Amazonicas V. Belém, Pará, Brasil maio/may/mayo Resumos / Abstracts / Resúmenes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Amazonicas V. Belém, Pará, Brasil 26-30 maio/may/mayo 2014. Resumos / Abstracts / Resúmenes"

Transcrição

1 Amazonicas V Belém, Pará, Brasil maio/may/mayo 2014 Resumos / Abstracts / Resúmenes La predicación no verbal en pumé/yaruro y las desinencias personales José Álvarez Universidad del Zulia Intentaremos determinar, siguiendo a Dryer (2007:225), si en pumé/yaruro, lengua independiente venezolana, las cláusulas con predicación no verbal son no verbales porque carecen de cópula, o si dichas cláusulas sí son verbales, aunque el núcleo de su predicado no lo sea, por incluir una cópula verbal. Todo verbo yaruro, transitivo o intransitivo, usado en una cláusula principal no en subordinadas exhibe un complejísimo paradigma conjugacional con numerosas formas integradas por un tema verbal (RAÍZ+TAM) inmediatamente seguido por unas desinencias personales (DP) morfológicamente complejas, que han sido consideradas como sufijos o como clíticos: Chjai dyòròã dijĩkoe kãêã buichjĩ jũĩ òdè òãĩrê. Arroz me le dio a mi hijito aquel hombre. Tal paradigma es incompleto sólo en verbos defectivos como chjuapa ladrar, unipersonales como kjò de llueve, e impersonales (sin DP y sin sujeto) como Karaka èadè No quiero (ir) a Caracas. Las DP parecen ser un aglomerado de morfemas que expresan sujeto, objeto, poseedor del objeto, sexo del interlocutor y modo, con hasta 350 combinaciones en verbos transitivos. En la oración (1), la glosa de la DP nĩrõjĩrĩkã es 2p/3p:1s F COM.AFI (sujeto= 2p, objeto= 3p, poseedor= 1s, interlocutor= femenino, forma= común, modo= afirmativo). Nótese también cómo el verbo dyòrò dar lleva morfemas de negación y de pasado: 1. Mênêrõ dyòròdèã nĩrõjĩrĩkã chèrèa kãêã pũmêjĩrĩ mênêrõ dyòrò-dè-ã nĩrõjĩrĩkã chèrè-a kãêã pũmê-jĩrĩ ustedes dar-neg-pas 2p/3p:1s F COM.AFI dinero-ob mi gente-plu Ustedes no les dieron dinero a mis familiares. (Mosonyi 1966:80) Tales DP también se adjuntan a bases (a) pronominales: kòdè rekode Antonio judi yo soy Antonio, (b) adjetivas: chjadè rekode yo soy bueno, (c) sustantivas: pûmê rekode yo soy yaruro, (d) adverbiales: dyi rekode yo estoy aquí y (e) frases posposicionales: bè rö rekode yo estoy en casa. Los morfemas TAM, categorías flexionales verbales típicas, también se adosan a estas bases no verbales: chjadèpa rekode yo seré bueno, dyipa rekode yo estaré aquí, dyirè rekode yo siempre estoy aquí, dyireme rekode yo estaba aquí. Así combinables, como se ilustra en (2), estos predicados no verbales tendrían el mismo número de formas de un verbo intransitivo cualquiera: 1

2 2. Dyòdè òãîrê dyarükadèã de. dyòdè òãî-rè dyarüka-dè-ã de este hombre-nom brujo-neg-pas 3sM/0:0 M Este hombre no fue brujo. Estas construcciones expresan las clases de predicación no verbal diferenciadas por Payne (1997:111): ecuación, inclusión, atribución, locación, existencia, y posesión. Pero las DP no constituyen verbos copulativos, sino marcadores pronominales unidos a bases verbalizadas, situación común en muchas lenguas americanas. REFERENCIAS Dixon, R.M.W Basic Linguistic Theory (Volumen 2). Oxford: Oxford University Press. Dryer, Matthew Clause Types. Language Typology and Syntactic Description, v. 2 (2nd edition), ed by Timothy Shopen, Cambridge: Cambridge University Press. Mosonyi, Esteban Emilio, Jorge Mosonyi y Jorge Ramón García Yaruro (Pumé). En: E. E. Mosonyi y J. C. Mosonyi, Manual de lenguas indígenas de Venezuela, Tomo II: Caracas: Fundación Bigott. Mosonyi, Esteban Emilio Morfología del verbo yaruro. Estudio de los sufijos personales. Caracas: Universidad Central de Venezuela. Obregón, Hugo y Jorge Díaz Morfología yarura. Maracay: Instituto Universitario Pedagógico Experimental de Maracay. Obregón, Hugo, Jorge Díaz y Luis Jesús Pérez Léxico yaruro-español, español-yaruro. San Fernando: Gobernación del Estado Apure. Payne, Thomas E Describing Morphosyntax. Cambridge: Cambridge University Press. Predicação não verbal em Arara (Karib) Ana Carolina Ferreira Alves Universidade de São Paulo Este trabalho apresenta e discute a predicação não verbal na língua Arara. Esta língua, pertencente à família linguística Karib, é falada por aproximadamente 500 pessoas na região do Médio Xingu, oeste do Estado do Pará. Segundo Dryer (2007), a predicação não verbal consiste em uma construção predicativa em que não há verbo. Neste estudo serão apresentadas as orações predicativas nominais, locativas e de posse predicativa encontradas em Arara, como ilustrado nos exemplos a seguir. a) ugon uro homem PRO:1 Eu sou homem. b) j-eti-t ibak 1-casa-POSS longe Minha casa é longe. 2

3 c) i-ga-t=pe taje uro 3-gordura-POSS=POSP INTS PRO:1 Eu estou/sou muito gordo. d) to-min-ke omro T-comida-ADVEBIALIZADOR PRO:2 Você está com fome. (Lit. você tendo-fome ) A predicação não verbal nesta língua inclui pelo menos três estratégias de construção de cópula não verbal. Segundo Stassen (1997), a cópula pode ser um item lexical expresso, como um verbo ou um elemento pertencente à outra classe, ou não expresso. Neste último caso, há a justaposição do sujeito com o predicado, sem cópula (ou seja: cópula zero), como nos exemplos (a) e (b) acima. Além da estratégia de justaposição, serão apresentadas orações de cópula expressas por construções predicativas nominais que fazem uso de posposição, (c), e uso de construções do tipo t- -ke, em (d), que apresentam um circunfixo adverbializador. Note-se que em (c), -gat- consiste em um nome obrigatoriamente possuído, o que explica o uso da terceira pessoa. Ainda serão discutidas as classes de palavras nomes, adjetivos e expressões locativas (sintagmas posposicionais), que podem ocupar a posição de núcleo dos predicados não verbais. Enquanto as expressões locativas são, geralmente, identificadas por meio de posposição, a identificação de duas classes plenas e distintas de nomes e adjetivos é discutível. Em outros tempos verbais, a cópula é verbal, conforme ilustra o exemplo (e): e) kure-p timna it-iny bem-posp:ter PRO:1+3 COP-PASS Nós(exclusivo) ficamos bem Por fim, serão apresentadas como as marcas de TAM são empregadas nos respectivos tipos de oração de cópula. As análises são baseadas em dados coletados no campo recentemente, e incluem análise de textos e material elicitado por meio de estímulos audiovisuais, além de perguntas diretas. Referências citadas DRYER, Matthew S. (2007) Clause types. In: Shopen (org.) Language Typology and Syntactic Description. vol. 1. 2ª edição. Cambridge: Cambridge University Press. STASSEN, Leon. (1997) Intransitive predication. New York: Oxford University Press. Verbos posicionais e predicados locativos em sanumá Joana Autuori Universidade Federal de Roraima Em sanumá, uma língua da família yanomami, os predicados de tipo locativo podem ser construídos com um verbo de significado genérico existir ou estar. Este mesmo verbo (ku), com pouco conteúdo semântico específico, se gramaticalizou como um clítico verbal que tem a função de hospedar as diversas marcas características da morfologia do verbo em sanumá, como as de tempo, aspecto e locação relativa, como em (1a) e (1b). 3

