O marketing olfativo no varejo!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O marketing olfativo no varejo!"

Transcrição

1 O marketing olfativo no varejo! Regina Devecchi Perfumista

2 O Marketing Olfativo no varejo. Os departamentos de marketing das empresas buscam a cada dia novas maneiras de atrair seus clientes e torná-los fieis, sejam de forma consciente ou inconsciente. Entre as inovações do marketing, destaca-se o Marketing Olfativo derivado do marketing experimental, que explora as experiências dos consumidores através da criação de estímulos e sentimentos. O Marketing Olfativo hoje em dia já está sendo razoavelmente utilizado, na forma de aromatização de ambientes através da pulverização de fragrância na atmosfera do varejo, seja através do sistema de ar condicionado central ou através de equipamentos específicos que dosam a fragrância em um intervalo de tempo determinado pelo varejista. Além do apelo visual proporcionado pelas vitrines e promoções, as lojas vêm buscando explorar cada vez mais outros estímulos e, assim buscando se diferenciarem e se destacarem da sua concorrência. O Marketing Olfativo apresenta esse diferencial, pois sendo utilizada na aromatização de ambientes sempre a mesma fragrância, a memória olfativa do cliente será estimulada de forma que ao sentir novamente aquele odor, automaticamente se lembrará daquela empresa, mesmo sem ter o contato visual com a sua logomarca, assim nascendo seu logotipo olfativo. A empresa deve conhecer profundamente seus consumidores para poder criar, juntamente a casa de fragrâncias, uma essência que além de ressaltar a sua identidade e acordar com seus valores, agrade seus consumidores de interesse. O objetivo da fragrância é produzir um ambiente agradável e aconchegante, onde o consumidor sinta vontade de permanecer por mais tempo, assim aumentando a probabilidade de uma compra por impulso. Marketing tradicional Vs. marketing experimental Segundo Schimitt (2002), o Marketing Tradicional possui várias definições, sendo a mais simples delas descrita como uma visão matemática, racional e analítica dos consumidores, dos produtos e da concorrência, é uma teoria que não é baseada no

3 comportamento psicológico dos consumidores e apresenta quatro características básicas. A primeira das características descritas pelo autor diz que o marketing tradicional foca na soma das características e benefícios de um produto, isto é, supõe que os consumidores somente avaliam racionalmente os produtos para adquiri-los e o que oferecer o maior valor agregado seria o escolhido para compra. A segunda característica é a visão sobre a concorrência, que segundo os tradicionalistas ocorre principalmente entre segmentos de produtos definidos de forma restrita. A terceira característica vem corroborar com a primeira que visualiza os consumidores como tomadores de decisões racionais que seguem exatamente as etapas descritas na teoria como reconhecimento da necessidade do produto, busca de informação, avaliação das alternativas, compra e consumo e se o consumidor se sentir satisfeito compraria novamente aquele produto. A quarta e última característica afirma que os métodos e ferramentas utilizadas no marketing tradicional são analíticos, quantitativos e verbais, novamente insistindo que os métodos são focados também somente nas características e benefícios dos produtos. Outro detalhe importante ainda se tratando do marketing tradicional é que a maioria dos teóricos considera que as marcas são somente identificadores e nada mais (Schimitt, 2002). O Marketing Experimental, como o próprio nome diz explora as experiências dos consumidores, essas vivências são estímulos criados para os sentidos, sentimentos e para a mente e, segundo Schimitt (2002), também apresenta quatro características básicas que o diferencia do marketing tradicional. A primeira característica diz que o marketing experimental foca nas experiências dos consumidores, onde as experiências geram emoções, sensações, identificações e valores cognitivos que vem substituir os valores funcionais tão valorizados pelos tradicionalistas. A segunda característica relata o consumo como uma experiência holística, isto é, os profissionais de marketing experimental enxergam o consumo em sua totalidade, criando sinergias, além disso, vislumbram que o consumidor não avalia um produto como um item isolado somente focado em seus benefícios e características, mas sim como ele se encaixa na situação geral de consumo e nas experiências resultantes. A terceira relata que os profissionais do marketing experimental não consideram os consumidores somente como seres racionais como os tradicionalistas, eles também os tratam como seres emocionais. Finalmente a quarta característica é que os métodos e ferramentas utilizadas no

4 marketing experimental são diversificados e multifacetadas isto é, são ecléticas. Com relação às marcas, o marketing experimental enfoca que não basta somente criar uma identidade, deve haver entre a marca e o consumidor relações sensoriais, afetivas, criativas e estilos de vida relacionados com a marca (Schimitt, 2002). É importante destacar que a satisfação não está ligada apenas à aquisição do produto ou serviço, visando somente às necessidades, é preciso ir além e realizar os desejos, vender sensações e não apenas qualidades funcionais do produto (Silva, 2009, p. 1). Comparando as informações citadas acima se pode concluir que a diferença entre o marketing tradicional e o marketing experimental é que o primeiro foca exclusivamente nas características e benefícios do produto, enquanto o segundo está focado nas experiências sensitivas, afetivas e de conhecimentos, como demonstrado na Figura 1. Marketing Tradicional Características e benefícios. em oposição ao Marketing Experimental Experiências afetivas, sensitivas e de conhecimento. Ações e identificações. Figura 1. A essência dos dois paradigmas de marketing. Adaptado de Schimitt, 2002, p. 47. Dentro do marketing experimental, tem-se o marketing sensorial, que faz apelo aos cinco sentidos, audição, visão, paladar, tato e olfato, podem ser usados para três objetivos estratégicos: para diferenciar a si mesma e a seus produtos no mercado, para motivar os clientes a comprar os seus produtos e para transmitir valores aos clientes (Schimitt, 2002). Segundo Silva (2009), o marketing sensorial são ações publicitárias criadas com o intuito de criar vínculos entre o produto e o serviço relacionado ao

5 consumidor, ou seja, proporcionar ao cliente uma diferenciação na prestação de serviços, o que é capaz de remeter ao cliente uma percepção de valor único, sendo assim quando o elemento torna-se reconhecido na lembrança do consumidor é sinal que o investimento foi positivo. O que os clientes vêem, escutam e cheiram, afeta não apenas sua maneira de agir, como também suas emoções, sua memória e sua conexão com a marca ao longo do tempo (Mckinley, 2008, p. 15). O marketing olfativo é o marketing sensorial que utiliza os estímulos olfativos para reforçar a lembrança da marca nos consumidores através da aromatização de ambientes (Souza, 2007). Sendo assim, ao aromatizar um ambiente em uma loja através da pulverização de fragrância, seja através do ar condicionado ou através de equipamentos específicos, a empresa se diferencia das outras e conseqüentemente agrega a sua logomarca visual um logotipo olfativo. Lindstrom (2007) cita em sua obra dois exemplos que relatam a eficiência do marketing olfativo, a primeira delas diz que dois pares de tênis idênticos de uma determinada marca foram colocados em duas salas também idênticas, mas separadas, sendo que uma das salas foi aromatizada com uma fragrância floral e a outra não. Uma pesquisa constatou que 84% dos consumidores pesquisados preferiram os tênis expostos na sala com fragrância, além de darem um valor maior também aos pares localizados na sala aromatizada. A segunda experiência relatada foi realizada em um Cassino em Las Vegas, onde uma área foi separada e aromatizada com uma fragrância não relatada e nas semanas seguintes a renda das máquinas localizadas nas áreas sem aromatização foi comparada com as rendas das máquinas localizadas na área aromatizada e foi constatados lucros 45% maiores nas áreas aromatizadas. Hawkins, Mothersbaugh e Best (2007) também relatam uma experiência positiva da utilização do marketing olfativo, o estudo descrito mostrou que um ambiente aromatizado aumenta a atenção dispensada do consumidor na avaliação das marcas, o que conseqüentemente aumenta a memorização, inclusive de marcas desconhecidas. Tomazelli, Ugalde (2009) mencionaram uma experiência realizada no Brasil em 2004 pelo Point of Purchase Advertising

6 International que indica que a utilização da aromatização de ambientes no ponto de venda pode elevar em pelo menos 20% o faturamento do varejo. Por outro lado, uma pesquisa realizada por Gonzalez (2007) mostrou que para a terceira idade o atributo aromatização de ambientes, não foi considerado como relevante em uma loja, isto se explica devido aos idosos normalmente apresentarem uma capacidade olfativa prejudicada (Andrade, Devecchi, 2008). A importância do olfato O olfato é um estímulo sensorial extremamente bem definido, que tem a capacidade de separar precisamente estruturas moleculares. Além disso, o estímulo olfativo é muito mais simples do que o estímulo visual, que consiste de contornos, texturas, formas e movimentos extremamente complexos (Axel, 2005). Os seres humanos possuem entre 6 a 10 milhões de células receptoras que estão localizadas no epitélio olfativo, sendo essas células capazes de capturar cerca de odores e distinguir entre 2000 e 4000 aromas distintos (Kny, 2006). Ainda segundo Kny (2006), estudos mostram que as mensagens olfativas fogem do controle racional, pois sugerem que os receptores olfativos são uma parte do aparelho emotivo em contato direto com o mundo exterior, pois não passam nem pelo tálamo e nem pelo córtex cerebral como ocorre com os estímulos visuais e auditivos. Acredita-se que as respostas aos estímulos olfativos são automáticas e não complexas, porque o cheiro percorre apenas uma pequena distância do nariz até o sistema límbico do cérebro, logo os odores requerem pouco ou nenhum esforço cognitivo para serem assimilados, podendo ocorrer até mesmo inconscientemente, diferente dos outros sentidos. O sistema olfativo é capaz de identificar uma lista infinita de odores que nos rodeiam diariamente, estes trazem a mente imagens, lembranças, sensações e associações, portanto podem alterar o humor das pessoas. Experimentos demonstraram 40% de melhora no humor das pessoas quando expostas a um odor agradável, principalmente quando o mesmo desperta uma lembrança feliz (Lindstrom, 2007). As

7 fortes associações evocadas pelo odor ajudam os profissionais de marketing a gerar uma percepção ou um sentimento desejado ao intensificarem ou criarem uma identidade (Schmitt; Simonson, 2002). A fragrância Fragrância é definida como uma combinação entre 20 a 500 substâncias odoríferas naturais e sintéticas, em uma estrutura de acordes harmônicos e com uma identidade e é formulada de acordo com as normas de segurança do manual da IFRA (International Fragrance Association), divulgado e preconizado no Brasil pela ABIFRA (Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Essenciais, produtos Químicos Aromáticos, fragrâncias, aromas e afins). Em relação às restrições de uso, as normas da IFRA baseiam-se em avaliações de segurança feitas pelo painel de experts do RIFM (Research Institute for Fragrance) e são recomendadas pelo comitê científico da IFRA (Andrade, Devecchi, 2008). Uma fragrância se compõe de três partes cabeça, corpo e fundo. A cabeça é a primeira impressão que se tem da fragrância, são as matérias-primas mais voláteis. Por outro lado, o chamado corpo, que é também conhecido como o coração da fragrância, são matérias-primas menos voláteis que constituem o tema principal da fragrância e determinam seu caráter. E finalmente o fundo que é a parte final da fragrância, composta de matérias-primas menos voláteis e de maior fixação. As notas de fundo aparecem depois que as notas de cabeça já se evaporaram e as notas de corpo já não estão quase presentes (Andrade, Devecchi, 2008). A Atmosfera do varejo A atmosfera de um varejo é considerada como um conjunto de recursos que abrangem desde a apresentação externa da loja, layout, forma de exposição dos produtos, até seus preços e pessoal de atendimento, isto é, um conjunto de todos os elementos que podem ser controlados com o objetivo de influenciar as reações afetivas,

