O PAPEL DO PSICÓLOGO NA CAPTAÇÃO E NO DESENVOLVIMENTO DAS PESSOAS DO SETOR DE VENDAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PAPEL DO PSICÓLOGO NA CAPTAÇÃO E NO DESENVOLVIMENTO DAS PESSOAS DO SETOR DE VENDAS"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE UNIVALE FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA E SOCIAIS- FHS CURSO DE PSICOLOGIA Eunice Sabino dos Santos Leonardo Sandro Vieira Luanna Paula de Oliveira Neto Marcone Silva Matos O PAPEL DO PSICÓLOGO NA CAPTAÇÃO E NO DESENVOLVIMENTO DAS PESSOAS DO SETOR DE VENDAS Governador Valadares Junho de 2009

2 2 UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE UNIVALE FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA E SOCIAIS- FHS CURSO DE PSICOLOGIA O PAPEL DO PSICÓLOGO NA CAPTAÇÃO E NO DESENVOLVIMENTO DAS PESSOAS DO SETOR DE VENDAS Monografia apresentada ao curso de Psicologia da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Vale do Rio Doce, como requisito parcial à obtenção do título de Graduação em Psicologia. Alunos: Eunice Sabino dos Santos Leonardo Sandro Vieira Luanna Paula de Oliveira Neto Marcone Silva Matos Orientador: Omar de Azevedo Ferreira Governador Valadares Junho de 2009

3 3 O PAPEL DO PSICÓLOGO NA CAPTAÇÃO E NO DESENVOLVIMENTO DAS PESSOAS NO SETOR DE VENDAS Monografia defendida e aprovada em 10 de junho de 2009, pela banca examinadora constituída pelos professores: Professor Omar de Azevedo Ferreira (Orientador) Kely Prata Silva (Prof. Convidado) Pier Angeli Viggiano (Prof. Convidado)

4 4 DEDICATÓRIA Dedicamos este trabalho às nossas famílias e todas as pessoas que nos incentivaram no decorrer desta árdua caminhada, especialmente, ao professor Luis Carlos Nebenzahl.

5 5 AGRADECIMENTOS Agradecemos, primeiramente, a Deus, força suprema e fonte de luz. Aos nossos pais e familiares pela confiança e por acreditarem em nosso potencial. Aos professores e amigos pelo companheirismo, paciência e incentivo para que continuássemos a nossa caminhada. Ao orientador, Omar de Azevedo Ferreira, pelo profissionalismo, amizade e, acima de tudo, pela paciência. Agradecemos a todos vocês.

6 6 SUMÁRIO O PAPEL DO PSICÓLOGO NA CAPTAÇÃO E NO DESENVOLVIMENTO DAS PESSOAS DO SETOR DE VENDAS RESUMO 7 INTRODUÇÃO A ÁREA DE VENDAS E O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Conceito de Vendas e Marketing Economia e Mercado Consumidor O Perfil do Consumidor da Atualidade As Principais Teorias Sobre o Comportamento do Consumidor 16 2-COMPETÊNCIAS DO VENDEDOR, ESTRATÉGIAS E REMUNERAÇÃO NO PROCESSO DE VENDAS Análise e Importância do Perfil Profissional em Vendas Competências do Vendedor Estratégias/Ações de Vendas Estratégia de Remuneração Variável A CONTRIBUIÇÃO DO PSICÓLOGO PARA O SUCESSO NO PROCESSO DE VENDAS Colaboração e Atuação do Psicólogo como Consultor Externo Captação de Profissionais: Como Recrutar e Selecionar Profissionais em Vendas? Principais Técnicas de Seleção de Pessoal A Entrevista: Etapa Fundamental do Processo de Seleção dos Profissionais em Vendas Desenvolvendo Treinamentos em Vendas Técnicas e Treinamentos mais executados em Vendas 46 CONSIDERAÇÕES FINAIS 49 BIBLIOGRAFIA 51

7 7 MATOS, Marcone Silva; NETO, Luanna Paula de Oliveira; SANTOS, Eunice Sabino dos; VIEIRA, Leonardo Sandro. O Papel do Psicólogo na Captação e no Desenvolvimento das Pessoas do Setor de Vendas. Trabalho apresentado na Universidade do Vale do Rio Doce UNIVALE Na Faculdade de Ciências Humanas e Sociais FHS, no curso de Psicologia, orientado por Omar de Azevedo Ferreira. RESUMO O presente trabalho pretende mostrar, a partir de um estudo de possíveis campos de atuação do psicólogo dentro das organizações, a importância desse profissional na captação, treinamento e desenvolvimento das pessoas do setor de vendas. A globalização intensifica cada vez mais os processos de mudanças impulsionando a competitividade baseada numa economia de capitais e conhecimento. A falta de investimento na formação e capacitação dos colaboradores ou em equipamento e tecnologia podem conduzir a um desperdício do potencial da mão-de-obra. Nesse ambiente de mudanças, tornam-se necessários profissionais de vendas com perfil específico e competências consoantes a essas tendências globais, ou seja, profissionais qualificados ou bem treinados. É fundamental a atuação do psicólogo organizacional, desde o processo de seleção de pessoal, na elaboração de entrevistas ou na avaliação de perfis e competências, bem como, na colaboração em treinamentos e desenvolvimento de ações e estratégias que visam otimizar resultados organizacionais e pessoais em busca de sinergia. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica do tipo descritiva. O trabalho avalia as várias inter-relações entre os profissionais em psicologia e do setor de vendas. Concluiu-se que, a atuação do psicólogo no setor de vendas é fundamental, pois no mercado competitivo de hoje é preciso que as empresas busquem melhorias nos processos organizacionais visando a excelência para tornar mais fácil a superação das metas dos vendedores. Palavras Chave: Vendas. Psicologia. Captação e Desenvolvimento. Treinamentos. Vendedores. Organizações.

8 8 MATOS, Marcone Silva; NETO, Luanna de Oliveira; SANTOS, Eunice Sabino dos; VIEIRA, Leonardo Sandro. O Papel do Psicólogo na Captação e no Desenvolvimento das Pessoas do Setor de Vendas. Trabalho apresentado na Universidade do Vale do Rio Doce UNIVALE Na Faculdade de Ciências Humanas e Sociais FHS, no curso de Psicologia, orientado por Omar de Azevedo Ferreira. RESUMEN El presente trabajo tiene el objetivo de mostrar a partir de un estudio los posibles sectores de actuación dentro de las organizaciones, la importancia de ese profesional en la captación, entrenamiento e desarrollo de las personas del sector de ventas. La globalización intensifica cada vez más en los procesos mudanzas gerando la competitividad basada en una economía de capitales e conocimiento. La falta de inversión en la formación e captación de los colaboradores o en equipamiento y tecnología pueden conducir a un perjuicio de potencial de mano de obra. En este ambiente de mudanzas es necesario profesionales de ventas con perfil específico e competencias equivalentes a las tendencias globales, o sea profesionales cualificados y bien entrenados. Así es fundamental la actuación del psicólogo organizacional, desde el proceso de selección de personal, en la elaboración de entrevistas o en la evaluación de perfiles y competencias, bien como en la colaboración en entrenamientos y desarrollo de acciones y estrategias que tienen el objetivo mejorar los resultados organizacionales y personales en búsqueda de sinergia. La metodología utilizada es una pesquisa bibliográfica del tipo descriptiva. El trabajo evalúa las varias relaciones entre profesionales en psicología y del sector de ventas. Para concluir, la actuación del psicólogo es fundamental en este proceso de captación y desarrollo de los profesionales de este sector, pues ayuda en la búsqueda de mejorías en los procesos organizacionales visando excelencia y superación de metas de los vendedores. Palabras Claves: Ventas. Psicología. Captación y Desarrollo. Entrenamiento. Vendedores. Organizaciones.

9 9 INTRODUÇÃO Nos diversos setores da economia, o departamento de vendas exerce um papel relevante nas relações comerciais. A competitividade entre as organizações, as influências da globalização e as inovações tecnológicas têm preocupado muitas empresas, no que se refere à busca de profissionais do setor de vendas com perfil adequado à função que exercem. Além de preocuparem com o aperfeiçoamento e desenvolvimento dos seus colaboradores, as empresas buscam ferramentas de remuneração equivalente à realidade deste setor profissional. Nota-se que o profissional de vendas está presente na maioria das relações comerciais, porém não é uma profissão muito valorizada. Muitos profissionais atuam nesse setor a fim de conseguir recursos financeiros para chegar a outras profissões. A desvalorização dessa função acontece principalmente por não haver uma visão de profissionalização do setor. O mercado visualiza mais como emprego temporário do que uma profissão, isso é um dos motivos do grande turn-over, indicador que demonstra a rotatividade de funcionários (admissões, demissões ou taxa de substituição de trabalhadores antigos por novos). Neste contexto, há necessidade de investimento, de conhecimento e desenvolvimento de habilidades que possibilitem ao profissional desempenhar seu papel de forma eficiente e eficaz, mudando a percepção do mercado e trazendo uma visão mais profissional dessa atividade. O psicólogo pode contribuir na profissionalização dos vendedores e no crescimento organizacional, pois utiliza técnicas específicas no recrutamento e seleção de pessoal, ajuda na elaboração de entrevistas, avalia perfis e competências necessários ao profissional do setor de vendas, elabora, juntamente com os profissionais da administração, estratégias de vendas e de remuneração e pode desenvolver vivências (treinamentos) otimizando o processo de capacitação desses profissionais para atingir suas metas e objetivos estabelecidos. Observa-se também que o profissional de psicologia pode atuar como consultor externo das organizações comerciais, sendo facilitador em processos de diagnósticos e de implementações de mudanças organizacionais. O presente trabalho tem por objetivo pesquisar as principais metodologias nos processos de recrutamento e seleção, avaliar a importância das entrevistas, treinamentos e acompanhamento dos profissionais da área de vendas, bem como, aplicar tais treinamentos de maneira mais eficiente no ambiente organizacional, proporcionando

10 10 maior qualidade e produtividade no processo, principalmente, demonstrando o papel fundamental que o profissional de psicologia possui, ao intermediar os processos de mudanças profissionais e organizacionais. Ao longo dessa pesquisa, procurar-se-á encontrar respostas para a seguinte questão: Como a Psicologia pode contribuir para o crescimento do processo de vendas? A metodologia utilizada é a pesquisa qualitativa através de revisão bibliográfica de livros, revistas científicas e profissionais, artigos científicos que foram disponibilizados pela Biblioteca Central da UNIVALE, FEAD e Internet. Esse trabalho monográfico é dividido em três capítulos: o primeiro aborda os conceitos de Vendas e Marketing visando esclarecer suas principais diferenças, além de retratar o perfil do consumidor da atualidade e as principais teorias sobre o comportamento do mesmo, temas importantes para elaboração desse trabalho. O segundo capítulo traz algumas observações sobre o desenvolvimento do profissional em vendas, as estratégias de vendas e a importância do perfil desse profissional. O terceiro capítulo enfoca a contribuição significativa do psicólogo em diversos aspectos no setor de vendas, desde o processo seletivo até o desenvolvimento de treinamentos, contribuindo assim, para o sucesso no processo de vendas.

