TÍTULO I CAPÍTULO ÚNICO Da criação, natureza, objetivos e organização

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO I CAPÍTULO ÚNICO Da criação, natureza, objetivos e organização"

Transcrição

1 LEI N.º 199/94, de 24 de junho de 1994 Dispõe sobre a criação do Fundo de Previdência do Município de Cardoso Moreira, e dos planos de benefícios da Previdência e dá outras providências. seguinte, A Câmara Municipal de Cardoso Moreira aprovou e eu sanciono a LEI: TÍTULO I CAPÍTULO ÚNICO Da criação, natureza, objetivos e organização Art. 1º Fica instituído o FUNDO DE PREVIDÊNCIA DO MICÍPIO DE CARDOSO MOREIRA - F.P.M.C.M., vinculado à SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E ADMINISTRAÇÃO, a quem compete administrá-lo tendo como objetivo fundamental proporcionar aos Segurados e Dependentes o que segue na forma abaixo: I - Universalidade da Cobertura e do Atendimento; II - Uniformidade e Equivalência dos Beneficiários e Serviços a todos os Servidores Municipais; III - Seletividade e Distributividade da prestação dos Benefícios e Serviços; IV - Diferenciação do valor dos Benefícios. Art. 2º A previdência Social tem por fim assegurar aos seus beneficiários meios disponíveis de manutenção por motivo de incapacidade, idade avançada, tempo de serviço, encargos de família e reclusão ou morte daqueles de que dependiam economicamente. Parágrafo único. A organização da Previdência Social obedecerá aos seguintes princípios e diretrizes:

2 a) universalidade de participação nos planos previdenciários mediante contribuição; b) valor da renda mensal dos Benefícios, substitutos do salário-decontribuição ou de rendimento do trabalho do segurado, não inferior ao do salário mínimo; c) cálculo dos Benefícios considerando-se os salários-de-contribuição, atualizados; d) preservação do valor real dos Benefícios. Art. 3º A municipalidade é responsável pela cobertura de eventuais insuficiências financeiras da seguridade social, quando decorrentes do pagamento de Benefícios de prestação contínua da Previdência Social. Art. 4º O seguro social, a cargo do F.P.M.C.M., mediante a contribuição dos servidores do Município, tem por finalidade principal assegurar a seus Beneficiários meios indispensáveis de manutenção por motivo de incapacidade, idade avançada, tempo de serviço, encargos familiares ou, morte daquele de quem dependiam economicamente. TÍTULO II Da Organização e Administração SEÇÃO I Dos Órgãos Art. 5º A gestão dos negócios do F.P.M.C.M., será exercida por seu Gestor, o Secretário de Governo e Administração e um Conselho Diretor, composto por 5 (cinco) membros, todos nomeados pelo Prefeito Municipal. Parágrafo único. Além dos cargos citados neste artigo, haverá um Coordenador do F.P.M.C.M. designado pelo Secretário de Governo e Administração. SEÇÃO II Do Conselho diretor Art. 6º O Conselho Diretor tem por finalidade: a) examinar o Plano Anual dos trabalhos do F.P.M.C.M. e suas modificações; b) auxiliar o Secretário de Governo e Administração na organização do Orçamento Anual;

3 c) opinar sobre qualquer assunto que lhe seja submetido pelo Secretário de Governo e Administração; d) determinar as modalidades de assistência a ser prestada aos Beneficiários do Fundo de Previdência Municipal de Cardoso Moreira, não contemplados nesta Lei; e) fixar os critérios de aplicação dos recursos do F.P.M.C.M.; f) decidir sobre os casos omissos desta Lei; g) examinar e aprovar os balancetes mensais do F.P.M.C.M.; h) emitir parecer sobre o balanço anual, até 31 de janeiro do ano subsequente; i) examinar a qualquer época os livros e documentos do F.P.M.C.M.; j) relatar ao Prefeito as irregularidades verificadas, sugerindo medidas saneados; l) examinar previamente os Convênios, Contratos e Acordos a serem firmados pelo Fundo de Previdência do Município de Cardoso Moreira; m) homologar os atos de concessão de Benefícios; n) aprovar aquisição e alienação de bens imóveis. 1º O Conselho Diretor reunir-se-á, ordinariamente uma vez por mês e, extraordinariamente, quando convocado pelo Secretário de Governo e Administração, seu Presidente. 2º As deliberações do Conselho Diretor serão tomadas por maioria de votos, cabendo ao Presidente o voto de qualidade em caso de empate. 3º Pela participação no Conselho não será atribuída nenhuma remuneração, a que título for, sendo considerado serviço público relevante. SEÇÃO III Das Atribuições do Secretário Art. 7º São atribuições do Secretário de Governo e Administração: I - gerir o F.P.M.C.M. e estabelecer políticas de aplicação dos seus recursos em conjunto com o Conselho Diretor; II - submeter ao Conselho as demonstrações mensais das receitas e despesas do F.P.M.C.M.; III - encaminhar à Contabilidade Geral do Município as demonstrações mencionadas no inciso anterior, até o dia 10 (dez) do mês subsequente; IV - assinar cheques com o responsável pela Tesouraria; V - ordenar empenhos e pagamentos das despesas do F.P.M.C.M.;

4 VI - baixar portarias e instruções de serviços; VII - conceder e cancelar instruções de segurados e seus dependentes, atendidas as normas estatutárias e regulamentares; VIII - conceder benefícios e submetê-lo ao Conselho para homologação; XI - assinar Convênios, Contratos e Acordos de interesse do F.P.M.C.M., ouvido previamente o Conselho Diretor. SEÇÃO IV Da Coordenação do F.P.M.C.M. Art. 8º São atribuições do Coordenador do F.P.M.C.M.: I - prepara as demonstrações mensais das receitas e despesas a serem encaminhadas ao Secretário de Governo e Administração; II - manter os controles necessários à execução orçamentária do F.P.M.C.M., referentes a empenhos, liquidação e pagamento das despesas e aos recebimentos das receitas do F.P.M.C.M.; III - manter os controles necessários sobre Convênios ou Contratos de prestação de serviços pelo setor privado e dos empréstimos feitos para o F.P.M.C.M.; IV - preparar e encaminhar ao Secretário de Governo e Administração, até 31 de janeiro do ano subsequente, a prestação de contas do exercício financeiro do F.P.M.C.M.. SEÇÃO V Dos Recursos do Fundo Art. 9º São receitas do F.P.M.C.M.: I - as contribuições previdenciárias dos segundos; II - os rendimentos, os juros e, o que mais couber, provenientes de aplicações financeiras das receitas e do excesso de caixa do F.P.M.C.M.; III - as transferências da União e do Estado; IV - o produto de Convênios ou Acordos firmados com outros órgãos ou entidades; V - as doações em espécie feitas diretamente para o F.P.M.C.M.; VI - outras receitas diversas.

