Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço"

Transcrição

1 4 Matemática Alexader dos Satos Dutra Igrid Regia Pellii Valeço Professor

2 SUMÁRIO Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de 998. Módulo 0 Progressão aritmérica Sequêcias uméricas Progressão aritmética (PA) Agora é a sua vez De olho o vestibular Módulo Progressão geométrica Classificação de uma PG Termo geral de uma PG Iterpolação geométrica Soma dos termos de uma PG fiita Soma dos termos de uma PG ifiita Agora é a sua vez De olho o vestibular Módulo Geometria plaa Polígoos Circuferêcia Circuferêcia iscrita e circuscrita a polígoos regulares Áreas de figuras plaas Agora é a sua vez De olho o vestibular Referêcias bibliográficas Nome:

3 módulo 0 Progressão aritmética Ao observar os fatos do dia a dia, é possível descobrir padrões uméricos em várias situações: a umeração das casas de uma rua de um lado, os úmeros pares, e do outro, os ímpares; as fases da Lua; as estações do ao; as eleições presideciais; a Copa do Mudo; as Olimpíadas. Esses padrões se chamam sequêcias quado obedecem a uma determiada ordem. obedecer a uma ordem; porém, a sequêcia meses do ao, obrigatoriamete, precisa estar em ordem. Assim, uma sequêcia ou sucessão, os elemetos são dispostos em ordem, separados por vírgula ou poto e vírgula e etre parêteses. A sequêcia meses do ao será: A (jaeiro, fevereiro, março, abril,..., ovembro, dezembro) Sequêcia ou sucessão umérica: qualquer co juto de úmeros dispostos ordeadamete. De modo geral, é represetada como A (a, a, a, a 4, a 5,..., a,...), em que a é o primeiro termo, a é o segudo termo, a é o terceiro e assim por diate. O a é o eésimo termo (ou elemeto), também cohecido como termo geral da sequêcia.. Sequêcias uméricas Os meses do ao podem ser escritos como um cojuto: A {março, jaeiro, dezembro,...}, sem ecessariamete Exercícios resolvidos. Escreva os cico primeiros termos da sequêcia defiida pela lei a, com N*. Para, tem-se: a Para, tem-se: a 0 Para, tem-se: a Para 4, tem-se: a 4 4 Para 5, tem-se: a 5 5 Portato, os cico primeiros termos da sequêcia são:, 0,, e. Escreva a sequêcia dada por a e a a +, com N e >. Para, já se sabe que a Se, etão: a a Se, etão: a a + a Se 4, etão: a 4 a 4 + a , e assim por diate. Logo, a sequêcia é: (,, 4, 7,...) Essa é uma sequêcia fiita. Os úmeros primos formam uma sequêcia umérica. A sucessão desses úmeros pode ser represetada da seguite forma: P (,, 5, 7,,,...) Essa é uma sequêcia ifiita. Para algumas sequêcias, existe uma lei de formação pela qual pode-se ecotrar qualquer um de seus elemetos, quado cohecida sua posição.. Escreva a sequêcia dada por a a e a a + a, com N e >. Sabe-se que a a Para : a a + a + a + Para 4: a 4 a 4 + a 4 a + a + Para 5: a 5 a 5 + a 5 a 4 + a + 5 Para 6: a 6 a 6 + a 6 a 5 + a Assim, a sequêcia é: (,,,, 5, 8,...) A partir do terceiro elemeto, cada termo é igual à soma dos dois ateriores, ou seja, o termo a 7 é a soma dos dois ateriores (5 + 8 ) e assim sucessivamete. Essa sequêcia é cohecida como sequêcia de Fiboacci. Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de 998.

4 Saiba mais Sequêcia de Fiboacci módulo 0 Fiboacci, que sigifica filho de Boaccio, foi um grade matemático da Idade Média, cujo ome era Leoardo de Pisa. Ele viveu os aos 00 e publicou o Liber abaci ( livro do cálculo ), o qual propôs o seguite problema: Um casal de coelhos tora-se produtivo depois de dois meses de vida. A partir de etão, produz um ovo casal a cada mês. Começado com um úico casal de coelhos recém-ascidos, quatos casais haverá o fim de dois aos? Para solucioar o problema proposto por Fiboacci, observe o diagrama a seguir. úmero de casais para f : * tal que f ( ) f ( ) + f ( ) para > Usado essa fução, obtém-se: f() f() f() f() + f() + f(4) f() + f() + f(5) f() + f(4) + 5 f(6) f(4) + f(5) f(7) f(5) + f(6) f(8) f(6) + f(7) 8 + f(9) f(7) + f(8) f() () Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de PROGRESSÃO ARITMÉTICA (PA) De forma semelhate a Fiboacci, vamos resolver o seguite problema: costruir triâgulos utilizado caudihos de refrigerate. Bruo del Rey/ Coexão Editorial Para esse resultado é dado o ome de sequêcia de Fiboacci, que pode ser defiida por meio da fução: 5 Dessa forma, chega-se à seguite sequêcia: (,,,, 5, 8,,, 4,...), que represeta a quatidade de casais de coelhos ao logo dos meses. Ao térmio de dois aos haverá coelhos. Essa sequêcia tem aplicações a atureza, em aálises do mercado fiaceiro e em computação, sedo muito útil em diversas áreas. elemeto aterior. A esse úmero, que se soma para obter um ovo elemeto da sequêcia, dá-se o ome de razão, e esse tipo de sequêcia é chamada de progressão aritmética (PA). Progressão aritmética: toda sequêcia em que, a partir do segudo termo, cada termo é obtido somado-se uma costate (um úmero fixo) ao elemeto aterior. Essa costate é chamada de razão da PA, represetada pela letra r (r ). Utilizado caudihos, é possível formar quatos triâgulos? A quatidade de caudihos usada para costruir mais um triâgulo forma a seguite sequêcia: (, 5, 7, 9,...). Portato, são ecessários ovos caudos para obter mais um triâgulo. O ovo elemeto da sequêcia pode ser obtido assim: O diagrama acima ressalta o fato de que cada ovo elemeto é obtido com a soma de um fator (o caso, ) ao Retorado ao problema origial, a sequêcia com a quatidade de caudos a costrução dos triâgulos fica assim: (, 5, 7, 9,,, 5, 7, 9,,,...). Nessa sequêcia, o úmero é o o elemeto. Isso sigifica que, com caudihos, é possível formar triâgulos. Ao resolver problemas dessa atureza, é importate associar a posição do elemeto da progressão ao seu valor. Para isso, adota-se a seguite otação: PA (a, a, a, a 4,..., a, a,...). Nesse caso, a é o primeiro termo, a é o segudo termo, e assim sucessivamete. Também é importate cohecer a razão da PA. Para isso, ota-se, o exemplo aterior, que:

5 módulo 0 Etão: a + ( ) r Horia Varla / Flickr Classificação da PA r a a a a... a a ou r a a Uma PA pode ser classificada como: crescete: quado a razão é positiva ( r > 0). Exemplo: a sequêcia (, 8, 4, 0,...) é uma progressão aritmética crescete de razão r 6. decrescete: quado a razão é egativa ( r < 0). Exemplo: a sequêcia (, 9, 6,, 0, ) é uma progressão aritmética decrescete de razão r. estacioária: quado a razão é ula ( r 0). Exemplo: a sequêcia (,,,,,,,...) é uma progressão costate ou estacioária. Fórmula do termo geral Supõe-se que seja calculado quatos caudos são ecessários para costruir 00 triâgulos usado o mesmo método já apresetado. Nesse caso, usa-se uma maeira mais eficiete do que ficar somado até achar o termo desejado. Desse modo, recostrói-se a sequêcia do exemplo, desta vez assim: Em que: a termogeral ou oeésimo termo a primeirotermo úmero de termos da PA r razãoda PA Para resolver esse problema, calcula-se o cetésimo elemeto (a 00 ) da PA, em que a e r, ou seja: a 00 + (00 ) r a Portato, serão ecessários 0 caudihos para costruir 00 triâgulos. Pode-se eteder a razão do ome progressão aritmética observado, através de um exemplo, uma de suas propriedades: (, 8, 4, 0, 6) Qualquer termo cetral de uma PA pode ser escrito como a média aritmética etre o termo aterior e o termo posterior, ou seja: a+ a a a a a a a ,,... a Uma PA pode também ser etedida como uma fução em que a variável é composta por úmeros aturais positivos. No exemplo usado até aqui, a PA (, 5, 7, 9,...) pode ser escrita como uma fução: f : N* R tal que f(x) (x ) + ou f(x) x + Dessa forma, a razão correspode ao coeficiete agular (). Essa sequêcia pode ser represetada de forma gráfica por: f Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de a a + 5 a a a a a + r + ( ) r Ao obter um ovo termo da PA (a ), o úmero de vezes que é somada a razão ao primeiro termo (a ) é sempre a meos ( ) que a sua posição (). Portato, uma expressão para o termo geral de uma PA é: x

6 Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de 998. Exercícios resolvidos. Determie x de modo que (x, x +, x + 9) seja uma PA. x + x+ 9 x + 4x + 8 x + 6 x x S { }. Dada a PA (, 4, 7, 0,,...), escreva o seu termo geral e o 0 - termo dessa progressão. a termogeral a a a + ( ) r 4 a + ( ) + a Para 0, tem-se a 0 (0) a 0 8. Calcule o úmero de termos da PA ( 4,,,...,8). a 8 a 4 a a + ( ) r ( 4) 8 4+ ( ) Numa PA, tem-se a 6 8 e a Obteha a razão dessa sequêcia. Observe que, pelo termo geral: a a k + ( k)r Etão: a 0 + (0 )r + 9r a + 8r a + 7r... Assim: a a k + ( k)r a 0 a 6 + 4r r 4r 54 8 r 9 5. Ecotre o úmero de múltiplos de 5 compreedidos etre e 6., 5,..., 60, 6 a a a + ( ) Numa PA crescete, a + a 6 0 e a 4 + a 9 5. Escreva a PA correspodete. Cosiderado-se a + r; a 6 + 5r; a 4 +r; a 9 + 8r, escreve-se os termos em fução de a e r: a + a6 0 ( a+ r) + ( a+ 5r) a + 6r 0 a4 + a9 5 (a+ r) + ( a+ 8r) a + r 5 Resolvedo-se o sistema: a + 6r 0 a 6r 0 r e a a + r 5 a + r 5 Logo, a PA será: (, 4, 7, 0,, 6, 9,, 5, 8,,...) módulo 0 Iterpolação aritmética Iterpolar é o mesmo que iserir esse caso, iserir úmeros reais etre dois úmeros cohecidos, formado uma progressão aritmética. Para eteder a ideia, cosidere o seguite problema: radar 5 radares radar rodovia Ferado Lima km 5????? km 7 a a a a 4 a 5 a 6 a 7 5

