* Não precisa de elementos auxiliares para a sua sustentação.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "* Não precisa de elementos auxiliares para a sua sustentação."

Transcrição

1 INTRODUÇÃO RYLBRUN é a tubulação flexível, fabricada a base de materiais de alta qualidade e resistência, e cujas características construtivas, fazem dela a tubulação ideal para a instalação de bombas submersas em tempo reduzido, com mínimos recursos humanos e deslocamento de maquinarias para a sua instalação. Sua leveza, flexibilidade e pouco volume, fazem da RYLBRUN uma tubulação de fácil manipulação, transporte e armazenamento. Devido à estabilidade e alta resistência dos materiais utilizados para a sua fabricação, a corrosão não a afeta. Portanto, a durabilidade de todo o sistema é superior ao sistema tradicional. * Não precisa de elementos auxiliares para a sua sustentação. AS PRINCIPAIS VANTAGENS QUE A TUBULAÇÃO RYLBRUN APORTA SÃO AS SEGUINTES: Facilidade e rapidez de montagem e extração. Facilidade de transporte e armazenamento. Reduzido gasto de manutenção da instalação. Insensibilidade à corrosão. Maior facilidade de introdução e extração em tubulações irregulares. Longa durabilidade da instalação. Instalações de difícil acesso e reduzido espaço. Lances de até 200 metros.

2 ÍNDICE Descrição das tubulações RYLBRUN PROFISSIONAL Características Características Perdas de Cargas Descrição dos Acessórios Processo de Acoplamento dos Terminais à Tubulação Considerações antes de montar a instalação O poço As condições de funcionamento Prever antes de instalar o método para desmontar a RYLBRUN Fixação do cabo elétrico Instalação RYLBRUN Instalação manual Instalação com veículo e rolete Instalação com guindaste e pinças Manutenção Desmontar a instalação Armazenamento Certificado de garantia... 25

3 DESCRIÇÃO DAS TUBULAÇÕES FLEXÍVEIS RYLBRUN ACESSÓRIOS DA RYLBRUN PROFISSIONAL Características Espessura aproximada da parede (mm) Peso aprox. por metro (kg/m) Capas de reforço Capas impermeabilizantes Propriedades Pressão máxima em serviço (kg/cm²) Pressão de ruptura (kg/cm²) Carga máxima em serviço (kg) Ruptura por tração (kg) * Altura manométrica máx. em serviço (m) R ,5 5,0 5,2 5,2 5,5 5,8 0,8 1,3 1,4 1,75 2,4 2,8 Tecido poliéster de alta tenacidade Borracha sintética R * 250* 350* 200* 200* 200* R Temperatura máx. em serviço (ºC) Gama de ph Tratamento do poço Consultar * Sempre que não ultrapasse a pressão e a carga máxima admissíveis. Para maiores profundidades, favor consultar o nosso departamento técnico. 01

4 PERDAS DE CARGA DE MANGUEIRAS EM METROS COLUNA D'ÁGUA. RYLBRUN 2", 3", 3"R, 4", 5", 6". VAZÃO velocidade P. de carga com Diam. nominal P. de carga com P. de serviço l/min l/s m³/h m/s m.c.a./1m m.c.a./1m ,83 1,67 4,17 8,33 12,50 16, ,39 0,78 1,96 3,92 5,89 7,58 0, , , , , , , , , , , , RYLBRUN 2" P. Serviço 16Bar Diam. N 52mm D. a.p.s.= 55,1mm VAZÃO velocidade P. de carga com Diam. nominal P. de carga com P. de serviço l/min l/s m³/h m/s m.c.a./1m m.c.a./1m ,83 1,67 4,17 8,33 12,50 16,67 25,00 33,33 41, ,2 0,4 0,9 1, ,7 5,5 7,3 9,2 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , RYLBRUN 3", 3"R P. Serviço 16Bar Diam. N 76mm D. a.p.s.= 80,6mm VAZÃO velocidade P. de carga com Diam. nominal P. de carga com P. de serviço l/min l/s m³/h m/s m.c.a./1m m.c.a./1m ,67 25,00 33,33 41,67 50,00 58,33 66,67 75, ,0 3,1 4,1 5,1 6,1 7,1 8,2 9,2 0, , , , , , , , , , , , , , , , RYLBRUN 4" P. Serviço 16Bar Diam. N 102mm D. a.p.s.= 108,1mm 02

5 P. de carga com P. de carga com VAZÃO velocidade Diam. nominal P. de serviço l/min l/s m³/h m/s m.c.a./1m m.c.a./1m , , , , , , , , , , , , , ,4 2,0 2,7 3,4 4,1 4,8 5,4 6,1 6,8 7,5 8,1 8,8 9,5 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , P. de carga com P. de carga com VAZÃO velocidade Diam. nominal P. de serviço l/min l/s m³/h m/s m.c.a./1m m.c.a./1m , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,9 1,4 1,8 2,3 2,8 3,2 3,7 4,1 4,6 5,1 5,5 6,0 6,4 6,9 7,3 7,8 8,3 8,7 9,2 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , RYLBRUN 5" P. Serviço 16Bar Diam. N 125mm D. a.p.s.= 132,5mm RYLBRUN 6" P. Serviço 16Bar Diam. N 152mm D. a.p.s.= 161,1mm 03

6 DESCRIÇÃO DOS ACESSÓRIOS TERMINAIS DE EXPANSÃO 2" ATÉ 80m DE PROFUNDIDADE. Aço inox AISI 316L com rosca na extremidade de 2". TERMINAIS DESMONTÁVEIS Aço inox AISI 316L com rosca gás em 2", 3", 4", 5" e 6" Terminais Cônicos Desmontáveis Terminais Cônicos Desmontáveis Diâmetros Material utilizado AÇO INOX AISI 316 L Rosca externa da luva Rosca interna da luva 2 gás 3 gás 4 gás 1 1/2 gás 2 1/2 gás 3 gás BRIDA PN 16 DIN Diâmetro máximo (mm) Comprimento da rosca (mm) Comprimento total (mm) Peso (kg) 2,37 5,85 11,35 20,50 34,65 Chave a utilizar Allen 8 Allen 10 Allen 14 Allen 17 Allen 17 04

7 Emendas Cônicas RYLBRUN mangueira - mangueira Diâmetros Material utilizado Diâmetro máximo (mm) AÇO INOX AISI 316 L Comprimento total (mm) Peso (kg) 3,64 9,20 14,16 Chave a utilizar Allen 8 Allen 10 Allen 14 Terminais RYLMATIC desmontáveis Terminais RYLMATIC desmontáveis Diâmetros Material utilizado AÇO INOX AISI 316 L 5 6 Rosca externa da luva 2 gás 3 gás 4 gás 5 gás 6 gás Diâmetro máximo (mm) 72,50 102, Comprimento da rosca (mm) 23,4 29,1 35,2 43,5 41,0 Comprimento total (mm) , Peso (kg) 2,67 6,05 12,00 15,10 18,60 Chave a utilizar Chave de Corrente ou Grifo 05

8 TERMINAIS DE AÇO GALVANIZADO Prensado com arame de inox ATENÇÃO: para instalações de profundidades inferior a 50m Com flange soldada* Conexão Diâmetro máximo (mm) Comprimento total (mm) Peso (kg) Con rosca* Conexão Diâmetro máximo (mm) Comprimento com rosca (mm) Comprimento total (mm) Peso (kg) BRIDA PN ,33 4,27 6,42 8,90 11, rosca gás 2 rosca gás 3 rosca gás 4 rosca gás 5 rosca gás ,99 1,60 2,50 3,59 5,07 * Estes terminais devem ser montados na nossa fábrica. 06

9 ELEMENTOS PARA A MONTAGEM E DESMONTAGEM 1.- Rolete de montagem MEDIDAS Rolete de montagem grande Rolete de montagem pequeno Pinças Existem dois tamanhos. Elas garantem a fixação da tubulação durante as operações de instalação. 3.- Pino com argola (olhal) A rosca vai acoplada diretamente com o interior do Terminal e a argola (olhal) é utilizado para a tração. DISPOSITIVO PARA ESVAZIAR A TUBULAÇÃO FLEXÍVEL RYLBRUN. Este dispositivo foi projetado para esvaziar a coluna d'água da onde o elevado peso dificulta a sua extração. A água fica parada no tubo devido à válvula de retenção da bomba submersa. O sistema de grande facilidade de uso e instalação, nos permite esvaziar totalmente a coluna d'água desde a boca do poço até o nível estático. O sistema consta de três partes: Pêndulo, pino de alivio e luva de esvaziamento. 07

10 CENTRALIZADORES Os centralizadores evitam o contato dos cabos elétricos com a parede do revestimento do poço. Serve também de guia no caso em que o poço não tenha uma boa verticalidade. PASSOS A SEGUIR PARA A INSTALAÇÃO: 1.- Colocar o centralizador sobre a Tubulação Flexível RYLBRUN, na altura dos pontos de fixação. 2.- Fixar as três partes do centralizador mediante parafusos. Prender o centralizador na tubulação passando uma fita de poliuretano a través dos pontos de apoio e do próprio centralizados. Prender as pontas da fita de poliuretano com a fivela de inox que acompanha à Tubulação Flexível RYLBUN. 3.- Proceda a prender o cabo elétrico, mediante as fitas de poliuretano e fivelas nos pontos de fixação livres da Tubulação Flexível RYLBRUN. PRECAUÇÃO: Este centralizador esta desenhado para que não represente obstáculo nenhum na retirada da instalação. Em caso necessário os parafusos que prendem os 3 segmentos se soltam, como medida de segurança. 08

11 Centralizador RYLBRUN 2" (jogo) Centralizador RYLBRUN 3" (jogo) Centralizador RYLBRUN 4" (jogo) Centralizador RYLBRUN 5" (jogo) Centralizador RYLBRUN 6" (jogo) Diâmetro mínimo do revestimento 160mm 180mm 215mm 250mm 300mm Posição dos centralizadores. Perto da bomba devem estar os centralizadores e, posteriormente, dependendo das condições de cada poço, se recomenda colocar um centralizador a cada 20m. MALHA DE SEGURANÇA Trata-se de uma malha aberta de duplo anel e fio de aço que permite altos esforços de tração, cuja função é segurar na boca do poço o cabo elétrico de alimentação da bomba, para evitar deslocamentos. A medida desta peça dependerá do diâmetro externo do cabo elétrico. Diâmetro externo do cabo elétrico Mínimo (mm) Máximo (mm) Comprimento da malha (mm) Carga Máxima (kg) É recomendável implementar este sistema para: Instalações de mais de 150m de tubulação flexível de 2" e 3". Instalações de mais de100m de tubulação flexível de 4", 5" e 6" Instalação: Introduzimos o cabo elétrico dentro da malha (ver fig. 1 e 2), em seguida procederemos a fixar na boca do poço (ex. fig. 3). Caso seja colocado como na fig3, devemos fazer também um furo na tampa para a passagem do cabo, para a conexão no quadro de comando. Do contrário, podemos também depois de colocada a Rylbrun, introduzir o cabo na malha, neste caso podemos fixar a malha na boca do poço, mas sempre em algum ponto que ofereça segurança. Posteriormente faremos a ligação no quadro de comando. Fig.1 Fig.2 Fig.3 09

12 TAMPA DO POÇO Para um diâmetro externo de 210mm, com rosca interna em ambos os lados de 2". ACOPLAMENTO DOS TERMINAIS RYLBRUN PROFISIONAL Por expansão: Máquina para acoplamento por expansão RYLBRUN de 2. Maquina hidráulica que permite o acoplamento do terminal de 2" de expansão com a tubulação RYLBRUN de 2". Este tipo de terminal está indicado para instalações de até 80m de profundidade. Cônico desmontável 1.- Fazer um corte limpo, reto e perpendicular ao extremo da tubulação (Fig. 1) 2.- Colocar a luva cônica do terminal dentro da mangueira, até que chegue na flange. Observar que a luva cônica e a tubulação fiquem perfeitamente alinhadas. Para realizar esta operação não deve ser aplicado lubrificante de nenhum tipo para facilitar a introdução (Fig. 2 / Fig. 3) 3.- Acoplar os dois segmentos da abraçadeira sobre a luva cônica, com a base dos parafusos tensores na flange. 4.- Apertar os parafusos allen até que os 2 segmentos da abraçadeira fiquem totalmente em contato (Fig. 4). 5.- Apertar os tensores simultaneamente para deslocar a abraçadeira para o lado mais largo do terminal, tudo o que der no aperto manual. Observando que a flange fique paralela à abraçadeira. (Fig. 5 / Fig. 6). Fig.1 Fig.2 Fig.3 Fig.4 Fig.5 Fig.6 10

13 Rylmatic Desmontável: Ideal para poços estreitos. A montagem se efetua utilizando uma chave de corrente. Peça de Rosca Fêmea Espigão Boca Aberta Tubulação A Fig.1 Fig.2 Fig.3 Fig Fixar o terminal numa prensa de ajuste (protegendo a rosca com perfis de pvc ou alumínio) 2.- Roscar a peça de rosca fêmea ficando a o lado que tem a boca aberta no sentido da rosca do espigão (Fig. 1). 3.- Fazer um corte limpo, reto e perpendicular no extremo da tubulação Rylbrun. 4.- Introduzir a tubulação no espigão roscado até o ponto A (Fig. 2). 5.- Roscar a peça de rosca fêmea manualmente umas 4 voltas. Simultaneamente segurar a tubulação para evitar o deslocamento para fora (Fig. 3). 6.- Uma vez que a peça esteja fixada, finalizar o aperto com chave de corrente, segurando sempre simultaneamente a tubulação para que não se desloque ou gire (Fig. 4). 11

14 CONSIDERAÇÕES ANTES DA MONTAGEM O POÇO: Comprovar a profundidade da perfuração. No caso que se queira colocar a bomba perto do fundo, deixar sempre uma margem de segurança de no mínimo 5 metros, a fim de preservar a bomba do lodo (no desenho ao lado é a distância Y). Verificar a verticalidade do revestimento. As características da Tubulação RYLBRUN a convertem numa tubulação adaptável a tubulações desviadas ou tortas e de fácil introdução, porém é necessário conhecer o grau de inclinação, caso esta venha a ser muito pronunciada pode ser um ponto onde os fio elétricos podem sofrer desgastes por fricção. Para este caso RYLBRUN possui centralizadores que evitam possíveis atritos. O diâmetro do revestimento na sua parte mais estreita, se tiverem várias, deverá ter um diâmetro mínimo que garanta a introdução e extração folgada da bomba. Observar que o diâmetro máximo da RYLBRUN + fios, ou terminais + fios, tenha no mínimo 20 mm de folga por lado com relação ao revestimento (no desenho ao lado é a distância X). Diâmetro Mínimo Entubado (mm) R* * Reforçada PREVER O MÉTODO DE DESMONTAGEM O último ponto a considerar antes da montagem, á prever o método a seguir para a retirada ou extração da bomba. É importante lembrar que a coluna d'água será muito mais pesada por estar cheia, pela ação da válvula de retenção. Portanto o peso do equipamento será muito superior ao inicial. 12

15 Em qualquer condição de instalação é possível fazer a retirada da bomba, sempre que se disponha dos meios adequados. Tanto o método de rolete e veículo, como o de guindaste e pinças poderá ser utilizado para a retirada da bomba, considerando sempre o maior peso atual. Caso não se disponha de guindaste ou o veículo não tenha a suficiente potência, prever o sistema de esvaziamento da Tubulação a través de: a) Pino para esvaziamento (Pág. 7 do manual) b) Eliminar a válvula de retenção c) Perfurar com 2 mm de diâmetro a válvula de retenção. CÁLCULO DA INSTALAÇÃO Existem quatro importantes parâmetros a controlar e calcular antes de realizar a montagem: a pressão a que será submetida, a carga máxima (peso total), a vazão e a perda de carga. A) A PRESSÃO A máxima pressão a que será submetida a Tubulação RYLBRUN encontraremos na parte mais baixa, ou seja, na saída da bomba. A pressão máxima de serviço deverá considerar a altura manométrica da bomba (por exemplo, tem casos em que a água deve ser bombeada diretamente a um reservatório que se encontra a uns 20m de altura com relação à boca do poço. Isto devemos considerar). Ex.: Se desejo que na boca do poço se disponha de 10mca (P1), para conhecer a pressão total (PT) na bomba, devo somar a esta pressão a pressão da coluna d'água (P2). Portanto: PT = P1 + P2 A esta pressão se deve acrescentar a provocada pela perda de carga. A pressão obtida nunca deverá ser maior do que a pressão máxima permitida em serviço contínuo. 13

16 Diâmetro R* * Reforçada kg/cm² No caso de que a curva da bomba proporcione a uma vazão mínima uma altura equivalente a uma pressão superior à máxima permitida, deverá ser colocada uma válvula de segurança na boca do poço, regulada na pressão máxima permitida, com um sistema de alivio por drenagem para abaixar a pressão. Esta medida de segurança evitará uma sobre pressão excessiva provocada pelo fechamento da válvula de saída com a bomba em funcionamento. B) Carga Máxima É o peso ao qual estará submetida a parte superior da Tubulação, os Terminais e os Elementos de Suspensão. Esta carga não deverá ultrapassar a máxima permitida. CARGA DE PESO MÁXIMO EM SERVIÇO CONTÍNUO (kg) R* Para calcular a carga em cada caso consideramos: PB + PT + PC + PA + PR = Peso Total da Instalação. Peso da bomba PB. Peso da tubulação PT. Peso dos cabos elétricos e sondas PC. Peso da coluna d'água PA. Peso dos terminais PR. Estes valores máximos recomendados estão bem abaixo da resistência máxima da tubulação, o que nos garante um perfeito funcionamento, já que estará suportando um esforço mínimo. CAPACIDADE LITROS/METRO Diâmetro R* l/m 2,38 5,10 5,10 9,18 13,79 20,38 14

17 C) A Vazão VAZÃO RECOMENDADA EM m 3 /h Diâmetros m³/h D) A Perda de Carga Existem três fatores que favorecem uma menor perda de carga, comparada à tubulação rígida: A flexibilidade e dilatação faz que não se produzam incrustações (calcarias de ferro, etc.) no interior da tubulação e que podem representar rugosidade e perda de seção. A dilatação da Rylbrun é em função da pressão a que está submetida, recuperando o diâmetro inicial quando abaixa a pressão. A Tubulação RYLBRUN é continua e pode ser instalada sem as emendas que produzem perdas de carga. O diâmetro nominal aumenta com a pressão o que faz reduzir a perda de carga. * RECOMENDAÇÃO Em qualquer caso não é recomendável que a velocidade da água ultrapasse os 2,5m/s, que implica uma perda de carga mínima a pressão de serviço. Isto permite obter um rendimento ótimo da bomba Uma vez calculados a vazão, a perda de carga, a pressão de trabalho e o peso da instalação, calcularemos através da tabela de alongamento o comprimento inicial da Rylbrun a utilizar. Alongamento Devido à condição flexível da Tubulação RYLBRUN e à estrutura dos reforços têxteis, existe um crescimento longitudinal ou alongamento em função das condições de trabalho. 15 P. 16 (TABELA DE ALONGAMENTOS)

18 TABELA DE ALONGAMENTO DA TUBULAÇÃO RYLBRUN EM % CARGA Kg ALONGAMENTOS MÁXIMOS CARGA 2" 3" 3"R 4" 5" 6" Kg % % % % % % 0 0,28 0,42 0,56 0,70 0,84 0,98 1,12 1,26 1,40 1,46 1,52 1,58 1,64 1,70 1,76 1,82 1,88 1,94 2,00 2,06 2,12 2,18 2,24 2,30 2,36 2,42 2,48 2,54 2,60 2,66 2,72 2,78 2,84 2,90 2,96 0 0,49 0,73 0,97 1,21 1,46 1,70 1,75 1,85 2,00 2,15 2,30 2,60 2,65 2,75 2,90 3,05 3,20 3,40 3,50 3,65 3,80 3,95 4,10 4,25 4,30 4,55 4,70 4,85 5,00 5,10 5,15 0,00 0,70 1,00 1,50 1,73 1,97 2,20 2,38 2,55 2,73 3,00 3,25 3,50 3,75 4,00 4,20 4,40 4,60 4,80 5,00 0 0,15 0,23 0,30 0,38 0,46 0,53 0,61 0,69 0,76 0,84 0,91 0,99 1,07 1,14 1,22 1,30 1,37 1,45 1,52 1,60 1,65 1,70 1,74 1,79 1,84 1,89 1,93 1,98 2,03 2,08 2,12 2,17 2,22 2,27 2,31 0 0,09 0,17 0,26 0,34 0,43 0,51 0,60 0,69 0,77 0,86 0,94 1,03 1,11 1,20 1,24 1,28 1,32 1,36 1,40 1,44 1,48 1,52 1,56 1,60 1,64 1,68 1,72 1,76 1,80 1,90 1,94 1,97 2,01 2,05 2,08 0 0,10 0,20 0,29 0,39 0,49 0,59 0,68 0,78 0,88 0,98 1,07 1,17 1,27 1,37 1,47 1,56 1,66 1,76 1,82 1,88 1,94 1,99 2,04 2,09 2,14 2,20 2,25 2,30 2,35 2,41 2,46 2,51 2,56 2,61 2,

19 ,02 3,08 3,14 3,20 3,26 3,32 3,38 3,44 3,50 3,56 3,62 3,68 3,74 3,75 3,81 3,86 3,92 3,97 4,03 4,08 4,14 4,19 4,25 4,30 4,36 4,42 4,48 4,54 4,60 4,66 4,78 4,90 5,02 5,14 5,26 2,36 2,41 2,46 2,50 2,55 2,60 2,04 2,69 2,73 2,77 2,81 2,86 2,90 2,94 2,99 3,03 3,07 3,11 3,16 3,20 3,24 3,29 3,33 3,37 3,44 3,46 3,50 3,55 3,60 3,64 3,74 3,83 3,93 4,02 4,12 4,21 4,31 4,40 4,50 4,60 4,69 4,79 4,88 4,98 5,07 5,17 5,26 5,36 5,45 5,55 2,12 2,16 2,19 2,23 2,27 2,30 2,34 2,38 2,41 2,45 2,49 2,53 2,56 2,60 2,63 2,67 2,71 2,74 2,76 2,81 2,85 2,89 2,92 2,96 2,99 3,03 3,03 3,07 3,11 3,14 3,22 3,30 3,37 3,45 3,52 3,60 2,72 2,77 2,82 2,88 2,93 2,98 3,03 3,08 3,14 3,19 3,24 3,29 3,35 3,40 3,45 3,50 3,55 3,61 3,66 3,71 3,76 3,82 3,87 3,

20 COLOCAÇÃO DO CABO ELÉTRICO NA TUBULAÇÃO RYLBRUN PROFISSIONAL A Tubulação RYLBRUN Profissional possui na sua parte externa uns suportes destinados à fixação dos condutores elétricos. Estes suportes estão dispostos segundo indica a figura 1. Como complemento a estes suportes são fornecidos os acessórios necessários para unir os fios. Os acessórios em cada diâmetro devem ser utilizados como indica na figura dependendo do diâmetro da tubulação. O cabo ficará fixado firmemente em cada suporte e não deverá se deslocar. A colocação dos cabos elétricos devem ser realizados com a tubulação estendida antes da montagem. Se não houver espaço para estender, a fixação do cabo deve ser fita simultaneamente à introdução da tubulação no poço. O comprimento do cabo a ser colocado deverá ser superior ao comprimento inicial da Rylbrun, com o objetivo de absorver o alongamento da mangueira. A folga do cabo elétrico deverá ser maior quanto mais perto da boca do poço (pois é a região onde se produz uma maior tração da mangueira e consequentemente maior alongamento) e menor quando estiver perto da bomba (menor tração e maior pressão). A L1 B suportes do fio Mangueira O comprimento necessário entre A e B = L1 + alongamento, tal como se indica abaixo. L1+ alongamento suportes do fio fita de poliuretano Mangueira A B Fig.1 17

21 A L2 C suportes do fio Mangueira A B C L2 + alongamento suportes do fio cinta poliuretano Mangueira Para colocar 2 fios, estes devem estar fixados como indica a figura acima, intercalando a fixação dos fios. Levar em conta que L2 = 2 x L1. Fig. 2 No caso de haver necessidade de colocar fios adicionais (por ex. sondas de nível) deverão ser fixadas da seguinte forma: Diretamente aos fios elétricos da bomba, paralelamente ao seu percurso, e não aos suportes da mangueira Rylbrun. Para maiores esclarecimentos consultar o nosso departamento de atendimento ao cliente. INSTALAÇÃO RYLBRUN PROFISSIONAL Uma vez feita as considerações do ponto anterior poderemos proceder à montagem do equipamento no poço. Primeiramente acopla-se o terminal Rylbrun à bomba. Existem diferentes métodos de montagem e a adoção de um deles dependerá de: disponibilidade de meios, espaço útil, características da instalação, etc. 18

22 A) Montagem manual É indicado especialmente para instalações de pouca profundidade e pouco diâmetro, portanto o peso total é reduzido. O procedimento para este caso é o seguinte. 1.- Calcular o peso total (tubulação, cabos e bomba) para avaliar o esforço a realizar. 2.- Colocar no extremo superior a peça de suspensão (que deve ir roscada ao terminal). 3.- Colocar o cabo elétrico. 4.- Introduzir a bomba no poço e descer cuidando que a mesma não esbarre na borda do tubo de revestimento. 5.- Uma vez introduzida toda a tubulação Rylbrun, colocar a peça de suspensão (tampa) na boca do poço, deixando bem centralizada. 19

23 B) Montagem com veículo ou rolete 1.- Como no caso anterior, calcular em primeiro lugar o peso total que o veículo irá realizar. 2.- Colocar os cabos elétricos. 3.- Estender a tubulação em linha reta buscando a direção de maior distância. 4.- Colocar o rolete na boca do poço, buscando três condições: 90º O rolete deverá estar perpendicular à direção onde a Rylbrun está estendida. O rolete deverá estar centralizado no revestimento do poço. O rolete deverá estar perfeitamente imobilizado. 5.- Colocar a pinça de montagem a uns 20cm do terminal e colocar o cabo de aço para tração, fixando firmemente na argola da pinça e no veículo. 6.- Introduzir a bomba no poço manualmente por cima do rolete e avançar cuidadosamente com o veículo na direção do poço. Verificando sempre que o cabo elétrico fique na parte superior da mangueira Rylbrun. 20

24 7.- Avançar com o veículo até que a pinça passe por cima do rolete e se apoie na boca do poço, retirando o cabo de aço utilizado na tração Neste momento apertar os parafusos tensores com a finalidade de deslocar a abraçadeira o máximo possível para a parte mais larga da luva cônica do terminal. 8.- Montar a tampa do poço no terminal superior e mudar de posição o cabo de aço de tração, tirar da pinça e montar na tampa do poço, ou no pino com olhal segundo a fig. da página Retirar a pinça e avançar com o veículo até que a tampa do poço (peça de suspensão) repouse sobre o revestimento, procurando que fique bem centralizada. 9.- Retroceder lentamente com o veículo até que a pinça fique livre para ser retirada Retirar o cabo de aço e o rolete. Posteriormente pode se proceder à montagem do barrilete. 21

25 C) Montagem com guindaste e pinças 1.- Colocar o fio elétrico. 2.- Calcular a altura máxima que pode subir o guindaste (na foto é a distância L). L 3.- Colocar a pinça a uma distância da bomba inferior à calculada no ponto 2, de 50cm + o comprimento da bomba. Levar em consideração os seguintes pontos: a) Colocar a pinça de tal forma que aperte somente a tubulação. Isto é, deixando sempre livre o cabo elétrico. b) Em seguida, apertar bem os parafusos, de tal forma que fique bem seguro. c) Finalmente, ao apoiar a pinça na boca do poço evitar que o cabo elétrico fique pressionado pela pinça. 4.- Colocar o gancho do guindaste na argola da pinça e elevar todo o conjunto até a parte mais alta do guindaste. 5.- Com a bomba suspensa apertar os parafusos tensores para deslocar a abraçadeira do terminal o máximo possível para a parte mais larga da luva cônica do terminal. 6.- Descer a pinça com o guindaste até que esta repouse na boca do poço e retirar o gancho da argola da pinça. 22

26 7.- Colocar a segunda pinça na mesma distância que a anterior (L - 50cm). 8.- Retirar a pinça inferior que deverá estar suspensa e descer a pinça superior até a boca do poço. Repetir as operações 5, 6 e 7 tantas vezes sejam necessárias, até que a distância entre o terminal superior e a pinça seja inferior à L. 9.- Montar o terminal na tampa do poço e colocar o gancho do guindaste na peça de suspensão Elevar todo o conjunto com o guindaste até a altura máxima Retirar a pinça e descer a tampa do poço (peça de suspensão). Neste momento devem ser apertados novamente os parafusos da abraçadeira Apoiar a tampa do poço e retirar o cabo de aço. ATENÇÃO!!! É MUITO IMPORTANTE QUE DURANTE TODAS AS OPERAÇÕES, E EM ESPECIAL AO DESCER A PEÇA DE SUSPENSÃO, O TERMINAL NÃO SOFRA NENHUM GOLPE NA BOCA DO POÇO, E NEM SEJA APOIADO, SOB HIPÓTESE ALGUMA, NELA. 23

27 MANUTENÇÃO O sistema RYLBRUN por estar composto de elementos inoxidáveis não precisa de uma manutenção especifica. Porém, é interessante que quando se realizem operações de: conserto da bomba, revisão da mesma, etc., observar alguns aspectos da instalação: Verificar que os parafusos dos terminais estejam corretamente apertados e que todos os elementos estejam perfeitamente roscados. Verificar o estado dos pontos de fixação dos cabos elétricos. DESMONTAR A INSTALAÇÃO Para a desmontagem da RYLBRUN podem ser utilizados os mesmos métodos de montagem. Si prevemos o sistema de esvaziamento da tubulação na montagem, a extração será mais fácil. Mas mesmo com a tubulação cheia a extração é bem simples. Em qualquer caso, o cálculo do peso nos indicará que sistema utilizaremos. ARMAZENAMENTO O range de temperatura de armazenamento é de -10 ºC a +50 ºC. Manter em lugar seco e protegido dos raios solares. Não duvidem em consultar o nosso departamento técnico, se as características da instalação não se ajustam às especificações deste manual. Poderemos lhe aconselhar e assessorar sobre a melhor solução. 24

28 GARANTIA DA TUBULAÇÃO FLEXÍVEL TIPSA como fabricante da tubulação flexível RYLBRUN certifica que: Todas as matérias primas utilizadas em sua elaboração são de primeira qualidade e submetidas a rigoroso controle. Todo o processo de fabricação é controlado exaustivamente Finalizado o processo de fabricação, se efetua uma prova de trabalho de cada elemento do sistema RYLBRUN. Tudo isto garante o sistema RYLBRUN por um período de 5 ANOS nos termos fixados no cartão de garantia. Para ter a cobertura da garantia é absolutamente necessário: Efetuar a instalação do sistema RYLBRUN seguindo rigorosamente as instruções indicadas neste manual de montagem Solicitar e preencher o cartão de garantia para cada caso. 25

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

correas UNIPLY Funcionamento das Correias Elevadoras Componentes de um Elevador de Correias a Canecas Referências:

correas UNIPLY Funcionamento das Correias Elevadoras Componentes de um Elevador de Correias a Canecas Referências: Funcionamento das Correias Elevadoras Componentes de um Elevador de Correias a Canecas Os elevadores de correias a caçambas são os equipamentos mais comuns e econômicos para o movimento vertical de materiais

Leia mais

BARGOA. Conjunto de Emenda Aérea Selada Vertical - CEASV

BARGOA. Conjunto de Emenda Aérea Selada Vertical - CEASV O CEASV consiste de um conjunto para a acomodação e proteção de emendas de cabos de rede externa de telefonia, em montagem de topo, para instalações aéreas. Trata-se de um sistema versátil, de fácil instalação

Leia mais

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000)

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) AUTOMATIZADORES PARA PORTAS DE ENROLAR IMPORTAÇÃO E SUPORTE TÉCNICO NA INSTALAÇÃO Manual de Usuário (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) SAC: 55 + 11 3088

Leia mais

TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO

TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO TM-IC TM-Z TM-IT TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO Prezado Cliente, Você acaba de adquirir o Transpalete Hidráulico Manual (Linha TM)PALETRANS, um equipamento

Leia mais

Instruções para uso do peso de bater automático

Instruções para uso do peso de bater automático Este equipamento foi desenvolvido com as finalidades de: 1) Agilizar e otimizar o tempo necessário para os testes de penetração de solo; 2) Melhorar a ergonomia do procedimento, evitando esforços físicos

Leia mais

2.0 FAÇA A CONFERÊNCIA DA CAPA DE PROTEÇÃO NO ATO DO RECEBIMENTO

2.0 FAÇA A CONFERÊNCIA DA CAPA DE PROTEÇÃO NO ATO DO RECEBIMENTO 1.0 INTRODUÇÃO Você adquiriu uma capa de proteção para piscina, confeccionada em Laminado de PVC reforçado com tramas de Poliéster. A Sodramar não fabrica o laminado, compramos e o transformamos em Capa

Leia mais

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR www.mastertec.ind.br 1 ÍNDICE 1. Recursos:... 3 2. Condições de funcionamento:... 3 3. Características técnicas:... 3 4. Características construtivas:... 3 5. Diagrama

Leia mais

Rosqueadeiras. Manual de Instruções

Rosqueadeiras. Manual de Instruções Manual de Instruções 2 NOMAQ Roscar/Cortar/Escarear Modelos para tubos de ½ a 6 Modelo NQ-R2 NQ-R2A NQ-R4 NQ-R6 Roscas Tubos 1/2, 3/4, 1, 2 1/2, 3/4, 1, 2 1/2, 3/4, 1, 2, 2.1/2, 4 2.1/2, 4, 5, 6 Roscas

Leia mais

Instruções complementares. Centragem. para VEGAFLEX Série 80. Document ID: 44967

Instruções complementares. Centragem. para VEGAFLEX Série 80. Document ID: 44967 Instruções complementares Centragem para VEGAFLEX Série 80 Document ID: 44967 Índice Índice 1 Descrição do produto 1.1 Vista geral... 3 1.2 Centragens... 3 2 Montagem 2.1 Informações gerais... 10 2.2 Estrelas

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

Modelo SOLO900 SOLO700 TOPO700. Carga máx. 3000 kg o par 3000 kg o par 3000 kg o par. 726 mm. 702 mm (linha superior) ( 702 mm)

Modelo SOLO900 SOLO700 TOPO700. Carga máx. 3000 kg o par 3000 kg o par 3000 kg o par. 726 mm. 702 mm (linha superior) ( 702 mm) Barras de Pesagem Beckhauser Manual do Usuário Conheça seu equipamento em detalhes e saiba como aproveitar todo seu potencial no manejo. Leia atentamente este Manual antes de utilizar o produto e antes

Leia mais

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa.

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa. Mais Questões Isildo M. C. Benta, Assistência Técnica Certificada de Sistemas Solares Quanto poupo se instalar um painel solar térmico? Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da

Leia mais

ELOS ACESSÓRIOS PARA CABO REDE SUBTERRÂNEA

ELOS ACESSÓRIOS PARA CABO REDE SUBTERRÂNEA INSTRUÇÕES DE MONTAGEM ELOS ACESSÓRIOS PARA CABO REDE SUBTERRÂNEA PÁG. / 6 EMEX 6 kv Edição: DEZ 09 A emenda EMEX é um acessório de cabo de média tensão isolado com EPR ou XLPE com camada semi-condutora

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 10 Verificação e Ajuste da Folga Axial dos Compressores Parafuso 11/02 Tipos de compressores: OS.53 / OS.70 / OS.74 HS.53 / HS.64 / HS.74 HSKC 64 / HSKC 74 Sumário Página 1 Introdução

Leia mais

USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO

USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO Cassetes Os cassetes laminadores são micro cadeiras de laminação, que substituem as fieiras nas máquinas de trefilação. Seu surgimento no

Leia mais

VOSS ES-4 A conexão por vedação suave com quatro vezes mais vantagens

VOSS ES-4 A conexão por vedação suave com quatro vezes mais vantagens VOSS ES-4 A conexão por vedação suave com quatro vezes mais vantagens Experiência e Inovação Descrição das Funções VOSS ES-4: A vedação suave conforme DIN/ISO com 4 benefícios 1. Embasamento no anel de

Leia mais

Soluções FORTLEV para a Sua Obra

Soluções FORTLEV para a Sua Obra Soluções FORTLEV para a Sua Obra 1 2 3 6 9 8 7 5 Soluções para Cuidar da Água 1. Caixa de Polietileno FORTLEV 2. Tanque Fortplus FORTLEV 3. Filtro de Entrada FORTLEV Soluções para Cuidar do Meio Ambiente

Leia mais

COMO CONSTRUIR UM TELHADO. Índice

COMO CONSTRUIR UM TELHADO. Índice COMO CONSTRUIR UM TELHADO Índice ÍNDICE 1 CONSTRUÇÃO DO APOIO 2 CONSTRUÇÃO DA LINHA 4 CONSTRUÇÃO DO PENDURAL 7 CONSTRUÇÃO DA EMPENA 8 CONSTRUÇÃO DA DIAGONAL 10 CONSTRUÇÃO DO CHAFUZ 11 CONSTRUÇÃO DAS TERÇAS

Leia mais

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS Bastidores das Torres Rolantes Disponíveis em 2 larguras (0,75 e 1,35 m) de 4 degraus (1 m) e 7 degraus (2 m) Os degraus possuem uma superfície estriada antideslizante e a distância entre degraus é de

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

Plataforma elevadora PE-1000

Plataforma elevadora PE-1000 Plataforma elevadora PE-1000 MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO ZELOSO DESDE 1956 PREFÁCIO PLATAFORMA ELEVADORA APLICAÇÃO: Este manual contém informações para a operação e manutenção, bem como uma lista ilustrada

Leia mais

Manual de Instruções e Catálogo de Peças

Manual de Instruções e Catálogo de Peças 1 Manual de Instruções e Catálogo de Peças Mk-GT 800 2 ÍNDICE Apresentação... 03 Normas de Segurança... 04 Componentes... 07 Engate / Montagem... 08 Preparação p/trabalho... 09 Cuidados... 10 Manutenção...11

Leia mais

Projecto de uma mini mini-hídrica

Projecto de uma mini mini-hídrica Projecto de uma mini mini-hídrica José Pinto da Cunha 1 Lista de material 1 tupperware cilíndrico em PVC transparente com 20 cm e altura 9 cm;(marca Canasta; Continente; Jumbo) (ref. 5601323101891); 1

Leia mais

POLIAS DE CORRENTE PARA OPERAÇÃO DE VÁLVULAS ELEVADAS. Ferro dúctil Aço inox Alumínio Aço carbono

POLIAS DE CORRENTE PARA OPERAÇÃO DE VÁLVULAS ELEVADAS. Ferro dúctil Aço inox Alumínio Aço carbono POLIAS DE CORRENTE E ACESSÓRIOS PARA OPERAÇÃO DE VÁLVULAS ELEVADAS Ferro dúctil Aço inox Alumínio Aço carbono Industries, Inc. POLIAS DE CORRENTE AJUSTÁVEIS DE FERRO DÚCTIL USADAS PARA OPERAR VÁLVULAS

Leia mais

COMPROMISSO COM A QUALIDADE

COMPROMISSO COM A QUALIDADE COMPROMISSO COM A QUALIDADE www.bhxsuprimentos.com.br MINERAÇÃO - SIDERURGIA - CELULOSE - PETROLÍFERA - SUCROALCOOLEIRO A BHX Suprimentos Industriais é uma empresa que assume o compromisso de oferecer

Leia mais

Manual Técnico. Geradores de vapor elétrico com resistência eletrolítica. SOCALOR saunas

Manual Técnico. Geradores de vapor elétrico com resistência eletrolítica. SOCALOR saunas Manual Técnico Geradores de vapor elétrico com resistência eletrolítica Modelo Plus S Atenção: Não instale este aparelho sem antes ler e seguir detalhadamente as instruções técnicas deste manual ÍNDICE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 6 COBERTURAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Edificações. Coberturas. PR 010979/18/DE/2006 ET-DE-K00/005

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 6 COBERTURAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Edificações. Coberturas. PR 010979/18/DE/2006 ET-DE-K00/005 ESPECIFICÇÃO TÉCNIC abr/2006 1 de 6 TÍTULO COBERTURS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Edificações. Coberturas. PROVÇÃO PROCESSO PR 010979/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI SEP Secretaria de Estado

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM E MANUTENÇÃO DO AEROHOMOGENEIZADOR SPIRALAIR

MANUAL DE MONTAGEM E MANUTENÇÃO DO AEROHOMOGENEIZADOR SPIRALAIR MANUAL DE MONTAGEM E MANUTENÇÃO DO AEROHOMOGENEIZADOR SPIRALAIR ATENÇÃO: ANTES DE INICIAR A MONTAGEM LEIA ATENTAMENTE O CONTEÚDO DESTE MANUAL. A PRESSA PODE LEVAR A DANOS IRREPARÁVEIS NO EQUIPAMENTO. 1.

Leia mais

5Manutenções no Sistema de

5Manutenções no Sistema de Manutenção Preventiva dos Filtros do Ar A manutenção adequada deve incluir, também, uma inspeção completa dos sistemas. Todas as conexões, as tubulações ou dutos entre o filtro e o motor devem ser mantidos

Leia mais

Catálogo Airnet. www.airnet-system.com. rápido simples confiável

Catálogo Airnet. www.airnet-system.com. rápido simples confiável Catálogo Airnet www.airnet-system.com rápido simples confiável ÍNDICE Informação geral...1-2 Tubagem...3 Tubos...3 Conexões... 4- Ligação reta...4 Curva...4 T...5 Válvulas...6 Baixada...7 Conexões de transição...8

Leia mais

Caminhões basculantes. Design PGRT

Caminhões basculantes. Design PGRT Informações gerais sobre caminhões basculantes Informações gerais sobre caminhões basculantes Os caminhões basculantes são considerados como uma carroceria sujeita à torção. Os caminhões basculantes são

Leia mais

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação Manual Técnico e Curvas Características Nº A1150.0P/3 Bomba Centrífuga para Uso Geral 1. Aplicação A bomba é indicada para o bombeamento de líquidos limpos ou turvos e encontra aplicação preferencial em

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação Transmissor de nível Cod: 073AA-005-122M Rev. A Série LT-200 Fevereiro / 2004 S/A. Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho 1 ME-01 REV00 13 3 1 2 14 9 10 12 4 5 6 7 11 8 1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho da porta

Leia mais

PRODUTOS E SISTEMAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E DE COMUNICAÇÃO

PRODUTOS E SISTEMAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E DE COMUNICAÇÃO PRODUTOS E SISTEMS PR INSTÇÕES EÉTRICS E DE COMUNICÇÃO Perfilados, Eletrocalhas e eitos pág. 310 Perfilados e acessórios Perfilados, Eletrocalhas e eitos Perfilados e acessórios (pág. 310) 306 pág. 316

Leia mais

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador R Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador INDÚSTRIA MECÂNICA KNAPIK LTDA. Rua Prefeito Alfredo Metzler, 480 - CEP 89400-000 - Porto União - SC Site: www.knapik.com.br

Leia mais

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR www.rehau.com.br Construção Automotiva Indústria DESIGN PARA MÓVEIS DA REHAU: SOLUÇÕES INOVADORAS DE SISTEMAS NO MESMO LOCAL A REHAU se estabeleceu como a principal

Leia mais

Conectores Elétricos Rotativos

Conectores Elétricos Rotativos Conectores Elétricos Rotativos Serior aos coletores escovas convencionais Blindado com rolamentos de esferas Maior confiabilidade, livre de manutenção Livre de ruídos elétricos Resistência de condução

Leia mais

Biombos 70 e 90 Estações de Trabalho

Biombos 70 e 90 Estações de Trabalho 1 de 20 2 de 20 Detalhes Técnicos 3 de 20 Quadro de vidro PAINEL CEGO PAINEL TOTAL VIDRO SIMPLES VIDRO SIMPLES PAINEL MEIO Chassi Travessa Intermediária Calha Intermediária Placa Madeira Calha de fiação

Leia mais

Transmissor de Vazão Mod. RTVG

Transmissor de Vazão Mod. RTVG 1. Introdução O Medidor de vazão tipo turbina é um instrumento de medição de vazão volumétrico. O elemento sensível à vazão é um rotor com um sistema de palhetas fixas, suspenso livremente sobre um eixo

Leia mais

Manual de Operação 1

Manual de Operação 1 Manual de Operação 1 Termo de Garantia A Midea do Brasil, garante este produto contra defeito de fabricação pelo prazo de um ano a contar da data da emissão da nota fiscal de compra para o consumidor final.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES REFRIGERADOR PARA ÔNIBUS MODELO G7

MANUAL DE INSTRUÇÕES REFRIGERADOR PARA ÔNIBUS MODELO G7 MANUAL DE INSTRUÇÕES Compact Indústria de Produtos Termodinâmicos Ltda. Fábrica: Est. BR-116 KM 152,3, 21940 Pavilhão 1 Bairro Planalto Caxias do Sul - RS - CEP 95070-070 Fone (0XX) 54-2108-3838- Fax:

Leia mais

Instruções de Operação. Instruções importantes e avisos de advertência estão retratados na máquina por meio de símbolos:

Instruções de Operação. Instruções importantes e avisos de advertência estão retratados na máquina por meio de símbolos: 1 Instruções de Operação Instruções importantes e avisos de advertência estão retratados na máquina por meio de símbolos: Antes de começar a trabalhar, leia o manual de instruções da máquina. Trabalhe

Leia mais

Tipos de Poços. escavação..

Tipos de Poços. escavação.. O que é um poço Tubular Chamamos de poço toda perfuração através da qual obtemos água de um aqüífero e há muitas formas de classificá-los. Usaremos aqui uma classificação baseada em sua profundidade e

Leia mais

GRUNDOBURST Sistema estático de substituição de tubulação sob o mesmo encaminhamento

GRUNDOBURST Sistema estático de substituição de tubulação sob o mesmo encaminhamento GRUNDOBURST Sistema estático de substituição de tubulação sob o mesmo encaminhamento O sistema estático de pipe bursting é recomendado para substituição de tubulações de água e esgoto especialmente em

Leia mais

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006 Para conexões eixo-cubo extremamente tensionadas a união por encolhimento é insuperável. Nenhum outro tipo de fixação pode oferecer qualidades semelhantes, no que diz respeito à resistência à fadiga sob

Leia mais

Segtreinne 5.0 - PROTEÇÃO LATERAL:

Segtreinne 5.0 - PROTEÇÃO LATERAL: 1.0 - OBJETIVO: Estabelecer procedimentos seguros para montagem, desmontagem e utilização de andaimes, em serviços de manutenção nas áreas da fábrica. 2.0 - APLICAÇÃO: Este procedimento se aplica à montagem,

Leia mais

TR 400 ATENÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO. A Turbo Roda se utilizada fora das condições citadas nas tabelas técnicas, perderá a garantia.

TR 400 ATENÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO. A Turbo Roda se utilizada fora das condições citadas nas tabelas técnicas, perderá a garantia. ATENÇÃO A Turbo Roda se utilizada fora das condições citadas nas tabelas técnicas, perderá a garantia. A TURBO RODA BETTA é um equipamento patenteado, PATENTE n MU 736-4 qualquer violação contra os direitos

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS HIDRAULICAS PARA ESTAÇÕES ELEVATÓRIA DE ESGOTO (EEE)

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS HIDRAULICAS PARA ESTAÇÕES ELEVATÓRIA DE ESGOTO (EEE) SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS HIDRAULICAS PARA ESTAÇÕES ELEVATÓRIA DE ESGOTO (EEE) Página: 2 de 7 1. PROJETO DA EEE O projeto da EEE deverá ser executado

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Página 1 de 9 Informativo nº 9 VENTILADOR DE MESA 30cm VENTNK1200 ASSUNTO: Lançamento. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Alimentação: Cor: Potência do aparelho: Consumo de energia: Característica diferencial: Período

Leia mais

FAREX - Com. de Máquinas Ltda. Hydra-Tools Indl. e Coml. Ltda.

FAREX - Com. de Máquinas Ltda. Hydra-Tools Indl. e Coml. Ltda. FAREX - Com. de Máquinas Ltda. Hydra-Tools Indl. e Coml. Ltda. Manual de Instruções Maquina Hidráulica de Curvar Tubos Série CTN-4 A máquina de curvar tubos da série CTN-4, foi desenvolvida para curvar

Leia mais

MACACO DE TEN- SAR MONOFILAR AUTOMÁTICO

MACACO DE TEN- SAR MONOFILAR AUTOMÁTICO B E T Ã O P R É - E S F O R Ç A D O T E C N O L O G I A MACACO DE TEN- SAR MONOFILAR AUTOMÁTICO Versão de quatro mangueiras hidráulicas pt PAUL-Info B 131.14/21 L I D E R A N Ç A M U N D I A L Mais de

Leia mais

Células de Carga CSBeck

Células de Carga CSBeck Células de Carga CSBeck Manual do Usuário Conheça seu equipamento em detalhes e saiba como aproveitar todo seu potencial no manejo. Leia atentamente este Manual antes de utilizar o produto e antes de acionar

Leia mais

Equívocos cometidos em tubulações de gás combustível. No dimensionamento das tubulações, são encontrados freqüentemente os seguintes equívocos:

Equívocos cometidos em tubulações de gás combustível. No dimensionamento das tubulações, são encontrados freqüentemente os seguintes equívocos: Equívocos cometidos em tubulações de gás combustível Houve, no Brasil, uma lacuna na normalização de Instalações Internas de Gás Combustível durante um grande período, pois a norma brasileira que tratava

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO AGA-TEC Indústria, Comércio e Manutenção Ltda. R: Danilo Valbuza, 703 - Laranjeiras 07700-000 Caieiras / SP - Brasil Tels /Fax: (11) 4441 8353 / 8309 / 8247 / 8502 E-mail: agatecvendas@terra.com.br MANUAL

Leia mais

ZJ20U93 Montagem e Operacional

ZJ20U93 Montagem e Operacional www.zoje.com.br ZJ20U93 Montagem e Operacional ÍNDICE 1. Aplicação...2 2. Operação segura...2 3. Cuidados antes da operação...2 4. Lubrificação...2 5. Seleção da agulha e do fio...3 6. A Inserção da agulha...3

Leia mais

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada VALORES DE CONSTANTES E GRANDEZAS FÍSICAS - aceleração da gravidade g = 10 m/s 2 - calor específico da água c = 1,0 cal/(g o C) = 4,2 x

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO COIFAS DE PAREDE VIDRO RETO VIDRO CURVO

MANUAL DE INSTRUÇÃO COIFAS DE PAREDE VIDRO RETO VIDRO CURVO MANUAL DE INSTRUÇÃO COIFAS DE PAREDE VIDRO RETO VIDRO CURVO MODELOS: BLT BOX BLT VD 60 BLT VD 90 INTRODUÇÃO Parabéns Ao escolher a linha Built de produtos, você optou por um produto de qualidade. As coifas

Leia mais

PosiLeno E OUTROS PRODUTOS PARA A TECELAGEM DE GIRO INGLÊS

PosiLeno E OUTROS PRODUTOS PARA A TECELAGEM DE GIRO INGLÊS info W I N F O R M A Ç Ã O T É C N I C A E A V I N G 5 PosiLeno E OUTROS PRODUTOS PARA A TECELAGEM DE GIRO INGLÊS Os tecidos de giro inglês são cada vez mais utilizados também em aplicações técnicas. Daí

Leia mais

Keystone RMI DUBEX Válvula Borboleta

Keystone RMI DUBEX Válvula Borboleta Keystone RMI DUBEX Válvula Borboleta Dubex é uma válvula de sede resiliente triexcêntrica com flange duplo, projetada para serviços na indústria de água Características Aplicação geral Estação de bombeamento

Leia mais

Parte 2: Instruçes de montagem classe 806

Parte 2: Instruçes de montagem classe 806 Indice Página: Parte : Instruçes de montagem classe 806 1. Equipamento da máquina de costura............................... 3. Montagem da máquina de costura.1 Dispositivos de segurança para transporte.............................

Leia mais

EXAUSTORES CENTRÍFUGOS DE TELHADO ROTOR DE PÁS CURVADAS PARA TRÁS / FLUXO VERTICAL. Modelo TCV

EXAUSTORES CENTRÍFUGOS DE TELHADO ROTOR DE PÁS CURVADAS PARA TRÁS / FLUXO VERTICAL. Modelo TCV EXAUSTORES CENTRÍFUGOS DE TELHADO ROTOR DE PÁS CURVADAS PARA TRÁS / FLUXO VERTICAL Modelo TCV VENTILADORES CENTRÍFUGOS DUPLA ASPIRAÇÃO Aspectos Gerais Os exaustores centrífugos modelo TCV, especificamente

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

2.1 Dados Técnicos - Dimensões na Condição de Altura Fechada (Sem Pressão)

2.1 Dados Técnicos - Dimensões na Condição de Altura Fechada (Sem Pressão) 1. Considerações Gerais 1.1 Instruções de recebimento Deve-se inspecionar visualmente todo o equipamento para detectar avarias causadas durante o transporte, como vazamentos e marcas de batidas. Avarias

Leia mais

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento.

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2 Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. Aviso Importante Certifique-se de verificar o nível de óleo como é descrito a seguir: 1. Nível

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda.

International Paper do Brasil Ltda. International Paper do Brasil Ltda. Autor do Doc.: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Técnicas de Inspeção, Montagem, uso de Rebolos ( Esmeris

Leia mais

Manual de Montagem e Operação Pórtico Manual Serie FX

Manual de Montagem e Operação Pórtico Manual Serie FX 1 Manual de Montagem e Operação Pórtico Manual Serie FX Manual No. 103-0001 R EV. 8/07 ISO 9001 REGISTERED CONTEUDO 2 Advertencias... 3 Recebimento... 5 Ajustes...6 Kit de Transporte...8 Instalação dos

Leia mais

Manual Técnico e Certificado de Garantia

Manual Técnico e Certificado de Garantia Parabéns! Você acabou de adquirir um ventilador de teto com luminária, especialmente criado para trazer mais conforto e beleza aos ambientes. Com design diferenciado o Efyx Nauta é pré-montado. Siga todas

Leia mais

CHAVE DE IMPACTO PARAFUSADEIRA PNEUMÁTICA

CHAVE DE IMPACTO PARAFUSADEIRA PNEUMÁTICA *Imagens meramente ilustrativas CHAVE DE IMPACTO PARAFUSADEIRA PNEUMÁTICA Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS CHAVE DE IMPACTO PARAFUSADEIRA PNEUMÁTICA Modelo V8 Chave de impacto

Leia mais

40.69-PORB V33, K8.0 PRODUTOS DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS SPRINKLERS AUTOMÁTICOS

40.69-PORB V33, K8.0 PRODUTOS DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS SPRINKLERS AUTOMÁTICOS PARA MAIS DETALHES, CONSULTE A PUBLICAÇÃO VICTAULIC 10.01 O Sprinkler do tipo embutido, pendente, via-seca, Série V33 com tampa de proteção roscada e ajuste de ½" utiliza componentes internos de aço inox.

Leia mais

Manual PORTA PLACAS. Rev 00-12/07/2012 pág - 1 de 21

Manual PORTA PLACAS. Rev 00-12/07/2012 pág - 1 de 21 Rev 00-12/07/2012 pág - 1 de 21 Manual PORTA PLACAS Rev 00-12/07/2012 pág - 2 de 21 Índice CERTIFICADO ISO 9001:2008 DESENHO DE OPERAÇÃO MANUAL DE OPERAÇÃO DESENHO DE CONJUNTO TABELAS DIMENSIONAIS Histórico

Leia mais

JULHO 2012. www.tectubo.com.br

JULHO 2012. www.tectubo.com.br JULHO 2012 www.tectubo.com.br Coberturas que respeitam você e o meio ambiente. Telhas de PVC Coberturas com durabilidade, segurança e beleza. Dê mais modernidade a sua casa com o mais novo sistema de coberturas

Leia mais

Manual de Instalação do Encoder

Manual de Instalação do Encoder Status do Documento: Código de Referência do LS-CS-M-028 Documento Versão: 1 Liberado em: 16-03-2010 Histórico de Revisão do Documento Data Versão Resumo da Alteração 16-03-2010 1 Manual Novo Informação

Leia mais

PERFORT SISTEMAS DE BANDEJAMENTO

PERFORT SISTEMAS DE BANDEJAMENTO PERFORT 1 SISTEMAS DE BANDEJAMENTO Utilizando o conceito de estruturação mecânica desenvolvido pela MOPA, o ELETROFORT é uma eletrocalha de seção transversal e características exclusivas, que permitiram

Leia mais

Procedimentos de montagem e instalação

Procedimentos de montagem e instalação Procedimentos de montagem e instalação de elementos filtrantes Pall grau P (farmacêutico) 1. Introdução Os procedimentos abaixo devem ser seguidos para a instalação dos elementos filtrantes Pall grau P

Leia mais

GA-1 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante Instruções de instalação e funcionamento

GA-1 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante Instruções de instalação e funcionamento Labkotec Oy Myllyhaantie 6 FI-33960 PIRKKALA FINLAND Tel: +358 29 006 260 Fax: +358 29 006 1260 19.1.2015 Internet: www.labkotec.com 1/11 GA-1 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante Copyright

Leia mais

Sistema de conexão VOSSForm SQR / VOSSForm SQR VA. Segurança Qualidade Rentabilidade

Sistema de conexão VOSSForm SQR / VOSSForm SQR VA. Segurança Qualidade Rentabilidade Sistema de conexão VOSSForm SQR / VOSSForm SQR VA Segurança Qualidade Rentabilidade Informação sobre o produto conexão pelo sistema VOSSForm SQR As exigências essenciais para conexões hidráulicas podem

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Introdução Definição Classificação Características Aplicação Representação Definição São elementos que ligam peças permitindo que essas se movimentem sem sofrerem alterações.

Leia mais

Válvulas controladoras de vazão

Válvulas controladoras de vazão Generalidades Válvula controladora de vazão variável Válvula de controle de vazão variável com retenção integrada Métodos de controle de vazão Válvula de controle de vazão com pressão compensada temperatura

Leia mais

Rev. 01 MANUAL TÉCNICO. Kit Porta Pronto

Rev. 01 MANUAL TÉCNICO. Kit Porta Pronto MANUAL TÉCNICO Kit Porta Pronto Carga e Descarga Os produtos são carregados na empresa e preparados de modo a assegurar sua proteção. Durante o transporte até o cliente é imprescindível que sejam mantidas

Leia mais

ASC. Prof. Danilo Toledo Ramos

ASC. Prof. Danilo Toledo Ramos ASC Prof. Danilo Toledo Ramos Fundações Profundas (Indiretas) Segundo a NBR 6122/1996: Elementos de fundação que transmitem a carga ao terreno pela base (resistência de ponta), por sua superfície lateral

Leia mais

BEDIENUNGSANWEISUNG EMA 950.0. mit Montageanweisungen

BEDIENUNGSANWEISUNG EMA 950.0. mit Montageanweisungen BEDIENUNGSANWEISUNG mit Montageanweisungen GB F NL I E P Instructions for use and installation instructions Instructions d'utilisation e avis de montage Gebruiksaanwijzing en montagehandleiding Istruzioni

Leia mais

Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title

Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title Additional Manual do Information Produto be certain. 100-238-343 A Informações sobre Direitos Autorais Informações sobre Marca Registrada Informação

Leia mais

Regulador de Pressão Automotor Série 42 Regulador de Pressão Diferencial com actuador de abertura e válvula balanceada Tipo 2422 Tipo 42-20 Tipo 42-25

Regulador de Pressão Automotor Série 42 Regulador de Pressão Diferencial com actuador de abertura e válvula balanceada Tipo 2422 Tipo 42-20 Tipo 42-25 Regulador de Pressão Automotor Série 42 Regulador de Pressão Diferencial com actuador de abertura e válvula balanceada Tipo 2422 Tipo 42-20 Tipo 42-25 Aplicação Regulador de pressão diferencial para grandes

Leia mais

Sumário Serra Fita FAM

Sumário Serra Fita FAM Sumário Serra Fita FAM 1 Componentes... 1 Painel de controle... 1 Sensores de segurança... 2 Especificações... 2 Instalação... 3 Condições Gerais do Local... 3 Rede Elétrica... 3 Instalação da Tomada...

Leia mais

MANUAL DE FILTROS RICARDO ALESSANDRO CARRARO

MANUAL DE FILTROS RICARDO ALESSANDRO CARRARO Fone: (19) 3424 1665 e-mail: tecsol.filtros@gmail.com Representante Comercial Pedro Fone: (19) 3818 6186 Este manual não deve ser reproduzido sem autorização da TecSol Cópia Controlada Data de emissão:

Leia mais

LISTA DE MONTAGEM MULTIPLA POR FAVOR INFORME O NÚMERO OU CÓDIGO, CASO VOCE NECESSITE DE ATENDIMENTO OU PEÇAS. F I T N E S S

LISTA DE MONTAGEM MULTIPLA POR FAVOR INFORME O NÚMERO OU CÓDIGO, CASO VOCE NECESSITE DE ATENDIMENTO OU PEÇAS. F I T N E S S A V I S O : ANTES DE INICIAR QUALQUER EXERCÍCIO OU PROGRAMA DE EXERCÍCIOS, POR FAVOR CONSULTE SEU MÉDICO. ANTES DOS EXERCÍCIOS, TENHA CERTEZA QUE TODAS AS PARTES DESTE EQUIPAMENTO FORAM BEM FIXADOS PELOS

Leia mais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais Seleção do 2. Seleção do Os s e de estão disponíveis numa variedade de tipos, formas e dimensões. Quando se faz a correta seleção do para a sua aplicação, é importante considerar diversos fatores, e analisar

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo II. Coberturas

Estruturas Metálicas. Módulo II. Coberturas Estruturas Metálicas Módulo II Coberturas 1 COBERTURAS Uma das grandes aplicações das estruturas metálicas se dá no campo das coberturas de grande vão, especialmente as de caráter industrial. Também devido

Leia mais

Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações

Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações Seminário: Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações Carlos Chaves LOG Gestão de Obras O Sistema Paredes de concreto moldadas no local Um sistema racionalizado. Racionalização: Simplificação

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ MEMORIAL DESCRITIVO FORNECIMENTO E EXECUÇÃO

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE EXECUÇÃO: 1. Condições para o início dos serviços A alvenaria deve estar concluída e verificada. As superfícies

Leia mais

07/12/2012 Agosto/2012 1

07/12/2012 Agosto/2012 1 07/12/2012 Agosto/2012 1 Arranjo e Detalhamento de Tubulações Industriais 07/12/2012 2 Tipos de Desenhos de Tubulação Os principais tipos de desenhos que compõem um projeto de tubulação, são: 1. Fluxogramas

Leia mais

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição.

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. De acordo com a Norma NBR 1001, um grande número de fatores influência a freqüência de calibração. Os mais importantes,

Leia mais

Esse produto é um produto composto e tem subprodutos

Esse produto é um produto composto e tem subprodutos Indústria - Cadastro de produtos O módulo indústria permite controlar a produção dos produtos fabricados pela empresa. É possível criar um produto final e definir as matérias-primas que fazem parte de

Leia mais

KIT SUCTOR III 2 SUGADORES SEM FILTRO ACESSÓRIO BOMBA DE VÁCUO MANUAL DO PROPRIETÁRIO WWW.SCHUSTER.IND.BR PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS

KIT SUCTOR III 2 SUGADORES SEM FILTRO ACESSÓRIO BOMBA DE VÁCUO MANUAL DO PROPRIETÁRIO WWW.SCHUSTER.IND.BR PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS KIT SUCTOR III 2 SUGADORES SEM FILTRO ACESSÓRIO BOMBA DE VÁCUO MANUAL DO PROPRIETÁRIO PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS WWW.SCHUSTER.IND.BR 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. TERMOS DE GARANTIA... 3 3. ESPECIFICAÇÕES GERAIS...

Leia mais

Guia de Instalação Pinhão de 18 dentes

Guia de Instalação Pinhão de 18 dentes 1 Guia de Instalação Pinhão de 18 dentes por d Avila, Edson. 2004, versão 1.0. Autorizada reprodução se mantido os créditos do autor 2 O autor acredita que todas as informações aqui apresentadas estão

Leia mais

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P 0 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 IMPORTANTE... 3 SEGURANÇA... 3 CUIDADOS AO RECEBER O EQUIPAMENTO... 4 1) Instalação dos exaustores... 5 2) Instalação

Leia mais