11 A ÁREA DE VENDAS E O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR 1.1 CONCEITO DE VENDAS E MARKETING As expressões marketing e vendas estão sempre tão ligadas que surgem algumas dúvidas: Vendas e marketing seriam a mesma coisa? Teriam os mesmos objetivos? Alcançariam os mesmos resultados? Os consumidores pensam marketing como sendo o trabalho de descobrir o maior número de clientes para atender a produção de uma indústria ou comércio. Porém, marketing tem uma visão muito mais ampla que isso, pois as organizações têm níveis desejados de demanda de seus produtos. Mas, em alguns momentos, esses níveis podem ser inadequados, em excesso, ou até mesmo, nem terem demanda, daí a importância do marketing que irá trabalhar no intuito de encontrar estratégias diferentes para diferentes demandas ( KOTLER, 2000). No entendimento de Drucker (2002), a venda e o marketing não são palavras sinônimas ou complementares, pois o objetivo do marketing é tornar a venda supérflua, na verdade, seria compreender tão bem o cliente de forma que o produto se venda por si só. O autor complementa dizendo que o marketing deve ter como resultado um cliente pronto para comprar. Ao pronunciar a respeito do desempenho do trabalho de marketing no mercado consumidor, Kotler (1998) diz que esse trabalho é desempenhado formalmente por gerentes de vendas, pelo pessoal de vendas, administradores de serviços ao cliente, gerente de produto, gerente de mercado e o vice-presidente de marketing e que cada um é responsável por planejar e implementar programas a fim de produzir resultados desejáveis aos mercados alvos. A imagem popular do administrador de marketing é a de estimular a demanda pelos produtos da empresa, visão essa limitada, já que a tarefa real do marketing seria a de influenciar o nível, o tempo e a composição da demanda de maneira a ajudar a organização a alcançar seu alvo. A administração de marketing é o processo de planejamento e execução da concepção, preço da promoção e da distribuição de ideias, bens e serviços para criar trocas que satisfaçam objetivos individuais e organizacionais (KOTLER e ARMASTRONG, 1999, p.40).

12 12 Dessa forma, entende-se que marketing é essencialmente a administração de demanda em que os responsáveis por esse setor desenvolvem as tarefas que lhes competem, como a realização de pesquisas de marketing, planejamento, implementação e controle de ações que têm o objetivo de identificar e satisfazer a necessidade do consumidor, isto é, conquistar e manter clientes. O cliente é o principal motivo para que a empresa torne-se competitiva e alcance a excelência. Esses conceitos fazem proceder a afirmação anterior de que o marketing é um processo de planejamento e execução do entendimento, da implementação e do controle. Isso é marketing. É a promoção de ideias, serviços e noções de troca que tem como objetivo promover satisfação para as partes envolvidas, as organizações e os clientes (KOTLER, 1998). É importante citar que para o autor a venda está preocupada com a necessidade do vendedor de converter seu produto em dinheiro, priorizando assim o produto. Já o marketing tem a tarefa de utilizar a venda e a promoção para estimular um volume lucrativo de vendas, focalizando dessa forma a satisfação da necessidade do consumidor. Dentro do Marketing a psicologia pode contribuir com pesquisas do comportamento para busca de satisfação e envolvimento do cliente com o produto ou serviço desenvolvido pela organização, por isso torna-se fundamental que o psicólogo tenha conhecimento dos processos do marketing até ao ponto de venda ECONOMIA E MERCADO CONSUMIDOR Segundo Passos (2003), a economia é uma ciência que se preocupa com a alocação dos recursos escassos para a satisfação das necessidades humanas, que são ilimitadas. Esses recursos são o que utilizamos para produzir. Segundo o autor, esses recursos podem ser limitados em quantidade, combináveis ou não, e classificam-se em: Recursos Livres, Recursos Econômicos e Recursos Produtivos. Recursos Livres são os recursos abundantes. Ex: ar, sol. Recursos Econômicos são os recursos escassos. Ex: água, terra agrícola. Recursos Produtivos são aqueles utilizados como fatores de produção. Ex: Terra, trabalho, capital, capacidade empresarial, tecnologia. Eles se dividem em humanos e não-humanos.

13 13 O autor ainda define as necessidades humanas como uma sensação da falta de alguma coisa unida ao desejo de satisfazê-la e essas necessidades são diversificadas e insaciáveis. Vários autores preferem definir resumidamente a economia como sendo uma ciência social que estuda a produção, distribuição e consumo dos bens e serviços. De acordo com Cavalcante (1997) apud Passos (2003), a economia é a ciência que estuda as formas de comportamento humano resultantes da relação existente entre as ilimitadas necessidades a satisfazer e os recursos que, embora escassos, se prestam a usos alternativos. Passos (2003) ainda pontua que escassez significa que os recursos disponíveis são insuficientes para satisfazer todas as necessidades e desejos. Observando essas três linhas de raciocínio em busca da observação e definição da economia, pode-se notar um dos primeiros fenômenos da economia ligados à lei da oferta e da demanda, estritamente, ligada à quantidade de oferta dos recursos econômicos ou produtivos à demanda, ou seja, o desejo e ritmo de consumo do mercado. Essas variações entre oferta e demanda resultará em diversas conjunturas que influenciaram de modo impactante nos diversos mercados, ou seja, se há uma grande oferta de determinado produto e pouca demanda, os preços no mercado podem abaixar, prejudicando de certo modo o setor produtivo e econômico que possui o desejo de girar o produto, mas a falta de demanda impede o ciclo econômico. Se há pouca oferta e muita demanda, os preços dos diversos produtos serviços podem ter um grande aumento, principalmente, porque a possibilidade de aquisição do produto é difícil. Nessa situação quem fica prejudicado é o consumidor que tem de dispor de altas quantias para suprir a sua necessidade. Podem perceber esses fenômenos através do estudo dos diversos mercados da economia. Para Penteado Filho (1987), mercado é um conjunto de compradores de um determinado bem ou serviço. A soma dos consumidores atuais do produto mais os consumidores dos produtos concorrentes formam o mercado atual do produto. E é também o mercado atual daquele tipo de produto, já que não se tem garantia de que os consumidores potenciais virão ou não a consumi-lo. Esses consumidores são o mercado potencial do produto. Os tipos de consumo podem ser basicamente três: Bens duráveis, bens Nãoduráveis e Serviços. Bens duráveis são produtos concretos que, normalmente sobrevivem a muitos usos. Exemplos: automóveis, geladeiras, equipamentos de som, roupas entre outros; Bens não-duráveis são produtos concretos que, normalmente são

14 14 consumidos de uma vez ou em pouco tempo. Exemplos: refrigerantes, leite, pão, sabonete, xampu entre outros; e Serviços que são os bens abstratos ou intangíveis, que produzem um benefício ou a satisfação de uma necessidade do consumidor, como: corte de cabelo, serviços bancários, serviços domésticos, mudanças entre outros. Uma outra classificação utilizada para os bens de consumo baseia-se não nas características dos produtos, mas no comportamento ou hábitos de compra dos consumidores. Para Penteado Filho (1987), essa classificação também compreende três tipos de bens: Bens de Conveniência são produtos que os consumidores adquirem com certa frequência, com um mínimo esforço para fazer comparações ao adquiri-los. Exemplos: Lâminas de barbear, sabonetes, jornais e etc.; Bens de Compra Comparada são produtos que os consumidores só adquirem após comparar a conveniência, qualidade, preço ou estilo. Exemplos: Roupas, mobília, eletrodomésticos, automóveis novos ou usados e etc; Bens Especiais ou Especialidades são bens de consumo de características únicas, para cuja aquisição os consumidores estão dispostos a fazer esforços especiais. Exemplos: roupas e jóias de marcas exclusivas, certos tipos de equipamento de som ou fotografia, itens de coleção, como quadros, selos e objetos de decoração, etc. Para o mesmo autor, existe também a segmentação psicográfica de mercado. Esse tipo de segmentação é bastante complexo, pois nela os consumidores são divididos a partir das suas atitudes, opiniões a respeito de um produto, das características da personalidade, estilo de vida, status social, etc, isso porque as pessoas, como consumidores, podem apresentar uma grande variedade de comportamento e estilo de vida mutável, de acordo com sua personalidade. Outro aspecto que pode variar é lealdade ou fidelidade a certas marcas ou tipos de produtos. Há pessoas que nunca variam de marca ou tipos de produtos enquanto outras mudam constantemente. De acordo com Amorim (2007) apud Uliana (2007), a economia brasileira desde 2004 tem se beneficiado de um ciclo de crescimento mundial acelerado com baixas taxas de juros mundiais. Esse ciclo, somado a uma expansão expressiva da demanda asiática, levou a uma forte alta de preço de commodities como: produtos agrícolas, minérios e materiais, beneficiando muito a economia brasileira, permitindo um fortalecimento enorme dos fundamentos econômicos e um crescimento mais sólido e sustentável. Salvo uma mudança do mercado internacional causada por uma desaceleração econômica global significativa ou uma forte elevação das taxas de juros mundiais, que são possíveis, mas improváveis, a economia brasileira deve sustentar um

15 15 crescimento do Produto Interno Bruto (*PIB) próximo a 4% em 2008 (Amorim, 2007, apud Uliana, 2007). Cavalcante (1997) apud Passos (2003) afirma que, dependendo do mercado, o relacionamento entre compradores e vendedores poderá seguir padrões diferentes. O autor mostra como exemplo o mercado de produtos alimentícios que é caracterizado pela existência de um grande número de vendedores e compradores, sendo que o preço é determinado pelo jogo da oferta e procura dos mesmos. Assim sendo, os preços são fixados por todos, simultaneamente, numa tentativa de cada qual satisfazer a seus próprios interesses. Tal situação contrasta com um mercado onde o preço é fixado unilateralmente por um único vendedor onde há monopólio de mercado. A freqüente mudança na economia e no mercado causa impactos no perfil do consumidor por isso compete ao profissional da psicologia que atua neste setor estar interado dos fatores da economia e como estes fatores influencia no comportamento do consumidor. Sendo assim, infere-se que as dinâmicas dos mercados econômicos afeta diretamente na atitude, comportamento e principalmente nos resultados dos profissionais de venda, por isso torna-se cada vez mais necessário que o profissional conheça as influências econômicas no dia a dia dos consumidores e se especialize ou se atualize sempre para estar preparado para essas mudanças O PERFIL DO CONSUMIDOR DA ATUALIDADE Entender o comportamento do consumidor não é uma tarefa das mais fáceis. Ainda mais classificá-lo de acordo com atitudes, comportamentos e preferências que determinarão o desenvolvimento de produtos, marcas e, consequentemente, vendas. Ao longo dos últimos anos, o consumidor assumiu um perfil muito mais exigente em função do número crescente de opções de compra e da variedade de empresas disputando sua atenção. De qualquer forma, já é possível delimitar algumas atitudes do chamado novo consumidor, aquele que atua como embaixador de uma marca que admira e a indica para seus amigos; aquele que lança moda e tem grande poder de disseminar informações sobre os produtos e serviços que consome.

16 16 Segundo Uliana (2007), O Plano Real e o Código de defesa do Consumidor são grandes divisores de água em relação ao novo consumidor. O primeiro democratizou o acesso dele aos pontos-de-venda de forma que pudesse exercer o direito de comparar preços e serviços, tornando-se muito mais seletivo e consciente na hora de comprar. Segundo o mesmo autor, o Código de Defesa do Consumidor veio combater os abusos nas relações de consumo. O consumidor não se sente mais desamparado e faz valer seus direitos, o que exige das empresas e vendedores uma postura mais franca, sincera, aberta e ética, sob pena de sofrerem sérias consequências. Antigamente, por falta de opção e concorrência, era relativamente fácil vender, pois se um comprador não quisesse o produto ou serviço ou estivesse insatisfeito, certamente haveria outro cliente para comprar. Hoje, o novo consumidor está muito mais consciente de seus direitos e é cada vez mais seletivo, exigente, informado e comunicativo. Antes de sair às compras, ele pesquisa, informa-se e tem a seu favor inúmeras formas de buscar essas informações. O novo consumidor também está cada vez mais atento às diferenças de preços e formas de pagamento. Portanto, decisões de compra têm sido tomadas com mais segurança e após pesquisa detalhada nas lojas que concorrem no segmento em questão. E uma coisa é certa: independentemente de sua faixa de renda, o novo consumidor sempre optará por adquirir o melhor que o seu dinheiro puder comprar. É um erro pensar que o consumidor de baixa renda almeja algo diferente do de alta renda. Ele só tem restrições que determinam o seu padrão ajustado de consumo e sua forma de pagamento dos bens de consumo e prestação de serviços AS PRINCIPAIS TEORIAS SOBRE O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR O homem está sempre em busca de maximizar seu prazer e minimizar seu sofrimento. O comprador busca consumir bens e serviços que lhe proporcionem maior utilidade e satisfação. Quanto mais intensa a necessidade e quanto mais perdurar, tanto mais forte será o impulso do indivíduo para reduzi-lo por meio da manifestação do comportamento de procura e, finalmente, da aquisição de um objeto que venha a satisfazer sua necessidade. (KOTLER, 1994, apud TOLEDO E CAIGAWA, 2003, p.01)

17 17 Segundo Gade (1998), a psicologia permite entender as influências dos fatores psicodinâmicos internos e dos fatores psicossociais externos que atuam sobre o consumidor. Com o estudo do comportamento e da psicologia do consumidor, têm sido desenvolvidas diversas estratégias de marketing mais eficazes. O comportamento do consumidor são as atividades físicas, mentais e emocionais realizadas na seleção, compra e uso de produtos e serviços para a satisfação de necessidades e desejos (GADE, 1998, p. 94). De acordo com a autora, os fatores que influenciam a decisão de compra e consumo são: culturais, sociais, pessoais e psicológicos. Fatores culturais seriam: os hábitos, costumes, pensares, ideologia, correntes culturais e a moda. Fatores sociais seriam o grupo familiar, os amigos, grupos de referência, os líderes e seus seguidores, a aceitação social e o conformismo. Os fatores pessoais seriam as variáveis demográficas, idade, sexo, escolaridade e atividades, situação econômica e estilo de vida. Os fatores psicológicos seriam o processamento de informações, sua captação e decodificação através de mecanismos de sensação, percepção, aprendizado, memória, aspectos motivacionais, emocionais, atitudinais e a própria personalidade do comprador. Segundo Giglio (2002), as teorias sobre o comportamento do consumidor que mais têm se destacado nos livros, cursos e palestras são as teorias racionais do comportamento do consumidor, como teorias econômicas, de avaliação de risco e as aplicações ao consumidor; teorias de motivação, que é uma área muito comentada em marketing, segundo o autor; teorias comportamentais sobre o consumo, com as consagradas leis de condicionamento da Teoria Skinneriana; teorias sociais sobre o comportamento do consumidor; e a teoria das tipologias do consumidor que podem ser demográficas, psicográficas e de estilo de vida. Essas tipologias servem como referências iniciais para o desenvolvimento de alguns planos de marketing. Existem várias teorias sobre o comportamento do consumidor e, elas remetem tal comportamento a fatores internos ou a fatores externos, ao aprendizado do consumidor, à motivação, às atitudes do consumidor, a fatores pessoais, a fatores sóciogrupais, a fatores culturais e a fatores psicológicos. Dentre as várias teorias sobre o comportamento do consumidor, algumas merecem destaques por serem amplamente utilizadas em vendas e marketing. A seguir algumas dessas principais teorias:

18 18 Maslow (1944) apud Serrano (2003) apresentou uma das teorias mais importantes da motivação, segundo a qual as necessidades humanas estão organizadas e dispostas em níveis, numa hierarquia de importância e de influência, essas necessidades são as necessidades fisiológicas, necessidade de segurança, necessidades sociais (afeto), necessidade de status e estima e as necessidades de autorrealização. Na base, estão as necessidades mais baixas (necessidades fisiológicas) e, no topo, as necessidades mais elevadas (as necessidades de autorrealização). As necessidades fisiológicas constituem a sobrevivência do indivíduo e a preservação da espécie: alimentação, sono, repouso, abrigo, etc. As necessidades de segurança constituem a busca de proteção contra a ameaça ou privação, a fuga e o perigo. As necessidades sociais incluem a necessidade de associação, de participação, de aceitação por parte dos companheiros, de troca de amizade, de afeto e amor. A necessidade de estima envolvem a auto apreciação, a autoconfiança, a necessidade de aprovação social e de respeito, de status, prestígio e consideração, além de desejo de força e de adequação, de confiança perante o mundo, independência e autonomia. As necessidades de autorrealização são as mais elevadas, é a capacidade de cada pessoa realizar o seu próprio potencial e de auto-desenvolver-se continuamente. Essa teoria indica que no momento em que o indivíduo realiza uma necessidade, surge outra em seu lugar, exigindo sempre que as pessoas busquem meios para satisfazê-la. Poucas pessoas procurarão reconhecimento pessoal e status se suas necessidades básicas estiverem insatisfeitas. Serrano (2003) afirma que, enquanto a teoria de Maslow relaciona-se com a motivação, a teoria freudiana estabelece que motivações seriam responsáveis pela aceitação ou rejeição de produtos ou bens de consumo. De acordo com Gade (1998), a teoria freudiana é utilizada em marketing a fim de não só se estabelecerem os motivos intrapsíquicos que levariam o homem ao consumo, como também, no estudo dos apelos mais favoráveis em termos de propaganda. Segundo Serrano (2003), o ponto chave da psicanálise freudiana ou sua premissa é a proposição de dividir o psiquismo humano em: Consciente; Inconsciente, dividido em: inconsciente latente (capaz de manter a consciência), mas consciente no sentido de sua dinâmica de funcionamento, é o chamado pré-consciente; e Inconsciente reprimido (que não consegue manter o nível de consciência).

19 19 Os pontos de destaque da psicanálise freudiana, quanto ao comportamento humano, são os impulsos inconscientes e as defesas do psiquismo contra esses impulsos. De acordo com Serrano (2003), a teoria freudiana estabelece três instâncias psíquicas responsáveis pelo comportamento: o id, fonte da energia psíquica dos impulsos primitivos, o ego, regulador dos impulsos selvagens do id ligado ao princípio da realidade, e o superego, a quem cabe a representação interna das proibições sociais. Gade (1998) usa exemplos de postura do consumidor para ilustrar as três instâncias: Queria tomar uma cerveja gelada, não uma, duas, quero todas, todas...! Aqui seria a representação do id; Vou tomar uma... meia cerveja. Seria a instância do ego. Não devo tomar bebida alcoólica, cerveja, melhor tomar um refrigerante... Seria a representação do superego. Baseado na teoria freudiana, a maneira pela qual essas três instâncias psíquicas interagem, a maneira pela qual o conflito das exigências do id e do superego é resolvido por meio de uma integração realizada pelo ego será a maneira pela qual o indivíduo atuará em termos de personalidade. Existe, portanto, um conflito entre o id, regido pelo princípio do prazer, e o superego, proibitivo e punitivo. Caberá ao ego, representante do princípio da realidade, a tentativa de resolução desse conflito. O indivíduo, que desenvolveu um rigoroso superego, que lhe proíbe comer, por considerar isto um pecado da gula, aquele doce apetitoso que o id pede a ponto de fazêlo parar hesitante na vitrine da confeitaria com água na boca, se utilizará do princípio da realidade para racionalizar que o doce o deixará obeso e irá embora insatisfeito, deslocando sua vontade talvez para a fantasia de uma fruta como objeto substitutivo. Ao estudar o que faz as pessoas comprarem certos produtos, os analistas do consumidor tentam se utilizar dessas teorias para analisar, em termos de personalidade e de estruturação psíquica, que componentes e traços do produto teriam maior aceitação. Giglio (2002) afirma que, seguindo uma linha positivista, a Psicologia Comportamental coloca como objeto de estudo apenas os fenômenos observáveis, eliminando emoções, afetos e, evidentemente, qualquer noção de inconsciente. Entre os teóricos mais importantes e muito estudados em marketing encontra-se Frederick B.

20 20 Skinner com sua teoria do comportamento e seus paradigmas clássicos, como reforço, extinção, discriminação e generalização. Um comportamento poderá ter sua frequência aumentada se for sucedido por uma recompensa importante para o sujeito. É o caso clássico da mãe que dá um doce ao filho por ele ter comido todo o prato salgado. O trato feito antes do almoço, ou seja, a promessa da mãe é o estímulo eliciador, que pretende que o comportamento de comer o prato salgado ocorra. Já o doce é o estímulo condicionante ou reforçador, que vem imediatamente após o comportamento, reforçando o comportamento. Dizer que o estímulo é reforçador significa que existe a probabilidade de ocorrer o mesmo comportamento ou aumentar sua frequência, se for provado que esse mesmo estímulo estará presente e é importante para a pessoa. Ainda segundo o mesmo autor, todas as promessas de prêmios, presentes, brindes seguem essa mesma estrutura do estímulo eliciador e do reforçador (Giglio, 2002). Serrano (2003) afirma que o reforço pode ser primário se constituído de uma recompensa em nível de satisfação de necessidade primária, ou secundário, se constituído de elementos socialmente aprendidos, como um sorriso ou elogio, por exemplo, a gravata que se está usando, o que fará com que se compre mais gravatas desse tipo. O reforço também poderá ser negativo e implica, nesse caso, em uma redução da recompensa. No caso de esta ocorrer sempre, dá-se a extinção, isto é, se nunca elogiarem a gravata ou se a criticarem, desistir-se-á de comprar e usar gravatas desse tipo. Segundo o mesmo autor, a discriminação é o processo que permite distinguir quais são as gravatas que merecem elogios, e a generalização leva a crer que todas as gravatas daquela marca são apreciadas. Apesar de seu caráter reducionista, as teorias comportamentais têm seu apoio nos fatos e embasamento lógico, o que, segundo Giglio (2002), falta às teorias da motivação. Os numerosos casos de condicionamento de pessoas têm um peso importante. A teoria behaviorista ou comportamental encontrou um campo fértil em marketing, principalmente, com todos aqueles ramos de negócio que necessitam de uma alta frequência de recompra, como é o caso de produtos de higiene, limpeza e alimentos. Não é por acaso que numerosas empresas adotam estratégias de presentes (as chamadas promoções) para atrair o consumidor e levá-lo a criar hábito de compra (GIGLIO, 2002, p. 01).

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação. 1. Formação e manutenção da equipe de trabalho. 2. Pesquisa

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO 01. Assinale nas questões abaixo com falso (F) ou verdadeiro (V): ( ) A administração reconhece a importância do estudo do

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO:

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO: RESUMO O presente trabalho constitui em uma elaboração de um Plano de Marketing para a empresa Ateliê Delivery da Cerveja com o objetivo de facilitar a compra de bebidas para os consumidores trazendo conforto

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

Perfil de estilos de personalidade

Perfil de estilos de personalidade Relatório confidencial de Maria D. Apresentando Estilos de venda Administrador: Juan P., (Sample) de conclusão do teste: 2014 Versão do teste: Perfil de estilos de personalidade caracterizando estilos

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Qual a Melhor Empresa para se Trabalhar?

Qual a Melhor Empresa para se Trabalhar? Qual a Melhor Empresa para se Trabalhar? Angélica Adriani Nunes de Moraes 1 Denise Aparecida Ferreira Patrícia Karla Barbosa Pereira Maria Eliza Zandarim 2 Palavras-chave: Empresa, motivação, equipe. Resumo

Leia mais

2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS

2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS 2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS Para Cobra (1994, p.46) a estruturação da força de vendas divide-se em quatro funções da administração: planejamento, organização, direção e controle. Abaixo segue os

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE Ética para viver Ética para viver MENSAGEM DO PRESIDENTE Caro colaborador, A Bandeirante possui missão, visão e valores definidos. Eles estão discriminados em um documento amplamente difundido dentro e

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Introdução a Venda

Projeto CAPAZ Básico Introdução a Venda 1 Introdução Ao assistir à aula você teve acesso a técnicas de vendas, uma introdução simples ao processo de venda. Hoje, relembraremos e aprofundaremos os processos de abordagem, sondagem, apoio, fechamento

Leia mais

11. Abordagem Comportamental

11. Abordagem Comportamental 11. Abordagem Comportamental Conteúdo 1. Behaviorismo 2. Novas Proposições sobre a Motivação Humana 3. Teoria da Hierarquia das de Maslow 4. Teoria dos dois fatores 5. Teoria X & Y de McGregor 6. Outros

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

- Propaganda. Desenvolver um programa integrado de Marketing que proporcione valor superior. - Conceber produtos, serviços e marcas

- Propaganda. Desenvolver um programa integrado de Marketing que proporcione valor superior. - Conceber produtos, serviços e marcas Introdução e Noções de Mercados Compreendendo o processo de Marketing ADMINISTRAÇÃO - Produtos - Serviços - Mercados - Processos MARKETING COMUNICAÇÃO - Propaganda Marketing é uma filosofia de negócio

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO

LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO 1 LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO Elisângela de Aguiar Alcalde (Docente MSc. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Linda Jennyfer Vaz (Discente do 2º ano do curso de Administração-

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo,

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, suas necessidades e preferências, é o primeiro passo

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL

ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL Este é um roteiro completo, com pontos gerais e específicos. Na elaboração do plano, procure adaptar os tópicos que o compõe, à realidade da empresa-cliente. Priorize a qualidade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

AULA 16 Marketing de Serviços

AULA 16 Marketing de Serviços AULA 16 Marketing de Serviços A cadeia de lucro de serviço Ligações da cadeia de lucro de serviço Fidelidade do cliente estimula lucratividade e crescimento. Satisfação do cliente estimula sua fidelidade.

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso.

Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso. 1 Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso. Daiane Maria ALONGE 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 Resumo Com a atual concorrência, entender os desejos

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA Bernardo Leite AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HÁ TEMPOS... Objetivos principais: Aumento de salário Demissão CONCLUSÃO: A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO É um processo natural e

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

A l e x a n d r a P a u l o

A l e x a n d r a P a u l o A l e x a n d r a P a u l o ESCOLA SECUNDÁRIA SERAFIM LEITE TRABALHO FINAL TÉCNICAS DE VENDA Alexandra Paulo 11ºI Nº 21160 Disciplina: Comercializar e vender Prof: João Mesquita 20-12-2012 2012-2013 1

Leia mais

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações O RH nesses 20 anos Tático, político e de políticas Desdobrador da estratégia Influenciador da estratégia e da operação Consultor e assessor para

Leia mais

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Gestão de Pessoas Conjunto de métodos, políticas,técnicas e práticas definidos com o objetivo de orientar o comportamento humano

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Tema: Deep Consumer Insights. Palestrante: Sergio Santos

Tema: Deep Consumer Insights. Palestrante: Sergio Santos Tema: Deep Consumer Insights Palestrante: Sergio Santos Deep Consumer Insights A Nova fronteira do conhecimento do consumidor Agosto de 2015 Quem somos? Consultoria Internacional, focada no desenvolvimento

Leia mais

Teorias Contemporâneas

Teorias Contemporâneas Teorias Contemporâneas 1-Teoria ERG 2-Teoria das Necessidades, de McClelland 3-Teoria da Avaliação Cognitiva 4-Teoria da Fixação dos Objetivos 5-Teoria do Reforço 6-Teoria da Equidade 7-Teoria da Expectativa

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Visão, Missão e Valores do Grupo Bravante

Visão, Missão e Valores do Grupo Bravante CÓDIGO DE ÉTICA O Grupo Bravante apresenta a todos os seus colaboradores o seu Código de Ética. O objetivo deste é definir com clareza os princípios e valores éticos que norteiam todos os procedimentos

