CHAMADA N O 016/2013 PROJETO ESTRATÉGICO: SISTEMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CHAMADA N O 016/2013 PROJETO ESTRATÉGICO: SISTEMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA"

Transcrição

1 Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 016/2013 PROJETO ESTRATÉGICO: SISTEMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA Brasília, DF Janeiro de 2013

2 Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Diretor-Geral Nelson José Hübner Moreira Diretores Edvaldo Alves de Santana Julião Silveira Coelho Romeu Donizete Rufino André Pepitone da Nóbrega Superintendente de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética Máximo Luiz Pompermayer Superintendente de Regulação dos Serviços de Distribuição Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendente de Fiscalização dos Serviços de Eletricidade José Moisés Machado da Silva Equipe Técnica Aurélio Calheiros de Melo Júnior Jayme Milanezi Júnior Rafael dos Santos Gonçalves Thelma Maria Melo Pinheiro Celia Inês Fuchs Leonardo Mendonça Oliveira de Queiroz Renato Eduardo Farias de Sousa Wesley Fernando Usida

3 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO CARACTERÍSTICAS DO PROJETO Premissas Básicas Resultados do Projeto Estratégico Prazo para Execução do Projeto CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO Entidades Participantes do Projeto Composição da Equipe do Projeto Contratação do Projeto Estratégico PROCEDIMENTOS Apresentação da Proposta Avaliação Inicial da Proposta Execução do Projeto Avaliação Final do Projeto Cronograma de Execução CONSIDERAÇÕES FINAIS Publicações Informações Adicionais REFERÊNCIAS iii

4 1. APRESENTAÇÃO De acordo com o Manual do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica, aprovado pela Resolução Normativa nº 504, de 14 de agosto de 2012 (Manual de P&D, versão 2012), um projeto estratégico compreende pesquisas e desenvolvimentos que coordenem e integrem a geração de novo conhecimento tecnológico em subtema de grande relevância para o setor elétrico brasileiro, exigindo um esforço conjunto e coordenado de várias empresas de energia elétrica e entidades executoras. O planejamento e a operação das redes de distribuição devem buscar o equilíbrio entre uma tarifa de energia elétrica módica e o número e duração de interrupções que garantam a satisfação do consumidor. Do ponto de vista do consumidor, a continuidade do fornecimento de energia elétrica será boa quanto menos frequentes e mais curtas forem as interrupções. Porém, a importância da qualidade do fornecimento de energia elétrica vai além da garantia da satisfação do consumidor, pois também está relacionada ao desenvolvimento da atividade econômica do país, de modo que sua produtividade e competitividade não sejam afetadas por uma má qualidade do fornecimento de energia elétrica. No Brasil existe uma centena de distribuidoras de energia elétrica (concessionárias e permissionárias) com características bem variadas. Tal fato acarreta em perfis de distribuição de energia bastante distintos. Por essa razão, o monitoramento e a quantificação da qualidade do fornecimento da energia elétrica é um desafio para o Órgão Regulador. A ANEEL acompanha regularmente a continuidade do serviço por meio da apuração e publicação de indicadores, da realização de fiscalizações, da aplicação de sanções, entre outras ações. No que tange ao acompanhamento da continuidade, os dois mais importantes indicadores são o DEC (Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora) e o FEC (Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora). As experiências da ANEEL colhidas nas fiscalizações, nas Audiências Públicas e em veículos de imprensa mostraram a necessidade de melhorar a confiabilidade na apuração dos indicadores de continuidade. A própria tendência de piora dos indicadores DEC e FEC nos últimos anos sugere a necessidade de medidas mais intensas para alcançar os níveis de qualidade que a sociedade espera. Nesse contexto, o monitoramento da Qualidade da Energia Elétrica (QEE), principalmente no aspecto da continuidade do fornecimento, constitui um tema de grande relevância e complexidade, sendo pertinente a proposição de um projeto estratégico com as seguintes perspectivas: melhorar a confiabilidade de apuração dos indicadores de continuidade dos serviços de distribuição de energia elétrica; 4

5 possibilitar a validação dos indicadores de desempenho apurados pelas distribuidoras; ampliar as alternativas de viabilidade técnica e econômica para o monitoramento da QEE; buscar sinergia de equipamentos e sistemas de comunicação, inclusive considerando aqueles existentes na distribuidora; identificar quais grandezas elétricas devem ser monitoradas, considerando aspectos técnicos e econômico-financeiros do segmento de distribuição de energia elétrica no Brasil; considerar, na adoção de qualquer solução, o contexto dos sistemas de distribuição brasileiros frente às tecnologias disponíveis e seus avanços futuros; estudar meios eficientes para a implantação de uma campanha de medição que atenda aos anseios do órgão regulador, concessionárias e permissionárias de energia elétrica e consumidores; fomentar o treinamento e a capacitação de técnicos especializados neste tema em instituições de ensino ou pesquisa e empresas; e propiciar a capacitação laboratorial em universidades, escolas técnicas e empresas nacionais. Com base no exposto, a Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE, em parceria com a Superintendência de Fiscalização dos Serviços de Eletricidade SFE e a Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD, todas integrantes da ANEEL, torna público, nesta Chamada, as características do projeto, os critérios para participação e os procedimentos para a elaboração de proposta de projeto estratégico sobre Sistema de Monitoramento da Qualidade da Energia Elétrica e convoca os interessados a apresentarem proposta nos termos aqui estabelecidos. Buscando uniformizar critérios, somar esforços e evitar possíveis redundâncias e lacunas no desenvolvimento dos projetos, a proposta deverá ser única na forma de projeto cooperado. O projeto é restrito às empresas do segmento de distribuição de energia elétrica, compreendendo as concessionárias e permissionárias. 5

6 2. CARACTERÍSTICAS DO PROJETO As características do projeto são apresentadas neste item, por meio da exposição das premissas básicas, dos resultados esperados e do prazo de execução do projeto PREMISSAS BÁSICAS O principal objetivo do projeto a ser desenvolvido é o sistema de monitoramento da qualidade da energia elétrica por meio de medições com confiabilidade e representatividade para a apuração dos indicadores de continuidade das redes de distribuição. O sistema de monitoramento deverá registrar as interrupções de energia elétrica e aferir os indicadores DEC e FEC das distribuidoras, com precisão adequada, de acordo com análise de custo/benefício. Deverá também disponibilizar acesso remoto e em tempo real dessa informação à ANEEL. A concepção e o desenvolvimento do projeto deverão observar os seguintes requisitos: análise das tecnologias atuais dos medidores, incluindo o estado da arte sobre monitoramento das interrupções de energia elétrica; avaliação dos sistemas de medição e comunicação existentes, sua localização, principais características e grandezas efetivamente medidas; identificação dos requisitos dos medidores necessários à apuração dos indicadores de qualidade regulados pela ANEEL; avaliação da adoção de medidores comerciais ou, caso necessário, a adequação e/ou a- daptação de tecnologias existentes visando ao monitoramento da qualidade da energia elétrica; definição da quantidade de medidores e dos locais em que eles devem ser instalados, de acordo com especificação amostral estatisticamente representativa, orientada à empresa ou ao conjunto de unidades consumidoras das distribuidoras participantes do projeto, visando ao monitoramento dos indicadores de continuidade regulados pela ANEEL, conforme consta na seção 8.2 do Módulo 8 do PRODIST; análise dos custos decorrentes da instalação amostral dos medidores; avaliação dos requisitos e restrições para a instalação de medidores em campo, considerando aspectos de acesso dos dados via coleta local e/ou remota, de período de agregação, de compatibilidade eletromagnética, dentre outros; 6

7 avaliação da forma de disponibilização de todas as informações para a ANEEL, considerando a possibilidade de acesso remoto a qualquer momento, inclusive dos sistemas de medição existentes na distribuidora; avaliação dos benefícios técnicos e financeiros advindos de um programa de monitoramento amostral para a apuração dos indicadores de continuidade no Brasil; e validação da proposta mediante projeto piloto. Na definição do tamanho da amostra e da localização dos medidores deverá ser avaliada a possibilidade (custo/benefício) da medição em pontos de fronteira para quantificar os indicadores de continuidade com origem externa e interna ao sistema da distribuidora. O objetivo principal da chamada é selecionar projeto para desenvolvimento de um sistema de monitoramento da continuidade do fornecimento. Entretanto, buscando a sinergia de equipamentos e dos sistemas de comunicação, assim como a redução de custos com outras atividades de medição já realizadas pelas distribuidoras, os proponentes devem avaliar a possibilidade de abranger no projeto a avaliação de outros parâmetros. Destaca-se a medição dos níveis de tensão em regime permanente, para apuração dos indicadores DRP (Duração Relativa da Transgressão da Tensão Precária) e DRC (Duração Relativa da Transgressão da Tensão Crítica). Também é possível propor o início da campanha de medição dos indicadores de qualidade do produto, conforme previsto na Seção 8.3 do Módulo 8 do PRODIST. Outra possibilidade é a utilização do sistema para a caracterização da carga e do sistema elétrico, conforme disposto no Módulo 2 do PRODIST. Portanto, este projeto de P&D estratégico, em um primeiro momento com foco na continuidade, poderá considerar também as seguintes premissas: análise de normas e regulamentos sobre monitoramento da QEE; análise comparativa de custos na escolha de um medidor, conforme a quantidade de fenômenos de QEE que se deseja monitorar, tomando como referência os fenômenos dispostos no Módulo 8 do PRODIST; avaliar a necessidade de proposição de alterações no regulamento de forma a permitir melhor especificação dos medidores e/ou simplificação de procedimentos de medição; e avaliar a possibilidade de divisão do projeto em etapas, priorizando a avaliação da continuidade do fornecimento. 7

8 2.2. RESULTADOS DO PROJETO ESTRATÉGICO A ANEEL pretende determinar o monitoramento da qualidade para todas as distribuidoras do Brasil. Nesse sentido, espera-se que os resultados do projeto contribuam para demonstrar a viabilidade técnico-econômica do monitoramento da QEE no Brasil. Espera-se, também, que os resultados contribuam no aperfeiçoamento da apuração dos indicadores de QEE, no desenvolvimento e na transferência de tecnologias importantes para o setor, a formação de parcerias e alianças estratégicas entre fabricantes, instituições de pesquisa e centros tecnológicos e, por fim, a otimização de recursos financeiros. O projeto deverá dar suporte e base para a formatação de atos normativos, com identificação dos pontos de melhoria, a fim de garantir a qualidade no fornecimento de energia elétrica no Brasil. Portanto, deverão constar dos resultados do projeto os seguintes produtos ou itens, a serem a- presentados na forma de relatório técnico: a) estudo de adequação e/ou adaptação das tecnologias existentes no mercado, visando ao monitoramento da QEE, quando for necessário; b) estudo da avaliação dos sistemas de medição e comunicação existentes, sua localização, principais características e grandezas efetivamente medidas; c) estudo de viabilidade técnica e econômica do projeto de monitoramento da qualidade, incluindo o detalhamento de todos os custos de equipamentos, mão de obra, tecnologia, monitoramento, com apresentação do custo de um arranjo de medidores de QEE; d) metodologia de amostragem estatística para determinar a quantidade de pontos de mediação que seja representativo dos indicadores de continuidade apurados por empresa ou conjunto de unidades consumidoras; e) descrição metodológica sobre o monitoramento de QEE, tal como: alocação de medidores, quantidade de grandezas, formas de medição, relatórios de saída, comunicação, envio de dados, entre outros (no caso do projeto considerar outros parâmetros descritos da Subseção 2.1, deverá incluir a descrição dos fenômenos e indicadores de desempenho a serem medidos); f) estudo comparativo entre as apurações adotadas pelas distribuidoras com a apuração advinda do projeto de P&D, principalmente em termos dos indicadores de continuidade; g) metodologia para apuração e acompanhamento em tempo real da continuidade do fornecimento da energia elétrica em sistemas de distribuição a partir de medições amostrais; h) estudo de vida útil dos medidores e desempenho ao longo da execução do projeto dos medidores empregados no monitoramento da QEE; 8

9 i) avaliação dos custos de instalação e manutenção do sistema em todo o Brasil; j) descrição dos possíveis benefícios econômicos; k) descrição das dificuldades encontradas durante a realização do projeto; e l) proposta de transferência de tecnologia. Poderão constar como resultados os seguintes itens: m) capacitação de laboratórios para certificação e calibração dos instrumentos de medição; e n) propostas de alterações devidamente justificadas dos regulamentos em vigência para a viabilização do sistema de monitoramento amostral da QEE PRAZO PARA EXECUÇÃO DO PROJETO O prazo para execução do(s) projeto(s) deverá ser de até 18 (dezoito) meses, caso o foco seja restrito ao monitoramento da continuidade do fornecimento, ou até 36 (trinta e seis) meses se a proposta considerar os outros parâmetros descritos na Subseção 2.1. A duração decorrerá após o cadastro da data de início de execução do projeto no Sistema de Gestão de P&D Aneel, conforme item 5.4 do Manual de P&D, versão Esse prazo poderá ser prorrogado, conforme previsto no item 3.1 do Manual de P&D, versão 2012, desde que a necessidade seja devidamente justificada. 3. CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO Os critérios para participação no desenvolvimento do projeto são apresentados neste item, incluindo entidades elegíveis, composição dos membros da equipe e forma para contratação do projeto entre as entidades participantes. 9

10 3.1. ENTIDADES PARTICIPANTES DO PROJETO Empresas Proponente e Cooperadas Poderá participar da elaboração do projeto qualquer empresa de distribuição de energia elétrica que tenha contrato de concessão ou permissão para atuar em tal segmento Entidades Executoras O projeto deve ser desenvolvido cooperativamente com instituições públicas ou privadas de ensino e/ou de pesquisa, bem como com empresas de consultoria ou de base tecnológica COMPOSIÇÃO DA EQUIPE DO PROJETO Todos os membros da equipe do projeto deverão ter seu currículo cadastrado no Sistema Eletrônico de currículos da Plataforma Lattes do CNPq, que pode ser acessado no endereço eletrônico Estes currículos deverão ser enviados para a ANEEL, por meio magnético (CD-ROM) em formato PDF para serem analisados quando da avaliação inicial do projeto. Ressalta-se que, por área temática do projeto, entende-se monitoramento da qualidade da e- nergia elétrica os projetos destinados ao desenvolvimento ou aprimoramento de tecnologias ou sistemas para apuração e acompanhamento da qualidade da energia elétrica em sistemas de distribuição a partir de medições amostrais, devendo prover o acompanhamento contínuo e a qualquer tempo das grandezas físicas verificadas Coordenador do Projeto Além do que consta no Manual de P&D, versão 2012, o coordenador do projeto estratégico deverá atender aos seguintes requisitos: a) ter obtido título de doutor há, pelo menos, 4 (quatro) anos no Tema do projeto ou área correlata; b) ter experiência mínima de 4 (quatro) anos no Tema do projeto; 10

11 c) ser autor de pelo menos um artigo completo publicado nos últimos 5 (cinco) anos em periódico científico indexado ou ser autor de livro editado ou de capítulo de livro editado, cujo assunto esteja vinculado às áreas temáticas do projeto; d) estar vinculado a uma entidade executora do projeto; e e) não participar, simultaneamente, como coordenador de outro projeto estratégico proposto pela ANEEL no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica. O nível de qualificação técnica exigido justifica-se pela complexidade e relevância do tema para o setor de energia elétrica. A limitação de participação como coordenador em apenas um projeto estratégico busca assegurar tratamento prioritário para o projeto, de modo a não comprometer os objetivos e resultados propostos dentro do prazo estabelecido Gerente do Projeto Além do que consta no Manual de P&D, versão 2012, o Gerente do projeto estratégico deverá atender aos seguintes requisitos: a) Possuir formação de nível superior com experiência profissional comprovada em alguma das áreas temáticas do projeto; e b) Estar vinculado, profissionalmente, à empresa proponente ou a uma empresa cooperada. O nível de qualificação técnica exigido justifica-se pela complexidade e relevância do tema para o setor de energia elétrica Demais Membros da Equipe do Projeto Além do que consta no Manual de P&D, versão 2008, os demais membros da equipe do projeto estratégico deverão atender ao seguinte requisito: a) Ter a função de Pesquisador, Auxiliar Técnico Bolsista ou Auxiliar Administrativo; O Pesquisador deverá estar vinculado, profissionalmente, à entidade executora do projeto, à Empresa proponente ou à Empresa cooperada e atender a um dos seguintes requisitos: 11

12 a) Possuir formação de nível superior com pós-graduação (mestrado ou doutorado) em alguma das áreas temáticas ou correlatas ao projeto; b) Possuir formação de nível superior, com experiência profissional comprovada em alguma das áreas temáticas do projeto de pelo menos 3 (três) anos; e c) Possuir formação de nível superior e estar vinculado a curso de pós-graduação (mestrado ou doutorado), com tema de pesquisa em alguma das áreas temáticas do projeto. O nível de qualificação técnica exigido justifica-se pela complexidade e relevância do tema para o setor de energia elétrica. Caso sejam incluídos na equipe do projeto, recursos humanos com a função de Auxiliar Técnico Bolsista ou Auxiliar Administrativo, estes deverão estar vinculados à entidade executora do projeto CONTRATAÇÃO DO PROJETO ESTRATÉGICO O contrato a ser firmado entre as empresas cooperadas e a(s) entidade(s) executora(s) deverá definir a forma de participação de cada entidade no projeto. 4. PROCEDIMENTOS 4.1. APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA As Empresas interessadas em investir no projeto estratégico deverão manifestar o interesse por meio de ao endereço eletrônico A ANEEL divulgará os nomes destas Empresas no portal da ANEEL (www.aneel.gov.br), no vínculo Educação/Pesquisa e Desenvolvimento, Pesquisa e Desenvolvimento, Temas para Investimentos em P&D. Decorrido o prazo para manifestação de interesse em financiar o projeto, as Empresas interessadas deverão definir qual delas será a proponente e quais serão as entidades executoras do projeto. A proposta de projeto estratégico deverá ser elaborada utilizando-se o Arquivo Eletrônico de Projeto de P&D (XML), conforme disposto no documento Instruções para Elaboração e Envio de Arquivos para Cadastro no Sistema de Gestão de P&D ANEEL, disponibilizado no portal da ANEEL (www.aneel.gov.br), no vínculo Educação/Pesquisa e Desenvolvimento, Pesquisa e Desenvolvimen- 12

13 to, Arquivos e Formulários Eletrônicos. Deverão ser considerados, além dos critérios estabelecidos no Manual de P&D, versão 2012, os critérios estabelecidos nesta Chamada. O projeto estratégico deverá ser submetido para avaliação da ANEEL, sendo o cadastro da proposta de projeto estratégico no Sistema de Gestão de P&D ANEEL realizado pela Empresa proponente. O projeto deverá ser enquadrado nos seguintes aspectos: a) Segmento do projeto: Distribuição; b) Tema: Qualidade da Energia Elétrica; c) Subtema principal: QC01 Sistemas e técnicas de monitoramento e gerenciamento da Qualidade da Energia Elétrica; d) Fase da cadeia da inovação: Pesquisa Aplicada; e) Tipo de produto: Conceito ou Metodologia e Máquina ou Equipamento. Após isto, a proposta de projeto estratégico deverá ser elaborada de forma detalhada utilizando-se uma ferramenta de Gerenciamento de Projetos, gerando-se arquivo PDF que deverá ser enviado através de para o endereço e que servirá de subsídio à avaliação inicial. O arquivo PDF gerado deve conter as informações descritas nas tabelas do ANEXO desta Chamada AVALIAÇÃO INICIAL DA PROPOSTA A avaliação inicial do projeto estratégico será obrigatória e presencial, realizada nas dependências da ANEEL ou em local acordado entre a ANEEL e a Empresa proponente. A Empresa proponente será convocada para apresentação do projeto à banca de avaliação, que será composta por pesquisadores pós-graduados com qualificação no tema desta Chamada e por representantes da ANEEL. A apresentação do projeto deverá ser feita pelo Coordenador do projeto. Caso não seja possível a presença do Coordenador do projeto, a Empresa deverá indicar um substituto, que deverá ser integrante da equipe do projeto e da entidade executora. Os parâmetros e critérios de avaliação estão apresentados no Apêndice A do Manual de P&D, versão O resultado da avaliação inicial será comunicado à Empresa proponente por meio de ofício emitido pela Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética - SPE. 13

14 Ao receber o Ofício, a Empresa proponente deverá cadastrar, no Sistema de Gestão de P&D ANEEL, sua intenção em executar ou não o projeto. Caso não haja interesse, o projeto será cancelado no Sistema de Gestão de P&D ANEEL. Caso haja interesse, a Empresa proponente deverá cadastrar, no Sistema de Gestão de P&D ANEEL, a data de início de execução do projeto, a qual deverá corresponder à data de abertura de sua respectiva Ordem de Serviço (ODS), e a forma de compartilhamento dos resultados do projeto. Requere-se a ampla divulgação dos resultados do projeto, dessa forma o tipo de compartilhamento dos resultados do projeto deverá ser cadastrado como Domínio Público, sendo preservada a autoria dos resultados EXECUÇÃO DO PROJETO A execução do projeto deverá ocorrer conforme estabelecido no item 6.4 do Manual de P&D, versão Os produtos previstos das etapas do projeto estabelecidas no termo de contrato firmado entre as Empresas cooperadas e as entidades executoras deverão ser apresentados à ANEEL nas reuniões técnicas de acompanhamento da execução do projeto. Os relatórios deverão ser encaminhados no prazo de até 5 (cinco) dias antes da data agendada para a reunião. Poderá haver prorrogação de prazo, conforme previsto no item 3.1 do Manual de P&D, versão 2012, a depender das justificativas apontadas durante tais reuniões. Ressalta-se que a ANEEL poderá, a qualquer momento, solicitar informações sobre a execução do projeto AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO A avaliação final do projeto ocorrerá conforme estabelecido no Capítulo 6 do Manual de P&D, versão CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO A Tabela 1 apresenta os prazos envolvidos no cronograma de execução do projeto estratégico, a contar da data de publicação do Aviso que deu publicidade a esta Chamada. 14

15 Tabela 1: Cronograma de execução do projeto estratégico. Fase Prazo Demonstração de interesse das Empresas em financiar o projeto + 15 dias Divulgação das Empresas interessadas em financiar o projeto + 5 dias Envio de proposta de projeto à ANEEL + 60 dias Divulgação do resultado da avaliação inicial da proposta + 60 dias Demonstração de interesse na execução do projeto + 10 dias Limite para início da execução do projeto + 90 dias Término de execução do projeto + 18 meses / 36 meses 15

16 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1. PUBLICAÇÕES As publicações científicas e qualquer outro meio de divulgação dos dados resultantes do projeto estratégico ao qual se refere esta Chamada devem conter menção ao Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica regulado pela ANEEL e às empresas de energia elétrica que deram suporte financeiro ao projeto. A ANEEL se reserva o direito de publicar os resultados do projeto, preservando a autoria dos trabalhos INFORMAÇÕES ADICIONAIS Esclarecimentos e informações adicionais acerca desta Chamada deverão ser enviados por meio de ao endereço eletrônico 6. REFERÊNCIAS [1] Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL, Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST, Módulo 8 Qualidade da Energia Elétrica, Disponível em: [2] Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL, Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional - PRODIST, Módulo 2 - Planejamento da Expansão do Sistema de Distribuição, Disponível em:

17 IDENTIFICAÇÃO Código ANEEL do projeto: Título do Projeto: Empresa Proponente: Empresa(s) Cooperada(s): Empresa(s) Executora(s): Gerente do Projeto: Duração Prevista em Meses: Fase da Cadeia da Inovação: Tipo de Produto Principal: Tema: Cinco Palavras Chave: ANEXO DESCRIÇÃO Justificativa: Objetivos: Bibliografia: Metodologia: Pesquisas Correlatas: RISCOS Fatores: Tipo de Risco Atraso no cronograma: Financeiro: Técnico: Classificação Probabilidade (Alta, Média ou Baixa): BENEFÍCIOS Produção (Produto esperado do projeto): Executoras (Reputação das executoras do projeto): Capacitação Tipo de Capacitação Títulos de doutorado: Títulos de mestrado: Outros: Concessionárias (Capacitação para a concessionária): Quantidade ENTIDADES PARTICIPANTES (Empresas e Executoras) Nome Tipo CNPJ Descrição 17

18 Divisão dos Direitos de Propriedade Intelectual: EQUIPES (Empresas e Executoras) Nome Função Titulação Entidade Empregadora Custo Horário Valores em Reais (R$). RECURSOS Nome do Item Categoria Contábil Quantidade Origem (Nacional ou Internacional) Justificativa Custo Unitário Valores em Reais (R$). ETAPAS DO PROJETO (Por Ano) Ano 1 : Etapas do Ano (números): Dados Gerais da Etapa (por etapa) 2 Número e Nome: Descrição: Produto Disponibilizado: Cronograma Físico (meses): Participantes da Etapa Nome Função Desembolso Total * Carga Horária Total Carga Horária Mensal Nome do Item Categoria Contábil Quantitade Recursos da Etapa Desembolso Quantidade Adquirida no Mês Custo Unitário * Total * * Valores em milhares de Reais (R$ x 1.000). 1 Deve ser repetido tantas vezes quantos forem os anos de duração do projeto. 2 Deve ser repetido tantas vezes quantas forem as etapas naquele ano. 18

19 QUADRO DE DESPESAS POR CATEGORIA CONTABIL E ORIGEM DOS RECURSOS (Total e Por Ano) Custo Total do Projeto Categoria Contábil Recursos Proponente Recursos Cooperadas Recursos Parceiras Recursos Humanos: Serviços de Terceiros: Materiais de Consumo: Materiais Permanentes e Equipamentos: Viagens e Diárias: Outros: Custo Total por Origem: Custo Total do Projeto : Custo Total por Ano Ano 1 : Categoria Contábil Recursos Proponente Recursos Cooperadas Recursos Parceiras Recursos Humanos: Serviços de Terceiros: Materiais de Consumo: Materiais Permanentes e Equipamentos: Viagens e Diárias: Outros: Custo Total por Origem no Ano: Custo Total do Projeto no Ano : Valores em Reais (R$). VIABILIDADE ECONÔMICA Estudo de Viabilidade Econômico - EVE: QUADRO DE DESEMBOLSO COM PESSOAL (Por Ano) Ano 1 : Desembolso Desembolso Total no Mês Participante * Total no Ano * Total * : * Valores em milhares de Reais (R$ x 1.000). 19

20 QUADRO DE DESEMBOLSOS POR CATEGORIA CONTABIL (Por Ano) Ano 1 : Desembolso Categoria Contábil Total no Ano * Recursos Humanos: Serviços de Terceiros: Materiais de Consumo: Materiais Permanentes e Equipamentos: Viagens e Diárias: Outros: Total das Categorias no Ano * : * Valores em milhares de Reais (R$ x 1.000). Desembolso Total no Mês * QUADRO DE DESEMBOLSOS POR ETAPA (Por Ano) Ano 1 : Desembolso Desembolso Total no Mês Número da Etapa * Total no Ano * Total das Etapas no Ano: * Valores em milhares de Reais (R$ x 1.000). QUADRO DE DESEMBOLSOS ENTIDADES PARTICIPANTES (Por Ano) Ano 1 : Nome Tipo CNPJ Total no Ano Total: * Valores em milhares de Reais (R$ x 1.000). 20

21 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA Endereço: SGAN Módulos "I" e "J" Brasília, DF - CEP Tel.: 55(61)

CHAMADA N O 014/2012 PROJETO ESTRATÉGICO: ARRANJOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA INSERÇÃO

CHAMADA N O 014/2012 PROJETO ESTRATÉGICO: ARRANJOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA INSERÇÃO Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 014/2012 PROJETO ESTRATÉGICO: ARRANJOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA INSERÇÃO

Leia mais

CHAMADA N O 002/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: METODOLOGIA

CHAMADA N O 002/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: METODOLOGIA Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 002/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO DA FUNÇÃO DE CUSTO

Leia mais

CHAMADA N O 010/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: EFEITOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO REGIME HIDROLÓGICO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS E

CHAMADA N O 010/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: EFEITOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO REGIME HIDROLÓGICO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS E Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 010/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: EFEITOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO REGIME

Leia mais

CHAMADA N O 013/2011 PROJETO ESTRATÉGICO: ARRANJOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA INSERÇÃO

CHAMADA N O 013/2011 PROJETO ESTRATÉGICO: ARRANJOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA INSERÇÃO Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 013/2011 PROJETO ESTRATÉGICO: ARRANJOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA INSERÇÃO

Leia mais

EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas

EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Diretoria de Programa de Pesquisa EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas A Universidade Católica de Brasília - UCB, por intermédio do Presidente do Conselho

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para habilitar Polos EMBRAPII IF (PEIF). Os

Leia mais

PROJETO PRIORITÁRIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: AÇÕES DE COMUNICAÇÃO E MARKETING PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO USO FINAL DE ENERGIA ELÉTRICA

PROJETO PRIORITÁRIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: AÇÕES DE COMUNICAÇÃO E MARKETING PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO USO FINAL DE ENERGIA ELÉTRICA Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA Nº. 001/2014 PROJETO PRIORITÁRIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: AÇÕES DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES SECRETARIA DE INCLUSÃO DIGITAL AVISO DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 02, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 PROGRAMA COMPUTADORES PARA INCLUSÃO A União, por intermédio da Secretaria de Inclusão

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETO ESTRATÉGICO REFERENTE À CHAMADA ANEEL Nº 014/2012

CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETO ESTRATÉGICO REFERENTE À CHAMADA ANEEL Nº 014/2012 CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETO ESTRATÉGICO REFERENTE À CHAMADA ANEEL Nº 014/2012 Coordenadoria de Planejamento Empresarial, Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação - CPP Companhia Hidro Elétrica do São Francisco

Leia mais

CHAMADA N O 009/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: MONITORAMENTO

CHAMADA N O 009/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: MONITORAMENTO Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 009/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: MONITORAMENTO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO

Leia mais

Conjunto EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN)

Conjunto EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) A Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação do Instituto Federal do Paraná

Leia mais

CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2012/2013

CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2012/2013 CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2012/2013 As Empresas de Distribuição da Eletrobras, visando a implementação dos seus Programas de Pesquisa Científica

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS. EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA 2015.1 / e-labora (PROJETOS DE PESQUISA APLICADA)

ESCOLA DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS. EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA 2015.1 / e-labora (PROJETOS DE PESQUISA APLICADA) ESCOLA DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS (PROJETOS DE PESQUISA APLICADA) 1. EDITAL A Universidade Potiguar UnP, através da Escola de Engenharias e Ciências Exatas, torna público o presente Edital, pelo

Leia mais

Sumário FPD Formulário de projeto P&D...4

Sumário FPD Formulário de projeto P&D...4 1 de 22 Sumário FPD Formulário de projeto P&D...4 Introdução...4 Cadastrando e atualizando dados de projetos de P&D...4 Cadastrando novo projeto...5 Cadastrando coordenador do projeto...5 Cadastrando dados

Leia mais

Processo de Seleção de Novos Empreendimentos para a Broto Incubadora de Biotecnologia

Processo de Seleção de Novos Empreendimentos para a Broto Incubadora de Biotecnologia Processo de Seleção de Novos Empreendimentos para a Broto Incubadora de Biotecnologia EDITAL 01/2016 O Reitor da Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS, no uso de suas atribuições, torna pública

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA. PNG/PNGT/fbs

CHAMADA PÚBLICA. PNG/PNGT/fbs PROCEDIMENTOS PARA SELEÇÃO DE EMPRESAS INTERESSADAS NA CONSTITUIÇÃO DE PARCERIAS COM A ELETRONORTE EM EMPREENDIMENTOS DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Sumário 1. OBJETO... 3 2. CADASTRAMENTO...

Leia mais

Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL.

Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL. Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL. Período 2015/2016 O Diretor da Santa Casa de Misericórdia de Sobral,

Leia mais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais Chamada Pública nº 03/2012 Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais A FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná, em conformidade com suas finalidades,

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA CP 018/2014. Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP

CONSULTA PÚBLICA CP 018/2014. Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP CONSULTA PÚBLICA CP 018/2014 Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP Assunto: Revisão do regulamento que trata da qualidade do produto conforme seção 8.1 do PRODIST Processo n o 48500.003282/2011-53

Leia mais

Versão 1.0 2013 Todos os direitos reservados. www.jordaoengenharia.com.br

Versão 1.0 2013 Todos os direitos reservados. www.jordaoengenharia.com.br Versão 1.0 2013 Todos os direitos reservados. www.jordaoengenharia.com.br O Programa de P&D da Aneel foi instituído pela Aneel em 1999, e posteriormente foi regulamentado pela Lei 9.991 de 2000, tendo

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE PROPOSTA (SDP) Nº001/2015 SERVIÇOS DE CONSULTORIA

SOLICITAÇÃO DE PROPOSTA (SDP) Nº001/2015 SERVIÇOS DE CONSULTORIA SOLICITAÇÃO DE PROPOSTA (SDP) Nº001/2015 SERVIÇOS DE CONSULTORIA Brasil N o : ATN/ME-14644-BR (BR-M1119) Referência:1,2 iii Formulação da metodologia de aceleração Data: 24 de julho de 2015 O UNIETHOS

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA Nº. 002/2015 PROJETO PRIORITÁRIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: INCENTIVO À SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 10 Controle e Fiscalização Revisão Motivo da Revisão 1 Correções e aperfeiçoamentos Instrumento

Leia mais

EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002

EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002 EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002 O Ministério da Ciência e Tecnologia, em cumprimento às recomendações do Comitê Gestor do Programa de Estímulo à Interação Universidade-Empresa

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SEBRAE-TO / SECT-TO INOVA TOCANTINS / PAPPE INTEGRAÇÃO - Nº 01 / 2010

CHAMADA PÚBLICA SEBRAE-TO / SECT-TO INOVA TOCANTINS / PAPPE INTEGRAÇÃO - Nº 01 / 2010 CHAMADA PÚBLICA SEBRAE-TO / SECT-TO INOVA TOCANTINS / PAPPE INTEGRAÇÃO - Nº 01 / 2010 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA APOIO À PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO

Leia mais

MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas

MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas Versão 4.0 MARÇO/2011 1. INTRODUÇÃO A ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO ALAGOAS deve aplicar anualmente 0,2% (zero vírgula dois por cento) de

Leia mais

Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006

Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006 Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006 Serviços de Consultoria Pessoa Jurídica para a elaboração de metodologia que permita mensurar, verificar e avaliar os resultados decorrentes

Leia mais

MANUAL PARA AUDITORIA DOS PROGRAMAS

MANUAL PARA AUDITORIA DOS PROGRAMAS Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE MANUAL PARA AUDITORIA DOS PROGRAMAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

I Efetivação do compromisso social do IFAL com o Estado de Alagoas;

I Efetivação do compromisso social do IFAL com o Estado de Alagoas; PROGRAMA DE APOIO AO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES INTEGRADAS PROIFAL 1. OBJETIVO Apoiar o Instituto Federal de Alagoas IFAL nas atividades de ensino, pesquisa e extensão

Leia mais

EDITAL Nº29-22/03/2013 DEDC SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS E PROJETOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET-MG NASCENTE EM LEOPOLDINA.

EDITAL Nº29-22/03/2013 DEDC SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS E PROJETOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET-MG NASCENTE EM LEOPOLDINA. EDITAL Nº29-22/03/2013 DEDC SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS E PROJETOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET-MG NASCENTE EM LEOPOLDINA. O DIRETOR-GERAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

Chamada de Propostas de Pesquisa na área de Mudanças Climáticas Globais Convênio FAPESP-FAPERJ

Chamada de Propostas de Pesquisa na área de Mudanças Climáticas Globais Convênio FAPESP-FAPERJ Chamada de Propostas de Pesquisa na área de Mudanças Climáticas Globais Convênio FAPESP-FAPERJ 1) Introdução A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo FAPESP e a Fundação de Amparo à Pesquisa

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO, TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO ESTADO DO PIAUÍ CHAMADA PÚBLICA FAPEPI N.º 001/2015

PROGRAMA DE FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO, TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO ESTADO DO PIAUÍ CHAMADA PÚBLICA FAPEPI N.º 001/2015 PROGRAMA DE FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO, TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO ESTADO DO PIAUÍ CHAMADA PÚBLICA FAPEPI N.º 001/2015 Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí FAPEPI torna público o lançamento

Leia mais

EDITAL FAPEPI N 008/2012 ACORDO CAPES/FAPEPI BOLSAS DE DOUTORADO E AUXÍLIO PARA DOCENTES DE INSTIUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO SUPERIOR

EDITAL FAPEPI N 008/2012 ACORDO CAPES/FAPEPI BOLSAS DE DOUTORADO E AUXÍLIO PARA DOCENTES DE INSTIUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO SUPERIOR EDITAL FAPEPI N 008/2012 ACORDO CAPES/FAPEPI BOLSAS DE DOUTORADO E AUXÍLIO PARA DOCENTES DE INSTIUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO SUPERIOR A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí - FAPEPI, em conformidade

Leia mais

P&D no Setor Elétrico Programa de P&D regulado

P&D no Setor Elétrico Programa de P&D regulado P&D no Setor Elétrico Programa de P&D regulado pela ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética - SPE Contexto Legal Origem - Lei #

Leia mais

EDITAL Nº 135 /2010 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010 SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET- MG NASCENTE ARAXÁ

EDITAL Nº 135 /2010 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010 SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET- MG NASCENTE ARAXÁ EDITAL Nº 135 /2010 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010 SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET- MG NASCENTE ARAXÁ O DIRETOR-GERAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Gestão Técnica da Informação - SGI Superintendência de Regulação dos Serviços Comerciais - SRC Sistema de Controle de Subvenções SCS Tarifa

Leia mais

CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP

CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP CHAMADA Nº. 13/2013 DETALHAMENTO GERAL INTRODUÇÃO A (FUNCAP), vinculada

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO. Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL. Brasília, 12 de Dezembro de 2007

SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO. Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL. Brasília, 12 de Dezembro de 2007 SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL Brasília, 12 de Dezembro de 2007 METODOLOGIA DE TRATAMENTO REGULATÓRIO DE PERDAS TÉCNICAS............................................

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS NA RECENTE EXPERIÊNCIA DE FURNAS EM P&D

AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS NA RECENTE EXPERIÊNCIA DE FURNAS EM P&D SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD - 07 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE INOVAÇÃO TECONOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO - GPD AVALIAÇÃO

Leia mais

EDITAL N.º 003/2014 PROEPI/IFPR PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN)

EDITAL N.º 003/2014 PROEPI/IFPR PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) EDITAL N.º 003/2014 PROEPI/IFPR PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) A Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação do Instituto Federal do Paraná (IFPR),

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

EDITAL Nº 002 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2010 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL Nº 002 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2010 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS CONGONHAS DIRETORIA DE PESQUISA, INOVAÇÃO, PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade do Sagrado Coração torna público o presente Edital de abertura de inscrições,

Leia mais

COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV

COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV ACORDO FIRMADO COM O BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo?

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? BRDE INOVA O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? Contextualização Primeiro Agente Financeiro do País credenciado junto ao BNDES Primeiro Agente Financeiro do País credenciado

Leia mais

EDITAL Nº 047/2013/CAMPUS GURUPI/IFTO, DE 04 DE OUTUBRO DE 2013.

EDITAL Nº 047/2013/CAMPUS GURUPI/IFTO, DE 04 DE OUTUBRO DE 2013. EDITAL Nº 047/2013//IFTO, DE 04 DE OUTUBRO DE 2013. PROGRAMA DE CONCESSÃO DE BOLSAS, PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO (LATO E STRICTO SENSU), DESTINADO AOS SERVIDORES DO QUADRO PERMANENTE DO -

Leia mais

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância Edital Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância 1. OBJETIVO 1.1. Este edital tem o objetivo de apoiar financeiramente projetos de extensão universitária voltados a ações para o desenvolvimento

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA - AP 028/2014. Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP

AUDIÊNCIA PÚBLICA - AP 028/2014. Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP AUDIÊNCIA PÚBLICA - AP 028/2014 Contribuição do Grupo Energias do Brasil EDP 1. OBJETIVO Este documento apresenta as contribuições das distribuidoras EDP Bandeirante e EDP Escelsa, do Grupo EDP, à Audiência

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Campus São Gonçalo CoEX - Coordenação de Extensão EDITAL INTERNO

Leia mais

EDITAL N.º 001/FISA FUNEC- 2015

EDITAL N.º 001/FISA FUNEC- 2015 EDITAL N.º 001/FISA FUNEC- 2015 A Fundação Municipal de Educação e Cultura de Santa Fé do Sul FUNEC, no uso de suas atribuições legais, através da Coordenação do Núcleo de Pesquisa e Extensão NUPEx, torna

Leia mais

Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari -

Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari - Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari - 1 Apresentação O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

a) transmissão e subtransmissão: 750; 500; 230; 138; 69; 34,5; e 13,8 kv; b) distribuição primária em redes públicas: 34,5 e 13,8 kv

a) transmissão e subtransmissão: 750; 500; 230; 138; 69; 34,5; e 13,8 kv; b) distribuição primária em redes públicas: 34,5 e 13,8 kv C3ANEEL A gência N acional de E nergia E léjrica Nota Técnica n 0153/2013-SRD/ANEEL Em 20 de junho de 2013. Processo n : 48500.006470/2011-33 Assunto: Análise das contribuições recebidas na Consulta Pública

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE RECRUTAMENTO Nº 001/2016 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 012/2016

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE RECRUTAMENTO Nº 001/2016 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 012/2016 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE RECRUTAMENTO Nº 001/2016 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 012/2016 I. DO OBJETO DA CONTRATAÇÃO Contratação de TÉCNICO DE CAMPO para o Projeto Produção Sustentável em Áreas

Leia mais

EDITAL Nº 001/2016/PR-PPGI/IFAM, DE 28 DE MARÇO DE 2016 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA - PADCIT.

EDITAL Nº 001/2016/PR-PPGI/IFAM, DE 28 DE MARÇO DE 2016 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA - PADCIT. EDITAL Nº 001/2016/PR-PPGI/IFAM, DE 28 DE MARÇO DE 2016 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA - PADCIT. A PRO-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO - PR-PPGI,

Leia mais

02/2000 - Programa de Apoio à Pesquisa de Inovação Tecnológica Associada às Cadeias Produtivas

02/2000 - Programa de Apoio à Pesquisa de Inovação Tecnológica Associada às Cadeias Produtivas 02/2000 - Programa de Apoio à Pesquisa de Inovação Tecnológica Associada às Cadeias Produtivas Estratégicas de Pernambuco - INOVA Imprimir Categoria: Encerrados Publicado: 22 Fevereiro 2000 Acessos: 446

Leia mais

Exploração de Energia Solar em Lagos de Usinas Hidrelétricas

Exploração de Energia Solar em Lagos de Usinas Hidrelétricas EDITAL 003/2015 CAPTAÇA O DE PROJETO DE P&D PARA O DESENVOLVIMENTO DE INOVAÇA O TECNOLO GICA A SER PROPOSTA PELA ELETRONORTE EM COOPERAÇA O COM A CHESF PARA: Exploração de Energia Solar em Lagos de Usinas

Leia mais

Chamada de Propostas. Comitê Técnico de Videocolaboração CT-Vídeo

Chamada de Propostas. Comitê Técnico de Videocolaboração CT-Vídeo Chamada de Propostas Comitê Técnico de Videocolaboração CT-Vídeo Introdução A RNP mantem, desde 2014, o Comitê Técnico de Videocolaboração (CT-Vídeo), cujo objetivo é estudar o futuro das aplicações em

Leia mais

COLETA DE PREÇOS PARA REGISTRO DE PREÇOS CP- 02/2015

COLETA DE PREÇOS PARA REGISTRO DE PREÇOS CP- 02/2015 COLETA DE PREÇOS PARA REGISTRO DE PREÇOS CP- 02/2015 Objetivo Geral Contratação, por registro de preços, de serviços técnicos especializados de auditoria independente a serem prestados à EMBRAPII, compreendendo

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE. Módulo 9 Avaliação dos Projetos e Programa

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE. Módulo 9 Avaliação dos Projetos e Programa Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 9 Avaliação dos Projetos e Programa Revisão Motivo da Revisão Instrumento de aprovação pela ANEEL

Leia mais

REITORIA EDITAL Nº 21/2015 FOMENTO À PESQUISA VINCULADA AOS PROGRAMAS STRICTO SENSU

REITORIA EDITAL Nº 21/2015 FOMENTO À PESQUISA VINCULADA AOS PROGRAMAS STRICTO SENSU REITORIA EDITAL Nº 21/2015 FOMENTO À PESQUISA VINCULADA AOS PROGRAMAS STRICTO SENSU O Reitor da Universidade Vila Velha UVV torna público a todos os interessados que estão abertas, de 10 de junho de 2014

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

EDITAL SAL/MJ Nº 1, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

EDITAL SAL/MJ Nº 1, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Secretaria de Assuntos Legislativos Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, bloco T, 4º andar, sala 434 (61) 2025 3376 / 3114 E-mail: sal@mj.gov.br EDITAL SAL/MJ Nº 1, DE 3 DE FEVEREIRO

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO FEVEREIRO DE 2011 Telefones: (66) 3422 2461 / 6710 1 1. Apresentação da Incubadora de Empresas I-deia A Incubadora I-deia

Leia mais

CHAMADA N O 020/2016 PROJETO ESTRATÉGICO: ARRANJOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA A INSERÇÃO

CHAMADA N O 020/2016 PROJETO ESTRATÉGICO: ARRANJOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA A INSERÇÃO Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 020/2016 PROJETO ESTRATÉGICO: ARRANJOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA A INSERÇÃO

Leia mais

Edital MCT/SETEC/CNPq nº 32/2007 - RHAE Pesquisador na Empresa

Edital MCT/SETEC/CNPq nº 32/2007 - RHAE Pesquisador na Empresa Edital MCT/SETEC/CNPq nº 32/2007 - RHAE Pesquisador na Empresa Seleção pública de propostas de projetos de pesquisa voltados ao desenvolvimento tecnológico e a inovação Veja a FAQ deste Edital O Ministério

Leia mais

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010 Edital n.º 17/2010 Parceria / PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO / 2010 O Ministério da Educação, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, e o Governo do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

Edital FPTI-BR N 029/2013 PROCESSO FPTI-BR N 0003/2013 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE APOIO A ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS

Edital FPTI-BR N 029/2013 PROCESSO FPTI-BR N 0003/2013 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE APOIO A ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS Edital FPTI-BR N 029/2013 PROCESSO FPTI-BR N 0003/2013 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE APOIO A ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS A Fundação Parque Tecnológico Itaipu Brasil, em parceria com a

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA 2015.2

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA 2015.2 EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA 2015.2 A Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Comunitária da Universidade Salvador UNIFACS torna público e convoca

Leia mais

Programa Bolsa-Sênior

Programa Bolsa-Sênior CHAMADA PÚBLICA 09/2015 Programa Bolsa-Sênior A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná divulga a presente Chamada Pública e convida as instituições de ensino

Leia mais

Cadastro do currículo do Bolsista na Plataforma Lattes

Cadastro do currículo do Bolsista na Plataforma Lattes PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL 7/2016 PROBITI/FAPERGS (Conforme Normas do Programa PROBITI) A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG) da Universidade de Santa Cruz do Sul torna

Leia mais

Resolução 089/Reitoria/Univates Lajeado, 26 de julho de 2012

Resolução 089/Reitoria/Univates Lajeado, 26 de julho de 2012 Resolução 089/Reitoria/Univates Lajeado, 26 de julho de 2012 Aprova o Edital Propex 01/2012 Pesquisa para pesquisadores dos Programas de Pós-Graduação em implantação O Reitor do Centro Universitário UNIVATES,

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO - PRONATEC EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO PRONATEC EDITAL Nº 045/2015 IFRO/CAMPUS JI-PARANÁ

PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO - PRONATEC EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO PRONATEC EDITAL Nº 045/2015 IFRO/CAMPUS JI-PARANÁ EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO PRONATEC EDITAL Nº 045/2015 IFRO/CAMPUS JI-PARANÁ O Diretor Geral do Campus JI-PARANÁ, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia IFRO, no uso de

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Nº do Termo de Referência no Plano de Aquisições: 2.B.44 Acordo

Leia mais

CHAMADA INTERNA Nº 01/2012/Gabinete/IFBAIANO PROGRAMA CIÊNCIA ITINERANTE Programa de Fomento à Institucionalização do Projeto Escola Itinerante

CHAMADA INTERNA Nº 01/2012/Gabinete/IFBAIANO PROGRAMA CIÊNCIA ITINERANTE Programa de Fomento à Institucionalização do Projeto Escola Itinerante MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO GABINETE DA REITORIA CHAMADA INTERNA Nº 01/2012/Gabinete/IFBAIANO PROGRAMA

Leia mais

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Unidade de Projetos de Termo de Referência para elaboração e desenvolvimento de Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Agosto de 2009 Elaborado em: 4/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil

Leia mais

BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.A. BNB ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE

BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.A. BNB ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.A. BNB ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE AVISO ETENE/FUNDECI - 07/2007 APOIO A ELABORAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES SOBRE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE

Leia mais

Bolsas de Pós-Doutorado no Canadá. Parceria CNPq Vale - Mitacs

Bolsas de Pós-Doutorado no Canadá. Parceria CNPq Vale - Mitacs Bolsas de Pós-Doutorado no Canadá Parceria CNPq Vale - Mitacs Bolsas de Pós-Doutorado no Canadá nas áreas de: Engenharias Engenharia de Minas Processamento Mineral e Engenharia Metalúrgica Engenharia Ambiental

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA INCUBADORA TECNOLÓGICA E DO AGRONEGÓCIO DE MOSSORÓ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA INCUBADORA TECNOLÓGICA E DO AGRONEGÓCIO DE MOSSORÓ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA INCUBADORA TECNOLÓGICA E DO AGRONEGÓCIO DE MOSSORÓ CHAMADA Nº. 01/2016 IAGRAM A Incubadora Tecnológica

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CMR. Edital 2014. Programa de Iniciação Científica Voluntária para o Ensino Fundamental e Médio

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CMR. Edital 2014. Programa de Iniciação Científica Voluntária para o Ensino Fundamental e Médio MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEX DEPA COLÉGIO MILITAR DO RECIFE PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CMR Edital 2014 Programa de Iniciação Científica Voluntária para o Ensino Fundamental e

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE 1. OBJETIVO O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT, por intermédio da Financiadora de Estudos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO CNPQ MODALIDADES: PIBIC E PIBITI / 2013 2014 EDITAL Nº 65/PROPESP/IFRO, DE 22 DE JULHO DE

Leia mais

EDITAL PRÓ-ESTRATÉGIA Nº 50/2011

EDITAL PRÓ-ESTRATÉGIA Nº 50/2011 Instruções para Apresentação de Projetos do Programa de Apoio ao Ensino e à Pesquisa Científica e Tecnológica em Assuntos Estratégicos de Interesse Nacional C A P E S PRÓ-ESTRATÉGIA DIRETORIA DE PROGRAMAS

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 12.234, DE 13 DE JANEIRO DE 2005. (publicada no DOE nº 09, de 14 de janeiro de 2005) Dispõe sobre normas para

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Pesquisa, Criação e Inovação Coordenadoria de Pesquisa e Criação

Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Pesquisa, Criação e Inovação Coordenadoria de Pesquisa e Criação Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Pesquisa, Criação e Inovação Coordenadoria de Pesquisa e Criação Pró-Reitoria de Ensino de Pós-Graduação EDITAL PROPCI-PROPG/UFBA 02/20 PRODOC-UFBA A Pró-Reitoria

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU agosto / 2010 1 REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Sumário TÍTULO I - DA NATUREZA E DAS FINALIDADES... 3 CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

2. QUANTIDADE E DURAÇÃO DAS BOLSAS Será concedida 01 (uma) bolsa, com duração prevista de o 06 (seis) meses, podendo ser renovada.

2. QUANTIDADE E DURAÇÃO DAS BOLSAS Será concedida 01 (uma) bolsa, com duração prevista de o 06 (seis) meses, podendo ser renovada. CHAMADA PÚBLICA IPEA/PNPD Nº 002/2015 - SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA CONCESSÃO DE BOLSAS O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), fundação pública vinculada à Secretaria de Assuntos Estratégicos

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - Nº 21729/2013

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - Nº 21729/2013 SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - Nº 21729/2013 Prezados Senhores, Brasília, 10 de maio de 2013. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD solicita a apresentação de Proposta para o fornecimento

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES COM RECURSOS PÚBLICOS FUNDAÇÃO SICREDI

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES COM RECURSOS PÚBLICOS FUNDAÇÃO SICREDI REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES COM RECURSOS PÚBLICOS FUNDAÇÃO SICREDI A FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E CULTURAL DO SISTEMA DE CRÉDITO COOPERATIVO FUNDAÇÃO SICREDI, institui o presente

Leia mais

Nota Técnica n 0128/2013-SRD/ANEEL. Em 28 de maio de 2013. Processo n : 48500.005957/2012-80

Nota Técnica n 0128/2013-SRD/ANEEL. Em 28 de maio de 2013. Processo n : 48500.005957/2012-80 Nota Técnica n 0128/2013-SRD/ANEEL Em 28 de maio de 2013. Processo n : 48500.005957/2012-80 Assunto: Análise das contribuições da Audiência Pública nº 021/2013 relativas ao estabelecimento dos limites

Leia mais

TECNOLÓGICO NO SETOR ELÉTRICO

TECNOLÓGICO NO SETOR ELÉTRICO III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELECTRICIDADE E GÁS NATURAL PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Romeu Donizete Rufino Diretor Portugal/PT - Porto 11/02/2010 Conteúdo 1. Aspectos

Leia mais

RESUMO DA CHAMADA MCTI/DBT N º 17/2015 - Programa de Cooperação SEPED/MCTI/CNPq com o Departamento de Biotecnologia (DBT) do Ministério da Ciência e

RESUMO DA CHAMADA MCTI/DBT N º 17/2015 - Programa de Cooperação SEPED/MCTI/CNPq com o Departamento de Biotecnologia (DBT) do Ministério da Ciência e RESUMO DA CHAMADA MCTI/DBT N º 17/2015 - Programa de Cooperação SEPED/MCTI/CNPq com o Departamento de Biotecnologia (DBT) do Ministério da Ciência e Tecnologia da Índia Salvador Out/2015 I CHAMADA A Secretaria

Leia mais

O NOVO MARCO REGULATÓRIO DO TERCEIRO SETOR E ALGUNS REFLEXOS NO PLANO DE TRABALHO E NA PRESTAÇÃO DE CONTAS

O NOVO MARCO REGULATÓRIO DO TERCEIRO SETOR E ALGUNS REFLEXOS NO PLANO DE TRABALHO E NA PRESTAÇÃO DE CONTAS O NOVO MARCO REGULATÓRIO DO TERCEIRO SETOR E ALGUNS REFLEXOS NO PLANO DE TRABALHO E NA PRESTAÇÃO DE CONTAS O Chamado Novo Marco Regulatório do Terceiro Setor, fundamentado através da Lei 13.019/2014, traz

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para apoiar as ações do Programa Nacional de Crédito Fundiário

Leia mais

INCUBADORA EMPRESARIAL DE OSÓRIO

INCUBADORA EMPRESARIAL DE OSÓRIO INCUBADORA EMPRESARIAL DE OSÓRIO EDITAL DO PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INGRESSO NA MODALIDADE DE INCUBAÇÃO INTERNA E INCUBAÇÃO EXTERNA Osório 2015 EDITAL nº 01/2015 DO PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPREENDEDORES

Leia mais

Guia Pesquisador Visitante Especial PVE Perguntas e Respostas Submissão de Propostas

Guia Pesquisador Visitante Especial PVE Perguntas e Respostas Submissão de Propostas Guia Pesquisador Visitante Especial PVE Perguntas e Respostas Submissão de Propostas 1 Introdução...3 O que é o Programa Ciência sem Fronteiras?...3 O que é o Pesquisador Visitante Especial PVE?...3 Qual

Leia mais

Orientação para CADASTRO de PROJETO DE PESQUISA no BANCO DE DADOS da PESQUISA da UNICAP

Orientação para CADASTRO de PROJETO DE PESQUISA no BANCO DE DADOS da PESQUISA da UNICAP Orientação para CADASTRO de PROJETO DE PESQUISA no BANCO DE DADOS da PESQUISA da UNICAP a) OBJETIVO DA PROPOSTA A Pró-reitoria Acadêmica (PRAC), dando continuidade às ações para consolidação da pesquisa

Leia mais

EDITAL DE APOIO A PESQUISADORES INTERNACIONAIS VISITANTES UFMT

EDITAL DE APOIO A PESQUISADORES INTERNACIONAIS VISITANTES UFMT EDITAL DE APOIO A PESQUISADORES INTERNACIONAIS VISITANTES UFMT EDITAL PROPeq/UFMT DE APOIO A PESQUISADORES INTERNACIONAIS VISITANTES - Maio de 2015 I) OBJETIVOS: O Edital de Apoio à participação de pesquisadores

Leia mais

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO-GERAL - CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL N 08/2015

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO-GERAL - CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL N 08/2015 MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO-GERAL - CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL N 08/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DO IFPB CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA

Leia mais

EDITAL INTERNO Nº 02/2012

EDITAL INTERNO Nº 02/2012 EDITAL INTERNO Nº 02/2012 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ÁREA DE PETRÓLEO, GÁS, ENERGIA E BIOCOMBUSTÍVEIS (PFRH/IFRJ/PETROBRAS) O Pró-Reitor de Ensino Médio e Técnico

Leia mais

EDITAL 02/2014 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC-EM-CNPQ/UFU

EDITAL 02/2014 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC-EM-CNPQ/UFU EDITAL 02/2014 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC-EM-CNPQ/UFU A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPP da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) torna público o presente edital para inscrição

Leia mais