INTELECTUAIS NEGRAS NO BRASIL: INCORPORANDO TRADIÇÕES AFRO-BRASILEIRAS NA ACADEMIA 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTELECTUAIS NEGRAS NO BRASIL: INCORPORANDO TRADIÇÕES AFRO-BRASILEIRAS NA ACADEMIA 1"

Transcrição

1 INTELECTUAIS NEGRAS NO BRASIL: INCORPORANDO TRADIÇÕES AFRO-BRASILEIRAS NA ACADEMIA 1 Agatha Silvia Nogueira e Oliveira University of Texas at Austin 2 Resumo Neste artigo, analisa-se como a presença da mulher negra e a introdução de tradições de matriz africana nos estudos de teatro e dança podem contribuir para problematizar o eurocentrismo e a hegemonia de gênero e racial na academia brasileira. Baseia-se aqui em teóricas feministas negras para revelar como o sexismo e racismo atuam construindo mitos que afastam a mulher negra do reino do intelecto e, consequentemente, do meio acadêmico e inspira-se nos trabalhos desenvolvidos pelas artistas, teóricas, e educadoras Inaicyra Falcão dos Santos e Evani Tavares Lima nas Escolas de Artes Cênicas da Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP e Universidade Federal da Bahia -UFBA respectivamente, a fim de demonstrar as contribuições que metodologias alternativas baseadas nas tradições de matriz africana podem trazer para o artista em formação e para a academia. Palavras chave: Eurocentrismo. Mulher negra. Academia. Metodologias alternativas. Tradições Abstract In this paper, I analyze how the presence of black women and the introduction of African traditions in studies of theater and dance can contribute to problematize Eurocentrism and the hegemony of gender and race in Brazilian academia. Fostered by black feminist theorists I seek to reveal how sexism and racism operate building myths that keep black women distant of the realm of the intellect and hence academia. This article is also inspired by the work undertaken by artists, theorists, and educators Inaicyra Falcão dos Santos and Evani Tavares Lima in the 1 Trabalho apresentado no Congresso de Pesquisa em Dança -Riverside/CA ( November/2013 ). 2 Doutoranda no programa de Estudos da Performance como Prática Pública no Departamento de Teatro e Dança da University of Texas at Austin. Mestra em Artes pelo Departamento de Estudos da Africa e da Diáspora Africana da University of Texas at Austin. Mestra em Ciência das Artes pela Universidade Federal Fluminense. 136

2 Schools of Performing Arts at the State University of Campinas UNICAMP and Federal University of Bahia -UFBA respectively, to demonstrate the contributions that alternative methodologies based on the traditions of African origin can bring out the artist in training and the academia. Key words: Eurocentrism. Black women. Academia. Alternative Metodologies. Traditions Introdução Para pesquisadores, que estão continuamente investigando e revisitando suas próprias práticas acadêmicas, não é raro um interesse especial em filosofias pedagógicas e metodologias de ensino. Um olhar atento para identificar quando conteúdos e métodos precisam ser reavaliados e reelaborados é fundamental no processo de atualização da estrutura do ensino superior. No intuito de tornar o conhecimento acessível a diferentes grupos sociais e de contemplar a diversa gama de informação que circunda o universo acadêmico busca-se decentralizar estudos, e, para tanto, revela-se necessário questionar hierarquias e hegemonias no ensino elaborando-se estratégias mais plurais e que dialoguem com a cultura na qual a academia está imersa. Nesse sentido, o ensino torna-se uma ferramenta importante para problematizar pensamentos fundamentados em teorias exclusivistas que ao reforçar estruturas binárias dificultam a inclusão de indivíduos historicamente e socialmente marginalizados bem como de filosofias e conteúdos não ocidentais. O ensino revela-se um importante veículo de informação e formação de consciência política que desafia e transcende hierarquias raciais, de gênero, de classe, e sexuais. Inspirados pelo olhar sensível das intelectuais, artistas, e educadoras Inaicyra Falcão dos Santos e Evani Tavares Lima, neste artigo analisa-se como a introdução de uma filosofia de educação que busca unir conhecimentos científicos e empíricos e de tradições de matriz africana nos estudos de teatro e dança podem contribuir para problematizar o eurocentrismo e a hegemonia de gênero e racial na academia brasileira. No Brasil, as escolas de artes em geral ainda priorizam e universalizam os estudos das danças de matriz europeia. Em consequencia, as técnicas de treinamento corporal e preparação física mais usadas na academia seguem padrões europeus seja em relação à dança 137

3 clássica, moderna ou contemporânea. Em geral, as informações que vem de fora, são assumidas como fundamentais restringindo as possibilidades de experimentações e práticas dialógicas que contemplem também traços das culturas locais. As principais questões levantadas aqui são: Como filosofias pedagógicas e metodologias de ensino podem contribuir para descentralizar teorias e práticas na academia brasileira? Como a inclusão ou negação de tradições e técnicas alternativas podem limitar ou ampliar possibilidades no processo de construção de identidade e estética artística? Nesse trabalho, argumenta-se que as metodologias alternativas podem abrir espaços para a produção de um corpo de conhecimento mais plural na academia e que dialogue com o universo cultural e as experiências vividas. Ao reconhecer a necessidade de flexibilização dos métodos de ensino e formação artística, e estimulando a valorização de elementos de matriz africana nos estudos de corpo e movimento as criações e produções artísticas refletem universos pessoais e coletivos, história, memória, e ancestralidade. Aqui explora-se inicialmente, como o sexismo atua construindo mitos que afastam a mulher, e principalmente a mulher negra do reino do intelecto e consequentemente da academia (HOOKS, 2010; PACHECO, 2011). Como resquícios da escravidão a mulher negra ainda é vista como só corpo, sem mente (PACHECO, 2011, p. 1). Tal fato aliado ao pensamento cartesiano dominante na academia contribui para a escassez de intelectuais negras nos cursos de teatro e dança, apesar de nestes cursos a presença feminina superar a masculina. Dois outros fatores associados ao afastamento da mulher negra da academia brasileira são: o eurocentrismo, e a folclorização das manifestações de matriz africana. Num segundo momento, a partir da consideração feita por Joy James (1993) em relação ao uso de narrativas individuais como fontes de estudo que representam história de resistência, atuação política, e memória comun revela-se como Inaicyra Falcão dos Santos e Evani Tavares Lima descentralizam estudos de dança e corpo nas Escolas de Artes Cênicas da UNICAMP entre os anos de 1996 e 2010 Santos - e da UFBA entre os anos de 2000 e Lima. Santos e Lima têm trabalhado para revelar novas possibilidades estéticas na dança e no teatro e, ao fazê-lo, têm também desvendado a hierarquia do conhecimento que prioriza métodos pedagógicos ocidentais europeus na academia brasileira. Além disso, a presença destas duas intelectuais negras na 138

4 academia brasileira serve de estímulo para outras mulheres negras interessadas em ocupar esse espaço afirmando-se enquanto intelectuais, artistas e educadoras capacitadas para atuar e contribuir para a formação de indivíduos e construção de um corpo de conhecimento mais amplo. Santos, atualmente vinculada à Escola de Dança da UFBA, é Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Paulo, Brasil, e Mestra em Artes Teatrais pela Universidade de Ibadan, na Nigéria. Professora de dança, artes cênicas, coreógrafa, dançarina e cantora lírica, Santos investiga as tradições africanas e afro-brasileiras como elementos fundamentais para a composição de um método de "dança- arte- educação pluricultural (SANTOS, 2006). Ela também estudou na Universidade Obafemi Awolowo em Ifé, na Nigéria, e no Instituto Laban em Londres, Inglaterra. Sua metodologia de ensino baseia-se na tradição Iorubá e na mitologia dos Orixás, a fim de facilitar a conexão dos atores e dançarinos com sua memória ancestral afrobrasileira. Em seu trabalho, Santos defende o reconhecimento e valorização da pluralidade dos corpos brasileiros. Desse modo ela inspira e estimula novas produções no meio acadêmico. Lima está atualmente realizando Pós-doutorado na Escola de Artes Cênicas da UFBA. Ela foi orientada por Santos durante seu Doutorado na UNICAMP ( ) no qual desenvolveu pesquisa sobre O Tearo negro do Teatro Experimental do Negro e do Bando de Teatro Olodum. Nesse período, Lima também realizou uma pesquisa na Universidade de Michigan entre os anos de Durante o seu mestrado em Artes Cênicas na UFBA ( ), Lima começou a desenvolver sua pesquisa com foco no uso da Capoeira Angola como treinamento para o ator 3, tendo ministrado cursos para alunos da graduação da escola de Artes Cênicas na UFBA como parte prática da sua pesquisa. O propósito de Lima nessa investigação era incorporar a Capoeira Angola como método de treinamento do ator com o objetivo de capacitá-lo para desenvolver e investigar novas estéticas no palco. A IMPORTÂNCIA DE DESCENTRALIZAR ESTUDOS NA ACADEMIA BRASILEIRA 3 Título do seu primeiro livro editado pela Fundação Pedro Calmon em