4 (1) a. Hia solai a= ku =a =ku =le. ali cesta 3SG(S)= existir =POS* =COP =PRS+PROX A cesta está ali (próximo). b. Kutiataösö=naha salaka a= ku =a =ku =lati. canoa=loc peixe 3SG(S)= existir =POS* =COP =PRS+DIST O peixe está ali na canoa (do outro lado do rio). No entanto, ainda que haja a possibilidade de se utilizar o verbo existencial genérico (ku) como núcleo do predicado locativo, quando o falante tem acesso visual, ou conhecimento direto da situação relatada, há uma clara preferência por expressar esses predicados por meio de verbos existenciais mais específicos e que podem expressar diversos detalhes associados a essa existencia predicada. Na maioria das vezes, a informação semântica adicional que esses verbos proporcionam está ligada à posição em que se encontra a entidade predicada, como em (2a) e (2b), mas pode ainda informar se se trata de uma situação resultante de uma ação, como em (3). (2) a. Hia solai a= pa =a =ku=le. ali cesta 3SG(S)= deitada =POS* =COP=PRS+PROX A cesta está ali deitada no chão (próximo). b. Hia solai a= hĩta =a =ku=le. ali cesta 3SG(S)= estar em pé = POS* =COP=PRS+PROX A cesta está ali em pé no chão (próximo). (3) a. Kutiataösö =naha salaka a= titi =a =ku=lati. canoa=loc peixe 3SG(S)= enfiar =POS* =COP=PRS+DIST O peixe está (metido/enfiado) ali na canoa (do outro lado do rio). O uso obrigatório no presente do clítico =a, provisoriamente glosado como marca de verbo posicional (= POS*), parece ser uma das propriedades formais que caracteriza essa subclasse verbal que apresenta mais de duas centenas de elementos em seu paradigma. Este trabalho pretende caracterizar as propriedades formais e semânticas dos verbos que podem aparecer nesse tipo de predicado e verificar se esse conjunto de fato representa em sanumá uma subclasse verbal coesa e distinta dos demais verbos, assim como se descreve em outras línguas da família, como em yanomamɨ (Ramirez 1994, e Lizot, 1996) ou em yanomae (Ramirez 1998) ou yanomama (Perri-Ferreira, ms). Referências Lizot, J Introducción a la Lengua Yanomamɨ: morfología. Caracas: Vicariato Apostólico de Puerto Ayacucho e UNICEF Venezuela. Ramirez, H Le Parler Yanomami de Xamatauteri. Paris: Universidad de Aix en Provence. Tesis de doctorado. Ramirez, H A prática do Yanomami. Boa Vista: Comissão Pró-Yanomami (CCPY). Perri-Ferreira, H (manuscrito). La expresión de los conceptos de propiedad en yanomama. 4

5 Predicação não verbal em Oro Waram (Pacaas Novos, Wari, Txapakura) Selmo Azevedo Apontes & Quesler Fagundes Camargos UFAC & UFMG O objetivo desta comunicação é apresentar, em uma perspectiva tipológica, as predicações não verbais em Oro Waram, variante da língua do grupo Wari (Pacaas Novos, Txapakura). Nosso trabalho se fundamentará basicamente em Payne (1997) e Dixon (2009). Inicialmente, mostraremos que construções equativas são formadas da seguinte forma: na primeira posição, há o demonstrativo ko k w aɲ... kwaɲ, que circunda o nome taramaʔ homem. Esta estrutura, por sua vez, é seguida do segundo nome ateʔ pai, que se refere ao primeiro nome, conforme o exemplo (1). (1) kok w aɲ taramaʔ kwaɲ ateʔ DEM.M.DIST.SG homem DEM.DIST pai-1sg.gen Aquele homem lá é meu pai Nas sentenças atributivas, por não possuir um elemento gramatical correspondente a uma cópula (i.e. verbo auxiliar), como ocorre, por exemplo, nas línguas românicas, o item de natureza adjetival, o qual dá o atributo, deve ocupar o núcleo da predicação, que nessa língua deve ser no início da sentença, por ser uma língua de núcleo inicial. Além do mais, este item deve ser seguido pelo marcador pronominal, que identifica a pessoa do sujeito, conforme exemplo (2). (2) kote:ne na: ʃiyat grande 3SG rede A rede é grande Os predicados locativos, os quais em português são representados por estruturas intransitivas, precisam de dois argumentos nucleares. Já no núcleo da predicação, ocorrem os itens pe: está ou koko: estão, que exercem a função de verbo auxiliar, conforme exemplos abaixo: (3a) pe: naɲ panaʔ wiwiw estar.sg 3SG.N árvore gavião O gavião está na árvore (3b) koko: nanaɲ panaʔ wiwiw estar.pl 3PL.N árvore gavião Os gaviões estão na árvore As construções de possessivo são identificadas por um argumento na forma dativa, geralmente na primeira pessoa do singular, já que nessa pessoa é onde se manifesta uma maior cisão na forma de se codificar os argumentos dos verbos. Veremos que essas estruturas possuem como verbo auxiliar o item maʔ ter, existir, como pode ser visto abaixo: 5

6 (4) maʔ na: paʔ wiyimaɲ wak ter 3SG 1SG.DAT DIM.N faca mam kɾük ton ham final escamar 1SG-M.SG peixe Eu tenho minha faca para escamar peixe Por fim, vale ressaltar a riqueza das configurações sintáticas e os modos de expressão na língua Oro Waram, os quais estão impregnados pela relação do homem com o mundo. Dessa forma, as estruturas de predicação não verbal têm muito a contribuir para o conhecimento tipológico das estruturas possíveis e permissíveis nas línguas humanas. Payne, Thomas E Describing Morphosyntax. Cambridge University Press. Dixon, R.M.W Basic Linguistic Theory: Vol 2. Oxford University Press. Argument marking in Tupian languages: typology, development and diffusion Joshua Birchall, Radboud Universiteit Nijmegen and Museu Goeldi When considering the linguistic typology of South America, those languages spoken in the eastern portion of continent defined as the region east of the Madeira-Madre de Dios and Negro rivers display a skewed distribution of a number of structural features related to argument marking, such as prefix person markers, inversion, clusivity, ergative alignment in indexation, middle-type valency decreasing constructions and a lack of core case marking (Birchall 2014). Interestingly, these features are found in many Tupian languages, especially those that expanded outside of the postulated homeland of the protolanguage, suggesting that these languages may have been involved in their spread. After outlining the argument marking strategies utilized by the Tupian languages, this paper explores one central question: what role did the Tupian expansion play in the linguistic geography of South America? To form an empirical basis for the quantitative analysis of the areal distribution of argument marking features, the study adopts a representative sample of 75 languages from 40 different linguistic families distributed across the entire continent. Within this sample, 14 languages come from the Tupian family, 9 of which are considered expansionist. Geographic regions are delineated using geomorphological and cultural criteria, as in Murdock (1951). The areality of linguistic features are diagnosed using the procedure proposed in Bickel and Nichols (2006). Expert reconstructions, and when unavailable, parsimony-based models, are used to infer earlier stages of language structures in Tupian and other major language families of eastern South America (cf. Cysouw 2006, Muysken et al. 2014, Birchall, to appear). Features reconstructable to protolanguages that predate the Tupian expansion can thus be excluded as possible candidates for contact-induced change and thus represent either family-internal developments and/or influence from non-tupian languages. The Tupian languages serve here as a test case to examine the role that formative period language expansions have had in the typological makeup of South American languages. Such studies can shed light on the ethnogenetic and sociolinguistic processes that have helped to shape the current 6

