Informações e orientações para organização do processo decisório

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Informações e orientações para organização do processo decisório"

Transcrição

1 Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) A

2 1 DIRETOR FINANCEIRO: INFORMAÇÕES GERAIS O 9 é um sistema baseado em Jogo de Empresas que permite a uma equipe de pessoas assumir a gestão de um empreendimento econômico no qual o foco da atividade reside na administração de um processo decisório e a tomada de decisões orientadas para resultados econômicos/financeiros. A empresa atua num mercado competitivo e o desafio é maximizar; o uso da capacidade de produção instalada; as vendas e a rentabilidade patrimonial. Para apoiar o processo decisório, a empresa dispõe de um sistema de informações gerenciais, capaz de gerar relatórios relativos ao fluxo de caixa, contas a pagar, contas a receber, demonstrativo de resultados e o demonstrativo patrimonial. Além disso, o sistema de informações oferece também um painel de indicadores de desempenho da produção, vendas, financeiras e contábeis. Um painel de gráficos permite visualizar a evolução e o comparativo entre as metas estabelecidas e realizadas. Apesar de ser bastante amplo o potencial de aprendizagem e desenvolvimento de aptidões gerenciais, merecem destaque as seguintes: - Organizar, coordenar e atuar num processo decisório baseado no trabalho em equipe; - Planejar e simular estratégias e cenários de mercado; - Lidar com situações de conflito, imprevisto e incertezas; - Familiarizar-se e utilizar com proveito informações gerenciais de natureza econômica/financeira; - Praticar e testar a capacidade de resolução de problemas quantitativos de natureza econômica e financeira; - Analisar resultados e estabelecer relações sistêmicas de causa e efeito visando a identificação e o controle de fatores críticos/chaves de sucesso. As equipes responsáveis pela gestão devem considerar que: a) Pertencem a um grupo empresarial dividido em unidades de negócios idênticas. Portanto, não competem entre si, na mesma região. Existe um bom potencial de mercado, contudo, este mercado consumidor é bastante criterioso e sensível em relação a preços, prazo de vendas, juros, descontos e propaganda. b) Sendo as unidades de negócios de natureza idêntica, inicialmente estarão todas em igual condição de capacidade produtiva, financeira e oportunidades. O objetivo do grupo é alcançar os melhores resultados possíveis. c) As empresas podem cooperar entre si sobre questões relativas à eficiência e otimização no uso dos recursos. As estratégias devem ser sigilosas, pois as empresas serão avaliadas através de um RANKING global de desempenho, baseado em 4 indicadores de desempenho. d) O exercício tem comprovado que o desempenho alcançado está significativamente relacionado com os seguintes fatores: comprometimento do grupo com os resultados, divisão de tarefas, planejamento e simulação de cenários/estratégias, ousadia e disposição para lidar com imprevistos/oportunidades. Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, FURB/Dep. Economia 1

3 2 O AMBIENTE EMPRESARIAL A empresa está submetida a um contexto que envolve diversas relações com o ambiente externo, conforme figura ao lado. Além das relações explicitadas na figura, a empresa sofre a influência de outros fatores sobre os quais não exerce nenhum controle, tais como as variáveis de natureza macroeconômica (inflação, taxa de crescimento da economia, cotações e taxas de juros) e as perturbações que configuram incertezas (sazonalidades, fatores climáticos, negociações sindicais e oportunidades de vendas no mercado externo). Fornecedor O MACRO AMBIENTE Composição e Relações B anco C onsulto ria Compra Vende Aplica Empresta Solicita Presta 3 ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA FINANCEIRA Administrar o fluxo de caixa, estabelecendo uma política de financiamento do caixa no caso de saldo deficitário e ou uma política de aplicações no caso de saldo superavitário, minimizando as despesas financeiras da empresa e maximizando o retorno do capital investido. Compete também a esta diretoria, decidir sobre a necessidade de estabelecer uma política de descontos sobre as vendas à vista, uma política de taxas de juros sobre as vendas à prazo e uma política de prazo em relação a compra de matérias primas com os fornecedores. Além disso, é também responsabilidade do diretor financeiro, verificar e conferir se as obrigações com os Acionistas e o Governo estão sendo devidamente recolhidas. Estes lançamentos são realizados pela contabilidade e lançados no sistema de informações automaticamente. Não é competência do diretor financeiro, decidir sobre os investimentos produtivos e política de preços, contudo, deve participar ativamente do processo decisório apresentando sugestões e indicando alternativas. Para realizar esta tarefa, a diretoria conta com o apoio de um sistema de informações gerais, que além organizar e apresentar informações históricas permite realizar simulações para testar estratégias e verificar alternativas decisórias favoráveis. Preço Prazo Juro Quantidades Leis e Imposttos Contudo, compete ao diretor financeiro avaliar e verificar a consistência das informações, isto é, falhas no sistema de informação, de qualquer natureza, devem ser detectadas e comunicadas e cabe ao diretor dispor de controles alternativos para dar seqüência ao processo decisório A B C Clientes Governo Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, FURB/Dep. Economia 2

4 4 Regras para atuar no mercado: 4.1 Operações bancárias Crédito para saldo negativo de conta corrente A empresas dispõe de uma linha de crédito automático para cobertura de saldos de conta negativos. Sobre o saldo devedor na conta corrente, a empresa paga juros do tipo cheque especial, ou seja, taxas relativamente elevadas. Esta taxa é divulgada mensalmente na da Suma de Negócios. O limite de financiamento do crédito automático está fixado no valor de 30% do patrimônio líquido da empresa Operações de desconto de títulos No caso de previsão de saldos negativos de caixa e para evitar os elevados juros cobrados pelo cheque especial, o banco oferece a alternativa de efetuar o financiamento de caixa através de Operações de Desconto de Duplicatas (p/capital de giro). Porém, esta operação depende das vendas à prazo que estão em carteira e as respectivas data de vencimento dos títulos. Podem ser descontados títulos com vencimento até 90 dias. As taxas de desconto são informadas no boletim informativo. Para avaliar as disponibilidades de carteira para efetuar as operações de desconto, o diretor financeiro deve utilizar sempre o relatório de contas a Pagar/Receber. Ex: para realizar um desconto de títulos no mês corrente, com vencimento para 30 dias, deve ser verificados o saldo disponível de títulos em carteira, do mês anterior, com prazo de vencimento de 60 dias e diminuir as duplicatas já descontadas Financiamentos de longo prazo Empréstimos de Longo Prazo são oferecidos apenas para aquisição ou reposição de equipamentos e investimentos em imobilizado. Como longo prazo, são consideradas todas as obrigações existentes que tem como data de vencimento um prazo superior a três meses. A taxa de juros para esta modalidade de financiamento é geralmente na ordem de 50% do valor da taxa de desconto de duplicatas para 30 dias Chamada de capital No caso de novos investimentos em produção e instalações e apenas quando explicitamente aprovado pelo conselho de administração da empresa, o diretor financeiro pode também utilizar a alternativa de chamada de capital, como forma de financiamento. Isto ocorre geralmente e apenas uma vez por ano, no mês de abril, quando é realizada a assembléia anual dos acionistas. Nesta assembléia são aprovados os investimentos, distribuição de lucros e dividendos e também, quando for o caso, as alternativas de financiamento dos investimentos. Neste sentido, o diretor financeiro deve ler e avaliar com atenção as informações sobre os projetos encaminhados pela diretoria anterior, para a próxima assembléia. Estas informações estão na Suma de Informações p/ Planejamento Aplicações em Renda Fixa Esta opção permite aplicações com prazo e taxas de retorno préfixadas. É uma operação de risco relativamente baixo. Por isto, a taxa de retorno é geralmente inferior se comparada com outras alternativas de maior risco. O resgate é automático e creditado na conta corrente. Vale destacar também que os RENDIMENTOS (juros) estão sujeitos à tributação (Imposto de Renda). Existe a opção de aplicação para 30, 60 e 90 dias, sendo as taxas de retorno informadas mensalmente na Suma de Negócios. Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, FURB/Dep. Economia 3

5 4.1.5 Aplicações em Fundos de Ações Através desta opção, podem ser realizadas operações de aplicação de saldos de capital financeiro que permitem a possibilidade de retornos financeiros mais elevados. Contudo, o risco também é inerente mais elevado. O valor da cota do fundo de ações é noticiado mensalmente na Suma de Negócios. Os ganhos/perdas são apurados pela diferença entre o valor médio da cota aplicada e o valor da cota no momento do resgate. As aplicações no Fundo de Ações podem ser resgatadas a qualquer momento. Contudo, para resgatar o saldo parcial ou totalmente, é necessário emitir uma ordem de resgate, antes de fechar o processo decisório do mês. 4.2 Obrigações com os Acionistas A assembléia dos acionistas ocorre anualmente no mês de abril, na qual é fixada a política de distribuição dos lucros apurados no ano anterior. De acordo com a legislação vigente, o pagamento de DIVIDENDOS deve ser no valor mínimo de 25 % do lucro acumulado no ano anterior, podendo ser acima deste valor se a assembléia assim o decidir. 4.3 Obrigações com o Governo O governo cobra dois tipos de impostos: o IR e o IPI. O IMPOSTO de RENDA - IR é cobrado de forma antecipada a cada seis meses, no valor de 35 % do LUCRO LÍQUIDO tributável. O IR deve ser recolhido nos meses de MAIO e NOVEMBRO, referente ao lucro apurado nos períodos DEZ/ABR e MAI/OUT respectivamente. No mês de ABRIL, é efetuado o ajuste final da declaração do IR do exercício anterior e recolhida a diferença entre o saldo devido e o valor já antecipado. Demais impostos: IPI = 8%, PIS = 0,65 e COFINS = 2%, incidem sobre o FATURAMENTO BRUTO do mês. Estes lançamentos são efetuados pela contabilidade e registrados automaticamente no sistema de informações. Porém, a responsabilidade pelo cumprimento destas obrigações é do diretor financeiro, que deve verificar e conferir se os registros destas obrigações foram efetuados nos prazos e valores fixados pela lei. 4.4 Obrigações com a Empresa de Consultoria Os serviços de CONTABILIDADE e os RELATÓRIOS GERENCIAIS DE DESEMPENHO que fazem parte do sistema de informações são terceirizados, e por isto existem despesas de manutenção com este sistema. Devem ser pagos mensalmente conforme o valor informado na Suma de Negócios. Vale ressaltar que conforme o contrato com a prestadora dos serviços, esta não assume a responsabilidade de erros e conseqüências resultantes de decisões baseadas em dados errados ou lançados de forma inadequada, mesmo que originados na prestadora. É de responsabilidade exclusiva da diretoria financeira: conferir, notificar e solicitar a correção de erros e lançamentos indevidos. 4.5 Operações à prazo com fornecedores e clientes As compras de matérias primas podem ser parceladas em até 4 vezes, isto é, , 60 e 90 dias. O juro da compra à prazo, é de 1,75% ao mês. Cabe a esta diretoria decidir se utiliza esta opção! As vendas à prazo podem ser parcelas em até 6 vezes. Esta decisão cabe ao diretor de mercado. Contudo, compete a esta diretoria determinar a política de juros. O juro anunciado deve corresponder ao acréscimo total que deve incidir sobre o preço à vista, dado o prazo. Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, FURB/Dep. Economia 4

6 5 Exercícios de fixação 5.1 Cabe ao financeiro efetuar mensalmente o fechamento do caixa. Por quê esta operação deve ser a última etapa do processo decisório, antes do seu encerramento? 5.2 Qual é o valor máximo disponível de desconto de títulos que pode ser obtido em janeiro, considerando os títulos em carteira com vencimento para 30, 60 e 90 dias(contas a Pagar/ a Receber). 5.3 A empresa dispõe de recursos que estão aplicados em Renda Fixa? A empresa dispõe de aplicações no Fundo de Ações? Quais são os procedimentos para efetuar o resgate? 5.4 Para financiar o investimento proposto para a assembléia dos acionistas em abril, pode ser utilizada a opção do empréstimo bancário de longo prazo ou a opção da chamada de capital. Em que estas alternativas se diferem? Como proceder para a escolha da melhor alternativa? 5.5 Suponha que o fluxo de caixa está deficitário, antes de realizar o fechamento do caixa. O que acontecerá caso nada seja feito? Quais são as alternativas disponíveis, para evitar que o fechamento do caixa seja realizado pelo financiamento automático de conta corrente (cheque especial)? 5.6 Se o diretor de mercado fixou uma política de prazo de 5 parcelas (1 + 4), qual deveria ser a taxa de juros a ser cobrada, caso o desejo seja o de cobrar o equivalente a 5% ao mês? Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, FURB/Dep. Economia 5