5 Ao observar a atuação de intelectuais negras na academia brasileira, entende-se que este é um espaço em que a voz delas tem sido subalternizada pelos projetos colonialista, imperialista, escravista, miscigenista, e nacionalista. Ana Claudia Lemos Pacheco observa: Nas ultimas décadas do século XX e nesta primeira década do século XXI, o desenvolvimento de estudos e pesquisas na academia sobre as mulheres negras cresceu significativamente. Entretanto, numa análise bastante realista, o reconhecimento e a legitimação das intelectuais negras nas academias brasileiras ainda continuam marginalizadas (PACHECO, 2011, p. 5) A autora reconhece as recentes conquistas de intelectuais ativistas negras e as trasnformações na academia brasileira, no entanto, enfatiza o fato de que a produção de intelectuais negras ainda é amplamente ignorada, silenciada e invizibilizada nos cânones acadêmicos. Diante das dificuldades encaradas por uma intelectual negra baiana, ativista do Movimento Negro Brasileiro 4 observada por ela, Pacheco direciona a questão de Gayatri Chakravorty Spivak (2010) às intelectuais negras. Pode o subalterno falar? Para pensar tal questão, Pacheco considera a interseccionalidade nos modos de opressão em relação não só à raça e gênero, mas também em relação à classe ou à condição econômica que neste caso relega o Brasil a um país subdesenvolvido e de terceiro mundo. A realidade da intelectual negra brasileira que resolve investir na sua carreira enquanto teórica é que ela tem que enfrentar diversos obstáculos como, por exemplo, o não reconhecimento como teórica, mas usualmente apenas como ativista (JAMES, 1997, p. 42), as oposições políticas internas, os conflitos e questionamentos nos movimentos sociais, além do isolamento emocional. (PACHECO, 2011) Tanto como objeto de estudo ou como pesquisadora, a mulher negra ainda carrega heranças históricas sendo genericamente conectada à funções de servitude e afastada do mundo das ideias e da capacidade de contribuição não só intelectual mas também política. De acordo com Bell Hooks, é clara a desvalorização sexual da mulher negra e noções sexistas racistas que sugerem que as mulheres negras não são capazes de pensamento racional" (HOOKS, 1995, p.468; tradução nossa 5 ). No Brasil, tais noções foram reafirmadas pelo discurso Freyriano da 4 A autora utiliza nome fictício ao descrever a trajetória de tal intelectual. (PACHECO, 2011, p.6 ) 5 sexual devaluation of black womanhood and racist sexist notions that black women are not capable of rational thought (HOOKS,1995, p. 468) 140

6 democracia racial 6 ou de uma excepcionalidade brasileira em relação à raça, e são reatualizadas no imaginário social a cada vez que - em eventos como Carnaval, por exemplo - clama-se por uma união popular, multicutural e multiracial. Lélia Gonzales (1995) descreve claramente como a mulata é a rainha durante o Carnaval. Gonzales afirma que através da figura da mulata, símbolo da miscigenação, na performance da democracia racial a mulher negra desempenha novamente o papel principal de reprodutora, o que implica na exposição do seu corpo para consumo visual e indiretamente a induz à manter relações sexuais com o homen branco para cumprir sua função no projeto da miscigenação. No entanto, fora desse parênteses, no caso o Carnaval, as histórias de discriminação, racismo, e desvalorização intelectual e cultural negra tém-se revelado parte de um amplo esforço ideológico criado para justificar o autoritarismo e oligarquia no Brasil (ANDREWS, 1996, p. 484) no qual a mulher negra continua exercendo papel coadjuvante servindo a casa e a família branca e cumprindo funções que vão do serviço doméstico à fornicação. Além do modo como sexismo e racismo contribuem para a ausência de mulheres negras no imaginário social como intelectuais, as teorias determinista também contribuem para a inferiorização da mulher negra à medida em que entende que as funções ligadas ao corpo e espírito são inferiores às funções ligadas ao raciocínio. De acordo com Audre Lorde: Nós mulheres temos sido induzidas a desconfiar do poder que emerge de um conhecimento profundo e não-racional. Nós temos sido advertidas contra isso toda vida pelo mundo masculino que valoriza este sentimento profundo o suficiente para mater as mulheres exercitando esse poder em benefício dos homens, mas que teme demais essa mesma profundidade para examinar as possibilidades desta beneficiar elas próprias. (LORDE, 2007, p ; tradução nossa) 7. 6 Uma identidade nacional singular, ou raça brasileira como resultado de uma relação "harmônica" entre brancos, negros e indígenas, ou, mais especificamente, entre o senhor - homem branco e a escrava - uma mulher negra ou indígena. Este modelo de relação relega a mulher negra ao reino da servitude e de objeto. Ao descrever a miscigenação como resultado de uma relação " harmônica ", o cientista social Gilberto Freyre legitima a dominação sexual dos homens brancos sobre mulheres negras, mesmo que este ocorresse através da violência e estupro. (MUNANGA, 1999; GONZALES, 1995) O argumento de Freyre mercantiliza tanto a mulher negra quanto a mulata, fruto da miscigenação; a mulher negra como a trabalhadora reprodutora e a mulata como o símbolo da fornicação (BAIRROS, 1991). 7 As women, we have come to distrust that power which rises from our deepest and nonrational knowledge. We have been warned against it all our lives by the male world, which values this depth of feeling enough to keep women around in order to exercise it in the servisse of men, but which fears this same depth too much to examine the possibilities of it within themselves. (LORDE, 2007, p ) 141

7 Lorde explora um potencial erótico feminino como fonte de transformação e autoempoderamento da mulher negra. Para a autora a sexualidade e o erótico afloram de um eu profundo e de uma relação íntima inicialmente consigo mesma e com seus sentimentos e desejos. Nesse sentido, o reconhecimento e valorização da sexualidade feminina tornam-se um ato espiritual, físico, intelectual e político. Lorde afirma que ela está falando da necessidade de reacessar a qualidade de todos os aspectos de nossas vidas e trabalhos, e de como nos movemos em direção a e através destes aspectos (LORDE, 2007, p.55; tradução nossa 8 ) comumente suprimidos no sistema capitalista. O sistema estimula indivíduos a priorizar as necessidades materiais de sobrevivência e trabalho suprimindo certas necessidades físicas e emocionais e rouba nosso trabalho do seu valor erótico (LORDE, 2007, p. 55; tradução nossa 9 ) O trabalho deve ser um ato de prazer e de completude. Santos, por exemplo, revela que viveu o conflito entre seguir seu o desejo profundo de trabalhar como profissional da dança e a cobrança por um retorno financeiro requerido pelo sistema. Ao completar sua graduação, Santos se deparou com a dificuldade de obter um retorno financeiro no Brasil, mas afirma: dançar era a minha única emoção profunda, a minha religião, o meu prazer de ser. (SANTOS, 2006, p. 28). Mesmo diante do conflito a autora não se distanciou do valor erótico do seu trabalho, persistiu trabalhando como dançarina e logo começou a viajar com companhias de dança brasileiras, se apresentar em diferentes países e equilibrar necessidades financeiras, espirituais, e emocionais. O conceito de erótico que Lorde propõe clama pelo reconhecimento e valorização de todos os diferentes aspectos que constituem o indivíduo para uma atuação deste no mundo enquanto ser inteiro e múltiplo. A autora enfatiza a importância e o real valor dos atributos ligados ao físico, espiritual e emocional, frequentemente mais associados à mulher e inferiorizados num sistema que segue o pensamento cartesiano. Tal fato explica a excessão, ao se tratar da presença de mulheres no meio acadêmico, quando se trata das escolas de dança. Associam-se as artes do corpo e movimento a valores intelectuais inferiores e admite-se assim uma maior aptidão das mulheres para exercer tal profissão. Desse modo justifica-se o elevado número de mulheres nas escolas de dança no ensino superior. No entanto, ao observar-se através do conceito de 8 I am speaking here of the necessity of reassessing the quality of all the aspects of our lives and of our work, and of how we move toward and through them. (LORDE, 2007, p. 55) 9 the principal horror of such a system is that it robs our work of its erotic value. (LORDE, 2007, p. 55) 142

8 intersecionalidade 10 (CRENSHAW, 1993), as formas de opressão e exclusão, percebe-se a excassez no número de mulheres intelectuais negras integrando o corpo docente nesses espaços por uma herança histórica que continua arraigada ao imaginário social. Além da herança histórica da mulher negra destacam-se dois outros fatores que contribuem para a ausência de mulheres negras compondo o corpo docente das escolas de dança no ensino superior: o eurocentrismo e a folclorização das danças de matriz africana. Apesar do fato de que "o Brasil é o segundo país com a maior população negra no mundo, ultrapassando-o apenas a Nigéria" (LEBON, 2007, p. 52; tradução nossa) 11 o eurocentrismo na academia brasileira ainda é um obstáculo para a implementação de pedagogias alternativas de origem afroameríndia. De acordo com James (1993), eurocentrismo não é necessariamente o resultado da presença de descendentes de europeus. "Em uma sociedade e cultura, onde o branco europeu representa tanto a manifestação ideal quanto universal da civilização, sem surpresa, tanto 'Negro' quanto 'Branco' adotam ou adaptam-se a este paradigma como visão de mundo" (JAMES, 1993, p. 119; tradução nossa 12 ). Em sua experiência em instituições majoritariamente brancas, a autora observa que existe uma intolerância em relação à negritude e feminilidade que os relega ao reino do selvagem, exótico, e à invizibilização. Em contraste, admite-se que branquitude e masculinidade são padrões supremos a serem imitados e seguidos. Como exemplo de como o eurocentrismo atua no campo da dança, Santos observa: Na Escola de Dança [UFBA], o contato com as experiências dos professores e coreógrafos, Clyde Morgan na interpretação e; Margarida Parreira na organização, disciplina e pesquisa direcionaram o meu trabalho artístico; todavia, o currículo de curso dava ênfase aos valores das técnicas corporais euro-americanas. Eu sentia a necessidade de algo mais profundo. A tradição cultural brasileira deveria fazer parte da formação profissional do bailarino, coreógrafo e intérprete. (SANTOS, 2006, p. 27) 10 Crenshaw utiliza o conceito de interseccionalidade para denotar os vários caminhos em que raça e gênero se cruzam e interagem produzindo as múltiplas dimensões nas experiências das mulheres negras. (CRENSHAW, 1993, p. 1244) 11 Brazil is the second only to Nigeria in the world in terms of the size of the black population (LEBON, 2007, p. 52). 12 In a society and culture where the white European represents both the ideal and universal manifestation of civilization, unsurprisingly, Black as well as white people adopt or adapt this icon as worldview (JAMES, 1993: 119). 143

9 No depoimento de Santos evidencia-se que uma das implicações da perpetuação do eurocentrismo na academia brasileira é a negligência de tradições culturais afro-brasileiras. Mesmo com iniciativas que facilitaram o contato de Santos com o coreógrafo Clyde Morgan, que nos anos 1960 estimulou o intercruzamento entre a dança moderna e os elementos das danças populares e ritualísticas de matriz africana em trabalhos coreográficos desenvolvidos por ele ao dirigir o GDC- Grupo de Dança Contemporânea da UFBA, entre os anos 1960 e 1970, a grade curricular não contemplava as danças brasileiras e com o tempo, passaram a ser contempladas numa proporção pequena em relação ao que se vivencia no universo cultural baiano. Entre os anos 1990 e 2000 o currículo do curso incluia apenas a disciplina Dança Folclórica (I e II) que contemplava elementos das danças brasileiras de matriz africana, no entanto, a base técnica corporal da Escola continuava a ser euro-americana. Recentemente, outras disciplinas que foram incluídas e estão mais diretamente relacionadas com a cultura brasileira são optativas como é o caso de Dança Folclórica II, História da Dança Brasileira, Cultura Brasileira, Cultura Baiana e Antropologia do Folclore. O fato de essas disciplinas tratarem da cultura brasileira aponta para uma possível mudança, mas não significa necessariamente que tais disciplinas tenham foco nas manifestações de matriz africana. Partindo da premissa de que as danças de tradição africana são entendidas como folclórico ou baixa arte, observa-se a reminiscência de um olhar folclorista que posiciona alta cultura e cultura popular, subalterno e hegemônico, tradicional e moderno como polos opostos e excludentes (CANCLINI, 1989, p. 207 ). Neste cenário, as manifestações e danças populares de matriz africana tendem a ser vistas como práticas isoladas no tempo e no espaço e que devem ser investigadas apenas como práticas de grupos específicos em determinadas regiões que conseguem manter-se alheias às transformações tecnológicas e culturais decorrentes da combinação da microeletrônica com a telecomunicação (CANCLINI, 2008, p. 215). O que Canclini afirma é que as culturas tradicionais estão transformando-se e acompanhando os avanços da contemporaneidade, portanto não correm risco de serem suprimidas pelo processo de modernização porque elas fazem parte de um mesmo universo. Do mesmo modo, Marilena Chauí (1986) observa numa perspectiva gramisciana que a cultura popular não deve ser vista como oposta e desconectada da cultura dominante ou hegemônica, mas é parte dela (OLIVEIRA, 144

10 2012, p. 21). Nesse sentido não existiria motivo para separar e minimizar o potencial técnico corporal, expressivo, criativo e cênico das danças de matriz africana, nem para categorizá-las. O que Santos e Lima fazem é aliar o conteúdo filosófico, histórico, político e social adquiridos nas suas vivências com a cultura Iorubá e a Capoeira Angola, a elementos técnico- corporais e expressivos estudados no campo da dança e do teatro para ampliar as possibilidades de atuação artística. Os estudos do corpo e do movimento desenvolvidos por Rudolph Laban 13, por exemplo, servem de referencial para Santos repensar o gestual e os movimentos presentes nas danças dos Orixás, mais especificamente na dança Batá, e outras danças afro-brasileiras como o Samba de roda, maculelê, capoeira, dentre outras. Como sua aluna afirma: Não pesquisamos o samba enquanto objeto folclórico, mas sim enquanto instrumento enriquecedor do nosso fazer artístico. Que juntemos às seculares técnicas americanas e européias, a sabedoria presente na arte da dança popular, que é a própria caracterização do ser brasileiro (SANTOS, 2006, p. 112 ). No caso de Lima, os estudos de Eugênio Barba sobre uma Antropologia Teatral informaram sua investigação da Capoeira Angola. Lima pensa numa pré-expressividade da capoeira e identifica princípios apontados por Barba como o equilíbrio e o equilíbrio precário, a dilatação, e o princípio da equivalência presentes no treinamento da Capoeira. A Capoeira aborda tais princípios de modo diferenciado do utilizado por Barba, ampliando as possibilidades de exploração do ator em relação ao corpo e movimento. Um fator fundamental para a profundidade dos trabalhos desenvolvidos por Santos e Lima é o conhecimento empírico das práticas ou a vivência como pesquisadoras praticantes mais do que como pesquisadoras observadoras. Santos encontra na cultura Iorubá uma riqueza mitológica que lhe fornece subsídios para a elaboração de uma proposta de preparação corporal e artística inspirada pela tradição transmitida por seus ascendentes no Brasil e com a qual conviveu durante 13 Rudolph Van Laban criou um Sistema de Análise de Movimento hoje conhecido como Análise Laban de Movimento ou Labananálise. Tal Sistema nasceu da vontade de encontrar uma maneira de manter vivas e arquivar obras de dança que, a partir de então, poderiam ser escritas numa linguagem universalmente compreensível. O Sistema Laban de Análise do Movimento é formado por quatro pilares: estudos do corpo, esforço, espaço e forma. Laban identifica tais componentes como fundamentais para a realização do movimento, e aprofunda sua pesquisa em três vertentes que denomina: Notação ou Labanálise ligada ao registro do movimento; Corêutica ou Coreutics voltada para a orientação do corpo-movimento no espaço; e Eucinética ou Eucinetics vinculada à energia aplicada para a execução do movimento. (OLIVEIRA, 2012, p. 38) 145

11 seis anos na Nigéria. Santos procura aliar técnica e história de vida para pensar a arte da dança. Ela afirma: Meu objeto de investigação tem sido a tradição cultural e a criatividade, porém devidamente compreendidas como expressão da diversidade corporal dos povos que vivem no Brasil e que tem colaborado para este tecido social complexo, colorido, belo, e tão mal compreendido. A homogeneidade de expressão é destruidora, sendo, por isso, indispensável compreender a pluralidade cultural brasileira. (SANTOS, 2006, p. 35) Ao tratar de pluralidade a autora enfatiza a necessidade de esclarecer e divulgar tradições de matriz africana que diz[em] respeito, direta e indiretamente, a todos que vivem no Brasil (SANTOS, 2006, p. 36). A autora encontra na cultura e mitologia Iorubá a possibilidade de reafirmar história pessoal na vivência da tradição através da recriação artística dos gestos e princípios revelando o quanto as autobiografias vão além de narrativas pessoais porque elas revelam através da história de um indivíduo a história de muitos e aponta questões, sociais, históricas e políticas que afetam uma comunidade como um todo e não só um indivíduo isolado (JAMES, 1993). Do mesmo modo, ao tomar a sua própria experiência com a Capoeira como base para o treinamento para a cena Lima procura aliar técnica às suas necessidades e especificidades culturais, o que possivelmente conduzirá a uma melhor compreensão de si, autocrítica, visão de mundo e diálogo com o universo circundante (LIMA, 2010, p. 19). James chama atenção para um risco no uso das tradições de matriz africana ou indígenas, o risco destas servirem apenas para auto-promoção ou em interesse próprio e desconectado de um saber empírico. Ao falar da introdução de tradições africanas na academia norte-americana, James afirma: Estórias Afro-americanas podem ser contadas, músicas cantadas e danças dançadas não em benefício da comunidade e dos ancestrais mas para a 146

12 exibição e auto-promoção e para entreter empregadores. (JAMES, 1993, p. 42; tradução nossa) 14 James faz referência à produção e repercussão do documentário dirigido por Maya Deren Divine Horsemen: The Living Gods in Haiti, que promoveu Deren no meio artístico e acadêmico durante os anos 1980, mas revelava a inexistência de uma real ligação com aquelas comunidades, crenças e rituais.(james, 1993, p. 42) A formação de produtores culturais e profissionais que tém como objetivo a promoção e a venda de shows folclóricos, por exemplo, funciona como entrenenimento para a indústria de turismo e eleva os nomes dos que divulgam estes grupos, mas não trazem nenhum real benefício aos que perpetuam e praticam tais tradições. Como as tradições africanas fazem parte da história de vida e experiências diárias de um grande número de brasileiros, e, considerando-se que a produção cultural tem sido uma importante estratégia de sobrevivência para os afrodescendentes (AFOLABI, 2009, p. 1), a negação destas influências equivale a uma negação das identidades culturais e raciais Eurocentrismo na academia brasileira, certamente contribui para o seu isolamento. De acordo com Lima, o Teatro contemporâneo tem demandado uma heterogeneidade nos métodos de treinamento que contemplem a diversidade corporal, cultural, teórica e filosófica. Ela afirma: De fato, se olharmos em perspectiva, pode-se observar que são as orientações que primam pela heterogeneidade de abordagens que têm enriquecido a arte do ator ao longo de toda história. A diversidade das técnicas e os instrumentos para o ator têm sido, naturalmente, tão diversos quanto ele. Isso significa que a visão que restringe o olhar apenas para um referencial branco-europeu, por exemplo, segue na contra-mão do que poderia ser chamado de bom-senso. Por essa razão, enegrecer e indianizar essa visão será sempre uma maneira de ampliar e subverter esse olhar branco de mão única. (LIMA, 2008, p. 18) 14 African (American) stories can be told, songs sung, dances danced not for the benefit of the community and ancestors but for the purpose of exhibition and self-promotions to entertain employers. ( JAMES, 1993, p. 42) 147

13 Santos (2006) e Lima (2008) questionam os centrismos que limitam e estreitam tanto a atuação de mulheres negras na academia brasileira quanto a inclusão de elementos de matriz africana. Através da introdução de tradições e filosofia africanas e afro-brasileiras como ferramentas eficazes no treinamento do ator e do dançarino e na criação artística, elas criam a possibilidade da cultura popular afro-brasileira, relegada à esfera do primitivo e folclórico, ser entendida como epistemologia. INCORPORANDO TRADIÇÕES AFRICANAS: PROPOSTAS METODOLÓGICAS Santos e Lima operaram como o que James chama de "pensadores vivos" (1993, p. 34). Pensadores vivos são contadores de histórias que por via oral ou literal integram teoria e filosofia, o que significa a prática de "viver nossos pensamentos e contar nossas vidas, simultaneamente refletindo sobre isso" (1993, p. 35; tradução nossa 15 ). Ao descrever sua própria trajetória na dança, ressaltando a necessidade que sentia de estudar o corpo e os movimentos que faziam parte dos rituais afro-brasileiros, as autoras provocam reflexões sobre a hierarquia nos métodos de treinamento corporal, a necessidade de identificação dos artistas negros com os estudos de corpo na academia e sobre o vocabulário de movimento abordado nas escolas de dança, a tendência a tratar as manifestações culturais de matriz africana como folclóricas, e como pensar corpo-mente-espírito, sagrado e secular, indivíduo e coletivo como partes complementares de um único ser. No processo de desenvolvimento de sua proposta metodológica, Santos baseia-se em aspectos sociais e artísticos do ritual Batá, geralmente relacionado ao Orixa Xangô. Ao observar specificamente a dança do Batá a autora identifica qualidades de movimento como gestos rápidos, cortados e diretos, posturas que exploram flexão e extensão de joelhos, deslizar dos pés em contato com o solo, sapateado e inclinação do corpo da cintura para a frente. Santos também observa o uso do espaço, figurino e a relação entre ritmo e movimento ou entre o corpo e os tambores também chamados de Batá. Ela se inspira e incorpora tais elementos em sua prática em sala de aula incluindo no processo de preparação corporal exercícios físicos para o 15 Philosophizing and theorizing in autobiographical storytelling are practices, in which we live our thoughts and recount our lives, reflecting this. (JAMES, 1993, p. 35) 148

Maria de Lurdes Barros da Paixão 1 Universidade Estadual de Santa Cruz UESC-BA

Maria de Lurdes Barros da Paixão 1 Universidade Estadual de Santa Cruz UESC-BA O En(tre) lugar da Dança Contemporânea na Bahia e no Recife: A pesquisa sobre as reelaborações estéticas coreográficas do Balé Folclórico da Bahia e do Grupo Grial de Dança. Maria de Lurdes Barros da Paixão

Leia mais

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Coordenação de Diversidade SECAD/MEC Professora Leonor Araujo A escola é apontada como um ambiente indiferente aos

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS Personalidade Personalidade Carreira 521 Personalidade Personalidade Perfil 412 Estética Cabelos Femininos 157 Negritude Discriminação Racial 130 Sociedade Eventos 122 Estética Moda Feminina & Masculina

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

Press Release 21 de junho de 2013

Press Release 21 de junho de 2013 Press Release 21 de junho de 2013 O Instituto Sacatar tem a satisfação de anunciar a chegada de um novo grupo de seis artistas premiados, cada um, com um período de residência de oito semanas de duração

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA RESUMO LEI 10.639/03 Anne Caroline Silva Aires Universidade Estadual da Paraíba annec153@yahoo.com.br Teresa Cristina Silva Universidade Estadual da

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO.

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. Luciana Lara 1 RESUMO: Este estudo pretende refletir sobre algumas implicações das noções de corpo e movimento

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP)

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Prof. Alexandre kikuti Np2 Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Questão 01 A Dança como ARTE é uma atividade humana que resulta de uma elaboração dentro de uma determinada cultura e estabelece íntima

Leia mais

AS RELAÇÕES DE PODER, GÊNERO E SEXUALIDADES ENTRE DISCENTES E DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA - UEPG, PARANÁ.

AS RELAÇÕES DE PODER, GÊNERO E SEXUALIDADES ENTRE DISCENTES E DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA - UEPG, PARANÁ. OLIVEIRA, Fábia A. S. Acadêmica do curso de Bacharelado em Geografia e Aluna pesquisadora do Grupo de Estudos Territoriais GETE, Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG, fabialessandra.geo@gmail.com

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES JUSTIFICATIVA Este projeto tem como objetivo maior: Criar mecanismos para efetivar a implementação

Leia mais

TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03.

TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03. TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: LETRAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosa Maria Cavalheiro Jefferson Olivatto da Silva UNICENTRO Resumo: No Brasil, a abordagem das questões relacionadas História e Cultura Afro-Brasileira e

Leia mais

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE 19 EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE Alexandre do Nascimento - FAETEC - RJ Resumo No Brasil, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação,

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR. (Eixo Tecnológico: Produção Cultural e Design)

MATRIZ CURRICULAR. (Eixo Tecnológico: Produção Cultural e Design) Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR DESIGN DE MODA (Eixo Tecnológico: Produção Cultural e Design) TECNOLÓGICA SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CAPOEIRA COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DA CAPOEIRA COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DA CAPOEIRA COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR BARROS, Lucas Costa Discente do curso de Educação Física da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva SANTOS, Mariol Siqueira

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir!

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir! Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 2 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Relações Raciais no Brasil Características históricas para compreender

Leia mais

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

Recorde: Revista de História de Esporte volume 1, número 2, dezembro de 2008

Recorde: Revista de História de Esporte volume 1, número 2, dezembro de 2008 CAPOEIRA THE HISTORY OF AN AFRO-BRAZILIAN MARTIAL ART RESENHA Prof. Vivian Luiz Fonseca Fundação Getúlio Vargas - PPHPBC CPDOC/FGV Rio de Janeiro, Brasil vivianluizfonseca@gmail.com Recebido em 9 de setembro

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA Cultura afro-brasileira é o resultado do desenvolvimento da cultura africana no Brasil, incluindo as influências recebidas das culturas portuguesa e indígena que se manifestam

Leia mais

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014.

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. DEDICATÓRIA Para todas as crianças negras e de classes populares que são vítimas das atrocidades

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Vagner Ferreira Reis 1 ; Jacqueline da Silva Nunes Pereira 2 RESUMO:

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º MU096- CANTO 1A OBRIG 0 60 60 2.0 Fórmula: MU055 MU055- PERCEPCAO RITMICA MU271- CANTO CORAL 1 OBRIG 0 30 30 1.0 Fórmula: MU096 MU096- CANTO 1A PRÁTICA DA POLIFONIA VOCAL A DUAS E TRÊS VOZES.

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Resumo Elaine Carvalho de Campos Abib¹ Este trabalho foi realizado com base nas características das Tendências Pedagógicas e nas

Leia mais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS LEILA MARIA DE OLIVEIRA Mestre em Educação: Currículo pelo Programa de Pós Graduação da PUC-SP; professora de educação física; e integrante do Grupo

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DIVINÓPOLIS INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS. PROJETO CAPOEIRA Das senzalas à universidade

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DIVINÓPOLIS INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS. PROJETO CAPOEIRA Das senzalas à universidade FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DIVINÓPOLIS INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS PROJETO CAPOEIRA Das senzalas à universidade DIVINÓPOLIS, MARÇO 2013 PROGRAMA DE APOIO À EXTENSÃO - PAEx Projeto Capoeira:

Leia mais

Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica. Contextualização

Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica. Contextualização Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica Teleaula 2 Prof. Me. Marcos Ruiz da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Pedagogia Contextualização A combinação de

Leia mais

O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES

O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES Resumo O texto em questão é parte da pesquisa em desenvolvimento (mestrado) que tem como objetivo

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

Historia das relações de gênero

Historia das relações de gênero STEARNS, P. N. Historia das relações de gênero. Trad. De Mirna Pinsky. Sao Paulo: Contexto, 2007. 250p. Suellen Thomaz de Aquino Martins Santana 1 Historia das relações de gênero aborda as interações entre

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Para suportar as intensas mudanças nos próximos 10 anos, Aprendizes do Futuro compreendem que é necessário criar

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

A PEDAGOGIA COMO CULTURA, A CULTURA COMO PEDAGOGIA. Gisela Cavalcanti João Maciel

A PEDAGOGIA COMO CULTURA, A CULTURA COMO PEDAGOGIA. Gisela Cavalcanti João Maciel A PEDAGOGIA COMO CULTURA, A CULTURA COMO PEDAGOGIA Gisela Cavalcanti João Maciel UMA TEORIA PÓS-COLONIALISTA DO CURRÍCULO O objetivo dessa teoria é analisar as relações de poder entre as nações que compõem

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaella Oliveira SILVA; Ananda Luiza Bezerra DESTRO; Cecilia Yade Nogueira ALVES; Marlini Dorneles de LIMA. FEF litlle_rafaella@hotmail.com Palavras-chaves:

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LAC1821T1 - Corpo, Expressão e Criatividade II

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LAC1821T1 - Corpo, Expressão e Criatividade II Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina LAC1821T1 - Corpo, Expressão e Criatividade II Docente(s) José Manuel Lázaro de Ortecho Ramirez Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento de

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Profª Drª Profª Drª Mirlene Ferreira Macedo Damázio psmirlenefm@gmail.com DESAFIOS DA POLÍTICA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INCLUSIVA

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder. Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008. O silêncio da cor

Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder. Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008. O silêncio da cor Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 O silêncio da cor Regina Marques Parente (UFSCar/SP) Mulheres negras, raça e gênero, identidade. ST 69: Pensamento

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2015 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2015 1.ª SÉRIE Curso: Graduação: Regime: EDUCAÇÃO FÍSICA MATRIZ CURRICULAR LICENCIATURA SERIADO ANUAL - NOTURNO Duração: 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 28 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 FORMAÇÃO DE PROFESSORES A PARTIR DA LEI 10.639/03: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO DE EDUCAÇÃO ANTIRRACISTA NO COTIDIANO ESCOLAR, DESENVOLVIDO PELA

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) 1 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) Curso: Música, bacharelado Habilitação em Regência Campus: Cuiabá Docente da habilitação: Profa. Dra. Flávia Vieira Pereira Ato interno de criação e aprovação

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA

A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA Rivaldo Bevenuto de Oliveira Neto Departamento de Artes UFRN RESUMO O ensino de Arte é a educação que oportuniza ao aluno o acesso à Arte

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira

Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira A performance abrange a idéia de prática corporal como transmissão de

Leia mais

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Bases Fundamentais Convenção para a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais Consolida princípios

Leia mais