manual de enfermagem no cuidado crítico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "manual de enfermagem no cuidado crítico"

Transcrição

1

2 manual de enfermagem no cuidado crítico INTERVENÇÕES EM ENFERMAGEM E CONDUTAS COLABORATIVAS (A NOVA EDIÇÃO DO SWEARINGEN)

3

4 manual de enfermagem no cuidado crítico INTERVENÇÕES EM ENFERMAGEM E CONDUTAS COLABORATIVAS (A INTERVENÇÕES NOVA EDIÇÃO DO EM SWEARINGEN) ENFERMAGEM E CONDUTAS COLABORATIVAS 6 a EDIÇÃO MARIANNE SAUNORUS BAIRD, MN, RN Clinical Nurse Specialist Acute Care Magnet Program Coordinator Center for Nursing Excellence Saint Joseph s Hospital Atlanta, Georgia SUSAN BETHEL, MS, RN Director of Clinical Programs & Research Greenville Hospital System University Medical Center Greenville, South Carolina

5 2012 Elsevier Editora Ltda. Tradução autorizada do idioma inglês da edição publicada por Mosby, Inc. um selo editorial Elsevier Inc. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei de 19/02/1998. Nenhuma parte deste livro, sem autorização prévia por escrito da editora, poderá ser reproduzida ou transmitida sejam quais forem os meios empregados: eletrônicos, mecânicos, fotográficos, gravação ou quaisquer outros. ISBN: Copyright 2011, 2005, 2001, 1998, 1995, 1991 by Mosby, Inc., Elsevier Inc. All rights reserved. This edition of Manual of Critical Care Nursing: Nursing Interventions and Collaborative Management, sixth edition by Marianne Saunorus Baird and Susan Bethel is published by arrangement with Elsevier Inc. ISBN: Capa Folio Design Editoração Eletrônica Futura Elsevier Editora Ltda. Conhecimento sem Fronteiras Rua Sete de Setembro, nº º andar Centro Rio de Janeiro RJ Rua Quintana, nº 753 8º andar Brooklin São Paulo SP Serviço de Atendimento ao Cliente Preencha a ficha de cadastro no final deste livro e receba gratuitamente informações sobre os lançamentos e promoções da Elsevier. Consulte também nosso catálogo completo, os últimos lançamentos e os serviços exclusivos no site NOTA O conhecimento médico está em permanente mudança. Os cuidados normais de segurança devem ser seguidos, mas, como as novas pesquisas e a experiência clínica ampliam nosso conhecimento, alterações no tratamento e terapia à base de fármacos podem ser necessárias ou apropriadas. Os leitores são aconselhados a checar informações mais atuais dos produtos, fornecidas pelos fabricantes de cada fármaco a ser administrado, para verificar a dose recomendada, o método e a duração da administração e as contraindicações. É responsabilidade do médico, com base na experiência e contando com o conhecimento do paciente, determinar as dosagens e o melhor tratamento para cada um individualmente. Nem o editor nem o autor assumem qualquer responsabilidade por eventual dano ou perda a pessoas ou a propriedade originada por esta publicação. O Editor CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ B141m 6.ed. Baird, Marianne Saunorus Manual de enfermagem no cuidado crítico : intervenções de enfermagem e condutas colaborativas / Marianne Saunorus Baird, Susam Bethel ; [tradução Maria Inês Corrêa Nascimento...et al.]. - 6.ed. - Rio de Janeiro : Elsevier, p. : 21 cm Tradução de: Manual of critical care nursing Inclui bibliografia Apêndice Índice ISBN Enfermagem de tratamento intensivo. 2. Diagnóstico de enfermagem. I. Bethel, Susam. II. Título CDD: CDU:

6 SUPERVISÃO DA REVISÃO CIENTÍFICA Diná de Almeida Lopes Monteiro da Cruz Professora Titular do Departamento de Enfermagem Médico-cirúrgica da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (EEUSP) Doutora e Mestre pela (EEUSP) REVISÃO CIENTÍFICA Adriana Janzantte Ducci (Cap. 4) Doutoranda e Mestre em Enfermagem pelo Programa de Saúde do Adulto da EEUSP Especialista em Enfermagem modalidade residência em Unidade de Terapia Intensiva pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) Consuelo Garcia Correa (Cap. 8 e Apêndice 1 [parte]) Especialista em Cardiologia pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (InCor-HCFMUSP) e EEUSP Professora Titular do Curso de Graduação em Enfermagem do Centro Universitário Monte Serrat, Santos/SP Doutora em Enfermagem pela EEUSP Mestre em Fundamentos de Enfermagem pela EEUSP Cristina Helena Constanti Settervall (Cap. 3 [parte] e Apêndices 2, 3, 4 e 5 [partes]) Mestre em Ciências da Saúde pela EEUSP Enfermeira pelo Centro Universitário São Camilo, SP Diná de Almeida Lopes Monteiro da Cruz (Cap. 1 [parte], Apêndice 8 e Índice) Erika de Souza Guedes (Cap. 11 e Apêndice 7) Especialista em Enfermagem em Cardiologia pelo InCor-HCFMUS Mestranda da EEUSP Fabiana Gonçalves de Oliveira Azevedo Matos (Cap. 1 [parte]) Professora Adjunta do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Campus Cascavel Doutora e Mestre em Ciências pela EEUSP Juliana Nery de Souza Talarico (Cap. 7) Professora Adjunto do Departamento de Enfermagem Médico-cirúrgica da USP Doutora e Mestre em Enfermagem na Saúde do Adulto e Idoso pela USP Katia Grillo Padilha (Cap. 2 [parte]) Enfermeira Professora Titular do Departamento de Enfermagem Médico-cirúrgica da EEUSP Coordenadora Geral do Programa de Pós-graduação em Enfermagem na Saúde do Adulto da EEUSP Doutora em Enfermagem pela EEUSP Lilia de Souza Nogueira (Cap. 3 [parte] e Apêndices 2, 3, 4 e 5 [partes]) Especialista em Terapia Intensiva pelo Centro Universitário São Camilo e em Enfermagem em Cardiologia pela UNIFESP Mestre e Doutoranda pela EEUSP

7 Maria de Fatima Fernandes Vattimo (Cap. 6) Professora Livre Docente do Departamento de Enfermagem na Saúde do Adulto e Idoso da EEUSP Mestre e Doutora em Ciências de Nefrologia pela UNIFESP Mariana Alvina dos Santos (Cap. 9) Especialista em Enfermagem Cardiovascular pelo Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia de São Paulo Mestre em Ciências da Saúde pela EEUSP Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Enfermagem na Saúde do Adulto da EEUSP Rafaela Andolhe (Cap. 2 [parte]) Enfermeira Doutoranda em Enfermagem na Saúde do Adulto pela EEUSP Mestre em Enfermagem pelo Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), RS Regina Marcia Cardoso de Sousa (Cap. 3 [parte] e Apêndices 2, 3, 4 e 5 [partes]) Professora Associada do Departamento de Enfermagem Médico-cirúrgica da EEUSP Professora Permanente do Programa de Pós-graduação em Enfermagem na Saúde do Adulto (PROESA) Doutora e Mestre em Enfermagem pela USP Rita de Cassia Gengo e Silva (Cap. 5 e Apêndice 1 [parte]) Enfermeira do Serviço de Educação do InCor-HCFMUSP Doutora em Ciências (Programa de Cardiologia) pela FMUSP Mestre em Ciências pela FMUSP Silvia Regina Secoli (Cap. 10 e Apêndice 6) Enfermeira Professora Associada do Departamento de Enfermagm Médico-cirúrgica da EEUSP Líder do Grupo de Pesquisa Manejo da Terapia Farmacoógica na Prática Clínica do Enfermeiro cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) TRADUÇÃO Alexandre Maceri Midão (Cap. 8) Professor Auxiliar da Disciplina de Cirurgia Geral da Faculdade de Medicina de Petrópolis (FMP), RJ Residência Médica em Cirurgia Geral-vascular pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) Cirurgião Vascular do Hospital Municipal Souza Aguiar, RJ Especialista em Educação Médica pela Faculdade de Petrópolis Cirurgião-geral do Hospital Geral de Bonsucesso, RJ Fernando Diniz Mundim (Caps. 3 e 4) Professor Adjunto do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da UFRJ Ione Araújo Ferreira (Cap. 6) Bacharel em Jornalismo pela UFRJ Mestre em Comunicação pela UFRJ Tradutora Luiz Claudio de Queiroz Faria (Cap. 7) Tradutor Técnico, RJ

8 Maria de Lourdes Giannini (Cap. 5) Tradutora Maria Inês Corrêa Nascimento (Cap. 2 e Apêndice 8) Bacharel em Tradução Bilíngue pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) ATA Member Portuguese Language and Medical Divisions Mônia Cláudia Sartoratto (Cap. 11) Bacharel em Fisioterapia pelo Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP) Visiting Research Fellow da Andrews University, EUA Monica de Queiroz Telles Spadoni Neves (Cap. 10) Médica da Disciplina de Endocrinologia e Metabologia do Laboratório de Lípides da FMUSP Monica Farah Pereira (Cap. 9) Doutora em Biologia pela UERJ Mestre em Biologia pela UERJ Regina Machado Garcez (Cap. 1) Graduação em Letras (Licenciatura Plena Inglês/Português e Literaturas) pela Universidade do Vale do Rio do Sinos (UNISINOS), São Leopoldo/RS Pós-graduação em Inglês pela UNISINOS Certificado de Michigan (EUA) Certificado de Proficiência em Inglês (CPE-Cambridge, Reino Unido) Renata Eloah de Lucena Ferretti (Apêndices 1 a 7) Profa. Doutora do Departamento de Enfermagem Médico-cirúrgica da EEUSP Profa. Doutora do Curso de Enfermagem do Centro Universitário São Camilo, SP Coordenadora das entrevistas clínicas do BEHGEEC-FMUSP-LIM 22 Coordenadora do curso de Graduação em Enfermagem da UniABC, SP Doutora em Ciências (Patologia no Envelhecimento) pela FMUSP Especialista em Enfermagem Geriátrica e Gerontológica pela UNIFESP Enfermeira pela UNIFESP Tatiana Ferreira Robaina (Índice) Professora Substituta de Estomatologia da Faculdade de Odontologia da UFRJ Doutoranda em Ciências pela UFRJ Mestre em Patologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF), RJ Cirurgiã-dentista pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), RS

9

10 Colaboradores Jenni Jordan Abel, RN, CME Staff Nurse Surgical Intensive Care Unit University of Colorado Hospital Denver, Colorado Patrice C. Al-Saden, RN, CCRC Senior Clinical Research Coordinator Comprehensive Transplant Center Feinberg School of Medicine Northwestern University Northwestern Memorial Hospital Chicago, Illinois Marianne Saunorus Baird, MN, RN Clinical Nurse Specialist Acute Care Magnet Program Coordinator Center for Nursing Excellence Saint Joseph s Hospital Atlanta, Georgia Laura Barrett, BSN, MN, RNC Curriculum Consultant Greenville HealthCare Simulation Center Greenville Hospital System University Medical Center Greenville, South Carolina Risa Benoit, MSN, RN, CCRN-CSC, CNS-BC Clinical Nurse Specialist Critical Care Center for Nursing Excellence Saint Joseph s Hospital Atlanta, Georgia Susan Bethel, MS, RN Director of Clinical Programs & Research Greenville Hospital System University Medical Center Greenville, South Carolina Cheryl Bittel, MSN, RN, CCRN Cardiac Transplant Coordinator Transplant Services Piedmont Heart Institute Atlanta, Georgia Carolyn Blayney, BSN, RN Nurse Manager Burn Intensive Care Unit University of Washington Burn Center Harborview Medical Center Seattle, Washington Mimi Callanan, MSN, RN Clinical Nurse Specialist Department of Neurology Epilepsy Center Stanford University Medical Center Stanford, California Gretchen J. Carrougher, MN, RN Clinical Instructor University of Washington School of Nursing NIDRR Research Nurse Supervisor Department of Surgery University of Washington Burn Center Harborview Medical Center Seattle, Washington Cynthia Rebik Christensen, MSN, FNP, ARNP-BC Nurse Practitioner Mobile Medical Professionals Des Moines, Iowa A. Suzanne Cosby, MSN, RN, CCRN Clinical Nurse Specialist St. Joseph s/candler Health System Savannah, Georgia Alice Davis, PhD, APRN, FNP Assistant Professor, Nursing University of Hawaii at Hilo Hilo, Hawaii Joni Dirks, MSN, RN, CCRN Critical Care Educator Providence Sacred Heart Medical Center and Children s Hospital Spokane, Washington

11 x COLABORADORES Carey Freeland, MSN, RN, CCRN Clinical Manager and Clinical Nurse Specialist Coronary Care Unit and Intensive Care Unit St. Joseph s/candler Savannah, Georgia Beverly George-Gay, MSN, RN, CCRN Assistant Professor Department of Nurse Anesthesia Virginia Commonwealth University Richmond, Virginia Vicki Good, MSN, RN, CCRN, CENP Director of Nursing Cox Health System Springfield, Missouri Phyllis Gordon, MSN, RN, CS, APRN-BC Clinical Assistant Professor School of Nursing Clinical Nurse Specialist Department of Surgery, Vascular Division University of Texas Health Science Center at San Antonio San Antonio, Texas Kathleen Halvey, MN, RN, NP-BC Nurse Practitioner Heart Failure Center Saint Joseph s Hospital Atlanta, Georgia Adina Chaya Hirsch, PharmD Nutrition Support Pharmacist Pharmaceutical Care Pharmacist Saint Joseph s Hospital of Atlanta Atlanta, Georgia Shari Honari, BSN, RN Burn Research Supervisor Department of Surgery University of Washington Burn Center Harborview Medical Center Seattle, Washington Alice Kerber, MSN, RN, AOCN, APNG Clinical Nurse Specialist Cancer Screening and Genetics Saint Joseph s Hospital Atlanta, Georgia Cathie Osika Landreth, BSN, MS, CCRN, CEN Trauma Program Coordinator Clinical Nurse Specialist Greenville Hospital System University Medical Center Greenville, South Carolina Laura Leigh Leary, MS, RN-BC, OCN Nursing Instructor Mary Black School of Nursing University of South Carolina Upstate Spartanburg, South Carolina Lynda Liles, RN, MBA, CCRN Performance Improvement Specialist Department of Patient Safety and Quality Saint Joseph s Hospital Atlanta, Georgia Barbara McLean, MN, RN, CCRN, CCNS-NP, FCCM Consultant in Critical Care Atlanta, Georgia Mary Ann Mullaney, MS, RN, CWCN, CGNP Wound/Ostomy Care Nurse Greenville Hospital System University Medical Center Greenville, South Carolina Barbara Nickles, MN, BSN, RN Associate Dean, Nursing Specialties and Simulation Project Greenville Technical College Greenville, South Carolina Paul E. Schmidt, RPh, BCPS Adjunct Faculty, Pharmacy University of Georgia Athens, Georgia; Mercer University Atlanta, Georgia; Clinical Pharmacist Saint Joseph s Hospital Atlanta, Georgia Elizabeth Scruth, MN, RN, MPH, CCRN, CCNS, PhD(c) Assistant Clinical Professor School of Nursing University of California San Francisco, California; Critical Care Clinical Nurse Specialist Nursing Education Kaiser Permanente San Jose, California Connie Steed, MSN, RN, CIC Director, Infection Prevention and Control Greenville Hospital System University Medical Center Greenville, South Carolina

12 COLABORADORES xi Joyce C. Warner, MN, RN, CCRN Nurse Clinician Surgical Intensive Care Unit Emory Healthcare Atlanta, Georgia Patricia Weiskittel, MSN, RN, CNN, ACNP-BC Renal/Hypertension Nurse Practitioner Department of Internal Medicine Cincinnati Veteran s Administration Medical Center Cincinnati, Ohio Karen Zorn, MSN, RN, ONC Wellstar School of Nursing Kennesaw State University Kennesaw, Georgia; Clinical Nurse Specialist Acute Care and Informatics Center for Nursing Excellence Saint Joseph s Hospital Atlanta, Georgia REVISORES Michael D. Aldridge, MSN, RN, CCRN Assistant Professor of Nursing Concordia University Texas Austin, Texas Earnest Alexander, PharmD, FCCM Manager, Clinical Pharmacy Services Program Director PGY2 Critical Care Residency Department of Pharmacy Services Tampa General Hospital Tampa, Florida Olga Amusina, MSN, RN, ACNP-BC Pulmonary/Critical Care Nurse Practitioner NorthShore University HealthSystem Highland Park, Illinois; Doctoral Student University of Illinois at Chicago Chicago, Illinois Patricia N. Bradshaw, MSN, MS, RN, CEN, CCRN, CCNS Critical Care Clinical Nurse Specialist Lieutenant Colonel, United States Air Force San Antonio, Texas Marylee Rollins Bressie, MSN, RN, BCCVN, CEN, CCRN, CCNS Division of Nursing Spring Hill College Providence Hospital Mobile, Alabama Beth Broering, MSN, RN, CCRN, CEN, CPEN, FAEN Director of Nursing Bokamoso Private Hospital Gaborone, Botswana Mary Brune, MS, RN, CNE Instructor Division of Nursing Northwestern Oklahoma State University Alva, Oklahoma Denise Buonocore, MSN, RN, CCRN, ACNP-BC Nurse Practitioner, Heart Failure Service St. Vincent s Medical Center Bridgeport, Connecticut Diane Byrum, MSN, RN, CCRN, CCNS, FCCM Clinical Nurse Specialist Presbyterian Hospital Huntersville Huntersville, North Carolina Susan Marie Chioffi, MSN, RN, CCRN, ACNP-BC Acute Care Nurse Practitioner Adult Neurosciences ICU Duke University Medical Center Durham, North Carolina Damon Cottrell, MS, RN, CEN, CCRN, CCNS, ACNS-BC Assistant Professor Department of Nursing Westbrook College of Health Professions University of New England Portland, Maine Heide Rose Cygan, BSN, RN, DNP(c) Public Health Nurse NorthShore University HealthSystem Evanston, Illinois; Graduate Student College of Nursing University of Illinois at Chicago Chicago, Illinois Laura Dechant, MSN, RN, CCRN, CCNS Clinical Nurse Specialist Christiana Care Health System Newark, Delaware Joni L. Dirks, MS, RN, CCRN Critical Care Educator Providence Sacred Heart Medical Center Spokane, Washington

13 xii COLABORADORES Sonya Flanders, MSN, RN, ACNS-BC Clinical Nurse Specialist for Internal Medicine Baylor University Medical Center Dallas, Texas Joyce Foresman-Capuzzi, BSN, RN, CEN, CCRN, CTRN, CPN, CPEN, SANE-A, EMT-P Clinical Nurse Educator Emergency Department Lankenau Hospital Wynnewood, Pennsylvania James Graves, RPh Licensed Pharmacist Walgreens Moberly, Missouri Joellen W. Hawkins, Phd, RN, WHNP-BC, FAAN, FAANP Professor Emeritus William F. Connell School of Nursing Boston College Chestnut Hill, Massachusetts; Writer-in-Residence Nursing Department Simmons College Boston, Massachusetts Adina Chaya Hirsch, PharmD, RPH Nutrition Support Pharmacist Pharmaceutical Care Pharmacist St. Joseph s Hospital of Atlanta Atlanta, Georgia Reneé S. Holleran, PhD, RN, CEN, CCRN, CFRN, CTRN, FAEN Staff Nurse Emergency Department Intermountain Medical Center Salt Lake City, Utah Barbara Konopka, MSN, RN, CNE, CCRN, CEN Instructor, Nursing Pennsylvania State University, Worthington Scranton Dunmore, Pennsylvania Adisa Tokacha Kudomovic, MSN, RN Assistant Professor Allen College Waterloo, Iowa Robert E. Lamb, PharmD Independent Clinical Consultant REL & Associates, LLC Downingtown, Pennsylvania Sheryl E. Leary, MS, RN, PCCN, CCRN, CCNS Clinical Nurse Specialist Progressive Care VA San Diego Healthcare System San Diego, California Rosemary Koehl Lee, MSN, RN-CS, CCRN, CCNS, ACNP-BC Homestead Hospital Homestead, Florida Elizabeth A. Mann, RN, PhD(c), CCRN, CCNS Major (P), United States Army US Army Institute of Surgical Research Fort Sam Houston, Texas Elizabeth M. Mendeloff, MS, RN, FNP-BC Adjunct Faculty College of Nursing University of Illinois at Chicago Chicago, Illinois; Faculty Member College of Medicine UIC at Rockford Rockford, Illinois Joshua J. Neumiller, PharmD, CDE, CGP, FASCP Assistant Professor Department of Pharmacotherapy College of Pharmacy Washington State University Spokane, Washington Christopher T. Owens, PharmD, BCPS Associate Professor and Chair Department of Pharmacy Practice College of Pharmacy Idaho State University Pocatello, Idaho Michaelynn Paul, MS, RN, CCRN Assistant Professor School of Nursing Walla Walla University College Place, Washington

14 COLABORADORES xiii Beth Anne Phelps, MS, RN, ACNP-BC, DNP(c) Assistant Professor College of Nursing Illinois State University Normal, Illinois; Graduate Student University of Illinois at Chicago Chicago, Illinois; Nurse Practitioner, Otolaryngology Springfield Clinic Springfield, Illinois Jan Powers, PhD, RN, CCRN, CCNS, CNRN, FCCM Director of Clinical Nurse Specialists and Nursing Research Critical Care Clinical Nurse Specialist St. Vincent Hospital Indianapolis, Indiana Candace L. Rouse, MSN, RNC, CNS-BC Advanced Practice Nurse, Obstetrics Sinai Hospital of Baltimore Baltimore, Maryland Stephen M. Setter, PharmD, DVM, CDE, CGP, FASCP Associate Professor of Pharmacotherapy College of Pharmacy Washington State University Elder Services/Visiting Nurse Association Spokane, Washington Suzanne Sutherland, PhD, RN, CCRN Staff Nurse, Burn Unit University of California Davis Medical Center Professor of Nursing Sacramento State University Sacramento Sacramento, California Paul Thurman, MS, RN, CNRN, CCRN, CCNS, ACN- PC-BC Clinical Nurse Specialist University of Maryland Medical Center Baltimore, Maryland Jeanne Malcom Widener, PhD, RN, CCRN Critical Care Float Nurse King s Daughters Medical Center Ashland, Kentucky Lindy D. Wood, PharmD Fellow in Geriatrics Department of Pharmacotherapy College of Pharmacy Washington State University Spokane, Washington Tresa E. Zielinski, MS, RN, PCCN, PNP-BC APN Manager Outpatient Cardiology Children s Memorial Hospital Chicago, Illinois Eva Sheets, BSN, RNC, CCRN, MBA Critical Care Nurse Special Staffing Team Tampa General Hospital Adjunct Professor Hillsborough Community College Tampa, Florida

15

16 Apresentação O Manual de Enfermagem no CUIDADO CRÍTICO é uma referência clínica tanto para enfermeiros profissionais no cuidado crítico quanto para estudantes de enfermagem. Trata-se da obra disponível sobre cuidado crítico mais abrangente, mas ainda assim concisa e fácil de usar em virtude do seu formato descritivo abreviado e seu tamanho portátil. Este manual dá informações rápidas sobre mais de 75 fenômenos clínicos encontrados no cuidado crítico e pode ser usado no contexto clínico para planejar o cuidado de enfermagem. QUEM SE BENEFICIARÁ DESTE LIVRO? Enfermeiros iniciantes e experientes encontrarão auxílio para avaliar, tratar e observar a evolução de seus pacientes agudamente enfermos. As informações textuais e as numerosas tabelas servirão para o enfermeiro clínico fazer revisões rápidas. Os docentes podem usar o livro para ensinar seus alunos a aplicarem conceitos teóricos na prática clínica. Os estudantes terão no livro uma excelente ferramenta para observar o paciente sistematicamente, bem como para aprender a estabelecer prioridades de intervenções de enfermagem. POR QUE ESTE LIVRO É IMPORTANTE? Com o número crescente de pacientes hospitalizados em fase aguda, informações antes consideradas exclusivas para o cuidado em unidades de terapia intensiva, como o controle do equilíbrio ácido-base e a interpretação da gasometria do sangue arterial, vão se tornando conhecimento comum em unidades de cuidado progressivo, telemetria, semi-intensivas e em unidades clínico-cirúrgicas com pacientes em fase aguda. Da mesma forma, o cuidado descrito aqui é aplicável por todo o espectro do cuidado intensivo, desde o cuidado clínico-cirúrgico aos pacientes em fase aguda até o cuidado crítico. BENEFÍCIOS DE USAR ESTE LIVRO Nosso principal objetivo é apresentar as informações necessárias à provisão de cuidados centrados no paciente em um ambiente tecnologicamente avançado em formato rápido e fácil de usar. Ao longo de todo o livro, tentamos considerar o paciente integral com recomendações que contemplam o sofrimento emocional, mental e espiritual envolvidos na doença. A prevenção de complicações potencialmente fatais é de importância fundamental e, portanto, considerada por meio da observação, planejamento, implantação e avaliação do cuidado colaborativo interdisciplinar e dos planos de cuidado de enfermagem. Para melhor avaliar as mudanças no estado do paciente, é essencial conhecer a sua condição antes da doença aguda, crítica. Este livro oferece muitas intervenções para cada distúrbio, mas nem todas as intervenções são apropriadas para todos os pacientes. Nossa intenção é oferecer uma seleção abrangente de ações prioritárias que podem ser escolhidas conforme a necessidade no planejamento do cuidado individualizado. COMO USAR ESTE LIVRO O Manual de Enfermagem no CUIDADO CRÍTICO foi reorganizado para o acesso rápido e a apresentação lógica. Informações pertinentes aos conceitos gerais do cuidado do paciente, incluindo os específicos do ambiente de cuidado crítico, estão apresentadas nos dois primeiros capítulos, Conceitos Gerais no Atendimento do Doente Crítico e Controlando o Ambiente de Cuidados Críticos. Em seguida, há um capítulo sobre Trauma e distúrbios relacionados. Os Capítulos 4 a 10 cobrem distúrbios classificados por sistema corporal, e o Capítulo 11 trata de Situações Complexas Especiais, como altos riscos obstétricos e transplante de órgãos. Cada capítulo específico sobre um sistema corporal inclui uma avaliação física geral, e diversos capítulos incluem planos de cuidados genéricos aplicáveis a pacientes com todos os processos de doença que afetam aquele sistema corporal. Cada distúrbio inclui uma breve revisão da fisiopatologia, avaliação física, exames diagnósticos, condutas colaborativas, diagnósticos aprovados pela NANDA-International (NANDA-I), intervenções de enfermagem, ensino ao paciente e a pessoas próximas, resultados esperados e considerações sobre o planejamento de alta específico às doenças. Ícones gerontológicos ( ) destacam o material relevante ao cuidado de idosos. Resultados esperados e intervenções de enfermagem baseiam-se nos sistemas de Classificação de Intervenções de

17 xvi APRESENTAÇÃO Enfermagem ( NIC ) e de Classificação dos Resultados de Enfermagem ( NOC ) da Universidade de Iowa, e estão destacados por todo o livro. As intervenções de enfermagem estão ligadas a diagnósticos de enfermagem, e os resultados sugeridos incluem critérios de medida específicos para parâmetros físicos e o tempo estimado para a consecução dos resultados esperados. As estimativas temporais são diretrizes, pois o tempo de resposta de cada paciente tanto à doença quanto à intervenção é único e individual. Para promover a clareza e a consistência ao longo do livro, são apresentados os valores normais para monitoração hemodinâmica e outras medidas. Todos os valores deverão ser individualizados para o estado de saúde basal de cada paciente. NOVIDADES NESTA EDIÇÃO A 6 a edição foi revisada extensivamente e reorganizada para refletir a forma como os enfermeiros clínicos conduzem o cuidado do paciente e para permitir o acesso ainda mais fácil às informações. As mudanças incluem: Novas informações sobre segurança do paciente, transplante de órgãos, apoio emocional e espiritual ao paciente e a pessoas próximas, doença vascular periférica, terapia de reposição renal contínua, morte cerebral, doenças neuromusculares, hiperglicemia e emergências oncológicas. Diretrizes e recomendações atualizadas para ventilação mecânica, monitoração hemodinâmica e controle da insuficiência cardíaca e respiratória, incluindo novos dispositivos mecânicos. Um capítulo composto refletindo a evolução no controle da hiperglicemia e condições emergenciais associadas. Informações aprimoradas sobre equilíbrio ácido-base, asma aguda, queimaduras, sepse, choque cardiogênico, dissecção aórtica e controle de delírios. Avaliação física e planos de cuidados genéricos para distúrbios de cada sistema corporal. Planos de cuidados colaborativos e de cuidados de enfermagem com intervenções e resultados prioritários com base na Classificação de Resultados de Enfermagem (NOC). Intervenções de reanimação cardiopulmonar apropriadas dentro da seção sobre Disritmias e Distúrbios de Condução. Esperamos que profissionais de cuidado crítico, estudantes e docentes concluam que a nova edição do Manual de Enfermagem no CUIDADO CRÍTICO lhes proporciona um conhecimento rico e de fácil acesso a ser aplicado na prática e na sala de aula. AGRADECIMENTOS Queremos agradecer a muitas pessoas que apoiaram o desenvolvimento desta obra. Somos particularmente gratas ao tempo e ao trabalho de Laurie Sparks, Developmental Editor, e Jeff Somers. Agradecemos a orientação de Maureen Iannuzzim, Editor, e Robin Levin Richman, Senior Developmental Editor. Somos gratos a todos os colaboradores por seu trabalho intenso e sua atenção aos detalhes, bem como aos revisores cujos comentários ajudaram a orientar nossas revisões. Todas as pessoas envolvidas são reconhecidas como importantes e valiosas por si só. Tanto a perseverança quanto a paciência são características fundamentais inerentes a cada um dos participantes. Estendemos nosso reconhecimento especial a Barbara McLean, por ter ido um pouco mais além para melhorar o conteúdo; a Phyllis Gordon e Cynthia Rebik Christensen por seu trabalho excelente ao criarem a nova seção de Doença Vascular Periférica; Patricia Weiskittel por assumir várias seções adicionais; Elizabeth Scruth pelo aprimoramento generalizado da seção de Choque Cardiogênico; Gretchen J. Carrougher, Shari Honari e Carolyn Blayney pelo trabalho intensivo na seção de Queimaduras; e Vicki Good por criar a nova seção de Segurança do Paciente. Marianne Saunorus e Susan Bethel Agradeço o apoio de minha filha Rachel, de meu marido Thom e de minha mãe Irene Saunorus. Não teria conseguido sem vocês. MSB Agradeço o apoio de meu marido Terry e o esforço conjunto de minha equipe de autores dentro do Greenville Health System. Vocês são o máximo! SB

18 Sumário 1 Conceitos Gerais no Atendimento do Doente Crítico, 1 Desequilíbrios Ácido-base, 1 Barbara McLean Alterações na Consciência, 24 Alice Davis Distúrbios de Líquidos e Eletrólítos, 37 Patricia Weiskittel Monitoração Hemodinâmica, 75 Risa Benoit Ventilação Mecânica, 99 Barbara McLean Suporte Nutricional, 117 Adina Chaya Hirsch Dor, 135 Laura Leigh Leary Imobilidade Prolongada, 149 Joyce Warner Sedação e Bloqueio Neuromuscular, 158 Paul E. Schmidt Cuidado de Pele e Feridas, 166 Mary Ann Mullaney 2 Controlando o Ambiente de Cuidados Críticos, 178 Bioterrorismo, 178 Cathie Osika Landreth Infecções Emergentes, 187 Connie Steed Apoio Emocional e Espiritual ao Paciente e a Pessoas Próximas, 200 Marianne Saunorus Baird Considerações Éticas em Cuidados Críticos, 215 Jenni Jordan Abel Segurança do Paciente, 220 Vicki Good 3 Trauma, 235 Traumas Graves, 235 Cathie Osika Landreth Traumatismos Abdominais, 245 Barbara McLean Tamponamento Cardíaco Agudo, 257 Risa Benoit Lesões Agudas da Medula Espinal, 264 Alice Davis Queimaduras, 279 Gretchen J. Carrougher, Shari Honari, Carolyn Blayney Síndrome Compartimental/Miosite Isquêmica, 301 Karen Zorn Afogamento, 307 Cathie Osika Landreth Fraturas Pélvicas, 312 Cathie Osika Landreth Traumas Renais e no Trato Urinário Inferior, 317 Patricia Weiskittel Traumas Torácicos, 325 Cathie Osika Landreth Trauma Cranioencefálico, 331 Alice Davis 4 Transtornos Respiratórios, 352 Avaliação Respiratória: Geral, 352 Marianne Saunorus Baird Exacerbação Aguda da Asma, 354 Marianne Saunorus Baird Lesão Pulmonar Aguda e Síndrome de Angústia Respiratória Aguda, 365 Barbara McLean Pneumonia Aguda, 373 Marianne Saunorus Baird Insufi ciência Respiratória Aguda, 383 Barbara McLean Pneumotórax, 388 Marianne Saunorus Baird Embolia Pulmonar, 396 Marianne Saunorus Baird Hipertensão Pulmonar, 409 Lynda Liles 5 Distúrbios Cardíacos e Vasculares, 418 Avaliação Cardiovascular: Geral, 418 Marianne Saunorus Baird Insufi ciência Cardíaca, 421 Lynda Liles Síndromes Coronarianas Agudas, 434 Lynda Liles Endocardite Infecciosa Aguda, 453 Cheryl Bittel

19 xviii SUMÁRIO Pericardite Aguda, 461 Cheryl Bittel Aneurisma/Dissecção de Aorta, 467 Joni Dirks Choque Cardiogênico, 472 Elizabeth Scruth Cardiomiopatia, 482 Kathleen Halvey Disritmias e Distúrbios de Condução, 492 Barbara Nickles Emergências Hipertensivas, 531 A. Suzanne Cosby, Carey Freeland Doença Vascular Periférica, 546 Phyllis Gordon, Cynthia Rebik Christensen Doença Cardíaca Valvar, 566 Marianne Saunorus Baird 6 Insuficiência Renal, 583 Avaliação Geniturinária: Geral, 583 Marianne Saunorus Baird Insufi ciência Renal/Lesão Renal Aguda, 584 Patricia Weiskettel Terapias de Reposição Renal Contínua, 603 Patricia Weiskettel 7 Distúrbios Neurológicos, 619 Avaliação Neurológica Geral, 619 Marianne Saunorus Baird Morte Cerebral, 622 Marianne Saunorus Baird Aneurisma Cerebral e Hemorragia Subaracnoide, 629 Susan Bethel Cuidados com o Paciente após a Cirurgia Intracraniana, 638 Susan Bethel Meningite, 644 Alice Davis Distúrbios Neurodegenerativos e Neuromusculares, 652 Marianne Saunorus Baird Estado Epilético, 668 Mimi Callanan AVC: Isquêmico Agudo e Hemorrágico, 674 Marianne Saunorus Baird 8 Desordens Endócrinas, 695 Avaliação Endócrina, 695 Marianne Saunorus Baird Insufi ciência Adrenal Aguda (Crise Adrenal), 696 Barbara McLean Diabetes Insipidus, 703 Marianne Saunorus Baird Hiperglicemia, 711 Marianne Saunorus Baird Coma Mixedematoso, 725 Barbara McLean Síndrome de Secreção Inapropiada de Hormônio Antidiurético, 734 Marianne Saunorus Baird Crise Tireotóxica (Tempestade Tireoidiana), 740 Barbara McLean 9 Alterações Gastrintestinais, 750 Avaliação Gastrintestinal: Geral, 750 Marianne Saunorus Baird Sangramento Gastrintestinal Agudo, 751 Beverly George-Gay Pancreatite Aguda, 762 Beverly George-Gay Fístula Enterocutânea, 778 Beverly George-Gay Insufi ciência Hepática, 785 Patrice C. Al-Saden Peritonite, 805 Beverly George-Gay 10 Doenças Hematológicas/ Imunológicas, 816 Avaliação Hematológica: Geral, 816 Marianne Saunorus Baird Choque Anafi lático, 817 Marianne Saunorus Baird Anemia Profunda e Crise Hemolítica, 826 Alice Keber Sangramento e Doenças Trombóticas, 837 Alice Keber 11 Situações Complexas Especiais, 861 Hipertensão Abdominal e Síndrome Compartimental Abdominal, 861 Barbara McLean Overdose por Drogas, 868 Paul E. Schmidt Altos Riscos Obstétricos, 882 Laura Barrett Emergências Oncológicas, 893 Alice Kerber Transplante de Órgãos, 906 Cheryl Bittel Síndrome da Resposta Infl amatória Sistêmica (SRIS), Sepse, Choque Séptico e Síndrome da Disfunção de Múltiplos Órgãos (SDMO), 924 Barbara McLean

20 SUMÁRIO xix Apêndices 1 Sons Cardíacos e Respiratórios, Escala de Coma de Glasgow, Nervos Cranianos: Avaliação e Disfunções, Principais Refl exos Tendinosos Profundos (Estiramento Muscular), Principais Refl exos Superfi ciais (Cutâneos), Infusão de Medicamentos Inotrópicos e Vasoativos, Exemplo de Técnica de Relaxamento, Abreviações Usadas neste Manual, 953 Documentação de Mudanças na Avaliação, 958 Índice, 961

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

Guyton & Hall Perguntas e Respostas em Fisiologia

Guyton & Hall Perguntas e Respostas em Fisiologia Guyton & Hall Perguntas e Respostas em Fisiologia Guyton & Hall Perguntas e Respostas em Fisiologia 2 a Edição John E. Hall, PhD Arthur C. Guyton Professor and Chair Associate Vice Chancellor for Research

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS www.emergenciasclinicas.com.br HISTÓRICO DO EVENTO Em virtude da carência no ensino de urgências e emergências em algumas Faculdades de Medicina de

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização Oximetria de pulso É a medida da saturação da

Leia mais

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis Insuficiência Respiratória Síndrome da Angústia Respiratória Aguda Vias aéreas difíceis Mailton Oliveira 2015.2 INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA Incapacidade do sistema respiratório de atender as demandas

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA EDEMA AGUDO DE PULMÃO Dra. CRISTINA MACHADO PIRES Enf. CYNTHIA DE AZEVEDO JORGE O GRAU DE URGÊNCIA O Edema Agudo de Pulmão é uma situação de emergência, classificada

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia.

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia. POT Nº: 06 VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA Edição: 05/05/2009 Versão: 02 Data Versão: 28/05/2009 Página: 05 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI)

Leia mais

Programa Multicêntrico de qualificação em Atenção Domiciliar a Distância

Programa Multicêntrico de qualificação em Atenção Domiciliar a Distância 1 Programa Multicêntrico de qualificação em Atenção Domiciliar a Distância 2 GUILHERME EMANUEL BRUNING MAURO BINZ KALIL SATI JABER MAHMUD UNIDADE 7 AVALIAÇÃO E MANEJO DOMICILIAR DA DISPNEIA São Luís 2013

Leia mais

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas 1 CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas Olívia Brito Cardozo Turma Glória I CAPS Curso de Especialização em Fisioterapia Respiratória com Ênfase em Traumato-Cirúrgico São Paulo 2004 2 Sumário

Leia mais

DPOC e Oxigenoterapia Guia Rápido

DPOC e Oxigenoterapia Guia Rápido Homehealth provider DPOC e Oxigenoterapia Guia Rápido www.airliquide.com.br O que é DPOC? O paciente com DPOC doença pulmonar obstrutiva crônica possui falta de ar e tosse porque seus pulmões e suas vias

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE OXIGÊNIO - Cateter nasal e máscara de oxigênio

ADMINISTRAÇÃO DE OXIGÊNIO - Cateter nasal e máscara de oxigênio Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Administração de oxigênio, a uma pressão maior que a encontrada no ar ambiente, para aliviar e/ou impedir hipóxia tecidual. FINALIDADE Fornecer concentração adicional de oxigênio

Leia mais

PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 R1, R2, R3 HSF

PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 R1, R2, R3 HSF PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 (CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA) R1, R2, R3 HSF Residência em Medicina Intensiva Introdução: A Residência em Medicina Intensiva foi criada nesta instituição

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

Organizador. Autores

Organizador. Autores ROSTO Apresentação O Guia de Emergências Clínicas foi estruturado a fim de orientar o profissional que lida a todo instante com situações diversas e que exigem diferentes abordagens na emergência clínica,

Leia mais

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Ventilação Mecânica Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com A ventilação mecânica é uma atividade multi e interdisciplinar em que o denominador comum é o paciente e não o ventilador

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

ASMA. Dr. Ivan Paredes

ASMA. Dr. Ivan Paredes 1 ASMA Dr. Ivan Paredes Objetivos 1.Saber o que é asma. 2.Identificar os principais sintomas e sinais 3.Saber como diagnosticar 4.Diferenciar outras doenças com manifestações semelhantes geralmente se

Leia mais

Raniê Ralph Pneumo. 02 de Outubro de 2008. Professora Ana Maria Casati. Insuficiência Respiratória

Raniê Ralph Pneumo. 02 de Outubro de 2008. Professora Ana Maria Casati. Insuficiência Respiratória 02 de Outubro de 2008. Professora Ana Maria Casati. Insuficiência Respiratória Introdução Maior causa de morte nos E.U.A. Mais de 70% das mortes em pacientes com pneumonia são atribuídas à insuficiência

Leia mais

ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA

ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA De acordo com a RDC 07/10, o coordenador de enfermagem da UTI deve ser especialista em terapia intensiva, isto é, enfermeiro intensivista. Assim,

Leia mais

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE ANEURISMAS CEREBRAIS Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA Nível de consciência Pupilas

Leia mais

Código: ENFDIG Disciplina: DIDÁTICA GERAL Fase: 5ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: Psicologia da Educação DESCRIÇÃO DO PROGRAMA:

Código: ENFDIG Disciplina: DIDÁTICA GERAL Fase: 5ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: Psicologia da Educação DESCRIÇÃO DO PROGRAMA: 21cir FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecimento: Portaria nº 604, de 31 de maio de 1995 E-mail: denf@unir.br Campus Porto Velho/RO. BR 364,

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Oxigenoterapia. Respiração + Circulação. Basic Life Support. Respiração 21/05/2014. A insuficiência respiratória é caracterizada por uma

Oxigenoterapia. Respiração + Circulação. Basic Life Support. Respiração 21/05/2014. A insuficiência respiratória é caracterizada por uma Respiração + Circulação Basic Life Support Facilitadora Enf a. Ana Carolina Corgozinho E-mail anacorgozinho@uol.com.br Respiração Os seres vivos conseguem resistir a restrições alimentares, pois sobrevivem

Leia mais

Hugo Fragoso Estevam

Hugo Fragoso Estevam Hugo Fragoso Estevam PALS Suporte Avançado de Vida Pediátrico Objetivos 1. Entender as diferenças de manifestação das causas de parada cardiorrespiratória nas crianças em relação aos adultos. 2. Compreender

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA REANIMAÇÃO CÁRDIO RESPIRATÓRIA NO ADULTO Enf. KEYLA CRISTIANE DO NASCIMENTO Dr. MARIO COUTINHO GRAU DE URGÊNCIA A Parada Cárdio-Respiratória (PCR) é uma urgência

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

Doenças Obstrutivas DPOC. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Epidemiologia. DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações:

Doenças Obstrutivas DPOC. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Epidemiologia. DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações: DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações: A- No interior da luz brônquica: secreções, líquido, corpo estranho. Doenças Obstrutivas B- Na parede da via aérea: contração do músculo liso (asma),

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015

Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015 Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015 A COREME- Comissão de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas comunica que estarão

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

OBJETIVO DA AULA. PULMÕES sistema respiratório RESUMO. PULMÕES sistema respiratório Fluxo laminar. PULMÕES sistema respiratório

OBJETIVO DA AULA. PULMÕES sistema respiratório RESUMO. PULMÕES sistema respiratório Fluxo laminar. PULMÕES sistema respiratório PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA E SAÚDE OBJETIVO DA AULA - Definir DPOC; DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC) PROF. DRD. CLÓVIS ARLINDO DE SOUSA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)*

DIAGNÓSTICO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)* DIAGNÓSTICO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)* DIAGNÓSTICO De acordo com a Sociedade Americana do Tórax (American Toraxic Society), os elementos diagnósticos para a DPOC são a história clínica,

Leia mais

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OBJETIVOS Classificação dos distúrbios do sono Classificação dos distúrbios respiratórios do sono Definições: ronco, ravas (rera),

Leia mais

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis Abordagem do Choque Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis CONCEITO Hipóxia tecidual secundária ao desequilíbrio na relação entre oferta e consumo de oxigênio OU a incapacidade celular na

Leia mais

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini COORDENADORES Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini Sumário Prefácio...XXXVII Apresentação... XXXIX Parte 1 Estabilização

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados

Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados - O que são palpitações cardíacas? A palpitação ocorre quando passamos a perceber os batimentos cardíacos ECG demonstrando batimento

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico?

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? Dica de Bolso Agrotóxicos O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? 12 1 O QUE SÃO AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, também chamados de pesticidas, praguicidas, biocidas, fitossanitários,

Leia mais

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 Gestos que Salvam O que fazer? EM CASO DE EMERGÊNCIA O QUE FAZER Número Europeu de Emergência LIGAR PARA O NÚMERO EUROPEU

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Sistema Respiratório Afecções das vias aéreas inferiores Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Pneumonia Bronquite Broncopneumonia Pneumonia Intersticial Pneumonia Lobar EBologia Agentes Infecciosos

Leia mais

Planificação anual de Saúde- 10ºano

Planificação anual de Saúde- 10ºano CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Turmas: 10ºI Professora: Ana Margarida Vargues Planificação anual de Saúde- 10ºano 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde do Curso

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR e Prática Clínica TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Maria Rita Zoéga Soares Samir Vidal Mussi e cols. Coordenação

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

1 - Estrutura e Finalidades da disciplina

1 - Estrutura e Finalidades da disciplina CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de SAÚDE 10º ano 014/015 Turma K Professora: Maria de Fátima Martinho. 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Propriedades Estáticas do Sistema A ventilação pulmonar consiste no fluxo de ar para dentro e para fora dos pulmões a cada ciclo

Leia mais

Nursing Activities Score

Nursing Activities Score Guia de Orientação para a Aplicação Prática do Nursing Activities Score Etapa 1 Padronização dos Cuidados de Enfermagem, nas seguintes categorias: Monitorização e Controles; Procedimentos de Higiene; Suporte

Leia mais

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE O cuidado apropriado com a asma pode ajudar o paciente a prevenir a maior parte das crises, a ficar livre de sintomas problemáticos diurnos e noturnos e a

Leia mais

A prática da assistência em Enfermagem em cinco lançamentos da Editora Elsevier: para começar 2013 com mais conhecimento!

A prática da assistência em Enfermagem em cinco lançamentos da Editora Elsevier: para começar 2013 com mais conhecimento! A prática da assistência em Enfermagem em cinco lançamentos da Editora Elsevier: para começar 2013 com mais conhecimento! Para orientar a prática da Enfermagem, cinco novidades da Elsevier na área apresentam

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica Programa de Pós-Graduação 2014 Caracterização do curso: Instituições: Instituto D Or de Pesquisa e

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP CPAP - Definição Pressão de Distensão Contínua Manutenção de uma

Leia mais

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ A asma, que afeta 7% das grávidas, é uma doença comum que potencialmente pode complicar, mas, quando é bem controlada, não representa risco significativo para

Leia mais

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal Semiologia Abordagem ao paciente cardiopata Ivan da Costa Barros Pedro Gemal DESAFIO!! 2011 Universidade Federal Fluminense 1. Paciente idoso procura PS à noite queixando- se de falta de ar, taquicárdico

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014 MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL Belo Horizonte 2014 RESIDENTES MULTIPROFISSIONAIS EM INTENSIVISMO Camilla Serva Camilo Brandão Christina Tinti Cleunice Oliveira Daniela Falcão Gabriela Reis

Leia mais

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício.

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. XX Congresso Português de Pneumologia Hermínia Brites Dias Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Avaliação funcional

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR 24/05/2010 Revisão: ----------------- 15/06/2010 Página: 1 / 5 1. INTRODUÇÃO As crises de broncoespasmo são uma das principais causas de procura ao atendimento emergencial em pronto-atendimento de pediatria,

Leia mais

Conselho recomenda medidas para dar segurança a passageiros e tripulantes

Conselho recomenda medidas para dar segurança a passageiros e tripulantes Conselho recomenda medidas para dar segurança a passageiros e tripulantes A Câmara Técnica (CT) de Medicina Aeroespacial do Conselho Federal de Medicina (CFM) divulga recomendações aos médicos, aos passageiros

Leia mais

Identificar as situações onde é necessária a oxigenoterapia; Descrever as características dos pacientes que necessitam de oxigenoterapia;

Identificar as situações onde é necessária a oxigenoterapia; Descrever as características dos pacientes que necessitam de oxigenoterapia; Módulo 7 Oxigenoterapia e equipamentos Apresentação do Módulo A hipóxia é uma condição na qual há uma deficiência da quantidade de oxigênio que alcança os tecidos do organismo. É extremamente grave, comprometendo

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

21/6/2011 EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CARDIOVASCULARES EMERGÊNCIAS CLÍNICAS INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO (IAM) SINAIS E SINTOMAS DE IAM

21/6/2011 EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CARDIOVASCULARES EMERGÊNCIAS CLÍNICAS INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO (IAM) SINAIS E SINTOMAS DE IAM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CARDIOVASCULARES Infarto agudo do miocárdio; Insuficiência cardíaca congestiva; Acidente vascular cerebral; Hipertensão. EDUARDO LUIZ INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

Leia mais

Mas se fumar é tão perigoso, por quê as pessoas começam a fumar? Introdução

Mas se fumar é tão perigoso, por quê as pessoas começam a fumar? Introdução Introdução O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável em todo o mundo. Introdução Introdução Cerca de um terço da população mundial adulta (1

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA Propedêutica no Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Profª Daniele Domingues Zimon Profª Adriana Cecel Guedes DPOC DPOC é um estado patológico caracterizado pela limitação

Leia mais