7 módulo 0 Um departameto de trâsito deseja distribuir 5 sesores de velocidade uma rodovia estadual, etre os quilômetros 5 e 7, ode já existem radares fixos istalados. Em que potos da rodovia esses equipametos devem ser istalados de forma que a distâcia etre eles seja igual? Distribuir 5 ovos radares equidistates etre os quilômetros 5 e 7 equivale a iserir 5 meios aritméticos etre 5 e 7, ou seja: 5,,,,,, 7 a a 7 7 Assim: a 7 + 6r r 6r 8 r Exercícios resolvidos Cohecedo-se o primeiro termo (5 km) e a razão ou distâcia etre os radares ( km), é possível descobrir a sequêcia com a posição dos demais radares: (5, 58, 8, 04, 7, 50, 7) Matematicamete, 5 meios aritméticos foram iterpolados etre 5 e 7. Soma e produto de termos cosecutivos de uma PA Existem algumas situações em que é útil represetar uma PA de forma alterativa: PA de termos (x r, x, x + r) PA de 4 termos (x r, x r, x + r, x + r) PA de 5 termos (x r, x r, x, x + r, x + r). Ecotre três úmeros em PA crescete, sabedo que a soma é 5 e o produto é 05. a ( x r) a x a ( x+ r) Assim, os termos da PA são: ( x r) + x+ ( x+ r) 5 (soma dos termos) ( x r) + x+ x+ r 5 x 5 x 5 ( x r) x ( x+ r) 05 (produto dostermos) ( 5 r) 5 ( 5+ r) 05 5 r r ± Como a PA é crescete, etão r e x 5. Curiosidades a 5 Assim: a 5 a 5+ 7 PA (, 5, 7). Iterpole ou isira sete meios aritméticos etre e 4. Para ecotrar o segudo até o oitavo termos, é ecessário achar a razão da PA.,,,,,,,, 4 a a 9 9 a + ( )r a 9 + 8r 4 + 8r 8r r 4 PA (, 6, 0, 4, 8,, 6, 0, 4) Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de 998. Carl Friedrich Gauss ( ) era filho de um jardieiro muito simples que ão via utilidade os estudos. Apesar disso, sua geialidade foi logo percebida por sua mãe e seu tio (Friedrich). Cota-se que seu professor, Buter, solicitou que os aluos efetuassem a soma Assim, talvez pudesse deixá-los ocupados e em silêcio por um tempo. Em pouquíssimo tempo Gauss, a época com 0 aos, solucioou o problema, ecotrado como resposta. O professor achou que era bricadeira e pediu que ele mostrasse o que havia feito. Gauss foi até a lousa e escreveu a soma duas vezes, uma vez a ordem crescete e outra a ordem decrescete, e apresetou o seguite raciocíio: Vikki Hase/SXC S S S Como são 00 úmeros e o resultado dos termos das duas somas foi sempre igual, ele cocluiu: 0 00 S 0 00 S O professor ficou tão abismado com a ideia do garoto que lhe comprou uma coleção de aritmética e o ecamihou a outro professor, que julgava ser mais habilidoso com os úmeros. Apesar de ão ser tão habilidoso com a Matemática, esse velho mestre recoheceu a geialidade de seu aluo e deu o impulso ecessário ao seu crescimeto. Gauss se torou um dos mais brilhates matemáticos do século XIX. 6

8 Soma dos termos de uma PA fiita Em toda PA fiita, a soma de dois termos equidistates é igual à soma do primeiro e último termo. Veja o exemplo a seguir: Ou seja: a + a a + a a + a... + p + a p Com isso, repete-se o raciocíio de Gauss cosiderado uma PA qualquer. Para isso, chama-se de S a soma dos primeiros termos dessa progressão. Assim: S + a + a a + a + a S a + a + a a + a + a Etão, somado as duas lihas: S (a + a ) + (a + a ) + (a + a ) (a + a ) + (a + a ) + (a + a ) Usado a propriedade aterior: S (a + a ) + (a + a ) + (a + a ) (a + a ) + (a + a ) + (a + a ) módulo 0 O argumeto usado por Gauss serve para aplicar a soma de termos de uma progressão aritmética fiita qualquer. Pode-se eteder a razão matemática por raciocíio, verificado uma importate propriedade das progressões aritméticas. Exercícios resolvidos Como há fatores iguais somados: S ( a + a ) Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de Qual é a soma dos 40 primeiros termos da PA (, 8,...)? ( a + a ) S a a40 a + 9r S40 ( a+ a40 ) 40 S40 ( + 6) 0 S Sedo a PA (,,, 4,...), ecotre a soma dos primeiros termos dessa PA. ( a + a ) S a a x x 5 a + ( ) 6 x S 80 x + 5 ( + x) 6 x ( + x) 6 x 6 x + 6x 55 0 x 55 Como a PA é crescete, etão: x 55 S {55} 4. A soma dos primeiros termos de uma PA é dada por S. ( a + a ) S a a + ( ) S ( S + ) S + a) Calcule a soma dos 4 primeiros termos dessa PA. b) Determie a 5. a) 4 S 4 (4) 6 b) a 5 S 5 S 4 [ 5 4 ] Calcule a soma * k k. Sabedo que o primeiro termo da equação x 80 forma uma PA, ecotre a solução da equação. 6 ( + 6 ) 6 k S 6 ( + 48) k * Utilizado para represetar soma. Assim: k 6 k 7

9 módulo 0 Agora é a sua vez. Ecotre os seis primeiros termos da sequêcia, cujo termo geral é a +. A sequêcia é (5, 7, 9,,, 5).. Calcule a soma dos quatro primeiros termos da sequêcia defiida por a +. a + 5 a + 7 a + a Soma Escreva as sequêcias defiidas pelos termos gerais a seguir (cosidere N e ). a) a ² (, 4, 9, 6, 5, 6,...) b) a ( ) (, 4, 8, 6,,...) 4. Obteha os cico primeiros termos da sequêcia defiida por, sedo N e. a a+ a+ a a + a + + a + a a 4 + a A sequêcia é (,,, 5, 8). 5. Uma sequêcia tem 6 termos, e sua lei de formação é dada por a 5 4, N*. Calcule a soma dessa sequêcia cosiderado como termos apeas os que são úmeros ímpares. Para, a 5 4 Para, a Para, a 5 4 Para 4, a Para 5, a Para 6, a Para 7, a Para 8, a Para 9, a Para 0, a Para, a A sequêcia é (,,,, 4, 5). Soma A soma dos primeiros termos de uma sequêcia é dada por S +,. Determie o terceiro e o quarto termos dessa sequêcia. a S ()² + a S 4 S [(4)² + 4] [()² + ] 6 5 a 4 S 5 S 4 [(5)² + 5] [(4)² + 4] Qual é o 00 o úmero atural par? PA (0,, 4, 6, 8,...) a00 a a a + 0 ( ) 00 r 0 a 0 + ( 00 ) a Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de

10 8. Um ourives possui 5 barras, e os pesos dessas barras estão em progressão aritmética. A seguda e quarta barras mais pesadas pesam, respectivamete, 50 g e 50 g. Qual a barra mais pesada? a + r 50 a 4 + r 50 a 400 e r 50 A barra mais pesada (a ) pesa 400 g.. Quatos múltiplos de podemos escrever com 4 algarismos? PA ( 00, 005,..., 9 999) a a 00 a a + ( ) r a 00 + ( ) módulo 0 Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de Qual é o 57 o úmero atural ímpar? a a a Escreva o termo geral e determie o 5 - termo da progressão (,, 4,...). a a a a + ( ) r a + ( ) ( ) + a 5 Se 5,etão a ( ) 40 a Determie o 4 - termo da PA ( 4,, 6,...). a4 a a a + 4 ( ) 4 r ( 4) 5 a a + 40 r a Num auditório, a primeira fila tem 7 assetos; a seguda, ; a terceira, 5; e assim sucessivamete. Quatos assetos tem a 4 o fila? PA (7,, 5,..., a 4 ) a a 7 a a + ( ) 4 r 7 4 a 7 + ( 4 ) ( 4) a As raízes da equação x 8x + 0 são o primeiro e o segudo termos de uma PA decrescete. Determie o o termo dessa progressão. As raízes da equação são e 6. Sedo a PA decrescete, etão (6,,...). a a 6 a a + ( ) r 6 4 a 6+ ( ) ( 4) a 8 9

11 módulo 0 5. O cometa Halley pode ser visto aqui da Terra a cada 76 aos. A última vez que isso acoteceu foi em 986. Descubra se o Halley foi visto o ao 000 e, depois do ao 000, quado o cometa fará sua aparição. a 986 a 000 a a + ( ) r ( ) ( 76), 97 N 7. Escreva os dez primeiros termos de uma PA, sabedo que o primeiro termo é 5 e o décimo é 50. a0 50 a a a + 5 ( ) 0 r r 9r 45 r 5 (5, 0, 5, 0, 5, 0, 5, 40, 45, 50) (Como ão é atural, coclui-se que o cometa ão foi visto o ao 000.) a 000 a 986 a a + ( ) r ( ) 76 4, 4 Cosidera-se 5 para descobrir em que ao, após 000, o cometa aparecerá: a a O cometa aparecerá o ao Três úmeros estão em PA, de tal forma que a soma etre eles é 8, e o produto é 66. Calcule os três úmeros. PA (x r, x, x + r) x r+ x+ x+ r 8 x 8 x 6 ( x r) x ( x+ r) 66 (6 r) 6 (6 + r) 66 6 r r 5 r 5 ou r 5 Para x 6 e r 5, temos: (6 5, 6, 6 + 5) (, 6, ) Para x 6 e r 5, temos: [6 ( 5), 6, 6 + ( 5)] (, 6, ) Os úmeros são, 6 e. 8. Iterpole sete meios aritméticos etre e 9. a9 9 a a a + ( ) 9 r 9 + 8r 8r r 4 PA (,, 5, 9,, 7,, 5, 9) 9. A soma de três úmeros em PA crescete é, e a soma dos seus quadrados é 65. Ecotre os três úmeros. PA (x r, x, x + r) x r+ x+ x+ r x x 7 ( x r) + x + ( x+ r) 65 (7 r) (7 + r) r + r r + r 65 r r 9 r ou r Como a PA é crescete, cosidere r e x 7. Assim: PA (7, 7, 7 + ) (4, 7, 0) Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de

12 0. Ecotre três úmeros em PA crescete, sabedo que o seu produto é igual à soma dos três e que o maior vale a soma dos dois meores. PA (x r, x, x + r) ( x r) x ( x+ r) x r+ x+ x+ r x+ r x+ x r x r (r r) r (r + r) r r + r + r + r r r r 6r 6r³ 6r 0 r 0 ( ão covém, pois apaécrescete) 6r( r ) 0 r Se x r e r, etão x. Assim: PA (,, + ) (,, ). Uma equipe decide viajar de balão a uma altura de metros. Sabe-se que o balão sobe 800 metros a primeira hora e, em cada hora seguite, sobe uma altura de 50 metros a meos que a hora aterior. Quatas horas o balão leva para alcaçar a altura escolhida para a viagem? Altura S a 800 r 50 a ( )( 50) S [ ( )] ou 5 (ãoserve) Obalão leva 8horas para alcaçar aaltura escolhida. módulo 0 Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de Determie cico úmeros em PA crescete, sabedo que o produto dos extremos é e a soma dos outros três é. Numa PA de 5 termos, os úmeros são (x r, x r, x, x + r, x + r) Pelo euciado temos: ( x r) ( x+ r) x 4r x r+ x+ x+ r x x 7 Substituido x 7 em x 4r, temos: 7 4r r ± Como apaécrescete, r. Portato,osúmeros são: ( 7 7, 7,, 7+, 7+ ) (, 4, 7, 0, ). Um estudate selecioou 00 exercícios de Matemática. No primeiro dia, ele resolveu somete exercício; o segudo dia, exercícios; o terceiro, 5; e assim por diate, até o fial de todos os exercícios. Quatos dias ele levou para resolver todos os exercícios? PA (,, 5,...) S 00 ( a + a ) S a a + ( ) S 00 ( 00 + ) 00 ± 0 O estudate levou 0 dias para resolver todos os exercícios. 4. Calcule a soma dos 00 úmeros pares positivos e a soma dos 00 úmeros aturais ímpares. Soma dos úmeros pares positivos: S ( + ) + S S Soma dos úmeros ímpares positivos: S ( + ) S S (Eem-MEC) Uma professora realizou uma atividade com os aluos utilizado caudos de refrigerate para motar figuras, em que cada lado foi represetado por um caudo. A quatidade de caudos (C) de cada figura depede da quatidade de quadrados (Q) que formam cada uma. A estrutura de formação das figuras está represetada a seguir. figura figura figura Que expressão forece a quatidade de caudos em fução da quatidade de quadrados de cada figura? a) C 4Q b) C Q + c) C 4Q d) C Q + e) C 4Q

13 módulo 0 Nível (questões, 5, 8, 4, 7, 8) Nível (questões,, 4, 6, 7, 9, 0,,,, 5, 6, 0,,, 4) Nível (questões 9, ) De olho o vestibular. (UEPG-PR) Numa estrada existem dois telefoes istalados o acostameto: um o km e outro o km 48. Etre eles serão colocados mais 6 telefoes, matedo-se etre dois telefoes cosecutivos sempre a mesma distâcia. Nessas codições, assiale o que for correto. (0) A distâcia etre cada telefoe será de 5 km. (0) Haverá um telefoe o km 08. (04) Se um motorista está o km 65, a meor distâcia que ele terá que percorrer para ecotrar um telefoe será de km. (08) No km 7 ão haverá telefoe (PUC-RS) Devido à epidemia de gripe do último ivero, foram suspesos algus cocertos em lugares fechados. Uma alterativa foi realizar espetáculos em lugares abertos, como parques ou praças. Para uma apresetação, precisou-se compor uma plateia com oito filas, de tal forma que a primeira fila houvesse 0 cadeiras; a seguda, 4 cadeiras; a terceira, 8 cadeiras; e assim por diate. O total de cadeiras foi: a) 84 b) 9 c) 68 d) 9 e) 80. (Uicamp-SP) Cosidere a sucessão de figuras apresetada a seguir, em que cada figura é formada por um cojuto de palitos de fósforo. figura figura figura Supoha que essas figuras represetam os três primeiros termos de uma sucessão de figuras que seguem a mesma lei de formação. Nesse caso, o úmero de fósforos ecessários para que seja possível exibir todas as primeiras 50 figuras ao mesmo tempo é igual a: a) 00 c) 000 b) 000 d) (UFF-RJ) Ao se fazer um exame histórico da preseça africaa o desevolvimeto do pesameto matemático, os idícios e os vestígios os remetem à Matemática egípcia, sedo o papiro de Rhid um dos documetos que resgatam essa história. Nesse papiro ecotramos o seguite problema: Divida 00 pães etre 5 homes de modo que as partes recebidas estejam em progressão aritmética e que um sétimo da soma das três partes maiores seja igual à soma das duas meores. Fragmeto do papiro de Rhid. Coube ao homem que recebeu a parte maior da divisão acima a quatidade de: a) 5 b) 55 6 c) 0 pães. pães. d) 65 6 pães. pães. e) 5 pães. 5. (Uicamp-SP) No cetro de um mosaico formado apeas por pequeos ladrilhos, um artista colocou 4 ladrilhos ciza. Em toro dos ladrilhos cetrais, o artista colocou uma camada de ladrilhos bracos, seguida por uma camada de ladrilhos ciza, e assim sucessivamete, alterado camadas de ladrilhos bracos e ciza, como ilustra a figura a seguir, que mostra apeas a parte cetral do mosaico. Observado a figura, pode-se cocluir que a 0 a camada de ladrilhos ciza cotém: a) 76 ladrilhos. b) 56 ladrilhos. c) ladrilhos. d) 48 ladrilhos. a camada ciza a camada braca a camada ciza a camada braca a camada ciza 6. (UEGO) Sabedo que o lado, a diagoal e a área de um quadrado estão em progressão aritmética, calcule a medida do lado do quadrado. ( ) u.c. 7. (UFPE) Nos quilômetros e 9 de uma rodovia estão istalados telefoes de emergêcia. Ao logo da mesma rodovia e etre esses quilômetros, pretede-se istalar 0 outros telefoes de emergêcia. Se os potos adjacetes de istalação dos telefoes estão situados a uma mesma distâcia, qual é essa distâcia, em quilômetros? A distâcia é de 8 km. 8. (Cesgrario-RJ) Leia o texto a seguir: 5, milhões Brasil 4,7 milhões,8 milhões Equato o mudo o úmero de turistas cresce, o Brasil ele dimiui. Essa é uma das coclusões do relatório da Orgaização Mudial de Turismo, divulgado recetemete. Veja, 5 ov. 00. Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de 998.

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA - MATEMÁTICA 01) Em 2006, segudo otícias veiculadas a impresa, a dívida itera brasileira superou um trilhão de reais. Em otas de R$ 50, um trilhão de reais tem massa de 20.000 toeladas. Com base essas

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

COLÉGIO ANCHIETA-BA. ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

COLÉGIO ANCHIETA-BA. ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. (UDESC) A AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA DA UNIDADE I-0 COLÉGIO ANCHIETA-BA ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um professor de matemática, após corrigir

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shie - Colégio Etapa Artigo baseado em aula miistrada a IV Semaa Olímpica, Salvador - BA Nível Iiciate. A Torre de Haói é um dos quebra-cabeças matemáticos mais populares.

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

Matemática Ficha de Trabalho

Matemática Ficha de Trabalho Matemática Ficha de Trabalho Probabilidades 12º ao FT4 Arrajos completos (arrajos com repetição) Na liguagem dos computadores usa-se o código biário que é caracterizado pela utilização de apeas dois algarismos,

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas.

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas. !"$# &%$" ')( * +-,$. /-0 3$4 5 6$7 8:9)$;$< =8:< > Deomiaremos equação diofatia (em homeagem ao matemático grego Diofato de Aleadria) uma equação em úmeros iteiros. Nosso objetivo será estudar dois tipos

Leia mais

INTERPOLAÇÃO. Interpolação

INTERPOLAÇÃO. Interpolação INTERPOLAÇÃO Profa. Luciaa Motera motera@facom.ufms.br Faculdade de Computação Facom/UFMS Métodos Numéricos Iterpolação Defiição Aplicações Iterpolação Liear Equação da reta Estudo do erro Iterpolação

Leia mais

Computação Científica - Departamento de Informática Folha Prática 1

Computação Científica - Departamento de Informática Folha Prática 1 1. Costrua os algoritmos para resolver os problemas que se seguem e determie as respetivas ordes de complexidade. a) Elaborar um algoritmo para determiar o maior elemeto em cada liha de uma matriz A de

Leia mais

Exercício 1. Quantos bytes (8 bits) existem de modo que ele contenha exatamente quatro 1 s? Exercício 2. Verifique que

Exercício 1. Quantos bytes (8 bits) existem de modo que ele contenha exatamente quatro 1 s? Exercício 2. Verifique que LISTA INCRÍVEL DE MATEMÁTICA DISCRETA II DANIEL SMANIA 1 Amostras, seleções, permutações e combiações Exercício 1 Quatos bytes (8 bits) existem de modo que ele coteha exatamete quatro 1 s? Exercício 2

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA

DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO Ferado Mori DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA E PROPORÇÃO ESTATISTICA AVANÇADA Resumo [Atraia o leitor com um resumo evolvete, em geral, uma rápida visão geral do

Leia mais

Resposta: L π 4 L π 8

Resposta: L π 4 L π 8 . A figura a seguir ilustra as três primeiras etapas da divisão de um quadrado de lado L em quadrados meores, com um círculo iscrito em cada um deles. Sabedo-se que o úmero de círculos em cada etapa cresce

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo?

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo? AMOSTRAGEM metodologia de estudar as populações por meio de amostras Amostragem ou Ceso? Por que fazer amostragem? população ifiita dimiuir custo aumetar velocidade a caracterização aumetar a represetatividade

Leia mais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais Estatística II Atoio Roque Aula Testes de Hipóteses para a Difereça Etre Duas Médias Populacioais Vamos cosiderar o seguite problema: Um pesquisador está estudado o efeito da deficiêcia de vitamia E sobre

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

COMPOSIÇÕES DE FUNÇÕES GERATRIZES E A FÓRMULA EXPONENCIAL

COMPOSIÇÕES DE FUNÇÕES GERATRIZES E A FÓRMULA EXPONENCIAL COMPOSIÇÕES DE FUNÇÕES GERATRIZES E A FÓRMULA EXPONENCIAL Grade parte do poder de fuções geratrizes vêm de composição delas! Observação. Sejam F (x) = 0 G(x) = 0 f x g x duas séries formais. A composição

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2 Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciêcia da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2. (2,0): Resolva a seguite relação de recorrêcia. T() = T( ) + 3 T() = 3 Pelo método iterativo progressivo.

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan Aula - POT - Teoria dos Números - Nível III - Pricípios Fabio E. Brochero Martiez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldaha Eduardo Tega de Julho de 01 Pricípios Nesta aula apresetaremos algus

Leia mais

1- REFRAÇÃO LUMINOSA é a variação de velocidade da luz devido à mudança do meio de propagação. refração do meio em que o raio se encontra.

1- REFRAÇÃO LUMINOSA é a variação de velocidade da luz devido à mudança do meio de propagação. refração do meio em que o raio se encontra. REFRAÇÃO - LENTES - REFRAÇÃO LUMINOSA é a variação de velocidade da luz devido à mudaça do meio de propagação. - Ídice de refração absoluto: é uma relação etre a velocidade da luz em um determiado meio

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO 37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 Esio Médio) GABARITO GABARITO NÍVEL 3 ) B ) A ) B ) D ) C ) B 7) C ) C 7) B ) C 3) D 8) E 3) A 8) E 3) A ) C 9) B ) B 9) B ) C ) E 0) D ) A

Leia mais

Sequências, PA e PG material teórico

Sequências, PA e PG material teórico Sequêcias, PA e PG material teórico 1 SEQUÊNCIA ou SUCESSÃO: é todo cojuto ode cosideramos os seus elemetos colocados, ou dispostos, uma certa ordem. Cosiderado a sequêcia (; 3; 5; 7;...), dizemos que:

Leia mais

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia.

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia. Resolução -Vestibular Isper 0- Aálise Quatitativa e Lógica Por profa. Maria Atôia Coceição Gouveia.. A fila para etrar em uma balada é ecerrada às h e, quem chega exatamete esse horário, somete cosegue

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA 5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA Itegrar umericamete uma fução y f() um dado itervalo [a, b] é itegrar um poliômio P () que aproime f() o dado itervalo. Em particular, se y f()

Leia mais

Solução de Equações Diferenciais Ordinárias Usando Métodos Numéricos

Solução de Equações Diferenciais Ordinárias Usando Métodos Numéricos DELC - Departameto de Eletrôica e Computação ELC 0 Estudo de Casos em Egeharia Elétrica Solução de Equações Difereciais Ordiárias Usado Métodos Numéricos Versão 0. Giovai Baratto Fevereiro de 007 Ídice

Leia mais

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger Tópicos de Mecâica Quâtica I Equações de Newto e de Hamilto versus Equações de Schrödiger Ferado Ferades Cetro de Ciêcias Moleculares e Materiais, DQBFCUL Notas para as aulas de Química-Física II, 010/11

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente;

2.1 Dê exemplo de uma seqüência fa n g ; não constante, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamente crescente; 2.1 Dê exemplo de uma seqüêcia fa g ; ão costate, para ilustrar cada situação abaixo: (a) limitada e estritamete crescete; (b) limitada e estritamete decrescete; (c) limitada e ão moótoa; (d) ão limitada

Leia mais

Equações Diferenciais (ED) Resumo

Equações Diferenciais (ED) Resumo Equações Difereciais (ED) Resumo Equações Difereciais é uma equação que evolve derivadas(diferecial) Por eemplo: dy ) 5 ( y: variável depedete, : variável idepedete) d y dy ) 3 0 y ( y: variável depedete,

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n PUCRS Faculdade de Matemática Equações Difereciais - Prof. Eliete Equações Difereciais Lieares de Ordem Cosideremos a equação diferecial ordiária liear de ordem escrita a forma 1 d y d y dy L( y( x ))

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2012 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2012 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP-FASE PROFA MARIA ANTÔNIA C GOUVEIA O velocíetro é u istrueto que idica a velocidade de u veículo A figura abaio ostra o velocíetro de u carro que

Leia mais

MAE 116 - Noções de Estatística Grupo A - 1 o semestre de 2014 Lista de exercício 8 - Aula 8 - Estimação para p - CASA

MAE 116 - Noções de Estatística Grupo A - 1 o semestre de 2014 Lista de exercício 8 - Aula 8 - Estimação para p - CASA MAE 116 - Noções de Estatística Grupo A - 1 o semestre de 2014 Lista de exercício 8 - Aula 8 - Estimação para p - CASA 1. (2,5) Um provedor de acesso à iteret está moitorado a duração do tempo das coexões

Leia mais

7. ANÁLISE COMBINATÓRIA Professor Fernando Vargas. n 1 Cuidado

7. ANÁLISE COMBINATÓRIA Professor Fernando Vargas. n 1 Cuidado 7. ANÁLISE COMBINATÓRIA Professor Ferado Vargas É a área da Matemática que trata dos problemas de cotagem. Estuda problemas que evolvem o cálculo do úmero de agrupametos que podem ser feitos com os elemetos

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x.

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x. 4. EQUAÇÕES DIFERENCIAIS 4.: Defiição e coceitos básicos Defiição.: Uma equação diferecial ordiária é uma dy d y equação da forma f,,,, y = 0 ou d d ( ) f (, y, y,, y ) = 0, evolvedo uma fução icógita

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

CPV seu Pé Direito no INSPER

CPV seu Pé Direito no INSPER CPV seu Pé Direito o INSPE INSPE esolvida /ovembro/0 Prova A (Marrom) MATEMÁTICA 7. Cosidere o quadrilátero coveo ABCD mostrado a figura, em que AB = cm, AD = cm e m(^a) = 90º. 8. No plao cartesiao da

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

n IN*. Determine o valor de a

n IN*. Determine o valor de a Progressões Aritméticas Itrodução Chama-se seqüêcia ou sucessão umérica, a qualquer cojuto ordeado de úmeros reais ou complexos. Exemplo: A=(3, 5, 7, 9,,..., 35). Uma seqüêcia pode ser fiita ou ifiita.

Leia mais

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II Física Aplicada à Egeharia Civil MOMENTOS DE NÉRCA Neste capítulo pretede-se itroduzir o coceito de mometo de iércia, em especial quado aplicado para o caso de superfícies plaas. Este documeto, costitui

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

de uma PA é justamente o valor da DIFERENÇA entre qualquer termo e o anterior.

de uma PA é justamente o valor da DIFERENÇA entre qualquer termo e o anterior. 0. PROGRESSÃO ARITMÉTICA: É toda sequêcia em que é SEMPRE costate a DIFERENÇA etre um termo qualquer da sequêcia (a partir do segudo, claro!) e seu aterior, logo dada a sequêcia a a a a a a R. A razão

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Biofísica UNIVERSIDADE DA MADEIRA P9:Lei de Sell. Objetivos Verificar o deslocameto lateral de um feixe de luz LASER uma lâmia de faces paralelas. Verificação do âgulo critico e reflexão total. Determiação

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

CONTEÚDO. XIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 2 Problemas e Soluções da Primeira Fase

CONTEÚDO. XIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 2 Problemas e Soluções da Primeira Fase CONTEÚDO XIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA Problemas e Soluções da Primeira Fase XIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 4 Problemas e Soluções da Seguda Fase XIV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br

Disciplina: Séries e Equações Diferenciais Ordinárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Disciplia: Séries e Equações Difereciais Ordiárias Prof Dr Marivaldo P Matos Curso de Matemática UFPBVIRTUAL matos@mat.ufpb.br Ambiete Virtual de Apredizagem: Moodle (www.ead.ufpb.br) Site do Curso: www.mat.ufpb.br/ead

Leia mais

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,...

Sucessão ou Sequência. Sucessão ou seqüência é todo conjunto que consideramos os elementos dispostos em certa ordem. janeiro,fevereiro,... Curso Metor www.cursometor.wordpress.com Sucessão ou Sequêcia Defiição Sucessão ou seqüêcia é todo cojuto que cosideramos os elemetos dispostos em certa ordem. jaeiro,fevereiro,...,dezembro Exemplo : Exemplo

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

Matemática e suas Tecnologias Matemática Alexmay Soares, Cleiton Albuquerque, Fabrício Maia, João Mendes e Thiago Pacífico

Matemática e suas Tecnologias Matemática Alexmay Soares, Cleiton Albuquerque, Fabrício Maia, João Mendes e Thiago Pacífico Uiversidade Aberta do Nordeste e Esio a Distâcia são marcas registradas da Fudação Demócrito Rocha. É proibida a duplicação ou reprodução deste fascículo. Cópia ão autorizada é Crime. Matemática e suas

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I 00 MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I TEXTO DE APOIO MARIA ALICE FILIPE ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS ALGUNS CONCEITOS SOBRE SÉRIES6 NOTAS PRÉVIAS As otas seguites referem-se ao maual adoptado: Cálculo, Vol I James

Leia mais

Cálculo das Probabilidades e Estatística I. Departamento de Estatistica

Cálculo das Probabilidades e Estatística I. Departamento de Estatistica Cálculo das Probabilidades e Estatística I Departameto de Estatistica Versão - 2013 Sumário 1 Itrodução à Estatística 1 1.1 Coceitos básicos de amostragem..................................... 2 1.1.1

Leia mais

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A Questão Em uma pesquisa, foram cosultados 00 cosumidores sobre sua satisfação em relação a uma certa marca de sabão em pó. Cada cosumidor deu uma ota de 0 a 0 para o produto, e a média fial das otas foi

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde?

Até que tamanho podemos brincar de esconde-esconde? Até que tamaho podemos bricar de escode-escode? Carlos Shie Sejam K e L dois subcojutos covexos e compactos de R. Supoha que K sempre cosiga se escoder atrás de L. Em termos mais precisos, para todo vetor

Leia mais

Demonstrações especiais

Demonstrações especiais Os fudametos da Física Volume 3 Meu Demostrações especiais a ) RLAÇÃO NTR próx. e sup. osidere um codutor eletrizado e em equilíbrio eletrostático. Seja P sup. um poto da superfície e P próx. um poto extero

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

Em linguagem algébrica, podemos escrever que, se a sequência (a 1, a 2, a 3,..., a n,...) é uma Progres-

Em linguagem algébrica, podemos escrever que, se a sequência (a 1, a 2, a 3,..., a n,...) é uma Progres- MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO MÓDULO DE REFORÇO - EAD PROGRESSÕES Progressão Geométrica I) PROGRESSÃO GEOMÉTRICA (P.G.) Progressão Geométrica é uma sequêcia de elemetos (a, a 2, a 3,..., a,...) tais que, a partir

Leia mais

AULA: Inferência Estatística

AULA: Inferência Estatística AULA: Iferêcia Estatística stica Prof. Víctor Hugo Lachos Dávila Iferêcia Estatística Iferêcia Estatística é um cojuto de técicas que objetiva estudar uma oulação através de evidêcias forecidas or uma

Leia mais

Equação Diferencial. Uma equação diferencial é uma expressão que relaciona uma função desconhecida (incógnita) y com suas derivadas.

Equação Diferencial. Uma equação diferencial é uma expressão que relaciona uma função desconhecida (incógnita) y com suas derivadas. Equação Difereial Uma equação difereial é uma epressão que relaioa uma fução desoheida (iógita) om suas derivadas É útil lassifiar os diferetes tipos de equações para um desevolvimeto sistemátio da Teoria

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais