rei Orientadora Profa. Dra. Núbia Braga Ribeiro Universidade do Estado de Minas Gerais Membro Titular Prof. Dr. Danilo José Zioni Ferretti Universidade Federal de São João del-rei Membro Titular

5 Agradecimentos Aos meus pais, Mário e Maria Natividade, com todo amor e carinho! A vida é repleta de etapas a serem cumpridas e nenhuma delas seria vencida se caminhássemos sós. Assim, ao fim deste trabalho restaram várias pessoas as quais devo algum tipo de gratidão. Inicialmente, devo agradecer a Deus, pelo dom da vida e por ter me concedido força e sabedoria para prosseguir nos momentos mais difíceis desta caminhada. Com muito amor, a minha mãe, Maria Natividade, baluarte de minha vida, por toda dedicação, valores transmitidos, e por não ter poupado esforços, dentro de suas possibilidades, para que eu pudesse chegar até aqui. A meu pai, Mário, que a cada encontro me fazia retornar a doce infância e esquecer por alguns instantes meus problemas! Agradeço pela cumplicidade e incentivo. Obrigada por entenderem muitas vezes minha ausência e por terem sido meus amigos e meus maiores cúmplices e por terem me mostrado que os desafios fortalecem e que é necessário encará-los com coragem, e que os fracassos existem para que exercitemos a humildade e saibamos sempre recomeçar. Nos momentos difíceis de minha vida sempre me espalharei em vocês! Aos meus irmãos, Karina e Mário Henrique, pelo exemplo de luta e caráter. A minha madrinha, Leila Dias pelas preces e serenidade em momentos essenciais desta jornada. A minha orientadora, Professora Maria Leônia, devo eterna gratidão por todos os documentos coletados para suas próprias pesquisas e que gentilmente me concedeu, como por exemplo, seção de alguns manuscritos da Biblioteca Nacional e obras de difícil obtenção que foram de grande importância na reflexão empreendida. Por suas leituras sempre críticas, rigorosas e justas, e, principalmente por me instigar a ler e produzir História na contramão das velhas verdades. Ensinou-me a olhar por outro ângulo a História do Brasil Colonial e foi de fundamental importância na minha opção pela História de Minas Gerais Setecentista. Agradável e único encontro! A Professora Núbia Braga devo muito mais que agradecimentos. Pela interlocução, pelas preciosas sugestões e indicações bibliográficas por correio eletrônico na fase do Bacharelado e que muito ajudaram na consolidação e amadurecimento do texto que viria se tornar uma dissertação. Pelas leituras críticas e atenciosas trazendo ponderações pertinentes e interessantes.

6 Ao Professor Danilo José Zioni Ferretti, cuja participação na banca de qualificação foi essencial para a tomada de novas posições. Sua generosidade, sua capacidade de trabalho e seu compromisso com a História são, sob todos os aspectos, dignos de admiração. Ao Professor Francisco Eduardo de Andrade que participou do exame de qualificação, pelas observações, críticas e sugestões, que foram primordiais para o aprimoramento do estudo. Sou grata a Professora Sílvia Brügger, que na disciplina, Seminários de Pesquisa, me ensinou a desconfiar dos discursos. Aos funcionários do Arquivo Regional do IPHAN de São João del Rei, que viabilizaram a digitalização do testamento e do inventário de Inácio Correia Pamplona e aos servidores do Arquivo Público Mineiro pela receptividade e presteza. Ao diretor da Casa Setecentista, Cássio Sales, e ao Monsenhor Flávio Carneiro Rodrigues, do Arquivo Eclesiástico da Arquidiocese de Mariana que me acolheu e permitiu o acesso ao Processo Matrimonial de Inácio Correia Pamplona e do Processo de Habilitação de Genere, Vitae et Moribus, de seu filho, o Pe. Inácio Correia Pamplona Corte Real. Documentos inéditos e de extrema relevância para compreender a trajetória de vida de Inácio Correia Pamplona. Ao Aílton, secretário do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de São João del Rei, por sua generosidade e agilidade na deliberação de todas as questões burocráticas. Aos funcionários da E. E. Padre Crispiniano Ritápolis/MG -, pelo incentivo. Agradeço com imensa alegria a minha amiga, Joyce, A sinhazinha das Lavras Novas do Funil, pelo reencontro acadêmico e por dividirmos as angústias da escrita. Aos meus amigos nos momentos difíceis e incertos, em especial Júlio, Cláudia, Sheila e Sílvia Costa: palavras, atos, felicidade e companheirismo são para sempre. Amigos de verdade são aqueles que nos marcam para sempre, estando sempre conosco independente de qualquer circunstância da vida. A São João del Rei, cidade dos sinos, da música e da História, conhecida como Princesa do Oeste! Foi nesta cidade cheia de histórias e tradições, de um coração cheio de estudantes de vários lugares, além de seu povo sempre acolhedor que objetivei tornar-me historiadora. Nada mais prazeroso que estudar História em uma cidade tão rica como esta! É por isso que neste momento, orgulho-me de ter dado aqui meus primeiros passos, concluindo um dos períodos mais importantes de minha vida!

7 Resumo A proposta desta pesquisa é analisar e compreender as estratégias utilizadas por um representativo potentado local, Inácio Correia Pamplona, de usar o poder lusitano para projetar-se no sertão oeste da Capitania de Minas Gerais na segunda metade do século XVIII. O presente estudo considera as relações de poder estabelecidas no sertão num emaranhado de interesses entre potentados e autoridades coloniais com a Coroa. Daí a discussão das estruturas de poder, das trocas de interesses serem parte para compreensão da atuação dos sertanistas e em específico de Pamplona. O sertanista conseguiu a confiança de importantes governadores das décadas de 1760 a 1780 se projetando no cenário colonial como um altivo representante das autoridades coloniais na esfera pública. Como líder sertanista foi responsável por inúmeras campanhas militares com o objetivo de civilizar e limpar os sertões de seus habitantes considerados bárbaros, ou seja, quilombolas, gentios e vadios. Para legitimar essas expedições foram criadas várias representações negativas dessa população. Assim através dessas expedições, o sertanista conquistou todo o sertão do Campo Grande sob a justificativa de um projeto civilizatório. No entanto, Pamplona ficou conhecido, antes de tudo, como o terceiro delator da Inconfidência Mineira. Palavras-chave Poder político - entradas e bandeiras sesmarias Minas Gerais colonial.

8 Abstract The aim of this research is analyze and understand the strategies of a representative local potentate, Inácio Correia Pamplona, in order to protrude himself into the west backlands of Minas Gerais s Captaincy in the second half of the eighteenth century. This study considers the power relations between stablished in the west backlands among potentates, colonial authorities, and the Portuguese Crown interests. Pamplona got the confidence of important rulers of the 1760 s and 1780 s, projecting himself as a proud representative of the colonial authorities in the public sphere. The power structures discussion and the exchange of interests are important to understand the role of sertanistas and, in particular, of Pamplona s role. As a sertanista leader he was responsible for numerous military campaigns with the goal of civilizing and clearing the backlands of its inhabitants considered barbarians: quilombolas, gentios and vadios. To legitimize these expeditions, several negative representations of this population were created. So through these expeditions, the sertanista conquered all the backlands of Campo Grande on the promise of grounds of putting on a civilizing project. Keywords - Political Power colonial expeditions - sesmarias - colonial Minas Gerais.

9 Lista de Ilustrações 1. Capela de Nossa Senhora da Glória do Arraial da Passagem Mariana - 35 Edificação do século XVIII 2. Genealogia da ascendência de Inácio Correia Pamplona Genealogia da descendência de Inácio Correia Pamplona 39 9

10 Lista de mapas 1. Mapa da Comarca do Rio das Mortes com os termos das Vilas de São João del 44 Rei matizado e São José branco. 2. Carta Geographica da Capitania de Minas Gerais [Caetano Luiz de Miranda, , Arquivo Histórico do exército, RJ]. 3. Mapa do itinerário feito pela comitiva de Luís Diogo Lobo da Silva em Mapa da conquista do mestre de campo Inácio Correia Pamplona Mapa da conquista do mestre de campo, regente, chefe da legião Inácio Correia 116 Pamplona (cerca de 1784). X

11 Sumário Lista de Ilustrações Lista de mapas IX X Introdução Capítulo 1 - O personagem e seu tempo: Inácio Correia Pamplona - trajetória pessoal e familiar Origem, destinos e família Comarca do Rio das Mortes: uma terra promissora à espera de Pamplona Administração, busca pela honra e remuneração dos vassalos na América portuguesa do Antigo Regime Capítulo 2 Uma trajetória de conquista e civilização: o sertão oeste das Minas Gerais setecentista O sertão: uma só terra e várias simbologias Palco de disputas e um mundo cheio de incertezas - região oeste mineira setecentista: o sertão gentílico e quilombola As entradas nos sertões do Eldorado mineiro e a perenidade da instituição das sesmarias As expedições de Pamplona no sertão oeste mineiro Ensaio da primeira experiência sertanista de Pamplona As expedições de 1764 e a de 1767 primeira marcha de Pamplona ao oeste mineiro A expedição de 1769 Inácio Correia Pamplona em marcha para civilizar um sertão rebelde As expedições de o sertão da riqueza: terra, ouro e índios Um herói para o sertão Capítulo 3 Da sedição à sedução: as manobras do Visconde de Barbacena e de Pamplona na Inconfidência Mineira (1789), e a morte de um revoltoso

12 astucioso (1810) Inconfidência Mineira: um breve diálogo com a historiografia Visconde de Barbacena: leal ou desleal vassalo? Quando Pamplona joga seu jogo mais arriscado: a Inconfidência Mineira A morte de Pamplona: um revoltoso agoniado (1810) Considerações Finais Fontes Bibliografia

