(a) (b) Aviso n.º 17/2012, de 17 de dezembro, que regulamenta o Regime Geral; (c)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(a) (b) Aviso n.º 17/2012, de 17 de dezembro, que regulamenta o Regime Geral; (c)"

Transcrição

1 Entendimentos do Banco de Portugal sobre o novo quadro legal e regulamentar relativo à prevenção e regularização do incumprimento de contratos de crédito celebrados com clientes bancários particulares Foi recentemente aprovado um conjunto de diplomas legais e regulamentares que estabelece as regras que as instituições de crédito devem observar no âmbito da prevenção e gestão de situações de incumprimento de contratos de crédito celebrados com clientes bancários particulares. Estão em causa, nomeadamente, os seguintes diplomas legais e regulamentares: (a) (b) (c) (d) (e) Decreto-Lei n.º 227/2012, de 25 de outubro, que estabelece as regras e os princípios que as instituições de crédito devem observar na prevenção e regularização do incumprimento de contratos de crédito celebrados com clientes bancários particulares (doravante, Regime Geral ); Lei n.º 58/2012, de 9 de novembro, que cria um regime extraordinário de proteção de devedores de crédito à habitação em situação económica muito difícil (doravante, Regime Extraordinário ); Aviso n.º 17/2012, de 17 de dezembro, que regulamenta o Regime Geral; Instrução n.º 44/2012, que regulamenta o dever de reporte ao Banco de Portugal de informação relativa aos contratos de crédito abrangidos pelos procedimentos previstos no Regime Geral e no Regime Extraordinário; Carta-Circular n.º 93/DSC/2012, que transmite orientações às instituições de crédito relativamente à articulação entre o Procedimento Extrajudicial de Regularização de Situações de Incumprimento ( PERSI ) e o procedimento previsto no Regime Extraordinário. Através do presente relatório, o Banco de Portugal transmite às instituições de crédito e ao público em geral os seus entendimentos relativamente às questões e observações que lhe 1

2 foram dirigidas pelas instituições de crédito acerca do novo quadro legal e regulamentar da prevenção e gestão do incumprimento de contratos de crédito. O Banco de Portugal procederá à atualização do presente relatório sempre que tal se revele necessário ou útil, nomeadamente em face da apresentação pelas instituições de crédito de questões que não se encontrem contempladas nos entendimentos que ora se publica. Lisboa, 9 de janeiro de

3 I. ENTENDIMENTOS SOBRE O DECRETO-LEI N.º 227/2012, DE 25 DE OUTUBRO Artigo 2.º - Âmbito 1. Os contratos de locação financeira de imóveis para habitação estão incluídos no âmbito de aplicação do Regime Geral? O Banco de Portugal esclarece que os contratos de locação financeira se encontram excluídos do âmbito de aplicação do Regime Geral, como resulta do disposto no artigo 2.º do referido diploma legal. 2. Os contratos de locação financeira mobiliária e/ou imobiliária que tenham como garantia adicional uma hipoteca sobre um bem imóvel estão incluídos no âmbito de aplicação do diploma? Como resulta da resposta à questão anterior, o Banco de Portugal esclarece que os contratos de locação financeira, ainda que garantidos por hipoteca sobre bem imóvel, não estão incluídos no âmbito de aplicação do Regime Geral. Artigo 3.º - Definições 1. As mensagens de correio eletrónico constituem um suporte duradouro para os efeitos previstos no Regime Geral? O Banco de Portugal entende que as mensagens de correio eletrónico configuram suporte duradouro para efeitos de aplicação do Regime Geral. Com efeito, de acordo com o disposto no artigo 3.º, alínea h) do Regime Geral, considera-se suporte duradouro qualquer instrumento que permita armazenar informações durante um período de tempo adequado aos fins a que as informações se destinam e que possibilite a reprodução integral e inalterada das informações armazenadas. 2. Em caso afirmativo, a instituição de crédito pode assumir que o fornecido pelo cliente poderá ser utilizado em todos os casos em que o diploma prevê a necessidade de comunicação em suporte duradouro? 3

4 A resposta à presente questão é, na opinião do Banco de Portugal, afirmativa. Importa, no entanto, salientar que, quando sejam apresentadas propostas ao cliente bancário, as instituições de crédito estão obrigadas a observar os deveres de informação previstos na legislação e regulamentação aplicáveis aos contratos de crédito em causa (cfr. artigo 10.º, n.º 5 e artigo 15.º, n.º 5 do Regime Geral). PARI Artigos 9.º a 11.º 1. Deve a instituição de crédito contactar o cliente bancário de forma sucessiva sempre que verifique a ocorrência de factos que indiciam a degradação da capacidade financeira do cliente bancário? Este dever mantém-se mesmo em caso de recusa pelo cliente bancário de proposta(s) apresentada(s) pela instituição de crédito para prevenir o incumprimento? Resulta do disposto no artigo 11.º, n.º 2, alínea d) do Regime Geral que os procedimentos implementados pelas instituições de crédito no âmbito do PARI devem prever o prazo para a realização do primeiro contacto após a deteção de um facto que indicie a degradação da capacidade financeira do cliente bancário, o qual não pode exceder 10 dias. O Banco de Portugal entende, no entanto, que a referida norma deve ser interpretada atendendo ao disposto no artigo 10.º, n.º 1 do mesmo diploma legal, nos termos do qual [s]empre que detete indícios de degradação da capacidade financeira do cliente bancário para cumprir o contrato de crédito ou que o cliente bancário lhe transmita factos que indiciem o risco de incumprimento, a instituição de crédito desenvolve as diligências necessárias para avaliar esses indícios, tendo em vista aferir da existência de risco efetivo de incumprimento e da respetiva extensão. Na opinião do Banco de Portugal, esta última norma pretende assegurar que, em face da verificação de indícios de risco de incumprimento, as instituições de crédito adotem um conjunto diligências destinadas a confirmar a efetiva existência desse risco, diligências essas que poderão não passar pelo imediato contacto com o cliente bancário. 4

5 Assim, o Banco de Portugal considera que a necessidade de contactar o cliente bancário deve ser ponderada caso a caso pela instituição de crédito, em função da avaliação que faça da seriedade dos indícios de risco de incumprimento detetados. PERSI Artigos 12.º a 21.º 1. O mesmo cliente bancário pode simultaneamente estar sujeito aos procedimentos previstos no PARI e ao PERSI em operações diferentes? Sim. O Banco de Portugal entende que se o cliente bancário for mutuário de vários contratos de crédito junto da mesma instituição de crédito e estiver a incumprir um ou mais do que um desses contratos, a instituição de crédito deve considerar os restantes contratos de crédito em situação de risco de incumprimento, aplicando-lhes os procedimentos previstos no PARI. A instituição de crédito pode, no entanto, propor, no âmbito do PERSI, soluções que tenham em consideração a situação global do cliente bancário. 2. A instituição de crédito pode limitar, de alguma forma, a entrada dos clientes bancários no PERSI, nomeadamente em função dos montantes ou da duração do incumprimento? O Banco de Portugal considera que as instituições de crédito não podem restringir o acesso ao PERSI com base em qualquer dos fundamentos referidos, na medida em que tal não se encontra previsto no Regime Geral. Salienta-se, no entanto, que, com exceção das situações em que o início do PERSI resulta da iniciativa do cliente bancário, as instituições de crédito apenas estão obrigadas a dar início ao referido procedimento entre o 31.º e o 60.º dia após o incumprimento (cfr. artigo 14.º, n.º 1 do Regime Geral), o que permite às instituições de crédito desenvolver um conjunto de diligências com vista a regularizar a situação de incumprimento previamente ao início do PERSI. 3. As instituições de crédito podem/devem dar início a um PERSI relativamente a contratos de crédito que não estão abrangidos no âmbito de aplicação do Regime Geral? 5

6 O Banco de Portugal esclarece que, embora não lhes sejam aplicáveis as normas relativas ao PERSI, as instituições de crédito podem, caso assim o entendam, aplicar a contratos de crédito não abrangidos no âmbito de aplicação do Regime Geral procedimentos análogos aos que se encontram previstos no referido procedimento. Esclarece-se ainda que, devido ao facto de não estarem incluídos no âmbito de aplicação do Regime Geral, os referidos contratos não devem ser objeto de reporte nos quadros da Instrução relativos ao PERSI. 4. A informação que acompanha a comunicação ao cliente da existência de um único procedimento para a regularização do incumprimento de vários contratos de crédito (cfr. artigo 14.º, n.º 3) é idêntica à que acompanha a comunicação inicial da sua integração no PERSI? O Banco de Portugal esclarece que, nos casos em que um contrato de crédito em incumprimento seja integrado num PERSI em curso relativo a outro contrato de crédito do mesmo cliente bancário, nos termos previstos no artigo 14.º, n.º 3 do Regime Geral, a instituição de crédito deve transmitir a esse cliente os mesmos elementos que devem constar da comunicação de início do PERSI, em conformidade com o disposto no artigo 14.º, n.ºs 3, 4 e 5 do Regime Geral e no artigo 7.º do Aviso n.º 17/ Existe algum limite ao número de vezes que um cliente bancário pode ser integrado em PERSI? O Banco de Portugal esclarece que as instituições de crédito são obrigadas a integrar o cliente bancário no PERSI sempre que se verifique alguma das circunstâncias previstas no artigo 14.º, n.ºs 1 e 2 do Regime Geral. O Banco de Portugal sublinha que o legislador não estabeleceu no Regime Geral qualquer limite à integração no PERSI em função do número de vezes que o cliente bancário incumpre obrigações decorrentes do mesmo contrato de crédito. 6. Sugere-se que, em caso de incumprimento subsequente ao termo do PERSI, e no prazo de um ano, a instituição de crédito não esteja obrigada a reintegrar, por sua iniciativa, o cliente bancário no referido procedimento. Em alternativa, a instituição de crédito 6

7 ficaria apenas obrigada a informar o cliente bancário da possibilidade de solicitar essa integração. O Banco de Portugal considera que a sugestão formulada não respeita o disposto no artigo 14.º, n.º 1 do Regime Geral, pelo que não poderá ser acolhida. 7. Nos casos em que os contratos de crédito integrados em PERSI têm mais do que um mutuário a instituição de crédito está obrigada a dirigir as comunicações no âmbito do referido procedimento a todos eles? Considerando que a concretização de um acordo de renegociação do contrato de crédito depende do acordo de todos os seus intervenientes, o Banco de Portugal entende que as comunicações e os procedimentos previstos no âmbito do PERSI devem ser desenvolvidos relativamente a todos os mutuários do contrato de crédito. 8. A instituição de crédito pode integrar num PERSI em curso contratos de crédito do mesmo cliente bancário que, embora não estando em incumprimento, apresentam risco elevado de incumprimento? O Banco de Portugal esclarece que as instituições de crédito podem, caso assim o entendam, procurar, no âmbito do PERSI, soluções de regularização do incumprimento que envolvam, para além do contrato de crédito em PERSI, outros contratos de crédito titulados pelo mesmo cliente bancário, independentemente de estarem ou não em incumprimento. 9. O artigo 16.º do Regime Geral estabelece que, quando o cliente bancário recusa uma proposta de regularização, a instituição de crédito deve, quando considere que existem outras alternativas viáveis e adequadas, apresentar uma nova proposta. Em que medida está a instituição de crédito obrigada a fazê-lo? O Banco de Portugal esclarece que, em caso de recusa pelo cliente bancário de uma proposta de regularização apresentada no âmbito do PERSI, as instituições de crédito apenas estão obrigadas a apresentar uma nova proposta quando concluam, em face da avaliação da capacidade financeira do cliente bancário, que existem outras alternativas viáveis e adequadas para a regularização da situação de incumprimento. 7

8 10. Quando, no decurso de um PERSI, se verifique o incumprimento de obrigações decorrentes de outro contrato de crédito de que o cliente bancário seja mutuário, a instituição de crédito pode integrar este último contrato em PERSI antes de decorridos 31 dias após o incumprimento? O Banco de Portugal entende que, nos casos referidos, a instituição de crédito deve procurar obter a regularização do incumprimento no âmbito do PERSI em curso, podendo fazê-lo mesmo que não tenham ainda decorrido 31 dias após o incumprimento do contrato de crédito (cfr. artigo 14.º, n.º 3 do Regime Geral). 11. Importa esclarecer o procedimento a seguir se, no decorrer de um processo PERSI, outro contrato com a instituição de crédito entrar em incumprimento. O Banco de Portugal esclarece que, quando esteja em causa o incumprimento de obrigações decorrentes de mais do que um contrato de crédito, as instituições de crédito devem procurar obter soluções de regularização num único procedimento (cfr. artigo 14.º, n.º 3 do Regime Geral). Quando, por algum motivo, tal não se revele possível ou desejável, as instituições de crédito devem, relativamente aos contratos de crédito que entrem entretanto em incumprimento, iniciar um novo PERSI. 12. De que forma pode existir, para o mesmo contrato de crédito, um PERSI para os mutuários e um PERSI para o fiador? Nos casos em que o contrato de crédito é garantido por fiança, a instituição de crédito deve, no prazo máximo de 15 dias após o vencimento da obrigação, informar o fiador do atraso no cumprimento e dos montantes em dívida (cfr. artigo 21.º, n.º 1 do Regime Geral). O Banco de Portugal esclarece que esta comunicação não constitui, por si só, uma interpelação do fiador para cumprir as obrigações em mora, visando apenas informá-lo da situação de incumprimento. Caso a instituição de crédito decida interpelar o fiador para pagar os montantes em atraso, o fiador pode, no prazo de 10 dias após essa interpelação, solicitar o início de um PERSI. Deste modo, é possível que o PERSI do fiador se desenvolva em simultâneo com o PERSI do mutuário. Neste caso, o artigo 21.º, n.º 2 do Regime Geral determina que o PERSI do 8

9 mutuário e o PERSI do fiador devem correr autonomamente. Tal não invalida, porém, que, no âmbito de um dos referidos PERSI, se cheque a uma solução única e conjunta. 13. O artigo 21.º do Regime Geral, relativo aos fiadores, é igualmente aplicável aos avalistas? O Banco de Portugal esclarece que o Regime Geral não prevê a integração no PERSI dos avalistas de títulos de crédito com função de garantia de contratos de crédito que se encontrem em situação de incumprimento. 14. O motivo atendível para o atraso na prestação, pelo cliente bancário, das informações e dos documentos solicitados pela instituição de crédito (cfr. artigo 15.º, n.º 3) é livremente aferido pela instituição de crédito? O Banco de Portugal esclarece que cabe às instituições de crédito avaliar, numa lógica de razoabilidade, os motivos invocados pelo cliente bancário para o atraso na prestação dessas informações ou documentos. 15. O acordo a que alude a alínea b) do n.º 1 do artigo 17.º depende da concordância de todos os obrigados - mutuário(s) e fiador(es)? O Banco de Portugal salienta que, como se referiu na resposta à questão 12, a concretização de um acordo de regularização depende necessariamente da concordância de todos mutuários do contrato de crédito. Pelo contrário, o consentimento do(s) fiador(es) apenas é necessário nos casos em que o acordo de regularização preveja a sua manutenção enquanto garante(s) do contrato de crédito. 16. O prazo de 15 dias previsto para informar os fiadores após o incumprimento é demasiado reduzido (cfr. artigo 21º). Propõe-se que esse período seja alargado até ao início do mês seguinte àquele em que ocorra o incumprimento, permitindo, assim, que o cliente bancário regularize o incumprimento até ao final do mês anterior. O Banco de Portugal considera que a sugestão apresentada não se afigura compatível com o disposto no artigo 21.º, n.º 1 do Regime Geral. 9

10 O Banco de Portugal salienta, no entanto, que a referida comunicação não constitui, por si só, uma interpelação do fiador para cumprir as obrigações em mora, visando apenas informá-lo da situação de incumprimento. 17. A instituição de crédito pode fundamentar a não apresentação de propostas de regularização no âmbito do PERSI com o facto de o contrato de crédito em incumprimento financiar um serviço contratado a um terceiro a um determinado prazo? O Banco de Portugal salienta que o PERSI visa promover a regularização do incumprimento de contratos de crédito através da negociação extrajudicial de soluções entre o cliente bancário e a instituição de crédito, independentemente das relações contratuais que estejam coligadas a esses contratos de crédito. Assim, a instituição de crédito apenas pode fundamentar a não apresentação ao cliente bancário de propostas de regularização no âmbito do PERSI com base num dos motivos que se encontram previstos no Regime Geral. 18. Os contratos de crédito à habitação celebrados ao abrigo do regime bonificado e do regime de crédito a deficientes não deverão ser integrados em PERSI, dado que a atual legislação não permite a maioria das alterações que a instituição de crédito pode propor ao cliente como forma de ultrapassar o incumprimento. O Banco de Portugal esclarece que o Regime Geral não prevê a exclusão do PERSI dos contratos de crédito à habitação celebrados no regime bonificado ou no regime de crédito a deficientes. Por conseguinte, em caso de incumprimento de obrigações decorrentes de contratos de crédito à habitação celebrados nos referidos regimes, as instituições de crédito estão obrigadas a iniciar o PERSI nos termos legalmente previstos. 19. Nos casos em que é obtido um acordo de regularização no âmbito do PERSI, a instituição de crédito pode apenas extinguir o procedimento após o cumprimento pelo cliente bancário da primeira prestação resultante desse acordo? O Banco de Portugal esclarece que, de acordo com o disposto no artigo 17.º, n.º 1, al. b) do Regime Geral, o PERSI extingue-se automaticamente com a obtenção de um acordo entre as partes com vista à regularização integral da situação de incumprimento. 10

11 Artigo 39.º - Aplicação no tempo 1. Os contratos de crédito que, à data de 1 de janeiro de 2013, já se encontrem em renegociação serão automaticamente integrados em PERSI? O Banco de Portugal esclarece que o artigo 39.º, n.º 1 do Regime Geral obriga à integração em PERSI, no dia 1 de janeiro de 2013, dos contratos de crédito em incumprimento há mais de 30 de dias, independentemente de estarem ou não a ser objeto de negociação de soluções de regularização. 2. No dia 1 de janeiro de 2013 serão automaticamente integrados em PERSI os clientes bancários que se encontrem em incumprimento de obrigações decorrentes de contratos de crédito há mais de 30 dias. O que sucede aos clientes bancários que se encontram em incumprimento há menos de 31 dias? O Banco de Portugal esclarece que os clientes bancários que, no dia 1 de janeiro de 2013, se encontrem em incumprimento há menos de 31 dias, são integrados no PERSI nos termos gerais (cfr. artigo 39.º, n.º 3). Assim, salvo quando se verifique alguma das circunstâncias previstas no n.º 2 do artigo 14.º do Regime Geral, a instituição de crédito apenas estará obrigada a iniciar o referido procedimento entre o 31.º e o 60.º dia subsequente ao incumprimento (cfr. artigo 14.º, n.º 1, do Regime Geral). 11

12 II. ENTENDIMENTOS SOBRE O AVISO N.º 17/2012 Questões gerais 1. Encontram-se no documento preceitos próprios de aviso e normas de boas práticas. Sugere-se a eliminação destas últimas, como são os casos, por exemplo, do artigo 5º e, em grande parte, do artigo 6º. Não é ajustado que um aviso do Banco de Portugal explicite quais os elementos que as instituições de crédito devem considerar para avaliar a capacidade financeira dos clientes bancários ou como e com que meios devem acompanhar a execução dos contratos de crédito e prevenir o incumprimento. No Aviso em causa, o Banco de Portugal limita-se a concretizar e a desenvolver os aspetos que o legislador, no Regime Geral, remeteu para sua regulamentação, exercendo, por essa via, as competências regulamentares que lhe são conferidas no referido diploma legal. 2. O Aviso contempla todas as matérias que o Regime Geral remete para regulamentação do Banco de Portugal? O Banco de Portugal entende que o Aviso incide sobre todas as matérias de cuja concretização foi incumbido pelo legislador. Artigo 3.º - Divulgação ao público de informação sobre o incumprimento de contratos de crédito e a rede extrajudicial de apoio 1. A informação a divulgar ao público, constante de anexo, terá como limite uma página A4? O Banco de Portugal esclarece que o Aviso contém, no anexo I, a informação que as instituições de crédito devem divulgar ao público, em conformidade com o que se encontra previsto no artigo 7.º do Regime Geral, sendo que o modelo definido pelo Banco de Portugal não excede a dimensão de uma página A4. 2. A obrigação de divulgação de informação ao público, permanentemente e em lugar visível nos balcões, em moldes idênticos ao que se encontra previsto para a divulgação do preçário e dos produtos comercializados pela instituição de crédito, não se justifica. 12

13 O Banco de Portugal esclarece que as instituições de crédito não estão obrigadas a manter o documento informativo em local visível nos balcões, mas sim a disponibilizar esse documento: (a) (b) A todos os clientes bancários que o solicitem; Independentemente de solicitação, aos clientes bancários que alertem os trabalhadores envolvidos no atendimento ao público da existência de risco de incumprimento. 3. O documento informativo previsto no referido artigo deve, atendendo ao disposto no n.º 1 do artigo 7.º do Regime Geral, ser disponibilizado aos clientes bancários em sede pré-contratual, nomeadamente com a entrega da FIN? O artigo 3.º do Aviso obriga as instituições de crédito a disponibilizar a informação constante do Anexo I: (a) (b) (c) Em permanência, numa área específica e autónoma dos seus sítios de Internet; Aos clientes bancários que o solicitem, através dos seus balcões; Aos clientes bancários que alertem os trabalhadores envolvidos no atendimento ao público, nos balcões ou através de meios de comunicação à distância, para o risco de incumprimento, independentemente de solicitação. Conclui-se, assim, que as instituições de crédito devem manter a referida informação disponível a todo o tempo, de modo a assegurar a sua prestação aos clientes bancários nos termos anteriormente descritos. O Banco de Portugal esclarece que não se prevê, no Regime Geral nem no Aviso, qualquer obrigação de disponibilizar essa informação no momento da entrega da FIN. 4. Importa esclarecer o que se entende por destaque adequado para efeitos de publicação, nos sítios da Internet das instituições de crédito, dos conteúdos relativos ao incumprimento de contratos de crédito. O Banco de Portugal entende que a expressão destaque adequado obriga, pelo menos, a que a referência à informação relativa ao incumprimento de contratos de crédito seja 13

14 imediatamente visível pelo utilizador quando acede à página de entrada do sítio da Internet. O Banco de Portugal procederá à avaliação do cumprimento do referido requisito em função das características próprias do sítio de Internet de cada instituição de crédito. Artigo 4.º - Contactos com os clientes bancários em risco de incumprimento ou em mora no cumprimento de obrigações decorrentes de contratos de crédito 1. No âmbito do PARI, as instituições de crédito podem efetuar exclusivamente contactos pessoais ou telefónicos? O Banco de Portugal esclarece que, salvo nos casos em que a lei exige a utilização de comunicação em suporte duradouro, as instituições de crédito são livres para determinar os meios de contacto com os clientes bancários (cfr. artigo 4.º, n.º 1 do Aviso). A única exceção tem que ver com a apresentação de propostas, na medida em que o artigo 10.º, n.º 5 do Regime Geral estabelece que as propostas devem ser apresentadas ao cliente bancário através de comunicação em suporte duradouro, estando as instituições de crédito obrigadas a observar os deveres de informação previstos na legislação e regulamentação específicas. 2. Durante quanto tempo devem as instituições de crédito guardar as gravações dos contactos telefónicos realizados com os clientes bancários, 5 anos? O Banco de Portugal esclarece que não se estabelece nenhum prazo para a guarda dos registos dos contactos telefónicos realizados com os clientes bancários no âmbito dos procedimentos em apreço. 3. A utilização exclusiva, para a realização de contactos com o cliente bancário, dos elementos de contacto por este disponibilizados à instituição de crédito poderá ser limitativa face ao interesse de ambas as partes na prevenção e regularização das situações de incumprimento. O Banco de Portugal esclarece que, nos termos previstos no artigo 4.º, n.º 3, alínea e) do Aviso, as instituições de crédito devem utilizar os elementos de contacto facultados pelo 14

15 cliente bancário, muito embora também possam utilizar elementos de contacto relativos ao cliente bancário que estejam acessíveis ao público. Artigo 5.º - Avaliação da capacidade financeira 1. Na avaliação da capacidade financeira dos clientes bancários as instituições de crédito podem ter em consideração outros fatores que não estejam previstos no n.º 1 do artigo 5.º do Aviso? Os fatores indicados devem obrigatoriamente ser considerados pelas instituições de crédito? O Banco de Portugal esclarece que, no âmbito da avaliação da capacidade financeira do cliente bancário, as instituições de crédito devem observar os fatores elencados no n.º 1 do artigo 5.º do Aviso, bem como quaisquer outros que considerem relevantes. 2. A entrega dos documentos comprovativos previstos no n.º 2 é obrigatória ou facultativa? O Banco de Portugal esclarece que cabe a cada instituição de crédito avaliar, em cada caso, os documentos cuja entrega se afigura estritamente necessária e adequada à avaliação da capacidade financeira do cliente bancário, numa lógica de proporcionalidade. Com efeito, o preceito em causa estabelece que as instituições de crédito podem, quando tal seja estritamente necessário e adequado à avaliação da capacidade financeira do cliente bancário, solicitar a comprovação das informações prestadas, através da entrega, entre outros, dos documentos aí previstos. 3. As instituições de crédito poderão avaliar a capacidade financeira dos clientes com base no seu próprio conceito de taxa de esforço? O Banco de Portugal esclarece que as instituições de crédito são livres para avaliar a capacidade financeira dos clientes bancários com base no seu próprio conceito de taxa de esforço, na medida em que não se estabelece qualquer definição deste conceito no Regime Geral nem no Aviso. 15

16 Artigo 6.º - Acompanhamento da execução dos contratos de crédito e prevenção do incumprimento 1. Com exceção dos casos em que é o próprio cliente bancário a alertar para o risco de incumprimento, as instituições de crédito devem poder definir os seus próprios calendários para a avaliação dos factos que indiciam a degradação da capacidade financeira do cliente bancário. O Banco de Portugal considera que as instituições de crédito podem definir a periodicidade para a realização da avaliação dos factos que indiciam a existência de risco de incumprimento. Salienta-se, no entanto, que essa avaliação deve, pelo menos, ocorrer mensalmente, de modo a assegurar a celeridade necessária no tratamento das situações de risco de incumprimento. 2. As instituições de crédito poderão desconsiderar os factos indiciadores de risco de incumprimento que não possam (por motivos técnicos) ser integrados em processos automáticos (e.g. dívidas à Segurança Social e às Finanças)? O Banco de Portugal entende que a impossibilidade de integrar a informação relativa a determinados factos indiciadores da degradação da capacidade financeira do cliente bancário em processos automáticos não exonera as instituições de crédito, quando deles tomem conhecimento, de ter em consideração esses factos na avaliação do risco de incumprimento dos contratos de crédito. 3. As instituições de crédito já dispõem de canais para a comunicação com os clientes bancários, pelo que não se justifica a criação de canais específicos para os clientes bancários comunicarem a existência de risco de incumprimento. O Banco de Portugal esclarece que o Aviso não obriga as instituições de crédito a criar locais específicos nos balcões para os clientes bancários comunicarem a existência de risco de incumprimento, nem visa restringir os meios de que os clientes bancários dispõem para esse efeito. Na verdade, as instituições de crédito devem assegurar o tratamento adequado de todas as situações em que os clientes bancários alertem para o risco de incumprimento, independentemente do meio utilizado. 16

17 Não obstante, exige-se que as instituições de crédito desenvolvam mecanismos que favoreçam a comunicação pelos clientes bancários de situações de dificuldade no cumprimento das obrigações, nomeadamente através da criação de canais específicos nos respetivos sítios da Internet (e.g. endereço de , caixa de contacto ou outros). Salienta-se, ainda, que as instituições de crédito devem informar os clientes bancários, nomeadamente através dos documentos informativos cujos modelos constam dos anexos ao Aviso, dos elementos de contacto que estes podem utilizar no âmbito da prevenção e da gestão de situações de incumprimento. 4. Carecem de maior concretização os conceitos de canais e de tratamento integrado. O Banco de Portugal esclarece que o conceito de canais constante do artigo 6.º, n.º 1, alínea c) abrange quaisquer meios através dos quais o cliente bancário possa comunicar situações de dificuldade no cumprimento das suas obrigações. Mais se esclarece que a noção de tratamento integrado constante do artigo 6.º, n.º 1, alínea e) pretende assegurar que as instituições de crédito têm em consideração, na análise que façam da situação do cliente bancário, todas as informações de que disponham relativamente a esse cliente e que possam ser úteis para essa análise e, bem assim, para a conceção das propostas a apresentar. 5. Os agrupamentos complementares de empresas (ACE) das instituições de crédito são considerados prestadores de serviços de gestão do incumprimento para os efeitos previstos no artigo 6.º, n.º 3? No artigo 3.º, alínea g) do Regime Geral, define-se como prestador de serviços de gestão do incumprimento qualquer pessoa singular ou coletiva que, ao abrigo de um contrato celebrado com a instituição de crédito, preste, em nome e beneficio desta, serviços relacionados com a gestão do incumprimento de contratos de crédito em fase prévia ao recurso às vias judiciais. Por conseguinte, numa interpretação literal da norma parece que as referidas entidades estão incluídas no conceito de prestador de serviços de gestão do incumprimento. 17

18 O Banco de Portugal entende, no entanto, que a intenção do legislador com o enquadramento dado aos prestadores de serviços de gestão do incumprimento terá sido limitar às instituições de crédito o exercício de funções centrais no âmbito da gestão do incumprimento, como sejam o tratamento e análise da informação relativa ao cliente bancário, a avaliação da sua capacidade financeira ou a elaboração e apresentação de propostas de regularização, impedindo o seu exercício por entidades que não possuam qualquer vínculo com a instituição de crédito e que não se encontrem sujeitas à supervisão do Banco de Portugal. Neste sentido, entende o Banco de Portugal que não devem ser consideradas prestadores de serviços de gestão do incumprimento, para os efeitos previstos no artigo 6.º, n.º 3 do Aviso, as entidades que (i) pertençam ou sejam constituídas por entidades que pertençam ao mesmo grupo da instituição de crédito e que (ii) prestem exclusivamente serviços às sociedades que integram esse grupo. Assim, os ACE que preencham os referidos requisitos não deverão ser considerados prestadores de serviços de gestão do incumprimento. 6. As limitações previstas no Aviso ao recurso a prestadores de serviços de gestão do incumprimento resultarão para as instituições de crédito numa indesejável carga administrativa e, eventualmente, para aqueles na desresponsabilização de objetivos contratados. Entendemos ser excessivo eliminar a possibilidade de permitir a tais prestadores de serviços o tratamento e análise da informação recolhida, a avaliação do risco do incumprimento e da capacidade financeira dos clientes bancários. Conforme resulta da resposta à questão anterior, o Banco de Portugal entende que as referidas funções, atento o seu carácter central no âmbito da gestão do incumprimento, devem ser exclusivamente desempenhadas pelas instituições de crédito ou por entidades integradas no respetivo grupo. Artigo 7.º - Comunicação de início do PERSI 1. A descriminação de valores (capital, juros, etc.) deverá ser efetuada na correspondência a enviar ao cliente? 18

19 O Banco de Portugal esclarece que as instituições de crédito devem, na comunicação de integração do cliente bancário em PERSI, informar esse cliente do montante em dívida, desagregando as parcelas respeitantes a capital, juros e encargos relativos à mora. 2. O montante total em divida a que alude a alínea c) do n.º 1 do artigo 7.º do Aviso, diz respeito apenas ao montante em incumprimento? O Banco de Portugal esclarece que está em causa o montante de capital e juros já vencidos e não pagos e, bem assim, os encargos associados à mora. Chama-se a atenção que na Instrução n.º 44/2012, o referido conceito corresponde à noção de montante em incumprimento, definido no ponto 4, alínea b), subalínea xiv). 19

20 III. ENTENDIMENTOS SOBRE A INSTRUÇÃO N.º 44/2012 Questões gerais 1. Solicitação de um prazo de reporte e de um regime transitório mais flexível. O Banco de Portugal considera que os prazos estabelecidos na Instrução asseguram um equilíbrio adequado entre, por um lado, a necessidade de as instituições de crédito implementarem os sistemas e os procedimentos necessários ao reporte de informação e, por outro lado, a urgência na recolha de elementos que permitam ao Banco de Portugal proceder à avaliação da implementação do novo quadro legal e regulamentar aplicável à prevenção e regularização extrajudicial do incumprimento de contratos de crédito. Sublinha-se, em particular, a urgência na recolha de informação que permita ao Banco de Portugal assegurar a avaliação periódica da implementação do Regime Extraordinário, que entrou em vigor em 10 de novembro, razão pela qual se definiu o dia 15 de janeiro como data limite para o primeiro reporte dessa informação. 2. O montante em incumprimento a reportar deve integrar capital e juros ou apenas capital? O Banco de Portugal esclarece que, de acordo com ao disposto no ponto 4, alínea c) subalínea xiv) da Instrução, o montante em incumprimento é definido como o montante das prestações vencidas e não pagas, bem como dos encargos decorrentes do incumprimento, designadamente juros moratórios e comissões. Quadro 3 Contratos de crédito integrados em PERSI 1. Na legenda do campo PERSI referente a fiador deveria descrever-se a forma de preenchimento do campo nos casos em que o processo de PERSI é simultaneamente referente ao(s) mutuário(s) e ao(s) fiador(es). O Banco de Portugal salienta que, de acordo com o disposto no artigo 21.º, n.º 4, do Regime Geral, o PERSI referente ao(s) fiador(es) é autónomo relativamente ao PERSI desenvolvido com o cliente bancário. 20

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ASSUNTO: Comunicação de informação relativa a contratos de crédito abrangidos pelos procedimentos previstos no

Leia mais

PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES

PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES Lisboa, 2013 Disponível em www.clientebancario.bportugal.pt BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis,

Leia mais

PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES

PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES Lisboa, 2013 Disponível em www.clientebancario.bportugal.pt BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis,

Leia mais

PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES

PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES Lisboa, 2013 Disponível em www.clientebancario.bportugal.pt BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº./XII/3.ª REFORÇA A PROTEÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL

PROJETO DE LEI Nº./XII/3.ª REFORÇA A PROTEÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI Nº./XII/3.ª REFORÇA A PROTEÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL (1ª ALTERAÇÃO À LEI N.º 5/2012, DE 9 DE NOVEMBRO) Exposição de motivos

Leia mais

INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares

INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares BANCO DE PORTUGAL E U R O S I S T E M A INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção

Leia mais

Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro

Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro A concessão responsável de crédito constitui um dos importantes princípios de conduta para a atuação das instituições de crédito. A crise económica e financeira

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 A Instrução n.º 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão n.º 2001/193/CE, de 1 de Março de 2001,

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado

Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado A Direção-Geral do Consumidor (DGC) apresenta um conjunto de respostas às perguntas suscitadas com maior frequência. Em caso de dúvida,

Leia mais

Instituto dos Advogados de Empresa Ordem dos Advogados 5 de fevereiro de 2013

Instituto dos Advogados de Empresa Ordem dos Advogados 5 de fevereiro de 2013 Instituto dos Advogados de Empresa Ordem dos Advogados 5 de fevereiro de 2013 1 I. DISPOSIÇÕES COMUNS A) LEGISLAÇÃO APLICÁVEL LEGISLAÇÃO DIRETAMENTE APLICÁVEL: - Decreto-Lei n.º 227/2012, de 25 de outubro;

Leia mais

15 de Janeiro 2013 Contencioso de Cobrança

15 de Janeiro 2013 Contencioso de Cobrança O último trimestre de 2012 fica marcado pela aprovação de alguns diplomas legais com incidência nas operações bancárias relativas a contratos de crédito, que visam, genericamente, assegurar uma maior protecção

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 5910 Diário da República, 1.ª série N.º 201 17 de outubro de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 225/2012 de 17 de outubro O Decreto -Lei n.º 27 -C/2000, de 10 de março, que cria o

Leia mais

Novas regras na habitação

Novas regras na habitação Novas regras na habitação PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 7 DE JANEIRO DE 2013 POR JM A lei n.º 59/2012, de novembro, cria salvaguardas para os mutuários de crédito à habitação e altera o decreto-lei

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Diário da República, 1.ª série N.º 207 25 de outubro de 2012 6025 Identificação do município Pessoal não docente das escolas básicas e da educação pré -escolar Cláusula 2.ª, n.º 1 Pessoal não docente das

Leia mais

Sobre-endividamento endividamento das

Sobre-endividamento endividamento das CONFERÊNCIA O Endividamento e o Sobre-endividamento endividamento das Famílias Problemas e soluções CIAB Tribunal Arbitral de Consumo 3 de outubro de 2013 PLANO DE EXPOSIÇÃO I O Plano Nacional de Formação

Leia mais

Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA. Instituição Financeira de Crédito

Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA. Instituição Financeira de Crédito Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da GE Consumer Finance,

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 01-set-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 217 9 de novembro de 2012 6473 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 57/2012 de 9 de novembro 2.ª alteração ao Decreto -Lei n.º 158/2002, de 2 de julho, permitindo o reembolso

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental Banco de Portugal EUROSISTEMA INSTRUÇÃO N.º 10/2010 Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental Folha 1 ASSUNTO: Ficha de Informação Normalizada de Crédito à Habitação e de Crédito Conexo O Banco de Portugal

Leia mais

Título: Regime extraordinário de proteção de devedores de crédito à habitação em situação económica muito difícil

Título: Regime extraordinário de proteção de devedores de crédito à habitação em situação económica muito difícil Título: Regime extraordinário de proteção de devedores de crédito à habitação em situação económica Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas: 26 páginas

Leia mais

NOVAS INICIATIVAS LEGISLATIVAS NO ÂMBITO DO CRÉDITO À HABITAÇÃO

NOVAS INICIATIVAS LEGISLATIVAS NO ÂMBITO DO CRÉDITO À HABITAÇÃO 3 de junho de 2012 NOVAS INICIATIVAS LEGISLATIVAS NO ÂMBITO DO CRÉDITO À HABITAÇÃO 1. Introdução A crise financeira e económica, aliada ao aumento do registo de incumprimentos no crédito à habitação a

Leia mais

Lei n. o 58/2012 09-11-2012

Lei n. o 58/2012 09-11-2012 Lei n. o 58/2012 09-11-2012 Assunto: Cria um regime extraordinário de proteção de devedores de crédito à habitação em situação económica muito difícil A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Simulação de Crédito Pessoal

Simulação de Crédito Pessoal Simulação de Crédito Pessoal Data de Impressão: 22-10-2013 14:13 Número de Simulação: 13901487 Resumo Multifinalidades Prestação Comissão de Processamento (mensal) (Acresce Imposto do Selo à Taxa em vigor)

Leia mais

Lei n. o 64/2014 26-08-2014

Lei n. o 64/2014 26-08-2014 Lei n. o 64/2014 26-08-2014 Assunto: Aprova o regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência e revoga os Decretos-Leis n. os 541/80, de 10 de novembro, e 98/86, de 17 de

Leia mais

Simulação de Crédito Pessoal

Simulação de Crédito Pessoal Simulação de Crédito Pessoal Data de Impressão: 22-10-2013 13:38 Número de Simulação: 13901487 Resumo Multifinalidades Prestação Comissão de Processamento (mensal) (Acresce Imposto do Selo à Taxa em vigor)

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 01-set-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto

Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto Enquanto o mercado dos produtos e serviços financeiros foi regulado de forma administrativa, a procura que lhes era dirigida defrontava condições do lado da oferta

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Lei nº 59/2012, de 9 de novembro

Lei nº 59/2012, de 9 de novembro Lei nº 59/2012, de 9 de novembro Cria salvaguardas para os mutuários de crédito à habitação e altera o Decreto-Lei nº 349/98, de 11 de novembro A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c)

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 20-abr-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO Índice Conceito de responsabilidade de crédito Central de Responsabilidades de crédito (CRC) O que é a CRC? Para que serve a CRC? Mapa de

Leia mais

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma.

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma. Decreto-Lei N.º 512/99 De 24 de Novembro Cria um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior A Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro - Lei de Bases do Financiamento do Ensino Superior Público

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014

Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014 Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014 Índice Texto do Aviso Texto do Aviso Assunto: Assunto Mod. 99999910/T 01/14 Com a publicação do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de junho, que transpôs para a ordem

Leia mais

3º Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.1

3º Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.1 1. Beneficiários: As empresas que tenham operações contratadas ao abrigo das Linhas de Crédito PME Investe e que à data de contratação do alargamento do prazo não tenham incumprimentos não regularizados

Leia mais

CRÉDITO PESSOAL. (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) Praça D. João I, 28 4000-295 Porto

CRÉDITO PESSOAL. (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) Praça D. João I, 28 4000-295 Porto CRÉDITO PESSOAL FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual A. Elementos de Identificação 1. Identificação da instituição de crédito Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral Informação pré-contratual

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010 A Instrução nº 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão nº 2001/193/CE,

Leia mais

O novo regime de protecção de clientes bancários particulares

O novo regime de protecção de clientes bancários particulares A parte da imagem com o ID de relação rid4 não foi encontrada no ficheiro. O novo regime de protecção de clientes bancários particulares Cristina Catarino Enquadramento legal Decreto-Lei 227/2012, de 25

Leia mais

O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias

O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias Natália Nunes Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado CONFERÊNCIA HABITAÇÃO, ARRENDAMENTO

Leia mais

Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM PORTUGAL

Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM PORTUGAL Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO COM SEDE EM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 349/98, de 11 de Novembro, Estabelece o regime jurídico de concessão de crédito à habitação própria

Decreto-Lei n.º 349/98, de 11 de Novembro, Estabelece o regime jurídico de concessão de crédito à habitação própria 1/34 Decreto-Lei n.º 349/98, de 11 de Novembro, Estabelece o regime jurídico de concessão de crédito à habitação própria JusNet 216/1998 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 261, Série

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação 1.2. Endereço

Leia mais

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES?

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas

Leia mais

O presente relatório apresenta os comentários mais relevantes recebidos, bem como a ponderação dos mesmos pelo Banco de Portugal.

O presente relatório apresenta os comentários mais relevantes recebidos, bem como a ponderação dos mesmos pelo Banco de Portugal. RELATÓRIO FINAL SOBRE A CONSULTA PÚBLICA N.º 2/2009 AVISO E INSTRUÇÃO SOBRE DEVERES DE INFORMAÇÃO NO CRÉDITO À HABITAÇÃO E NO CRÉDITO CONEXO 1. NOTA INTRODUTÓRIA Entre 26 de Janeiro e 28 de Fevereiro de

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social - Direção Geral da Segurança Social.

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social - Direção Geral da Segurança Social. I - NOTA PRÉVIA INFORMATIVA AO ASSOCIADO BENEFICIÁRIO / POTENCIAL BENEFICIÁRIO O Montepio Geral - Associação Mutualista (MGAM) informa que o beneficio associativo de se encontra regulado pelo Regulamento

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde S DO BANCO DE CABO VERDE CRÉDITO À HABITAÇÃO Banco de Cabo Verde Banco de Cabo Verde Crédito à Habitação Banco de Cabo Verde Cidade da Praia 013 Ficha Técnica Título: Crédito à Habitação Autor: Banco de

Leia mais

AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março

AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março Publicado no Diário da República, I Série, nº 60, de 28 de Março AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março ASSUNTO: DEVERES GERAIS DE INFORMAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E PRODUTOS FINANCEIROS Considerando a necessidade

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008,

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DE 29 DE MAIO E PELO DECRETO-LEI N.º 192/2009, DE 17 DE AGOSTO Regula as práticas comerciais das instituições de crédito no

Leia mais

Preçário BANQUE PSA FINANCE (SUCURSAL EM PORTUGAL) SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANQUE PSA FINANCE (SUCURSAL EM PORTUGAL) SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANQUE PSA FINANCE (SUCURSAL EM PORTUGAL) SUCURSAL Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 01-Jan-2014 O Preçário completo do Banque

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de Comissões e Despesas

Leia mais

Preçário. CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A. Instituição Financeira de Crédito

Preçário. CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A. Instituição Financeira de Crédito Preçário CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo

Leia mais

Preçário FCE BANK PLC BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 23-set-2015

Preçário FCE BANK PLC BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 23-set-2015 Preçário FCE BANK PLC BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da FCE BANK PLC, contém o Folheto de Comissões e Despesas (que incorpora

Leia mais

Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro

Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro Cria um instrumento financeiro denominado obrigações hipotecárias. B.O. n.º 40 - I Série Decreto n.º 63/99 de 2 de Novembro O presente diploma, dando sequência à reforma

Leia mais

Preçário BANQUE PSA FINANCE (SUCURSAL EM PORTUGAL) SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANQUE PSA FINANCE (SUCURSAL EM PORTUGAL) SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANQUE PSA FINANCE (SUCURSAL EM PORTUGAL) SUCURSAL Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 02-fev-2015 O Preçário completo do Banque

Leia mais

Registo da prestação de contas

Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas têm simplesmente de entregar a

Leia mais

Contrato de Intermediação Financeira

Contrato de Intermediação Financeira Contrato de Intermediação Financeira Condições Gerais do Contrato de Intermediação Financeira Entre a Caixa Geral de Depósitos, SA com sede em Lisboa na Av. João XXI n.º 63, com capital social de 5 900

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - G763300V2

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - G763300V2 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro

Leia mais

BIG Alocação Condições Gerais

BIG Alocação Condições Gerais ARTIGO PRELIMINAR Entre a, e o Tomador do Seguro mencionado nas Condições Particulares é estabelecido o contrato de seguro que se regula pelas, Especiais e Particulares da Apólice, de acordo com as declarações

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 217 9 de novembro de 2012 6481. 10 de abril, e 222/2009, de 11 de setembro, passa a ter a seguinte redação:

Diário da República, 1.ª série N.º 217 9 de novembro de 2012 6481. 10 de abril, e 222/2009, de 11 de setembro, passa a ter a seguinte redação: Diário da República, 1.ª série N.º 217 9 de novembro de 2012 6481 ainda decorrido o prazo para a oposição à execução relativa a créditos à habitação e créditos conexos garantidos por hipoteca, ou até à

Leia mais

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL BENFMEMD_20130701 Benfica Member CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS,

Leia mais

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL LACARDD_20151001 LA Card Visa CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS,

Leia mais

Preçário. CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A. Instituição Financeira de Crédito

Preçário. CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A. Instituição Financeira de Crédito Preçário CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo

Leia mais

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL ITICCRD_20150701 Caixa ITIC CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 Através da Resolução do Conselho de Governo n.º 97/2013, de 3 de outubro, foi criada a Linha de Apoio à Reabilitação

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO MANUAL I

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO MANUAL I MANUAL I LOCAÇÃO OU AQUISIÇÃO DE BENS MÓVEIS E AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS ATRAVÉS DE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO 1. INTRODUÇÃO O presente documento pretende disponibilizar informação básica para que as unidades

Leia mais

Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.3

Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.3 1. Beneficiários: As empresas que tenham operações contratadas ao abrigo das de Crédito PME Investe e que à data de contratação do alargamento do prazo não tenham incumprimentos não regularizados junto

Leia mais

INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA PPR PPR BIC GARANTIDO (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008 de 16 de Abril)

INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA PPR PPR BIC GARANTIDO (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008 de 16 de Abril) INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA PPR PPR BIC GARANTIDO (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008 de 16 de Abril) SEGURADOR MAPFRE SEGUROS DE VIDA S.A. Sede Social: Rua Castilho, 52, 1250-071 Lisboa N.I.P.C.

Leia mais

Preçário CAIXA ECONOMICA DO PORTO

Preçário CAIXA ECONOMICA DO PORTO Preçário CAIXA ECONOMICA DO PORTO CAIXAS ECONÓMICAS Consulte o COMISSÕES E SPESAS Consulte o TAXAS JURO Data de O Preçário completo contém o Folheto de Comissões e Despesas (que incorpora os valores máximos

Leia mais

1.2. Endereço Rua Áurea, 219-241: Apartado 2882: 1122-806 Lisboa

1.2. Endereço Rua Áurea, 219-241: Apartado 2882: 1122-806 Lisboa FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1.

Leia mais

Decreto-Lei nº 58/2013, de 8 de maio

Decreto-Lei nº 58/2013, de 8 de maio Decreto-Lei nº 58/2013, de 8 de maio Através do presente diploma, procede-se à revisão e atualização de diversos aspetos do regime aplicável à classificação dos prazos das operações de crédito, aos juros

Leia mais

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto das Comissões

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

Preçário. Banco Cofidis, S.A.

Preçário. Banco Cofidis, S.A. Preçário Banco Cofidis, S.A. BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto e Despesas: 05-out-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

Estatuto do Bolseiro de Investigação

Estatuto do Bolseiro de Investigação Estatuto do Bolseiro de Investigação O Estatuto do Bolseiro de Investigação foi aprovado pela Lei nº 40/2004, de 18 de agosto, alterada e republicada pelo Decreto- Lei n.º 202/2012, de 27 de agosto. O

Leia mais

Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil

Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil Nota Justificativa O Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de Abril, publicado no âmbito do Programa Simplex, veio

Leia mais

Preçário BANCO SANTANDER TOTTA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 01-jul-2014 02-Ago-2012

Preçário BANCO SANTANDER TOTTA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 01-jul-2014 02-Ago-2012 Preçário BANCO SANTANDER TOTTA, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 01-jul-2014 02-Ago-2012 O Preçário completo do Banco Santander Totta contém o Folheto de e

Leia mais

Carta Circular 2/14/DSPDR do Banco de Portugal Mensuração da imparidade da carteira de crédito

Carta Circular 2/14/DSPDR do Banco de Portugal Mensuração da imparidade da carteira de crédito Carta Circular 2/14/DSPDR do Banco de Portugal Mensuração da imparidade da carteira de crédito 1. Política de Gestão de Risco de Crédito 1.1 Gestão de risco de crédito Em resposta aos diversos requisitos

Leia mais

Condições Gerais IV CLÁUSULAS OBRIGATÓRIAS E FINAIS

Condições Gerais IV CLÁUSULAS OBRIGATÓRIAS E FINAIS I CONDIÇÕES PRELIMINARES E ESSENCIAIS 1. DEFINIÇÕES 2. OBJETO E GARANTIAS DO CONTRATO 3. ÂMBITO TERRITORIAL 4. CAPITAL SEGURO 5. BENEFICIÁRIOS 6. PESSOA SEGURA 7. VIGÊNCIA DO CONTRATO. INÍCIO E DURAÇÃO

Leia mais

At. Exma. Senhora Dra. Ana Paula Contreiras Direção-Geral do Consumidor Praça Duque de Saldanha, 31-3º 1069-013 Lisboa

At. Exma. Senhora Dra. Ana Paula Contreiras Direção-Geral do Consumidor Praça Duque de Saldanha, 31-3º 1069-013 Lisboa At. Exma. Senhora Dra. Ana Paula Contreiras Direção-Geral do Consumidor Praça Duque de Saldanha, 31-3º 1069-013 Lisboa Assunto: Audição do CNC - Transposição da Diretiva Consumidores - Diretiva 2011/83/UE

Leia mais

Preçário BANCO CREDIBOM, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO CREDIBOM, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO CREDIBOM, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banco Credibom, S.A., contém o Folheto de e Despesas (que

Leia mais

Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS

Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Entrada em vigor: 1-out-2015

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC Artigo 1º Âmbito do regulamento 1. O presente regulamento define o regime do pagamento da propina pelos estudantes do IPVC inscritos a tempo integral,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 595/XII/3.ª

PROJETO DE LEI N.º 595/XII/3.ª PROJETO DE LEI N.º 595/XII/3.ª REGULA A CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Exposição de Motivos O Decreto-Lei n.º 230/80, de 16 de julho, atribuiu o direito de aquisição ou construção

Leia mais

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO DESPACHO N.º /2015 Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de PREÂMBULO Considerando a experiência adquirida no Instituto Politécnico de (IP) com a aplicação

Leia mais

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras O Banco de Portugal acaba de publicar novas regras para os Preçários, que vêm reforçar e harmonizar a informação sobre

Leia mais

Juízos Cíveis de Coimbra

Juízos Cíveis de Coimbra Juízos Cíveis de Coimbra AA.:António Francisco Domingues, portador do Cartão do Cidadão nº004897786 válido até 13/10/2013, contribuinte fiscal nº 100097898 e mulher Florbela Francica Santos Domingues portadora

Leia mais

GERIR O ORÇAMENTO FAMILIAR PREVENIR O SOBREENDIVIDAMENTO EVITAR DÍVIDAS E GASTOS DESNECESSÁRIOS. Porto 24 de Outubro de 2013

GERIR O ORÇAMENTO FAMILIAR PREVENIR O SOBREENDIVIDAMENTO EVITAR DÍVIDAS E GASTOS DESNECESSÁRIOS. Porto 24 de Outubro de 2013 GERIR O ORÇAMENTO FAMILIAR PREVENIR O SOBREENDIVIDAMENTO EVITAR DÍVIDAS E GASTOS DESNECESSÁRIOS Porto 24 de Outubro de 2013 Célia Marques Gabinete Jurídico da UGC 1 ORGANIZAR AS DESPESAS EXISTEM 3 GRANDES

Leia mais

Projeto de lei n.º 224/XII

Projeto de lei n.º 224/XII Projeto de lei n.º 224/XII 10.ª Alteração ao Decreto-Lei n.º 349/98, de 11 de Novembro, introduzindo mecanismos adicionais de proteção dos devedores no contratos de crédito para aquisição de habitação

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

Simulação de Crédito Imobiliário

Simulação de Crédito Imobiliário Simulação de Crédito Imobiliário Data de Impressão: 16-02-2015 19:42 Número de Simulação: 14616115 / x944719 Gestor de Projeto: MIGUEL VELEZ (211126702) Resumo Prestação inicial Prestação Comissão manutenção

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO Índice Componentes do custo do crédito Taxa de juro Comissões Despesas Seguros Medidas agregadas do custo do crédito: TAE e TAEG Taxas máximas no crédito

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais

Ficha de Informação Geral

Ficha de Informação Geral Objectivo da Ficha de Informação Geral Oferecer aos Clientes informação de carácter geral sobre o crédito à habitação, o mais transparente, sistemático e rigorosamente possível, antes da formalização de

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Resposta à consulta sobre o Projeto de Proposta de Lei de transposição do regime Solvência II

Resposta à consulta sobre o Projeto de Proposta de Lei de transposição do regime Solvência II Resposta à consulta sobre o Projeto de Proposta de Lei de transposição do regime Solvência II O Gabinete de S.E. a Ministra de Estado e das Finanças consultou em 13 de março de 2015 a Comissão do Mercado

Leia mais

Guia crédito respon sável

Guia crédito respon sável uia rédito espon ável 1_ _2 O que é o Crédito Responsável? 3_ _4 Um Crédito Responsável exige um compromisso. O Compromisso de trabalhar com o cliente de forma leal, justa e transparente em relação aos

Leia mais

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da Cofidis, contém

Leia mais

1 Redacção introduzida pelo Decreto-Lei n.º 192/2009, de 17 de Agosto.

1 Redacção introduzida pelo Decreto-Lei n.º 192/2009, de 17 de Agosto. MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Decreto-Lei n.º 51/2007 de 7 de Março (Alterado pelo Decreto-Lei n.º 88/2008, de 29 de Maio, e pelo Decreto-Lei n.º 192/2009, de 17 de Agosto) Artigo 1.º 1 Objecto

Leia mais