7 distribution of indigenous peoples across the continent. The Tupian languages are ideal candidates for this type of research due to their wide geographic spread and the availability of quality descriptive and historical materials on the family. Beyond reexamining some well-established notions in South American linguistics, like the concept of Amazonia as a linguistic area (Dixon and Aikhenvald 1999), this paper helps to place the Tupian languages within the broader typological context of South America. Non-verbal predication in Paresi-Haliti Ana Paula Brandão University of Texas at Austin I will present the description of non-verbal predication in Paresi. The Paresi people, who number approximately 2000, live in Mato Grosso, Brazil. Nouns, numerals, quantifiers and adverbs can function as heads of non-verbal predicates. The following types of predicates are found: nominal, locational, and possessive predicates. There are two types of strategies used: juxtaposition or the copula tyaona. In nominal predicates, the copula tyaona has a more restricted use, with the meaning 'become'. In locative predicates, the copula is used when aspect is specified. Nominal predicates formed by juxtaposition have the following as heads: nouns, numerals or quantifiers. Nominal predicates can be further classified into proper inclusion or identification, and equative (Payne, 1997). The heads of nominal predicates can take aspect markers and personal clitics. The copula tyaona means 'become', and takes also aspectual markers. In locative predicates, juxtaposition is used when aspect is not specified, and the location argument can either precede or follow the theme argument. When aspect markers are required, a copula is used and the argument structure is: a theme argument, a location argument and the copula. The origin of the copula is the verb tyaona which has the meanings: 'live, be born, be, stay, become, happen'. The probably source for the copula is tyaona as a dynamic verb meaning 'happen, become'. Dynamic verbs are one of the main sources of copular verbs (Stassen, 1997). Finally, the focus of this presentation will be the possessive predicates. Possessive predicates may be derived from inalienable (plant parts and kinship terms) and alienable nouns through the attributive ka-. Its negative counterpart is the prefix ma- which derives private stative predicates from nouns and stative verbs. In (1)a, ka- derives a stative predicate from the inalienable noun ityani 'son, daughter', and, in (1)b, the negative stative predicate indicates that the subject of the predicate does not possess the root from which the predicate is derived. In addition, these prefixes have another function of deriving a noun from another noun. Similar to other stative predicates, these constructions may exhibit the gender markers -hare 'MASC' or -halo 'FEM', but the marking is optional. They are typologically interesting because it is not a common strategy to use prefixes such as ka- and ma-, and because of the overlap with another function in the language. (1) a. kaitsaniro ka- ityani -ro ATTR- son, daughter -FEM She has a son, daughter (E) 7

8 b. maitsani(halo)ha ma- itsani -halo -ha NEG- son, daughter -FEM -PL they do not have children (E) References Payne, Thomas E Describing Morphosyntax. Cambridge University Press. Stassen, Leon Intransitive Predication. Oxford: OUP. Pronombres con función innovadora en predicados no verbales ye'kwana Natalia Cáceres Arandia University of Oregon & Laboratoire Dynamique Du Langage Esta presentación investiga la función de las secuencias de pronombres de 3ra persona en los predicados no verbales de la lengua ye'kwana (familia caribe, alrededor de 6000 hablantes en Venezuela y Brasil). El siguiente recuadro presenta el complejo sistema de pronombres de 3ra persona: PRONOMBRES SINGULAR PLURAL PERSONALES tüwü tünwanno DEMOSTRATIVOS INANIMADO ANIMADO Invisible iyö ñöödö ñanno Próximo edö mö'dö Medio mödö mööyö kanno Distante möönü mökkü makkamo Cuadro 1. Pronombres de 3ra persona Los predicados no verbales en ye'kwana se pueden construir por simple yuxtaposición de un predicado {pronombre; nombre; adverbio; sintagma posposicional} y un sujeto {pronombre; nombre} o con la ayuda de un verbo copulativo que indexicaliza de manera regular una referencia al sujeto. Por otra parte, ciertos ejemplos parecen sugerir la existencia de una tercera estrategia basada en el uso de un pronombre de 3ra persona como elemento copulativo. (1) a. Ñöödö mööyö a-jadüi-_-'kö. DEMan DEM2an 2-hermana-POS-DIM Esta es tu prima. (ConvChur.345) b. [...] Mööyö ñöödö a-tamu-dü, mö'dö tü ñöödö o-wo-dü. DEM2an DEMan 2-abuelo-POS DEM1an INTENS DEMan 2-tío-POS [Mi mamá me decía así:] este es tu abuelo, este sí es tu tío. (ConvChur.347) c. Mödö iyö mödö i-w-ei-'jüdü yaawö. DEM2in DEMin DEM2in 3-INTR-COP-PAS.NZR entonces Así fue, así pasó. (CtoTigMor.068) 8

9 Sin embargo, no es evidente cuál sea la función del segundo pronombre de la secuencia, puesto que en otras construcciones un pronombre que precede a sustantivo puede ser interpretado como modificador de este último o incluso como si introdujera o fuera parte de una oración relativa. (2) a. Mö'dö ñöödö tüddödö-to w-aamödeta-'jüdü. DEM1an DEMan aparte-nzr INTR-convertirse-PAS.NZR Este es el que se creó aparte. (IvwCti.174) b. Jademu-:ne ñöödö önöö-ttö kün-a'ja-aakö? oso_hormiguero-intens DEMan comer_carne-que_puede 3.DIS-COP-PDI Era el oso hormiguero que nos comía? (CtoKms.250) Cómo se deben interpretar las secuencias de tipo [NProN]? El pronombre se comporta aquí también como modificador o ha desarrollado una función copulativa? La interpretación en tanto que modificador se hace aún más difícil cuando la secuencia de dos pronombres no precede a ningún sustantivo, a no ser que él pronombre personal funcione como modificador del demostrativo. (3) a. Tün-üdü-e-:ne tüwü mö'dö, mö'dö Adejantudu. PTCP.TR-hacer-PTCP-INTENS 3.SG DEM1an DEM1an Alejandro Él es hacedor/el hace, ese Alejandro. (DescTab.262) b. Iye ka tüwü mödö? palo PI 3.SG DEM2in Ese es un palo? (ConvChurB.070) Este estudio se basa en un corpus de textos espontáneos de más de palabras recolectados de primera mano en dos comunidades ye'kwana de la cuenca del río Caura en Venezuela. Lista de abreviaciones COP=verbo copulativo; DEM{1,2,3}an=demostrativo animado {próximo, medio, distante}; DEM{1,2,3}in=demostrativo inanimado{próximo, medio, distante}; DIM=diminutivo; DIS=distante; INTENS=intensificador; INTR=intransitivo; NZR=nominalizador; PAS=pasado; PDI=Pasado Distante Imperfectivo; PI=particular interrogativa; POS=posesión; PTCP=participio; SG=singular; TR=transitivo Non verbal predication in Yawanawa (Pano) Livia Camargo Tavares UFRJ Stative verbs like keya be tall in Yawanawa may figure in predicational (1-a) and attributive constructions (1-b) if inflected in the perfect aspect. (1-c) shows keya functioning as a verb with an imperfective aspect morpheme -ai. It is difficult to determine whether in (1-b) we have a biclausal construction built from the verbal predication in (1-a) or if it is the other way around and (1-a) is syntactically an adjectival attributive construction semantically equivalent to a copular predication. 9