13 Introdução Que intrépido, que ardente, que pasmoso! Vencendo vai ao monte desmedido Um novo herói buscando o cume erguido, Onde a fama erigiu seu templo honroso (...). * Hércules lhe dá a clava e diz a fama Respeitem as idades o meu brado; Aqui um Alcides novo hoje se aclama. * Já que foi como Hércules esforçado Cinja o grande Pamplona a verde rama Que o faça sempre eterno e decantado 1. Durante a década de 70, a historiografia sobre a América portuguesa sofreu um duplo abalo. Internamente, as obras de Ciro Flamarion Cardoso e Jacob Gorender 2 questionaram a máxima inaugurada e perpetuada nos anos anteriores que enrijecia a relação entre Portugal e suas conquistas americanas, bem como apontava a dependência, através do pacto colonial, destas últimas em detrimento da primeira. Na prática, estes autores colocaram em xeque a teoria do sentido da colonização de Caio Prado Júnior, mas respaldada por autores como Celso Furtado e Fernando Novais 3. Preocupados em entender a dinâmica interna, Cardoso e Gorender tentavam demonstrar que havia uma vida própria e autônoma nos confins da América, e que as necessidades da Coroa 1 Ao senhor Inácio Correia Pamplona condecorado com vários honrosos postos na sua expedição para a conquista do Campo Grande, cabeceiras do Rio São Francisco, Indaiá e Pernaíba [sic]. In: NOTÍCIA diária e individual. Anais da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, v. 108, pp , 1988, p CARDOSO, Ciro Flamarion. As concepções acerca do sistema econômico mundial: a preocupação obsessiva com a extração de excedente. In: LAPA, José Roberto do Amaral. Modos de produção e realidade brasileira. Petrópolis: Vozes, GORENDER, Jacob. O escravismo colonial. São Paulo, Ática, PRADO JR, Caio. Formação do Brasil Contemporâneo. Colônia. 16ª edição. São Paulo: Brasiliense, FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. 17ª edição. São Paulo: Editora Nacional, NOVAIS, Fernando. Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial ( ). São Paulo: Hucitec,

14 portuguesa não impediam a proliferação de outros modos de uso do negro e de atividades agrícolas. Externamente, o complexo colonial lusitano e as estruturas do Antigo Regime também foram questionadas com os trabalhos de Charles R. Boxer, A.J.R. Russell- Wood, António Manuel Hespanha 4 e outros. De um lado, Portugal passava a não ser visto mais isoladamente e sim inserido em um complexo ultramarino, marcado por uma teia de relações sociais que o dotavam de amplos tentáculos imperiais que precisavam ser harmonizados; do outro, sua estrutura política absolutista foi relativizada, demonstrando a existência de um corpo administrativo auxiliar e de um poder corporativo. Entender a lógica de funcionamento da sociedade colonial brasileira nesse contexto tem sido o mote dessa linha interpretativa. Os reflexos desses novos olhares, novas propostas e descobertas empurraram a historiografia colonial a tentar enxergar peculiaridades, especificidades e individualidades nas décadas seguintes. João Fragoso, Maria Fernanda Baptista Bicalho, Maria de Fátima Gouvêa 5, Stuart Schwartz 6, só para ficar em alguns casos, aprofundaram os estudos iniciados pelos historiadores dos anos 70 e descortinaram uma nova América portuguesa: com uma economia multifacetada, uma base política marcada pela negociação, com uma sociedade ampla, complexa e desenhada por características lusitanas adaptadas. Noções como economia do dom 7, economia de serviços circular 8, economia política de privilégios 9, dentre outras, têm informado os trabalhos empíricos sobre o período. Tomando a historiografia sobre Minas Gerais, confere-lhe uma conotação política também diferente, no tocante as relações verticais, distendendo as relações de dominação que se verificam de cima para baixo e enfatizando a capacidade de 4 BOXER, Charles R. A idade de ouro do Brasil: dores de um crescimento de uma sociedade colonial. Trad. Nair de Lacerda. São Paulo: Companhia Editora Nacional, RUSSEL-WOOD, A. J. R. O governo local na América portuguesa: um estudo de divergência cultural. Revista de História USP, ano 25, v. 55, pp , XAVIER, Ângela Barreto e HESPANHA, António Manoel. As redes clientelares. In: MATOSO, José (Direção). História de Portugal: o Antigo Regime. Lisboa: Estampa, FRAGOSO, João; BICALHO, Maria Fernanda & GOUVÊA, Maria de Fátima (Org.). O Antigo Regime nos trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, SCHWARTZ, Stuart. Segredos Internos: engenhos e escravos na sociedade colonial. São Paulo: Companhia das Letras, XAVIER, Ângela Barreto e HESPANHA, António Manoel. As redes clientelares. Op. cit. 8 MONTEIRO, Nuno Gonçalo. O crepúsculo dos grandes. A casa e o patrimônio da aristocracia em Portugal ( ). Lisboa: Imprensa Nacional da Casa-Moeda, FRAGOSO, João; BICALHO, Maria Fernanda & GOUVÊA, Maria de Fátima (Org.). O Antigo Regime nos trópicos. Op. cit. 14

15 habitantes da colônia comunicarem-se diretamente com a metrópole. Reconhecendo o potencial interpretativo possibilitado por esse viés, a eficácia da elite colonial com a capacidade de tecer redes clientelares, descortina-se os emaranhados das relações de poder na capitania mineira setecentista. Esse retrato começou a ser repensado no início dos anos oitenta. Através de um tratamento documental diferenciado, os autores contemporâneos perceberam outras perspectivas para se abordar o universo setecentista mineiro. A tese da centralidade política portuguesa na América foi enfaticamente refutada. Desta forma, os pesquisadores instigaram a repensar os discursos que permeiam a relação dicotômica entre Colônia e Metrópole 10. A riqueza de situações particulares revela a natureza da política e da prática administrativa, talhada nos inúmeros levantes e repressão; o nascimento de uma sociedade pluriétnica e pluricultural, tributária de moldes europeus, mas fadada a buscar arranjos novos para camuflar sua natureza. O olhar sobre o mercado interno, a tentativa de percepção das estratégias de potentados locais e de sua jus particular possibilitam ricas interpretações históricas sobre o sertão de Minas Gerais ampliando a compreensão sobre o cotidiano desse espaço histórico complexo. Assim buscamos ilustrar esses aspectos, rastreando a trajetória de Inácio Correia Pamplona, que muito contribui para dar carne e ossatura ao que, sem as personagens, seria apenas cogitação. 10 Destacam-se os trabalhos luminosos das atuais perspectivas e suas consequentes inovações nas interpretações da diversidade e complexidade da economia, do cotidiano, da política e da administração na Capitania de Minas Gerais no período setecentista. Para citar apenas alguns trabalhos, entre outros tantos: SOUZA, Laura de Mello e. Política e administração colonial: problemas e perspectivas. In: O sol e a sombra: política e administração na América Portuguesa do século XVIII. São Paulo, Cia. das Letras, pp FURTADO, Júnia Ferreira. Diálogos Oceânicos: Minas Gerais e as novas abordagens para o império marítimo português no século XVIII. In: SOUZA, Laura de Mello e; FURTADO, Júnia Ferreira & BICALHO, Maria Fernanda. O Governo dos Povos. São Paulo: Alameda, 2009, pp PAULA, João Antônio de. A mineração de ouro em Minas Gerais do século XVIII. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLATA, Luiz Carlos. História de Minas Gerais: As Minas Setecentistas. Vol. 1. Belo Horizonte: Autêntica, Companhia do Tempo, 2007, pp FURTADO, Júnia Ferreira. O Distrito dos diamantes: uma terra de estrelas. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLATA, Luiz Carlos. História de Minas Gerais: As Minas Setecentistas. Op. cit. pp GUIMARÃES, Carlos Magno; REIS, Flávia Maria da Mata. Agricultura e mineração no século XVIII. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLATA, Luiz Carlos. História de Minas Gerais: As Minas Setecentistas. Op. cit. pp MENESES, José Newton Coelho. A terra de quem lavra e semeia: alimento e cotidiano em Minas Gerais colonial. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLATA, Luiz Carlos. História de Minas Gerais: As Minas Setecentistas. Op. cit. pp SILVA, Flávio Marcus. Práticas comerciais e abastecimento alimentar em Vila Rica na primeira metade do século XVIII. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLATA, Luiz Carlos. História de Minas Gerais: As Minas Setecentistas. Op. cit. pp

16 A Capitania de Minas Gerais foi marcada desde a origem pela atividade mineradora que, embora não sendo atividade econômica exclusiva, foi um dos principais fatores que configurou a estrutura socioeconômica regional. A capitania passou a ocupar lugar central nas articulações político-econômicas do mundo lusobrasileiro setecentista. Tendo atraído grandes contingentes populacionais, aventureiros de várias partes do reino e também de outras regiões da própria América Portuguesa, os governos impuseram a capitania algumas adaptações. Através de um rápido processo de diferenciação socioeconômica, para receber e abrigar um elevado número de recémchegados, a maioria deles movidos pela mais desenfreada ambição e potencialmente propensos a entrar em conflitos de interesse, quer com seus iguais, quer com o Estado Português. Nas primeiras décadas do século XVIII, as Minas Gerais passaram por um processo de urbanização considerável marcado pela desorganização, todavia verificamse as estruturas de poder criadas nos núcleos urbanos e possivelmente sem par na história da colonização portuguesa até então conhecida. O cenário dominante nas Minas era de um permanente confronto dos novos habitantes desejosos de enriquecer rapidamente, e, portanto, tentando fugir da ação limitadora do Estado com as autoridades designadas para controlar o território, prontas a utilizar instrumentos de poder que a Coroa lhes conferia 11. Na medida em que se consolidavam as Minas de ouro, intensificou-se, a partir dos focos de povoamento, a exploração do sertão oeste e a expansão das fronteiras das terras agropastoris. Da terra sertaneja das Minas Gerais setecentista, emergiam do chão mais que ouro e diamantes. A terra abrigava uma rede de muitas teias a entrelaçar interesses de potentados, sesmeiros e posseiros. As autoridades coloniais descreviam o imenso espaço do sertão oeste, principalmente do Campo Grande e das nascentes do rio São Francisco, com os seus usuais, e indesejáveis, ocupantes - negros quilombolas, índios bravos e mestiços sem posição definida. Nas décadas de 1740 e 1750, com a expansão territorial da capitania de Minas Gerais e a instituição da rota de Goiás, aumentaram as tensões sociais naquele sertão, resultante da entrada constante de sesmeiros, roceiros, mineradores e faiscadores. Estes novos entrantes das Minas situaram-se no território, especialmente nos pontos estratégicos das rotas, ou nas áreas que dessem saída para os núcleos de povoamento 11 FURTADO, João Pinto. O manto de Penélope: história, mito e memória da Inconfidência Mineira de São Paulo: Companhia das Letras, 2002, p