7 Projeção do crescimento econômico : entre +2% e +4% para o ano Projeção do nível de inadimplência : entre +3% e +8% ao mês. O atual está em 6,6% Projeção da inflação : entre +0,5% e +1,0% ao mês Projeção da TR : entre +1,5% e +1,7% ao mês Tabela de previsão dos níveis de variação da Sazonalidade dos produtos B e C A Mês Inflação % Mês Inflação % 12 meses Cota Fundo de Ações US$ Taxa Juros(TR) Jul 0,85 6,97 10,14 2,51 2,00 Ago 0,56 7,22 9,77 2,50 1,90 Set 0,98 8,13 9,05 2,55 1,80 Out 0,47 8,99 9,81 2,58 1,70 Nov 0,70 9,48 10,22 2,62 1,60 Dez 0,18 9,69 10,69 2,68 1,60 Produtos Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez B mín 0,5 0,6 0,7 0,9 1,1 1,3 1,5 1,7 1,5 1,2 0,9 0,7 B máx 0,7 0,8 0,9 1,1 1,3 1,5 1,7 1,9 1,7 1,4 1,1 0,9 C mín 1,5 1,7 1,5 1,2 0,9 0,7 0,5 0,6 0,7 0,9 1,1 1,3 C máx 1,7 1,9 1,7 1,4 1,1 0,9 0,7 0,8 0,9 1,1 1,3 1,5 Política Salarial : O sindicato patronal deverá se reunir em MARÇO para discutir o índice de aumento salarial, que normalmente ocorre em abril. O sindicato dos trabalhadores está se movimentando e as informações dão conta que o pedido de aumento salarial é na ordem de +10%, considerando a inflação dos últimos 12 meses e a produtividade alcançada no ano anterior. Assembléia dos Acionistas: A assembléia dos acionistas ocorre sempre no mês de abril. A agenda da diretoria para esta assembléia é a seguinte: 1- Além do pagamento mínimo de 25% do lucro do ano anterior, deverá distribuir mais 20 % do saldo da reserva de lucros; 2- Solicitar a aprovação do investimento no projeto de modernização do processo produtivo. Projeto de Modernização no processo de produção: Tabela de Custos e Despesas ( Dez) Descrição Valor MP 1 (a vista) 160,00 MP 2 (a vista) 80,00 MP 3 (a vista) 120,00 Pesquisa Efeito Propag ,00 Pesquisa Efeito Prazo 3.000,00 Custo Operacional/hora 2,95 Prazo (dias) Piso Salarial 430,00 Taxas Bancárias(Dez) Desconto Duplicatas Renda Fixa Cheque Especial 30 1,62% 0,81% 4,85% No mês de abril, com um investimento de UM em instalações e UM em equipamentos, será possível diminuir os tempos de processamento dos produtos para; A=12,5h, B=8,0h e C=10,5h. Para implantar a modernização são necessários ,29% 1,96% -- meses (conclusão no final de maio). Esta decisão deve ser em ABRIL e é de responsabilidade do Diretor Geral. Caso a decisão 90 7,76% 3,44% -- seja positiva, o Diretor Geral deverá solicitar que o Diretor Financeiro aponte a melhor alternativa de financiamento. Existe uma linha de crédito bancário para esta finalidade, que financia até 60% do valor do investimento, com carência de 7 meses, em 12 parcelas a uma taxa equivalente a 50% do valor da taxa de desconto de duplicatas. Existe também a possibilidade de realizar uma chamada de aumento de capital, de parte ou até de todo o valor do investimento. Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, FURB/Dep. Economia 6

8 DECISÕES FINANCEIRAS Virtual9_Anterior_A.xls Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Índice de Inadimplência no mês(%) 4,00 7,00 6,50 5,00 4,00 4,50 5,00 5,50 5,75 6,00 7,00 7,20 6,50 Taxa de Juros - TR no mês (%) 1,60 1,51 1,60 1,56 1,45 1,41 1,54 2,00 1,90 1,80 1,70 1,60 1,60 Valor Cota Fundo de Ações($) 10,00 10,85 10,35 10,15 9,95 9,72 9,27 10,14 9,77 9,05 9,81 10,22 10,69 Preço MP 1 ($) 168,00 163,00 163,00 157,50 152,30 168,00 178,50 189,00 199,50 189,00 178,50 168,00 160,00 Preço MP 2 ($) 76,00 70,00 75,00 75,00 76,00 85,50 95,00 100,00 104,50 100,00 95,00 85,00 80,00 Preço MP 3 ($) 118,80 123,00 128,00 123,50 114,00 110,00 104,50 100,00 95,00 100,00 104,50 110,00 120,00 Desconto Prod A (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Juro Real Venda Prazo A (%) 12,00 20,00 20,00 20,00 20,00 20,00 25,00 25,00 20,00 20,00 20,00 35,00 35,00 Desconto Prod B (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Juro Real Venda Prazo B (%) 12,00 20,00 20,00 20,00 15,00 15,00 15,00 15,00 12,00 12,00 12,00 20,00 20,00 Desconto Prod C (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Juro Real Venda Prazo C (%) 12,00 20,00 20,00 20,00 23,00 23,00 23,00 20,00 20,00 25,00 20,00 15,00 35,00 Margem de Contribuição Financeira (%) -1,05 9,15 9,71 9,98 9,91 9,75 9,59 9,22 8,78 8,65 8,44 8,51 9,00 Lucro Líquido no Mês Resgate Fundo de Ações (cotas) Desconto de Duplicatas p/ 30 dias ($) Desconto de Duplicatas p/ 60 dias ($) Desconto de Duplicatas p/ 90 dias ($) Prazo para Compra de MP(em Parcelas) Empréstimo p/ Imobilizado ($) Aumento de Capital ($) Posição Caixa Final do Mês : Estimado Saldo de Fundo de Ações (cotas) Duplicata com vencimento p/ 30 dias Duplicata com vencimento p/ 60 dias Duplicata com vencimento p/ 90 dias Aplicação Fundo de Ações (cotas) Aplicação Renda Fixa p/ 30 dias($) Aplicação Renda Fixa p/ 60 dias($) Aplicação Renda Fixa p/ 90 dias($) Multas ($) Premios ($) Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, FURB/Dep. Economia 7

9 FLUXO DE CAIXA Virtual9_Anterior_A.xls Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 100. Início do mês Fim do mês Empréstimo de CAIXA ENTRADAS NO CAIXA Receita de Vendas Receitas Fin. Trib Receitas Fin. N Trib Resgate F.Renda Fixa Resgate F. de Ações Duplicatas Descontadas Empréstimos Imobilizado Impostos Recuperados Venda Equip./Ações SAÍDAS DO CAIXA Compras Matéria Prima Despesas Gerais Adm Despesas Gerais Prod Despesas c/ Pessoal Pagamento Demissões Despesas c/ Propaganda Despesas c/ Estoques Outras Despesas Invest. F. Renda Fixa Invest.Fundo de Ações Invest. Imobilizado Amortização Empréstimos Pgto. Juros Emprest Juros Desc. Duplicatas Multas/Prêmios IPI Imposto de Renda Dividendos Pagos Participação Lucro Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, FURB/Dep. Economia 8

10 CONTAS A PAGAR Virtual9_Anterior_A.xls Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez MATÉRIAS-PRIMAS ($) Compras MP: no mês Compras MP: 30 dias Compras MP: 60 dias Compras MP: 90 dias Juros Pagos: no mês EMPRÉSTIMOS ($) Amortização Empréstimos: no mês Empréstimos a Pagar : Curto Prazo Empréstimos a Pagar : Longo Prazo Juros Pagos: no mês CONTAS A RECEBER Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez CLIENTES ($) Vendas: no mês Vendas: para 30 dias Vendas: para 60 dias Vendas: para 90 dias Vendas: para 120 dias Vendas: para 150 dias Vendas: para 180 dias Vendas: para 210 dias Vendas: para 240 dias Vendas: para 270 dias DESCONTOS DE DUPLICATAS* ($) Descontos: no mês Descontos: de 30 dias Descontos: de 60 dias Descontos: de 90 dias Juros Pagos: no mês * Este valor deve ser diminuído das vendas FUNDO DE RENDA FIXA ($) Resgate: no mês Resgate: para 30 dias Resgate: para 60 dias Resgate: para 90 dias Juros Recebidos: no mês FUNDO DE AÇÕES Rendimento Fundo Acoes ($) Saldo Fundo Acoes (cotas) Saldo Fundo Acoes ($) Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, FURB/Dep. Economia 9

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2. 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2

1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2. 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2 Sumário 1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2 2. CENÁRIO... 3 2.1 Localização da Fábrica... 4 2.2 Produtos... 4 2.3 Demanda... 5 2.4 Eventos...

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

Fluxo de Caixa O dia-a-dia das finanças em sua empresa!

Fluxo de Caixa O dia-a-dia das finanças em sua empresa! Fluxo de Caixa O dia-a-dia das finanças em sua empresa! É muito frequente, no ambiente do SEBRAE-SP, o empresário chegar com muitas dúvidas sobre as finanças da sua empresa. E finanças, como sabemos, é

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Lista de Exercícios ENADE

Lista de Exercícios ENADE Curso: ADMINISTRAÇÃO Data: Goiânia 15/09/2012 Disciplina: Contabilidade Geral Turma: ADM 03 Turno: Noturno Carga Horária: 72 Professor: Esp. Erik Silva. Lista de Exercícios ENADE Exercício n.01 (IRB-2004-ESAF)

Leia mais

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/201 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis Com 4,27 no mes, Minas Gerais e Paraná registraram as maiores taxas de juros

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA.

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Fevereiro de 2007. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

Receita Imobiliária 1.327.875,69 PEUGEOT - ALUGUEL MENSAL PEUGEOT - MULTA PROPORCIONAL PETROBRAS 667.428,17. Receita Financeira 19.

Receita Imobiliária 1.327.875,69 PEUGEOT - ALUGUEL MENSAL PEUGEOT - MULTA PROPORCIONAL PETROBRAS 667.428,17. Receita Financeira 19. TRX Edifícios Corporativos XTED11 - FII Lâmina mensal Dezembro 2015 DADOS DO FUNDO DISTRIBUIÇÃO DE RENDIMENTO DATA DE INÍCIO Novembro/2012 PRAZO Indeterminado VALOR DE MERCADO R$ 58.606.650,00 VALOR PATRIMONIAL

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

Descrição Jan a Jun. 2013 Jan a Jun. 2014 Variação R$ Variação % Receitas Custos Assistenciais Resultado Operacional

Descrição Jan a Jun. 2013 Jan a Jun. 2014 Variação R$ Variação % Receitas Custos Assistenciais Resultado Operacional Comparativamente com o mesmo período de 2013, o percentual de crescimento dos custos assistenciais (atendimentos a beneficiários locais - 158) foi de 20,06%, enquanto que as receitas oriundas de mensalidades

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS - MAIO As taxas de juros das operações de crédito ficaram estáveis em maio/2013. Vale destacar que em maio o Banco Central voltou a elevar

Leia mais

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A.

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. 1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. O quadro a seguir apresenta o Balancete de Verificação da Cia. Investidora S.A. em 31/12/X1. Contas Saldo ($) Contas Saldo ($) Depósitos Bancários 182.000 Financiamentos L.

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

Plano de Contas RECURSOS NO EXTERIOR DECORRENTES DE EXPO 01 CONTAS BANCÁRIAS SUBVENÇÕES 01 CONTAS BANCÁRIAS DOAÇÕES 01

Plano de Contas RECURSOS NO EXTERIOR DECORRENTES DE EXPO 01 CONTAS BANCÁRIAS SUBVENÇÕES 01 CONTAS BANCÁRIAS DOAÇÕES 01 1 1.00.00.00.000000 10000 **** A T I V O **** 01 1 1.01.00.00.000000 10050 CIRCULANTE 01 1.01 1.01.01.00.000000 10100 DISPONIBILIDADES 01 1.01.01 1.01.01.01.000000 10150 CAIXA 01 1.01.01.01.00 1.01.01.02.000000

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

RAZÃO DAS CONTAS CONTÁBEIS E NÃO FINACEIRAS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO, EXAUSTÃO, REC/DESP. EQUIV. PATRIMONIAL

RAZÃO DAS CONTAS CONTÁBEIS E NÃO FINACEIRAS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO, EXAUSTÃO, REC/DESP. EQUIV. PATRIMONIAL EXERCÍCIO DE DFC 02 RAZÃO DAS CONTAS DO CAIXA E EQUIVALENTES (DISPONÍVEL) CAIXA, BANCOS, APLICAÇÕES DE CURTÍSSIMO PRAZO (ATÉ 90 DIAS) CONTA BCO C/MOVIM Saldo Inicial: 1.000.000,00 10/01 Pela Aquisição

Leia mais

BR INSURANCE CORRETORA DE SEGUROS S.A. ANUNCIA OS RESULTADOS DO 1 TRIMESTRE DE 2016.

BR INSURANCE CORRETORA DE SEGUROS S.A. ANUNCIA OS RESULTADOS DO 1 TRIMESTRE DE 2016. RELEASE DE RESULTADOS Relações com Investidores Marcelo Moojen Epperlein Diretor-Presidente e de Relações com Investidores (55 11) 3175-2900 ri@brinsurance.com.br Ana Carolina Pires Bastos Relações com

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1 Informar o lucro líquido do exercício - O montante do lucro líquido do exercício é de R$ 8.511.185,59 (oito

Leia mais

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Discutir e conhecer conceitos de matemática financeira para tomada de decisão na área financeira. Estudaremos cálculo e análise

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)! As principais diferenças entre as normas contábeis brasileiras e americanas (US GAAP)! As taxas de conversão a serem

Leia mais

MB Consultoria. ConsultoriaemGestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios

MB Consultoria. ConsultoriaemGestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios emgestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios Apresentação A é uma empresa jovem que conta com parceiros qualificados nas áreas de contabilidade, administração, direito, especialistas em finanças, controladoria

Leia mais

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30.

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30. Você acessou como Administrador Usuário (Sair) Info Resultados Visualização prévia Modificar Visualização prévia de Contabilidade Geral Iniciar novamente 1 Considerando: I- A contabilidade estuda e controla

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011.

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011. 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Instituição Comunitária de Crédito de Londrina Casa do Empreendedor, em operação desde 18/11/1997, é uma

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

- Gestão Financeira 1 -

- Gestão Financeira 1 - 1 Cap 2 - Administração do Capital de Giro 2.1 Introdução 2.2 O capital circulante e capital circulante líquido 2.3 Políticas de gerenciamento do capital circulante 2.4 Capital de Giro Próprio 2.5 Capital

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 15 Rendimentos a distribuir 412 366 Aplicações financeiras de renda fixa 28 8

Leia mais

Decisão Mensal. Abril/2013 (04) PUC-PR Marcio_7P CTEC. Diretor de Finanças. Diretor de Recursos Humanos. Diretoria de Produção.

Decisão Mensal. Abril/2013 (04) PUC-PR Marcio_7P CTEC. Diretor de Finanças. Diretor de Recursos Humanos. Diretoria de Produção. PUC-PR Decisão Mensal /213 (4) Diretoria de Recursos Humanos Diretoria de Finanças Admissões: 16 Empréstimo ($): 7. Demissões: Salário dos Empregados da Produção ($): Treinamento (%): Participação nos

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Adiantamento para futuro Capital Prejuízos aumento Explicativa n o social acumulados Subtotal de capital Total SALDO EM 01 DE DEZEMBRO DE 2010 255.719.100

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FIC DE FI REFERENCIADO DI CNPJ 19.312.112/0001-06 DEZEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FIC DE FI REFERENCIADO DI CNPJ 19.312.112/0001-06 DEZEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli FIC de FI Referenciado DI. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo, disponíveis

Leia mais

Você está prestes a assumir a administração de uma empresa simulada. Aproveite esta oportunidade para desenvolver as suas habilidades gerenciais.

Você está prestes a assumir a administração de uma empresa simulada. Aproveite esta oportunidade para desenvolver as suas habilidades gerenciais. Você está prestes a assumir a administração de uma empresa simulada. Aproveite esta oportunidade para desenvolver as suas habilidades gerenciais. O que é? Simulação Gerencial - Simulação Empresarial Jogo

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

Release de Resultados 3T13. 23 de outubro de 2013

Release de Resultados 3T13. 23 de outubro de 2013 Release de Resultados 3T13 23 de outubro de 2013 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T15

Divulgação de Resultados 3T15 São Paulo - SP, 4 de Novembro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas 10. Balanço Patrimonial 10.1 Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio plano de contas de acordo com suas

Leia mais

Simulação Industrial de Pequenas e Médias empresas (Sind PME 4.0)

Simulação Industrial de Pequenas e Médias empresas (Sind PME 4.0) Simulação Industrial de Pequenas e Médias empresas (Sind PME 4.0) Caro participante, Você está prestes a assumir a administração de uma empresa virtual. Aproveite esta oportunidade para desenvolver as

Leia mais

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO CAPÍTULOS 5,6,7 e 8 CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DESTINAÇÕES 1. Ajustes (-) Exerc. Anteriores 2. Transf. P/

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 11.363 8.987 Disponibilidades 30 37 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 8.069 6.136 Operações de Crédito

Leia mais

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO Considere que o sistema contábil da empresa comercial Zeta S.A. tenha se extraviado logo no primeiro exercício de constituição

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

Conheça a Greencred. 10 anos de sucesso

Conheça a Greencred. 10 anos de sucesso Conheça a Greencred Conheça a Greencred A Greencred é uma Cooperativa de crédito que oferece serviços, produtos e facilidades para profissionais da área da saúde. As melhores opções para seus investimentos

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Janeiro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem ser

Leia mais

PROPOSTA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010

PROPOSTA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010 Secretaria da Administração do Estado da Bahia Superintendência de Previdência Diretoria de Gestão Financeira Previdenciária e Investimentos PROPOSTA DE POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010 REGIME PRÓPRIO

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

Atendendo aos dispositivos legais, estatutários e à regulamentação do mercado de valores mobiliários, a administração da Brasil Brokers Participações S.A. vem submeter à apreciação de V.Sas. nossos comentários

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Resultados 2T14 em português TOTVS (TOTS3 BZ) 31 de julho de 2014

Transcrição da Teleconferência Resultados 2T14 em português TOTVS (TOTS3 BZ) 31 de julho de 2014 Operadora: Bom dia. Sejam bem-vindos à teleconferência da TOTVS referente aos resultados do 2T14. Estão presentes os senhores Alexandre Mafra, Vice-Presidente Executivo e Financeiro e Vice-Presidente de

Leia mais

Receita Operacional Líquida alcança R$ 20,9 milhões, aumento de 9,7% ante o trimestre anterior

Receita Operacional Líquida alcança R$ 20,9 milhões, aumento de 9,7% ante o trimestre anterior Última Cotação em 30/09/2014 FBMC4 - R$ 20,60 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2014): R$ 20.269,7 mil US$ 9.234,5 mil São Bernardo do Campo, 12 de

Leia mais

CSHG Logística FII. Nota da Administradora. Distribuição de Rendimentos. Objetivo do Fundo

CSHG Logística FII. Nota da Administradora. Distribuição de Rendimentos. Objetivo do Fundo CSHG Logística FII Objetivo do Fundo O CSHG Logística FII tem como objetivo auferir ganhos pela aquisição, para exploração comercial, de imóveis com potencial geração de renda, predominantemente galpões

Leia mais

CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010.

CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010. CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010. À Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Membros do Ministério Público de São Paulo PROMOCRED. Diretoria-Executiva São Paulo SP Assunto: Auditoria

Leia mais

VALID SOLUÇÕES E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM MEIOS DE PAGAMENTO E IDENTIFICAÇÃO S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

VALID SOLUÇÕES E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM MEIOS DE PAGAMENTO E IDENTIFICAÇÃO S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures VALID SOLUÇÕES E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM MEIOS DE PAGAMENTO E IDENTIFICAÇÃO S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2011 VALID SOLUÇÕES E SERVIÇOS DE SEGURANÇA

Leia mais

Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e FEVEREIRO DE 2010

Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e FEVEREIRO DE 2010 Grupo II Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e setorial da indústria brasileira de bens de capital FEVEREIRO DE 2010 1 Objetivo O presente trabalho se propõe a mensurar o Custo Brasil,

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

2.2. Tratamento tributário dos juros e Imposto de Renda na Fonte

2.2. Tratamento tributário dos juros e Imposto de Renda na Fonte EXERCÍCIOS PRÁTICOS - PLANILHAS DE CÁLCULOS CONTABILIZAÇÕES 1. Empréstimo Bancário Contabilização de empréstimo (Planilha 1), considerando que não houve despesas incrementais de captação, como taxas e

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

Boletim Econômico da Scot Consultoria

Boletim Econômico da Scot Consultoria Boletim Econômico da Scot Consultoria ano 1 edição 2 22 a 28 de abril de 2013 Destaque da semana Alta na taxa Selic O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu elevar a taxa Selic para 7,50% ao ano,

Leia mais

Layout Padrão Febraban 240 posições V08.4 http://www.febraban.org.br. 3.5 - Vendor

Layout Padrão Febraban 240 posições V08.4 http://www.febraban.org.br. 3.5 - Vendor 3.5 - Vendor 89 3.5.1 - Descrição do Processo Objetivo O produto Vendor tem por objetivo disponibilizar, aos clientes (Vendedores) do Banco, os meios de viabilizar o processo de financiamento de suas vendas,

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário FII Edifício Galeria (EDGA11B)

Fundo de Investimento Imobiliário FII Edifício Galeria (EDGA11B) Informações Objeto e Perfil do Fundo Investimento em empreendimentos imobiliários, por meio da aquisição de até 100% do empreendimento comercial denominado Galeria, edifício corporativo classe A. O Fundo

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL)

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, instituída pela Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Celesc, nas Assembléias Gerais Extraordinárias AGE de acionistas realizadas

Leia mais

Tendências importantes para o spread e inadimplência

Tendências importantes para o spread e inadimplência Tendências importantes para o spread e inadimplência A inadimplência confirma mínima histórica em 3,0% e o spread bancário volta a se elevar, alcançando 13,1%. Os dois movimentos são os principais destaques

Leia mais

SICOOB SUL-LITORÂNEO. Resultados

SICOOB SUL-LITORÂNEO. Resultados SICOOB SUL-LITORÂNEO Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Sul-Litorâneo conseguiu ótimos resultados numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 48.622 31.823 Disponibilidades 684 478 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 24.600 15.766 Operações de Crédito 6 22.641 15.395 Outros

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA Operações da Cia Atlântida no mês de janeiro de 20x1: 1) 03/jan Adquiriu móveis e utensílios a prazo por $ 800; 2) 08/jan - Comprou veiculo a vista por $ 5.000 (em cheque);

Leia mais

Fundos Garantidores de Risco de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas

Fundos Garantidores de Risco de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COORDENAÇÃO-GERAL DE GERENCIAMENTO DE FUNDOS E OPERAÇÕES FISCAIS COFIS Fundos res de Risco de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas A Lei nº 12.087, de 11 de novembro

Leia mais

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo. Resumo 3

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo. Resumo 3 UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo Resumo 3 DLPAC Demonstração dos Lucros e Prejuízos Acumulados Estrutura do DLPAC

Leia mais

O FORMATO NOTA 10 PARA APRESENTAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA (com base em demonstrações financeiras encerradas)

O FORMATO NOTA 10 PARA APRESENTAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA (com base em demonstrações financeiras encerradas) O FORMATO NOTA 10 PARA APRESENTAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA (com base em demonstrações financeiras encerradas) EBITDA e EBIDA juntos. O que separa o EBIDA da geração de caixa operacional efetiva. O que separa

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Abril/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Março/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Abril/2015. O mês de março mostrou mais uma queda no faturamento dos

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE

CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE Objetivo: Apresentar aos participantes os principais pontos a serem considerados no planejamento

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR Classifique as contas que geralmente caem em concursos e, muitas vezes, geram dúvidas. Banco c/ Movimento Banco conta Empréstimo Empréstimos a Diretores ou Acionistas Numerários em Trânsito Adiantamento

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas Sistema de contas Capítulo 2 Sistema de contas SUMÁRIO: 1. Conceito 2. Teoria das contas 2.1. Teoria personalística (ou personalista) 2.2. Teoria materialística (ou materialista) 2.3. Teoria patrimonialista

Leia mais

Simulação Comercial. Caro participante, Você está prestes a assumir a administração de uma empresa virtual.

Simulação Comercial. Caro participante, Você está prestes a assumir a administração de uma empresa virtual. Simulação Comercial Caro participante, Você está prestes a assumir a administração de uma empresa virtual. Aproveite esta oportunidade para desenvolver as suas habilidades gerenciais. Simulação Gerencial

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

MANUAL DO INVESTIDOR DO TESOURO DIRETO

MANUAL DO INVESTIDOR DO TESOURO DIRETO MANUAL DO INVESTIDOR DO TESOURO DIRETO INTRODUÇÃO... 3 1. REQUISITOS BÁSICOS... 5 2. CADASTRAMENTO PARA COMPRA DE TÍTULOS PÚBLICOS NO TESOURO DIRETO... 5 3. HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO... 7 4. TÍTULOS PÚBLICOS

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais