Eu também fui arrastada...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eu também fui arrastada..."

Transcrição

1 1 Eu também fui arrastada... Elizabeth M. F. Araújo Lima 1 Eu também fui arrastada para as ruas, mesmo sem ter facebook... O noticiário da TV falava de vandalismo, jovens quebrando tudo por causa de uns poucos centavos... a produção do medo ganhando novos contornos. Depois os amigos, os estudantes, os colegas, os filhos, o namorado. Redes de afeto me conectando aos acontecimentos. Alguns professores da USP iam se encontrar na frente da Estação de Metrô Butantã e caminhar juntos até o Largo da Batata. Fui com uma colega fazendo um trajeto parecido. O que me movia naquele momento era uma indignação, mais uma vez e sempre, com a forma como o Estado tinha respondido a uma manifestação política, expressão crítica de insatisfação e revolta. Forma que tem se repetido insuportavelmente em todos os lugares: truculência e criminalização. Um amigo me lembrou de uma Assembleia de professores na USP, interrompida pela polícia jogando gás lacrimogêneo nos estudantes que faziam uma manifestação no Campus Pinheiros. A mesma polícia que, com aparato desproporcional, retirou os estudantes que haviam ocupado a reitoria da USP em 2011 para protestar contra sua presença no Campus e que, no ano seguinte, em uma ação de reintegração de posse, retirou violentamente milhares de famílias que viviam em uma área de São José dos Campos conhecida como Pinheirinho. Essas respostas truculentas aos movimentos políticos e sociais, que temos assistido a Polícia Militar protagonizar na cidade, no estado e no país, são, em geral, seguidas por coros de aprovação às declarações dos governantes de que a lei é para todos. Mas, como lembrava Raquel Rolnik em 2011, nossa legalidade não é feita apenas de infrações penais, mas também de direitos. Ou seja, são inaceitáveis, as desocupações violentas em favelas, os despejos forçados de milhares de pessoas sem teto e sem terra, as 1 Beth Lima é doutora em Psicologia Clínica pela Pontifíca Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), terapeuta ocupacional e professora do Curso de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo (USP).

2 2 abordagens humilhantes a moradores de rua, as execuções sumárias, entre tantas outras situações cujos agentes são sempre a mesma PM. 2 Com o Movimento Passe Livre não foi diferente: a resposta foi policialesca e o discurso da mídia, com seu tom de desaprovação, mais uma vez criminalizava as lutas sociais. As primeiras notícias insistiam na gratuidade dos atos e em seu vandalismo. Mas, surpreendendo todas as expectativas, um pequeno grupo de jovens conseguiu alterar o campo de visibilidade. Ao contrário do que a mídia tentava fazer ver, os jovens do MPL colocaram em foco, com sua ação, o intolerável de uma situação que atravessa todos os habitantes de São Paulo: o deslocamento espacial impossível, violento, desumanizante, que enfrentamos todos os dias, cada um a seu modo, nesta megacidade. Este é um comum que nos habita. Este comum foi acionado, e deste comum o desejo se ampliou, levando cada um a encontrar a multidão de corpos que se reunia nas ruas e a sentir com eles algo que não é possível sentir em isolamento. Em outubro de 2011, Vladimir Safatle falou às pessoas que estavam reunidas no Vale do Anhangabaú participando do movimento Ocupa Sampa. Disse que elas eram parte de uma engrenagem montada inesperadamente em várias partes do mundo, em torno de uma noção central: nossa democracia não existe ainda, nossa democracia ainda não chegou, nós ainda esperamos uma democracia por vir. (Safatle, 2012, p. 47). Mas, já não se tratava mais de esperar por esta tal democracia por vir. O desejo era agora de experimentá-la. Um desejo sem foco e sem nome que arrastou a mim também. E fui. Nas tentativas de comunicação pelos celulares, que vez por outra funcionavam, consegui encontrar meu bando. Contaminados pela alegria geral, caminhamos muito, sentindo finalmente que a cidade era nossa. Descobrindo suas belezas, seus espaços, seus habitantes, tão díspares, tão interessantes, tão cheios de energia. 2 Raquel Rolnik. Truculência para todos? Disponível em: <http://raquelrolnik.wordpress.com/2011/11/10/truculencia-para-todos-mais-sobre-a-usp%20/>

3 3 A caminhada tinha um ar de festa. Um amigo me disse que vivia ali uma explosão de energia utópica represada. As palavras de ordem gritavam a coincidência de que sem polícia não há violência, e deslocavam o tradicional e revolucionário povo unido [que] jamais será vencido para a constatação simples e concreta de que o povo unido é gente pra caralho!. Foto: Julia Magalhães

4 4 Para aqueles de minha geração, que viveram as Diretas Já e outros tantos eventos de massa, acostumados com os carros de som a liderarem a turba, o passeio era uma surpresa e uma revelação. Como seria possível que as pessoas começassem a andar sem combinar previamente o trajeto? Quem iria decidir? Quem iria nos guiar? Foto: Julia Magalhães

5 5 Mas essas perguntas mal colocadas não atingiam o acontecimento que estava se dando ali. As decisões se faziam pelos corpos em conexão. E não precisavam de unanimidade. A multidão seguiu em várias direções e se espalhou pela cidade. Uma multidão feita de singularidades compartilhava um comum nos corpos, na sua potência de afetação e de invenção de mundos, no seu desejo de viver diferentemente. A multidão que se espalhava pela cidade, se espalhou também pelo país, problematizando o modo de fazer política que temos construído, lutando por uma vida mais digna e mais potente, enfrentando as injustiças que são tantas, e afirmando o direito à expressão, em suas variadas formas, à diferença, aos serviços públicos de qualidade, a uma existência mais interessante, mais alegre, menos capturada e vampirizada. Talvez pudéssemos pensar que assistimos, nesse inverno de 2013, a eclosão de um tipo de luta que, segundo Foucault, se caracteriza por um certo anarquismo na forma de colocar as questões e não espera solucionar problemas em um futuro preciso. Um tipo de luta que instaura um plano transversal de enunciação, no qual cada um passa a colocar em questão as instâncias de poder que lhe são mais próximas e a combater tudo aquilo que separa os indivíduos uns dos outros, tudo aquilo que rompe com a vida comunitária (Foucault, 2001). Mas, se havia um plano transversal comum de insatisfações e de desejos que atravessava as manifestações em localizações geográficas tão distintas e grupos tão díspares, a diferença de suas formas e de seus participantes não pode ser ignorada. A violência da polícia, o descaso e o mau funcionamento dos serviços públicos, os tempos vividos nos transportes coletivos ou em longas caminhadas em direção ao trabalho, as implicações concretas dos esquemas de corrupção, não são as mesmas para todos e nem são vividas da mesma forma por cada um que compõe a multidão. Para alguns, a política se faz com palavras, discursos, discussões, reivindicações, negociações, representações, eleições... para outros, já não é mais possível esperar respostas por vir, é preciso agir.

6 6 Esta polifonia de vozes, pensamentos e ações começou a assustar. As críticas diziam que o movimento estava acéfalo e não sabia o que queria. A insegurança quanto aos desdobramentos possíveis revelava-se numa proliferação de questionamentos: Do que seria capaz a multidão descontrolada? E os black blocs que vão às manifestações mascarados, o que querem e o que podem fazer? Que uso a direita fará desse descontrole e dessa potência? A impossibilidade de inserir o acontecimento em cálculos e previsões, e a ausência de uma compreensão que pudesse se fazer de imediato, levavam de volta a coordenadas que não conseguem dizer do acontecimento em sua singularidade. Sua falta de cabimento em grades explicativas já conhecidas passou a ser usada como combustível para a produção do medo. Mas é preciso ir além do medo, escapar a sua produção. E para isso é necessário suportar o incompreensível e sustentar as sensações produzidas nesse passeio junto a uma multidão por uma cidade que vai sendo reinventada por cada um. Sensações de um encontro inesperado com o mundo quando se estava acostumada a desertá-lo com facilidade. Sensações que provocam a criação de formas de vida e buscam um pensamento que possa acompanhá-las. Um pensamento que possa estar à altura do acontecimento, que possa problematizá-lo. Pensar sem tomar partido, sem escolher lados. Pensar as esperanças e os riscos de cada invenção. E foi assim que voltei uma vez mais a um texto inspiradíssimo do querido professor Luis Orlandi. Neste ponto, queria trazer para a conversa algumas notas a partir desse texto-presente, extremamente contemporâneo, no qual Orlandi confessava sua ignorância em relação ao que estamos ajudando a fazer de nós mesmos (Orlandi, 2002). De fato, parece muito difícil saber o que estamos ajudando a fazer, na medida mesma em que os fatos ocorrem. Mas, se não podemos saber de antemão o que estamos fazendo, podemos encontrar algumas regras éticas para o nosso agir. No mesmo texto, nosso professor nos dá pistas para formular essas regras, e uma delas aponta para o paradoxo do tempo em que vivemos no qual, no mesmo instante e em cada acontecimento, fica evidente simultaneamente

7 7 uma potência acentuada capaz de articular e de levar a cabo conjunções praticamente ilimitadas entre forças presentes ou atuantes no homem e os mais variados mini conjuntos do seu universo ambiente e um sistemático, cotidiano e envolvente sucateamento da humanidade. (Orlandi, 2002, p. 220). Assim, se não sabemos o que estamos fazendo de nós mesmos, vamo-nos dando conta, de forma irrecusável, de que cada gesto, cada fiapo das práticas cotidianas, está imerso em algo incontrolável, está ajudando a proliferar os fluxos incontroláveis (Orlandi, 2002, p. 228). O problema persiste. O que fazer estando imerso nessa turbulência que toca forças incontroláveis? Que qualidades de invenção e prudência são necessárias? Como agir, sabendo que enfrentamos, em cada situação, a grande serpente que se instalou em nossa maneira de viver e nas nossas relações com os outros? Agir em duas direções ao mesmo tempo, nos diz Orlandi (2002, p. 230): unir-se ao sujeito coletivo capaz de uma práxis revolucionária tal que seus atos mudarão a qualidade de todas as demais práticas ; unir-se, sim, mas mantendo nossa atenção à espreita prudência, arrojo e criatividade no nível de cada tentativa (Deleuze, 2010 apud Orlandi, 2002, p. 235). Parece simples, mas nada é mais complexo, clínico e político a um só tempo: unir-se ao sujeito coletivo, mantendo-se à espreita para avaliar ao nível de cada tentativa sua capacidade de resistência ou, ao contrário, sua submissão a um controle (Deleuze 2010 apud Orlandi, 2002, p. 235). As manifestações nos fizeram vislumbrar, como que por um flash, o intolerável de nossa época; e, ao mesmo tempo, nos deram a chance de esboçar o desenho de novas possibilidades de vida. Elas instauraram um acontecimento inapreensível que, como diz Deleuze, não se explica pelos estados de coisa que o suscita, não traz a solução de problemas e também não se esgota naquilo em que torna a cair. (Deleuze, 2000). Emergimos do nosso cotidiano, por um instante; produzimos novas maneiras de sentir, de se encontrar; experimentamos outras formas de agir. É isto que é preciso agarrar, nos mantendo atentos às composições das forças em jogo no panorama atual.

8 8 Manter-se à espreita, estar atento ao que acontece, ao que nos acontece. Talvez assim possamos nos afastar do medo que é constantemente produzido em nós, para experimentar com prudência as potências e os riscos deste mundo que é o nosso. E tudo isso, sobretudo, para lutar por uma vida não fascista. Referências DELEUZE, Gilles. Conversações. Trad. Peter P. Pelbart. São Paulo: Ed. 34, DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O Anti-Édipo. Capitalismo e esquizofrenia 1. Trad. Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Ed. 34, FOUCAULT, Michel. El sujeto e el poder. El seminario ORLANDI, Luiz B. L. O que estamos ajudando a fazer de nós mesmos. In: RAGO, Margareth; ORLANDI, Luiz B. L.; VEIGA-NETO, Antônio (orgs). Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzscheanas. Rio de Janeiro: DP&A, SAFATLE, Vladimir. Amar uma ideia. In: HARVEY, David et al. (orgs). Occupy: movimentos de protestos que tomaram as ruas. São Paulo: Boitempo / Carta Maior, 2012.

O QUE É A FILOSOFIA? DA CRIAÇÃO CONCEITUAL AO APRENDER 1

O QUE É A FILOSOFIA? DA CRIAÇÃO CONCEITUAL AO APRENDER 1 O QUE É A FILOSOFIA? DA CRIAÇÃO CONCEITUAL AO APRENDER 1 Jurandir Goulart Soares 2 Salvador Leandro Barbosa 3 Resumo: O presente trabalho pretende apontar a partir da contribuição dos filósofos franceses

Leia mais

Senador Pedro Taques Discurso Manifestações

Senador Pedro Taques Discurso Manifestações Senador Pedro Taques Discurso Manifestações Senhor presidente, Senhoras senadoras, senhores senadores Amigos das redes sociais que também estão nas ruas Estamos em época de competição de futebol. Nosso

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Oficinas Temáticas: A Potência da Psicologia em um Projeto Educacional de uma ONG

Oficinas Temáticas: A Potência da Psicologia em um Projeto Educacional de uma ONG Oficinas Temáticas: A Potência da Psicologia em um Projeto Educacional de uma ONG Thiago Colmenero Cunha (bolsista PIBEX) colmenerocunha@gmail.com Instituto de Psicologia 10 período Lara Soutto Mayor Vieira

Leia mais

Processos de criação e de escrita:

Processos de criação e de escrita: Processos de criação e de escrita: a experiência das Exposições IN PACTO * criação Elizabeth M. F. Araújo Lima 1 Nara Mitiru de Tani Isoda 2 Eliane Dias de Castro 3 * Este artigo é parte das atividades

Leia mais

A experiência de criação de uma máscara-educação

A experiência de criação de uma máscara-educação 1 A experiência de criação de uma máscara-educação Eduardo Silveira 1 Resumo: O presente texto é parte de uma intervenção artística realizada em setembro de 2011 no IFSC (Campus Florianópolis) por um grupo

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

Os movimentos sociais sob o impacto dos protestos. Uma análise sobre o Movimento Passe Livre e o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto

Os movimentos sociais sob o impacto dos protestos. Uma análise sobre o Movimento Passe Livre e o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto Os movimentos sociais sob o impacto dos protestos. Uma análise sobre o Movimento Passe Livre e o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto Resumo O trabalho analisa os protestos de junho de 2013 a junho de

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

As regras do jogo LANNOY DORIN SUPLEMENTO DO PROFESSOR. Elaborado por Janaina Tiosse de Oliveira Corrêa

As regras do jogo LANNOY DORIN SUPLEMENTO DO PROFESSOR. Elaborado por Janaina Tiosse de Oliveira Corrêa SUPLEMENTO DO PROFESSOR As regras do jogo LANNOY DORIN Elaborado por Janaina Tiosse de Oliveira Corrêa SUGESTÕES DIDÁTICAS A partir da migração da família de Raimundo e Arminda, o livro As regras do jogo

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos ENTREVISTA PETER SINGER. - SELEÇÃO DE TRECHOS Fonte: Portal da Revista Época. Disponível em http://revistaepoca.globo.com/revista/epoca/0,,edg74453-5856-421,00.html

Leia mais

Reforma do Sistema Político

Reforma do Sistema Político Reforma do Sistema Político Texto preparatório e questões norteadoras Data: 17/07/2013 Local: Centro de Estudos Helênicos, Areté. Roda de Conversa: Reforma do Sistema Político Data: 17.07.2013 Espaço Areté

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

Aprenderes desregrados e o ato de criação em sala de aula

Aprenderes desregrados e o ato de criação em sala de aula Aprenderes desregrados e o ato de criação em sala de aula POR LAISA B. O. GUARIENTI batupre@gmail.com Apresentação: as indisciplinas do saber A variação do pensamento e a perda do foco da atenção, diante

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS Francieli Regina Garlet (UFSM) Resumo: A escrita a que se refere o presente texto, diz respeito à proposta desenvolvida

Leia mais

INVENÇÃO E GEOGRAFIA: QUESTÕES PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA FORA DA LÓGICA DA REPRESENTAÇÃO.

INVENÇÃO E GEOGRAFIA: QUESTÕES PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA FORA DA LÓGICA DA REPRESENTAÇÃO. INVENÇÃO E GEOGRAFIA: QUESTÕES PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA FORA DA LÓGICA DA REPRESENTAÇÃO. Ariana Fonseca da Silva (FFP/UERJ) FAPERJ ariana.fonsecageo@gmail.com Resumo: Este trabalho tem como desafio dar

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Internet: A Rede Revolução

Internet: A Rede Revolução Internet: A Rede Revolução A era da informação. Nunca se teve tanto acesso às notícias como agora. Nunca se recebeu tantas informações e fatos mundiais como hoje. As notícias chegam até nós de forma rápida,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

CORPO E SEXUALIDADE MASCULINA EM DEVIR. Palavras-chave: corpo masculino, sexualidade masculina, Filosofia da Diferença.

CORPO E SEXUALIDADE MASCULINA EM DEVIR. Palavras-chave: corpo masculino, sexualidade masculina, Filosofia da Diferença. CORPO E SEXUALIDADE MASCULINA EM DEVIR Marcelo Valente de Souza (UFPA) RESUMO: O tema da sexualidade masculina toma foco neste estudo por entendermos que ela pouco aparece na literatura. O texto aborda,

Leia mais

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA Claudiane Lorini claudianelorini@hotmail.com Silvana Rodrigues da Silva madonalongati@hotmail.com Tânia Marli Peçanha de Brito taniam.brito@hotmail.com RESUMO: O ambiente

Leia mais

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Monica Aiub filósofa clínica e-mail: monica_aiub@uol.com.br Vendo o que não se vê, tema do Congresso, suscita, imediatamente, a pergunta: o que se vê e

Leia mais

Acerca das cartografias cidadianas de lucimarbello da Vila Olímpia

Acerca das cartografias cidadianas de lucimarbello da Vila Olímpia http://www.lucimarbello.com.br 1 Acerca das cartografias cidadianas de lucimarbello da Vila Olímpia Como é possível que tudo possa ser feito e desfeito, criado e destruído, mas que o próprio Z estivesse

Leia mais

Segurança pessoal. Cuidados indispensáveis para evitar situações de risco dentro e fora do Campus.

Segurança pessoal. Cuidados indispensáveis para evitar situações de risco dentro e fora do Campus. Segurança pessoal Cuidados indispensáveis para evitar situações de risco dentro e fora do Campus. Você sabe como iden.ficar situações de risco? Ao decorrer de uma roena diária de aevidades, métodos prevenevos

Leia mais

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS Lucas Germani Wendt; Leonardo Pestillo de Oliveira; Letícia Rossi RESUMO: O presente projeto terá por objetivo

Leia mais

GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA

GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA Juliane Marschall Morgenstern 1 - UNISINOS Agência Financiadora: Capes/Proex Resumo: O presente trabalho compõe uma proposta

Leia mais

A arte da sobrevivência ou sobre a vivência da arte *

A arte da sobrevivência ou sobre a vivência da arte * DOI: 10.1590/1807-57622013.0890 A arte da sobrevivência ou sobre a vivência da arte * criação The art of survival or about experience of art El arte de la sobrevivencia o sobre la vivencia del arte Carla

Leia mais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais A campanha do prefeito de Duque de Caxias Alexandre Aguiar Cardoso, natural de Duque de Caxias, cidade da região metropolitana do Rio de Janeiro,

Leia mais

Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte

Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte Dos 56 detidos, 11 são adolescentes; 30 foram ouvidos e liberados. Manifestantes e polícia se enfrentaram em dois momentos neste sábado.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: performatividade, corpo, animal, subjetivação, descolonização

PALAVRAS-CHAVE: performatividade, corpo, animal, subjetivação, descolonização ABRIR O CORPO AO ANIMAL, AO MINERAL, ÀS PLANTAS, AO COSMOS Angela A. Donini 1 RESUMO As questões que me mobilizam estão relacionadas ao pensar acerca dos processos de produção, recepção e circulação de

Leia mais

Introdução: Satisfazendo a fome espiritual 05

Introdução: Satisfazendo a fome espiritual 05 Sumário Introdução: Satisfazendo a fome espiritual 05 Série 1: Lidando com o Estresse Estresse 1: Novos lugares, Novas situações estressantes 12 Estresse 2: O sonho impossível 18 Estresse 3: No calor do

Leia mais

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #6 Eu Posso com a s fazer próprias justiça mãos? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

Oficina sobre Revolução, Contestação o maio de 1968 francês

Oficina sobre Revolução, Contestação o maio de 1968 francês Oficina sobre Revolução, Contestação o maio de 1968 francês Roteiro 1. Essa atividade foi pensada para alunos do ensino médio e envolve a discussão de temas relacionados a juventude, meio estudantil, trabalhadores,

Leia mais

A ETNOGRAFIA COMO POTENCIAL ARTICULADOR PARA A TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL.

A ETNOGRAFIA COMO POTENCIAL ARTICULADOR PARA A TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL. A ETNOGRAFIA COMO POTENCIAL ARTICULADOR PARA A TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL. Autoras: Marina Di Napoli Pastore Universidade Federal de São Carlos / Casa das Áfricas; Denise Dias Barros Universidade de São

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio e Reinventando o Ensino Médio Profª. Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE-UFMG Universidade do

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio e Reinventando o Ensino Médio Profª. Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE-UFMG Universidade do Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio e Reinventando o Ensino Médio Profª. Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE-UFMG Universidade do Estado de Minas Gerais Mas o que é mesmo que esse caderno

Leia mais

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com ARTES diálogo Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com Nas suas intervenções artísticas, no domínio da escultura e da instalação, Gonçalo Barreiros pode

Leia mais

DEBATE VIRTUAL SOBRE CULTURA DE PAZ COM AS JUVENTUDES NAS ESCOLAS: desdobramentos com a política de segurança do paciente

DEBATE VIRTUAL SOBRE CULTURA DE PAZ COM AS JUVENTUDES NAS ESCOLAS: desdobramentos com a política de segurança do paciente 1 DEBATE VIRTUAL SOBRE CULTURA DE PAZ COM AS JUVENTUDES NAS ESCOLAS: desdobramentos com a política de segurança do paciente RESUMO Raimundo Augusto Martins Torres 1 (Orientador); Daniele Vasconcelos Fernandes

Leia mais

DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão

DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão Diálogos da última edição deste Boletim trouxe os bastidores e um pouco da história dos nossos eventos. Desta feita, apontamos nossa mira

Leia mais

Instauração: um conceito na filosofia de Goodman

Instauração: um conceito na filosofia de Goodman 92 Instauração: um conceito na filosofia de Goodman Noéli Ramme O artigo apresenta o conceito de instauração, noção fundamental na filosofia da arte de Nelson Goodman e com o qual se pretende tratar do

Leia mais

Constituição da República Portuguesa. Artigo 65.º (Habitação e urbanismo)

Constituição da República Portuguesa. Artigo 65.º (Habitação e urbanismo) Constituição da República Portuguesa Artigo 65.º (Habitação e urbanismo) 1. Todos têm direito, para si e para a sua família, a uma habitação de dimensão adequada, em condições de higiene e conforto e que

Leia mais

A AULA DE CANTO EM UM PROJETO SOCIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

A AULA DE CANTO EM UM PROJETO SOCIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 A AULA DE CANTO EM UM PROJETO SOCIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Ruth de Sousa Ferreira Silva 1 rutssilva@hotmail.com UnB Tutora à distância Curso de Licenciatura em Música Resumo Este relato de experiência

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE PRONASCI GOVERNO FEDERAL

PREFEITURA DO RECIFE PRONASCI GOVERNO FEDERAL SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ PREFEITURA DO RECIFE PRONASCI GOVERNO FEDERAL RELATÓRIO DA OFICINA DE GRAFFITI NOS VIADUTOS DA CIDADE DE RECIFE/PE Períodos: Comunidade: Joana Bezerra

Leia mais

ENTRE ESTRATÉGIAS E TÁTICAS: DISPUTAS POLÍTICAS E SOCIAIS EM PERNAMBUCO (1960 1964)

ENTRE ESTRATÉGIAS E TÁTICAS: DISPUTAS POLÍTICAS E SOCIAIS EM PERNAMBUCO (1960 1964) ENTRE ESTRATÉGIAS E TÁTICAS: DISPUTAS POLÍTICAS E SOCIAIS EM PERNAMBUCO (1960 1964) Pablo Francisco de Andrade Porfírio UFPE pabloporfirio@hotmail.com / pabloporfirio@ig.com.br 1 INTRODUÇÃO. Este trabalho,

Leia mais

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Kelly Gonçalves da Silva gsilva.kelly@gmail.com Instituto de Psicologia 12º período Clara Castilho Barcellos

Leia mais

o caldo engrossa todas as tribos

o caldo engrossa todas as tribos todas as tribos o caldo engrossa Grupos de mães usam as redes para apoiar os filhos e convocar a participação nos protestos. Manifestações também atraem artistas e estrangeiros TEXTO roberta salomone e

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão , Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão Santa Cruz de Cabrália-BA, 28 de setembro de 2005 Meu caro governador Paulo Souto, governador do estado da Bahia, Meu querido companheiro Miguel

Leia mais

EdUECE- Livro 2 02178

EdUECE- Livro 2 02178 1 CRIAÇÕES E REINVENÇÕES NA PRODUÇÃO COTIDIANA DO PROJETO REINVENTANDO O ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE CARTOGRÁFICA DA REALIDADE CRIADA PELOS SUJEITOS DA ESCOLA Cíntia Castro Monteiro Heloisa Raimunda Herneck

Leia mais

Em 27 de Abril de 1994, a África do Sul deixou

Em 27 de Abril de 1994, a África do Sul deixou 2 Celebrando 20 Anos de Liberdade e Democracia Em 27 de Abril de 1994, a África do Sul deixou de lado séculos de discriminação e opressão para formar uma nova sociedade construída sobre o fundamento da

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP) Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Sus Determinantes y Politicas

Leia mais

REDES SOCIAIS A crença de que dividimos tudo com todos o tempo todo se transformou em um grande prazer coletivo, diz

REDES SOCIAIS A crença de que dividimos tudo com todos o tempo todo se transformou em um grande prazer coletivo, diz Françoise Héritier A tecnologia gera alienação Herdeira intelectual de Lévi-Strauss, a antropóloga francesa diz que os pequenos prazeres da vida foram perdidos e que os recursos modernos impedem a reflexão

Leia mais

Vamos poupar dinheiro!

Vamos poupar dinheiro! Módulo 2 Unidade 8 Vamos poupar dinheiro! Para início de conversa... Observe a história em quadrinho abaixo: Matemática e suas Tecnologias Matemática 33 Todos nós sabemos que é muito bom guardar um dinheirinho

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

Filmes com muitas vontades

Filmes com muitas vontades Filmes com muitas vontades Clarisse Alvarenga Desde a década de 1970, vêm sendo empreendidas algumas tentativas ainda autorais e incipientes, partindo de cineastas brasileiros, como Andrea Tonacci e Aluysio

Leia mais

Atualidade em foco. Policiais reprimem com violência manifestantes no Centro do Rio de Janeiro 120 UNIVERSIDADE E SOCIEDADE #56

Atualidade em foco. Policiais reprimem com violência manifestantes no Centro do Rio de Janeiro 120 UNIVERSIDADE E SOCIEDADE #56 Atualidade em foco Samuel Tosta/ADUFRJ SSind Policiais reprimem com violência manifestantes no Centro do Rio de Janeiro 120 UNIVERSIDADE E SOCIEDADE #56 A materialização da violência do Estado A sociedade

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

UM APELO À HUMANIZAÇÃO NOS HOSPITAIS: um grito a mais. Resumo: Hoje presenciamos a inserção do Programa Nacional de Humanização nos

UM APELO À HUMANIZAÇÃO NOS HOSPITAIS: um grito a mais. Resumo: Hoje presenciamos a inserção do Programa Nacional de Humanização nos 1 UM APELO À HUMANIZAÇÃO NOS HOSPITAIS: um grito a mais Maíla do Val Machado 1 Cláudia Amarante 2 Elaine Maria C. Zanolla Dias de Souza 3 Resumo: Hoje presenciamos a inserção do Programa Nacional de Humanização

Leia mais

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL Profª Drª Juliana Perucchi Universidade Federal de Juiz de Fora Desde os primeiros estudos que

Leia mais

O mundo virou um grande museu : espaços do prazer e historiografia

O mundo virou um grande museu : espaços do prazer e historiografia O mundo virou um grande museu : espaços do prazer e historiografia Margareth Rago* 1 Entrevista concedida a Diego José Fernandes Freire. Espacialidades Em Do cabaré ao Lar e Os prazeres da noite, a senhora

Leia mais

Conexão Psicanálise e Direito: uma política para o gozo 1

Conexão Psicanálise e Direito: uma política para o gozo 1 1 Conexão Psicanálise e Direito: uma política para o gozo 1 Fernanda Otoni de Barros Palavras-chave: conexão psicanálise e direito, violência, ação lacaniana na cidade. Se vocês concordam que o gozo se

Leia mais

Resolução sobre a violência racista e a criminalização dos movimentos sociais e da pobreza

Resolução sobre a violência racista e a criminalização dos movimentos sociais e da pobreza Confira as resoluções aprovadas: Resolução sobre a violência racista e a criminalização dos movimentos sociais e da pobreza Considerando: 1. Que a violência, nas suas mais diversas manifestações, tem marcado

Leia mais

Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia

Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia GARRIDO, Bibiana 1 MAGNONI, Antônio Francisco 2 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO Neste breve relato de experiência

Leia mais

Projeto Leve Amor. Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória.

Projeto Leve Amor. Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória. Projeto Leve Amor Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória. Vitória - ES RESUMO Exposição de conteúdo referente a idealização de um projeto

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO 3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO Fazer vídeos hoje em dia já não é o bicho de 7 cabeças que realmente foi a pouco tempo atrás. Nesse e-book você vai começar a aprender

Leia mais

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Apresentação Esta cartilha representa um grito dos educadores, dos estudantes, dos pais, dos trabalhadores e da sociedade civil organizada em defesa da educação pública de qualidade, direito de todos e

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

CURRÍCULO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES. Palavras-Chave: Currículo, Escolas democráticas, Multiculturalismo, Formação de professores.

CURRÍCULO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES. Palavras-Chave: Currículo, Escolas democráticas, Multiculturalismo, Formação de professores. CURRÍCULO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Sérgio Donizeti Mariotini (Faculdades Integradas FAFIBE) Resumo: O presente artigo levanta reflexões sobre a formação do currículo no Brasil a partir da influência

Leia mais

19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA. A Humanidade no século 21

19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA. A Humanidade no século 21 19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA A Humanidade no século 21 OS MANIFESTOS BRASILEIROS E A REVOLUÇÃO CRIADORA MORENINANA LEANDRO CARVALHO DE BITENCOURT PEDRO LUÍS TIZO SANTOS Introdução No dia 17 de

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO Profa. Dra. Luci Bonini Desde a assinatura da Declaração Universal dos Direitos Humanos, alguns órgãos da sociedade têm se manifestado no sentido de promover as garantias

Leia mais

Mova São Luís e a Experiência de um Movimento Social no Facebook 1

Mova São Luís e a Experiência de um Movimento Social no Facebook 1 Mova São Luís e a Experiência de um Movimento Social no Facebook 1 Ana Paula Pereira COELHO 2 Patrícia AZAMBUJA 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA RESUMO Este trabalho foi realizado a partir

Leia mais

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br APRESENTAÇÃO A timidez é um problema que pode acompanhar um homem a vida inteira, tirando dele o prazer da comunicação e de expressar seus sentimentos, vivendo muitas

Leia mais

Psicologia e Políticas Públicas Ana Mercês Bahia Bock BH/ CRP04 28/05/2011

Psicologia e Políticas Públicas Ana Mercês Bahia Bock BH/ CRP04 28/05/2011 Psicologia e Políticas Públicas Ana Mercês Bahia Bock BH/ CRP04 28/05/2011 Temos encontrado com freqüência a Psicologia relacionada ao termo das Políticas Públicas. Isto é bastante positivo. Mas estes

Leia mais

Tony Hara. A sociedade da comunicação: controle e domesticação das singularidades. (UNICAMP Doutor em História da Cultura)

Tony Hara. A sociedade da comunicação: controle e domesticação das singularidades. (UNICAMP Doutor em História da Cultura) 1 Tony Hara. A sociedade da comunicação: controle e domesticação das singularidades. (UNICAMP Doutor em História da Cultura) Na aula proferida no dia 17 de fevereiro de 1982, no Collège de France, Michel

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação.

Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação. Transcinema e a estética da interrupção Kátia Maciel Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação. Se o cinema

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Estudo Hábitos. Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes

Estudo Hábitos. Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes Estudo Hábitos 2012 Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes O estudo O Estudo Hábitos é realizado anualmente pela E.life

Leia mais

Pedagogia. No painel desta aula. Cotidiano escolar: problemas pedagógicos contemporâneos. Colocam-se, transversalmente, no cotidiano escolar...

Pedagogia. No painel desta aula. Cotidiano escolar: problemas pedagógicos contemporâneos. Colocam-se, transversalmente, no cotidiano escolar... Pedagogia Prof. Elizabete Cristina Costa Renders Cotidiano escolar: problemas pedagógicos contemporâneos Imagem 1 No painel desta aula Colocam-se, transversalmente, no cotidiano escolar... Complexidade

Leia mais

FÃS DE ESPORTES E A SEGUNDA TELA

FÃS DE ESPORTES E A SEGUNDA TELA FÃS DE ESPORTES E A SEGUNDA TELA ESCRITO POR Zachary Yorke Jess Greenwood PUBLICADO Junho 2014 RESUMO Os fãs de esportes sempre gritaram para a tela e pularam do sofá com o barulho da multidão. Hoje em

Leia mais

O tom dessa discussão é dado pelo dossiê Representações sociais: ampliando horizontes disciplinares. A coordenação da

O tom dessa discussão é dado pelo dossiê Representações sociais: ampliando horizontes disciplinares. A coordenação da EDITORIAL A contrapartida do desenvolvimento de um domínio de conhecimento está no empenho dialógico-reflexivo dos seus agentes de levar à condição do pensado, mediante o debate continuado, tanto os princípios

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

OS CUIDADOS AOS USUÁRIOS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS EM SITUAÇÃO DE RUA NA PERSPECTIVA DA INTEGRALIDADE

OS CUIDADOS AOS USUÁRIOS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS EM SITUAÇÃO DE RUA NA PERSPECTIVA DA INTEGRALIDADE pop. em situação de rua OS CUIDADOS AOS USUÁRIOS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS EM SITUAÇÃO DE RUA NA PERSPECTIVA DA INTEGRALIDADE I SEMINÁRIO NACIONAL DOS CONSULTÓRIOS NA RUA E SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Cidades insurgentes. Ricardo Gomes

Cidades insurgentes. Ricardo Gomes Cidades insurgentes Ricardo Gomes Há pelo menos duas formas: a cidade, o Estado. Não estão separados, mas funcionam de maneiras distintas. A cidade não existe cidade sozinha, o que ela faz é criar uma

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO ÁREA EDUCAÇÃO. Área: CONCENTRAÇÃO ( ) Curso: MESTRADO ( X) DOUTORADO ( X) DOMÍNIO CONEXO ( )

PROGRAMA DE ENSINO ÁREA EDUCAÇÃO. Área: CONCENTRAÇÃO ( ) Curso: MESTRADO ( X) DOUTORADO ( X) DOMÍNIO CONEXO ( ) PROGRAMA DE ENSINO Disciplina Educação, Poder e Subjetividade: uma Leitura Filosófica Semestre Código Ano Letivo ÁREA EDUCAÇÃO Área: CONCENTRAÇÃO ( ) Curso: MESTRADO ( X) DOUTORADO ( X) DOMÍNIO CONEXO

Leia mais

Relatório de Consumo de Conteúdo Profissional 2014

Relatório de Consumo de Conteúdo Profissional 2014 Relatório de Consumo de Conteúdo Profissional 2014 A ascensão dos Revolucionários de Conteúdo: uma análise minuciosa sobre os principais usuários que consomem conteúdo no LinkedIn e como os profissionais

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

A juventude em luta no país inteiro!

A juventude em luta no país inteiro! A USP é uma universidade pública, gratuita e de qualidade? A resposta para esta questão está em disputa na Universidade de São Paulo. De um lado, sucessivas reitorias fecham as portas da universidade à

Leia mais

ÁLCOOL E JOVENS. O que um jovem precisa saber. para evitar problemas.

ÁLCOOL E JOVENS. O que um jovem precisa saber. para evitar problemas. ÁLCOOL E JOVENS O que um jovem precisa saber para evitar problemas. Cerveja, vinhos, caipirinha, chope: elementos da vida cotidiana de muita gente. Essas bebidas ajudam a celebrar datas festivas, a selar

Leia mais

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Pesquisa Ibope Pesquisa Qualitativa Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Metodologia Estudo do tipo qualitativo, envolvendo duas técnicas complementares: 1) Entrevistas

Leia mais

5 Conclusões. 5.1. Sumário do estudo

5 Conclusões. 5.1. Sumário do estudo 5 Conclusões 5.1. Sumário do estudo Esta pesquisa procurou estimar o futuro das transmissões de vídeo online e os novos formatos desse mercado como o conteúdo audiovisual e seus grandes desafios em relação

Leia mais