MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 024/2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 024/2014"

Transcrição

1 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 024/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: COMPANHIA ESTADUAL DE GERAÇÃO E TRANS. ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Audiência Pública nº 024/2014 EMENTA (Caso exista): CONTRIBUIÇÕES RECEBIDAS IMPORTANTE: Os comentários e sugestões referentes às contribuições deverão ser fundamentados e justificados, mencionando-se os artigos, parágrafos e incisos a que se referem, devendo ser acompanhados de textos alternativos e substitutivos quando envolverem sugestões de inclusão ou alteração, parcial ou total, de qualquer dispositivo. TEXTO/ANEEL TEXTO/INSTITUIÇÃO JUSTIFICATIVA/INSTITUIÇÃO Não consta no MCPSE, Criar a UC: Transformador de excitação Incluir as UAR s: Transformador de excitação Sistema de monitoramento de temperatura; Dispositivo de proteção; Dar o mesmo tratamento a ativos similares

2 UC 580 Transformador de Serviços Auxiliares UC Conduto Forçado UC 595 Turbina Hidráulica UC 595 Turbina Hidráulica UC 305 Painel, Mesa de Comando e Cubículo Sistema de monitoramento de temperatura; Dispositivo de proteção; Junta de expansão; Sistema de proteção e monitoramento de conduto; Um conjunto de anel de desgaste; Sensor de posição (LVDT); Uma ogiva; Um cabeçote Kaplan; Um conjunto de tubulação; Conjunto de vedações; Um acoplamento ou conexão entre turbina e gerador. Um acoplamento. Pára-raios; Capacitor de Surto; Indicador digital de grandezas; Switch; Uma unidade supervisora de alarme, de controle e aquisição de dados; IHM touch screen; Módulo de entrada/saída digital; Módulo de entrada/saída analógica; Fonte de alimentação; UAR s do Transformador de Serviços Auxiliares não integrantes da atual UC; permitindo dar o mesmo tratamento a ativos similares. UAR s do Conduto Forçado não integrantes da atual UC. UAR s da Turbina Hidráulica não integrantes da atual UC. Na UC Turbina Hidráulica: Permitir a inclusão do acoplamento entre eixo e rotor da turbina UAR s do Painel, Mesa de Comando e Cubículo não integrantes da atual UC. 2

3 Disjuntor termomagnético com corrente nominal igual ou superior a 50 A; UC 305 Painel, Mesa de Comando e Cubículo Uma bucha de passagem de classe de tensão igual ou superior a 34,5 kv. Uma bucha de passagem de classe de tensão igual ou superior a 15 kv. Na UC 135 Barramento: Os barramentos das usinas são de classe de tensão menor que 34,5 kv UC 275 Gerador UC 480 Sistema de Proteção Contra Incêndio Medição de descargas parciais; Um acoplamento; Sistema de pesagem de cilindros de CO 2 ; Válvula de acionamento para disparo; Um filtro; Um conjunto de sensores. UAR s do Gerador não integrantes da atual UC. UAR s do Sistema de Proteção Contra Incêndio não integrantes da atual UC. UC 480 Sistema de Proteção Contra Incêndio O conjunto de cilindros de CO2 ou Halon, integrante de cada sistema Um cilindro de CO 2. Na UC 480 Sistema de Proteção Contra Incêndio: permitir o controle individual dos cilindros de CO 2. UC 375 Sistema de Alimentação de Energia Incluir UAR s IHM Touch screen; Um tanque; Um sistema de partida; Um regulador de velocidade; UAR s constantes em outras UC s similares mas não na UC 375, com isto permite-se um melhor controle do patrimônio existente. 3

4 Não consta no MCPSE UC 200 Conversor de Freqüência Um turbo alimentador; Um virabrequim; Criar a UC: Banco de Baterias Um banco de bateria; Uma bateria; Cabos e conexões; Estantes; Bandejas; Mancal de Guia; Acoplamento; Eixo; Núcleo do estator; Núcleo do rotor; Enrolamento do estator; Conjunto de bobinas do rotor; Pólo de rotor; Permitir um melhor controle do patrimônio existente; Possuímos Conversor de Frequência Rotativo e na atual UC não permite cadastrar as UAR s sugeridas. UC 485 Sistema de Proteção, Medição e Automação UC 430 Sistemas de dados meteorológicos, hidrológicos e sismológicos Um sensor; Um painel/módulo solar; Um modem; Sonda de nível; Uma bateria; UAR do Sistema de Proteção, Medição e Automação não integrantes da atual UC UAR s do Sistemas de dados meteorológicos, hidrológicos e sismológicos não integrantes da atual UC. UC Comporta Estaleiro; UAR s da Comporta não integrantes da atual UC. 4

5 UC Elevador e teleférico UC Ponte Rolante, Guindaste ou Pórtico UC 465 Sistema de lubrificação de óleo de regulação e de óleo isolante ou para isolamento UC 515 Sistema de Resfriamento de Equipamento UC 350 Reservatório, barragem e adutora UC 570 Transformador de Força UC 570 Transformador de Força Um Conjunto de vedação; Sistema de monitoramento de posição; Sistema de acionamento da porta; Mancal; Eixo; Acoplamento; Um sistema de indicação de nível; Uma válvula distribuidora; Uma válvula controladora/proporcional; Controlador/indicador de fluxo; Conjunto de sinalização; Uma bucha de classe de tensão igual ou superior a 69 kv ou 1000 A Uma bucha; Uma caixa de controle; UAR do Elevador e teleférico não integrantes da atual UC. UAR s do Ponte Rolante, Guindaste ou Pórtico não integrantes da atual UC UAR s do Sistema de lubrificação de óleo de regulação e de óleo isolante ou para isolamento não integrantes da atual UC. UAR do Sistema de Resfriamento de Equipamento não integrantes da atual UC. UAR do Reservatório, barragem e adutora não integrantes da atual UC. UC 570 Transformador de força: Permitir inclusão de buchas de menor classe de tensão. UAR do Transformador de Força não integrantes da atual UC. 5

6 UC 445 Sistema de Drenagem UC 215 Edificação UC Sistema de Esgoto Sanitário UC Sistema de Vigilância Eletrônica UC 595 TURBINA HIDRÁULICA, ITEM 3: UC 305 PAINEL, MESA DE COMANDO E CUBÍCULO, ITEM 3: UC 465 SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO, DE ÓLEO DE REGULAÇÃO, ITEM 3: Um hidroejetor; Iluminação e tomadas; Tomadas de força; Um clorador; Distribuidor ótico; CLP; Enlace de fibra; Alterar descrição: Um mancal e eixo de turbina de potência superior a 10 MW. Um mancal e eixo de turbina Incluir UAR s Um regulador de tensão e velocidade eletrônico integrado; Uma IHM touch-screen; Um módulo de entradas\saídas digitais; Um módulo de entradas\saídas analógicas; Um switch; Uma fonte de alimentação e Um conversor ótico. Retirar o termo igual ou superior a 7,5 c.v. para bombas e motores UAR do Sistema de Drenagem não integrantes da atual UC. UAR s Edificação não integrantes da atual UC. UAR do Sistema de Esgoto Sanitário não integrante da atual UC. UAR s do Sistema de Vigilância Eletrônica não integrantes da atual UC. Usar o mesmo critério aplicado ao gerador UC Gerador onde não há restrição quanto a potencia. Não consta no MCPSE. Esta restrição de igual ou superior a 7,5 c.v. para bombas e motores deveria ser retirada deste item, bem como de todos os outros onde consta, devido a importância e o valor 6

7 UC 485 SISTEMA DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E AUTOMAÇÃO, ITEM 3: UC 375 SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA, ITEM 3: UC COMPORTA UC RESERVATÓRIO, BARRAGEM E ADUTORA UC SISTEMA DE AR COMPRIMIDO UC SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO, DE ÓLEO DE Um controlador lógico programável (CLP); Um bastidor; Um módulo GPS; Um switch; Uma IHM touch-screen; Um módulo de entradas\saídas digitais; Um módulo de entradas\saídas analógicas; Uma fonte de alimentação e Um conversor ótico. Uma bateria; e Um controlador de carga. Uma válvula motorizada de diâmetro igual ou superior a 150 mm; Uma válvula não motorizada de diâmetro igual ou superior a 450 mm; Uma caixa redutora; Uma seção de conduto de descarga de fundo e Um conjunto de grades da descarga de fundo. Uma seção de conduto de vertimento. Uma válvula reguladora de pressão para sistemas com pressão igual ou superior a 20 bar e Uma válvula de segurança para sistemas com pressão igual ou superior a 20 bar Uma válvula proporcional com eletrônica destes equipamentos em uma usina, se comparado a poste e luminárias em outras UC s. Não existe na MCPSE e manter coerência com a UC 305 Não existe na MCPSE e manter coerência com a UC 605 Nos reservatório da CEEE-GT existem válvulas para regular a vazão de jusante. Nos reservatório da CEEE existem tubulações para descarga do vertimento. Não inclusa no MCPSE. Não inclusa no MCPSE. 7

8 REGULAÇÃO E DE ÓLEO ISOLANTE OU PARA ISOLAMENTO UC SISTEMA DE RESFRIAMENTO DE EQUIPAMENTOS UC 595 TURBINA HIDRÁULICA UC 595 Turbina Hidráulica UC 125 Banco de Capacitores Paralelos embarcada; Uma válvula direcional eletromecânica; Uma válvula distribuidora; Uma válvula de segurança e intermitência para sistemas com pressão igual ou superior a 100 bar; Um acumulador; Um transdutor de posição eletrônico; Uma chave de nível; Uma chave de fluxo e Um pressostato Uma chave de fluxo Um conjunto injetor; Um conjunto defletor; Uma caixa para turbina Pelton e Uma concha de turbina Pelton Um mancal de eixo de turbina de potência superior a 10 MW. Um mancal de eixo de turbina. Uma unidade Capacitiva; Não inclusa no MCPSE. Não inclusa no MCPSE. Na UC Turbina Hidráulica: A limitação anterior inviabiliza a o correto cadastramento do patrimônio em diversas PCH s. Adequar nomenclatura e permitir o controle individual dos capacitores dos Bancos. (esta contribuição se refere ao segmento de Transmissão da CEEE-GT). Sugestão 1: Sugerimos também que não haja limitação na potência dos motores elétricos e bombas nas UC s pertinentes. 8

9 Sugestão 2: Sugerimos que não haja limitação no diâmetro das válvulas motorizadas e não motorizadas nas UC s pertinentes. 9

TABELA II - CLASSES DE TENSÃO, TENSÃO PRIMÁRIA E TENSÃO SECUNDÁRIA (OBS:

TABELA II - CLASSES DE TENSÃO, TENSÃO PRIMÁRIA E TENSÃO SECUNDÁRIA (OBS: Anexo II Lista de alterações TABELA II - CLASSES DE TENSÃO, TENSÃO PRIMÁRIA E TENSÃO SECUNDÁRIA (OBS: Deve indicar a tensão nominal dos equipamentos, não a tensão que está sendo operado ou tensão máxima)

Leia mais

15/02/2012. IV.2_Controle e Automação II. Introdução. Conteúdo SENSORES

15/02/2012. IV.2_Controle e Automação II. Introdução. Conteúdo SENSORES IV.2_Controle e Automação II Formando Profissionais Para o Futuro SENSORES Introdução No estudo da automação em sistemas industriais, comerciais e/ou residenciais há a necessidade de determinar as condições

Leia mais

Alterações MCPSE versão 9 (com as novas taxas de depreciação )

Alterações MCPSE versão 9 (com as novas taxas de depreciação ) Cadastro de Equipamentos Alterações MCPSE versão 9 (com as novas taxas de depreciação ) P1 Qual o procedimento a ser adotado quando não se encontrar um determinado valor de atributo nas tabelas do MCPSE?

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Siemens Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Processo: 48500.000560/2015-44 EMENTA (Caso exista):

Leia mais

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DIAGNÓSTICO DOS PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE CENTRAIS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE DADOS Empresa

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Roteiro n Introdução n Aplicações n Estrutura dos circuitos n Sistemas de atuação hidráulica n Componentes n Exemplo de CNC hidráulico Definição de Sistema hidráulico n Conjunto de

Leia mais

Comunicação de Ocorrência em Instalações de Geração - COIG Usina / Agente Proprietário:

Comunicação de Ocorrência em Instalações de Geração - COIG Usina / Agente Proprietário: Comunicação de Ocorrência em Instalações de Geração - COIG Usina / Agente Proprietário: UG / Potência Nominal: UHE Furnas / Eletrobras Furnas UG 08 / 164 MW Data e hora da ocorrência: 14/04/2014 16h28min

Leia mais

Serviços. Instalação de Unidades Geradoras. 1. Desvio do Rio: Montagem de guias das comportas; Montagem das comportas de desvio (painéis)

Serviços. Instalação de Unidades Geradoras. 1. Desvio do Rio: Montagem de guias das comportas; Montagem das comportas de desvio (painéis) 1. Desvio do Rio: Montagem de guias das comportas; Montagem das comportas de desvio (painéis) Montagem de estrutura para descida da comporta (pórtico fixo) 2. Vertedouro Montagem das guias das comportas

Leia mais

ANEXO. 1. Plano Mínimo de Manutenção. 2. Manutenção Preditiva

ANEXO. 1. Plano Mínimo de Manutenção. 2. Manutenção Preditiva ANEXO 1. Plano Mínimo de Manutenção 1.1 O Plano Mínimo de Manutenção define as atividades mínimas de manutenção preditiva e preventiva e suas periodicidades para transformadores de potência e autotransformadores,

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: Associação Brasileira de Pequenos e Médios Produtores de Energia Elétrica - APMPE AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO CUIABÁ MT OUTUBRO DE 2003 1 PCH BARUITO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO Empreendedor : Global Energia Elétrica S/A Empreendimento:

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM...

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM... Motores H-Compact COMPACTO, REFRIGERAÇÃO EFICIENTE A importância crescente da economia de energia, dos requerimentos ambientais, da procura por dimensões menores e das imposições dos mercados nacionais

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: aprimoramento do novo procedimento para

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

SIMULADOR DE REGULADOR DE VELOCIDADE PARA TURBINAS HIDRÁULICAS FRANCIS

SIMULADOR DE REGULADOR DE VELOCIDADE PARA TURBINAS HIDRÁULICAS FRANCIS EDMAR EIDY FUTIKAMI JULIO CESAR CARVALHO MARCELO STRAPAÇÃO MIGUEL IGINO VALENTINI VIVIANE NAGAKURA LIMA SIMULADOR DE REGULADOR DE VELOCIDADE PARA TURBINAS HIDRÁULICAS FRANCIS Trabalho de graduação apresentado

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH JOSE LUIZ BOZZETTO,FLAVIO C. BIANCHI BCM ENGENHARIA

SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH JOSE LUIZ BOZZETTO,FLAVIO C. BIANCHI BCM ENGENHARIA SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH JOSE LUIZ BOZZETTO,FLAVIO C. BIANCHI BCM ENGENHARIA Este trabalho descreve em linhas gerais o sistema integrado para o controle, automação e integração

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016 NOME DA INSTITUIÇÃO: FCA Fiat Chrysler Brasil Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Audiência pública

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS SOBRE A ELÉTRIC A Elétric Materiais Elétricos oferece uma linha completa de produtos de Alta Tensão e Baixa Tensão, somando qualidade, marcas renomadas, amplo estoque, agilidade nas

Leia mais

A Utilização de Bombas Funcionando como Turbinas (BFTs) em Pequenos Aproveitamentos Hidráulicos

A Utilização de Bombas Funcionando como Turbinas (BFTs) em Pequenos Aproveitamentos Hidráulicos SEMINÁRIO DE GESTÃO DO USO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO (ELETROBRÁS, 25 a 26 de Março de 2013) A Utilização de Bombas Funcionando como Turbinas (BFTs) em Pequenos Aproveitamentos Hidráulicos Prof.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando que um transformador monofásico será submetido aos ensaios de curto-circuito e a vazio para determinação dos parâmetros do seu circuito equivalente, o qual deverá

Leia mais

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda.

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2012 2ª FASE NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 474, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2012.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 474, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2012. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 474, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2012. Estabelece novas taxas anuais de depreciação para os ativos em serviço outorgado no setor elétrico, alterando

Leia mais

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES SUBESTAÇÃO Uma subestação elétrica é um grupamento de equipamentos elétricos com a finalidade de dirigir o fluxo de energia elétrica num sistema de potência e de possibilitar a operação segura do sistema,

Leia mais

Introdução à Planta Didática MPS-PA Estação Compacta da Festo

Introdução à Planta Didática MPS-PA Estação Compacta da Festo Introdução à Planta Didática MPS-PA Estação Compacta da Festo Objetivos: Estudo dirigido da estação compacta da Festo para experimentos em controle de processos. Além da familiarização com os componentes

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA Este case apresenta a aplicação do Elipse E3 para controlar

Leia mais

UERJ / MARTE ENGENHARIA LTDA. Av. Rio Branco, 251 14º Andar, CEP 20.040-009 Rio de Janeiro RJ Tel./Fax.: (021) 524-3401, e-mail : dproj@marteng.com.

UERJ / MARTE ENGENHARIA LTDA. Av. Rio Branco, 251 14º Andar, CEP 20.040-009 Rio de Janeiro RJ Tel./Fax.: (021) 524-3401, e-mail : dproj@marteng.com. GPC / 21 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO V PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - (GPC) PROTEÇÃO E CONTROLE DIGITAIS DA SUBESTAÇÃO DE 230 KV DA USINA TERMELÉTRICA

Leia mais

SJS Bombas Submersíveis

SJS Bombas Submersíveis SJS Bombas Submersíveis Principais aplicações Os modelos de bombas Sulzer SJS representam a mais avançada tecnologia em projeto de bombas submersíveis, destinadas principalmente a atender os requisitos

Leia mais

BRITADORES DE CONE 1. DESCRIÇÃO:

BRITADORES DE CONE 1. DESCRIÇÃO: SISTEMA MECÂNICO DE ALÍVIO SISTEMA HIDRÁULICO DE ALÍVIO 1. DESCRIÇÃO: Os britadores de cone Piacentini, são equipamentos robustos que proporcionam alta produtividade, baixo custo operacional e longa vida

Leia mais

1 ATUADORES HIDRÁULICOS

1 ATUADORES HIDRÁULICOS 1 ATUADORES HIDRÁULICOS Danniela Rosa Sua função é aplicar ou fazer atuar energia mecânica sobre uma máquina, levando-a a realizar um determinado trabalho. Aliás, o motor elétrico também é um tipo de atuador.

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO DESCRIÇÃO DA REVISÃO ATO LEGAL 00 Revisão Inicial Resolução

Leia mais

NOME DA INSTITUIÇÃO: Greenpeace Brasil

NOME DA INSTITUIÇÃO: Greenpeace Brasil MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 0026/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Greenpeace Brasil AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução Normativa nº 482,

Leia mais

SENSORES INDUSTRIAIS

SENSORES INDUSTRIAIS SENSORES INDUSTRIAIS Sensores: são dispositivos que transformam grandezas físicas em um sinal Sensores Analógicos e Digitais Caracterís:cas Alcance Precisão Resolução Sensibilidade Tempo de Resposta Não

Leia mais

11. Simbologia dos Componentes

11. Simbologia dos Componentes Nº Denominação Aplicação Símbolo 1.0 Geral 1.1. Símbolos Básicos 1.1.1. Linhas.1 Contínua 11. Simbologia dos Componentes.2 Interrompida Longa Linhas de fluxo..3 Interrompida Curta.4 Dupla Interligações

Leia mais

Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 -

Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 - T e c n o l o g i a Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. INTRODUÇÃO Kit de Máquinas Elétricas Rotativas -

Leia mais

Contribuições Referentes à Consulta Pública n 014/2014 APINE Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Energia Elétrica

Contribuições Referentes à Consulta Pública n 014/2014 APINE Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Energia Elétrica Contribuições Referentes à Consulta Pública n 014/2014 APINE Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Energia Elétrica AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Consulta

Leia mais

Um especialista em manutenção preditiva

Um especialista em manutenção preditiva Análise de vibrações A UU L AL A Um especialista em manutenção preditiva foi chamado para monitorar uma máquina em uma empresa. Ele colocou sensores em pontos estratégicos da máquina e coletou, em um registrador,

Leia mais

S O IC N Â C E etro) M O TR C (taquím LE E S étrico TO N E M A o taquim C C V o Transdutores Transdutores de velocidade: dínam E E T D IP

S O IC N Â C E etro) M O TR C (taquím LE E S étrico TO N E M A o taquim C C V o Transdutores Transdutores de velocidade: dínam E E T D IP Accionamentos Electromecânicos / Selecção de Conversores Carlos Ferreira 1 Para fechar a malha é necessária a utilização de transdutores das variáveis. Conforme a grandeza a controlar assim é o transdutor

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Geradores de turbinas eólicas O aerogerador converte a energia mecânica em energia elétrica. Os aerogeradores são não usuais, se comparados com outros equipamentos geradores conectados a rede elétrica.

Leia mais

CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB

CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB Este sistema é formado pelos seguintes elementos, compatíveis entre si e especialmente projetados para o estudo de máquinas elétricas. Código

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH. Brasil

SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH. Brasil SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH José Luiz Bozzetto BCM ENGENHARIA LTDA Flávio C. Bianchi BCM ENGENHARIA LTDA Brasil RESUMO Este trabalho descreve em linhas gerais um sistema integrado

Leia mais

161011430 CHAVE, SECCIONADORA, 34.5 KV, 630 A, MONOFASICO / 31.12.2011 1 UN 942,68

161011430 CHAVE, SECCIONADORA, 34.5 KV, 630 A, MONOFASICO / 31.12.2011 1 UN 942,68 300000033 SISTEMA DE PARTIDA DO MOTOR CUMMINS NTA 855G2 SERI 31.12.2011 1 UN 1.920,08 275000004 REGULADOR DE TENSAO, QUANDO NAO INTEGRANTE DE PAIN 30.11.2011 1 UN 1.021,58 275000038 MODULO DE TIRISTORES

Leia mais

GABARITO - DEP34. Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4

GABARITO - DEP34. Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4 GABARITO - DEP34 Questão 1 Os TCs para serviço de proteção apresentam boas características de exatidão, 0,1%, 0,3%, 0,6% e 1,2%. Também apresentam uma baixa corrente de saturação, quando comparados com

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Definição de Sistema hidráulico Conjunto de elementos físicos associados que, utilizando um fluido como meio de transferência de energia, permite a transmissão e o controle de força

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

Esse catálogo compreende motores e geradores com funcionamento diesel.

Esse catálogo compreende motores e geradores com funcionamento diesel. Esse catálogo compreende motores e geradores com funcionamento diesel. ÍNDICE BLOCO MOTOR E COMPONENTES... 01 CABEÇOTE E COMPONENTES - COMANDO DE VÁLVULAS... 02 VIRABREQUIM E COMPONENTES SISTEMA DE ARRANQUE...

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO - 2/3 Período: de 12/10/2009 a 10/12/2009. REIVAX S/A - Automação e Controle

RELATÓRIO DE ESTÁGIO - 2/3 Período: de 12/10/2009 a 10/12/2009. REIVAX S/A - Automação e Controle Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Mecânica Coordenadoria de Estágio do Curso de Engenharia Mecânica CEP 88040-970 - Florianópolis - SC - BRASIL www.emc.ufsc.br/estagiomecanica

Leia mais

SISTEMAS AUXILIARES DOS MOTORES

SISTEMAS AUXILIARES DOS MOTORES SISTEMAS AUXILIARES DOS MOTORES 1. SISTEMA DE VÁLVULAS 2. SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO 3. SISTEMA DE ARREFECIMENTO 4. SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO 5. SISTEMA ELÉTRICO SISTEMA DE VÁLVULAS Responsável pelo fechamento

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MANUTENÇÃO DOSADORES GRAVIMÉTRICOS

MANUAL DE OPERAÇÃO MANUTENÇÃO DOSADORES GRAVIMÉTRICOS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DOSADORES GRAVIMÉTRICOS MODELO: N O DE SÉRIE: FABRICAÇÃO: / / 1 INTRODUÇÃO É com grande satisfação que a INEAL ALIMENTADORES LTDA coloca mais um equipamento à sua disposição.

Leia mais

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5 CAPÍTULO 11 APLICATIVOS RENAULT Siemens/Fênix 5 MEGANE 2.0 F3R 750/751 1996 em diante LAGUNA 1.8 F3P B670/S724 1996 em diante LAGUNA 2.0 F3R 722/723 1996 em diante LAGUNA 2.0 16V N7Q 700 1996 em diante

Leia mais

Localização dos Componentes

Localização dos Componentes 1 of 40 21/07/2014 18:54 CAPÍTULO 15 AUDI A4 1.8 ADR 1995 em diante AUDI A4 1.8 TURBO AEB 1995 em diante COMO FUNCIONA ESTE SISTEMA Este sistema é multiponto seqüencial, com 4 válvulas injetoras que possui

Leia mais

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização.

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização. SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) Desenvolvimento de projetos Instalação de sistema de proteção (SPDA) Manutenção do sistema de SPDA Laudo Técnico Medição da resistividade do solo

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

Bancada Didática para Correção do Fator de Potência - XE551 -

Bancada Didática para Correção do Fator de Potência - XE551 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para Correção do Fator de Potência - XE551 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. ELETROTÉCNICA INTRODUÇÃO Bancada

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 17 Procedimentos para Correção do Fator de Potência 05/04 1 Descrições Gerais 1.1 Determinação Nacional Visando a otimização do consumo racional de energia elétrica gerada no país,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI N.º 13.593, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010. (publicada no DOE nº 248, de 31 de dezembro de 2010) Altera a Lei nº 8.820,

Leia mais

Na Placa de Comando estão montados os circuitos para partida direta, partida direta com reversão e partida estrelatriângulo;

Na Placa de Comando estão montados os circuitos para partida direta, partida direta com reversão e partida estrelatriângulo; 1) BANCADA PRINCIPAL MODELO POL-110 Fabricada em estrutura de alumínio, constituída por dois postos de trabalho que servirão de base para utilização de qualquer um dos kits didáticos a serem adquiridos.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS INSTALAÇÕES E SISTEMAS ELÉTRICOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS DIÁRIO Verificação das

Leia mais

NCM DESCRIÇÃO PUBLICADA VIGÊNCIA TIPO

NCM DESCRIÇÃO PUBLICADA VIGÊNCIA TIPO NCM DESCRIÇÃO PUBLICADA VIGÊNCIA TIPO 7309.00.90 7309.00.90 7309.00.90 Ex 007 Tanques circulares fabricados em chapas de aço carbono vitrificado, para tratamento de resíduos industriais, armazenamento

Leia mais

RECEBIMENTO DEFINITIVO

RECEBIMENTO DEFINITIVO RECEBIMENTO DEFINITIVO HORÁRIO DE INÍCIO: LOCAL: LOCOMOTIVA Nº: HORÁRIO DE TÉRMINO: PAÍS: DATA: OK? OBS. COM O MOTOR DIESEL DESLIGADO: ITENS DO SISTEMA MECÂNICO, TRUQUE, HIDRÁULICO E PNEUMÁTICO: 1 - Inspecionar

Leia mais

857 Sistema de proteção. Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação

857 Sistema de proteção. Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação 857 Sistema de proteção Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação Sumário Seção Descrição Página 1.0 Funções de proteção... 1 Proteção Synchrocheck (25)... 1 Proteção

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUA - PECE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS, GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Leia mais

Desenho Explodido: MG-950 - Conjunto Volante Magnético e Retratil

Desenho Explodido: MG-950 - Conjunto Volante Magnético e Retratil Desenho Explodido: MG-950 - Conjunto Volante Magnético e Retratil Lista de Peças: MG-950 - Conjunto Volante Magnético e Retrátil Nº Código Referência Descrição 1 08110.7 MG 95003100 Capa do Cilindro 2

Leia mais

HIVECTOL - HVI - E Inversores Multinível de Média Tensão Faixa de até 14.7 MVA (3.3kV até 11kV)

HIVECTOL - HVI - E Inversores Multinível de Média Tensão Faixa de até 14.7 MVA (3.3kV até 11kV) HIVECTOL - HVI - E Inversores Multinível de Média Tensão Faixa de até 14.7 MVA (3.3kV até 11kV) Energia Siderurgia Cimento Óleo & Gás Mineração Ind. Açucareira Celulose Tratamento de Água Borracha e muito

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA.

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Motores elétricos Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Para melhor entender o funcionamento desse

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Pós-Graduação em Engenharia Elétrica RENDIMENTO DE UNIDADE DE BOMBEAMENTO DE ÁGUA ACIONADA POR GERADOR EÓLICO DE PEQUENO PORTE Autores: Levy Costa Mendeleyev

Leia mais

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos TÉNIO M MÂNI NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos Para a usinagem de uma engrenagem de 55 dentes, de módulo 2 mm, foi utilizada uma barra de seção circular de 5". onsiderando a necessidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CEP: 88040-900 - FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA TEL. (048) 3721-9506 - FAX

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CEP: 88040-900 - FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA TEL. (048) 3721-9506 - FAX UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CEP: 88040-900 - FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA TEL. (048) 3721-9506 - FAX. (048) 3721-7538 PLANO DE ENSINO - DISCIPLINA: Proteção

Leia mais

Objetivos. Medição em Máquinas Rotativas. Avaliação Dielétrica Set 2012. de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais

Objetivos. Medição em Máquinas Rotativas. Avaliação Dielétrica Set 2012. de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Avaliação Dielétrica de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais Medição em Máquinas Rotativas Apresentador: Alain F. S. Levy Objetivos A medição

Leia mais

SOLUÇÃO DE CONTROLE DE VÁLVULAS PROPORCIONAIS USANDO SINAL PWM CASO DO REGULADOR DE VELOCIDADE DE UMA TURBINA KAPLAN

SOLUÇÃO DE CONTROLE DE VÁLVULAS PROPORCIONAIS USANDO SINAL PWM CASO DO REGULADOR DE VELOCIDADE DE UMA TURBINA KAPLAN SOLUÇÃO DE CONTROLE DE VÁLVULAS PROPORCIONAIS USANDO SINAL PWM CASO DO REGULADOR DE VELOCIDADE DE UMA TURBINA KAPLAN Cristiano Bühler Rafael de Paiva Jonatan Reichert Luiz Alberto Ventura Márcio Ferreira

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs COACH JOSE LUIZ BOZZETTO, FLAVIO C. BIANCHI BCM ENGENHARIA

SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs COACH JOSE LUIZ BOZZETTO, FLAVIO C. BIANCHI BCM ENGENHARIA SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs COACH JOSE LUIZ BOZZETTO, FLAVIO C. BIANCHI BCM ENGENHARIA SISTEMAS ELETRÔNICOS DE UMA USINA SUPERVISÃO COS REGULAÇÃO REG VELOCIDADE TENSÃO SINCRONISMO AUTOMAÇÃO

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO DESCRIÇÃO DA REVISÃO ATO LEGAL 0 Revisão Inicial

Leia mais

Enroladores de Cabos - Contrapeso. Sistemas de Recuperação

Enroladores de Cabos - Contrapeso. Sistemas de Recuperação Enroladores de Cabos - Contrapeso Sistemas de Recuperação As figuras acima ilustram os tipos de acionamento a contrapeso. Na figura 7a temos o acionamento direto, na 7b, o acionamento direto através de

Leia mais

Indice Analítico ... II 11. Capítulo 1 - Introdução 17. Capítulo 2 - Sensores de Presença 31

Indice Analítico ... II 11. Capítulo 1 - Introdução 17. Capítulo 2 - Sensores de Presença 31 , Indice Analítico Capítulo 1 - Introdução 17 1.1. Atuadores 17 1.2. Sensor 17 1.2.1. Sensores analógicos 18 1.3. Sensores digitais 18 1.4. Transdutor 19 1.5. Conversores AJO e D/A 19 1.6. Transmissor

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº43/2010. (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam)

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº43/2010. (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam) MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº43/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: General Electric Energy do Brasil Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Especificar

Leia mais

Transmissor de Vazão Mod. RTVG

Transmissor de Vazão Mod. RTVG 1. Introdução O Medidor de vazão tipo turbina é um instrumento de medição de vazão volumétrico. O elemento sensível à vazão é um rotor com um sistema de palhetas fixas, suspenso livremente sobre um eixo

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

Serviços de Automação DESCRITIVO. Produtos

Serviços de Automação DESCRITIVO. Produtos Serviços de Automação DESCRITIVO Produtos QTA-ST10M Quadro de Transferência Automática com informação do STATUS do conjunto (gerador + painel) em Led s. Realiza a transferência automática entre o contator

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO (3 de 3) 11/NOV/2010 a 20/JAN/2011 REIVAX AUTOMAÇÃO E CONTROLE

RELATÓRIO DE ESTÁGIO (3 de 3) 11/NOV/2010 a 20/JAN/2011 REIVAX AUTOMAÇÃO E CONTROLE RELATÓRIO DE ESTÁGIO (3 de 3) 11/NOV/2010 a 20/JAN/2011 REIVAX AUTOMAÇÃO E CONTROLE Supervisor: Fernando Amorim da Silveira Coordenador: Victor Juliano De Negri Estagiário: Marcos Kaupert 20 de janeiro

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

Desafios da Pesquisa e Desenvolvimento na Área de Pequenos Aproveitamentos Hidráulicos

Desafios da Pesquisa e Desenvolvimento na Área de Pequenos Aproveitamentos Hidráulicos SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE FONTES RENOVÁVEIS DE ENERGIA (Brasília, 14 de Setembro de 2011) Desafios da Pesquisa e Desenvolvimento na Área de Pequenos Aproveitamentos Hidráulicos Prof. Augusto Nelson

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

GESTÃO DE ATIVOS COM APLICAÇÃO DE POJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA CARGILL

GESTÃO DE ATIVOS COM APLICAÇÃO DE POJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA CARGILL Unidades de negócios GESTÃO DE ATIVOS COM APLICAÇÃO DE POJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA CARGILL Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Unidades de negócios Motores Automação Energia

Leia mais

Inversor de Freqüência

Inversor de Freqüência Descrição do Funcionamento. Inversor de Freqüência Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil,

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 01 Bombas São máquinas acionadas que recebem energia mecânica de uma fonte motora (máquina acionadora) e a transformam em energia cinética (movimento),

Leia mais

Expulsor pneumático. Informações Técnicas

Expulsor pneumático. Informações Técnicas Expulsor pneumático Conexão: 1/4 BSP ou NPT. Pressão máxima de trabalho: 10.5 kgf/cm². Freqüência máxima de trabalho: 870 ciclos por minuto. Funcionamento: o ar comprimido abastece o reservatório através

Leia mais

Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificados

Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificados Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificados Séries-R 55-75 kw/75-100 hp Compressores Rotativos 3 Um Novo Nível de Confiabilidade, Eficiência e Produtividade Os compressores de ar de parafuso

Leia mais

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE GRUPO MOTORES GERADORES

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE GRUPO MOTORES GERADORES ANEXO II ANEXO TÉCNICO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE GRUPO MOTORES GERADORES AQUISIÇÃO DE GRUPO MOTORES GERADORES A SEREM INSTALADOS NAS UNIDADES DA ANATEL EM TODO O BRASIL. INTRODUÇÃO

Leia mais

PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 113 MÉTODOS DE ALIMENTAÇÃO DOS MOTORES UTILIZADOS EM ACIONAMENTOS

PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 113 MÉTODOS DE ALIMENTAÇÃO DOS MOTORES UTILIZADOS EM ACIONAMENTOS PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 113 MÉTODOS DE ALIMENTAÇÃO DOS MOTORES UTILIZADOS EM ACIONAMENTOS Acionamentos de velocidade variável PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 114 MÉTODOS

Leia mais

Máquinas Elétricas Motores de Indução. Máquinas Assíncronas (Motores de Indução)

Máquinas Elétricas Motores de Indução. Máquinas Assíncronas (Motores de Indução) Máquinas Assíncronas (Motores de Indução) Principais Características Só desenvolve torque fora da velocidade síncrona; Máquina de excitação única; Escorregamento Amplo uso Principais Limitações Máquina

Leia mais

Cogeração A Gás Natural

Cogeração A Gás Natural Cogeração A Gás Natural 1- Definição A co-geração é definida como o processo de produção combinada de calor útil e energia mecânica, geralmente convertida total e parcialmente em energia elétrica, a partir

Leia mais

CAPITULO 20 APLICATIVOS PEUGEOT MAGNETI MARELLI MULTIPOINT 8P. 306 1.8/2.0 XU7JP (LFZ)/XU10J2 (RFX) 1993 em diante

CAPITULO 20 APLICATIVOS PEUGEOT MAGNETI MARELLI MULTIPOINT 8P. 306 1.8/2.0 XU7JP (LFZ)/XU10J2 (RFX) 1993 em diante CAPITULO 20 APLICATIVOS PEUGEOT MAGNETI MARELLI MULTIPOINT 8P 306 1.8/2.0 XU7JP (LFZ)/XU10J2 (RFX) 1993 em diante 806 2.0 XU10J2C/Z (RFU) 1994 em diante BOXER 2.0 XU10J2U/X3 (RFW) 1994 em diante COMO FUNCIONA

Leia mais

Maximizando a Produção: Milissegundos que Definem a Parada ou a Continuidade do Processo. Paulo Lima Schweitzer Engineering Laboratories, Inc.

Maximizando a Produção: Milissegundos que Definem a Parada ou a Continuidade do Processo. Paulo Lima Schweitzer Engineering Laboratories, Inc. Maximizando a Produção: Milissegundos que Definem a Parada ou a Continuidade do Processo Paulo Lima Schweitzer Engineering Laboratories, Inc. Copyright SEL 2015 Agenda Como garantir a partida de um motor

Leia mais

Procedimento Prático Para Manutenção de Cabine Introdução Manutenção preventiva Manutenção corretiva Procedimento, verificações e ensaios

Procedimento Prático Para Manutenção de Cabine Introdução Manutenção preventiva Manutenção corretiva Procedimento, verificações e ensaios Procedimento Prático Para Manutenção de Cabine Introdução Nos equipamentos elétricos se faz necessária a manutenção, para que os mesmo possam estar sempre disponível, prolongando sua vida útil, Esta manutenção

Leia mais

ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO

ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO AHE SANTO ANTÔNIO (Rio Madeira) ESTUDO DE VIABILIDADE OTIMIZAÇÃO DO PROJETO DE ENGENHARIA Ministério de Minas e Energia 1 GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS

Leia mais

O que é uma Sobreintensidade?

O que é uma Sobreintensidade? O que é uma Sobreintensidade? Uma sobreintesidade é uma corrente de intensidade superior à nominal. Para este efeito, a intensidade de corrente máxima admissível num condutor é considerada como a sua intensidade

Leia mais

MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO

MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO COLHEITA NA AUSTRALIA Hoje nós temos que preocupar não só em aprimorar as MÁQUINAS, mas também os OPERADORES que com elas trabalham. PARTES CONSTITUINTES

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE POWER NA CEMAR

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE POWER NA CEMAR APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE POWER NA CEMAR Este case apresenta a aplicação da solução Elipse Power para automatizar a distribuição de energia elétrica realizada por um total de 35 subestações da Companhia

Leia mais

Disjuntor a Vácuo uso Interno

Disjuntor a Vácuo uso Interno Disjuntor a Vácuo uso Interno D27 - U 1 Sumário 1. Aplicação... 3 2. Condições Normais de Serviço... 4 3. Principais Parâmetros Técnicos... 4 4. Estrutura e Operação do Disjuntor... 5 4.1. Estrutura Geral:...

Leia mais