DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139"

Transcrição

1 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS Laboratório de Introdução de Eletrônica Analógica Laboratório No. 5 LENDO AS INSTRUÇÕES PARA EXECUTAR AS TAREFAS Horowitz and Hill: The Art of Electronics, pp , pp , pp Neamen: pp , pp. 484 [8.3.2] 491top Objetivo: Construir um pequeno amplificador de potência de áudio e tocar música em alto volume como retaliação dos estudantes do curso 6.002! Estude o amplificador diferencial, o coração da maioria dos amplificadores operacionais. Brinque com o chip temporizador 555 que é sempre presente nas implementações. NOTA: Seu relatório deve mostrar claramente suas configurações do circuito, os valores dos elementos e seus cálculos além dos resultados das medidas. O avaliador não gastará o tempo tentando examinar apresentações confusas a fim de entender o que você fez. NOTA: É REQUERIDA UMA VERIFICAÇÃO AO TERMINAR O LABORATÓRIO DA PRIMEIRA EXPERIÊNCIA. ASSINE A LISTA AFIXADA NA PORTA DA SALA DO TA NA QUAL CONSTA A HORA EM QUE FEZ SUA VERIFICAÇÃO DE SAÍDA. Experiência 1: PEQUENO AMPLIFICADOR DE POTÊNICIA COM REALIMENTAÇÃO LOCAL E TOTAL NOTA: Não use os terminais da fonte de alimentação variável para esta experiência. A corrente de saída nestes terminais é limitada em 500 ma e este valor é muito baixo para o amplificador. Use os terminais +/- fixos de 12 volts ao lado do interruptor de liga/desliga. Estes terminais podem entregar até 1A antes iniciarem a limitar a corrente Nesta experiência você construíra e examinará o desempenho de um amplificador com acoplamento-dc cujo esquema é dado na Figura 1. Este amplificador é projetado para ter um ganho de 26 db com menos distorção que o amplificador encontrado na experiência 5 do Lab 4. Observe que a função dos resistores R B1, R B2 e os diodos 1N914 é influenciar a saída dos transistores para eliminar a distorção de cruzamento (como isso funciona?). [Para começar use resistores de pelo menos 4.7 KΩ e ¼ watts para R B1 e R B2 ]. A fim de assegurar que a saídas dos transistores Q1 e Q2 não serão danificadas assegure que a potência máxima que eles irão dissipar seja limitada em 1 watt. Observe que este cálculo envolverá tanto a potência DC dissipada devido a corrente estática quiscente, como aquela em cada transistor que vê uma das metades de uma onda senoidal de saída. Qual é o menor valor da resistência de carga R L que poderá ser conectada a saída do amplificador para assegurar que este limite de dissipação de potência não será excedido? Observe também que a exigência de uma impedância de entrada relativamente alta pode entrar em conflito com o requerimento para variação de baixa da tensão DC de entrada. Explique este conflito em seu relatório. Você pode optar em usar uma configuração com um amplificador operacional com inversão de fase ou não. Você pode escolher usar qualquer amplificador operacional do seu kit ou na janela da sala de instrumento.

2 Qual é a função dos resistores de emissor R E? Explique porque a impedância de saída do amplificador não é pelo menos 5.6Ω. [Estes resistores estão nos kits e são maiores que ½ watt] 1-Projete seu amplificador de acordo com as seguintes especificações: Ponto de corte de freqüência baixa [-3dB] 10 Hz. [Para aproveitar as respostas em freqüências baixas dos CD s] Figura 1 - Circuito do amplificador para experiência 1 Impedância de entrada (visto pela saída do pré-amplificador) 15 kω. [Para prevenir carga baixa do pré-amplificador com fontes de impedância relativamente alta] Variação da tensão do estágio de saída < 50 mv. [Para prevenir que a DC não aqueça a bobina do alto-falante e o cone se desloque de sua posição central em relação às partes com pólos] Ponto de corte de freqüência alta [-3dB] = 25 khz mínimo. [Para aproveitar a resposta de freqüência alta estendida a partir do DAT trabalhando a uma taxa de amostragem de 48 KHz] Ganho de tensão de + 26 db no meio da faixa [1000 Hz]. Corrente de polarização do estágio de saída inativo [quando nenhum sinal é aplicado] entre 1 e 10 ma [operação classe AB ou B]. [Meça a tensão DC de um ou ambos os resistores de emissor.] Já que demos para você os valores iniciais do resistor de polarização, não há muito para projetar. Entretanto, você deverá medir a corrente de polarização na saída dos estágios para ter certeza que ela é menor que

3 10 ma. As variações na saída do dispositivo afetarão o valor da corrente de polarização e será difícil alcançar uma corrente de polarização estável se as β F s de ambos os dispositivos de saídas não são as mesmas. Se sua corrente de polarização de seu dispositivo de saída é maior que 10 ma sem nenhum sinal de entrada, desligue sua fonte de alimentação de +/- 12-volts imediatamente. Aumente o valor de R B1 e R B2 para o próximo valor padrão mais alto e verifique novamente a saída de polarização. Continue aumentando o valor deste par de resistores até que a corrente de polarização atinja o limite dado acima. Como mudar o valor destes dois resistores de controle para a corrente de polarização do estágio de saída? [Observação: é também possível aumentar estes dois resistores para o ponto onde a corrente de polarização não é suficiente para suprir a base de um dos transistores de saída, especialmente se tem baixo β F. Ele ajuda se seus dispositivos de saídas tem RF s similares. Do ponto de vista AC, valores grandes destes dois resistores podem causar uma limitação na metade de um ciclo devido ao fato que a corrente AC de base suprida através destes dois resistores não é suficiente na presença de grandes variações do sinal. Isto também é mais comum ocorrer quando β F s ou β o s dos dois dispositivos de saída não são iguais.] O valor da corrente de polarização DC é muito sensível a temperatura e será alta depois que você tiver aquecido a saída dos dispositivos amplificando um sinal AC. Espere os dispositivos esfriarem antes de medir a corrente de polarização. Manter a polarização DC baixa evita gastar potência e gerar aquecimento na saída dos dispositivos durante os períodos sem sinal. Este projeto pode ser portável operado por baterias se a corrente é baixa o bastante. Variação da Tensão do estágio de saída = 20 V p-p em uma carga resistiva de 100 Ω. [Maior a variação, maior potência de saída e mais alta será a música sem que ocorra distorção devido á limitação do sinal, então escolha seus componentes sabiamente!] [seu kit de componentes contém um resistor de 100Ω 5 %, 2 watts para resistores de carga do curso para todas as medições deste amplificador.] Taxa de variação: Nenhuma variação permitida dentro da faixa de freqüência de 10 Hz a 20 khz na saída total de 100 Ω. 2. Construa o amplificador que você projetou e verifique seu desempenho através de medidas apropriadas. AVISO: A parte metálica dos dispositivos de saída é conectada ao coletor, que é conectado a V CC ou a V EE. Tenha cuidado para não fazer nenhuma ligação acidental de outros componentes a esta parte metálica! Estas medidas devem incluir resposta em freqüência [somente amplitude no gráfico de Bode] para identificar os pontos de freqüência baixa e alta -3dB, variação da tensão e a taxa de variação. Você também deve medir a resistência de saída através de v out com circuito aberto e o v out com carga; do mesmo modo com a resistência de entrada: use uma resistência da fonte bastante alta para fazer um divisor de tensão na entrada quando é conectado em série com o gerador de função. As medidas da resistência de entrada e de saída devem ser feitas com uma onda senoidal de 1 KHz, as medidas da freqüência de resposta devem sempre referenciar a 1 KHz em trabalhos de áudio. Para medir a resistência de entrada, você poderia colocar um potenciômetro em série com a entrada e medir a então a tensão do sinal ac na entrada quando você girar o potenciômetro

4 até que a tensão de entrada caia da resistência [o potenciômetro está com resistência mínima de 0 Ω] para -6dB. Neste momento a resistência do potenciômetro igualará a resistência da entrada. [A impedância de saída é muito baixa, então use o DMM para comparar as tensões de saída com carga e sem carga. O DMM deve ser usado para todas as medidas onde sua freqüência de resposta permitir, porque é muito mais exata do que o osciloscópio, cuja precisão é de aproximadamente 5-10%.] Você precisará carregar a saída com uma resistência muito pequena a fim de ver todas as mudanças na tensão de saída com o circuito aberto [sem carga] e a tensão com carga. Também, para usar uma resistência baixa de carga, você deve reduzir o sinal de entrada para manter a baixa dissipação nos dispositivos de saída. Você está apto apenas para acomodar algo em torno de 1 VRMS na saída antes que você comece superaquecer as saídas ou a baixos valores da resistência de carga. Em todo o caso, a idéia é medir as tensões de saída do circuito aberto e circuito fechado em 1000 hertz e então você pode calcular a impedância da fonte conhecendo o valor da resistência da carga. É um número muito pequeno! Amplifique ondas triangulares de 1 KHz e de 10 KHz e observe que a uma distorção muito pequena é evidente em comparação ao amplificador construído na experiência 5 do laboratório 4. Como você explica isto? Amplifique ondas quadradas de 10 Hz, de 1 KHz e de 10 KHz e esboce as formas de ondas de saída. Como explicar as diferenças entre o que você vê e as tensões de entrada e saída Mude a conexão de realimentação da saída do estágio de potência simétrico complementar do amplificador operacional (AO). [Qual característica do seguidor de emissor nos permite fazer isto?] Repita as duas séries de teste imediatamente acima e anote e explique todas as diferenças. 3. Se o amplificador for construído sem o estágio de saída, o que acontece com o ganho do amplificador e a variação da saída se o valor mais seguro do resistor de carga que você calculou acima for conectado diretamente à saída do AO? Qual é a função do estágio de saída deste amplificador e como ele afeta a impedância de saída do amplificador? 4. Re-faça a conexão do estágio de saída a seu amplificador e remova o circuito do diodo de polarização do estágio de saída e observe o aumento na distorção de cruzamento quando o resistor calculado está no amplificador. Observe que você terá que conectar a saída do AO diretamente às bases dos transistores Q1 e Q2. [junte as bases] [quando o TA demonstrar seu amplificador com o CD Player, repita esta etapa enquanto escuta a música. Mantenha primeiramente o nível do sinal baixo para ouvir a máxima distorção de cruzamento, e depois aumentando o nível parece que a distorção desaparece. Porquê?] 5. Re-faça a conexão do amplificador como mostrado originalmente pela figura 1. Observe a tensão da máxima variação pico a pico na carga de 100 Ω em 1000 hertz. Conecte agora a

5 saída do AO à junção entre os diodos D 1 e D 2 ao invés de ligar à base do transistor PNP. Que diferença esta mudança faz na variação da tensão de saída? Porquê? 6. Demonstre seu circuito ao Ta. Você deve agendar sua verificação de saída com antecedência. Seu circuito deve funcionar corretamente antes do horário agendado para sua verificação:o horário da verificação não é o momento para eliminar erros do seu circuito. O TA irá questioná-lo a fim de determinar sua compreensão sobre o circuito, ele pedirá que você demonstre algumas medidas e testará seu circuito com CD Player e um alto-falante. Traga seu CD favorito se desejar. MANTENHA ESTE CIRCUITO CONSTRUÍDO EM SEU NERDKIT, PORQUE ELE SERÁ NECESSÁRIO PARA O LABORATÓRIO NO. 6. Experiência 2: Par de transistores diferenciais. Nesta experiência, você pesquisará o desempenho de um estágio de entrada de amplificador diferencial e examinará suas características significantes. Entre com os seus dados na tabela da próxima página. Figura 2 - Amplificador diferencial para o experimento 2 [Observe que sem os resistores de linearização do emissor, o amplificador opera sem nenhuma realimentação. Fique de olho na clareza do sinal de saída em seu osciloscópio e veja se houve alguma diferença entre os circuitos com os resistores de emissor ou sem eles. Você pode ter que usar uma variação razoavelmente grande da saída a fim de ver alguma distorção. Escreva comentários sobre isto no seu relatório do laboratório.] 1-Construa o amplificador diferencial da figura 2. Conecte um sinal de 1 khz e ambas

6 as entradas V IN + e V IN -. Meça o ganho em modo comum: Agora meça ganho diferencial de saída simples. Você pode fazer isto aterrando a entrada do terminal negativo e aplicar um sinal à entrada positiva e ainda ajustar adequadamente o resultado [* Este ajuste é exigido porque não aplicamos tensão de entrada verdadeira, mas sim simulando uma entrada com uma única tensão. Isto tem efeito também aplicando uma média da saída devido ao ganho de modo comum, não apenas um ganho diferencial] Como se pode dizer qual entrada é a positiva? Finalmente, meça a variação da tensão de saída através dos terminais [no modo coletor comum a tensão de entrada é igual à no mesmo instante, assim o mesmo coletor em vez do que o segundo coletor para terra]. Tenha certeza os resistores de 12kΩ são exatamente iguais para evitar gerar uma variação de tensão devido aos valores de resistores diferentes. 2. Agora substitua os resistores de emissor por circuitos menores e repita as medidas do passo 1. Tabela para os resultados do amplificador diferencial Circuito A CM A diff Saída simples 2N3904 s 390 S2 RE s 15kΩ 2N3904 s Sem RE s 15kΩ LM Ω RE s 15kΩ r LM394 No RE s 15kΩ Offset da Tensão CMRR de saída

7 2N3904 s 390 Ω RE s Fonte de corrente 2N3904 s Sem RE s Fonte de corrente LM Ω RE s Fonte de corrente LM394 Sem RE s Fonte de corrente 3. Em seguida, obtenha um par de LM394 supermatched [2 dispositivos em um único chip], e repita as etapas 1 e 2 usando o novo dispositivo. Figura 3 - Fonte de corrente para a experiência 2 4. Substitua o resistor R x no seu amplificador diferencial pela fonte de corrente mostrada na figura 3. Repita todas as medidas do passos 1-3 usando a fonte de corrente. Já que não existem considerações a respeito da resistência AC de entrada, podemos escolher R B muito baixo para a fonte de corrente, para ter certeza que o transistor Beta não afeta o valor da corrente. IMPORTANTE: Projete sua fonte para oferecer a mesma corrente que flui pelo resistor R X no circuito anterior. Use R B = 2kΩ. 5. Calcule as relações de rejeição do modo comum para todas as configurações. Expresse seus resultados em db. Preencha a tabela com todos os dados das etapas 1-5 de modo que os vários circuitos possam ser facilmente comparados. Faça algumas observações no seu relatório sobre quais configurações e dispositivos são melhores com respeito a CMRR, ganho de tensão e baixo offset de tensão.

8 6. Aqui estão algumas equações para o amplificador diferencial que você pode usar para comparar com suas medidas:. Experiência 3: Temporizador 555 Nesta experiência você pesquisará o desempenho do temporizador 555 que pode ser encontrado em seu kit. Você terá que consultar à folha de dados do 555 que lhe foi entregue. Esta folha de dados mostra o diagrama do 555 e algumas aplicações típicas. Figura 4 - Oscilador astável usando o temporizador Construa um oscilador astável, operando com uma fonte de +15 V, que gere uma saída de 10 KHz com um fator de trabalho em excesso de 0,1. Observe que para evitar danificar o 555, você não deve usar valores de resistores menores que 1 kω na parte de sincronismo de seu circuito. Com a freqüência de seu oscilador ajustada em 10 khz, meça o fator de trabalho. Observação: O 555, junto com algumas outros chips temporizadores, geram a cada transição de saída uma grande fonte de corrente [ ~150mA]. Tenha certeza de usar um capacitor de desvio robusto (=100 µf) no pino V CC do chip para o terra, fisicamente próximo ao chip. Mesmo assim, o 555 pode ter uma tendência gerar

9 transições de saída em dobro. A maioria das versões de CMOS do 555 não têm este problema e não consome tanta corrente, você pode variar entre os limites na saída, e pode operar abaixo de 1 ou 2 volts VCC! 2. Sem mudar alguns dos valores dos componentes de seu circuito, re-conecte-o para operar com uma fonte de +5 V. Meça a freqüência e o fator de trabalho e compare com os valores encontrados na parte 1. Por que estes valores variam tão pouco com tensão da fonte? 3. Você pode usar um chip 555 para gerar a forma de onda dente de serra, em vez de onda quadrada disponível através do pino de saída 3. A única forma para fazer isso é alimentar o capacitor com uma fonte de corrente (que dará uma tensão linear no capacitor com tempo) e descarregá-lo com a conexão do 555. Projete e construa tal circuito para gerar uma forma de onda dente de serra de 10kHz com um tempo de reajuste de mais ou menos de 1 % do período da onda dente de serra. Construa sua fonte de corrente usando o FET 2N5459 na configuração mostrada pela figura 5. As características do FET e o valor do resistor R determinam a corrente fornecida por esta fonte. Nota: para proteger o 555 dos danos ao descarregar o capacitor você deve se certificar de que há ao menos um 1 resistor de kω no percurso de descarga. Entretanto, este resistor distorcerá a forma de onda se ficar situado como mostrado acima [RB]. Você pode re-alocar este resistor de modo que ainda fique em série com pino 7, mas não no trajeto de carga. Você pode também eliminar este resistor inteiramente se seu capacitor do sincronismo for pequeno o bastante de modo que a resistência de saturação do transistor limite a corrente de descarga em níveis seguros. Figura 5: Fonte de corrente JFET. 4. Usando o IC dos temporizadores 555, projete e construa um oscilador de controle de tensão dente de serra. Seu objetivo deve ser uma variação de freqüência de aproximadamente 100Hz a 10 khz enquanto a tensão de entrada é de aproximadamente 0 a 15 volts. Você pode usar um potenciômetro para fornecer a uma tensão de controle ajustável. Você pode usar a variação de tensão DC de seu gerador de função como tensão de controle. Um dos circuitos que talvez você deseje tentar é a fonte de corrente controlada por tensão visto em aula. O transistor de saída deste circuito é conectado no lugar de R A. Seu relatório deve mostrar seu projeto e também listar as freqüências mais baixas e as mais elevadas que você obteve no projeto.

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos 1 Exercícios Pré-Laboratório Semana 1 1.1 Filtro RC 3º Trimestre de 2002 Figura 1:

Leia mais

ENCONTRO 3 AMPLIFICADORES EM CASCATA (ESTUDO DOS PRÉ-AMPLIFICADORES)

ENCONTRO 3 AMPLIFICADORES EM CASCATA (ESTUDO DOS PRÉ-AMPLIFICADORES) CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: ELETRÔNICA I PROFESSOR: VLADEMIR DE J. S. OLIVEIRA ENCONTRO 3 AMPLIFICADORES EM CASCATA (ESTUDO DOS PRÉ-AMPLIFICADORES) 1. COMPONENTES DA EQUIPE Alunos Nota: Data:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 6.101 Laboratório de Introdução a Eletrônica Analógica Laboratório No. 6

Leia mais

Antes de estudar a tecnologia de implementação do transistor um estudo rápido de uma junção;

Antes de estudar a tecnologia de implementação do transistor um estudo rápido de uma junção; Transistor O transistor é um elemento ativo e principal da eletrônica. Sendo um elemento ativo o transistor é utilizado ativamente na construção dos circuitos lineares e digitais. Os transistores podem

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR RL DIGITAL MODELO RL-250

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR RL DIGITAL MODELO RL-250 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR RL DIGITAL MODELO RL-250 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA... 1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação FEEC Universidade Estadual de Campinas Unicamp EE531 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA BÁSICA I EXPERIÊNCIA 2

Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação FEEC Universidade Estadual de Campinas Unicamp EE531 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA BÁSICA I EXPERIÊNCIA 2 Faculdade de ngenharia létrica e de Computação FC Universidade stadual de Campinas Unicamp 531 LABORATÓRIO D LTRÔNICA BÁSICA I XPRIÊNCIA 2 TRANSISTOR BIPOLAR Prof. Lee Luan Ling 1 o SMSTR D 2010 1 Objetivo:

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO MULTIFUNCIONAL MODELO: ED-2110. www.minipa.com.br USB CARACTERÍSTICAS ED-2110

SISTEMA DE TREINAMENTO MULTIFUNCIONAL MODELO: ED-2110. www.minipa.com.br USB CARACTERÍSTICAS ED-2110 SISTEMA DE TREINAMENTO MULTIFUNCIONAL MODELO: PROPOSTA TÉCNICA CARACTERÍSTICAS Display de LCD TFT Touch. Realiza experimentos sem necessidade de um sistema de medição a parte. Possibilidade de programação

Leia mais

Título da Experiência

Título da Experiência Título da Experiência 1. Objetivo Copiar o(s) objetivo(s) definido(s) pelo professor no roteiro da experiência. 2. Teoria Apresentar os conceitos teóricos relativos à experiência em questão. O conteúdo

Leia mais

Guia do Usuário. Modelo 380360 Testador de Isolamento / Megômetro

Guia do Usuário. Modelo 380360 Testador de Isolamento / Megômetro Guia do Usuário Modelo 380360 Testador de Isolamento / Megômetro Introdução Parabéns pela sua compra do Testador de Isolamento/Megômetro da Extech. O Modelo 380360 fornece três faixas de teste além de

Leia mais

AMPLIFICADOR CLASSE A

AMPLIFICADOR CLASSE A AMPLIFICADOR CLASSE A OBJETIVOS: Verificar experimentalmente o comportamento de um amplificador classe A transistorizado e analisar as formas de onda obtidas na saída em função de um sinal aplicado na

Leia mais

Como funciona o MOSFET (ART977)

Como funciona o MOSFET (ART977) Como funciona o MOSFET (ART977) Os transistores de efeito de campo não são componentes novos. Na verdade, em teoria foram criados antes mesmo dos transistores comuns bipolares. No entanto, com a possibilidade

Leia mais

AMPLIFICADOR HD 1600 HD 2200 HD 2800 MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUCÃO INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO - 1 - 1 CANAL - CLASSE D - 2 Ohms

AMPLIFICADOR HD 1600 HD 2200 HD 2800 MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUCÃO INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO - 1 - 1 CANAL - CLASSE D - 2 Ohms INTRODUCÃO AMPLIFICADOR MANUAL DE INSTRUÇÕES HD 1600 HD 2200 HD 2800 Nós da HURRICANE agradecemos pela escolha dos nossos produtos. Nossos amplificadores são projetados para oferecer a mais alta performance.

Leia mais

Laboratório de. Eletrônica Analógica II

Laboratório de. Eletrônica Analógica II UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Laboratório de Eletrônica Analógica II Professor Volney Coelho Vincence, 2014/1 Vincence Eletrônica

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

Pequeno livro sobre fontes de alimentação

Pequeno livro sobre fontes de alimentação 1 Pequeno livro sobre fontes de alimentação Antes de começarmos a falarmos de como funciona uma fonte de alimentação é preciso saber qual a sua função. Uma fonte de alimentação tem a função de transformar

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR)

FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR) FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR) OBJETIVOS: a) entender o funcionamento de um transistor unipolar; b) analisar e entender as curvas características de um transistor unipolar; c) analisar o funcionamento de

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

SEÇÃO 7C Alternadores

SEÇÃO 7C Alternadores SEÇÃO 7C Alternadores Índice da Seção Página ALTERNADORES Tabela nº... Identificação, Descrição dos Sistemas... Teste de Saída de Tensão - Somente CA... 0 Teste de Saída de Tensão - Somente CC... 9 / A...

Leia mais

Amplificadores de potência classe B

Amplificadores de potência classe B Amplificadores de potência classe B Introdução O amplificador de potência classe A, apresenta a melhor linearidade, mas tem o pior rendimento. Isso se deve ao fato de que o transistor de saída esta sempre

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

CHAVEAMENTO COM SCR S

CHAVEAMENTO COM SCR S ELE-59 Circuitos de Chaveamento Prof.: Alexis Fabrício Tinoco S. INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA APLICADA 1. INTRODUÇAO CHAVEAMENTO COM

Leia mais

PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS. LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos

PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS. LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos Conteúdo P1 - Erro experimental....3 P2 - Osciloscópio.... 5 P3 - Divisor de tensão. Divisor de corrente.... 13 P4 - Fonte de tensão.

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Leia atentamente o texto da Aula 3, Capacitores e circuitos RC com onda quadrada, e responda às questões que seguem.

Leia atentamente o texto da Aula 3, Capacitores e circuitos RC com onda quadrada, e responda às questões que seguem. PRÉ-RELATÓRIO 3 Nome: turma: Leia atentamente o texto da Aula 3, Capacitores e circuitos RC com onda quadrada, e responda às questões que seguem. 1 O que é um capacitor? Qual é sua equação característica?

Leia mais

1 Exercícios Pré-Laboratório

1 Exercícios Pré-Laboratório 1 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY 6.071: Introdução ao Laboratório de Eletrônica Laboratório 1: Equipamentos de Laboratório e Redes de Resistores 1 Exercícios Pré-Laboratório 2º Trimestre de 2002

Leia mais

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Laboratório de Eletromagnetismo (4300373) Grupo:......... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Data : / / Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos SEMICONDUCTOR II Semiconductor II Semicondutor II M-1104B *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Laboratório de Física UVV

Laboratório de Física UVV 1/9 arga e Descarga de apacitores Objetivos: Levantar as curvas características de carga e descarga de capacitores; Determinar a capacitância através das curvas ln( i) tempo na carga e descarga. Equipamentos:

Leia mais

Guia de laboratório de Electrónica II. Osciladores, filtros e conversão AD (3º trabalho)

Guia de laboratório de Electrónica II. Osciladores, filtros e conversão AD (3º trabalho) Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Secção de Electrónica Guia de laboratório de Electrónica II Osciladores, filtros e conversão AD (3º trabalho) Grupo

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP)

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) NOTA RELATÓRIO -.... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais

Leia mais

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP PUC ENGENHARIA Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Prof. Dr. Marcello Bellodi 2 a versão - 2005 ÍNDICE 1 a Experiência: "Amplificador Push-Pull Classe B"...01 2 a Experiência: "Curvas

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA RELATÓRIO - NOTA... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais A parte

Leia mais

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores IF-UFRJ Elementos de Eletrônica Analógica Prof. Antonio Carlos Santos Mestrado Profissional em Ensino de Física Aula 7: Polarização de Transistores Este material foi baseado em livros e manuais existentes

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO CAPÍTULO 1 DIODOS RETIFICADORES

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO CAPÍTULO 1 DIODOS RETIFICADORES INTRODUÇÃO CPÍTULO DIODOS RETIFICDORES O diodo é um dispositivo semi-condutor muito simples e é utilizado nas mais variadas aplicações. O uso mais freqüente do diodo é como retificador, convertendo uma

Leia mais

Capitulo 3 - Amplificador Operacional

Capitulo 3 - Amplificador Operacional Capitulo 3 - Amplificador Operacional 1 3.1 Conceito amplificador CC multiestágio, com entrada diferencial operações matemáticas como soma, integrações, etc 3.2 Principais Características a) Resistência

Leia mais

Megôhmetro/Teste de Isolamento Modelo 380260 GUIA DO USUÁRIO

Megôhmetro/Teste de Isolamento Modelo 380260 GUIA DO USUÁRIO Megôhmetro/Teste de Isolamento Modelo 380260 GUIA DO USUÁRIO Introdução Parabéns por sua compra do Megôhmetro/Teste de Isolamento da Extech. O Modelo 380260 fornece três faixas de teste de medição de tensão

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 11/2015 Campus Muriaé FOLHA DE PROVA

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 11/2015 Campus Muriaé FOLHA DE PROVA Tema 01: CIRCUITOS CC E CA CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO O teorema de Thevenin estabelece que um circuito linear de dois terminais pode ser substituído por um circuito equivalente constituído

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Sistemas Digitais I Lista de Exercícios (Circuito astável com LM555, Drives de Potência

Leia mais

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc.

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc. Amplificadores operacionais como Osciladores Em muitas aplicações é necessário gerar um sinal, que pode ter as mais diversas formas, retangular, senoidal, triangular, etc. Entretanto, o único sinal disponível

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais AmpOp Amplificador Operacional É um amplificador de alto ganho e acoplamento directo que utiliza um controlo de realimentação (feedback) para controlar as suas características. Contém uma saída, controlada

Leia mais

4 PARÂMETROS DINÂMICOS

4 PARÂMETROS DINÂMICOS 4 PARÂMETROS DINÂMICOS Nesta experiência iremos medir os parâmetros do amp op que podem prejudicar o desempenho dos circuitos em alta freqüência. Os dois parâmetros Produto Ganho-Largura de Banda GBP (também

Leia mais

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar.

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar. ATENÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 3 que por sua vez, faz parte do CURSO de ELETRO ANALÓGICA -DIGITAL que vai do MÓDULO 1 ao 4. A partir da amostra da aula, terá

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Tutorial do Proteus Parte A - Simulação 1

Retificadores (ENG - 20301) Tutorial do Proteus Parte A - Simulação 1 2 GND CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS ELETRÔNICOS Retificadores (ENG - 20301) Tutorial do Proteus

Leia mais

Introdução. GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima

Introdução. GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima Introdução GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima Programa do curso Introdução (conceitos) Fonte de tensão Fonte de Corrente Teorema de Thevenin Teorema de Norton Resistores/capacitores (revisão)

Leia mais

MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO

MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO Capa Industria e Comércio Ltda MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 01 2. DESCRIÇÃO DOS PAINÉIS... 01 3. DESCRIÇÃO ELÉTRICA... 02 4. ESPECIFICAÇÕES.... 02 5. INSTALAÇÃO...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESENVOLVIMENTO DE UM PAR DE LUVAS INSTRUMENTALIZADAS PARA AQUISIÇÃO DE MOVIMENTOS APLICADAS AO PROCESSAMENTO E RECONHECIMENTO

Leia mais

ANEMÔMETRO A FIO QUENTE

ANEMÔMETRO A FIO QUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÀO ELTRÔNICA ANEMÔMETRO A FIO QUENTE Cayo Cid de França Moraes 200321285 Natal/RN ANEMÔMETRO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A22 (1) O circuito a seguir amplifica a diferença de

Leia mais

Eletrônica Analógica

Eletrônica Analógica UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES Eletrônica Analógica Transistores de Efeito de Campo Professor Dr. Lamartine Vilar de Souza lvsouza@ufpa.br www.lvsouza.ufpa.br

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF NOME: TURMA: DATA: / / OBJETIVOS: Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Conhecer os tipos de

Leia mais

Inspiron 14. Manual de serviço. 5000 Series. Modelo do computador: Inspiron 5448 Modelo normativo: P49G Tipo normativo: P49G001

Inspiron 14. Manual de serviço. 5000 Series. Modelo do computador: Inspiron 5448 Modelo normativo: P49G Tipo normativo: P49G001 Inspiron 14 5000 Series Manual de serviço Modelo do computador: Inspiron 5448 Modelo normativo: P49G Tipo normativo: P49G001 Notas, avisos e advertências NOTA: uma NOTA indica informações importantes que

Leia mais

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores (1) Slide 1 Osciladores e temporizadores A maioria dos equipamentos eletrônicos inclui alguma forma de oscilador ou temporizador, que podem ser com formatos de onda pulsada, senoidal, quadrada, em dente-de-serra

Leia mais

Analise de Circuitos Horizontais. Marcus Manhães manharider@yahoo.com.br

Analise de Circuitos Horizontais. Marcus Manhães manharider@yahoo.com.br Analise de Circuitos Horizontais Marcus Manhães manharider@yahoo.com.br Introdução Ao longo de nossa experiência em manutenção eletrônica, nos deparamos inúmeras vezes com dificuldades muito significativas

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE TERRÔMETRO MODELO TR-5500

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE TERRÔMETRO MODELO TR-5500 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE TERRÔMETRO MODELO TR-5500 setembro 2011 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução... - 1-2. Regras

Leia mais

Introdução Teórica Aula 4: Potenciômetros e Lâmpadas. Potenciômetros. Lâmpadas. EEL7011 Eletricidade Básica Aula 4

Introdução Teórica Aula 4: Potenciômetros e Lâmpadas. Potenciômetros. Lâmpadas. EEL7011 Eletricidade Básica Aula 4 Introdução Teórica Aula 4: Potenciômetros e Lâmpadas Potenciômetros Um potenciômetro é um resistor cujo valor de resistência é variável. Assim, de forma indireta, é possível controlar a intensidade da

Leia mais

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro

Leia mais

Circuitos Retificadores

Circuitos Retificadores Circuitos Retificadores 1- INTRODUÇÃO Os circuito retificadores, são circuitos elétricos utilizados em sua maioria para a conversão de tensões alternadas em contínuas, utilizando para isto no processo

Leia mais

3º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm

3º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm 3º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm 1. Objetivos: Verificar a lei de Ohm. Determinar a resistência elétrica através dos valores de tensão e corrente. 2. Teoria: No século passado, George Ohm enunciou:

Leia mais

Electrónica para Telecomunicações

Electrónica para Telecomunicações Dept. de Engenharia Electrotécnica e Computadores Fac. de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Electrónica para Telecomunicações Trabalho Prático Nº2 Amplificador Cascódico 1. INTRODUÇÃO Neste

Leia mais

Escola SENAI Prof. Dr. Euryclides de Jesus Zerbini Campinas/SP. Eletrônica Analógica Laboratório

Escola SENAI Prof. Dr. Euryclides de Jesus Zerbini Campinas/SP. Eletrônica Analógica Laboratório Escola SENAI Prof. Dr. Euryclides de Jesus Zerbini Campinas/SP 2002 Eletrônica Analógica Laboratório Eletrônica Analógica Atividades de Laboratório SENAI, Departamento Regional de São Paulo, 2002 Trabalho

Leia mais

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs.

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Prof. James Alexandre Baraniuk Equipe: Data: / / EXPERIMENTO PRÁTICO COM TRIAC Objetivo A presente

Leia mais

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07 Utilizando o CI 555 Índice Utilizando o integrado 555... 03 Operação monoestável (Temporizador)... 06 Operação astável (Oscilador)... 07 O circuito integrado 556... 10 Aplicações úteis... 11 Gerador de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES - ENGENHARIA ELÉTRICA Prof. José Roberto Marques CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES - ENGENHARIA ELÉTRICA Prof. José Roberto Marques CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA Exp. 1 (Simulação) LABORATÓRIO DE SIMULAÇÂO DE FONTES CHAVEADAS O objetivo deste laboratório é simular fontes chaveadas Buck (abaixadora de potencial)

Leia mais

DICAS TÉCNICAS S100/105/120/125

DICAS TÉCNICAS S100/105/120/125 Chamada de serviço: Nível de plataforma inoperante Subida/descida da lança inoperantes P22 - P22R código de rolagem na tela Ferramentas necessárias: Multímetro Chave de 7/16 2º técnico de serviço Modelo:

Leia mais

Circuitos de Portas Lógicas

Circuitos de Portas Lógicas Circuitos de Portas Lógicas -Há diversas famílias diferentes de portas da lógica. Cada família tem suas potencialidades e limitações, suas vantagens e desvantagens. A seguinte lista descreve as famílias

Leia mais

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170 4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com o conceito de ruído. Será capaz de descrever o efeito do Ruído em um sistema de comunicações digitais.

Leia mais

placa de linha ubr-mc5x20u-d e ubr-mc2x8u que segura recomendações

placa de linha ubr-mc5x20u-d e ubr-mc2x8u que segura recomendações placa de linha ubr-mc5x20u-d e ubr-mc2x8u que segura recomendações Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Produtos Relacionados Convenções Materiais que geram elétricos estáticos

Leia mais

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores Departamento de Física - IE - UFJF As tarefas desta prática têm valor de prova! Leia além deste roteiro também os comentários sobre elaboração de gráficos e principalmente sobre determinação de inclinações

Leia mais

Amplificadores, Falantes, Caixas Acústicas e uma tal de Impedância Parte 1

Amplificadores, Falantes, Caixas Acústicas e uma tal de Impedância Parte 1 Amplificadores, Falantes, Caixas Acústicas e uma tal de Impedância Parte 1 Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Um dos trabalhos do operador de som é tirar o máximo proveito do seu sistema de sonorização,

Leia mais

Conversor de Corrente

Conversor de Corrente Conversor de Corrente Por favor leia atentamente este manual de instruções antes de qualquer utilização Bem-vindo Por favor leia atentamente este manual de instruções antes de proceder a qualquer operação

Leia mais

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Eletrônica de Potência II Capítulo 1 cassiano@ieee.org 1 Componentes semicondutores em Eletrônica de Potência Diodo MOSFET IGBT GTO 2 Introdução Eletrônica de Potência é uma ciência aplicada que aborda

Leia mais

Amplificador de Radiofreqüência

Amplificador de Radiofreqüência Laboratório de Telecomunicações 1 Amplificador de Radiofreqüência Objetivos Comportamentais 1 Identificar um estágio amplificador de radiofreqüência utilizado em um transmissor típico e medir as tensões

Leia mais

Prof. Jener Toscano Lins e Silva

Prof. Jener Toscano Lins e Silva Prof. Jener Toscano Lins e Silva *É de fundamental importância a completa leitura do manual e a obediência às instruções, para evitar possíveis danos ao multímetro, ao equipamento sob teste ou choque elétrico

Leia mais

23. SISTEMAS DE IGNIÇÃO

23. SISTEMAS DE IGNIÇÃO 23. SISTEMAS DE INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 23-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 23-1 DESCRIÇÃO DO SISTEMA 23-4 VELA DE 23-9 TESTE DE FAÍSCA 23-10 PONTO DE 23-11 BOBINA DE 23-12 SISTEMA CDI 23-13 SISTEMA DE TRANSISTORIZADA

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Introdução às pontas de prova do osciloscópio Guia do instrutor

Introdução às pontas de prova do osciloscópio Guia do instrutor Introdução às pontas de prova do osciloscópio Um conjunto de exercícios de laboratório para apresentar a você as pontas de prova do osciloscópio, incluindo considerações importantes para uma boa fidelidade

Leia mais

Força Eletromotriz Induzida

Força Eletromotriz Induzida Força Eletromotriz Induzida 1. (Uerj 2013) Um transformador que fornece energia elétrica a um computador está conectado a uma rede elétrica de tensão eficaz igual a 120 V. A tensão eficaz no enrolamento

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 555 M-1108A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Experiência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório EXPERIÊNCIA 06 CURVAS CARACTERÍSTICAS DE TRANSISTORES E PORTAS LÓGICAS 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas. Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com.

SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas. Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com. SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com.br O que é um nobreak? A principal função do nobreak é fornecer

Leia mais

V (t) = A sen 2π f t + A/3[sen 3 (2π f t)] + A/5[sen 5 ( 2π f t)] + A/7[sen 7 (2π f t)] + A/9[sen 9 (2π f t)]+

V (t) = A sen 2π f t + A/3[sen 3 (2π f t)] + A/5[sen 5 ( 2π f t)] + A/7[sen 7 (2π f t)] + A/9[sen 9 (2π f t)]+ Teoria de Fourier Domínio da Freqüência e Domínio do Tempo A teoria de Fourier estabelece que uma forma de onda periódica pode ser decomposta em harmônicos relacionados; senos ou cossenos em diferentes

Leia mais

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer.

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer. Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 1 Título Prática 9 Aplicações Lineares dos Amplificadores Operacionais 2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores

Leia mais

ESTUDO DOS PRÉ-AMPLIFICADORES

ESTUDO DOS PRÉ-AMPLIFICADORES CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: ELETRÔNICA I PROFESSOR: LADEMIR DE J. S. OLIEIRA ESTUDO DOS PRÉ-AMPLIFICADORES 1. AMPLIFICADORES EM CASCATA Nos amplificadores em cascata o ganho sofre influência

Leia mais

Qual gráfico expressa as intensidades das forças que a Terra exerce sobre cada satélite em função do tempo?

Qual gráfico expressa as intensidades das forças que a Terra exerce sobre cada satélite em função do tempo? 1. (Enem 2013) A Lei da Gravitação Universal, de Isaac Newton, estabelece a intensidade da força de atração entre duas massas. Ela é representada pela expressão: F G mm d 1 2 2 onde m1 e m2 correspondem

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 5: APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM COLEGIADO DE ENGENHARIA

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM SERVO-MECANISMO. Manual de Experiências ED-4400B

SISTEMA DE TREINAMENTO EM SERVO-MECANISMO. Manual de Experiências ED-4400B SISTEMA DE TREINAMENTO EM SERVO-MECANISMO Manual de Experiências ED-4400B ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 02 II. EQUIPAMENTOS AUXILIARES NECESSÁRIOS... 02 III. INFORMAÇÕES GERAIS PARA O USO DO ED-4400B... 02 IV.

Leia mais

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico Amplificador Operacional Básico Eng.: Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos www.bairrospd.kit.net Este artigo descreve como identificar o amplificador operacional, mostra

Leia mais

Manual de Operação. Balança UR10000 LIGHT 300/100

Manual de Operação. Balança UR10000 LIGHT 300/100 Manual de Operação Balança UR10000 LIGHT 300/100 1 - INTRODUÇÃO Este equipamento foi projetado para atender aos mais rigorosos requisitos de precisão em pesagem, possuindo componentes de altíssima qualidade,

Leia mais

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B Hamtronix CRD200 - Manual de Instalação e Operação Software V 2.0 Hardware Revisão B INTRODUÇÃO Índice...01 Suporte On-line...01 Termo de Garantia...01 Em Caso de Problemas (RESET)...01 Descrição do Produto...02

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A4 (1A) FONTE CHAVEADA PAINEL SOLAR Uma aplicação possível

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais Universidade Federal de Lavras Departamento de Ciência da Computação COM145 Eletrônica Básica Amplificadores Operacionais Prof. João C. Giacomin DCC-UFLA 1 Amplificadores Operacionais Este texto foi escrito

Leia mais

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I AULA PRÁTICA MODULAÇÃO POR AMPLITUDE DE PULSOS 1. Introdução Como o sinal

Leia mais

Conceitos Fundamentais de Eletrônica

Conceitos Fundamentais de Eletrônica Conceitos Fundamentais de Eletrônica A eletrônica está fundamentada sobre os conceitos de tensão, corrente e resistência. Podemos entender como tensão a energia potencial armazenada em uma pilha ou bateria

Leia mais

TUTORIAL FONTE LINEAR

TUTORIAL FONTE LINEAR TUTORIAL FONTE LINEAR Agradecemos a oportunidade de aprendizagem prática: Agradecimentos Programa de Educação Tutorial (PET) do MEC/SESu pelo suporte para o desenvolvimento deste tutorial. Francisco José

Leia mais

110228-002. MICROFLASH 2Te. Guia do usuário

110228-002. MICROFLASH 2Te. Guia do usuário 110228-002 Guia do usuário Impressora microflash 2te: visão superior... 1 Utilização da bateria: orientações gerais... 2 Carregamento da bateria... 2 Determinação da condição da bateria... 2 Instalação

Leia mais