CENTRO UNIVERSITÁRIO DE PATOS DE MINAS - UNIPAM Mantido pela FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE PATOS DE MINAS FEPAM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO DE PATOS DE MINAS - UNIPAM Mantido pela FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE PATOS DE MINAS FEPAM"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE PATOS DE MINAS - UNIPAM Mantido pela FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE PATOS DE MINAS FEPAM GUIA ACADÊMICO

2 MENSAGEM DO REITOR Prezado(a) Professor(a), O Centro Universitário de Patos de Minas UNIPAM tem como missão transformar pessoas e sociedade por meio da excelência na educação, criando oportunidades e desenvolvendo talentos. Essa não é uma missão qualquer. Todos os nossos esforços acontecem para que essa missão se concretize na prática: nas atividades em sala de aula, nas práticas em nossos laboratórios, nos estudos em nossa biblioteca, no convívio em nosso campus. Cada colaborador e cada aluno do nosso centro universitário atuam para a transformação de si e de suas realidades, por meio da educação. Há mais de quarenta anos, nossa instituição tem transformado o cenário local e regional, formando profissionais nas mais diversas áreas, desenvolvendo competências e habilidades fundamentais para uma vida mais ética e para uma atuação profissional competente. O coração de nosso centro universitário reside na confluência de discentes e docentes nos contextos de aprendizagem. Temos uma infraestrutura invejável que, cada vez mais, ganha vida e é iluminada por rostos esperançosos de jovens que têm consciência de que, sem educação, dificilmente evoluiremos. Estamos juntos nessa grande empreitada que a transformação por meio da educação de qualidade oferecida pelo UNIPAM. Juntos, seguiremos construindo uma história de emoções e conquistas. Nosso muito obrigado por tê-lo(a) conosco! Prof. Me. Milton Roberto de Castro Teixeira Reitor 2

3 SUMÁRIO 1 O CENTRO UNIVERSITÁRIO DE PATOS DE MINAS - UNIPAM Identificação Relação de telefones do UNIPAM Missão, filosofia e valores do UNIPAM Missão Visão Valores Finalidades e princípios básicos do UNIPAM Autonomia universitária Estrutura organizacional do UNIPAM Conselho universitário: natureza, competências e composição Dirigentes do UNIPAM COORDENADORIAS E COLEGIADOS DE CURSOS Coordenadores atuais CURSOS Cursos oferecidos Organizações curriculares Corpo docente do UNIPAM ÓRGÃOS DE APOIO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DO UNIPAM RECURSOS DISPONÍVEIS Laboratórios e outras dependências Salas de Multimeios Auditório Farmácia Universitária Laboratório universitário de análises clínicas e toxicológicas UNIPAM Clínica de Fisioterapia UNIPAM Clínica de Psicologia Clube Esportivo Cantinas Fazenda-Escola Biblioteca REGIME DIDÁTICO DO UNIPAM Calendário acadêmico Matrículas Trancamento de matrícula Reopção de curso Desistência do curso Avaliação do rendimento escolar Para alunos ingressantes até o ano de Para alunos ingressantes a partir do ano de Dependências Provas em segunda chamada Revisão de provas Estágio Supervisionado Cumprimento da carga horária parcial e total dos cursos Trabalho de Conclusão de Curso

4 6.13 Regime excepcional Direitos e deveres dos professores Competências do professor Direitos e deveres dos alunos Penalidades aplicáveis ao corpo discente ATENDIMENTO AO DISCENTE Monitoria Financiamento universitário e bolsas de estudo Bolsa de iniciação científica (PIBIC) Bolsa de Extensão (PIBEX) Proibição de trote ÓRGÃOS SUPLEMENTARES DO UNIPAM

5 1 O CENTRO UNIVERSITÁRIO DE PATOS DE MINAS - UNIPAM 1.1 Identificação Nome: Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM Endereço: Rua Major Gote, 808 Bairro Caiçaras Caixa Postal: Patos de Minas, MG Telefax: (34) Telefone geral: (34) site: O Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM) foi credenciado, pelo prazo de 3 (três) anos, na forma do Decreto Estadual nº , de 06 de julho de Sua instalação, com a posse de seus dirigentes, deu-se em sessão solene realizada no dia 18 de agosto de Seu recredenciamento, pelo prazo de 5 (cinco) anos, ocorreu em 09 de dezembro de 2004, conforme Decreto Estadual da mesma data. Atualmente, integra o Sistema Federal de Ensino/MEC e tem situação legal definida pelo Protocolo E-MEC nº , nos termos do item do Edital nº 1, de 22 de janeiro de 2009 e, por analogia, do art. 63 da Portaria Normativa 40/2007. O UNIPAM é mantido pela Fundação Educacional de Patos de Minas FEPAM. Criada pela Lei Estadual nº 4.776, de 27 de maio de 1968, a FEPAM é uma entidade sem fins lucrativos, reconhecida de utilidade pública pela Lei Municipal nº 1.081, de 10 de março de 1970 e pela Lei Estadual nº 5.636, de 07 de dezembro de Relação de telefones do UNIPAM TELEFONE SETOR ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS AGENCIA CRIVO AMBULATÓRIO DE ENFERMAGEM ANA NERY ASCENDER INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL ASSESSORIA EDUCACIONAL ASSESSORIA JURÍDICA ÁUDIO VISUAL - BLOCO C ÁUDIO VISUAL - BLOCO D ÁUDIO VISUAL - BLOCO F ÁUDIO VISUAL - BLOCO H ÁUDIO VISUAL - BLOCO M BIBLIOTECA Aquisição BIBLIOTECA Coordenação BIBLIOTECA Educação Especial BIBLIOTECA Geral BIBLIOTECA Guarda Volume BIBLIOTECA Informática BIBLIOTECA P. Técnico BIBLIOTECA Periódicos 4

6 BIBLIOTECA Processamento da Multimídia BIBLIOTECA Sessão de Multimídia BIBLIOTECA Sessão de Referência CLÍNICA DE FISIOTERAPIA Almoxarifado CLÍNICA DE FISIOTERAPIA - Atendimento CLÍNICA DE FISIOTERAPIA Direção CLÍNICA DE PSICOLOGIA Direção CLÍNICA DE PSICOLOGIA Recepção CLUBE UNIPAM COMISSÃO PROPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA COMITE DE ÉTICA NA PESQUISA CEP CONAGRA CONSELHO CURADOR Sala de Reunião CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONTABILIDADE COORDENAÇÃO DE COMUNICAÇÃO E MARKETING COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENACAO DE QUALIDADE COORDENAÇÃO DE IDIOMAS / SENIOR COORDENADORIA ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA AGRONEGOCIO E GESTÃO COMERCIAL COORDENADORIA AGRONOMIA COORDENADORIA CIÊNC. BIOLÓGICAS COORDENADORIA CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORIA DIREITO COORDENADORIA EDUCAÇÃO FÍSICA COORDENADORIA ENFERMAGEM COORDENADORIA ENG. AMBIENTAL COORDENADORIA ENG. PRODUÇÃO /ENG. QUÍMICA COORDENADORIA ENGENHARIA CIVIL COORDENADORIA EXTENSÃO COORDENADORIA FARMÁCIA COORDENADORIA FISIOTERAPIA COORDENADORIA HISTÓRIA/PEDAGOGIA COORDENADORIA INFORMÁTICA COORDENADORIA LETRAS COORDENADORIA MEDICINA COORDENADORIA MEDICINA VETERINÁRIA COORDENADORIA NUTRIÇÃO COORDENADORIA PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO COORDENADORIA PSICOLOGIA COORDENADORIA PUB. PROPAGANDA / JORNALISMO COORDENADORIA SIST. DE INFORMAÇÃO COORDENADORIA - T.I COORDENADORIA ZOOTECNIA 5

7 COORDENADORIA DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL COORDENADORIA FINANCEIRA COPA DIRETORIA DE GRADUAÇÃO DIRETÓRIO ACADÊMICO DO DIREITO ENGENHARIA DE SEGURANÇA ENGENHEIRO UNIPAM FACIA JÚNIOR FACIA JÚNIOR FARMÁCIA UNIVERSITÁRIA Administração FARMÁCIA UNIVERSITÁRIA Recepção (Atendimento) FAX - Para Solicitar Fax GINÁSIO POLIESPORTIVO INCUBADORA DE EMPRESAS INFORMÁTICA Direção INFORMÁTICA Manutenção INFORMÁTICA Rede JUIZADO DE CONCILIAÇÃO LABORATÓRIO DE BIOQUIMICA / HEMATOLOGIA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS Atendimento LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS Administração LABORATÓRIO DE ANATOMIA Técnicos LABORATÓRIO DE ANATOMIA Coordenação LABORATÓRIO DE ANATOMIA DE ANIMAIS DOMÉSTICOS LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL LABORATÓRIO DE CONTROLE DE QUALIDADE LABORATÓRIO DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DE FISICA LABORATÓRIO DE GENÉTICA LABORATÓRIO DE HABILIDADES CIRURGICAS LABORATÓRIO DE PEDAGOGIA LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIETÉTICAS LABORATÓRIO DE SOLOS LABORATÓRIO DE TÉCNICA EM ENFERMAGEM LABORATORIO DE TECNOLOGIA FARMACÊUTICA LABORATÓRIO MORFOFUNCIONAL LEPEH LFG LICITAÇÕES MICROBIOLOGIA NAC NÚCLEO DE ARTE E CULTURA NAP NUCLEO DE APOIO PEDAGOGICO NEP NÚCLEO DE EDITORIAS E PUBLICAÇÕES NEUSA HELENA NÚCLEO JURÍDICO Atendimento NÚCLEO JURÍDICO Coordenação OBRA OUVIDORIA 6

8 PEP PROF. TARANTO PROF. VALDIR PRÓ-REITOR DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO PRÓ-REITOR DE PLAN., ADM. E FINANÇAS/DIR. EXEC REITOR REPROGRAFIA SALA DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL BLOCO F SALA DO PABX SALA DOS PROFESSORES - BLOCO C SALA DOS PROFESSORES - BLOCO D SALA DOS PROFESSORES - BLOCO E SALA DOS PROFESSORES - BLOCO F SALA DOS PROFESSORES - BLOCO H SALA DOS PROFESSORES - BLOCO M SECRETARIA - FEPAM/UNIPAM SECRETARIA - REITORIA SECRETARIA - BLOCO C SECRETARIA - BLOCO D SECRETARIA - BLOCO E SECRETARIA - BLOCO F SECRETARIA - BLOCO H SECRETARIA - BLOCO M SECRETARIA - DIRETORIA DE GRADUACAO SECRETARIA - PÓS-GRADUAÇÃO SECRETARIA - PRÓ-REITORIA DE ENS., PESQ. E EXT SECRETARIA - PRÓ-REITORIA DE PLANEJ., ADM. E FIN SECRETARIA ACADÊMICA INFORMÁTICA SECRETARIA ACADÊMICA DIREÇÃO SECRETARIA ACADÊMICA SETOR DE DOCUMENTOS SECRETARIA ACADÊMICA SETOR DE PROTOCOLO SECRETARIA ACADÊMICA SETOR DE REGISTRO SETOR DE REGISTRO DE DIPLOMA TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO TELEFONISTA Para Solicitar Ligações TESOURARIA TESOURARIA Recepção UNIBOLSAS UNIBOLSAS UNIPAM SÊNIOR 1.3 Missão, filosofia e valores do UNIPAM Missão Transformar pessoas e sociedade por meio da excelência na educação, criando oportunidades e desenvolvendo talentos Visão 7

9 Ser reconhecido como referência de Centro Universitário em Minas Gerais Valores I - Igualdade entre os homens, independentemente de nacionalidade, sexo, raça ou credo; II - Respeito aos direitos humanos e, entre eles, o direito à educação, à instrução e à formação profissional; III - Liberdade e solidariedade humana; IV - Educação integral da pessoa humana; V - Valores da democracia; VI - Amparo social aos mais carentes; VII - Proteção do meio ambiente. 1.4 Finalidades e princípios básicos do UNIPAM O Centro Universitário tem por finalidade: I - estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo; II - formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimento, aptos para a inserção em setores profissionais, para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira e colaborar na sua formação contínua; III - incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, visando ao desenvolvimento da ciência e da tecnologia, à criação e difusão da cultura e, desse modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive; IV - promover a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos que constituem patrimônio da humanidade e comunicar o saber por meio do ensino, de publicações ou de outras formas de comunicação; V - suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultural e profissional e possibilitar a correspondente concretização, integrando os conhecimentos adquiridos numa estrutura intelectual sistematizadora do saber de cada geração; VI - estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade; VII - promover a extensão, aberta à participação da população, visando à difusão das conquistas e aos benefícios resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica que venha a ser geradas na Instituição. 1.5 Autonomia universitária O Centro Universitário goza de autonomia didático-científica, administrativa, disciplinar e de gestão financeira, dentro dos limites que lhe são fixados pela legislação pertinente, por seu Estatuto e pelo Estatuto da Entidade Mantenedora, sendo-lhe asseguradas, sem prejuízo de outras, as seguintes atribuições: I - criar, organizar, modificar e extinguir, em sua sede, cursos, habilitações e programas de educação superior, segundo as exigências da realidade social, necessidades locais e regionais, obedecendo às normas gerais da União; II - instalar, fora de sua sede, unidades de ensino, mediante autorização dos órgãos competentes; III - fixar os currículos dos seus cursos e programas, observadas as diretrizes gerais pertinentes; 8

10 IV - estabelecer planos, programas e projetos de pesquisa científica, produção artística e cultural e atividade de extensão; V - fixar o número de vagas nos cursos oferecidos, de acordo com a capacidade institucional e as exigências do meio em que se insere; VI - estabelecer os horários e o regime didático de seus diferentes cursos, observadas as diretrizes fixadas pelos órgãos competentes; VII - estabelecer o calendário escolar, no qual o ano letivo regular, independente do ano civil, tenha, no mínimo, duzentos dias de trabalho acadêmico efetivo, excluído o tempo reservado aos exames finais, nos termos da legislação em vigor; VIII - estabelecer critérios e normas de seleção, admissão e promoção de seus alunos e de matrículas dos transferidos; IX - elaborar e reformar seu Estatuto e regulamentos, em consonância com as normas vigentes; X - conferir graus, diplomas, certificados e outros títulos acadêmicos; XI - firmar contratos, acordos e convênios, ouvida a Mantenedora, quando for o caso; XII - aprovar e executar planos, programas e projetos de investimentos referentes a obras, serviços e aquisições em geral; XIII - administrar seus recursos e deles dispor na forma prevista nos orçamentos aprovados; XIV - receber, através da Mantenedora, subvenções, doações, heranças, legados e cooperação financeira resultante de convênios com entidades públicas e privadas nacionais ou estrangeiras. 1.6 Estrutura organizacional do UNIPAM A estrutura organizacional do Centro Universitário compreende a administração superior, a administração básica e órgãos independentes, conforme se segue: I - ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR a) Deliberação Superior - Conselho Universitário b) Execução Superior - Reitoria c) Execução Intermediária 1 Pró-Reitoria de Ensino, Pesquisa e Extensão 2 Pró-Reitoria de Planejamento, Administração e Finanças d ) Execução Auxiliar 1 Coordenadoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão 2 Secretaria Acadêmica 3 Setor de Registro de Diplomas 4 Biblioteca 5 Núcleo de Apoio Psicopedagógico - NAP 6 Núcleo de Arte e Cultura NAC 7 Núcleo de Editoria e Publicações - NEP 8 Comitê de Ética na Pesquisa CEP e) Órgãos Suplementares 1 Controladoria 2 Coordenadoria de Desenvolvimento de Tecnologia de Informação TI 9

11 3 Coordenadoria de Informática 4 Coordenadoria Contábil 5 Coordenadoria de Comunicação e Marketing 6 Coordenadoria Financeira 7 Coordenadoria do Departamento de Pessoal 8 Coordenadoria de Gestão de Pessoas 9 Administração de Materiais e Serviços 10 Vigilância 11 Licitações II - ADMINISTRAÇÃO BÁSICA a) Diretoria de Graduação b) Colegiado de Curso c) Coordenadoria de Curso III - ÓRGÃOS INDEPENDENTES a) Comissão Própria de Avaliação - CPA b) Ouvidoria 1.7 Conselho universitário: natureza, competências e composição O Conselho Universitário é órgão colegiado de deliberação superior e de supervisão geral, sendo responsável pela definição da política do Centro Universitário, nos planos acadêmico, administrativo, disciplinar e financeiro. Compõem o Conselho Universitário os membros a seguir: I - Reitor; II - Vice-Reitor; III - Pró-Reitor de Ensino, Pesquisa e Extensão; IV - Pró-Reitor de Planejamento, Administração e Finanças; V - Diretor de Graduação; VI - Coordenador de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão; VII - dois representantes de cada uma das categorias da Carreira do Magistério; VIII - dois representantes do corpo discente, indicados pelo Diretório Central dos Estudantes; IX - um representante da Mantenedora, indicado pelo Conselho Curador; X - um representante do pessoal administrativo, eleito por voto direto, dentre os integrantes da categoria. Compete ao Conselho Universitário: I - fixar as diretrizes e políticas gerais do Centro Universitário; II - zelar pela realização dos fins do Centro Universitário e pelo fiel cumprimento de sua missão; III - fixar normas sobre eleição de Reitor e Vice-Reitor e elegê-los; IV - aprovar o Estatuto e o Regimento Geral do Centro Universitário e suas alterações e fixar normas complementares que se fizerem necessárias; V - aprovar o Plano de Desenvolvimento Institucional e suas atualizações; VI - aprovar o Projeto Pedagógico Institucional (PPI) e suas atualizações; VII - decidir sobre a criação, expansão, modificação e extinção de cursos, ampliação e diminuição de vagas; 10

12 VIII - aprovar o orçamento e o balanço anual, a serem homologados pela Mantenedora; IX - estabelecer a política de aperfeiçoamento do pessoal docente e técnico-administrativo; X - aprovar o plano de carreira docente e do pessoal técnico-administrativo, a ser homologado pela Mantenedora; XI - deliberar sobre a criação de cursos fora da sede do Centro Universitário, observada a legislação atinente; XII - definir política de apoio ao estudante; XIII - fixar normas sobre processo seletivo, currículos e programas, matrículas, trancamento de matrícula, transferências internas e externas, reopções de cursos, transferência de turnos, adaptações, aproveitamento de estudos, aferição do rendimento escolar e quaisquer outros assuntos que se incluam no âmbito de sua competência; XIV - aprovar os planos de trabalho relativos à pós-graduação, pesquisa e extensão; XV - apreciar representação contra atos do Reitor e aprovar indicação para a sua destituição, mediante aprovação de, pelo menos, dois terços (2/3) de seus membros, garantida ampla defesa; XVI - conhecer dos recursos interpostos contra atos de Conselho Diretor e da Reitoria, por estrita arguição de ilegalidade; XVII - deliberar sobre a concessão de títulos honoríficos e dignidades universitárias; XVIII - exercer outras atribuições, previstas neste Estatuto ou em legislação superveniente; 1.8 Dirigentes do UNIPAM Reitor: Prof o. Me. Milton Roberto de Castro Teixeira Trabalha, como docente, na instituição, desde 1990, em cursos de graduação e pósgraduação. Atuou na área de Consultoria Empresarial do SEBRAE/MG, no período de 1991 a Foi diretor da Escola Técnica de Formação Gerencial do SEBRAE, em Patos de Minas, de 1995 a Foi coordenador do curso de Administração e do curso de Tecnologia em Gestão Comercial, ambos da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas, de 2001 a Foi Diretor Executivo da Fundação Educacional de Patos de Minas e Pró-Reitor de Planejamento Administração e Finanças do UNIPAM, no período de 2000 a É bacharel em Administração pela UFV, mestre em Administração pela UNITRI, em Gestão Estratégica das Organizações pela FEAD MG e doutorando em Comércio Exterior pela Universidade Extremadura (Espanha). Compete ao Reitor: I representar o Centro Universitário, na esfera de sua competência, em juízo e fora dele; II dirigir e administrar o Centro Universitário; III zelar pela fiel observância da legislação brasileira de ensino, aplicável ao Centro Universitário; 11

13 IV convocar e presidir as reuniões do Conselho Universitário; V promover o intercâmbio do Centro Universitário com a comunidade e com instituições congêneres; VI designar, dar posse e destituir ocupantes de cargos, previstos na estrutura organizacional da Instituição, ouvidos os Pró-Reitores; VII supervisionar a elaboração da proposta orçamentária anual do Centro Universitário; VIII constituir comissões necessárias à elaboração de estudos de interesse do Centro Universitário; IX cumprir e fazer cumprir as decisões dos órgãos colegiados, bem como executar planos e orçamentos aprovados; X baixar resoluções, portarias, editais e demais atos inerentes à administração do Centro Universitário, no âmbito da sua competência; XI manifestar-se sobre planos de trabalho, encaminhando-os aos órgãos competentes para decisão ou execução; XII conferir grau e títulos acadêmicos; XIII baixar, em caso de urgência, ad referendum do Conselho Universitário, os atos que forem necessários à realização das atividades do Centro Universitário, submetendo-os à aprovação do Colegiado, na primeira reunião subsequente; XIV exercer o poder disciplinar no âmbito do Centro Universitário; XV zelar pela fiel observância deste Estatuto, propondo ao Conselho Universitário, sempre que considerar conveniente, as alterações que se fizerem necessárias; XVI submeter ao Conselho Universitário segundo o trâmite, após esgotadas as instâncias próprias, os recursos ou representações de professores, de alunos ou de funcionários, de acordo com a matéria neles arguída; XVII assinar acordos, convênios e contratos; XVIII encaminhar aos órgãos competentes do Sistema Federal de Ensino as informações e os documentos que se fizerem necessários, nos termos da legislação em vigor; XIX aprovar o Calendário Acadêmico do Centro Universitário; XX desempenhar outras atribuições que lhe sejam previstas neste ordenamento ou que decorram de sua função ou responsabilidade. Vice-Reitor: Prof. Dr. Fernando Dias da Silva Atua no UNIPAM desde É licenciado em Química pelo Centro Universitário de Patos de Minas (1999), possui mestrado e doutorado em Química pela Universidade Federal de Minas Gerais. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Físico-Química. Compete ao Vice-Reitor: I substituir o Reitor em suas faltas e impedimentos; II desempenhar as funções que lhe forem delegadas pelo Reitor. 12

14 Pró-Reitor de Ensino, Pesquisa e Extensão: Prof o. Me. Fagner Oliveira de Deus É docente no UNIPAM desde De 2006 a 2010 foi responsável pela área de Desenvolvimento de Tecnologia de Informação da instituição. Dentre suas qualificações, professor Fagner Oliveira é graduado em Administração, pós-graduado em Gestão Empresarial, pelo UNIPAM e em Administração pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). É professor em cursos de Pós-Graduação e MBA. Foi vencedor do Prêmio Instituto Brasileiro de Governança Corporativa no ano 2006 na categoria Pesquisador Pleno. Atuou profissionalmente nas corporações Monsanto, Agroceres, Banco Panamericano e Placer Consultoria. Compete ao Pró-Reitor de Ensino, Pesquisa e Extensão: I executar a política definida pelo Centro Universitário para as referidas áreas; II participar das reuniões do Conselho Universitário; III promover a integração das atividades acadêmicas, objetivando o aprimoramento do ensino de graduação e de pós-graduação; IV - institucionalizar sistema interno de avaliação, como processo permanente que permita retroalimentar as atividades de ensino, de pesquisa e de extensão; V pronunciar-se sobre projetos de pesquisa e de extensão, encaminhando-os à aprovação dos órgãos competentes; VI emitir parecer sobre proposta de criação e alteração de cursos, encaminhando-as aos órgãos competentes para aprovação; VII supervisionar as atividades de pós-graduação, de pesquisa e de extensão; VIII buscar fontes financiadoras e de fomento à pesquisa e à extensão; IX manifestar-se sobre proposta de convênios, para execução de projetos de pesquisa e de extensão; X estabelecer procedimentos para divulgação dos trabalhos de pesquisa e de extensão; XI planejar e fazer executar os processos seletivos para ingresso nos cursos de graduação; XII supervisionar os serviços da Secretaria Acadêmica e do Setor de Registro de Diplomas; XIII supervisionar a realização de concursos para admissão de docentes; XIV elaborar o Catálogo de Informações sobre os cursos oferecidos pela Instituição, com todas as informações exigidas pela legislação pertinente; XV elaborar o Calendário Acadêmico; XVI - autorizar a participação de docentes em cursos de pós-graduação, congressos, seminários e outros eventos, ouvidos, quando for o caso, a Diretoria de Graduação e os colegiados respectivos; XVII exercer outras atividades inerentes à sua área de atuação e outras que lhe forem atribuídas pelo Reitor ou neste Estatuto. 13

15 Pró-Reitor de Planejamento, Administração e Finanças: Prof o. Me. Renato Borges Trabalha como docente na instituição, desde 2001, nos cursos de Administração, Gestão Comercial e Sistemas de Informação e é responsável pela Coordenadoria de Desenvolvimento de Tecnologia da Informação desde Atua, também, como coordenador nos programas Bolsa Social e ProUni. De 1998 a 2002, foi professor no ensino médio, na Escola Técnica de Formação Gerencial (ETFG) e no Curso Técnico FIEMG de Formação Gerencial (CTFFG) e, de 2005 a 2007, proprietário da agência publicitária Absoluta Comunicação. É bacharel em Administração, com especializações em Telecomunicações e Marketing e em Gestão de Pessoas. Realizou seu mestrado em Administração, na área de Gestão Estratégica das Organizações, e é doutorando na linha de Marketing, Estratégia e Inovação pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Compete ao Pró-Reitor de Planejamento, Administração e Finanças: I propor diretrizes gerais de planejamento, de administração e de finanças; II propor os programas de trabalho e promover a execução dos que forem aprovados; III praticar atos de gestão financeira do Centro Universitário; IV praticar, com relação ao pessoal, atos de gestão compreendidos na esfera de suas atribuições; V responsabilizar-se pela elaboração do orçamento e do balanço a serem aprovados pelo Conselho Universitário; VI acompanhar a execução orçamentária, assim como a de projetos custeados com recursos específicos; VII apresentar, mensalmente, à Reitoria balancete das contas, acompanhado de informações e de súmulas dos trabalhos realizados ou em fase de realização; VIII apoiar e supervisionar a elaboração de projetos destinados à obtenção de financiamentos de organismos nacionais e estrangeiros; IX propor sistema de informações, no âmbito da Instituição, com o apoio de procedimentos informatizados, estabelecendo fluxo permanente, a fim de facilitar a tomada de decisões e a coordenação de atividades; X conduzir a elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI e suas atualizações; XI participar das reuniões do Conselho Universitário; XII - propor a aplicação de ativos financeiros, para atendimento de despesas; XIII exercer outras atribuições que lhe sejam conferidas neste Estatuto, ou que decorram de competência de sua área de atuação. 14

16 Coordenadora de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão: Profª. Me. Adriana de Lanna Malta Tredezini Atua, como docente, na Instituição, desde 1986, em cursos de graduação e pósgraduação. Foi diretora da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas, nos períodos de 1995 a 1999 e de 2000 a É Licenciada em Letras. Possui cursos de especialização em Linguística Aplicada ao Ensino de Português, em Língua Portuguesa, Gestão Empresarial, Informática Educativa e Educação à Distância. Tem mestrado em Gestão do Ensino Superior, pela UNITRI. Compete à Coordenadora de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, entre outras atribuições: I manifestar-se sobre os programas de pós-graduação que lhe forem propostos, encaminhando-os aos órgãos competentes; II tomar as providências necessárias à aprovação dos cursos propostos, nas instâncias superiores do Centro Universitário e fora dele. III cuidar de toda a infraestrutura necessária ao funcionamento dos cursos; IV fiscalizar os atos escolares referentes aos registros acadêmicos dos cursos oferecidos; V acompanhar a execução e avaliação dos cursos realizados; VI buscar formas de apoio e de fomento à pesquisa; VII manifestar-se, nos limites de sua competência, sobre os projetos de pesquisa e encaminhá-los; VIII acompanhar as atividades de implantação, de desenvolvimento e de avaliação das pesquisas. IX estimular as atividades de extensão; X tomar as providências necessárias à aprovação das atividades propostas, nas instâncias superiores do Centro Universitário e fora dele; XI captar as demandas sociais relacionadas às atividades de extensão; XII acompanhar a implantação, o desenvolvimento e a avaliação dos cursos e das atividades de extensão. 15

17 Diretor de Graduação: Prof o. Me. Henrique Carivaldo de Miranda Neto Trabalha no UNIPAM, como docente em cursos de graduação e de pós-graduação, desde De 2003 a 2010, coordenou o NAP - Núcleo de Apoio Pedagógico. Atuou durante vários anos como professor do ensino fundamental e médio e, no período de 1996 a 2002, foi coordenador pedagógico da ETFG - Escola Técnica de Formação Gerencial de Patos de Minas. É licenciado em Filosofia e em Letras, possui especialização lato sensu em Gestão Empresarial e mestrado em Magistério Superior. Realizou cursos de aperfeiçoamento em Psicologia e Saúde Mental, em Psicologia e Marketing e em Acompanhamento Psicológico e Psicopedagógico. Qualificou-se em Didática do Ensino Superior e em Docência do Ensino Superior. Compete ao Diretor de Graduação: I superintender todo o serviço das Coordenações de Cursos de Graduação, gerenciando suas atividades; II coordenar a elaboração de planos e de programas, inclusive de recuperação de alunos de rendimento insuficiente, implementá-los e acompanhar sua execução; III quando solicitado, apresentar à Pró-Reitoria de Ensino, Pesquisa e Extensão, relatórios periódicos de suas atividades; IV cumprir e fazer cumprir as disposições deste Estatuto, do Regimento Geral e as deliberações do Conselho Universitário; V aplicar penalidades disciplinares no âmbito de sua competência; VI indicar à Pró-Reitoria de Ensino, Pesquisa e Extensão, nomes de docentes candidatos à participação em cursos de pós-graduação, congressos, seminários e outros eventos, ouvidos os colegiados respectivos; VII fiscalizar a observância do calendário, do regime escolar e da execução dos programas e planos de ensino; VIII responder a consultas que lhes sejam feitas pela Reitoria, Pró-Reitorias e pelos órgãos colegiados do Centro Universitário; IX compor como membro nato o Conselho Universitário; X exercer outras atribuições que lhe forem determinadas pelo Pró-Reitor de Ensino, Pesquisa e Extensão, cumprindo, no que couber, as suas determinações. 16

18 2 COORDENADORIAS E COLEGIADOS DE CURSOS Cada curso de graduação é coordenado por um professor da área específica, preferencialmente com título de ou de Doutor, designado pelo Reitor, por indicação conjunta da Pró-Reitoria de Ensino, Pesquisa e Extensão e Diretoria de Graduação, ouvidos os colegiados respectivos. Compete ao coordenador: I analisar e avaliar os programas de ensino, propondo aos professores modificações, quando julgar necessárias; II assessorar o corpo docente na escolha e na utilização de procedimentos e de recursos didáticos adequados aos objetivos curriculares; III orientar os professores na escolha, na elaboração e na aplicação de instrumentos de avaliação do rendimento escolar; IV fazer análise crítica dos resultados das avaliações escolares, propondo estratégias de intervenção pedagógica, com vista à melhoria do processo ensino-aprendizagem; V propor à Diretoria de Graduação programas de capacitação de pessoal docente; VI coordenar a realização de avaliações periódicas do trabalho pedagógico, com vista à reorientação de sua dinâmica; VII acompanhar as atividades de estágio supervisionado; VIII dar parecer em processo de transferência, em dispensa de disciplina, ouvido, se necessário, o corpo docente; IX orientar os alunos transferidos, em regime de adaptação e em processo de cumprimento de disciplinas em dependência; X - convocar e presidir reuniões com o corpo docente; XI propor à Diretoria de Graduação a instituição de comissão especial de professores e/ou especialistas para estudar matéria de interesse do curso; XII promover a realização de estudos para revisão e para reformulação do currículo e de programas do curso, contribuindo para sua adequação às constantes transformações, que se operam nos campos científico, tecnológico e cultural; XIII acompanhar a execução dos horários de aulas; XIV articular-se com a Direção na condução dos trabalhos dos cursos que coordena; XV propor meios para a recuperação de alunos de menor rendimento; XVI indicar ao diretor de graduação nomes que devam compor bancas examinadora de concursos, quando solicitado; XVII propor a dispensa de professor, quando necessário; XVIII conhecer de recurso de aluno contra ato de professor, assim como de outros recursos que lhe sejam concernentes; XIX - atuar como mediador nos casos de conflitos e de dificuldades entre professor e alunos; XX incentivar a produção de trabalhos didáticos, técnicos e científicos dos corpos docente e discente do curso; XXI - indicar professor para participar de congressos e de seminários de interesse do curso; XXII - planejar com os professores o cronograma das atividades e dos trabalhos necessários à compensação de ausência de alunos em regime especial; XXIII participar do processo de avaliação institucional do UNIPAM, apresentar os resultados aos alunos e ao Colegiado do Curso, elaborando, com este último, plano de ação para a melhoria do desempenho do respectivo Curso; XXIV supervisionar atividades de extensão e projetos de pesquisa do Curso; XXV convocar e presidir reuniões semestrais do Colegiado do Curso; XXVI compor o Conselho Universitário como membro designado na forma do artigo 10 do Estatuto; 17

19 XXVII exercer outras atribuições compatíveis com a função. O Colegiado de Curso é órgão deliberativo e consultivo, em matéria de ensino, referente aos cursos de graduação, composto pelo coordenador, que o preside, todos os professores do respectivo curso e o representante discente, indicado pelo Diretório Acadêmico, reunindo-se, ordinariamente, a cada semestre letivo e, extraordinariamente, sempre que convocado pelo Presidente ou pela maioria de seus membros. Compete ao Colegiado de Curso: I - participar da elaboração da proposta pedagógica do respectivo curso; II sugerir a participação de docente em cursos de pós-graduação, congressos, seminários e em outros eventos; III propor modificações na organização curricular do respectivo curso; IV examinar, periodicamente, o resultado das avaliações de cada disciplina, propondo medidas destinadas à melhoria do rendimento escolar; V pronunciar-se sobre processo de transferência, adaptação e dispensa de disciplinas, quando solicitado; VI apreciar recurso de aluno contra ato de docente, bem como outros que lhe sejam concernentes; VII orientar a Coordenação do Curso na condução dos trabalhos pedagógicos; VIII examinar e dar parecer em assuntos submetidos à consideração do Colegiado; IX promover a integração dos professores que compõem o curso; X apreciar os resultados da avaliação institucional relativas ao respectivo curso, propondo medidas para a melhoria de seu desempenho; XI exercer outras atribuições que lhe forem determinadas pelos órgãos superiores do Centro Universitário. 2.1 Coordenadores atuais Nome do curso Nome do coordenador Titulação Administração Adriana Vieira Ferreira Doutora Agronegócio (tecnológico) Gestão Comercial (tecnológico) Agronomia Ciências Biológicas - licenciatura Ciências Biológicas - bacharelado Ciências Contábeis Publicidade e Propaganda Jornalismo Direito Cláudio Roberto Vaz Teixeira Edmundo de Moura Estevão Norma Aparecida Borges Bittar Sandro Ângelo de Andrade Pedro Henrique Ferreira Guilherme Caixeta Borges 18

20 Educação Física - licenciatura Educação Física - bacharelado Enfermagem de Produção Química Farmácia Fisioterapia História Pedagogia Letras licenciatura Letras bacharelado Veterinária Nutrição Psicologia Sistemas de Informação Zootecnia Gilson Caixeta Borges Cleide Chagas da Cunha Faria Tiago Santos e Sousa Humberto Ritt Fernando Dias da Silva Sandra Soares Roane Caetano de Faria Marcos Antônio Caixeta Rassi Mônica Soares Araújo Guimarães Maura Regina Guimarães Rabelo Alice Pratas Glicério de Freitas Karyna Maria de Mello Locatelli Joana Darc dos Santos Sandro de Paula Matias Ronan Magalhães de Souza Doutor Doutora Doutora Doutor 3 CURSOS 3.1 Cursos oferecidos Curso Situação Legal Modalidade Vagas Turno Integral Manhã Noite Duração Administração Agronegócio Agronomia Renovação de Reconhecimento: Portaria SRSES/MEC nº 315 de 02/08/2011 Autorização:Res. Con/202 de 20/5/2007 Protocolo E-MEC nº: Renovação de Reconhecimento: Portaria SRSES/MEC nº 1 de 06/01/2012 Bacharelado semestres Tecnológico semestres Bacharelado semestres 19

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE

ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE 1 ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Capítulo I Da Instituição Capítulo II Dos Objetivos Capítulo III Da Autonomia TÍTULO

Leia mais

Centro Universitário de Patos de Minas UNIPAM ESTATUTO

Centro Universitário de Patos de Minas UNIPAM ESTATUTO Centro Universitário de Patos de Minas UNIPAM ESTATUTO PATOS DE MINAS, DEZEMBRO DE 2013 ESTATUTO (Aprovado pela Res. CON/UNIPAM nº 409, de 30/12/2013) Patos de Minas, dezembro de 2013 3 SUMÁRIO TÍTULO

Leia mais

FACULDADE DE INTEGRAÇÃO DO SERTÃO FIS

FACULDADE DE INTEGRAÇÃO DO SERTÃO FIS FACULDADE DE INTEGRAÇÃO DO SERTÃO FIS Portaria MEC nº 1.931, de dezembro de 2006, publicada no DOU de 08 de Dezembro de 2006. Rua João Luiz de Melo, 2110. Bairro Tancredo Neves. CEP. 56909-205. Serra Talhada/PE/Brasil.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA 1 DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS JUSTIFICATIVA Dois grandes órgãos de deliberação superior foram propostos: O Conselho Universitário e o Conselho de Administração e Finanças. Este último, com a missão de deliberar

Leia mais

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA Preâmbulo: - Considerando que a educação é um bem público e, conforme dispõe o art. 209 da carta constitucional,

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

ANEXO 1 PERFIS DE PROFESSOR

ANEXO 1 PERFIS DE PROFESSOR ANEXO 1 PERFIS DE PROFESSOR EDITAL 162/2013 Curso Sem. Disciplina Perfil do Docente Administração 1º Teoria Geral da Administração Administração 1º Empreendedorismo Administração 1º Sociologia das Organizações

Leia mais

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Portaria MEC n º 1.727, de 13 de junho de 2002 TÍTULO I Da Mantida e da Entidade Mantenedora Art. 1º. As Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia com

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO EURO-AMERICANO (UNIEURO)

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO EURO-AMERICANO (UNIEURO) ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO EURO-AMERICANO (UNIEURO) APROVADO PELO PARECER CES/CNE Nº 3/2005 Portaria MEC nº 769, de 09 de março de 2005 (DOU nº 47, 10/03/2005, seção 1. p15) BRASÍLIA, DF, NOVEMBRO,

Leia mais

HORÁRIO DE PROVAS 3º BIMESTRE

HORÁRIO DE PROVAS 3º BIMESTRE CURSO DE PEDAGOGIA Gestão Escolar e Organização do Trabalho Pedagógico I 23.09.13 19horas Fundamentos da Língua Portuguesa: Leitura e Produção de 23.09.13 21horas Textos Psicologia da Educação I 24.09.13

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE PALMAS TÍTULO I DO CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E NATUREZA

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE PALMAS TÍTULO I DO CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E NATUREZA ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE PALMAS Aprovado pela Portaria MEC nº 3.304/05, de 23 de setembro de 2005 e publicado no D.O.U. nº 185, de 26/09/2005, seção 1, página 17. TÍTULO I DO CENTRO

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

CARGA CURSO DISCIPLINA

CARGA CURSO DISCIPLINA CARGA CURSO DISCIPLINA HORARIA Administração AD ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS II 40 AD CONTABILIDADE E CUSTOS II 40 AD CONTABILIDADE GERENCIAL 40 AD ECONOMIA INDUSTRIAL 40 AD ESTATÍSTICA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE PATOS DE MINAS - UNIPAM Mantido pela FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE PATOS DE MINAS FEPAM

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE PATOS DE MINAS - UNIPAM Mantido pela FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE PATOS DE MINAS FEPAM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE PATOS DE MINAS - UNIPAM Mantido pela FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE PATOS DE MINAS FEPAM GUIA ACADÊMICO 2014 1 MENSAGEM DO REITOR Prezado(a) Professor(a), O Centro Universitário de Patos

Leia mais

BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO

BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO Administração de Produção I Administração de Produção II Administração de Recursos Humanos I Administração de Recursos Materiais Administração Financeira e Orçamentária I Administração

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO (UNICEUMA)

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO (UNICEUMA) CENTRO DE ENSINO UNIFICADO DO MARANHÃO - CEUMA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO UNICEUMA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO (UNICEUMA) Aprovado pelo Parecer CNE/CES nº 195/2002. Portaria MEC 1767, de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA Aprovado pela Câmara de PGPq - EPM em 5 de Junho de 2013 São Paulo i 2013 Diretor Vice-diretor Antonio Carlos Lopes

Leia mais

REGIMENTO DA FACULDADE SÃO LUIZ

REGIMENTO DA FACULDADE SÃO LUIZ REGIMENTO DA FACULDADE SÃO LUIZ 2011 Brusque - SC SUMÁRIO TITULO I DA FACULDADE SÃO LUIZ E SEUS OBJETIVOS... Art.1 o Art.3º TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA CAPÍTULO I Dos Órgãos... Art.4 o CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA 2010 A 2014 (Aprovado pela Resolução 005/2010-CONSUPE/FCST, 14/07/2010)

REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA 2010 A 2014 (Aprovado pela Resolução 005/2010-CONSUPE/FCST, 14/07/2010) 0 REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA 2010 A 2014 (Aprovado pela Resolução 005/2010-CONSUPE/FCST, 14/07/2010) CAICÓ-RN 2010 1 SUMÁRIO TÍTULO I: DA INSTITUIÇÃO, DAS SUAS DIRETRIZES PEDAGÓGICAS

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Mestrado Stricto Sensu em Matemática (PMAT) da Universidade Federal de Itajubá têm por objetivo formar

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013.

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. A PRESIDENTE DO DO IF-SC no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Decreto de 15/12/2011, publicado no DOU de 16/12/2011 e atendendo

Leia mais

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA REGIMENTO GERAL

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA REGIMENTO GERAL FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA REGIMENTO GERAL Belém Pará 2013 SUMÁRIO TITULO I - DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA... 4 CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO... 4 CAPÍTULO II - DOS PRINCÍPIOS E

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa Associado

Leia mais

Relação das Disciplinas/Curso que serão atribuídas em 2010. Importante!

Relação das Disciplinas/Curso que serão atribuídas em 2010. Importante! Relação das Disciplinas/Curso que serão atribuídas em 2010. Importante! A Direção do IMES Catanduva e a Comissão Organizadora do Processo Seletivo 007/2009 alerta os candidatos inscritos que as disciplinas

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO (UNICENTRO BELAS ARTES) Junho de 2005 ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO ÍNDICE TÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM UBERABA MG 2010 INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR ACADÊMICO

Leia mais

REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES

REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES Art. 1º. - A Faculdade de Enfermagem (FAEN), com sede no campus da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS

ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS Art. 1º. A Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre UFCSPA, instituída pela Lei

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

LISTAGEM DAS UNIDADES DE ENSINO OFERTADAS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM 2015/1 * EM REGIME DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO

LISTAGEM DAS UNIDADES DE ENSINO OFERTADAS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM 2015/1 * EM REGIME DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO Administração da Enfermagem na Atenção Primária a Saúde Enfermagem Administração de Produção Administração Administração de Produção II Administração Administração de Sistemas de Informação Administração/

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO Prof. José de Souza Herdy Reconhecida pela Portaria MEC 940/94 D.O.U. de 16 de Junho de 1994 PRÓ - REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPEP REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ R E G I M E N T O DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão;

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão; RESOLUÇÃO CEPE/CA Nº 189/2007 Aprova o Regulamento do Programa de Residência em Medicina Veterinária, da Universidade Estadual de Londrina. contidos no processo nº 13270/2006; CONSIDERANDO os pronunciamentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL N 08/2015 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO - MACAPÁ, SANTANA E MAZAGÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL N 08/2015 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO - MACAPÁ, SANTANA E MAZAGÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL N 08/2015 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO - MACAPÁ, SANTANA E MAZAGÃO ANEXO I - RELAÇÃO DAS VAGAS E REQUISITOS ESPECÍFICOS POR ÁREA DE

Leia mais

REGIMENTO GERAL. Sociedade Educacional Leonardo da Vinci CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI

REGIMENTO GERAL. Sociedade Educacional Leonardo da Vinci CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI Sociedade Educacional Leonardo da Vinci CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI Rodovia BR 470 - Km 71 - n o 1.040 Bairro Benedito Caixa Postal 191 89130-000 Indaial/SC Fone (47) 3281-9000 Fax (47) 3281-9090

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS Mantida pela Fundação Instituto de Administração REGIMENTO INTERNO

FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS Mantida pela Fundação Instituto de Administração REGIMENTO INTERNO FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS Mantida pela Fundação Instituto de Administração REGIMENTO INTERNO São Paulo 2011 1 SUMÁRIO TÍTULO I - DA FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS... 4 TÍTULO

Leia mais

CAPÍTULO I - DO FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

CAPÍTULO I - DO FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS ESTATUTO. Centro Universitário Cândido Rondon/UNIRONDON Abril de 2013 SUMÁRIO TÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO, SEUS OBJETIVOS E AUTONOMIA CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO II - DOS OBJETIVOS CAPÍTULO III

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

ÍNDICE TÍTULO l TÍTULO ll TÍTULO III TÍTULO IV TITULO V TÍTULO VI TÍTULO VII TÍTULO VIII

ÍNDICE TÍTULO l TÍTULO ll TÍTULO III TÍTULO IV TITULO V TÍTULO VI TÍTULO VII TÍTULO VIII ÍNDICE TÍTULO l - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E OBJETIVOS 01 CAPÍTULO l - DA DENOMINAÇÃO E SEDE 01 CAPÍTULO ll - DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS 01 TÍTULO ll - DA ORGANIZACÃO INSTITUCIONAL 02 CAPÍTULO

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 12/2012 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 1) Área de Conhecimento:

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES REGIMENTO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS TÍTULO I - Das Finalidades E PRÁTICAS ESCOLARES TÍTULO II Da Coordenação do Curso CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO II DO COLEGIADO

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA GERAL/FCSES EDITAL Nº009/2010 EDITAL DE SELEÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA PARA O 2º SEMESTRE DE 2010 A Secretária Geral da Faculdade

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIÃO DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ EDITAL DE HABILITAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE PROFESSORES EMERGENCIAIS

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIÃO DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ EDITAL DE HABILITAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE PROFESSORES EMERGENCIAIS UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIÃO DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ EDITAL DE HABILITAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE PROFESSORES EMERGENCIAIS Informações: 0** 49 33218182 A Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Leia mais

REGIMENTO GERAL REGIMENTO GERAL PÁGINA 1

REGIMENTO GERAL REGIMENTO GERAL PÁGINA 1 REGIMENTO GERAL REGIMENTO GERAL PÁGINA 1 Faculdade PIAGET REGIMENTO GERAL Título I Da Faculdade e Seus Fins Capítulo I Da Faculdade, Sede e Foro Artigo 1º. A Faculdade PIAGET, com limite territorial de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA CNA FATECNA REGIMENTO GERAL

FACULDADE DE TECNOLOGIA CNA FATECNA REGIMENTO GERAL FACULDADE DE TECNOLOGIA CNA FATECNA REGIMENTO GERAL Consultoria Técnica Delta Teresinha Buchfink Sandra Elena Gehlen Inhoqui Brasília, 2011 1 SUMÁRIO TÍTULO I... 5 DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS... 5 TÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Art. 72. Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu destinam-se a candidatos graduados, podendo ser

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ingressantes 2008 Semestre 1 Semestre 2

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ingressantes 2008 Semestre 1 Semestre 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ingressantes 2008 Cálculo I 40 Cálculo II 40 Princípios Desenvolvimento de Algoritmos I 80 Princípios Desenvolvimento de Algoritmos II 80 Matemática 40 Lógica Matemática 40 Probabilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento

Leia mais

Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp

Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp Resolução Unesp-38, de 10-9-2008 Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, tendo em vista o deliberado

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013)

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Curso. Administração. Arquitetura. Ciências Biológicas

Curso. Administração. Arquitetura. Ciências Biológicas FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA /FCSES EDITAL Nº002/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA PARA O 2º SEMESTRE DE 2014 1 A Secretária Geral da Faculdade Católica

Leia mais

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS EM ENSINO EM MEDICINA VETERINÁRIA VERIFICAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 09/2014

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 09/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO GERAL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO GERAL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO GERAL Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS.... 5 TÍTULO II DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS E EXECUTIVOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR E DAS UNIDADES

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Proposta do Regimento Geral da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Documento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1 o - O Programa de Pós-Graduação em Sociologia, vinculado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 13/2013 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 135-Área de

Leia mais

III PROGRAMA DE CADA CURSO OFERECIDO E DEMAIS COMPONENTES CURRICULARES, SUA DURAÇÃO, REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO.

III PROGRAMA DE CADA CURSO OFERECIDO E DEMAIS COMPONENTES CURRICULARES, SUA DURAÇÃO, REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. III PROGRAMA DE CADA CURSO OFERECIDO E DEMAIS COMPONENTES CURRICULARES, SUA DURAÇÃO, REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM MARKETING 1º SEMESTRE

Leia mais

ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DO CEARÁ ESTÁCIO FIC

ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DO CEARÁ ESTÁCIO FIC ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DO CEARÁ ESTÁCIO FIC Sumário TÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO, DOS PRINCÍPIOS, DOS OBJETIVOS E DAS FINALIDADES 4 CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO 4 CAPÍTULO II - DOS PRINCÍPIOS

Leia mais

Capítulo 09 Organização Administrativa. Capítulo 09 Organização Administrativa

Capítulo 09 Organização Administrativa. Capítulo 09 Organização Administrativa Capítulo 09 Organização Administrativa 259 Capítulo 09 Organização Administrativa Plano de Desenvolvimento Institucional do IFSC 2015-2019 260 SUMÁRIO CAPÍTULO 9 9.1 Estrutura Organizacional e Instâncias

Leia mais

Regimento do Curso de Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina

Regimento do Curso de Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina Regimento do Curso de Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art. 1º - O Curso de Bacharelado em Artes Cênicas, criado pela Resolução

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS-UFT SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSOR SUBSTITUTO 2014.1 EDITAL Nº 36/2014, DE 08 DE MAIO DE 2014

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS-UFT SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSOR SUBSTITUTO 2014.1 EDITAL Nº 36/2014, DE 08 DE MAIO DE 2014 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS-UFT SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSOR SUBSTITUTO 2014.1 EDITAL Nº 36/2014, DE 08 DE MAIO DE 2014 O REITOR DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

Leia mais

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL VETERINÁRIO [adaptação à Resolução 11/98 do Conselho Universitário, de 3 de dezembro de 1998] (Aprovado em reunião da Congregação em 15-04-99 e reformulado em 27-10-2000 atendendo

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO

COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO Anexo 2 COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO Salvador, abril de 2009 1 Sumário Capítulo I Das disposições preliminares... 3 Capítulo II Dos objetivos e competências...4 Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em da UNIFESP-EPM, tem como objetivo a formação, capacitação

Leia mais

REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. CAPÍTULO I Dos objetivos

REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. CAPÍTULO I Dos objetivos REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CAPÍTULO I Dos objetivos Artigo 1º - O Hospital-Escola Veterinário (HOVET) é órgão anexo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E:

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E: RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE Aprova as normas básicas da atividade acadêmica dos Cursos de Graduação na modalidade de Educação à Distância da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

REGIMENTO GERAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

REGIMENTO GERAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO FILADÉLFIA DE LONDRINA Mantenedora CENTRO UNIVERSITÁRIO FILADÉLFIA UniFil Mantida REGIMENTO GERAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO Londrina/Paraná 2011 SUMÁRIO TÍTULO I - DO CENTRO UNIVERSITÁRIO E SEUS

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM SAÚDE - EDUCAÇÃO MÉDICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM SAÚDE - EDUCAÇÃO MÉDICA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM SAÚDE - EDUCAÇÃO MÉDICA Belém-PA, Maio/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: GESTÃO ESTRATÉGICA E OPERACIONAL DA PRODUÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: GESTÃO ESTRATÉGICA E OPERACIONAL DA PRODUÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: GESTÃO ESTRATÉGICA E OPERACIONAL DA PRODUÇÃO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS DO PROGRAMA Artigo

Leia mais

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (35)3299-1350 A Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 254-GR/UNICENTRO, DE 28 DE OUTUBRO DE 2014. INFORMAÇÕES DOS ITENS 4 E 9, DO ANEXO DESTA RESOLUÇÃO ESTÃO RETIFICADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 260/2014-GR/UNICENTRO. ESTA RESOLUÇÃO ESTÁ RATIFICADA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA FACULDADE INEDI TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO GERAL DA FACULDADE INEDI TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO GERAL DA FACULDADE INEDI TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Faculdade Inedi é regulamentada pela legislação de ensino superior, por este regimento e resoluções complementares e,

Leia mais

CURSO DE ZOOTECNIA CARACTERIZAÇÃO DOS DOCENTES 1º.

CURSO DE ZOOTECNIA CARACTERIZAÇÃO DOS DOCENTES 1º. 1º. Período Introdução ao Cálculo 60 Luciana Alvarenga Santos Graduação em Engenharia Civil, Mestrado em Estruturas de Concreto. Química Geral 60 Nayara Penoni Graduação em Química e Mestrado em Agroquímica.

Leia mais