Urgências Reprodutivas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Urgências Reprodutivas"

Transcrição

1 ta. Maria da Feira, 23 de Janeiro de 2010 Urgências Reprodutivas Luís Montenegro, Rui Mota, Teresa Costa

2

3

4 PERCENTAGEM DE OCORRÊNCIA DAS DIFERENTES EMERGÊNCIAS REPRODUTIVAS POR ESPÉCIE TOTAL INTERNAMENTO CÃES TOTAL INTERNAMENTO GATOS TOTAL: 2477 PIÓMETRAS 93 % 7 % CESAREANAS 77 % 23 % OVH POR MORTE FETAL 50 % 50 % MASTITES METRITES 100 % 100 % CADELAS GATAS

5 IDADE MÉDIA DE OCORRÊNCIA DAS PRINCIPAIS EMERGÊNCIAS REPRODUTIVAS (ANOS) CADELAS GATAS 8,6 6,0 4,7 3,8 4,3 2,9 PIÓMETRAS CESAREANAS OVH POR MORTE FETAL

6

7

8 Outras Emergências

9 Outras Emergências

10 Outras Emergências - Fêmeas Mastites! Antibioterapia! Drenagens! Compressas quentes! Decisão de retirar ou não a ninhada

11 Outras Emergências - Fêmeas Endometrite / Metrite! 1ª semana pós-parto! Retenção de fetos ou placenta! Manipulação obstétrica exagerada! Febre, letargia, anorexia, vómito, negligência maternal, descargas com mau cheiro! Compromisso sistémico Shock, estabilização, antibioterapia, prostaglandinas OVH

12 Outras Emergências - Fêmeas Prolapso Uterino! Raro (pós-parto)! Gatas! Choque hemorrágico! Reduzir prolapso:! Episiotomia (oxitocina)! Laparotomia exploratória (eventual fixação / OVH)

13 Outras Emergências - Fêmeas Torção Uterina! Eventual excesso de movimento fetal! Perda de tónus uterino! Dor abdominal, shock! Diagnóstico (Rx e eco)! Laparotomia exploratória (OVH) Eclampsia! Fluidos IV! Gluconato de Ca 2+ 10% 0,5 1,5 ml/kg! ECG

14 Outras Emergências - Fêmeas Agaláxia! Metoclopramida (1 5 mg/kg SC)! Oxitocina (0,5 2 UI) Síndrome do leite tóxico! Cachorros imitem queixumes, inquietude! Causas uterinas! Tratar cachorros e mãe

15 Outras Emergências - Machos Torção Testicular! Intra-abdominais (neoplasia)! Pronta remoção testicular Parafimose! Bolsas de gelo e lubrificante Recolocar pénis! Alargamento de orifício prepucial / amputação

16 Outras Emergências - Machos Prostatite! Diagnóstico importante! Possibilidade de tratamento para evitar cronicidade do processo

17 Piómetra

18 Piómetra! Cadelas / Gatas! 8 10 Anos! HEQ (progesterona)! Invasão por patógenos oportunistas (E.coli)

19 Piómetra Sinais clínicos:! Letargia, depressão e inapetência! PU / PD (50%)! Vómito (severamente afectadas)

20 Piómetra Exame Físico:! Desidratação! Temperatura elevada! Útero palpável! Nas abertas: Descarga sanguinolenta/mucopurulenta! Evolução: Febre (septicémia / toxémia) Shock Diminuição da Temperatura

21 Piómetra Diagnóstico:! Radiografia abdominal! Ecografia! Citologia vaginal! Hemograma! Azotémia (pré-renal renal)! Elevação ALT e FA

22 Piómetra

23 Piómetra

24 Piómetra

25 Piómetra Tratamento:! Fêmeas severamente afectadas exigem pronta estabilização! Rehidratação! Eq. Electrolítico! Eq. Ácido-base! Antibioterapia! Aglepristona (?)

26 Piómetra Decisão Balanceada Estabilizar Cirurgia (não retardar)

27 Piómetra Tratamento médico! Cadelas em bom estado geral! Jovens < 5-6 anos! Interesse reprodutivo

28 Piómetra Tratamento médico! Antibioterapia (cultura vaginal)! Terapia de suporte (fluidos)! Combinação de drogas luteolíticas Progesterona " abertura do cérvix " contracção endométrica

29 Piómetra Protocolos usados no HVM Cabergolina (5 µg/kg PO SID 10 dias) + Cloprostenol (1 µg/kg SC D3, D5, D7) Aglepristone (10 mg/kg SC D0, D1, D8, D15) + Cloprostenol (1 µg/kg SC D3, D5, D7)

30 Piómetra Obrigatório conseguir ninhada no cio seguinte! 5º dia de cio cultura vaginal! Monitorização da evolução do cio! Cópula no 1º dia de ovulação! Útero gestante Mais saudável! Diminuição das recidivas! Cumpre objectivo (obtenção de ninhada)

31 Distócia

32 Distócia Tempo de gestação Cadela: dias (1ª monta) dias (pico de LH) dias (ovulação) dias (metaestro) Gata: dias (1 monta)

33 Distócia 3 Fases do parto! 1ª fase (6 12 h) inquietação, ninho, anorexia, diminuição da temp. rectal 1 2ºC, contracções uterinas sub-clínicas! 2ª fase retorno da temperatura rectal, contracções abdominais, uterinas e pélvicas, expulsão dos fetos! 3ª fase expulsão placentária

34 Distócia Causas de Distócia Maternal Fetal orfológica Anomalias anatómicas aças: Bulldog, Boston errier ) Adquiridas (fracturas, eoformações de tecidos oles) Fisiológica Falha miométrica: " Primária " Secundária " Má apresentação " Tamanho excessivo " Má formação " Morte fetal

35 Distócia Diagnóstico! Contracções abdominais fortes min. sem expulsão fetal! Mais de 4-6h entre o nascimento de fetos! Falha de expulsão dos fetos 24-36h depois de ter caído a temp. rectal (1-2ºC)! Cadela grita e lambe ou morde a área vulvar durante o parto

36 Distócia Diagnóstico (cont.)! Falha na progressão para estádio 2 após 8-16h depois de ter entrado no estádio 1! Gestação >70-72 dias desde a 1ª monta, 66 dias desde o pico de LH, 64 dias desde o dia de ovulação, ou 62 dias depois do 1º dia de metaestro! Sem expulsão fetal 3h após ser visualizada descarga vaginal esverdeada (separação placentária)

37 Distócia O que fazer?! Exame digital do canal de parto! Ecografia <180 bpm Normal Morto stress fetal severo!radiografia (número e localização dos fetos)

38 Distócia Tratamento! Condições reunidas para tentar tratamento médico! Se muito nervosa tranquilizar! Provocar desconforto com exercício

39 Distócia Tratamento (cont.)! Protocolo Oxitocina / Gluconato de Ca 2+! Oxitocina 0,5 2 UI cada 30 min.! Contracções pouco efectivas Gluconato de Ca 2+ 10% 2 10 ml (ECG)! Ausência de resposta à 3ª tentativa Cesareana

40 Ressuscitação Neonatal! Aquecimento a 30ºC! Remoção de fluidos fetais e amnióticos! Massagem vigorosa (tórax, estimular respiração)

41 Ressuscitação Neonatal Obrigado!!

Parto e Distócia. Luís Montenegro Hospital Veterinário Montenegro Lisboa 2013

Parto e Distócia. Luís Montenegro Hospital Veterinário Montenegro Lisboa 2013 Parto e Distócia Luís Montenegro Hospital Veterinário Montenegro Lisboa 2013 Parto Tempo de Gestação Cadela: 63 dias ( 65 +/- 1 dia após pico de LH; 63 após a ovulação; 57 dias após o metaestro) Gata:

Leia mais

ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS

ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS Estudos Clínicos revelam a eficácia de Alizin na Terapia Medicamentosa de Piometra em Cadelas A piometra nas cadelas e nas

Leia mais

Hiperplasia Endometrial Quística Piómetra. Luís Montenegro Hospital Veterinário Montenegro Lisboa 2013

Hiperplasia Endometrial Quística Piómetra. Luís Montenegro Hospital Veterinário Montenegro Lisboa 2013 Hiperplasia Endometrial Quística Piómetra Luís Montenegro Hospital Veterinário Montenegro Lisboa 2013 Urgências Reprodutivas Número de casos de urgências reprodutivas versus número total de internados

Leia mais

Estudo retrospectivo de urgências reprodutivas no Hospital Veterinário Montenegro

Estudo retrospectivo de urgências reprodutivas no Hospital Veterinário Montenegro UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Escola de Ciências Agrárias e Veterinárias - Departamento de Ciências Veterinárias Luís Miguel Fonte Montenegro Estudo retrospectivo de urgências reprodutivas

Leia mais

Cuidados com a gestante. Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG

Cuidados com a gestante. Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG Cuidados com a gestante Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG Período gestacional Cadelas 56-60 dias Gatas 58-72 dias (63) Data do cruzamento Objetivos Parto seguro Bem-estar da cadela/ gata e

Leia mais

SÍFILIS E INFECÇÃO PELO HIV NA GRAVIDEZ A.T. Saúde da Mulher

SÍFILIS E INFECÇÃO PELO HIV NA GRAVIDEZ A.T. Saúde da Mulher SÍFILIS E INFECÇÃO PELO HIV NA GRAVIDEZ A.T. Saúde da Mulher 1 Introdução A aids e a Sífilis constituem problemas importantes de saúde pública nos países em desenvolvimento. A transmissão vertical (T.V.)

