UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A ARTETERAPIA NO DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS COM AUTISMO. Por: Natália Ferreira Martins. Orientador: Profª Maria Esther de Araújo Co-orientadora: Profª Giselle Böger Brand

2 2 Rio de Janeiro 2015 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A ARTETERAPIA NO DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS COM AUTISMO. Apresentação de monografia ao Instituto A Vez do Mestre Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Educação Especial e Inclusiva. Por: Natália Ferreira Martins.

3 3 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por ter me dado saúde e força, por sempre estar ao meu lado e me ajudar a superar as dificuldades. A AVM pela oportunidade de fazer o curso. A minha orientadora, pelo empenho dedicado à elaboração deste trabalho. Aos meus pais e noivo, pelo incentivo, apoio incondicional e amor demonstrado a cada dia. E a todos que direta e indiretamente fizeram parte da minha vida e da minha formação.

4 4 DEDICATÓRIA Agradeço, em primeiro lugar, a Deus, que iluminou o meu caminho durante esta caminhada. Aos meus pais e noivo que, com muito carinho e apoio, não mediram esforços para que eu chegasse até esta etapa da minha vida e por sua capacidade de acreditar em mim e de me dar esperança para seguir em frente.

5 5 RESUMO Este trabalho monográfico tem como vertente a arteterapia na educação especial. O principal assunto neste estudo é como a arteterapia pode ajudar no desenvolvimento psicológico, educacional e social de uma criança portadora do Distúrbio do Espectro do Autismo, pois esse distúrbio atinge a comunicação, a interação social, a imaginação e o comportamento do indivíduo portador. Esse estudo é de muita importância porque a arteterapia é uma fonte de criação, transferência e desenvolvimento, e, através dela, diversos valores dentro do campo do conhecimento e do sentimento são compreendidos. A arteterapia estimula a expressividade, a comunicação, a espontaneidade e o desenvolvimento do potencial humano de criatividade tendo como principal objetivo a criatividade e o autoconhecimento, não visando o aprendizado técnico. Ela tem finalidade curativa e, através da soma da compreensão profunda de si a uma abordagem criativa da vida, a arte promoverá mudanças internas e a superação de problemas. Esse trabalho tem como objetivo falar sobre as dificuldades, tanto no âmbito social quanto no desenvolvimento da aprendizagem, de crianças portadoras de autismo, analisar o trabalho feito pelos arteterapeutas com crianças autistas e verificar a importância das atividades que envolvem artes visuais no processo de socialização e de aprendizagem do indivíduo com Distúrbio do Espectro do Autismo.

6 6 METODOLOGIA A pesquisa será qualitativa, bibliográfica e teórica através de análises de livros sobre a arteterapia e sobre o autismo. A abordagem qualitativa é caracterizada por uma série de leituras sobre o assunto (pesquisa bibliográfica) mostrando o que os diferentes autores escrevem sobre o assunto. Marques (2006) defende que a abordagem qualitativa é aquela em que os dados não são passíveis de ser mensurados matematicamente e por isso, compreender a realidade por meio de uma abordagem qualitativa é percebê-la a partir da subjetividade do sujeito da investigação. Será pesquisado obras de Chris Williams, Barry Wright, Ana Maria S. Ros de Mello, Ana Beatriz Barbosa Silva, Mayra Bonifacio Gaiato, Leandro Thadeu Reveles e Lau de Oliver, autores que escreveram sobre autismo e arteterapia.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 9 CAPÍTULO I - Autismo Diagnóstico do autismo Causas do Distúrbio do Espectro do Autismo Um pouco da história do autismo Organizações que ajudam portadores de autismo no Brasil 16 CAPÍTULO II - As áreas afetadas Lorna Wing Interação Social Comunicação Imaginação Comportamento 22 CAPÍTULO III - A Arteterapia Breve histórico da arteterapia Objetivos da arteterapia A arteterapia e a abordagem junguiana A musicoterapia A arteterapia e a musicoterapia como terapia para o autismo A arteterapia e a musicoterapia no desenvolvimento de crianças autistas 31 CONCLUSÃO 34 BIBLIOGRAFIA 35

8 WEBGRAFIA 36 8

9 9 INTRODUÇÃO Autismo é considerado um transtorno global do desenvolvimento infantil que afeta as áreas da comunicação, da socialização e do comportamento do indivíduo portador. Carl Gustav Jung foi o pioneiro na utilização da arte no processo terapêutico. Ele iniciou o trabalho terapêutico utilizando as diversas formas de arte para que a pessoa pudesse expressar seus sentimentos através de desenhos, pinturas, esculturas, entre outras. Este trabalho irá abordar os benefícios da arteterapia no desenvolvimento de crianças com Distúrbio do Espectro do Autismo (ASD). Ele pretende mostrar a capacidade de desenvolvimento dos portadores de ASD através das artes visuais, teatrais, entre várias outras formas da arte usadas nesse processo de terapêutico. Além disso, irá mostrar as dificuldades, tanto no âmbito social quanto no desenvolvimento da aprendizagem, de crianças portadoras de autismo, analisar o trabalho feito pelos arteterapeutas com crianças autistas e verificar a importância das atividades que envolvem artes visuais no processo de socialização e de aprendizagem do indivíduo com Distúrbio do Espectro do Autismo. As artes visuais e outros tipos de artes como terapia complementar melhoram as condições de vida das crianças com autismo, que possuem dificuldades em relacionarem-se com outras pessoas, atrasos e déficit na comunicação e outras formas de atraso no desenvolvimento. Tais processos criativos servem de ponte de comunicação com a criança autista que possua déficits persistentes na comunicação social e na interação social em múltiplos contextos e dificuldades no desenvolvimento da aprendizagem. Essa pesquisa será focada nas obras de Jung, Barbosa Silva, Williams e Wright, Olivier, Philippini, Siegel, Moreira, entre outros autores citados mais a frente.

10 10 A definição do Distúrbio do Espectro do Autismo, as causas e a forma como um profissional pode chegar a um diagnóstico através do DSM IV e do CID 10 serão abordados no capítulo um. O capítulo dois terá como objetivo abordar algumas das áreas afetadas por esse distúrbio, como a interação social, a imaginação e a comunicação, mostrando algumas situações decorrentes das dificuldades da interação social e da comunicação. No terceiro capítulo o objetivo será mostrar a definição de arteterapia, a história desse processo terapêutico, a abordagem junguiana na arteterapia e a importância das diversas atividades e formas de artes (desenhos, esculturas, músicas, teatros, pinturas, etc.) providas pelo processo arteterapêutico no desenvolvimento de indivíduos com autismo.

11 11 CAPÍTULO I AUTISMO O autismo infantil foi definido por Kanner, em Foi denominado inicialmente como Distúrbio Autístico do Contato Afetivo, com características comportamentais bastante específicas como perturbações das relações afetivas, inabilidade no uso da linguagem para comunicação, solidão autística extrema, comportamentos ritualísticos, início precoce e com maiores incidências no sexo masculino. Esse distúrbio não se trata de um retardo mental ou lesão cerebral, embora vários portadores de autismo apresentem também estes problemas, o autismo é uma desordem comportamental. O distúrbio do espectro do autismo é um transtorno que se manifesta antes dos três anos de idade e que tem como características principais alterações na interação social, na comunicação e na imaginação, causando muitas dificuldades no processo de aprendizagem. De acordo com a Classificação Internacional de Doenças (CID 10), o autismo: É um transtorno invasivo do desenvolvimento, definido pela presença de desenvolvimento anormal e/ou comprometimento que se manifesta antes da idade de 3 anos e pelo tipo característico de funcionamento anormal em todas as três áreas: de interação social, comunicação e comportamento restrito e repetitivo. O transtorno ocorre três a quatro vezes mais em garotos do que em meninas. Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico dos Distúrbios Mentais (DSM IV) (2002), esse transtorno consiste no desenvolvimento anormal,

12 12 comprometido da interação social e da comunicação, além disso, o portador possui um repertório de interesse muito restrito. A definição da Associação Americana de Autismo (ASA), refere-se ao autismo como uma inadequação no desenvolvimento que se manifesta de forma grave e por toda a vida. Aparece nos três primeiros anos de vida e é mais comum em meninos do que em meninas. Segundo Bosa (2002), são chamadas Autistas as crianças que têm inadaptação para estabelecer relações normais com o outro, um atraso na aquisição da linguagem e, quando ela se desenvolve, uma incapacitação de lhe dar um valor de comunicação. Essas crianças apresentam estereótipos gestuais, uma necessidade de manter seu ambiente material da mesma forma sempre, ainda que deem provas de uma memória notável. Na décima revisão da Classificação Internacional de Doenças CID 10 o autismo é considerado um transtorno do desenvolvimento, assim se apresenta e caracterizam-se de acordo com Tamanaha, Perissinoto e Chiari: [...] os Transtornos Globais do Desenvolvimento foram classificados como um grupo de alterações, caracterizadas por alterações qualitativas da interação social e modalidades de comunicação, e por um repertório de interesses e atividades restrito e estereotipado. Essas anomalias qualitativas constituem uma característica global do funcionamento do indivíduo. (TAMANAHA, PERISSINOTO E CHIARI, 2008, p.4) O autismo, então, resulta de uma perturbação no desenvolvimento do Sistema Nervoso ocorrida antes do nascimento, que afeta o funcionamento cerebral em diversas áreas, tais como, a capacidade de interação social, a capacidade de comunicação e o comportamento.

13 Diagnóstico do autismo. Existem vários princípios de diagnósticos que são utilizados para a classificação do autismo. De acordo com o DSM IV e o CID 10, o diagnóstico deve ser feito por profissionais especializados, os quais podem ser um psiquiatra ou um médico neuropediatra especializado no assunto autismo. É extremamente importante que o diagnóstico do autismo deva ser feito através de observação direta do comportamento do indivíduo portador e de uma entrevista com os pais ou responsáveis. Os sintomas costumam aparecer antes dos três anos de idade, sondo possível fazer o diagnóstico por volta dos dezoito meses de idade. Para que o diagnóstico do autismo seja realizado de forma correta, é de suma importância que o profissional, além de entender bem sobre comportamentos infantis e de ter bastante experiência no assunto, investigue e esteja atento à história de vida do paciente, como a gestação, o parto, se houve ou não alguma complicação neonatal, entre outros aspectos dessa fase. Após essa investigação, o profissional precisa ter um profundo conhecimento da tríade de base alterada do funcionamento mental autístico (disfunção social, disfunção da comunicação e disfunções comportamentais). Para as crianças com autismo, o diagnóstico precoce é de suma importância para que sejam tratadas de imediato para desenvolver aquilo que é afetado. De acordo com o DSM-V, para diagnosticar o Distúrbio do Espectro do Autismo, o indivíduo deve preencher os critérios 1, 2 e 3 da lista abaixo: 1. Déficits clinicamente significativos e persistentes na comunicação social e nas interações sociais, manifestadas de todas as maneiras seguintes: 2. Déficits expressivos na comunicação não-verbal e verbal usadas para interação social; b. Falta de reciprocidade social; c. Incapacidade para desenvolver e manter relacionamentos de amizade apropriados para o estágio de desenvolvimento.

14 14 3. Padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses e atividades, manifestados por pelo menos duas das maneiras abaixo: 4. Comportamentos motores ou verbais estereotipados, ou comportamentos sensoriais incomuns; b. Excessiva adesão/aderência a rotinas e padrões ritualizados de comportamento; c. Interesses restritos, fixos e intensos. 5. Os sintomas devem estar presentes no início da infância, mas podem não se manifestar completamente até que as demandas sociais excedem o limite de suas capacidades. Existem alguns instrumentos que ajudam no diagnóstico do autismo. Os mais utilizados são: A Lista de Checagem de Comportamento Autístico (ABC) elaborado para a avaliação de comportamentos autísticos em população com retardo mental, que tem ajudado muito na elaboração de diagnóstico diferencial de autismo. O ABC, aparentemente é capaz de identificar altos níveis de comportamento autista; a Entrevista Diagnóstica para Autismo (ADI) consistem em uma entrevista elaborada para ser utilizada junto aos pais, tendo como objetivo o fornecimento de um diagnóstico diferencial dos transtornos globais do desenvolvimento; a Escala de Avaliação de Traços Autistas (ATA) é uma escala de avaliação de traços autistas baseadas nos critérios do DSM III R. Essa escala foi traduzida e adaptada para o Brasil em 1999; 1.2 Causas do Distúrbio do Espectro do Autismo. Mesmo que a real causa do autismo ainda seja uma incógnita, pois é difícil compreender as origens exatas deste desenvolvimento anômalo, estudos revelam que esse distúrbio do Sistema Nervoso, em parte, tem origem genética, através de mutações de vários genes diferentes. De acordo com estudos feitos pela National Autistic Society (NAS), pequenas mutações genéticas e diversos outros fatores aumentam o risco da portabilidade do distúrbio autístico. Pesquisadores avaliaram quinze mil

15 15 quatrocentas e oitenta amostras de DNA a fim de determinar o impacto de mutações genéticas herdadas dos pais, assim como as mutações que surgem espontaneamente. Dos trinta e três genes ligados ao autismo, quinze já eram conhecidos como propagadores da síndrome, onze não eram considerados risco real por causa da falta de dados sobre eles e sete genes não eram conhecidos pelos cientistas em relação à sua conexão com o autismo. Mesmo sabendo que a genética pode em muito contribuir para propagação do distúrbio autístico, há ainda muito para pesquisar para saber quais são os outros fatores que ajudam na probabilidade de certos indivíduos serem portadores de tal síndrome como, por exemplo, os fatores ambientais. 1.3 Um pouco da história do autismo. O autismo era denominado como um sintoma extremo de alienação ou como mais um caso ligado à esquizofrenia. Leo Kanner teve um papel fundamental, pois foi ele que descreveu pela primeira vez, em 1943, sobre o autismo. Assim, ele inicia o artigo que mudou sua vida e de muitas pessoas com autismo: Desde 1938 têm chamado a minha atenção algumas crianças cujas condições diferem de forma marcante e tão específica de qualquer coisa até agora registrada que creio que cada caso merece, e eu espero que eventualmente receba, uma apreciação detalhada de suas fascinantes peculiaridfades... As definições de Kanner, foram logo absorvidas pelos cientistas e salientava a existência de uma distorção do modelo familiar, que ocasionaria alterações no desenvolvimento psicoafetivo do indivíduo.

16 16 Hans Asperger, médico austríaco, descreveu em 1944 um grupo de pacientes com inteligência normal, mas que possuíam um certo tipo de deficiência no desenvolvimento social, entretanto, sem atrasos na aquisição da linguagem, além de enfatizar a preocupação com a abordagem educacional das crianças portadoras dess distúrbio, no qual denominva Psicopatia Autística. Lorna Wing começa a publicar textos a partir de 1960 que tiveram grande influência para o estudo sobre autismo. Ela foi a primeira a descrever a tríade de sintomas na década de 70 (alterações na comunicação, na interação social e na linguagem). Na mesma década, Ivar Lovaas, psicólogo comportamental, introduziu a ideia de que a técnica da terapia comportamental auxilia e ajuda crianças com autismo na aprendizagem de novas habilidades Organizações que ajudam portadores de autismo no Brasil. No Brasil, a primeira organização voltada para o autismo foi criada e fundada por um grupo de pais, cuja a maioria com filhos do espectro autista, no ano de 1983 em São Paulo. A AMA (Associação de Amigos do Autista) foi fundada por esses pais com o intuito de acolher, informar e capacitar famílias e profissionais, principalmente as famílias com autismo da cidade, do estado e do país. Algumas mães fundadoras da AMA trouxeram para o Brasil mais metodologia especializada ao visitarem locais de tratamento em instituições da Europa e dos Estados Unidos. A AMA, ainda hoje, é uma referência para muitos brasileiros com autismo e suas famílias. A AMA tem como missão: Proporcionar à pessoa com autismo uma vida digna: trabalho, saúde, lazer e integração à sociedade. Oferecer a família da pessoa com autismo instrumentos para a

17 17 convivência no lar e em sociedade. Promover e incentivar pesquisas sobre o autismo, difundido o conhecimento acumulado. A Associação Mantenedora Pandorga foi criada no ano de 1999 e é uma associação de caráter beneficente e sem fins lucrativos. Essa instituição filantrópica atende desde crianças até jovens adultos com autismo e psicose graves. Essa associação tem como objetivos contribuir para que as pessoas atendidas adquiram o mais alto grau possível de competência social, contribuir para o mais alto grau possível de bem estar e desenvolvimento geral das pessoas atendidas, contribuir para que as pessoas atendidas melhorem o manejo de suas vidas através de atendimento especializado, contribuir para que as pessoas atendidas possam reduzir ao máximo suas crises de desespero, ansiedade, autoagressão e heteroagressão, possibilitar às pessoas atendidas sair da reclusão de suas casas e proporcionar-lhes um ambiente acolhedor, de respeito, amor e convivência com seus pares e dar apoio e aliviar a carga das famílias (principalmente às mães) das pessoas atendidas.

18 18 CAPÍTULO II AS ÁREAS AFETADAS. Lorna Wing (Barbosa Silva, 2012, p. 160) definiu o autismo como uma síndrome que apresenta comprometimentos em três importantes áreas do desenvolvimento humano, tais como na interação social e compreensão social, na comunicação e na imaginação, nos interesses e comportamentos restritos. A Tríade de Lorna Wing ficou mundialmente conhecida e o diagnóstico clínico do autismo é feito com nessa tríade, além de ser feito através da avaliação direta do comportamento dos portadores Lorna Wing. A doutora Lorna Wing foi uma das fundadoras da Sociedade Nacional de Autismo e desenvolveu o conceito de autismo como um espectro na década de Sua dedicação e seu trabalho mudou a forma como o autismo era considerado. Mãe de uma criança com autismo, ela sempre defendeu uma melhor compreensão, melhores condições e serviços para pessoas portadoras de ASD, bem como suas famílias. Seu trabalho epidemiológico resultou em uma demarcação da síndrome, chamada de tríade de deficiências, que são as dificuldades na comunicação, na interação social e no comportamento Interação Social. Interação social é o processo de relação entre um indivíduo e outro dentro de um contexto social. Pode-se dizer também que interação social é o processo pelo qual agimos e reagimos em relação àqueles que estão ao nosso redor. O olhar (contato visual) é um exemplo de interação social. A dificuldade de socialização é a base da tríade de sintomas do portador do distúrbio do espectro do autismo, é o ponto crucial e o mais fácil de gerar

19 19 falsas interpretações e gera dificuldade durante a relação com os outros, além de deixar visível a incapacidade de compartilhar sentimentos, emoções e gostos. São vários os sintomas já observados em indivíduos autistas na interação social. As crianças portadoras não costumam manter o contato visual, não tentam compartilhar suas experiências ou sensações de forma espontânea, não são capazes de estabelecer relacionamentos amistosos com colegas. Siegel (2008:42) considera que as interações sociais em crianças autistas são pouco frequentes, pois elas se isolam, mesmo que estejam numa sala cheia de gente e acabam sendo descritas como crianças no seu próprio mundo. Barbosa Silva (2012:89) lista situações decorrentes da disfunção social, tais como: a dificuldade de estabelecer contato visual direto, deficiência em compartilhar momentos e interesses com outras pessoas, o uso dos pais, pessoas de seu convívio ou cuidadores como instrumentos, ou seja, levaos até aquilo que deseja, a falha na antecipação de movimentos, o maior interesse por objetos e animais do que por pessoas, entre outras. Para Nilsson (2003) a interação social pode ser caracterizada como um prejuízo acentuado no uso múltiplo de comportamentos não verbais como, contato visual direto, expressão facial, postura corporal e gestos, não mostra prazer em compartilhar espontaneamente seus interesses. As crianças autistas não compreendem como se estabelecem as relações de amizade. Algumas vivem isoladas e não têm amigos, já outras acreditam que todas as crianças de sua sala de aula são seus amigos. As crianças com autismo não partilham interesses com os outros, evitam olhar nos olhos de outrem, são inexpressivas, não compreendem os limites de seu espaço pessoal, têm dificuldades de entender os sentimentos das outras pessoas ou de falar sobre os seus e evita o contato físico. A cegueira mental relaciona-se e afeta a interação social do portador de ASD, pois ela refere-se a ser cego em relação de outrem (Williams; Wright, 2008). Com isso, o indivíduo com autismo tem muita dificuldade em entender o ponto de vista, os sentimentos e as ideias de outras pessoas.

20 Comunicação Comunicação é uma palavra derivada do termo latino communicare,que significa partilhar, participar algo, tornar comum. A comunicação tem sido de importância vital desde o início dos tempos, sendo um instrumento de instrução, troca mútua, integração e de desenvolvimento. Segundo Chiavenato (2000, p. 142), a comunicação pode ser definida simplesmente como o processo de interação, onde são passadas informações e entendimentos de uma pessoa para outra. Os devios qualitativos da comunicação têm como característica a dificuldade em utilizar com sentido todos os aspectos da comunicação verbal e não verbal, incluindo as expressões faciais, os gestos, a linguagem corporal, ritmo e a modulação na linguagem verbal. Crianças com Distúrbio do Espectro do Autismo podem desenvolver linguagem mais tarde do que outras e ter aptidões de linguagem expressivas (saber como dizer as coisas) e receptivas (entender o que se diz) limitadas. (Williams; Wright, 2008, p. 71). As crianças com ASD manifestam dificuldades na comunicação verbal, não verbal e na compreensão. Nas crianças autistas, a comunicação não verbal precoce é limitada ou inexistente, apresentando sérios problemas na compreensão e utilização da mímica, gestualidade e fala. Quando se trata de linguagem verbal, apresentam atraso ou ausência total. Os autistas que desenvolvem linguagem demonstram dificuldades em iniciar ou sustentar diálogos, pois não visam comunicação mesmo que utilizem a fala. Há grande variação no desenvolvimento da linguagem em crianças com autismo, algumas têm poucas habilidades na fala e quase não conseguem se comunicar e outras falam bem, mas podem ter dificuldade de compreender o outro. O atraso ou a ausência total de desenvolvimento da linguagem falada, não acompanhado pela tentativa de compensar por modos alternativos de

21 21 comunicação, tais como gestos ou mímica, segundo Nilsson (2003), normalmente desenvolve uma comunicação própria para obter vínculo com as pessoas. Segundo Kanner (1943), algumas das crianças que ele acompanhou repetiam tudo o que havia sido dito naquele momento (ecolalia imediata) ou em momentos anteriores (ecolalia diferida), e chega a afirmar que a conversa dessas crianças é um eco de tudo o que já se lhe pôde ser dito, mostrando através disso a ausência da produção de frases espontâneas. A ecolalia (uso estereotipado e repetitivo da linguagem), dificuldade no entendimento de ironias ou frases com duplo sentido, a dificuldade no desenvolvimento da linguagem verbal falada, sem que haja alguma tentativa de compensá-la através de outra alternativa, como por exemplo, gestos, a inversão de pronomes, dificuldades em iniciar, manter ou terminar uma conversa nas que não apresentam prejuízos significativos na fala, entre outros, segundo Barbosa Silva (2012:90), são exemplos de disfunções na comunicação. De acordo com Nilsson (2003), portadores de autismo conseguem articular e imitar, tendo muita dificuldade de entender completamente a comunicação. A autora ainda mostra que as funções de comunicação mais avançadas, como dar informações, pedir informações, comentar e compartilhar emoções são muito difíceis para os portadores. 2.4 Imaginação. Imaginação é a capacidade de um indivíduo para representar imagens reais ou ideais. Ela permite ter em mente um objeto que se tenha percebido anteriormente ou criar alguma coisa nova, sem nenhum fundamento real. Segundo Vygotsky: (...) A imaginação, como a base de toda a atividade criadora se manifesta igualmente em todos os aspectos da vida cultural, possibilitando a criação artística, científica e técnica.

22 22 Neste sentido, absolutamente tudo o que nos rodeia foi criado pela mão do homem, todo o mundo da cultura, ao contrário do mundo da natureza, todos os resultados são produtos da imaginação (1990, p. 10). Segundo Williams e Wright (2008), a maioria dos indivíduos com autismo desenvolve a capacidade imaginativa ao longo do tempo, embora muitos tenham ritmo mais lento nesse desenvolvimento. Eles mencionam as dificuldades que as crianças portadoras de ASD possuem ao brincar, na resolução de problemas, no senso de humor, na compreensão de conceitos abstratos, na convivência com outras pessoas e no pensamento literal, em consequência dos problemas e dificuldades com a imaginação. Para Barbosa Silva (2012:90), as crianças com autismo têm dificuldades de imaginar os papéis a serem representados, por isso elas possuem dificuldades de participar de brincadeiras de faz de conta. Nilsson (2003) diz que as crianças com ASD não tem desenvolvimento nas variações das habilidades de fingir e imaginar. Aquelas que desenvolvem a imaginação, fazem sempre a mesma coisa frequentemente, mais do que as crianças normais. A dificuldade do autista na imaginação pode ser percebida de diversas formas. Uma criança autista pode ficar horas e horas explorando a textura de um brinquedo ou brincar de forma desprovida de criatividade e pela exploração intensa e peculiar de algum objeto. 2.5 Comportamento. De acordo com Barbosa Silva (2012:39), os comportamentos dos indivíduos com Distúrbio do Espectro do Autismo são divididos em duas categorias. Os comportamentos motores estereotipados e repetitivos fazem parte da primeira categoria. São exemplos desses comportamentos os pulos, o

23 23 balançar do corpo, o bater de palmas, o balançar das mãos, as caretas, entre outros. Os comportamentos disruptivos cognitivos fazem parte da segunda categoria, tendo como exemplo os rituais e rotinas, compulsões, mesmice, entre outros. Algumas crianças portadoras de autismo fazem apenas o que é de seu interesse, não ouvindo e nem seguindo as ordens dos pais, são bem agitadas, possuem interesses restritos, medo de mudanças, possuem habilidades específicas, andam nas pontas dos pés, podem possuir aversão a barulhos altos, gritos (fonofobia), dificuldades em algumas atividades básicas diárias, hábito de empilhar ou enfileirar coisas, entre vários outros tipos de disfunções comportamentais. De acordo com Nilsson (2003) a dificuldade na mudança de rotina, rituais específicos e não-funcionais, maneirismos motores estereotipados e repetitivos, por exemplo: os movimentos repetitivos de todo o corpo, agitar ou torcer as mãos ou dedos e preocupação persistente com partes de objetos são característicos do portador de ASD. As pessoas com autismo possuem então características singulares a esses indivíduos como movimentos anormais, que são comuns em autistas, padrões repetitivos e estereotipados de comportamento, onde são incluídos a resistência a mudanças, apego excessivo a objetos, fascinação com partes de brinquedos e movimento de peças e insistência em determinadas rotinas. Muitas vezes, embora algumas crianças com ASD pareçam brincar, ela está mais preocupada em manusear o brinquedo ou em olhar parte dele do que usá-lo para sua real finalidade.

24 24 CAPÍTULO III A ARTETERAPIA. A definição de arte segundo o Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa (Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, segunda edição) é a: Atividade que supõe a criação de sensações ou de estados de espírito, de caráter estético, carregados de vivência pessoal e profunda, podendo suscitar em outrem o desejo de prolongamento ou renovação [...] a capacidade criadora do artista de expressar ou transmitir tais sensações ou sentimentos... Segundo Azevedo Júnior (2007) a arte é conhecimento, além de uma das primeiras manifestações da humanidade para marcar sua presença em determinado espaço que expressam suas ideias, sentimentos e emoções sobre determinado assunto para os outros. A arte tem a intenção de mostrar como as coisas podem ser de acordo com determinada visão e não uma visão de como as coisas são, sendo uma representação simbólica do mundo humano. Em suma, a arte é a forma de expressão do ser humano que tem o poder de alcançar emoções profundas, mudar a maneira como a pessoa se sente em relação ao mundo e a si mesma, mostrar a forma de como o indivíduo vê o mundo, olha para o mundo e para si. 3.1 Breve histórico da arteterapia. Desde a pré-história, o homem sente a necessidade de expressar-se, mostrando o que sente, vê e percebe das relações consigo mesmo e das relações com o mundo em que vive. O homem encontrou um meio de suprir

25 25 todas essas necessidades através da arte. A arte vem evoluindo através dos tempos e começa a despertar o interesse no ramo da psiquiatria e da psicanálise. Para Moreira (2006/2007), a arte, desde os tempos primórdios, tem sido um canal, e através dele o homem expressa tudo que vem de sua alma e suas emoções. Com o intuito de resgatar os indivíduos traumatizados pela guerra, mutilados de forma física e emocionalmente, a arte terapia surgiu no período de pósguerra na Inglaterra como iniciativa de vários profissionais das áreas de Ciências Sociais, Psicologia, Arte e Pedagogia. A junção desses profissionais utilizando as diversas linguagens artísticas como instrumento de expressão, seguindo a orientação da psicologia analítica de Carl Gustav Jung, provou a grande eficácia do tratamento psicoterapêutico, reintegrando essas pessoas à vida e à sociedade. A partir daí, a arte aplicada à psicopatologia abordada por Jung passou a trabalhar com o fazer artístico, em forma de diversas atividades criativas que ajuda na integração da personalidade. Segundo Jung (1920), a arte é a expressão mais pura que há para a demonstração do inconsciente de cada pessoa, além de ser liberdade de expressão, sensibilidade, criatividade e vida. O filósofo Rudolf Steiner incorporou a arte terapia ao arsenal terapêutico da medicina antroposófica, por ele criada na virada do século XX. Osório Cesar (1923) contribuiu no Brasil ao trabalhar com arte no hospital do Juqueri, Franco da Rocha São Paulo. Nise da Silveira também contribuiu no Centro Psiquiátrico D. Pedro II, no Rio de Janeiro, e buscou compreender imagens produzidas por seus pacientes sob a ótica da teoria Junguiana, deixando um grande legado para a arte terapia. Hoje, há vários cursos profissionalizantes de arte terapia que são ministrados em nível de especialização no Brasil. 3.2 Objetivos da arteterapia. A arte terapia é tida como atividade de purificação e reorganização interior e possui vários objetivos. Segundo Jung o homem utiliza a palavra escrita ou

26 26 falada para expressar o que deseja transmitir. Sua linguagem é cheia de símbolos, mas ele também, muitas vezes, faz uso de sinais ou imagens não estritamente descritivos (Jung, 1964, p. 16). Para Jung (1920), a arte tem finalidade criativa, e a energia psíquica, consegue transformar-se em imagens e através dos símbolos e colocar seus conteúdos mais internos e profundos. A Arte terapia baseia-se na crença de que o processo criativo envolvido na atividade artística é terapêutico e enriquecedor da qualidade de vida das pessoas. De acordo com Moreira: A arte e um produto de uma necessidade de expressar, de configurar e trazer para o nível concreto, imagens internas repletas de energia psíquica. A arte também se apresenta como uma possibilidade de organização emocional, intelectual e espiritual da personalidade do homem (2006/2007, p. 32). Por meio do criar em arte e do refletir sobre os processos e os trabalhos artísticos resultantes, pessoas podem ampliar o conhecimento de si e dos outros, aumentar a autoestima, lidar melhor com sintomas, stress e experiências traumáticas, desenvolver recursos físicos, cognitivos, emocionais e desfrutar do prazer vitalizador do fazer artístico. A arte terapia permite infinitas opções de descobertas e reflexão, o que favorece o equilíbrio emocional do indivíduo. A arteterapia propõe um espaço de criação e de facilitação da comunicação verbal e não verbal, amplia a possibilidade de percepção dos seus problemas e necessidades, através de cada produção artística, permitindo a construção de recursos internos saudáveis para a procura de soluções, possibilita o reconhecimento de si mesmo promovendo o autoconhecimento e, assim poder resgatar a autoestima e autoconfiança como processo de estímulo à criatividade e

27 27 expressão além de proporcionar comunicação de ideias e emoções. Ela valoriza a criatividade e o fazer artísticos, contribui para a organização psíquica, reforça a identidade do indivíduo e seu desenvolvimento global. Veja abaixo um diagrama que mostra os benefícios da arte terapia na vida das pessoas: Ajuda no relaxamento Diminui a insegurança Promove autoexpressão Desenvolve a imaginação e a criatividade Arte terapia Melhora a autoestima Descarrega tensões Melhora o relacionamen to em grupo Diminui a insegurança De acordo com Philippini (2000), a arte terapia resgata e ajuda na prevenção e na expansão da saúde do indivíduo, auxilia no resgate, no fortalecimento ou no desbloqueio dos potenciais criativos através das diversas formas de expressões. A arte terapia, então, é baseada na ideia fundamental de que toda pessoa tem capacidades inatas de expressar seus conflitos interiores através de imagens visuais, táteis, auditivas, entre outras. O trabalho com a arte terapia pode trazer benefícios seja a nível simbólico como a nível comportamental. Com crianças, a arte terapia ajuda a passar pelos diversos estágios de desenvolvimento, como a linguagem não verbal,

28 28 ajudando a criança a desenvolver seu universo sensorial, sua capacidade de representação e construção e sua consciência corporal. 3.3 A arteterapia e a abordagem junguiana. O recurso da arte aplicado à psicopatologia teve origem nos trabalhos de Carl Gustav Jung, pois foi o primeiro psicoterapeuta a utilizar a arte e suas diversas formas (escultura, pintura, etc.) como forma de expressão do inconsciente no tratamento com pacientes psicóticos em razão de suas dificuldades ou incapacidades de fala. Ele começou a trabalhar com o fazer artístico, em forma de atividades criativas. Jung (1920) diz que a arte é uma expressão pura que existe para a demonstração do inconsciente de cada indivíduo, é liberdade de expressão, é criatividade, é sensibilidade, é vida. Carl Gustav Jung mostrava a forma como o homem deveria ser visto, como um todo, visto por inteiro. Através de experiências artísticas com seus pacientes e consigo mesmo, Jung pôde identificar várias causas das aflições, das angústias e das depressões expressas através dos símbolos feitos na arte de cada pessoa. Percebe-se que a grande busca de Jung (2011) era conhecer a si mesmo e o significado da vida, partindo da ideia de considerar o homem como um ser completo. Moreira (2006/2007) mostra que a arteterapia de abordagem junguiana tem como objetivo facilitar e ajudar na expressão e elaboração de imagens arquetípicas que são contextualizadas à situação de vida do indivíduo, levando em conta a história de vida do indivíduo e suas percepções pessoais. 3.4 A musicoterapia. No século V a.c, a musicoterapia foi utilizada pela primeira vez por Pitágoras para tratar doentes mentais, mas foi só em 1950 que foi realmente reconhecida no ramo da medicina como forma de terapia. A musicoterapia é uma ciência baseada em medicina, através das áreas de neurologia e psiquiatria, e música, através dos elementos musicais com o objetivo de

29 29 melhorar a qualidade de vida das pessoas que buscam ajuda para tratar ou prevenir alguma enfermidade. Essa forma de terapia possui três aspectos que são o desenvolvimento da auto-estima, a interação positiva do paciente com outras pessoas e a utilização do ritmo, que é o elemento básico e potente da música, como fonte causadora de energia e ordem, estimulando e orientando processos psicomotores que provocam a execução de movimentos controlados. De acordo com a Federação Mundial de Musicoterapia (1996): A musicoterapia é a utilização da música e/ou seus elementos (som, ritmo, melodia e harmonia) por um musicoterapeuta qualificado, com um cliente ou grupo, em um processo para facilitar e promover a comunicação, relação, aprendizagem, mobilização, expressão, organização e outros objetivos terapêuticos relevantes, no sentido de alcançar necessidades físicas, emocionais, mentais, sociais e cognitivas. Segundo a Federação Mundial de Musicoterapia (1996) a musicoterapia tem como objetivo desenvolver os potenciais do indivíduo, restabelecendo suas funções, para que, através disso, ele possa alcançar uma melhor integração intrapessoal e/ou interpessoal e uma melhor qualidade de vida. A música não necessita passar pelos centros cerebrais que são responsáveis pela razão e pela inteligência do ser humano, pois ela é entendida e percebida pelas partes cerebrais que são responsáveis pelos estímulos, sentimentos, pelas sensações e emoções da pessoa, operando assim sobre o lado emocional humano. De acordo com Olivier (2011) para a aplicação da musicoterapia é necessário que alguns pontos sejam definidos, como, por exemplo, o tipo de

30 30 música que seja aceitável por cada paciente e específico a cada caso, a intensidade dos sons e da música, bem como sua modalidade. A musicoterapia é uma alternativa no tratamento de portadores de autismo, pois a música é utilizada em todas as suas formas com a participação ativa ou passiva do autista, fazendo com que haja crescimento em seu desenvolvimento. Através da musicoterapia o portador de ASD pode se comunicar de forma não verbal exprimindo seus sentimentos e desenvolvendo sua autoestima. São vários os benefícios do tratamento de autistas com a musicoterapia, entre eles a diminuição dos movimentos estereotipados, a promoção da satisfação emocional, a facilitação da comunicação verbal e não verbal, do contato tátil e visual, a ampliação da interação com o mundo, a facilitação da criatividade, a contribuição para organização do pensamento e para o desenvolvimento social, a diminuição da hiperatividade, além de outros benefícios A arteterapia e a musicoterapia como terapia para o autismo. São várias as dificuldades enfrentadas por crianças portadoras da Síndrome do Espectro do Autismo. Além de apresentarem problemas na socialização, no comportamento, na imaginação e na comunicação, ainda apresentam muitos problemas de aprendizagem por causa desses fatores citados. As artes visuais, a dança, a música e o teatro têm como finalidade a diminuição desses problemas e melhoram de forma significativa as condições de vida dessas crianças. A arteterapia e a musicoterapia geram muitos benefícios cognitivos e sociais aos portadores de ASD. De acordo com a Associação Americana de Arteterapia, essa forma alternativa de terapia ajuda, através do processo criativo, a melhorar o bem-estar mental, físico e emocional de cada indivíduo, na resolução de problemas e conflitos, no controle do comportamento, na autoestima e na autoconsciência, no desenvolvimento das habilidades interpessoais e na redução do estresse. A musicoterapia também ajuda o autista a demonstrar suas emoções e seus sentimentos e a resolver conflitos internos. Segundo Taylor e Paperte:

31 31...a música, por causa da sua natureza abstrata, desvia o ego e controles intelectuais e, constatando diretamente os centros mais profundos, revolve conflitos latentes e emoções, trazendo-os à tona, e que podem então ser expressos e reativados por meio dela. A música provoca em nós um estado que atua, de algum modo, como um sonho no sentido psicanalítico. (Taylor e Paperte, 1958, apud Ruud, 1990, p. 39). Através da musicoterapia, a criança portadora de autismo também desenvolve a linguagem não verbal, meio importante para o desenvolvimento da aprendizagem da mesma. De acordo com Ruud (1990), a linguagem não verbal é um dos fatores mais nítidos e desenvolvidos na utilização da musicoterapia. 3.6 A arteterapia e a musicoterapia no desenvolvimento de crianças autistas. O valor das expressões artísticas nas culturas humanas é historicamente reconhecido. Como atesta Andrade (2000, p. 13), a arte tem uma função simbólica, por criar substitutos da vida sem nunca descrever o real, permitindo ao homem expressar e ao mesmo tempo perceber os significados atribuídos à sua vida, na sua eterna busca de um tênue equilíbrio com o meio circundante. Assim, pois, a arte manifesta uma relação profunda do homem com o mundo. A arte terapia permite infinitas opções de reflexão e descoberta, favorecendo o equilíbrio emocional, desenvolvendo a criatividade e imaginação do portador de autismo, anulando suas tensões e trazendo suas emoções para

32 32 fora, além de seus temores e suas fantasias. Com a arte terapia, o equilíbrio psicológico é trabalhado e é percebido o desenvolvimento motor, social e intelectual, além de auxiliar no crescimento afetivo, psicomotor e cognitivo, pois permite a criação e a experimentação, o que gera o prazer de novas descobertas. Outros objetivos da arte terapia com crianças autistas são ajudar a intensificação do contato do indivíduo consigo mesmo, com os outros e com o mundo através das nossas funções de contato (escutar, falar, tocar, etc.) e propiciar uma conscientização não só no nível mental e cognitivo, mas organísmica, do organismo como um todo, no e por meio do vivido. Pessoas com autismo tem muita dificuldade na socialização, com vários níveis de severidade, algumas até se isolam em um mundo só delas, impenetrável, tendo o contato social prejudicado. Várias atividades feitas no processo terapêutico em arteterapia, ajudam no desenvolvimento da socialização do portador. Os jogos dramáticos em grupo, por exemplo, ajuda a desenvolver a desinibição, a integração de grupo, ajuda a aumentar a confiança em si e nos outros, além de vários outros benefícios. Portadores de autismo possuem distúrbios na comunicação, na fala, verbal ou não verbal, necessidade de uniformidade de rotina, comportamentos repetitivos e muita dificuldade de imaginação. As atividades que envolvem jogos dramáticos também ajudam no desenvolvimento da comunicação, e dos demais citados acima, os desenhos, as pinturas, as modelagens, o recorte e a colagem, entre várias outras atividades ajudam a criança com autismo a desenvolver a comunicação, a imaginação, a coordenação motora, a interação social, além de aumentar sua autoestima, sua independência e a percepção de si mesmo e do outro. A terapia através da música tem sido muito promissor em crianças com autismo, pois no autista a música atinge primeiro a emoção e depois passa para reações físicas. A musicoterapia permite a participação ativa de cada criança autista, pois através da música a criança pode ver, ouvir e tocar, ajudando o desenvolvimento dos sentidos, descobrir suas próprias capacidades e desenvolver relações com o meio em que vive ao imitar sons

33 33 e cantar e desenvolver a coordenação motora através do ritmo e do acompanhamento dos gestos e da dança.

34 34 CONCLUSÃO A arte terapia é um tratamento que usa como mediação o processo e a expressão artística. Ela propõe ao sujeito encontrar e elaborar um universo de imagens significantes de seus conflitos subjetivos. Ao focar no nível sensório motor, a arte terapia propõe a experiência dos potenciais internos de ação, utilizando recursos artísticos como canais expressivos explorando as funções de contato (escutar, falar, olhar, etc.) para intensificar o contato consigo mesmo e com um todo, melhorando também o nível de comunicação e expressividade. Um indivíduo portador do autismo pode desenvolver várias habilidades, como a socialização, a coordenação motora, a orientação espacial, a comunicação, a imaginação, dentre outras, gerando autoconfiança, independência e alta autoestima, fazendo com que aprenda a lidar com os desafios da vida cotidiana. O desenvolvimento físico, social e cognitivo é essencial para que o portador de ASD tenha sua independência e encontre sua felicidade.

35 35 BIBLIOGRAFIA AZEVEDO JUNIOR, José Garcia de. Apostila de Arte Artes Visuais. São Luís: Imagética Comunicação e Design, BARBOSA SILVA, Ana B., Mundo singular entendendo o autismo. Rio de Janeiro: Objetiva, BOSA, Cleonice; CALLIAS, Maria. Autismo: breve revisão de diferentes abordagens. Psicol. Reflex. Crit. V. 13 n. 1 Porto Alegre, CHIAVENATO, Idalberto, Administração nos novos tempos. 6ª edição, São Paulo: Saraiva, DE OLIVIER, Lou, Psicopedagogia e Arteterapia. 3ª edição, Rio de Janeiro: Wak, JUNG, C. G. Definições (1920). In: Obras completas. Rio de Janeiro: Zahar, JUNG, C. G. O espírito na arte e na ciência. O. C. vol ª edição. Rio de Janeiro: Vozes, KANNER, L. Autistic disturbances of affective contact. Nervous Children, 2: , MARQUES, H. R.; MANFROI, J.; CASTILHO, M. A. de; NOAL, M. L. Metodologia da pesquisa e do trabalho científico. Campo Grande: UCDB, MOREIRA, Patrícia R. T.; Arteterapia comece onde você está construindo

36 36 sua própria imagem. Alagoas, 2006/2007. NILSSON, I.; Introdução à educação especial para pessoas com transtornos do espectro autístico e dificuldades semelhantes de aprendizagem, sd. PHILIPPINI, A. Cartografias da coragem: Rotas em Arteterapia. Rio de Janeiro: Pomar, RUUD, Even. Caminhos da musicoterapia. São Paulo: Summus, S. ROS DE MELLO, Ana Maria, Autismo: guia prático, 4ª edição, São Paulo: AMA; Brasília: CORDE, SIEGEL, B, O mundo da criança com autismo. 1ª edição, Editora: Porto, TAMANAHA, Ana Carina; Perissinoto,Jacy; Chiari, Brasilia Maria. Uma breve revisão histórica sobre a construção dos conceitos do Autismo Infantil e da síndrome de Asperger. Rev. soc. bras. fonoaudiol. V.13 n.3 São Paulo WILLIAMS, Chris, Convivendo com Autismo e Síndrome de Asperger, São Paulo: M. Books, VYGOTSKY, Lev S. La Imaginacion y el Arte em la Infância. México: Fontamara, WEBGRAFIA Associação Mantenedora Pandorga. Disponível em Acesso em mar

37 37 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO AUTISTA (AMA). Disponível em Acesso em mar AUSTIN SOCIETY OF AMERICAN (ASA) ESTUDO SOBRE CAUSAS GENÉTICAS. Disponível em https://icl.googleusercontent.com. Acesso em mar História do autismo. Disponível em Acesso em mar

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino.

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino. 1 AUTISMO Autismo é um distúrbio do desenvolvimento que se caracteriza por alterações presentes desde idade muito precoce, com impacto múltiplo e variável em áreas nobres do desenvolvimento humano como

Leia mais

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Genética e Ambiente A combinação de fatores ambientais e genéticos é que determina o produto

Leia mais

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA TEA Módulo 3 Aula 2 Processo diagnóstico do TEA Nos processos diagnósticos dos Transtornos do Espectro Autista temos vários caminhos aos quais devemos trilhar em harmonia e concomitantemente para que o

Leia mais

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25)

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL LAUDO DE AVALIAÇÃO AUTISMO (Transtorno Autista e Autismo Atípico) Serviço Médico/Unidade

Leia mais

Autismo Rede Biomédica de Informações

Autismo Rede Biomédica de Informações Autismo Rede Biomédica de Informações DSM-IV Critérios, Transtornos Invasivos do Desenvolvimento 299.00 Transtornos Autisticos A. Um total de seis ( ou mais) itens de (1), (2) e (3), com pelo menos dois

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Autismo: um olhar pedagógico Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Algumas reflexões iniciais: Primeiramente, é importante dizer que não há respostas prontas para todas as questões

Leia mais

Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência

Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Transtorno de Deficiência

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

O Autismo E O Lúdico

O Autismo E O Lúdico O Autismo E O Lúdico Autora: Lucinéia Cristina da Silva (FEF) * Coautora: Alexandra Magalhães Frighetto (UFMT) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: A apresentação desse artigo tem como

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO.

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. Anne Caroline Silva Aires- UEPB Marta Valéria Silva Araújo- UEPB Gabriela Amaral Do Nascimento- UEPB RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

AUTISMO MITOS, REFLEXÕES E ATUALIDADES KLIGIEL V. B. DA ROSA. NEUROPEDIATRA.

AUTISMO MITOS, REFLEXÕES E ATUALIDADES KLIGIEL V. B. DA ROSA. NEUROPEDIATRA. AUTISMO MITOS, REFLEXÕES E ATUALIDADES KLIGIEL V. B. DA ROSA. NEUROPEDIATRA. Conceito É uma patologia vasto quadro clínico com déficits neurocomportamentais e cognitivos e padrões repetitivos de comportamentos

Leia mais

Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente. 3.14 A criança com Autismo e Síndrome de Asperger

Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente. 3.14 A criança com Autismo e Síndrome de Asperger Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.14 A criança com Autismo e Síndrome de Asperger Introdução A maioria das crianças, desde os primeiros tempos de vida, é sociável e procura ativamente

Leia mais

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos

Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Processo Diagnóstico do TEA Suspeita dos pais/cuidadores/professores Avaliação médica e não-médica (escalas de

Leia mais

Jeana Maria de Moura Telles

Jeana Maria de Moura Telles Jeana Maria de Moura Telles Brincar, compartilhar e aprender: A ludicidade como elemento norteador de uma aula mais proveitosa, atrativa e eficaz Araguaína TO 2013 Jeana Maria de Moura Telles Brincar,

Leia mais

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Resumo Esse vídeo pretende oferecer instrumentos aos professores da educação infantil e do ensino fundamental para as tarefas da educação

Leia mais

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais.

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais. Nesse artigo realizamos uma discussão sobre a importância de atividades lúdicas na educação de crianças com necessidades especiais. Propomos explicitar a possibilidade de levar para o ambiente escolar

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR. Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França)

PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR. Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França) PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França) 1 Trinta anos de experiência num serviço de psiquiatria infantil especializado

Leia mais

SÍNDROME DE ASPERGER

SÍNDROME DE ASPERGER Philipe Machado Diniz de Souza Lima CRM 52.84340-7 Psiquiatra Clínico Psiquiatra da Infância e Adolescência Atuação: CAPSI Maurício de Sousa Matriciador em Saúde Mental AP3.3 SÍNDROME DE ASPERGER Síndrome

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS BEZERRA 1, Aíla Murielle Medeiros CORDEIRO 1, Ingrydh KOCH 1, Bernard; LIMA 1, Tácia Adriana Florentino de NUNES

Leia mais

A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI

A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI PRISCILA CAMARA DE CASTRO ABREU PINTO psicastro@hotmail.com UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MARCIA

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO. CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail.

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO. CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail. CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail.com RESUMO Este artigo teve como foco o termo depressão infantil, que é

Leia mais

ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA

ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DIVISÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Responsável: Denize da Silva Souza ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA Cristina Dias Allessandrini

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL. PRÉ I Professoras Caroline e Ana Lucia Habilidades vivenciadas no 2º bimestre 2011

EDUCAÇÃO INFANTIL. PRÉ I Professoras Caroline e Ana Lucia Habilidades vivenciadas no 2º bimestre 2011 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezados Pais e/ou Responsáveis, Estamos vivenciando o segundo bimestre letivo e o processo de aprendizagem representa pra nós, motivo de alegria e conquistas diárias. Confiram as habilidades

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br Resumo: o presente trabalho cujo tema é a Evolução do desenho da criança teve por objetivo identificar o processo

Leia mais

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês Regina Orth de Aragão Sumário Breve histórico. O acolhimento

Leia mais

A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER. Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO

A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER. Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO A Síndrome de Asperger, patologia do espectro do autismo, mantém preservada

Leia mais

CRIANÇAS COM SURDOCEGUEIRA E COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA- APRENDENDO A BRINCAR UTILIZANDO TECNOLOGIA ASSISTIVA DE BAIXO CUSTO CANTINHO DE INTERAÇÃO

CRIANÇAS COM SURDOCEGUEIRA E COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA- APRENDENDO A BRINCAR UTILIZANDO TECNOLOGIA ASSISTIVA DE BAIXO CUSTO CANTINHO DE INTERAÇÃO CRIANÇAS COM SURDOCEGUEIRA E COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA- APRENDENDO A BRINCAR UTILIZANDO TECNOLOGIA ASSISTIVA DE BAIXO CUSTO CANTINHO DE INTERAÇÃO SHIRLEY RODRIGUES MAIA 1 LÍLIA GIACOMINI 2 ROBERTA CORREIA

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de Aprendizagem Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento São consideradas pessoas com TGD

Leia mais

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE PEDAGOGIA Educação Mediadora Ana Lucia Rodrigues Nunes Teixeira Carla Trindade da Silva

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Infantil II Segmento I

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Infantil II Segmento I Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2010 Infantil II Segmento I PLANO DE CURSO 2009 INFANTIL II Disciplina: ARTES Série: INFANTIL II Segmento: I COMPETÊNCIAS HABILIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS -

Leia mais

Mestre em Neurociência, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Pelotas. (In memoriam). Orientador da parte clínica.

Mestre em Neurociência, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Pelotas. (In memoriam). Orientador da parte clínica. WOLFF, Silvia Susana; ARRIECHE, Luana; SOUZA, Ana Teresa Garcia de. AULAS DE DANÇA PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES AUTISTAS SOB 0 OLHAR DOS PAIS Pelotas Universidade Federal de Pelotas(UFPEL). Professora

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS RESUMO: Glenda Gabriele Bezerra Beltrão; Wanessa da Silva Reis;

Leia mais

Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida

Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida AUTISMO: UMA REALIDADE por ZIRALDO MEGATÉRIO ESTÚDIO Texto: Gustavo Luiz Arte: Miguel Mendes, Marco, Fábio Ferreira Outubro de 2013 Quando uma nova vida

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

O remédio musical. Gian Daher Berselli Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

O remédio musical. Gian Daher Berselli Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) O remédio musical Gian Daher Berselli Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Resumo: Esse artigo tem o intuito de identificar as diferentes reações e utilizações da musica como método terapêutico

Leia mais

AS RELAÇÕES DAS CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS EM ATIVIDADES LÚDICAS: ABORDAGEM DA PSICOMOTRICIDADE RELACIONAL

AS RELAÇÕES DAS CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS EM ATIVIDADES LÚDICAS: ABORDAGEM DA PSICOMOTRICIDADE RELACIONAL AS RELAÇÕES DAS CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS EM ATIVIDADES LÚDICAS: ABORDAGEM DA PSICOMOTRICIDADE RELACIONAL Atos Prinz Falkenbach. UNIVATES-Centro Universitário. Lajeado, Brasil.

Leia mais

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO?

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO? DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO? 1. O que é Deficiência Intelectual ou Atraso Cognitivo? Deficiência intelectual ou atraso cognitivo é um termo que se usa quando uma pessoa apresenta certas

Leia mais

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 A IMAGINOTECA HOSPITALAR COMO UM ESPAÇO DE (DES)ENVOLVIMENTO ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 1 Trabalho de Projeto de Extensão _UNIFRA 2 Acadêmicas do Curso de

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Propiciar a socialização da criança através da participação numa comunidade mais ampla, onde descubra e domine regras próprias do convívio social.

Propiciar a socialização da criança através da participação numa comunidade mais ampla, onde descubra e domine regras próprias do convívio social. EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

LUDICIDADE: INTRODUÇÃO, CONCEITO E HISTÓRIA

LUDICIDADE: INTRODUÇÃO, CONCEITO E HISTÓRIA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE LUDICIDADE: INTRODUÇÃO, CONCEITO E HISTÓRIA Assunção, Paraguay Maio 2015 INTRODUÇÃO Q uando uma criança ingressa na

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

Autismo: a luta contra discriminação 1

Autismo: a luta contra discriminação 1 XXI Prêmio Expocom 2014 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação 1 Autismo: a luta contra discriminação 1 Marcela MORAES2 Iara de Nazaré Santos RODRIGUES³ Jonária FRANÇA4 Faculdade Boas Novas

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7 5. Propostas

Leia mais

ARTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

ARTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL ARTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Ione Rossi Ribeiro Professora de Artes da APAE de Tupaciguara, graduada em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Uberlândia e pós-graduada em Educação Especial pelas Faculdades

Leia mais

"Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida

Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola. Alciane Basílio de Almeida "Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida (Mestre em Psicologia - UCP 2014) Este trabalho tem por objetivo mostrar a relação

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores POSSIBILIDADES E LIMITES DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA PARA ALUNOS AUTISTAS: O EXEMPLO DA ESCOLA ADVENTISTA

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ISENÇÃO DE ICMS PARA PORTADOR DE DEFICIÊNCIA FÍSICA, VISUAL, MENTAL SEVERA OU PROFUNDA, OU AUTISTA

DECLARAÇÃO DE ISENÇÃO DE ICMS PARA PORTADOR DE DEFICIÊNCIA FÍSICA, VISUAL, MENTAL SEVERA OU PROFUNDA, OU AUTISTA DECLARAÇÃO DE ISENÇÃO DE ICMS PARA PORTADOR DE DEFICIÊNCIA FÍSICA, VISUAL, MENTAL SEVERA OU PROFUNDA, OU AUTISTA OBJETIVO DO SERVIÇO: Conceder isenção de ICMS para portadores de deficiência física, visual,

Leia mais

Ao término da montaria, o aluno entrega o objeto identificador ao próximo da seqüência já organizada para que este vá até o cavalo a fim de realizar

Ao término da montaria, o aluno entrega o objeto identificador ao próximo da seqüência já organizada para que este vá até o cavalo a fim de realizar A EQUOTERAPIA COMO RECURSO TERAPÊUTICO APLICADO AO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DE ALUNOS DEFICIENTES MENTAIS Introdução Autora: Tatiana Naraya Puzzi de Campos Fisioterapeuta Itapetininga/SP Palavras-chave:

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS

INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS 2010 Fernanda Garcia Resende Bárbara Terra Ávila Estudantes de Psicologia - Centro Universitário

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LÚDICO PARA FACILITAR A APRENDIZAGEM DOS ALUNOS

UTILIZAÇÃO DO LÚDICO PARA FACILITAR A APRENDIZAGEM DOS ALUNOS UTILIZAÇÃO DO LÚDICO PARA FACILITAR A APRENDIZAGEM DOS ALUNOS Carmelinda Ignez Cocco Mariani 1 Pós-Graduação em Psicopedagogia Institucional, Associação Educacional Frei Nivaldo Liebel, Xaxim, RS. Viviana

Leia mais

18. (Ausência de resposta).

18. (Ausência de resposta). Na sua opinião, a sua formação inicial contemplou de forma adequada o desenvolvimento de competências profissionais na área das Expressões Artísticas? Respostas Categorias 1. (Ausência de resposta). 2.

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO

INFORMATIVO 2015 GRUPO INFORMATIVO 2015 GRUPO 5 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e GEOGRAFANDO BELÉM Isaias Gomes de Jesus Junior 1 Resumo O presente artigo vem apresentar a Tecnologia Educacional Geografando Belém. Esta Tecnologia Educacional, de princípio, foi desenvolvida para apresentar

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Autor: Telma Pantano Data: 30/12/2009 Releitura realizada por Lana Bianchi e Vera Lucia Mietto. A identificação precoce de um

Leia mais

Transtornos do espectro do autismo Palestra do Dr. Christopher Gillberg, no dia 10 de outubro de 2005, no Auditório do InCor, em São Paulo.

Transtornos do espectro do autismo Palestra do Dr. Christopher Gillberg, no dia 10 de outubro de 2005, no Auditório do InCor, em São Paulo. Transtornos do espectro do autismo Palestra do Dr. Christopher Gillberg, no dia 10 de outubro de 2005, no Auditório do InCor, em São Paulo. 1. O Professor Christopher Gillberg é médico, PhD, Professor

Leia mais

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo Por Sabrina Ribeiro O autismo é uma condição crônica, caracterizado pela presença de importantes prejuízos em áreas do desenvolvimento, por

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL Ana Virgínia Carvalho Moreira * Emanuela Maciel Cariri dos Santos * Fabiana Sousa dos Anjos * Geovânio Alves da Silva * Jardel Britto Ferreira *

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

EQUOTERAPIA EM CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS

EQUOTERAPIA EM CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS EQUOTERAPIA EM CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS SILVA, Josefina Pereira Discente da Faculdade de Ciências da Saúde E-mail: jopsicologia@ig.com.br AGUIAR, Oscar Xavier Docente da Faculdade de Ciências

Leia mais

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 A IMPORTÂNCIA DO BRINQUEDO NO PROCESSO EDUCATIVO DA CRIANÇA Eder Mariano Paiva Filho

Leia mais

SÍNDROME DE ASPERGER Pontos importantes para compreender eintervir

SÍNDROME DE ASPERGER Pontos importantes para compreender eintervir SÍNDROME DE ASPERGER Pontos importantes para compreender eintervir Texto organizado pela psicóloga Ingrid Ausec (Núcleo de Acessibilidade da UEL) para subsidiar o acompanhamento de estudantes com Síndrome

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

CUIDAR DE CUIDADORES: ARTETERAPIA NA CASA DA CRIANÇA COM CÂNCER

CUIDAR DE CUIDADORES: ARTETERAPIA NA CASA DA CRIANÇA COM CÂNCER CUIDAR DE CUIDADORES: ARTETERAPIA NA CASA DA CRIANÇA COM CÂNCER RESUMO Robson Xavier da Costa1 1 Jaqueline Alves Carolino2 Selma Lessa Castro3 Rosangela Xavier da Costa4 Este artigo objetiva analisar a

Leia mais

COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM

COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM AUTISMO De acordo com o DSM-V o Autismo é um transtorno de desenvolvimento que geralmente aparece nos três primeiros anos de vida e compromete as habilidades de comunicação

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PSICÓLOGO ESCOLAR E DO PSICOPEDAGOGO NO DIAGNÓSTICO DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Resumo

CONTRIBUIÇÕES DO PSICÓLOGO ESCOLAR E DO PSICOPEDAGOGO NO DIAGNÓSTICO DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Resumo DOI: http://dx.doi.org/10.14295/idonline.v6i18.206 66 Interface Educação CONTRIBUIÇÕES DO PSICÓLOGO ESCOLAR E DO PSICOPEDAGOGO NO DIAGNÓSTICO DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Edilândia Carvalho de Sousa

Leia mais

ISBN 978-85-64468-27-6. 1. Psicologia Crianças. I. Título. CDU 159.9-053.2. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto CRB 10/1023

ISBN 978-85-64468-27-6. 1. Psicologia Crianças. I. Título. CDU 159.9-053.2. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto CRB 10/1023 Pausa no cotidiano L692 Lhullier, Raquel Barboza Pausa no cotidiano: reflexões para pais, educadores e terapeutas / Raquel Barboza Lhullier. Novo Hamburgo : Sinopsys, 2014. 88p. ISBN 978-85-64468-27-6

Leia mais

A DINÂMICA DOS ATELIÊS DO CAIC/UEPG CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (PERÍODO INTEGRAL): PROJETO EM AÇÃO/REFLEXÃO/AÇÃO

A DINÂMICA DOS ATELIÊS DO CAIC/UEPG CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (PERÍODO INTEGRAL): PROJETO EM AÇÃO/REFLEXÃO/AÇÃO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A DINÂMICA

Leia mais

Primeiro Setênio A constituição física da criança

Primeiro Setênio A constituição física da criança Primeiro Setênio A constituição física da criança No primeiro setênio temos o encontro entre a parte espiritual da individualidade e a parte biológica, muitas vezes a mãe ou o pai sentem a aproximação

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Mercedes Bêtta Quintano de Carvalho Pereira dos Santos ( Centro Universitário São Camilo) GT 02 Formação de Professores As alunas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ALUNOS DA TURMA 103 DA ESCOLA ESTADUAL MARANHÃO

Leia mais

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM O LÚDICO NA APRENDIZAGEM RESUMO Aline Hahn Affeldt Prof. Janaina de Souza Aragão Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI Pedagogia (PED 7051) Metodologia e Conteúdos Básicos de Comunicação e

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVANÇANDO

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

LEITURA: ASAS DA LIBERDADE PROJETO HUMANIZADOR À LUZ DA BIBLIOTERAPIA COM AÇÃO SOCIAL TRANSFORMADORA NOS ENVOLVIDOS

LEITURA: ASAS DA LIBERDADE PROJETO HUMANIZADOR À LUZ DA BIBLIOTERAPIA COM AÇÃO SOCIAL TRANSFORMADORA NOS ENVOLVIDOS LEITURA: ASAS DA LIBERDADE PROJETO HUMANIZADOR À LUZ DA BIBLIOTERAPIA COM AÇÃO SOCIAL TRANSFORMADORA NOS ENVOLVIDOS Tânia de Fátima Gontijo Fonseca Margarita Rodrigues Torres Introdução Brasil / Injustiça

Leia mais

Conhecendo o Aluno com TGD

Conhecendo o Aluno com TGD I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO] Usar letra de forma Os alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) são aqueles que apresentam alterações qualitativas

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE?

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? Lívia Ferreira da Silveira 1 Tatiana Azevedo de Souza da Cunha Lima 2 Resumo: O presente trabalho apresenta algumas reflexões acerca da historicidade e do conceito de dislexia

Leia mais

OFICINA CRIATIVA é o trabalho de atendimento individual ou grupal, composto de certas etapas, no qual o sujeito expressa criativamente uma imagem

OFICINA CRIATIVA é o trabalho de atendimento individual ou grupal, composto de certas etapas, no qual o sujeito expressa criativamente uma imagem CURSO: PSICOPEDAGOGIA Universidade São Judas Tadeu Módulo: INTERVENÇÕES PSICOPEDAGÓGICAS Observação: Todos os textos foram elaborados pela professora Rosa Maria Carvalho da Silveira. Alguns desses textos

Leia mais

Atendimento Domiciliar

Atendimento Domiciliar Atendimento Domiciliar Definição da Unimed Porto Alegre sobre Home Care O Home Care é um beneficio de prestação de serviço de assistência à saúde, a ser executado no domicilio do paciente com patologias

Leia mais