17 mais antigos. Advém dessa ocupação, marcada por interesses econômicos e políticos dos coloniais, os conflitos de jurisdição num território constituído pelo enquadramento realizado pelos poderes eclesiásticos e civis. Alguns aspectos da ação política desencadeada na segunda metade do século XVIII tiveram por objetivo geral assegurar, para a Coroa portuguesa, a posse de seus domínios na América. Em larga medida, visava-se a formação de vassalos úteis à desejada grandeza do império colonial português. Entendemos que Sebastião José de Carvalho e Melo, o marquês de Pombal, foi o principal formulador da fundamentação teórica e das práticas políticas adotadas no projeto civilizador em terras coloniais. Nesse sentido, percebemos que, aos poucos, foi definido um "sistema político, civil e militar" para ser aplicado às capitanias do Estado do Brasil, o qual estava estabelecido sob um princípio geral: a Coroa portuguesa, para assegurar a posse de seus domínios americanos, precisava adotar ações que garantissem o aumento do "número dos fiéis alumiados da Luz do Evangelho, pelo próprio meio de multiplicação das povoações civis e decorosas" 12. Nesse período, consideramos que os domínios portugueses na América, passaram a receber, efetivamente, maiores atenções, especialmente quanto à delimitação de suas fronteiras com as terras espanholas e a consequente ocupação das terras do sertão, com o intuito de, povoando-as, garantir, sua posse. As autoridades coloniais e metropolitanas entendiam que o sertão mineiro precisava ser controlado e civilizado com base em suas próprias concepções do que viria a ser civilizado devido às suas riquezas e possibilidades econômicas - para isso era imprescindível sua conquista 13. Pode-se perceber que junto à ideia de conquista havia claramente definida a busca por algo que era identificado com o conceito de riqueza. No caso de Minas 12 INSTRUÇÃO de Governo de Mendonça Furtado. In MENDONÇA, Marcos Carneiro de. Rios Guaporé e Paraguai: primeiras fronteiras definitivas do Brasil. Rio de Janeiro: Xerox do Brasil, 1985, pp Durante o século XVIII, o conceito de civilização desempenhou um papel importante no discurso da colonização nas terras portuguesas. Carregado de uma dimensão metropolitana, o conceito alcançou uma ampla extensão, penetrando também em áreas que praticamente não tinham ainda sido influenciadas pelos poderes coloniais. A função política e sócio-cultural do uso do conceito variou bastante de acordo com o contexto histórico. No caso, do território colonial, o termo passou a designar de acordo com os interesses portugueses uma oposição entre o progresso metropolitano - e a barbárie sertões. BOER, Pim den. Civilização: comparando conceitos e identidades. In: FERES JÚNIOR, João e JASMIN, Marcelo. História dos conceitos: diálogos transatlânticos. 1ª Ed. Rio de Janeiro: Editora PUC-Loyola-IUPERJ, pp Um dos elementos constituidores da ação política desencadeada na segunda metade do século XVIII e que teve por objetivo geral assegurar para a Coroa portuguesa na América foi a delimitação das fronteiras e a ocupação das terras no sertão, com o intuito de, povoando-as, garantir, a sua posse. E para isso, o governo não hesitou em adentrar as áreas proibidas e dominar todo tipo de resistência frente ao processo de ocupação da terra. 17

18 Gerais, esta era associada principalmente ao ouro e aos diamantes, a concessões de sesmarias e a escravização indígena, ainda que residual 14. E para obter estas riquezas nenhum esforço seria medido. Era por elas que todas as forças eram reunidas e tudo era justificado. As expedições enviadas ao sertão exemplificam isto, ou seja, empreendiam implacáveis guerras contra as populações nativas e até mesmo a dizimação de muitas delas com o objetivo de localizar ouro e transformar aquelas terras em áreas seguras aos mineradores. Em Minas Gerais, o povoamento da região oeste 15 e do leste também apresentava um problema de difícil solução: por mais que as autoridades tentassem por meios diversos controlar essa região, ela continuou a ser pelo menos até meados do século XIX esconderijo de inúmeros quilombolas e palco de tribos consideradas como selvagens e bárbaras 16. Essa população passou a ser associada a empecilhos à expansão e, por que não, à civilidade apregoada pelas autoridades. Eram vistos como verdadeiros inimigos públicos. O sertão oeste mineiro era um local fora de controle das autoridades. Por mais que tentassem controlar as terras e os homens, pouco ou nada conseguiam. Diante disso, pode-se afirmar que durante o século XVIII houve um projeto de civilização voltado para a Colônia. Embora tenha sido desenvolvido na Metrópole tal projeto foi, em linhas gerais, apropriado pelas elites coloniais. Uma das principais ideias era a crença de que a sociedade branca vista como a civilizada deveria incorporar outras áreas à fronteira colonial, preferencialmente ricas e com possibilidades de produzirem, mas que estavam sob controle de bárbaros, ou seja, daqueles que não compartilhavam dos mesmos 14 Para uma análise das conquistas ou entradas em Minas Gerais do século XVIII, remeto ao excelente estudo de RESENDE, Maria Leônia Chaves de. Gentios Brasílicos: índios coloniais na Minas Gerais Setecentista. 2003, 401 f. Tese (Doutorado em História). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, Cf. também: LANGFUR, Harold Lawrence. The Forbidden Lands: frontier, Settlers, Slaves and Indians in Minas Gerais, Brazil, Faculty of the Graduate School, University of Texas/Austin, Foi justamente essa a parte da Capitania onde o confronto de agricultores potenciais e quilombolas se manifestou com maior intensidade, assim como a que hoje mais propriamente se conhece como Triângulo Mineiro. Proliferaram os quilombos: por todo o período, o do Ambrosio ou o do Campo Grande; e ainda o de Indaiá, Pedra Menina e Abaeté, em 1768; o de Paraibuna, em 1769; o de Bambuí e o de Tamanduá, em Para uma lista bastante completa dos Quilombos em Minas Gerais setecentista, ver GUIMARÃES; Carlos Magno. A Negação da Ordem Escravista: quilombos em Minas Gerais no Século XVIII. São Paulo: Ícone, AMANTINO, Márcia Sueli. O Mundo das Feras: Os moradores do sertão oeste de Minas Gerais século XVIII f. Tese (Doutorado em História). Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Rio de Janeiro, AMANTINO, Márcia Sueli. O Mundo das Feras. Op. cit. p

