UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL HENRIQUE DORNELES CALLEGARO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL HENRIQUE DORNELES CALLEGARO"

Transcrição

1 UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL HENRIQUE DORNELES CALLEGARO O RECONHECIMENTO DO DOLO EVENTUAL NOS CRIMES COMETIDOS NA DIREÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR Ijuí (RS) 2012

2 HENRIQUE DORNELES CALLEGARO O RECONHECIMENTO DO DOLO EVENTUAL NOS CRIMES COMETIDOS NA DIREÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR Monografia final apresentada ao Curso de Graduação em Direito, objetivando a aprovação no componente curricular Monografia. UNIJUÍ Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. DCJS Departamento de Ciências Jurídicas e Sociais. Orientadora: MSc. Ester Eliana Hauser Ijuí (RS) 2012

3

4 D edico este estudo àquelas pessoas que estiveram ao meu lado durante toda a minha caminhada acadêmica, me acompanhando, apoiando, auxiliando e acreditando em mim.

5 AGRADECIMENTOS Aos meus pais, por todo amor, carinho, paciência, palavras de conforto, compreensão e ajuda ao longo dos anos. Pelas oportunidades que na vida me foram dadas, sabendo que muitas vezes renunciaram aos seus próprios sonhos em favor dos meus, fornecendo-me condições para me tornar a pessoa que sou. A minha orientadora, pela cuidadosa orientação, destacando que sem ela tudo se tornaria muito mais difícil.

6 Teu dever é lutar pelo Direito. Mas no dia em que encontrares o Direito em conflito com a Justiça, luta pela Justiça. (Eduardo Couture)

7 RESUMO O presente trabalho de pesquisa monográfica tem o escopo de analisar o fenômeno da violência no trânsito na sociedade brasileira contemporânea, avaliando como categorias da teoria do delito como o dolo eventual e a culpa consciente são aplicadas aos crimes de homicídio e lesões corporais praticadas na direção de veículo automotor, juntamente com o clamor da sociedade que recai sobre o tema. O trabalho também busca esclarecer o conceito da conduta penalmente punível, analisando o dolo e culpa na estrutura do delito, bem como apresentar o entendimento doutrinário sobre a estrutura do crime doloso e do crime culposo e de seus elementos, para vir a facilitar o entendimento de sua aplicabilidade em relação aos crimes praticados na direção de veículo automotor. Também traz uma pesquisa de jurisprudência sobre a aplicação e aceitação do dolo eventual nos crimes de trânsito. Palavras-chave: Direito Penal. Dolo eventual e culpa consciente na aplicação ao Código de Transito Brasileiro.

8 ABSTRACT The present research monograph has the scope to analyze the phenomenon of road rage in Brazilian contemporary society, assessing how the theory of the crime categories as the eventual intention and conscious guilt are applied to crimes of murder and bodily injury committed in the direction of a motor vehicle, along with the clamor of society that reflects on the subject. The work also seeks to clarify the concept of criminal conduct punishable by analyzing the intentional fault and the structure of the offense, as well as presenting the doctrinal understanding of the structure of felony manslaughter and crime and its elements to come to facilitate the understanding of its applicability in relation to crimes committed in the direction of a motor vehicle. It also provides a survey of case law on the application and acceptance of the eventual intention in traffic crimes. Keywords: Criminal Law. Eventual intention and conscious guilt in the application of the Brazilian traffic code.

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DOLO E A CULPA NA TEORIA DO DELITO O conceito de delito e a conduta penalmente punível O dolo e culpa na estrutura do delito e seus elementos Distinções entre dolo eventual e culpa consciente DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE NOS CRIMES DE TRÂNSITO A sociedade de risco e a violência no trânsito O Código de Trânsito Brasileiro e a persecução penal dos comportamentos praticados na direção de veículo automotor Os delitos de homicídio e lesões corporais no CTB e o reconhecimento do dolo eventual nos crimes de trânsito: posição dos tribunais e considerações crítica A proposta de reforma do CP e a penalização das condutas lesivas praticadas no trânsito CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 46

10 9 INTRODUÇÃO A violência no trânsito tem sido nas últimas décadas, um dos grandes problemas enfrentados pelo Estado e pela sociedade brasileira. A cada ano o número de vítimas fatais ou politraumatizadas em acidentes envolvendo veículos automotores mostra-se assustadora, o que gera grande insegurança na sociedade. Diante desta realidade de violência e morte, que é amplamente divulgada pela mídia, há exigência de maior rigor punitivo para os infratores de trânsito, na esperança de que, com maior penalização, se resolverão tais problemas. No Brasil, nas últimas décadas, houve significativas alterações na legislação relacionada ao trânsito, sendo que, a partir destas aumentou-se a punição para os infratores envolvidos em acidentes com culpa. Apesar disso, muitos entendem que a punição ainda é muito branda, pois grande parte dos acidentes derivam da irresponsabilidade dos motoristas, o que gera insatisfação da sociedade e leva, em muitos casos ao reconhecimento do dolo eventual. Tendo como referência este problema o presente trabalho discute a aplicação da categoria do dolo eventual nos delitos de trânsito. Busca analisar o fenômeno da violência no trânsito na sociedade brasileira contemporânea, avaliando como categorias da teoria do delito como o dolo eventual e a culpa consciente se aplicam aos crimes de homicídio e lesões corporais praticadas na direção de veículo automotor. Para tanto se propõe a analisar o conceito de delito e de conduta penalmente punível, juntamente com o dolo e culpa na estrutura do delito, diferenciando, de forma detalhada, o dolo eventual e a culpa consciente. Também busca verificar quais as normas constantes no Código de Trânsito Brasileiro e como se dá a persecução penal dos comportamentos

11 10 praticados na direção de veículo automotor; bem como estudar os delitos de homicídio e lesão corporais no CTB. O presente trabalho se fez através de uma pesquisa puramente doutrinaria, e tem primeiramente como finalidade tratar sobre o delito, sobre a conduta penalmente punível. Também trata, em um primeiro momento, das teorias do dolo, explicando seus elementos e modalidades, juntamente com as modalidades da culpa, assim tratando ambas de um modo mais profundo e explicando suas diferenças. Em uma segunda etapa, o estudo tenta analisar a violência no trânsito, entendendo que devido a ela, a sociedade se encontra em risco, pois com o grande número de acidentes acaba gerando uma grande insegurança jurídica. O trabalho também trata da implementação do Código de Trânsito de 1997, que foi criado com o intuito de diminuir o grande número de vitimas, que naquele momento colocava o Brasil no topo do ranking de acidentes automobilístico. O estudo também faz uma análise dos crimes previstos no Código de Trânsito, com especial atenção aos crimes de homicídio culposo e lesão corporal culposa e busca, ao final, demonstrar como os tribunais têm aplicado as categorias do dolo eventual e da culpa consciente em crimes de trânsito. Por fim, se faz uma análise do anteprojeto de reforma ao Código Penal, que já está em votação no Congresso Nacional, apresentando as principais mudanças propostas em relação à conduta de embriaguez ao volante, ao dolo eventual e ao homicídio culposo no trânsito.

12 11 1 DOLO E A CULPA NA TEORIA DO DELITO 1.1 O conceito de delito e a conduta penalmente punível Para o direito penal crime ou delito são todas as ações ou omissões, definidas como tais na legislação, que lesam ou expõe a perigo bens jurídicos tutelados pela norma penal. Para a doutrina o delito é uma construção fundamentalmente jurídico-penal, embora possa ser objeto de exame das mais variadas ciências. A compreensão do fenômeno delitivo, genericamente considerado, envolve o conjunto de ciências (naturais e humanas), numa aproximação de cunho realmente multidisciplinar. No entender de Cezar Roberto Bitencourt (2011, p. 247) existem diversos conceitos de delito. O primeiro deles é o conceito material, segundo o qual [...] o crime é um comportamento humano que causa um resultado jurídico ou naturalístico (uma ofensa ou perigo a um bem jurídico, penalmente protegido, e sujeito, portanto a uma infração penal). O segundo conceito existente é o conceito formal, em que classifica o crime como um comportamento descrito formalmente em uma norma penal incriminadora (tipo penal incriminador), com previsão de sanção penal. No entender de Luiz Regis Prado (2004, p. 236) o crime, sob o aspecto formal. Versa, portanto, sobre a relação de contrariedade entre o fato e a lei penal. Tem-se, pois, que delito é o fato a qual a ordem jurídica associa a pena como legitima consequência, ação ou omissão, imputável ao seu autor, prevista e punida pela lei como uma sanção penal, ou, ainda, todo fato humano proibido pela lei penal. Existe também um terceiro conceito, definido como conceito analítico, que leva em conta os elementos estruturais do crime (seus requisitos), tendo esse conceito uma variação de acordo com a teoria adotada. Para a teoria causalista, desenvolvida especialmente por Von Liszt, o crime é composto de três elementos, fato típico, ilicitude e culpabilidade, estando o dolo e a culpa situados no âmbito da culpabilidade. Para esta teoria, segundo Queiros (2001, p.89)

13 12 A vontade humana compreendia duas partes distintas: uma parte externa (objetiva), que corresponde ao processo causal (movimento corporal, natural, mecânico) da ação, e outra interna (subjetiva), que corresponde ao conteúdo final da ação. A ação (parte externa) é, portanto, segundo esta teoria, o resultado de um processo puramente causal. [...] Consequentemente, tipicidade e antijuridicidade expressariam juízos de valor puramente objetivos (causais), ao passo que a culpabilidade, ao contrário, um juízo subjetivo, quando então se examinaria o conteúdo final da ação. Também, por isso, dolo e culpa elementos subjetivos integrariam a culpabilidade, que corresponde, assim, à relação psicológica (subjetiva) entre o autor e seu fato (concepção psicológica de culpabilidade). A segunda teoria é a finalista criada por Hans Welzel, para a qual o crime é composto de três elementos: o fato típico, a ilicitude e a culpabilidade, sendo que nela o dolo e a culpa estão no fato típico (como elementos integrantes da conduta). Para alguns doutrinadores a teoria finalista estabelece como requisitos do crime apenas dois elementos, fato típico mais ilicitude, sendo a culpabilidade apenas pressuposto para a imposição da pena. Referindo-se a esta teoria Queiroz (2001, p. 90) observa que. Para a teoria final da ação [...], a conduta humana é o exercício de uma ação final; a ação é, por isso, um acontecer final, e não apenas causal. A finalidade [...] ou o caráter final da ação se deve ao fato de que o homem, graças a seu saber causal, pode prever, dentro de certos limites, as consequências possíveis de sua atividade, eleger, em consequência, fins diversos e dirigir sua ação, conforme seu plano, conscientemente levado ao fim.[...] Por consequência, com o finalismo, dolo e culpa são deslocados da culpabilidade para a tipicidade, já que é a finalidade da ação (a intenção) que dirá, por exemplo, se estamos diante de um crime de lesão corporal ou uma tentativa de homicídio. Contudo deve-se ser mencionada a teoria funcionalista do delito, mesmo que o sistema adotado pelo Código Penal Brasileiro seja o finalista. Tal teoria ganhou mais força a partir da segunda guerra mundial, principalmente na Europa. Segundo Estefam (2011, p. 288) o sistema funcionalista propõe [...] que deve o jurista cuidar de construir um conceito de delito que atenda à função do Direito Penal, vez que este não é um fim em si mesmo. Com essa nova diretriz em mente, o sistema, além de harmônico e previsível, será justo. Para isso, faz-se necessário romper com um paradigma adotado desde

14 13 o sistema clássico até o finalista: o de que ao jurista incumbe exclusivamente cuidar da dogmática, e, ao legislador, compete à tarefa de definir a política criminal. Deste modo seria necessário estabelecer uma unidade sistemática entre a política criminal e dogmática penal reestruturando todas as categorias concretas do delito (tipicidade, antijuridicidade e culpabilidade) que devem sistematizar-se, desenvolver-se e contemplar-se desde o início sob o prisma de sua função político-criminal. (ROXIN apud ESTEFAM, 2011, p. 289). E para o doutrinador Luís Greco, (2000, p. 39). O funcionalista sabe que, quanto mais exigir para o dolo, mais acrescenta na liberdade dos cidadãos, às custas da proteção de bens jurídicos; e que quanto menos exigências formular para que haja dolo, mais protege bens jurídicos, e mais limita a liberdade dos cidadãos. Também o mesmo Luís Greco (2000, p. 39), faz a seguinte afirmação. A realidade é unívoca (primeiro engano), e que basta conhecê-la para resolver os problemas jurídicos (segundo engano falácia naturalista); o funcionalista admite serem várias as interpretações possíveis da realidade, de modo que o problema jurídico só pode ser resolvido através de considerações axiológicas, isto é, que digam respeito à eficácia e a legitimidade da atuação do Direito Penal. Assim para o funcionalismo penal, o sistema jurídico só encontra segurança em sua densidade normativa, em si mesmo. Ele tenta entender o ser humano na sociedade, assim tendo ponto de partida o estudo do caso concreto, levando muito em conta a conduta da pessoa humana. No Brasil, as infrações penais estão divididas em crimes e contravenções. A lei de introdução ao Código Penal Brasileiro dispõe em seu art. 1º que Considera-se crime a infração penal a que a lei comine pena de reclusão ou de detenção, quer isoladamente, quer alternativa ou cumulativamente com pena de multa; contravenção, a infração a que a lei comina, isoladamente, pena de prisão simples ou de multa, ou ambas, alternativamente ou cumulativamente.

15 14 No entender de Cezar Roberto Bitencourt (2011, p. 253): A divisão mais utilizada, porem, pelas legislações penais, inclusive pela nossa, é a bipartite ou dicotômica, segundo a qual as condutas puníveis dividem-se em crimes ou delitos (como sinônimos) e contravenções, que seria espécie do gênero infração penal. Sendo as contravenções que por vez são chamados de crimes-anões, são condutas que apresentam menor gravidade em relações aos crimes, por isso sofrem sanções mais brandas. No que se refere às categorias essenciais do delito, são estas estabelecidas pelos artigos 13 a 28 do Código Penal, sendo que no âmbito doutrinário foram construídas, a partir da análise de tais categorias, duas correntes. A primeira corrente apresenta o conceito analítico de delito a partir de uma estrutura bipartite, que afirma que o delito tem apenas dois elementos, fato típico e ilicitude/antijuricidade, sendo que para essa corrente a culpabilidade não é elemento do delito, e sim apenas pressuposto da pena, portanto não havendo culpabilidade há crime, mas não haverá pena aplicada. A segunda corrente usada em outros países apresenta um conceito de crime a partir de uma estrutura tripartite, que classifica o crime com três elementos: fato típico, ilicitude e culpabilidade, sendo que para essa corrente não havendo culpabilidade não haverá crime. A tipicidade é o mero enquadramento da conduta do agente ao tipo penal incriminador, assim a conduta tem tipicidade quando ela se enquadra ao tipo penal incriminador. Com isso existem tipos de tipicidade: a direta ou imediata e a indireta ou chamada de mediata, a tipicidade material e a tipicidade conglobante. A tipicidade direta ocorre quando a conduta do agente se encaixa diretamente a um tipo penal incriminador, sem necessidade do apoio de uma norma de extensão. Já a tipicidade indireta ocorre quando a conduta do agente não se enquadra diretamente ao tipo penal incriminador, que descreve a conduta criminosa, assim para que ocorra a tipicidade é necessário o apoio de uma norma de extensão. Pode ser usado como exemplo a tentativa, em que o artigo 121 do CP não pune a tentativa de homicídio, assim para ter tipicidade no caso de homicídio tentado é necessário à extensão do artigo 14 do CP que pune a tentativa.

16 15 A tipicidade material é a relevância e significância da lesão ou perigo de lesão ao bem jurídico causado, ou seja, se a conduta se enquadra formalmente ao tipo penal incriminador, mas não causa uma lesão ou perigo significante ao bem jurídico existe tipicidade formal, porém não existe a tipicidade material, quando não existe essa tipicidade material o crime é chamado de crime de bagatela. Por fim existe a tipicidade conglobante, que é uma criação da doutrina, e o nosso código penal não a adota. Para essa teoria o fato só tem tipicidade quando contrariar todo o ordenamento jurídico, considerado de forma conglobante. Referindo-se a esta concepção, Estefan e Gonçalves (2011, p. 302) observam que Por meio da tipicidade conglobante [...] situações consideradas tradicionalmente como típicas, mas enquadráveis nas excludentes de ilicitude [...] passariam a ser tratadas como atípicas pela falta de tipicidade conglobante. Já a ilicitude nada mais é que a contrariedade do fato típico ao ordenamento jurídico. A ação típica será também ilícita quando não realizada sob a proteção de uma excludente de ilicitude. Referindo-se a ilicitude ou antijuridicidade Queiroz (2001, p. 99) salienta que: Cuidando-se de uma ação típica, passa-se, a seguir, à análise da antijuridicidade (=ilicitude), isto é, cumpre verificar agora, se, além de típica, tal conduta é também contrária ao ordenamento jurídico como um todo (e não apenas em relação ao direito penal). Se embora típica, não for ilícita [...] ficará, obviamente, prejudicada a indagação sobre a culpabilidade. Diz-se, assim, antijurídica a ação ou mais precisamente, ilícita açãoquando praticada contrariamente ao direito, é dizer, sem o amparo de causa de exclusão de ilicitude [...] como a legítima defesa, o estado de necessidade, o estrito cumprimento do dever legal ou o exercício regular de direito. A culpabilidade é o ultimo pressuposto da punibilidade, assim na culpabilidade se estuda se o autor não tinha outra escolha pra ser tomada, e se a escolha que tomou deve ser repudiada, reprovada socialmente. Contudo devem ser observados alguns elementos na culpabilidade, sendo eles: a imputabilidade, que nada mais é que a capacidade de entender o que se esta fazendo ou de determinar o comportamento, a consciência da ilicitude e a exigibilidade de conduta diversa, pois só haverá culpabilidade quando for possível exigir do agente conduta diferente da que foi tomada.

17 16 A culpabilidade representa, pois a [...] reprovabilidade social de uma conduta, por ser razoavelmente exigível, de seu autor, nas circunstâncias dadas, uma atitude diferente da adotada. (QUEIROZ, 2001, p. 100). Assim, para que alguém seja penalmente responsabilizado por uma conduta é necessário que ela seja declarada típica, ilícita e seu autor culpável. Mas a tipicidade pressupõe que o comportamento tenha sido praticado com dolo ou, em casos excepcionais, com culpa. Mas este será o assunto discutido no próximo tópico O dolo e culpa na estrutura do delito e seus elementos O crime doloso, tratado pelo artigo 18, I do código penal, ocorre quando o agente quer o resultado ou assume o risco de produzi-lo. Assim o dolo é a conduta voluntária e consciente (uma consciência atual) de provocar um resultado, ou assumir o risco de provocar esse resultado. Ao referir se à vontade, como elemento que integra o crime doloso, Queiroz (2001, p. 139) assim se manifesta Se a missão do direito penal é a prevenção geral e especial de comportamentos socialmente lesivos, sua atuação há de pressupor, lógica e necessariamente, ações ou omissões voluntárias e não involuntárias ou naturais, simplesmente, é dizer, a intervenção penal começa e termina como o início e fim da vontade humana, pois, fora daí, teria lugar a responsabilização penal objetiva, isto é, responsabilização por fatos estranhos à vontade humana, puramente causais (naturais), ainda quando emanados de um ser humano. Segundo Fernando Capez (2003, p. 185). Dolo é à vontade e a consciência de realizar os elementos constantes do tipo legal, mais amplamente, é a vontade manifestada pela pessoa humana de realizar a conduta. Sendo a consciência o conhecimento do fato que constitui a ação típica, e a vontade é o elemento volitivo de realizar esse fato. Sendo assim, dolo é o ato voluntário e consciente de realizar uma conduta descrita em um tipo penal. No âmbito doutrinário são apresentadas algumas teorias sobre o dolo.

18 17 A primeira teoria, denominada teoria da vontade, entende que há dolo quando o agente quer causar o resultado criminoso, ou seja, ele direciona sua conduta especificamente para determinado resultado típico. No entender de Bitencourt (2011, p. 315): A essência do dolo deve estar na vontade, não de violar a lei, mas de realizar a ação e obter o resultado. Essa teoria não nega a existência da representação (consciência) do fato, que é indispensável, mas destaca, sobretudo, a importância da vontade de causar o resultado. Na verdade, vontade e consciência são, numa linguagem figurada, uma espécie de irmãs siamesas, uma não vive sem a outra, pois a previsão sem vontade é algo completamente inexpressivo, indiferente ao direito penal, e a vontade sem representação, isto é sem previsão, é absolutamente impossível, eis que vazia de conteúdo. A segunda teoria é a teoria da representação, segundo a qual há dolo quando o agente prevê que sua conduta pode causar o resultado e mesmo assim ele prossegue praticando a conduta. Porem deve ficar claro desde já que essa teoria é uma teoria falha, pois não faz a distinção de dolo e culpa, não distingue dolo eventual de culpa consciente, no entender de Bitencourt (2011, p. 316): Essa é uma teoria hoje completamente desacreditada, e ate mesmo seus grandes defensores, acabaram, em fim reconhecendo que somente a representação do resultado era insuficiente para exaurir a noção de dolo, sendo necessário um momento de mais intensa ou intima relação psíquica entre o agente e o resultado, que inegavelmente, identifica-se na vontade. A terceira teoria é a teoria do assentimento ou consentimento, que compreende haver dolo quando o agente prevê que sua conduta pode causar o resultado e mesmo assim esse prossegue na conduta, assumindo o risco do resultado. No entender de Bitencourt (2011, p. 316): Para a teoria do consentimento, também é dolo a vontade que, embora não dirigida diretamente ao resultado previsto como provável ou possível, consente da sua ocorrência ou, o que da no mesmo, assume o risco de produzi-lo. A representação é necessária, mas não suficiente à existência do dolo, e consentir na ocorrência do resultado, repetindo, é uma forma de querê-lo, [...]

19 18 O Código Penal brasileiro adota a teoria da vontade em relação ao dolo direito, que ocorre quando o agente prevê e deseja a produção do resultado, e a teoria do assentimento ou consentimento em relação ao dolo eventual, que ocorre quando o agente assume o risco de produzir o resultado previsto. São considerados elementos do dolo a vontade do agente e sua consciência. Sendo que a consciência se dá no momento do fato, pois ela deve ser atual, já a vontade abrange o querer do agente, podendo recair sobre ação, omissão, resultado e o nexo causal. A vontade pressupõe a previsão do fato, assim somente quem tem consciência da conduta e do resultado e consciência da relação de causa e efeito que há entre a conduta e o resultado pode prever o resultado e, portanto, atuar com dolo. A partir do estudo das teorias do dolo, serão apresentadas, a partir de agora as diversas classificações do dolo, juntamente com o entendimento doutrinário de cada um deles. A primeira modalidade de dolo apresentada pela doutrina é o dolo direto, chamado por alguns como dolo determinado. Esta forma de dolo ocorre quando o agente infrator quer o resultado, ou seja, quando o agente direciona sua conduta para um resultado certo e determinado. Segundo Capez (2003, p. 186). Dolo direto é a vontade de realizar a conduta e produzir o resultado, (teoria da vontade). Ocorre quando o agente quer diretamente o resultado. Na conceituação de José Frederico Marques, Diz-se direto o dolo quando o resultado no mundo exterior corresponde perfeitamente à intenção e a vontade do agente. O objetivo por ele representado e a direção da vontade se coadunam com o resultado do fato praticado. Existe também o dolo indireto ou indeterminado, que é aquele que o agente não quer diretamente o resultado, mas assume o risco de produzi-lo, quando entende que há possibilidades dele ocorrer. Segundo Capez (2003, p. 188) No dolo indireto o agente não quer diretamente o resultado, mas aceita a possibilidade de produzi-lo (dolo eventual), ou não se importa de produzir este ou aquele resultado, (dolo alternativo).

20 19 Uma terceira classificação do dolo é o dolo alternativo, que ocorre quando o agente quer um ou outro resultado previsto. Um exemplo desta forma de dolo ocorre quando o agente criminoso esfaqueia a vitima com a intenção de matar ou ferir, ele não direciona a conduta para um resultado escolhido, concreto, ele apenas pratica a conduta sabendo que terá algum resultado. A próxima classificação de dolo é o dolo eventual, tema que voltará a ser abordado no desenvolvimento do trabalho. Esta forma de dolo ocorre quando o agente não quer diretamente nenhum resultado criminoso, mas consegue prever o resultado de sua conduta, assumindo o risco de causá-lo. Nesta espécie de dolo o agente prevê o resultado e, mesmo não o querendo diretamente, se mostra indiferente a ele. Outra classificação é o dolo cumulativo, que ocorre quando o agente direciona sua conduta para dois resultados diferentes, primeiro ele quer um resultado, depois resolve querer outro, um exemplo que simplifica o entendimento é quando um agente quer apenas ferir a vitima, mas na decorrência da conduta ele resolve matá-la. Existe também a classificação do dolo de dano e o dolo de perigo, sendo que o dolo de dano é a vontade de produzir uma lesão efetiva a um bem jurídico, o agente quer causar um dano, uma alteração lesiva no mundo. Já no dolo de perigo a intenção do agente é apenas expor a perigo o bem jurídico protegido. Um exemplo de dolo de perigo é o tiro de arma de fogo dado apenas para assustar, ele apenas causa um perigo ao bem protegido. Outra classificação de dolo é dolo genérico e dolo específico, sendo que no dolo genérico o agente tem a intenção de praticar a conduta na lei sem qualquer finalidade específica; já no dolo especifico, o agente tem a intenção de praticar a conduta, com a finalidade especifica. Porém deve ficar claro que não se fala mais em dolo genérico e específico, pois o dolo genérico hoje é chamado de dolo sem fim especifico, e aquilo que antes era chamado de dolo específico é chamado de dolo com fim específico. Também existe a classificação de dolo em primeiro e segundo grau, sendo que dolo em primeiro grau é a mesma coisa que dolo direto ou determinado, e dolo de segundo grau, são as consequências inevitáveis decorrentes do meio de execução escolhido pelo infrator para realizar o crime. Ao referir-se a esta forma de dolo Capez (2003, p. 190), observa que

21 20 O de primeiro grau consiste na vontade de produzir as consequências primarias do delito, ou seja, o resultado típico inicialmente visado, ao passo que o de segundo grau abrange os efeitos colaterais da prática delituosa, ou seja, as suas consequências secundarias, que não são desejadas originalmente, mas acabam sendo provocadas porque indestacáveis do primeiro evento. No dolo de segundo grau, portanto, o autor não pretende produzir o resultado, mas se da conta que não pode chegar à meta traçada sem causar tais efeitos acessórios. Por fim ainda existem duas classificações de dolo, o dolo natural e o dolo normativo. Sendo o dolo natural composto de elementos naturais (elementos humanos) consciência e vontade, é o simples querer do agente, que não tem necessidade de saber que a conduta é ilícita, com isso qualquer vontade é considerada dolo. Já o dolo normativo é composto de elementos naturais e de um elemento normativo, que é a consciência da ilicitude, é considerado requisito da culpabilidade, sendo assim o dolo normativo não é apenas um querer independentemente da ilicitude ou não, ele é um querer, um querer ilícito, em que o agente sabe, tem consciência de sua ilicitude. O artigo 18, II do Código Penal diz que o crime é culposo quando o agente deu causa ao resultado por imprudência, imperícia ou negligência. O crime culposo deriva, portanto, de uma conduta voluntária que causa um resultado não querido pelo agente, mas que foi previsto por ele (culpa consciente) ou que não foi previsto, mas era previsível (culpa inconsciente) e que podia ser evitado, se o infrator tivesse agido com o devido cuidado. Segundo Fernando Capez (2003, p. 191). Culpa é o elemento normativo da conduta. A culpa é assim chamada porque sua verificação necessita de um prévio juízo de valor, sem o qual não se sabe se esta ou não presente. Com efeito, os tipos que definem os crimes culposos são, em geral, abertos, portanto, neles não se descrevem em que consiste o comportamento culposo. O tipo limita-se a dizer: se o crime é culposo, a pena será de..., não descreve como seria a conduta culposa.

22 21 Portanto, são elementos da culpa: a conduta voluntária, a violação do dever de cuidado objetivo e a produção de um resultado involuntário. Nestes crimes a conduta é praticada voluntariamente, sem a intenção de provocar o resultado, e nela o autor não observa um cuidado objetivo, que é um dever imposto a todas as pessoas. A não observância deste cuidado se dá mediante imprudência negligência ou imperícia. A imprudência é um agir descuidado, sendo que pode ser usado como exemplo o excesso de velocidade. No entender de Bitencourt (2011, p. 337): Imprudência é a prática de uma conduta arriscada ou perigosa e tem caráter comissivo. É a imprevisão ativa (culpa in faciendo ou in committendo). Conduta imprudente é aquela que se caracteriza pela intempestividade, precipitação, insensatez ou imoderação do agente. Imprudente é, por exemplo, o motorista que embriagado, viaja dirigindo seu veiculo automotor, com visível diminuição de seus reflexos e acentuada liberação de seus freios inibitórios. Já a negligência, trata-se de uma omissão, que ocorre, por exemplo, quando o pai distraído não retira a criança de perto do fogo e essa venha se queimar. No entender de Bitencourt (2011, p. 337): Negligência é a displicência no agir, a falta de precaução, a indiferença do agente, que, podendo adotar as cautelas necessárias, não o faz. É a imprevisão passiva, o desleixo, a inação (culpa in ommittendo). É não fazer o que deveria ser feito antes da ação descuidada. Negligência será, por exemplo, o motorista de ônibus que trafegar com as portas do coletivo abertas, causando a queda e a morte de um passageiro. Nessa hipótese, o condutor omitiu a cautela de fechar as portas antes de movimentar o coletivo, causando o resultado morte não desejado. A imperícia é a falta de perícia, falta de conhecimento para a realização do exercício de uma atividade técnica, oficio ou profissão. No entender de Bitencourt (2011, p. 338): Imperícia é a falta de capacidade, de aptidão, despreparo ou insuficiência de conhecimentos técnicos para o exercício da arte, profissão ou oficio. A inabilidade para o desempenho de determinada atividade fora do campo profissional ou técnico tem sido considerada, pela jurisprudência brasileira,

23 22 na modalidade de culpa imprudente, conforme o caso, mas não como imperícia. Deve-se esclarecer, contudo, que só há crime culposo se a conduta descuidada foi à causa do resultado e se o agente atuou com previsibilidade. Existem dois tipos de previsibilidade do resultado; a previsibilidade objetiva e a subjetiva, a objetiva é a possibilidade de prever o resultado de acordo com o que normalmente acontece. Tal previsibilidade objetiva é determinada de acordo com as condições de uma pessoa de mediana prudência, sendo que a partir dela há a possibilidade de evitar o resultado considerando-se a figura do homem médio, contudo a falta dessa previsibilidade objetiva não exclui a culpa, mas sim só haverá a exclusão da culpabilidade. Conforme diz Mirabete (2003 p. 192) a rigor, porém, quase todos os fatos naturais podem ser previstos pelo homem (inclusive de uma pessoa poder atirar-se sob as rodas do automóvel que esta dirigindo). É evidente, porém, que não é essa previsibilidade em abstrato de que se fala. Se não se interpreta o critério de previsibilidade informadora da culpa com certa flexibilidade, o resultado sempre lesivo seria atribuído ao causador. Não se pode prever o dever de prever, fundado na diligência ordinária de um homem qualquer, com o poder de previsão. Dizse então que estão fora do tipo penal dos delitos culposos os resultados que estão fora da previsibilidade objetiva de um homem razoável, não sendo culposo o ato quando só teria sido exatamente prudente. Assim só é típica a conduta culposa quando se puder estabelecer que o fato era possível de ser previsto pela perspicácia comum, normal dos homens. Já a previsibilidade subjetiva é a possibilidade de evitar o resultado levando-se em conta as condições do agente. Portanto, a previsibilidade se dá devido às circunstancias em que o agente se encontra no momento do fato, assim ela não se faz para um acontecimento futuro, mas sim para o presente, atual, assim, se diferenciando da previsão, em que o agente tem o controle absoluto da situação em que se encontra. Apontam-se, na doutrina, as seguintes modalidades de culpa: a culpa própria, a culpa consciente e a culpa imprópria.

24 23 A culpa própria é aquela inconsciente (sem previsão), aquela em que o agente não prevê o resultado que era previsível. No entender de Bitencourt (2011, p. 340): A ação sem previsão do resultado previsível constitui a chamada culpa inconsciente, culpa ex ignorantia. No dizer de Hungria, previsível é o fato cuja possível superveniência não escapa à perspicácia comum. Na hipótese de culpa inconsciente pode-se até, em alguns casos, preocupar-se com a segurança do próprio agente, que por sua desatenção, descuido ou mesmo desligamento da realidade representa um perigo ambulante, não apenas para a sociedade, mas também a si próprio. Já a culpa consciente, que será melhor explorada no próximo tópico, é aquela que o agente prevê o resultado, mas mesmo assim prossegue na conduta porque acredita, sinceramente, poder evitar o resultado. Nesta espécie de culpa há, da parte do agente, um excesso de confiança. A última espécie de culpa, é a culpa imprópria, que ocorre quando o agente por um erro culposo supõem, imagina equivocadamente estar agindo acobertado por uma excludente de ilicitude, pode ser usado como o exemplo o agente que imagina estar em legítima defesa e vem a matar outra pessoa. Nesse exemplo dado o agente agiu com dolo de matar, embora levado a erro pela situação. Assim, resumindo, na culpa imprópria à conduta é dolosa, mas é punida como um crime culposo em razão do erro que a originou. 1.3 Distinção entre dolo eventual e culpa consciente: Neste tópico se dará atenção mais específica aos institutos do dolo eventual e da culpa consciente, demonstrando-se as grandes semelhanças que existem entre ambos, seus critérios de distinção e, por fim, a grande dificuldade de diferenciá-los, especialmente diante das situações práticas. Como dito anteriormente, o dolo eventual ocorre quando o agente tem o conhecimento do resultado que sua conduta pode ocasionar (previsão), e quando esse se mostra indiferente a este resultado. Assim para que o agente infrator seja enquadrado nesta modalidade de dolo é necessário uma avaliação de seu estado de ânimo, de sua subjetividade, pois exige-se, nestes casos, que o mesmo tenha assumido o risco de produzir os resultados lesivos. É necessário,

25 24 portanto, na maioria dos casos, tentar entender o interior do agente, ou seja, o que o sujeito pensava na hora que cometia determinado crime. No entender de José Henrique Pierangeli (2007, p. 57). Podemos admitir a existência do dolo eventual, quando o resultado típico esta abrangido pela vontade realizadora. Essa vontade deverá se apresentar através de uma conduta em que se demonstre de maneira irretocável um total desprezo pelo bem jurídico alheio e que se possa aclarar, através das expressões que me importa, azar dele, e outras equivalente. Por conseguinte, se é bem verdade que, em alguns pontos, o dolo eventual transparece com ampla nitidez, nos casos de lesão de direitos pessoais (lesão e morte), muito especialmente, as que são produzidas em meio ao trânsito, a sua adoção quase sempre leva à estupefação. No entender de Bitencourt (2011, p. 321): Haverá dolo eventual quando o agente não quiser diretamente a realização do tipo, mas aceitá-la como possível ou até provável, assumindo o risco da produção do resultado, (art.18, I in fine, do CP). No dolo eventual o agente prevê o resultado como provável ou, ao menos, como possível, mas apesar de prevê-lo age aceitando o risco de produzi-lo. Como afirma Hungria, assumir o risco é alguma coisa mais que ter consciência de correr o risco: é consentir previamente no resultado, caso este venha efetivamente a ocorrer. A culpa consciente tem elementos parecidos com o dolo eventual, pois também exige que o agente preveja o resultado. Nos dois casos o agente tem o conhecimento que sua conduta pode ocasionar determinado resultado. A diferença teórica entre tais institutos (dolo eventual e culpa consciente) é que na culpa consciente o agente acha que com suas habilidades evitará o resultado, ou seja, ele acredita que tem plenas condições de evitar o resultado, por um ou outro motivo. No entender de Bitencourt (2011, p. 341): Os limites fronteiriços entre dolo eventual e culpa inconsciente constitui um dos problemas mais tormentosos da Teoria do Delito. Há entre ambos um traço comum: a previsão do resultado proibido. Mas, enquanto no dolo eventual o agente anui ao advento desse resultado, assumindo o risco de produzi-lo, em vez renunciar a ação, na culpa consciente, ao contrario, repele a hipótese de superveniência do resultado, e, na esperança convicta de que este não ocorrerá.

26 25 observa que. Referindo-se a distinção entre dolo eventual e culpa consciente Queiroz (2001, p. 148) Diferentemente da culpa consciente (ou culpa com previsão), no dolo eventual, o agente, ainda que só eventualmente, quer o resultado, isto é, aceita a sua produção; na culpa consciente, porém, há mera previsão, sem que, com isso, se aceite o resultado. No dolo eventual, pois, o autor atua segundo a fórmula: seja como for, dê no que der, em qualquer caso não deixo de agir (Frank). Na culpa consciente, no entanto, há um erro de cálculo, enquanto no dolo eventual há uma dúvida. Existe, por conseguinte, entre dolo eventual e culpa consciente, como observa Hungria, um traço comum: a previsão do resultado antijurídico, mas, enquanto no dolo eventual o agente presta anuência ao advento desse resultado, preferindo arriscar-se a produzi-lo, em vez de renunciar à ação, na culpa consciente, ao contrário, o agente repele, embora inconsideravelmente, a hipótese de superveniência do resultado e empreende a ação na esperança ou persuasão de que este não ocorrerá, pois assumir o risco é alguma coisa mais que ter consciência de correr o risco: é consentir previamente no resultado, caso venha este, realmente ocorrer. Por fim pode-se concluir que a distinção entre dolo eventual e culpa consciente se dá ao analisar o querer do agente em provocar o resultado, ou seja, a aceitação desse perante o resultado, pois se na culpa consciente o agente não quer e não aceita o resultado, confiando em sua habilidade para evitá-lo, no dolo eventual, o agente é indiferente ao resultado, assumindo o risco de produzi-lo. Por se tratar de uma resposta de difícil acesso sempre quando houver alguma dúvida entre culpa consciente e dolo eventual, deverá ser tomada a decisão menos gravosa, no caso a escolha do enquadramento na culpa consciente, porém isso não vem acontecendo, mas tal discussão será abordada no decorrer do trabalho.

27 26 2 DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE NOS CRIMES DE TRÂNSITO 2.1 A sociedade de risco e a violência no trânsito Muitos autores afirmam que a sociedade contemporânea é uma sociedade de risco. Isso porque, em razão do desenvolvimento tecnológico, das telecomunicações e da globalização surgiram novos perigos, que são globais e que são mais visíveis para todos. Riscos ecológicos, químicos, nucleares, econômicos, são anunciados todos os dias e, diante deles, as pessoas sentem-se inseguras. Dentre todas as situações de risco, uma delas tem se mostrado bastante presente em nossa vida cotidiana: são os riscos advindos do trânsito. São milhares de acidentes ocorridos ano a ano, com número significativo de vítimas, o que gera uma grande insegurança. Rogério Maia Garcia (2006, p.79), citando Niklas Luhmann, observa que os riscos [...] dizem respeito a danos possíveis, mas ainda não concretizados e mais ou menos improváveis, que resultem de uma decisão, e, por assim dizer, podem ser produzidos por elas e não se produzirem caso sejam tomadas decisões diversas. Hauser (2012, p. 24) observa que o conceito de sociedade de risco foi apresentado pelo sociólogo Ulrich Beck, para quem [...] a sociedade contemporânea é uma sociedade de risco, e esta se caracteriza não só pela produção de novas ameaças (sociais, ambientais, tecnológicas, econômicas), mas também pela percepção partilhada das mesmas, percepção esta que conduz a um abalo na crença nas instituições. Segundo Beck a sociedade de risco se caracteriza pela globalidade das ameaças, pela difusão das mesmas e pela dificuldade de se tratar com o risco, pois estes não respeitam fronteiras políticas, sociais ou econômicas, atingem a todos [...] Tais riscos não podem ser previstos, podendo vir de qualquer lugar e, muitas vezes não se sabe quem são os causadores, e muito menos a intensidade dos danos que esses riscos vão trazer a nossa sociedade. Com o surgimento da sociedade de risco, que aumenta os medos e as inseguranças, também surge um novo Direito Penal, que é reflexo do medo e da insegurança e que [...] longe de manter seu caráter subsidiário, tem se convertido em um direito penal expansivo,

28 27 marcado pelo acolhimento de novos bens jurídicos e pelo rompimento com as garantias penais clássicas (HAUSER, 2012, p. 25). Este processo é agravado, pelos efeitos das telecomunicações, pois essa tem uma força muito grande, e muitas vezes acabam manipulando a sociedade, trazendo coisas que nem fazem parte do cotidiano das pessoas, assim criando uma falsa sensação da realidade e aumentando ainda mais a insegurança. Ao Estado cabe gerar condições adequadas para uma vida com segurança. Entretanto ele não vem fazendo esse papel, pois não consegue dar respostas adequadas aos novos riscos, pois muitas vezes vem buscando essa resposta exclusivamente por meio do sistema penal. Acredita-se que quanto maior a repressão penal menor vai ser a frequência dos perigos e dos riscos, especialmente aqueles que vêm do trânsito. Mas esta repressão não está dando o resultado esperado. Para demonstrar que os acidentes de trânsito representam um grande risco à sociedade, a seguir serão apresentados alguns dados sobre números de acidentes fatais nas rodovias brasileiras. O Brasil está colocado entre os 10 países com maiores índices de mortalidade no trânsito. O Ministério da Saúde, por meio do DATASUS, publicou dados relativos ao número de mortos no trânsito entre os anos de 1996 e Os dados demonstram que, apesar da criação do Código de Trânsito Brasileiro e do aumento do rigor repressivo relativo às condutas lesivas praticadas no trânsito, o número de acidentes com mortes vem crescendo ano a ano. Do mesmo modo, o número de hospitalizações em razão de acidentes de trânsito aumenta significativamente, o que gera custos significativos ao sistema de saúde pública. A seguir algumas tabelas que demonstram claramente esses dados. Gráfico 1

29 28 Percebe-se, pela análise dos dados que no ano de 1996, um ano antes da criação do Código de Trânsito, o número de mortes em acidentes de trânsito no Brasil era de 34 mil, sendo esse um número muito alto, que colocava o país em primeiro lugar entre os países que tinham mais acidentes de trânsito. Contudo depois da implementação desse código houve uma redução significativa chegando até no ano de 2000, ao número de 28 mil mortes. Porém com o passar dos anos esse número foi aumentando gradativamente, até que em 2008 tivemos o maior registro de mortes em acidentes de trânsito, com cerca de 38 mil vidas perdidas. Gráfico 2 Os dados da tabela indicam o número de pessoas feridas em acidentes de trânsito entre os anos de 1998 e Pode-se identificar, neste caso, que depois da implementação do Código de Trânsito, houve um aumento do número de vítimas feridas em acidentes, número que veio a diminuir somente no ano de 2003, mas logo voltou a aumentar de forma significativa.

30 29 Percebe-se, portanto, que a criação do Código de Trânsito, não vem a inibir os infratores, e sim esses números tendem a variar independentemente de sua criação ou não, sendo esse aumento e diminuição uma causa natural, ligada mais a consciência das pessoas do que com o medo de uma possível punição. Outra pesquisa feita pelo Ministério da Saúde no período de 2010, sobre as regiões que mais sofrem com acidentes de trânsito demonstra que, em primeiro lugar está a região sudeste com acidentes registrados, logo em seguida vem à região nordeste com acidentes, com um número um pouco menor vem à região sul com acidentes, e região norte e centro oeste com cerca de acidentes cada uma, totalizando cerca de acidentes registrados. (MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade). A realidade é que violência no trânsito determinou que, no ano de 1997, fosse criado no Brasil, através da lei 9.503, o Código de Trânsito Brasileiro, que tem como finalidade a diminuição de tais acidentes, matéria que será tratada logo a baixo, no próximo ponto da pesquisa. 2.2 O Código de Trânsito Brasileiro e a persecução penal dos comportamentos praticados na direção de veículo automotor. A criação do código de trânsito se deu com a Lei Nº de setembro de 1997, numa época em que o Brasil era tido como o país com o maior número de acidentes. A criação do código teve como finalidade a diminuição de tais acidentes, por meio da punição mais rigorosa aos infratores, por meio de multas, suspensão ou proibição de conduzir veículos, mas também por meio da criação de algumas figuras penais, que vão ser analisadas ao decorrer do estudo. Assim o artigo 291 do código de trânsito narra que: Aos crimes cometidos na direção de veículos automotores, previstos neste Código, aplicam-se as normas gerais do Código Penal e do Código de Processo Penal, se este capítulo não dispuser de modo diverso, bem como a lei de 26 de setembro de 199, no que couber.

31 30 São considerados crimes de trânsito os crimes de perigo, podendo esses ser abstrato ou concreto, bem como de dano, desde que o elemento subjetivo constitua em culpa. Sendo assim o código de trânsito não admite crimes derivados do dolo, portanto quando se usa o veiculo como instrumento para causar o dano, o autor responde de acordo com o Código Penal, com isso não cometem crime de trânsito. Com a promulgação do Código de Trânsito Brasileiro, criado pela lei de setembro de 1997, foram tipificadas algumas condutas como crimes cometidos na direção de veiculo automotor, sendo elas: o homicídio culposo de trânsito 1, a lesão corporal culposa de trânsito 2, a omissão de socorro no trânsito 3, à fuga do local do acidente 4, a embriaguez ao volante 5, a violação da suspensão de habilitação 6, a participação em competição automobilística não autorizada 7, a direção sem habilitação 8, a entrega de veículo à pessoa não habilitada 9, a direção com velocidade incompatível 10 e a inovação artificiosa Art Praticar homicídio culposo na direção de veículo automotor: Penas - detenção, de dois a quatro anos, e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor. 2 Art Praticar lesão corporal culposa na direção de veículo automotor: Penas - detenção, de seis meses a dois anos e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor. Parágrafo único. Aumenta-se a pena de um terço à metade, se ocorrer qualquer das hipóteses do parágrafo único do artigo anterior. 3 Art Deixar o condutor do veículo, na ocasião do acidente, de prestar imediato socorro à vítima, ou, não podendo fazê-lo diretamente, por justa causa, deixar de solicitar auxílio da autoridade pública: Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa, se o fato não constituir elemento de crime mais grave. Parágrafo único. Incide nas penas previstas neste artigo o condutor do veículo, ainda que a sua omissão seja suprida por terceiros ou que se trate de vítima com morte instantânea ou com ferimentos leves. 4 Art Afastar-se o condutor do veículo do local do acidente, para fugir à responsabilidade penal ou civil que lhe possa ser atribuída: Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa. 5 Art Conduzir veículo automotor, na via pública, sob a influência de álcool ou substância de efeitos análogos, expondo a dano potencial a incolumidade de outrem: Penas - detenção, de seis meses a três anos, multa e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor. 6 Art Violar a suspensão ou a proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor imposta com fundamento neste Código: Penas - detenção, de seis meses a um ano e multa, com nova imposição adicional de idêntico prazo de suspensão ou de proibição. Parágrafo único. Nas mesmas penas incorre o condenado que deixa de entregar, no prazo estabelecido no 1º do art. 293, a Permissão para Dirigir ou a Carteira de Habilitação. 7 Art Participar, na direção de veículo automotor, em via pública, de corrida, disputa ou competição automobilística não autorizada pela autoridade competente, desde que resulte dano

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Espécies de Conduta a) A conduta pode ser dolosa ou culposa. b) A conduta pode ser comissiva ou omissiva. O tema dolo e culpa estão ligados à

Leia mais

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico.

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. Na Teoria Causal Clássica conduta é o movimento humano voluntário produtor de uma modificação no mundo

Leia mais

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável 1. O FATO TÍPICO 1 CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável Elementos do FATO TÍPICO: FATO TÍPICO 1) CONDUTA DOLOSA OU CULPOSA Conceito: É fato material que se amolda perfeitamente aos elementos constantes

Leia mais

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO COMENTADO DIREITO PENAL Título II Do Crime 1. (CESPE / Defensor DPU / 2010) A responsabilidade penal do agente nos casos de excesso doloso ou culposo

Leia mais

Exercícios de fixação

Exercícios de fixação 1. (UFMT) As infrações penais se dividem em crimes e contravenções. Os crimes estão descritos: a) na parte especial do Código Penal e na Lei de Contravenção Penal. b) na parte geral do Código Penal. c)

Leia mais

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1.1 FUNÇÕES DO TIPO: a) Função garantidora : 1. TEORIA DA TIPICIDADE b) Função

Leia mais

DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3. Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA

DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3. Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências Jurídicas e Ciências Sociais DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3 Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA 2013 2 DÉBORA DE

Leia mais

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Fato típico é o primeiro substrato do crime (Giuseppe Bettiol italiano) conceito analítico (fato típico dentro da estrutura do crime). Qual o conceito material

Leia mais

COMUNICADO REFERENTE ÀS 08 QUESTÕES DE DIREITO PENAL DA PROVA DE ESCRIVÃO DA POLÍCIA CIVIL

COMUNICADO REFERENTE ÀS 08 QUESTÕES DE DIREITO PENAL DA PROVA DE ESCRIVÃO DA POLÍCIA CIVIL COMUNICADO REFERENTE ÀS 08 QUESTÕES DE DIREITO PENAL DA PROVA DE ESCRIVÃO DA POLÍCIA CIVIL A Universidade Estadual de Goiás, por meio do Núcleo de Seleção, vem perante aos candidatos que fizeram a prova

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Teorias da conduta no Direito Penal Rodrigo Santos Emanuele * Teoria naturalista ou causal da ação Primeiramente, passamos a analisar a teoria da conduta denominada naturalista ou

Leia mais

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira TEORIA DO DELITO Infração Penal (Gênero) Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção 1 CONCEITO DE CRIME Conceito analítico de crime: Fato

Leia mais

Embriaguez e Responsabilidade Penal

Embriaguez e Responsabilidade Penal Embriaguez e Responsabilidade Penal O estudo dos limites da responsabilidade penal é sempre muito importante, já que o jus puniendi do Estado afetará um dos principais direitos de qualquer pessoa, que

Leia mais

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco

TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL. Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS DA CONDUTA DIREITO PENAL Cléber Masson + Rogério Sanches + Rogério Greco TEORIAS CAUSALISTA, CAUSAL, CLÁSSICA OU NATURALISTA (VON LISZT E BELING) - CONDUTA É UMA AÇÃO HUMANA VOLUNTÁRIA QUE PRODUZ

Leia mais

CULPABILIDADE RESUMO

CULPABILIDADE RESUMO CULPABILIDADE Maira Jacqueline de Souza 1 RESUMO Para uma melhor compreensão de sanção penal é necessário a análise levando em consideração o modo sócio-econômico e a forma de Estado em que se presencie

Leia mais

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL 1 PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL Prof.Dr.Luís Augusto Sanzo Brodt ( O autor é advogado criminalista, professor adjunto do departamento de Ciências Jurídicas da Fundação Universidade Federal

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE À LUZ DOS CRIMES DE TRÂNSITO

DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE À LUZ DOS CRIMES DE TRÂNSITO UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE DIREITO MICHEL MERÊNCIO COSTA DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE À LUZ DOS CRIMES DE TRÂNSITO CRICIUMA, DEZEMBRO 2009 MICHEL MERÊNCIO COSTA DOLO EVENTUAL

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7:

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1. CONCURSO DE CRIMES 1.1 DISTINÇÃO: * CONCURSO

Leia mais

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES NEXO CAUSAL PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Conceito. Causa. É elemento do fato típico. É o vínculo entre conduta e resultado. O estudo da causalidade busca concluir se o resultado decorreu da conduta

Leia mais

Direito Penal Emerson Castelo Branco

Direito Penal Emerson Castelo Branco Direito Penal Emerson Castelo Branco 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL CONCEITO DE CRIME a) material: Todo fato humano que lesa ou expõe a perigo

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE CRIMES

TEMA: CONCURSO DE CRIMES TEMA: CONCURSO DE CRIMES 1. INTRODUÇÃO Ocorre quando um mesmo sujeito pratica dois ou mais crimes. Pode haver um ou mais comportamentos. É o chamado concursus delictorum. Pode ocorrer entre qualquer espécie

Leia mais

FALSIDADE DOCUMENTAL

FALSIDADE DOCUMENTAL FALSIDADE DOCUMENTAL E objetivo da proteção legal, em todos os casos, a fé pública que a lei atribui aos documentos como prova e autenticação de fatos jurídicos. Certos selos e sinais públicos, documentos

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO INTRODUÇÃO Normalmente, os tipos penais referem-se a apenas

Leia mais

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME TEORIA GERAL DO CRIME 1. Conceito de infração penal: a) Unitário (monista): infração penal é expressão sinônima de crime. Adotado pelo Código Penal do Império (1830). b) Bipartido (dualista ou dicotômico):

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR É possível um finalismo corrigido? Saymon Mamede Várias teorias sobre o fato típico e a conduta surgiram no Direito Penal, desde o final do século XIX até hodiernamente. A pretensão deste artigo é expor

Leia mais

A descrição do fato típico na acusação penal

A descrição do fato típico na acusação penal A descrição do fato típico na acusação penal Hugo Nigro Mazzilli Advogado, Consultor jurídico, Procurador de Justiça aposentado, Professor da Escola Superior do Ministério Público (SP) A denúncia ou a

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO EMPREENDEDOR E DA EQUIPE

RESPONSABILIDADE DO EMPREENDEDOR E DA EQUIPE RESPONSABILIDADE DO EMPREENDEDOR E DA EQUIPE Diz a Resolução 237/97 do Conama que o empreendedor e os profissionais que subscreverem os estudos necessários ao processo de licenciamento serão responsáveis

Leia mais

DOLO EVENTUAL OU CULPA CONSCIENTE NOS CRIMES DE TRÂNSITO

DOLO EVENTUAL OU CULPA CONSCIENTE NOS CRIMES DE TRÂNSITO DOLO EVENTUAL OU CULPA CONSCIENTE NOS CRIMES DE TRÂNSITO CAMARGO, Henrique Giorgiani 1 MARCHI, William Ricardo de Almeida 2 O presente artigo pretende analisar a aplicabilidade do dolo eventual ou da culpa

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª- DIREITO PENAL III LEGISLAÇÃO ESPECIAL 2ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 DIREITO PENAL TEORIA DO CRIME 2 Teoria do crime INFRAÇÃO PENAL; Critério bipartido; Art. 1 da LICP Crime é infração penal

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL O ordenamento jurídico pátrio, em matéria ambiental, adota a teoria da responsabilidade civil objetiva, prevista tanto no art. 14, parágrafo 1º da Lei 6.938/81

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL

IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL SIDIO ROSA DE MESQUITA JÚNIOR http://www.sidio.pro.br http://sidiojunior.blogspot.com sidiojunior@gmail.com IMPORTÂNCIA DAS CLASSIFICAÇÕES, EXCESSOS E ANÁLISE DO DOLO, DA CULPA E DO ERRO EM MATÉRIA JURÍDICO-CRIMINAL

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 4h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

CERTIDÃO OU ATESTADO IDEOLOGICAMENTE FALSO, FALSIFICAÇÃO MATERIAL DE ATESTADO OU CERTIDÃO E FALSIDADE DE ATESTADO MÉDICO

CERTIDÃO OU ATESTADO IDEOLOGICAMENTE FALSO, FALSIFICAÇÃO MATERIAL DE ATESTADO OU CERTIDÃO E FALSIDADE DE ATESTADO MÉDICO CERTIDÃO OU ATESTADO IDEOLOGICAMENTE FALSO, FALSIFICAÇÃO MATERIAL DE ATESTADO OU CERTIDÃO E FALSIDADE DE ATESTADO MÉDICO ROGÉRIO TADEU ROMANO Procurador Regional da República aposentado Discutem-se nesse

Leia mais

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 DISCIPLINA: DIREITO PENAL I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: * Compreender as normas e princípios gerais previstos na parte do Código

Leia mais

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1.1 TEORIAS DA CONDUTA 1. CONDUTA 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt Imperava no Brasil até a

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

DIREITO ELETRÔNICO. Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO

DIREITO ELETRÔNICO. Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO DIREITO ELETRÔNICO Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO Este trabalho tem como finalidade o estudo do direito eletrônico, devido a ser um assunto bastante recente, bem como a sua aplicação

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 1ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 TEORIA GERAL DO CRIME REVISÃO CRIME É : FATO TÍPICO CONDUTA - DOLO E CULPA NEXO CAUSAL/NEXO DE IMPUTAÇÃO RESULTADO TIPICIDADE

Leia mais

NORMA PENAL EM BRANCO

NORMA PENAL EM BRANCO NORMA PENAL EM BRANCO DIREITO PENAL 4º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO. MACAPÁ 2011 1 NORMAS PENAIS EM BRANCO 1. Conceito. Leis penais completas são as que

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 A OMISSÃO DE SOCORRO E A PERICLITAÇÃO DA VIDA Juliane Drebel 1 Taís Bianca Bressler 2 Rogério Cezar Soehn 3 SUMARIO: 1 RESUMO. 2 CONCEITO. 3 SUJEITOS DO DELITO. 4 ELEMENTOS OBJETIVOS DO CRIME. 5 ELEMENTOS

Leia mais

LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA

LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA Karina Nogueira Alves A legítima defesa é um direito natural, intrínseco ao ser humano e, portanto, anterior à sua codificação, como norma decorrente da própria constituição do

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

Dolo Eventual e Culpa Consciente nos Crimes de Trânsito

Dolo Eventual e Culpa Consciente nos Crimes de Trânsito Doutrina Dolo Eventual e Culpa Consciente nos Crimes de Trânsito SARA FERNANDES CARVALHO Advogada Criminalista. RESUMO: Este artigo tem como objetivo analisar os institutos do dolo eventual e da culpa

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL CRESS 12ª REGIÃO ASSESSORIA JURÍDICA. P A R E C E R (nº 004/2002)

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL CRESS 12ª REGIÃO ASSESSORIA JURÍDICA. P A R E C E R (nº 004/2002) ASSESSORIA JURÍDICA P A R E C E R (nº 004/2002) ASSISTENTE SOCIAL. SIGILO PROFISSIONAL. QUESTÃO ÉTICA-JURÍDICA. ESTIPULAÇÃO DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL. PROIBIÇÃO DE DIVULGAR. Solicita a Sra. Valéria

Leia mais

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA CLÁUDIO RIBEIRO LOPES Mestre em Direito (Tutela de Direitos Supraindividuais) pela UEM Professor Assistente da UFMS (DCS/CPTL)

Leia mais

CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO

CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO É POSSÍVEL ACONTECER UM ACIDENTE DE TRABALHO NESTAS CONDIÇÕES? Percepção de Riscos e Prevenção As pessoas são realmente descuidadas? As pessoas realmente percebem os riscos?

Leia mais

CURSO DE DIREITO DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE EM HOMICÍDIOS DECORRENTES DE ACIDENTES DE TRÂNSITO

CURSO DE DIREITO DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE EM HOMICÍDIOS DECORRENTES DE ACIDENTES DE TRÂNSITO CURSO DE DIREITO DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE EM HOMICÍDIOS DECORRENTES DE ACIDENTES DE TRÂNSITO ANA REGINA CAMPOS DE SICA R.A: 456077/5 TURMA: 3109-A FONE: (11) 3666-0447 E-MAIL: anasica@globo.com

Leia mais

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Medidas Assecuratórias PONTO 2: Medidas Assecuratórias em Espécie PONTO 3: Sequestro PONTO 4: Arresto 1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

Inexigibilidade de conduta diversa e exclusão da culpabilidade penal

Inexigibilidade de conduta diversa e exclusão da culpabilidade penal Inexigibilidade de conduta diversa e exclusão da culpabilidade penal Aurora Tomazini de Carvalho Doutora PUC/SP e Professora UEL Introdução Em razão da situação econômica, muitas empresas passam por severas

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido.

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido. ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA CONCEITO Dispõe o art. 288 do CP: Associarem-se três ou mais pessoas, para o fim específico de cometer crimes: Pena reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos. No delito em apreço, pune-se

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. A tipicidade penal moderna. Nathália Escansetti Tavares

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. A tipicidade penal moderna. Nathália Escansetti Tavares Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro A tipicidade penal moderna Nathália Escansetti Tavares Rio de Janeiro 2014 NATHÁLIA ESCANSETTI TAVARES A tipicidade penal moderna Artigo científico apresentado

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE GERAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA Marcelo Vituzzo Perciani 1º Tenente da Polícia

Leia mais

JORGE Luís de CAMARGO 1

JORGE Luís de CAMARGO 1 O ELEMENTO SUBJETIVO NAS EXCLUDENTES DE ILICITUDE E A NECESSIDADE DE SUA QUESITAÇÃO NOS PROCESSOS A SEREM JULGADOS PELO CONSELHO DE SENTENÇA NO TRIBUNAL DO JÚRI JORGE Luís de CAMARGO 1 Sumário: 1. Conceito

Leia mais

+(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA

+(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA 2129275$7$0(1723(1$/$23257('($50$'()2*2$ 7(1'Ç1&,$'(75$16)250$d 2'23257('($50$(0&5,0( +(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA Estagiário do Ministério Público Federal atuando na Procuradoria da República

Leia mais

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS No Processo Penal Português está plasmado o princípio da suficiência daquele, o qual, nos termos do disposto no artigo 7.º, n.º 1, CPP, prevê

Leia mais

VENAS CORRETORA DE SEGUROS LTDA Segunda Avenida Qda. 1-B Lt. 39 3º Andar Cidade Empresarial CEP 74934-605 Aparecida de Goiânia Goiás Fone: (62)

VENAS CORRETORA DE SEGUROS LTDA Segunda Avenida Qda. 1-B Lt. 39 3º Andar Cidade Empresarial CEP 74934-605 Aparecida de Goiânia Goiás Fone: (62) INTRODUÇÃO Educando com valores O trânsito é feito pelas pessoas. E, como nas outras atividades humanas, quatro princípios são importantes para o relacionamento e a convivência social no trânsito. 1. O

Leia mais

A SUPRESSÃO DA CULPA CONSCIENTE NO SISTEMA JURÍDICO-PENAL BRASILEIRO: O CASO DO HOMICÍDIO DE TRÂNSITO

A SUPRESSÃO DA CULPA CONSCIENTE NO SISTEMA JURÍDICO-PENAL BRASILEIRO: O CASO DO HOMICÍDIO DE TRÂNSITO A SUPRESSÃO DA CULPA CONSCIENTE NO SISTEMA JURÍDICO-PENAL BRASILEIRO: O CASO DO HOMICÍDIO DE TRÂNSITO Daniel Kessler de Oliveira SUMÁRIO: 1 O Homicídio de Trânsito e o Sistema Jurídico-Penal Brasileiro.

Leia mais

PRINCÍPIO DA TIPICIDADE CONGLOBANTE E A VIOLAÇÃO DE DIREITO AUTORAL: INAPLICABILIDADE

PRINCÍPIO DA TIPICIDADE CONGLOBANTE E A VIOLAÇÃO DE DIREITO AUTORAL: INAPLICABILIDADE PRINCÍPIO DA TIPICIDADE CONGLOBANTE E A VIOLAÇÃO DE DIREITO AUTORAL: INAPLICABILIDADE Luís Alberto Safraider Procurador de Justiça Os i. Desembargadores da Segunda Turma do E. Tribunal de Justiça do Mato

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

EMBRIAGUEZ EXCLUSÃO DE COBERTURA

EMBRIAGUEZ EXCLUSÃO DE COBERTURA EMBRIAGUEZ EXCLUSÃO DE COBERTURA Seminário Direitos & Deveres do Consumidor de Seguros Desembargador NEY WIEDEMANN NETO, da 6ª. Câmara Cível do TJRS Introdução O contrato de seguro, regulado pelos artigos

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DECORRENTE DE ACIDENTES DE TRABALHO Constituição Federal/88 Art.1º,III A dignidade da pessoa humana. art.5º,ii

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A figura do delinquente / transtornos da personalidade Vania Carmen de Vasconcelos Gonçalves* 1. INTRODUÇÃO Atualmente é comum nos depararmos diariamente com casos e relatos de violência,

Leia mais

O CONSENTIMENTO DO OFENDIDO

O CONSENTIMENTO DO OFENDIDO O CONSENTIMENTO DO OFENDIDO Rodrigo Fragoso O consentimento do ofendido constitui objeto de intenso debate entre os penalistas que, divergindo quanto à sua posição na estrutura do delito, atribuem efeitos

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 3.836, DE 2008 Obriga os fornecedores de produtos e de serviços a darem o troco das frações da unidade do Sistema Monetário Nacional

Leia mais

MEDIDAS ASSECURATÓRIAS

MEDIDAS ASSECURATÓRIAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS Graciel Marques Tarão Assessor do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás 1. Introdução Inicialmente é preciso contextualizar o tema na Legislação Processual Penal. Dessa forma, o

Leia mais

EMENTA PENAL. DIREÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR SEM HABILITAÇÃO. MANOBRAS IRREGULARES. POTENCIALIDADE DE DANO. RESULTADO NATURALÍSTICO INEXIGÍVEL.

EMENTA PENAL. DIREÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR SEM HABILITAÇÃO. MANOBRAS IRREGULARES. POTENCIALIDADE DE DANO. RESULTADO NATURALÍSTICO INEXIGÍVEL. Órgão : 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais Classe : APJ Apelação Criminal no Juizado Especial Nº Processo: 2007.09.1.007157-3 Apelante : MARTINHO DE JESUS FONSECA Apelante : MINISTÉRIO

Leia mais

Processo Administrativo Sancionador nº CVM RJ 2008-2530 RELATÓRIO

Processo Administrativo Sancionador nº CVM RJ 2008-2530 RELATÓRIO Indiciado: Carlos Alberto Cardoso Moreira : Resumo Processo Administrativo Sancionador nº CVM RJ 2008-2530 RELATÓRIO 1. Trata-se de Termo de Acusação apresentado pela Superintendência de Registro de Valores

Leia mais

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil Interpretação do art. 966 do novo Código Civil A TEORIA DA EMPRESA NO NOVO CÓDIGO CIVIL E A INTERPRETAÇÃO DO ART. 966: OS GRANDES ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA DEVERÃO TER REGISTRO NA JUNTA COMERCIAL? Bruno

Leia mais

Este estudo foi elaborado pelo DEJUR - Departamento Jurídico do CREA-PR

Este estudo foi elaborado pelo DEJUR - Departamento Jurídico do CREA-PR MÓDULO 01 AULA 03 RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL Temos a satisfação de apresentar o módulo de RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL em nosso Programa de Excelência em Projetos. Nele será possível entender as obrigações

Leia mais

PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR

PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR MARIA FERNANDA DE LIMA ESTEVES [1] Desde o início da história, a humanidade depara-se com o cometimento das mais diversas infrações, e, ao lado delas, surge

Leia mais

ERROS NOS PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM CONTEXTO, CONDIÇÕES DE TRABALHO E RESPONSABILIDADES

ERROS NOS PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM CONTEXTO, CONDIÇÕES DE TRABALHO E RESPONSABILIDADES ERROS NOS PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM CONTEXTO, CONDIÇÕES DE TRABALHO E RESPONSABILIDADES Palestrante: Cláudio Márcio de Oliveira Leal Procurador Geral COREN/PI FUNDAMENTOS LEGAIS DO REGISTRO DE ENFERMAGEM.

Leia mais

O PAPEL DO CONSELHEIRO DE ADMINISTRAÇÃO DEVERES E RESPONSABILIDADES. APIMEC SUL Valéria Kasabkojian Schramm POA, junho de 2009

O PAPEL DO CONSELHEIRO DE ADMINISTRAÇÃO DEVERES E RESPONSABILIDADES. APIMEC SUL Valéria Kasabkojian Schramm POA, junho de 2009 O PAPEL DO CONSELHEIRO DE ADMINISTRAÇÃO DEVERES E RESPONSABILIDADES APIMEC SUL Valéria Kasabkojian Schramm POA, junho de 2009 2 Conselho de Administração Órgão de deliberação colegiada. Tem como objetivo

Leia mais

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CTB- Parte Especial Art. 302. Praticar

Leia mais

&RQFHLWRGH'ROR. Descaracterizando o DOLO de uma conduta, tornando o ato de doloso para culposo, a extensão da pena diminui drasticamente.

&RQFHLWRGH'ROR. Descaracterizando o DOLO de uma conduta, tornando o ato de doloso para culposo, a extensão da pena diminui drasticamente. &RQFHLWRGH'ROR 3RU$QGUp5LFDUGRGH2OLYHLUD5LRV(VWXGDQWHGH'LUHLWR Tão importante no Direito Penal, o conceito de DOLO, deve estar sempre presente na cabeça do advogado Criminalista. Pois, quem conhece e sabe

Leia mais

BREVES COMENTÁRIOS À NOVA LEI SECA BRASILEIRA Genival Veloso de França (*)

BREVES COMENTÁRIOS À NOVA LEI SECA BRASILEIRA Genival Veloso de França (*) Derecho y Cambio Social BREVES COMENTÁRIOS À NOVA LEI SECA BRASILEIRA Genival Veloso de França (*) Fecha de publicación: 01/01/2013 Ninguém pode ir de encontro a qualquer medida que venha coibir ou punir

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13-

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA DE FORMAÇÃO FUNDAMENTAL,

Leia mais

LEGÍTIMA DEFESA CONTRA CONDUTAS INJUSTAS DE ADOLESCENTES: (IM)POSSIBILIDADE DIANTE DA DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL?

LEGÍTIMA DEFESA CONTRA CONDUTAS INJUSTAS DE ADOLESCENTES: (IM)POSSIBILIDADE DIANTE DA DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL? 1 LEGÍTIMA DEFESA CONTRA CONDUTAS INJUSTAS DE ADOLESCENTES: (IM)POSSIBILIDADE DIANTE DA DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL? Otávio Augusto Copatti dos Santos 1 Silvia de Freitas Mendes 2 Área de conhecimento:

Leia mais

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 Marcela Furtado Calixto 1 Resumo: O presente artigo visa discutir a teoria

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO ALOYSIO NUNES FERREIRA

VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO ALOYSIO NUNES FERREIRA (PROJETO DE LEI Nº 4.747, DE 1998) Acrescenta artigo ao Código Civil (Lei nº 3.071, de 1º de janeiro de 1916) e parágrafo ao art. 129 do Código Penal (Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940). VOTO

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade NEXO DE CAUSALIDADE O nexo causal ou relação de causalidade é o elo que une

Leia mais