Projeto de pesquisa De Hipólito a Evaristo: imprensa, circulação de idéias e ação política no Primeiro Reinado Isabel Lustosa O tema:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de pesquisa De Hipólito a Evaristo: imprensa, circulação de idéias e ação política no Primeiro Reinado Isabel Lustosa O tema:"

Transcrição

1 Projeto de pesquisa De Hipólito a Evaristo: imprensa, circulação de idéias e ação política no Primeiro Reinado Isabel Lustosa O tema: A importância da atuação na imprensa para a trajetória dos dois personagens que abrem e fecham o Primeiro Reinado como os jornalistas mais influentes de suas gerações: Hipólito da Costa e Evaristo da Veiga, demonstra a força que a palavra impressa e seus emissores tiveram naquele contexto. Demonstra também a forma como a atividade jornalística acabou por definir a identidade e o lugar que ambos ocupariam no mundo. Exemplar dessa importância é o fato de que ambos não chegaram a ter o mesmo relevo nas outras atividades a que se dedicaram. Fora da imprensa, a ação de Hipólito é praticamente clandestina, nunca tendo ocupado nenhum cargo relevante, limitando-se a missões pontuais como emissário do Ministério Andrada já no final de sua atividade jornalística (1822) que foi sucedido por sua morte no ano seguinte. No entanto, o indiscutível papel de seu jornal para a difusão da idéias e práticas liberais entre os brasileiros fica evidente pela inúmeras referencias ao Correio Braziliense constantes em publicações que surgiram a partir de 1821 e das menções favoráveis e desfavoráveis ao jornalista quando de sua participação no debate sobre o projeto constitucional que se discutia no Brasil em Naturalmente que, de maneira mais difícil de detectar, é a recepção das idéias políticas divulgadas pelo Correio, especialmente das reflexões de seu editor. Nas considerações que produzia a cada número, Hipólito apresentava as críticas ao governo e à administração joaninas bem como propostas que considerava úteis para o melhor encaminhamento do processo. Quero crer, que essa mesma atitude, inspirada no ambiente inglês de franca liberdade de imprensa em que vivia Hipólito, contribuiu para estimular no Brasil uma atitude política liberal mais positiva e que ganharia impulso, especialmente no Rio de Janeiro, durante as agitações que marcaram os anos de 1821, 1822 e Hipólito, através de sua militância jornalística foi ator importante na formação de uma cultura política, inclusive com a identificação dos diversos campos em que se dividiam os ideais políticos.

2 Se Hipólito viveu quase a vida toda fora do Brasil pode-se dizer de Evaristo que ele é o maior representante de uma classe média emergente que se formara na Corte, nas fimbrias do grande crescimento que o Rio de Janeiro e todo o Centro Sul do Brasil, experimentara a partir da chegada da Corte Portuguesa. Homem do comércio, estabelecido em um ramo muito especializado, o das livrarias, Evaristo formou sua mentalidade a partir dos livros mas também da leitura de jornais ingleses e franceses. Evaristo, como os jornalistas espontâneos que brotaram na cena da Independência, era um brasileiro ilustrado que se sentia pertencente aquele mundo da ilustração, o mundo das idéias que impulsionara as mudanças na Europa e no Novo Mundo. À cultura do autodidata somou-se o talento natural para o jornalismo, para a argumentação e para a polêmica. Qualidades que contribuíram para fazer de Evaristo a maior personalidade da imprensa brasileira da segunda metade do Primeiro Reinado. Sua eleição para o Parlamento, deveu-se a esse prestigio e ali, como demonstração prática de que o jornalista superava o deputado, teve atuação foi bem menos vigorosa. O apogeu de sua trajetória como jornalista foi mesmo a campanha que resultou na Abdicação de D. Pedro I no 7 de abril de A partir daí viverá as contradições que viveriam liberais como eles, agora em confronto com os exaltados aos quais tinham se aliado no auge da disposta de Enfrentaria também uma força nova que, impulsionada pela virada conservadora de seu antigo aliado, Bernardo Pereira de Vasconcelos, que de liberal passara a inspirador do chamado Regresso. Durante o processo da Independência, desde as agitações que marcaram os primeiros meses da regência de D. Pedro (abril de 1821) até a dissolução da Assembléia Constituinte (novembro de 1823), o Brasil viu surgir uma miríade de jornalistas. Associados ora ao grupo de José Bonifácio de Andrada, ora ao de Joaquim Gonçalves Ledo; radicais alguns que, aliás, seriam logo calados; independentes outros, como Luis Augusto May, tantas vezes espancado; sempre fiéis ao trono e ao altar como Jose da Silva Lisboa; padres, comerciantes e aventureiros estrangeiros, maçons e carbonários, atuaram na imprensa da Independência. No entanto, pode-se dizer que houve um hiato se abre entre a dissolução da Constituinte, em novembro de 1823, até a retomada dos trabalhos legislativos em maio de 1826, quando a imprensa ficou reduzida a poucos jornais, em virtude da repressão que se seguira à dissolução da Constituinte no final de 1823 e à Confederação do Equador, em 1824.

3 A inauguração dos trabalhos parlamentares marcaria o renascimento da imprensa liberal. Em 1826, surgiu a Astréa ; em dezembro do ano seguinte, a Aurora Fluminense e, em 1828, a Nova Luz Brasileira. Em 1829, apareceriam o Republico e o Tribuno e em 1830, viria juntar-se a eles o Voz da Liberdade, publicada pelo Major Miguel Frias e Vasconcelos. Todos esses jornais teriam intensa atuação na verdadeira campanha feita no sentido de associar as práticas políticas de d. Pedro I às do rei da França, Carlos X, antevendo as mesmas conseqüências para o futuro do Imperador do Brasil, caso não mudasse de atitude. Mas a liderança maior, o autor dos argumentos mais contundentes contra o autoritarismo de d. Pedro, foi mesmo Evaristo da Veiga. Objetivo: Esta pesquisa dá continuidade a pesquisas anteriores da autora sobre Hipólito da Costa e sobre a Imprensa da Independência, bem como estudo mais recente ainda inédito sobre o papel da imprensa brasileira em seu bem sucedido ativismo no sentido de associar d. Pedro I a Carlos X, logo depois que chegaram no Rio as notícias da Revolução de Julho de 1830, na França. O projeto tem por objetivo central estudar a imprensa do Primeiro Reinado como um ambiente de circulação de idéias e de práticas políticas que propiciaram a emergência de atores decisivos para os rumos que a organização do Estado deviria seguir. Toma como fio condutor a atuação dos dois grandes jornalistas e os debates que travaram com os contemporâneos em torno dos destinos do Brasil. Centrada nas trajetórias de Hipólito da Costa e de Evaristo da Veiga, a pesquisa, no entanto, enfrentará também o material relativo a seus parceiros e antagonistas para melhor estabelecer os termos e a essência dos debates travados. Naturalmente, se o universo de idéias mobilizadas por um e outro não tem o mesmo tempo nem origem, Hipólito sendo francamente inspirado no liberalismo inglês do século XVIII, tendo Edmund Burke como uma de suas referencias, mas também, demonstrando interesse pelos experimentos e idéias de Bentham e Evaristo citando em defesa de suas posições os franceses Guizot, Constant e Lafite, ambos têm em comum a defesa da moderação e a aversão ao radicalismo que marcara a Revolução Francesa. Em que medida esse caráter moderado foi fator do maior sucesso desses dois jornalistas é tema que merece consideração.

4 Metodologia Trata-se de pesquisa de caráter interdisciplinar, que contempla abordagens das áreas de ciência politica, história e literatura, ancorada em fontes secundárias que possibilitem uma boa compreensão do contexto em que se produziram os impressos analisados bem como a trajetória politica de seus principais. A facilidade do acesso às fontes primárias propiciada hoje pela digitalização da maior parte dos jornais brasileiros, muitos dos quais disponíveis no site da Biblioteca Nacional, representa um grande avanço para os pesquisadores desse tipo de material. Tanto o Correio Braziliense quanto a Aurora Fluminense, quanto ainda muitos dos jornais acima citados, são completamente acessíveis. Para o que trata essa pesquisa, somente os anos de 1821 e 1822 do Correio Braziliense serão contemplados. É neste momento que Hipólito da Costa tem uma participação mais direta no debate que a imprensa travava no Brasil e seu pensamento sobre a Constituição que se faria, (ainda que supostamente inspirado pelo grupo andradista, conforme denunciado por um jornal adversário), representa sua última proposta efetiva com relação aos destinos do país. Tal como José Bonifácio, ele estivera quase até o último momento hesitante com relação à Independência. Abrir mão do sonho do grande império luso-brasileiro alimentado por aquela geração que crescera à sombra d. Rodrigo de Sousa Coutinho foi certamente uma decisão difícil para eles. A emergência de Evaristo da Veiga na cena pública só se dará mesmo a partir do momento em que toma realmente a liderança da Aurora Fluminense, onde entrara inicialmente apenas como colaborador. Acompanhar o processo que fez dele uma liderança, ao longo dos 4 anos que vão de sua estréia na imprensa até à Abdicação é também entender a ambígua relação que a Coroa matinha com a questão constitucional a afirmativa de d. Pedro de que era mais constitucional do que qualquer um fazendo contraste com suas ações e o esforço legitimador da Carta Outorgada feito pelos liberais através de sua imprensa, da qual a figura maior seria mesmo Evaristo. A análise de seus artigos, esperamos, comprovará essas nossas hipóteses.

5 Referencia bibliográficas A imprensa da Independência, seus atores e suas bandeiras foram por mim estudados em minha tese de doutorado Insultos impressos: a guerra dos jornalistas na Independência (1821/1823), privilegiando a análise do conteúdo do debate político e o uso retórico dos insultos. O universo conceitual manejado pelos atores daquele grande embate foi estabelecido por Lucia Bastos Pereira das Neves em sua tese Corcundas e constitucionais a cultura política da Independência ( ). Naquele trabalho, Lúcia Bastos realiza um verdadeiro mapeamento do universo político-ideológico e dos interesses que estavam em disputa, estabelecendo a filiação dos conceitos básicos da cultura política da Independência à cultura política da Ilustração portuguesa. Certamente temas e questões de que se beneficiará essa pesquisa. Outra referencia importante para esse trabalho é o livro de Maria de Lourdes Vianna Lyra A utopia do poderoso império, onde a autora estabelece a origem e a permanência do ideal de um império português transatlântico que, para alguns, especialmente a geração de Hipólito da Costa e de José Bonifácio de Andrada teria como sede o Brasil. A tensão que marcou o debate entre o grupo dos Andrada e o de Gonçalves Ledo tem como um elemento oculto a teimosa persistência desse sonho que, aliás, seria também, em certa medida, o do rei, d. João VI. A questão da emergência de um espaço público também foi o tema de Marco Morel, outro especialista em historia da imprensa, que mapeou as diversas instancias que, durante o primeiro reinado foram espaços de agregação e de naturalização de praticas políticas. A questão da biografia vem sendo hoje tema de um debate promissor no meio acadêmico, destacando-se especialmente o trabalho de Márcia Gonçalves sobre o maior biográfico dos principais atores daquele período: Octavio Tarquínio de Sousa. Apesar de, neste projeto as biografias de Hipólito da Costa e de Evaristo da Veiga, sejam matérias laterais, a ênfase sendo dada à análise do discurso jornalístico, certamente caberá aqui uma reflexão sobre as implicações da atividades jornalística para a construção de determinas personalidades da vida pública. Assistimos ali a emergência de homens públicos que fizeram lideres, condutores, formadores através de seu jornalismo, em um momento em que a própria profissional ainda se confundia com outras tantas atividades: escritor, redator, educador.

6 Mas a inspiração maior para esse projeto é o artigo de Ilmar Rohloff de Matos Construtores e herdeiros: a trama dos interesses na construção da unidade política. Ali, ao pensar na cultura política do constitucionalismo como marca da atuação de Evaristo, o autor nos sugere não só o caminho da ordem que viria a ser seguido mas também o significado da ação dos que estavam realmente voltados para dentro, para a emancipação definitiva do Brasil de Portugal. Os que se formaram aqui dentro e que não tinham como Hipólito e Jose Bonifácio uma tradição vinculada ao ideal do império luso-brasileiro tão difícil de abandonar. Talvez seja interessante pensar a trajetória desses atores, Hipólito e Evaristo, como ante-sala do chamado Tempo Saquarema. Polêmicos e destemidos no embate jornalísticos mas ao mesmo tempo, pregoeiros da moderação e da ordem, eles ajudaram a valorizar a moderação que seria a tônica do tempo saquarema. No entanto, apesar de seus propósitos, não deixavam de ser agitadores, pois tanto Hipólito quanto Evaristo fizeram suas carreias jornalistas em tempos instáveis e perigosos, bem antes da consolidação da ordem dos saquaremas onde talvez não houvesse lugar para idealistas tão aguerridos. Os que os sucederam, aprenderam a manejar o processo, inclusive valendo-se da imprensa para não só se tornaram uma forca hegemônica como também para fazer com que essa hegemonia se perenizasse. Cronograma Agosto de 2015 classificação dos jornais e identificação dos redatores a partir da bibliografia Setembro criação de um índice temático e de uma linha do tempo que funcione como apoio ao manuseio dos jornais Outubro a dezembro de 2015 levantamento e fichamento da bibliografia de apoio com reuniões periódicas da equipe para discutir os textos lidos. Janeiro-abril de 2016 produção de verbetes relativos aos jornais e aos jornalistas Maio-julho de 2016 redação de texto com resultado parcial da pesquisa.

7 Resultados da pesquisa Produção de artigos para congressos e livros coletivos no âmbito dos grupos internacionais de pesquisa a que sou filiada: Transfopress, coordenado no Brasil por Tania de Luca e Valéria Guimarães (http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/ ) e Circulação Transatlântica de impressos, coordenado por Marcia Abreu e Jean-Yves Mollier (http://www.circulacaodosimpressos.iel.unicamp.br Bibliografia: APRILE, S., CARON, J.C. & FUREIX, E. La liberte guidant les peuples Les revolutions de 1830 en Europe. Champ Vallon: Seyssel, BASILE, Marcello. Ezequiel Corrêa dos Santos: um jacobino na Corte imperial.. 1. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, BARMAN, Roderick. Brazil: The forging of a Nation, Stanford: Stanford University Press, CANDIDO, Antônio. Formação da Literatura Brasileira (Momentos Decisivos) 2. ed. revista. Martins, São Paulo, COSTA, Emília Viotti da. Da Monarquia à República: Momentos Decisivos. 7 ª ed. UNESP: São Paulo, COSTA, Hipólito José da, Correio Braziliense ou Armazém literário. Ed. facsimilar. 31 vols. São Paulo/Brasília, Imprensa Oficial do Estado/Correio Braziliense, DOURADO, Mecenas. Hipólito da Costa e o Correio Brasiliense. Rio de Janeiro, Biblioteca do Exército Editora, 1957, 2 v. FALCÓN, Francisco C. & MATTOS, Ilmar Rohloff. O Processo de Independência no Rio de Janeiro. In: MOTA, Carlos Guilherme Dimensões. 2ª ed., São Paulo: Perspectiva, FERREIRA, João Pedro Rosa. O jornalismo na emigração. Ideologia e política no Correio Braziliense, Lisboa, Instituto Nacional de Investigação Científica, Jornalismo e pensamento político, Em: Costa, Hipólito José da, Correio Braziliense ou Armazém literário. Ed. fac-similar. 31 vols. São Paulo/Brasília, Imprensa Oficial do Estado/Correio Braziliense, vol. 30, pp ,

8 FLORY, Thomas, Judge and Jury in Imperial Brazil Social control and political stability in the new state. University of Texas Press. Austin, Texas, GRAHAN, Richard. Constructing a Nation in Nineteenth-Century Brazil: Old and New Views on Class, Culture, and the State, in The Journal of the Historical Society, v. 1, no. 2-3, p , IGLÉSIAS, Francisco. Constituintes e Constituições Brasileiras. 3. ed., São Paulo, Brasiliense, JANCSÓ, I. & SLEMIAN, A. Em Costa, Hipólito José da, Correio Braziliense ou Armazém literário. Ed. fac-similar. 31 vols. São Paulo/Brasília, Imprensa Oficial do Estado/Correio Braziliense, vol. 30, pp , LIMA SOBRINHO, Barbosa. Hipólito da Costa Pioneiro da Independência do Brasil. Brasília, DF, Fundação Assis Chateaubriand/Verano Editora, Antologia do Correio Brasiliense. Rio de Janeiro, Editora Cátedra MEC, Brasília, INL, LUSTOSA, Isabel. Insultos impressos a guerra dos jornalistas na Independência ( ), São Paulo, Companhia das Letras, A Pátria de Hipólito, Em Costa, Hipólito José da, Correio Braziliense ou Armazém literário. Ed. fac-similar. 31 vols. São Paulo/Brasília, Imprensa Oficial do Estado/Correio Braziliense, vol. 1, pp. XXXIX a LIV Hipólito da Costa e o Rio Grande. Em: Revista do Livro. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, His Royal Highnesse e Mr. da Costa. Em Costa, Hipólito José da, Correio Braziliense ou Armazém literário. Ed. fac-similar. 31 vols. São Paulo/Brasília, Imprensa Oficial do Estado/Correio Braziliense, vol. 30, pp , MATTOS, Ilmar Rohloff de. Construtores e herdeiros: a trama dos interesses na construção da unidade política. In: Almanack Brasil, n. 1, maio de O Tempo Saquarema. São Paulo: HUCITEC, MOREL, Marco. As transformações do espaço publico: imprensa, associações políticas e sociabiliades na sociedade imperial ( ). NEVES, Lucia B. P. das. Corcundas e constitucionais a cultura política da independência (1820/1822). LYRA, Maria de Lourdes Viana. A Utopia do poderoso império: Portugal e Brasil: bastidores da Política, Rio de Janeiro, Sete Letras, 1994.

9 MAXWELL, Kenneth. A geração de 1790 e a idéia do império luso-brasileiro. In: Chocolate, piratas e outros malandros. Ensaios tropicais. São Paulo, Paz e Terra, 1999, p MELO FRANCO, Afonso Arinos de Introdução a O Constitucionalismo de D. Pedro I no Brasil e em Portugal. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional/Ministério da Justiça, NEVES, Lucia Maria Bastos P. Pensamentos vagos sobre o Império do Brasil. Em Costa, Hipólito José da, Correio Braziliense ou Armazém literário. Ed. facsimilar. 31 vols. São Paulo/Brasília, Imprensa Oficial do Estado/Correio Braziliense, vol. 30, pp , NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira & MACHADO, Humberto Fernandes. O Império do Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, PALLARES-BURKE, Maria Lúcia Garcia. The Spectator, O teatro das luzes Diálogo e Imprensa no século XVIII. Editora Hucitec, São Paulo, PRADO JÚNIOR, Caio. Introdução. In: O Tamoyo, Coleção fac-similar de Jornais Antigos, direção de Rubens Borba de Moraes. Rio de Janeiro, Zelio Valverde, RIZZINI, Carlos. Hipólito da Costa e o Correio Braziliense, São Paulo, Companhia Editora Nacional, O Livro, o Jornal e a Tipografia no Brasil ( ) com um breve estudo geral sobre a informação. Liv. Kosmos Ed./ Erich Eichner & Cia. Ltda, Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, RIBEIRO, Gladys Sabina. A Liberdade em construção: identidade nacional e conflitos antilusitanos no Primeiro Reinado. Rio de Janeiro: Relume Dumará, RODRIGUES, José Honório. Independência: Revolução e Contra-Revolução. 5 volumes. Rio de Janeiro, Francisco Alves, RODRIGUES, José Honório. Independência: Revolução e Contra Revolução. Rio de Janeiro: Francisco Alves, SCHULTZ, Kirsten. Versalhes tropical: Império, Monarquia e a Corte real portuguesa no Rio de Janeiro, São Paulo: Record, SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Cultura e Sociedade no Rio de Janeiro: Prefácio de Sérgio Buarque de Holanda. 2 ed. Brasiliana, vol. 363, São Paulo, Cia. Ed. Nacional, (Coord.) O Império Luso-Brasileiro ( ). Lisboa: Stampa, 1986.

10 . União sem sujeição. Em Costa, Hipólito José da, Correio Braziliense ou Armazém literário. Ed. fac-similar. 31 vols. São Paulo/Brasília, Imprensa Oficial do Estado/Correio Braziliense, vol. 30, pp , SODRÉ, Nelson Werneck. História da Imprensa no Brasil. Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, SOUZA, Iara Lis C. A independência do Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., VIANNA, Hélio. Contribuição à História da Imprensa Brasileira. ( ). Rio de Janeiro, Ministério da Educação e Saúde/Instituto Nacional do Livro, 1945.