19 sistemas culturais e de valores. Para isso era necessário eliminar de uma forma ou de outra, estes elementos 17. O projeto civilizador proposto para Minas Gerais só seria levado a esse efeito se houvesse um controle sobre a existência daqueles que viviam no sertão, e se esse controle fosse estendido também às terras. O controle sobre essas terras era teoricamente de fácil solução, uma vez que eram doadas sob a forma de sesmarias a quem tivesse condições de desenvolvê-las 18. Os sérios obstáculos com relação ao povoamento das áreas mais afastadas eram os grupos indígenas e os quilombolas. Assim com o objetivo de controlar essa região e sua população, várias expedições foram enviadas aos sertões. O objetivo era destruir qualquer elemento que estivesse prejudicando o povoamento e desenvolvimento da região. Após ter solucionado este problema, sesmarias deveriam ser distribuídas a fim de que pessoas passassem a arcar com a responsabilidade de manter a área livre dos quilombolas e dos índios. Durante a expedição era preciso também criar Igrejas, símbolo do poder espiritual sobre os homens, cuidar das pendências judiciais que fossem encontradas, casar as pessoas que viviam em concubinato e iniciar plantações que facilitassem novas expedições 19. Inácio Correia Pamplona, português de origem, cumpriu bem esse papel, tendo sua vida marcada pelas atividades desbravadoras nos sertões da capitania mineira, exterminando índios e quilombolas que se localizavam no oeste de Minas Gerais e pelo controle quase que absoluto que detinha da região em função de possuir muitas terras e poderes conferidos pelos próprios Governadores 20. Pamplona apresentou-se, dessa forma, como um pacificador do sertão, administrando a justiça aos litigantes, até contra o próprio interesse, e promovendo o 17 O caso de Minas é peculiar. Ver construção ideológica dos índios como barreira ao progresso de Minas, justificando inclusive a Guerra contra os Botocudos. RESENDE, Maria Leônia Chaves de. Gentios Brasílicos. Op. cit., pp Conforme determinação de 1731, do Conselho Ultramarino, cabia meia légua de quadra de terra sob a condição de possuir escravaria o bastante para cultivar a terra. Para tanto só poderia ser reivindicada em sesmaria uma possessão de terra devoluta, ouvidas as Câmaras e devidamente confirmada pelo crivo real. Porém, na prática, o que ocorreu foi a invasão reiterada de terras indígenas. Eram os próprios colonos que se incumbiam de recorrer a muitas artimanhas para burlar as restrições legais. A unidade da área utilizada era a de légua em quadra ou légua quadrada. A légua de sesmaria equivale a 6,6 quilômetros, e a légua em quadra, portanto a 43,56 quilômetros quadrados ou a hectares. Sobre a legislação que vigorou nas concessões de sesmarias, ver BARBOSA, Waldemar. História de Minas. Belo Horizonte: Ed. Comunicação, 1979, pp De acordo com Maria Leônia a maior benesse nas Minas Gerais Setecentistas girou em torno das concessões de sesmarias aos entrantes nos sertões inóspitos que rompiam a esmo. Cf. RESENDE, Maria Leônia Chaves de. Gentios Brasílicos. Op. cit., pp NOTÍCIA diária e individual. Op. cit. pp BARBOSA, Waldemar de Almeida. A capitania de Minas Gerais. Belo Horizonte: Imprensa oficial,

20 bem comum de todos. Representante do governador, ele era instrumento da paz, e por isso sua presença era necessária; revelava-se aqui a responsabilidade tradicional do poder régio na pacificação social. Inácio Correia Pamplona, líder de várias expedições enviadas aos sertões mineiros, fazia questão de resolver as pendências judiciais, prender criminosos, processar outros e matar os inimigos indígenas e quilombolas 21. Foi aclamado por seu séquito em todas as entradas que rompiam a esmo pelos sertões. Enaltecido por seus companheiros de jornada como um semideus, foi por várias vezes igualado aos grandes personagens mitológicos e heróis da antiguidade, remetendo sempre a atos de honra e valentia. Assim chegavam a compará-lo a Hércules, a Moisés e ao rei Xerxes, da Pérsia 22. Figura extraordinária por seus feitos guerreiros, seu valor e sua magnanimidade. Um herói. É esse o modelo que transpira da pose altiva, do olhar penetrante, das armas e dos atos de coragem que compunham o estereótipo de Pamplona. Essa visão romantizada foi fruto das motivações políticas específicas que acabaram por tornar o sertanista uma figura transcendental aos olhos de seus homens. O poderoso Hércules do sertão não passava de um homem bruto e rústico que usava da violência para dominar a população do sertão e que se valia de poderes repassados pelas autoridades coloniais para se afirmar enquanto liderança maior nas áreas em que o poder central não tinha acesso. Homem multifacetado, Pamplona era guardião de um mosaico de interesses que muito usou do sertão para reclamar inúmeras benesses. A construção de uma retórica exagerada em torno de sua imagem, na verdade é apenas uma forma de vangloriar seus feitos, ora mais evidente, ora mais camuflada, sendo necessário perscrutar através do sertão. O impacto desse território, contudo, provocou uma mudança radical no espírito dos homens que acompanham o sertanista: metamorfoseavam a natureza e o líder em matéria poética. A partir daí, Pamplona passaria a oscilar em frequência cada vez maior entre as imagens que dançavam na imaginação, vindas dos matos, montes, rios e dos descampados que a comitiva percorria. 21 SILVEIRA, Marco Antônio. O Universo do Indistinto: Estado e Sociedade nas Minas Gerais Setecentista f. Dissertação (Mestrado em História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, Cf. p.27 e ss. 22 Cf. os poemas recitados em homenagem a Pamplona durante a expedição de Notícia diária e individual das marchas e acontecimentos mais condignos da jornada que fez o senhor mestre de campo regente e guarda mor Inácio Correia Pamplona, desde que saiu de sua casa e fazenda do Capote às conquistas do sertão, até de retornar a sua dita fazenda. In: NOTÍCIA diária e individual. Op. cit. 20

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL: IMPÉRIOS IBÉRICOS NO ANTIGO REGIME

TÓPICO ESPECIAL: IMPÉRIOS IBÉRICOS NO ANTIGO REGIME TÓPICO ESPECIAL: IMPÉRIOS IBÉRICOS NO ANTIGO REGIME Optativa / Carga Horária: 60hs Ementa: O curso visa analisar a formação dos Impérios Ibéricos entre os séculos XV e XVIII, considerando-se a perspectiva

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA 1) Sociologia II A Escola de Ciências Sociais / CPDOC da FGV-RJ informa a abertura de processo seletivo para a contratação de um professor horista para a disciplina

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 Jessica Aparecida Correa 1,orientador- Paulo Roberto

Leia mais

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB Tutor: Gildásio Santana Júnior Bolsista: Iago Fernandes Botelho e Silva Resenha da

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I)

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I) CIÊNCIAS SOCIAIS M.I DESENVOLVIMENTO DESIGUAL E COMBINADO DA SOCIEDADE MODERNA Formação Econômica e Social Brasileira (I) Profa. Claudete Pagotto Período 2 2012 2 OBJETIVOS: Abordar as características

Leia mais

Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais

Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais Sou apenas uma rua na cidadezinha de Minas. Cruz da Igreja de N. Sra do Carmo Ouro Preto Minas há muitas. Provavelmente a Minas que mais nos fascina

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

c. 1808-1824 Notas Preliminares de Pesquisa

c. 1808-1824 Notas Preliminares de Pesquisa O Governo Econômico da Vila de São João Del Rei, c. 1808-1824 Notas Preliminares de Pesquisa Tarcísio Greggio Mestrando em História Social/UFRJ. Bolsista CAPES/CNPq tarcisiogreggio@hotmail.com Resumo:

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Expansão Territorial. Norte (Vale Amazônico): Nordeste: Drogas do Sertão / Missões. Cana-de-açúcar. Sul. Litoral.

Expansão Territorial. Norte (Vale Amazônico): Nordeste: Drogas do Sertão / Missões. Cana-de-açúcar. Sul. Litoral. Expansão Territorial Norte (Vale Amazônico): Drogas do Sertão / Missões Nordeste: Cana-de-açúcar Sertão Nordestino Litoral Sul Pecuária Fortes de defesa Pau-Brasil Missões Jesuíticas Pecuária Tratados

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS?