Leia mais

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO 2014 APRESENTAÇÃO Já faz tempo que as empresas estão trabalhando com o desafio

Leia mais

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Uma nova abordagem

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Uma nova abordagem ICPG Instituto Catarinense de Pós-Graduação www.icpg.com.br 1 FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Uma nova abordagem Carlos de Andrade Giancarlo Moser Professor de Metodologia da Pesquisa Curso de Pós-Graduação em

Leia mais

Perfil do Líder no Paraná

Perfil do Líder no Paraná Perfil do Líder no Paraná O importante é não parar nunca de questionar Albert Einstein Em 2006, a Caliper do Brasil, empresa multinacional de consultoria em gestão estratégica de talentos, buscando inovar,

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

claro que o emprego existe enquanto houver trabalho para cada empregado.

claro que o emprego existe enquanto houver trabalho para cada empregado. Automotivação Antes de abordarmos a importância da motivação dentro do universo corporativo, vale a pena iniciarmos esta série de artigos com uma definição sobre esta palavra tão em voga nos dias atuais.

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

A PEDAGOGIA EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA NA EMPRESA

A PEDAGOGIA EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA NA EMPRESA A PEDAGOGIA EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA NA EMPRESA Luciano Matos Nobre1 Autor Universidade Tiradentes nobre_matos_luciano@yahoo.com.br Marisa Marchi Uchôa Espindola2 Co-autora Universidade Tiradentes

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

EMPREENDIMENTO COMERCIAL: QUAL O MELHOR CAMINHO A SEGUIR EM SEUS MOMENTOS INICIAIS? RESUMO

EMPREENDIMENTO COMERCIAL: QUAL O MELHOR CAMINHO A SEGUIR EM SEUS MOMENTOS INICIAIS? RESUMO FÁBIO RODRIGO DE ARAÚJO VALOIS Discente do Curso de Ciências Contábeis - UFPA RESUMO Não é de uma hora pra outra que um comerciante abre as portas de seu empreendimento. Se fizer deste modo, com certeza

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP

UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O A D M I N I S T R A Ç Ã O G E R A L UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP Autores: Antonio Carlos Gola Vieira Aluno da Faculdade

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE TALENTOS: REFLEXÕES E CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA 1

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE TALENTOS: REFLEXÕES E CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA 1 RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE TALENTOS: REFLEXÕES E CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA 1 OLIVEIRA, Bruna B. 2 ; CORRÊA, D. M. W²; SILVEIRA, Juliana F.²; DAOU, Marcos 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicóloga graduada,

Leia mais

Recrutamento e Seleção de Vendedores

Recrutamento e Seleção de Vendedores Recrutamento e Seleção de Vendedores Os cinco grupos de atividades: 1. Planejar o processo de Recrutamento e Seleção; 2. Recrutar um número adequado ; 3. Selecionar os candidatos mais adequados; 4. Contratar

Leia mais

Verônica A. Pereira Souto

Verônica A. Pereira Souto COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Verônica A. Pereira Souto VITÓRIA-ES 11 de julho 2009 VERÔNICA APARECIDA PEREIRA SOUTO MINI-CURRÍCULO PSICÓLOGA GRADUADA EM LETRAS/INGLÊS PÓS-GRADUADA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

Motivação: uma viagem ao centro do conceito

Motivação: uma viagem ao centro do conceito FATOR HUMANO Motivação: uma viagem ao centro do conceito Muitos executivos ainda acreditam que é possível gerar motivação condicionando os comportamentos por meio de prêmios e punições. Mas a verdadeira

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2009 Renata Araújo Volpe Estudante do curso de Engenharia de Produção (Brasil) Docente orientadora Carla Bittencourt Lorusso Email: revolpe@pop.com.br

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA Letícia Fernanda Giareta le.giareta@hotmail.com RESUMO Este artigo fundamenta-se numa pesquisa qualitativa que teve por objetivo identificar

Leia mais

Os 4 P s. P de PRODUTO

Os 4 P s. P de PRODUTO Os 4 P s P de PRODUTO O que é um Produto? Produto é algo que possa ser oferecido a um mercado para aquisição, uso ou consumo e que possa satisfazer a um desejo ou necessidade. Os produtos vão além de bens

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

Captação, Seleção. e Acompanhamento PROCESSO DE COMPARAÇÃO, DECISÃO E ESCOLHA O CONTEXTO DE SELEÇÃO DE PESSOAS E MAIS...

Captação, Seleção. e Acompanhamento PROCESSO DE COMPARAÇÃO, DECISÃO E ESCOLHA O CONTEXTO DE SELEÇÃO DE PESSOAS E MAIS... Captação, Seleção e Acompanhamento O CONTEXTO DE SELEÇÃO DE PESSOAS PROCESSO DE COMPARAÇÃO, DECISÃO E ESCOLHA E MAIS... O PROCESSO DE SELEÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Victor Andrey Barcala Peixoto

Leia mais

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos:

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos: Módulo 4. O Mercado O profissional de marketing deverá pensar sempre em uma forma de atuar no mercado para alcançar os objetivos da empresa. Teoricamente parece uma tarefa relativamente fácil, mas na realidade

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

Qualidade e o Atendimento na Prestação de Serviço: Um estudo de caso na empresa SECOM

Qualidade e o Atendimento na Prestação de Serviço: Um estudo de caso na empresa SECOM Qualidade e o Atendimento na Prestação de Serviço: Um estudo de caso na empresa SECOM Claudineia Lima de MOURA¹ RGM 081712 claudineia_18@yahoo.com.br Dayane Cristina da SILVA¹ RGM 080225 day_4791@hotmail.com

Leia mais