APLICAÇÃO DO MODELO HIPERCUBO PARA ANÁLISE DE UM SISTEMA MÉDICO- EMERGENCIAL EM RODOVIA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DO MODELO HIPERCUBO PARA ANÁLISE DE UM SISTEMA MÉDICO- EMERGENCIAL EM RODOVIA."

Transcrição

1 APLICAÇÃO DO MODELO HIPERCUBO PARA ANÁLISE DE UM SISTEMA MÉDICO- EMERGENCIAL EM RODOVIA. FERNANDO CESAR MENDONÇA REINALDO MORABITO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Universidade Federal de São Carlos Rodovia Washington Luiz São Carlos - SP ABSTRACT: In a medical emergency system, the quality of the service is fundamental since this might be the difference between the life and death of the user. Besides the attendance quality, one of the most important components of the service level is the average waiting time of an emergency call. However, acquiring equipments and trainning for the team to reduce this waiting time would imply in additional investments. In this case, a tradeoff between the service level and the investments appears. To support the decisions involved, there is a mathematical model named hypercube, which is based on spatially distributed queueing theory. In order to illustrate na Application of the present methodology, a case study was performed in "Anjos do Asfalto", a medical emergency system active on the highway Presidente Dutra between the cities of Rio de Janeiro and São Paulo in Brazil. The results show that the hypercube model can be an effective tool to support the decisions of emergency systems on highways. KEYWORDS: medical emergency system, queueing theory, hypercube model RESUMO: Em um sistema médico-emergencial é fundamental o nível de serviço, pois a qualidade de atendimento poderá ser a diferença entre a vida ou a morte do usuário. Além da qualidade de atendimento, um dos componentes mais importantes no nível de serviço é o tempo médio de

2 atendimento à uma chamada emergencial. Entretanto, adquirir equipamentos e/ou treinamentos para a equipe para reduzir este tempo de atendimento, incorre em custos e investimentos adicionais. Nessa situação, aparece um tradeoff entre nível de serviço e investimento. Para auxiliar na tomada de decisão, há uma ferramenta chamada Modelo Hipercubo, que é baseado em Teoria de Filas espacialmente distribuídas. Para ilustrar a aplicação deste modelo, foi realizado um estudo de caso nos Anjos do Asfalto, um sistema médico-emergencial localizado na Rodovia Presidente Dutra entre as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo. Os resultados mostram que o Modelo Hipercubo pode ser uma ferramenta efetiva de apoio à decisão em sistemas emergenciais na rodovia. PALAVRAS-CHAVE: atendimento médico-emergencial, teoria de filas, Modelo Hipercubo 1. INTRODUÇÃO Nosso cotidiano está cercado de situações onde serviços são requisitados. Como a população aumenta a cada dia, cresce a potencial demanda por estes serviços. Alguns deles são básicos, tais como atendimentos hospitalares, coleta de lixo, reparos a veículos, transporte, policiamento... Por este motivo, surge a necessidade de aprimorar o gerenciamento de sistemas que oferecem estes serviços, para que seja garantido um nível de atendimento aceitável para seus usuários. Pode-se perguntar: por que existem tantas filas? Por um motivo simples: podemos ter situações onde, num certo intervalo de tempo, há mais demanda pelo serviço do que capacidade disponível. Uma das razões deste fato é que, muitas vezes, é economicamente inviável fornecer um nível de serviço perfeito aos clientes. Muitas vezes, um baixo nível de serviço gera um prejuízo ao sistema não propriamente financeiro, mas um prejuízo intangível, que é sua confiabilidade. Os serviços de atendimentos à população podem ser classificados em três grupos: i) Serviços de rotina (ou periódicos): coleta domiciliar de lixo, entrega de jornais, distribuição de correspondências. ii) Serviços semi-emergenciais: reparos em rede de energia elétrica, água, saneamentos, telefonias. iii) Serviços de emergência: polícia, bombeiros, ambulâncias.

3 No terceiro grupo, o custo intangível é alto, fazendo com que estes sistemas devam ser planejados com altos índices de ociosidade, para que a probabilidade de espera em filas seja pequena. Já no primeiro e segundo, podem ter atrasos ou filas um pouco maiores, permitindo que o sistema trabalhe com um nível de utilização maior. Muitas vezes, em um acidente traumático, poucos minutos de espera ao atendimento às vítimas poderá representar a diferença entre a vida normal e a tetraplegia permanente ou, em situações mais graves, entre a vida e a morte. Quando se pensa em gerenciamento de recursos de um sistema de atendimento médico-emergencial não se pode esquecer que melhor qualidade em serviço, em geral, implica em maiores custos e investimentos. Independente da forma de financiamento da empresa que gerencia o sistema de atendimento (público, privado ou cooperativo), é desejável que os recursos (não apenas financeiros) sejam alocados da melhor forma possível. Cabe observar que este trade-off entre nível de serviço e custo não é exclusivo de sistemas médico-emergenciais. A saúde de um ser humano é muito importante e, por motivos óbvios, deve receber atenção prioritária. Acidentes, como o próprio nome diz, são situações que não se pode prever onde, como e quando ocorrerão. Entretanto, a partir de dados históricos, é possível identificar regiões e/ou períodos de maior incidências de acidentes. Também não é interessante ao sistema que haja maior (ou menor) utilização de um servidor sobre os demais, isto é, um certo balanceamento entre a carga de trabalho dos servidores é desejável. 2. O SISTEMA ANJOS DO ASFALTO O sistema emergencial estudado foi "Os Anjos do Asfalto", que são uma fundação nãogovernamental sem fins lucrativos, e que presta socorro a acidentados e feridos ou pessoas que se sentem mal na Rodovia Presidente Dutra (entre o estado do Rio de Janeiro e o estado de São Paulo). Tal Sistema é composto por seis bases ao longo da referida rodovia. Cada base é composta por ambulâncias de atendimentos de urgência e uma equipe composta por resgatistas, que fazem os resgates necessários, e médicos, que fazem os atendimentos de socorro propriamente ditos, além dos motoristas.. Esta equipe não se movimenta individualmente. Há um posto central no município do Rio de Janeiro que monitora a rodovia através de rádio. Qualquer movimento da ambulância (mesmo abastecimento) é avisado à central.

4 2.1 LOCALIZAÇÃO DAS BASES Atualmente a localização das bases são: km 165-RJ (Pavuna), km 206-RJ (Japeri), km 227-RJ (Caiçara), km 258-RJ (Volta Redonda), km 311-RJ (Penedo) e km 18-SP (Lavrinhas), conforme figura CHAMADO DE OCORRÊNCIAS Como a base é avisada da ocorrência de um acidente? Em princípio, a alocação de ambulâncias é coordenada: alguma testemunha avisa diretamente a central ou via Polícia Rodoviária, e esta central encaminha a ambulância disponível mais próxima ao acidente. Entretanto, pode acontecer de a testemunha ou a polícia avisar diretamente o posto. Neste caso, a ambulância avisa via rádio a central e comunica o local do acidente. A política de despacho é sempre alocar a ambulância mais próxima ao local da ocorrência. Pode também haver a necessidade de alocar a segunda ambulância mais próxima ao chamado. Se essa também estiver ocupada, o chamado é transferido para a Polícia Rodoviária ou o Corpo de Bombeiros da cidade mais próxima ao local, nunca chamando uma terceira ambulância do sistema. Após a privatização da Via Dutra, a concessionária possui um veículo especial que circula pela rodovia, avisando a central se houver um acidente (nos dados coletados, a grande maioria dos chamados foram feitos dessa forma). Também é possível que a ambulância se ocupe não saindo para atender um ferido, mas atendendo alguém que peça auxílio na própria base (epilépticos, cardíacos com mal-estar, pessoas alcoolizadas). Quando um chamado não é atendido pelos Anjos do Asfalto, é considerado como perda do sistema. 3. O MODELO HIPERCUBO O modelo Hipercubo é uma ferramenta específica para o planejamento de sistemas urbanos e rurais, pois considera não só a parte temporal de um problema, mas também as complexidades geográficas de uma região ou aglomerado urbano, além da política de despacho específica para cada sistema.

5 Foi inicialmente proposto por Richard Larson e pode ser encontrado na sua concepção original em LARSON (1974) ou em detalhes em LARSON & ODONI (1981). O modelo é composto por um sistema de equações que, uma vez resolvido, fornece as probabilidades de equilíbrio dos estados que o sistema pode assumir. Estas probabilidades permitem computar medidas de desempenho interessantes para o gerenciamento do sistema. O modelo baseia-se na divisão da região estudada em um conjunto de átomos geográficos. Cada um é considerado como fonte independentes solicitadora de serviços. O atendimento aos átomos é realizado por servidores, que podem estar fixos em um ponto (base), ou em patrulhamento ao redor da região (entretanto seu movimento deverá ser conhecido ao menos probabilisticamente). Para um servidor, sua área de cobertura primária é o conjunto dos átomos para os quais este servidor tem prioridade em atendimento (é o primeiro a ser chamado). No caso deste servidor estar ocupado, outros serão chamados para atender a solicitação. 3.1 APLICAÇÕES DO MODELO HIPERCUBO Foram encontrados na literatura alguns usos do modelo, entre eles, destaca-se um patrulhamento policial em uma cidade, registrado em SACKS & GRIEF (1994); o projeto para área de cobertura primária para ambulâncias ou veículos de reparo, um exemplo de aplicação do Modelo Hipercubo para localização de ambulâncias pode ser encontrado em BRANDEAU & LARSON (1986); visita de serviço social, encontrado em LARSON & ODONI (1981); e atendimento a interrupções de redes de energia elétrica, encontrado em ALBINO (1994). 3.2 HIPÓTESES DO MODELO HIPERCUBO O Modelo Hipercubo baseia-se em teorias de filas espacialmente distribuídas. Suas hipóteses básicas para a aplicação são: 1) Existência de átomos geográficos na região, que podem ser consideradas como solicitadoras de serviços independentes. Todos os pontos de um átomo devem ter mesmos processos de chegada. 2) Chegadas de chamados conforme processos de Poisson independentes para cada átomo e, consequentemente, para toda a região.

6 3) Tempos de deslocamento do servidor, devem ser conhecidos o tempo que qualquer servidor leva para ir de um átomo a outro dentro da região (ou a distância entre os átomos e a velocidade média do servidor neste trecho). 4) Servidores, fixos em um átomo ou em patrulhas, que devem atender à região inteira, ou pelo menos parte dela. 5) A localização dos servidores deve ser conhecida. Se o servidor mover-se dentro de uma parte da região, sua posição deve ser conhecida probabilisticamente. 6) Despacho de um servidor. Para cada chamado, deverá ser alocado um e somente um servidor para atendê-lo. 7) Política de despacho dos servidores. Deve haver um ranking de opções para atender chamados de cada átomo. Define-se área de cobertura primária de um servidor como sendo todos os átomos onde esse servidor é primeira opção de chamado e backup como sendo qualquer atendimento de um servidor que não tenha sido em sua área de cobertura primária. 8) Tempo de execução do serviço. O tempo de execução de um serviço é resultante de quatro parcelas: o tempo de setup (que é o tempo que a equipe leva para se preparar), tempo de ida, tempo de atendimento no local e tempo de volta. As duas parcelas, quando agregadas, formam o tempo de resposta. 9) Dependência do tempo total em relação ao tempo de deslocamento. O tempo de resposta e tempo de volta deverão ser de segunda ordem em relação ao tempo de atendimento no local. Algumas das hipóteses 1-9 podem ser relaxadas. 3.3 MEDIDAS DE DESEMPENHO Uma vez admitidas as hipóteses acima, o modelo permite que se calcule as seguintes medidas de desempenho: Região: tempo médio de deslocamento, ocupação média, nível de balanceamento, fração de despachos de um servidor fora de sua área de cobertura primária. Servidor: ocupação, tempo médio de deslocamento, fração de atendimentos realizados fora de sua área de cobertura primária.

7 Área de cobertura primária: ocupação gerada internamente, ou seja, porcentagem de todos chamados na região que foram feitos por tal área; tempo médio de deslocamento interno, fração de atendimentos backup (outros servidores). Átomo: ocupação gerada internamente; tempo médio de deslocamento interno, ou seja, porcentagem de todos chamados na região que foram feitos por tal átomo; fração de atendimentos realizado por cada um dos servidores. Quanto às prioridades, o modelo considera a disciplina FCFS (first come, first serve, primeiro que entra, primeiro a ser servido, já explicado na seção 3.3.3). Entretanto, outras formas de prioridade podem ser aceitas ou facilmente adaptadas. 4. COLETA DE DADOS E RESULTADOS Foram coletados dados relativos a alguns fins de semana de Os dados levantados continham os instantes em que os servidores foram despachados (com isso pode-se caracterizar o processo de chegada), os instantes em que o servidor retornou à base (com isso caracterizar o processo de atendimento), além do local do chamado e o servidor que foi alocado. Para cada processo (chegada e atendimento) foram feitos testes de hipóteses para verificar a aderência da distribuição exponencial (Processo de Poisson). A verificação foi feita utilizando-se três testes : teste do qui-quadrado (SHAPIRO & GROSS, 1981), Kolmogorov & Smirnov (SHAPIRO & GROSS, 1981) e Lillefors (CONOVER, 1971). Os testes foram feitos com níveis de significância de 1% e 5%. No processo de atendimento, todos os átomos puderam ser considerados como markovianos. Já para o processo de atendimento, alguns servidores não puderam ser considerados como markovianos. Pôde-se perceber, pelos dados, que cada servidor possui processo de atendimento distinto dos demais. A partir dos dados coletados, gerou-se algumas medidas de desempenho. 4.1 WORKLOAD DE UM SERVIDOR Fração do tempo em que o servidor fica ocupado.

8 Base (n) Workloads ρ n Pavuna 0,1351 Japeri 0,1923 Caiçara 0,1641 Volta Redonda 0,3037 Penedo 0,1834 Lavrinhas 0,1488 Tabela 1: workloads de cada servidor Média: 0, Desvio padrão 0,0589 Workloads 0,4 0,3 0,2 0,1 0 Pavuna Japeri Caiçara Volta... Penedo Lavrinhas Figura 1: Workloads de cada servidor 4.2 FRAÇÃO DOS ATENDIMENTOS DE UM SERVIDOR QUE FORAM FORA DE SUA ÁREA PRIORITÁRIA. É a fração dos atendimentos de cada servidor que não foi em sua área prioritária. Base i Fração fi i Pavuna 0,0517 Japeri 0,1892 Caiçara 0,1089

9 Volta Redonda 0,1303 Penedo 0,2393 Lavrinhas 0,1771 Tabela 2: Fração de atendimentos de cada servidor que tenha sido em backup Média 0, Desvio Padrão: 0,0663 Fração de backup 0,3 0,2 0,1 0 Pavuna Japeri Caiçara Volta... Penedo Lavrinhas Figura 2: Fração dos atendimentos de cada servidor que foram para backup 4.3 FRAÇÃO DOS CHAMADOS DE UM ÁTOMO QUE FORAM ATENDIDOS POR OUTRO SERVIDOR QUE NÃO SEJA O PRIORITÁRIO É a fração, para cada átomo, dos atendimentos que não foram atendidos pelos respectivos servidores prioritários Átomo i Fração ft i Pavuna 0,1036 Japeri 1 0,1617 Japeri 2 0,1574

10 Caiçara 1 0,2135 Caiçara 2 0,1163 Volta Redonda 1 0,2599 Volta Redonda 2 0,2447 Penedo 1 0,1190 Penedo 2 0,1505 Lavrinhas 0,1187 Tabela 3: Fração dos atendimentos de cada átomo que foram por backup Média: 0, Desvio Padrão: 0, TEMPO DE VIAGEM DE UM SERVIDOR Tempo médio que cada servidor leva para chegar até qualquer atendimento. Servidor i Tempo de deslocamento (min) Tu i Pavuna 4,74 Japeri 7,46 Caiçara 5,86 Volta Redonda 11,53 Penedo 10,49 Lavrinhas 9,43 Tabela 4: Tempo de deslocamento de cada servidor (em minutos) Média: 8,25 min - Desvio Padrão: 2,68 min

11 15 tempo (min) Figura 3: Tempo de viagem de cada servidor (em minutos) 4.5 TEMPO DE VIAGEM A CADA ÁTOMO É o tempo que um chamado em cada átomo espera para ser atendido. Átomo j Tempo de deslocamento Tj (min) 1 - Pavuna 6, Japeri 1 9, Japeri 2 5, Caiçara 1 5, Caiçara 2 7, Volta Redonda 1 8, Volta Redonda 2 14, Penedo 1 8, Penedo 2 5, Lavrinhas 9,45 Tabela 5: Tempo de viagem de cada átomo (em minutos) Média: 8,79 min - Desvio Padrão: 2,83 min 5. CENÁRIOS ALTERNATIVOS Como pode-se perceber no item 4.1, o sistema não está balanceado, pois um servidor (Volta Redonda) trabalha mais que os demais. Foi proposto um cenário alternativo, que consistia em uma

12 redução no tamanho dos átomos em que o servidor em questão é prioritário. Com isto, obteve-se uma melhor distribuição dos servidores, conforme pode ser visto na tabela abaixo: Servidor Sistema original Sistema modificado Pavuna 0,1351 0,1346 Japeri 0,1923 0,1848 Caiçara 0,1641 0,1199 Volta Redonda 0,3037 0,2222 Penedo 0,1834 0,2155 Lavrinhas 0,1488 0,1527 Tabela 6: Comparação entre os workloads de cada servidor no sistema original e no modificado Sistema original: Média: 0,1874, desvio padrão: 0,0589 Sistema modificado: Média: 0,1716, desvio padrão: 0,0426 workloads 0,4 0,3 0,2 0,1 0 Sistema original Sistema modificado Pavuna Japeri Caiçara Volta Re... Penedo Lavrinhas Figura 4: Comparação entre o sistema original e o modificado Análises semelhantes, para outras medidas de desempenho, podem ser encontradas em MENDONÇA (1999). Outra análise do sistema que foi feita com o auxílio do modelo, foi verificar como os Anjos respondem a um aumento da demanda. Para isto, acrescentou-se às taxas de chegada incrementos de 10%, 20%, 30%, 40%, 50%, 100%, 200% e 300%. O resultado obtido para uma medida de desempenho (probabilidade de sistema vazio) é apresentado na tabela a seguir.

13 Aumento da demanda (%) Probabilidade do sistema estar vazio 0 0, , , , , , , , ,0011 Tabela 7: Impacto do aumento da demanda sobre a probabilidade do sistema estar vazio Análises similares para outras medidas de desempenho podem ser encontradas em MENDONÇA (1999). Probabilidade de sistema vazio 0,4 0, Aumento da demanda (%) Figura 5: Impacto do aumento da demanda sobre a probabilidade do sistema estar vazio 6. CONCLUSÕES O Modelo Hipercubo pode ser muito útil para analisar um sistema emergencial em rodovias. Apesar de sua política de despachos particular, na qual um servidor não atende todos os átomos, os Anjos podem ser analisados pelo Modelo Hipercubo. Podemos perceber que os Anjos têm um prestado um bom serviço, pois o tempo de viagem (8,25 min, conforme seção 4.4) é pequeno e as frações de

14 backup também são pequenas. Também conclui-se que o Modelo serve para analisar cenários alternativos, tanto para balancear o sistema, como para prever um aumento da demanda e analisar a sensibilidade dos resultados com respeito à perturbação dos parâmetros. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALBINO, J.C.C. Quantificação e locação de unidades móveis de atendimento de emergência e interrupções em redes de distribuição de energia elétrica: aplicação do Modelo Hipercubo. Florianópolis : UFSC, p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Departamento de Engenharia de Produção BRANDEAU, M.L., LARSON, R.C. Extending and applying the hipercube model to deploy ambulances in Boston. In: SWERSEY, A. and IGNALL, E. Delivery of Urban services. Amsterdan : Elsevier, p TIMS Studies in the Management Sciences 22 CONOVER, J. Pratical nonparametric statistics. New York, John Wiley Sons p. LARSON, R.C. A Hipercube queueing Model for facility location and redistricting in urban emergency services. Computers and operations research, v. 1, p LARSON, R.C., ODONI A.R. Urban operations research. New Jersey : Pratience Hall, p. MENDONÇA, F.C. Aplicação do Modelo Hipercubo, baseado em Teoria de Filas, para análise de um sistema médico-emergencial em rodovia. São Carlos : UFSCar, p. Dissertação (mestrado em Engenharia de Produção) - Departamento de Engenharia de Produção. SACKS,S. R., GRIEF, S. Orlando Police Department uses OR/MS methodology, new software to design patrol districts. OR/MS Today, Baltimore, p , Feb SHAPIRO, S.S., GROSS, A.J. Statistical modeling techiniques. New York : Marcel Dekker, p. SWERSEY, A.J. Handbooks in OR/MS. Amsterdan : Elsevier Science B.V., V. 6, p

Fernando Cesar da Silva Vanina Macowski Durski Silva. Arteris - Autopista Litoral Sul Universidade Federal de Santa Catarina

Fernando Cesar da Silva Vanina Macowski Durski Silva. Arteris - Autopista Litoral Sul Universidade Federal de Santa Catarina Fernando Cesar da Silva Vanina Macowski Durski Silva Arteris - Autopista Litoral Sul Universidade Federal de Santa Catarina Sistema de socorro mecânico em rodovia federal concedida: um estudo de caso na

Leia mais

ANALISANDO A CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO DE SISTEMAS MÉDICO EMERGENCIAL EM RODOVIAS UTILIZANDO O MODELO HIPERCUBO

ANALISANDO A CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO DE SISTEMAS MÉDICO EMERGENCIAL EM RODOVIAS UTILIZANDO O MODELO HIPERCUBO ANALISANDO A CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO DE SISTEMAS MÉDICO EMERGENCIAL EM RODOVIAS UTILIZANDO O MODELO HIPERCUBO Ana Paula Iannoni Universidade Federal de São Carlos 565-905 São Carlos, SP papi@iris.ufscar.br

Leia mais

APLICAÇÃO DO MODELO HIPERCUBO PARA ANÁLISE DE UM SISTEMA MÉDICO-EMERGENCIAL EM RODOVIA

APLICAÇÃO DO MODELO HIPERCUBO PARA ANÁLISE DE UM SISTEMA MÉDICO-EMERGENCIAL EM RODOVIA APLICAÇÃO DO MODELO HIPERCUBO PARA ANÁLISE DE UM SISTEMA MÉDICO-EMERGENCIAL EM RODOVIA v.7, n.1, p. 73-91, abr. 2000 Fernando César Mendonça Reinaldo Morabito Departamento de Engenharia de Produção Universidade

Leia mais

APLICAÇÃO DO MODELO HIPERCUBO PARA ANÁLISE DE UM SISTEMA MÉDICO-EMERGENCIAL EM RODOVIA

APLICAÇÃO DO MODELO HIPERCUBO PARA ANÁLISE DE UM SISTEMA MÉDICO-EMERGENCIAL EM RODOVIA APLICAÇÃO DO MODELO HIPERCUBO PARA ANÁLISE DE UM SISTEMA MÉDICO-EMERGENCIAL EM RODOVIA v.7, n.1, p. 73-91, abr. 2000 Fernando César Mendonça Reinaldo Morabito Departamento de Engenharia de Produção Universidade

Leia mais

Átomos Geográficos e Demanda pelo Sistema Resgate Saúde: o Modelo Hipercubo de Filas para a Cidade de São José dos Campos - SP

Átomos Geográficos e Demanda pelo Sistema Resgate Saúde: o Modelo Hipercubo de Filas para a Cidade de São José dos Campos - SP Átomos Geográficos e Demanda pelo Sistema Resgate Saúde: o Modelo Hipercubo de Filas para a Cidade de São José dos Campos - SP Ana Paula S. Figueiredo LAC / INPE Universidade Federal de Itajubá anapaula@lac.inpe.br

Leia mais

BACKUP PARCIAL NO ATENDIMENTO ÀS CLASSES DE CHAMADOS NO MODELO HIPERCUBO COM PRIORIDADE NA FILA

BACKUP PARCIAL NO ATENDIMENTO ÀS CLASSES DE CHAMADOS NO MODELO HIPERCUBO COM PRIORIDADE NA FILA BACKUP PARCIAL NO ATENDIMENTO ÀS CLASSES DE CHAMADOS NO MODELO HIPERCUBO COM PRIORIDADE NA FILA RESUMO Caio Vitor Beojone Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Av. Eng. Luiz Edmundo C.

Leia mais

Análise da configuração de SAMU utilizando múltiplas alternativas de localização de ambulâncias

Análise da configuração de SAMU utilizando múltiplas alternativas de localização de ambulâncias Gest. Prod., São Carlos, v. 20, n. 2, p. 287-302, 2013 Análise da configuração de SAMU utilizando múltiplas alternativas de localização de ambulâncias Analysis of SAMU configuration using multiple alternatives

Leia mais

Modelo hipercubo integrado a um algoritmo genético para análise de sistemas médicos emergenciais em rodovias

Modelo hipercubo integrado a um algoritmo genético para análise de sistemas médicos emergenciais em rodovias Modelo hipercubo integrado a um algoritmo genético para análise de sistemas médicos emergenciais em rodovias Ana Paula Iannoni Reinaldo Morabito Departamento de Engenharia de Produção, Universidade Federal

Leia mais

Alessandra Memari Pavanelli. CP19081 Curitiba,PR; CEP 81531-990 alessandramemari@gmail.com. Deise Maria Bertholdi Costa

Alessandra Memari Pavanelli. CP19081 Curitiba,PR; CEP 81531-990 alessandramemari@gmail.com. Deise Maria Bertholdi Costa ANÁLISE DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO EMERGENCIAL MÓVEL ATRAVÉS DAS MEDIDAS DE DESEMPENHO FORNECIDAS PELO MODELO HIPERCUBO DE FILAS UTILIZANDO CENÁRIOS ALTERNATIVOS NA DETERMINAÇÃO DE DIVISÕES GEOGRÁFICAS

Leia mais

APLICAÇÃO DO MODELO HIPERCUBO DE FILAS PARA AVALIAR A DESCENTRALIZAÇÃO DE AMBULÂNCIAS EM UM SISTEMA URBANO DE ATENDIMENTO MÉDICO DE URGÊNCIA

APLICAÇÃO DO MODELO HIPERCUBO DE FILAS PARA AVALIAR A DESCENTRALIZAÇÃO DE AMBULÂNCIAS EM UM SISTEMA URBANO DE ATENDIMENTO MÉDICO DE URGÊNCIA versão impressa ISSN 0101-7438 / versão online ISSN 1678-5142 APLICAÇÃO DO MODELO HIPERCUBO DE FILAS PARA AVALIAR A DESCENTRALIZAÇÃO DE AMBULÂNCIAS EM UM SISTEMA URBANO DE ATENDIMENTO MÉDICO DE URGÊNCIA

Leia mais

UM MODELO PARA ANALISAR O PROBLEMA DE FILAS EM CAIXAS DE SUPERMERCADOS: UM ESTUDO DE CASO. Resumo. Abstract

UM MODELO PARA ANALISAR O PROBLEMA DE FILAS EM CAIXAS DE SUPERMERCADOS: UM ESTUDO DE CASO. Resumo. Abstract Vol. 20, No. 1, junho de 2000 Pesquisa Operacional 59 UM MODELO PARA ANALISAR O PROBLEMA DE FILAS EM CAIXAS DE SUPERMERCADOS: UM ESTUDO DE CASO Reinaldo Morabito Flavio C. R. de Lima Departamento de Engenharia

Leia mais

UMA CONTRIBUIÇÃO PARA AVALIAR O DESEMPENHO DE SISTEMAS DE TRANSPORTE EMERGENCIAL DE SAÚDE

UMA CONTRIBUIÇÃO PARA AVALIAR O DESEMPENHO DE SISTEMAS DE TRANSPORTE EMERGENCIAL DE SAÚDE UMA CONTRIBUIÇÃO PARA AVALIAR O DESEMPENHO DE SISTEMAS DE TRANSPORTE EMERGENCIAL DE SAÚDE Renata Algisi Takeda Tese apresentada à Escola de Engenharia de São Carlos, da Universidade de São Paulo, como

Leia mais

Curso: Engenharia de Produção. Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística. Curso: Engenharia de Produção

Curso: Engenharia de Produção. Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística. Curso: Engenharia de Produção λ número médio de clientes que entram no sistema por unidade de tempo; µ número médio de clientes atendidos (que saem do sistema) por unidade de tempo; Servidores (mecânicos) no sistema; número de máquinas

Leia mais

Pesquisa Operacional, v.24, n.1, p.##-##, Janeiro a Abril de 2004 3

Pesquisa Operacional, v.24, n.1, p.##-##, Janeiro a Abril de 2004 3 versão impressa ISSN 0101-7438 / versão online ISSN 1678-5142 APLICAÇÃO DO MODELO HIPERCUBO DE FILAS PARA AVALIAR A DESCENTRALIZAÇÃO DE AMBULÂNCIAS EM UM SISTEMA URBANO DE ATENDIMENTO MÉDICO DE URGÊNCIA

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE CABINES DE SEGURANÇA EM PARTE DO BAIRRO DO LEBLON NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

DISTRIBUIÇÃO DE CABINES DE SEGURANÇA EM PARTE DO BAIRRO DO LEBLON NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO DISTRIBUIÇÃO DE CABINES DE SEGURANÇA EM PARTE DO BAIRRO DO LEBLON NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Roberta Almeida Pereira Leonardo Claro Garcia Valdir Agustinho de Melo Paulo Jorge Magalhães Teixeira Paulo

Leia mais

MODELO HIPERCUBO: ANÁLISE E RESULTADOS PARA O CASO DE SERVIDORES NÃO-HOMOGÊNEOS

MODELO HIPERCUBO: ANÁLISE E RESULTADOS PARA O CASO DE SERVIDORES NÃO-HOMOGÊNEOS ISSN 0101-7438 MODELO HIPERCUBO: ANÁLISE E RESULTADOS PARA O CASO DE SERVIDORES NÃO-HOMOGÊNEOS Fernando Chiyoshi Roberto D. Galvão Programa de Engenharia de Produção / COPPE Universidade Federal do Rio

Leia mais

TRANSPORTES. anpet. volume 9 número 2 novembro de 2001. associação nacional de pesquisa e ensino em transportes

TRANSPORTES. anpet. volume 9 número 2 novembro de 2001. associação nacional de pesquisa e ensino em transportes TRANSPORTES volume 9 número 2 novembro de 2001 anpet associação nacional de pesquisa e ensino em transportes Transportes - vol 1, n. 1 (jun. 1993). - Rio de Janeiro, Associação Nacional de Pesquisa e Ensino

Leia mais

LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DO PERFIL DE UM CALL CENTER VISANDO O AJUSTE DE UM MODELO DE FILAS

LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DO PERFIL DE UM CALL CENTER VISANDO O AJUSTE DE UM MODELO DE FILAS SPOLM 06 ISSN 1806-3632 Rio de Janeiro, Brasil, 15 e 16 de de 06 LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DO PERFIL DE UM CALL CENTER VISANDO O AJUSTE DE UM MODELO DE FILAS Helinton A. L. Barbosa Departamento de Estatística

Leia mais

Introdução a Avaliação de Desempenho

Introdução a Avaliação de Desempenho Introdução a Avaliação de Desempenho Avaliar é pronunciar-se sobre as características de um certo sistema. Dado um sistema real qualquer, uma avaliação deste sistema pode ser caracterizada por toda e qualquer

Leia mais

Medida de correlação entre padrões pontuais de origemdestino

Medida de correlação entre padrões pontuais de origemdestino Medida de correlação entre padrões pontuais de origemdestino Renato M. Assunção, Danilo L. Lopes Departamento de Estatística Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Caixa Postal 70 3170-901 Belo Horizonte

Leia mais

Uma introdução à Teoria das Filas

Uma introdução à Teoria das Filas Uma introdução à Teoria das Filas Introdução aos Processos Estocásticos 13/06/2012 Quem nunca pegou fila na vida? Figura: Experiência no bandejão Motivação As filas estão presentes em nosso cotidiano,

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL: UMA APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS A UM SISTEMA DE ATENDIMENTO

PESQUISA OPERACIONAL: UMA APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS A UM SISTEMA DE ATENDIMENTO PESQUISA OPERACIONAL: UMA APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS A UM SISTEMA DE ATENDIMENTO Rafael de Bruns Sérgio Pacífico Soncim Maria Cristina Fogliatti de Sinay - Phd Instituto Militar de Engenharia IME, Mestrado

Leia mais

PLANEJAMENTO DE REDES MESH COM APLICAÇÃO DO MODELO HIPERCUBO PARA VERIFICAÇÃO DE PARÂMETROS DE QoS

PLANEJAMENTO DE REDES MESH COM APLICAÇÃO DO MODELO HIPERCUBO PARA VERIFICAÇÃO DE PARÂMETROS DE QoS PLANEJAMENTO DE REDES MESH COM APLICAÇÃO DO MODELO HIPERCUBO PARA VERIFICAÇÃO DE PARÂMETROS DE QoS Marlon da Silva Mestrado em Computação Aplicada - CAP Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 1. Amedeo R. Odoni 10 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 1. Amedeo R. Odoni 10 de outubro de 2001 Sistemas de Filas: Aula 1 Amedeo R. Odoni 10 de outubro de 2001 Tópicos em Teoria das Filas 9. Introdução a sistemas de filas; lei de Little, M/M/1 10. Filas Markovianas (processo de renovação) 11. Fila

Leia mais

Solicitação de Mudança 01

Solicitação de Mudança 01 Solicitação de Mudança 01 Refatorar a especificação da linha de produtos Crisis Management System permitindo que o suporte ao registro de LOG seja opcional. Isso significa que o comportamento descrito

Leia mais

ANÁLISE DE UM PROCESSO DE ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA USANDO TEORIA DE FILAS

ANÁLISE DE UM PROCESSO DE ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA USANDO TEORIA DE FILAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIAS E COMPUTAÇÃO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO KARINA PEDRINI FRAGA ANÁLISE DE UM PROCESSO

Leia mais

PMERJ/CETIC. Novas Tecnologias na Polícia Militar

PMERJ/CETIC. Novas Tecnologias na Polícia Militar PMERJ/CETIC Novas Tecnologias na Polícia Militar Apresentação pessoal CEL PM DJALMA JOSÉ BELTRAMI TEIXEIRA PMERJ Coordenador do CETIC Coordenadoria Especializada em Tecnologia e Comunicações Atribuições

Leia mais

MANUAL DE BENEFÍCIOS HDI SEGURO AUTOMÓVEL

MANUAL DE BENEFÍCIOS HDI SEGURO AUTOMÓVEL MANUAL DE BENEFÍCIOS HDI SEGURO AUTOMÓVEL ASSISTÊNCIA 24 HORAS VEÍCULO ÔNIBUS / MICRO ÔNIBUS / VANS 01/agosto/2013 1 DISPOSIÇÕES GERAIS Este é um guia completo dos benefícios oferecidos pela HDI Seguros

Leia mais

CONCESSÃO DE RODOVIA. Regulação da Concessão de Rodovias Federais

CONCESSÃO DE RODOVIA. Regulação da Concessão de Rodovias Federais Regulação da Concessão de Rodovias Federais 1ª ETAPA 2ª ETAPA FASE I 2ª ETAPA FASE II 3ª ETAPA FASE I 3ª ETAPA FASE II Década de 60 e 70 -Rodovia Presidente Dutra; Histórico -Freeway entre Porto Alegre

Leia mais

Estudo Comprobatório da Teoria das Filas pela Simulação de Eventos Discretos

Estudo Comprobatório da Teoria das Filas pela Simulação de Eventos Discretos 1 Estudo Comprobatório da Teoria das Filas pela Simulação de Eventos Discretos RESUMO O presente artigo tem como proposta comprovar a Teoria das Filas pela Simulação de Eventos Discretos (SED), através

Leia mais

Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC

Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC Junior Saviniec Ferreira; Letícia Stroparo Tozetti Faculdade Educacional de Araucária RESUMO O problema de estoque elevado é cada vez menos frequente

Leia mais

MODELAGEM POR MEIO DE TEORIA DE FILAS DO TRADEOFF ENTRE INVESTIR EM CANAIS DE ATENDIMENTO E SATISFAZER O NÍVEL DE SERVIÇO EM PROVEDORES INTERNET

MODELAGEM POR MEIO DE TEORIA DE FILAS DO TRADEOFF ENTRE INVESTIR EM CANAIS DE ATENDIMENTO E SATISFAZER O NÍVEL DE SERVIÇO EM PROVEDORES INTERNET MODELAGEM POR MEIO DE TEORIA DE FILAS DO TRADEOFF ENTRE INVESTIR EM CANAIS DE ATENDIMENTO E SATISFAZER O NÍVEL DE SERVIÇO EM PROVEDORES INTERNET Gisele Castro Fontanella Universidade Federal de São Carlos

Leia mais

Unidade Ill GERENCIAMENTO DE. Prof. Victor Halla

Unidade Ill GERENCIAMENTO DE. Prof. Victor Halla Unidade Ill GERENCIAMENTO DE INFRAESTRUTURA Prof. Victor Halla Administração de TI Conhecimentos sobre: Administração de sistemas; Administração de redes; Rotinas de backup; Administração de banco de dados

Leia mais

Simulação Transiente

Simulação Transiente Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho de Sistemas Professores: Paulo Maciel Ricardo Massa Alunos: Jackson Nunes Marco Eugênio Araújo Dezembro de 2014 1 Sumário O que é Simulação? Áreas de Aplicação

Leia mais

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM UFES Objetivos

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. 1. Sistema de Monitoramento da Frota O Sistema de Monitoramento da Frota será implantado pela concessionária para

Leia mais

A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ANALISE DE UMA EMPRESA DE LAVA-RÁPIDO EM VOLTA REDONDA

A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ANALISE DE UMA EMPRESA DE LAVA-RÁPIDO EM VOLTA REDONDA A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ANALISE DE UMA EMPRESA DE LAVA-RÁPIDO EM VOLTA REDONDA Byanca Porto de Lima byanca_porto@yahoo.com.br UniFOA Bruna Marta de Brito do Rego Medeiros brunamartamedeiros@hotmail.com

Leia mais

Projeto Final Simulação da Rodovia Curitiba-Paranaguá e sistema de balsas Matinhos- Guaratuba

Projeto Final Simulação da Rodovia Curitiba-Paranaguá e sistema de balsas Matinhos- Guaratuba IF6AL Simulação de Eventos Discretos / Prof. Ricardo Equipe: Brunno Braga Bruno Weingraber Projeto Final Simulação da Rodovia Curitiba-Paranaguá e sistema de balsas Matinhos- Guaratuba Resumo A travessia

Leia mais

A logística no serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU)

A logística no serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU) A logística no serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU) Jorge Destri Junior (UFSC) destri@mbox1.ufsc.br Amir Mattar Valente (UFSC) valente@mbox1.ufsc.br Resumo A eficácia do serviço de atendimento

Leia mais

Usando o Arena em Simulação

Usando o Arena em Simulação Usando o Arena em Simulação o ARENA foi lançado pela empresa americana Systems Modeling em 1993 e é o sucessor de dois outros produtos de sucesso da mesma empresa: SIMAN (primeiro software de simulação

Leia mais

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1.1 Introdução Em sistemas de potência, as unidades geradoras compreendem os equipamentos conectados ao sistema capazes de transformar vários tipos de energia

Leia mais

1) Torres: Pronto atendimento foi acoplado ao hospital centralização superlotação. 2) Terra de Areia: Poucos recursos, atendimentos simples

1) Torres: Pronto atendimento foi acoplado ao hospital centralização superlotação. 2) Terra de Areia: Poucos recursos, atendimentos simples UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO 24H 1) Torres: Pronto atendimento foi acoplado ao hospital centralização superlotação 2) Terra de Areia: Poucos recursos, atendimentos simples Hospital de referência é Capão

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança Rapel na Pedreira do DIB Serra da Cantareira PLANO DE EMERGÊNCIA

Sistema de Gestão de Segurança Rapel na Pedreira do DIB Serra da Cantareira PLANO DE EMERGÊNCIA Rapel de 40 metros nível de dificuldade baixo Perigo se ficarem muitas pessoas no local com risco de queda pequenas escoriações e quedas de pequenas pedras. Depende da época do ano há o perigo dos marimbondos

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO Em quase todas as nossas atividades diárias precisamos enfrentar filas para atender as nossas necessidades. Aguardamos em fila na padaria, nos bancos, quando trafegamos

Leia mais

BACKUP 101: PLANEJAMENTOS E FERRAMENTAS

BACKUP 101: PLANEJAMENTOS E FERRAMENTAS BACKUP 101: PLANEJAMENTOS E FERRAMENTAS Jerônimo Medina Madruga (UFPel) Resumo: Em um mundo onde quase todo serviço conta informações digitais, a garantia da segurança desses dados muitas vezes é uma das

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 039/2015 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Trecho fluminense Devem deixar o Rio de Janeiro pela Dutra cerca de 171 mil veículos, entre a zero hora de quartafeira

Trecho fluminense Devem deixar o Rio de Janeiro pela Dutra cerca de 171 mil veículos, entre a zero hora de quartafeira CCR NovaDutra prepara operação especial durante o feriado prolongado de Corpus Christi na Via Dutra. Concessionária alerta sobre período de neblina e riscos de queimadas durante o feriado às margens da

Leia mais

ADS - Medidas de Desempenho Típicas Desejadas

ADS - Medidas de Desempenho Típicas Desejadas ADS - Medidas de Desempenho Típicas Desejadas Vazão (Throughput) - é definida como a taxa de clientes total servida pelo sistema por unidade de tempo; Utilização (Utilization) - é medido como a fração

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Transportes de Produtos Perigosos, Ações Emergenciais, Produtos Perigosos, Transporte de Produtos Perigosos em Áreas de Mananciais.

PALAVRAS-CHAVE: Transportes de Produtos Perigosos, Ações Emergenciais, Produtos Perigosos, Transporte de Produtos Perigosos em Áreas de Mananciais. 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-012 PLANO DE AÇÃO EMERGENCIAL PARA ACIDENTES ENVOLVENDO O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

Leia mais

Contribuição Eletropaulo Metropolitana S/A Expositor Antoninho Borghi

Contribuição Eletropaulo Metropolitana S/A Expositor Antoninho Borghi Audiência Pública ANEEL 027/2003 Estabelece as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento (CTA) das concessionárias ou permissionárias, critérios de classificação de serviços e metas

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas. Conceitos Básicos de Sistemas e Modelos

Avaliação de Desempenho de Sistemas. Conceitos Básicos de Sistemas e Modelos Avaliação de Desempenho de Sistemas Conceitos Básicos de Sistemas e Modelos O que é Desempenho? Webster s? The manner in which a mechanism performs. Aurélio: Conjunto de características ou de possibilidades

Leia mais

REGULAMENTO MERECE ASSISTÊNCIA A VEÍCULOS BANCO VOTORANTIM CARTÕES

REGULAMENTO MERECE ASSISTÊNCIA A VEÍCULOS BANCO VOTORANTIM CARTÕES REGULAMENTO MERECE ASSISTÊNCIA A VEÍCULOS BANCO VOTORANTIM CARTÕES O Banco Votorantim Cartões desenvolveu o benefício Merece Assistência a Veículos para auxiliar o Titular do Cartão Banco Votorantim no

Leia mais

DE DESEMPENHO DOS SERVIÇOS DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES UTILIZANDO O MODELO DE FILAS: Estudo de Caso em Hospital De Santa Catarina

DE DESEMPENHO DOS SERVIÇOS DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES UTILIZANDO O MODELO DE FILAS: Estudo de Caso em Hospital De Santa Catarina DE DESEMPENHO DOS SERVIÇOS DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES UTILIZANDO O MODELO DE FILAS: Estudo de Caso em Hospital De Santa Catarina Rafael Vieira Mathias rafaelvmathias@gmail.com UFSC Antonio Sérgio Coelho

Leia mais

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC CFLCL jragone@catleo.com.br Companhia Força e Luz Cataguazes-

Leia mais

Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT. Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013

Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT. Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013 Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013 Fase: Diagnóstico Eloisa Barroso de Mattos Nutricionista Raquel Leão Firmino Reis

Leia mais

AGO-13 CBR&C. Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte

AGO-13 CBR&C. Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte AGO-13 CBR&C Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte 00. Introdução O pedágio em rodovias brasileiras 1960-70 Devido a problemas no financiamento de infraestrutura rodoviária, o Estado passou a avaliar

Leia mais

RESOLUÇÃO SMTR Nº 2578 DE 23 DE JUNHO DE 2015. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE TRANSPORTES, no uso das atribuições legais,

RESOLUÇÃO SMTR Nº 2578 DE 23 DE JUNHO DE 2015. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE TRANSPORTES, no uso das atribuições legais, RESOLUÇÃO SMTR Nº 2578 DE 23 DE JUNHO DE 2015. Regulamenta o treinamento dos motoristas do Serviço de Transporte Individual de Passageiros em Veículos de Aluguel a Taxímetro e a homologação de instituições

Leia mais

Enfileiramento Digital

Enfileiramento Digital Painel: Inovação Tecnológica e Eficiência Energética São Paulo, 6 de agosto de 2013 Gestão Inteligente de Eletricidade através de Enfileiramento Digital Cyro Vicente Boccuzzi Sócio Diretor da ECOEE Presidente

Leia mais

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE Manual de Assistência 24 horas Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE I. Assistência 24 Horas 1. Descrição da Assistência 24 Horas Prestação de atendimento ao cliente/usuário através da administração de rede

Leia mais

DIMENSIONAMENTO, LOCALIZAÇÃO E ESCALONAMENTO DE SERVIÇOS DE ATENDIMENTO EMERGENCIAL

DIMENSIONAMENTO, LOCALIZAÇÃO E ESCALONAMENTO DE SERVIÇOS DE ATENDIMENTO EMERGENCIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS DIMENSIONAMENTO, LOCALIZAÇÃO E ESCALONAMENTO DE SERVIÇOS DE ATENDIMENTO EMERGENCIAL TESE SUBMETIDA À UNIVERSIDADE

Leia mais

Por que aparecem as filas? Não é eficiente, nem racional, que cada um disponha de todos os recursos individualmente. Por exemplo:

Por que aparecem as filas? Não é eficiente, nem racional, que cada um disponha de todos os recursos individualmente. Por exemplo: Por que aparecem as filas? Não é eficiente, nem racional, que cada um disponha de todos os recursos individualmente. Por exemplo: que cada pessoa disponha do uso exclusivo de uma rua para se movimentar;

Leia mais

APLICAÇÕES COMPUTACIONAIS NO ENSINO DE PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA EM ENGENHARIA

APLICAÇÕES COMPUTACIONAIS NO ENSINO DE PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA EM ENGENHARIA APLICAÇÕES COMPUTACIONAIS NO ENSINO DE PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA EM ENGENHARIA Júlio Cézar Figueiredo j.cezar@aol.com Cibelly Araújo de Azevedo Lima cibellyazevedo@gmail.com Francisco Rafael Marques

Leia mais

Teoria de Filas Aula 15

Teoria de Filas Aula 15 Teoria de Filas Aula 15 Aula de hoje Correção Prova Aula Passada Prova Little, medidas de interesse em filas Medidas de Desempenho em Filas K Utilização: fração de tempo que o servidor está ocupado Tempo

Leia mais

SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 467 METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE CORRELAÇÃO ENTRE INTERRUPÇÕES E CAUSAS EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA C. C. B. de

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO EMERGENCIAL EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: UMA APLICAÇÃO DAS REDES DE PETRI COLORIDAS

ANÁLISE DE DESEMPENHO DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO EMERGENCIAL EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: UMA APLICAÇÃO DAS REDES DE PETRI COLORIDAS ANÁLISE DE DESEMPENHO DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO EMERGENCIAL EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: UMA APLICAÇÃO DAS REDES DE PETRI COLORIDAS Bruno de Athayde Prata (FEUP) bruno.prata@fe.up.pt

Leia mais

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008 SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS Outubro/2008 O QUE É O SAU? SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS PROJETO PILOTO ABRANGENDO 421,2 KM DE TRECHOS DAS RODOVIAS FEDERAIS BR-040, BR- 060 E BR-153, NO DISTRITO

Leia mais

1.1 Sistema de 1 Canal e 1 Fila com População Infinita. fila atendentimento saída. sistema

1.1 Sistema de 1 Canal e 1 Fila com População Infinita. fila atendentimento saída. sistema Capítulo 1 Teoria das Filas 1.1 Sistema de 1 Canal e 1 Fila com População Infinita chegada fila atendentimento saída sistema 1.1.1 Características Gerais As equações do modelo se baseiam nas seguintes

Leia mais

SP 01/07/92 NT 149/92. Gerenciamento de Eventos Não Programados: Sala de Estratégias. Eng.º Edélcio Meggiolaro - GCO. Introdução

SP 01/07/92 NT 149/92. Gerenciamento de Eventos Não Programados: Sala de Estratégias. Eng.º Edélcio Meggiolaro - GCO. Introdução SP 01/07/92 NT 149/92 Gerenciamento de Eventos Não Programados: Sala de Estratégias. Eng.º Edélcio Meggiolaro - GCO Introdução Em 1991, a CET através das Gerências de Engenharia de Tráfego operou 400 Km

Leia mais

Vamos denominar 1/µ o tempo médio de atendimento de um cliente. Tem-se, então que:

Vamos denominar 1/µ o tempo médio de atendimento de um cliente. Tem-se, então que: Vamos admitir que o tempo de atendimento (tempo de serviço) de clientes diferentes são variáveis aleatórias independentes e que o atendimento de cada consumidor é dado por uma variável S tendo função densidade

Leia mais

SIAPDI: um sistema de processamento distribuído de imagens medicas com CORBA

SIAPDI: um sistema de processamento distribuído de imagens medicas com CORBA SIAPDI: um sistema de processamento distribuído de imagens medicas com CORBA Euclides de Moraes Barros Junior, M.Sc - UFSC O SIAPDI O desenvolvimento deste trabalho teve como motivação solucionar os problemas

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e a execução da segurança de magistrados, servidores, usuários e dependências.

Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e a execução da segurança de magistrados, servidores, usuários e dependências. Código: MAP-ASMIL-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Assessoria Militar Aprovado por: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

Improvements on attendance system of an worker s agency in Ponta Grossa PR through the study of sizing the number of attending cashiers

Improvements on attendance system of an worker s agency in Ponta Grossa PR through the study of sizing the number of attending cashiers Melhorias no sistema de atendimento de uma agencia do trabalhador da cidade de Ponta Grossa-PR através do estudo de dimensionamento do número de caixas de atendimento Gabriela Maurien Rodrigues UTFPR PG)

Leia mais

MANUAL DE CONDIÇÕES GERAIS ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL SUMÁRIO ASSISTÊNCIA EMRESARIAL...4 SINISTROS COBERTOS:...4 CONSULTORIA ORÇAMENTÁRIA:...

MANUAL DE CONDIÇÕES GERAIS ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL SUMÁRIO ASSISTÊNCIA EMRESARIAL...4 SINISTROS COBERTOS:...4 CONSULTORIA ORÇAMENTÁRIA:... PÁG 1 SUMÁRIO ASSISTÊNCIA EMRESARIAL...4 SINISTROS COBERTOS:...4 CONSULTORIA ORÇAMENTÁRIA:...5 MANUAL DE CONDIÇÕES GERAIS COBERTURAS ADICIONAIS EM CASO DE EVENTO PREVISTO...5 Problemas Emergenciais...

Leia mais

Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV.

Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV. XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV.

Leia mais

MANUAL DO SEGURADO RCO

MANUAL DO SEGURADO RCO MANUAL DO SEGURADO RCO A ESSOR Seguros preocupa-se em oferecer-lhe serviços exclusivos, visando sua proteção. Consulte em sua apólice se você tem direito a estes benefícios a seguir, conforme serviços

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS ASSISTÊNCIA 24 HORAS

CONDIÇÕES GERAIS ASSISTÊNCIA 24 HORAS CONDIÇÕES GERAIS ASSISTÊNCIA 24 HORAS Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. GLOSSÁRIO... 3 3. RISCOS COBERTOS... 4 4. AMBITO TERRITORIAL E VIGÊNCIA... 4 5. OPÇÕES DE PLANOS DE ASSISTÊNCIA... 4 5.1. VEÍCULOS LEVES

Leia mais

SIMULAÇÃO E LAYOUT - UM ESTUDO DE CASO

SIMULAÇÃO E LAYOUT - UM ESTUDO DE CASO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. SIMULAÇÃO E LAYOUT - UM ESTUDO DE CASO André Fernandes Meirelles (UFRJ) andre.meirelles@gpi.ufrj.br Luiz Antônio Meirelles (UFRJ) meirelles@ufrj.br Rafael

Leia mais

Serviços Assistências Limite

Serviços Assistências Limite Residência Serviços Assistências Limite Chaveiro Envio de chaveiro para conserto provisório, ou quando possível definitivo, da porta de acesso à residência ou serviço de confecção de 1 (uma) chave, conforme

Leia mais

Impactes ambientais da mobilidade urbana, interacção transportes usos do solo e políticas dirigidas a estes problemas

Impactes ambientais da mobilidade urbana, interacção transportes usos do solo e políticas dirigidas a estes problemas Impactes ambientais da mobilidade urbana, interacção transportes usos do solo e políticas dirigidas a estes problemas João de Abreu e Silva Instituto Superior Técnico CESUR Principais Problemas da Mobilidade

Leia mais

PROJETO SISTEMA DE PREVENÇÃO, CONTROLE E ATENDIMENTO EMERGENCIAL EM ACIDENTES COM PRODUTOS PERIGOSOS NA RODOVIA BR 101 TRECHO SUL SC

PROJETO SISTEMA DE PREVENÇÃO, CONTROLE E ATENDIMENTO EMERGENCIAL EM ACIDENTES COM PRODUTOS PERIGOSOS NA RODOVIA BR 101 TRECHO SUL SC PROJETO SISTEMA DE PREVENÇÃO, CONTROLE E ATENDIMENTO EMERGENCIAL EM ACIDENTES COM PRODUTOS PERIGOSOS NA RODOVIA BR 101 TRECHO SUL SC INTRODUÇÃO O Projeto foi assinado em novembro de 2010, é fruto de um

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

Principais critérios que influenciam na determinação dos coeficientes da capacidade ferroviária

Principais critérios que influenciam na determinação dos coeficientes da capacidade ferroviária Principais critérios que influenciam na determinação dos coeficientes da capacidade ferroviária OBJETIVO Este artigo tem como objetivo apresentar uma metodologia para o cálculo da capacidade de um trecho

Leia mais

Tempo de espera na Urgência e Emergência

Tempo de espera na Urgência e Emergência Tempo de espera na Urgência e Emergência V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-ACE-02 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição

Leia mais

Aplicação do Controle Estatístico Multivariado no Processo de Extrusão de Tubos de PVC.

Aplicação do Controle Estatístico Multivariado no Processo de Extrusão de Tubos de PVC. Aplicação do Controle Estatístico Multivariado no Processo de Extrusão de Tubos de PVC. Ítalo L. Fernandes, Lidiane J. Michelini, Danilo M. Santos & Emerson Wruck Universidade Estadual de Goiás UEG, CEP

Leia mais

2- Disparo de alarme com evolução de setor e com o alarme armado...07. 2.2- Disparo seguido de desarme ou arme em seguida...08

2- Disparo de alarme com evolução de setor e com o alarme armado...07. 2.2- Disparo seguido de desarme ou arme em seguida...08 Caro Cliente: Olá estes procedimentos de atendimento de alarmes foram elaborados, supervisionados, atualizados e informados aos usuários, conforme o avanço tecnológico e as necessidades na área do monitoramento.

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE QUALITY MANAGEMENT PLAN Preparado por Mara Lúcia Menezes Membro do Time Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 15/11/2010

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO O Plano de Segurança é um documento que sistematiza um conjunto de normas e regras, enquadradas nas modalidades de segurança ativa e passiva e destinadas a minimizar os

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.9 Especificações do Sistema de Monitoramento da Frota PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 OBJETIVOS... 2 2 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA... 2 2.1 Aquisição de Dados Monitorados do Veículo...

Leia mais

MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS AO GERENCIAMENTO DA MANUTENÇÃO DO SOFTWARE DO SISTEMA DE CONTROLE E SUPERVISÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DA CHESF - SCS

MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS AO GERENCIAMENTO DA MANUTENÇÃO DO SOFTWARE DO SISTEMA DE CONTROLE E SUPERVISÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DA CHESF - SCS MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS AO GERENCIAMENTO DA MANUTENÇÃO DO SOFTWARE DO SISTEMA DE CONTROLE E SUPERVISÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DA CHESF - SCS T016E013 Abstract This work proposes the application of

Leia mais

MODELOS PARA O DIMENSIONAMENTO E ALOCAÇÃO DINÂMICA DE VEÍCULOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS COMPLETAS ENTRE TERMINAIS

MODELOS PARA O DIMENSIONAMENTO E ALOCAÇÃO DINÂMICA DE VEÍCULOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS COMPLETAS ENTRE TERMINAIS MODELOS PARA O DIMENSIONAMENTO E ALOCAÇÃO DINÂMICA DE VEÍCULOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS COMPLETAS ENTRE TERMINAIS Rejane Arinos Vasco (UFSCar) rejanearinos@uol.com.br Reinaldo Morabito Neto (UFSCar)

Leia mais

SP 09/95 NT 193/95. Subsídios para Legislação de Trânsito sobre Veículos de Emergência. Arqº Luis Fernando C. Figueiredo. 1.

SP 09/95 NT 193/95. Subsídios para Legislação de Trânsito sobre Veículos de Emergência. Arqº Luis Fernando C. Figueiredo. 1. SP 09/95 NT 193/95 Subsídios para Legislação de Trânsito sobre Veículos de Emergência Arqº Luis Fernando C. Figueiredo 1. Introdução Apresentam-se neste artigo as disposições referentes aos veículos policiais,

Leia mais

LINHA DO TEMPO DA CONCESSÃO

LINHA DO TEMPO DA CONCESSÃO LINHA DO TEMPO DA CONCESSÃO Abril/14 Julho/14 Agosto/14 Outubro/14 Dezembro/14 Abril/15 Via 040 assume a BR-040 Início dos trabalhos de conservação e manutenção, realizados de forma contínua desde então.

Leia mais

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 7, No. 1 (2006), 91-100. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos

Leia mais

Capítulo 5: Escalonamento da CPU

Capítulo 5: Escalonamento da CPU Capítulo 5: Escalonamento da CPU SUMÁRIO: Conceitos básicos Critérios de escalonamento Algoritmos de escalonamento Escalonamento multi-processador Escalonamento em tempo real 5.1 Conceitos básicos Objectivo

Leia mais

A DETERMINAÇÃO DE RISCO POR MEIO DE MATRIZ QUALITATIVA: ADAPTAÇÃO PARA APLICAÇÃO EM ESCALA MUNICIPAL

A DETERMINAÇÃO DE RISCO POR MEIO DE MATRIZ QUALITATIVA: ADAPTAÇÃO PARA APLICAÇÃO EM ESCALA MUNICIPAL A DETERMINAÇÃO DE RISCO POR MEIO DE MATRIZ QUALITATIVA: ADAPTAÇÃO PARA APLICAÇÃO EM ESCALA MUNICIPAL BRUNO ZUCHERATO 1 LÚCIO CUNHA 2 MARIA ISABEL CASTREGHINI DE FREITAS 3 Resumo: O estudo proposto por

Leia mais

Aquisição de Equipamentos Necessários para o Patrulhamento das Rodovias e Estradas Federais

Aquisição de Equipamentos Necessários para o Patrulhamento das Rodovias e Estradas Federais Secretaria de Orçamento Programa 0663 SEGURANÇA NAS RODOVIAS FEDERAIS Objetivo Reduzir a incidência de acidentes de trânsito nas rodovias federais. Público Alvo Usuários das rodovias federais Ações Orçamentárias

Leia mais