FACULDADES INTEGRADAS MARIA IMACULADA MOGI GUAÇU PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM CIÊNCIAS HABILITAÇÃO EM BIOLOGIA.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADES INTEGRADAS MARIA IMACULADA MOGI GUAÇU PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM CIÊNCIAS HABILITAÇÃO EM BIOLOGIA."

Transcrição

1 FACULDADES INTEGRADAS MARIA IMACULADA MOGI GUAÇU PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM CIÊNCIAS HABILITAÇÃO EM BIOLOGIA. Mogi Guaçu SP 2000

2 OBJETIVOS GERAIS DAS FACULDADES INTEGRADAS MARIA IMACULADA. Promover a educação superior, auxiliando no processo de desenvolvimento local e regional, contribuindo para a preservação dos valores culturais. Desenvolver a formação de docentes e especialistas de educação de nível superior. Promover a realização de pesquisa e estimular as atividades que visem aproximar a Instituição da comunidade. Empenhar se na extensão do ensino e de pesquisa à comunidade mediante a realização de cursos e serviços especiais.

3 CONCEPÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS HABILITAÇÃO EM BIOLOGIA. O Curso de Licenciatura Plena em Ciências Habilitação em Biologia, das Faculdades Integradas Maria Imaculada, foi concebido como o primeiro instrumento de acesso da juventude regional ao saber universitário. Até então, os estudantes que desejassem fazer qualquer curso superior precisavam deslocar se até Campinas, ou outros centros maiores da região enfrentando os gastos e os riscos inerentes à esta decisão. Sua instalação, há nove anos, foi a concretização de um ideal longamente acalentado e voltado para o cultivo dos valores intelectuais científicos e cristãos. A Resolução nº. 37 de 14 de fevereiro de 1975, determinou que as instituições de ensino deveriam, a partir do ano letivo de 1978, implantar progressivamente o curso de licenciatura em Ciências, como licenciatura única da área científica com habilitação geral em Ciências, para o ensino da respectiva área de estudo, predominantemente na escola de 1º. Grau, e habilitações específicas em Matemática, Física, Química e Biologia, para o ensino das correspondentes disciplinas, predominantemente na escola de 2º. Grau. No parágrafo único do art. 1º. Da Resolução nº. 37/75 está escrito: No Curso único de ciências, disciplinado pela Resolução nº 30/74, deverão converter se, no prazo estabelecido por este artigo, as anteriores licenciaturas em Ciências (polivalente), Matemática, Física, Química e Ciências Biológicas reguladas pelas Resoluções oriundas dos pareceres nº. 295/62, 296/62, 297/62,81/65 e 107/70. único o seguinte: A Resolução nº 30, de 11 de julho de 1974, diz claramente no art. 2º e parágrafo Art. 2º. O curso de Ciências será estruturado como licenciatura de 1º grau, de curta duração, ou como licenciatura plena, ou abrangendo

4 simultaneamente ambas as modalidades de duração, de acordo com os planos das instituições que o ministrem. Parágrafo único A licenciatura de 1º grau proporcionará habilitação geral em Ciências e a licenciatura plena, além dessa habilitação gera,l conduzirá a habilitações específicas em Matemática, Física, Química e Biologia, sem exclusão de outras que sejam acrescentadas pelo Conselho Federal de Educação ou, mediante aprovação deste, pelas instituições de ensino superior. Observando se o currículo mínimo do curso de licenciatura em Ciências, divido em parte comum, parte diversificada e Instrumentação para o Ensino e os currículos mínimos fixados para as licenciaturas de Matemática, Química e Ciências Biológicas, percebe se que houve somente a mudança de denominação no curso oferecido, pois os currículos estão, praticamente, idênticos. Além do mais, esta instituição de ensino, na sua estrutura curricular, cumpre o disposto em todos os currículos mínimos, quer seja na licenciatura curta em Ciências, com habilitações em Matemática, Química e Biologia, quer seja na Licenciatura Plena em Matemática, Química e Ciências Biológicas. Foi então criado o Curso de Ciências com habilitações em Matemática, Química e Biologia, que atualmente atende os alunos de Mogi Guaçu e região, com o objetivo de formar futuros profissionais nas áreas de Educação em Ciências. Atualmente o aluno ingressa no Curso de Ciências, através de processo seletivo, e após cursar quatro semestres iniciais, opta no quinto semestre por uma das Habilitações que a Instituição oferece (Matemática, Química e Biologia). Como o curso visa primeiramente a preparação de professores de Ciências, os quatro primeiros semestres caracterizam se por apresentar aos alunos uma visão introdutória das três habilitações bem como de disciplinas pedagógicas e de outras que complementam a formação de um profissional habilitado para exercer a profissão docente na área das Ciências.

5 A relação de disciplinas nos semestres iniciais é formada por disciplinas que visam a formação intelectual e cultural geral do futuro professor e habilidades que compõem o perfil adequado para o exercício da profissão. Deste modo, a grade curricular oferece disciplinas nas áreas de Língua Portuguesa, Informática, Metodologia Científica, Física, Geologia e algumas das disciplinas pedagógicas que se encontram distribuídas ao longo da duração do curso. A partir do quinto semestre, quando o aluno opta pela Habilitação em Biologia, a grade curricular passa a ser composta de disciplinas que oferecem ao aluno, uma formação sólida nos temas específicos às Ciências naturais tais como Botânica, Zoologia, Anatomia, Fisiologia, Sistemática, Ecologia, Genética, Biofísica, Bioquímica etc. Toda essa estrutura tem como principal objetivo preparar um profissional capaz de atuar na área docente junto às disciplinas de Ciências e Biologia, nos Ensinos Fundamental e Médio, respectivamente. Além disso, a atual grade curricular tem como objetivo, desenvolver nos alunos a capacidade de se inserir dentro de um grupo temático de pesquisa nas áreas afins das Ciências Biológicas, e até mesmo prosseguir seus estudos na Pós Graduação de qualquer Instituição de Ensino brasileira. A formação do professor de Ciências, com habilitação em Biologia exige habilidades necessárias para o exercício da profissão junto aos órgãos educacionais, tanto na área administrativa quanto diretamente no ensino de Ciências e Biologia, junto aos seus alunos em sala de aula e laboratórios. Por isso, nossas aulas são caracterizadas como teórico práticas, oferecendo ao aluno experiências em diversos ambientes que poderiam eventualmente ser explorados numa Escola de Ensino Fundamental e Médio. Para tanto, contamos com aulas de laboratório nas áreas de Química, Física, Geologia, Histologia, Biologia Celular, Biofísica, Botânica, Zoologia, Informática, Língua Portuguesa e Prática de Ensino dentro de nossa Instituição de Ensino. Eventualmente, dentro da realidade de um curso noturno e que atende uma parcela da população trabalhadora, complementamos nossas atividades de ensino e aprendizagem com excursões de campo em Mogi Guaçu. Nossa região oferece um número razoável de locais relativamente preservados como parques e reservas como por exemplo a Fazenda Campininha e Fazenda Mombaça

6 (Mogi Guaçu, SP), Horto Florestal de Mogi Mirim e Horto Florestal de Vergel (Mogi Mirim, SP). Outras áreas que são freqüentemente visitadas por nossos alunos são aquelas preservadas por empresas privadas como Chamflora (Champion S.A. Mogi Guaçu, SP), Fazenda de flores e Laboratórios situados na cidade de Holambra, SP (25km de distância de Mogi Guaçu, SP). As administrações desses locais freqüentemente doam gentilmente material, que é utilizado em aulas e pesquisas didáticas as quais tem contribuído para a formação do professor. Apesar dessa estrutura curricular atender aos objetivos de nossa Instituição, temos nos preocupado constantemente com as intensas modificações que nossa sociedade está sofrendo, principalmente no que diz respeito às áreas Educacional e Tecnológica. Pensando nisso, as Faculdades Integradas Maria Imaculada, no Centro de Mogi Guaçu, seguindo seus princípios como Instituição de Ensino e preparadora do profissional Docente, tem atuado dentro do possível, manter se inserida dentro desse contexto, a fim de proporcionar aos nossos alunos elementos necessários para um desenvolvimento profissional contínuo e atualizado. Seguindo esses princípios e aqueles que regem os objetivos desta Instituição de Ensino, atualmente encontra se em estudo a alteração da grade curricular do Curso de Ciências Habilitação em Biologia, objetivando transformá lo em Curso de Licenciatura Plena em Ciências Biológicas, atendendo ao currículo mínimo do curso e as diretrizes curriculares sugeridas pelas Comissões de Especialistas do MEC, mas também adequar nos as constantes mudanças de nossa sociedade. As mudanças para o ano de 2001 na estrutura curricular, prevê um acréscimo de disciplinas específicas da área de Biologia (ex. Microbiologia, Paleobiologia, Programa de Saúde, Ecologia) bem como um aumento na carga horária de algumas disciplinas já existente no atual currículo. O aluno passará a optar, desde seu ingresso no curso que atende seus interesses, concentrando seus estudos, a partir do primeiro semestre naquelas disciplinas da área das Ciências Naturais, bem como desenvolver as habilidades naturais que são desejáveis para sua formação como profissional. Essas alterações continuam atendendo o primeiro e principal objetivo desta Instituição de Ensino que é a formação do professor de Ciências e Biologia. No entanto, vem acrescentar em sua formação, importantes informações

7 em áreas que têm sofrido grandes avanços na atualidade, pretendendo com isso, ampliar a área de atuação dos futuros profissionais. Regime de matrícula: Seriado/Semestral Turno: Período noturno com aulas de Segunda a Sexta Feira das 19:15 às 22:50 h. Duração: O curso tem a duração de 2880 horas aulas, acrescida de 300 horas de Estágio Supervisionado. Poderá ser integralizado no mínimo em 4 (quatro) anos letivos e no máximo em 7 (sete) anos letivos. Cada ano terá no mínimo 200 dias letivos conforme a legislação vigente. O regime do curso é seriado com duração de 8 semestres. Ingresso: Através de processo seletivo; transferência de outra instituição; retorno; portador de diploma de curso de graduação. Título que confere: Licenciatura em Ciências Habilitação em Biologia. OBJETIVOS ESPECÍFICOS CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM CIÊNCIAS HABILITAÇÃO EM BIOLOGIA. Proporcionar a formação técnico científica do futuro docente, para que tenha uma atuação consciente, crítica e transformadora. Conscientizá lo da importância de se atualizar frente às constantes modificações que as Ciências Naturais produzem na sociedade. Proporcionar uma formação cultural e intelectual compatível com o desempenho das atividades docentes e afins, assegurando o respeito à liberdade do homem e aos ideais democráticos da sociedade.

8 Proporcionar a formação de profissionais competentes, com bom nível de conhecimentos teórico e prático dos conteúdos básicos das Ciências Naturais, para que possam atuar eficientemente junto às diversas atividades que regem a função docente. Conscientizá los da importância do aspecto humano e social da atuação dos docentes como agentes transformadores da escola pública e melhoria da qualidade do ensino, levando se em conta as constantes mudanças pedagógicas a que os Ensinos Fundamental e Médio têm sido submetidos nos últimos anos. Proporcionar condições para que o aluno prossiga em seus estudos acadêmicos em nível de Especialização e/ou Pós Graduação, nas áreas das Ciências Naturais ou Pedagógicas. Desenvolver no aluno habilidades tais como criatividade, improvisação, capacidade de trabalhar em equipes e outras características que formam um perfil que atenda às necessidades do mercado de trabalho docente e até mesmo das áreas que a cercam, como as funções pedagógicas e afins. PERFIL DO EGRESSO Um aspecto a ser considerado quando tratamos da formação de docentes é a crescente preocupação por parte da sociedade no que se refere a Educação de criança e jovens, confirmado pelo aumento no número de matrículas no Ensino Fundamental e Médio, divulgados anualmente pelo Ministério da Educação e Cultura, tendo como conseqüência direta um aumento na demanda de professores habilitados para a formação de cidadãos críticos e transformadores da sociedade, principalmente no que se refere aos aspectos científicos e tecnológicos que modificam a qualidade de vida do cidadão. A formação de um profissional com perfil voltado para o magistério, que é o principal objetivo desta Instituição de Ensino, deve então ser contemplada com disciplinas que visem proporcionar ao aluno uma formação básica, ampla e sólida nas áreas de Botânica, Zoologia, Citologia, Anatomia, Ecologia, Fisiologia etc., com adequada fundamentação teórico prática que inclua o conhecimento da diversidade dos seres vivos,

9 bem como sua organização em diferentes níveis, suas relações filogenéticas e evolutivas, suas respectivas distribuições e relações com o ambiente em que vivem. Além disso, deve propiciar ao futuro profissional da área de Educação, um relativo conhecimento em relação à disciplinas pedagógicas que são de fundamental importância para a formação e desenvolvimento do futuro docente, bem como nas diversas áreas que teoricamente proporcionam ao graduando uma formação cultural e intelectual mais completa, condizentes com o exercício de sua atividade. Esta formação deve propiciar ao graduando entendimento do processo histórico de construção do conhecimento na área biológica, no que diz respeito a conceitos, princípios e teorias, bem como a compreensão do significado das Ciências Biológicas para a sociedade e da sua responsabilidade como educador nos vários contextos de sua atuação profissional, consciente do seu papel na formação de cidadãos. Também deve capacitá lo a buscar autonomia na produção e divulgação de novos conhecimentos, propiciando inclusive novas áreas e metodologias de trabalho, abrindo novas possibilidades para o futuro profissional. O docente da área de Ciências Naturais, graduado nesta Instituição deve se comprometer com os resultados de sua atuação, pautando sua conduta profissional em critérios humanos, científico, éticos e legais. Deve ainda, ter consciência da realidade em que vai atuar e da necessidade de se tornar agente transformador dessa realidade, na busca da melhoria da qualidade de vida do cidadão, assumindo a sua responsabilidade na preservação da biodiversidade como patrimônio da humanidade. O campo de atuação profissional do Licenciado em Ciências Habilitação em Biologia é considerado diversificado, amplo, emergente, em transformação contínua e que exige um profissional com as seguintes características: desejo de prosseguir nos seus estudos visando a docência no Ensino Superior espírito de equipe demonstrar possuir sensibilidade social e idealismo para reconhecer e interessar se pelos problemas educacionais que atingem indivíduos, grupos, populações, organizações e comunidades.

10 demonstrar relativa facilidade para analisar eventos histórico educacionais da realidade. saber e demonstrar interesse pelos problemas econômicos, sociais, políticos e educacionais da realidade, que cercam atualmente o ensino de Ciências e Biologia. identificar se como agente facilitador do exercício da cidadania. dominar suficiente a Língua Portuguesa, de modo a conseguir expressar os próprios pensamentos com lógica e em linguagem clara, seja na oratória ou produzindo textos. saber empregar os métodos assimilados durante o curso para a resolução de problemas futuros. que procure sempre aperfeiçoar seus conhecimentos, atualizando os com freqüência, participando de simpósios, congressos e outras atividades, visando esse aprimoramento. que seja um profissional capaz de transmitir conhecimentos com muita competência. capaz de compreender, analisar, propor alternativas de ação docente ou administrativa e intervir de forma crítica na realidade social e educacional, através de uma formação pedagógica, ética e científica. ser capaz de desenvolver idéias inovadoras e ações estratégicas, capazes de ampliar e aperfeiçoar sua área de atuação, preparando se para a inserção num mercado de trabalho em contínua transformação. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES desenvolver atividades educacionais no Ensino Fundamental e Médio; estabelecer relações entre ciência, tecnologia e sociedade na solução de problemas que revertam em benefício para a comunidade; elaborar e executar projetos pedagógicos;

11 utilizar o conhecimento socialmente acumulado na produção de novos conhecimentos, dominando os métodos científicos de forma crítica e com critérios de relevância social; atuar diante dos problemas de impacto ambiental gerados pelo avanço tecnológico buscando a preservação da biodiversidade; organizar, coordenar e participar de equipes multiprofissionais; atuar em pesquisa básica e aplicada nas diferentes áreas das Ciências Biológicas; METODOLOGIA O curso está dividido em disciplinas teóricas e práticas/experimentais, havendo a seguinte particularidade de metodologia de ensino: Disciplinas teóricas: a) Aulas expositivas, com participação dos alunos b) Trabalhos em grupo c) Pesquisa e apresentação de seminários, d) Estudos dirigidos e análise de textos. e) Debates sobre o conteúdo programático. f) Demonstração de experimentos g) Palestras com especialistas de diferentes áreas h) Simulações de debates sociais sobre assuntos da atualidade. Disciplinas práticas/experimentais: a) Atividades experimentais realizadas individualmente e em grupos.

12 b) Apresentação e discussão de relatórios. c) Uso de técnicas de interpretações sobre experiências em Fisiologia d) Aulas práticas de dissecção e anatomia. e) Aulas práticas de microscopia. f) Utilização de chaves de identificação em Sistemática. g) Saída de campo.

13 O PROCESSO DE AVALIAÇÃO Durante cada semestre letivo, dois processos avaliatórios são implementados: 1. avaliação formal do aluno para verificar seu grau de aproveitamento no curso; 2. avaliação do professor pelo aluno através de um formulário de pesquisa desenvolvido pela instituição; com o objetivo de fornecer subsídios para avaliação e dinamização das práticas pedagógicas do professor e do curso. A avaliação formal da aprendizagem objetiva: verificar o desempenho da turma coletivamente, e de cada aluno individualmente, diante dos conceitos elaborados por cada disciplina; servir de indicador para o professor analisar seu próprio desempenho em sala de aula; estimular o aluno a superar suas dificuldades pessoais, tornando o um educador consciente e crítico. Para atingir os objetivos visados, devem ser utilizados instrumentos diversificados, entre os quais destacamos: verificação escrita individual; trabalhos de pesquisa; trabalhos acadêmicos em grupos; exposições orais; envolvimento com a disciplina e participação nas aulas; relatórios de aulas práticas/experimentais e de excursões.

14 A avaliação do aluno no Curso de Ciências com habilitação em Biologia, deve ocorrer durante todo o processo de ensino e aprendizagem, e não apenas em momentos específicos, caracterizados como de fechamento de uma etapa de trabalho. Dessa forma, o aluno não é avaliado apenas pelo seu desempenho em determinadas atividades, mas também pelo seu esforço, pelo seu interesse, pelo seu engajamento e pela sua evolução no processo educativo. ESTÁGIO SUPERVISIONADO I. CONSIDERAÇÕES GERAIS A Prática de Ensino/Estágio Supervisionado são exigências, conforme a Lei n.º 9394/96, dos cursos de formação de profissionais da educação dos Cursos de Licenciatura. Os estágios deverão ser cumpridos por seus alunos, futuros profissionais da educação, no decorrer do seu curso de graduação. O último ano de formação profissional, deve se prever a docência compartilhada sob a supervisão da escola de formação, preferentemente na condição de professor assistente de professores experientes (subsídios, MEC/1.999). A formação docente incluirá prática de ensino de, no mínimo, trezentas horas (art.65 Lei 9394). Observa se que a prática de ensino deve constituir um somatório de diversas atividades concretas desenvolvidas ao longo do curso de licenciatura, mediada por várias disciplinas e atividades teórico práticas, que possibilitam a articulação do trabalho formador da IES com o trabalho desenvolvido em escolas ou outros ambientes educativos, supervisionados pela instituição formadora. Além do atual estágio supervisionado, a prática de ensino deverá ocorrer em disciplinas e atividades que, por natureza, integram a formação do licenciado em Biologia, desde as fases iniciais, visando a sua inserção progressiva, no seu campo de atuação. O Estágio também tem seu aspecto legal baseado na Resolução S.E nº237 de 8/12/82, publicada no D.O.E em 9/12/82 e Parecer do C.F.E 672/69.

15 O Estágio do Curso de Ciências procura articular suas atividades com as disciplinas de Formação Básica, e as disciplinas de Formação Pedagógica Geral. II. OBJETIVOS GERAIS Proporcionar oportunidades para o futuro profissional de educação colocar a sua competência a serviço de um esforço comum e participar de uma tarefa educativa, que seja fruto de um trabalho coletivo, e não de mera soma de desempenhos individuais. Estabelecer relações entre as questões teóricas propostas pelas disciplinas técnicopedagógicas com a praxis técnico pedagógica. Promover atividades acadêmicas complementares, direcionadas ao enriquecimento curricular por meio de trabalhos referentes às disciplinas do Curso. Promover uma reflexão sob a ação pedagógica e tentar, a partir disso, estabelecer algumas linhas mais eficientes para prática desse trabalho. Propiciar ao aluno estagiário uma visão ampla da Escola do Ensino Fundamental e Médio, de suas carências e de seus problemas. III. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

16 Apresentar orientações que visem fornecer ao estudante uma visão global de trabalho integrado, bem como a importância da utilização de revistas, bibliografias e dicionários especializados para o estudo científico. Propiciar ao aluno, diretrizes para um processo mais integrador entre escola aluno e campo de trabalho. Adquirir experiências na Observação e na Participação de aulas de Ciências e Biologia, levando em consideração os conhecimentos teóricos e didáticos adquiridos durante o curso. Atribuir ao Estágio de Instrumentação para o Ensino de Ciências e Biologia uma função integradora entre ensino, pesquisa e extensão, oferecendo ao estagiário oportunidade de vivenciar, de forma integrada, experiências criativas de ensino aprendizagem. Analisar a contribuição, da Participação e da Regência de aulas para a construção de uma nova prática pedagógica escolar no Ensino Fundamental e Médio. Redimensionar a Biologia a partir de sua prática pedagógica escolar. IV. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES PROGRAMADAS 1º SEMESTRE No primeiro semestre (2000) as atividades programadas serão direcionadas aos: 1º e 3º de Ciências 5º e 7º de Ciências com Habilitação em Biologia. 1º DE CIÊNCIAS a) Trabalhos Acadêmicos orientados pelos professores para desenvolvimento e aprendizagem da elaboração; b) Técnicas de pesquisa bibliográfica para elaboração

17 dos trabalhos; c) Relatório dos Trabalhos Acadêmicos apresentados em sala de aula; d) Relatório Geral das atividades realizadas. Carga Horária: 30 horas 3º DE CIÊNCIAS a) Pesquisa: Levantamento das Escolas Públicas e Particulares do Município, observando o contexto físico e outras características principalmente para o desenvolvimento de aulas de Ciências e Biologia; b) Preparo de um material didático para uma aula de Ciências; c) Trabalhos Acadêmicos orientados pelos professores; d) Relatórios dos trabalhos apresentados; e) Relatório Final. Carga Horária: 50 horas 5º DE CIÊNCIAS HABILITAÇÃO BIOLOGIA a) Etapa de Observação: Observação em sala de aula do professor de Ciências ou Matemática do Ensino Fundamental com relação ao processo ensino aprendizagem (etapa de conhecimento e relacionamento); b) Observar e analisar o Regimento das Escolas do Ensino Fundamental e Médio; c) Relatórios dos trabalhos apresentados; d) Relatório Final das etapas programadas. 7º DE CIÊNCIAS HABILITAÇÃO BIOLOGIA Carga Horária: 75 horas a) Estudo e análise da Proposta curricular para o Ensino da Biologia no Ensino Fundamental; b) Observação da Unidade Escolar no seu contexto físico e organizacional (escola escolhida para estágio); c) Levantamento Sócio econômico da

18 clientela escolar; d) Observação de aulas de Ciências no Ensino Fundamental e apresentação de Relatórios; e) Participação em aulas e projetos da Escola e apresentação de relatórios; f) Participação em atividades extra classe; Desenvolvimento de temas e Regência de aulas com professores da área de Ciências e Biologia; Planejamento e Regência de aulas no Ensino Fundamental (5º a 8º séries); g) Elaboração de um Plano de Curso (7º ou 8º séries); h) Relatório Final das Etapas programadas; i) Trabalho de laboratório com apresentação de relatórios. Carga Horária 110 horas 7º DE CIÊNCIAS Disciplina: Instrumentação para o Ensino de Ciências; a) Elaboração de instrumentos ou materiais didáticos utilizados em aulas para 5º, 6º, 7º e 8º séries do Ensino Fundamental; b) Projeto para Feira de Ciências; c) Trabalho de laboratório com apresentação de relatórios. Carga horária: 60 horas 2º SEMESTRE No segundo semestre (2000/2) as atividades programadas irão abranger aos: 2º e 4º de Ciências 6º e 8º de Ciências com Habilitação em Biologia

19 2º DE CIÊNCIAS a) Entrevistas com professores da área de Ciências e Biologia do Ensino Fundamental (1º a 8º séries); b) Trabalho Acadêmico orientado pelos professores das disciplinas do curso, voltados para o ensino de Ciências; c) Relatório dos trabalhos apresentados; d) Relatório final. Carga Horária: 60 horas 4ºDE CIÊNCIAS a) Observação e Análise de livros didáticos de Ciências utilizados pelos professores do Ensino Fundamental; b) Relatórios e apresentação dos resultados do item a ; c) Relatório final. 6º DE CIÊNCIAS Carga Horária: 60 horas a) Conhecer e analisar a Proposta Curricular para o Ensino de Ciências (5º a 8º séries); b) Observação de aulas de Ciências no Ensino Fundamental (observar uma única turma identificando as atividades práticas de aplicação dos conteúdos desenvolvidos); c)trabalho Acadêmico orientado pelos professores das disciplinas da série; d) Pesquisa bibliográfica; e) Relatório dos trabalhos apresentados; f) Relatório Final. Carga Horária: 70 horas 8º CIÊNCIAS: HABILITAÇÃO BIOLOGIA Último semestre: Estágio no Ensino Médio

20 a) Observação da Unidade Escolar no seu contexto físico e organizacional (Projetos em parceria), principalmente as instalações para a prática do ensino da Biologia; b) Levantamento sócio econômico da clientela do Ensino Médio da instituição escolar; c) Observação participativa de aulas de Biologia no Ensino Médio (1º, 2º, 3º séries) com elaboração de relatórios; d) Observação de um evento realizado na Escola; e) Participação no Projeto de Recuperação com grupos de alunos com dificuldades de aprendizagem (Ensino Médio); f) Planejamento e relatórios de participação; g) Regências de aulas de Biologia no Ensino Médio; h) Plano de Curso e Plano de Unidades; i) Observação e Análise da Proposta Curricular de Biologia para o Ensino Médio; j) Observação e Análise dos livros didáticos e paradidáticos adotados no Ensino Médio; k) Trabalho Acadêmico orientado pelos professores das disciplinas do Curso de Biologia; l) Regência de aulas assistidas por professores das disciplinas específicas; m) Elaboração de um Diário de Classe; n) Trabalho de laboratório com apresentação de relatórios; o) Relatório Final e Conclusão. Carga Horária: 130 horas FICHA ACUMULATIVA PARA REGISTRO E CONTROLE DAS ATIVIDADES É a ficha que irá comprovar o período e o local da realização da prática, bem como identificar os assuntos tratados. O aluno estagiário deverá portá la em todas as sessões da prática para o devido preenchimento, incluindo a assinatura dos responsáveis. Desta ficha deverá constar o carimbo do órgão e/ou Unidade Escolar e a assinatura do respectivo responsável, devidamente credenciado (com carimbo).

21 RECURSOS HUMANOS Professores das disciplinas específicas do Curso de Ciências com Habilitação Biologia, envolvidos no Projeto de Estágio e Professores da Escola Campo. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Cumprimento integral da carga horária destinada às atividades; Qualidade (de apresentação e conteúdo) do material escrito, apresentado e das idéias propostas e discutidas durante os seminários; Apreciação final do aluno, tendo como parâmetros os objetivos apresentados no projeto. EM SÍNTESE A pasta dos trabalhos e relatórios deve ser organizada obedecendo a seguinte ordem: 1. Fichas de Controle; 2. Identificação do aluno (nome, curso, série, disciplina e ano); 3. Registro de regências e planejamentos; 4. A realidade da escola; 5. Trabalhos e registro de projetos;

22 6. Apreciação final; 7. Anexos. COORDENAÇÃO GERAL Realizada pelo coordenador do Curso de Ciências Habilitação Biologia e do Professor Supervisor do Estágio.

23 GRADE CURRICULAR 1º. SEMESTRE C.H Semanal. C.H. Semestral Biologia I 2 36 Física I 2 36 Introdução à Informática I 2 36 Língua Portuguesa I 4 72 Matemática I 4 72 Metodologia Científica I 2 36 Psicologia Geral 2 36 Química I º. SEMESTRE C.H. C.H. Biologia II 2 36 Física II 2 36 Introdução à Informática II 2 36 Língua Portuguesa II 4 72 Matemática II 4 72 Metodologia Científica II 2 36 Psicologia da Educação I 2 36 Química II 2 36

24 3º. SEMESTRE C.H. C.H. Biologia III 4 72 Didática I 2 36 Estrutura Func. Ens. Fundamental e Médio I 2 36 Física III 4 72 Geologia e Mineralogia I 2 36 Matemática III 2 36 Química III º. SEMESTRE C.H. C.H. Biologia IV 4 72 Didática II 2 36 Estrutura Func. Ens. Fundamental e Médio II 2 36 Física IV 4 72 Geologia e Mineralogia II 2 36 Matemática IV 2 36 Química IV 4 72

25 5º. SEMESTRE BIOLOGIA C.H. C.H. Cálculo Diferencial e Integral I 2 36 Estatística I 2 36 Física Experimental I 2 36 Processamento de Dados I 4 72 Anatomia Humana I 2 36 Botânica I 2 36 Zoologia I 2 36 Controle do Meio Ambiente I º. SEMESTRE BIOLOGIA C.H. C.H. Cálculo Diferencial e Integral II 2 36 Estatística II 2 36 Física Experimental II 2 36 Processamento de Dados II 4 72 Anatomia Humana II 2 36 Botânica II 2 36 Histologia e Embriologia II 2 36 Zoologia II 2 36 Controle do Meio Ambiente II 2 36

26 7º. SEMESTRE BIOLOGIA C.H. C.H. Processamento de Dados III 2 36 Instrumentação p/ o Ensino de Ciências 2 36 Est. Sup. Ciências (Mat/Quím/Bio/Física) 60 Biofísica I 2 36 Bioquímica I 2 36 Botânica III 2 36 Fisiologia I 4 72 Genética I 2 36 Zoologia III º. SEMESTRE BIOLOGIA C.H. C.H. Processamento de Dados IV 2 36 Biofísica II 2 36 Bioquímica II 2 36 Botânica IV 2 36 Fisiologia II 4 72 Genética II 2 36 Zoologia IV 4 72 Prática de Ensino 2 36

27 Estágio Superv. Biologia Ens. Fund. e Médio 100

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Educação de Qualidade ao seu alcance EDUCAR PARA TRANSFORMAR O CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO: LICENCIATURA

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO Considerando o objetivo de formação de docentes em que a atividade prática de prestação de serviços especializados é relevante à sociedade, torna-se necessário

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

MANUAL DO ALUNO (A) ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES

MANUAL DO ALUNO (A) ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES A formação complementar é fruto da participação do aluno, durante o período de realização do seu curso superior, em atividades que não estão inseridas na grade curricular, mas que reconhecidamente contribuem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares para o curso de graduação em Engenharia

Leia mais

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS O componente curricular denominado Atividades Acadêmico-Científico- Culturais foi introduzido nos currículos

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTOS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTOS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTOS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO II REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades Complementares

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO 1 SUMÁRIO Lista de Anexos... 3 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 5 3. DEFINIÇÕES... 5 4. OBJETIVOS... 6 5. PLANEJAMENTO E COMPETÊNCIAS...

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Minuta de Projeto de Resolução para audiência pública de 11/12/2015 Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Educação

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Modalidade Licenciatura SUPERVISOR: FAUSTO FIGUEIREDO VIEIRA

MANUAL DE ORIENTAÇÕES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Modalidade Licenciatura SUPERVISOR: FAUSTO FIGUEIREDO VIEIRA MANUAL DE ORIENTAÇÕES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Modalidade Licenciatura SUPERVISOR: FAUSTO FIGUEIREDO VIEIRA COORDENADORA: Isabel Ribeiro do Valle Teixeira MUZAMBINHO Janeiro

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades Complementares constituem ações a serem desenvolvidas ao longo do curso, criando

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Ademir Camilo) Regulamenta o exercício da profissão de Supervisor Educacional, e dá outras providências. Autor: Deputado Ademir Camilo O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos)

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos) Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos) 2012-2013 1 Prezado (a) estagiário (a), O presente manual visa orientá-lo (la) quanto à realização do Estágio

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE PIRATININGA

FACULDADE BARÃO DE PIRATININGA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades Complementares constituem ações a serem desenvolvidas ao longo do curso, criando

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Matemática versus Estágio Supervisionado

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Matemática versus Estágio Supervisionado Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Matemática versus Estágio Supervisionado O objetivo deste texto é destacar as principais atividades envolvendo o projeto pedagógico do curso de licenciatura

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE BIOMEDICINA

CATÁLOGO DO CURSO DE BIOMEDICINA CATÁLOGO DO CURSO DE BIOMEDICINA ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Biomedicina Nome da Mantida: Centro Universitário de Rio Preto Endereço de Funcionamento do Curso: Rua Yvette Gabriel Atique, 45 Bairro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS/PORTUGUÊS INTRODUÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Aprovação das Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso

Leia mais

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 07/04 Define o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelece diretrizes e normas para seu funcionamento.

Leia mais

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CADERNO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ENSINO MÉDIO

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CADERNO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ENSINO MÉDIO LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CADERNO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ENSINO MÉDIO RIBEIRÃO PRETO 2013 ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Aluno: RA: Ano/semestre: Período letivo: 2 SUMÁRIO ORIENTAÇÕES

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA FORMA INTEGRADA BELO HORIZONTE, OUTUBRO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER CNE/CES 1.304/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/12/2001, publicado no Diário Oficial da União de 7/12/2001, Seção 1, p. 25. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

a Resolução CONSEPE/UFPB nº. 34/2004, que orienta a elaboração e reformulação dos Projetos Políticos Pedagógicos dos Cursos de Graduação da UFPB;

a Resolução CONSEPE/UFPB nº. 34/2004, que orienta a elaboração e reformulação dos Projetos Políticos Pedagógicos dos Cursos de Graduação da UFPB; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 22 / 2007 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em, na modalidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 57/2009/CONEPE Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

RESOLUÇÃO. Redação dada pela Res. CONSEPE 42/2003, de 29 de outubro de 2003.

RESOLUÇÃO. Redação dada pela Res. CONSEPE 42/2003, de 29 de outubro de 2003. RESOLUÇÃO CONSEPE 55/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE PEDAGOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Recife/PE 2010 ESTÁGIO REGULAMENTO

Recife/PE 2010 ESTÁGIO REGULAMENTO ESTÁGIO REGULAMENTO Recife/PE 2010 2 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS DO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1.º O presente regulamento visa cumprir a Política de estágios da Escola Superior de Marketing-ESM

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

Bacharelado em Educação Física

Bacharelado em Educação Física Bacharelado em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular possivelmente seja uma das mais ricas experiências do acadêmico que optou pelo Curso de Bacharelado em Educação Física. As situações

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CLÍNICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROPSICOPEDAGOGIA CLÍNICA

MANUAL DE ESTÁGIO CLÍNICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROPSICOPEDAGOGIA CLÍNICA MANUAL DE ESTÁGIO CLÍNICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROPSICOPEDAGOGIA CLÍNICA 1. INTRODUÇÃO O Centro de Estudos UNILAS atua em várias áreas educacionais e em vários cursos de pós-graduação em nível

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Superior UF: DF ASSUNTO: Reexame do Parecer CNE/CES nº 162/2010,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DA ÁREA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DA ÁREA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DA ÁREA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Fevereiro de 2008 I Da Exigência das Atividades Complementares As Atividades Complementares - AC dos Cursos de Jornalismo,

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SERVIÇO SOCIAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SERVIÇO SOCIAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL Identificação do Curso SERVIÇO SOCIAL Nome do Curso: Serviço Social Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial Carga horária

Leia mais

Estágio Supervisionado Educação Básica - Matemática

Estágio Supervisionado Educação Básica - Matemática Estágio Supervisionado Educação Básica - Matemática Não se pretende que o estágio se configure como algo com finalidade em si mesmo, mas sim que se realize de modo articulado com o restante do curso. Para

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 01/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular do Curso de, na modalidade bacharelado,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPITAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPITAL CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPITAL PROJETO COMPLEMENTAR LICENCIATURA. CURSO: PSICOLOGIA COORDENAÇÃO PROF. MS. IVANI TEIXEIRA MENDES 2015 PROJETO PEDAGÓGICO COMPLEMENTAR DE FORMAÇÃO DE PROFESORES DO CURSO DE

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS 1) Perfil do curso: SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS O curso de Engenharia Civil da PUC Minas, campus de Poços de Caldas, tem como objetivo principal formar um profissional

Leia mais

PROCESSO N. 352/03 PROTOCOLO N.º 5.252.763-5 PARECER N.º 31/04 APROVADO EM 13/02/04

PROCESSO N. 352/03 PROTOCOLO N.º 5.252.763-5 PARECER N.º 31/04 APROVADO EM 13/02/04 PROTOCOLO N.º 5.252.763-5 PARECER N.º 31/04 APROVADO EM 13/02/04 CÂMARA DE PLANEJAMENTO INTERESSADO: COLÉGIO ESTADUAL OLAVO BILAC MUNICÍPIO: IBIPORÃ ASSUNTO: Credenciamento da Instituição e Autorização

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT Projeto Institucional - Faculdades Atibaia FAAT Parceria entre o Ensino Superior e a Escola Pública na formação inicial e continuada

Leia mais

Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos

Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos APRESENTAÇÃO As Atividades Complementares (AC) são práticas curriculares de caráter independente, interdisciplinar e transversal que visam

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, LICENCIATURA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente documento

Leia mais

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA Ato de Recredenciamento: Port. 673, 25/05/2011, D.O.U, de 26/05/2011, Seção 1, págs. 18/19

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA Ato de Recredenciamento: Port. 673, 25/05/2011, D.O.U, de 26/05/2011, Seção 1, págs. 18/19 INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Faculdade de Hortolândia REGULAMENTOS DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO SUPERIOR DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Hortolândia 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO TAQUARITINGA / 2015 1 Sumário NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE...3 1- Formas de acesso...3 2- Estímulos à permanência...4 3- Apoio Psicopedagógico, Orientação Pedagógica

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE DE CIENCIAS HUMANAS E SOCIAIS UNESP FRANCA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE DE CIENCIAS HUMANAS E SOCIAIS UNESP FRANCA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE DE CIENCIAS HUMANAS E SOCIAIS UNESP FRANCA Dispõe sobre o cumprimento da carga horária das Atividades de Estágio Supervisionado

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Coordenadoria Geral de Estágios

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Coordenadoria Geral de Estágios DIRETRIZES E NORMAS PARA A ATIVIDADE DE ESTÁGIO NA PUC-SP Aprovadas pelo CEPE, em 11 de fevereiro de 2009 I INTRODUÇÃO A LDB trouxe à discussão a flexibilização curricular, a valorização da experiência

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO RESOLUÇÃO CAS Nº 07 / 2007 De 05 de agosto de 2007 Reformula o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, a ser implantado a partir do 2º semestre do ano letivo de 2007. CONSIDERANDO

Leia mais

FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE LETRAS

FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE LETRAS FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE LETRAS OLÍMPIA 2014 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LETRAS REGULAMENTO GERAL TÍTULO DO ESTÁGIO E SEUS FINS Artigo

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DO IFPE NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DO IFPE NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL CONSELHO MUNICIPAL Conselho Municipal de Educação de Praia Grande DELIBERAÇÃO Nº 02/2001 Normas regimentais básicas para as Escolas de Educação Infantil. NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

ATUAL SUGESTÕES PROPOSTA

ATUAL SUGESTÕES PROPOSTA ATUAL SUGESTÕES PROPOSTA ESTATUTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ TITULO III DO REGIME DIDÁTICO E CIENTÍFICO Art. 24 A organização dos trabalhos universitários far-se-á visando a uma integração crescente

Leia mais

Diário Oficial 31 32 Diário Oficial Resolução SE 52, de 2-10-2014

Diário Oficial 31 32 Diário Oficial Resolução SE 52, de 2-10-2014 sexta-feira, 3 de outubro de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (187) 31 32 São Paulo, 124 (187) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sexta-feira, 3 de outubro de 2014 Resolução

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA 1 RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/015/2011. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA Aprova o Projeto Político Pedagógico do Curso de Graduação em Pedagogia/Primeira Licenciatura da Universidade Estadual da Paraíba. O

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS:

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: Art. 3º - A Escola oferece os seguintes níveis de ensino: I. Educação Infantil: de 0 a 05 anos de idade. Educação Precoce de 0 a 03 anos Educação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS - APS

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS - APS REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS - APS O presente Regulamento normatiza as Atividades Práticas Supervisionadas (APS) nos cursos de graduação da Faculdade Shalom de Ensino Superior,

Leia mais

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo.

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo. 1 1. ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2. OBJETIVO Resolução nº 01 de 02/02/2004 do Conselho Nacional de Educação CNEC/CN/MEC. Proporcionar ao estudante oportunidade de desenvolver suas habilidades, analisar situações

Leia mais

NOVAS (?) CONCEPÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO BIOLÓGO

NOVAS (?) CONCEPÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO BIOLÓGO NOVAS (?) CONCEPÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO BIOLÓGO HABILIDADES E FORMAÇÃO DO BIÓLOGO de pesquisa planejamento, execução e avaliação para produção de conhecimento; matemáticas uso de técnicas estatísticas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.989, DE 10 DE JUNHO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.989, DE 10 DE JUNHO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.989, DE 10 DE JUNHO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015.

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. DISPÕE SOBRE O FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DAS UNIDADES DE ENSINO DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM TEMPO INTEGRAL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE NOVA VENÉCIA-ES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.375, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.375, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.375, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Ciência da Computação Modalidade: ( X ) bacharelado ( ) licenciatura Local de funcionamento: Coração Eucarístico 01 PERFIL DO CURSO O curso de Ciência da Computação

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado

CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Educação Física - Área de Saúde e Qualidade de Vida - Bacharelado Nome da Mantida: Centro Universitário de Rio Preto

Leia mais

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004 HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 REVOGADA RESOLUÇÃO Nº 145/04 Palmas, 08 de dezembro de 2004 Fixa normas para criação e autorização de funcionamento de instituições de educação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos necessários à sistematização do Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Biomedicina. O Presidente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 Dispõe sobre a regulamentação de Curso de Formação Inicial e Continuada ou Qualificação Profissional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O

Leia mais

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008).

3. Quais são as modalidades de estágio? Estágio obrigatório e Estágio não obrigatório (art. 2º da Lei 11.788/2008). 1. O que é o estágio? Estágio é o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de estudantes. O estágio integra o itinerário

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 20/12/2004, seção 1, pág.29. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional

Leia mais

O Curso de Licenciatura em Matemática tem como objetivo principal a formação de professores da Educação Básica.

O Curso de Licenciatura em Matemática tem como objetivo principal a formação de professores da Educação Básica. 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Objetivos O Curso de Licenciatura em Matemática tem como objetivo principal a formação de professores da Educação Básica. O Curso de Bacharelado

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA FORMA INTEGRADA BELO HORIZONTE, OUTUBRO

Leia mais

a) Estar regularmente matriculados no curso;

a) Estar regularmente matriculados no curso; (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) br ESTÁGIO CURRÍCULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

Redes de Formação Docente: desafios no contexto da UTFPR

Redes de Formação Docente: desafios no contexto da UTFPR Redes de Formação Docente: desafios no contexto da UTFPR Prof. Dr. Oséias Santos de Oliveira oseiass@utfpr.edu.br Departamento de Educação DEPED UTFPR/Curitiba 17/11/15 É preciso entender o conceito de

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Barretos SP 2014 APRESENTAÇÃO O Estágio Supervisionado do Curso de Ciências Contábeis da FACULDADE BARRETOS é um componente curricular

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 44/15, de 09/12/2015. CAPÍTULO I AS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 3 ANEXO 5 REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1.1 Disposições Preliminares Artigo 1 o - As atividades de Estágio Supervisionado que integram a Matriz Curricular do Curso de Administração, da Faculdade

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei:

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei: LEI Nº 2.581/2009 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE CAETÉ. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Turismo da Universidade Estadual do Centro- Oeste, UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CORAÇÃO EUCARÍSTICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CORAÇÃO EUCARÍSTICO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CORAÇÃO EUCARÍSTICO 01 PERFIL DO CURSO: O curso de Ciências Econômicas, reconhecido pelo Decreto nº 67.055, de 14 de agosto de 1970, leva em consideração

Leia mais

Plano de Ação da Orientação Educacional. 01- Introdução

Plano de Ação da Orientação Educacional. 01- Introdução Plano de Ação da Orientação Educacional 01- Introdução O contexto desafiante da atual sociedade brasileira, demanda progressivamente uma educação de qualidade. Tarefa de tal magnitude, exige uma concentrada

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DA EDUCAÇÃO SUPERIOR E PROFISSIONAL

GOVERNO DO ESTADO DO CEARA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DA EDUCAÇÃO SUPERIOR E PROFISSIONAL INTERESSADA: Universidade Regional do Cariri URCA EMENTA: Reconhece o Programa Especial de Formação Pedagógica ofertado pela Universidade Regional do Cariri URCA, nas áreas de Física, Matemática e Biologia,

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL Regulamento das Atividades Complementares

CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL Regulamento das Atividades Complementares CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL Regulamento das Atividades Complementares 1 CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL Regulamento das Atividades Complementares As atividades

Leia mais

INSTITUTO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR IMES - CATANDUVA CURSO DE PSICOLOGIA ATIVIDADES PRÁTICAS DE FORMACÃO

INSTITUTO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR IMES - CATANDUVA CURSO DE PSICOLOGIA ATIVIDADES PRÁTICAS DE FORMACÃO INSTITUTO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR IMES - CURSO DE PSICOLOGIA ATIVIDADES PRÁTICAS DE FORMACÃO 1 ATIVIDADES PRÁTICAS DE FORMACÃO O curso de Psicologia do IMES- se compromete com a organização e desenvolvimento

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PALMAS - TO.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PALMAS - TO. 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PALMAS - TO. 2 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES APRESENTAÇÃO Instituídas pelas

Leia mais

TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE

TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE Avaliação institucional: potencialização do processo ensino e aprendizagem A avaliação institucional é uma prática recente

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamenta normas para o funcionamento das Atividades Complementares no âmbito dos Cursos de Administração, Ciências Contábeis e Cursos de Tecnologia da Faculdade

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP/CJO

MANUAL DE ORIENTAÇÕES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP/CJO MANUAL DE ORIENTAÇÕES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP/CJO Campos do Jordão 2015 SUMÁRIO 1 - APRESENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 a) Definição... 3 b) Legislação...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº. 124, DE 27 DE ABRIL DE 2009 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015 (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO N o 24/2012, DO CONSELHO DE GRADUAÇÃO Aprova as Normas Gerais de Estágio de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia, e dá outras providências. O CONSELHO DE GRADUAÇÃO DA, no uso das competências

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 56/2001 REFERENDA A CRIAÇÃO DO CURSO DE FONOAUDIOLOGIA, NO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NUTRIÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NUTRIÇÃO 2010 Fundação Educacional de Além Paraíba Mantenedora Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro Mantida Profª. Karime Augusta Baranda Fortes Zanardi

Leia mais