Indicadores e Dados Básicos - Brasil O que há de novo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicadores e Dados Básicos - Brasil - 2013 O que há de novo"

Transcrição

1 Sumári Nvas fntes de dads... 3 A. Indicadres Demgráfics... 4 B. Indicadres sciecnômics... 6 C. Indicadres de mrtalidade... 8 D. Indicadres de mrbidade G. Indicadres de fatres de risc e prteçã E. Indicadres de recurss F. Indicadres de cbertura Página 1

2 A publicaçã ds Indicadres e Dads Básics de Saúde - IDB - é resultad d esfrç cnjunt das diversas instituições envlvidas na prduçã e análise ds dads. A cada ediçã, este prcess, em cntínu aperfeiçament, pde levar a: Inclusã de dads para s ans mais recentes; Revisã ds dads de períds anterires, devid a: Aprimrament das estimativas e das bases de dads. Inclusã tardia de dads. Mdificações nas fntes ds dads. Revisã ds critéris de definiçã e d métd de cálcul ds indicadres, trnand-s mais preciss e adequads à dispnibilidade de dads. Inclusã de nvs indicadres, pela qualificaçã de nvas fntes de dads e para atendiments às necessidades ds gestres e pesquisadres de saúde. Supressã de indicadres, pela impssibilidade de btençã de dads u pela imprecisã e distrções ds mesms. Seguem as principais nvidades d presente IDB: Página 2

3 Nvas fntes de dads A Ripsa patrcinu a um estud em cnjunt cm IBGE de revisã das estimativas ppulacinais de 2000 a Destacam-se nesta revisã: As estimativas sã cmpatíveis cm a Prjeçã da Ppulaçã das Unidades da Federaçã pr sex e idade: d IBGE. Observe-se que s dads ds ans censitáris (2000 e 2010) também fram revists, da mesma maneira que a Prjeçã citada. As estimativas sã pr municípi, idade e sex, cnsiderand a base territrial vigente n an. O IDB nacinal apresenta s dads apenas para Brasil, regiões, estads, Distrit Federal, municípis das capitais e regiões metrplitanas. O síti d Datasus e, eventualmente, s IDB d estad, apresentam s dads pr municípi. Fram estimadas as seguintes faixas etárias: de 0 a 19 ans em idade simples, de 20 a 79 em faixas quinquenais e 80 e mais. N entant, dada a imprecisã das idades simples, s dads sã divulgads em faixas quinquenais (apenas destacand menr de 1 an). Para situações específicas (HIV, HPV etc.) pdem ser apresentadas as ppulações segund as faixas desejadas, mas sempre agregadamente. O dcument xxx explicita a metdlgia, restrições, vantagens etc., cm destaque para s dads crrigids ds ans censitáris. Os indicadres que têm a ppulaçã cm denminadr fram recarregads desde Serã levadas para a OTI as decisões sbre a divisã da série histórica e eliminaçã da série histórica até Página 3

4 A. Indicadres Demgráfics Revisã da Matriz de Indicadres O indicadr de Taxa de cresciment da ppulaçã (A.3) teve seu nme alterad para Taxa de cresciment médi anual da ppulaçã. O indicadr de Grau de urbanizaçã (A.4) teve seu nme alterad para Prprçã da ppulaçã urbana. Será recarregad, em três séries: 1991, 2000, 2010, cm fnte ns Censs, , e , cm fnte na PNAD, sem área rural da regiã Nrte, e , , cm fnte na PNAD, cm a área rural da regiã Nrte. O indicadr de Índice de Envelheciment (A.15) teve seu nme alterad para Razã ids/criança (Índice de envelheciment). O indicadr de Razã entre nascids vivs infrmads e estimads (A.17) teve seu nme alterad para Cbertura de infrmaçã de nascids vivs; da mesma maneira, indicadr de Razã entre óbits infrmads e estimads (A.18) teve seu nme alterad para Cbertura de infrmaçã de óbits. Nestes indicadres, deverá haver um destaque e explicaçã para as cberturas de 100%, explicitand que nestas situações fram utilizads s dads direts. O indicadr de Taxa bruta de natalidade (A.7) fi dividid em Taxa bruta de natalidade (A.7.1) e Taxa padrnizada de natalidade (A.7.2); da mesma maneira, indicadr de Taxa bruta de mrtalidade (A.10) fi dividid em Taxa bruta de mrtalidade (A.10.1) e Taxa padrnizada de mrtalidade (A.10.1). Os indicadres de Mrtalidade prprcinal pr idade (A.8) e de Mrtalidade prprcinal pr idade em menres de 1 an (A.9) devem ser excluíds da Matriz de Indicadres u passads para grup de Mrtalidade. Se mantids, devem ter seus nmes alterads para Distribuiçã da mrtalidade pr idade (A.8) e Distribuiçã ds cmpnentes da mrtalidade em menres de 1 an (A.9), respectivamente. Atualizações realizadas Revisã ds dads de 1991 a 2013 d indicadr de Prprçã da ppulaçã urbana, tend cm fnte s censs de 1991, 2000 e 2013 e as PNAD de 1992 a 1993, 1995 a 1999, 2001 a 2009 e 2011 a Inclusã ds dads de 2012 e 2013, cm fnte n Sistema de Infrmações sbre Mrtalidade (SIM), de: Distribuiçã da mrtalidade pr idade (A.8) Distribuiçã ds cmpnentes da mrtalidade em menres de 1 an (A.9) Inclusã ds dads de 2012 e 2013, cm fnte nas nvas estimativas de ppulaçã, n Sistema de Infrmações sbre Mrtalidade (SIM), n Sistema de Infrmações sbre Nascids Vivs (SINASC) e na Pesquisa de Busca Ativa, de: Cbertura de infrmaçã de nascids vivs (A.17) Página 4

5 Taxa bruta de natalidade (A.7.1) Taxa padrnizada de natalidade (A.7.2) Taxa de fecundidade específica (A.6) Taxa de fecundidade ttal (A.5) Cbertura de infrmaçã de óbits (A.18) Taxa bruta de mrtalidade (A.10.1) Taxa padrnizada de mrtalidade (A.10.2). Fram explicitadas nas ntas de rdapé que em tds s cass fi usada a metdlgia da Pesquisa de Busca Ativa, prém para que estads e ans fram utilizads s dads direts e para quais fram utilizads s dads crrigids. Inclusã ds dads de 2013 e revisã de ans anterires, frnecids pel IBGE, de: Esperança de vida a nascer (A.11) Esperança de vida as 60 ans (A.12) Atualizações a realizar Inclusã das estimativas ppulacinais de 2013 e revisã de 2000 a 2012, a partir das nvas estimativas desenvlvidas, de: Ppulaçã ttal (A.1) Razã de sexs (A.2) Taxa de cresciment médi anual da ppulaçã (A.3) Prprçã de menres de cinc ans de idade (A.13) Prprçã de idss (A.14) Razã ids/criança (A.15) Razã de dependência (A.16) Página 5

6 B. Indicadres sciecnômics Revisã da Matriz de Indicadres Os indicadres que têm cm fnte a PNAD passaram a ser dividids em 1992 a 1999, 2001 a 2003 e 2004 em diante; em 2004, huve a incrpraçã da área rural da regiã Nrte na pesquisa, que prvca uma quebra da série histórica. O indicadr de Taxa de analfabetism (B.1) teve seu nme alterad para Prprçã de analfabets (Taxa de analfabetism). O indicadr de Esclaridade da ppulaçã de 15 ans u mais (B.2.1) teve seu nme alterad para Distribuiçã da esclaridade da ppulaçã de 15 ans u mais, passand a ser também categrizad pr faixa etária (15 a 17 ans, 18 a 24 ans, 25 a 59 ans, 60 a 69 ans, 70 a 79 ans e 80 ans u mais). Cm ist, indicadr B.2.2 trnu-se redundante e fi excluíd. O indicadr B.2.1 fi entã renumerad para B.2. A categria de analfabetism funcinal fi renmeada para 0 a 3 ans de estud e a de 11 e mais ans de estud fi subdividida em 11 ans de estud e 12 e mais ans de estud. O indicadr de Taxa de desempreg (B.6) teve seu nme alterad para Prprçã de ppulaçã descupada (Taxa de descupaçã, Taxa de desempreg). O indicadr de Taxa de trabalh infantil (B.7) teve seu nme alterad para Prprçã da ppulaçã de 10 a 15 ans cupada. Fi criad indicadr de Númer médi de ans de estud na ppulaçã de 25 ans u mais de idade (B.11). Atualizações realizadas Inclusã ds dads de 2013 e revisã ds dads de ans anterires (inclusã/alteraçã de categrizaçã, deflatres), cm fnte na PNAD, de: Razã de renda (B.4) Índice de Gini da renda dmiciliar per capita (B.9) Prprçã de analfabets (B.1) Distribuiçã da esclaridade da ppulaçã de 15 ans u mais (B.2) Númer médi de ans de estud na ppulaçã de 25 ans u mais de idade (B.11) Renda média dmiciliar per capita (B.8) Prprçã da ppulaçã de baixa renda (B.5.1) Prprçã de crianças em situaçã dmiciliar de baixa renda (B.5.2) Prprçã de ppulaçã descupada (B.6) Prprçã da ppulaçã de 10 a 15 ans cupada (B.7) Prprçã de idss residentes em dmicílis na cndiçã de utr parente (B.10) Inclusã ds dads de 2011 e 2012, cm fnte n Sistema de Cntas Reginais d IBGE, de: PIB per capita (B.3) Página 6

7 Atualizações a realizar Revisã ds dads ds ans censitáris para s seguintes indicadres, categrizand-s pela situaçã urban/rural: Renda média dmiciliar per capita (B.8) Prprçã da ppulaçã de baixa renda (B.5.1) Prprçã de crianças em situaçã dmiciliar de baixa renda (B.5.2) Prprçã da ppulaçã de 10 a 15 ans cupada (B.7) Nvs indicadres Prprçã de crianças de 0 a 3 ans que frequentam escla u creche Prprçã de crianças de 4 a 5 ans que frequentam escla u creche Vulnerabilidade pr carências sciais e de rendiment. Cbertura direta e indireta de Previdência Scial na ppulaçã. Página 7

8 C. Indicadres de mrtalidade Revisã da Matriz de Indicadres - Atualizações realizadas Inclusã ds dads de 2012 e 2013, cm fnte n Sistema de Infrmações sbre Mrtalidade (SIM), n Sistema de Infrmações sbre Nascids Vivs (SINASC) e ns resultads da Pesquisa de Busca Ativa, de: Taxa de mrtalidade infantil (C.1) Taxa de mrtalidade nenatal precce (C.1.1) Taxa de mrtalidade nenatal tardia (C.1.2) Taxa de mrtalidade nenatal (C.1.4) Taxa de mrtalidade pós-nenatal (C.1.3) Taxa de mrtalidade na infância (C.16) Taxa de mrtalidade pr afecções riginadas n períd perinatal (C.15) Inclusã ds dads de 2012 e 2013 cm fnte n Sistema de Infrmações sbre Mrtalidade (SIM) e n Sistema de Infrmações sbre Nascids Vivs (SINASC), de: Taxa de mrtalidade perinatal (C.2) Razã de mrtalidade materna (C.3) Inclusã ds dads de 2012 e 2013, cm fnte n Sistema de Infrmações sbre Mrtalidade (SIM), de: Distribuiçã de óbits materns (C.18) Mrtalidade prprcinal pr grups de causas (C.4) Prprçã de óbits pr causas mal definidas (C.5) Prprçã de óbits pr dença diarreica aguda em menres de 5 ans (C.6) Prprçã de óbits pr infecçã respiratória aguda em menres de 5 ans (C.7) Taxa de mrtalidade específica pr denças d aparelh circulatóri (C.8) Taxa de mrtalidade específica pr causas externas (C.9) Taxa de mrtalidade específica pr neplasias malignas (C.10) Taxa de mrtalidade específica pr diabete melit (C.12) Taxa de mrtalidade específica pr aids (C.14) Taxa de mrtalidade específica pr denças transmissíveis (C.17) Inclusã ds dads de 2012, cm fnte ns dads da Previdência Scial, de: Taxa de mrtalidade específica pr acidentes de trabalh (C.11) Atualizações a realizar Mudança na fórmula de cálcul para ttal Brasil d indicadr de Razã de mrtalidade materna (C.3) depende de hmlgaçã pel CGI de Mrtalidade. Página 8

9 Pendências d IDB anterir Para a Mrtalidade materna segund tip de causa (C.18), ficu pendente destacar as demais causas principais já trabalhadas pela SVS (CGIAE repassará quais sã); a frma de apresentaçã destas causas principais cm subdivisã das diretas, indiretas e nã especificadas; a apresentaçã ds para tds s estads; a nta sbre a investigaçã. Apresentaçã ds ceficientes específics de mrtalidade padrnizads, cm crreçã da subenumeraçã pela Pesquisa de Busca Ativa e pela distribuiçã ds óbits mal definids. Nvs indicadres Taxa de mrtalidade específica prematura pr denças crônicas nã transmissíveis Página 9

10 D. Indicadres de mrbidade Revisã da Matriz de Indicadres O indicadr de Incidência de tétan (excet nenatal) (D.1.5) teve seu nme alterad para Incidência de tétan acidental. O indicadr de Taxa de incidência de dengue (D.2.3) passu a ser categrizad também pr sex. O indicadr de Índice parasitári anual (IPA) de malária (D.4) passu a ser denminad de Taxa de incidência de malária, send renumerad para D.2.7, e apresentad segund lcal de infecçã. Passu a ser categrizad pr espécie: ttal, vivax, falciparum, mista (vivax + falciparum), utras (malariae, vale, sp). Cm a categrizaçã pr espécie só está dispnível a partir de 2000, a série fi dividida em duas: de 1990 a 1999 e de 2000 em diante. O indicadr de Taxa de prevalência de hanseníase (D.9) passu a ser categrizad pela classificaçã peracinal. O indicadr de Taxa de internaçã hspitalar (SUS) pr causas selecinadas (D.29) fi renmead para Taxa de internaçã hspitalar (SUS) pr denças crônicas nã transmissíveis, categrizad em neplasias malignas (C00-C97, D46), diabete melit (E10-E14), denças cardivasculares (I00-I99) e denças respiratórias crônicas (J30-J98), devend ser recarregad desde 1998 e retirand-se as demais categrias de causas. Fi criad indicadr de Taxa de internaçã hspitalar (SUS) pr cndições sensíveis à atençã básica (D.32), criad segund s critéris da Prtaria nº 221/2008, categrizad pr grups, faixas etárias e sex. Os indicadres de Taxa de internaçã (SUS) pr denças crônicas nã transmissíveis (D.29), Taxa de internaçã (SUS) pr causas externas (D.30) e Prprçã de internações hspitalares (SUS) pr afecções riginadas n períd perinatal (D.23) passaram a ser aprpriads segund an de internaçã e nã mais segund an de prcessament. Fi criad indicadr de Taxa de incidência de pacientes em diálise (SUS) (D.33), cm a mesma fnte e categrizações da Taxa de prevalência de pacientes em diálise (SUS) (D.22). Indicadres que nã serã atualizads Taxa de incidência de neplasias malignas (D.5), pis já fram incluíds s dads d biêni , frnecids pela INCA. Atualizações realizadas Inclusã ds dads de 2013 e revisã ds dads de ans anterires, cm fnte n Sistema de Infrmaçã de Agravs de Ntificaçã (SINAN) e n Sistema de Vigilância Epidemilógica Malária (SIVEP-Malária), de: Página 10

11 Incidência de saramp (D.1.1) revisã de 2007 a Incidência de difteria (D.1.2). Incidência de cqueluche (D.1.3) revisã de 2009 a Incidência de tétan nenatal (D.1.4) Incidência de tétan acidental (D.1.5) revisã de 2011 e Incidência de hepatite B (D.1.8) Incidência de hepatite C (D.1.14) Incidência de cólera (D.1.9) Incidência de rubéla (D.1.12) revisã ds dads de Incidência de dença meningcócica (D.1.15) revisã ds dads de 2008 a Incidência de meningite (D.1.16) revisã ds dads de 2007 a Incidência de leptspirse (D.1.17) revisã ds dads de 2011 a Taxa de incidência de tuberculse (D.2.2) revisã ds dads de 2007 a Taxa de incidência de malária (D.2.7) revisã de 2000 a Prevalência de hanseníase (D.9) nã fram infrmads s dads segund a classificaçã peracinal. Inclusã ds dads de 2013 e revisã ds dads de ans anterires, cm fnte n Sistema de Infrmações Hspitalares d SUS (SIH/SUS), de: Taxa de internaçã hspitalar (SUS) pr denças crônicas nã transmissíveis (D.29) Taxa de internaçã hspitalar (SUS) pr cndições sensíveis à atençã básica (D.32) Taxa de internaçã hspitalar (SUS) pr causas externas (D.30) Prprçã de internações pr afecções riginadas n períd perinatal (D.23) Inclusã ds dads de 2012, cm fnte ns dads da Previdência Scial, de: Taxa de incidência de acidentes e denças d trabalh em segurads da Previdência Scial (D.6) Atualizações a realizar Inclusã ds dads de 2013 e eventual revisã ds dads de ans anterires, cm fnte n Sistema de Infrmaçã de Agravs de Ntificaçã (SINAN), n Sistema de Vigilância Epidemilógica Malária (SIVEP-Malária) e nas infrmações repassadas pelas áreas técnicas, de: Incidência de febre amarela (D.1.6) Incidência de raiva humana (D.1.7) Incidência de febre hemrrágica da dengue (D.1.10) Incidência de sífilis cngênita (D.1.11) Incidência de síndrme da rubéla cngênita (D.1.13) Taxa de incidência de aids (D.2.1) Taxa de incidência da dengue (D.2.3) Taxa de incidência de leishmanise tegumentar americana (D.2.4) Taxa de incidência de leishmanise visceral (D.2.5) Taxa de incidência de hanseníase (D.2.6) Prprçã de cass de aids pr categria de expsiçã (D.31) Página 11

12 Inclusã ds dads de 2013 e eventual revisã ds dads de ans anterires, cm fnte n Sistema de Infrmações Ambulatriais d SUS (SIA/SUS), de: Incidência de pacientes em diálise (D.33) Prevalência de pacientes em diálise (D.22). Pendências atuais e d IDB anterir Para a Incidência de saramp (D.1.1), s dads de 2007 a 2013 fram btids das mesmas bases d Tabnet nacinal das denças exantemáticas. N IDB-2012, fi btid de planilhas enviadas pela área técnica, cm algumas divergências de dads. Para a Incidência de rubéla (D.1.12), s dads de 2007 a 2013 fram btids das mesmas bases d Tabnet nacinal das denças exantemáticas. N IDB-2012, fi btid de planilhas enviadas pela área técnica, cm algumas divergências de dads. Para a Taxa de incidência de malária (D.2.7), deve ser verificad em que categria se enquadra a espécie nã falciparum. A área técnica sugeria vltar nme d indicadr para Incidência Parasitária Anual. Para a Incidência de febre amarela (D.1.6), nã huve atualizaçã n IDB-2012; a SVS ficu de verificar a ausência de dads e se s dads sã discrdantes ds da área técnica, e prque está aparecend cass n Ri Grande d Nrte (prvavelmente crreçã tardia ds dads) Para a Incidência de raiva humana (D.1.7), nã huve atualizaçã n IDB-2012; a SVS ficu de verificar a ausência de dads e se s dads sã discrdantes ds da área técnica, e prque está aparecend cass n Ri Grande d Nrte (prvavelmente crreçã tardia ds dads). Para a Incidência de hepatite B (D.1.8) e de hepatite C (D.1.14), nã huve atualizaçã n IDB-2012, e a SVS ficu de bter as bases de dads da DST/AIDS. A área técnica infrma que s dads nã devem ser divulgads, pr falta de cbertura. Deverá será revist prgrama que gera s arquivs exprtads para incluir tdas as variáveis necessárias; será também revista a descriçã d critéri de seleçã para clcar nas ntas de rdapé de ambs s indicadres. Para a Incidência de rubéla (D.1.12), fi bservad que s dads da planilha enviada nã cnferem cm Tabnet das denças exantemáticas. Para a Incidência da síndrme da rubéla cngênita (D.1.13), s dads de 2009 a 2012 nã estã categrizads pr capital/regiã metrplitana, mas iss só afeta 2009; bservad que s dads da planilha enviada nã cnferem cm Tabnet da síndrme da rubéla cngênita. Para a Taxa de incidência de tuberculse (D.2.2), há muitas diferenças em relaçã a btid n SINANWEB. Para a Taxa de incidência de hanseníase (D.2.6), há muitas diferenças em relaçã a btid n SINANWEB. Página 12

13 Para a Prevalência de pacientes em diálise (D.22), s dads de 2000 a 2012 devem ser categrizads pr capital, regiã metrplitana, sex e faixa etária. A SVS devera rever as fntes ds indicadres de incidência de denças de ntificaçã, para s dads anterires à implantaçã d SINAN. Nvs indicadres Indicadres de letalidade. Página 13

14 G. Indicadres de fatres de risc e prteçã Revisã da Matriz de Indicadres O indicadr de Prprçã de nascids vivs de mães adlescentes (G.15) passa a ser categrizad pelas faixas etárias 10 a 19 ans, 10 a 14 ans e 15 a 19 ans. Criad indicadr de Prprçã de nascids vivs de mães de 35 ans e mais (G.20), categrizad pelas faixas etárias de 35 ans e mais e 40 ans e mais. Atualizações realizadas Inclusã ds dads de 2012 e 2013, cm fnte n Sistema de Infrmações sbre Nascids Vivs (Sinasc), de: Prprçã de nascids vivs de mães adlescentes (G.15) Prprçã de nascids vivs de mães de 35 ans e mais (G.20) Prprçã de nascids vivs cm baix pes a nascer (G.16) Indicadres que nã serã atualizads Indicadres cm fnte na PNDS: Prevalência de excess de pes para idade segund IMC em crianças menres de 5 ans (G.8) Prevalência de déficit pnderal para a idade em crianças menres de 5 ans de idade (G.10) Prevalência de déficit estatural para a idade em crianças menres de cinc ans de idade (G.11) Indicadres cm fnte na POF: Prprçã diária per capita das calrias de frutas, verduras e legumes n ttal de calrias da dieta (G.12) Indicadres cm fnte na Pesquisa Saúde Bucal: Índice CPO-D as 12 ans (G.17) Prprçã de crianças de 5 a 6 ans de idade cm índice ce-d igual a 0 (G.18) Indicadres cm fnte nas Pesquisas de aleitament matern nas capitais brasileiras e Distrit Federal: Prevalência de aleitament matern (G.13) Prevalência de aleitament matern exclusiv (G.14) Atualizações a realizar Inclusã ds dads de 2013 e revisã ds dads de ans anterires, cmpatibilizand métd de cálcul e utilizand a pnderaçã pela metdlgia Rake, cm fnte n Vigitel, de: Prevalência de diabetes (G.1) Prevalência de hipertensã arterial (G.2) Página 14

15 Prprçã de indivídus que praticam nível recmendad de atividade física n temp livre (G.3) Prevalência de fumantes atuais (G.4) Prevalência de ex-fumantes (G.19) Prevalência de cnsum abusiv de bebidas alcólicas (G.5) Prevalência de indivídus dirigind veículs mtrizads após cnsum de bebidas alcólicas (G.6) Prevalência de excess de pes em adults (G.7) Pendências d IDB anterir Adequaçã ds dads de 1999 ds indicadres de Prevalência de aleitament matern (G.13) e Prevalência de aleitament matern exclusiv (G.14) para as categrias utilizadas em 2008, de acrd cm a ficha de qualificaçã. Página 15

16 E. Indicadres de recurss Revisã da Matriz de Indicadres O indicadr de Númer de cncluintes de curss de graduaçã em saúde (E.15) passu a ser btid através d Observatóri de Recurss Humans d IMS/UERJ, mantend a fnte ns Censs de Ensin Superir d INEP. Fram incluídas nvas carreiras (bimedicina, saúde cletiva, ciências bilógicas, educaçã física, fisiterapia, terapia cupacinal, fnaudilgia, psiclgia e serviç scial). Nã há mais a separaçã entre particulares de fins lucrativs e nã lucrativs. O indicadr de Valr médi pag pr internaçã hspitalar (E.11) passa a ser aprpriad segund an de internaçã e nã mais pel an de prcessament. O indicadr de Gast cm cnsum de bens e serviçs de saúde cm percentual d Prdut Intern Brut (PIB) (E.4) passu a ser denminad de Gast cm cnsum de bens e serviçs de saúde cm prprçã d Prdut Intern Brut (PIB). O indicadr Gast federal cm saúde cm prprçã d gast federal ttal (E.8) passu a ser denminad de Prprçã d gast federal ttal cm saúde. O indicadr Gast d Ministéri da Saúde cm atençã à saúde cm prprçã d gast ttal d Ministéri da Saúde (E.20) passu a ser denminad de Prprçã d gast d Ministéri da Saúde cm atençã à saúde. Os indicadres de Gast per capita cm ações e serviçs públics de saúde (E.6.2), Valr médi pag pr internaçã hspitalar (E.11) e Gast per capita d Ministéri da Saúde cm atençã à saúde (E.21) passam a ser apresentads em valres crrentes e valres crrigids pel IPCA. Os seguintes indicadres fram mantids na matriz mas nã serã mais apresentads n IDB, até que seja reslvida a questã da fnte de dads: Gast federal cm saneament cm prprçã d PIB (E.13) Gast federal cm saneament cm prprçã d gast federal ttal (E.14) Indicadres que nã serã atualizads Indicadres cm fnte na Pesquisa de Assistência Médic-Sanitária (AMS): Distribuiçã de psts de trabalh de nível superir (E.16) Númer de psts de trabalh de enfermagem pr leit hspitalar (E.17) Númer de leits hspitalares pr habitante - AMS/IBGE (E.2) Indicadres cm fnte nas Cntas Satélite de Saúde: Gast cm cnsum de bens e serviçs de saúde cm prprçã d Prdut Intern Brut (PIB) (E.4) Gast per capita cm cnsum de bens e serviçs de saúde (E.5) Despesa familiar estimada cm saúde cm prprçã da renda familiar (E.9.2) Prprçã das imprtações na ferta ttal pr bens e serviçs de saúde (E.19) Página 16

17 Indicadres cm fnte na Pesquisa de Orçaments Familiares - POF: Despesa familiar autrreferida cm saúde cm prprçã da renda familiar (E.9.1). Atualizações realizadas Inclusã ds dads de 2011 a 2013 e revisã ds dads de 1990 a 2010, cm fnte nas infrmações frnecidas pel INEP, através d Observatóri de Recurss Humans d IMS/UERJ, de: Númer de cncluintes de curss de graduaçã em saúde (E.15). Inclusã ds dads de 2013 e revisã de dads de ans anterires, cm fnte n Cadastr Nacinal de Estabeleciments de Saúde (CNES), de: Númer de leits hspitalares pr habitante - CNES/MS (E.3); devid à mudança na classificaçã de tip de prestadres, indicadr fi recalculad desde 2005, levand a pequenas alterações. Distribuiçã de leits hspitalares segund esfera administrativa e tip de prestadr - CNES/MS (E.22); huve mudança na classificaçã de tip de prestadres, segund as categrias utilizadas n CNES; a categria Filantrópic fi alterada para Estabeleciments sem fim lucrativs e a categria Sindicats fi incrprada as estabeleciments privads. Ist prvcu alteraçã ns indicadr desde Equipaments de imagem utilizads em saúde (E.18); indicadr fi recarregad desde 2006, devid à inclusã ds mamógrafs cmputadrizads na categria de mamógrafs. Inclusã ds dads de 2013 e revisã ds dads de 2010 a 2012, cm fnte n SIOPS, de: Gast cm ações e serviçs públics de saúde cm prprçã d PIB (E.6.1); apesar de dispníveis s gasts públics de 2011 a 2013, PIB estadual destes ans nã estavam dispníveis quand da liberaçã d IDB Pr este mtiv, indicadr nã é calculad para 2011 e Gast per capita cm ações e serviçs públics de saúde (E.6.2) Inclusã ds dads de 2013, cm estimativas frnecidas pela IPEA, de: Gast federal cm saúde cm prprçã d PIB (E.7) Prprçã d gast federal ttal cm saúde (E.8) Inclusã ds dads de 2013, revisã ds dads de 2000 a 2012 e da fntes, agra indicadas cm Sala de Gestã Estratégica em Saúde - Sage/MS e Sip/Mpg - Sistema Integrad de Planejament e Orçament, de: Gast d Ministéri da Saúde cm atençã à saúde cm prprçã d gast ttal d Ministéri da Saúde (E.20) Gast per capita d Ministéri da Saúde cm atençã à saúde (E.21) Inclusã ds dads de 2013 e revisã de dads de ans anterires, cm fnte n Sistema de Infrmações Hspitalares d SUS (SIH/SUS), de: Valr médi pag pr internaçã hspitalar (E.11) Página 17

18 Inclusã ds dads de 2013 e revisã de dads de ans anterires, cm fnte n Fund Nacinal de Saúde, de: Gast d Ministéri da Saúde cm atençã à saúde cm prprçã d gast ttal d Ministéri da Saúde (E.20) Gast per capita d Ministéri da Saúde cm atençã à saúde (E.21) Atualizações a realizar Inclusã ds dads de 2011 a 2013 e eventual revisã ds dads ns ans anterires, cm fnte ns Cnselhs Prfissinais, de: Númer de prfissinais de saúde pr habitante (E.1). Pendências Inclusã ds dads de 2000, cm fnte nas infrmações frnecidas pel INEP, de: Númer de cncluintes de curss de graduaçã em saúde (E.15). Para s indicadres de Gast cm cnsum de bens e serviçs de saúde cm prprçã d Prdut Intern Brut (PIB) (E.4) e Gast per capita cm cnsum de bens e serviçs de saúde (E.5), deve ser verificadr se é Gast cm cnsum... u Despesa cm cnsum final.... Pendências d IDB anterir Cnstituiçã de um CTI específic para rever s indicadres de Recurss Humans (E.1, E.15, E.16 e E.17), liderad pela SGTES, cnsiderand fntes, metdlgia, categrizaçã, pdend também prpr nvs indicadres. Revisã ds indicadres de recurss físics e humans, cm fnte na AMS e/u CNES, a partir das recmendações d CTI AMS/CNES. Revisã ds dads de , cm fnte na Pesquisa de Orçaments Familiares - POF, pr incnsistências ns dads frnecids, de: Despesa familiar autrreferida cm saúde cm prprçã da renda familiar (E.9.1). Deverá ser feit cntat cm Ministéri das Cidades e cm Ipea, para reslver as pendências ds indicadres de saneament. Enquant iss, s indicadres nã serã atualizads. Página 18

19 F. Indicadres de cbertura Revisã da Matriz de Indicadres Os indicadres cm fnte n SIA/SUS e n SIH/SUS passaram a ser carregads segund an de atendiment u de internaçã, respectivamente, em substituiçã a an de prcessament. Os seguintes indicadres tiveram seu nme alterad: Prprçã da ppulaçã que refere ter cnsultad médic ns últims 12 meses (F.20) para Prprçã da ppulaçã que realizu cnsulta médica. Prprçã da ppulaçã que refere ter realizad a última cnsulta dntlógica há mens de 1 an (F.21.1) para Prprçã da ppulaçã que realizu cnsulta dntlógica Prprçã da ppulaçã que refere nunca ter realizad cnsulta dntlógica (F.21.2) para Prprçã da ppulaçã que nunca realizu cnsulta dntlógica. Prprçã da ppulaçã feminina de 25 a 64 ans que refere ter realizad últim exame preventiv d câncer d cl d úter ns últims 3 ans (F.22.1) para Prprçã de mulheres que realizaram exame preventiv d câncer de cl d úter. Prprçã da ppulaçã feminina de 25 a 64 ans que refere nunca ter realizad exame preventiv d câncer d cl d úter (F.22.2) para Prprçã de mulheres que nunca realizaram exame preventiv d câncer de cl d úter. Prprçã da ppulaçã feminina de 50 a 69 ans que refere ter realizad a última mamgrafia ns últims 2 ans (F.23.1) para Prprçã de mulheres que realizaram mamgrafia Prprçã da ppulaçã feminina de 50 a 69 ans que refere nunca ter realizad mamgrafia (F.23.2) para Prprçã de mulheres que nunca realizaram mamgrafia. Prprçã da ppulaçã que refere internaçã hspitalar ns últims 12 meses (F.24) para Prprçã da ppulaçã que esteve internada em estabeleciment de saúde. N indicadr de Prprçã de crianças vacinadas na faixa etária recmendada F.13, a partir de 2013 a vacina tetravalente fi substituída pela pentavalente, mas ambas sã apresentadas em cnjunt: tetra/pentavalente. Os indicadres de Prprçã da ppulaçã servida pr rede de abasteciment de água (F.17), Prprçã da ppulaçã servida pr esgtament sanitári (F.18) e Prprçã da ppulaçã servida pr cleta de lix (F19) fram renmeads para Prprçã da ppulaçã prvida de rede de abasteciment de água, Prprçã da ppulaçã prvida de esgtament sanitári e Prprçã da ppulaçã prvida de cleta de lix, respectivamente. Além diss, passaram a ser dividids em 1992 a 1999, 2001 a 2003 e 2004 em diante; em 2004, huve a incrpraçã da área rural da regiã Nrte na pesquisa, que prvca uma quebra da série histórica. Página 19

20 Indicadres que nã serã atualizads Indicadres cm fnte n Suplement Saúde da Pesquisa Nacinal pr Amstra de Dmicílis (PNAD-Saúde): Prprçã da ppulaçã que realizu cnsulta médica (F.20). Prprçã da ppulaçã que realizu cnsulta dntlógica (F.21.1). Prprçã da ppulaçã que nunca realizu cnsulta dntlógica (F.21.2). Prprçã de mulheres que realizaram exame preventiv d câncer de cl d úter (F.22.1). Prprçã de mulheres que nunca realizaram exame preventiv d câncer de cl d úter (F.22.2). Prprçã de mulheres que realizaram mamgrafia (F.23.1). Prprçã de mulheres que nunca realizaram mamgrafia (F.23.2). Prprçã da ppulaçã que esteve internada em estabeleciment de saúde (F.24). Prprçã da ppulaçã cberta pr plans de saúde - IBGE (F.15). Indicadres cm fnte na Pesquisa Nacinal de Demgrafia e Saúde (PNDS): Prprçã da ppulaçã feminina em us de métds anticnceptivs (F.14) Atualizações realizadas Inclusã ds dads de 2013 e revisã de dads de ans anterires, cm fnte n Sistema de Infrmações Ambulatriais d SUS (SIA/SUS), cm mudança de critéri de an de prcessament para an de atendiment, de: Númer de cnsultas médicas pr habitante (F.1) Númer de prcediments diagnóstics pr cnsulta médica (F.2) Inclusã ds dads de 2013 e revisã de dads de ans anterires, cm fnte n Sistema de Infrmações Hspitalares d SUS (SIH/SUS), cm mudança de critéri de an de prcessament para an de internaçã, de: Númer de internações hspitalares pr habitante (F.3) Inclusã ds dads de 2012 e 2013, cm fnte n Sistema de Infrmações sbre Nascids Vivs (SINASC), de: Cbertura de cnsultas de pré-natal (F.6) Prprçã de parts hspitalares (F.7) Prprçã de parts cesáres (F.8) Inclusã ds dads de 2013 e revisã ds dads de ans anterires, cm fnte n Sistema de Infrmações sbre Beneficiáris (ANS/SIB), de: Prprçã da ppulaçã cberta pr plans privads de saúde - ANS (F.16) Inclusã ds dads de 2013, cm fnte na PNAD, de: Prprçã da ppulaçã prvida de redes de abasteciment de água (F.17) Prprçã da ppulaçã prvida de esgtament sanitári (F.18) Prprçã da ppulaçã prvida de cleta de lix (F.19) Inclusã ds dads de 2013 e revisã ds dads de ans anterires, cm fnte n Sistema de Infrmações d Prgrama Nacinal de Imunizações (SI-PNI), de: Página 20

21 Prprçã de crianças vacinadas na faixa etária recmendada (F.13) Atualizações a realizar - Pendências Fi sugerida a substituiçã da categrizaçã pr imunbilógic pr categrizaçã pr dença, que eliminaria a questã da evluçã ds imuns. Também fi vista a inclusã de nvs imuns/denças (influenza em idss, pr exempl, que implicaria em mudança d nme d indicadr). Para indicadr de Cbertura de cnsultas de pré-natal (F.6), nã fi pssível adtar as nvas faixas de cnsulta (6 u mais) a partir de 2012, pis ainda há registrs na base de 2012 cm frmulári antig; sã apenas 4%, mas têm pess diferenciads pr UF e municípis. Para dads de 2013, deverá ser feita nva avaliaçã. Nvs indicadres Vlume de água tratada distribuída pr habitante Númer de internações (saúde suplementar) pr beneficiári Númer de cnsultas médicas (saúde suplementar) pr beneficiári Página 21

1. Conceituação Percentual de crianças imunizadas com vacinas específicas, em determinado espaço geográfico, no ano considerado.

1. Conceituação Percentual de crianças imunizadas com vacinas específicas, em determinado espaço geográfico, no ano considerado. INDICADOR: F.13 COBERTURA VACINAL 1. Cnceituaçã Percentual de crianças imunizadas cm vacinas específicas, em determinad espaç gegráfic, n an cnsiderad. 2. Interpretaçã Estima nível de prteçã da ppulaçã

Leia mais

Procedimentos Hospitalares do SUS por local de internação de 1992 a 2007 Notas Técnicas. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação

Procedimentos Hospitalares do SUS por local de internação de 1992 a 2007 Notas Técnicas. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação Prcediments Hspitalares d SUS pr lcal de internaçã de 1992 a 2007 Ntas Técnicas Origem ds dads Os dads dispníveis sã riunds d Sistema de Infrmações Hspitalares d SUS - SIH/SUS, gerid pel Ministéri da Saúde,

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL INFORME EPIDEMIOLÓGICO Nº 05/2015 SEMANA EPIDEMIOLÓGICA 50 (13 A 19/12/2015) MONITORAMENTO DOS CASOS DE MICROCEFALIAS NO BRASIL Este infrme d COES Micrcefalias visa dcumentar e divulgar infrmações atualizadas

Leia mais

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL:

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: CONCEITOS E APLICAÇÕES Brasilia, 2008 2008 Organização Pan-Americana da Saúde Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra,

Leia mais

RECURSOS PÚBLICOS PARA O TURISMO

RECURSOS PÚBLICOS PARA O TURISMO N N Unid. Tip de Peridicidade An de An de Iníci série Cmparativ Âmbit temátic Nme d Indicadr Nme da fnte Fnte Divulgaçã Escp gegráfic Escp de análise Estratégia de utilizaçã d dad Observaçã Medida dad

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO

ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde Cnsulta a Temp e Hras CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativ Centr de Saúde 2013 ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.. Tds s direits reservads. A ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO

BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO O QUE É O BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO? É um auxíli financeir que tem cm bjetiv cntribuir para, u pssibilitar, a cntrataçã de um cuidadr para auxiliar beneficiáris

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Admissões para Creche e Pré-escolar 2016 / 2017

Admissões para Creche e Pré-escolar 2016 / 2017 Admissões para Creche e Pré-esclar 2016 / 2017 1ª Fase: Pré-candidatura Decrre entre 4 a 29 de Janeir (2016): - Ficha de candidatura devidamente preenchida e assinada (dispnível na Secretaria u n site:

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Urbanidade, sustentabilidade, saúde - uma relação evidente e persistente

Urbanidade, sustentabilidade, saúde - uma relação evidente e persistente - uma relaçã evidente e persistente Os Lugares e a Saúde Uma abrdagem da Gegrafia às variações em saúde na Área Metrplitana de Lisba Helena Ngueira Faculdade de Letras da Universidade de Cimbra Lisba,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Co-morbidade Aids/TB entre casos de óbitos por Aids de residentes na Região Metropolitana de Recife, PE no período de 2001 a 2008: resultado do

Co-morbidade Aids/TB entre casos de óbitos por Aids de residentes na Região Metropolitana de Recife, PE no período de 2001 a 2008: resultado do Universidade de Pernambuc UPE Faculdade de Enfermagem Nssa Senhra das Graças - FENSG C-mrbidade Aids/TB entre cass de óbits pr Aids de residentes na Regiã Metrplitana de Recife, PE n períd de 2001 a 2008:

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

1- Objetivo Orientar e apoiar a utilização dos serviços de Biblioteca por parte do corpo docente, discente e comunidade.

1- Objetivo Orientar e apoiar a utilização dos serviços de Biblioteca por parte do corpo docente, discente e comunidade. Sistema de Gestã de Prcesss Sistema de Gestã da Qualidade Utilizaçã ds Serviçs de Bibliteca 1- Objetiv Orientar e apiar a utilizaçã ds serviçs de Bibliteca pr parte d crp dcente, discente e cmunidade.

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO

SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS Palestrante: Mauríci Laur de Oliveira Junir PRESCRIÇÃO E OS EVENTOS ADIVERSOS A ANVISA define err de medicaçã cm qualquer event

Leia mais

Estratégia: Articulação interinstitucional

Estratégia: Articulação interinstitucional CGDIS/DATASUS/SE/MS Antecedentes Sistemas, bases de dados e fontes de informação (saúde e outros setores) Disponibilidade na Internet Limitações: cobertura, qualidade, integração e comparabilidade Uso

Leia mais

A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB)

A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB) A construção dos Indicadores Básicos para a Saúde (IDB) Jacques Levin Departamento de Informática do SUS Secretaria Executiva/Ministério da Saúde Porto Alegre, 23 de setembro de 2008 Roteiro Origem Processo

Leia mais

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada Reediçã, revista e adaptada RELATÓRIO FINAL Nvembr de 04 I Enquadrament e bjetivs Na Eurpa tds s ans mrrem 500 crianças e jvens entre s 0 e s 9 ans na sequência de uma queda. Apesar de nã ser a mair causa

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 Este frmulári deve ser preenchid pr tds s aluns matriculads n Mestrad em Atençã à Saúde n an de 2013. Os dads servirã para atualizar, n Cleta Capes, as atividades

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR

SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR Índice Intrduçã... 3 Aspect Gráfic... 4 Regist na aplicaçã... 5 Recuperaçã de Códigs de Acess... 6 Área Reservada... 8 Entrar na Área Reservada... 8 Editar Perfil... 9

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 027/ DE 19 DE NOVEMBRO DE VESTIBULAR 16/01 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505,

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA

EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA O presente dcument tem cm bjetiv dispnibilizar a divulgaçã ficial das cndições estabelecidas pel Sesc Santa Catarina para

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO 52ª PREMIAÇÃO ANUAL IAB RJ EDITAL 2014 INTRODUÇÃO O Institut de Arquitets d Brasil - IAB-RJ cnvca arquitets e urbanistas a participarem da 52ª Premiaçã Anual ds Arquitets que, em 2014, agrega às categrias

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico Legenda da Guia de Tratament Odntlógic Term Registr NS Nº da n prestadr Num. d Camp na Númer da principal 3 Data da autrizaçã Senha senha 1 2 4 5 6 Nme d camp na Registr NS Númer da n prestadr Númer da

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MAIO 2009 2 RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA, EPE Prject encmendad pela Títul: Autres: Ediçã: Mnitrizaçã da satisfaçã

Leia mais

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar Utilizand Calculadr telj Velcidade d Sm n Ar Hmer Sette 8 0 0 ste utilitári permite cálcul da velcidade de prpagaçã d sm n ar C, em funçã da temperatura d ar, da umidade relativa d ar e da pressã atmsférica

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013 Item 01. Requisits básics cm justificaçã a. Serviç a ser licitad:. Escrituraçã mensal d livr diári; Escrituraçã mensal d livr

Leia mais

Instruções para as apresentações científicas

Instruções para as apresentações científicas Instruções para as apresentações científicas As apresentações pderã ser realizadas na frma de PÔSTER u ORAL, dentr das especialidades dntlógicas: Ciências Básicas, Estmatlgia/Radilgia/Patlgia, Cirurgia,

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

De acordo com estes critérios, uma sugestão de formato para nomes de tablespaces no banco de dados Oracle é a seguinte: S_O_T, onde:

De acordo com estes critérios, uma sugestão de formato para nomes de tablespaces no banco de dados Oracle é a seguinte: S_O_T, onde: Pedr F. Carvalh cntat@pedrfcarvalh.cm.br Tablespaces: Organizaçã e Nmenclatura Definir critéris para a divisã de um banc de dads Oracle em tablespaces é sempre uma questã imprtante para s DBAs na rganizaçã

Leia mais

MANUAL DOS GESTORES DAA

MANUAL DOS GESTORES DAA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - NTI MANUAL DOS GESTORES DAA MÓDULOS: M atrícula e P rgramas e C DP [Digite resum d dcument aqui. Em geral, um resum é um apanhad

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs 1. OBJETIVOS: fixar nrma para realizaçã ds prcediments de cleta interna de carcaças de animais de experimentaçã n Sistema FMUSP-HC, bservand-se as devidas cndições de higiene e segurança. 2. ABRANGÊNCIA:

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL Cntratante: O CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 12º REGIÃO, pessa jurídica de direit públic cnstituída sb a frma de autarquia fiscalizadra,

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 20 05 3 PLD (Preç de Liquidaçã das Diferenças) PLD - 4ª Semana de Mai de 203 (8.05.203 a 24.05.203) PLD médi PLD médi 2 R$/MWh Sudeste Sul Nrdeste Nrte Sudeste 34,58 344,32 Pesada 360,7 360,7 360,7 360,7

Leia mais

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br.

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br. REGULAMENTO 1. Sbre Event 1. A Gramad Adventure Running é uma prva de revezament junt à natureza que será realizada n dia 09/05/2015 (Sábad) em Gramad, n Estad d Ri Grande d Sul, cm participaçã de ambs

Leia mais

Manual. Autorizador da UNIMED

Manual. Autorizador da UNIMED Manual Prtal Autrizadr da UNIMED Pass a Pass para um jeit simples de trabalhar cm Nv Prtal Unimed 1. Períd de Atualizaçã Prezads Cperads e Rede Credenciada, A Unimed Sul Capixaba irá atualizar seu sistema

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO

3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 47 48 3.1. VISÃO DE FUTURO DO MAIS RN PARA 2035 A classe empresarial ptiguar apresenta para a sciedade uma Visã de Futur usada e desafiadra.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

ISCTE. SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO Ano Lectivo 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II. (Interpretação de Outputs de SPSS)

ISCTE. SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO Ano Lectivo 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II. (Interpretação de Outputs de SPSS) ISCTE SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO An Lectiv 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II (Interpretaçã de Outputs de SPSS) Interval de Cnfiança para a Média Ppulacinal Ensai de Hipóteses para a Média

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA 2015 Orientações para a Escrituraçã Cntábil Digital (Sped Cntábil) Versã 14.01 Sluções SPDATA Equipe SAT Análise Desenvlviment e Qualidade de Sftware 07/04/2015 Sumári Objetiv... 3 Cnsiderações gerais...

Leia mais