Leia mais

Bilhete 084/14. Bilhete 084/14 Santo André, 25 de novembro de 2014. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil.

Bilhete 084/14. Bilhete 084/14 Santo André, 25 de novembro de 2014. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos do 1º ano. Senhores Pais dos alunos do 1º ano. Senhores Pais dos alunos da turma 1F8.

Leia mais

cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda.

cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cloridrato

Leia mais

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH) PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH) PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA () PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL Introdução A infecção na criança no nosso país faz-se quase exclusivamente por transmissão vertical pelo que é possível reduzir eficazmente

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO. Quinta da Fonte, 19 Edifício Vasco da Gama 2770-192 Paço de Arcos Portugal Tel: 800 202 520

FOLHETO INFORMATIVO. Quinta da Fonte, 19 Edifício Vasco da Gama 2770-192 Paço de Arcos Portugal Tel: 800 202 520 FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento. - Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o ler novamente. - Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Leia mais

Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013)

Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013) Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013) Van Pinxteren B, Knottnerus BJ, Geerlings SE, Visser HS, Klinkhamer S, Van der Weele GM, Verduijn MM, Opstelten W, Burgers

Leia mais

TOXEMIA DA GESTAÇÃO: relato de um caso

TOXEMIA DA GESTAÇÃO: relato de um caso Veterinária TOXEMIA DA GESTAÇÃO: relato de um caso Oaniel Maia Nogueira e Madriano Christilis Introdução A sanidade do rebanho é essencial para um bom resultado econômico e produtivo do plantei. Animais

Leia mais

Faculdade de Medicina Veterinária

Faculdade de Medicina Veterinária UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA Faculdade de Medicina Veterinária URGÊNCIAS REPRODUTIVAS NA CADELA TERESA ISABEL RODRIGUES DA COSTA CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Doutora Luísa Maria Freire Leal Mateus Doutor José

Leia mais

Acasalamento 3,0 3,5. Terço final da gestação 2,5 4,0. Parição (parto simples) 3,0 4,0. Parição (parto gemelar) 3,5 4,0

Acasalamento 3,0 3,5. Terço final da gestação 2,5 4,0. Parição (parto simples) 3,0 4,0. Parição (parto gemelar) 3,5 4,0 Manejo reprodutivo de ovinos Fêmeas Estacionalidade reprodutiva Fertilidade aumenta com os dias curtos Temperatura Calor acentuado: inibe cio, diminui a fertilidade e aumenta a mortalidade embrionária

Leia mais

Luís Montenegro Hospital Veterinário Montenegro Lisboa 2013

Luís Montenegro Hospital Veterinário Montenegro Lisboa 2013 Inseminação artificial Gestação Luís Montenegro Hospital Veterinário Montenegro Lisboa 2013 Fisiologia Reprodutiva Canina Cadela Monoéstrica Intervalo interéstrico 4 a 12 meses (média de 7 meses) Variavilidade

Leia mais

Prematuridade e actuação na sala de partos. Joana Saldanha 21 Outubro de 2009

Prematuridade e actuação na sala de partos. Joana Saldanha 21 Outubro de 2009 Prematuridade e actuação na sala de partos Joana Saldanha 21 Outubro de 2009 Classificações do RN Baseadas na IG: termo- entre as 37 e as 42 semanas IG prétermo menos de 37semanas pós termo- mais de 42

Leia mais

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas.

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas. PROGRAMA PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DAS VAGAS PARA O CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO, EDITAL Nº 764, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015, NA ÁREA DE REPRODUÇÃO ANIMAL 1) FÊMEA - PARTE TEÓRICA: 1.1 Revisão

Leia mais

Manejo reprodutivo de vacas de leite criadas a pasto. José Luiz Moraes Vasconcelos

Manejo reprodutivo de vacas de leite criadas a pasto. José Luiz Moraes Vasconcelos Manejo reprodutivo de vacas de leite criadas a pasto José Luiz Moraes Vasconcelos De que vaca e de que pasto estamos falando? Cenários? Holandesa ou mestiça? Pasto bom ou ruim? Verão ou inverno? Produção

Leia mais

Granulokine (filgrastim) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução injetável 30 MU/ML e 60 MU/ML

Granulokine (filgrastim) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução injetável 30 MU/ML e 60 MU/ML Granulokine (filgrastim) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução injetável 30 MU/ML e 60 MU/ML Granulokine filgrastim (G-CSF) Roche Fator estimulador de colônias de granulócitos (glóbulos

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios OVÁRIOS Fonte de gametas e hormônios OVOGÊNESE No feto células germinativas multiplicamse ovogônias Cresce meiose I para na prófase I ovócito I nascimento milhares de ovócitos primários. Ovócito primário

Leia mais

Urolitíases. Formação de urólitos em qualquer local do trato urinário a partir de cristalóides poucos solúveis na urina

Urolitíases. Formação de urólitos em qualquer local do trato urinário a partir de cristalóides poucos solúveis na urina Urolitíases Urolitíases Formação de urólitos em qualquer local do trato urinário a partir de cristalóides poucos solúveis na urina Seqüela de uma ou mais anormalidades, envolve fatores fisiológicos e doenças

Leia mais

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges RADIOGRAFIA ABDOMINAL Profª Drª Naida Cristina Borges Produção de Radiografias Diagnósticas Preparo adequado jejum/enema Pausa da inspiração evita o agrupamento das vísceras Indicações para a Radiologia

Leia mais

RUBÉOLA. Período de incubação: varia de 14 a 21 dias, em média 16-17 dias Período de transmissão vai de uma semana antes até 4 dias após o exantema.

RUBÉOLA. Período de incubação: varia de 14 a 21 dias, em média 16-17 dias Período de transmissão vai de uma semana antes até 4 dias após o exantema. RUBÉOLA Márcio Antonio Almeida Pinheiro Francisco Herlânio Costa Carvalho Agente Etiológico: - RNA vírus da família Togavírus Patogênese: - O homem é o único hospedeiro. - Transmissão através da inalação

Leia mais

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004)

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Flikweert S, Wieringa-de Waard M, Meijer LJ, De Jonge A, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

GERANDO RESULTADOS COM VOCÊ

GERANDO RESULTADOS COM VOCÊ GERANDO RESULTADOS COM VOCÊ Manejo Reprodutivo de Fazendas Leiteiras Robson Vilela Sá Fortes Veterinário Equipe Leite - ReHagro Roteiro Introdução Patologias Reprodutivas O que podemos fazer para melhorar

Leia mais

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Manejo reprodutivo de caprinos Qual a importância de um bom manejo reprodutivo? Determina a eficiência do sistema de produção Estacionalidade

Leia mais

Distrito Estadual de Fernando de Noronha Processo Seletivo Simplificado 2006 COMPONENTE 1

Distrito Estadual de Fernando de Noronha Processo Seletivo Simplificado 2006 COMPONENTE 1 COMPONENTE 1 Não consta, como propósito basilar da Portaria 1395/1999, do Ministério da Saúde, que aprova a Política Nacional do Idoso: A) a promoção do envelhecimento saudável. B) a manutenção e a melhoria,

Leia mais

Incompetência Cervico - Ístmica

Incompetência Cervico - Ístmica Incompetência Cervico - Ístmica Elsa Landim, Gonçalo Dias, Vanessa Santos Serviço de Obstetrícia Diretora: Dra. Antónia Nazaré Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E. 13 de Outubro de 2011 Introdução

Leia mais

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis Filipe Martinho, DVM III Congresso OMV - Novembro 2012 Oncologia e Répteis Aparentemente casos oncológicos são raros; Em colecções zoológicas até 23%

Leia mais

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos SISTEMA GENITAL MASCULINO Testículos - São as gônadas ou glândulas sexuais masculinas. Estes encontram-se alojados numa bolsa de pele, o escroto (saco escrotal); - Na fase embrionária estão dentro da cavidade

Leia mais

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br hiperglicemia CAD acidose cetose neoglicogênese glicogenólise + amino ácidos insulina insuficiente suspensão da insulina resistência insulínica deficiência

Leia mais

COMO OBTER UM BEZERRO POR VACA/ANO. Prof. Dr. José Abdo A. Hellu

COMO OBTER UM BEZERRO POR VACA/ANO. Prof. Dr. José Abdo A. Hellu COMO OBTER UM BEZERRO POR VACA/ANO Prof. Dr. José Abdo A. Hellu OBJETIVOS DO PROTOCOLO: Obter meia (½) fêmeapor ano para reposição. Atingir um pico de lactação por vaca/ano. LIMITAÇÕES Clima e estações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA PROTOCOLO - OBS 032 DATA: 24/09/2005 PÁG: 1 / 5 1. CONCEITOS - Infecção do trato urinário inferior: colonização bacteriana na bexiga e/ou uretra acompanhada de resposta inflamatória CISTITES, URETRITES.

Leia mais

Sinonímia Alterações Herdadas e Congênitas Defeitos de Desenvolvimento da Região Maxilofacial e Oral

Sinonímia Alterações Herdadas e Congênitas Defeitos de Desenvolvimento da Região Maxilofacial e Oral Sinonímia Alterações Herdadas e Congênitas Defeitos de Desenvolvimento da Região Maxilofacial e Oral Doença Hereditária: é um desvio da normalidade transmitidos por genes e que podem estar presentes ou

Leia mais

Secção de Cardiologia Pediátrica

Secção de Cardiologia Pediátrica Secção de Cardiologia Pediátrica CURSO DE VERAO PARA INTERNOS RELATORIO Curso de Verão para Internos a cargo da Secção de Cardiologia Pediatrica incluído âmbito do programa da Direcção da SPP 1 Ficha técnica

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

RELATÓRIO E VOTO. Desembargadora Avelirdes Almeida Pinheiro de Lemos

RELATÓRIO E VOTO. Desembargadora Avelirdes Almeida Pinheiro de Lemos HABEAS CORPUS Nº 69432-32.2013.8.09.0000 (201390694321) COMARCA DE GOIÂNIA IMPETRANTE : EMERSON DA SILVA PAIVA PACIENTE : JÉSSICA DA MATA SILVA RELATORA : Desa. AVELIRDES ALMEIDA P. DE LEMOS RELATÓRIO

Leia mais

Prática da Advocacia Criminal Júri Parte 2. Legale

Prática da Advocacia Criminal Júri Parte 2. Legale Prática da Advocacia Criminal Júri Parte 2 Legale CONTINUAÇÃO DOS CRIMES DE COMPETÊNCIA DO JÚRI crimes contra a pessoa - Vida Infanticídio crimes contra a pessoa - Vida Ocorrerá o infanticídio quando a

Leia mais

Assistência ao parto

Assistência ao parto Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga

Leia mais

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada.

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada. !"#"! $"%!! Introdução Durante sua evolução, os ovinos e os caprinos desenvolveram alternativas reprodutivas para assegurar o nascimento de suas crias nos períodos de maior fartura de água e alimentos.

Leia mais

Amniocentese. Informação para doentes e familiares. Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros. Agosto 2008

Amniocentese. Informação para doentes e familiares. Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros. Agosto 2008 12 Amniocentese Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros Agosto 2008 Modificado a partir de folhetos produzidos pelo Guy s and St Thomas Hospital, Londres, pelo Royal College of Obstetricians and

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL CAMPUS DE PATOS-PB CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL CAMPUS DE PATOS-PB CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA MONOGRAFIA 11 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL CAMPUS DE PATOS-PB CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA MONOGRAFIA Estudo Retrospectivo das enfermidades relacionadas à Clínica da

Leia mais

ENO Tabs Frutas Sortidas

ENO Tabs Frutas Sortidas ENO Tabs Frutas Sortidas ENO Tabs Frutas Sortidas GlaxoSmithKline GlaxoSmithKline Comprimidos mastigáveis Comprimidos mastigáveis 750 mg de carbonato de cálcio 750 mg de carbonato de cálcio ENO Tabs Frutas

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO É constituído por: uma vulva (genitália externa), uma vagina, um útero, duas tubas uterinas (ovidutos ou trompas de Falópio),

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Acerca de situações de cuidado em oncologia, julgue os itens seguintes. 41 O Ministério da Saúde considera o câncer um problema de saúde pública que, a partir da Lei Orgânica da Saúde, possibilitou o fortalecimento

Leia mais

PumpMeter. Folheto do modelo

PumpMeter. Folheto do modelo PumpMeter Folheto do modelo Ficha técnica Folheto do modelo PumpMeter Todos os direitos reservados. Os conteúdos aqui disponibilizados não podem ser divulgados, copiados, reproduzidos, editados ou processados,

Leia mais

Métodos de indução do trabalho de parto

Métodos de indução do trabalho de parto CAPÍTULO 40 Métodos de indução do trabalho de parto 1 Introdução 2 Métodos mecânicos 2.1 Descolamento das membranas 2.2 Outros métodos mecânicos 3 Amniotomia 3.1 Amniotomia usada isoladamente 3.2 Amniotomia

Leia mais

USO DE AGLEPRISTONE E CLOPROSTENOL NO TRATAMENTO DE PIOMETRA EM CADELA RELATO DE CASO

USO DE AGLEPRISTONE E CLOPROSTENOL NO TRATAMENTO DE PIOMETRA EM CADELA RELATO DE CASO -.PIOMETRA EM CADELAS USO DE AGLEPRISTONE E CLOPROSTENOL NO TRATAMENTO DE PIOMETRA EM CADELA RELATO DE CASO NATÁLIA GUILHERME DE OLIVEIRA 1, MARCELL HIDEKI KOSHIYAMA 1, SHEILA CRISTINA SCANDURA 1, MICHELE

Leia mais

Clínica Médica de Pequenos Animais

Clínica Médica de Pequenos Animais V e t e r i n a r i a n D o c s Clínica Médica de Pequenos Animais Pseudociese Introdução A pseudogestação clínica ou manifesta ou pseudoprenhes, falsa gestação, falsa prenhes, gestação psicológica ou

Leia mais

2007-2008. Horário - Programa de Formação Contínua Pós-graduada - 3º PERÍODO. 4º Feira 07 Maio. Sábado 10 Maio SALAS 1 2 3 4 5

2007-2008. Horário - Programa de Formação Contínua Pós-graduada - 3º PERÍODO. 4º Feira 07 Maio. Sábado 10 Maio SALAS 1 2 3 4 5 Escola Nacional de Pública 4º Feira 07 Maio Equipas de Cuidados de Equipas de Cuidados de Estatística II de Serviços de Sábado 10 Maio de Programas em Pública de Programas em Pública 1 Escola Nacional

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA Dr Claire Todd Dr Matthew Rucklidge Miss Tracey Kay Royal Devon and Exeter

Leia mais

As Doenças da Tiróide e a Gravidez

As Doenças da Tiróide e a Gravidez As Doenças da Tiróide e a Gravidez As Doenças da Tiróide e a Gravidez Que efeito tem a gravidez no funcionamento da tiróide? Várias alterações fisiológicas próprias da gravidez obrigam a glândula tiróide

Leia mais

Métodos de indução do parto. Marília da Glória Martins

Métodos de indução do parto. Marília da Glória Martins Métodos de indução do parto Marília da Glória Martins Métodos de indução 1.Indução com análogo da prostaglandina - misoprostol. 2.Indução com ocitocina. 3.Indução pela ruptura das membranas ovulares. Indução

Leia mais

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Define-se como hipotermia (hipo: diminuição e termia: temperatura), a redução significativa da temperatura corporal ao nível mais baixo da média normal,

Leia mais

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Controle Hormonal da Gametogênese Feminina Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Ovários Formato

Leia mais

Protocolo para diagnóstico e tratamento de DST

Protocolo para diagnóstico e tratamento de DST Protocolo para diagnóstico e tratamento de DST Pela sua magnitude, transcendência, vulnerabilidade e factibilidade de controle, as Doenças Sexualmente Transmissíveis devem ser priorizadas enquanto agravos

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

Preparando a casa para receber o bebê

Preparando a casa para receber o bebê Preparando a casa Preparando a casa para receber o bebê Vamos ensinar aos pais os direitos das crianças? Está chegando a hora do bebê nascer. A família deve ajudar a gestante a preparar a casa para a chegada

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS

POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS JUNHO - 2009 Diretrizes Tomando por base a necessidade de organizar à assistência

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS 1 PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS www.kerabrasil.com.br Fone:(54)2521-3124 Fax:(54)2521-3100 2 INTRODUÇÃO PROGRAMA KERA PARA BOVINOS DE LEITE E CORTE Com o acelerado melhoramento genético dos

Leia mais

É a gestação que se instala e evolui fora da cavidade uterina. Localizações mais freqüentes: - Tubária 95% - Abdominal 1,4% - Ovariana 0,7%

É a gestação que se instala e evolui fora da cavidade uterina. Localizações mais freqüentes: - Tubária 95% - Abdominal 1,4% - Ovariana 0,7% PROTOCOLO - OBS - 016 DATA: 23/11/2004 PÁG: 1 / 5 1. CONCEITO É a gestação que se instala e evolui fora da cavidade uterina. Localizações mais freqüentes: - Tubária 95% - Abdominal 1,4% - Ovariana 0,7%

Leia mais

2. Vigilância da gravidez, do crescimento e do comportamento fetal

2. Vigilância da gravidez, do crescimento e do comportamento fetal Temas da Aula Pediatria I (TP) Perinatologia Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 26-10-2007 Disciplina: Pediatria I TP Prof.: Prof. Dr. Lincoln Justo da Silva Tema da Aula: Perinatologia Autora: Ana Patrícia

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária PARTE I

REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária PARTE I REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária PARTE I CICLO ESTRAL CICLO ESTRAL DEFINIÇÃO É o período compreendido entre dois estros, de duração variável, porem

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER O Ministério da Saúde, por intermédio da Secretaria de Atenção à Saúde,

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE CAMPO DO CONTROLE LEITEIRO

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE CAMPO DO CONTROLE LEITEIRO CONTROLE 1 de 5 MANUAL DE PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE CAMPO DO CONTROLE CONTROLE 2 de 5 1. Objetivo Este manual tem como objetivo a padronização do preenchimento do relatório de campo (R.1) do serviço

Leia mais

OBSTETRÍCIA. Questão 1

OBSTETRÍCIA. Questão 1 OBSTETRÍCIA Questão 1 Paciente com 22 semanas de gestação é atendida com diagnóstico de carcinoma ductal infiltrante de mama. Ao exame físico apresenta nódulo irregular, pétreo, com 2cm localizado no quadrante

Leia mais

Emergência e urgência nos atendimentos (aula 2)

Emergência e urgência nos atendimentos (aula 2) Emergência e urgência nos atendimentos (aula 2) Emergências em cães e gatos Envenenamentos e intoxicações (inseticidas, venenos para roedores, produtos de limpeza, medicações, chocolates, etc) Escoriações

Leia mais

PRODUÇÃO ASSISTENCIAL ANO / 2015

PRODUÇÃO ASSISTENCIAL ANO / 2015 PRODUÇÃO ASSISTENCIAL ANO / 2015 ATENDIMENTOS CLÍNICOS / 2015 ATENDIMENTOS MÉDICOS E DE ENFERMAGEM TOTAL Serviço de Emergência Pronto Atendimento Obstétrico 2.011 2.011 Consultas Médicas Ambulatórios 3.103

Leia mais

Curso Anual Universitario de Medicina Familiar y Atención Primaria Infecções urinárias

Curso Anual Universitario de Medicina Familiar y Atención Primaria Infecções urinárias Infecções urinárias Dr.Eduardo Durante Dra. Karin Kopitowski Dr. Mario Acuña Objetivos Definir disúria e realizar os diagnósticos diferenciais. Realizar uma correta aproximação diagnóstica, Manejar adequadamente

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA RESOLUÇÃO Nº 16, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2004.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA RESOLUÇÃO Nº 16, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2004. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA RESOLUÇÃO Nº 16, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2004. Dispõe sobre conteúdos do Programa de Residência Médica de Obstetrícia e Ginecologia.

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

Plano de Parto. , e. (gestante) (acompanhante) (bebê) I- Nossa filosofia para o nascimento

Plano de Parto. , e. (gestante) (acompanhante) (bebê) I- Nossa filosofia para o nascimento Plano de Parto, e (gestante) (acompanhante) (bebê) I- Nossa filosofia para o nascimento O plano de parto expressa nossos desejos e preferências para o nascimento do nosso bebê. Nós nos informamos antes

Leia mais

Cada frasco-ampola de BECENUN contém 100 mg de carmustina sob a forma de pó liofilizado. Cada ampola de diluente contém 3 ml de álcool etílico.

Cada frasco-ampola de BECENUN contém 100 mg de carmustina sob a forma de pó liofilizado. Cada ampola de diluente contém 3 ml de álcool etílico. APRESENTAÇÃO BECENUN pó liofilizado para solução injetável é apresentado na concentração 100 mg por frascoampola, em embalagem com 10 frascos-ampola, acompanhados de 10 ampolas com 3,0 ml de diluente estéril.

Leia mais

Reprodução em Vertebrados

Reprodução em Vertebrados Reprodução em Vertebrados Anfíbios machos Ductos deferentes esperma, esperma e urina; Ductos acessórios - presentes ou ausentes; Vesículas seminais geralmente presentes; Epidídimos - podem estar presentes;

Leia mais

Definição Diversas condições clínicas que variam desde presença assintomática de bactérias na urina até infecção renal grave, resultando em sepsis.

Definição Diversas condições clínicas que variam desde presença assintomática de bactérias na urina até infecção renal grave, resultando em sepsis. Definição Diversas condições clínicas que variam desde presença assintomática de bactérias na urina até infecção renal grave, resultando em sepsis. Prof. João Luiz Schiavini Disciplina de Urologia INFECÇÕES

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação

Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação III WORKSHOP INTERNACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM HEPATOLOGIA Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO Hepatites

Leia mais

OBSTETRÍCIA NOVOS CAMINHOS PARA A TRIAGEM Diogo Bruno

OBSTETRÍCIA NOVOS CAMINHOS PARA A TRIAGEM Diogo Bruno OBSTETRÍCIA NOVOS CAMINHOS PARA A TRIAGEM Diogo Bruno O longo caminho da Triagem de Manchester 1996: 1.ª edição inglesa 2003: 1.ª edição portuguesa 2006: 2.ª edição inglesa 2010: 2.ª edição portuguesa

Leia mais

PARTIAL PROLAPSE IN THE UTERUS WITH BLADDER RETROFLECTION OF A FEMALE DOG

PARTIAL PROLAPSE IN THE UTERUS WITH BLADDER RETROFLECTION OF A FEMALE DOG PROLAPSO PARCIAL DE ÚTERO COM RETROFLEXÃO DE BEXIGA EM CADELA Tairon Pannunzio Dias e silva 1, Ravy Guerra de Oliveira 1, Francisco Lima Silva 2 1. Graduandos em Medicina Veterinária () - Universidade

Leia mais

Indução do parto Informação destinada às mulheres grávidas, aos seus companheiros e familiares.

Indução do parto Informação destinada às mulheres grávidas, aos seus companheiros e familiares. Portuguese translation of Induction of labour - Information for pregnant women, their partners and families Indução do parto Informação destinada às mulheres grávidas, aos seus companheiros e familiares.

Leia mais

Relatório Final do Experimento

Relatório Final do Experimento Relatório Final do Experimento Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bst) na produção de leite de vacas de alta produção. Prof. Dr. Rodrigo de Almeida (DZ-UFPR) Coordenador

Leia mais

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE).

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE). PRIMEIRA CONSULTA DE PRÉ NATAL. HISTÓRIA: Entrevista (nome, idade, procedência, estado civil, endereço e profissão) História familiar de problemas de saúde. História clínica da gestante. História obstétrica.

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO

DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO ASPECTOS CLÍNICOS E ECOGRÁFICOS Miguel Branco MBB -CHC Definição é clínica: Contractilidade uterina com alteração características do colo ( mais específico se > 6 /h e >

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL Deinição (OMS) - morte do produto da concepção ocorrida antes da expulsão ou de sua extração completa do organismo materno, independentemente da duração da gestação. 1. CLASSIfICAçãO»

Leia mais

Teste Pré-Natal. Sem riscos para a mãe ou para o feto. Não Invasivo em Sangue Materno

Teste Pré-Natal. Sem riscos para a mãe ou para o feto. Não Invasivo em Sangue Materno Teste Pré-Natal Não Invasivo em Sangue Materno Teste para a Detecção das Síndromes de Down, Edwards, Patau e Turner (e outras alterações cromossómicas do feto) Sem riscos para a mãe ou para o feto Panorama

Leia mais

Calendário de Provas Parciais (Nacionais) - P2

Calendário de Provas Parciais (Nacionais) - P2 Disciplinas 1º, 2, 3, 4º, 5º, 6º, 7º e 8º Realização Entrada ADM02001 COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 1º ADM02011 MICROECONOMIA 3º ADM02024 ADMINISTRAÇÃO MERCAOLOGICA II 5º 18:00 às 20:00 04/JUN/2013 3ª Feira

Leia mais

SUMÁRIO - TEXTOS OBSTETRÍCIA. Módulo 1 - A Tecnologia da Ultra-sonografa 9 PRINCÍPIOS FÍSICOS DO ULTRA-SOM 10 Walter Pereira Borges

SUMÁRIO - TEXTOS OBSTETRÍCIA. Módulo 1 - A Tecnologia da Ultra-sonografa 9 PRINCÍPIOS FÍSICOS DO ULTRA-SOM 10 Walter Pereira Borges SUMÁRIO - TEXTOS OBSTETRÍCIA Módulo 1 - A Tecnologia da Ultra-sonografa 9 PRINCÍPIOS FÍSICOS DO ULTRA-SOM 10 Walter Pereira Borges Módulo 2 - Ultra-sonografa da Gestação Inicial 23 USG NA GRAVIDEZ INCIPIENTE

Leia mais

Diagnóstico Precoce de Prenhez

Diagnóstico Precoce de Prenhez UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Diagnóstico Precoce de Prenhez Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

24/Abril/2013 Aula 19. Equação de Schrödinger. Aplicações: 1º partícula numa caixa de potencial. 22/Abr/2013 Aula 18

24/Abril/2013 Aula 19. Equação de Schrödinger. Aplicações: 1º partícula numa caixa de potencial. 22/Abr/2013 Aula 18 /Abr/013 Aula 18 Princípio de Incerteza de Heisenberg. Probabilidade de encontrar uma partícula numa certa região. Posição média de uma partícula. Partícula numa caixa de potencial: funções de onda e níveis

Leia mais

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ - CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ No início de cada ciclo menstrual (primeiro dia do fluxo menstrual), a hipófise anterior lança no sangue feminino o FSH (hormônio folículo-estimulante),

Leia mais

20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL

20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I TARDE MATERNAL I MANHÃ 20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I MANHÃ - Antes de executar suas tarefas, revise a parte teórica 2ª E 3ª AULA CONHECENDO AS VOGAIS- JOGOS

Leia mais