Europeus querem contribuição maior de países emergentes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Europeus querem contribuição maior de países emergentes"

Transcrição

1 Europeus querem contribuição maior de países emergentes Por Daniela Chiaretti De São Paulo A fala recorrente do espanhol Miguel Arias Cañete, 65, abre a caixa de Pandora das negociações climáticas. O principal negociador europeu tem repetido que "o mundo não é mais o mesmo de 1992" e que o imenso esforço que precisa ser feito para conter os impactos da mudança do clima "não pode continuar somente com os doadores tradicionais". O recado é direcionado às economias emergentes e a quem mais estiver "em posição de fazer isso", conforme o jargão climático da moda. Desde que se tornou comissário europeu de Ação pelo Clima e Energia há um ano, Cañete lembra que a geopolítica é outra de quando a convenção do clima foi firmada, em 1992 o que é interpretado como alguém que quer mudar as regras do jogo. O madrilenho falou assim na conferência da ONU de Lima, em 2014, ao inaugurar sua participação nas negociações e substituir a dinamarquesa Connie Hedegaard. Mas a frase repercutiu com força na última rodada de negociações, em Bonn, em outubro. O G 77, grupo dos países em desenvolvimento, reagiu com uma declaração dura em relação à ideia de se ampliar a base de doadores para o clima e diminuir a lista de quem recebe. Temem que esse movimento queira rever um dos princípios basilares da convenção, o das responsabilidades comuns, porém diferenciadas (CBDR, em inglês). Até agora, a conta do clima recai sobre os países ricos, assim como a do corte obrigatório de emissões, mas Paris inaugura nova fase. Cañete, duas vezes ministro da Agricultura espanhol (a segunda vez englobando também a pasta do Meio Ambiente), quer que mais gente se junte ao grupo dos que pagarão mais. Os Estados Unidos compartilham essa visão. "Só com dinheiro público não vamos dar conta de prover todos os investimentos necessários nos países pobres" Arias Cañete: "Mudança na economia mundial borrou a distinção entre países desenvolvidos e em desenvolvimento" "Nas últimas duas décadas, a mudança na economia mundial borrou a distinção formal entre países desenvolvidos e em desenvolvimento", diz. Ele demonstra flexibilidade: "É claro que isso será feito de acordo com a capacidade, a possibilidade e respeitando as circunstâncias nacionais". Cañete, que é advogado e membro do conservador Partido Popular, enxerga forte relação entre mudança do clima e movimentos de migração. "Chegar a um acordo em Paris é imperativo", diz. Ele será a principal estrela do evento que a União Europeia promove esta semana, no Rio de Janeiro, o "Clima UE Brasil". Antes de vir ao Brasil, falou com exclusividade ao Valor. A seguir, trechos da entrevista: Valor: A África tem um bilhão de habitantes, serão 2 bilhões em Não tem recursos financeiros nem tecnologia para levar suas economias ao baixo carbono. Como resolver isso? Miguel Arias Cañete: Há neste ponto duas ideias importantes. A primeira é que o investimento necessário para uma transição global para a economia de baixo carbono é enorme. A outra é que, especialmente em países pobres, os investimentos na economia de baixo carbono são os que podem melhorar a vida das pessoas. Se mudar o mix energético e se trouxer energia para o continente africano, está se desenvolvendo economicamente a região. Para tanto, há que se ter apoio dos países desenvolvidos e de todos os outros em condições de apoiar com investimentos públicos e privados. É preciso mobilizar o data:text/html;charset=utf 8,%3Cdiv%20class%3D%22n header%22%20style%3d%22margin bottom%3a%2015px%3b%20color%3a%20rgb(102%2c 1/5

2 apoio público de países desenvolvidos para os em desenvolvimento, mas também estimular a cooperação Sul Sul. Valor: Como está o fluxo de recursos dos países ricos para clima? Arias Cañete: O compromisso de 2009, feito na conferência de Copenhague, de mobilizar US$ 100 bilhões ao ano em 2020 para clima, foi apenas dos países desenvolvidos. Relatório da OCDE mostra que estamos no caminho de cumprir a promessa: US$ 62 bilhões em A União Europeia é quem mais provê finanças para clima: a previsão é de 9,5 bilhões de recursos públicos em 2015, mas nosso compromisso é dobrar o apoio em ações climáticas em países em desenvolvimento em As instituições europeias irão prover 4 bilhões ao ano, mais o que os países membros colocarão individualmente. O Reino Unido vai contribuir com 5,8 bilhões entre 2016 e 2020, a França, com 5 bilhões em 2020 e a Alemanha dobrará sua participação para 4 bilhões em doações e 3 bilhões em empréstimos, em Valor: Em Paris, a promessa dos US$ 100 bi estará equacionada? Arias Cañete: Acho que iremos cumprir o compromisso até Mas depois tem que ser diferente. Valor: O que quer dizer? Arias Cañete: O mundo mudou muito desde 1992 e também desde 2009, alguns países tiveram grande crescimento econômico. A base de doadores deve ser alargada depois de 2020, ter não apenas os antigos, mas todo país em condições de dar apoio financeiro. A China tem sinalizado o que irá fazer em cooperação Sul Sul. E para mobilizar o setor privado a investir em mitigação e adaptação, o importante é ter regras claras, dar segurança e uma moldura que favoreça investimentos. Só com dinheiro público não vamos dar conta. Valor: Sobre a análise da OCDE, há quem diga que não se sabe se os recursos são privados, públicos, doações ou empréstimos. Arias Cañete: Essa foi a primeira vez que a OCDE conseguiu estabelecer uma clara metodologia para estimar qual é o apoio à finança climática. E o compromisso de 2009 não era apenas de doações, mas também de investimento privado. O relatório mostra que, em 2013, a soma de recursos era de US$ 52 bilhões, e em 2014, US$ 62 bilhões. O apoio está aumentando, por isso dizemos que cumpriremos a promessa. Depois de 2020, finanças adicionais serão necessárias e a base de doadores terá que ser ampliada. "Foi muito positivo o Brasil ser o primeiro emergente a apresentar uma meta de redução de emissões absoluta" Valor: Países pobres não têm tecnologia. Como os governos podem resolver esse tema da esfera privada, que é quem detém as patentes? Arias Cañete: A melhor coisa que podemos ter é investimento privado trazendo as mais modernas tecnologias e colocando as em países em desenvolvimento. Para isso, precisamos de um marco legal claro e robusto. Há muitas tecnologias de baixo carbono amadurecendo. Para conseguirmos concretizar esse potencial, políticas ambientais nacionais e internacionais têm que ser capazes de fazer com que o setor privado possa fazer os investimentos corretos. A União Europeia está promovendo, dentro da UNFCCC [a sigla da convenção do clima], um mecanismo de tecnologia de apoio a esforços. Temos também uma rede de centros de tecnologia aconselhando países em desenvolvimento. data:text/html;charset=utf 8,%3Cdiv%20class%3D%22n header%22%20style%3d%22margin bottom%3a%2015px%3b%20color%3a%20rgb(102%2c 2/5

3 Valor: Como funciona? Arias Cañete: A Comissão Europeia e os países membros são o maior grupo de apoio do CTCN, a Climate Technology Center Network. Também temos um programa de inovação e pesquisa, o Horizon 2020, aberto para participantes de países não europeus, com grande apoio financeiro. A ideia é criar tecnologia juntos e compartilhar os resultados. É uma ferramenta poderosa para tecnologias de clima. Valor: O sr. diz que o mundo não é o mesmo de O que quer dizer, em termos de acordo climático? Arias Cañete: Nas últimas duas décadas, toda mudança ocorrida na economia mundial borrou a distinção formal entre países desenvolvidos e em desenvolvimento. Veja a taxa de crescimento de alguns países em desenvolvimento, enquanto países desenvolvidos tiveram crescimento negativo. Quando falamos sobre mudança do clima, não é apenas crescimento econômico, mas também o que ocorre com as emissões. Em 2008, quando íamos para Copenhague, a China era responsável por 23% das emissões globais, os EUA, 19% e a UE, 13%. Juntos, UE e EUA eram emissores muito maiores que a China. A Índia era responsável por 5%. Mas agora, em 2015, a China produz mais emissões do que os EUA e a Europa juntos. As emissões per capita de CO 2 da China são maiores que as europeias. Quando lidamos com mudança do clima, temos que pensar que vamos ganhar a batalha se todos participarem mais do acordo. Valor: O G 77 declarou estar sendo confrontado com a "narrativa simplista" que diz que o mundo mudou desde que a convenção do clima foi adotada, em Arias Cañete: Todos sabem que temos que lutar para combater a mudança do clima e limitar o aquecimento a 2 C, não são apenas os países desenvolvidos que têm que fazer esforços. Isso não tem sentido. No segundo período de compromisso do Protocolo de Kyoto, que vai até 2020, há apenas 35 países fazendo esforços para reduzir emissões. Eles cobrem apenas 30% das emissões globais. Tem que ser um esforço conjunto, de todo mundo. Na UE, as políticas têm demonstrado que ações ambiciosas climáticas e crescimento econômico podem andar juntos. Descolamos a trajetória de emissões do PIB: o PIB cresceu 46% entre 1990 e 2014 e nossa intensidade de emissões (quantidade de emissões para produzir uma unidade de euro) caiu na mesma época. Valor: Mas europeus consomem mais energia que chineses, indianos e brasileiros. Isso não quer dizer que vocês terão que se esforçar mais? Arias Cañete: A questão não é nível de consumo de energia, mas nível de emissões. Consumimos energia, mas como estamos desenvolvendo energias renováveis, nossas emissões são reduzidas. Já ultrapassamos nossa meta para 2020, de cortar em 20% as emissões, comparadas a 1990: estamos em 23%. Reduzimos emissões, porque mudamos o mix energético. Valor: Um indiano tem o mesmo direito de emitir que um europeu? Arias Cañete: Só venceremos esta batalha se todos reduzirmos emissões. Esse não é um jogo onde seu vizinho reduz e você continua emitindo. A lógica é: temos o direito de desenvolver nossa economia, claro, mas é possível aumentar o crescimento e reduzir a intensidade energética usando renováveis, que agora amadureceram. Claro, isso requer transferência de energia, investimentos, muito recurso privado. Claro que os países desenvolvidos serão mais ambiciosos, porque estão em condições melhores. Claro que temos que estabelecer mecanismos financeiros. Claro que temos que fazer com que os investimentos privados e a transferência de tecnologia façam com que todos consigam mudar o mix energético para data:text/html;charset=utf 8,%3Cdiv%20class%3D%22n header%22%20style%3d%22margin bottom%3a%2015px%3b%20color%3a%20rgb(102%2c 3/5

4 crescer com menos emissões. Claro que tem que ser de acordo com a capacidade, a possibilidade e respeitando as circunstâncias nacionais. Valor: Vê avanços na mudança? Arias Cañete: Sim. Mais de 150 países, que representam 90% das emissões, apresentaram suas contribuições, as INDCs. O Brasil com uma meta muito ambiciosa: foi muito positivo que tenha sido o primeiro emergente a apresentar uma meta de reduções absoluta e que abrange toda a economia. Isso é o mundo mudando. Saímos de um quadro de ações de alguns poucos e chegamos ao momento das ações de todos. Valor: Há outras mudanças? Arias Cañete: Sim. A capacidade de financiar países em desenvolvimento mudou. Há ex países em desenvolvimento que hoje estão em posição de apoiar os mais pobres em mitigação e adaptação. Alargamos a base de países combatendo a mudança do clima, temos que fazer o mesmo para ampliar o músculo financeiro de apoio aos mais vulneráveis. Valor: O mundo não é o mesmo, mas há problemas não resolvidos. A diferenciação das responsabilidades é ponto crucial para Paris, não? Arias Cañete: Claro que irá haver diferenciação. As INDCs são uma diferenciação em si, porque os países mais avançados colocam na mesa compromissos mais ambiciosos. Quando formos relatar emissões, haverá maior flexibilidade com os pequenos, com menos capacidade de gerar informações. Claro que os países pobres não irão prover financiamento, mas os países em condição de fazer isso deveriam apoiar os mais carentes. Será uma dificuldade em Paris, mas acredito que vamos resolver. Valor: O nó será definir quem estará em condição de ajudar. Arias Cañete: Veja o que tem acontecido. No Green Climate Fund [da UNFCCC, para projetos de mitigação e adaptação] há muitos se comprometendo Colômbia, México, Chile. A China criou um mecanismo de cooperação Sul Sul. O desafio é tão grande que, se não agirmos agora, custará muito no futuro e o mundo irá sofrer enormemente. Há muita vontade política de se chegar a um acordo. Valor: Acredita em um acordo climático em Paris? Arias Cañete: Não há plano B. O plano A tem que ter sucesso. Valor: Há quem diga que a onda de refugiados, em parte, é causada pelo clima e pode piorar. Isso reforça a urgência do acordo? Arias Cañete: Mudança do clima é um desafio global. Se não lidarmos adequadamente colocaremos em risco não apenas o ambiente, mas também a prosperidade econômica mundial, a redução da pobreza, o desenvolvimento, a segurança. O conflito na Síria foi precedido pela pior seca que o país viveu na história recente. Milhares tiveram que deixar suas terras e ir para as cidades e isso deixou o quadro mais complexo. A mudança do clima e sua relação com a migração é uma realidade. Chegar a um acordo em Paris é imperativo. Valor: Qual acordo a UE quer? Arias Cañete: Não queremos um acordo qualquer. Queremos que seja ambicioso, uma ferramenta útil no combate à mudança do clima ao longo do século, para que descarbonizemos a economia e data:text/html;charset=utf 8,%3Cdiv%20class%3D%22n header%22%20style%3d%22margin bottom%3a%2015px%3b%20color%3a%20rgb(102%2c 4/5

5 consigamos reduzir emissões. Queremos algo importante e forte. "O G 7 sozinho não conseguirá parar as emissões do mundo. Tem que ser um esforço conjunto, de todos" Valor: Com um mecanismo de revisão a cada cinco anos? Arias Cañete: Sim. Temos que limitar o aquecimento global a 2 C neste século e com as INDCs que estão na mesa chegamos a perto de 3 C. Os compromissos não são suficientes, há uma lacuna. Por isso defendemos, a cada cinco anos, fazer um balanço para saber, globalmente, onde estamos. É para saber se estamos em 2 C ou em 3 C e abrimos a possibilidade aos países, em base voluntária, de aumentar o nível de sua ambição. Valor: Quando isso começaria? Arias Cañete: A data não importa tanto quanto estabelecer o mecanismo. Teremos que fazer relatórios a cada dois anos e a revisão a cada cinco. É preciso ter regras comuns e transparentes de contabilidade, e legalmente vinculantes. Para que todos façamos nossas INDCs seguindo a mesma metodologia e tornando as comparáveis. Também achamos que não é suficiente ter apenas o limite de 2 C no fim do século, precisamos ter uma meta intermediária, em 2050, para ser usada como "benchmark", uma referência. Não é meta compulsória, para todos. É para ver se estamos na trajetória dos 2º C. Valor: Também querem o que estava na declaração do G 7, falar da descarbonização da economia? Arias Cañete: O texto do G 7 se relaciona com as conclusões do IPCC [o Painel Intergovernamental de Mudança do Clima]. Eles dizem que temos que reduzir emissões entre 40% e 70% em Não deveriam existir grandes objeções para decidir sobre algo baseado na ciência. Deveria ser aceitável, mas nas negociações temos dificuldades com países que não entendem que não seria meta obrigatória. Valor: Os europeus, em Copenhague, defendiam um acordo legalmente vinculante. Paris só será "legally binding" na esfera doméstica. É uma derrota para vocês? Arias Cañete: Continuamos pedindo um acordo legalmente vinculante. Na conferência de Durban concordamos que o acordo seria um protocolo, outro instrumento legal ou outro resultado acordado com força legal. Um acordo vinculante não é só sobre compromissos de mitigação, mas também sobre regras transparentes de contabilidade. É vincular várias coisas. Se um país estabelece voluntariamente uma INDC, deveria ser obrigado a cumpri la. Quer dizer: você fez sua meta voluntariamente, mas aí é vinculante para você e tem que entregar o que prometeu. O Brasil compartilha nossa visão, mas alguns, não. Estamos aguardando qual alternativa propõem. Valor: Então, alguns elementos do acordo terão que ser vinculantes? Arias Cañete: Sim. Algumas partes têm que estar no núcleo do acordo. O limite de 2 C tem que ser um objetivo legalmente vinculante, assim como regras transparentes de contabilidade, monitoramento, compromissos de mitigação. Podemos discutir pontos que podem ficar fora do coração do acordo, vamos ver o que acontece no final de Paris. O acordo será difícil, mas o desafio é enorme. Temos que estar aptos a entregar um acordo para as futuras gerações que seja ambicioso e de longo prazo. Temos que fazer isso direito. data:text/html;charset=utf 8,%3Cdiv%20class%3D%22n header%22%20style%3d%22margin bottom%3a%2015px%3b%20color%3a%20rgb(102%2c 5/5

"É possível levar energia renovável para todos"

É possível levar energia renovável para todos "É possível levar energia renovável para todos" Por Daniela Chiaretti De Nairóbi, Quênia Connie Hedegaard: "Acho que quando temos uma crise global como a que estamos vivendo, é uma oportunidade excelente

Leia mais

ACORDO DE PARIS: A RECEITA PARA UM BOM RESULTADO

ACORDO DE PARIS: A RECEITA PARA UM BOM RESULTADO ACORDO DE PARIS: A RECEITA PARA UM BOM RESULTADO Le Bourget, 30 de novembro de 2015 Daqui a 11 dias, representantes de 195 países deverão adotar aqui o documento internacional mais importante do século:

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Sumário executivo. ActionAid Brasil Rua Morais e Vale, 111 5º andar 20021-260 Rio de Janeiro - RJ Brasil

Sumário executivo. ActionAid Brasil Rua Morais e Vale, 111 5º andar 20021-260 Rio de Janeiro - RJ Brasil Sumário executivo Mais de um bilhão de pessoas sofre com as consequências da inanição é mais que a população dos Estados Unidos, Canadá e União Européia juntas. Em julho desse ano, a reunião de cúpula

Leia mais

Cenários da América Latina 2030

Cenários da América Latina 2030 Cenários da América Latina 2030 1. INTRODUÇÃO Entre 2010 e 2030, a maioria dos países da América Latina está comemorando 200 anos de independência em vários bicentenários da região. Como esses países olharam

Leia mais

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Estou muito honrado com o convite para participar deste encontro, que conta

Leia mais

Mudanças Climáticas e Setor Elétrico Brasileiro. Enase 2009

Mudanças Climáticas e Setor Elétrico Brasileiro. Enase 2009 Mudanças Climáticas e Setor Elétrico Brasileiro Enase 2009 Objetivo: agregar todos segmentos do setor elétrico, geradores de todas fontes, transmissores, distribuidores e consumidores para discutir e apresentar

Leia mais

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz:

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz: Sumário dos resultados-chave do Quarto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, Grupo de Trabalho III de Mitigação de Mudanças Climáticas Bangkok, Maio de 2007 Não é

Leia mais

França crê em acordo, mas teme texto fraco

França crê em acordo, mas teme texto fraco 1 sur 5 25/06/2015 08:03 Imprimir () 25/06/2015-05:00 Por Daniela Chiaretti Laurence Tubiana, negociadora francesa para o clima: "Podemos acertar que a conferência de Paris seja o ponto de partida de muitas

Leia mais

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas Resumo das Conclusões Ainda vamos a tempo de evitar os piores impactos das alterações climáticas, se tomarmos desde já medidas rigorosas. As provas científicas são presentemente esmagadoras: as alterações

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

COP21 Perguntas frequentes

COP21 Perguntas frequentes COP21 Perguntas frequentes Porque é que a conferência se chama COP21? A Conferência do Clima de Paris é oficialmente conhecida como a 21ª Conferência das Partes (ou COP ) da Convenção-Quadro das Nações

Leia mais

AÇÃO AMBIENTAL 2015 - FIRJAN: Painel 1 Visão Geral sobre Mudança do Clima e Perspectivas para a COP21

AÇÃO AMBIENTAL 2015 - FIRJAN: Painel 1 Visão Geral sobre Mudança do Clima e Perspectivas para a COP21 AÇÃO AMBIENTAL 2015 - FIRJAN: Painel 1 Visão Geral sobre Mudança do Clima e Perspectivas para a COP21 Adriano Santhiago de Oliveira Diretor Departamento de Mudanças Climáticas Secretaria de Mudanças Climáticas

Leia mais

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África O documento de apoio da Declaração de Gaborone para a sustentabilidade na África é um paradigma transformador na busca pelo

Leia mais

A comida entrou na roda financeira

A comida entrou na roda financeira A comida entrou na roda financeira Brasil de Fato - seg, 2011-05-02 15:06 admin Para Walter Belik, especulação e irresponsabilidade dos governos neoliberais levou a crise que ainda deve durar vários anos

Leia mais

III Forum Brasileiro de Energia Mercado Voluntário de Carbono, alternativa de leverage para energias renováveis

III Forum Brasileiro de Energia Mercado Voluntário de Carbono, alternativa de leverage para energias renováveis III Forum Brasileiro de Energia Mercado Voluntário de Carbono, alternativa de leverage para energias renováveis Cristiano McMannis Segundo o Relatório State and Trends of Carbon Market 2011, publicado

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI O SR. GUILHERME CARBONI (Instituto de Direito do Comércio Internacional e Desenvolvimento): Gostaria de

Leia mais

Desafio mundial. Paralelamente a questões

Desafio mundial. Paralelamente a questões KPMG Business Magazine 31 Getty Images/Alexander Bryljaev Muitas tendências apontadas pelo estudo já são evidentes, e a lentidão na busca de soluções para mitigá-las trará sérias consequências para a população

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca ASSINATURA DO PLANO DE SANEAMENTO

Leia mais

Floresta pode ajudar a tirar o Brasil da crise financeira

Floresta pode ajudar a tirar o Brasil da crise financeira São Paulo, domingo, 24 de maio de 2009 Floresta pode ajudar a tirar o Brasil da crise financeira País pode ser "melhor que a Suécia" se investir em uso sustentável, diz diretor do Bird CLAUDIO ANGELO EDITOR

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

FINANCIAMENTO NO PNE E OS DESAFIOS DOS MUNICÍPIOS. LUIZ ARAÚJO Doutor em Educação Professor da Universidade de Brasília Diretor da FINEDUCA

FINANCIAMENTO NO PNE E OS DESAFIOS DOS MUNICÍPIOS. LUIZ ARAÚJO Doutor em Educação Professor da Universidade de Brasília Diretor da FINEDUCA FINANCIAMENTO NO PNE E OS DESAFIOS DOS MUNICÍPIOS LUIZ ARAÚJO Doutor em Educação Professor da Universidade de Brasília Diretor da FINEDUCA O QUE ESTÁ EM JOGO? Em todo debate sobre financiamento educacional

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA 3 º Encontro Empresarial Brasil-UE Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA Estocolmo, 6 de outubro de 2009 A Confederação de Empresas Suecas (SN), O BUSINESSEUROPE e a Confederação

Leia mais

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Carlos Rittl Secretário Executivo São Paulo, 10 de agosto de 2015 SBDIMA Sociedade Brasileira de Direito Internacional do Meio Ambiente Eventos climáticos extremos Desastres

Leia mais

Mudanças Climáticas e Economia. Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE

Mudanças Climáticas e Economia. Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE Mudanças Climáticas e Economia Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE Junho de 2009 Aquecimento global como falha de mercado O clima tem forte relação com a atividade econômica: Interação mais conhecida

Leia mais

FIESP MUDANÇA DO CLIMA

FIESP MUDANÇA DO CLIMA MUDANÇA DO CLIMA Posicionamento FIESP Posicionamento FIESP para a COP16 A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), representante do maior parque industrial brasileiro, tem acompanhado atentamente

Leia mais

Proposta para a COP21 de Paris, dezembro 2015-08-05 É TEMPO DE CRIARMOS O GRUPO ANEXO 0

Proposta para a COP21 de Paris, dezembro 2015-08-05 É TEMPO DE CRIARMOS O GRUPO ANEXO 0 Proposta para a COP21 de Paris, dezembro 2015-08-05 É TEMPO DE CRIARMOS O GRUPO ANEXO 0 Este documento tem o objetivo de apresentar os compromissos e esforços que os povos, nacionalidades e comunidades

Leia mais

Florestas e Política Climática: Uma chamada para liderança

Florestas e Política Climática: Uma chamada para liderança Sua Excelência Luiz Inácio Lula da Silva Presidente do Brasil Sua Excelência Barack Obama Presidente dos Estados Unidos da América Sua Excelência Dr. Susilo Bambang Yudhoyono Presidente da República da

Leia mais

Pedro Carrano e Thiago Hoshino Brasil de Fato (Curitiba (PR)

Pedro Carrano e Thiago Hoshino Brasil de Fato (Curitiba (PR) Nosso déficit não é de casas, é de cidade Raquel Rolnik defende que atualmente não há políticas para moradia, apenas políticas focadas no setor imobiliário e financeiro 22/10/2012 Pedro Carrano e Thiago

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

O Brasil e a Conferência de Paris

O Brasil e a Conferência de Paris O Brasil e a Conferência de Paris José Domingos Gonzalez Miguez Secretaria Execu8va Ministério do Meio Ambiente Dois Trilhos na Convenção sobre Mudança do Clima Grupo de Trabalho Ad Hoc sobre a Plataforma

Leia mais

R E N A T O M E I R E L L E S r e n a t o @ d a t a p o p u l a r. c o m. b r

R E N A T O M E I R E L L E S r e n a t o @ d a t a p o p u l a r. c o m. b r PESQUISA DATA POPULAR / APF O NOVO BRASIL E O PROTAGONISMO CIDADÃO: OPORTUNIDADES NO TERCEIRO SETOR R E N A T O M E I R E L L E S r e n a t o @ d a t a p o p u l a r. c o m. b r ESTA APRESENTAÇÃO É UM

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO APOIO À CONTINUIDADE DE ESTUDOS Área: Ciências da Natureza Tema: Dossiê Aquecimento Global CONSIDERAÇÕES INICIAIS Certamente os alunos já tiveram a oportunidade de estudar este tema em outras séries e

Leia mais

Chegou a hora de olhar a classe média

Chegou a hora de olhar a classe média Chegou a hora de olhar a classe média Ricardo Paes de Barros (entrevista de Flavia Lima) Valor Econômico, 13.11.2013 Brasil desenhou política de combate à pobreza tão eficiente que está acabando com os

Leia mais

Revista de Imprensa 07-11-2013. 1. Jornal do Fundão, 31-10-2013, Portugal deve apostar na "economia verde" 1

Revista de Imprensa 07-11-2013. 1. Jornal do Fundão, 31-10-2013, Portugal deve apostar na economia verde 1 Press Book GGG Revista de Imprensa 07-11-2013 1. Jornal do Fundão, 31-10-2013, Portugal deve apostar na "economia verde" 1 2. Antena 1 - Notícias, 29-10-2013, Mercado das energias renováveis pode vir a

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

Tema de Trabalho : Desenvolvimento com Eqüidade e Responsabilidade Ambiental

Tema de Trabalho : Desenvolvimento com Eqüidade e Responsabilidade Ambiental Desde 2003 o Brasil é membro efetivo da Associação Internacional de Conselhos Econômicos e Sociais e Instituições Similares (AICESIS), e em junho de 2007 assumiu a sua presidência para um mandato de dois

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 Lula faz um balanço da política externa O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um balanço de sua política externa na cerimônia

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria

Confederação Nacional da Indústria Confederação Nacional da Indústria Brasília, novembro de 2010 mudança do clima COP 16: A Contribuição da Indústria Brasileira As Principais Mensagens Os esforços da indústria brasileira são uma importante

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO 1 A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 Cleidi Dinara Gregori 2 RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar a evolução do investimento externo direto, também conhecido

Leia mais

As relações Rússia e China na primeira década do século XXI 1

As relações Rússia e China na primeira década do século XXI 1 Universidade do Vale do Itajaí Curso de Relações Internacionais LARI Laboratório de Análise de Relações Internacionais Região de Monitoramento: Rússia LARI Fact Sheet Agosto/Setembro de 2010 As relações

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

Os consumidores avaliarão as iniciativas de sustentabilidade das empresas

Os consumidores avaliarão as iniciativas de sustentabilidade das empresas MEDIA COVERAGE Low Carbon Technology Partnerships initiative Sao Paulo Roundtable, October 7, 2015 Os consumidores avaliarão as iniciativas de sustentabilidade das empresas Peter White, diretor do Conselho

Leia mais

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge 'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge José Gabriel Palma Veja, 16.1.2016, entrevista a Luís Lima Gabriel Palma, professor da universidade britânica, afirma que latino-

Leia mais

Sempre estou tranquilo nesta Casa, mas aqui temos posição política. Eu fico admirado de ver

Sempre estou tranquilo nesta Casa, mas aqui temos posição política. Eu fico admirado de ver SESSÃO: 255-S0 DATA: 27/08/15 FL: 1 DE 5 O SR. TONINHO VESPOLI (PSOL) - Boa tarde novamente a todos e a todas. Sempre estou tranquilo nesta Casa, mas aqui temos posição política. Eu fico admirado de ver

Leia mais

Aumentar a fonte Diminuir a fonte

Aumentar a fonte Diminuir a fonte 1 de 6 31/01/2014 23:46 Aumentar a fonte Diminuir a fonte SOMOS CINCO - Líderes dos países integrantes dos Brics em reunião na China, em 2011, que marcou a entrada da África do Sul Crédito: Roberto Stuckert

Leia mais

O que é Rotary? Tourigo, 22.10.2011 - R.C. Tondela 1

O que é Rotary? Tourigo, 22.10.2011 - R.C. Tondela 1 O que é Rotary? Rotary é uma organização de Líderes de negócios e profissionais que prestam serviços humanitários, fomentam elevado padrão de Ética em todas as Profissões e ajudam a estabelecer a Paz e

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

DÊ ASAS A SUA LIBERDADE DE VIVER AGORA. Benefícios do Programa Piloto. Sua Liberdade de Viver AGORA. Conforto Previsibilidade Estabilidade

DÊ ASAS A SUA LIBERDADE DE VIVER AGORA. Benefícios do Programa Piloto. Sua Liberdade de Viver AGORA. Conforto Previsibilidade Estabilidade DÊ ASAS A SUA LIBERDADE DE VIVER AGORA Por quanto tempo você vai aguentar uma situação desconfortável e insuportável, com opções e oportunidades limitadas? É sempre mais fácil não fazer nada. Porém, se

Leia mais

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Roteiro de Estudos 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Professor: Eduardo O que devo saber: Globalização, comércio mundial e blocos econômicos. O Comércio Global. O protecionismo. O comércio

Leia mais

21 sacadas para levar o seu negócio para o próximo nível

21 sacadas para levar o seu negócio para o próximo nível Para quem é este livro? Este livro é para todas aquelas pessoas que fazem o que amam em seu trabalho mas não estão tendo o retorno que gostariam. Este mini guia com 21 sacadas é um resumo dos atendimentos

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Diretiva do WEEE. Março de 2011. www.element14.com. Escopo/definições Objetivos da coleção Reutilização e reciclagem Responsabilidade do produtor

Diretiva do WEEE. Março de 2011. www.element14.com. Escopo/definições Objetivos da coleção Reutilização e reciclagem Responsabilidade do produtor Diretiva do WEEE Março de 2011 Escopo/definições Objetivos da coleção Reutilização e reciclagem Responsabilidade do produtor 1 A Comissão Europeia anunciou a revisão das propostas em torno do escopo da

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

EDUCAÇÃO FINANCEIRA PARA CRIANÇAS E JOVENS PROJETO É TEMPO...

EDUCAÇÃO FINANCEIRA PARA CRIANÇAS E JOVENS PROJETO É TEMPO... EDUCAÇÃO FINANCEIRA PARA CRIANÇAS E JOVENS PROJETO É TEMPO... O que se pensava que era o século XXI Os carros voam por estradas àreas O teletransporte é comum Fazem-se excursões a Marte A economia é sempre

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

30/04/2009. Entrevista do Presidente da República

30/04/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, à imprensa estrangeira especializada (Around the Rings, Inside The Games, EFE, AP, Kyodo News, Reuters), após reunião

Leia mais

Inclusão digital tem que ser política pública

Inclusão digital tem que ser política pública Inclusão digital tem que ser política pública Transformar a inclusão digital em política pública é fundamental para que os projetos e programas tenham continuidade, independentemente do partido político

Leia mais

Eu quero, mais uma vez, cumprimentar o nosso amigo Jacques Diouf, diretor-geral da FAO,

Eu quero, mais uma vez, cumprimentar o nosso amigo Jacques Diouf, diretor-geral da FAO, Discurso do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de apresentação da agenda das ações preparatórias da comemoração do Dia Mundial da Alimentação Data: 07/10/2004 Eu quero, mais

Leia mais

07/10/2004. Discurso do Presidente da República

07/10/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de apresentação da agenda das ações preparatórias da comemoração do Dia Mundial da Alimentação Palácio do Planalto, 07 de outubro de 2004 Eu quero, mais uma vez,

Leia mais

LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN

LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN e Responsabilidades do interesse público em relação aos Direitos Humanos e Valores Democráticos Terça feira, 24 de junho de 2014 09:00 a 09:30 ICANN

Leia mais

Na contramão de medidas anticrise, movimento ambientalista prega 'decrescimento'

Na contramão de medidas anticrise, movimento ambientalista prega 'decrescimento' Na contramão de medidas anticrise, movimento ambientalista prega 'decrescimento' Paula Adamo Idoeta Da BBC Brasil em Londres Atualizado em 12 de abril, 2012-05:41 (Brasília) 08:41 GMT Enquanto países afetados

Leia mais

LONDRES Sessão de planejamento do GAC para a reunião em Los Angeles

LONDRES Sessão de planejamento do GAC para a reunião em Los Angeles LONDRES Sessão de planejamento do GAC para a reunião em Los Angeles Quinta feira, 26 de junho, 2014 08:00 a 08:30 ICANN Londres, Inglaterra CHAIR DRYDEN: Bom dia a todos. Vamos começar com a nossa agenda.

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

02/12/2004. Discurso do Presidente da República

02/12/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de entrega do Prêmio Finep e sanção da Lei de Inovação de Incentivo à Pesquisa Tecnológica Palácio do Planalto, 02 de dezembro de 2004 Meus companheiros ministros,

Leia mais

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS AFRICANOS DA ENERGIA DECLARAÇÃO DE JOANESBURGO

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS AFRICANOS DA ENERGIA DECLARAÇÃO DE JOANESBURGO CONFERÊNCIA DOS MINISTROS AFRICANOS DA ENERGIA DECLARAÇÃO DE JOANESBURGO Preâmbulo Nós, os Ministros Africanos responsáveis pela Energia, reunidos em Joanesburgo, África do Sul nos dias 15 e 16 de Setembro

Leia mais

Startup reinventa mercado de imóveis com Lego da vida real

Startup reinventa mercado de imóveis com Lego da vida real 03/06/2016 06:00 Startup reinventa mercado de imóveis com Lego da vida real Saulo Suassuna Fernandes Filho, da Molegolar: empreendedor passou de empresa familiar para startup própria São Paulo - Quando

Leia mais

30/07/2009. Entrevista do Presidente da República

30/07/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com a presidente do Chile, Michelle Bachelet, após encerramento do seminário empresarial Brasil-Chile

Leia mais

Uma forma sustentável de alcançar os objetivos económicos e sociais da UE

Uma forma sustentável de alcançar os objetivos económicos e sociais da UE Uma forma sustentável de alcançar os objetivos económicos e sociais da UE Os instrumentos financeiros cofinanciados por Fundos Europeus Estruturais e de Investimento são uma forma eficiente e sustentável

Leia mais

A unificação monetária européia

A unificação monetária européia A unificação monetária européia Especial Panorama Celeste Cristina Machado Badaró 06 de julho de 2007 A unificação monetária européia Especial Panorama Celeste Cristina Machado Badaró 06 de julho de 2007

Leia mais

Título Economia de baixo carbono, desafios e oportunidades para o setor elétrico Veículo Canal Energia Data 16 dezembro 2015 Autor Claudio J. D.

Título Economia de baixo carbono, desafios e oportunidades para o setor elétrico Veículo Canal Energia Data 16 dezembro 2015 Autor Claudio J. D. Título Economia de baixo carbono, desafios e oportunidades para o setor elétrico Veículo Canal Energia Data 16 dezembro 2015 Autor Claudio J. D. Sales Estiveram reunidos nas duas últimas semanas em Paris,

Leia mais

22/05/2006. Discurso do Presidente da República

22/05/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de assinatura de protocolos de intenções no âmbito do Programa Saneamento para Todos Palácio do Planalto, 22 de maio de 2006 Primeiro, os números que estão no

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

A Luta Contra as Alterações Climáticas e a Conferência Climática de Copenhaga (COP15)

A Luta Contra as Alterações Climáticas e a Conferência Climática de Copenhaga (COP15) DEBATER A EUROPA Periódico do CIEDA e do CIEJD, em parceria com GPE, RCE e o CEIS20. N.1 Junho/Dezembro 2009 Semestral ISSN 1647-6336 Disponível em: http://www.europe-direct-aveiro.aeva.eu/debatereuropa/

Leia mais

O BRASIL NO MUNDO PÓS-CRISE #

O BRASIL NO MUNDO PÓS-CRISE # O BRASIL NO MUNDO PÓS-CRISE # José Augusto Guilhon Albuquerque * O título desta apresentação deveria ser: missão impossível. Falar sobre o Brasil no mundo pós-crise em 12 minutos implicaria falar sobre

Leia mais

PEP - 2016-6ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA

PEP - 2016-6ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1 PEP - 2016-6ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1 a QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar o emprego das novas tecnologias de informação e comunicação no mundo contemporâneo, de 1950

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice - Presidência do Governo Gabinete do Vice-Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice - Presidência do Governo Gabinete do Vice-Presidente Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente Senhora e Senhores Membros do Governo Permitam-me que, pela primeira vez que tenho a honra de intervir nesta Assembleia,

Leia mais

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman. Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.com Começa a segunda onda prevista de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais

UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais Arielli Xavier de Lima 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo Cesar Ribeiro Quintairos 3, Edson Aparecida

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Marcelo Belinati)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Marcelo Belinati) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Marcelo Belinati) Acrescenta o inciso X, com as alíneas a e b, altera para parágrafo primeiro o parágrafo único e adiciona o parágrafo segundo ao art. 7º da Lei nº 8.137,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. 1 de 5 A educação que movimenta o desenvolvimento Natalino Salgado Filho O ano de 2011 encerra com uma notícia que, aparentemente, parece muito alvissareira para o Brasil. O país ultrapassou a Grã Bretanha

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso no encontro com representantes

Leia mais

- Resultados da COP 21 - indc brasileira

- Resultados da COP 21 - indc brasileira - Resultados da COP 21 - indc brasileira Adriano Santhiago de Oliveira Diretor Departamento de Mudanças Climáticas Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Ministério do Meio Ambiente Resultados

Leia mais

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013 Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher DataSenado Março de 2013 Mulheres conhecem a Lei Maria da Penha, mas 700 mil ainda sofrem agressões no Brasil Passados quase 7 desde sua sanção, a Lei 11.340

Leia mais

Dicas para investir em Imóveis

Dicas para investir em Imóveis Dicas para investir em Imóveis Aqui exploraremos dicas de como investir quando investir e porque investir em imóveis. Hoje estamos vivendo numa crise política, alta taxa de desemprego, dólar nas alturas,

Leia mais

Declarar guerra às alterações climáticas

Declarar guerra às alterações climáticas 1 / 5 Declarar guerra às alterações climáticas Todos os estudos recentes mostram que as alterações climáticas são mais rápidas e têm consequências mais graves do que se dizia há 5 ou 10 anos. A emissão

Leia mais

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti*

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti* Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013 Por Roberto Vertamatti* Brasil recua novamente para a 15ª posição por não melhorar índices de saúde, educação e renda e piorar em relação a pobreza e desigualdade

Leia mais

A expansão chinesa na África: o desafio do crescimento e a nova

A expansão chinesa na África: o desafio do crescimento e a nova na África: o desafio do crescimento e a nova face do imperialismo econômico PET Economia 25 de novembro de 2015 Valeria Lopes Ribeiro Atualmente é professora assistente da UFRJ Doutorado em Economia Poĺıtica

Leia mais

HÁ UM ANO, O MUNDO VIVIA UMA FASE DE OTIMISMO

HÁ UM ANO, O MUNDO VIVIA UMA FASE DE OTIMISMO A economia verde Às vésperas da Conferência de Copenhague, a maior discussão global sustentabilidade desde o Protocolo de Kyoto, empresas e governos de todo o mundo têm uma certeza: quem não se adaptar

Leia mais

uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável

uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável Raphael Azeredo Vinícius Fox Drummond Cançado Trindade Só nos sustentamos em pé porque estamos ligados uns aos outros. A inspiradora frase de Candido

Leia mais

Guia do Crédito Certo. Para entender e usar corretamente.

Guia do Crédito Certo. Para entender e usar corretamente. Guia do Crédito Certo Para entender e usar corretamente. Índice 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Conhecendo o crédito. 1 \ O que fazer para ter uma vida financeira saudável? 2 Para que serve o crédito? 5 O Crédito Certo

Leia mais