5 TÍTULO III Do Plano de Benefícios da Previdência Social CAPÍTULO I Dos Beneficiários Art. 10. Os beneficiários da Previdência Social Municipal classificam-se como segurados ou dependentes, nos termos das seções I e II deste Capítulo. SEÇÃO I Dos Segurados Art. 11 São segurados obrigatoriamente da previdência social as seguintes pessoas físicas: 1º - Aquele que presta serviço à Prefeitura em caráter não eventual, sob sua subordinação e mediante remuneração. 2º - Aquele que contratado no regime estatutário desta municipalidade ou com estabilidade. 3º - Não haverá admissão de segurado facultativo. 4º - Aquele que durante atividade não adquirirem a condição de segurado da P.M.C.M., não podendo sê-lo quando passarem para a inatividade. SEÇÃO II Dos Dependentes Art. 12 São beneficiários do regime geral da previdência social, na condição de dependentes do segurado: 1- O cônjuge, a companheira, o companheiro e filho menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido; 2- O pai, ou pai e mãe que vivam sob a dependência econômica do segurado, estando aquele inválido ou interditado. 1º - Equiparam-se ao filho, nas condições do inciso 1 (um), mediante declaração do segurado, enteado menor que, por determinação judicial, esteja sob sua guarda e o menor que esteja sob sua tutela e não possua condição suficiente para o próprio sustento e educação;

6 2º - Considera-se companheiro ou companheira a pessoa que, sem ser casada com o segurado, mantém união estável com o mesmo, de acordo com o parágrafo 3º do artigo 266 da Constituição Federa; de 1988; 3º - Considera-se também beneficiários para os efeitos gerais deste artigo: I O pai e mãe que vivem sob a dependência econômica do segurado, estando aqueles inválidos, interditados, desde que, não percebam pensões do F.P.M.C.M., e os filhos inválidos de qualquer sexo ou idade; 4º - A metade da pensão será concedida a uma das pessoas seguintes: a esposa, ao marido, a companheira ou o companheiro, e a outra metade, repartida aos filhos de qualquer condição e as pessoas designadas no parágrafo 3º do art. 11; 5º - A esposa ou o marido perde o direito à pensão se estiver separado judicialmente ou divorciado, por ocasião do falecimento do segurado, sem que lhe tenha sido assegurada judicialmente a prestação de alimentos ou outro auxílio e, também, pela anulação do casamento. Art. 13 A invalidez e a interdição mencionadas no artigo anterior, serão verificadas e acompanhadas anualmente pelo F.P.M.C.M.. Art. 14 O companheiro ou companheira concorre para a percepção da pensão: I Com o marido ou a mulher do segurado ou que esteja recebendo pensão alimentícia ou outro auxílio fixado em juízo; II Com o menor nas condições nas condições referidas no parágrafo 1º do artigo 11; 1º - O cônjuge separado judicialmente e divorciado, que esteja percebendo alimentos, terá direito ao valor da pensão correspondente ao percentual destes alimentos fixados judicialmente, destinando-se o restante aos demais dependentes habilitados; 2º - Na hipótese do inciso I, deste artigo, a pensão que couber à esposa ou ao marido será dividida em partes iguais com a companheira ou o companheiro, ou na forma prevista no parágrafo 1º deste artigo, observando o disposto no parágrafo 2º, do artigo 11; 3º - Na hipótese do parágrafo 1º, quando existir companheira com direito ao benefício, a pensão do alimentado não poderá ultrapassar a 50 % (cinqüenta por cento) da parcela a eles destinada e, se superior, dividir-se-á em partes iguais àquela parcela. Art. 15 Além das hipóteses previstas nesta Lei, perde ainda a qualidade de beneficiário da pensão: I Se desaparecerem as condições inerentes à qualidade de dependente;

7 II O inválido ou interdito, pela cessação da invalidez, pela cessação da invalidez ou da interdição; III Os beneficiários em geral: a) Pelo matrimônio; b) Pelo falecimento. Art. 16 A existência dos dependentes de qualquer das classes enumeradas nos incisos e no parágrafo 1º do artigo 11, exclui do direito à pensão os mencionados nas classes subsequentes; Parágrafo Único Aqueles que forem excluídos do benefício da pensão por não preencherem os requisitos legais previstos, não terão esta condição restabelecida, se posteriormente, ou a qualquer tempo, vierem a atender esses mesmos requisitos. Art. 17 A concessão da pensão não será adiada pela possibilidade de existirem outros dependentes; 1º - O pedido de redistribuição de pensão que ocasionar a inclusão ou exclusão de dependentes, só produzirá efeitos a partir do deferimento do pedido pelo F.P.M.C.M., sem o pagamento das prestações anteriores; 2º - O cônjuge ausente, assim declarado em Juízo, não exclui a companheira ou o companheiro do direito à pensão, a qual só será devida com o seu aparecimento, a contar da data do deferimento de sua habilitação, com redistribuição da pensão em partes iguais. Art. 18 A dependência econômica a que se refere esta Lei, somente será admitida em relação àqueles que não auferirem, a qualquer título, rendimentos. Art. 19 Por morte presumida do segurado ou seu desaparecimento em conseqüência de acidente, desastre ou catástrofe declaradas pela autoridade judiciária competente, será concedida aos seus dependentes uma pensão provisória. Parágrafo Único Verificado o reaparecimento do segurado, o pagamento da pensão cessará imediatamente, desobrigado os beneficiários da reposição das quantia já recebidas. Art. 20 A pensão será devida a partir do mês em que ocorrer o falecimento do segurado. Art. 21 A pensão somente reverterá entre os pensionistas, nas hipóteses seguintes: I Da viúva para companheira, do viúvo para companheiro ou viceversa; pelo casamento ou falecimento, e na falta destes, em partes iguais, para os filhos de qualquer condições e as pessoas referidas no parágrafo 1º do Artigo 11;

8 II De um filho para outros, por motivo de maioridade, emancipação, cessação de invalidez ou interdição, pelo casamento e, no caso de maioridade, de maioridade, dos beneficiários previstos no Artigo 11; III Do último filho, nas hipóteses do inciso II, para a viúva, companheira, companheiros do segurado atendidas as demais condições exigidas nesta Lei para a concessão de pensão; IV - Da viúva, do viúvo, separados de fato ou judicialmente, desquitados ou divorciados, pelo casamento e falecimento, para a companheira ou o companheiro, e, na falta destes, para os filhos; V - Entre os pais do segurado, pelo falecimento de um deles. Art. 22 A pensão será reajustada todas as vezes em que ocorrer aumento geral de vencimentos dos servidores municipais e no mesmo percentual. Art O direito à pensão não prescreverá, mas prescreverão as prestações respectivas não reclamadas no prazo de 5 (cinco) anos contados da data em que forem devidas. SEÇÃO III Das Inscrições Art O regulamento disciplinará a forma de inscrição do segurado e dos dependentes: 1º - Incumbe ao segurado a inscrição de seus dependentes; 2º - O cancelamento da inscrição do cônjuge se processa em face de separação judicial ou divórcio sem direito a alimentos, certidão de anulação de casamento, certidão de óbito ou sentença judicial, transitada em julgado. TITULO IV Da Contribuição Art. 25 A contribuição mensal obrigatória será calculada sobre o vencimentobase e arrecadada mediante desconto em folha de pagamento do segurado, em percentual a ser estabelecido pelo Poder Executivo, em percentual nunca superior ao descontado pelo INSS. Art Considera-se vencimento-base, para os efeitos desta Lei, a remuneração integral correspondente ao mês de trabalho ou a totalidade do provento mensal computadas todas as importâncias recebidas a qualquer título, inclusive

9 gratificações de quaisquer espécies, não as deduções ou parte não paga por falta de freqüência integral. Parágrafo único Não se incluem no vencimento-base as gratificações eventuais ou por serviços extraordinários, o salário-família, as diárias de viagens, representações, ajuda de custo e outros pagamentos de natureza indenizatória. Art. 27 No caso de acumulação permitida em Lei, a contribuição será acumulada sobre a soma dos vencimentos-base correspondentes aos cargos e/ou empregos acumulados pelo segurado. Art Os segurados obrigatórios de cujas contribuições ou quaisquer importâncias devidas ao F.P.M.C.M., não forem descontadas em suas remunerações, ainda que decorrentes, por qualquer motivo, do não recebimento dos vencimentos ou salários, ficam obrigados a recolhê-las ao F.P.M.C.M.., até o dia 10 (dez) do mês seguinte ao qual deveriam ser pagas. 1º A inobservância do disposto neste artigo por 3 (três) meses consecutivos, acarretará a suspensão dos direitos do segurado, sem prejuízos das sanções previstas em Lei. 2º A suspensão mencionada no parágrafo anterior só cessará após ter o segurado recolhido todas as quantias em atraso. Art. 29 Os dependentes do segurado com 60 (sessenta) ou mais contribuições mensais, de conformidade com o artigo terão direito aos benefícios garantidos por esta Lei, se o óbito do segurado ocorrer durante os 180 (cento e oitenta) dias, imediatamente posteriores ao seu desligamento do serviço público municipal. Parágrafo único Nos casos deste artigo, serão descontadas, de uma só vez, dos benefícios devidos, as contribuições, relativas aos meses em que elas deixarem de ser pagas. Art Ocorrendo o óbito do segurado que estiver com seus direitos suspensos em relação do F.P.M.C.M., há no máximo, 2 (dois) anos ininterruptos, os benefícios devidos aos seus dependentes, serão pagos, desde que requeridos dentro dos prazos estabelecidos nesta Lei, para o exercícios de tais direitos e mediante recolhimento de quantias devidas, corrigidas pelo índice oficial do Governo Federal. Art. 31 O cancelamento da inscrição do segurado do F.P.M.C.M. em qualquer hipótese, não lhe dá direito a restituição de contribuições. Art. 32 Os pedidos de exoneração de cargos efetivos, de rescisão de contrato de trabalho, de licença ou afastamento sem remuneração, ou de sua prorrogação, de servidores municipais, serão obrigatoriamente, instruído com

10 certidão de regularidade de situação perante o Fundo Previdenciário do Município de Cardoso Moreira.

11 TÍTULO V Das Carências Art. 33 Período de carência é o número de contribuições mensais indispensáveis para que o beneficiário faça jus ao benefício, consideradas a partir do transcurso do primeiro dia dos meses de suas competências. Parágrafo Único Havendo perda de qualidade de segurado, as contribuições anteriores a essa data só serão computadas para efeito de carência depois que o segurado contar, a partir de nova filiação o F. P. M. C. M. com, no mínimo, um terço (1/3) do número de contribuições exigidas para o cumprimento da carência definida para o benefício a ser requerido. Art. 34 A concessão das prestações pecuniárias dependem dos seguintes períodos de carência, ressalvado o disposto no art. I Auxílio Doença e aposentadoria por invalidez: 12 (doze) contribuições; II Aposentadoria por idade, aposentadoria por tempo de serviço, aposentadoria especial: 180 (cento e oitenta) contribuições mensais. Art Independe de carência a concessão das seguintes prestações: I Pensão por morte, auxílio-reclusão e auxílio-natalidade; II Auxílio-doença e aposentadoria por invalidez, nos casos de acidente de qualquer natureza ou causa e de doença profissional ou do trabalho, bem como nos casos de segurados que após filiarem-se ao F.P.M.C.M., forem acometidos de algumas das doenças e afecções especificadas em lista elaborada pelo Ministério da Saúde do Trabalho e Previdência Social a cada 3 (três) anos, de acordo com os critérios de estigma, deformação, mutilação, deficiência, ou outro fator que lhe confira especialidade e gravidade que mereçam tratamento particularizado. Art. 36 Para cômputo do período de carência serão consideradas as contribuições: I referentes ao período a partir da data da filiação ao F.P.M.C.M.; II referente ao período em atraso, desde que observado o parágrafo 2º, do art. 28.

12 TÍTULO VI Das Prestações Art. 37 As prestações asseguradas pelo F.P.M.C.M., previstas na forma desta Lei e da legislação específica, consistem em benefícios, aposentadorias e serviços a saber: a) aposentadoria; b) auxílio-natalidade; c) pensão; d) auxílio-reclusão; e) outros serviços. CAPÍTULO II Dos Benefícios Da Aposentadoria Art. 38 A aposentadoria será concedida ao segurado que em pleno gozo de seus direitos junto ao F.P.M.C.M., enquadrar-se em uma das seguintes hipóteses: SEÇÃO I Art. 39 A aposentadoria por invalidez, uma vez cumprida, quando for o caso, a carência exigida, será devida ao segurado que, estando ou não em gozo do auxílio-doença, for considerado incapaz e insusceptível de reabilitação, ser-lhe-á paga enquanto permanecer nesta condição. Parágrafo Único A concessão da aposentadoria por invalidez dependerá da verificação da condição de incapacidade mediante exame médico pericial a cargo do Serviço de Assistência Médica do Município, obedecendo disposto na Lei do Regime Jurídico Único dos Servidores Municipais. Art. 40 O valor da aposentadoria por invalidez será integral se o afastamento do trabalho se der por acidente no trabalho, moléstia profissional, doença grave contagiosa ou incurável e proporcional nos demais casos. 1º - A doença ou lesão de que o segurado já era portador ao filiar-se ao F.P.M.C.M. não lhe confere direito à aposentadoria por invalidez, salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão.

13 2º - Nos demais casos previstos no art. 40, o valor da aposentadoria será fixado, observando o disposto na Lei do Regime Jurídico Único dos Servidores. SEÇÃO II Aposentadoria por Idade Art. 41 A aposentadoria por idade será devida ao segurado, que, cumprida a carência exigida nesta Lei, compulsoriamente, aos 70 (setenta) anos de idade quando servidor do Município e, voluntariamente aos 65 (sessenta e cinco) anos de idade, se homem, com proventos proporcionais ao tempo de serviço; e aos 60 (sessenta) anos de idade, se mulher, com proventos proporcionais ao tempo de serviço. SEÇÃO III Aposentadoria por Tempo de Serviço Art. 42 A aposentadoria por tempo de serviço será devida, cumprida a carência exigida nesta Lei, ao segurado: I Aos 35 (trinta e cinco) anos de serviço, se homem, e aos 30 (trinta) anos, se mulher, com proventos integrais; II aos 30 (trinta) anos de efetivo exercício em funções do magistério, se professor; e aos 25 (vinte e cinco) anos, se professora, com proventos integrais; III Aos 30 (trinta) anos de serviço, se homem, e aos 25 (vinte e cinco) anos de serviço, se mulher, com proventos proporcionais a esse tempo, observados os seguintes índices: a) 30/35 avos dos vencimentos com 30 ou 25 anos, se homem ou mulher, respectivamente, de serviço; b) 31/35 avos dos vencimentos com 32 ou 27 anos de serviço, se homem ou mulher, respectivamente; c) 32/35 avos dos vencimentos com 32 ou 27 anos de serviço, se homem ou mulher, respectivamente; d) 33/35 avos dos vencimentos com 33 ou 28 anos de serviço, se homem ou mulher, respectivamente. e) 34/35 avos dos vencimentos com 34 ou 29 anos de serviço, se homem ou mulher, respectivamente.

14 IV Aos vinte e cinco (25) anos de serviço, se homem, e aos vinte (20) anos de serviço, se mulher, que exerçam atividades consideradas penosas, insalubres ou perigosas, estabelecidas em Lei Complementar Federal, com proventos integrais. Art. 43 Para efeito de aposentadoria é assegurada a contagem recíproca do tempo de serviço nas atividades públicas, privadas, rural ou urbana ou de trabalho comprovadamente exercido na qualidade de autônomo, nos termos do 2º, do artigo 202, da Constituição Federal. SEÇÃO IV Do Auxílio Natalidade Art. 44 O segurado, para cada filho que nascer, terá direito a um auxílio natalidade em importância equivalente ao menor salário pago pela Prefeitura em vigor no mês de nascimento, desde que requerido o pagamento dentro de 3 (três) meses, contados da data de nascimento ou 15 (quinze) dias antes do parto, desde que tenha contribuído há pelo menos 12 (doze) meses para a Previdência Municipal. Parágrafo Único O auxílio-natalidade será pago somente a um dos genitores se ambos forem segurados. SEÇÃO V Da Pensão Art. 45 A pensão instituída na forma desta Lei, constituir-se-á de 100% (cem por cento) do valor do vencimento-base atribuído ao segurado na data do seu falecimento, reajustado na mesma data e percentual em que for reajustado o vencimento do funcionalismo municipal. Art. 46 Farão jus à pensão a que se refere esta Seção as pessoas relacionadas na Lei do Regime Jurídico Único e nesta Lei. SEÇÃO VI Do Auxílio Funeral de Pensionista Para o sepultamento do pensionista, o Fundo de Previdência do Município de Cardoso Moreira, a quem comprovar que o fez, importância prevista na Lei do Regime Jurídico Único do Servidor, na data do óbito do pensionista, ocorrendo a prescrição desse direito, caso o interessado não o requeira no prazo de 3 (três) meses a contar desta data.

15 SEÇÃO VII Do Auxílio-Reclusão Art. 48 quando o segurado perder a condição de servidor, em virtude de condenação em processo criminal, será pago auxílio-reclusão aos seus dependentes, desde que não disponham de meios para prover sua mantença, observadas as disposições na Lei do Regime Jurídico Único do Servidor. Art. 49 O auxílio-reclusão será devido, observada a ordem de preferência dos artigos 12 a 17, desta Lei desde que o segurado recluso não perceba qualquer espécie de remuneração nem esteja no gozo de benefício de outra instituição previdenciária. 1º - O auxílio-reclusão será pago durante o cumprimento da pena e cessa imediatamente no dia em que o ex-segurado for posto em liberdade ou progressão do regime. 2º - O auxílio-reclusão, observadas as condições para a sua concessão, só será pago a partir do mês em que for requerido, aplicando-se-lhe, no mais, as disposições que regulam a pensão. 3º - O simples pagamento do auxílio-reclusão aos dependentes do segurado não lhe garante a conservação do vínculo previdenciário após o cumprimento da pena, se ele para isto não diligenciar sobre os meios de conservá-lo, mas transformam o auxílio em pensão do mesmo valor, se o falecimento ocorrer na prisão, por morte natural. 4º - Concedido o auxílio-reclusão será feita a comunicação ao órgão controlador do cumprimento da pena, para ser anotada na ficha carcerária a concessão do benefício, a fim que o referido órgão comunique ao Fundo Previdenciário do Município de Cardoso Moreira o dia da liberação do ex-segurado ou progressão de regime. 5º - A omissão quanto ao que estabelece o 4º, importará na falta disciplinar, na forma da Lei do Regime Jurídico dos Servidores Municipais. TÍTULO VII Do Orçamento, da Programação e dos Balanços Art. 50 Os orçamentos, a programação financeira e os balanços do F.P.M.C.M. obedecerão aos padrões e normas instituídas por legislação específica, ajustadas suas peculiaridades. Art. 51 As despesas de custeio não poderão exceder, anualmente, de 20% (vinte por cento) das receitas correntes.

16 TÍTULO VIII Das Disposições Gerais Art. 52 Nenhuma prestação decorrente do regime previdenciário definido por esta Lei será criada, majorada ou estendida sem a correspondente fonte de custeio total. Art Na concessão dos benefícios garantidos pelo F.P.M.C.M. serão observados os critérios de habilitação a serem estabelecidos em regulamentação da presente Lei. Art. 54 Além das fontes de receitas previstas no TÍTULO IV, desta Lei, constituirão receitas do F.P.M.C.M. outra que, legalmente, lhe sejam destinadas. Art. 55 As contribuições e quaisquer outras importâncias devidas ao F.P.M.C.M. por seus segurados, serão arrecadadas mediante desconto em folha pelos órgãos responsáveis pelo processamento do pagamento de pessoal de todos os níveis de administração direta, indireta, fundacional ou autárquica, e por eles recolhidos à instituição bancária, à conta de ordem do F.P.M.C.M. até a data em que se efetivar o pagamento do vencimento dos salários. Parágrafo Único A inobservância do disposto neste artigo, importará em falta grave, sujeitando os responsáveis às penalidades estatutárias, civis e criminais, cabíveis em cada caso. Art. 56 As importâncias devidas ou recebidas a mais pelos segurados os seus dependentes serão pagas ao F.P.M.C.M., devidamente atualizadas, podendo o seu total ser parcelado na forma regulamentada. Parágrafo Único Ficam dispensadas de ajuizamento de ação para a respectiva cobrança, sem prejuízo de procedimento administrativo visando a sua liquidação, os débitos de valor inferior a 1/3 (um terço) do menor vencimento pago pelo Município. Art. 57 A forma do procedimento administrativo para concessão de benefícios e demais direitos decorrentes da presente Lei, obedecerá a legislação própria, adotada para os atos de Administração do Município, desde que não contrariem as disposições desta Lei. Art. 58 A movimentação da conta bancária do Fundo de Previdência do Município de Cardoso Moreira far-se-á com as assinaturas do seu Gestor e pelo responsável pela Tesouraria. Art. 59 Das decisões finais do Gestor caberá recurso, por parte do interessado, para o Conselho Fiscalizador e, das decisões deste, ao Prefeito Municipal.

17 Art. 60 O Município se obriga a fazer a necessária complementação financeira ao F.P.M.C.M. caso os recursos arrecadados não sejam suficientes para atender aos pagamentos dos benefícios instituídos nesta Lei. Art. 61 Os prazos de carência previstos nesta Lei serão contados a partir da vigência da mesma. Art. 62 O auxílio-doença será devido a contar do 16º (décimo sexto) dia do afastamento da atividade e durará enquanto o servidor permanecer incapacitado para o trabalho, salvo se o servidor ao se filiar ao F.P.M.C.M., já seja portador da doença ou da lesão, invocada como causa para o benefício. 1º - Findo o prazo de licença o servidor será submetido a nova inspeção médica, que concluirá pela sua volta ao trabalho, pela prorrogação da licença ou pela aposentadoria. 2º - A inspeção médica de que trata o parágrafo anterior, será determinada pela Secretaria Municipal de Saúde, sendo que todas as licenças superiores a 30 (trinta) dias, bem como as prorrogações, serão concedidas somente por junta médica a ser designada. 3º - O órgão da Administração ao qual pertencer o segurado, a partir do 16º (décimo sexto) dia encaminhará o servidor ao F.P.M.C.M. com a documentação e o relato do caso concreto, para efeito de percepção do benefício. Art. 63 A aposentadoria especial será devida, uma vez cumprida a carência exigida nesta lei, ao segurado que trabalhado durante 15(quinze), 20 (vinte), 25 (vinte e cinco) anos, conforme a atividade profissional, sujeito a condições especiais que prejudique a saúde ou a integridade física. Art. 64 A relação de atividades profissionais prejudiciais à saúde ou à integridade física será objeto de Lei específica. Art. 65 O Gestor e os membros do Conselho respondem solidariamente por qualquer ato praticado em desacordo com a legislação vigente. Art. 66 A nomeação do Conselho se dará dentro de 30 (trinta) dias a contar da data da publicação desta Lei. Art. 67 As despesas decorrentes da aplicação desta lei serão atendidas pela dotação orçamentária em vigor. Art. 68 Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, produzindo efeitos retroativos a 1º de maio de 1993, revogadas as disposições em contrário. 24/06/94 RENATO JACINTO DA SILVA Prefeito

CRIA O ISNTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DE CAMPO GRANDE, REGULA O SEU FUNCIONAMENTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

CRIA O ISNTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DE CAMPO GRANDE, REGULA O SEU FUNCIONAMENTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 711, de 17 de fevereiro de 1961. CRIA O ISNTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DE CAMPO GRANDE, REGULA O SEU FUNCIONAMENTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE: Faço saber

Leia mais

http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei%20complementar/2007/lei%20compl...

http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei%20complementar/2007/lei%20compl... Page 1 of 6 LEI COMPLEMENTAR Nº 1.012, DE 05 DE JULHO DE 2007 Altera a Lei Complementar nº 180, de 12 de maio de 1978; a Lei nº 10.261, de 28 de outubro de 1968; a Lei Complementar nº 207, de 5 de janeiro

Leia mais

Digite o título aqui. Informativo 17/2015

Digite o título aqui. Informativo 17/2015 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui Informativo 17/2015 PUBLICADA LEI QUE PROMOVE ALTERAÇÕES NOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Lei nº 13.135, de 17 de junho de 2015 - DOU de

Leia mais

Regime Próprio de Previdência Social

Regime Próprio de Previdência Social Regime Próprio de Previdência Social Regime Próprio de Previdência Social RPPS é o regime de previdência, estabelecido no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios que assegura,

Leia mais

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 Viçosa Minas Gerais Fevereiro/2008 Índice Página Glossário - Capítulo II Das Definições... 3 Nome do Plano de Benefícios

Leia mais

Regras de Aposentadorias e Pensões

Regras de Aposentadorias e Pensões Seguridade Social: A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e

Leia mais

A PREVIDÊNCIA SOCIAL BENEFÍCIOS DO RGPS. A Proteção Social no Brasil

A PREVIDÊNCIA SOCIAL BENEFÍCIOS DO RGPS. A Proteção Social no Brasil A PREVIDÊNCIA SOCIAL BENEFÍCIOS DO RGPS A Proteção Social no Brasil Seguridade Social ART. 194 da CRFB/88 A SEGURIDADE SOCIAL COMPREENDE UM CONJUNTO INTEGRADO DE AÇÕES DE INICIATIVA DOS PODERES PÚBLICOS

Leia mais

PREVIDÊNCIA. - Do latim pre videre, ver com antecipação as contingências sociais e procurar compô-las, ou praevidentia, prever, antever.

PREVIDÊNCIA. - Do latim pre videre, ver com antecipação as contingências sociais e procurar compô-las, ou praevidentia, prever, antever. PREVIDÊNCIA CONCEITO - Do latim pre videre, ver com antecipação as contingências sociais e procurar compô-las, ou praevidentia, prever, antever. - Nasce com o Direito do Trabalho, tendo por objetivo minorar

Leia mais

19/03/2015 Dir. Previdenciário Prof. Marcos Dir. Previdenciário Prof. Marcos Dir. Previdenciário Prof. Marcos 1

19/03/2015 Dir. Previdenciário Prof. Marcos Dir. Previdenciário Prof. Marcos Dir. Previdenciário Prof. Marcos 1 1 Lei 8213/91 alterada pela Lei nº 12.873/2013 Salário Maternidade Art. 71-A. Ao segurado ou segurada da Previdência Social que adotar ou obtiver guarda judicial para fins de adoção de criança é devido

Leia mais

Art. 2º - Aprovar o Regulamento Geral do Programa de Assistência à Saúde dos Servidores do Detran/DF, que acompanha esta Instrução de Serviço.

Art. 2º - Aprovar o Regulamento Geral do Programa de Assistência à Saúde dos Servidores do Detran/DF, que acompanha esta Instrução de Serviço. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ INSTRUÇÃO Nº 12, DE 21 DE JANEIRO 2008 Cria o Programa de Assistência à Saúde dos Servidores do Departamento de Trânsito do Distrito Federal

Leia mais

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de MEDIDA PROVISÓRIA Nº 664 DE 30.12.2014 (DOU 30.12.2014 ED. EXTRA; REP. DOU DE 02.01.2015) Altera as Leis nº 8.213, de 24 de julho de 1991, nº 10.876, de 2 junho de 2004,nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ S/A.

CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ S/A. ÍNDICE GERAL GLOSSÁRIO...4 CAPÍTULO I OBJETIVO...6 CAPÍTULO II MEMBROS DO PREV-RENDA...6 SEÇÃO I PATROCINADORES...6 SEÇÃO II PARTICIPANTES...7 SEÇÃO III BENEFICIÁRIOS...7 SEÇÃO IV ASSISTIDOS...8 CAPÍTULO

Leia mais

LEI Nº. 316/2005 DE 16 DE JUNHO DE 2005. FAÇO SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL APROVOU E EU SANCIONO E PROMULGO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº. 316/2005 DE 16 DE JUNHO DE 2005. FAÇO SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL APROVOU E EU SANCIONO E PROMULGO A SEGUINTE LEI: LEI Nº. 316/2005 DE 16 DE JUNHO DE 2005. Dispõe sobre a reestruturação do Regime Próprio de Previdência Social do Município de São José do Povo/MT e, dá outras providências. FLORISBERTO SANTOS OLIVEIRA,

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre as regras e procedimentos adotados para concessão, indenização, parcelamento e pagamento

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 1 Data-base - Maio/2007 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 2 Pelo presente instrumento, de um lado a Centrais de Abastecimento

Leia mais

CÂMARA M UNICIPAL DE M ANAUS

CÂMARA M UNICIPAL DE M ANAUS LEI N 689, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2002 (D.O.M. 30.12.2002 N. 664 Ano III) REESTRUTURA o regime próprio de previdência social do município de Manaus, desmembra a atividade fim previdenciária da assistência

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre o horário de funcionamento do Instituto Chico Mendes, jornada de trabalho e controle

Leia mais

c Publicada no DOU de 16-12-2004.

c Publicada no DOU de 16-12-2004. LEI N o 10.999, de 15 DE DEZEMBRO DE 2004 Autoriza a revisão dos benefícios previdenciários concedidos com data de início posterior a fevereiro de 1994 e o pagamento dos valores atrasados nas condições

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PROCESSO Nº

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PROCESSO Nº DESPACHO Remeto à Secretaria do CSDPU a proposta de resolução em anexo, para autuação e distribuição. Adoto como justificativa para a Resolução as considerações constantes em seu preâmbulo. Informo, ainda,

Leia mais

CURSO CETAM BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS

CURSO CETAM BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS CURSO CETAM BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Profª. Msc. Iza Amélia de C. Albuquerque Outubro/2015 AUXÍLIO-DOENÇA Carência 12 contribuições. Evento - incapacidade para o seu trabalho ou para a sua atividade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista o disposto no artigo 29-A da Lei nº 8.229, de 07 de dezembro de

Leia mais

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/03

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/03 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/03 1. NOVAS REGRAS PARA OS SERVIDORES QUE INGRESSAREM NO SERVIÇO PÚBLICO APÓS A PROMULGAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA EC Nº 41/03. a) Principais Características. - fim da paridade

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MEDIDA PROVISÓRIA Nº 201, DE 31 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre as formas de cumprimento da jornada de trabalho e o banco de horas no âmbito do Instituto Geral de Perícias (IGP) e estabelece outras providências.

Leia mais

Presidência. Diretoria Administrativa. Diretoria Financeira. Diretoria de Aposentadoria e Pensões. Diretoria de Assuntos Jurídicos.

Presidência. Diretoria Administrativa. Diretoria Financeira. Diretoria de Aposentadoria e Pensões. Diretoria de Assuntos Jurídicos. Presidência Diretoria Administrativa Diretoria Financeira Conselho Administrativo Diretoria Executiva Diretoria de Aposentadoria e Pensões Conselho Fiscal Diretoria de Assuntos Jurídicos Conselho de Investimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: AUXILIAR ADMINISTRATIVO C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 HUAC CONHECIMENTOS

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO

DIREITO PREVIDENCIÁRIO 1. Da Previdência Social DIREITO PREVIDENCIÁRIO Art. 201. A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios que preservem

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 286, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 286, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 286, DE 2014 Acrescenta o art. 63-A à Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências, para instituir

Leia mais

SALÁRIO MÍNIMO NOVO VALOR A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 DECRETO Nº 8.381 - DOU de 30.12.2014

SALÁRIO MÍNIMO NOVO VALOR A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 DECRETO Nº 8.381 - DOU de 30.12.2014 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Informativo 01/2015 SALÁRIO MÍNIMO NOVO VALOR A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 DECRETO Nº 8.381 - DOU de 30.12.2014 Foi publicado no Diário Oficial da

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 8. DEPENDENTES Na ausência do arrimo de família, a sociedade houve por bem dar proteção social aos que dele (a) dependiam.

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si celebram, de um lado, o SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE CELULOSE, PAPEL E PAPELÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS - SINPAPEL, e, de outro

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 669. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte

LEI COMPLEMENTAR Nº 669. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte LEI COMPLEMENTAR Nº 669 Institui a modalidade de remuneração por subsídio e o Plano de Carreira para os servidores ocupantes dos cargos de Músico de Orquestra Nível Superior, Músico A e Músico B e dá outras

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MEDIDA PROVISÓRIA Nº 203, DE 31 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre as formas de cumprimento da jornada de trabalho e o banco de horas no âmbito da Polícia Civil do Estado de Santa Catarina e estabelece outras

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes, Assistidos

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31604 de 10/02/2010 GABINETE DA GOVERNADORA LEI E MENSAGEM

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31604 de 10/02/2010 GABINETE DA GOVERNADORA LEI E MENSAGEM Número de Publicação: 69377 DIÁRIO OFICIAL Nº. 31604 de 10/02/2010 GABINETE DA GOVERNADORA LEI E MENSAGEM L E I Nº 7.379, 8 DE FEVEREIRO DE 2010 Altera e acrescenta dispositivos na Lei nº 6.439, de 14

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 030 DE 30 DE JUNHO DE 1999

LEI COMPLEMENTAR Nº 030 DE 30 DE JUNHO DE 1999 Publicada no Diário Oficial do Estado nº 119 DE 30 DE JUNHO DE 1999 LEI COMPLEMENTAR Nº 030 DE 30 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre o Regime Próprio de Previdência Social do Estado de Roraima e sobre o Instituto

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS INGRESSO NO SERVIÇO PÚBLICO ATÉ 19 DE DEZEMBRO DE 2003 TIPO DE Professora

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

pelo art. 1º da Lei nº 12.470 -

pelo art. 1º da Lei nº 12.470 - 180 PREVIDÊNCIA 2º - Os recursos oriundos da majoração das contribuições previstas nesta Lei ou da criação de novas contribuições destinadas à Seguridade Social somente poderão ser utilizados para atender

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 01

MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 01 MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 01 2 MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 01 Brasília - DF Março/2015 3 Sumário GLOSSÁRIO... 5 CAPÍTULO

Leia mais

LEI Nº 0881/1998. Dispõe sobre a concessão de benefícios pelo erário do Município de Dois Vizinhos.

LEI Nº 0881/1998. Dispõe sobre a concessão de benefícios pelo erário do Município de Dois Vizinhos. LEI Nº 0881/1998 Dispõe sobre a concessão de benefícios pelo erário do Município de Dois Vizinhos. A Câmara Municipal de Vereadores aprovou, e eu, Jaime Guzzo, Prefeito de Dois Vizinhos, sanciono a seguinte,

Leia mais

Lei n.º 655, de 10 de março.de 2003. TÍTULO I DO SISTEMA DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE SUMIDOURO E DOS SEUS FINS CAPÍTULO I

Lei n.º 655, de 10 de março.de 2003. TÍTULO I DO SISTEMA DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE SUMIDOURO E DOS SEUS FINS CAPÍTULO I O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE SUMIDOURO ALBERTINO DOMINGOS GONÇALVES FILHO FAZ SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL DE SUMIDOURO APROVA E ELE PROMULGA A SEGUINTE LEI: Lei n.º 655, de 10 de março.de 2003.

Leia mais

PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS DOS SERVIDORES MUNICIPAIS

PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS DOS SERVIDORES MUNICIPAIS PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS DOS SERVIDORES MUNICIPAIS LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL N. 27/99 De 12 de Novembro de 1999 Aprova o Plano de Cargos dos Servidores do Poder Executivo Municipal e contém providências

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE MATO GROSSO

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE MATO GROSSO Resolução Nº 04, de 21 de junho de 2006. Aprova o Regulamento das Bolsas para o Apoio à Pós-Graduação de Instituições Públicas e Privadas de Ensino (MT-PG). O PRESIDENTE DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências.

Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. LEI N 8.213, DE 24 DE JULHO DE 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Prezado servidor,

APRESENTAÇÃO. Prezado servidor, 1 3 5 APRESENTAÇÃO Prezado servidor, A Lei Municipal nº 5.111 de 23 de novembro de 2010 criou o AMERIPREV, que é o responsável pela gestão do RPPS, Regime Próprio de Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.270

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.270 DECRETO Nº 13.270 Regulamenta o parcelamento e pagamento de créditos do município de Vitória e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Vitória, Capital do, no uso de suas atribuições legais, e

Leia mais

Legendas: CONSOLIDAÇÃO DA LEGISLAÇÃO DE PESSOAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR

Legendas: CONSOLIDAÇÃO DA LEGISLAÇÃO DE PESSOAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR CONSOLIDAÇÃO DA LEGISLAÇÃO DE PESSOAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Asterisco (*): Texto em preto: Texto tachado Texto em azul: Texto em verde: Texto em vermelho: Legendas: Houve modificação Redação

Leia mais

Segurança para quem você ama. Regulamento

Segurança para quem você ama. Regulamento Segurança para quem você ama. Regulamento Bem-vindo, novo participante! É com satisfação que recebemos sua adesão ao Família Previdência, plano desenhado para oferecer uma complementação de aposentadoria

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING 1 - BENEFICIÁRIOS São beneficiários do presente instrumento todos os empregados em Sociedades de Fomento

Leia mais

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PROJETO DE RESOLUÇÃO 03-00023/2011 da Mesa Diretora Institui no âmbito da Câmara Municipal de São Paulo Sistema de Consignação Facultativa em Folha de Pagamento na modalidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO CAPÍTULO I - DO OBJETO Art. 1º - Este Regulamento estabelece os direitos e as

REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO CAPÍTULO I - DO OBJETO Art. 1º - Este Regulamento estabelece os direitos e as REGULAMENTO FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO OABPrev-SP/CE ÍNDICE Capítulo I - DO OBJETIVO

Leia mais

PROGRAMA SERPRO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL E CIDADANIA EIXO QUALIDADE DE VIDA AÇÕES DE PREPARAÇÃO PARA APOSENTADORIA APA MÓDULO INCENTIVO EDITAL 2016

PROGRAMA SERPRO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL E CIDADANIA EIXO QUALIDADE DE VIDA AÇÕES DE PREPARAÇÃO PARA APOSENTADORIA APA MÓDULO INCENTIVO EDITAL 2016 PROGRAMA SERPRO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL E CIDADANIA EIXO QUALIDADE DE VIDA AÇÕES DE PREPARAÇÃO PARA APOSENTADORIA APA MÓDULO INCENTIVO EDITAL 2016 A Superintendência de Pessoas SUPGP, no uso das atribuições

Leia mais

BRASIL: DO CABURAÍ AO CHUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 812, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

BRASIL: DO CABURAÍ AO CHUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 812, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. LEI Nº 812, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. AUTOR: PODER EXECUTIVO DÁ NOVA REDAÇÃO A LEI Nº 465, DE 30 DE JULHO DE 1998, ALTERADA PELA LEI Nº 602, DE 03 DE JANEIRO DE 2002, E LEI Nº 642, DE 21 DE NOVEMBRO DE

Leia mais

SERGUS - INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO GLOSSÁRIO

SERGUS - INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO GLOSSÁRIO SERGUS - INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO GLOSSÁRIO Neste Regulamento, as expressões, palavras, abreviações ou siglas abaixo terão o seguinte significado, a menos que o contexto indique

Leia mais

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo LEI Nº 4311, DE 28 DE ABRIL DE 2014 Dispõe sobre a qualificação de entidades sem fins lucrativos como organizações sociais e adota outras providências O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE,. FAÇO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TRÊS LAGOAS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE TRÊS LAGOAS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL LEI N. 2.808, DE 18 DE MARÇO DE 2014. "CRIA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS DO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS." MARCIA MOURA, Prefeita Municipal de Três Lagoas, Estado de

Leia mais

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL TOMADA DE CONTAS ESPECIAL COMPARATIVO ENTRE A IN TCU Nº 13/1996 E A IN TCU Nº 56/2007 IN TCU Nº 13/1996 IN TCU Nº 56/2007 Art. 1º Diante da omissão no dever de prestar contas, da não comprovação da Aplicação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA EDUCACIONAL Capítulo I Do objetivo Art. 1º - O Programa de Assistência Educacional do Centro Universitário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA EDUCACIONAL Capítulo I Do objetivo Art. 1º - O Programa de Assistência Educacional do Centro Universitário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA EDUCACIONAL Capítulo I Do objetivo Art. 1º - O Programa de Assistência Educacional do Centro Universitário Franciscano para estudantes dos cursos de graduação, executado

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO OABPrev-SP REGULAMENTO ÍNDICE CAPÍTULO I DO OBJETO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909 LEI COMPLEMENTAR NÚMERO 015, de 10 de novembro de 2011. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Profissionais da Educação Básica do Município de Sabará, estabelece normas de enquadramento,

Leia mais

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br LEI Nº. 6.067, DE 11 DE MARÇO DE 2010. Altera a Lei Ordinária 5.711/06, que dispõe sobre a Organização Administrativa da Câmara Municipal do Natal, e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

RESUMO DA CONVENÇÃO COLETIVA 2014 / 2015

RESUMO DA CONVENÇÃO COLETIVA 2014 / 2015 RESUMO DA CONVENÇÃO COLETIVA 2014 / 2015 Pelo presente instrumento particular, de um lado, o SINDICATO DOS PUBLICITÁRIOS, DOS AGENCIADORES DE PROPAGANDA E DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE PROPAGANDA DO

Leia mais

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013. Pág. 1 de 7 MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013. DO: PODER EXECUTIVO AO: PODER LEGISLATIVO DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE ATENDIMENTO DOS DIREITOS DO IDOSO, CRIA O FUNDO MUNICIPAL

Leia mais

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda:

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda: 1 DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009 Regulamenta, no âmbito da Administração pública municipal, o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº. 8.666, de 21 de junho de 1993, e

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Estatuto da Mútua de Assistência dos Profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia, anexo.

Art. 1º Aprovar o Estatuto da Mútua de Assistência dos Profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia, anexo. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Confea, no uso das atribuições que lhe confere a alínea "f" do art. 27 da Lei nº 5.194, de 24 de dezembro de 1966, e Considerando o disposto na

Leia mais

RESOLUÇÃO N 007/2010 TCE

RESOLUÇÃO N 007/2010 TCE RESOLUÇÃO N 007/2010 TCE Disciplina o procedimento para concessão dos auxílios saúde e alimentação no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte, e dá outras providências. O TRIBUNAL

Leia mais

Plano e Regulamento de Benefícios e Serviços

Plano e Regulamento de Benefícios e Serviços TITULO I DEFINIÇÕES GERAIS DOS BENEFICIOS E SERVIÇOS CAPITULO I DA FINALIDADE Art.1. Este plano tem por finalidade estabelecer os benefícios e serviços da ABEPOM, bem como regulamentar os critérios, limites

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE DAS CARACTERÍSTICAS

REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE DAS CARACTERÍSTICAS REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE DAS CARACTERÍSTICAS Art. 1º. A Bradesco Vida e Previdência S.A., doravante denominada EAPC, institui o Plano de Pecúlio por Morte, estruturado no Regime

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO MINUTA DE RESOLUÇÃO Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 08/92, DO CONSELHO DIRETOR

RESOLUÇÃO N o 08/92, DO CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO N o 08/92, DO CONSELHO DIRETOR Aprova o Plano de Assistência à Saúde dos Servidores da Universidade Federal de Uberlândia e dá outras providências. O CONSELHO DIRETOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE PLANO PM 60/60

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

SESI-PIPrev ÍNDICE. Capítulo I Do Objeto. Capítulo II Das Definições. Capítulo III Dos Participantes. Capítulo IV Do Serviço Creditado

SESI-PIPrev ÍNDICE. Capítulo I Do Objeto. Capítulo II Das Definições. Capítulo III Dos Participantes. Capítulo IV Do Serviço Creditado 2 SESI-PIPrev ÍNDICE Capítulo I Do Objeto Capítulo II Das Definições Capítulo III Dos Participantes Capítulo IV Do Serviço Creditado Capítulo V Do Plano de Custeio e das Disposições Financeiras Capítulo

Leia mais

Portaria Nº 52, de 26 setembro de 2002.

Portaria Nº 52, de 26 setembro de 2002. Portaria Nº 52, de 26 setembro de 2002. O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES, no uso das atribuições conferidas pelo art. 21, incisos II e V, do Decreto nº

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Aprovado pelo Conselho de Administração da Garantisudoeste.

- REGIMENTO INTERNO. Aprovado pelo Conselho de Administração da Garantisudoeste. - REGIMENTO INTERNO Aprovado pelo Conselho de Administração da Garantisudoeste. REGIMENTO INTERNO PREMISSAS BÁSICAS: Considerando a grande responsabilidade que compreende a execução do objeto social da

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 CODESC Companhia de Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 Pelo presente instrumento, de um lado a COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DE SANTA CATARINA CODESC,

Leia mais

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014 Concede reajuste remuneratório, altera as leis n os 7.227/96, 8.690/03, 9.240/06, 9.303/07 e 10.202/11, e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ, FAÇO saber que o Poder Legislativo decreta

Leia mais

EMENTA: Dispõe sobre a reestruturação do Grupo Ocupacional Fisco de que trata a Lei nº 3.981/91, de 07 de janeiro de 1991, e dá outras providências.

EMENTA: Dispõe sobre a reestruturação do Grupo Ocupacional Fisco de que trata a Lei nº 3.981/91, de 07 de janeiro de 1991, e dá outras providências. LEI NÚMERO: 00035/01 TIPO: LEI COMPLEMENTAR AUTOR: CHEFE DO EXECUTIVO MUNICIPAL DATA: 12/7/2001 EMENTA: Dispõe sobre a reestruturação do Grupo Ocupacional Fisco de que trata a Lei nº 3.981/91, de 07 de

Leia mais

eduardo.silveira@saeb.ba.gov.br (71) 3116-5476 SUPREV/SAEB

eduardo.silveira@saeb.ba.gov.br (71) 3116-5476 SUPREV/SAEB INATIVAÇÃO DOS SERVIDORES PÚBLICOS Eduardo Matta Milton da Silveira Diretor de Administração dos Benefícios Previdenciários eduardo.silveira@saeb.ba.gov.br (71) 3116-5476 SUPREV/SAEB O que vou levar? Como

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.559, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 Publicada no DOE em 31 de dezembro de 2004 DISPÕE SOBRE A MICROEMPRESA SOCIAL, ESTABELECENDO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO,

Leia mais

CAPÍTULO I DO BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E DO BENEFICIÁRIO

CAPÍTULO I DO BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E DO BENEFICIÁRIO DECRETO N o 1.744, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1995 Regulamenta o benefício de prestação continuada devido à pessoa portadora de deficiência e ao idoso, de que trata a Lei n 8.742, de 7 de dezembro de 1993, e

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Nº 001 DA FUNDAÇAO CEAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E PREVIDÊNCIA FACEAL - PLANO FACEAL CD - Í N D I C E

REGULAMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Nº 001 DA FUNDAÇAO CEAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E PREVIDÊNCIA FACEAL - PLANO FACEAL CD - Í N D I C E REFERÊNCIA Í N D I C E PÁG. GLOSSÁRIO 02 CAPÍTULO I Das Finalidades e da Denominação do Plano 04 II Dos membros do PLANO 04 III Da inscrição como participante 06 IV Do cancelamento da inscrição do participante

Leia mais

CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL CAPEF REGULAMENTO GERAL

CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL CAPEF REGULAMENTO GERAL CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL CAPEF REGULAMENTO GERAL TÍTULO I PARTICIPANTES E DEPENDENTES Capítulo 1 Participantes I.1.1 - Poderão ser participantes da CAPEF os

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA PLANO PM 30/30 - MODALIDADE:

Leia mais

Parágrafo 2o - O Certificado é assinado pelo presidente do CONRE ou por seu substituto legal.

Parágrafo 2o - O Certificado é assinado pelo presidente do CONRE ou por seu substituto legal. RESOLUÇÃO CONFE Nº 129, DE 25 DE AGOSTO DE 1982. Dispõe sobre o Certificado Especial de Habilitação, registro provisório, registro definitivo, baixa e reativação de registro de estatístico, transferência

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ÍNDICE CAPÍTULO I - Da Denominação, Sede e Foro... 4 CAPÍTULO II - Dos Objetivos... 4 CAPÍTULO III - Do

Leia mais

PREVIDENCIÁRIO DR. MÁRCIO OTÁVIO DE MORAES HATZ

PREVIDENCIÁRIO DR. MÁRCIO OTÁVIO DE MORAES HATZ PREVIDENCIÁRIO PONTO 1: BENEFÍCIO POR INCAPACIDADE PONTO 2: AUXÍLIO DOENÇA; APOSENTADORIA POR INVALIDEZ PONTO 3: AUXÍLIO ACIDENTE BENEFÍCIO POR INCAPACIDADE: _ AUXÍLIO DOENÇA: vulgo encostar-se. Requisitos

Leia mais

DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013

DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013 DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a concessão da licença para atividade política, do afastamento para o exercício de mandato eletivo e da licença para desempenho de mandato classista

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento Interno do Curso de Mestrado em Biotecnologia e Área de concentração: Biotecnologia e REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL TÍTULO I Dos Objetivos

Leia mais