21 Centrais de Distribuição 90 milhões de km com 383 mil m² de área. 14,6 milhões de 2000 veículos colaboradores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "21 Centrais de Distribuição 90 milhões de km com 383 mil m² de área. 14,6 milhões de 2000 veículos. 7.147 colaboradores"

Transcrição

1 Cadeia do frio: a experiência do setor varejista de alimentos 11 de dezembro de 2012

2 COMO ESTAMOS INSERIDOS HOJE NO VAREJO 21 Centrais de Distribuição 90 milhões de km com 383 mil m² de área percorridos por nossa frota por ano, que equivale a 237 viagens para lua. construída equivalente a 46 campos de futebol. 100% da frota 700 mil entregas para monitorada e rastreada lojas por ano 73 mil entregas em domicílio por ano 14,6 milhões de 2000 veículos m³ expedidos pelas CD s de Varejo dedicados no pico e 202 Transportadoras Alimentar e Especializado colaboradores Supply Chain GPA

3 COMO ESTAMOS INSERIDOS HOJE NA CADEIA DE FRIO CDs Frigorificados. CDs Multicategorias GPA varejo possuem 3 CDs Frigorificados, localizados em SP, RJ e PE. 2 CDs Pescados, localizado em SP e RJ. O Atacado possui 1 CD Frigorificado em SP Os CDs localizados no PR, DF e CE são multicategoria, e também possuem área refrigerada. Km percorridos, para realizar a quantidade de entregas e m³ de mercadoria 3

4 ESTRUTURA DA CADEIA DE FRIO NO VAREJO Indústria Transporte CD Lojas Consumidor RECEBER, ARMAZENAR E DISTRIBUIR PRODUTOS COMERCIALIZADOS PELO GRUPO PÃO DE AÇÚCAR, SATISFAZENDO OS CLIENTES, ATRAVÉS DO COMPROMETIMENTO DAS PESSOAS E DA MELHORIA CONTÍNUA DOS PROCESSOS, SISTEMAS E SERVIÇOS GARANTINDO A MELHOR EXPERIÊNCIA DE COMPRA AOS NOSSOS CLIENTES 4

5 ESTRUTURA DA CADEIA DE FRIO NO VAREJO T R A N S P O R T E Infraestrutura: Equipe especializada Equipamentos - Estrutura física - Transporte e Controle de temperatura (monitoramento). * Isotérmico: para pescado fresco refrigerados por gelo; * Refrigerado: programado a 0ºC; * Congelado: programado a -18ºC; * 28 Câmaras sendo 22 resfriadas e 6 Congeladas (SP) * Plataforma recebimento climatizada (antecâmara) = +6ºC a +14ºC * Produtos armazenados conforme recomendação do fornecedor * Certificação ISO 9001 * Bipartido: Congelado programado -18ºC; resfriado com divisória programado a 0ºC; **Todos os veículos da frota possuem registrador de temperatura monitorando todas entregas. A R M A Z E N A G E M 5

6 GESTÃO CADEIA DE FRIO NAS CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO Monitoramento Temperatura por meio de termófrafos Ex: carnes, importados, etc. Verifica oscilações de temperatura TRANSPORTE FORNECEDOR CD Verificação temperatura interna do veículo com termômetro digital Análise do termógrafo na abertura do veículo RECEBIMENTO CD GPA Inspeção: checagem da temperatura dos produtos localizados no começo / meio / final do veículo Padrões estabelecidos pelo fornecedor CQ Monitoramento 24h dia a dia pela área de manutenção da CD e auditadas pela Equipe da Garantida da Qualidade 3 vezes ao dia ARMAZENAGEM Transporte adaptado e separado em compartimentos de acordo com as respectivas temperaturas DELIVERY Checagem de Temperratura no recebimento Check List Temperatura Manutenção Pré-resfriamento baú frigorífico antes do carregamento por um período entre quinze (15) minutos e sessenta (60) minutos Separação: realizada no interior das câmaras conforme janela de entrega das loja. Expedição: plataforma climatizada de +6ºC a +14ºC EXPOSIÇÃO PDV TRANSPORTE CD LOJAS SEPARAÇÃO E EXPEDIÇÃO

7 GESTÃO CADEIA DE FRIO NAS CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO - CQ INCIDÊNCIA DE DEVOLUÇÃO POR T C 18%

8 GESTÃO CADEIA DE FRIO NAS LOJAS GPA Infraestrutura: câmaras frias (produtos refrigerados e congelados), antecâmaras, balcões refrigerados, etc.. Análise do lay-out plantas para novas lojas Checagem de temperatura no recebimento Check-list Boas Práticas Fabricação (RT s) Ferramenta Controle de Temperatura (RT s) Manutenção Preventiva Treinamento e Capacitação 8

9 GESTÃO CADEIA DE FRIO NAS LOJAS GPA - Ferramentas 9

10 PERSPECTIVAS E DESAFIOS DO SETOR Conscientização do consumidor Consolidação de Normatização Técnica para Cadeia de Frio Unificação dos setores envolvidos/ Parcerias Maior foco em Manutenção Preventiva Impacto da Cadeia de Frio no desenvolvimento de produtos Evolução da Malha Logística Implementação de Sólidos Programas de Monitoramento e Rastreabilidade em toda a cadeia Papéis e Responsabilidades Indústria, Varejo e Consumidor 10

11 CONTATO OBRIGADA! 11

CONTROLE DA CADEIA LOGÍSTICA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS: ARMAZENAGEM E TRANSPORTE. Walkíria A. Amorim

CONTROLE DA CADEIA LOGÍSTICA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS: ARMAZENAGEM E TRANSPORTE. Walkíria A. Amorim CONTROLE DA CADEIA LOGÍSTICA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS: ARMAZENAGEM E TRANSPORTE Walkíria A. Amorim CLASSES ATIVIDADES Distribuidoras (comércio atacadista) Importadoras/exportadoras Armazéns logísticos

Leia mais

CONDIÇÕES DE RECEBIMENTO DE CARNES EM RESTAURANTE COMERCIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS) 1

CONDIÇÕES DE RECEBIMENTO DE CARNES EM RESTAURANTE COMERCIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS) 1 CONDIÇÕES DE RECEBIMENTO DE CARNES EM RESTAURANTE COMERCIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS) 1 MEDEIROS, Laissa Benites 2 ; NAISSINGER, Maritiele 2 ; PEREIRA, Larissa 2 ; SACCOL, Ana Lúcia de Freitas 2.

Leia mais

Segurança dos alimentos Industria de lácteos frescos

Segurança dos alimentos Industria de lácteos frescos Segurança dos alimentos Industria de lácteos frescos Zero moment of truth Momento zero da verdade. ÁREAS DE NEGÓCIOS Lácteos frescos Nutrição Infantil Águas Nutrição Médica DANONE MUNDO Presente em

Leia mais

Bombardeados por todos os lados!

Bombardeados por todos os lados! Somos impactados,em média, por 3600 mensagens publicitárias/dia (dado mundial) Em 2005 haviam no Brasil, 1738 títulos de revistas nas bancas. Em 2006 esse número saltou para 3651 Bombardeados por todos

Leia mais

Paulista Logística & Supply Chain Pontualidade e excelência.

Paulista Logística & Supply Chain Pontualidade e excelência. Metas propostas Compreender a necessidade do cliente, e atende-lo com sublimidade, sempre utilizando os melhores modelos de gestão, com o objetivo principal solidificar a nossa parceria onde ambos os lados

Leia mais

Gerenciamento da Rotina aplicada à logística de expedição

Gerenciamento da Rotina aplicada à logística de expedição Gerenciamento da Rotina aplicada à logística de expedição Como o Gerenciamento da Rotina pode ser implementado e trazer ganhos financeiros e nível de serviço na logística de expedição. Autor Tedy Willian

Leia mais

ÁREAS DE NEGÓCIOS. Nutrição Infantil. Lácteos frescos. Nutrição Médica. Águas

ÁREAS DE NEGÓCIOS. Nutrição Infantil. Lácteos frescos. Nutrição Médica. Águas ÁREAS DE NEGÓCIOS Lácteos frescos Nutrição Infantil Águas Nutrição Médica DANONE MUNDO Presente em mais de 120 países Mais de100 mil colaboradores MODELO DE CRESCIMENTO Estratégia focada em 4 pilares DANONE

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009 2 Lista de Verificação Geral Selo Alimento Seguro Lista de Verificação Geral com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados

Leia mais

Participação dos Profissionais de Engenharia de Alimentos na Cadeia de Frio

Participação dos Profissionais de Engenharia de Alimentos na Cadeia de Frio Participação dos Profissionais de Engenharia de Alimentos na Cadeia de Frio 2ª Reunião Extraordinária Câmara Setorial de Alimentos - ANVISA Brasília - DF 11/Dezembro/2012 Isaac Rybak ISAAC RYBAK Engenheiro

Leia mais

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011 RESULTADOS 3T11 Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades 4 de novembro de 2011 ELETRO GPA ALIMENTAR AGENDA RESULTADOS Supermercados Proximidade Atacarejo Postos e Drogarias Hipermercado Lojas Especializadas

Leia mais

Necessidade do cliente Análise. Logística. Reposição de materiais. Armazenamento. Recebimento

Necessidade do cliente Análise. Logística. Reposição de materiais. Armazenamento. Recebimento Capítulo 1 Gestão Materiais Apresentação do Tópico: A Importância da Administração A organização da área Análise de necessidades de clientes Reposição de materiais Recebimento de materiais Armazenamento

Leia mais

Anexo I INFORME PRÉVIO. Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo I INFORME PRÉVIO. Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo I INFORME PRÉVIO Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Este informe prévio deverá ser preenchido no que couber, por indústria fabricante de medicamentos

Leia mais

Agenda. Logística no Brasil Estrutura Ferroviária ALL Estratégia de Crescimento Cases

Agenda. Logística no Brasil Estrutura Ferroviária ALL Estratégia de Crescimento Cases Agenda Logística no Brasil Estrutura Ferroviária ALL Estratégia de Crescimento Cases 1 Logística no no Brasil EUA Market Share Market Share 16% 14% 30% 40% Rodoviário Ferroviário Hidroviário Outros Argentina

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO MEMORIAL ECONÔMICO-SANITÁRIO PARA ESTABELECIMENTOS SUJEITOS AO SIM-CURITIBA

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO MEMORIAL ECONÔMICO-SANITÁRIO PARA ESTABELECIMENTOS SUJEITOS AO SIM-CURITIBA ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO MEMORIAL ECONÔMICO-SANITÁRIO PARA ESTABELECIMENTOS SUJEITOS AO SIM-CURITIBA Conforme determinação do Artigo 8º, item III, do Decreto nº 70/2002, o estabelecimento comercial

Leia mais

Distribuição Urbana de Food Service. Francisco Moura, ABIAF

Distribuição Urbana de Food Service. Francisco Moura, ABIAF Distribuição Urbana de Food Service Francisco Moura, ABIAF Agenda O Mercado de Food Service e segmentos Como as cadeias de suprimentos estão organizadas EUA e Brasil O Operador Logístico de FS dificuldades,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA FLORICULTURA BRASILEIRA

CARACTERIZAÇÃO DA FLORICULTURA BRASILEIRA Hoje a floricultura é um dos principais segmentos do agronegócio no Brasil. A qualidade das flores, a crescente competitividade e o crescimento do segmento são percebidos quando observa-se que muitos estados

Leia mais

Gestão de Processos de RH

Gestão de Processos de RH Gestão de Processos de RH A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores competências

Leia mais

DATA: 04/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS PALESTRANTE: NÁDYA MOLINA

DATA: 04/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS PALESTRANTE: NÁDYA MOLINA DATA: 04/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS PALESTRANTE: NÁDYA MOLINA Boas Práticas Para um bom resultado na manipulação de alimentos deve-se trabalhar aplicando

Leia mais

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC AEXO ROTERO PARA FSCALZAÇÃO/SPEÇÃO SATÁRA, E AUTOSPEÇÃO EM MMERCADOS, MERCADOS, SUPERMERCADOS, HPERMERCADOS E AFS. 1. DADOS DO ESTABELECMETO. RAZÃO SOCAL: OME FATASA: CPJ: EDEREÇO: TELEFOE: REPRESETATE

Leia mais

Implementação da Solução de Integração da Cadeia de Suprimentos de Etanol

Implementação da Solução de Integração da Cadeia de Suprimentos de Etanol Implementação da Solução de Integração da Cadeia de Suprimentos de Etanol Rafael Cezar Menezes, Líder de Compras de Etanol / Petrobras Thiago de Siqueira Rodrigues, Líder de Projetos TI / Petrobras Maithê

Leia mais

Oportunidades no Canal Indireto Autosserviço. (Mercado da Vizinhança)

Oportunidades no Canal Indireto Autosserviço. (Mercado da Vizinhança) Oportunidades no Canal Indireto Autosserviço (Mercado da Vizinhança) Auxiliamos nossos clientes a monitorar os indicadores de performance e otimizar a estratégia do seu mix de marcas Insights Delivery

Leia mais

Esclarecimento 13/2014

Esclarecimento 13/2014 Segurança Alimentar Registo de temperaturas e controlo metrológico de registadores automáticos Esclarecimento 13/2014 Resumo: A manutenção da cadeia de frio é essencial para a segurança de alguns géneros

Leia mais

De Mãos Dadas com a ISO 22000

De Mãos Dadas com a ISO 22000 Funchal, 22 Novembro 2006 De Mãos Dadas - Associação de Solidariedade Social De Mãos Dadas com a ISO 22000 SEMINÁRIO QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR Patrícia Branquinho A De Mãos Dadas QUEM SOMOS? UTENTES

Leia mais

Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002.

Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002. 1 Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002. Norma NBR ISO 9001:2000 Esta norma é equivalente à ISO 9001:2000.

Leia mais

Esclarecimento 8/2014

Esclarecimento 8/2014 Segurança Alimentar Aprovação de estabelecimentos industriais em casas particulares Esclarecimento 8/2014 Resumo: O presente esclarecimento pretende clarificar o enquadramento legal da aprovação e atribuição

Leia mais

Reunião Pública com Analistas Abril, 2009

Reunião Pública com Analistas Abril, 2009 Reunião Pública com Analistas Abril, 2009 Profarma Overview Profarma: Overview da Companhia Desde 1961, a Profarma distribui produtos farmacêuticos, higiene pessoal e cosméticos para farmácias e hospitais

Leia mais

Tabela 1 - Tempo total em número de dias de uma auditoria (mínimo) Tr a b a l h a d o r e s Nível A Nível B 100% IAF AI AS AR 60% IAF AI AS AR Fase 1

Tabela 1 - Tempo total em número de dias de uma auditoria (mínimo) Tr a b a l h a d o r e s Nível A Nível B 100% IAF AI AS AR 60% IAF AI AS AR Fase 1 Tabela 1 - Tempo total em número de dias de uma auditoria (mínimo) Tr a b a l h a d o r e s Nível A Nível B 100% IAF AI AS AR 60% IAF AI AS AR Fase 1 Fase 2 Fase 1 Fase 2 De 1 a 5 1,5 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS (MBP) E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS (POPs) PARA

Leia mais

TERMINAL DE CARGAS. Profª Janaína Araújo, MSc.

TERMINAL DE CARGAS. Profª Janaína Araújo, MSc. TERMINAL DE CARGAS Profª Janaína Araújo, MSc. Carga Aérea Generalidades Carga aérea : conjunto de bens transportados por via aérea que geram receita; material transportado por meio de aeronaves cujos valores

Leia mais

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega.

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega. A Way Data Solution se especializou em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) para criar um sistema inovador de logística e monitoramento de temperatura/ umidade, através do qual empresas poderão

Leia mais

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Planejamento e operação por categoria de produto Nesta unidade veremos o Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Leia mais

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Anexo A (informativo) Correspondência entre, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Tabela A.1 - Correspondência entre, ISO 14001:1996 e ISO 9001:1994 Seção Seção ISO 14001:1996 Seção ISO 9001:1994

Leia mais

Considerações sobre Infraestrutura Logística, Transporte Sustentável de Cargas, e Mobilidade Urbana no Brasil

Considerações sobre Infraestrutura Logística, Transporte Sustentável de Cargas, e Mobilidade Urbana no Brasil Considerações sobre Infraestrutura Logística, Transporte Sustentável de Cargas, e Mobilidade Urbana no Brasil Seminários IBRE Infraestrutura no Brasil Perspectivas e Desafios nas Áreas de Construção, Saneamento,

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação PLANO APPCC PARA O PROCESSO DE OBTENÇÃO DO RAVIÓLI DE CARNE CONGELADO

7º Simpósio de Ensino de Graduação PLANO APPCC PARA O PROCESSO DE OBTENÇÃO DO RAVIÓLI DE CARNE CONGELADO 7º Simpósio de Ensino de Graduação PLANO APPCC PARA O PROCESSO DE OBTENÇÃO DO RAVIÓLI DE CARNE CONGELADO Autor(es) SIMONE RODRIGUES DOS SANTOS Orientador(es) ANGELA DE FÁTIMA K. CORREIA 1. Introdução O

Leia mais

Cadeia do Frio Aspectos Gerais

Cadeia do Frio Aspectos Gerais EVENTO TÉCNICO DA CADEIA DO FRIO -DATA: 04 de setembro de 2014 Cadeia do Frio Aspectos Gerais -LOCAL:INSTITUTO EMATER: RUA DA BANDEIRA, 500 CABRAL CURITIBA- PR. -PROMOÇÃO: SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

DAVID BUARQUE GERENTE NACIONAL DE PERECÍVEIS GPA

DAVID BUARQUE GERENTE NACIONAL DE PERECÍVEIS GPA DAVID BUARQUE GERENTE NACIONAL DE PERECÍVEIS GPA operação em diferentes negócios, sob diferentes Maior empresa companhia varejista da América Latina: Total de Lojas Área de Vendas em m 2 Centros de Distribuição

Leia mais

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes.

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. EMPRESA CRIADA EM 2007, a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. Além de fazer um diagnóstico e sugerir recomendações, a WZ acredita

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 68//07 IDENTIFICAÇÃO DO AGENTE ECONÓMICO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Condições técnico-funcionais

Leia mais

VAREJO. Os principais setores varejistas brasileiros são:

VAREJO. Os principais setores varejistas brasileiros são: O que é? São todas as atividades envolvidas na venda de bens ou serviços diretamente a consumidores finais para seu uso pessoal, e não empresarial. (Philip Kotler) Não importa como os produtos são vendidos

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

Visão das Oportunidades na Agricultura e sua Logística

Visão das Oportunidades na Agricultura e sua Logística Visão das Oportunidades na Agricultura e sua Logística diante dos sistemas de comercialização e distribuição de alimentos e de produtos correlatos pela Rede CEASA 554 milhões/ha de vegetação nativa 107

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 64//07 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Licenciamento: o

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação Gestão da Tecnologia da Informação A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores

Leia mais

Gestão Estratégica de Compras para um Mercado em crescimento

Gestão Estratégica de Compras para um Mercado em crescimento Gestão Estratégica de Compras para um Mercado em crescimento Dra. Renata C. Nieto RecNieto Serviços Administrativos e Treinamento Ltda. (FAAP/FIA/ Faculdades Oswaldo Cruz) O varejo está passando por uma

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

www.nsclogistica.com.br

www.nsclogistica.com.br www.nsclogistica.com.br A Missão, Visão Valores Infra-Estrutura Nossa Frota Soluções Gris A A NSC logística atua no segmento de logística de telecomunicações desde 1988, estrategicamente situada as margens

Leia mais

Sistema APPCC e a Garantia da Qualidade de Alimentos

Sistema APPCC e a Garantia da Qualidade de Alimentos Sistema APPCC e a Garantia da Qualidade de Alimentos Sistema APPCC APPCC Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle HACCP Hazard Analysis and Critical Control Points Ferramenta de controle de qualidade

Leia mais

A BWEX é uma empresa de tecnologia dedicada ao desenvolvimento de soluções para o mercado financeiro e softwares em geral.

A BWEX é uma empresa de tecnologia dedicada ao desenvolvimento de soluções para o mercado financeiro e softwares em geral. A BWEX é uma empresa de tecnologia dedicada ao desenvolvimento de soluções para o mercado financeiro e softwares em geral. Nosso Diferencial Qualidade por excelência no atendimento aos seus clientes. Alta

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

Escritórios de Advocacia Departamentos Jurídicos

Escritórios de Advocacia Departamentos Jurídicos Escritórios de Advocacia Departamentos Jurídicos A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação de serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

Ações Integradas de Promoção Comercial no Exterior - Feira Anuga 2007. 13 a 17 de outubro de 2007 Colônia - Alemanha

Ações Integradas de Promoção Comercial no Exterior - Feira Anuga 2007. 13 a 17 de outubro de 2007 Colônia - Alemanha Ações Integradas de Promoção Comercial no Exterior - Feira Anuga 2007 13 a 17 de outubro de 2007 Colônia - Alemanha REALIZAÇÃO Confederação Nacional da Indústria CNI Rede Brasileira dos Centros Internacionais

Leia mais

GfK. Crescimento a partir do conhecimento Transformamos informações em decisões de negócios inteligentes

GfK. Crescimento a partir do conhecimento Transformamos informações em decisões de negócios inteligentes GfK. Crescimento a partir do conhecimento Transformamos informações em decisões de negócios inteligentes 4 ª maior empresa de pesquisa de mercado. Vendas em 2014: 1,5 bi 13.000 especialistas em 100 países

Leia mais

DRY PORT SÃO PAULO S.A. Bonded Warehouse and Logistics Solutions INSTITUCIONAL

DRY PORT SÃO PAULO S.A. Bonded Warehouse and Logistics Solutions INSTITUCIONAL Dry Port São Paulo Porto Seco e Soluções Logísticas Dados da empresa: Fundado em: 1971 e 1991 alfandegado; Funcionários: 140. Estrutura: 40.000 m2 de alfândega e 200.000m2 pátio automotivo. Clientes Ativos:

Leia mais

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014 Prefácio Introdução 0.1 Generalidades 0.2 As normas ISO para gestão da qualidade 0.3 Abordagem de processo 0.4 Ciclo PDCA 0.5 Pensamento baseado em risco Estrutura da ISO DIS 9001/2015 0.6 Compatibilidade

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

NextCall Server Servidor de Gravação Telefônica

NextCall Server Servidor de Gravação Telefônica NextCall Server Servidor de Gravação Telefônica www.nexttech.com.br NextTech Automação Ltda - (11) 3019-2020 Por que gravar? Gravação telefônica é legal? O que é um Servidor de gravação? Será que funciona

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira NBR ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Prof. Marcos Moreira História International Organization for Standardization fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. Início

Leia mais

USINA DE ASFALTO CONTRAFLUXO Série KOMPAKT

USINA DE ASFALTO CONTRAFLUXO Série KOMPAKT USINA DE ASFALTO CONTRAFLUXO Série Todas as fotos, ilustrações e especificações estão baseadas em informações vigentes na data da aprovação desta publicação. A Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda. se reserva

Leia mais

Agências, caixas automáticas, salas on-line, no brack e CPD. Controle de umidade de galpões, silos e câmaras frigoríficas.

Agências, caixas automáticas, salas on-line, no brack e CPD. Controle de umidade de galpões, silos e câmaras frigoríficas. Qualidade se adquire com tempo CARACTERÍSTICAS CA TEMPO BRASIL é especializada no desenvolvimento de projetos em sistemas de ar condicionado, ventilação, exaustão, refrigeração, montagem mecânica e hidráulica,

Leia mais

Parcerias com selo de excelência

Parcerias com selo de excelência Parcerias com selo de excelência I. Apresentação do Grupo Promor II. Rações III. Produção Animal IV. Indústria de Carnes V. Selecção Genética Parcerias com selo de excelência I. Apresentação do Grupo

Leia mais

SOP.BIO.001 PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL

SOP.BIO.001 PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE PROCESSAMENTO DE SANGUE Responsável(is): -Joana Batuca ELABORADO: -Joana Batuca APROVADO: Sérgio Dias 16-05-2014 Pag. 1/5 PROCESSAMENTO DE SANGUE ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. INFORMAÇÃO

Leia mais

A Nova Geografia de Negócios e a Diversidade de Formatos de Varejo e Implicaçõ. ções para Indústria de Bens de Consumo.

A Nova Geografia de Negócios e a Diversidade de Formatos de Varejo e Implicaçõ. ções para Indústria de Bens de Consumo. A Nova Geografia de Negócios e a Diversidade de Formatos de Varejo e Implicaçõ ções para Indústria de Bens de Consumo. Realização : 27 de Abril de 2010 Mercure Grand Hotel S.Paulo/SP 39º RELATÓRIO ANUAL

Leia mais

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo II INFORME PRÉVIO FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Para fins de inspeção para verificação de cumprimento de boas práticas de fracionamento é imprescindível que

Leia mais

Agenda. 1. Perfil. 2. Criação Área Prevenção Perdas. 3. Mensuração Índice. 4. Ações 2008

Agenda. 1. Perfil. 2. Criação Área Prevenção Perdas. 3. Mensuração Índice. 4. Ações 2008 Agenda 1. Perfil 2. Criação Área Prevenção Perdas 3. Mensuração Índice 4. Ações 2008 Perfil 1954 2008 Maior 26 Número 11 600 Faturamento 01 Unidades Área Produtos 7.000 Centro 2.000 Cooperativa Check-outs

Leia mais

Escopo do Projeto; Visão Geral; Introdução do Projeto; Etapas da Implementação; Métricas; Cronograma de Acompanhamento; Resultados Esperados.

Escopo do Projeto; Visão Geral; Introdução do Projeto; Etapas da Implementação; Métricas; Cronograma de Acompanhamento; Resultados Esperados. Escopo do Projeto; Visão Geral; Introdução do Projeto; Etapas da Implementação; Métricas; Cronograma de Acompanhamento; Resultados Esperados. Desenvolver e implementar um Processo Logístico voltado às

Leia mais

Presente no mercado desde 1992, o GRUPO GR se consolidou pelo porte e pela qualidade em prestação de serviços.

Presente no mercado desde 1992, o GRUPO GR se consolidou pelo porte e pela qualidade em prestação de serviços. HISTÓRICO Presente no mercado desde 1992, o GRUPO GR se consolidou pelo porte e pela qualidade em prestação de serviços. Especializado na customização de soluções em segurança patrimonial e serviços, o

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Não conformidades mais comuns em inspeções de Boas Práticas de Fabricação de medicamentos realizadas pelas Visas

Não conformidades mais comuns em inspeções de Boas Práticas de Fabricação de medicamentos realizadas pelas Visas Não conformidades mais comuns em inspeções de Boas Práticas de Fabricação de medicamentos realizadas pelas Visas Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Roteiro da Apresentação Dados sobre os

Leia mais

serviço CoolCare Apresentamos nosso Pessoas que entendem o seu negócio

serviço CoolCare Apresentamos nosso Pessoas que entendem o seu negócio Apresentamos nosso serviço CoolCare Proporcionamos um serviço especializado diferenciado para gerenciar embarques que exigem rigoroso controle e monitoramento de temperatura via contêineres ativos (gelo

Leia mais

A TCI BPO. Nossos diferenciais competitivos:

A TCI BPO. Nossos diferenciais competitivos: Varejo e-commerce A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores competências e

Leia mais

Gerenciamento de Depósitos

Gerenciamento de Depósitos Gerenciamento de Depósitos Diferentes modelos e tipos de CD s e armazéns podem auxiliar na busca por soluções logísticas eficientes, para diferentes produtos, com características logísticas diversas. As

Leia mais

Valores. Tecnologia. Qualidade e Segurança

Valores. Tecnologia. Qualidade e Segurança Apresentação... Em uma época dinâmica na qual vivemos, não podemos deixar que pequenos detalhes escapem aos nossos olhos, pois eles são essenciais quando acreditamos que nossos produtos têm o potencial

Leia mais

PAC 13. Calibração e Aferição de Instrumentos de Controle de Processo

PAC 13. Calibração e Aferição de Instrumentos de Controle de Processo PAC 13 Página 1 de 8 PAC 13 Calibração e Aferição de Instrumentos de Controle de Processo PAC 13 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

HACCP no Dom Pedro Baía

HACCP no Dom Pedro Baía HACCP no Dom Pedro Baía HACCP no Dom Pedro Baía O Grupo Dom Pedro é uma sociedade anónima pertencente ao grupo hoteleiro nacional denominado de Dom Pedro Investimentos Turísticos, constituído por 7 hotéis,

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Oba: há 32 anos, acrescentando saúde e qualidade de vida

Oba: há 32 anos, acrescentando saúde e qualidade de vida Oba: há 32 anos, acrescentando saúde e qualidade de vida Diego Rodrigues de Freitas / Luiza Ferro Neves / Newton da Silva Miranda Júnior Belo Horizonte, 1979. O Oba Hortifruti inaugura sua primeira loja

Leia mais

Curso Intensivo. Logística Farmacêutica

Curso Intensivo. Logística Farmacêutica Curso Intensivo Logística Farmacêutica O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual de aprendizagem que visa a capacitação profissional objetivando

Leia mais

BALCÃO EXPOSITOR VERTICAL 5 PORTAS (AL 7062) EXPECIFICAÇÕES

BALCÃO EXPOSITOR VERTICAL 5 PORTAS (AL 7062) EXPECIFICAÇÕES BALCÃO EXPOSITOR VERTICAL 5 PORTAS (AL 7062) Parte interna e externa em aço inox 430 Refrigeração: Ar forçado Temperatura: +2º a +8ºC Tensão: 110v / 220v Controlador Digital (Temperatura termômetro/degelo)

Leia mais

Soluções Energéticas para o seu negócio

Soluções Energéticas para o seu negócio Soluções Energéticas para o seu negócio Gas Natural Serviços Qualidade e eficiência em soluções energéticas O grupo Gas Natural Fenosa O grupo Gas Natural Fenosa é líder no mercado de gás e eletricidade

Leia mais

Logística no VTI MÉXICO

Logística no VTI MÉXICO Logística no Infra-estrutura precária e transportes, processos manuais e uso de tecnologias avançadas na gestão de CDs compõem o cenário logístico mexicano. Empresas como Oxxo, Alsea/DIA e H-E-B se destacam

Leia mais

Plano de Aula - Sistema de Gestão da Qualidade - cód. 5325. 56 Horas/Aula

Plano de Aula - Sistema de Gestão da Qualidade - cód. 5325. 56 Horas/Aula Plano de Aula - Sistema de Gestão da - cód. 5325 Aula 1 Capítulo 1 - Conceitos e Fundamentos da Aula 2 1 - Aula 3 1 - Aula 4 1 - Aula 5 Capítulo 2 - Ferramentas da Aula 6 2 - Ferramentas da Aula 7 2 -

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA HEMOBRÁS E A PRODUÇÃO DE MEDICAMENTOS HEMODERIVADOS E RECOMBINANTES NO BRASIL

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA HEMOBRÁS E A PRODUÇÃO DE MEDICAMENTOS HEMODERIVADOS E RECOMBINANTES NO BRASIL CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA HEMOBRÁS E A PRODUÇÃO DE MEDICAMENTOS HEMODERIVADOS E RECOMBINANTES NO BRASIL Romulo Maciel Filho 10/09/2015 Antecedentes 03/2001 Sanção da

Leia mais

Perfil Corporativo 2013

Perfil Corporativo 2013 Perfil Corporativo 2013 Elaboramos projetos de armazenagem totalmente adequados ao seu espaço! 30 anos de experiência no desenvolvimento de sistemas inteligentes de armazenagem e mais de 10 mil clientes

Leia mais

Por que investir no Brasil

Por que investir no Brasil Por que investir no Brasil Por que investir em Eventos? Expertise nacional e internacional dos organizadores contribui para o desenvolvimento dos seus negócios, impactando os seus atuais e potenciais clientes

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO ITEM PÁGINA 1 OBJETIVO 1 2 DEFINIÇÃO DOS TERMOS 2 3 REFERÊNCIAS (NORMAS/ LEGISLAÇÃO/ REQUISITOS APLICÁVEIS). 2 4 RESPONSABILIDADES E ATIVIDADES PARA CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS. 3 5 ANÁLISE LABORATORIAL 4

Leia mais

Fresh Connections: BRASIL

Fresh Connections: BRASIL Fresh Connections: BRASIL GRANO ALIMENTOS S/A VEGETAIS SUPERGELADOS GRANO ALIMENTOS S/A Fundada no ano 2000, localizada na cidade de Serafina Corrêa, na serra gaúcha e distante 220 km de Porto Alegre,

Leia mais

Inovação corporativa por meio de Reuso de Componentes

Inovação corporativa por meio de Reuso de Componentes Inovação corporativa por meio de Reuso de Componentes Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software Reuso de Componentes Agenda 1 2 3 Apresentação Institucional Cases de Sucesso com Reuso de Componentes

Leia mais

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I Profº Eng Civil Bruno Rocha Cardoso Aula 3: Controle de Qualidade de Execução. Controle de Qualidade de Execução. Mas o que é Qualidade? Embora tenha demorado dois dias para

Leia mais

QUALIDADE DA CONSERVAÇÃO, MANIPULAÇÃO E HIGIENIZAÇÃO DOS PEIXES COMERCIALIZADOS NOS BOXES DO MERCADO PÚBLICO DE SÃO JOSÉ EM RECIFE-PE.

QUALIDADE DA CONSERVAÇÃO, MANIPULAÇÃO E HIGIENIZAÇÃO DOS PEIXES COMERCIALIZADOS NOS BOXES DO MERCADO PÚBLICO DE SÃO JOSÉ EM RECIFE-PE. QUALIDADE DA CONSERVAÇÃO, MANIPULAÇÃO E HIGIENIZAÇÃO DOS PEIXES COMERCIALIZADOS NOS BOXES DO MERCADO PÚBLICO DE SÃO JOSÉ EM RECIFE-PE. Aldicélia Prazeres, Ângela Gondim, Érica Souza, Maria Eduarda Andrade,

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA RECUPERAÇÃO DE CALOR 31/05/2011 www.cofely-gdfsuez.pt Sumário COFELY Portugal Referências Serviços para Indústria: IFMS Projectos Recuperação de calor em caldeira de

Leia mais

OMNICANAL: COMO AS SUPPLY CHAINS SE ORGANIZAM NO BRASIL?

OMNICANAL: COMO AS SUPPLY CHAINS SE ORGANIZAM NO BRASIL? Logo clie OMNICANAL: COMO AS SUPPLY CHAINS SE ORGANIZAM NO BRASIL? 09 DE MARÇO 2016 AGENDA PALESTRA: OS DESAFIOS DO OMNICANAL PARA A SUPPLY CHAIN OLIVIER DUBOUIS MESA REDONDA: COMO AS EMPRESAS BRASILEIRAS

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56 NORMA ABNT BRASILEIRA NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Quality management systems - Requirements CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001:2008 ERRATA 1 Publicada em 11.09.2009 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ERRATA 1 Esta Errata 1 da ABNT NBR ISO 9001:2008 foi elaborada no Comitê Brasileiro da

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e SETEMBRO DE 2014 Assessoria da Garantia da Qualidade Fundação Hemocentro de Brasília

Leia mais