REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais é parte integrante do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Pará, sendo constituído por: I - Um Doutorado em Ciências Sociais, organizado em duas (2) áreas de concentração: Antropologia e Sociologia, estruturadas em torno de linhas temáticas comuns de pesquisa. II - Um Mestrado em Ciências Sociais, com as mesmas áreas de concentração e linhas temáticas de pesquisa do Doutorado. Art. 2 o - Esta proposta destina-se à criação de um novo programa integrado de pósgraduação, que implica na fusão dos atuais mestrados de Antropologia e Sociologia já existentes e em funcionamento na UFPA, de sorte que a criação do Programa tem a finalidade de integrar também os dois mestrados num mesmo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, em nível de mestrado e doutorado. Art. 3 o São objetivos do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais: I - Formar profissionais de alto nível científico em Ciências Sociais, nas áreas de concentração de Antropologia e Sociologia, ampliando, assim, as oportunidades de reprodução de quadros de pesquisadores qualificados, nessa área, dentro da região amazônica. II - Gerar conhecimentos novos, prioritariamente sobre a realidade social amazônica, sua história e seus processos de mudanças e configurações societárias contemporâneos, bem

2 2 como contribuir para o desenvolvimento da teoria em âmbito mais geral e universal do conhecimento. III - Contribuir para a formação de um marco conceitual para a proposição de programas e políticas sociais e culturais dentro da região Norte do Brasil. IV - Desenvolver ações de cooperação técnico-científica com os vários setores da sociedade civil e do Estado dentro da região amazônica, com outras regiões brasileiras e em nível internacional. V - Ampliar e aperfeiçoar a qualificação dos quadros docentes das várias instituições regionais, não apenas em âmbito universitário, como nos vários níveis em que é exercido o conhecimento das chamadas humanidades e, mais particularmente, das Ciências Sociais. CAPÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Art. 4 o - Fica o Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais vinculado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). Art. 5 o - O Colegiado do Curso é a instância responsável pela orientação, pela supervisão didático-científica e administrativa do Programa, cabendo-lhe a competência para decidir quaisquer assuntos relacionados às atividades acadêmicas. Constituem o Colegiado os seguintes membros: I - O Coordenador e o Vice-Coordenador do Programa. II - Os coordenadores acadêmicos das áreas de concentração existentes. III - Professores pertencentes ao corpo docente do Programa, representantes das linhas de pesquisa. IV - A representação discente, escolhida na forma da lei. 1º - Os professores aos quais se refere o inciso III deste artigo serão indicados pelo corpo docente do curso, para um mandato de dois anos, podendo ser reconduzidos apenas uma vez, salvo quando materialmente impossível a substituição.

3 3 2º - Os representantes discentes, do mestrado e do doutorado, serão indicados pelo corpo discente para um mandato de um ano, podendo ser reconduzidos apenas uma vez, exceto quando materialmente impossível. Art. 6 o Ao Coordenador e, nos seus impedimentos, ao Vice-Coordenador, competem as funções administrativas e acadêmico-científicas do curso, sendo eleitos na forma do Regimento Geral da UFPA. 1º - O Coordenador e o Vice-Coordenador serão designados para um mandato de dois anos, podendo ser reconduzidos apenas uma vez, salvo quando materialmente impossível a substituição. 2º - A escolha do Coordenador e Vice-coordenador será feita pelo Reitor da UFPA, conforme indicação do Colegiado do Programa, dentre os professores integrantes do mesmo. Art. 7 o Aos coordenadores acadêmicos competem as funções acadêmico-científicas da área, sendo eleitos, para um mandato de dois anos, pelos professores de cada área, podendo ser reconduzidos apenas uma vez, salvo quando materialmente impossível a substituição. Art. 8 o - O Colegiado reunir-se-á, ordinariamente, duas vezes por semestre, com a maioria absoluta de seus membros e, extraordinariamente, quando convocado pelo Coordenador ou mediante solicitação expressa de dois terços (2/3) de seus membros. Art. 9 o - Os serviços de apoio administrativo serão prestados pela Secretaria do Programa, com atribuições previstas no capítulo seguinte. CAPÍTULO III - DAS ATRIBUIÇÕES DOS ÓRGÃOS DO COLEGIADO Art. 10 o - São atribuições do Colegiado do Programa: I - Compatibilizar os planos de curso e supervisionar sua execução. II - Escolher o Coordenador e o Vice-Coordenador do Programa. III - Apreciar e aprovar a estrutura curricular e os programas das disciplinas ofertadas.