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS? EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

PROVA de HISTÓRIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2006. Questão 01 II) Leia, atentamente, o trecho abaixo e responda ao que se pede:

PROVA de HISTÓRIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2006. Questão 01 II) Leia, atentamente, o trecho abaixo e responda ao que se pede: PROVA de HISTÓRIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2006 (cada questão desta prova vale até cinco pontos) Questão 01 Leia, atentamente, o trecho abaixo e responda ao que se pede: Para o filósofo grego Platão, nenhuma

Leia mais

(Só faz fé a versão proferida)

(Só faz fé a versão proferida) Exmo. Senhor Presidente do Centro Desportivo e Cultural de Londres, Exmo. Senhor Embaixador, Exmo. Senhor Cônsul Geral, Exmo. Senhor Adido Social, Exmo. Senhor Conselheiro das Comunidades Madeirenses,

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS

AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS Jaqueline Freitas dos Santos 692 jaquelineufmg_09@hotmail.com Klécia Gonçalves de Paiva Farias kleciagp@gmail.com

Leia mais

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano História/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºhis303r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano 3º trimestre Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 3º trimestre. Como base neles você deverá

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA Rosemary Maria do Amaral 1 RESUMO: Antes mesmo de sua descoberta nas minas, alguns caminhos começaram

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

FORMAR-SE. Há em muitas de nossas falas, quando terminamos um ciclo, algo que ocorre muito

FORMAR-SE. Há em muitas de nossas falas, quando terminamos um ciclo, algo que ocorre muito FORMAR-SE Senhoras e senhores, Há em muitas de nossas falas, quando terminamos um ciclo, algo que ocorre muito na cultura, algo que tem a profunda marca antropológica dos rituais: a celebração de uma passagem,

Leia mais

RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO

RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO Resenha do livro de José Murilo de Carvalho, Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República

Leia mais

DIREITO E ABASTECIMENTO ALIMENTAR EM MINAS GERAIS NO SÉCULO XVIII

DIREITO E ABASTECIMENTO ALIMENTAR EM MINAS GERAIS NO SÉCULO XVIII DIREITO E ABASTECIMENTO ALIMENTAR EM MINAS GERAIS NO SÉCULO XVIII Flávio Marcus da Silva - FAPAM Faculdade de Pará de Minas MG O objetivo deste trabalho é analisar o abastecimento alimentar nas Minas do

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data:

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: REVISÃO FINAL PARA O SIMULADO 1ª Avaliação: Imperialismo na Ásia e na África 01. Podemos sempre

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE O Brasil é considerado um país de dimensões CONTINENTAIS, pois sua área de 8.514.876 Km² é quase igual a do Continente Oceânico. Ele é o 5º país em extensão territorial

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949.

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. Palavras-chave: Anápolis, árabe, desenvolvimento, comércio. LUPPI, Sheila Cristina Alves de Lima 1 POLONIAL, Juscelino Martins

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Estatutos da Aliança Francesa

Estatutos da Aliança Francesa Estatutos da Aliança francesa Estatutos da Aliança Francesa Preâmbulo A Aliança francesa é um movimento internacional criado em 1883, apolítico e não confessional, que se deu por missão ensinar a língua

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA A ANGOLA Jantar no Futungo

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos.

Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos. Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos. Rafael Augusto De Conti 1. SUMÁRIO: 1. Introdução; 2. Minorias Grau Avançado de desproteção jurídica; 3.

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS

IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS A P R E S E N T A Ç Ã O 6 IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS A presente publicação consolida uma série de informações sobre os balanços sociais de empresas que atuam no Brasil

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 1 o Bimestre 5 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia o texto a seguir e responda Na

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. Sobre as formas de conquista e exploração do governo português, associe corretamente as colunas. a) Relações diplomáticas.

Leia mais

VOCÊ É MOTIVO DE LOUVOR? MARCAS DE LOUVOR

VOCÊ É MOTIVO DE LOUVOR? MARCAS DE LOUVOR 1 VOCÊ É MOTIVO DE LOUVOR? MARCAS DE LOUVOR Fp 1 3 Agradeço a meu Deus toda vez que me lembro de vocês. 4 Em todas as minhas orações em favor de vocês, sempre oro com alegria 5 por causa da cooperação

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO 18 de Novembro de 2010 Teatro Municipal de Almada Senhora Presidente da Associação dos Profissionais de Serviços Social, Dr.ª Fernanda Rodrigues Senhoras e Senhores

Leia mais

Nossa Responsabilidade e Compromisso com a Gente Brasileira

Nossa Responsabilidade e Compromisso com a Gente Brasileira Notandum Libro 12 2009 CEMOrOC-Feusp / IJI-Universidade do Porto Nossa Responsabilidade e Compromisso com a Gente Brasileira Prof. Dr. Jair Militão da Silva Prof. Associado FEUSP - Aposentado Professor

Leia mais

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot Viver com atenção O c a m i n h o d e f r a n c i s c o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot 2 Viver com atenção Conteúdo 1 O caminho de Francisco 9 2 O estabelecimento

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 8º ANO

LISTA DE RECUPERAÇÃO 8º ANO 1 Nome: nº Data: / /2012 ano bimestre Profa.: Denise LISTA DE RECUPERAÇÃO 8º ANO Nota: 1) A arte barroca ganhou espaço e passou a inaugurar um novo período na arte européia, que já havia experimentado

Leia mais

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor.

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor. OSVALDO Bom dia! Meu nome é Osvaldo, tenho 15 anos, sou de Santa Isabel SP (uma cidadezinha próxima à Guarulhos) e, com muito orgulho, sou bolsista ISMART! Ingressei no ISMART este ano e atualmente estou

Leia mais