MATERIAIS E PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MATERIAIS E PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO"

Transcrição

1 Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura MATERIAIS E PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO - GUIÃO 2008/ Prof. José M.Gaspar Nero Eng.ª Inês Flores-Colen

2 Nota Introdutória Este texto constitui um guião que procura sistematizar e orientar o estudo dos alunos nas diferentes temáticas leccionadas na disciplina de Materiais e Processos de Construção da Licenciaturas Bolonha em Ciências de Engenharia, nomeadamente licenciatura em Engenharia Geológica e de Minas e licenciatura em Engenharia do Território. Os alunos, orientados pelo guião, deverão basear o seu estudo nos textos de base específicos da disciplina: guião e bibliografia base. Objectivos gerais Pretende-se com esta disciplina dotar os futuros engenheiros de conhecimentos técnicos e capacidade de decisão relativamente aos materiais e produtos a incorporar na construção, com ênfase nos projectos de infra-estruturas e espaço público. Os alunos deverão também conhecer os processos construtivos de edifícios correntes, os seus campos de aplicação, as suas limitações e as respectivas vantagens e desvantagens. Programa geral Introdução aos materiais de construção. Estrutura interna e comportamento reológico dos materiais: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos. Características, recursos envolvidos, produção, sustentabilidade, reciclagem, durabilidade, exigências de manutenção e aplicações, dos principais produtos e materiais de construção a incorporar na construção com ênfase nos projectos de infra-estruturas: materiais betuminosos, pedras naturais, cerâmicos, ligantes, argamassas, betões, metais, polímeros, madeira e vidros. Demolições. Fundações: directas, indirectas e semi-directas. Contenções periféricas: paredes moldadas, paredes tipo Berlim e Munique, cortinas de estacas moldadas, estacas-prancha, pregagens e ancoragens. Entivações, escavações e rebaixamentos do nível freático. Drenagem e impermeabilização de caves. Execução de estruturas de betão armado, metálicas, mistas e de 2

3 madeira. Soluções não tradicionais de pavimentos e escadas. Paredes. Coberturas. Revestimentos de paredes, pisos e coberturas. 3

4 Programa das Aulas Teóricas e de Problemas /2009 1ª aula (17/09/2008) - GN (1h) Apresentação. Programa. Elementos de apoio. Funcionamento e avaliação da disciplina. 2ª aula (19/09/2008) - GN (1h) Introdução aos materiais de construção. A sua utilização ao longo do tempo. 3ª aula (19/09/2008) - GN (1.5h) A utilização dos materiais de construção ao longo do tempo (continuação). 4ª aula (24/09/2008) - GN (1 h) A utilização dos materiais de construção ao longo do tempo (continuação). 5ª aula (26/09/2008) - GN (1h) Os tipos de construção e os materiais de construção neles adaptados. 6ª aula (26/09/2008) - GN (1.5h) Os principais tipos de materiais: cerâmicos, metálicos, poliméricos e compósitos. 7ª aula (1/10/2008) - GN (1 h) O grupo de materiais cerâmicos: as pedras de origem ígnea. 8ª aula (3/10/2008) - GN (1h) O grupo de materiais cerâmicos: as pedras de origem sedimentar e metamórfica. 9 ª aula (3/10/2008) - GN (1.5h) Conclusão do grupo de materiais cerâmicos. Introdução aos ligantes. 10ª aula (8/10/2008) - GN (1h) Os ligantes hidráulicos. 11ª aula (10/10/2008) - GN (1h) Os ligantes aéreos. 12ª aula (10/10/2008) - GN (1.5h) Argamassas e betões. 13ª aula (15/10/2008) - GN (1h) Os betões. 14ª aula (17/10/2008) - GN (1h) 4

5 As madeiras - materiais e estruturas. 15ª aula (17/10/2008) - GN (1.5h) As madeiras - materiais e estruturas. 16ª aula (22/10/2008) - IFC (1h) Demolições. 17ª aula (24/10/2008) - IFC (1h) Demolições. 18ª aula (24/10/2008) - IFC (1.5h) Contenções periféricas. 19ª aula (29/10/2008) - IFC (1h) Contenções periféricas. 20ª aula (31/10/2008) - IFC (1h) Contenções periféricas. 21ª aula (31/10/2008) - IFC (1.5h) Fundações directas e indirectas. 22ª aula (5/11/2008) - IFC (1h) Fundações directas e indirectas. 23ª aula (7/11/2008) - IFC (1h) Fundações directas e indirectas. 24ª aula (7/11/2008) - IFC (1.5h) Fundações directas e indirectas. 25ª aula (12/11/2008) - GN (1h) Os polímeros. 26ª aula (14/11/2008) - GN (1h) Os polímeros (continuação). O vidro. 27ª aula (14/11/2008) - GN (1.5h) Os materiais metálicos. 28ª aula (19/11/2008) - GN (1h) Os materiais metálicos. 29ª aula (21/11/2008) - IFC (1h) Drenagem e impermeabilização de caves. 5

6 30ª aula (21/11/2008) - IFC (1.5h) Execução de estruturas betonadas in-situ. 31ª aula (26/11/2008) - IFC (1h) Execução de estruturas betonadas in-situ. 32ª aula (28/11/2008) - IFC (1h) Execução de estruturas pré-fabricadas. Soluções não-tradicionais. 33ª aula (28/11/2008) - IFC (1.5h) Execução de estruturas pré-fabricadas. Estruturas metálicas e mistas. 34ª aula (3/12/2008) - IFC (1h) Paredes e revestimentos. 35ª aula (5/12/2008) - IFC (1h) Paredes e revestimentos. 36ª aula (5/12/2008) - IFC (1.5h) Coberturas e revestimentos. 37ª aula (10/12/2008) - IFC (1h) Coberturas e revestimentos. 38ª aula (12/12/2008) - GN (1h) Física dos edifícios. 39ª aula (12/12/2008) - GN (1.5h) Patologia dos edifícios. 40ª aula (17/12/2008) - GN (1h) Conservação e manutenção. 41ª aula (19/12/2008) - IFC (1h) Revestimentos de pisos. 42ª aula (19/12/2008) - IFC (1.5h) Revestimentos de pisos. 6

7 Avaliação de Conhecimentos Exame escrito sem consulta, sobre a matéria das aulas e da bibliografia da disciplina; Bibliografia de base Guide Veritas: Techniques de la Construction - Tome 1 - Gros Oeuvre, BUREAU VERITAS, 1995, Editions du Moniteur, Paris. Guide Veritas: Techniques de la Construction - Tome 2 - Second Oeuvre, BUREAU VERITAS, 1995, Equipement. Editions du Moniteur, Paris. La Technique du Bâtiment - Tous Corps D`État. Editions du Moniteur, DUTHU, H., 1994, Paris. Componentes Metálicos na Construção. Comportamento à corrosão e sua prevenção., FONTINHA, I. R., SALTA, M. M., 2004, LNEC Construction Materials? Their nature and behaviour. E&FN SPON., ILLSTON, J. M., 1996, E&FN SPON Catálogo das Rochas Ornamentais Portuguesas., INSTITUTO GEOLOGICO E MINEIRO, 1983, Instituto Geológico e Mineiro Revestimentos de Paredes em Edifícios Antigos. LNEC, Cadernos Edifícios 2, LNEC, 2002, ISBN Tintas, Vernizes e Revestimentos por Pintura para a Construção Civil, MARQUES, EUSEBIO ; RODRIGUES, M. P, 2000T, LNEC, 3ª Edição ISBN Normas Tecnológicas de la Edificación - Acondicionamiento del terreno, Cimentaciones, MINISTERIO DE OBRAS PUBLICAS, TRANSPORTES Y MEDIO AMBIENTE, 1995, Centro de Publicaciones, Secretaria General Técnica, Madrid. Hormigón Armado - Tomo I. Editorial Gustavo Gili, MONTOYA, P. J., 1987, Barcelona Tratado de Construcción. Editorial Gustavo Gili, SCHMITT, H., 1978, Barcelona. Materiais Plásticos para a Construção Civil. LNEC, ROCHA, A, 1990, ICT. ISBN

8 Material in Construction, - An introduction, TAYLOR, G.D., 1990, Editions du Moniteur, Paris. La Construction des Bâtiments., TURAUD, J., 1991, Editions du Moniteur, Paris 8

MATERIAIS E PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO

MATERIAIS E PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura MATERIAIS E PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO - GUIÃO 2009/2010 - Prof. José M.Gaspar Nero Profª. Inês Flores-Colen Nota Introdutória Este

Leia mais

Reabilitação de Edifícios Antigos e Sustentabilidade

Reabilitação de Edifícios Antigos e Sustentabilidade João Appleton Abril de 2010 A sustentabilidade corresponde a um conceito recente que, pode dizerse, substituiu o de análise custo/benefício, no que refere à construção e reabilitação de edifícios. A noção

Leia mais

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESTBARREIRO/IPS

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESTBARREIRO/IPS MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESTBARREIRO/IPS Seminário de Apresentação, 18 de junho 2014 Tópicos Introdução Saídas profissionais Funcionamento Plano de Estudos Calendário Escolar Datas candidaturas Ingresso

Leia mais

Marcação CE na Indústria Extractiva e Transformadora

Marcação CE na Indústria Extractiva e Transformadora CTCV Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1 de Abril 2009 Marcação CE na Indústria Extractiva e Transformadora Francelina Pinto 1 Apresentação da associação ANIET Associação Nacional da Indústria

Leia mais

Notas Sobre o Reforço Estrutural de Edifícios Antigos

Notas Sobre o Reforço Estrutural de Edifícios Antigos Boletim Lisboa Urbanismo - Ano 1999 Boletim nº 3 Fernando Domingues* Notas Sobre o Reforço Estrutural de Edifícios Antigos A acção e, cumulativamente, a falta de acção do Homem tem conduzido e agravado

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS. Apresentação da disciplina Guião 2006/2007

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS. Apresentação da disciplina Guião 2006/2007 UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS Apresentação da disciplina Guião 2006/2007 Docente Responsável: - Maria de Fátima Farinha, Prof. Coordenadora Docentes que Leccionam:

Leia mais

Recuperação e Readaptação Funcional de um Palacete para o Arquivo Municipal de Fafe

Recuperação e Readaptação Funcional de um Palacete para o Arquivo Municipal de Fafe Recuperação e Readaptação Funcional de um Palacete para o Arquivo Municipal de Fafe ANEXO II PROGRAMA PRELIMINAR Programa_Preliminar_JC_DOM 1 Recuperação e Readaptação Funcional de um Palacete para o Arquivo

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES PTR 2388 TRANSPORTE E MEIO AMBIENTE SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO 14/ABR/2016 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES RECICLAGEM

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA PARTAMENTO OBRAS E GESTÃO FICHA TÉCNICA 1. INTIFICAÇÃO Concepção/ Construção da Nova Ponte da Longra. 2. LOCALIZAÇÃO Localizada na ex-en 110-2, na ligação entre Ceira e Vendas de Ceira, sobre o Rio Ceira.

Leia mais

Cargo: ENGENHEIRO/ÁREA: CIVIL

Cargo: ENGENHEIRO/ÁREA: CIVIL Cargo: ENGENHEIRO/ÁREA: CIVIL 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Desenvolver projetos de engenharia; executar obras; planejar, orçar e contratar empreendimentos; coordenar a operação e a manutenção dos mesmos.

Leia mais

MORADIA RELVA NORDELA SÃO MIGUEL

MORADIA RELVA NORDELA SÃO MIGUEL MORADIA RELVA NORDELA SÃO MIGUEL NOTA TÉCNICA DE PATOLOGIAS (Elaborado por António Barbosa de Campos, AATAE CP3309, Pós-graduação em Engenharia de Qualidade) 1. INTRODUÇÃO O objeto da presente Nota Técnica

Leia mais

Reabilitação de Estruturas de Alvenaria

Reabilitação de Estruturas de Alvenaria / Daniel V. Oliveira University of Minho Depart. of Civil Engineering Guimarães, Portugal pbl@civil.uminho.pt www.civil.uminho.pt/masonry 2 Reitoria, Largo do Paço, Braga, séc. XVIII IIP Braga Guimarães

Leia mais

2. as JORNADAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO

2. as JORNADAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO 2. as JORNADAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO ENGENHARIA CIVIL OS NOVOS DESAFIOS A SUSTENTABILIDADE COMO MAIS-VALIA uma abordagem do ponto de vista da Física das Construções 1.Tema

Leia mais

Soluções de Reforço de Fundações e Melhoramento de Solos em Edifícios Patrimoniais da Cidade de Aveiro

Soluções de Reforço de Fundações e Melhoramento de Solos em Edifícios Patrimoniais da Cidade de Aveiro Soluções de Reforço de Fundações e Melhoramento de Solos em Edifícios Patrimoniais da Cidade de Aveiro Edifício C. M. Aveiro Edifício da Antiga Capitania de Aveiro Teatro Aveirense Edifício na Av. Dr.

Leia mais

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS Hélder Maurício Antunes Cruz * a40472@alunos.uminho.pt José Barroso de Aguiar aguiar@civil.uminho.pt Resumo A presente comunicação reflecte um estudo na

Leia mais

Listagem de Erros e Omissões

Listagem de Erros e Omissões Listagem de Erros e Omissões - No ponto 13 do caderno de encargos - Critérios de adjudicação, factor preço, uma fórmula matemática, em que uma das parcelas, nomeadamente a PREm - o menor preço proposto,

Leia mais

Reabilitação e Reforço de Estruturas

Reabilitação e Reforço de Estruturas Mestrado em Engenharia Civil 2011 / 2012 Reabilitação e Reforço de Estruturas Aula 01: Introdução. Apresentação do docente. Programa da unidade curricular. Material de apoio. Avaliação. Eduardo S. Júlio

Leia mais

Prof. Dr. Marcelo Ferreira, 14/03/2012

Prof. Dr. Marcelo Ferreira, 14/03/2012 Aplicação do Concreto Pré-Moldado em Sistemas Construtivos Mistos / Híbridos Prof. Dr. Marcelo Ferreira, 14/03/2012 Concreto Pré-Moldado em Sistemas Mistos O benefício da Construção Mista Industrializada

Leia mais

Perspectivas de uma Empresa de Construção Civil.

Perspectivas de uma Empresa de Construção Civil. Actividade: Construção Civil Certificada desde 2008 - ISO 9001:2008 e OHSAS 18001:2007 Certificada desde 2011 ISO14001:2004 PLANO DE GESTÃO DA QUALIDADE/PRMM REVISÃO DOS PRMM LIÇÕES APRENDIDAS/DT Melhoria

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓREITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Fase Cód. Disciplina I II III IV V VI Matriz Curricular do curso de Engenharia Civil PréReq.

Leia mais

CURSO DE ECO-EFICIÊNCIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

CURSO DE ECO-EFICIÊNCIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CURSO DE ECO-EFICIÊNCIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 13 de Dezembro 2011 Sabóia Estoril Hotel Adquira os conhecimentos fundamentais para uma construção mais sustentável Este curso permite a obtenção de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA CENTRAL DE REGULAÇÃO DO SAMU NA ÁREA DE TELEATENDIMENTO DA 9ª RISP

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA CENTRAL DE REGULAÇÃO DO SAMU NA ÁREA DE TELEATENDIMENTO DA 9ª RISP MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA CENTRAL DE REGULAÇÃO DO SAMU NA ÁREA DE TELEATENDIMENTO DA 9ª RISP CONSIDERAÇÕES GERAIS O presente memorial tem por objetivo especificar os serviços

Leia mais

Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida. Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS

Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida. Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS Workshop Ciclo de Vida dos Edifícios 31 de janeiro de 2012 ENQUADRAMENTO A nível mundial, há uma

Leia mais

Projecto para um conjunto de habitações unifamiliares São Luís, Maranhão, Brasil. Projecto

Projecto para um conjunto de habitações unifamiliares São Luís, Maranhão, Brasil. Projecto O sistema construtivo é simples, tendo sido dada preferência a materiais correntes, ou seja, de utilização mais frequente no local, com soluções técnicas enquadradas na mão-de-obra local e adequadas ao

Leia mais

A equipa desenvolveu dois sistemas de pré-fabricação pensando num desenho atrativo e amável, do qual a parede curva é o testemunho desse compromisso.

A equipa desenvolveu dois sistemas de pré-fabricação pensando num desenho atrativo e amável, do qual a parede curva é o testemunho desse compromisso. Construção Modular Conceito A equipa técnica da dreamdomus aprofundou o conceito de pré-fabricação, levando ao limite a noção de economia habitualmente associada a este tipo de construção, conseguindo

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade ARQUITECTURA E ARTES Licenciatura ARQUITECTURA Unidade Curricular INSTALAÇÕES TÉCNICAS Semestre: 7 Nº ECTS: 3,5 Regente Professor Doutor Artur Jorge de Oliveira

Leia mais

C2faup. Construção em Light Steel Frame. Ana Luísa Mesquita Marco Moreira Orlando Guimarães

C2faup. Construção em Light Steel Frame. Ana Luísa Mesquita Marco Moreira Orlando Guimarães C2faup Construção em Light Steel Frame Ana Luísa Mesquita Marco Moreira Orlando Guimarães Introdução Neste trabalho pretendemos estudar o sistema construtivo de estrutura em aço leve, ou Light Steel Frame.

Leia mais

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL FSP - Faculdade Sudoeste Paulista Departamento Engenharia Civil ENGª. M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré Cap. 9: PROGRAMAÇÃO DE TEMPO E DE RECURSOS 9.1 PROGRAMAÇÃO DE PRAZOS

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D )

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D ) SESSÃO TÉCNICA GESTÃO DE RESIDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) Fundamentoda Sessão; - Esta iniciativa partiu no âmbito do processo de RVCC Profissional onde o tema foi abordado por uma empresa parceira

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo.

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo. N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO Estudo Comparativo Mafalda Ramalho EDIÇÃO: Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca 2780-920 Porto

Leia mais

LE 18-1/2015. 1 julho. AV DO BRASIL 101 1700-066 LISBOA tel.: 21 844 35 65 fax: 21 844 30 11 e-e: livraria@lnec.pt www.lnec.

LE 18-1/2015. 1 julho. AV DO BRASIL 101 1700-066 LISBOA tel.: 21 844 35 65 fax: 21 844 30 11 e-e: livraria@lnec.pt www.lnec. LE 18-1/2015 1 julho AV DO BRASIL 101 1700-066 LISBOA tel.: 21 844 35 65 fax: 21 844 30 11 e-e: livraria@lnec.pt www.lnec.pt/livraria Mais informações sobre as Especificações www.lnec.pt lista de especificações

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: TAU076 CLASSIFICAÇÃO: PRÉ-REQUISITO: não tem CARGA HORÁRIA: TÉORICA : 60 horas

Leia mais

Universidade de Évora

Universidade de Évora Universidade de Évora Edital Abertura do Mestrado Engenharia Geológica No ano letivo 2012/2013 1. O Curso é promovido por: Universidade de Évora Escola de Ciências e Tecnologia Departamento de Geociências

Leia mais

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 28 de janeiro de 2013 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 28 de janeiro de 2013 Série Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Despacho n.º 17/2013 Designa em regime de comissão de serviço por um ano, da

Leia mais

Aspetos da Sustentabilidade

Aspetos da Sustentabilidade Aspetos da Sustentabilidade Francisco Ferreira (Quercus FCT/UNL) 16 de outubro de 2014 Ordem dos Engenheiros Antigamente Bulla Regia Tunísia (vila subterrânea) Atualmente Aspetos de sustentabilidade Perspetiva

Leia mais

Mestrado Engenharia Civil Ano lectivo 2007/2008. Lista de temas de dissertação

Mestrado Engenharia Civil Ano lectivo 2007/2008. Lista de temas de dissertação Mestrado Engenharia Civil Ano lectivo 2007/2008 Lista de temas de dissertação Mestranda: Vera Lúcia Sousa e Silva Titulo: Estudo energético de diferentes soluções de isolamento, para a reabilitação de

Leia mais

BETUMINOSOS NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO 3.1 MEMÓRIA DESCRITIVA

BETUMINOSOS NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO 3.1 MEMÓRIA DESCRITIVA BETUMINOSOS NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO 3.1 MEMÓRIA DESCRITIVA 3.1.1 INTRODUÇÃO A Câmara Municipal de Viana do Alentejo pretende, com este projecto, proceder à construção/reparação/reforço do pavimento

Leia mais

FUNDAÇÕES E GEOTECNIA MOTA-ENGIL, ANGOLA

FUNDAÇÕES E GEOTECNIA MOTA-ENGIL, ANGOLA FUNDAÇÕES E GEOTECNIA MOTA-ENGIL, ANGOLA 1. INTRODUÇÃO Criação do Departamento em Angola (2006) constituiu um objetivo estratégico da empresa Mercado em expansão Oportunidade de negócio Necessidade interna

Leia mais

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Aplicação de softwares na confecção de textos, planilhas, e projetos. 2. Interpretação e desenvolvimento de desenhos técnicos e de projetos arquitetônicos

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 STEEL FRAMING: COMPARATIVO DE CUSTOS E AS NOVAS PERSPECTIVAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE UBERABA Jéssica Cristina Barboza 1 ; Amanda Bernardes Ribeiro 2 ; Cássia Fernanda Borges da Silva 3 ; Pedro

Leia mais

Retrofit de fachadas: tecnologias européias

Retrofit de fachadas: tecnologias européias ARTIGO REVISTA TÉCHNE Retrofit de fachadas: tecnologias européias A primeira discussão sobre retrofit diz respeito à sua definição, surgindo dessa forma alguns questionamentos: os diferentes tipos de intervenção

Leia mais

VALORIZAÇÃO DE RCD. Contribuição da Indústria Cimenteira

VALORIZAÇÃO DE RCD. Contribuição da Indústria Cimenteira VALORIZAÇÃO DE RCD Contribuição da Indústria Cimenteira 1. APRESENTAÇÃO DA ATIC ATIC - Associação Técnica da Indústria de Cimento Assegura os aspectos institucionais e de representação da indústria cimenteira

Leia mais

C U R S O D E AR Q U ITETURA E U R B A N ISMO Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU de 30/08/10 PLANO DE CURSO

C U R S O D E AR Q U ITETURA E U R B A N ISMO Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU de 30/08/10 PLANO DE CURSO C U R S O D E AR Q U ITETURA E U R B A N ISMO Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU de 30/08/10 Componente Curricular: TÉCNICA DAS EDIFICAÇÕES I Código: ARQ-045 Pré-requisito: ----- Período

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO VANTAGENS E DESVANTAGENS DO CONCRETO ARMADO: Apenas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES.

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. ETEC DOUTORA RUTH CARDOSO, SÃO VICENTE. PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO N 194/05/2015 DE 23/09/2015 PROCESSO Nº 3705/2015 AVISO DE DEFERIMENTO

Leia mais

Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva

Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva (Despacho 7187/MCOTA/2003) 2006/2009 Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve Direcção de Serviços de Apoio Jurídico e Administração

Leia mais

EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA

EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA Vitor C. França a, André A. Machado 2 b, Ângela S. Rodrigues 3 c e Hugo M. Sousa 4 d a Director de Projecto, TRIEDE S.A. b,c,d Chefe de

Leia mais

3º SePeAU - 2010 ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA

3º SePeAU - 2010 ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO DO PROJETO-PADRÃO R1-A DA NORMA BRASILEIRA NBR 12721 PARA A CIDADE DE CURITIBA Helena Fernanda Graf; Sergio Fernando Tavares; Aloísio Leoni Schmid Laboratório de Ambiente Construído

Leia mais

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO provisória definitiva 1. Prédio urbano / fracção autónoma Morada Código Postal - Inscrito na matriz predial da freguesia de art.º n.º Registado na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO PAINEL: MATERIAIS ALTERNATIVOS AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO ROSÂNGELA MOTTA Laboratório de Tecnologia de Pavimentação Departamento de Engenharia de Transportes

Leia mais

REABILITAÇÃO DE EDIFICIO. UM CASO DE ESTUDO

REABILITAÇÃO DE EDIFICIO. UM CASO DE ESTUDO REABILITAÇÃO DE EDIFICIO. UM CASO DE ESTUDO Manuela Timóteo 1 manuela.fernandes@estbarreiro.ips.pt Pmt.engenharia.geral@gmail.com Ana Brás 2 ana.bras@estbarreiro.ips.pt Resumo O estudo que se apresenta

Leia mais

Acórdão nº205 /05-6.Dez-1ªS/SS

Acórdão nº205 /05-6.Dez-1ªS/SS Acórdão nº205 /05-6.Dez-1ªS/SS Proc. nº 2 496/05 1. A Câmara Municipal de Lisboa remeteu para fiscalização prévia deste Tribunal o Adicional ao contrato da empreitada de Recuperação e Reabilitação da Fonte

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE 3.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE 3.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR CURSO: GRADUAÇÃO: REGIME: DURAÇÃO: INTEGRALIZAÇÃO: ARQUITETURA E URBANISMO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 05 (CINCO) ANOS LETIVOS MÍNIMO: 05 (CINCO) ANOS LETIVOS A) TEMPO TOTAL:

Leia mais

O PATRIMÓNIO CULTURAL CONSTRUÍDO FACE AO RISCO SÍSMICO INTERVIR

O PATRIMÓNIO CULTURAL CONSTRUÍDO FACE AO RISCO SÍSMICO INTERVIR 1 INTERVIR NAS 1. 2. TÉCNICAS REFORÇO 3. DISPOSITIVOS LIGAÇÃO Ã NIKER 4. MECANISMO COLAPSO. COLAPSO MÉTODO - ESTUDO CASO ESTUDO CASO O PATRIMÓNIO CULTURAL CONSTRUÍDO FACE AO RISCO SÍSMICO INTERVIR 1. INTERVIR

Leia mais

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS 14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS Aplicam-se a todos os materiais as disposições constantes do capítulo 14.00 deste caderno de encargos, nomeadamente 14.00.1, 14.00.2, 14.00.3 e 14.00.4 e

Leia mais

Reciclagem de Pavimentos Rodoviários Flexíveis Diferentes Tipos de Reciclagem

Reciclagem de Pavimentos Rodoviários Flexíveis Diferentes Tipos de Reciclagem INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Departamento de Engenharia Civil ISEL Reciclagem de Pavimentos Rodoviários Flexíveis Célia Melo Cunha (Bacharel) Dissertação para obtenção do grau de Mestre em

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.902 DE 21 DE SETEMBRO DE 2009

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.902 DE 21 DE SETEMBRO DE 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.902 DE 21 DE SETEMBRO DE 2009 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Civil.

Leia mais

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos Humberto Marques e Humberto Gonçalves Tomar, 3 de Março 2012 INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO A indústria da construção

Leia mais

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5.1. Introdução O conforto higrotérmico tem motivado o desenvolvimento de tecnologias passivas com

Leia mais

RESIDENCIAL TERRA NATIVA Estudo do Parcelamento do Solo

RESIDENCIAL TERRA NATIVA Estudo do Parcelamento do Solo Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura e Urbanismo Teoria do Urbanismo II Professora Nirce Saffer Medvedovski RESIDENCIAL TERRA NATIVA Estudo do

Leia mais

Edificação de uma moradia unifamiliar de traça típica portuguesa num terreno em Sesimbra.

Edificação de uma moradia unifamiliar de traça típica portuguesa num terreno em Sesimbra. MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA 1 Obra Edificação de uma moradia unifamiliar de traça típica portuguesa num terreno em Sesimbra. Esta moradia foi construída de raiz num terreno

Leia mais

Desenvolvimentos com vista à regulamentação no domínio dos agregados. Maria de Lurdes Antunes, LNEC

Desenvolvimentos com vista à regulamentação no domínio dos agregados. Maria de Lurdes Antunes, LNEC Desenvolvimentos com vista à regulamentação no domínio dos., LNEC Agregados: Normas harmonizadas (1/2) EN 12620 Agregados para betão EN 13043 Agregados para misturas betuminosas e tratamentos superficiais

Leia mais

Estabelece medidas de incentivo à reciclagem de pneus usados

Estabelece medidas de incentivo à reciclagem de pneus usados Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº /X Estabelece medidas de incentivo à reciclagem de pneus usados Exposição de motivos: O Decreto-Lei n.º 111/2001, de 6 de Abril, posteriormente alterado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 Í N D I C E INTRODUÇÃO Págs. 1. Conceito 2. Objectivos. Destinatários 4. Serviços prestados 5. Capacidade 6. Recursos Humanos 7. Organização

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Definição de solo Ciências aplicadas Contexto

Leia mais

LIGHT STEEL FRAMING. Em Portugal o sistema é vulgarmente conhecido por Estrutura em Aço Leve.

LIGHT STEEL FRAMING. Em Portugal o sistema é vulgarmente conhecido por Estrutura em Aço Leve. Light Steel Framing PORTEFÓLIO 2 QUEM SOMOS A INSIDEPLAN foi criada com o intuito de responder às exigências do mercado no âmbito da prestação de serviços a nível de projecto e obra. Na execução de projectos

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS. Prof. C. Dinis da Gama I. S. T.

ORDEM DOS ENGENHEIROS. Prof. C. Dinis da Gama I. S. T. ORDEM DOS ENGENHEIROS Prof. C. Dinis da Gama I. S. T. 10 de Julho de 2006 - Lisboa Agregados Naturais : partículas de rochas industriais, extraídas de jazidas naturais, tais como pedreiras, saibreiras

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA Refere-se a presente Memória Descritiva e Justificativa ao Projecto de Arquitectura relativo á obra de Construção do Quartel/Sede da Associação Humanitária dos Bombeiros

Leia mais

Materiais de Construção Civil

Materiais de Construção Civil Materiais de Construção Civil DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof. Esp. Benedito Ribeiro E-mail: benedito_tecnologiaeng.civil@hotmail.com Importância e História dos Materiais de Construção É de grande

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL 1 MATRIZ CURRICULAR 2016.1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 DESENHO TÉCNICO... 4 02 FÍSICA GERAL... 4 03 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL... 4 04 INTRODUÇÃO AO CÁLCULO...

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Aplicação da ecologia na engenharia civil ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Aplicação da ecologia na engenharia civil ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Aplicação da ecologia na engenharia

Leia mais

UARCA-E.U.A.C. Escola Universitária de Artes de Coimbra

UARCA-E.U.A.C. Escola Universitária de Artes de Coimbra DENOMINAÇÃO Disciplina: Sistemas Construtivos I Unidade curricular: 2º Ano - Semestre 3- Teórico-prática Ano Lectivo: 2008/2009 Regente: Professor Arquitecto Nuno Oliveira M. Carga horária: 2h semanais

Leia mais

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS Um olhar sobre Lisboa

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS Um olhar sobre Lisboa SISTEMAS URBANOS DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS Um olhar sobre Lisboa Maria do Céu Almeida e Rafaela Matos LNEC, Departamento de Hidráulica e Ambiente AML, 27 de Fevereiro 2015 1. Introdução Desafios na

Leia mais

ETICS e argamassas térmicas: novos desafios de desempenho e sustentabilidade. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Sofia Malanho smalanho@lnec.

ETICS e argamassas térmicas: novos desafios de desempenho e sustentabilidade. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Sofia Malanho smalanho@lnec. e argamassas térmicas: novos desafios de desempenho e sustentabilidade Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Sofia Malanho smalanho@lnec.pt Isolamento térmico pelo exterior Vantagens O isolamento térmico

Leia mais

ÍNDICE 1 ENQUADRAMENTO...2 2 DURABILIDADE...6 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS...11 4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...12

ÍNDICE 1 ENQUADRAMENTO...2 2 DURABILIDADE...6 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS...11 4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...12 ÍNDICE 1 ENQUADRAMENTO...2 1.1 SURGIMENTO DO PROJECTO SUSTENTÁVEL...2 1.2 IMPACTOS AMBIENTAIS DOS EDIFÍCIOS...3 1.3 ÁREAS DA SUSTENTABILIDADE...4 1.4 ESCOLHA DA ESTRATÉGIA...5 2 DURABILIDADE...6 2.1 MADEIRA...6

Leia mais

Docente: Eng. Ana Lúcia de Oliveira Daré, Prof. M.Sc. Conteúdo programático Objetivos Bibliografia Critério de aproveitamento na disciplina

Docente: Eng. Ana Lúcia de Oliveira Daré, Prof. M.Sc. Conteúdo programático Objetivos Bibliografia Critério de aproveitamento na disciplina FSP Faculdade Sudoeste Paulista Departamento de Engenharia Civil Docente: Eng. Ana Lúcia de Oliveira Daré, Prof. M.Sc. Conteúdo programático Objetivos Bibliografia Critério de aproveitamento na disciplina

Leia mais

CONSTRUÇÃO. Boas práticas para uma construção ambientalmente correta devem ser consideradas ao longo do seu Ciclo de Vida:

CONSTRUÇÃO. Boas práticas para uma construção ambientalmente correta devem ser consideradas ao longo do seu Ciclo de Vida: Boas práticas para uma construção ambientalmente correta devem ser consideradas ao longo do seu Ciclo de Vida: 1. Fase de Projeto, além de todas as considerações com o contexto do lugar (clima, topologia,

Leia mais

IX JORNADAS TÉCNICAS DA ANIET 9 DE OUTUBRO 2008. Joana Cabral de Sampaio mjs@isep.ipp.pt

IX JORNADAS TÉCNICAS DA ANIET 9 DE OUTUBRO 2008. Joana Cabral de Sampaio mjs@isep.ipp.pt IX JORNADAS TÉCNICAS DA ANIET 9 DE OUTUBRO 2008 Joana Cabral de Sampaio mjs@isep.ipp.pt 1852 É CRIADO O SISTEMA PÚBLICO DE ENSINO INDUSTRIAL, ASSENTE NA EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO, SENDO A ESCOLA

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

A Arqueologia da Arquitectura

A Arqueologia da Arquitectura Maria de Magalhães Ramalho Mestrado em Reabilitação da Arquitectura e Núcleos Urbanos FAUTL - 2006/2007 A Arqueologia da Arquitectura Maria de Magalhães Ramalho Departamento de Estudos-IPPAR 1 A maior

Leia mais

Indústria da Construção Civil

Indústria da Construção Civil Indústria da Construção Civil Grupo de Materiais de Construção 1 Construção Civil É uma indústria? Indústria: toda atividade humana que, através do trabalho, transforma matéria-prima em outros produtos,

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESPECIALISTA NÍVEL SUPERIOR

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESPECIALISTA NÍVEL SUPERIOR ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESPECIALISTA NÍVEL SUPERIOR CARGO: ADVOGADO I - DIREITO CONSTITUCIONAL. Dos direitos e garantias fundamentais. Dos Municípios. Da Administração Pública. Dos Servidores Públicos.

Leia mais

4.ª SÉRIE 99-9033-02 ESTRUTURAS DE CONCRETO II 80 0 080 99-9034-03

4.ª SÉRIE 99-9033-02 ESTRUTURAS DE CONCRETO II 80 0 080 99-9034-03 MATRIZ CURRICULAR Curso: ENGENHARIA CIVIL Graduação: BACHARELADO Regime: SERIADO ANUAL - MATUTINO Duração: 5 (CINCO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 05 (CINCO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

A MARCAÇÃO CE PARA PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO CONCRETA 2009. Exponor, 23 de Outubro de 2009

A MARCAÇÃO CE PARA PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO CONCRETA 2009. Exponor, 23 de Outubro de 2009 A MARCAÇÃO CE PARA PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO CONCRETA 2009 Exponor, 23 de Outubro de 2009 ÍNDICE 1. Objectivos da Directiva dos Produtos de Construção (DPC) 2. Elementos fundamentais da DPC 3. Sistemas de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO.

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO. AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO. CARLOS GUERRA AUTO-ESTRADAS DO ATLANTICO, S.A.. FERNANDO PALMA RUIVO DIRECTOR TÉCNICO, CERTIPROJECTO, Lda. DIVISÃO DE ACÚSTICA APLICADA

Leia mais

REAÇÃO AO FOGO DE REVESTIMENTOS EXTERIORES DE FACHADAS. Eng. Pina dos Santos, LNEC

REAÇÃO AO FOGO DE REVESTIMENTOS EXTERIORES DE FACHADAS. Eng. Pina dos Santos, LNEC REAÇÃO AO FOGO DE REVESTIMENTOS EXTERIORES REVESTIMENTOS EXTERIORES Porque devemos estar preocupados com o desempenho de reação ao fogo? LNEC 2 Os revestimentos tradicionais das fachadas eram constituídos,

Leia mais

Estruturas Pré-fabricadas em Betão

Estruturas Pré-fabricadas em Betão Filipe Saraiva Fevereiro 2012 Introdução A pré-fabricação de edifícios surge na Europa, após a II Guerra Mundial, como forma de resposta rápida à falta de habitação nos países mais destruídos. O desenvolvimento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU - 192

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU - 192 MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU - 192 CONSIDERAÇÕES GERAIS O presente memorial tem por objetivo especificar serviços e materiais

Leia mais

CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA

CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA 1.º ANO Desenho 1.º Semestre A cadeira de Desenho visa dotar os alunos de uma sólida base de conhecimentos e promover acções específicas

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO

FICHA TÉCNICA DO CURSO FICHA TÉCNICA DO CURSO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS EDIÇÃO Nº01/2015 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER - Saber dotar um edifício de boas condições de conforto acústico,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE COMPANHIA

APRESENTAÇÃO DE COMPANHIA APRESENTAÇÃO DE COMPANHIA Uma solução construtiva profissional www.stomix.com VILNIUS MOSCOVO OREL NIZHNIY NOVGOROD EKATERINBURG PRAGA BRATISLAVA ZULOVA SKOROSICE JAWORZNO KOSICE B. BYSTRICA BISTRITA SZEKESFEHERVAR

Leia mais

INTERVENÇÕES RECENTES NO PATRIMÓNIO LOCAL

INTERVENÇÕES RECENTES NO PATRIMÓNIO LOCAL INTERVENÇÕES RECENTES NO PATRIMÓNIO LOCAL ÍNDICE: INDRODUÇÃO ALGUNS CONCEITOS ALGUNS EXEMPLOS DE INTERVENÇÃO 2.1 Braga, Edifício, Rua do Anjo 2.2 Braga, Mosteiro de Tibães Reabilitação de coberturas 2.3

Leia mais

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL PONTUAÇÃO-LIMITE DOS QUESITOS DA PROVA DE TÍTULOS DO CONCURSO PARA PROVIMENTO DE VAGA DE PROFESSOR ASSISTENTE EM REGIME DE 20 HORAS SEMANAIS PARA O DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15

RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15 RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15 Relatório Gerencial Trimestral elaborado por: Leandro Toré de Castro Diretor de Contrato 61 3878 4718 ltcastro@odebrecht.com Thiago Galvão Diretor de Contrato

Leia mais

ISO 9001 : 2008 CURSO NOVO CURSO COMPLETO. De: 27/08/2012 a 31/08/2012. Local: Hotel a definir - Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas

ISO 9001 : 2008 CURSO NOVO CURSO COMPLETO. De: 27/08/2012 a 31/08/2012. Local: Hotel a definir - Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas ISO 9001 : 2008 Impermeabilização e Proteção das Edificações e Estruturas em Geral De: 27/08/2012 a 31/08/2012 CURSO NOVO CURSO COMPLETO Local: Hotel a definir - Rio de Janeiro Carga Horária: 40 horas

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: INFRAESTRUTURA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Edificações FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais