Porque a música é também um patrimônio das Forças Armadas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Porque a música é também um patrimônio das Forças Armadas"

Transcrição

1 Porque a música é também um patrimônio das Forças Armadas Vinicius Mariano de Carvalho, Doutor em Literaturas Românicas Universidade de Passau Alemanha - Regente e Musicólogo, membro da Internationale Gesellschaft zur Erforschung und Förderung der Blasmusik. 2º. Tenente Temporário do Exército Brasileiro Neste artigo pretendemos apontar brevemente a importância da música na história e na tradição militares brasileiras, não apenas cumprindo suas funções na tropa, mas retratando a história nacional, em geral, e das Forças Armadas, em particular; também queremos ressaltar como a preocupação em sua conservação material, através da catalogação e preservação de partituras, da manutenção de instrumentos em uso e também os em desuso, e do arquivamento de documentos outros, não deve ser negligenciada na tarefa historiográfica e museológica das Forças Armadas; e por último, mas não menos importante, apresentar sugestões quanto a viabilidade de difusão deste material, articulando a pesquisa musicológica, a prática da música e o diálogo desta com a cultura museológica e historiográfica das Forças Armadas. O artigo apresentará sugestões de atividades neste campo, não apenas teorizando o assunto, mas demonstrando realidades possíveis e com resultados muito satisfatórios que podem representar mudanças no tratamento dado ao material musical das Forças Armadas. A tradição da música militar no Brasil Os músicos militares estão presentes na sociedade brasileira de forma contundente e cabal não apenas em sua obrigação formal junto à tropa, mas também em um âmbito social mais amplo. Nas Minas Gerais dos séculos XVII a XIX, período de maior esplendor aurífero, um grande número

2 de músicos que atuavam em orquestras principalmente para o serviço religioso era recrutado do Regimento de Dragões e das Companhias de Infantaria, especialmente os que tocavam instrumentos de sopro, genericamente chamados de choromelleyros, um dos instrumentos, a charamela, destes conjuntos 1. Mesmo nas irmandades e confrarias típicas da sociedade mineira colonial, a presença de Músicos da Tropa no serviço da música da Igreja é grande, conforme comprovam os livros de registros das referidas irmandades. Francisco Curt Lange, nos volumes que publicou de seu projeto de uma História da Música na Capitania Geral da Minas Gerais transcreve estes livros e lista os músicos com suas respectivas ocupações principais. Podemos citar como exemplo a relação dos músicos constante no Volume II do referido projeto de história da música da capitania das Minas Gerais, que trata da música na Irmandade de São José dos Homens Pardos ou Bem Casados. Muitos são identificados como tambor do Regimento dos Pardos, Músico do Regimento, Trombeta do Primeiro Regimento de Milicianos, Músico das Milícias Pagas, ou mesmo como vive de tocar pifano dos melissianos. 2 Isso é prova da integração destes músicos com a sociedade em geral, não apenas ocupando-se da música da tropa. Com a decadência do ouro no século XIX já não havia mais tanto dinheiro para o pagamento dos serviços musicais das igrejas, o que provoca uma diminuição no número de instrumentistas, dificultando a formação de orquestras. Possivelmente estes músicos assumiram como herança o serviço eclesiástico antes executado pelas orquestras (prova disto é o fato de se encontrar um imenso número de transcrições para banda de composições feitas anteriormente para orquestras 3 ). Apesar de já haver músicos nas tropas do período colonial brasileiro, e destes até se reunirem em conjuntos de formações variadas, pode-se dizer que a primeira banda militar propriamente dita, com dotação de músicos próprios, organizados e com repertório específico, organizada como conjunto em território brasileiro, se apresenta em 1808 com a vinda da família real para o Brasil, quando chega com esta a Música Marcial da Brigada Real da Marinha de Portugal, que depois vai dar origem a Banda dos Fuzileiros Navais 4. Ainda no esteio de reorganização das instituições após a chegada do Rei, foram criadas em 1810 as bandas para os regimentos de infantaria e cavalaria da corte (a Banda das Reais Cavalariças). 1 Cf. LANGE, Francisco Curt. As danças coletivas públicas no período colonial brasileiro e as danças das corporações de ofícios em Minas Gerais. In: Revista Barroco. Centro de Estudos Mineiros, UFMG. no p Cf. LANGE, F. C. A música na Irmandade de São José dos Homens Pardos ou Bem Casados. Volume II da História da Música na Capitania Geral das Minas Gerais. In: Revista Barroco. Centro de Estudos Mineiros, UFMG. No pp Desconheço algum estudo mais sistemático que se ocupe destras transcrições para Banda de música produzida no Brasil colonial. Muito se procura por um material original de orquestra e deixam-se de lado as transcrições, usadas muitas vezes apenas como material de apoio quando falta alguma parte orquestral. Pode-se descobrir aspectos muito interessantes de instrumentação e também de estética musical com este material 4 Esta corporação celebrará seu bicentenário no ano vindouro. Esperamos ser esta uma ocasião para divulgação de sua história, com concertos e gravações, mas também com boa documentação musicológica destes 200 anos.

3 Desde então as Bandas militares estão presentes em todos os momentos fortes da história militar brasileira. Na Guerra da Tríplice Aliança, bandas compunham os Batalhões de Voluntários da Pátria. Em 23 de janeiro de 1865, a Banda de Música da Polícia Militar do Estado da Bahia, fundada em 17 de setembro de 1849 pelo maestro Lourenço José de Aragão, parte junto com o 10º Corpo de Voluntários para a guerra do Paraguai. Sabe-se que os componentes da banda atuavam como padioleiros e tocavam para alegrar os soldados, nos intervalos das lutas. 5 Também na Campanha de Canudos a presença das bandas é atestada pelas fotografias do fotógrafo expedicionário Flávio de Barros (fotos de 1 a 4 6 ). Não foi diferente com as tropas da FEB, que dispôs de uma banda nos campos de Batalha da Itália na IIa. Guerra Mundial, não apenas para atuar marcialmente (foto 5 e 6), mas também como parte do Serviço Especial da FEB, tocando em festas e momentos de descontração dos soldados (foto 7). Por fim, no desfile das tropas brasileiras vitoriosas na Campanha da Itália, também destaca-se a participação de uma banda de grandes proporções (fotos 8 e 9). As bandas militares têm em seu repertório um vastíssimo número de peças, compostas especialmente para elas, que são um verdadeiro retrato da história nacional traduzido para a linguagem musical. Dobrados, hinos e marchas que homenageiam fatos e vultos históricos garantem que a memória nacional permaneça viva e em diálogo com nosso tempo, o que faz das bandas militares talvez um dos mais poderosos instrumentos da conservação e divulgação da história militar brasileira, dado seu imenso apelo popular e apreço público. Em um ambiente cultural de consumo rápido e importação de valores alheios, velhas tradições como as bandas sofrem seus danos. Mais uma vez, são as Forças Armadas quem garantem uma importante continuidade deste elemento marcante da cultura brasileira, fazendo das bandas atualizadas e ao mesmo tempo guardiãs das mais antigas tradições marciais. Como combinar esta conservação de patrimônio com a permanência viva desta música nos repertórios das bandas militares? É disso que se ocupam os dois tópicos subseqüentes. Da conservação do patrimônio musical militar brasileiro Normalmente, os acervos das Bandas Militares brasileiras estão sob os cuidados de seus próprios músicos, seja no que diz respeito ao instrumentarium, seja no que se refere às partituras e 5 Cf.: Jornal A Tarde, Caderno Cultural, Salvador. Sábado - 25/12/ Fotos 1 e 2: 12º. Batalhão de Infantaria em um funeral em Canudos. Fotos 3 e 4: Missa em Cansanção, durante a Campanha de Canudos, com a presença do ministro da Guerra, Marechal Carlos Machado Bittencourt, em 5 de setembro de In:: Almeida, Cícero Antonio F. de. Canudos Imagens da Guerra. Os últimos dias da Guerra de Canudos pelo fotógrafo expedicionário Flávio de Barros. Rio de Janeiro: Lacerda Editores, 1997

4 outros documentos de interesse histórico. Isso tem um lado positivo e um negativo. O lado positivo é que ninguém melhor do que o próprio músico se interessaria pelo zelo de seu material de trabalho. No entanto, e aqui o lado negativo, muitas vezes os músicos das bandas não tem treinamento apropriado para o cuidado com este material e amiúde não tem a consciência do valor histórico deste patrimônio, selecionando sem critérios musicológicos definíveis o que conservar e como fazêlo. Poucas são as bandas que tem um arquivo de partituras organizado segundo critérios arquivísticos que permitam o acesso a seu conteúdo e mais raras as que se preocupam com o conteúdo musicológico do mesmo. No afã de atualizar seu repertório com arranjos de músicas populares e contemporâneas (o que é necessário e motivador para as bandas e seus músicos), desconsideram o rico patrimônio de que são guardadoras, chegando, às vezes, a menosprezá-lo. Ouvimos, diversas vezes, músicos militares, que têm por função e vocação a conservação do patrimônio musical militar brasileiro, desconsiderar esta música, deixando-o em segundo plano. Muitas vezes conhece-se e elogia-se o repertório de John Philip Souza, mas ignora-se Francisco Braga, por exemplo. Talvez por já estarem profundamente arraigados à rotina da vida na caserna e por isso acabarem passando desapercebidos no dia-a-dia, os toques de corneta e clarim, que são parte importante do patrimônio da música militar, também merecem uma atenção especial, já que registram os processos de comunicação sonoros das Forças Armadas, evoluindo de acordo com as novas necessidades e realidades militares. Um cuidado no sentido de conservação dos toques já não mais em uso revelaria um pouco mais da história militar e ajudaria inclusive na manutenção de uma das tradições mais marcantes da música militar 7. O mesmo pode-se aplicar aos toques de tambor, que guardam estrita relação com as cornetas e clarins, muitas vezes constituindo juntos os únicos meios musicais de muitas unidades militares. Resgatar estes toques é precioso e marcante como valor histórico da música militar brasileira. É necessária, neste sentido, uma uniformização mínima de procedimentos de arquivamento e documentação do material musical das bandas militares, de modo que se possa ter uma noção, ao menos geral, de todo o patrimônio musical depositado em seus arquivos. Além disso, seria extremamente enriquecedora a articulação da prática musical militar com atividades de caráter educativo e museológico, visto a perenidade das bandas em todos os momentos da vida militar brasileira. Elaboração de concertos temáticos relacionados a exposições permanentes de museus militares ou mesmo de Unidades Históricas das Forças Armadas seriam também extremamente enriquecedores para as Bandas, para o público e para a conservação da memória militar brasileira. No tópico anterior apontamos alguns momentos de nossa história militar nos quais as bandas estiveram presentes, documentalmente comprovados, porém qual o repertório 7 Seria no mínimo curioso resgatar os toques específicos da Força Aérea do Exército, anterior à criação da FAB, e correlacionar-los à moderna Aviação do Exército.