10 (1) a. Nawa keya. foreigner tall/be.tall.prf The foreigner is tall. b. Nawa keya nuku-a. foreigner tall arrive-prf A tall foreigner has arrived. c. Pakaruka shani, vari key-ai-nũ usha. Pakaruka lazy sun be.tall-impv-ds sleep.prf Pakaruka is lazy, the sun is going up and he is sleeping. The morpheme -pa denotes the result of a process and must be suffixed to process verbs such as ewa to grow for it to figure in predicational (2-c) and attributive (2-d) constructions. (2-a) and (2-b) show ewa acting as a verbal predicate taking perfect and progressive aspect morphemes. The same questions that apply to the stative verb in (1) arise in (2). It is difficult to determine whether we have biclausal constructions in (2-c) and (2-d) or if the predicate ewa loses its verbal status as a noun modifier. (2) a. Vakehu ewa. child grow.prf The child has grown. b. Vakehu ewa-i. child grow-prog The child is growing. c. Vakehu ewa-pa. child grow-res The child is big. d. Vakehu ewa-pa nuku-a. child grow-res arrive-prf The big child has arrived. There are two criteria that can be applied to these constructions to show where phrase boundaries lie and thus hint at the category of the predicate. The first one is pluralization. Plural suffix -hu marks both verb and noun phrases in intransitive (3-a) and transitive (3-b) verbal constructions. (3-c) shows that a phrase takes only one plural marker, given the ungrammaticality of (3-d). (3) a. Yume-hu ve-a-hu. young.person-pl come-pfv-pl The young people came. b. Awihu-hãu yuma pitxã-hu. woman-pl.erg fish cook-pl The women cooked fish. c. [Awĩhu yuma pitxã]-hãu ea ũiy-a-hu. woman fish cook.prf-pl.erg 1S.OBJ see-prf-pl The women who cooked fish saw me. 10

11 d. *[Awĩhu-hãu yuma pitxã]-hãu ea ũiy-a-hu. woman-pl.erg fish cook.prf-pl.erg 1S.OBJ see-prf-pl The women who cooked fish saw me. Thus, the ungrammaticality of (4-b) shows that suffix -pa indeed marks a non-verbal predicate and that we have an attributive adjectival construction in (4-a). (4) a. Peshe ewa-pa-hu. / Peshe-hu ewa-pa. house grow-res-pl / house-pl grow-res The houses are big. b. *Peshe-hu ewa-pa-hu. house-pl grow-res-pl The houses are big. Coordination is one more evidence that shows the non-verbal nature of these constructions. Coordinated verbal predicates are connected by means of switch reference markers. Non-verbal attributive constructions such as (5-a), (5-b), and (5-c) are connected by the same conjunction used to coordinate noun phrases as in (5-d). (5) a. Na peshe ewa-pa inũ xaraka-pa. DEM.PROX house grow-res CONJ be.good-res This house is big and good. b. Peshe ewa-pa ka-i-ma inũ txaka-xta ka-i-ma. house grow-res AUX-IMPV-NEG CONJ be.small-dim AUX-IMPV-NEG The house is not so big and not so small. c. Awĩhu keya inũ shua. woman tall and fat The woman is fat and tall. d. Ẽ inũ mĩ inũ Sana ka-i. 1S.SUBJ CONJ 2S.SUBJ CONJ Sana go-prog You and Sana and I are going. Deriving Tupian SVO Javier Carol, University of Buenos Aires Bernat Bardagil, University of Groningen Andrés Salanova, University of Ottawa Word order is predominantly head-final all across the Tupian family (Moore 1991, Rodrigues and Cabral 2012, among much other work). In light of this, the presence of VO order in at least a couple of the languages in the Tupi- Guarani branch (e.g., Guarani, which is SVO), as well as avoidance of verb finality in main clauses described for Karitiana (Storto 2013) are an anomaly even languageinternally, as the head-final order is maintained in genitive- noun constuctions, adpositional phrases, and, in Karitiana, also in subordinate clauses. 11

12 The more general issue of incongruent head-complement order in matrix clauses has been identified as a research question by language typologists, who recognize that there is evidence that languages of one of the uncommon [ incongruent ] types have undergone a recent historical change in the order of object and verb (Dryer 2013). In the present talk, we present the results from our survey of the literature of Tupian languages in search of evidence for a recent switch to VO. Differently from what is done in the typological enterprise, however, we argue that the evidence for consistent underlying head-final order in Tupian can be found syn- chronically. Extending Storto s work, we find synchronic evidence of matrix clause head movement in various languages beyond Karitiana, but, strikingly, we find even more numerous cases where the evidence points to incongruous headedness in matrix clauses being the result of phrasal extraposition both to the right and to the left edges of the clause. We discuss diagnostics for extraposition with particular reference to original data from Guarani, at the same time that we reexamine object agreement and the object incorporation construction in this language. We contend that the extraposition approach is generally applicable both to other Tupian and to some non-tupian languages spoken in the region, including a few from the Mataco-Guaykuruan and the Macro-Jˆe families, that have matrix clause SVO but head-final structures else- where. References Dryer, Matthew S. (2013) Relationship between the Order of Object and Verb and the Order of Adposition and Noun Phrase (http://wals.info/chapter/95) Moore, D. (1991) A few aspects of comparative tupi syntax. ICA 47. Rodrigues, A., and A. Cabral (2012) Tup ıan. In The Indigenous Languages of South America, pp Storto, L. (2013) Constituent order and information structure in Karitiana ms. Predicados existenciais em Canela Flávia de Castro Alves Universidade de Brasília & University of Oregon Predicados existenciais em Canela apresentam vários tipos de construção. Uma delas é constituída por um nome alienável que ocorre na posição de núcleo do predicado, o qual é precedido por seu sujeito, marcado pelo caso dativo (1a-b). Nos casos em que o nome é inalienavelmente possuído, o sujeito e o prefixo de posse são co-referentes (2a). Para os nomes alienavelmente possuídos, o nome pode receber a marca de genitivo -ɔ (2b). (1) a. ku-ma tɛp 3-DAT peixe ele tem peixe (lit. há faca para mim ) (1) b. mɛ= ku-ma amji=k h in=tʃɜ PL= 3-DAT RFL=ser.agradável=NMZ eles tem namorada (lit. há namoradas para eles ) 12

13 (2) a. a i -ma a i -to 2-DAT 2-irmão você tem irmão (2) b. kuprɨ ma h-ɔ tʃũ menina DAT 3-GEN pai a menina tem pai O objetivo deste trabalho será mostrar (i) de que maneira os predicados existenciais em Canela são diferentes dos predicados possessivos (3) e locativos (4): (3) pur i-tɛ k h je roça 1-COP lado a roça é minha (4) pɜrk h rɛ k h am j canoa LOC estar.sentado (ele está) na canoa (sentado) (ii) mostrar a variação na posposição marcando o sujeito ma DATIVO versus pe MALEFACTIVO na interrogativa (5) e na negação existencial (6): (5) a. a-ma pɜrkhrɛ? (5) b. a-pe pɜrkhrɛ? 2-DAT canoa 2-MAL canoa você tem canoa? você não tem canoa? (6) a. ku-ma iʔ-pro inarɛ (6) b. ku-pe iʔ-pro inarɛ 3-DAT 3-esposa Neg.Exist 3-MAL 3-esposa Neg.Exist ele não tem esposa E finalmente (iii) mostrar a expressão do modo irrealis nas construções existenciais (7). Estas podem comportar-se de maneira similar às típicas orações verbais, ao mesmo que apresentam uma gramática própria das orações não verbais. (7) a. kei=ha ij-ma tɛp [sempre nao co-referentes] 3=IRR 1-DAT peixe eu vou ter peixe (7) b. [ke=ha juʔkʰam iʔ-tu] ke ha kuhɨ na iʔ-nkro 3=IRR onde 3-inchaço 3 IRR fogo LOC 3-esquentar nɛ tɔ kakro ke ha iʔ-ntʃu SS INSTR esquentar 3 IRR 3-desinchar se tem um inchaço em algum lugar (do corpo), esquenta (a folha) no fogo, aquece (a parte inchada) com (a folha) e vai desinchar (7) c. apen [ke=ha amkrə kʰam i-ra nɛ h-o] mangaba 3=IRR verão LOC 3-flor e 3-fruto mangaba dá flor e fruto no verão (lit. (sobre o pé de) mangaba, há flores e frutos no verão ) 13

14 (7) d. ke=ha i-ra nɛ h-o nɛ iʔ-ntɛp 3=IRR 3-flor e 3-fruto SS 3-estar.vermelho ke=ha mɛ iʔ-kʰẽʔkʰẽ nɛ iʔ-hɨ nɛ kahuw kʰam twə 3=IRR PL 3-quebrar SS 3-semente SS pilão LOC pisar quando dá flores e frutos e eles ficam maduros, a gente quebra (o galho que está com o fruto), debulha, (coloca) no pilão e pisa An internal classification of Tupí-Guaraní using computational phylogenetic methods Natalia Chousou-Polydouri, Zachary O'Hagan, Keith Bartolomei, Erin Donnelly, and Lev Michael University of California, Berkeley This talk presents a new internal classification of the Tupí-Guaraní (TG) family, based on a computational phylogenetic analysis of lexical data. Previous classifications of TG typically recognize eight major subgroups (Rodrigues 1984/1985, Jensen 1998, Mello 2000), but propose no relations between these groups. Rodrigues and Cabral (2002) propose a more detailed structure, but the tree remains modestly articulated. The classification we present proposes more detailed relationships between proposed TG subgroups, and in some cases, questions the validity of these subgroups. We analyze a lexical dataset based on ~600 meanings for which lexical items were collected from 31 TG languages, spanning all eight proposed subgroups, and two outgroup Tupian languages (Awetí and Sateré-Mawé). On the basis of this dataset we constructed ~1400 non-singleton cognate sets, using a method that prioritized inter-coder agreement on similarity judgments, examined forms for morphological complexity, and made use of sound correspondences to distinguish cognates from mere lookalikes. In addition, semantic shift was tracked, with cognate sets including forms with shifted meanings, as well as roots isolated from compounds. Sets were coded as binary presence/absence characters for each language, and the resulting character matrix was analyzed using Bayesian phylogenetic methods as implemented in MrBayes (Ronquist and Huelsenbeck 2003), using a restriction site model that allowed for different cognate loss and gain rates across etyma, and a majority-rule consensus tree with explicit posterior probabilities. Our results exhibit partial overlap with traditional low-level TG subgroups. Our analysis confirms the membership of Groups III, VI, and VII, while merging Groups I and II. Our results indicate a different partitioning of Group IV and V languages, and a split of Group VIII into two subgroups. Our analysis mostly supports Cabral and Rodrigues' (2002) claim that Group IV, V, and VI languages form a subgroup (although we posit a different structure), but does not confirm that these languages form a subgroup with Groups VII and VIII. Our analysis includes two languages of uncertain status in previous classifications, Aché and Pauserna, which we place in the merged Group I and II subgroup. At higher levels of organization, we find a subgroup consisting of Groups I, II, III and Tembé (a traditional member of Group IV), another subgroup including most of the languages of Groups IV, V, and VI, and two high-level subgroups consisting of northern and southern members, respectively, of Group VIII. Kamaiurá emerges as the first language to split off of TG. 14

Natureza e direções das mudanças de alinhamento ocorridas no tronco Tupí

Natureza e direções das mudanças de alinhamento ocorridas no tronco Tupí Natureza e direções das mudanças de alinhamento ocorridas no tronco Tupí Ana Suelly Arruda Camara CABRAL Lali/UnB 1. Nesta comunicação será mostrado que a divisão do tronco Tupí em dois ramos principais

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

Conteúdo Programático Anual

Conteúdo Programático Anual INGLÊS 1º BIMESTRE 5ª série (6º ano) Capítulo 01 (Unit 1) What s your name? What; Is; My, you; This; Saudações e despedidas. Capítulo 2 (Unit 2) Who s that? Who; This, that; My, your, his, her; Is (afirmativo,

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Centro Educacional Brasil Central Nível: Educação Básica Modalidade: Educação de Jovens e Adultos a Distância Etapa: Ensino Médio APOSTILA DE INGLÊS

Centro Educacional Brasil Central Nível: Educação Básica Modalidade: Educação de Jovens e Adultos a Distância Etapa: Ensino Médio APOSTILA DE INGLÊS Centro Educacional Brasil Central Nível: Educação Básica Modalidade: Educação de Jovens e Adultos a Distância Índice APOSTILA DE INGLÊS Módulo I - EXPRESSÕES PARA USO COTIDIANO - SUBJECT PRONOUNS - VERBO

Leia mais

Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro

Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro Nize Paraguassu Endereço Acadêmico: Departamento de Lingüística - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Universidade

Leia mais

Estratégia de Leitura Elementos de Referência. Reference devices ou elementos de referência

Estratégia de Leitura Elementos de Referência. Reference devices ou elementos de referência Estratégia de Leitura Elementos de Referência Reference devices ou elementos de referência Ao ler textos sobre qualquer assunto, em qualquer área de conhecimento, todo leitor percebe uma relação de REFERÊNCIA

Leia mais

CONCURSO DE BOLSAS 2016 CONTEÚDOS PRÉVIOS DO 5º ANO PARA CANDIDATOS A BOLSA NO 6 ANO DISCIPLINA CONTEÚDO

CONCURSO DE BOLSAS 2016 CONTEÚDOS PRÉVIOS DO 5º ANO PARA CANDIDATOS A BOLSA NO 6 ANO DISCIPLINA CONTEÚDO CONTEÚDOS PRÉVIOS DO 5º ANO PARA CANDIDATOS A BOLSA NO 6 ANO INGLÊS Leitura e interpretação textual; Tipologia Textual; Artigo; Substantivo; Adjetivo; Pronome; Verbos; Advérbio; Preposição; Fonema e letra.

Leia mais

Andrew is an engineer and he works in a big company. Sujeito Predicado (e) Suj. Predicado

Andrew is an engineer and he works in a big company. Sujeito Predicado (e) Suj. Predicado Inglês Aula 01 Título - Frases básicas em Inglês As orações em Inglês também se dividem em Sujeito e Predicado. Ao montarmos uma oração com um sujeito e um predicado, montamos um período simples. Estas

Leia mais

Planificação Annual Turma P.C.A.

Planificação Annual Turma P.C.A. Inglês º Ciclo-6º Ano Manual: Look! Ano letivo:0/03 Planificação Annual Turma P.C.A. Objetivos Gerais No final do ano os alunos devem: - Demostrar conhecimentos de vocabulário a nível das áreas lexicais

Leia mais

OUTRA FORMA DE VER? A CONSTRUÇÃO DO AUTOCONCEITO DE CRIANÇAS CEGAS E AMBLIOPES

OUTRA FORMA DE VER? A CONSTRUÇÃO DO AUTOCONCEITO DE CRIANÇAS CEGAS E AMBLIOPES UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DE BRAGA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS OUTRA FORMA DE VER? A CONSTRUÇÃO DO AUTOCONCEITO DE CRIANÇAS CEGAS E AMBLIOPES II Ciclo de Estudos em Ciências da

Leia mais

ANO LETIVO 2013-2014 CONTEÚDOS CURRICULARES

ANO LETIVO 2013-2014 CONTEÚDOS CURRICULARES Ano de escolaridade: 5º LÉXICO O Reino Unido Saudações Identidade Nomes ingleses O alfabeto A sala de aula Objectos escolares As cores Os dias da semana Países Nacionalidades Numerais cardinais (de 1 a

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP

Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP EDITAL Nº 01/2014 CLCA-CCP A Diretora do Centro de Letras, Comunicação e Artes CLCA, do campus de Cornélio Procópio, da Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP, no exercício regular de seu cargo

Leia mais

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET 2015 1 e-mail:mario@labma.ufrj.br Tables BR-EMS, mortality experience of the Brazilian Insurance Market, were constructed,

Leia mais

The Indigenous Population of Brazil 1991 Population Census

The Indigenous Population of Brazil 1991 Population Census The Indigenous Population of Brazil 1991 Population Census Authors: Nilza Oliveira Martins Pereira (principal author), Tereza Cristina Nascimento Araujo, Valéria Beiriz, Antonio Florido- IBGE The definition

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

In this lesson we will review essential material that was presented in Story Time Basic

In this lesson we will review essential material that was presented in Story Time Basic Portuguese Lesson 1 Welcome to Lesson 1 of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português 1 Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português A partir do momento que você souber de cor a função de cada peça do nosso jogo de dominó, você não terá mais problemas para formular frases,

Leia mais

A CONVERSÃO ADJETIVO/SUBSTANTIVO EM FORMAÇÕES DEVERBAIS X-DO NO PORTUGUÊS DO BRASIL

A CONVERSÃO ADJETIVO/SUBSTANTIVO EM FORMAÇÕES DEVERBAIS X-DO NO PORTUGUÊS DO BRASIL Fábio Flores A CONVERSÃO ADJETIVO/SUBSTANTIVO EM FORMAÇÕES DEVERBAIS X-DO NO PORTUGUÊS DO BRASIL Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Estudos da Linguagem do Departamento

Leia mais

TALKING ABOUT PLACES IN TOWN

TALKING ABOUT PLACES IN TOWN Aula2 TALKING ABOUT PLACES IN TOWN META Apresentar a estrutura gramatical there be a qual representa o verbo haver em português - bem como trabalhar os adjetivos possessivos e vocabulário de suporte aos

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt.

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. NORMAS PARA AUTORES As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. COPYRIGHT Um artigo submetido à Revista Portuguesa

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho Título: Direção e Taxa (Velocidade) de Acumulação de Capacidades Tecnológicas: Evidências de uma Pequena Amostra de Empresas de Software no Rio de Janeiro, 2004 Autor(a): Eduardo Coelho da Paz Miranda

Leia mais

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes Lesson 6 Notes Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job Welcome to Fun With Brazilian Portuguese Podcast, the podcast that will take you from beginner to intermediate in short, easy steps. These

Leia mais

EVIDÊNCIAS DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO VP NA LÍNGUA TENETEHÁRA

EVIDÊNCIAS DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO VP NA LÍNGUA TENETEHÁRA EIDÊNCIAS DA ESTRUTURA BIPARTIDA DO P NA LÍNGUA TENETEHÁRA Introdução Quesler Fagundes Camargos / FALE - UFMG Fábio Bonfim Duarte / FALE - UFMG Neste trabalho, temos por objetivo investigar o estatuto

Leia mais

ATAS DO II ENCONTRO NACIONAL DO GRUPO DE ESTUDOS DE LINGUAGEM DO CENTRO-OESTE: INTEGRAÇÃO LINGÜÍSTICA, ÉTNICA E SOCIAL

ATAS DO II ENCONTRO NACIONAL DO GRUPO DE ESTUDOS DE LINGUAGEM DO CENTRO-OESTE: INTEGRAÇÃO LINGÜÍSTICA, ÉTNICA E SOCIAL ATAS DO II ENCONTRO NACIONAL DO GRUPO DE ESTUDOS DE LINGUAGEM DO CENTRO-OESTE: INTEGRAÇÃO LINGÜÍSTICA, ÉTNICA E SOCIAL Denize Elena Garcia da Silva (Organizadora) Brasília 2004 Este artigo foi extraído

Leia mais

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio Teste Intermédio de Inglês Parte IV Interação oral em pares Teste Intermédio Inglês Guião Duração do Teste: 10 a 15 minutos De 25.02.2013 a 10.04.2013 9.º Ano de Escolaridade D TI de Inglês Página 1/ 7

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO Questão: 26 30 41 A questão 26 do código 02, que corresponde à questão 30 do código 04 e à questão 41 do código 06 Nº de Inscrição: 2033285 2041257 2030195 2033529 2032517 2080361 2120179 2120586 2037160

Leia mais

Análise Probabilística de Semântica Latente aplicada a sistemas de recomendação

Análise Probabilística de Semântica Latente aplicada a sistemas de recomendação Diogo Silveira Mendonça Análise Probabilística de Semântica Latente aplicada a sistemas de recomendação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Uma prova, para avaliar tantos candidatos deve ser sempre bem dosada como foi a deste ano. Houve tanto questões de interpretação (6) como de gramática

Leia mais

Semestre do plano de estudos 1

Semestre do plano de estudos 1 Nome UC Inglês CU Name Código UC 6 Curso LEC Semestre do plano de estudos 1 Área científica Gestão Duração Semestral Horas de trabalho 54 ECTS 2 Horas de contacto TP - 22,5 Observações n.a. Docente responsável

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE INGLÊS - 1º PERÍODO 8º ANO DE ESCOLARIDADE NÍVEL 4

PLANIFICAÇÃO DE INGLÊS - 1º PERÍODO 8º ANO DE ESCOLARIDADE NÍVEL 4 PLANIFICAÇÃO DE INGLÊS - 1º PERÍODO 8º ANO DE ESCOLARIDADE NÍVEL 4 MANUAL ADOTADO: NEXT MOVE- 8º ANO DE ESCOLARIDADE ANO LETIVO 2014/2015 PROFESSORAS: ISABEL NUNES, ISABEL SILVA COMPETÊNCIA COMPETÊNCIAS

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

Trabalho de Compensação de Ausência - 1º Bimestre

Trabalho de Compensação de Ausência - 1º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Trabalho de Compensação de Ausência

Leia mais

Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante?

Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante? Do you know how to ask questions in English? Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante? Note que tanto

Leia mais

ESTUDOS LI GUÍSTICOS SOBRE LÍ GUAS I DÍGE AS BRASILEIRAS

ESTUDOS LI GUÍSTICOS SOBRE LÍ GUAS I DÍGE AS BRASILEIRAS SILVA, Wilson. Estudos linguísticos de línguas indígenas brasileiras. ReVEL. Edição especial n. 3, 2009. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. ESTUDOS LI GUÍSTICOS SOBRE LÍ GUAS I DÍGE AS BRASILEIRAS Wilson

Leia mais

Serviços: API REST. URL - Recurso

Serviços: API REST. URL - Recurso Serviços: API REST URL - Recurso URLs reflectem recursos Cada entidade principal deve corresponder a um recurso Cada recurso deve ter um único URL Os URLs referem em geral substantivos URLs podem reflectir

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

Exercícios extras. Na aula de hoje, você deverá arregaçar as

Exercícios extras. Na aula de hoje, você deverá arregaçar as Exercícios extras Assunto do dia Na aula de hoje, você deverá arregaçar as mangas e entrar de cabeça nos exercícios extras, que têm como tema tudo que vimos nas aulas do Segundo Grau. Atenção: 3, 2, 1...

Leia mais

1. Lingüística Periódicos. 2. Língua Inglesa Periódicos

1. Lingüística Periódicos. 2. Língua Inglesa Periódicos ISSN 0102-7077 the ESP São Paulo Vol. 25 nº especial p. 1-114 2004 The Especialist/Centro de Pesquisas, Recursos e Informação em Leitura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo CEPRIL. V. 1, n.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LETRAS INGLÊS TÉCNICO E CIENTÍFICO PROFESSOR: WELLINGTON BORGES

DEPARTAMENTO DE LETRAS INGLÊS TÉCNICO E CIENTÍFICO PROFESSOR: WELLINGTON BORGES Palavras cognatas, palavras repetidas e marcas tipográficas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ DEPARTAMENTO DE LETRAS INGLÊS TÉCNICO E CIENTÍFICO PROFESSOR: WELLINGTON BORGES Fatos: A língua inglesa teve origem

Leia mais

1ª A, B, C, D, E Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: 02 TOTAL DE HORAS/AULA/ANO:

1ª A, B, C, D, E Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: 02 TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: P L A N O D E E N S I N O A N O D E 2 0 1 2 ÁREA / DISCIPLINA: Inglês (Profa: Maria Luiza da Silveira Bicalho) SÉRIE: 1ª A, B, C, D, E Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: 02 TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: 80 COMPETÊNCIA

Leia mais

Relatório completo de proficiência da língua inglesa

Relatório completo de proficiência da língua inglesa Relatório completo de proficiência da língua inglesa 1 2 Entenda a avaliação Nesta avaliação de proficiência de inglês como língua estrangeira, quantificamos e identificamos o nível e perfil atual do candidato,

Leia mais

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM.

