UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE O FLUXO DE CAIXA COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO FINANCEIRA E EMPRESARIAL Por: Andréa Virgínia Martins Pereira Orientador: Sergio Majerowicz Niterói 2007

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE O FLUXO DE CAIXA COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO FINANCEIRA E EMPRESARIAL Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Finanças e Gestão Corporativa Por: Andréa Virgínia Martins Pereira

3 3 AGRADECIMENTOS A Deus, primeiramente, a meus pais e familiares, a meus amigos e professores.

4 4 DEDICATÓRIA A meus pais e a meus familiares, que sempre me apoiaram nas minhas escolhas com todo amor e carinho.

5 5 RESUMO O Fluxo de Caixa constitui-se em instrumento essencial para que a empresa possa ter agilidade e segurança em suas atividades financeiras. Logo, o Fluxo de Caixa deverá refletir com precisão a situação econômica da empresa, em termos financeiros de futuro. Em resumo, o Fluxo de Caixa é o instrumento que permite ao administrador financeiro planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros de sua empresa para determinado período. O Fluxo de Caixa é a espinha dorsal da empresa. Sem ele não se saberá quando haverá recursos suficientes para sustentar as operações ou quando haverá necessidade de financiamentos bancários. Empresas que necessitem continuamente de empréstimos de última hora poderão se deparar com dificuldades de encontrar bancos que as financie. (Gitman, 1997:586). Estudar o Fluxo de Caixa é, em última análise, procurar compreender o processo de formação de liquidez na empresa. É identificar que atividades estão gerando um Fluxo de Caixa positivo ou negativo e que atividades estão eventualmente impedindo o caixa gerado de tornar-se disponível. Neste sentido, poderíamos afirmar que a geração de liquidez é mais importante do que a geração de lucro já que o que quebra uma empresa não é a falta de lucro; é a falta de liquidez.

6 6 METODOLOGIA A metodologia a utilizada é aplicada é baseada numa pesquisa explicativa, descritiva e exploratória a dados bibliográficos e pesquisa na internet, com ênfase na importância do Fluxo de Caixa como instrumento de gestão financeira e empresarial.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I - FLUXO DE CAIXA CONCEITOS E ABORDAGENS 10 CAPÍTULO II - ANÁLISE FINANCEIRA DO FLUXO DE CAIXA 20 CAPÍTULO III A UTILIZAÇÃO DE INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS 28 CONCLUSÃO 33 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 34 ÍNDICE 40 FOLHA DE AVALIAÇÃO 41

8 8 INTRODUÇÃO O termo Fluxo de Caixa é também denominado pela expressão inglesa cash flow, mas outras denominações são utilizadas: orçamento de caixa, fluxo de recursos financeiros, fluxo de capitais, fluxo monetário e movimento de caixa (Zdanowicz,2002). A expressão Fluxo de Caixa é consagrada pelo uso e pela prática, ao longo do tempo, porém não se deve confundir com a conta caixa do ativo disponível da empresa. Procura-se administrar financeiramente a empresa, através do fluxo de caixa, utilizando-se as seguintes contas: caixa, bancos e aplicações financeiras de resgate imediato da empresa, em síntese, consiste no fluxo do disponível (Zdanowicz,2002). Ao caracterizar-se Fluxo de Caixa, deve-se conhecer quais são os tipos de recursos, que normalmente, ingressam no caixa e de que forma eles são desembolsados, pois somente através desse conhecimento pode-se realizar as análises do fluxo destes recursos no caixa da empresa (Zdanowicz,2002). O Fluxo de Caixa é a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Sendo elaborado com base em dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais da empresa. Sendo usado para obter informações, tais como: qual a capacidade da empresa gerar recursos para financiar suas operações? Se a empresa é geradora de caixa, porque o dinheiro não aparece? Se a empresa não é geradora de caixa, o que tem viabilizado suas operações? Quais as necessidades de capital de giro da empresa? Qual a relação ótima ente o capital de giro próprio e o de terceiros na empresa? Qual o saldo de caixa mínimo que a empresa deve manter para fazer face as suas obrigações financeiras? Qual a capacidade da empresa imobilizar ou distribuir dividendos sem fragilizar a estrutura do capital de giro? A capacidade de geração de caixa

9 9 da empresa é compatível com suas políticas de reposição de estoques e de financiamento de seus clientes?. A gestão dos recursos financeiros representa uma das principais atividades da empresa, fazendo-se necessário um efetivo planejamento dos montantes captados e o acompanhamento dos resultados obtidos, com o objetivo de administrar tais recursos, possibilitando uma melhor operacionalização (Barbosa 2003).

10 10 CAPÍTULO I FLUXO DE CAIXA CONCEITOS E ABORDAGENS Podemos definir o Fluxo de Caixa como sendo o instrumento que relaciona o montante de entradas e saídas de recursos financeiros na empresa em um determinado período. Conforme relata Zdanowicz (2003, p. 23): fluxo de caixa é o instrumento que relaciona o futuro conjunto de ingressos e desembolsos de recursos financeiros pela empresa em determinado período. O Fluxo de Caixa consiste na representação da situação financeira de uma empresa, levando em conta todas as fontes de recursos e todas as aplicações na atividade produtiva, bem como em investimentos. Segundo Sá (1998, p3): O Fluxo de Caixa apresenta-se como uma ferramenta de aferição e interpretação de variações dos saldos do disponível da empresa.é produto final da integração do Contas a Receber com o Contas a Pagar, de tal forma, que quando se comparam as contas recebidas com as contas pagas tem o fluxo de caixa realizado, e quando se comparam as contas a receber com as contas a pagar, tem-se o fluxo de caixa projetado. De acordo com Assaf Neto e Silva (1997, p35): O Fluxo de Caixa é um instrumento que relaciona os ingressos e saídas (desembolsos) de recursos monetários no âmbito de uma empresa em determinado intervalo de tempo. A partir da elaboração do Fluxo de Caixa é possível prognosticar eventuais excedentes ou escassez de caixa, determinando-se medidas saneadoras a serem tomadas. Assim, com os conceitos abordados, e certo de que se vive em um ambiente altamente competitivo, em que aplicar recursos disponíveis com a máxima eficiência torna-se cada vez mais difícil, tem-se no Fluxo de caixa um elenco de informações que auxiliam os gestores nesta árdua tarefa de administrar empresas. O Fluxo de Caixa constitui ferramenta de fundamental importância para a boa administração e avaliação das organizações. A sua adoção

11 11 possibilita uma boa gestão dos recursos financeiros, evitando situações de insolvência ou falta de liquidez que representam sérias ameaças à continuidade das organizações. A boa utilização da ferramenta Fluxo de Caixa também possibilita o conhecimento do grau de independência financeira das organizações, com base na avaliação do seu potencial para geração de recursos no futuro para saldar seus compromissos e para pagar a remuneração dos seus empreendedores. Viabiliza, ainda, a avaliação da capacidade de financiamento do seu capital de giro ou se depende de recursos externos, permitindo conhecer a capacidade de expansão com recursos próprios, gerados a partir de suas próprias operações a aferir o potencial efetivo das organizações para implementar decisões de investimento, financiamento, distribuição de lucros e/ou pagamento de dividendos. Também gera indicadores do momento ideal para a realização de empréstimos ou captações de recursos externos, tanto para a cobertura de eventuais situações déficits, como para implementar decisões que dependem de aportes adicionais, além de orientar as aplicações dos excedentes de caixa (superávits) no mercado financeiro, possibilitando maiores ganhos para a organização e melhor contabilização dos prazos. 1.1 Objetivos do Fluxo de Caixa Tem como objetivo principal, a previsão das entradas e saídas de recursos financeiros para um determinado período, visando alertar o administrador quanto à necessidade de captar empréstimos, ou se for o caso, aplicar valores excedentes de caixa em aplicações que sejam mais rentáveis para a empresa. Também fazem parte dos objetivos do Fluxo de Caixa, conforme define Zdanowicz (2000, p. 23): Buscar o equilíbrio financeiro entre os fluxos de entradas e saídas de recursos; Saldar as obrigações incorridas dentro do prazo

12 12 estabelecido; Prever desembolsos de caixa em volumes elevados em épocas de encaixe baixo; Proporcionar ao gestor financeiro uma visão estratégica da situação da empresa; Demonstrar em que período a empresa precisa captar recursos ou aplica-los quando existir excedente de caixa; Visualização do volume de vendas da empresa; Análise da situação de inadimplência dos clientes Caberá ao gestor financeiro, com estas informações, analisar e tirar conclusões de como a empresa deverá se comportar no período, ou seja, a função principal do administrador é assegurar o controle financeiro da empresa. Desta forma ele proporcionará o equilíbrio entre as entradas e saídas de caixa. Para Matarazzo (1998, p 369), muitas empresas vão à falência por não saberem administrar seu fluxo de caixa. E destaca, como principais finalidades da demonstração do Fluxo de Caixa, as seguintes: Avaliar alternativas de investimentos; Avaliar e controlar ao longo do tempo as decisões importantes que são tomadas na empresa, com reflexos monetários; Certificar que os excessos momentâneos de caixa estão sendo devidamente aplicados. Desta forma, conclui-se que a finalidade principal do fluxo de caixa é maximizar a aplicação dos recursos próprios e de terceiros dentro da empresa, direcionando estes recursos para as atividades mais rentáveis, com vistas a produzir os melhores resultados para a empresa. Para que tudo isso ocorra de forma perfeita, é de suma importância a participação de todos os setores da empresa, fornecendo informações corretas e objetivas ao gestor financeiro. 1.2 Planejamento do Fluxo de Caixa É importante o planejamento do Fluxo de Caixa, porque este indicará antecipadamente as necessidades de numerário para o cumprimento das obrigações que a empresa costuma assumir, considerando os prazos para

13 13 serem saldados Colocando o administrador financeiro apto a planejar com antecedência, os problemas de caixa que poderão surgir em razão de reduções de receitas ou de aumentos no volume de despesas. Outro papel importante que o Fluxo de Caixa desempenha é a possibilidade de evitar a programação de desembolsos volumosos para o período em que os ingressos orçados sejam baixos por questões de mercado, por exemplo. O planejamento do Fluxo de Caixa permite ao administrador financeiro verificar se poderá realizar aplicações a curto prazo com base na liquidez, na rentabilidade e nos prazos de resgate Nestes termos o Fluxo de Caixa é de vital importância para a eficácia econômica-financeira e gerencial das empresas, sejam elas micro, médias ou grandes, a tal ponto, que muitas instituições de crédito exigem a sua apresentação antes de concederem empréstimos a seus clientes (Zdanowicz, 2002). A empresa, para utilizar o Fluxo de Caixa e alcançar os objetivos e as metas propostas, não deve medir esforços na sua implantação e implementação, em termos empresariais. Ela deve manter um nível razoável, não poderá ser arbitrário, porém determinado pelo administrador financeiro de acordo com os parâmetros operacionais da empresa. Para que a empresa obtenha resultados positivos através do Fluxo de Caixa é necessário que observe requisitos como: buscar a maximização do lucro, possuindo certos padrões de segurança previamente fixados; assegurar ao caixa um nível desejado, a partir da constituição de reservas necessárias á empresa; obter maior liquidez nas aplicações dos excedentes de caixa no mercado financeiro; determinar o nível desejado de caixa, a partir de contas que compões o disponível da empresa; fixar limites mínimos, mediante as experiências adquiridas pela empresa, permitindo realizar os ajustes quando for necessário; ainda que a empresa observe certos padrões de segurança, pode investir parte de seus recursos disponíveis, mas nunca além do mínimo necessário para as suas atividades operacionais (Zdanowicz, 2002).

14 Prazo de Planejamento do Fluxo de Caixa O período abrangido pelo planejamento do Fluxo de Caixa depende do tamanho e ramo da atividade da empresa Em geral, quando as atividades estão sujeitas a grandes oscilações, a tendência é para estimativas com prazos curtos (diário, semanal ou mensal), enquanto as empresas que apresentam volume de vendas estável, preferem projetar o Fluxo de Caixa para períodos longos (trimestral, semestral ou anual) A finalidade do planejamento também influi no período pelo mesmo. É importante a empresa trabalhar com um planejamento mínimo para três meses. O Fluxo de Caixa mensal deverá, posteriormente, transformar-se em semanal e este em diário. O modelo diário fornecerá a posição dos recursos em função dos ingressos e desembolsos de caixa, constituindo em poderoso instrumento de planejamento e controle financeiro (Zdanowicz, 2002). 1.4 Elaboração e Implantação do Fluxo de Caixa Na elaboração do fluxo de caixa devemos partir das informações coletadas dos diversos setores da empresa, seguindo o cronograma de ingressos e desembolsos estabelecidos e posteriormente remetido ao departamento financeiro da empresa. As informações de estimativa abaixo, de acordo com os períodos de tempo, são úteis para a elaboração do fluxo de caixa, conforme enfatiza Zdanowicz (2000, p. 131): previsão de vendas, levando em conta as proporções de vendas a vista e a prazo; projeção das compras e as condições de pagamento oferecidos pelos fornecedores; levantamento das cobranças efetivas com os créditos a receber de clientes; estabelecimento do período de abrangência do fluxo de caixa, de acordo com as necessidades, tamanho, organização e ramo de atividade; previsão dos ingressos e desembolsos de caixa para o período estabelecido. Com estes dados o setor financeiro deverá estar atualizado no que diz respeito às mudanças que possam ocorrer no mercado, aliado a um amplo conhecimento da situação econômica do país e do mundo.

15 15 A implantação do fluxo de caixa está ligada diretamente a apropriação dos valores fornecidos e coletados pelos diversos setores da empresa. Mas antes da implantação do fluxo de caixa, é preciso seguir alguns requisitos de Zdanowicz, como: Apoio total da cúpula diretiva da empresa; Estabelecimento claro dos níveis de responsabilidade de casa área da empresa; Integração total de todos os setores da empresa ao sistema do fluxo de caixa; Definição dos responsáveis pela entrega, dentro do prazo estabelecido dos formulários; Treinamento do pessoal envolvido na implantação do fluxo de caixa; Comprometimento dos responsáveis de cada área. Após os requisitos básicos estarem todos efetuados, o gestor financeiro deverá implantar o fluxo de caixa, que consiste basicamente em estruturar as estimativas de cada unidade monetária em dois grandes itens: o planejamento do ingresso e o planejamento do reembolso, ou seja, como ocorrerão estes ingressos e reembolsos, qual o período de maior entrada no caixa, ou em que período a empresa terá escassez de ingressos. Desta forma, os ingressos e desembolsos poderão ser subdivididos em fluxo operacional, que é composto por itens, que estão ligados diretamente à atividade real da empresa Os principais tipos de ingressos operacionais são as vendas à vista, recebimentos, descontos, cauções e cobranças das duplicatas de vendas a prazo efetuadas pela empresa. Quanto aos desembolsos operacionais, estão relacionados com a compra de matéria-prima, à vista e a prazo, salários e ordenados, custos indiretos de fabricação, despesas administrativas, despesas com vendas, despesas financeiras e despesas tributárias; e fluxo extra-operacional, que compreende os ingressos e os desembolsos de itens que não estão ligados à atividade principal da empresa,