5 que executaram em cada um desses momentos? Qual era a paisagem sonora destes eventos? Como se expressavam musicalmente as Forças Armadas nestas ocasiões? O cuidado com o repertório das bandas militares se torna assim uma urgência, para que uma surdez antiga não se torne uma moderna mudez. No tópico seguinte sugerimos algumas possíveis formas de envolvimento entre música e museologia, de modo que seja possível encontrar o devido valor e espaço para a música militar histórica brasileira, não apenas como elemento curioso, mas parte valiosa da presença das Forças Armadas na vida do país. Quando a música histórica faz história No ano de 2004 tivemos a oportunidade de visitar algumas bandas de música da 4ª. Bda. Inf. Mtz.. Nestas visitas interessou-nos muito conhecer as condições de arquivamento das músicas e a variedade de repertório das bandas. Qual não foi nossa surpresa ao encontrar um bom número de obras valiosas e importantes, conservadas de acordo com as possibilidades de cada banda (não ideais, mas ao menos mantendo este material). Sem dispor de um procedimento sistemático e de tempo suficiente para uma completa catalogação, levantamos o material que aparentemente poderia ser de interesse histórico e musicológico e com esta música montamos um programa de concerto com a Banda da 4ª. Bda. Inf. Mtz., de Juiz de Fora. O concerto visou mostrar um breve panorama da riqueza da música militar brasileira, articulando a música com a própria história militar do Brasil. Assim, apresentamos peça praticamente desconhecida de Francisco Braga, uma fantasia para Banda de música chamada Tarde d Estio; um dobrado celebrando os 18 do Forte, escrito para Banda de música acrescida de banda de cornetas e tambores; um poema sinfônico para Banda descrevendo a história da Fortaleza São João, Imagens sonoras sobre a implantação da Fortaleza de São João (peça que articula narração com música). Isso citando apenas parte do programa. Muitas outras obras registramos e editamos para a conservação de seu conteúdo, uma vez que a fragilidade do material original não permitia sua manipulação constante. Entre estas podemos citar o Hino dos Cadetes da Escola Militar de Realengo, de Francisco Braga, hino este particularmente integrado à história do Exército Brasileiro e praticamente esquecido. O que propomos a partir dessa experiência é a integração de apresentações das bandas de música a exposições temáticas dos museus militares, fazendo com que a música histórica mostre também sua capacidade de ser história e ajudar ao público a construir um quadro abrangente do conteúdo das exposições. Note-se que não se trata simplesmente de se fazer um concerto em abertura de exposição, mas de verdadeiro diálogo entre musicologia e museologia. Entre música e história. Para isso, faz-se necessária uma pesquisa mais sistemática dos arquivos musicais,

6 levantando a viabilidade de editoração de seu repertório e difusão deste material 8. Seguido a isso um estudo musicológico que nos apresente um quadro amplo do patrimônio musical militar brasileiro e por fim, a elaboração de concertos temáticos em diálogo com a prática museológica. O registro deste repertório em CDs seria também de grande valia, pois permitiria não apenas o registro de uma música que vem gradativamente se perdendo, como também serviria de rico material para pesquisadores e educadores. Em outras palavras, este repertório conservado em edições atualizadas e registrado em CD daria uma ampla percepção da presença militar no Brasil. Procedimentos estes simples e pouco dispendiosos seriam enriquecedores tanto para as bandas de música quanto para os museus militares e deixariam muito evidente que música para museu não é música morta, mas viva e rica, como a história. Fotos 1 e 2: 12º. Batalhão de Infantaria em um funeral em Canudos. (fonte: Almeida, Cícero Antonio F. de. Canudos Imagens da Guerra. Os últimos dias da Guerra de Canudos pelo fotógrafo expedicionário Flávio de Barros. Rio de Janeiro: Lacerda Editores, 1997.) 8 A exemplo da Banda do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro que já tornou disponível online boa parte de seu arquivo histórico. Cf. o site:

7 Fotos 3 e 4: Missa em Cansanção, durante a Campanha de Canudos, com a presença do ministro da Guerra, Marechal Carlos Machado Bittencourt, em 5 de setembro de (fonte: Almeida, Cícero Antonio F. de. Canudos Imagens da Guerra. Os últimos dias da Guerra de Canudos pelo fotógrafo expedicionário Flávio de Barros. Rio de Janeiro: Lacerda Editores, 1997.

8 Foto 5: desfile do 1º batalhão do 6ºRI, 30 dias após a libertação da Itália - Voglera 25 de maio de (Foto: Museu Capitão Pitaluga Valença RJ) Foto 6: Banda Brasileira da FEB na Itália em lugar não identificado. (Foto: Museu Capitão Pitaluga Valença RJ)

9 Foto 7: Uma banda das Tropas da FEB em local não identificado. (Foto: Museu Capitão Pitaluga Valença RJ) Foto 8: Desfile no Rio de Janeiro das Tropas da FEB Vitoriosas na Itália. (Foto: Museu Capitão Pitaluga Valença RJ)

10 Foto 9: Desfile no Rio de Janeiro das Tropas da FEB Vitoriosas na Itália. (Foto: Museu Capitão Pitaluga Valença RJ)

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

Programas e Projetos Culturais

Programas e Projetos Culturais Programas e Projetos Culturais A Diret etoria de Assuntos Culturais tem como mis- são principal preserv eservar as tradições, a memória e os va- lores culturais e históricos do Exércit cito. Consubstanciados

Leia mais

O Hino Nacional Hino nacional 19

O Hino Nacional Hino nacional 19 O Hino Nacional 19 ANTECEDENTES Se a Bandeira Nacional é um símbolo visível, o Hino Nacional constitui a exteriorização musical que proclama e simboliza a Nação. Só a partir do século XIX os povos da Europa

Leia mais

Documento Final do Seminário

Documento Final do Seminário Documento Final do Seminário Gestão de Acervos Culturais em Centros de Formação, de Documentação, de Cultura e Museus Indígenas no Brasil Entre os dias 17 e 20 de setembro de 2013, um grupo de 30 pessoas,

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Programa História e Memória Regional 1.2. CURSO: Interdisciplinar 1.3. IDENTIFICAÇÃO DO(A) PROFESSOR(A) /PROPONENTE 1.3.1.

Leia mais

BACHARELADO EM MÚSICA COM HABILITAÇÃO EM COMPOSIÇÃO

BACHARELADO EM MÚSICA COM HABILITAÇÃO EM COMPOSIÇÃO BACHARELADO EM MÚSICA COM HABILITAÇÃO EM COMPOSIÇÃO O curso de Composição Musical, no Departamento de Música da ECA/USP, é desenvolvido ao longo de seis anos. É um curso que procura ser abrangente o bastante

Leia mais

Manutenção, por 01 (um) ano, das atividades de bandas de música com histórico de 1. atividades comprovadas há, pelo menos, 01 (um) ano.

Manutenção, por 01 (um) ano, das atividades de bandas de música com histórico de 1. atividades comprovadas há, pelo menos, 01 (um) ano. Artistas, bandas de música, produtores culturais, arte-educadores, pesquisadores e demais interessados podem apresentar propostas de projetos de música dentro das linhas de ação abaixo, conforme Resolução

Leia mais

3.2 MATERIAL DIDÁTICO

3.2 MATERIAL DIDÁTICO A comparação do presencial e do virtual: um estudo de diferentes metodologias e suas implicações na EAD André Garcia Corrêa andregcorrea@gmail.com Universidade Federal de São Carlos Resumo. O presente

Leia mais

Valéria Carrilho da Costa

Valéria Carrilho da Costa A FOLIA NA ESCOLA: ENTRE CORES E CANTOS Valéria Carrilho da Costa gmacala@netsite.com.br Prefeitura Municipal de Uberlândia E.M. Profª Maria Leonor de Freitas Barbosa Relato de Experiência Resumo O projeto

Leia mais

MUSEU MILITAR CONDE DE LINHARES

MUSEU MILITAR CONDE DE LINHARES MUSEU MILITAR CONDE DE LINHARES Origem Localização Localizado no bairro de São Cristóvão, no antigo aquartelamento da 5º Brigada de Cavalaria Blindada (5º Bda C Bld), o Museu Militar Conde de Linhares

Leia mais

HISTÓRIAS EM REDE. Programa de valorização da relação do indivíduo com a empresa, sua identidade, seus vínculos e o sentimento de pertencimento.

HISTÓRIAS EM REDE. Programa de valorização da relação do indivíduo com a empresa, sua identidade, seus vínculos e o sentimento de pertencimento. HISTÓRIAS EM REDE Programa de valorização da relação do indivíduo com a empresa, sua identidade, seus vínculos e o sentimento de pertencimento. O Programa O programa HISTÓRIAS EM REDE é um novo olhar sobre

Leia mais

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil FORMATO: Documentário: 1X 52 HD FULL 16:9 GENERO: Documentário em técnica mista: SINOPSE: Morro da Favella é um documentário

Leia mais

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo I CICLO DE PALESTRAS SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICAS DE DOCUMENTOS NO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

Programa ADAI Projetos Brasileiros

Programa ADAI Projetos Brasileiros Programa ADAI Projetos Brasileiros Brasil 1999 1ª Convocatória Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte: Conservação preventiva de acervo audiovisual. Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami:

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

A OBRA MUSICAL DE PAULO LEMINSKI UM PATRIMÔNIO CULTURAL DO PARANÁ E DO BRASIL

A OBRA MUSICAL DE PAULO LEMINSKI UM PATRIMÔNIO CULTURAL DO PARANÁ E DO BRASIL A OBRA MUSICAL DE PAULO LEMINSKI UM PATRIMÔNIO CULTURAL DO PARANÁ E DO BRASIL cd duplo paulo leminski contextualização Paulo Leminski é, sem dúvida, um dos mais importantes poetas da literatura paranaense

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro As festas juninas fazem parte da tradição católica, mas em muitos lugares essas festas perderam essa característica.

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

Fomento a Projetos Culturais nas Áreas de Música e de Artes Cênicas

Fomento a Projetos Culturais nas Áreas de Música e de Artes Cênicas Programa 0166 Música e Artes Cênicas Objetivo Aumentar a produção e a difusão da música e das artes cênicas. Público Alvo Sociedade em geral Ações Orçamentárias Indicador(es) Número de Ações 7 Taxa de

Leia mais

Caderno Temático de Educação Patrimonial nº 02

Caderno Temático de Educação Patrimonial nº 02 Caderno Temático de Educação Patrimonial nº 02 Chamada artigos A série Caderno Temático de Educação Patrimonial é uma publicação da Casa do Patrimônio de João Pessoa, uma parceria entre a Superintendência

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

OPERAÇÕES DE GUERRA. Documentário da série Descobertas da Antiguidade

OPERAÇÕES DE GUERRA. Documentário da série Descobertas da Antiguidade OPERAÇÕES DE GUERRA Documentário da série Descobertas da Antiguidade SINOPSE Uma professora de História discute e apresenta uma proposta de atividade sobre o documentário Operações de Guerra, que mostra

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Natureza e Sociedade na parte 1 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Natureza e Sociedade na O eixo de trabalho Natureza e Sociedade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

5ª Edição do Projeto "Energia com vida"

5ª Edição do Projeto Energia com vida 5ª Edição do Projeto "Energia com vida" Maria Isabel Junceiro Agrupamento de Escolas de Marvão No presente ano letivo 2014-15, quatro turmas do Agrupamento de Escolas do Concelho de Marvão (8º e 9º anos),

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE NOVEMBRO DE 2012 EREM ANIBAL FERNANDES

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE NOVEMBRO DE 2012 EREM ANIBAL FERNANDES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA HENRIQUE BEZERRA IGOR FERNANDES PAULO HENRIQUE WILMA DE ANDRADE WILLIAM FREIRE RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES SÉCULOS XV A XIX O CEDOPE tem como objetivo central constituir-se em centro de pesquisas relativas à história do universo

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí 1 Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí Felipe de Sousa Soares* Felipe Rocha Carvalho Lima** Petherson Farias de Oliveira*** 1. Introdução O texto visa apresentar

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO E ARQUIVOS

DOCUMENTAÇÃO E ARQUIVOS DOCUMENTAÇÃO E ARQUIVOS Para você que trabalha com diferentes documentos de um setor de serviços, é importante rever alguns conhecimentos básicos sobre documentos, documentação e a função social dessas

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE DE

INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE DE INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE DE 2015 5º BIL na operação anhanguera-2015 2 EDITORIAL Nesta edição do nosso Informativo O Itororó apresentaremos as principais atividades realizadas pelo 5º Batalhão de Infantaria

Leia mais

Seminário Sobre Reunir Registros

Seminário Sobre Reunir Registros Seminário Sobre Reunir Registros Esta lição e seus recursos de aprendizado podem ser usados para preparar um seminário de três a quatro horas sobre preparar, reunir, processar e entregar os registros a

Leia mais

CAIXAS DE MEMÓRIAS. O que guarda o Centro de Arte Moderna? Quem pensa e faz obras de arte? escultor. Sobre o que nos fala uma obra de arte?

CAIXAS DE MEMÓRIAS. O que guarda o Centro de Arte Moderna? Quem pensa e faz obras de arte? escultor. Sobre o que nos fala uma obra de arte? CAIXAS DE MEMÓRIAS No CAM existem muitas obras de arte, cheias de ideias e histórias para nos contar, tantas que nem sempre nos conseguimos lembrar de todas... a não ser que elas se transformem em memórias!

Leia mais

20º TROFÉU NACIONAL / 1º CONCURSO INTERNACIONAL DE ACORDEÃO

20º TROFÉU NACIONAL / 1º CONCURSO INTERNACIONAL DE ACORDEÃO 20º TROFÉU NACIONAL / 1º CONCURSO INTERNACIONAL DE ACORDEÃO A ASSOCIAÇÃO DE ACORDEÃO DE ALCOBAÇA / PORTUGAL anuncia e organiza, de 29 a 31 de Maio/2015, o 20º Troféu Nacional e o 1º Concurso Internacional

Leia mais

Circuito Usiminas de Cultura

Circuito Usiminas de Cultura 5 Itaúna, 23 de maio de 2014 Miss Comerciária Estadual neste sábado Circuito Usiminas de Cultura resgatam histórias de Itaúna, poderá ser conferida no Varal Fotográfico, da CINEAR. Ele vai reunir fotografias

Leia mais

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC.

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC. 1 O ensino de música extracurricular na Escola Técnica Federal em Florianópolis/SC: relato de experiência sobre uma oficina de improvisação musical realizada Maycon José de Souza 1 Universidade do Estado

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) 1 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) Curso: Música, bacharelado Habilitação em Regência Campus: Cuiabá Docente da habilitação: Profa. Dra. Flávia Vieira Pereira Ato interno de criação e aprovação

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

CONCEITOS. Artes História do retrato-pintura. História do retrato-fotografia. Arte e tecnologia. Matemática Transformações.

CONCEITOS. Artes História do retrato-pintura. História do retrato-fotografia. Arte e tecnologia. Matemática Transformações. Sala de Professor MESTRE JÚLIO: RETRATO PINTADO CONCEITOS Artes História do retrato-pintura. História do retrato-fotografia. Arte e tecnologia. Matemática Transformações. Sociologia Indústria cultural.

Leia mais

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS FEIRA DE CORES E SABORES A mostra, contemplada pelo Fundo de Cultura da Bahia através do IPAC, tem a intenção de valorizar os patrimônios materiais e imateriais da Feira de São Joaquim

Leia mais

BRASILIANA - CATÁLOGO DIGITAL RADAMÉS GNATTALI: A EXPERIÊNCIA DE CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL

BRASILIANA - CATÁLOGO DIGITAL RADAMÉS GNATTALI: A EXPERIÊNCIA DE CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL 1 BRASILIANA - CATÁLOGO DIGITAL RADAMÉS GNATTALI: A EXPERIÊNCIA DE CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL BALLESTÉ, Adriana Olinto * GNATTALI, Roberto ** RESUMO Radamés Gnattali é um dos mais importantes

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) 1 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) Curso: Música, bacharelado Habilitação em Violão Campus: Cuiabá Docente da habilitação: Profa. Dra. Teresinha Rodrigues Prada Soares Ato interno de criação

Leia mais

Descobrir. Reconhecer. Divulgar. Valorizar. Perenizar. O conhecimento da música. A verdadeira música Brasileira.

Descobrir. Reconhecer. Divulgar. Valorizar. Perenizar. O conhecimento da música. A verdadeira música Brasileira. Descobrir. Reconhecer. Divulgar. Valorizar. Perenizar. O conhecimento da música. A verdadeira música Brasileira. Sinfonieta dos Devotos de Nossa Senhora dos Prazeres Direção do Maestro Marcelo Antunes

Leia mais

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, é quase impensável querermos uma televisão a preto e branco em deterimento de uma televisão a cores e acontece porque a partir do momento em que

Leia mais

IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03

IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03 1 IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03 O PAPEL DO FUNDO ROTATIVO NA FORMAÇÃO DE UMA NOVA CULTURA DE CRÉDITO Introdução Obedecendo a mesma dinâmica dos dois números anteriores, esse texto trata

Leia mais

um filme para o público universitário

um filme para o público universitário um filme para o público universitário «Este filme é um documentário valiosíssimo do passado, do presente e do futuro. Assume uma linguagem universal criando espaço para que o espectador reflicta e crie

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Humanas - Campus IV- Jacobina- BA

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Humanas - Campus IV- Jacobina- BA Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Humanas - Campus IV- Jacobina- BA Edital 01/2014 do NÚCLEO DE CULTURA VISUAL, EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (Cult-Vi) ABRE PERÍODO DE INSCRIÇÕES E ESTABELECE

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PROGRAMA/PROJETO DE EXTENSÃO

1. IDENTIFICAÇÃO DO PROGRAMA/PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO - UFMA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO - PROEX DEPARTAMENTO DE EXTENSÃO - DE Programa / Projeto de Extensão - Roteiro de proposta 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROGRAMA/PROJETO DE EXTENSÃO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

ESTUDO DO MEIO ÀS CIDADES HISTÓRICAS DE MINAS GERAIS

ESTUDO DO MEIO ÀS CIDADES HISTÓRICAS DE MINAS GERAIS ESTUDO DO MEIO ÀS CIDADES HISTÓRICAS DE MINAS GERAIS O Estudo do Meio nas cidades históricas de Minas Gerais oferece condições privilegiadas de aprofundamento do estudo do Período Colonial Brasileiro,

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Sistemas de Informação

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Sistemas de Informação FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Sistemas de Informação Curso (s) : Bacharel em Sistemas de Informação Nome do projeto:

Leia mais

CONVOCATÓRIA PARA EXPOSIÇÃO COLETIVA DE ENSAIOS DE AUTORES CEARENSES

CONVOCATÓRIA PARA EXPOSIÇÃO COLETIVA DE ENSAIOS DE AUTORES CEARENSES CONVOCATÓRIA PARA EXPOSIÇÃO COLETIVA DE ENSAIOS DE AUTORES CEARENSES Convidamos todos a participarem de convocatória para compor exposição do Encontros de Agosto 2013, que traz o tema Memória e Produção

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

1 IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS BRASIL INSTITUTO PIAGET / VISEU PORTUGAL 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO TÍTULO DO PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO O contributo português no processo de criação de bandas amadoras

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

Mais Cultura nas Escolas

Mais Cultura nas Escolas Mais Cultura nas Escolas O que é o Programa Mais Cultura nas Escolas? Projeto Andarilha das Letras, Circulação Literária/ FUNARTE É o encontro de projetos pedagógicos de escolas da rede pública com experiências

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Outubro/2014. Período. 1 a 31 de outubro de 2014

Outubro/2014. Período. 1 a 31 de outubro de 2014 Outubro/2014 Período 1 a 31 de outubro de 2014 Museu da Energia de São Paulo promove curso gratuito sobre Educação Patrimonial Essencial para o desenvolvimento cultural, tema será apresentado em um evento

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 096

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 096 Eventos Culturais PROGRAMA Nº - 096 Levar cultura à população através de shows musicais, espetáculos teatrais, poesia, oficinas de teatro, música, artesanato, artes plásticas e outros. Contratar empresas

Leia mais

DE OSWALD A ALMEIDA PRADO: PARÂMETROS INTEPRETATIVOS EM PEÇAS CONTRASTANTES PARA VIOLINO E PIANO DO SÉCULO XX

DE OSWALD A ALMEIDA PRADO: PARÂMETROS INTEPRETATIVOS EM PEÇAS CONTRASTANTES PARA VIOLINO E PIANO DO SÉCULO XX DE OSWALD A ALMEIDA PRADO: PARÂMETROS INTEPRETATIVOS EM PEÇAS CONTRASTANTES PARA VIOLINO E PIANO DO SÉCULO XX Resumo expandido - Conpeex 2011 1. NOME DOS AUTORES Luciano Ferreira PONTES¹; Glacy Antunes

Leia mais

REVISITANDO A HISTÓRIA DA ESCOLA AGRÍCOLA: HISTÓRIA E MEMÓRIA DE UMA ESCOLA CENTENÁRIA

REVISITANDO A HISTÓRIA DA ESCOLA AGRÍCOLA: HISTÓRIA E MEMÓRIA DE UMA ESCOLA CENTENÁRIA REVISITANDO A HISTÓRIA DA ESCOLA AGRÍCOLA: HISTÓRIA E MEMÓRIA DE UMA ESCOLA CENTENÁRIA Camila Damasceno de Paula Larissa Pamplona de Oliveira Ana Carolina de Almeida Bergamaschi Fabrício Roberto Costa

Leia mais

Alguns exemplos de problemas resolvidos

Alguns exemplos de problemas resolvidos Alguns exemplos de problemas resolvidos Partilhamos contigo alguns problemas e respetivas resoluções que selecionámos, para ilustrar todo este desafiante processo de resolução de problemas. Vais reparar

Leia mais

Responsabilidade social nos arquivos da mobilidade e dos transportes. práticas institucionais de externalização cultural

Responsabilidade social nos arquivos da mobilidade e dos transportes. práticas institucionais de externalização cultural Responsabilidade social nos arquivos da mobilidade e dos transportes práticas institucionais de externalização cultural Nas organizações cuja missão e atribuições se concentram na prossecução e exercício

Leia mais

EDITAL PARA A MOSTRA DE FOTOGRAFIA HISTÓRIA E MEMÓRIA EM SAÚDE DOS TERRITÓRIOS DE VIDA

EDITAL PARA A MOSTRA DE FOTOGRAFIA HISTÓRIA E MEMÓRIA EM SAÚDE DOS TERRITÓRIOS DE VIDA EDITAL PARA A MOSTRA DE FOTOGRAFIA HISTÓRIA E MEMÓRIA EM SAÚDE DOS TERRITÓRIOS DE VIDA A Rede Unida Norte vem por meio deste, tornar público o presente Edital da Mostra de Fotografia História e Memória

Leia mais

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL O patrimônio cultural de uma comunidade é o conjunto de referências que compõem o seu dia-a-dia e fazem com que ela tenha uma memória e uma história

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

É uma enorme honra para mim assumir, hoje, o comando da Brigada de Reacção Rápida.

É uma enorme honra para mim assumir, hoje, o comando da Brigada de Reacção Rápida. Discurso tomada de posse do Major-General Fernando Serafino como Comandante da Brigada de Reacção Rápida, em Tancos a 30 de Maio de 2011. Oficiais, Sargentos, Praças e Funcionários Civis da Brigada de

Leia mais

Permitam-me algum informalismo e que leve à risca o Protocolo.

Permitam-me algum informalismo e que leve à risca o Protocolo. 1 - Gostaria de pedir um minuto de silêncio em memória de todos os Bombeiros já falecidos e particularmente de Franquelim Gonçalves, que faleceu no desempenho das suas funções; 25 de maio Inauguração do

Leia mais

OBJECTIVOS DO PROJECTO

OBJECTIVOS DO PROJECTO INTRODUÇÃO Este projecto destina-se às crianças dos três aos seis anos de idade. A Lei Quadro da Educação Pré-escolar estabelece como princípio geral que a educação pré-escolar é a primeira etapa da educação

Leia mais

SÃO CAMILO SOCIAL. Informativo Semanal - Equipamentos Sociais - Sociedade Beneficente São Camilo-SP. Alimentação mais saudável no CEI Ponte Pequena

SÃO CAMILO SOCIAL. Informativo Semanal - Equipamentos Sociais - Sociedade Beneficente São Camilo-SP. Alimentação mais saudável no CEI Ponte Pequena SÃO CAMILO SOCIAL Informativo Semanal - Equipamentos Sociais - Sociedade Beneficente São Camilo-SP Alimentação mais saudável no CEI Ponte Pequena Produzido pela LC Web Comunicação Ano II, Edição 25 20-04-11

Leia mais

Consulte sempre o site www.museudaimigracao.org.br e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos.

Consulte sempre o site www.museudaimigracao.org.br e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos. 15 O Boletim do Museu da Imigração chega à sua décima quinta edição. Junto com a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o processo de restauro das edificações e reformulação

Leia mais

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Gustavo KRELLING 2 Maria Zaclis Veiga FERREIRA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O produto artístico é uma releitura fotográfica

Leia mais

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias Trens turísticos e o patrimônio cultural Roberta Abalen Dias Atualmente o Turismo é considerado uma atividade de grande importância econômica, responsável por geração de emprego e renda. Tal atividade

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA Luiz Rafael Moretto Giorgetti Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP (Ex-aluno) e-mail: rafael_giorgetti@hotmail.com

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV DISCIPLINA : MUNDO SOCIAL OBJETIVOS GERAIS Demonstrar interesse e curiosidade pelo mundo social e natural, formulando

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

HISTÓRIA E TRADIÇÃO DA MÚSICA MILITAR

HISTÓRIA E TRADIÇÃO DA MÚSICA MILITAR HISTÓRIA E TRADIÇÃO DA MÚSICA MILITAR Vinicius Mariano de Carvalho Membro do Centro de Pesquisas Estratégicas Paulino Soares de Sousa, da UFJF Doutor em Línguas Românicas pela Universidade de Passau -

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

SEC Que Cultura é essa? Balanço de Gestão 2007/2010

SEC Que Cultura é essa? Balanço de Gestão 2007/2010 SEC Que Cultura é essa? Balanço de Gestão 2007/2010 1 ATRAÇÃO DE RECURSOS ATRAÇÃO DE RECURSOS TRANSFORMAR DESPESA EM INVESTIMENTO A LEI DO ICMS ESTRUTURAÇÃO Superintendência específica Parceria SEFAZ

Leia mais

Setembro/2014. Período. 1 a 30 de setembro de 2014

Setembro/2014. Período. 1 a 30 de setembro de 2014 Setembro/2014 Período 1 a 30 de setembro de 2014 Cine Jardim traz filmes e música ao ar livre no Museu da Energia de Itu Público poderá conferir exibição do clássico do terror Nosferatu, além de show

Leia mais

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU)

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) CAMPANHA MAIS CIDADÃO (UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) APRESENTAÇÃO Nossa Missão: Desenvolver o potencial das pessoas e formar o cidadão profissional para atuar com brilhantismo no mercado de trabalho Estar sintonizados

Leia mais

Núcleo de referência de EJA da UFPB: história e memória da Paraíba - um percurso interrompido UFG, Goiânia/GO 01/06/2015

Núcleo de referência de EJA da UFPB: história e memória da Paraíba - um percurso interrompido UFG, Goiânia/GO 01/06/2015 Núcleo de referência de EJA da UFPB: história e memória da Paraíba - um percurso interrompido UFG, Goiânia/GO 01/06/2015 CÁTEDRA DA UNESCO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Núcleo de referência de EJA da

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE OBJETIVOS GERAIS Conhecimento da Arte enquanto auto expressão e conhecimento, apreensão e comunicação

Leia mais