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA 1 Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA No equilíbrio entre as várias partes do livro, dei maior peso à fase que se inicia nos fins do século XIX e vai até

Leia mais

As elites regionais e locais no processo de construção do Estado e da nação brasileiros: um breve balanço historiográfico

As elites regionais e locais no processo de construção do Estado e da nação brasileiros: um breve balanço historiográfico As elites regionais e locais no processo de construção do Estado e da nação brasileiros: um breve balanço historiográfico Pablo de Oliveira Andrade Universidade Federal de Ouro Preto NOS ÚLTIMOS ANOS OS

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO.

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO. CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS CCHL MESTRADO DE CIÊNCIA POLÍTICA DISCIPLINA: FORMAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA DO BRASIL PROFESSOR: CLEBER DE DEUS CONSULTAS: A COMBINAR COM O PROFESSOR PERÍODO: 2008.1 E-mail:

Leia mais

Odesafio de resgatar a memória da imprensa e construir

Odesafio de resgatar a memória da imprensa e construir Duzentos anos de mídia no Brasil [VI Congresso Nacional de História da Mídia] Odesafio de resgatar a memória da imprensa e construir a história da mídia no Brasil que deu origem, em 2001, à Rede Alfredo

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso null - null. Ênfase. Disciplina 0003029A - História da Comunicação

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso null - null. Ênfase. Disciplina 0003029A - História da Comunicação Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina 0003029A - História da Comunicação Docente(s) Vinicius Martins Carrasco de Oliveria Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA

EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA A Direção do Departamento de História, no uso de suas atribuições, conferidas pela resolução CONSEPE 04/2001, torna público

Leia mais

GUERRA E PAZ NA HISTÓRIA DO BRASIL NA VISÃO DE VARNHAGEN MEMÓRIA DO SABER FRANCISCO ADOLFO DE VARNHAGEN (1816-1879)**

GUERRA E PAZ NA HISTÓRIA DO BRASIL NA VISÃO DE VARNHAGEN MEMÓRIA DO SABER FRANCISCO ADOLFO DE VARNHAGEN (1816-1879)** GUERRA E PAZ NA HISTÓRIA DO BRASIL NA VISÃO DE VARNHAGEN RAQUEL GLEZER* - USP A. O PROJETO APRESENTADO PARA A CHAMADA CNPQ/BN COLEÇÃO MEMÓRIA DO SABER FRANCISCO ADOLFO DE VARNHAGEN (1816-1879)** JUSTIFICATIVA

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Estado nacional brasileiro e conflitos na Província de São Paulo (1822-1845). São Paulo: Alameda, 2012. 292 p. Fernanda Sposito Luana Soncini 1 A

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA. Cultura do Brasil. Carmen Villarino Pardo Márlio Barcellos Pereira da Silva

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA. Cultura do Brasil. Carmen Villarino Pardo Márlio Barcellos Pereira da Silva FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA Cultura do Brasil Carmen Villarino Pardo Márlio Barcellos Pereira da Silva GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 1 FACULTADE DE FILOLOXÍA.

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO MULHERES NA POLÍTICA Exposição organizada pelo Museu da Câmara dos Deputados mostrando a trajetória da mulher brasileira na política. Centro de

Leia mais

Rui Barbosa e Carlos Laet: debates intelectuais dentro do campo católico

Rui Barbosa e Carlos Laet: debates intelectuais dentro do campo católico Proposta do artigo Rui Barbosa e Carlos Laet: debates intelectuais dentro do campo católico A primeira parte do trabalho buscará ilustrar os debates políticos e ideológicos de projeto de modernidade para

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

As transformações do Diário do Rio de Janeiro no contexto político e social do Império. Laiz Perrut Marendino*

As transformações do Diário do Rio de Janeiro no contexto político e social do Império. Laiz Perrut Marendino* As transformações do Diário do Rio de Janeiro no contexto político e social do Império. Laiz Perrut Marendino* [...]Até aqui tinha se o Diário abstido de questões políticas; do principio do anno em diante

Leia mais

Grupo de Estudos do Núcleo de Pesquisa em Direito, Política e Estado, da Faculdade de Direito da USJT

Grupo de Estudos do Núcleo de Pesquisa em Direito, Política e Estado, da Faculdade de Direito da USJT 1 Grupo de Estudos do Núcleo de Pesquisa em Direito, Política e Estado, da Faculdade de Direito da USJT O Núcleo de Pesquisa em Direito, Política e Estado: O NPD visa estudar o Direito sob uma perspectiva

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL: IMPÉRIOS IBÉRICOS NO ANTIGO REGIME

TÓPICO ESPECIAL: IMPÉRIOS IBÉRICOS NO ANTIGO REGIME TÓPICO ESPECIAL: IMPÉRIOS IBÉRICOS NO ANTIGO REGIME Optativa / Carga Horária: 60hs Ementa: O curso visa analisar a formação dos Impérios Ibéricos entre os séculos XV e XVIII, considerando-se a perspectiva

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Período: 77.1 79.2 OBJETIVOS: Levar o aluno a conhecer e sistematizar o processo das técnicas e das formas, das técnicas e das principais concepções poéticas e ideológicas dos movimentos de vanguarda européia

Leia mais

Palavras-Chave: História; Historiografia, Imprensa; Jornal.

Palavras-Chave: História; Historiografia, Imprensa; Jornal. HISTÓRIA E IMPRENSA: A IMPORTÂNCIA E A CONTRIBUIÇÃO DOS JORNAIS NO CONHECIMENTO HISTÓRICO Carlos Henrique Ferreira Leite (Universidade Estadual de Londrina - UEL) Resumo: O presente trabalho é parte integrante

Leia mais

CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL CRISE DO PRIMEIRO REINADO RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL O que seria necessário, para que o Brasil, após a independência fosse reconhecido como uma Nação Livre e soberana? Seria necessário que

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

IBMEC, 1978, vol. 1, p. 56. 2 - Por Negociante, estou entendendo o proprietário de capital que, além da esfera da circulação, atua no

IBMEC, 1978, vol. 1, p. 56. 2 - Por Negociante, estou entendendo o proprietário de capital que, além da esfera da circulação, atua no XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA SIMPÓSIO TEMÁTICO: ESTADO E PODER NO BRASIL AUTOR: THÉO LOBARINHAS PIÑEIRO UFF COMUNICAÇÃO O CORPO DE COMMERCIO DO RIO DE JANEIRO: OS NEGOCIANTES SE ORGANIZAM Com a chegada

Leia mais

Palavras-chave. Keyword. Cayru e o primeiro esboço de uma História Geral do Brasil Independente

Palavras-chave. Keyword. Cayru e o primeiro esboço de uma História Geral do Brasil Independente Cayru e o primeiro esboço de uma História Geral do Brasil Independente Cayru and the first sketch of a History of Independent Brazil Bruno Diniz Mestrando Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) brunodiniz18@yahoo.com.br

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL As «Honras do Pantheon», tributárias da Revolução Francesa, tiveram entre nós consagração legislativa em Decreto Régio de 25 de

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Referências Bibliográficas:

Referências Bibliográficas: Referências Bibliográficas: Fontes Primárias: Arquivo CPDOC: Arquivo Getúlio Vargas (GV). VARGAS, Getúlio. A campanha presidencial. São Paulo: Livraria José Olympio Editora, 1951. Arquivo Edgard Leuenroth:

Leia mais

MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS.

MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS. MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS. Maricélia Cardoso Matos Neves mari.neves@uol.com.br Universidade Federal da Bahia A simples observação do mapa do Brasil mostra a existência

Leia mais

FREIRE, Muniz *const. 1891; dep. fed. ES 1891-1892; pres. ES 1892-1896 e 1900-1904; sen. ES 1904-1915.

FREIRE, Muniz *const. 1891; dep. fed. ES 1891-1892; pres. ES 1892-1896 e 1900-1904; sen. ES 1904-1915. FREIRE, Muniz *const. 1891; dep. fed. ES 1891-1892; pres. ES 1892-1896 e 1900-1904; sen. ES 1904-1915. José de Melo Carvalho Muniz Freire nasceu em Vitória a 13 de julho de 1861, filho de Manuel Feliciano

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA 1) Sociologia II A Escola de Ciências Sociais / CPDOC da FGV-RJ informa a abertura de processo seletivo para a contratação de um professor horista para a disciplina

Leia mais

O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO

O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Silmara Cássia Barbosa Mélo Universidade Federal da Paraíba silmaracassia2008@hotmail.com Angela Maria Dias Fernandes Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História Brasil Império Sétima Série Professora Carina História Confederação do Equador Local: Províncias do Nordeste. Época: 1824. Líderes da revolta: Manuel Paes de Andrade, frei Caneca e Cipriano Barata. Causas:

Leia mais

Desenvolvimento. e Mudança Social Portugal nos últimos dois séculos. Homenagem a Míriam Halpem Pereira

Desenvolvimento. e Mudança Social Portugal nos últimos dois séculos. Homenagem a Míriam Halpem Pereira Desenvolvimento e Mudança Social Portugal nos últimos dois séculos Homenagem a Míriam Halpem Pereira José Vicente Serrão Magda de Avelar Pinheiro Maria de Fátima Sá e Melo Ferreira (organizadores) Imprensa

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética LINHA DO TEMPO Módulo I História da Formação Política Brasileira Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética SEC XV SEC XVIII 1492 A chegada dos espanhóis na América Brasil Colônia (1500-1822) 1500

Leia mais

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita.

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita. Câmara dos Deputados Centro de Formação e Treinamento CEFOR Programa de Pós-Graduação Nara Lucia de Lima O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE Gerson Luiz Martins PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE A contribuição da Reportagem, Assessorias e Agências para a formação do jornal diário. Equipe

Leia mais

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 Jessica Aparecida Correa 1,orientador- Paulo Roberto

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920)

FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920) SUB Hamburg A/548637 FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920) Fernando Cacciatore de Garcia Editora Sulina Porto

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas 5.1 Planificação a médio prazo 28 aulas Conteúdos programáticos Segundo o Programa Oficial (março de 2001) TH11 Parte 2 (pp.) Saberes/Aprendizagens 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora 1.1.

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

HISTÓRIA. SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII

HISTÓRIA. SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII HISTÓRIA SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII 1 - A Inglaterra no Início do Século XVII 1 - A Inglaterra no Início do Século XVII - A Dinastia

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831 Professor Eric Assis Colégio Pedro II OS DESAFIOS APÓS A INDEPENDÊNCIA I- Manter a unidade territorial do Brasil. II- Construir o Estado Nacional Brasileiro.

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

Revoluções Liberais do Século XIX

Revoluções Liberais do Século XIX Revoluções Liberais do Século XIX Revoluções Liberais do Século XIX Após a queda de Napoleão, os países absolutistas buscaram retomar o Antigo Regime com o Congresso de Viena. As diretrizes básicas do

Leia mais

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas.

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas. Olá, Professor! Assim como você, a Geekie também tem a missão de ajudar os alunos a atingir todo seu potencial e a realizar seus sonhos. Para isso, oferecemos recomendações personalizadas de estudo, para

Leia mais

RESENHA. A FORMAÇÃO DA LEITURA NO BRASIL Leonardo Barros Medeiros (UCP)

RESENHA. A FORMAÇÃO DA LEITURA NO BRASIL Leonardo Barros Medeiros (UCP) RESENHA A FORMAÇÃO DA LEITURA NO BRASIL Leonardo Barros Medeiros (UCP) Marisa Lajolo & Regina Zilberman. A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Ática, 1996. (http://www.editoraatica.com.br) Trata-se

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA

O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA Carlos Henrique Ferreira Leite Prof o Dr o José Miguel Arias Neto (Mestrando em História Social UEL) Bolsista CAPES DS 2015/2016 Palavras-chave:

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

CARLOS VALDER DO NASCIMENTO. A Lei da Ficha Limpa. Ilhéus-Bahia

CARLOS VALDER DO NASCIMENTO. A Lei da Ficha Limpa. Ilhéus-Bahia CARLOS VALDER DO NASCIMENTO 02 A Lei da Ficha Limpa Ilhéus-Bahia 2014 Copyright 2014 by Carlos Valder do Nascimento Direitos desta edição reservados à EDITUS - EDITORA DA UESC A reprodução não autorizada

Leia mais

MUDANCISMO CONDICIONADO: DO COMPROMISSO POLÍTICO À RUPTURA DO PACTO CONSTITUCIONAL

MUDANCISMO CONDICIONADO: DO COMPROMISSO POLÍTICO À RUPTURA DO PACTO CONSTITUCIONAL MUDANCISMO CONDICIONADO: DO COMPROMISSO POLÍTICO À RUPTURA DO PACTO CONSTITUCIONAL Jales Guedes Coelho MENDONÇA; Noé Sandes FREIRE. jalesgcm@bol.com.br; noefsandes@uol.com.br Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Sociabilidade Maçônica e Sociedade Brasileira Lamon Fernandes

Sociabilidade Maçônica e Sociedade Brasileira Lamon Fernandes Sociabilidade Maçônica e Sociedade Brasileira Lamon Fernandes Introdução. Ao analisarmos a maçonaria no Brasil, sobretudo nos últimos anos do período colonial e primeiros anos do Brasil Império, deparamos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA. Plano de Ensino

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA. Plano de Ensino UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA Plano de Ensino Disciplina: História do Brasil Monárquico (HST 7404) Carga Horária: 72 horas/aula

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

A CONFERÊNCIA de Taubaté. Correio da Manhã. Rio de Janeiro, n. 1693, ano VI, mar.1906

A CONFERÊNCIA de Taubaté. Correio da Manhã. Rio de Janeiro, n. 1693, ano VI, mar.1906 137 REFERÊNCIAS A CONFERÊNCIA de Taubaté. Correio da Manhã. Rio de Janeiro, n. 1693, ano VI, mar.1906 A ELEIÇÃO de hoje Correio da Manhã. Rio de Janeiro, n. 1694, ano VI, mar. 1906. A ELEIÇÃO Presidencial.

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO DA GRADUAÇÂO Bacharelado 2009 OPÇÃO

PROGRAMA DE ENSINO DA GRADUAÇÂO Bacharelado 2009 OPÇÃO UNIDADE UNIVERSITÁRIA Faculdade de Ciências e Tecnologia/UNESP CURSO DE Geografia HABILITAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DA GRADUAÇÂO Bacharelado 2009 OPÇÃO DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL Departamento de Geografia -

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LEM1714T1 - História da Música Brasileira

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LEM1714T1 - História da Música Brasileira Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina LEM1714T1 - História da Música Brasileira Docente(s) Paulo Augusto Castagna Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento de Música Créditos 0 60

Leia mais

Quadros políticos na Era Napoleônica: visões da política externa aos olhos de D. Domingos Antônio de Sousa Coutinho (1810)

Quadros políticos na Era Napoleônica: visões da política externa aos olhos de D. Domingos Antônio de Sousa Coutinho (1810) Quadros políticos na Era Napoleônica: visões da política externa aos olhos de D. Domingos Antônio de Sousa Coutinho (1810) Debora Cristina Alexandre Bastos e Monteiro de Carvalho Os tratados de Aliança

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores Instituto Rio Branco

Ministério das Relações Exteriores Instituto Rio Branco Ministério das Relações Exteriores Instituto Rio Branco LEITURAS BRASILEIRAS I Professoras Angélica Madeira e Mariza Veloso Assistente: SS Ricardo Rizzo Introdução O curso visa ao conhecimento crítico

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal de Uberlândia A discussão sobre a importância da participação

Leia mais

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM Organização social que vigorou na França, principalmente na época em que os reis eram absolutistas, ou seja, de meados do século XVII até a Revolução Francesa. Tal

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno.

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. História 8A - Aula 22 As Monarquias Feudais 843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. -Séculos IX e X sociedade francesa se feudalizou. -Poder real enfraqueceu. -Condes,

Leia mais

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere.

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. Revisão Específicas 1. (FUVEST) Observe esta charge: a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. b) Explique quais são os principais elementos do desenho que permitem identificar

Leia mais

AUTOR(ES): GABRIELA RUIZ CANDOLO VILAS BOAS DE OLIVEIRA, CRISLAINE MARA MESSIAS

AUTOR(ES): GABRIELA RUIZ CANDOLO VILAS BOAS DE OLIVEIRA, CRISLAINE MARA MESSIAS TÍTULO: PORTAL USP RIBEIRÃO: DIVULGAÇÃO DA CIÊNCIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): GABRIELA RUIZ

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: : Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Componente Curricular: Inglês Série: 3º

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA CLIPPING SENADO FEDERAL E CONGRESSO NACIONAL NOTICIÁRIO ABRIL DE 2011 SEAI 04/2011 Brasília, maio de 2011 Análise de Notícias Senado Federal e Congresso Nacional 1. Universo

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular: DIREITO CONSTITUCIONAL

Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular: DIREITO CONSTITUCIONAL INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DE COIMBRA Parecer do Conselho Técnico-Científico / / Parecer do Conselho Pedagógico / / Ficha de Unidade Curricular

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PINHEIRO

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PINHEIRO AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PINHEIRO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - HISTÓRIA 8º Ano Turma A ANO LECTIVO 2011/2012 Disciplina 1º Período Nº de aulas previstas 38

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas Aviso n.º 6326/2003 (2.ª série). O Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas faz publicar por círculos

Leia mais

1TOMO DIREITO E ECONOMIA. série GVlaw DIREITOGV ESCOLA DE DIREITO DE SAO PAULO. Maria Lúcia L. M. Padua Lima Coordenadora

1TOMO DIREITO E ECONOMIA. série GVlaw DIREITOGV ESCOLA DE DIREITO DE SAO PAULO. Maria Lúcia L. M. Padua Lima Coordenadora série GVlaw Maria Lúcia L. M. Padua Lima Coordenadora DIREITO E ECONOMIA 30 AN< & BRASIL 1TOMO Ada Pellegrini Grinover Ana Lúcia Pinto Silva António Delfim Netto Amoldo Wald Ary Oswaldo Mattos Filho Bernardo

Leia mais

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro.

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. Resumo: Doutoranda Juliana Maia de Queiroz 1 (UNICAMP). Em 1868, Joaquim Manuel de Macedo publicou o romance

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Ciências Humanas e suas Tecnologias Componente Curricular: História Série:

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO

CONTEÚDOS OBJETIVOS METODOLOGIA AVALIAÇÃO PLANEJAMENTO SEMESTRAL Professor: Soely Aparecida Annes Disciplina: História Série: 3º ano 1º semestre Ano: 2013 CONTEÚDOS ESTRUTURANTES: RELAÇÕES DE PODER, RELAÇÕES DE TRABALHO E RELAÇÕES CULTURAIS CONTEÚDOS

Leia mais

TÍTULO: BRASIL E A QUESTÃO DE CIBERSEGURANÇA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: BRASIL E A QUESTÃO DE CIBERSEGURANÇA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: BRASIL E A QUESTÃO DE CIBERSEGURANÇA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI AUTOR(ES): LARIANA MUNGAI VON ATZINGEN

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Objetivos

PLANO DE ENSINO. Objetivos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Dados de Identificação Campus: São Borja Curso: Relações Públicas ênfase em produção cultural Componente

Leia mais

A criação da Petrobras nas páginas dos jornais O Estado de S. Paulo e Diário de notícias

A criação da Petrobras nas páginas dos jornais O Estado de S. Paulo e Diário de notícias A criação da Petrobras nas páginas dos jornais O Estado de S. Paulo e Diário de notícias Celso Carvalho Jr UNESP/Assis Com esta pesquisa estamos analisando a participação dos jornais O Estado de S. Paulo

Leia mais

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias 1 discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO (25.07.01) Senhoras, Senhores: A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias do dia-a-dia o desafio de construir o direito vivo, para que melhor

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Fabyanne Nabofarzan Rodrigues

Fabyanne Nabofarzan Rodrigues Fabyanne Nabofarzan Rodrigues A relação entre o Poder Legislativo e a imprensa O papel da assessoria de imprensa na relação entre o Legislativo e a imprensa Projeto de pesquisa apresentado ao Programa

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR A INFLUÊNCIA DAS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NA FORMULÇÃO DA LEI nº 11.096/2005 PROUNI

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 8º Ano 3º/4º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Gabriel Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

O período joanino e a eficiência analítica de alguns textos desbravadores

O período joanino e a eficiência analítica de alguns textos desbravadores O período joanino e a eficiência analítica de alguns textos desbravadores Isabel Lustosa 1. Introdução A vinda da família real portuguesa para o Brasil há 200 anos representou a imediata elevação do Brasil

Leia mais

CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS) Edital nº 01/2014

CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS) Edital nº 01/2014 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO GRUPO DE PESQUISA TRABALHO E CAPITAL (ATIVIDADE DE EXTENSÃO 1º. SEMESTRE DE 2014: O TRABALHO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS) Edital nº 01/2014 O Grupo de Pesquisa

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES Revisão e Atualização Diretoria de Arquivos Permanentes Diretoria de Acesso à

Leia mais