Universidade Federal do Rio de Janeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal do Rio de Janeiro"

Transcrição

1 i Universidade Federal do Rio de Janeiro O MARKETING PESSOAL DO ENFERMEIRO: uma contribuição para a gerência de enfermagem Daniela Soares de Oliveira Maués 2007

2 ii O MARKETING PESSOAL DO ENFERMEIRO: uma contribuição para a gerência de enfermagem Daniela Soares de Oliveira Maués Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Mestre em Enfermagem. Orientador: Joséte Luzia Leite Rio de Janeiro Julho de 2007

3 iii Maués, Daniela Soares de Oliveira O Marketing Pessoal do Enfermeiro: uma contribuição para a gerência de enfermagem. / Daniela Soares de Oliveira Maués. Rio de Janeiro: UFRJ/EEAN, xii, 88p. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Enfermagem Anna Nery, Rio de Janeiro, Orientador: Joséte Luzia Leite. 1.Enfermagem. 2. Marketing. 3. Gerência. 4. Imagem profissional. I. Leite, Joséte Luzia (Orient.). II. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Enfermagem Anna Nery, Programa de Pós-graduação em Enfermagem. III. Título. CDD

4 iv O Marketing Pessoal do Enfermeiro: uma contribuição para a gerência de enfermagem Daniela Soares de Oliveira Maués Orientadora: Joséte Luzia Leite Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Escola de Enfermagem Anna Nery, da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Mestre em Enfermagem. Aprovada por: Presidente, Profª. Dra. Joséte Luzia Leite Orientadora 1º examinador, Profª. Drª. Maria Aparecida de Luca Nascimento 2º examinador, Profª. Drª. Maria da Soledade Simeão dos Santos Suplente, Profª Drª. Marluci Andrade Conceição Stipp Suplente, Profª. Drª. Nébia Maria Almeida Figueiredo

5 v Rio de Janeiro Julho de 2007 DEDICATÓRIA A Deus, Por permitir mais essa vitória na minha vida; Ao meu amado marido Fernando, companheiro eterno, sábio amigo que sempre esteve ao meu lado em momentos preciosos da minha vida. À minha amada e maravilhosa filha Júlia, luz da minha vida! À minha avó Belisa, sei que você ficaria muito feliz!

6 vi AGRADECIMENTOS Ao meu pai Agnelo Aluízio de Oliveira, meu eterno herói e minha mãe Margarida Soares de Oliveira que sempre soube que eu chegaria aqui. À querida Professora Joséte Luzia Leite, mestre, amiga, que com seu conhecimento e experiência de vida conduziu-me para esse momento tão desejado, obrigada. À querida Professora Vivina Lanzarini de Carvalho, sem seus conselhos e carinho, não seria possível essa realização pessoal e profissional. À amiga Jaqueline da Silva, por seu incentivo, atenção e compreensão, um exemplo na minha vida de garra, coragem e perseverança. À amiga Maria Cecília Marcolino da Silva, companheira de tantos momentos, altos e baixos, amizade eterna, seu brilho sempre estará presente. À amiga Márcia Maia, eterna sonhadora, doce, imprevisível, contagiou-me com o sonho de estar aqui. À amiga Marleninha de Souza Rodrigues, sempre ao meu lado me encorajando, com sorrisos e lágrimas cuidou de mim, você estava sempre por perto. À equipe da Secretaria de Pós-graduação da Escola de Enfermagem Anna Nery/ UFRJ, sempre disponíveis e atenciosos. À Banca Examinadora composta pelas Professoras Doutoras Maria Aparecida de Luca Nascimento e Maria da Soledade Simeão dos Santos, e às Professoras Doutoras

7 vii Marluci Andrade Conceição Stipp e Nébia Maria Almeida Figueiredo, Suplentes da Banca Examinadora que trouxeram contribuições inestimáveis a esse estudo. Ao cenário desse estudo pela receptividade, acolhimento e valorização do conhecimento científico. Aos entrevistados por terem contribuído para o corpo de conhecimentos da Enfermagem. A todos que contribuíram de alguma forma para a concretização desse estudo, a minha imensa gratidão.

8 viii Se um homem escreve um livro melhor, prega um sermão melhor ou faz uma ratoeira melhor do que a do vizinho, ainda que construa sua casa na floresta, o mundo fará uma trilha até sua porta. Ralph Waldo Emerson

9 ix RESUMO O MARKETING PESSOAL DO ENFERMEIRO: uma contribuição para a gerência de enfermagem Daniela Soares de Oliveira Maués Orientadora: Joséte Luzia Leite MAUÉS, Daniela Soares de. O marketing pessoal do enfermeiro: uma contribuição para a gerência de enfermagem. Rio de Janeiro, Dissertação (Mestrado em Enfermagem) Escola de Enfermagem Anna Nery, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Trata-se de um estudo que tem como objeto o marketing pessoal do enfermeiro como instrumento para a valorização da imagem profissional. Tem como objetivos: conhecer a caracterização do termo marketing para o enfermeiro gerente; descrever a utilização do marketing pessoal no cotidiano profissional do gerente do cuidado e analisar segundo os depoimentos dos enfermeiros, as estratégias de marketing pessoal no mercado de trabalho que contribuem para a valorização e/ou desvalorização da imagem profissional do enfermeiro (gerente do cuidado). Este estudo é de natureza qualitativa do tipo estudo de caso único e revelador. Os sujeitos foram enfermeiros que atuam na gerência do cuidado de um hospital da rede privada, localizado no município de Petrópolis RJ. Em relação aos dados analisados, a imagem profissional do gerente do cuidado aponta para utilização de estratégias de marketing pessoal que são a imagem, postura, conhecimento, aparência, uniforme, respeito pessoal e atitude. Estas estratégias valorizam a imagem profissional do enfermeiro no mercado de trabalho. Sabemos que existem aspectos que contribuem para a desvalorização da imagem profissional como dificuldades do enfermeiro em visualizar a sua identidade, em relações interpessoais, na postura e aparência inadequadas, no isolamento da gerência do cuidado e na sensibilidade como aspecto dominante que expõe o enfermeiro (gerente do cuidado) a não se perceber como pessoa e profissional. O conhecimento da gerência do cuidado e do marketing pessoal devem ser articulados, discutidos e utilizados na formação e trajetória profissional do enfermeiro possibilitando a construção da imagem, da marca, do estilo e do valor que se estende ao sucesso e auto-realização almejados na profissão. Palavras-chave: ENFERMAGEM. MARKETING. GERÊNCIA. IMAGEM PROFISSIONAL.

10 x ABSTRACT O MARKETING PESSOAL DO ENFERMEIRO: uma contribuição para a gerência de enfermagem Daniela Soares de Oliveira Maués Orientadora: Joséte Luzia Leite MAUÉS, Daniela Soares de. O marketing pessoal do enfermeiro: uma contribuição para a gerência de enfermagem. Rio de Janeiro, Dissertação (Mestrado em Enfermagem) Escola de Enfermagem Anna Nery, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, This is a study that has as objective the personal marketing of the nurse as instrument for the valorization of the professional image. It has as objectives: to know the characterization of the term marketing for the nurse manager; to describe the utilization of the personal marketing in the professional routine of the care manager, and to analyze, according to the statements of the nurses, the strategies of personal marketing in the working market that contribute for the valorization and/or depreciation of the professional image of the nurse (care manager). This study is of qualitative nature of the sort of revealing and unique case study. The subjects were nurses that act in the management of the care of a hospital of private net, located in the town of Petrópolis Rio de Janeiro. Regarding the facts analyzed the professional image of the care manager aims at personal marketing strategies utilization which are the image, posture, knowledge, appearance, uniform, personal respect and attitude. These strategies apprize the professional image of the nurse in the working market. We know there are aspects that contribute for the depreciation of the professional image as difficulties of the nurse in visualizing the identity of the professional image, in inadequate interpersonal relations, posture and appearance, isolation of the management of the care which neutralizes the professional image, sensibility as dominant aspect that exposes the nurse (care manager) to not perceive himself/herself as person and professional. The knowledge of the management of the care and of the personal marketing must be articulated, discussed and utilized in the formation and professional course of the nurse enabling the construction of the image, of the mark, of the style and of the value that leads to the success and self-achievement longed for in the profession. Keywords: NURSING, MARKETING, MANAGEMENT, PROFESSIONAL IMAGE.

11 xi Lista de Ilustrações Quadro 1: Associação de Grupos temáticos, Áreas do conhecimento e Teóricos Figura 1: Sistemas dinâmicos interagindo (KING, I.) Figura 2: Interseção entre marketing, fatores dos sistemas abertos em interação e gerência de enfermagem Figura 3: Esquema relacional entre comunicação não-verbal, gerência do cuidado, comportamento, fatores dos sistemas abertos em interação e marketing Quadro 2: Associação de Grupos temáticos, Subcategorias e Enfermeiros entrevistados... 40

12 xii SUMÁRIO CAPÍTULO I - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Apresentação Situação Problema CAPÍTULO II CONSTRUÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O Marketing Como Prática Contemporânea Modalidades de Marketing O Marketing Pessoal O Marketing e o Corpo O Marketing como Investimento Pessoal e Profissional O Marketing no Gerenciamento de Enfermagem A Gerência do Cuidado e o Marketing CAPÍTULO III - ABORDAGEM METODOLÓGICA Tipo de estudo Cenário Sujeitos Participantes Coleta de dados Instrumentos de coleta de dados Tratamento de dados Análise e discussão dos dados CAPÍTULO IV A IMAGEM PROFISSIONAL DO GERENTE DO CUIDADO... 53

13 xiii 4.1 Grupos Temáticos Marketing e Imagem profissional Revelando as faces do Gerente do Cuidado Marketing pessoal e Imagem profissional As Estratégias de Marketing no Gerenciamento do Cuidado CAPÍTULO V - CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES APÊNDICE I - Solicitação de autorização para realização de pesquisa APÊNDICE II - Termo de Consentimento Livre e Esclarecido APÊNDICE III - Roteiro para entrevista APÊNDICE IV - Roteiro de Observação Direta ANEXOS ANEXO I - Carta de apresentação do pesquisador ANEXO II - Carta de autorização de pesquisa ANEXO III Carta do Comitê de Ética

14 14 CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1 Apresentação A minha trajetória profissional teve início em 1990 com a graduação em enfermagem, pela Fundação Educacional Serra dos Órgãos FESO/FET, seguida com o ingresso na assistência como enfermeira em um hospital privado na cidade de Brasília. Nessa instituição meu trabalho inicial foi desenvolvido na supervisão de clínicas médica, cirúrgica e obstétrica por um período de sete meses até aceitar oferta de trabalho para enriquecer minha prática assistencial e meus conhecimentos em saúde pública. Ao ser contratada pela Prefeitura Municipal de Corumbá (MS), trabalhei em regiões rurais, realizei atividades educativas e assistenciais em Saúde Rural nos Programas Saúde da Criança, Saúde da Mulher, Hipertensão, Imunização, assim como na implantação da Visita Domiciliar no município, em suas áreas adjacentes e nas comunidades do Rio Pantanal. Também tive a oportunidade de trabalhar em epidemiologia na fronteira com a Bolívia na epidemia de cólera, no controle de Hanseníase e na realização de visitas técnicas de apoio à Associação de Pais e Amigos de Excepcionais - APAE, além de desenvolver atividades educativas no presídio local e na comunidade com adolescentes dependentes químicos, envolvidos com o tráfico de drogas da região. Ainda nesta cidade em clínica de pequeno porte (instituição privada), desenvolvi planejamento, organização e treinamento de procedimentos em atividades da equipe de enfermagem. Após o término do contrato de seis meses, retornei à Brasília para dar continuidade à prática profissional em instituições de saúde hospitalar. Em 1992 atuei como enfermeira, na chefia do Centro Médico São Lucas e paralelamente a este trabalho, retornei para o Hospital Santa Lúcia, onde realizei atividades de apoio à gerência, de assistência ao paciente de cirurgia

15 15 cardíaca (pré, trans e pós-operatório), de prática de Circulação Extracorpórea Cardíaca (sendo a única Enfermeira da Equipcor) e de consulta de enfermagem no pós-operatório tardio. As experiências de carência absoluta e de disponibilidade de recursos tecnológicos de ponta a serviço da vida despertaram-me o interesse pela prática e aplicabilidade de tais recursos. Nesta oportunidade aprendi, treinei e aperfeiçoei conhecimentos em Circulação Extracorpórea Cardíaca CEC, como atividade profissional nos Hospitais São Francisco de Assis Goiânia e Santa Lúcia Brasília, onde trabalhei por quase três anos, dedicando-me a este momento como um desafio e freqüentando periodicamente o Serviço de Cirurgia Cardíaca da Beneficência Portuguesa em São Paulo para aperfeiçoamento, onde acompanhava a circulação extracorpórea em sala de cirurgia. Ao ingressar neste ambiente de centro cirúrgico e terapia intensiva voltados para a cirurgia cardíaca, apreciei muito o quanto fui valorizada por exercer uma prática diferente do que se costumava ver, foi possível construir uma nova imagem do enfermeiro no referido ambiente de trabalho. Em 1993 retornei ao Rio de Janeiro para trabalhar na chefia do centro cirúrgico e centro obstétrico, da Casa de Saúde e Maternidade Santa Martha - Niterói, por um ano e meio. No ano seguinte, recebi o convite para inserção em atividades da área tecnológica e de marketing de equipamentos e soluções nos Laboratórios B.Braun S.A. - Empresa Multinacional de origem alemã, que veio transformar totalmente a minha vida profissional. Assim ocorreu minha inserção no mercado médico-hospitalar, no Desenvolvimento, Produção e Comercialização de Equipamentos, Soluções Parenterais de Grande Volume, Nutrição Clínica, Equipos e Cateteres específicos de Infusão Intravenosa (utilizados em oncologia e diálise). Inicialmente trabalhei como Enfermeira Assessora Técnica de campo e posteriormente como

16 16 Coordenadora de Treinamento de Terapias/Assessora de Marketing, desempenhando atividades práticas voltadas para o desenvolvimento de habilidades e destreza psicomotoras com ensino simulado junto a profissionais enfermeiros predominantemente. Estas atividades visavam à eliminação de riscos através do desenvolvimento e capacitação técnica dos profissionais especialistas na área de saúde, que trabalham com produtos e procedimentos hospitalares. Durante nove anos, desenvolvi ainda, a busca e adequação de novos conhecimentos e informações para o melhor desempenho técnico e científico da equipe de vendas e do cliente. Esta fase e vivências em minha trajetória me apontaram que uma imagem 1 profissional sólida não se estabelecia apenas e exclusivamente pelo conhecimento científico, mas também pela aderência de aspectos complementares, porém de base, que formariam um conjunto em equilíbrio, a saber: a postura, o perfil 2, a expressão verbal, a redação, o vestuário e a capacidade de comunicação interpessoal, independente da área de conhecimento e/ou atuação. Em 2002, também na linha de marketing de produto tecnológico, realizei assessoria técnica para veiculação de patrocínio de patente de um invento de enfermagem, realizando contatos com fabricantes, acompanhando e conhecendo etapas e documentação para se obter o registro de patente. Em 2003 pela aproximação, afinidade e interesse pessoal na interface entre educação continuada e psicologia, optei em cursar a pós-graduação lato sensu em Psicopedagogia Clínica e Institucional na Universidade Estácio de Sá UNESA Petrópolis/RJ, a qual vinculou à minha profissão conhecimento para melhor desenvolver em sala de aula, os conceitos inerentes às vivências e à construção de conhecimento dos alunos de graduação. Ao mesmo 1 É uma representação mental (percepção) da pessoa a partir da impressão, lembrança, recordação. (FERREIRA, 2004). 2 A autora define como sendo a descrição da pessoa a partir de seu aspecto exterior [apresentação pessoal (postura, vestuário), curriculum, conhecimento específico, argumentação técnica, grafia, linguagem e comunicação interpessoal].

17 17 tempo, busquei instrumental para atuar na relação ensinante-aprendente com os alunos de graduação, o que possibilitou crescimento profissional na atuação como docente. Em 2003, iniciei atividades de ensino no Curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade Arthur Sá Earp Neto FASE, em Petrópolis RJ. O exercício desta função que exige estudo contínuo e dedicação representou realização profissional e crescimento, e viabilizou novas articulações com outros profissionais da saúde. Atualmente sou professora da Disciplina de Fundamentos de Enfermagem I, e responsável por facilitar, por meio de ações de gerenciamento e controle, experiências de ensino-aprendizagem no Laboratório de Habilidades e Destrezas (LHD), cuja planta física desenhei e planejei. Destaco que minha participação se estende aos dias atuais, quando participei da aquisição, organização e descrição de materiais e equipamentos. Acompanho esse espaço acadêmico desde a sua implantação, até a presente data. Desde o planejamento, implantação e durante o crescente desenvolvimento e utilização do LHD pelos cursos de enfermagem e medicina, tenho observado como os recursos tecnológicos facilitam e promovem o treinamento das atividades práticas na formação profissional. Como responsável por atividades complementares desenvolvidas em grupos de estudo e cursos de extensão na Faculdade Arthur Sá Earp Neto FASE em Petrópolis/RJ, tenho observado a necessidade e realizado intervenções quanto a importância do perfil e da imagem pessoal como aspectos agregadores de valor para a formação profissional de enfermagem. 1.2 Situação Problema Em minha trajetória profissional, vivenciei a assistência em locais precários e em outros privilegiados. O contato constante com o cuidado/cliente me fez pensar e refletir sobre a atuação

18 18 do profissional enfermeiro 3, sobre a concepção de olhar para o outro e a necessidade de também olhar e cuidar de si mesmo. Estabelecendo uma relação direta com o cuidado, inerente à formação e atuação profissional, o enfermeiro interage de modo efetivo com o cliente e assistência, e sempre prioriza o outro 4. Entretanto, durante o processo de cuidar da saúde física, mental, social e da imagem do outro, o profissional enfermeiro também passa uma imagem para o cliente, objeto de seu cuidado, para os presentes em seu ambiente de trabalho e para a sociedade como seu espaço de vida e existência. Para o cliente, a imagem imediata do enfermeiro pode ter, ou tem, repercussões na percepção da qualidade do cuidado que ele está por receber. No seu ambiente de trabalho, os demais clientes da unidade passam, ou não, a desejar que o profissional em questão venha a ser seu cuidador e/ou que esteja próximo sempre que possível e necessário. Para os profissionais da instituição, a imagem do profissional enfermeiro pode vir a inspirar impressões positivas (competência, conhecimento, cuidado) ou negativas (como fragilidade profissional, insegurança técnica, relaxamento, entre outros), as quais os clientes, colegas profissionais da saúde, corpos diretivos institucionais e a sociedade se apropriam da imagem emitida pelo profissional enfermeiro e constroem conceituações e julgamentos baseados em percepções. Portanto, como o enfermeiro veicula sua imagem profissional é um fato que configura um conjunto de estratégias de marketing 5 em ambos os espaços, de trabalho e na sociedade, onde vive e exerce sua profissão. 3 Optei em utilizar a terminologia profissional enfermeiro para destacar a profissão ao longo do estudo. 4 Utilizo este pronome para designar outras pessoas, indeterminadas; o próximo; outrem. 5 A autora define como sendo a Arte de criar, relacionar, resolver, direcionar e/ou aplicar os meios disponíveis com habilidades e conhecimento específico, dispondo as coisas (o que existe ou pode existir) para alcançar uma vitória (resultado).

19 19 Nesse pensamento podemos questionar: Como o enfermeiro visualiza sua imagem profissional? Como ele percebe esta questão? A imagem profissional faz parte do cotidiano do enfermeiro e se esta for eficiente e eficaz trará progressos para a vida pessoal. Maslow apud Schultz & Schultz (1981, p ) refere-se à auto-realização, como sendo a posição máxima que o indivíduo alcança quando desenvolve suas habilidades e capacidades utilizando todo o seu potencial. A pessoa precisa satisfazer todas as necessidades básicas para alcançar a auto-realização, tais como as fisiológicas (comer, beber, dormir, respirar, relacionar-se sexualmente), as sociais (ter segurança, estabilidade, proteção e bem estar), as necessidades de pertinência e de amor, as necessidades de estima dos outros e de si mesmo, e a necessidade de auto-realização propriamente dita. É muito difícil chegar à auto-realização se não houver como obter o reconhecimento desejado, a identificação da imagem profissional e o alcance dos objetivos. Profissionalmente, o enfermeiro se projeta na sociedade, pelos seus conhecimentos, técnico e científico, que passam a constituir a sua marca 6, e o que ele produz, resulta em produto 7. Ele pode e deve conduzir a sua imagem, sua identidade e seu perfil agregados a um conjunto de aspectos marcantes, promovendo para ele, valor 8, autonomia e melhor capacidade para gerenciar. Na abordagem geral de marketing, Kotler (1999a, p.3) o define como sendo o 6 Utilizo este termo derivado do verbo marcar, como sendo o sinal ou traço distintivo, que faz a diferença com a presença de determinado indivíduo. 7 Como resultado de qualquer atividade humana (FERREIRA, 2004). 8 Significa a importância que o indivíduo tem, de legitimidade e validade (FERREIRA, 2004).

20 20 processo social e gerencial através do qual indivíduos e grupos obtém aquilo que desejam e necessitam, criando e trocando produtos e valores uns com os outros. Na enfermagem faz-se isso o tempo todo, por exemplo: -Quando o enfermeiro entra no quarto do cliente, aproxima-se, identifica-se e inicia um primeiro contato, verbal (quando fala) e não verbal (pela própria presença e gestos), a visita ao cliente favorece a identificação das necessidades afetadas e gera nesse cliente uma expectativa (positiva ou negativa) baseada no que o enfermeiro veicula. A troca 9 é um fator constante na prática profissional do enfermeiro. Em tudo que o enfermeiro faz, não há foco voltado para o marketing, mas nessa profissão podemos relacionar as atividades do gerente do cuidado com o marketing pessoal. Nessa definição podemos examinar os seguintes termos: necessidades, desejos, demandas, produtos, valor, satisfação, qualidade, troca, transações, relacionamentos e mercados. A concepção de marketing contempla o processo de troca, em diferentes níveis de complexidade, relaciona-se com o desejo para obter um valor próprio e pertinente à realização dos objetivos e metas pretendidos. Ainda analisando a visão de marketing, Kotler (1999a, op. cit., p. 4), define Desejos como sendo as necessidades humanas moldadas pela cultura e pelas características individuais [...] os desejos são descritos como objetos que satisfazem as necessidades. No caso desse estudo, identifico essas necessidades como sendo o reconhecimento social, a identificação e a valorização da imagem profissional da pessoa, do profissional enfermeiro. Os demais termos interligam-se, fazem parte de uma rede que se baseia segundo Kotler nos desejos e necessidades. Maslow apud Schultz & Schultz (1981, op.cit., p.397) pontua em sua teoria, que a pessoa encontra-se, muitas vezes, em conflito o que traz para ele (enfermeiro) - perdas, 9 Ação ou efeito de realizar substituição de (uma coisa) por outra, mudar, alterar (FERREIRA, 2004).

21 21 alterações da sua auto-estima, momentos de questionamento - da prática, do agir, que não são poucos - e dificuldades em trabalhar com tais questões, pois a busca pela auto-realização é um processo contínuo e subjetivo. Dessa forma, a apropriação de uma imagem, a promoção do próprio profissional no mercado de trabalho, assim como o valor da sua prática ficam prejudicados e desarticulados quando não acontece sua auto-realização. Para Erdmann (1996, et al., p.39) O marketing influencia e é influenciado, devendo-se levar em consideração o aspecto do status da profissão, que cresce na medida em que soubermos melhorar a nossa imagem, atingindo os fatores que a prejudicam, mostrando ao mesmo tempo um novo trabalho, criativo, contributivo, salutar e ousado no provocar impactos positivos. O marketing estabelece na relação de troca, ação elementar na prática do cuidar e no conhecimento técnico-científico tão próprio do Enfermeiro, a possibilidade de inserir - se num contexto de mudança. A imagem profissional pode ser transformada e direcionada por um ou mais enfermeiros utilizando-se o marketing. A mudança de paradigma da imagem profissional do enfermeiro é necessária e contribui para seu crescimento e posicionamento na sociedade. O Enfermeiro a que me refiro nesse estudo é o profissional que exerce a função de gerência do cuidado direto e/ou indireto. Ele realiza trocas constantemente na sua trajetória de trabalho (cotidiano), seja direta e/ou indiretamente, promove o cuidado, seleciona o produto que é utilizado no cuidado, produz para o serviço ao qual ele pertence, com a equipe na qual está inserido, em prol da recuperação do cliente até sua provável alta, beneficia a organização na qual ele está vinculado, mas não se apropria no mercado de trabalho, das oportunidades que nos oferecem espaço de valor profissional. A marca e o estilo são conceitos que contribuem para a construção da imagem no ambiente de trabalho e na sociedade onde vivemos e possibilitam ao enfermeiro uma inserção no mundo dos negócios.

22 22 Para o enfermeiro, negociar é uma atribuição que faz parte da sua prática profissional e é uma estratégia de marketing que pode ser utilizada com destaque para a pessoa e/ou serviço. Boone & Kurtz (1998, p.7) referem à troca como sendo a origem da atividade do marketing, e de fato o marketing tem sido descrito como o processo de criar e resolver relações de troca. Para conquistar posições, atribuições e objetivos desejados, o enfermeiro utiliza marketing no desenvolvimento de sua prática profissional seja de forma intencional, planejada ou espontânea. Erdmann (1996, et al., op.cit., p.40) ressalta que a imagem pessoal do profissional de enfermagem e do serviço que realiza precisa ser trabalhada pelas estratégias de marketing, com profissionalismo/competência. Por deparar-me com essa problematização, sobre a qual descrevi anteriormente, elaborei como Objeto de Estudo: O marketing pessoal do enfermeiro como instrumento para a valorização da imagem profissional. E neste sentido elaborei as seguintes Questões Norteadoras: Como o enfermeiro caracteriza o marketing na sua prática profissional? Como o enfermeiro utiliza o marketing na sua prática profissional? Quais são as estratégias apontadas pelo enfermeiro para desenvolver o marketing da sua imagem profissional? Para responder às questões, os Objetivos são: Conhecer a caracterização do termo marketing para o enfermeiro gerente; Descrever a utilização do marketing pessoal no cotidiano profissional do gerente do cuidado;

23 23 Analisar segundo os depoimentos dos enfermeiros, as estratégias de marketing pessoal no mercado de trabalho que contribuem para a valorização e/ou desvalorização da imagem profissional do enfermeiro (gerente do cuidado). A relevância do presente estudo reside na produção de evidências que demonstrem e articulem o entendimento de marketing contemporâneo e de pessoa com a profissão enfermagem. O marketing contemporâneo é conceituado por Kotler (1998, 1999a, 1999b) em parte da sua obra como sendo a visualização do cliente de modo individual, avaliando seus desejos, necessidades e satisfação. Prioriza o relacionamento e contribui de forma global, para o crescimento dinâmico da pessoa, organização/empresa, obtendo sucesso a longo prazo. A pessoa está inserida como elemento principal, desencadeador do processo dinâmico no marketing. O estudo oferece subsídio para viabilizar a utilização do marketing na prática, assim como, interliga o conhecimento científico com a assistência de enfermagem e o seu reconhecimento no mercado de trabalho. O estudo pretende ainda, contribuir para o ensino de graduação e pós-graduação em enfermagem, para a área assistencial e de pesquisa, uma vez que os dados serão colocados à disposição dos enfermeiros, apresentando, compartilhando e descrevendo estratégias de utilização do marketing na gerência da imagem profissional. Constituirá uma vertente do estudo do gerenciamento de enfermagem, colaborando para o Núcleo de Pesquisa Gestão em Saúde e Exercício Profissional da Enfermagem (GESPEn) da Escola de Enfermagem Anna Nery -

24 24 EEAN, para a comunidade acadêmica e profissional da Faculdade Arthur Sá Earp Neto FASE e para o corpo de conhecimentos da Enfermagem.

25 25 CAPÍTULO II CONSTRUÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Nesse capítulo tratamos do percurso teórico que se inicia com elementos e conceitos que permitem a visão das relações com marketing, imagem profissional, gerência e comunicação. O embasamento teórico construído na presente dissertação referencia quatro áreas do conhecimento apresentadas a seguir. Quadro de Associação de Grupos temáticos, Áreas do conhecimento e Teóricos Grupos temáticos Áreas do conhecimento Teóricos Imagem; Comunicação e Marketing Mauro Maldonato Philip Kotler Imagem associada à atitude, interação, posicionamento, respeito pessoal, uniforme, postura, conhecimento, tomada de decisão, aparência, valores ético-morais; Comunicação, Marketing e Administração Mauro Maldonato, Philip Kotler, Imogene M. King. Comunicação não-verbal; Comunicação Mauro Maldonato

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ADMINISTRAÇÃO DE ENFERMAGEM AVALIANDO O QUE ESTUDAMOS 1. A Supervisão de Enfermagem é fundamental para o desenvolvimento dos recursos humanos, através da educação

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PATRÍCIA LORENA QUITÉRIO patylorenaq@gmail.com PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PROPED/UERJ) 1 INTRODUÇÃO A oficina

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Resumo Maria Marly de Oliveira Coelho 1 Francinete Massulo Corrêa 2 O texto em pauta tem como foco reflexões,

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

Atendimento Eficaz ao Cliente

Atendimento Eficaz ao Cliente Atendimento Eficaz ao Cliente Aquele que conhece os outros é inteligente, Aquele que conhece a si mesmo é sábio. (Lao-Tsé, filósofo chinês, séc. IV a. C.) Conhece-te a ti mesmo. (Sócrates, filósofo grego,

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA PIBID PARA O ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA PIBID PARA O ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA PIBID PARA O ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Zenith Vila Nova de Oliveira UFT/ Campus de Tocantinópolis Bolsista/Pibid/Curso de Pedagogia zenithvn@hotmail.com Maria Divina Fernandes

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM.

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. Gabriela Marchiori CARMO AZZOLIN * Marina PEDUZZI** Introdução: O pressuposto

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Curso Técnicas de Apresentação: Falar para Liderar

Curso Técnicas de Apresentação: Falar para Liderar Curso Técnicas de Apresentação: Falar para Liderar Dentro do objetivo geral de conhecer e discutir os fundamentos, conceitos e as definições para o efetivo aumento da produtividade pessoal, apresentamos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS Daniela Valdez Rodrigues A RELAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO COM RELAÇÕES PÚBLICAS São Leopoldo

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO MARKETING

CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO MARKETING CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/01 CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO MARKETING CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

PORTFÓLIO DE CURSOS E COACHING

PORTFÓLIO DE CURSOS E COACHING 11 PORTFÓLIO DE CURSOS E COACHING W W W. C O M U N I C A C A O E M F O C O. C O M. BR SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... 3 2. CURSOS IN COMPANY 2.1. ORATÓRIA E TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO EM PÚBLICO...

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10 Curso tecnológico em Redes de Computadores CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor OBJETIVO: A Gestão de Pessoas vem passando por inúmeras transformações nestes últimos anos.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS DE SAÚDE DO INSTITUTO MÁRIO PENNA (CEPDe/IMP)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS DE SAÚDE DO INSTITUTO MÁRIO PENNA (CEPDe/IMP) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS DE SAÚDE DO INSTITUTO MÁRIO PENNA (CEPDe/IMP) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Vinculação Artigo 1 - O Centro de Pesquisas,

Leia mais

ZÉLIA LUBÃO: A SIMONSEN E O PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO

ZÉLIA LUBÃO: A SIMONSEN E O PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO Revista Digital Simonsen 6 Entrevista ZÉLIA LUBÃO: A SIMONSEN E O PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO Por: Rodrigo Amaral e Fernando Gralha N esta terceira edição da RDS entrevistamos a Coordenadora Administrativa

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 1 EFEITOS TERAPÊUTICOS DA COLAGEM EM ARTETERAPIA NAS TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 Palavras-chave: Arteterapia, Enfermagem psiquiátrica, Toxicomania, Cuidar em

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Painel Um caminho para o modelo brasileiro realizações desde a fundação do GEC em 2007

Painel Um caminho para o modelo brasileiro realizações desde a fundação do GEC em 2007 Painel Um caminho para o modelo brasileiro realizações desde a fundação do GEC em 2007 Projetos Perfil e Competências do Coach Entidades Formadoras e Certificadoras Perfil e Competências do Coach Adriana

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL. 1.1. Histórico da Prática Eficaz

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL. 1.1. Histórico da Prática Eficaz Nome da Instituição: Universidade Feevale Segmento: IES - Instituições de Ensino Superior Categoria: Gestão Administrativa, de Pessoas ou Financeira Nome da Prática Eficaz de Gestão Educacional: Programa

Leia mais

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados.

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados. 1- OFICINAS DE FEEDBACK Aprofundar a reflexão e abordagem de Feedback como processo, fluxo e ferramenta indispensável no desenvolvimento dos profissionais, bem como elementos fundamentais de comunicação

Leia mais

A FUNÇÃO DO PEDAGOGO NAS RELAÇÕES INTRA E INTERPESSOAIS PARA OS PROFISSIONAIS DAS INSTITUIÇÕES

A FUNÇÃO DO PEDAGOGO NAS RELAÇÕES INTRA E INTERPESSOAIS PARA OS PROFISSIONAIS DAS INSTITUIÇÕES A FUNÇÃO DO PEDAGOGO NAS RELAÇÕES INTRA E INTERPESSOAIS PARA OS PROFISSIONAIS DAS INSTITUIÇÕES Resumo Viviane Kalil Fadel Plombon Acadêmica do curso de Pedagogia PUCPR. vivianeplombon@hotmail.com Tania

Leia mais

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL COMUNICAÇÃO SUBTEMA: QUESTÕES DIDÁTICO-PEDAGÓGICAS A MATEMÁTICA

Leia mais

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS.

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. Jéssica Aparecida Gregório Ferreira (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Lais Daniele Lourenço da Silva (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Silvio

Leia mais

O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família

O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família Autoras: Margarida Maria Rocha Bernardes Elaine Cristina Valadares Gertrudes Teixeira Lopes Grupo de Estudos

Leia mais

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB Resumo Telma Dias Silva dos Anjos 1 - UNEB Tânia Regina Dias Silva Pereira 2 - UNEB Inaiá Brandão Pereira

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Engenharia da Computação RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I Comunicação e relações humanas no trabalho de Enfermagem

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Departamentos envolvidos: Psicodinâmica, Desenvolvimento, Psicologia Social e Métodos e Técnicas Professores: Eloisa Marques Damasco

Leia mais

Desenvolvimento de pessoas.

Desenvolvimento de pessoas. Desenvolvimento de pessoas. 2.2 FORMULAÇÃO DE UM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Gestão de Pessoas (Antonio Carlos Gil) e Gestão de Pessoas (Idalberto Chiavenato) "Se ensinardes alguma coisa a um

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare

Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO CORPORATIVA E A FIDELIZAÇÃO DE SEUS PÚBLICOS ESTRATÉGICOS Vitor Roberto Krüger Gestão da Comunicação Empresarial e Relações

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual A EDUCAÇÃO EMOCIONAL COMO UMA CONTRIBUIÇÃO A PSICOPEDAGOGIA: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL DE ESCOLAS PÚBLICAS. GT 13- Educação Fundamental Silvar Ferreira Ribeiro UNEB - Universidade

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTAGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHAREL EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO ESTAGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHAREL EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO ESTAGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHAREL EM ENFERMAGEM 2014 O Estágio Supervisionado é um componente curricular obrigatório. O estágio supervisionado obrigatório será desenvolvido

Leia mais

Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07

Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07 Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07 Fonte - CFP/CRPs/FENAPSI (Última atualização agosto/2007)

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA O CURRÍCULO DA FAMEMA (2012) Os currículos dos Cursos de Enfermagem e Medicina da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) estão em permanente transformação por entendermos que esse processo permite uma

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Relatório Gestão do Projeto 2013

Relatório Gestão do Projeto 2013 Relatório Gestão do Projeto 2013 Fundação Aperam Acesita e Junior Achievement Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO SUMÁRIO Resultados 2013... 6 Resultados dos Programas... 7 Programa Vamos Falar de Ética...

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR NÚCLEO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EDUCAÇÃO INFANTIL UMA QUESTÃO CULTURAL?

PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR NÚCLEO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EDUCAÇÃO INFANTIL UMA QUESTÃO CULTURAL? PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR NÚCLEO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EDUCAÇÃO INFANTIL UMA QUESTÃO CULTURAL? CRISTIANE MARIA DAVID CRUZ GUEDES MARY SUE PEREIRA Rio de Janeiro FEVEREIRO / 2004-2005.

Leia mais

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas Proposta do curso: O curso de MBA Executivo em Liderança e Desenvolvimento de Pessoas proporciona ao participante o conhecimento sobre liderança, motivação

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

PROCESSO DECISÓRIO EM ENFERMAGEM 1.

PROCESSO DECISÓRIO EM ENFERMAGEM 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I PROCESSO DECISÓRIO EM ENFERMAGEM 1. GRECO, ROSANGELA MARIA 2 Objetivo

Leia mais