4 4 IV - Aprovar a inclusão de professores para o exercício do magistério no Programa, após análise dos currículos, assim como decidir sobre desligamento de docentes. V - Solicitar às unidades de lotação pertinentes a atribuição de carga horária de professores para o exercício do magistério no Programa. VI Constituir e referendar, a partir de indicação do orientador, bancas de exame de qualificação e defesa de dissertação de Mestrado ou tese de Doutorado. VII - Reconhecer créditos obtidos em outras instituições de acordo com a legislação vigente. VIII - Apreciar e aprovar os documentos apresentados pelas bancas examinadoras de qualificação e defesa de dissertação. IX - Julgar os pedidos de transferência, trancamento e cancelamento de matrícula. X - Conhecer os recursos de alunos e da representação discente referentes a assuntos didáticos, encaminhando-os, quando for o caso, aos órgãos competentes. XI - Propor ao CONSEP alterações a este Regimento. XII - Estabelecer critérios e números de vagas para a seleção de candidatos ao curso. XIII - Propor convênios com outros setores da Universidade, ou com outras instituições. XIV - Apreciar o relatório anual do curso, encaminhando-o à PROPESP. XV - Propor ao Reitor, em parecer fundamentado, pelo voto de dois terços (2/3) dos seus membros, a destituição do Coordenador e/ou vice-coordenador. XVI - Propor à PROPESP a previsão orçamentária anual do curso. DO COORDENADOR, VICE-COORDENADOR E COORDENADORES ACADÊMICOS

5 5 Art. 11 Compete ao Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais: I - Presidir as reuniões do Colegiado. II - Submeter ao Colegiado modificações no plano dos cursos. III - Orientar, coordenar e supervisionar a execução dos planos aprovados. IV - Supervisionar o funcionamento dos cursos. V - Representar o Programa junto a organizações nacionais e estrangeiras interessadas em fomentar o desenvolvimento da pós-graduação. VI - Compatibilizar junto às unidades competentes a disposição da carga horária dos professores do Programa. VII - Administrar as finanças do Programa e fazer as respectivas prestações de contas ao Colegiado. VIII - Propor ao Colegiado convênios de assistência financeira com organizações nacionais e internacionais. IX - Elaborar o Manual de Pós-Graduação, contendo calendário escolar, normas de inscrição e seleção, currículo, corpo docente, ementas das disciplinas e linhas de pesquisa. X - Tomar as medidas necessárias à divulgação do Programa. XI - Decidir sobre requerimento de alunos, quando envolverem assuntos de rotina administrativa. XII - Adotar, em casos de urgência, providências indispensáveis no âmbito do colegiado, ad referendum deste, ao qual as submeterá no prazo legal. XIII - Representar o Colegiado junto às instâncias superiores da UFPA. Art Compete ao Vice-Coordenador: I - Substituir o Coordenador em suas faltas e impedimentos. Art. 13 Compete aos coordenadores acadêmicos: I Auxiliar o Coordenador do Programa, realizando, no âmbito de sua área específica, aquelas tarefas que são pertinentes à coordenação, no que couber à sua área de concentração.

6 6 II Tomar todas as providências didático-científicas que permitam o bom funcionamento da área de concentração. DA SECRETARIA DO PROGRAMA Art Integram a Secretaria do Programa, além do Secretário, servidores e estagiários designados para desempenho das tarefas administrativas, com as seguintes atribuições: I Manter atualizados e devidamente resguardados os arquivos sobre o funcionamento do Programa, especialmente os que registrem o histórico escolar dos alunos do Curso. II Manter fichário atualizado de seus docentes, especificando a formação básica e as especializações respectivas, com base nas declarações individuais de cada qual e respectivos títulos. III Secretariar as reuniões do Colegiado do Programa. IV Secretariar as sessões destinadas à defesa de dissertações e teses. V Exercer tarefas próprias de rotina administrativa que lhe sejam atribuídas pelo Coordenador. VI Ao fim de cada ano letivo, elaborar relatório de atividades do Programa, encaminhando-o ao Colegiado. CAPÍTULO IV - DO CORPO DOCENTE Art O corpo docente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais será constituído por professores com título de Doutor, obtido em instituição nacional ou estrangeira, reconhecido na forma da Lei. Parágrafo único - Em casos especiais, a critério do Colegiado, poderão ser admitidos ao Corpo Docente professores que, não preenchendo os requisitos deste artigo, sejam portadores de alta qualificação científica e/ou notório saber.

7 7 Art Qualquer alteração no Corpo Docente do Programa que implique na inclusão ou substituição, o Colegiado do Programa, após análise do curriculum vitae do professor, emitirá parecer deliberativo. Art O corpo docente do Programa será composto por professores lotados no Instituto de Ciências Humanas, em outras unidades da Universidade Federal do Pará, no Departamento de Ciências Humanas do Museu Emílio Goeldi ou em outras instituições de ensino e pesquisa e por professores cedidos, associados, visitantes e colaboradores. 1º - Professores cedidos são entendidos como docentes pesquisadores com o mínimo de 20 horas semanais no Programa, que ensinem e pesquisem regularmente e que assumam obrigatoriamente a orientação de estudantes. 2º - Professores associados são entendidos como docentes-pesquisadores que não satisfazem a condição de dedicação regular mínima de 20 horas semanais ao Programa. 3º - Professores visitantes são entendidos como docentes-pesquisadores que acumulam, durante um período determinado, tarefas de pesquisa, ensino e/ou orientação do Programa. 4 o Professores colaboradores são entendidos como docentes-pesquisadores que exercem tarefas de pesquisa, ensino e/ou orientação do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais. CAPÍTULO V - DA ORIENTAÇÃO Art O aluno terá um professor orientador, previamente aprovado pelo Colegiado do Curso, com as seguintes atribuições: I Elaborar, juntamente com o estudante, o seu programa de curso. II Auxiliar o discente no desenvolvimento do tema de dissertação ou tese. tese. III Acompanhar as tarefas de pesquisa, de preparo e de redação da dissertação ou IV Presidir as Bancas Examinadoras de dissertação ou tese.

8 8 1º - Ao aluno é garantida a liberdade de escolha de seu professor orientador, assegurado, contudo, o enquadramento do tema da sua dissertação no campo específico do conhecimento e da disponibilidade do professor escolhido. 2º - O professor orientador poderá desobrigar-se da incumbência da orientação, mediante autorização do Colegiado do Programa, fundamentado em relatório circunstanciado sobre as causas da desistência. 3º - Aplicar-se-á a mesma regra no caso do aluno solicitar a substituição do orientador. 4º - O professor orientador deverá possuir produção científica regular, nos últimos cinco anos. 5º - Professores e/ou pesquisadores de outras instituições científicas poderão funcionar, excepcionalmente, como orientadores ou co-orientadores, na falta de especialistas da área do conhecimento científico, mediante autorização do Colegiado do Programa. CAPÍTULO VI - DA INSCRIÇÃO Art Serão admitidos à inscrição no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais os portadores de diploma de graduação reconhecido na forma da Lei. 1º - Os candidatos ao doutorado, além do diploma de graduação, deverão apresentar diploma de Mestrado em Ciências Sociais ou áreas afins. 2 o Em caráter excepcional, a critério do Colegiado, a exigência do parágrafo anterior poderá ser dispensada aos candidatos ao doutorado, mediante análise de seu curriculum vitae e se julgados maduros para freqüentar o doutorado somente com o diploma de graduação ou de mestrado em outras áreas. Parágrafo Único O candidato apresentará à secretaria do Programa, na época fixada pelo calendário, os seguintes documentos: a) formulário de inscrição devidamente preenchido; b) documento de identificação (fotocópia);

9 9 c) diploma de curso superior, histórico escolar de graduação e diploma e histórico escolar do curso de mestrado, nestes dois últimos casos somente para os candidatos ao doutorado (fotocópias); d) duas cartas de recomendação; e) carta do requerente ao Coordenador, informando sobre suas disponibilidades de tempo e de recursos materiais para participação no Programa e sobre os motivos em virtude dos quais pretende matricular-se no mesmo; f) curriculum vitae, devidamente comprovado, abordando: identificação pessoal, títulos científicos e acadêmicos, produção intelectual e experiência profissional; g) pré-projeto de dissertação de mestrado ou de tese de doutorado. Art A análise do pedido de inscrição do candidato será feita por uma comissão de seleção, indicada pelo Colegiado do Curso. Parágrafo Único Caso o(a) candidato(a) selecionado (a) seja recém-graduado (a), tenha terminado o mestrado recentemente, na iminência de completar a graduação ou mestrado, não possuindo ainda diploma ou certificado de conclusão, a inscrição poderá ser aceita, desde que até a data da primeira matrícula no Programa, a documentação exigida seja apresentada. CAPÍTULO VII DA SELEÇÃO Art A seleção dos candidatos será feita através de uma Banca de Seleção, constituída por pelo menos três professores permanentes do Programa, além de convidados externos, quando julgados convenientes pelo Colegiado, com obediência às normas a seguir: I - O candidato ao Mestrado será submetido aos seguintes exames, todos eliminatórios: a) avaliação do curriculum vitae; b) prova escrita sobre tema proposto pela Banca de Seleção, versando sobre bibliografia antropológica ou sociológica, de acordo com a área de concentração escolhida; c) avaliação do pré-projeto de pesquisa;

10 10 d) entrevista; e) prova de proficiência em uma língua estrangeira relevante para a bibliografia das ciências sociais. II O candidato ao Doutorado será submetido aos seguintes exames: a) avaliação do curriculum vitae; b) avaliação do pré-projeto de pesquisa; c) entrevista; d) prova de proficiência em duas línguas estrangeiras relevantes para a bibliografia das ciências sociais. 1 o Caso tenha sido aprovado em exame de proficiência em língua estrangeira realizado no máximo há cinco (5) anos, em seleção do mestrado reconhecido pela CAPES, conforme exigência da alínea anterior, o candidato ao doutorado será, mediante documento comprobatório apresentado no ato de inscrição à seleção, dispensado de um dos exames. 2 o - A divulgação dos resultados do processo de seleção será feita pela secretaria do curso, por ordem de classificação, não cabendo recursos das decisões da Banca de Seleção no que diz respeito ao exame de seleção. Art Poderá ser aceito candidato com insuficiência de curriculum, sujeito porém a um regime de adaptação, a ser fixado para cada caso pelo coordenador e/ou orientador, aprovado pelo Colegiado do Programa. Art Caberá ao Colegiado do Programa fixar o número de vagas em cada seleção, dependendo da disponibilidade de seu quadro de orientadores e da existência de condições para a realização de pesquisas relacionadas às dissertações ou teses dos candidatos, em função dos recursos humanos e materiais dentro de cada exercício. CAPÍTULO VIII - DA MATRÍCULA E INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR Art A matrícula no Programa será efetivada semestralmente, na secretaria do mesmo, dentro do prazo fixado pelo Colegiado.

11 11 Art A desistência do curso por vontade expressa do aluno, ou abandono, não lhe confere direito de retorno ao Programa, ainda que não esgotado o prazo máximo de integralização curricular. Parágrafo único - Considera-se abandono de curso a não matrícula em qualquer período letivo, sem motivos justificáveis. Art Até trinta (30) dias após o efetivo início do período letivo, poderá o aluno requerer trancamento de matrícula; depois desse prazo, o trancamento depende de motivo relevante, apreciado pelo Colegiado. Art Será recusada a matrícula ao aluno que houver interrompido seus estudos por dois (2) semestres letivos consecutivos. Parágrafo Único Na mesma regra incide o aluno que ultrapassar o prazo máximo de integralização curricular. Art A integralização curricular, tanto do Mestrado como do Doutorado, deverá ser realizada em dois (2) semestres letivos, seguido da defesa do Projeto de Dissertação ou de Tese nos prazos respectivamente determinados na forma da lei. Art O prazo máximo para o aluno concluir o curso, contado a partir da data da matrícula inicial, até a defesa da dissertação ou tese é: I no caso do mestrado, de vinte e quatro (24) meses, prorrogáveis por mais seis (6) meses, por motivo de força maior, a critério do Colegiado; II no caso do doutorado, de quarenta e oito (48) meses, prorrogáveis por mais doze (12) meses, por motivo de força maior, a critério do Colegiado. Parágrafo Único Se qualquer exigência quanto aos prazos regimentais não for cumprida pelo aluno, este será inapelavelmente desligado do Programa. Art O candidato poderá solicitar ao Colegiado a contagem de créditos obtidos em Curso ou Programa de Pós-Graduação stricto sensu de outras instituições reconhecidas pela CAPES. 1º - O reconhecimento dos créditos a que se refere o caput deste artigo será concedido a critério do Colegiado, na forma do Artigo 93 do Regimento Geral da UFPA.

12 12 2º Em qualquer caso, para a concessão dos créditos referidos neste artigo, devem ser cumpridas as seguintes exigências: a) compatibilidade do conteúdo das disciplinas; b) compatibilidade da carga horária e do conteúdo programático dos créditos requeridos com aqueles obtidos Art A conclusão dos créditos relativos aos Cursos de Mestrado e Doutorado terá a equivalência de Curso de Especialização, desde que o aluno tenha sido aprovado no seu exame de qualificação. Parágrafo único O certificado correspondente só será emitido, a pedido do aluno, no caso em que o mesmo, por qualquer motivo, não tenha podido completar o mestrado ou o doutorado. CAPÍTULO IX - DAS DISCIPLINAS Art O elenco de disciplinas do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais compreende em sua estrutura os seguintes conjuntos: a) disciplinas obrigatórias; b) disciplinas optativas. 1º - Integram o conjunto de disciplinas obrigatórias as que, no âmbito do ensino e da pesquisa, apresentam o suporte básico e indispensável ao desenvolvimento do conteúdo programático do curso, de acordo com a área de concentração do discente. 2º - Consideram-se disciplinas optativas aquelas que compõem a área de concentração do aluno e que podem ser escolhidas por ele, de comum acordo com o orientador, dentro dos parâmetros fixados pelo Colegiado. Art. 33 O Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais aprovará, a partir de proposta das áreas de concentração respectivas, a estrutura curricular dos cursos de Mestrado e Doutorado.

13 13 CAPÍTULO X - DA VERIFICAÇÃO DA APRENDIZAGEM E DAS CONDIÇÕES DE APROVAÇÃO Art O sistema de créditos, pré-requisitos e modo de verificação da aprendizagem será feito com base no estabelecido pelo Regimento Geral da UFPA. Art O controle da integralização curricular do curso será feito pelo sistema de crédito/hora. Art Nas avaliações, levar-se-ão em conta, pelo menos, os seguintes fatores básicos: a) apuro lógico e clareza de pensamento do estudante; b) conhecimento geral acumulado e conhecimento específico na área sob exame; c) forma e linguagem das exposições e domínio da língua portuguesa. Art Será considerado aprovado o aluno que obtiver, em cada disciplina, conceito igual ou superior a Regular e, pelo menos, setenta e cinco por cento (75%) de freqüência às atividades programadas. Art O aproveitamento do aluno, em cada disciplina cursada, será expresso em conceitos, com os correspondentes símbolos e escalas numérica, devidamente registrado no histórico escolar do SIE/DERCA UFPA: EXCELENTE (Excelente) = 9,0 a 10,0 BOM (Bom) = 7,0 a 8,9 REG (Regular) = 5,0 a 6,9 INS (Insuficiente) = 0,0 a 4,9 SA (Sem Aproveitamento) SF (Sem freqüência) Art A aprovação na disciplina investe o aluno no direito aos créditos correspondentes à mesma. Art O aluno será desligado quando incorrer nas seguintes situações: a) ultrapassado o prazo máximo estipulado para a integralização;

14 14 b) sido reprovado em qualquer disciplina por duas vezes (conceito inferior a Regular); c) sujeito às penalidades previstas nos artigos 25 e 27 deste Regimento; d) ferido os princípios éticos que regem o funcionamento do Programa e as relações de trabalho dentro da comunidade universitária; e) praticado fraude nos trabalhos de verificação de aprendizagem ou tentado alterar o registro escolar; f) solicitado desligamento ao Colegiado do Curso; g) obtido, em qualquer semestre letivo, média aritmética de todas as disciplinas já cursadas inferior a 5 (cinco). Art O requerimento da revisão de provas ou trabalhos escolares será dirigido ao Coordenador do Programa, que o indeferirá, liminarmente, se não estiver devidamente justificado. Parágrafo Único O prazo para solicitação de revisão de provas é de 48 horas após a divulgação dos resultados. Art O requerimento formalmente acolhido será submetido aos seguintes procedimentos: a) será enviado pelo Coordenador do Programa ao Colegiado, que designará uma comissão revisora composta de três (03) docentes, da qual fará parte o professor que ministrou a disciplina, salvo escusa pessoal ou motivo de força maior. b) a Comissão Revisora oferecerá parecer por escrito, devidamente justificado, o qual será submetido à aprovação do Colegiado do Programa. CAPÍTULO XI DO EXAME DE QUALIFICAÇÃO Art. 43 A qualificação corresponderá: a) ao exame do Projeto de Dissertação, no caso do Mestrado;

15 15 b) à apresentação do roteiro justificado da Tese, acrescido da redação de pelo menos um terço (1/3) da mesma, no caso do Doutorado. Parágrafo Único O objetivo desse procedimento é avaliar o domínio, por parte do candidato, da literatura pertinente ao tema de sua dissertação ou tese, sua capacidade de síntese, clareza de exposição, bem como suas possibilidades de titulação nos prazos previstos neste Regimento. Art. 44 A banca examinadora de qualificação fornecerá um parecer por escrito, que deverá obedecer, além da justificativa, a emissão de conceito de acordo com os valores vigentes na UFPA. Art O parecer deverá ser encaminhado à Coordenação do Programa, para efeito de registro acadêmico. Art Ocorrendo a hipótese do parecer atribuir ao aluno conceito inferior a Regular (R), o mesmo será desligado do Programa. Art O aluno que, por esse motivo, tiver sido desligado do Programa, poderá excepcionalmente ser readmitido para fins de defesa de dissertação ou de tese, respeitando-se as seguintes condições: I Encaminhar à Coordenação do Colegiado dois exemplares da versão definitiva da dissertação ou da tese. II Não ter ultrapassado, no caso do Mestrado, nove (9) meses e, no caso do Doutorado, vinte e sete (27) meses, do período decorrido entre seu desligamento do Programa e a solicitação de inscrição para defesa de dissertação ou tese. III Receber parecer favorável do Colegiado. Parágrafo Único O Colegiado nomeará comissão que, no prazo de vinte (20) dias, emitirá parecer sobre a readmissão. CAPÍTULO XII - DO JULGAMENTO DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO E DA TESE DE DOUTORADO

16 16 Art O aluno deverá produzir seu trabalho de dissertação ou de tese de acordo com as condições previstas no exame de qualificação, inclusive no que diz respeito ao prazo de entrega, com acompanhamento de um Professor Orientador. Art A defesa da dissertação ou tese será requerida pelo candidato de acordo com as normas estabelecidas pelo Colegiado do Curso. Art A dissertação de mestrado será julgada por uma Banca Examinadora constituída por três (3) membros, dois (2) dos quais escolhidos pelo Colegiado, por sugestão do orientador, sendo pelo menos um (1) professor ou pesquisador não pertencente ao corpo decente do Programa, preferencialmente de fora da instituição; o terceiro membro será o orientador do mestrando, ao qual caberá a presidência. Parágrafo Único Na Banca Examinadora deverá constar sempre um (1) professor suplente, também escolhido pelo Colegiado, por indicação do orientador. Art A tese de doutorado será julgada por uma Banca Examinadora constituída por cinco (5) membros, quatro (4) dos quais escolhidos pelo Colegiado, por sugestão do orientador, sendo pelo menos dois (2) professores ou pesquisadores não pertencentes ao corpo docente do Programa, preferencialmente de fora da instituição; o quinto membro será o orientador do doutorando, ao qual caberá a presidência. Parágrafo Único Na Banca Examinadora deverão constar sempre dois (2) professores suplentes, também escolhidos pelo Colegiado, por indicação do orientador. Art As defesas da dissertação de mestrado ou da tese de doutorado serão feitas em sessão pública, na qual o candidato fará uma exposição num tempo máximo de quarenta (40) minutos, após o que cada examinador fará sua argüição, cabendo ao mestrando ou ao doutorando responder às questões levantadas. Art O julgamento da dissertação de mestrado ou da tese de doutorado será feito mediante uma das seguintes menções: aprovado, sujeito a reformulação e reprovado. 1 o - Em caso de sujeito a reformulação o candidato terá um prazo, fixado pela Banca Examinadora, para essa tarefa, findo o qual a mesma Banca emitirá parecer, por escrito, sobre o trabalho, considerando-o aprovado ou reprovado.

17 17 maioria. 2 o Havendo divergência entre os membros da Banca, prevalecerá a opinião da CAPÍTULO XIII DA CONCESSÃO DO DIPLOMA Art. 54 Em razão das especificidades de cada área, o Colegiado do Programa determinará as normas detalhadas para obtenção dos diplomas de Mestre ou Doutor em Ciências Sociais, áreas de concentração em Antropologia e Sociologia. Art. 55 Farão jus ao título de Mestre ou Doutor em Ciências Sociais (Antropologia ou Sociologia) os candidatos que satisfizerem as seguintes condições gerais: I Obtiverem aprovação nas disciplinas do Programa, de acordo com a área de concentração, totalizando um número de créditos definido pelo Colegiado, a partir de sugestão da Coordenação da Área de Concentração específica, assim distribuídos: a) créditos obtidos em disciplinas obrigatórias; b) créditos obtidos em disciplinas optativas. II Obtiverem aprovação da sua dissertação de Mestrado ou da sua Tese de Doutorado. III Preencherem todas as demais exigências deste Regimento. Parágrafo único. No caso do Doutorado, para a obtenção do diploma o discente deverá comprovar a submissão ou publicação de pelo menos um artigo completo em revista especializada com corpo editorial, cujo tema deverá estar relacionado com a tese. CAPÍTULO XIV DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Art O espaço físico para funcionamento do Colegiado, Coordenações e Secretaria do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais será o Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UFPA, nele incluídos o Laboratório de Antropologia Arthur Napoleão Figueiredo e outros prédios que venham a ser criados com essa finalidade.

18 18 Art Os casos omissos no presente Regimento serão decididos pelo Colegiado. Art Este Regimento entrará em vigor na data de sua homologação pelo Conselho Superior de Ensino e Pesquisa (CONSEP) da Universidade Federal do Pará, revogadas as disposições em contrário.

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual nº 7.344 de 27.05.1998 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO

Leia mais

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DINÂMICAS TERRITORIAIS E SOCIEDADE NA AMAZÔNIA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DINÂMICAS TERRITORIAIS E SOCIEDADE NA AMAZÔNIA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DINÂMICAS TERRITORIAIS E SOCIEDADE NA AMAZÔNIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, caracteriza-se

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento Interno do Curso de Mestrado em Biotecnologia e Área de concentração: Biotecnologia e REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL TÍTULO I Dos Objetivos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL O Diretor Técnico de Departamento resolve elaborar e implantar o Regimento do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPÍTULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV

Leia mais

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação A.1 Regimento Interno do PPgSC Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação Capítulo I: Disposições Preliminares Art 1 -Do Alcance O Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

Leia mais

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Art. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO - TITULO I DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado em Arquitetura e Urbanismo da UFES compreende o conjunto de atividades de ensino,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.1º - O Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Desenvolvimento (PPGPPD),

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT,

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO CURSO CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E PRAZOS Artigo 1º O Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 Dispõe sobre a Disciplina iniciação à docência no ensino

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I 1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REGULAMENTO ACADÊMICO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL PPGDR CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS Res. Consun nº 005/12, de 28/03/12. CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Curso de Mestrado em Fisioterapia, regido pela

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 142/2008

RESOLUÇÃO N.º 142/2008 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 142/2008 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-Graduação em Nível de Especialização, sob a forma de Treinamento

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

Leia mais

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES DOCUMENTOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO DO CURSO DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO CDA EM ASSOCIAÇÃO DE IES (PUCRS e UCS) Janeiro de 2009 2 CAPÍTULO I Dos objetivos Art. 1 o - O curso confere o grau de Doutor

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável (PPGPDS) destina-se

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 554/2011 * * * * *

RESOLUÇÃO N.º 554/2011 * * * * * MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 554/2011 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Educação Especial e Inclusiva.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA. TÍTULO I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGF) do Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia, da Universidade Federal

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º - O curso de Pós-Graduação em Sensoriamento Remoto mantém um programa de Mestrado e um de Doutorado,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL PARA INGRESSANTES EM 2003 DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Faculdade de História, Direito e Serviço Social,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) Portaria FEPAGRO nº 154/2013. O Diretor-Presidente da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA Capítulo I: Das Finalidades. Art.l - O Programa de Pós-Graduação em Matemática do Instituto de Matemática da UFRJ, a seguir designado por Programa, se destina a:

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Curso de Pós-Graduação em Engenharia Química, em nível de mestrado, da Universidade Estadual

Leia mais

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação Regulamento do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Economia Aprovado pelo Colegiado de Pós-Graduação em 17/02/2009 Título I Disposições Gerais Art. 1º Art. 2º Art. 3º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA Coordenação do Programa de Pós-graduação em Agricultura Tropical REGIMENTO INTERNO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E TERRITORIALIDADES

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E TERRITORIALIDADES REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E TERRITORIALIDADES MESTRADO TÍTULO I - OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades, em nível de Mestrado acadêmico

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

ADAPTADO À RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004

ADAPTADO À RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004 Universidade de Brasília Instituto de Letras Departamento de Teoria Literária e Literaturas Programa de Pós Graduação em Literatura Regulamento do Programa REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM LITERATURA

Leia mais

O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições legais e estatutárias, TÍTULO I Dos Objetivos

O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições legais e estatutárias, TÍTULO I Dos Objetivos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Via Washington Luís, km. 235 - Caixa Postal 676 CEP 13560-970 - São Carlos - SP - Brasil propg@power.ufscar.br / www.propg.ufscar.br

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais (PPEUR),

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGFIS) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) tem por finalidade a formação de

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DO PROGRAMA CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1o

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA Regulamento do Curso CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Economia (MPE) tem os seguintes objetivos: I. formar recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Psicologia - IPsi Programa de Pós-Graduação em Psicologia - PPGPSI. MESTRADO e DOUTORADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Psicologia - IPsi Programa de Pós-Graduação em Psicologia - PPGPSI. MESTRADO e DOUTORADO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Psicologia - IPsi Programa de Pós-Graduação em Psicologia - PPGPSI MESTRADO e DOUTORADO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I Introdução Art. 1. Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO RIO DE JANEIRO 2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas, com cursos em níveis de mestrado acadêmico

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ JANEIRO / 2007 SUMÁRIO TÍTULO I DA NATUREZA E OBJETOS 3 TÍTULO II DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA 5 CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1296 Aprova o novo Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química, níveis Mestrado e Doutorado, do Instituto de Química. O

Leia mais

Gabinete do Reitor. O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais

Gabinete do Reitor. O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Gabinete do Reitor Via Washington Luís, km 235 Caixa Postal 676 13565-905 São Carlos SP - Brasil Fones: (16) 3351-8101/3351-8102 Fax: (16) 3361-4846/3361-2081 E-mail:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAPÍTULO I NATUREZA, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO Art. 1 o. O Programa de Pós-graduação stricto sensu em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO - IC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA - PPGI

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO - IC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA - PPGI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO - IC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA - PPGI REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTU SENSU EM INFORMÁTICA, NÍVEL DE MESTRADO,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política CAPÍTULO I DO OBJETIVO

REGIMENTO INTERNO Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política CAPÍTULO I DO OBJETIVO REGIMENTO INTERNO Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1.º O Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, nos níveis de Mestrado e Doutorado acadêmicos,

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biotecnociência (PPG-BTC) está basicamente fundamentado nas normas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA. Capítulo II - Da Coordenação Acadêmica e Estrutura Administrativa

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA. Capítulo II - Da Coordenação Acadêmica e Estrutura Administrativa Ministério da Educação Universidade Federal de Mato Grosso Campus Universitário de Sinop Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Programa de Pós-Graduação em Zootecnia- PPGZ Mestrado REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Natal/RN - 2015 Sumário Capítulo I... 2 Dos Objetivos e Propósitos... 2 Capítulo II... 2

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO NUCLEO DE ESTUDOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM DIREITOS HUMANOS SUELY SOUZA DE ALMEIDA - NEPP-DH

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO NUCLEO DE ESTUDOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM DIREITOS HUMANOS SUELY SOUZA DE ALMEIDA - NEPP-DH UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO NUCLEO DE ESTUDOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM DIREITOS HUMANOS SUELY SOUZA DE ALMEIDA - NEPP-DH Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas em Direitos Humanos -

Leia mais

Resolução nº 038, de 28 de abril de 2015.

Resolução nº 038, de 28 de abril de 2015. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL Regulamento Específico do Curso de Especialização em Gestão e Tecnologia de Produção de Edifícios - CEGT CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional

Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional TÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional, em nível de Mestrado, tem por objetivos:

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ciências Humanas e Sociais, cursos de Mestrado

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS Regimento do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA MESTRADO E DOUTORADO Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química Porto Alegre, fevereiro

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º O Programa de Pós-graduação Acadêmica

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM PSICOLOGIA. Capítulo I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM PSICOLOGIA. Capítulo I REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM PSICOLOGIA Capítulo I DOS OBJETIVOS Art. 1 O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia do Centro Universitário de Brasília é composto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CAMPUS UDESC OESTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MESTRADO EM ZOOTECNIA Contato: dppg.ceo@udesc.br

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Direito do Centro Universitário

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Conselho Interdepartamental - CCA

Universidade Estadual de Maringá Conselho Interdepartamental - CCA R E S O L U Ç Ã O Nº 019/2015-CI/CCA CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro e disponibilizada na página: www.cca.uem.br, no dia 05/05/2015. Elisângela

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado

Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE. Mestrado e Doutorado Programa de Pós-Graduação em Matemática REGULAMENTO DOS CURSOS DE Mestrado e Doutorado TÍTULO I: DA NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1. O Programa de Pós-Graduação em Matemática da Universidade Federal

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE.

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. CAPÍTULO I Dos Objetivos e Prazos Artigo 1º Os Cursos Acadêmicos de Pós-Graduação stricto

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR I - DA PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS E SEUS OBJETIVOS ART. 1 - A Pós-Graduação

Leia mais

Regulamento do Curso

Regulamento do Curso Regulamento do Curso Mestrado Profissional em Administração CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Administração (MPA) tem os seguintes objetivos: I.

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS, TÍTULOS E DURAÇÃO DOS CURSOS STRITO SENSU ARTIGO 1 - O Programa de Pós-Graduação em Geografia do Instituto de Geociências

Leia mais

Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Centro de Ciências Exatas UFES

Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Centro de Ciências Exatas UFES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Exatas Programa de Pós-Graduação em Química Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Química Tel. e Fax: (27) 4009-2924 www4.quimica.vitoria.ufes.br

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA...2 Capítulo II DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Jurídicas e Políticas Escola de Ciências Jurídicas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO REGULAMENTO

Leia mais

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação

Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Regimento do Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º O presente Regulamento disciplina a organização e as atividades do programa de Pós Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO E DOUTORADO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO E DOUTORADO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO E DOUTORADO CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO, DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍCAS E ECONÔMICAS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA Adaptado às normas do Regulamento Geral da Pós-Graduação da UFES

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Gestão Educacional Modalidade: a distância (EAD)

REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Gestão Educacional Modalidade: a distância (EAD) Parte I - Disposições Gerais Título I - O Curso de Pós-Graduação REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Gestão Educacional Modalidade: a distância (EAD) Capítulo 1 -

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LINGÜÍSTICA APLICADA: ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

REGIMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LINGÜÍSTICA APLICADA: ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES REGIMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LINGÜÍSTICA APLICADA: ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º- O Curso de Especialização em Lingüística Aplicada, da Universidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL TÍTULO I DO OBJETIVO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL TÍTULO I DO OBJETIVO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL TÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º. O Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil e Ambiental tem como objetivo geral a produção

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA LINGUAGEM MESTRADO E DOUTORADO REGULAMENTO Pouso Alegre 2014 Universidade do Vale do Sapucaí

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia RESOLUÇÃO Nº 033/2012-CTC CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 18/04/2012. Aprova alteração da nomenclatura do Programa de Pós-graduação em

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA FUNDAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE.

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA FUNDAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE. REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA FUNDAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE. TÍTULO I FINALIDADES Art. 1º - O Centro Setorial de Produção Industrial

Leia mais

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Física - Campus Curitiba Programa de Pós-Graduação em Física e Astronomia - PPGFA Regulamento Interno do Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENSINO NA EDUCAÇÃO BÁSICA TÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 - Este regulamento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas do Programa

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRICA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1 o. O Programa

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TÍTULO I. Introdução TÍTULO II

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TÍTULO I. Introdução TÍTULO II REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (Revisão Aprovada pelo Conselho Departamental do CCA/UFES em 27/02/2014) TÍTULO I Introdução Art. 1. O presente Regulamento

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 009/2011

RESOLUÇÃO N.º 009/2011 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 009/2011 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-graduação Lato Sensu, MBA Executivo em Gestão Empreendedora.

Leia mais