8 comportamentais, cognitivas e físicas dos indivíduos, sendo descrita em termos sensoriais através dos cinco sentidos humanos (Parente, 2007; Kny, 2006; Hawkins, Mothersbaugh, Best, 2007). Segundo Espinoza e Zilles (2007) são três as dimensões da atmosfera de varejo que exercem influência sobre os consumidores, sendo a primeira a dimensão social que se refere às pessoas que compõem a atmosfera, a dimensão design, que abrange características especialmente visuais e a dimensão ambiente que designa as condições que afetam os cinco sentidos humanos. Os varejistas entendem que a atmosfera é a personalidade da loja e tanto já reconhecem sua importância que cada dia mais despendem energia e recursos para planejar e construir espaços físicos coerentes com o seu consumidor, desenvolvendo assim um sentimento psicológico no mesmo quando ele visita a loja. (Espinoza e Zilles, 2007; Parente, 2007). O varejista utiliza-se do ponto de venda para firmar seu posicionamento e comunicar seus propósitos aos seus consumidores (Bitner, 1992 apud Costa, Queiroz, 2009). Como citado por Kny (2006), o varejista deve somente tomar cuidado, pois existe uma distinção entre a atmosfera pretendida e atmosfera percebida. A atmosfera pretendida engloba todos os elementos sensoriais que o varejista buscou embutir no cenário, enquanto a atmosfera percebida depende da percepção e resposta de cada indivíduo exposto aos estímulos proporcionados pela atmosfera. Confirmando as teorias apresentadas por Kny (2006) e também Espinoza e Zilles (2007), dizendo que a atmosfera da loja evoca emoções, as quais ajudam a determinar o valor percebido pelo cliente e este, por sua vez, será motivador da decisão de retornar ou não a um estabelecimento.

9 Nosso sucesso depende do sucesso de nossos clientes Conte conosco! (11)

Marketing Olfativo. Aromatizadores

Marketing Olfativo. Aromatizadores & Aromatizadores Cenário Marketing Olfativo O efeito sobre o estado de espírito do consumidor é o único território que resta para prover benefícios novos e atraentes. Fonte - Melinda Davis A Nova Cultura

Leia mais

Marketing Sensorial e eficiência no resultado: Um estudo em dois fast foods

Marketing Sensorial e eficiência no resultado: Um estudo em dois fast foods CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - Ciências Sociais Marketing Sensorial e eficiência no resultado: Um estudo em dois fast foods Rafael Constantino Rafael José Silva Orientador: Msc. João Angelo Segantin Colaborador:

Leia mais

DATA: 07/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO CLIENTE PALESTRANTE: FREDERICO GORGULHO

DATA: 07/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO CLIENTE PALESTRANTE: FREDERICO GORGULHO DATA: 07/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO CLIENTE PALESTRANTE: FREDERICO GORGULHO Acompanhamento, Avaliação e Feedback A motivação é um dos pilares para o progresso pessoal

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

TÍTULO: MARKETING SENSORIAL: UM ESTUDO NO COMÉRCIO VAREJISTA COM PREDOMINÂNCIA EM ALIMENTOS

TÍTULO: MARKETING SENSORIAL: UM ESTUDO NO COMÉRCIO VAREJISTA COM PREDOMINÂNCIA EM ALIMENTOS TÍTULO: MARKETING SENSORIAL: UM ESTUDO NO COMÉRCIO VAREJISTA COM PREDOMINÂNCIA EM ALIMENTOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

O QUE PROCURA O CONSUMIDOR DO SEC. XXI?

O QUE PROCURA O CONSUMIDOR DO SEC. XXI? O QUE PROCURA O CONSUMIDOR DO SEC. XXI? DIVERTIMENTO FANTASIA NOVAS EXPERIÊNCIAS SENSAÇÕES SÉC. XXI: UM NOVO PARADIGMA DE MARKETING MARKETING TRANSACCIONAL Estratégias Transaccionais + MARKETING RELACIONAL

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Marcas, Emoções e Sentidos. Insights sobre o poder da razão, emoção e sentidos na construção e marketing de marcas de sucesso

Marcas, Emoções e Sentidos. Insights sobre o poder da razão, emoção e sentidos na construção e marketing de marcas de sucesso Marcas, Emoções e Sentidos Insights sobre o poder da razão, emoção e sentidos na construção e marketing de marcas de sucesso Agenda Os 5 sentidos e como se relacionam com as marcas Emoção e como retemos

Leia mais

INFLUÊNCIA DO MERCHANDISING NO COMPORTAMENTO DE COMPRA

INFLUÊNCIA DO MERCHANDISING NO COMPORTAMENTO DE COMPRA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO MERCHANDISING NO COMPORTAMENTO DE COMPRA Swellen Antunes Moreira Resumo: As organizações que atuam

Leia mais

Embalagem do Aromatizador do TJ Criança Abriga

Embalagem do Aromatizador do TJ Criança Abriga Embalagem do Aromatizador do TJ Criança Abriga Raquel do Nascimento DIAS 1 Thais Cristina ROZA 2 Virgínia Felipe MANOEL 3 Lamounier Lucas JÚNIOR 4 Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG

Leia mais

Marketing Sensorial. Objetivo. Tópicos. 1. I ntrodução 2. A plicação P rática. Ensino I nterativo Universidade Anhembi Morumbi

Marketing Sensorial. Objetivo. Tópicos. 1. I ntrodução 2. A plicação P rática. Ensino I nterativo Universidade Anhembi Morumbi Ensino I nterativo Universidade Anhembi Morumbi Marketing Sensorial Objetivo Definir pelos sentidos e pelo mercado o que significa marketing sensorial Tópicos 1. I ntrodução 2. A plicação P rática 1. Introdução

Leia mais

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Pesquisa Risqué Clássicos Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Grupos focais são comumente utilizados em pesquisas de marketing para determinar

Leia mais

IMPACTOS DAS AÇÕES DE MERCHANDISING NA TOMADA DE DECISÃO NO PONTO DE VENDA

IMPACTOS DAS AÇÕES DE MERCHANDISING NA TOMADA DE DECISÃO NO PONTO DE VENDA IMPACTOS DAS AÇÕES DE MERCHANDISING NA TOMADA DE DECISÃO NO PONTO DE VENDA Philippe Oliveira Abouid 1 Marcos Eugênio Vale Leão 2 RESUMO: Este artigo propõe avaliar o processo de decisão de compra do consumidor

Leia mais

RAQUEL QUINDERÉ CARNEIRO. Graduanda do curso de Estilismo e Moda da Universidade Federal do Ceará. MSc CYNTIA TAVARES MARQUES DE QUEIROZ

RAQUEL QUINDERÉ CARNEIRO. Graduanda do curso de Estilismo e Moda da Universidade Federal do Ceará. MSc CYNTIA TAVARES MARQUES DE QUEIROZ RAQUEL QUINDERÉ CARNEIRO Graduanda do curso de Estilismo e Moda da Universidade Federal do Ceará MSc CYNTIA TAVARES MARQUES DE QUEIROZ Mestre em Marketing e Design, Bacharel em Estilismo e Moda e Comunicação

Leia mais

A INTERATIVIDADE: ALGO MAIS NA SEDUÇÃO PUBLICITÁRIA

A INTERATIVIDADE: ALGO MAIS NA SEDUÇÃO PUBLICITÁRIA A INTERATIVIDADE: ALGO MAIS NA SEDUÇÃO PUBLICITÁRIA Vera Maria Ramos Pinto (PG - UEL / GP Leitura e Ensino- CLCA- UENP/CJ) Anúncios interativos são aqueles criados com a finalidade de levar o leitor a

Leia mais

MODA E MÚSICA: A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

MODA E MÚSICA: A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR MODA E MÚSICA: A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR MESSIAS, Caroline Marins 1 VILAS BOAS, Daiana 2 SALTORATO, Juliana Gomes 3 RESUMO: Este trabalho apresenta uma análise baseada em estudos

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DO MUNDO PSIQUICO DO ADULTO COM O TEST A HISTORIA DOS 3 SIMBOLOS

INTERPRETAÇÃO DO MUNDO PSIQUICO DO ADULTO COM O TEST A HISTORIA DOS 3 SIMBOLOS FAUSTO PRESUTTI INTERPRETAÇÃO DO MUNDO PSIQUICO DO ADULTO COM O TEST A HISTORIA DOS 3 SIMBOLOS Estão reservados todos os direitos de tradução, reprodução, adaptação, em todo ou em parte, com qualquer meio

Leia mais

PSICOLOGIA Prof. Thiago P. de A Sampaio

PSICOLOGIA Prof. Thiago P. de A Sampaio PSICOLOGIA Prof. Thiago P. de A Sampaio Percepção Sensação Visão, Audição, Tato, Olfato e Paladar Captação de estímulos pelos sentidos Sinais eletroquímicos Condução dos sinais até o córtex sensorial Impulsos

Leia mais

As informações provenientes do meio são chamadas de estímulos sensoriais. Os receptores sensoriais transmitem os estímulos ao encéfalo através de

As informações provenientes do meio são chamadas de estímulos sensoriais. Os receptores sensoriais transmitem os estímulos ao encéfalo através de 1 As informações provenientes do meio são chamadas de estímulos sensoriais. Os receptores sensoriais transmitem os estímulos ao encéfalo através de impulso nervoso. 2 As informações acerca do ambiente,

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

COMO O ADMINISTRADOR DE EMPRESAS FAMILIARES PODE CONSEGUIR A FIDELIZAÇÃO DE SEUS CLIENTES

COMO O ADMINISTRADOR DE EMPRESAS FAMILIARES PODE CONSEGUIR A FIDELIZAÇÃO DE SEUS CLIENTES COMO O ADMINISTRADOR DE EMPRESAS FAMILIARES PODE CONSEGUIR A FIDELIZAÇÃO DE SEUS CLIENTES Adm. Sandra Regina da Luz Inácio, PhD E o que é NeuroEconomia? O objetivo é atingir nosso Cérebro, a maioria das

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

Aprendizagem. Liliam Maria da Silva

Aprendizagem. Liliam Maria da Silva Liliam Maria da Silva O Consumidor como um ser aprendiz A aprendizagem é um processo de adaptação permanente do indivíduo ao seu meio ambiente, onde acontece uma modificação relativamente durável do comportamento

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

CONHECER-SE A SI MESMO E AOS OUTROS

CONHECER-SE A SI MESMO E AOS OUTROS CONHECER-SE A SI MESMO E AOS OUTROS CANAIS DA COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Neste artigo serão abordados os canais da comunicação, pelos quais a individualidade e os respectivos comportamentos de alguém, podem

Leia mais

Como as marcas ajudam a vender! COMO AS MARCAS AJUDAM SUA EMPRESA A VENDER MAIS!

Como as marcas ajudam a vender! COMO AS MARCAS AJUDAM SUA EMPRESA A VENDER MAIS! COMO AS MARCAS AJUDAM SUA EMPRESA A VENDER MAIS! Guilherme Sebastiany Ÿ É professor de Branding no MASTER _ MARKETING _ BSP Ÿ É professor de Branding no MBA _ Hotelaria de luxo _ URM Ÿ É professor no MBA

Leia mais

Os Cinco Sentidos no Marketing: A Importância dos Estímulos Multissensoriais para Despertar a Emoção e Gerar Inclusão Social. 1

Os Cinco Sentidos no Marketing: A Importância dos Estímulos Multissensoriais para Despertar a Emoção e Gerar Inclusão Social. 1 Os Cinco Sentidos no Marketing: A Importância dos Estímulos Multissensoriais para Despertar a Emoção e Gerar Inclusão Social. 1 RESUMO Rafael Morais de OLIVEIRA 2 Nívea Pimenta BRAGA 3 Centro Universitário.

Leia mais

O Sistema de Oferta de Restaurantes de Alta Gastronomia: Uma Perspectiva Sensorial das Experiências de Consumo

O Sistema de Oferta de Restaurantes de Alta Gastronomia: Uma Perspectiva Sensorial das Experiências de Consumo O Sistema de Oferta de Restaurantes de Alta Gastronomia: Uma Perspectiva Sensorial das Experiências de Consumo Autoria: Anne Karmen Gomes Teixeira, Maria de Lourdes de Azevedo Barbosa Resumo Este estudo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

Alan Kay: For users, the user interface is the program

Alan Kay: For users, the user interface is the program O que é Interface Interface Ambiente onde se dá a comunicação com os usuários do sistema. A introdução de uma ferramenta de informática interativa em um ambiente de trabalho, modifica a realização da tarefa

Leia mais

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Ciências AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. REGINALDO STOIANOV Licenciatura Plena em Biologia,

Leia mais

O maior desafio da comunicação visual é fazer o olho do consumidor parar nos produtos com maior valor agregado

O maior desafio da comunicação visual é fazer o olho do consumidor parar nos produtos com maior valor agregado O maior desafio da comunicação visual é fazer o olho do consumidor parar nos produtos com maior valor agregado Todo estabelecimento comercial deve chamar a atenção do consumidor e despertar nele o interesse

Leia mais

Capitulo VI. 6.1 Intervenção Precoce. 6.1.1 - Da teoria à prática

Capitulo VI. 6.1 Intervenção Precoce. 6.1.1 - Da teoria à prática Capitulo VI 6.1 Intervenção Precoce 6.1.1 - Da teoria à prática Análogo ao que vem deliberado no despacho conjunto n.º 891/99, a intervenção precoce é uma medida de apoio integrado, centrado na criança

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços.

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Verônica Feder Mayer, D.Sc. A estratégia de preços é um assunto de grande relevância para os gestores, afinal o preço é

Leia mais

COMO UMA MARCA FORTE AJUDA SUA EMPRESA A VENDER MAIS

COMO UMA MARCA FORTE AJUDA SUA EMPRESA A VENDER MAIS COMO UMA MARCA FORTE AJUDA SUA EMPRESA A VENDER MAIS SUMÁRIO >> O que é branding? 3 >> A experiência do cliente com sua marca no processo de vendas 7 >> Tenha um design agradável que reflita a personalidade

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

O grupo foi formado por todos os alunos da Turma-19 - de Marketing de Serviços.

O grupo foi formado por todos os alunos da Turma-19 - de Marketing de Serviços. Honorato Fonseca Atividade 12 Comportamento do Consumidor de Serviços Caros Alunos, As atividades das Semanas 12 e 13 serão realizadas em grupo. O grupo pode ser composto por todos os alunos. O objetivo

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Design Estratégico Vamos ver neste final de semana... Criatividade e inovação, design e sociedade contemporânea.

Leia mais

A influência das cores e da tradição das marcas de refrigerantes de cola na decisão de compra do consumidor

A influência das cores e da tradição das marcas de refrigerantes de cola na decisão de compra do consumidor VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 A influência das cores e da tradição das marcas de refrigerantes de cola

Leia mais

Centro Universitário de Brasília - UniCEUB Faculdade de Tecnologia e Ciências Aplicadas - FATECS

Centro Universitário de Brasília - UniCEUB Faculdade de Tecnologia e Ciências Aplicadas - FATECS Centro Universitário de Brasília - UniCEUB Faculdade de Tecnologia e Ciências Aplicadas - FATECS Como o marketing sensorial pode influenciar o consumidor no processo de decisão de compra no varejo de roupas.

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

Capital da Marca Centrado no Cliente

Capital da Marca Centrado no Cliente Capital da Marca Centrado no Cliente BLOCO 2 Gestão Estratégica da Marca Parte 2 Capital da Marca Centrado no Cliente Profª. Margarida Duarte MBA 2007-8 1 Capital da Marca Centrado no Cliente (CMCC) Modelo

Leia mais

tatimedina@sercomtel.com.br

tatimedina@sercomtel.com.br O CONSUMIDOR E A LOJA Uma investigação das estratégias de visual merchandising e Administração do Layout no ponto-de-venda, fundamentadas no comportamento do consumidor Tatiana Lopes Medina Arquiteta e

Leia mais

MERCHANDISING NO PDV: AGREGANDO VALOR AO PLANO DE COMUNICAÇÃO 1

MERCHANDISING NO PDV: AGREGANDO VALOR AO PLANO DE COMUNICAÇÃO 1 1 MERCHANDISING NO PDV: AGREGANDO VALOR AO PLANO DE COMUNICAÇÃO 1 Rafael Vinícius Back RESUMO Esse artigo consiste em demonstrar brevemente o papel do Merchandising no composto da comunicação e sua importância

Leia mais

O EFEITO DA MÚSICA NAS INTENÇÕES DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

O EFEITO DA MÚSICA NAS INTENÇÕES DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS Márcia Maurer Herter O EFEITO DA MÚSICA NAS INTENÇÕES DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR PORTO ALEGRE

Leia mais

Imagem da Marca. Notoriedade da Marca. Capital da Marca Centrado no Cliente

Imagem da Marca. Notoriedade da Marca. Capital da Marca Centrado no Cliente Capital da Marca Centrado no Cliente BLOCO 2 Gestão de Marcas Parte 2 Capital da Marca Centrado no Cliente Profª. Margarida Duarte 2007-2008 ISEG Capital da Marca Centrado no Cliente (CMCC) Modelo Proposto

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

4 O Programa de Design Integrado do Ponto de Venda (PDV)

4 O Programa de Design Integrado do Ponto de Venda (PDV) 111 4 O Programa de Design Integrado do Ponto de Venda (PDV) Dentre os projetos de design que participam do programa do PDV de marcas de moda estão os projetos de: produto e moda, merchandising visual,

Leia mais

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO Fany Patrícia Fabiano Peixoto Orientadora: Eugenia Cordeiro Curvêlo RESUMO O termo psicossomática esclarece a organização

Leia mais

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010 Regional Julho de 2010 Pesquisa de Avaliação Campanha Brasil 2010 - Regional No período entre 28 de junho e 02 de julho de 2010 foram realizados os Grupos Focais

Leia mais

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta Design Web - Percepção Elisa Maria Pivetta GESTALT Percepção Visual Elisa Maria Pivetta Percepção visual No sentido da psicologia e das ciências cognitivas é uma de várias formas de percepção associadas

Leia mais

Curso Olfação Nível I

Curso Olfação Nível I Curso Olfação Nível I + Alexandre Schmitt Formação prática em substâncias odoríferas 29 de fevereiro + 1 de março. 2012 9:00-13:00 + 14:00-18:00 Uma Experiência Profissional Imperdível Apresentação Nível

Leia mais

uma das nossas atitudes será tido como não atrativo e estimulará emoções como a aversão.

uma das nossas atitudes será tido como não atrativo e estimulará emoções como a aversão. 28 3 Design e emoção Segundo Norman (2004), as emoções são valiosas para a vida cotidiana de todos os seres humanos. A utilidade e a usabilidade também o são, mas sem a diversão, o prazer, o orgulho e

Leia mais

MERCHANDISING - DIFERENCIAL COMPETITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS

MERCHANDISING - DIFERENCIAL COMPETITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS MERCHANDISING - DIFERENCIAL COMPETITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS Luiza dos Santos Oliveira - luilu_santos@hotmail.com Tatiane Giacomini dos Santos - tati.giacomini@hotmail.com RESUMO O ponto de venda

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO A importância da comunicação na negociação Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto TUTOR: EDUARDO VIEIRA 13/05/2013 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

CALÍCIA MATOS FARIA SE FOR IMPRESSO, É TÁTIL

CALÍCIA MATOS FARIA SE FOR IMPRESSO, É TÁTIL CALÍCIA MATOS FARIA SE FOR IMPRESSO, É TÁTIL 1 Resumo O artigo aborda o processo de aprendizagem no ensino de artes gráficas e relaciona os recursos didáticos práticos com a metodologia utilizada, este

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Maio de 2010

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Maio de 2010 Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Maio de 2010 Emoção: a outra inteligência Muitos estudiosos discutem a relação entre pensamento e emoções. Algumas definições segundo o artigo de Grewal e

Leia mais

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto. Laboratório de Psicologia Experimental

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto. Laboratório de Psicologia Experimental Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto Laboratório de Psicologia Experimental O primeiro Laboratório de Psicologia Experimental foi fundado por Wundt, em Leipzig, na Alemanha,

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Módulo 6. O Produto. 6.1. Conceito de produto

Módulo 6. O Produto. 6.1. Conceito de produto Módulo 6. O Produto Para os consumidores a existência de uma multiplicidade de produtos expostos no mercado, cheio de características e adicionais, é de encher os olhos. A livre concorrência possibilita

Leia mais

Venda mais com Visual Merchandising

Venda mais com Visual Merchandising Venda mais com Visual Merchandising Gerente da Pós Graduação, Coordenadora do Studio Grid e Professora na Belas Artes Gestora Executiva do Portal InfoBranding e colunista no Portal O Negocio do Varejo.

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DIFERENCIAÇÃO APLICADA AO PONTO DE VENDA E SEU IMPACTO NA PERCEPÇÃO DA MARCA: ESTUDO DE CASO DE UM GRUPO DE MODA DO PARANÁ

ESTRATÉGIA DE DIFERENCIAÇÃO APLICADA AO PONTO DE VENDA E SEU IMPACTO NA PERCEPÇÃO DA MARCA: ESTUDO DE CASO DE UM GRUPO DE MODA DO PARANÁ ESTRATÉGIA DE DIFERENCIAÇÃO APLICADA AO PONTO DE VENDA E SEU IMPACTO NA PERCEPÇÃO DA MARCA: ESTUDO DE CASO DE UM GRUPO DE MODA DO PARANÁ DIFFERENTIATION STRATEGY APPLIED TO THE POINT OF SALE AND ITS IMPACT

Leia mais

Análise sensorial: ferramenta para avaliação da qualidade da carne. Renata Tieko Nassu Pesquisadora Embrapa Pecuária Sudeste

Análise sensorial: ferramenta para avaliação da qualidade da carne. Renata Tieko Nassu Pesquisadora Embrapa Pecuária Sudeste Análise sensorial: ferramenta para avaliação da qualidade da carne Renata Tieko Nassu Pesquisadora Embrapa Pecuária Sudeste A análise sensorial é uma importante ferramenta para avaliação da qualidade da

Leia mais

Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Por DOMENICO LEPORE

Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Por DOMENICO LEPORE Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Por DOMENICO LEPORE Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Mudança é a parte mais constante de nossa existência: nosso pâncreas substitui a maioria

Leia mais

Mercadologia capítulo IV

Mercadologia capítulo IV Mercadologia capítulo IV Por quanto vender? Muitas empresas, especialmente as varejistas, adotam a estratégia de redução de preços para aumentar suas vendas e não perder mercado para a concorrência. Mas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES CURSO PROFISSIONAL de Técnico de Comunicação Marketing, Relações Públicas e Publicidade DISCIPLINA: Comunicação Publicitária e Criatividade ANO: 11º Turma:

Leia mais

Curso Olfação Nível I

Curso Olfação Nível I Curso Olfação Nível I + Formação prática em substâncias odoríferas 24 + 25 de fevereiro. 2014 9:30-12:30 + 14:00-17:00 Experiência Sensorial Imperdível Apresentação Nível I Curso de formação composto por

Leia mais

ESTRATÉGIA DE VISUAL MERCHANDISING PARA UMA BUTIQUE DE MODA FEMININA

ESTRATÉGIA DE VISUAL MERCHANDISING PARA UMA BUTIQUE DE MODA FEMININA ESTRATÉGIA DE VISUAL MERCHANDISING PARA UMA BUTIQUE DE MODA FEMININA VISUAL MERCHANDISING ESTRATEGY IN A FEMININE FASHION SHOP CARLA HIDALGO CAPELASSI 1 RESUMO O principal objetivo deste artigo é descrever

Leia mais

Objetivos da comunicação

Objetivos da comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi Use palavras simples, que todos compreendam, assim todos irão entendê-lo. (Prof. Edmundo W. Lobassi) 1 Estude algumas pesquisas e ouça pessoas experts, pois nada é mais importante

Leia mais

Técnicas de Exposição de Produtos CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar O produto deve atrair, seduzir, mexer com os sentidos

Leia mais

Marketing Sensorial. Mkt e planejamento GD 2012 Florianópolis Rosane Martins

Marketing Sensorial. Mkt e planejamento GD 2012 Florianópolis Rosane Martins Marketing Sensorial Mkt e planejamento GD 2012 Florianópolis Rosane Martins Design e marketing implicam: Qualidade do produto Valor percebido Imagem da empresa Depois do império das marcas é a vez da arquitetura

Leia mais

MERCHANDISING - DIFERENCIAL COMPETITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS RESUMO

MERCHANDISING - DIFERENCIAL COMPETITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS RESUMO MERCHANDISING - DIFERENCIAL COMPETITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS RESUMO O ponto de venda tem alcançado importância imensurável na propagação de um produto ou marca, passou a destacar-se como um dos

Leia mais

Qualidade de vida. Aromaterapia para o Ambiente de Trabalho

Qualidade de vida. Aromaterapia para o Ambiente de Trabalho Qualidade de vida É o método usado para medir as condições da vida de um ser humano. Envolve o bem físico, mental, psicológico e emocional, além de relacionamentos sociais, como família e amigos e também

Leia mais

ATENÇÃO Conceitos iniciais As funções principais da Atenção

ATENÇÃO Conceitos iniciais As funções principais da Atenção ATENÇÃO Conceitos iniciais Muito tem sido discutido e escrito acerca dos elementos necessários para um desenvolvimento harmonioso das potencialidades de consciência do ser humano. No entanto, muitos materiais

Leia mais

"O valor emocional das marcas."

O valor emocional das marcas. DOMINGO, FEVEREIRO 24, 2008 "O valor emocional das marcas." Por Thales Brandão Atualmente as empresas estão buscando cada vez mais gerir suas marcas com conjunto de valores completamente diferentes dos

Leia mais

AULA 10 Marketing de Serviços

AULA 10 Marketing de Serviços AULA 10 Marketing de Serviços O propósito do ambiente de serviço O ambiente de serviço influencia o comportamento do comprador de três modos: Meio de criação de mensagem: indícios simbólicos para comunicar

Leia mais

A importância da identidade visual e do uso da marca na comunicação empresarial *

A importância da identidade visual e do uso da marca na comunicação empresarial * A importância da identidade visual e do uso da marca na comunicação empresarial * 1 Taís Moscarelli Corrêa Resumo: Este artigo busca relacionar questões sobre marca e identidade visual como fatores de

Leia mais

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização PLANO DE MARKETING Ferramenta importante do plano estratégico de uma empresa. Deve estar em perfeita sintonia com os objetivos estabelecidos pela empresa. É um passo para a elaboração do PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Engenharia de alimentos. Workshop. Ensino médio.

PALAVRAS-CHAVE Engenharia de alimentos. Workshop. Ensino médio. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A INCLUSÃO SOCIAL DE DEFICIENTES VISUAIS E AS CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL

A INCLUSÃO SOCIAL DE DEFICIENTES VISUAIS E AS CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL A INCLUSÃO SOCIAL DE DEFICIENTES VISUAIS E AS CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL Vanessa Piccinin da Rosa. Maria Rosangela Silveira Ramos Instituto Federal Farroupilha

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV

LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV Santa Maria-RS, Março de 2012 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. MÉTODO DE PESQUISA CLIENTE OCULTO...

Leia mais

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso Funções: Coordena o funcionamento dos outros sistemas. Controla os movimentos (voluntários e involuntários). É responsável pela recepção de estímulos externos e pela resposta

Leia mais

Fotos Projetos e Cia Clientes. A imagem. A imagem

Fotos Projetos e Cia Clientes. A imagem. A imagem A imagem A imagem 1 A imagem Mas o que leva a compra pela imagem? Necessidade do produto Compulsão mediante a um estímulo, que vai de encontro direto aos desejos. 1- Afetivos 2- Financeiros 3- Sociais

Leia mais

Marketing experiencial: um estudo de caso em um restaurante

Marketing experiencial: um estudo de caso em um restaurante Marketing experiencial: um estudo de caso em um restaurante Fernanda Patrícia Cirilo Marques1 (UFERSA) patrícia_blow@hotmail.com Karla Kallyana Filgueira Félix2 (UFERSA) karla_filgueira@hotmail.com Lívia

Leia mais

Emoção CONSTRUÇÃO DE MARCAS

Emoção CONSTRUÇÃO DE MARCAS Emoção Grande parte das nossas decisões de compra são feitas por impulso, de forma irracional, instintiva. Se temos dinheiro, compramos as marcas com as quais nos relacionamos emocionalmente. Cada marca

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

EQUIPES DE SUCESSO E MOTIVADAS COM PNL (PROGRAMAÇÃO NEURO LINGUISTICA)

EQUIPES DE SUCESSO E MOTIVADAS COM PNL (PROGRAMAÇÃO NEURO LINGUISTICA) EQUIPES DE SUCESSO E MOTIVADAS COM PNL (PROGRAMAÇÃO NEURO LINGUISTICA) Alan Martins REDE DE COLABORAÇÃO VISÃO OPERACIONAL AREA A AGRADAR Proporcionar aos Clientes e parceiros as melhores experiências.

Leia mais

Ambiência da Loja e Estratégia Mercadológica no Varejo: Um Modelo Teórico Consolidado

Ambiência da Loja e Estratégia Mercadológica no Varejo: Um Modelo Teórico Consolidado Ambiência da Loja e Estratégia Mercadológica no Varejo: Um Modelo Teórico Consolidado Autoria: Lucien Jacques Geargeoura, Juracy Parente Resumo Este estudo, concebido como um ensaio teórico baseado na

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR CIÊNCIAS SAÚDE NORTE

INSTITUTO SUPERIOR CIÊNCIAS SAÚDE NORTE INSTITUTO SUPERIOR CIÊNCIAS SAÚDE NORTE CONTEXTOS DE APLICAÇÃO DA PSICOLOGIA Ciência que tem como objecto de investigação, avaliação e intervenção os processos mentais (conscientes e inconscientes) e as

Leia mais

Visão: Um pixel equivalerá a milhares de palavras

Visão: Um pixel equivalerá a milhares de palavras Toque: Você poderá tocar através do seu telefone Imagine usar seu smartphone para comprar um vestido de casamento e poder sentir a seda do vestido, ou a renda do véu, tudo pela superfície da tela. Ou,

Leia mais

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br Serie: Cursos Profissionalizantes Brasil PNL Formação em "Programação neurolingüística" (PNL) Curso Gratuito Produção www.cursosbrasil.com.br Iniciação à PNL Parte 2 Jimmy L. Mello Distribuição gratuita

Leia mais

SUMÁRIO DOS NOVOS LIVROS DE CIÊNCIAS 1º ANO

SUMÁRIO DOS NOVOS LIVROS DE CIÊNCIAS 1º ANO SUMÁRIO DOS NOVOS LIVROS DE CIÊNCIAS 1º ANO UNIDADE 1 A CIÊNCIA, EU E VOCÊ Capítulo 1. Fazendo ciências Onde encontramos a ciência? Quem são e o que fazem os cientistas? 2. Eu sou assim Partes do corpo

Leia mais

Análise Sensorial Ensaios com Celíacos

Análise Sensorial Ensaios com Celíacos Análise Sensorial Ensaios com Celíacos Outubro 2008 SENSE TEST Sense Test, Lda Estudos de Análise Sensorial a Produtos Alimentares Estudos de Análise Sensorial a Produtos Não Alimentares Agenda Utilização

Leia mais

Plano de Formação. Módulo de Introdução Perspectivas lúdicas e Terapêuticas do Snoezelen

Plano de Formação. Módulo de Introdução Perspectivas lúdicas e Terapêuticas do Snoezelen Plano de Formação Nome da Formação: Módulo de Introdução Perspectivas lúdicas e Terapêuticas do Snoezelen Fundamentação da pertinência do curso: Snoezelen (do Holandês) significa SNUFFELEN = cheirar; DOEZELEN

Leia mais

Neuromarketing. Prof. Pedro Celso Julião de Camargo. Data: 10/07/2013

Neuromarketing. Prof. Pedro Celso Julião de Camargo. Data: 10/07/2013 Neuromarketing Prof. Pedro Celso Julião de Camargo Data: 10/07/2013 1 2 3 4 5 6 7 Vamos aos fatos! 8 1. Somos seres biológicos 9 Nosso cérebro decide milésimos de segundos antes de termos consciência do

Leia mais