16 16 tais como: imobilizações, vendas de itens do ativo permanente, receitas financeiras, aluguéis recebidos ou pagos, amortizações de empréstimos ou financiamentos, pagamentos de contraprestações. Dois destes itens merecem maior destaque: as amortizações que compreendem os pagamentos de empréstimos de longo prazo, geralmente concedidos com garantia de bens dos sócios ou da empresa; a fim de facilitar a projeção destes desembolsos, recomenda-se uma planilha de acompanhamento para cada contrato assinado pela empresa com as instituições financeiras, bem como a projeção das parcelas com os seus respectivos valores e as datas de vencimento. Quanto a projeção das imobilizações, deve ser elaborada pela administração da empresa. Como se tratam de aplicações, é preciso ter precaução, a fim de não se deslocar e congelar recursos que poderiam ser usados no capital de giro da empresa. É preciso salientar que as informações, até este estágio apresentadas, devem refletir a posição do fluxo de caixa da empresa em cada período. Empresas que apresentam situação de desequilíbrio financeiro devem se reestruturar, planejando para cada período o pagamento de uma parcela que porventura esteja em atraso. Desta forma, estará recuperando uma posição de liquidez normal. Uma situação de atrasos de pagamentos compromete seriamente o sucesso do fluxo de caixa. 1.5 Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa O Fluxo de Caixa de uma empresa é afetado por uma série de fatores, que podem ser internos ou externos. O administrador financeiro deve estar atento, acompanhando a evolução observada no fluxo de caixa, para tomar medidas corretivas em tempo hábil, de forma a minimizar o impacto nas contas da empresa. Conforme define Guerreiro (1996, p 74): Fatores internos: expansão descontrolada das vendas, aumentando o volume de compras e os custos operacionais; aumento no prazo de vendas, como forma de aumentar seu grau de competitividade ou aumentar a participação no mercado; compras em volumes incomparáveis coma projeções de vendas; ciclos de produção longos e incompatíveis com o prazo médio concedido pelos fornecedores; giros de estoque lento, significando o aumento de produtos obsoletos ou de

17 17 difícil venda, imobilizando recursos da empresa no estoque; aumento do nível de inadimplência. Atores Externos: diminuição das vendas, causadas por retração do mercado; aumento da concorrência, devido À entrada de novos concorrentes no mercado; aumento nas alíquotas de impostos; aumento geral do nível de inadimplência, causado por fatores como por exemplo, o aumento das taxas de juros Fluxo de Caixa como Ferramenta de Planejamento Em todos os segmentos empresariais o planejamento é fundamental Não importa a área de atuação ou setor da empresa. Não é diferente quando se planeja o fluxo de caixa. De acordo com Zdanowicz (2000, p. 24): Os erros e os problemas decorrentes da utilização do planejamento são, provavelmente maiores que os resultantes das estimativas realizadas previamente pela empresa em seu plano geral de operações. Uma das tarefas mais importantes do administrador financeiro é planejar. Se não for realizado um planejamento prévio das atividades, o gestor financeiro corre o risco de ser pego de surpresa, colocando a empresa em sérias dificuldades e até mesmo levando-a á falência A vida da empresa na pode ser uma aventura expondo-a aos acontecimentos futuro incertos, sem um mínimo de planejamento e de controle financeiro. É papel do administrador financeiro verificar e analisar se o que foi planejado está sendo realizado. Desta forma, se o que foi estimado não estiver de acordo, caberá ao mesmo rever as metas e os objetivos traçado, a fim de que a empresa acompanhe as mudanças que porventura ocorram. Um planejamento cuidadoso promove uma melhor utilização dos recursos financeiros, prevendo não só um eventual déficit, como também um possível superávit.

18 Fluxo de Caixa como Ferramenta de Controle das Operações As operações financeiras que normalmente influenciam a projeção do fluxo de caixa classificam-se de várias formas, de acordo com a ótica com que se pretende analisa-las, podemos descrever as mais comuns: Quanto às características: Operações bancárias comuns: descontos de duplicatas, cobranças de títulos e adiantamento de duplicatas; Operações bancárias especiais: financiamentos das vendas a prazo, empréstimos com penhor mercantil; Operações de financiamento: captação de recursos ao longo prazo, que são realizadas em instituições financeiras de fomento e no mercado de capitais. Essas operações resultam das entradas de capital e constituem-se em débitos da empresa São registrados como empréstimos ou financiamentos passivos Nas empresas em que há saídas de capital e formação de créditos, registram-se como operações ativas O fluxo de caixa auxiliará o gestor financeiro a controlar todas as operações financeiras que existem em uma empresa Com o fluxo de caixa em mãos o administrados financeiro poderá, por exemplo, observar se o volume de compras está compatível com o volume de vendas. Poderá ainda detectar os períodos em que existe a oscilação da vendas, analisando as causas e buscando alternativas capazes de fazer com que o reflexo disto seja o menos possível para a empresa.

19 19 CAPÍTULO II ANÁLISE FINANCEIRA DO FLUXO DE CAIXA Através da elaboração do Fluxo de Caixa, o administrador financeiro procura conciliar a manutenção da liquidez e do capital de giro da empresa, para que esta possa honrar com as obrigações assumidas perante terceiros na data do vencimento, bem como a maximização dos lucros sobre os investimentos realizados pelos acionistas. As estimativas de ingressos e reembolsos, através do Fluxo de Caixa baseiam-se nas projeções de vendas e compras da empresa Por sua vez, os planos de vendas deverão estar condicionados aos recursos disponíveis de caixa e aos lucros desejados. Assim sendo, temos um sistema mutuamente determinado. Somente pode-se projetar o Fluxo de Caixa e os lucros, a partir de uma estimativa de vendas, de produção e de despesas operacionais da empresa. Nestes termos, não se pode fazer um orçamento de vendas final, a não ser depois de termos testado o efeito das vendas orçadas sobre o Fluxo de Caixa e os lucros projetados para o período. 2.1 Tipos de Fluxos de Caixa Segundo Rosa e Silva (2003, p. 2): a finalidade do fluxo de caixa realizado é mostrar como se comportaram as entradas e saídas de recursos financeiros da empresa. O estudo cuidadoso do fluxo de caixa realizado, além de propiciar análise de tendência, serve de base para o planejamento do fluxo projetado. Outro aspecto que deve ser considerado é a comparabilidade que existe entre os fluxos de caixa realizado e o projetado. Isto possibilita identificar os motivos das variações ocorridas, se ocorreram por falha de projeção ou por falha de gestão. Denomina-se Fluxo de Caixa Realizado de uma empresa, o conjunto de ingressos e de desembolsos de recursos financeiros realizados pela empresa

20 20 em determinado momento ou período entende-se por conjuntos de ingressos: vendas à vista, recebimentos de vendas a prazo, aumento de capital social, vendas de itens imobilizados, receitas de aluguéis, empréstimos e resgates de aplicações no mercado financeiro, e por conjunto de desembolso de caixa: financiar o ciclo operacional da empresa, amortizar os empréstimos ou financiamentos captados pela empresa e investir em itens do ativo permanente ou aplicar no mercado financeiro O relatório Fluxo de Caixa realizado permite ao administrados visualizar como foram obtidos os recursos de caixa e onde eles foram aplicados. Exemplo de Fluxo de Caixa Realizado: Entradas (recebimentos) Receitas Recebidas R$ Financiamentos Obtidos R$ Soma R$ Saídas (pagamentos) Despesas Pagas (R$ ) Aquisição de Imobilizado (R$ ) Soma (R$ ) Saldo R$ O Fluxo de Caixa realizado pode ser apresentado de duas maneiras, pelo método direto e pelo método indireto, como modelo abaixo de Herval Moura e Kelly Marques (Rosa e Silva, 2000): Fluxo de Caixa - Método Direto Entradas e Saídas de Caixa e Equivalentes de caixa Fluxo de Caixa das Atividades Operacionais

21 21 Venda de mercadoria e serviços (+) Pagamento de Fornecedores (-) Salários e encargos sociais dos empregados (-) Dividendos recebidos (+) Impostos e outras despesas legais (-) Recebimentos de seguros (+) Caixa líquido das atividades operacionais (+/-) Fluxo de Caixa das Atividades de Investimento Venda de imobilizado (+) Aquisição de imobilizado (-) Aquisição de outras empresas (-) Caixa líquido das atividades de investimento (+/-) Fluxo de Caixa das Atividades de Financiamento Empréstimos líquidos tomados (+) Pagamentos de leasing (-) Emissão de ações (+) Caixa líquido das atividades de financiamento (+/-) Aumento/diminuição líquido de caixa e equivalentes de caixa Caixa e equivalentes de caixa - início do ano Caixa e equivalentes de caixa - final do ano Fluxo de Caixa - Método Indireto Entradas e Saídas de Caixa e Equivalentes de caixa Fluxo de Caixa das Atividades Operacionais Lucro liquido Depreciação e amortização (+) Provisão para devedores duvidosos (+) Aumento/diminuição em fornecedores (+/-) Aumento/diminuição em contas a pagar (+/-) Aumento/diminuição em contas a receber (+/-) Aumento/diminuição em estoques (+/-) Caixa líquido das atividades operacionais (+/-) Fluxo de Caixa das Atividades de Investimento

22 22 Venda de imobilizado (+) Aquisição de imobilizado (-) Aquisição de outras empresas (-) Caixa líquido das atividades de investimento (+/-) Fluxo de Caixa das Atividades de Financiamento Empréstimos líquidos tomados (+) Pagamentos de leasing (-) Emissão de ações (+) Caixa líquido das atividades de financiamento (+/-) Aumento/diminuição líquido de caixa e equivalentes de caixa Caixa e equivalentes de caixa - início do ano Caixa e equivalentes de caixa - final do ano De acordo com o Statement of Cash Flows (SFAS) nº 95 (FASB Financial Accounting Standard Board, 1997), as empresas podem escolher entre apresentar o Fluxo de Caixa pelo método direto ou indireto, mas são incentivadas a usar o direto. O método indireto é aquele no qual os recursos, provenientes das atividades operacionais, são demonstradas com base no lucro líquido, ajustado pelos itens considerados nas contas de resultados e que não afetam o caixa da empresa. O método direto é aquele em que são demonstrados os recebimentos e pagamentos, provenientes das atividades operacionais da empresa, em vez do lucro líquido ajustado. De acordo com Rosa e Silva (2003, p 3), o objetivo principal do fluxo de caixa projetado é informar como se comportará o fluxo de entradas e saídas de recursos financeiros em determinado período, podendo ser projetado a curto ou longo prazo. É bom lembrar que as informações de que a empresa dispões para elaborar o fluxo de caixa projetado a curto prazo diferem daquelas que estão disponíveis quando projeta a longo prazo. Normalmente quando se projeta a curto prazo, as principais operações que vão provocar entradas e saídas de dinheiro já foram realizadas e a empresa trabalha com relativo grau de certeza dos recebimentos e pagamentos dentro do período. No entanto, quando se projeta a longo prazo, o que se conhece são apenas projeções das operações de ingressos e/ou desembolsos de recursos financeiros, ficando o fluxo de caixa projetado a longo prazo exposto a eventos estranhos ao conhecimento primário por parte da empresa, podendo comprometer as previsões consideradas..

23 23 O Fluxo de Caixa Projetado mede as necessidades futuras de recursos, a capacidade de pagamento pontual dos compromissos assumidos, bem como a disponibilidade para investimentos. A sua construção consiste em, a partir de um saldo disponível, projetar os ingressos e desembolsos para um determinado período. Sem um Fluxo de Caixa projetado a empresa não sabe antecipadamente quando precisará de um financiamento, e normalmente sai desesperada procurando recursos quando seu caixa estoura, fazendo assim, operações com altas taxas de juros como: cheque especial, desconto de duplicatas, entre outras, ou quando saberá ainda quando irá ocorrer a sobra de recursos onde poderá aplicar no mercado financeiro, ganhando juros, reduzindo o custo do capital de terceiros emprestado. Esses motivos normalmente são responsáveis pelos insucessos financeiros das empresas, por isso a importância do planejamento do Fluxo de Caixa, porque irá indicar antecipadamente as necessidades de numerários para o atendimento dos compromissos que a empresa costuma assumir, considerando os prazos para seres saldados. Com isso, o administrador estará apto a planejar com devida antecedência, os problemas de caixa que poderão surgir em conseqüência de reduções cíclicas das receitas ou o aumento no volume de pagamentos. Também desempenha outro papel importante, por exemplo, permite ao administrador financeiro verificar se poderá realizar aplicações a curto prazo com base na liquidez, na rentabilidade e nos prazos de resgate. O período abrangido pelo planejamento de Fluxo de Caixa projetado depende do tamanho e ramos de atividade da empresa. EM geral, quando as atividades estão sujeitas a grandes oscilações, a tendência para estimativas com prazos curtos (diários, semanais ou mensais), enquanto as empresas que apresentam o volume estável, preferem projetar para um período mais longo (mensal, trimestral ou semestral). Exemplo de Fluxo de Caixa Projetado:

24 24 Fluxo de Caixa Projetado para o mês de Julho Data: 01/07/2007 Saldo disponível em 30/06/2007 R$ ,00 Entradas previstas R$ 5.000,00 Desembolsos previstos R$ (3.000,00) Saldo final em 01/07/2007 R$ ,00 Data: 02/07/2007 R$ ,00 Saldo disponível em 01/07/2007 R$ 1.000,00 Entradas previstas R$ (15.000,00) Desembolsos previstos R$ (2.000,00) Saldo final em 0207/2007 Recomenda-se que se faça um acompanhamento entre o fluxo de caixa projetado e o realizado, informando periodicamente aos responsáveis pela elaboração do fluxo, o valor realizado e quando falta pra realizar. Mensalmente, os planos deverão ser revistos e atualizados, ou em períodos mais curtos se for necessário Duas são as alternativas de procedimento no levantamento de dados: pela contabilidade ou por controle paralelo. Ideal seria um controle próprio do realizado, o qual permite a apuração imediata das informações e dá mais flexibilidade ao sistema. As fontes de informações são o movimento interno de caixa e extracaixa e o movimento bancário da empresa. Os acompanhamentos de ingressos e desembolsos do fluxo de caixa devem estar comprovados por documentos desta forma estar-se-á garantindo a legitimidade das operações de caixa Este procedimento irá permitir que se faça um controle de todas as operações realizadas pela empresa num determinado período. O Fluxo de Caixa é um grande aliado do administrador financeiro tornando-se ferramenta indispensável na tomada de decisões, para tanto é

25 25 necessário que o administrador financeiro busque alternativas para fazer com que as decisões tomadas sejam as mais corretas possíveis. 2.2 Análise de Dados O Fluxo de Caixa é de fundamental importância para as empresas, pois constitui peça indispensável de sinalização para os rumos financeiros de uma organização. Evitar falta de recursos e conseqüente crise de liquidez nas empresas ou, através do seu conhecimento, de forma antecipada, minimizar seus efeitos, representa uma das principais funções do fluxo de caixa. Através de uma adequada gestão de caixa podemos reduzir substancialmente a necessidade de capital de giro, proporcionando maiores lucros em função, principalmente, da redução das despesas financeiras. Daí a importância da revisão e análise criteriosa do fluxo de caixa, pois só assim a empresa poderá aferir os resultados efeitos. De nada adianta efetuar projeções de fluxo de caixa se o mesmo não for utilizado como ferramenta básica no processo decisório. A projeção das necessidades futuras, indicará escassez ou excesso de recursos em determinado período e a avaliação desses resultados, permitirá que a empresas tome as providências em tempo hábil e reprojete seu fluxo de caixa em função das novas situações. Análise Horizontal A análise horizontal fornece a medida de crescimento dos itens do fluxo de caixa. Permite que se tenha conhecimento da evolução de cada item do fluxo de caixa dentro de uma série histórico.

26 26 Por ocasião da análise horizontal, deve-se ficar atento às variações percentuais elevadas,mas que seu valor absoluto não seja representativo, ou o contrário quando uma variação percentual reduzida pode ter embutido um valor absoluto considerável. Daí a importância da análise, conjugada com a análise vertical para real compreensão da situação analisada. Segundo Hugo (1999, p. 132) A análise horizontal é determinada pela tendência dos valores absolutos ou relativos das diversas grandezas monetárias, apurando-se o percentual de crescimento ou declínio de valores de uma mesma conta ou grupo de contas, entre duas datas ou períodos considerados Ou seja, a análise vertical compara a evolução dos valores de uma mesma conta em períodos diferentes, desta forma permite verificar as diferentes variações incorridas nos períodos. A fórmula para a análise vertical do fluxo de caixa está indicada a seguir: Análise Horizontal = VALOR DO ÍTEM EM UM PERÍODO ESPECÍFICO DA SÉRIE VALOR DO ITEM NO ANO BASE Análise Vertical Esse tipo de análise representa importante ferramenta de interpretação da estrutura de fluxo de caixa. Através desta análise é possível identificar itens no fluxo de caixa cuja participação é bastante representativa, tornando-se, assim, alvo de uma análise mais profunda. Define Dante (1994, p. 251): análise vertical baseia-se em valores percentuais das demonstrações financeiras. Para isso calcula-se o percentual de cada conta em relação a

27 27 um valor base. Conclui-se que a análise vertical compara as diversas contas de uma demonstração financeira, com uma respectiva conta. O caixa líquido das atividades operacionais é a base a ser considerada para a análise vertical do fluxo de caixa, pois representa o montante que a empresa gerou de caixa internamente, tornando-se assim, ponto de referência para o cálculo dos percentuais de participação dos demais itens do fluxo de caixa. No caso do fluxo de caixa é de suma importância calcular-se em relação ao total de ingressos incorridos no período, uma vez que estes, os ingressos, é que determinam o potencial da capacidade de pagamento, conhecendo os possíveis problemas que ocorrem no dia-a-dia da empresa, em algumas situações comprometendo o cumprimento das obrigações assumidas. A fórmula para análise vertical do fluxo de caixa está indicada a seguir: Análise Vertical = VALOR DO ÍTEM X 100 VALOR DO CAIXA LÍQUIDO DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Deve-se observar também a tendência dessa participação ao longo de dois ou mais período.

28 28 CAPÍTULO II UTILIZAÇÃO DOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS A análise econômico-financeira deve ser vista por uma visão qualitativa e quantitativa, conhecendo as diversas possibilidades e as modalidades pelas quais as inversões se transformam em recursos financeiros indispensáveis ao processo operacional da organização. Assim sendo, se aconselha verificar tanto os bens e os direitos como as obrigações para que em função das composições existentes tenha-se a idéia de melhor administrar o fluxo de caixa dentro dos parâmetros de maio eficiência, isto é, liquidez e rentabilidade. Quanto maior for o disponível, a liquidez será melhor e maior será a capacidade da empresa em pagar as suas despesas. Entretanto, deve-se considerar o grau de liquidez que pode afetar o processo operacional, caso seja deficiente de recursos, e atrapalhar a rentabilidade da organização. É normal que as empresas usarem capitais de terceiros para dar continuidade ao seu processo operacional, isto é, via compras a prazo, ou via empréstimos para suprir as deficiências de caixa. Tanto as compras a prazo, como os empréstimos só são conseguidos através do pagamento de uma determinada remuneração conhecida por juros. Existe também a necessidade de firmar os prazos para pagamentos, o quanto será pago e analisar quanto será o valor do empréstimo, quando acrescido dos encargos financeiros correspondentes. Segundo Zdanowicz (2000), o principal objetivo de uma empresa deve ser a maximização do lucro ou minimização de custos, decorrentes dos recursos aplicados na sua atividade operacional. O planejamento dos lucros

29 29 necessita ser feito, de acordo com o contexto da análise crítica dos pontos fortes e fracos da empresa, dos riscos e das possibilidades existentes no mercado em que a mesma atua, da mesma maneira que as expectativas dos proprietários ou acionistas, dos empregados, fornecedores, etc. Uma análise de indicadores financeiros através do fluxo de caixa tem por objetivo criar relações entre os dados econômico-financeiros da empresa, para levantar os pontos de estrangulamento que podem ocasionar desequilíbrios a curto ou longo prazo. Para isso usam-se dados internos e externos à empresa. No âmbito interno, todos os dados utilizados são provenientes, basicamente, dos registros contábeis, isto é, das demonstrações financeiras, em especial do balanço patrimonial e do demonstrativo de resultado do exercício. No âmbito externo, as informações são conseguidas de empresas do mesmo segmento, nos concorrentes e nas entidades de classe. É através da comparação de resultados auferidos com os padrões internos pré-fixados ou com os resultados conseguidos fora da empresa, que se poderá verificar a evolução ou retrocesso acontecido. Zdanowicz (2000) diz que a análise de indicadores econômicofinanceiros se destina a: Criar relações entre os dados econômico-financeiros da empresa; Estabelecer os pontos de estrangulamento e de desequilíbrio da empresa; Analisar os dados internos e externos à empresa; Verificar a evolução ou retrocesso da empresa. A análise de indicadores econômico-financeiros pode ser feita de diversas maneiras diferentes. As mais usuais, segundo Zdanowicz (2000), são:

30 30 Por índices; Por tendência; Por ponto de equilíbrio. A série de indicadores econômico-financeiros, em conjunto com o Fluxo de Caixa, poderão calcular a liquidez e a rentabilidade da empresa. De qualquer forma, os índices podem sofrer desatualização, quando não existe uma revisão periódica por parte do gerente financeiro, dos indicadores fixados e a sua comparação com os que estão estabelecidos pela média setorial ou da economia. Os índices econômico-financeiros podem ser subdividos em: Indicadores não operacionais, que refletem a posição da empresa em determinado momento. São formados a partir dos dados do balanço patrimonial e mantém restrita ligação com o Fluxo de Caixa da empresa. A análise de indicadores de balanço patrimonial é a decomposição deste nas partes que o formam, com o objetivo de melhorar a interpretação dos seus componentes, verificando o planejamento e o controle financeiro do Fluxo de caixa. Os indicadores operacionais são os que refletem o dinamismo da empresa, decorrentes de suas atividades econômicas, durante determinado período. A demonstração de resultado do exercício é a fonte principal de dados para o calculo dos principais indicadores econômicos. Com relação aos indicadores globais, também denominados de atividades, são constituídos a partir dos dados do demonstrativo de resultado do exercício, dos inventários e do balanço patrimonial. São importantes pois permitem ao gerente financeiro fazer com segurança a avaliação dos

31 31 investimentos aplicados, principalmente de curto prazo, que irão refletir no fluxo de caixa da empresa. Estes tipos de análises podem ser realizados sob diversos modos, porém sob o ângulo da Administração financeira a análise é feita principalmente, por dois aspectos diferentes: Análise dos indicadores pelo aspecto financeiro; Análise dos indicadores pelo aspecto econômico. Desse modo, a análise de indicadores financeiros ressalta a liquidez, enquanto a análise do ponto de vista econômico é realizada em relação à aplicação e ao rendimento do capital investido na empresa. A análise de liquidez tem como intuito a medição da capacidade da empresa em pagar os seus compromissos na data de vencimento. Esta medida é fornecida através de índices ou de indicadores de liquidez. Os índices são dados pelas relações que se podem criar entre determinadas contas do ativo, do passivo e do patrimônio líquido da empresa.

32 32 Conclusão A utilização de ferramentas gerenciais, como Fluxo de Caixa é necessária para se obter uma boa gestão financeira. Tal ferramenta gerencial tem a finalidade de direcionar as ações dos coordenadores e gerentes financeiros, proporcionado uma visão futura dos recursos financeiros da empresa na busca pelo equilíbrio de contas, a partir da visualização de períodos determinados e de um planejamento. Proporcionando facilidades, como o controle de desembolsos de caixa, investimentos, análise dos melhores períodos para pagamento e da programação de prazos para venda. O Fluxo de Caixa pode ser utilizado por qualquer empresa, sendo este diferenciado apenas pelas características peculiares existentes (prazos de recebimento e pagamento, operações, etc), tornando possível a verificação das disponibilidades e a ordenação da movimentação financeira, independente do porte ou da área de atuação da empresa, propiciando, dessa forma, a reordenação em tempo hábil de deficiências na geração de caixa, assim, como a análise posterior de possíveis distorções ocorridas entre o que fora previsto e o que foi efetivamente realizado, evitando que esses problemas voltem a ocorrer. Com a implementação do Fluxo de Caixa, como uma das ferramentas gerenciais para operacionalização da gestão financeira, será possível obter informações imprescindíveis para a tomada de decisões e resultados satisfatórios a curto e longo prazo para fins de investimento do ativo permanente. Porém, a simples formalização dessa ferramenta não será suficiente para a resolução de problemas normalmente enfrentados, sendo de inteira responsabilidade do administrador financeiro a elaboração e implementação de medidas para que a empresa alcance as metas estabelecidas. A implantação do Fluxo de Caixa consiste em apropriar os valores fornecidos pelas várias áreas da empresa, segundo regime de caixa, em

33 33 conformidade com os períodos que efetivamente deverão ocorrer os ingressos e desembolsos de caixa (Zdanowicz,2002). O principal aspecto é a apropriação dos valores, em conformidade com os períodos que irão ocorrer efetivamente recebimentos e pagamentos de caixa pela empresa. A implantação do Fluxo de Caixa consiste em estruturar as estimativas de cada unidade monetária em dois grandes itens: o planejamento dos ingressos e o planejamento dos desembolsos, que poderão ser subdivididos em fluxo operacional e fluxo extra-operacional. O fluxo operacional compõe-se de itens estritamente decorrentes da atividade fim da empresa. As principais modalidades de ingressos operacionais são as vendas à vista, recebimentos, descontos, cauções e cobranças de duplicatas de vendas a prazo realizadas pela empresa. O extra-operacional compreende os ingressos e os desembolsos de itens não relacionados a atividade principal da empresa, como, imobilizações, vendas de itens do ativo permanente, receitas financeiras, aluguéis recebidos ou pagos, amortizações de empréstimos ou de financiamentos, pagamentos de leasing (Zdanowicz,2002). Através do Fluxo de Caixa procura-se analisar o deslocamento dos recursos financeiros da empresa, ou seja, partindo do disponível (caixa, bancos e aplicações no mercado financeiro), pode-se verificar os caminhos percorridos por uma unidade monetária na empresa e, sobretudo, de operações que aumentam ou diminuem o nível de caixa da empresa. O Fluxo de Caixa constitui-se em um instrumento prático, de uso operacional e estratégico do administrador financeiro. Porém, outros instrumentos podem ser úteis em sua elaboração, como o Demonstrativo de Origens e Aplicações de Recursos e o quadro de Fontes e Usos de Recursos. Considerando-o sob enfoques da Administração, Contabilidade e Economia, o instrumento pode apresentar características comuns, mas aspectos distintos, quanto à sua forma de elaboração, análise e interpretação.

34 34 Toda a alternativa de investimento deve ser analisada, em sua viabilidade econômico-financeira através de um Fluxo de Caixa descontado, considerando-se os futuros ingressos e desembolsos de recursos. Entretanto, a viabilidade de cada proposta de investimento, as empresas processam a partir de dois subsistemas distintos, o de caixa (liquidez) e o de resultado econômico (rentabilidade), cujos valores poderão harmonizar-se, pois as diferenças que ocorrerão entre o saldo do fluxo de caixa e o lucro ou prejuízo do período projetado (Zdanowicz,2002). É importante planejar corretamente o Fluxo de caixa de seu negócio. Ele opera desde a compra de estoques até o recebimento do dinheiro decorrente da venda de seus produtos a prazo. A análise do Fluxo de Caixa basicamente mostrará a relação entre a despesa decorrente do cumprimento das obrigações e a receita obtida pela venda dos produtos. A combinação de entrada e saída de dinheiro pode resultar em saldo positivo ou negativo. O planejamento dos ingressos de caixa é o ponto mais complexo do Fluxo de Caixa, pois depende do período de retorno dos valores em cobrança. Quanto aos desembolsos sua estimativa é facilitada pelo fato do número de credores, via regra, não ser tão expressivo quanto o de clientes e porque os compromissos têm normalmente prazo certo para vencimento. O Fluxo de Caixa, ao ser projetado, tem como objetivo fundamental levantar todas as necessidades da empresa, para que possa cumprir com seus compromissos financeiros na data marcada e alcançar resultados positivos, considerando os desembolsos realizados em item do ativo. Administrando o nível desejado de caixa, pode-se verificar previamente as possíveis necessidades da empresa, bem como dimensionar o capital de giro, tendo em vista suas entradas e saídas. A projeção mensal do fluxo de caixa ajuda a identificar e eliminar déficits e mesmo superávits.

35 35 Não tem a rigor uma forma fixa para elaborar um Fluxo de Caixa. Existem várias maneiras, cada qual apresentando as informações com o nível de detalhamento desejado pelo seu colaborador. Entretanto a preocupação central do planejamento financeiro é acompanhar e avaliar as disponibilidades do caixa, incluindo os investimentos de curto prazo, de tal maneira que a empresa disponha dos recursos necessários, nas devidas épocas para saldar suas obrigações. Devendo haver a máxima integração operacional das diferentes áreas da empresa: produção, vendas, administração e finanças passando pelas seções de compras, crédito, cobrança e expedição. O Fluxo de caixa está relacionado com a análise de crédito, uma vez que o negócio básico de uma instituição financeira é financiar atividades lícitas, saudáveis e produtivas, ou seja, conceder crédito, emprestar recursos e por um prazo convencionado receber os recursos de volta, acrescidos de sua remuneração. Dentro deste contexto de contínuo fluxo de fundos entre a instituição financeira e seus clientes nas pontas ativas e passivas, é um instrumento de análise de primordial utilidade, principalmente quanto a capacidade dos administradores da empresa de bem gerenciar os recursos tomados por empréstimo (Schriked, 2000). É parte fundamental numa análise de crédito efetuada pelo banco, um atento exame do Fluxo de Caixa do tomador de empréstimos, porque dele decorre, a capacidade da empresa saldar os empréstimos nos prazos convencionados. Como as empresas tomadoras de crédito, em suma são administradas por pessoas, é a qualidade desta gerência, que se deseja analisar através do Fluxo de Caixa. Uma administração lúcida, e que tenha revelado prudência na condução, crescimento e financiamento dos negócios da empresa no passado, oferece embasamento para que credores comerciais e bancários continuem a aceitar o risco de financiar aquele empreendimento no futuro. O Fluxo de Caixa das ferramentas mais valiosas de análise para concessão de crédito, principalmente quando envolvem projetos a longo prazo. Entretanto, mesmo a curto prazo, dependendo do histórico da empresa e da conjuntura mais visível do presente, esta ferramenta também é importante para

36 36 conferir a capacidade da empresa em liquidar seus empréstimos nos devidos prazos (Schrickel, 2000). O Fluxo de caixa já se tornou uma eficiente ferramenta na tomada de decisões, auxiliando o administrador financeiro no controle das operações da empresa. Todo sistema operacional de uma empresa possui implicações econômico-financeiras, pois obriga a empresa a planejar e controlar as suas atividades. Decisões que devem ser tomadas são analisadas em decorrência das posições de caixa atual e projetada, o que é essencial. Cabe ao administrador financeiro controlar o nível de caixa, possibilitando que a empresa cumpra seus compromissos em dia. Quando a empresa estiver operando com déficit, é função do administrador financeiro buscar alternativas de financiamento com taxas sustentáveis, possibilitando o equilíbrio do caixa. Fica evidente, então, que a função do administrador financeiro não é a de tesoureiro, mas é a administração dos recursos financeiros de forma eficaz e eficiente. Conclui-se que a determinação do nível de caixa poderá representar a diferença entre o sucesso e o fracasso da empresa. Acrescenta-se que as ferramentas obtidas a partir da informática têm facilitado bastante o planejamento e o controle do fluxo de caixa da empresa nos dias de hoje. Atualmente, fala-se muito em qualidade de produtos e serviços, na realidade, qualidade deve estar presente em todos os setores da empresa. Em termos de fluxo de caixa, depende de várias atividades, setores, departamentos, diretorias, etc, pois elas irão compor para o todo. Se não houver qualidade total em todas as áreas, pouco adiantará termos um apurado sistema de planejamento e controle de fluxo de caixa. O Fluxo de Caixa é uma ferramenta que auxilia o administrador financeiro na tomada de decisões, pois reflete e prevê o que ocorrerá com as

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE FLUXO DE CAIXA Por: Adriana Sant Anna dos Santos Orientador Profº.: Luiz Claudio Lopes Alves D.Sc. Rio de Janeiro 2009 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização.

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização. UNIDADE II FLUXOS DE CAIXA Em um mercado competitivo, a gestão eficiente dos recursos financeiros, torna-se imprescindível para o sucesso da organização. Um bom planejamento do uso dos recursos aliado

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Alexandre Prólico Szpyra 1 alexandre.prolico@battistella.com.br Everton Luiz do Nascimento 2 everton@tha.com.br Fabiano Salles de Andrade 3

Leia mais

Tópicos Especiais de Análise de Balanços

Tópicos Especiais de Análise de Balanços Tópicos Especiais de Análise de Balanços 1- ECONÔMICO X FINANCEIRO Talvez não existam palavras mais empregadas no mundo dos negócios do que econômico e financeiro. Econômico: Refere-se a lucro, no sentido

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

AULA 3 Assunto: ORIGENS DOS RECURSOS PARA INVESTIMENTOS

AULA 3 Assunto: ORIGENS DOS RECURSOS PARA INVESTIMENTOS AULA 3 Assunto: ORIGENS DOS RECURSOS PARA INVESTIMENTOS Professora Keilla Lopes Graduada em Administração pela UEFS Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Mestre em Administração pela UFBA Origem

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM. Fluxo de Caixa A Importância na Gestão Financeira da Empresa

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM. Fluxo de Caixa A Importância na Gestão Financeira da Empresa UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM Fluxo de Caixa A Importância na Gestão Financeira da Empresa Carla dos Santos Regis Pereira Rio de Janeiro 2011 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LIQUIDEZ: A CAPACIDADE DE PAGAMENTO DAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LIQUIDEZ: A CAPACIDADE DE PAGAMENTO DAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LIQUIDEZ: A CAPACIDADE DE PAGAMENTO DAS EMPRESAS JOÃO RICARDO PINTO MACIEL BELÉM 2007 RESUMO O Presente artigo tem o objetivo de enaltecer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS FINANCEIROS.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS FINANCEIROS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS FINANCEIROS Joni Dettruz FLUXO DE CAIXA UM INSTRUMENTO GERENCIAL PARA PEQUENAS EMPRESAS Porto

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 6: DECISÕES DE FINANCIAMENTO A CURTO PRAZO Nossa experiência, após centenas de demonstrações financeiras examinadas, sinaliza que as empresas entram num cenário de dificuldades

Leia mais

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE 1 ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este estudo, parte da necessidade de utilização

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUOS DE CAIA Princípios Contábeis Aplicáveis 1. A 'Demonstração dos Fluxos de Caixa' refletirá as transações de caixa oriundas: a) das atividades operacionais; b)

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

Introdução à Administração Financeira

Introdução à Administração Financeira Introdução à Administração Financeira Conceitos Introdutórios e Revisão de alguns elementos e conceitos essenciais à Administração Financeira Introdução à Administração Financeira Administração: é a ciência

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PAULO NAZARENO CARDOSO DA SILVA GRADUANDO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO Priscila Rubbo 1 Paulo Roberto Pegoraro 2 Resumo: O demonstrativo do fluxo de caixa tem como finalidade a projeção das entradas e saídas

Leia mais

FLUXO DE CAIXA UM INTRUMENTO GERENCIAL RESUMO INTRODUÇÃO

FLUXO DE CAIXA UM INTRUMENTO GERENCIAL RESUMO INTRODUÇÃO FLUXO DE CAIXA UM INTRUMENTO GERENCIAL UDSON PACHECO DE SOUZA 1 UDSONS@CLICK21.COM.BR HÉBER LAVOR MOREIRA 2 heber@peritocontador.com.br RESUMO O trabalho propõem a explanação do fluxo de caixa como instrumento

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

Boletim. Contabilidade Financeira. Manual de Procedimentos. Concessão de crédito - Índices para análise a curto e a longo prazo (1 a parte)

Boletim. Contabilidade Financeira. Manual de Procedimentos. Concessão de crédito - Índices para análise a curto e a longo prazo (1 a parte) Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Financeira Concessão de crédito - Índices para análise a curto e a longo prazo (1 a parte) SUMÁRIO 1. Introdução 2. Índices econômico-fi nanceiros para análise

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE! O que é Necessidade de Capital de Giro (NCG)! Como se determina a NCG! Reclassificação das contas do Ativo e Passivo Circulante! Causas das variações da NCG Autores: Francisco

Leia mais

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento CAVALCANTE & COMO MONTAR O FLUXO DE CAIXA EM! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento Autores: Francisco

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos 1 FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa é o instrumento que permite a pessoa de finanças planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros de sua empresa para determinado período. captação

Leia mais

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23 SUMÁRIO Capítulo 1 Contabilidade gerencial: panorama... 1 O que é contabilidade gerencial?... 2 Planejamento... 3 Controle... 3 Tomada de decisões... 4 Por que a contabilidade gerencial é importante para

Leia mais

Revista Contabilidade & Amazônia. Fluxo de Caixa como Ferramenta de Gestão Financeira para Microempresas

Revista Contabilidade & Amazônia. Fluxo de Caixa como Ferramenta de Gestão Financeira para Microempresas Revista Contabilidade & Amazônia Disponível em http://www.contabilidadeamazonia.com.br/ Revista Contabilidade & Amazônia, Sinop, v. 1, n. 1, art. 1, pp. 1-7, Jan./Dez. 2008 Fluxo de Caixa como Ferramenta

Leia mais

FLUXO DE CAIXA SUA IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO NAS EMPRESAS

FLUXO DE CAIXA SUA IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS ESPECIALIZAÇÃO EM CONTROLADORIA FLUXO DE CAIXA SUA IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO NAS EMPRESAS ARTIGO CIENTÍFICO João Friedrich Santa Maria,

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE 0 6. ÍNDICES DE RENTABILIDADE Caro aluno, você já sabe todo empresário ou investidor espera que o capital investido seja adequadamente

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T...

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T... Page 1 of 6 Portal de Obras Legislação Guias e Cursos Downloads GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS Compilado pela Equipe do Portal de Contabilidade AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Fluxo de Caixa O dia-a-dia das finanças em sua empresa!

Fluxo de Caixa O dia-a-dia das finanças em sua empresa! Fluxo de Caixa O dia-a-dia das finanças em sua empresa! É muito frequente, no ambiente do SEBRAE-SP, o empresário chegar com muitas dúvidas sobre as finanças da sua empresa. E finanças, como sabemos, é

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE FLUXO DE CAIXA Por: Camila Bernardo da Silva Orientador: Prof.: Luiz Cláudio Lopes Alves D.SC. Rio de Janeiro, RJ Julho, 2006

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

1 DESENVOLVIMENTO Conforme Tófoli (2008), o instrumento do fluxo de caixa é uma planilha que

1 DESENVOLVIMENTO Conforme Tófoli (2008), o instrumento do fluxo de caixa é uma planilha que FLUXO DE CAIXA Aline Angeli Gimenes - alineangeli@terra.com.br Dayane Fernandes Francisco - dayane_fernandes@hotmail.com Éric Tadeu Gimenes da Silva - ericofera@hotmail.com Irso Tófoli - irsotofoli@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Discutir e conhecer conceitos de matemática financeira para tomada de decisão na área financeira. Estudaremos cálculo e análise

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011.

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011. 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Instituição Comunitária de Crédito de Londrina Casa do Empreendedor, em operação desde 18/11/1997, é uma

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL

FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL Renato Lopes da Silva (G UEM) Cristiani Passolongo Noveli (UEM) RESUMO O caixa da empresa é formado por seus ativos circulantes montantes depositados em contas bancárias

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

Administração financeira e orçamentária. Professor: Me. Claudio Kapp Junior claudiokappjr@hotmail.com

Administração financeira e orçamentária. Professor: Me. Claudio Kapp Junior claudiokappjr@hotmail.com Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior claudiokappjr@hotmail.com O que são finanças? No nível macro, as finanças são o campo de estudo de instituições financeiras e

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

Contas. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901

Contas. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901 Contas 2.1. Conceito Na sua linguagem cotidiana, o que representa a palavra conta? Você poderá responder: Uma operação aritmética de soma, subtração, multiplicação ou divisão; A conta de água e esgoto,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios Revisão Tarifária Escelsa Etapa I Reposicionamento Tarifário Metodologia e Critérios APRESENTAÇÃO A ESCELSA foi privatizada em 11 de julho de 1995, sendo as concessões outorgadas pelo Decreto de 13 de

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteI

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteI Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteI! Como determinar a geração interna de caixa?! Como determinar a geração operacional de caixa?! Entendendo a formação de caixa de uma empresa!

Leia mais

Demonstrações Financeiras Externas

Demonstrações Financeiras Externas P A R T E I D e m o n s t r a ç õ e s F i n a n c e i r a s p a r a G e r e n t e s 16 C A P Í T U L O 2 Demonstrações Financeiras Externas O que o mundo sabe sobre sua empresa As demonstrações financeiras

Leia mais

Introdução. Graduanda do Curso de Administração - FACISA/UNIVIÇOSA. E-mail: geisesilva_3@yahoo. com.br. 2

Introdução. Graduanda do Curso de Administração - FACISA/UNIVIÇOSA. E-mail: geisesilva_3@yahoo. com.br. 2 APURAÇÃO DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO PARA A PREVENÇÃO DE FALÊNCIA DAS EMPRESAS Geisiane da Silva Sousa 1, Jovelino Márcio de Souza 2, Ana Cláudia da Silva 3 Resumo: Este trabalho teve como objetivo

Leia mais

Fluxo de caixa. Introdução

Fluxo de caixa. Introdução Fluxo de caixa Introdução As empresas, para gerar vendas, necessitam de ativos fixos, independentemente de estarem ou não em um processo de crescimento. Quando uma empresa encontra-se em fase de expansão,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público A nova visão da Contabilidade Aplicada ao Setor Público Constituição Federal Lei de Responsabilidade Fiscal 101/2000 Lei 4.320/64 Finanças Públicas Lei 12.249/2010 Conselho Federal de Contabilidade Lei

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

- Gestão Financeira 1 -

- Gestão Financeira 1 - 1 Cap 2 - Administração do Capital de Giro 2.1 Introdução 2.2 O capital circulante e capital circulante líquido 2.3 Políticas de gerenciamento do capital circulante 2.4 Capital de Giro Próprio 2.5 Capital

Leia mais

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS! Se as linhas de crédito estão escassas, qual a melhor estratégia para suprir a empresa com recursos?! É possível manter a

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria 1 OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma visão prática do ponto de vista de mercado e correta

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 8: ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Administrar o capital de giro pode ser sinônimo de administrar o ativo circulante, composto das disponibilidades, das contas a receber,

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO Potenciais interessados na análise Sócios/acionistas: extraem da análise das demonstrações financeiras os dados necessários para

Leia mais