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS Prova-modelo Instruções Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. A prova é avaliada em 20 valores (200 pontos). A prova é composta

Leia mais

2. Não serão aceitos certificados de cursos de idiomas para fins de dispensa do referido exame.

2. Não serão aceitos certificados de cursos de idiomas para fins de dispensa do referido exame. COODENADORIA DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS - CODALIN Exame de Proficiência em Língua Inglesa - Edital Codalin 01-2013 O Exame de Proficiência em Língua Inglesa é destinado aos alunos regularmente matriculados

Leia mais

Apresentação V.B.M.P.S.

Apresentação V.B.M.P.S. ISSN 0102-7077 the ESP São Paulo Vol. 25 nº 1 p. 1-106 2004 The Especialist/Centro de Pesquisas, Recursos e Informação em Leitura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo CEPRIL. V. 1, n. 1 (1980)-.

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

ENSINO MÉDIO 1. MEMBROS DA FAMÍLIA 2. ALIMENTOS 3. DIAS DA SEMANA 4. MESES 5. ESTAÇÕES DO ANO 6. NUMERAIS CARDINAIS E ORDINAIS

ENSINO MÉDIO 1. MEMBROS DA FAMÍLIA 2. ALIMENTOS 3. DIAS DA SEMANA 4. MESES 5. ESTAÇÕES DO ANO 6. NUMERAIS CARDINAIS E ORDINAIS SÍNTESE DA AULA DE INGLÊS ENSINO MÉDIO I VOCABULÁRIO IMPORTANTE: 1. MEMBROS DA FAMÍLIA 2. ALIMENTOS 3. DIAS DA SEMANA 4. MESES 5. ESTAÇÕES DO ANO 6. NUMERAIS CARDINAIS E ORDINAIS II - PERSONAL PRONOUNS

Leia mais

PREDICADOS COMPLEXOS. Maria José Foltran* Preliminares

PREDICADOS COMPLEXOS. Maria José Foltran* Preliminares ESTUDOS LINGÜÍSTICOS PREDICADOS COMPLEXOS Maria José Foltran* Preliminares T? ste artigo tem um caráter eminentemente descritivo. Nosso proposito B J é mostrar que os chamados predicados complexos englobam

Leia mais

Lung Cancer. Risk Factors

Lung Cancer. Risk Factors Lung Cancer The lungs are the organs that help us breathe. They help to give oxygen to all the cells in the body. Cancer cells are abnormal cells. Cancer cells grow and divide more quickly than healthy

Leia mais

METAS CURRICULARES DE INGLÊS 5.º Ano Nível A1

METAS CURRICULARES DE INGLÊS 5.º Ano Nível A1 METAS CURRICULARES DE INGLÊS 5.º Ano Nível A1 Os objetivos e descritores indicados devem, sempre que necessário, continuar a ser mobilizados em anos subsequentes. Domínio de referência: Compreensão Oral/

Leia mais

Inglês 17 Past Perfect

Inglês 17 Past Perfect Inglês 17 Past Perfect O Past Perfect é um tempo verbal utilizado quando temos duas ações que ocorreram no passado, porém uma delas ocorreu antes da outra. When you called, she had just received the bad

Leia mais

Aula7 SHARING ABILITIES. Fernanda Gurgel Raposo

Aula7 SHARING ABILITIES. Fernanda Gurgel Raposo Aula7 SHARING ABILITIES META Iniciar um novo ciclo de estudos - uma vez que encerramos o ciclo de tópicos relacionados à rotina - voltado dessa vez ao discurso produzido a partir dos usos do verbo CAN,

Leia mais

Calendarização da Componente Letiva Ano Letivo 2015/16. Área Disciplinar de Inglês. Períodos 1º Período

Calendarização da Componente Letiva Ano Letivo 2015/16. Área Disciplinar de Inglês. Períodos 1º Período 5º Ano Calendarização da Componente Letiva Ano Letivo 2015/16 Área Disciplinar de Inglês s 1º 2º 3º Número de aulas previstas (45 minutos) 39 31 28 Apresentação e Diagnóstico 1 Avaliação (preparação, fichas

Leia mais

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Raquel Jauffret Guilhon Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

Inglês Técnico Instrumental

Inglês Técnico Instrumental Inglês Técnico Instrumental Aula 1 Inglês Técnico Instrumental - Aula 1 1 Objetives Conhecer a estrutura gramatical inglesa. Compreender as diferenças idiomáticas entre português e inglês. Empregar corretamente

Leia mais

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López FUNDAMENTACIÓN: IDIOMA: PORTUGUÊS CONTENIDO TEMÁTICO Llevando en consideración las directrices del Marco Europeo Común de Referencia, el examen será encuadrado en un nivel Intermedio Superior. En este

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

Estudar o Inglês Quando a Língua Materna é o Português/ Studying English as a Portuguese Native Speaker

Estudar o Inglês Quando a Língua Materna é o Português/ Studying English as a Portuguese Native Speaker Ficha de Unidade Curricular [FUC] 1 1. Unidade curricular / Curricular Unit Estudar o Inglês Quando a Língua Materna é o Português/ Studying English as a Portuguese Native Speaker 2. Designação do Ciclo

Leia mais

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks Conteúdo: Reading - Typographic Marks Habilidades: Utilizar as Marcas Tipográficas para facilitar a compreensão e também chamar a atenção do leitor. Typographic Marks O que são marcas tipográficas? As

Leia mais

Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista

Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista Loremi Loregian-Penkal 1 1 Departamento de Letras Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO) Rua Holanda, 293 84500-000 Irati PR

Leia mais

Inglês Técnico Instrumental

Inglês Técnico Instrumental Inglês Técnico Instrumental Aula 5 Inglês Técnico Instrumental - Aula 5 1 Objectives Empregar os verbos no passado de modo a exercitar exemplos práticos do cotidiano do técnico em informática; Elaborar

Leia mais

Estudar a Prosódia. Sónia Frota. Dep. Linguística, Laboratório de Fonética, Onset-CEL, FLUL http://www.fl.ul.pt/laboratoriofonetica/

Estudar a Prosódia. Sónia Frota. Dep. Linguística, Laboratório de Fonética, Onset-CEL, FLUL http://www.fl.ul.pt/laboratoriofonetica/ RITMO E MELODIA: Conhecimento Fonológico e Aplicações Estudar a Prosódia Sónia Frota Dep. Linguística, Laboratório de Fonética, Onset-CEL, FLUL http://www.fl.ul.pt/laboratoriofonetica/ Programa 1. Organização

Leia mais

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges 3 o ANO ENSINO MÉDIO Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges Unidade II Science Health and nature 2 Aula 5.1 Conteúdos Phrasal Verbs in texts 3 Habilidade Identificar os phrasal verbs em textos

Leia mais

Descrição das actividades

Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Em Acção Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos Guião D 1.º MOMENTO Intervenientes

Leia mais

A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing

A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing Marcello de Lima Azambuja A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing Dissertação de Mestrado Dissertation presented to the Postgraduate Program in Informatics of the Departamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V INGLÊS 5º ANO /Nível 1 - Ensino Básico 5º 1 39 30 29 98 5º 2 37 32 27 96 5º 3 39 31 28 98 5º 4 37 32 28 97 Identificação (nome, idade, endereço, nº de telefone) Saudação Alfabeto Numerais Cardinais de

Leia mais

MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO

MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO CENTRO UNIVERSITÁRIO FIEO Osasco 2009 MARLI DA COSTA RAMOS

Leia mais

Phrasal Verbs, What for?

Phrasal Verbs, What for? Phrasal Verbs, What for? Um dos maiores problemas que o estudante da língua inglesa enfrenta para entender conversas cotidianas, filmes ou músicas em inglês é o uso dos chamados Phrasal Verbs, que tornam

Leia mais

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16 Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito Unidade curricular História do Direito Português I (1º sem). Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

Third Party Relationships: Auditing and Monitoring

Third Party Relationships: Auditing and Monitoring Third Party Relationships: Auditing and Monitoring October 3, 2012 3 de octubre del 2012 Agenda Speakers On-going monitoring of third party relationship On-site audits/ distributor reviews Questions &

Leia mais

Inglês 22 Passive Voice

Inglês 22 Passive Voice Inglês 22 Passive Voice A voz passiva é muito utilizada em inglês. Por sorte, ela não é difícil de entender. Observe como ela é organizada. To be + Participle = Passive Usando-se então o verbo to be, em

Leia mais

Interactive Internet TV Architecture Based on Scalable Video Coding

Interactive Internet TV Architecture Based on Scalable Video Coding Interactive Internet TV Architecture Based on Scalable Video Coding Pedro Gomes Moscoso Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia de Redes de Comunicações Presidente: Orientador: Co-Orientador:

Leia mais

Inglês 05 The Present.

Inglês 05 The Present. Inglês 05 The Present. O Presente Simples expressa uma ação que acontece rotineiramente, em contraste com o Continuous, que expressa, entre outras coisas, uma ação que esta se processando no momento. He

Leia mais

GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA

GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA Camila Nunes de Souza 1 Grande parte das gramáticas apresenta os verbos modais como unidades, fragmentando, definindo

Leia mais

Simulação Gráfica e Visão Computacional. Soraia Raupp Musse

Simulação Gráfica e Visão Computacional. Soraia Raupp Musse Simulação Gráfica e Visão Computacional Soraia Raupp Musse Objetivo Analisar exemplos comerciais e do estado-da-arte científicos que utilizam dados reais para aprimorar a qualidade de simulações e animações.

Leia mais

PRONOMES. Ø Pronomes Pessoais

PRONOMES. Ø Pronomes Pessoais PRONOMES O pronome é uma palavra usada no lugar do nome (substantivo) para evitar a sua repetição e concorda, em gênero e número com o substantivo que representa. Para cada tipo de Pronome há um tipo de

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

Validation of the Paratest as efficient method for parasitological diagnosis

Validation of the Paratest as efficient method for parasitological diagnosis Validation of the Paratest as efficient method for parasitological diagnosis TEODORO B. K.; ROBERTO T. N.; BRASIL D. M. E SOUZA L. B.; SOUZA M. C.; PAULETTO M. C. A. C.; MAMED J. A.; SBRAVATE-MARTINS C.

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA PROVA DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E CAPACIDADES Componente Específica Inglês. Código da Prova 5200 2014/2015

INFORMAÇÃO-PROVA PROVA DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E CAPACIDADES Componente Específica Inglês. Código da Prova 5200 2014/2015 INFORMAÇÃO-PROVA PROVA DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E CAPACIDADES Componente Específica Inglês Código da Prova 5200 2014/2015 O presente documento divulga informação relativa à Prova de Avaliação de Conhecimentos

Leia mais

Inglês 11 The Present Perfect.

Inglês 11 The Present Perfect. Inglês 11 The Present Perfect. O Present Perfect é um tempo verbal em inglês que mostra uma ação que ocorreu no passado, mas os efeitos estão no presente. My grandfather has recovered from his illness.

Leia mais

Planificação anual - 2015/2016llllllllllll. Disciplina / Ano: Inglês / 5º ano. Manual adotado: Win!5 (Oxford University Press) Gestão de tempo

Planificação anual - 2015/2016llllllllllll. Disciplina / Ano: Inglês / 5º ano. Manual adotado: Win!5 (Oxford University Press) Gestão de tempo 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO ESCOLA BÁSICA DA ABELHEIRA PLANIFICAÇÃO ANUAL DE INGLÊS DO 5.º ANO 2015/2016 Planificação anual - 2015/2016llllllllllll Disciplina / Ano: Inglês / 5º ano Manual adotado:

Leia mais

Dependent Clauses ( Orações Subordinadas)

Dependent Clauses ( Orações Subordinadas) www.blogpensandoemingles.com www.facebook.com/pensandoeminglesblog Dependent Clauses ( Orações Subordinadas) Para entendermos melhor este assunto será necessário observarmos como ele funciona em português.

Leia mais

Inglês Técnico Instrumental

Inglês Técnico Instrumental Inglês Técnico Instrumental Aula 3 Inglês Técnico Instrumental - Aula 3 1 Objectives Utilizar corretamente o uso dos pronomes demonstrativos e os artigos definidos e indefinidos. Compreender a estrutura

Leia mais

Os valores das preposições a, até, para e com em PE* Manuel Luís Costa

Os valores das preposições a, até, para e com em PE* Manuel Luís Costa Os valores das preposições a, até, para e com em PE* Manuel Luís Costa Abstract: The main goal of this research project is the characterization of the semantic values of the Portuguese prepositions a,

Leia mais

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps Mariane Alves Dal Santo marianedalsanto@udesc.br Francisco Henrique de Oliveira chicoliver@yahoo.com.br Carlos Loch cloch@ecv.ufsc.br Laboratório de Geoprocessamento GeoLab Universidade do Estado de Santa

Leia mais

What do you do? Na aula de hoje o tema ainda é o tempo. Ian - Vou buscar o jogo dos desenhos. Virgínia - I don t know this game! Is it easy?

What do you do? Na aula de hoje o tema ainda é o tempo. Ian - Vou buscar o jogo dos desenhos. Virgínia - I don t know this game! Is it easy? What do you do? Assunto do dia Na aula de hoje o tema ainda é o tempo presente. Vamos ver o Simple Present, que descreve as ações que ocorrem freqüentemente. Na história de hoje Os Carters estão em casa

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA

REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA SCHER, Ana Paula. ReVEL na escola: Morfologia Distribuída. ReVEL, v. 13, n. 24, 2015. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA Ana Paula Scher 1 Universidade de São Paulo Os processos

Leia mais

TU ou VOCÊ?: uma questão de identidade cultural

TU ou VOCÊ?: uma questão de identidade cultural Jane Cristina Duarte dos Santos TU ou VOCÊ?: uma questão de identidade cultural Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo Programa de

Leia mais

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges 3 o ANO ENSINO MÉDIO Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges Avaliação da unidade III Pontuação: 7,5 pontos 2 LEIA O TEXTO A SEGUIR E RESPONDA AS QUESTÕES 1 E 2. Does the color red really make

Leia mais

Hoje trago um texto traduzido para vocês com um tema quentíssimo para todos os certames: O programa Mais Médicos.

Hoje trago um texto traduzido para vocês com um tema quentíssimo para todos os certames: O programa Mais Médicos. Hi, students! Hoje trago um texto traduzido para vocês com um tema quentíssimo para todos os certames: O programa Mais Médicos. Além disso, tenho uma super novidade para vocês: minha página no facebook!

Leia mais

Palavras-chave: Modalidade. Verbos modais. Tradução. Equivalência.

Palavras-chave: Modalidade. Verbos modais. Tradução. Equivalência. Modalidade - Tradução e equivalência Modality - translation and equivalence Maria Lúcia de Castro Gomes (a) (a) Coordenadora de Idiomas no Grupo Educacional Uninter. Mestre em Lingüística Aplicada pela

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais