1. Poder Judiciário - Manual. 2. Organização Judiciária. I. Título.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Poder Judiciário - Manual. 2. Organização Judiciária. I. Título."

Transcrição

1

2

3 Tribunal de Justiça Estado de Mato Grosso do Sul

4 Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul 2011 Parque dos Poderes - Bloco 13 CEP Campo Grande - MS Telefone: (67) M38 MATO GROSSO DO SUL. Tribunal de Justiça. Conheça o judiciário. Campo Grande: Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul - Campo Grande: TJMS, p. 1. Poder Judiciário - Manual. 2. Organização Judiciária. I. Título. CDD Realização Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul Departamento de Relações Públicas Impressão Departamento de Serviços Coordenadoria da Gráfica Ilustrações 1ª Edição TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibida a reprodução total ou parcial desta cartilha, de qualquer forma ou por qualquer meio (Lei nº 9.610/98). 4

5 DIRETORIA BIÊNIO Presidente - Des. Luiz Carlos Santini Vice-Presidente - Des. Hildebrando Coelho Neto Corregedor-Geral - Des. Atapoã da Costa Feliz TRIBUNAL PLENO Des. Rubens Bergonzi Bossay Desª. Marilza Lúcia Fortes Des. Claudionor Miguel Abss Duarte Des. Julizar Barbosa Trindade Des. João Carlos Brandes Garcia Des. Romero Osme Dias Lopes Des. Oswaldo Rodrigues de Melo Des. Carlos Eduardo Contar Des. Luiz Carlos Santini Des. Sérgio Fernandes Martins Des. Josué de Oliveira Des. Sideni Soncini Pimentel Des. Joenildo de Sousa Chaves Des. Dorival Renato Pavan Des. Atapoã da Costa Feliz Des. Vladimir Abreu da Silva Des. Hildebrando Coelho Neto Des. Luiz Tadeu Barbosa Silva Des. João Maria Lós Des. Fernando Mauro Moreira Marinho Des. Divoncir Schreiner Maran Des. Júlio Roberto Siqueira Cardoso Des. Paulo Alfeu Puccinelli Des. Dorival Moreira dos Santos Des. João Batista da Costa Marques Des. Marco André Nogueira Hanson Desª. Tânia Garcia de Freitas Borges Des. Manoel Mendes Carli Des. Paschoal Carmello Leandro Des. Ruy Celso Barbosa Florence 5

6 6

7 Sumário Apresentação...9 POR QUE CONHECER O JUDICIÁRIO? ORGANIZAÇÃO DO JUDICIÁRIO SÃO ÓRGÃOS DO PODER JUDICIÁRIO: O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MATO GROSSO DO SUL TRIBUNAL PLENO E ÓRGÃO ESPECIAL...19 SEÇÕES E TURMAS...19 CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA...21 O TRIBUNAL DO JÚRI JUÍZES DE DIREITO JUIZADOS ESPECIAIS OS CONSELHOS E O JUIZ AUDITOR DA JUSTIÇA MILITAR JUIZ DE PAZ JUIZ AUXILIAR SÃO ÓRGÃOS AUXILIARES DA JUSTIÇA SERVIDORES DA JUSTIÇA : CONCILIADORES E OS JUÍZES NÃO TOGADOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS...27 OUVIDORIA JUDICIÁRIA ESCOLA JUDICIAL DE MATO GROSSO DO SUL

8 8

9 Apresentação É comum as pessoas fazerem confusão nas questões que envolvem a Justiça, tais como: que o juiz dá um parecer, quando na verdade ele decide; que a polícia é um órgão do Judiciário, quando na verdade ela é do Executivo; que a polícia prende e o juiz solta, quando na verdade, na maioria das vezes, é o juiz quem manda prender, bem como soltar. Por isso esta cartilha Conheça o Judiciário tem como objetivo, numa linguagem simples, esclarecer a população sobre as funções, atividades e órgãos do Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul. Des. Luiz Carlos Santini Presidente 9

10 10

11 POR QUE CONHECER O JUDICIÁRIO? É importante conhecer o Judiciário, pois ele é o responsável pela aplicação da lei na resolução dos conflitos. É aquele que trabalha para a busca da paz social. Assim, conhecer a estrutura e o funcionamento do Judiciário é condição básica para a pessoa exercer sua cidadania. Só que ele não trabalha sozinho. Junto com o Judiciário trabalham o Ministério Público, a Defensoria Pública e os advogados, exercendo as funções essenciais à Justiça. Cada um tem a sua função. O advogado é o profissional que trabalha para defender os direitos de uma pessoa ou empresa. O Ministério Público é o órgão responsável por defender a ordem jurídica, o regime democrático e os nossos interesses. Já a Defensoria Pública existe para garantir assistência jurídica, gratuitamente, ao cidadão que não tem condições de pagar um advogado. 11

12 A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO Sabemos que a União e os Estados brasileiros possuem três poderes: Legislativo, Executivo e Judiciário. Os municípios possuem dois: Executivo, representado pelo prefeito e seus secretários, e o Legislativo, representado pelos vereadores. A Justiça, porém, é exclusivamente estadual ou federal. O território do Estado, para os fins de administração da Justiça, divide-se em circunscrições, comarcas e distritos judiciários. 12

13 COMARCA E ENTRÂNCIA A palavra comarca origina-se do termo alemão marca, que tem o sentido de limite. Ela indica o lugar (cidade) onde um juiz ou um grupo de juízes vão trabalhar. Em cada comarca atua, pelo menos, um juiz de direito. Como existem cidades que são maiores e se tornam capitais de Estado, no Poder Judiciário existem algumas comarcas que são classificadas por Entrância, ou seja, em conformidade com o volume de processos que existe no Fórum. Para o Poder Judiciário nem todo município é uma comarca. Às vezes temos comarcas com mais de um município. Desta forma, em Mato Grosso do Sul, para os 78 municípios existentes, temos 54 comarcas. A Comarca de Corumbá, por exemplo, reúne os municípios e distritos de: Corumbá, Ladário e Albuquerque. 13

14 As comarcas de pequeno porte possuem um só juiz e uma única vara. Elas são chamadas de comarcas de primeira entrância. Nela, o juiz, titular da vara, responde por todos os processos do Fórum. Já as comarcas de médio porte apresentam mais de um juiz e mais de uma vara. Cada vara será ocupada por um juiz titular. Neste caso, os processos são distribuídos de acordo com sua natureza, como por exemplo, cível e criminal. Essas comarcas são chamadas de segunda entrância. Em Mato Grosso do Sul existem apenas duas comarcas que, pelo elevado número de juízes e de varas, são classificadas como de Entrância Especial. É o caso de Campo Grande e Dourados. Nestas comarcas os processos são distribuídos de acordo com o seu gênero, ou seja, se for um processo de violência contra a mulher será da vara da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, se for um processo que questiona problemas familiares, tais como guarda de filho, será da vara de família. Comarcas de Entrância Especial Comarcas de 2ª Entrância Comarcas de 1ª Entrância 14

15 VARAS JUDICIAIS Antigamente os juízes eram obrigados a carregar em público um símbolo de sua autoridade representado por um bastão. Por tal motivo, a denominação de vara. Esse símbolo passou a significar a área especializada em que ele exerce sua função. Exemplos: juiz da 1ª Vara de Família da Comarca de Campo Grande. INSTÂNCIA Da mesma forma como existe na escola o 1º grau (ensino fundamental), o 2º grau (ensino médio) e o nível superior para demonstrar os níveis de escolaridade, no Poder Judiciário a Instância diferencia onde o processo será julgado. Quando uma pessoa entra com uma ação no Judiciário, ela estará iniciando seu processo no 1º Grau ou na primeira instância. A decisão de 1º grau ou primeira instância é isolada, ou seja, cabe apenas a um juiz de direito (com exceção do Tribunal do Júri), que faz uma avaliação do caso e, de acordo com a lei, julga e dá a sentença. 15

16 Caso a pessoa ou o promotor não concorde com o julgamento, pode recorrer, ou seja, solicitar novo julgamento no Tribunal de Justiça que, neste caso, será de 2º Grau ou de segunda Instância. Esse novo julgamento será feito por desembargadores (como são chamados os juízes no Tribunal de Justiça). Ao contrário do 1º Grau ou primeira instância, onde um só juiz decide, no 2º Grau ou segunda instância as decisões são coletivas, ou seja, mais de um desembargador tem direito a votar. Essa nova decisão é chamada de acórdão, que tem o sentido de acordo, ou seja, a maioria ou todos votaram da mesma forma. O processo poderá ainda, em alguns casos, ser julgado em um dos Tribunais Superiores (Superior Tribunal de Justiça ou Supremo Tribunal Federal) que ficam em Brasília. 16

17 ORGANIZAÇÃO DO JUDICIÁRIO SÃO ÓRGÃOS DO PODER JUDICIÁRIO: O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MATO GROSSO DO SUL Podemos dizer que o Tribunal de Justiça é a casa onde se julgam os processos de maneira coletiva, ou seja, onde mais de um desembargador (juiz do 2º grau) entra em acordo sobre uma determinada matéria. Com sede em Campo Grande, o Tribunal de Justiça possui atualmente 31 cargos de desembargador, sendo a maior parte deles preenchidos por juízes de carreira que prestaram concurso para a magistratura e foram promovidos, o restante, composto por advogados e membros do Ministério Público. A maioria dos processos julgados pelo Tribunal de Justiça já foram julgados na primeira instância pelos juízes de direito das comarcas e chegam ao Tribunal porque uma ou as duas partes não concordaram com a decisão do juiz e recorreram da sentença para que haja um novo julgamento. Além disso, existem processos que são iniciados no próprio Tribunal, como por exemplo, os processos que julgam os crimes praticados pelo vice-governador, deputados estaduais, procurador-geral de justiça e secretários de Estado. O Tribunal é responsável também por julgar a inconstitucionalidade de uma lei ou ato normativo estadual que ofendam a Constituição de Mato Grosso do Sul. As sessões de julgamento do Tribunal de Justiça são divididas em: Tribunal Pleno, Órgão Especial, cinco Turmas Cíveis, quatro Seções Cíveis, duas Turmas Criminais, uma Seção Criminal e uma Seção Especial Cível. 17

18 18

19 TRIBUNAL PLENO E ÓRGÃO ESPECIAL O Tribunal Pleno, órgão máximo de julgamento do Poder Judiciário, é composto por todos os desembargadores e tem como atribuição decidir sobre algum recurso ou ação. O Órgão Especial é composto por quinze desembargadores, resolve questões administrativas e jurisdicionais que foram autorizadas pelo Tribunal Pleno. SEÇÕES E TURMAS Além do Tribunal Pleno e do Órgão Especial, funcionam, também, no Tribunal de Justiça, vários órgãos julgadores, sendo: quatro Seções Cíveis, uma Criminal e uma Especial Cível de Uniformização de Jurisprudência. Nelas, seis desembargadores se reúnem em sessões de julgamento para analisar os processos e votar. Há, ainda, quatro Turmas Cíveis e duas Turmas Criminais, composta por quatro desembargadores que também se reúnem para julgar os processos cíveis e criminais. 19

20 CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA Existem alguns casos no Tribunal de Justiça que precisam da presença do Presidente, do Vice-Presidente e do Corregedor- Geral de Justiça para serem julgados. Por isso, quando os três se reúnem eles compõem o Conselho Superior da Magistratura, órgão maior de inspeção e disciplina na esfera do 1º grau ou 1ª instância e de planejamento da organização e da administração do Poder Judiciário. 20

21 CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA Os juízes são os responsáveis por decidir quem está certo ou errado, mas quem verifica o seu comportamento? Nesse caso existe a Corregedoria-Geral de Justiça, que é o órgão que orienta, fiscaliza e disciplina, com normas e atos, as atividades dos juízes e servidores. Também cabe a ela padronizar as atividades dos cartórios judiciais e extrajudiciais. Situada no Tribunal de Justiça, a Corregedoria é composta por um desembargador, que exerce o cargo de Corregedor-Geral, e por dois juízes auxiliares. 21

22 22

23 O TRIBUNAL DO JÚRI Os crimes praticados contra a vida de alguém, em geral, causam grande revolta na população. Nesses casos o autor do crime (réu) é julgado pelo Tribunal do Júri, órgão julgador composto por um juiz de direito e sete jurados (pessoas comuns que preencham os requisitos necessários). No Tribunal do Júri os jurados, na verdade, é que são os verdadeiros juízes. Eles é que julgarão o caso e não poderão, durante o julgamento comunicar-se uns com os outros nem com terceiros. Tudo para garantir que o julgamento seja o mais justo possível. Os jurados também não podem ser parentes do réu, da vítima, do promotor, do juiz nem do advogado de defesa. Se você quer ser um jurado, precisa ser maior de 18 anos e morar na comarca. 23

24 JUÍZES DE DIREITO Sempre que existem duas ou mais pessoas em discussão num processo sobre uma determinada situação (bens materiais, direito, questões familiares etc.) o Poder Judiciário precisa decidir quem está com a razão. Da mesma forma se alguém comete um crime, cabe ao Estado investigar e descobrir quem é o culpado e ao Judiciário julgar e aplicar a pena ao culpado. Nestes dois casos, o Juiz de Direito é o responsável por examinar todas as questões envolvidas, as provas, ouvir as pessoas e por fim decidir quem está certo naquela determinada discussão ou aplicar a pena para o referido culpado. JUIZADOS ESPECIAIS Existem processos que, com um procedimento mais simples, podem ser resolvidos mais rapidamente. Para isso existem os Juizados Especiais, órgãos do Poder Judiciário com competência para a conciliação, o julgamento e o cumprimento de causas cíveis de menor complexidade e crimes de menor dano. São formados por juízes de direito, juízes leigos e conciliadores. 24

25 OS CONSELHOS E O JUIZ AUDITOR DA JUSTIÇA MILITAR No Poder Judiciário Estadual existe um juiz específico para julgar os crimes militares. É o Juiz auditor militar, ou simplesmente auditor militar. Quando se trata da função de processar propriamente dita, o juiz auditor passa a integrar os Conselhos de Justiça, órgãos coletivos, formados, além do auditor, por oficiais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros. JUIZ DE PAZ Muito confundido pelas pessoas é a atribuição do Juiz de Paz. Apesar de fazer parte do Poder Judiciário, ele é um cidadão comum, eleito pelo voto direto e secreto para um mandato de quatro anos, com competência para celebrar casamentos. Em todos os municípios e distritos há um juiz de paz atuando no cartório de registro civil existente. 25

26 JUIZ AUXILIAR O juiz auxiliar é um juiz de direito convocado pelo Presidente do Tribunal de Justiça para exercer atividades de assessoramento em diversas situações. Durante a convocação o magistrado fica afastado das respectivas funções na vara em que estava atuando. SÃO ORGÃOS AUXILIARES DA JUSTIÇA: SERVIDORES DA JUSTIÇA Assim como na engrenagem de um motor todas as peças desempenham uma determinada função, no Poder Judiciário os servidores da justiça têm como função cumprir suas obrigações para o perfeito funcionamento da instituição. Os servidores são cidadãos que foram aprovados em concurso público e que tomaram posse para ocupar cargos no Poder Judiciário. 26

27 CONCILIADORES E OS JUÍZES NÃO TOGADOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS De uns tempos para cá, com o crescente número de processos no Judiciário, foi necessário buscar meios para a solução desses processos. Com a criação dos Juizados Especiais, surgiram as funções de conciliadores e juízes leigos (não concursados) para tentar resolver os problemas por meio do diálogo, ou de um julgamento em que não precisa da figura do Juiz de Direito. O Conciliador é uma pessoa, preferencialmente, formada em Direito, indicada pelo juiz para realizar audiências de conciliação. Age como mediador, conduz a conversa entre as partes de forma a resolver o problema. Já os Juízes Leigos (não concursados) simbolizam a participação popular na administração da justiça. São advogados com mais de cinco anos de experiência, designados para realizar audiências, preparar o processo, tentar fazer a conciliação, elaborar sentença desde que tudo esteja de acordo com o juiz de direito. 27

28 OUVIDORIA JUDICIÁRIA Para saber se estamos trabalhando bem, precisamos ouvir a população. Para isso o Poder Judiciário dispõe da Ouvidoria Judiciária, um canal direto de comunicação entre a população e a instituição, garantindo assim, um relacionamento democrático com a sociedade, por meio da participação do cidadão. A Ouvidoria é uma atividade da esfera administrativa e seu trabalho não se confunde com o dos advogados, dos promotores e dos juízes. Além do Ouvidor Judiciário, representado por um Desembargador, a Ouvidoria conta também com uma estrutura voltada para o atendimento externo. 28

29 ESCOLA JUDICIAL DE MATO GROSSO DO SUL EJUD/MS Quando pensamos em escola, logo vem a ideia de estudos. Pois é, a Escola Judicial tem a função de capacitar e treinar os juízes, por meio de cursos oficiais, para que eles possam se atualizar cada vez mais no exercício da sua função. 29

30 Conheça o Judiciário O Poder Judiciário existe para garantir os direitos do cidadão quando se sentir prejudicado em algum de seus direitos ou estiver prestes a sofrer alguma ameaça em sua integridade física ou em seu patrimônio. Nesse caso, você pode procurar pelo Juizado Especial, que atende no fórum de sua comarca ou, em causas maiores/específicas, representado por advogado, as varas especializadas também no fórum de sua comarca. Em Campo Grande o atendimento dos Juizados Especiais é realizado no Juizado Central. O horário de atendimento é das 12h às 19h e você pode obter outras informações no site do Tribunal de Justiça: Se você quiser fazer uma sugestão, pode ser por intermédio do FALE CONOSCO , ou via internet pelo O Tribunal de Justiça do Estado situa-se na Av. Mato Grosso, Bloco 13, Parque dos Poderes, em Campo Grande, MS. 30

31

32

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida,

Leia mais

Profissões jurídicas - outras SOCIOLOGIA JURÍDICA PROF. ADRIANO DE ASSIS FERREIRA

Profissões jurídicas - outras SOCIOLOGIA JURÍDICA PROF. ADRIANO DE ASSIS FERREIRA 1 Profissões jurídicas - outras SOCIOLOGIA JURÍDICA PROF. ADRIANO DE ASSIS FERREIRA Profissões jurídicas 2 2410 : Advogados 1113 : Magistrados 2412 : Procuradores e advogados públicos 2413 : Tabeliães

Leia mais

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL A CE-MS segue um padrão semelhante à Constituição Federal, reproduzindo em muitos artigos o que foi estabelecido na CF de 1988. Trataremos apenas de algumas

Leia mais

BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil

BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil DIALOGANDO SOBRE JUSTICIA MILITAR BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil 1. De acordo com as leis de seu País, qual

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987

LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987 LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987 Dá nova redação aos artigos que menciona, entre outras providências, da Lei Complementar n. 3, de 12 de janeiro de 1981, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem:

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem: STF MINISTROS 11 CIDADÃO +35 / - 65 N.S.J / R.I Pres. Repúb. Senado Federal Maioria absoluta NÃO POS- SUE ORI- GEM Processar e julgar, originariamente: a) a ADi de lei ou ato normativo federal ou estadual

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 30/2013/CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 30/2013/CM PROVIMENTO N. 30/2013/CM Aprova os Regimentos Internos dos Juizados Especiais: JEI - Juizado Especial Itinerante, JUVAM - Juizado Volante Ambiental e SAI - Serviço de Atendimento Imediato do Poder Judiciário

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2016. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso das suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2016. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso das suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO Nº 11, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2016. DISPÕE SOBRE A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE VIDEOCONFERÊNCIA PARA REALIZAÇÃO DE AUDIÊNCIAS NO ÂMBITO DO PODER JUDICIÁRIO DE ALAGOAS. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1 Direito - Técnico do TRF 4ª Região É possível estudar buscando materiais e aulas para cada uma das matérias do programa do concurso de Técnico do TRF 4ª Região. Basta disciplina e organização. Sugestão

Leia mais

Supreme Court. Courts of Appeals. Federal Circuit. District Courts. Court of Int l Trade, Claims Court, and Court of Veterans Appeals

Supreme Court. Courts of Appeals. Federal Circuit. District Courts. Court of Int l Trade, Claims Court, and Court of Veterans Appeals SI STEMA JURÍ DI CO DOS EUA: Um a Breve Descrição Federal Judicial Center Histórico A Constituição dos Estados Unidos estabelece um sistema federal de governo. A Constituição dá poderes específicos ao

Leia mais

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 74/2007 Aprova o Estatuto da Escola de Formação e Aperfeiçoamento da Magistratura da 18ª Região da Justiça do Trabalho

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 74/2007 Aprova o Estatuto da Escola de Formação e Aperfeiçoamento da Magistratura da 18ª Região da Justiça do Trabalho RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 74/2007 Aprova o Estatuto da Escola de Formação e Aperfeiçoamento da Magistratura da 18ª Região da Justiça do Trabalho EMAT-18. CERTIFICO E DOU FÉ que o Pleno do Egrégio Tribunal

Leia mais

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will 1) Mudanças que se sujeitam ao princípio da anualidade: a) mudança na lei partidária (filiação, convenção, coligações, número de candidatos etc). b) mudança

Leia mais

O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, FL. 13 1868/2015 - Quinta-feira, 03 de Dezembro de 2015 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região 1 PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO PORTARIA TRT 18ª GP/DG Nº 479/2015

Leia mais

Resolução nº 68, de 31 de maio de 1995. R E S O L V E

Resolução nº 68, de 31 de maio de 1995. R E S O L V E Resolução nº 68, de 31 de maio de 1995. O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso de suas atribuições legais. R E S O L V E Aprovar, no âmbito do Poder Judiciário Estadual, as Normas

Leia mais

CARTILHA DGADM/DICIN

CARTILHA DGADM/DICIN CARTILHA PREENCHIMENTO DA GRERJ ELETRÔNICA DGADM/DICIN Corregedor-Geral Desembargador Antonio José Azevedo Pinto JANEIRO/2011 Cartilha Preenchimento da GRERJ Eletrônica 1 Informações e ilustrações para

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ACRE PROGRAMA JUSTIÇA COMUNITÁRIA ESCOLA DO PODER JUDICIÁRIO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO CONVÊNIO SICONV Nº 777045/2012 ANO 2014 05/08 a 22/08/2014 2 PODER JUDICIÁRIO DO ACRE

Leia mais

Lei nº, Janeiro e dá outras providências. A Assembléia Legislativa decreta. Título I DISPOSIÇÕES GERAIS

Lei nº, Janeiro e dá outras providências. A Assembléia Legislativa decreta. Título I DISPOSIÇÕES GERAIS Lei nº, Dispõe sobre a organização judiciária do Estado do Rio de Janeiro e dá outras providências. A Assembléia Legislativa decreta Título I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a organização

Leia mais

Dispõe sobre o realinhamento administrativo do Tribunal Regional Federal da Primeira Região e dá outras providências.

Dispõe sobre o realinhamento administrativo do Tribunal Regional Federal da Primeira Região e dá outras providências. RESOLUÇÃO/PRESI 600-007 DE 13/03/2009* Dispõe sobre o realinhamento administrativo do Tribunal Regional Federal da Primeira Região e dá outras providências. O PRESIDENTE do Tribunal Regional Federal da

Leia mais

O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA A E O DIAGNÓSTICO DOS JUIZADOS ESPECIAIS. Comissão dos Juizados Especiais

O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA A E O DIAGNÓSTICO DOS JUIZADOS ESPECIAIS. Comissão dos Juizados Especiais O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA A E O DIAGNÓSTICO DOS JUIZADOS ESPECIAIS Comissão dos Juizados Especiais Formulário rio dos Juizados Criminais Estatísticas da Justiça Federal e prognósticos de seguros -

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA A SELEÇÃO PÚBLICA DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA A SELEÇÃO PÚBLICA DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL DO ESTADO EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA A SELEÇÃO PÚBLICA DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO O PROCURADOR GERAL DO ESTADO, no uso das

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010)

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) Dispõe sobre o pedido e a utilização das interceptações telefônicas, no âmbito do Ministério Público, nos

Leia mais

Nº DESCRIÇÃO EIXO SC PP CPP QTD ORDEM

Nº DESCRIÇÃO EIXO SC PP CPP QTD ORDEM Nº DESCRIÇÃO EIXO SC PP CPP QTD ORDEM Criar rádios e TV's comunitárias voltadas à prestação de contas das ações, programas e 1 projetos existentes nos municípios e divulgação dos serviços públicos locais,

Leia mais

RESOLUÇÃO nº. 78/2015/CSDP.

RESOLUÇÃO nº. 78/2015/CSDP. RESOLUÇÃO nº. 78/2015/CSDP. Aprova e torna público o Regulamento do V Concurso Público de Provas e Títulos para ingresso na carreira da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso e dá outras providências.

Leia mais

Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros

Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros 2.2.1 - Quando da lavratura dos atos das serventias, serão utilizados papéis com fundo inteiramente branco, salvo disposição expressa em contrário. A escrituração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 12/2012

RESOLUÇÃO Nº 12/2012 Dispõe sobre o horário de expediente nos Órgãos do Poder Judiciário do Estado do Amazonas e dá outras providências. O, no uso de suas atribuições constitucionais, legais e regimentais, e CONSIDERANDO,

Leia mais

JUSTIÇA ESPECIALIZADA EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA NA REGIÃO SUL DO BRASIL

JUSTIÇA ESPECIALIZADA EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA NA REGIÃO SUL DO BRASIL DIREITO TRIBUTÁRIO Hélcio Corrêa JUSTIÇA ESPECIALIZADA EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA NA REGIÃO SUL DO BRASIL TAX COURTS IN SOUTHERN BRAZIL 89 Sérgio Ricardo Ferreira Mota RESUMO Aponta o atual estágio de especialização

Leia mais

Código de Organização e Divisão Judiciária do Estado de Rondônia. 5ª Edição. Atualizada até a LC n. 597, de 28 de dezembro de 2010.

Código de Organização e Divisão Judiciária do Estado de Rondônia. 5ª Edição. Atualizada até a LC n. 597, de 28 de dezembro de 2010. Código de Organização e Divisão Judiciária do Estado de Rondônia 5ª Edição 2011 Atualizada até a LC n. 597, de 28 de dezembro de 2010. Ficha Técnica Elaboração Presidência do Tribunal de Justiça Coordenadoria

Leia mais

Questões comentadas e atualizadas com a jurisprudência do STF e STJ

Questões comentadas e atualizadas com a jurisprudência do STF e STJ Questões comentadas e atualizadas com a jurisprudência do STF e STJ LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1 Essa obra, abrange todo o aspecto legal sobre Licitações e Contratos da Administração Pública;

Leia mais

ATA DE REUNIÃO. LOCAL: PLENÁRIO DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DATA: 28/06/2013 HORÁRIO: 09h30min

ATA DE REUNIÃO. LOCAL: PLENÁRIO DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DATA: 28/06/2013 HORÁRIO: 09h30min MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA SECRETARIA EXECUTIVA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CÍVEIS E CRIMINAIS DA CAPITAL ATA DE REUNIÃO LOCAL: PLENÁRIO DOS

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007

PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007 SENADO FEDERAL GABINETE DO SENADOR EXPEDITO JÚNIOR PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Analista de Sistemas e suas correlatas, cria o Conselho

Leia mais

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ 1 MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ INTRODUÇÃO Destina-se o Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) a organizar, coordenar e supervisionar o estágio obrigatório para os quatro últimos semestres do curso,

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA Publicado no Diário Oficial nº 1.346 de 05/07/96. LEI COMPLEMENTAR Nº 018 DE 05 DE JULHO DE 1996

Leia mais

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO No- 1, DE 9 DE JUNHO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional dos Direitos Humanos - CNDH. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 15 DE MARÇO DE 2016. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso das suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 15 DE MARÇO DE 2016. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso das suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO Nº 16, DE 15 DE MARÇO DE 2016. INSTITUI E DISCIPLINA O PROGRAMA DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO NO ÂMBITO DO PODER JUDICIÁRIO DE ALAGOAS. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso das suas atribuições

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

ESTADO DO AMAPÁ. CONSIDERANDO as peculiaridades da transição decorrentes da instalação do Estado do Amapá;

ESTADO DO AMAPÁ. CONSIDERANDO as peculiaridades da transição decorrentes da instalação do Estado do Amapá; DECRETO (N) n.º 0069, de 15 de maio de 1991 Publicado no DOE Nº 091, de 16 de maio de 1991 Atualizado até a Lei Complementar nº 0080, de 19/07/2013. DOE Nº 5513, de 19 de julho de 2013 DISPÕE SOBRE A ORGANIZAÇÃO

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS A JUSTIÇA ELEITORAL

CARTA DE SERVIÇOS A JUSTIÇA ELEITORAL CARTA DE SERVIÇOS A JUSTIÇA ELEITORAL DEFINIÇÃO A Justiça Eleitoral é o ramo do Poder Judiciário responsável pelo processo eleitoral do país, sendo fundamental à normalidade da ordem democrática e essencial

Leia mais

JUIZADO ESPECIAL DA FAZENDA PÚBLICA

JUIZADO ESPECIAL DA FAZENDA PÚBLICA JUIZADO ESPECIAL DA FAZENDA PÚBLICA O termo Fazenda Pública significa a presença em juízo de pessoa jurídica de direito público interno, descritas no artigo 41 do Código Civil como sendo a União, os Estados,

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL 1 RESOLUÇÃO Nº 261, DE 2013 (Autoria do Projeto: Vários Deputados) Insere dispositivos no Regimento Interno da Câmara Legislativa do Distrito Federal para criar a Comissão de Fiscalização, Governança,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno PARECER de CONTROLE Nº 003/09 ENTIDADE SOLICITANTE: Departamento de Água

Leia mais

PROVIMENTO Nº 29/2005

PROVIMENTO Nº 29/2005 PROVIMENTO Nº 29/2005 Atualiza a disciplina da Seção IV, do Capítulo IX, do Tomo I, das Normas de Serviço da Corregedoria: subdividindo-a em Subseção I (itens 29 a 45-A) e Subseção II (itens 45-B a 45-O);

Leia mais

CONTROLE INTERNO Apresentação: Joilson Alves Pinheiro

CONTROLE INTERNO Apresentação: Joilson Alves Pinheiro Fale Conosco E-mail: controleinterno@unemat.br Telefone: 65-3221-0064 / 0033 I CICLO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CONTROLE INTERNO Apresentação: Joilson Alves

Leia mais

Apresentação. O Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais

Apresentação. O Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais Apresentação O Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais A Corregedoria da Justiça apresenta aos cidadãos do Distrito Federal a série Conversando Sobre Cartórios, onde as dúvidas mais freqüentes

Leia mais

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e censura independe de sindicância ou processo, podendo ser

Leia mais

ESTADO DO ACRE. FAÇO SABER que a Assembleia Legislativa do Estado do Acre decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar:

ESTADO DO ACRE. FAÇO SABER que a Assembleia Legislativa do Estado do Acre decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: LEI COMPLEMENTAR Nº 221, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Dispõe sobre o Código de Organização e Divisão Judiciárias do Estado do Acre e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE FAÇO SABER que a

Leia mais

37 / 52 8. CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB

37 / 52 8. CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB 8. CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB 8.1. O que caracteriza o Conselho de Acompanhamento e Controle Social do Fundeb e qual a sua principal atribuição? 8.2. O Conselho possui outras atribuições? 8.3. Qual o prazo

Leia mais

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Período da realização da correição: de 23 de maio a 13 de junho de 2014. Juiz de Direito Titular:

Leia mais

INSPEÇÃO REALIZADA NA 2ª VARA DE REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE FORTALEZA/CE

INSPEÇÃO REALIZADA NA 2ª VARA DE REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE FORTALEZA/CE INSPEÇÃO REALIZADA NA 2ª VARA DE REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA Magistratura, DE FORTALEZA/CE RELATÓRIO Excelentíssimo Senhor Desembargador Presidente do Conselho Superior da Em cumprimento à Portaria nº

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 03/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2012 Unidade Responsável: Departamento de Material e Patrimônio - DMP I FINALIDADE Dispor sobre os procedimentos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Quinto constitucional Antonio Pessoa Cardoso* Quinto constitucional é o mecanismo que confere vinte por cento dos assentos existentes nos tribunais aos advogados e promotores; portanto,

Leia mais

O QUE É MEDIAÇÃO? Exemplos práticos: Conflitos de vizinhança, separação, divórcio, conflitos trabalhistas, etc...

O QUE É MEDIAÇÃO? Exemplos práticos: Conflitos de vizinhança, separação, divórcio, conflitos trabalhistas, etc... O QUE É MEDIAÇÃO? A Mediação é uma forma de tentativa de resolução de conflitos através de um terceiro, estranho ao conflito, que atuará como uma espécie de "facilitador", sem entretanto interferir na

Leia mais

PRESIDENTE: Des. Cláudio Santos VICE-PRESIDENTE: Des. Amílcar Maia CORREGEDOR: Des. Saraiva Sobrinho OUVIDOR: Des. Expedito Ferreira de Souza DIRETOR

PRESIDENTE: Des. Cláudio Santos VICE-PRESIDENTE: Des. Amílcar Maia CORREGEDOR: Des. Saraiva Sobrinho OUVIDOR: Des. Expedito Ferreira de Souza DIRETOR PRESIDENTE: Des. Cláudio Santos VICE-PRESIDENTE: Des. Amílcar Maia CORREGEDOR: Des. Saraiva Sobrinho OUVIDOR: Des. Expedito Ferreira de Souza DIRETOR DA ESMARN : Des. Vivaldo Pinheiro DIRETOR DA REVISTA

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Turma de Procuradores de Justiça Criminal para Uniformização de Entendimentos

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Turma de Procuradores de Justiça Criminal para Uniformização de Entendimentos ASSENTO nº 010/2009 Ministério Público do Estado de Mato Grosso I) A gravação audiovisual da audiência nos processos criminais não é obrigatória. A regra do art. 405, 2º do CPP é norma de natureza permissiva,

Leia mais

O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais; e

O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais; e RESOLUÇÃO Nº 20/2004 - CPJ Cria a CENTRAL DE ACOMPANHAMENTO DE INQUÉRITOS POLICIAIS E CONTROLE EXTERNO DA ATIVIDADE POLICIAL, no âmbito do Ministério Público do Estado de Mato Grosso e dá outras providências.

Leia mais

Edital nº 004/2014 TCE/MS INSTRUÇÕES DA PROVA ORAL

Edital nº 004/2014 TCE/MS INSTRUÇÕES DA PROVA ORAL Edital nº 004/2014 TCE/MS INSTRUÇÕES DA PROVA ORAL O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, no uso de suas atribuições legais e considerando o contido no Edital nº 02/2013 TCEMS,

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 3.820, DE 11 DE NOVEMBRO DE 1960.

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 3.820, DE 11 DE NOVEMBRO DE 1960. Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Regulamento LEI Nº 3.820, DE 11 DE NOVEMBRO DE 1960. Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Farmácia, e dá outras providências. O

Leia mais

1. Responsabilidade. 2. Quem pode participar

1. Responsabilidade. 2. Quem pode participar Desafio O Desafio Mudanças Climáticas 2009, doravante denominado simplesmente Desafio, tem caráter exclusivamente educativo. De acordo com o disposto no artigo 3º, inciso II, da Lei nº. 5.768/71 e no art.

Leia mais

09/05/2016 Souza Cruz é condenada por dispensa discriminatória de empregado com câncer nos rins A Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho

09/05/2016 Souza Cruz é condenada por dispensa discriminatória de empregado com câncer nos rins A Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho 09/05/2016 Souza Cruz é condenada por dispensa discriminatória de empregado com câncer nos rins A Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou recurso da Souza Cruz S.A. contra condenação à reintegração

Leia mais

PROJETO DE LEI N, DE 2015. (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli)

PROJETO DE LEI N, DE 2015. (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli) PROJETO DE LEI N, DE 2015 (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli) O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre a regulamentação do exercício das profissões de Analista de Sistemas, Desenvolvedor, Engenheiro

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

Fórum Estadual de Juízes, Promotores de Justiça, Defensores Públicos e Técnicos do Poder Judiciário e Ministério Público de Santa Catarina

Fórum Estadual de Juízes, Promotores de Justiça, Defensores Públicos e Técnicos do Poder Judiciário e Ministério Público de Santa Catarina Curso Java Enterprise 2ª edição Público-alvo: servidores do TJSC que atuam como Analistas de Sistemas, especialmente os lotados nas Divisões de Sistemas Administrativos e Gestão do Conhecimento. Curso

Leia mais

Edital 01/2012 1.1 2.1 a.1) a.2) a.3) a.4) a.5) a.6) a.7) 2.2 3.1 3.2

Edital 01/2012 1.1 2.1 a.1) a.2) a.3) a.4) a.5) a.6) a.7) 2.2 3.1 3.2 Edital 01/2012 O DR. FERNANDO BUENO DA GRAÇA, JUIZ DE DIREITO SUPERVISOR DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE LOANDA, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o disposto na Resolução nº 03/2010

Leia mais

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências LEI DELEGADA Nº 39 DE 28 DE NOVEBRO DE 1969 D.O Nº 236 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1969 Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências O Governador do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições

Leia mais

DISCURSO DE POSSE. Excelentíssimo Senhor Governador do Estado, Silval da Cunha Barbosa, em nome do qual cumprimento todos os Secretários de Estado;

DISCURSO DE POSSE. Excelentíssimo Senhor Governador do Estado, Silval da Cunha Barbosa, em nome do qual cumprimento todos os Secretários de Estado; DISCURSO DE POSSE Cuiabá, 05 de fevereiro de 2013. Excelentíssimo Senhor Conselheiro José Carlos Novelli, Presidente do Tribunal de Contas, em nome do qual cumprimento todos os Conselheiros deste Tribunal;

Leia mais

RELATÓRIO. Apelação Cível nº 1250429-5 fl. 2

RELATÓRIO. Apelação Cível nº 1250429-5 fl. 2 APELAÇÃO CÍVEL Nº 1250429-5, DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE LONDRINA 2ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIAS E RECUPERAÇÃO JUDICIAL. Apelante 1: MARIA NASCIMENTO DE GOUVEIA E OUTROS

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA. Concurso Público Corregedoria Geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro - 2001. www.estrategiaconcursos.com.

LÍNGUA PORTUGUESA. Concurso Público Corregedoria Geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro - 2001. www.estrategiaconcursos.com. LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO VIVER EM SOCIEDADE Dalmo de Abreu Dallari A sociedade humana é um conjunto de pessoas ligadas pela necessidade de se ajudarem umas às outras, a fim de que possam garantir a continuidade

Leia mais

COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS DA FAZENDA PÚBLICA

COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS DA FAZENDA PÚBLICA COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS DA FAZENDA PÚBLICA Fabiano Samartin Fernandes * BREVE HISTÓRICO Os Juizados Especiais foram criados pela Lei n. 9.099, de 26 de setembro de 1995, inspirados diretamente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 28 DE JULHO DE 2015. O PLENO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso das suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 28 DE JULHO DE 2015. O PLENO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso das suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO Nº 16, DE 28 DE JULHO DE 2015. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO AUXÍLIO-SAÚDE AOS SERVIDORES ATIVOS DO PODER JUDICIÁRIO DE ALAGOAS E ADOTA PROVIDÊNCIAS CORRELATAS. O PLENO DO TRIBUNAL

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07)

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07) PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07) EMENTA: Orienta os juízes sobre a competência do Juizado de Violência Doméstica

Leia mais

Quanto ao órgão controlador

Quanto ao órgão controlador Prof. Ms. Cristian Wittmann Aborda os instrumentos jurídicos de fiscalização sobre a atuação dos Agentes públicos; Órgãos públicos; Entidades integradas na Administração Pública; Tem como objetivos fundamentais

Leia mais

Inspeção Realizada na Comarca Vinculada de São João do Jaguaribe

Inspeção Realizada na Comarca Vinculada de São João do Jaguaribe ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA Centro Administrativo Governador Virgílio Távora Av. Gal. Afonso Albuquerque de Lima s/nº Cambeba Fortaleza Ceará CEP

Leia mais

PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO

PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO 12 PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO QUESTÃO 41 NÃO está correta a seguinte definição: a) DIREITO POSITIVO: o ordenamento ideal, correspondente a uma justiça superior e intrinsecamente boa e legítima. b) DIREITO

Leia mais

Juizado da Infância e da Juventude da Comarca de Manaus

Juizado da Infância e da Juventude da Comarca de Manaus Juizado da Infância e da Juventude da Comarca de Manaus A Vara Especializada de Menores no Amazonas foi criada em 1935 e entrou em atividade no mesmo ano com o nome de Juízo Tutelar de Menores e Acidente

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 155 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2009. Altera dispositivos da Lei Complementar nº 142 de 29 de dezembro de 2008, e dá outras providências.

LEI COMPLEMENTAR Nº 155 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2009. Altera dispositivos da Lei Complementar nº 142 de 29 de dezembro de 2008, e dá outras providências. LEI COMPLEMENTAR Nº 155 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2009. Altera dispositivos da Lei Complementar nº 142 de 29 de dezembro de 2008, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PORECATU - PARANÁ

CÂMARA MUNICIPAL DE PORECATU - PARANÁ A MESA EXECUTIVA DA CÂMARA MUNICIPAL DE PORECATU, usando de suas atribuições que lhe são conferidas por lei, apresenta à judiciosa apreciação da Colenda Câmara de Vereadores de Porecatu, o seguinte: PROJETO

Leia mais

Poder Judiciário Brasileiro

Poder Judiciário Brasileiro Poder Judiciário Brasileiro TSE TST STF STJ CNJ STM TU TRE S TRT S TR TRF S TJ S TR TME JUÍZES JUNTA JUÍZES JEF JUÍZES JÚRI JUÍZES JÚRI JEC CJM CJM Poder Judiciário Brasileiro TSE TST STF STJ CNJ STM TU

Leia mais

CPI VIOLÊNCIA CONTRA JOVENS NEGROS E POBRES

CPI VIOLÊNCIA CONTRA JOVENS NEGROS E POBRES CPI VIOLÊNCIA CONTRA JOVENS NEGROS E POBRES Comissão Parlamentar de Inquérito destinada a apurar as causas, razões, consequências, custos sociais e econômicos da violência, morte e desaparecimento de jovens

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

Edital N. 08/2015 - DF

Edital N. 08/2015 - DF Edital N. 08/2015 - DF O DOUTOR MARCO ANTONIO CANAVARROS DOS SANTOS, M.M Juiz Direto e Diretor do Fórum da Comarca de Novo São Joaquim, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, RESOLVE:

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 371, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2008.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 371, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2008. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 371, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2008. Dispõe sobre a organização do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte, alterando a Lei Complementar 165, de 28 de abril

Leia mais

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS No Processo Penal Português está plasmado o princípio da suficiência daquele, o qual, nos termos do disposto no artigo 7.º, n.º 1, CPP, prevê

Leia mais

Apresentação. O Cartório de Registro de Imóveis

Apresentação. O Cartório de Registro de Imóveis Apresentação O Cartório de Registro de Imóveis A Corregedoria da Justiça apresenta aos cidadãos do Distrito Federal a série Conversando Sobre Cartórios, onde as dúvidas mais freqüentes são respondidas

Leia mais

FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA

FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA Regras Básicas para as Atividades de Prática Jurídica a partir do ano letivo de 2010 Visitas Orientadas 72 Horas 36 horas para atividades

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 27/2013 (Alterado pelo Provimento Conjunto nº 38/2014)

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 27/2013 (Alterado pelo Provimento Conjunto nº 38/2014) Publicação: 21/10/13 DJE: 18/10/13 PROVIMENTO CONJUNTO Nº 27/2013 (Alterado pelo Provimento Conjunto nº 38/2014) Regulamenta o recolhimento e a destinação dos valores oriundos de prestações pecuniárias

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 148/2015

RESOLUÇÃO N.º 148/2015 RESOLUÇÃO N.º 148/2015 Autoriza o porte de arma de fogo institucional aos servidores da Justiça Militar do Estado. O PRESIDENTE DO, no uso de suas atribuições legais, de acordo com o artigo 241, inciso

Leia mais

Questões Fundamentadas do Regimento Interno do TRT 5ª Região Art. 1º ao 72. Concurso 2013

Questões Fundamentadas do Regimento Interno do TRT 5ª Região Art. 1º ao 72. Concurso 2013 Para adquirir a apostila 160 Questões Fundamentadas Do Regimento Interno do TRT Bahia 5ª Região - Art. 1º ao 72 acesse o site www.odiferencialconcursos.com.br S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4

Leia mais

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Decreto-lei nº 7.661, de 21 de junho de 1945 Lei de Falências revogado. Lei nº 11.101, de 09 de fevereiro de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) RELATOR(A): Inquérito policial n. 27-65.2013.6.20.0000 (IP 011/2013). Relator: Desembargador Amílcar Maia. Autor: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL. Denunciados: Lucicleide Ferreira

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA nº 01/2016

EDITAL DE ABERTURA nº 01/2016 JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DE PERNAMBUCO Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania - CEJUSC Av. Recife, 6250, Jiquiá, Recife/ PE CEP: 50865-900 Tel. (81) 3213-6147 EDITAL DE ABERTURA

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão

Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão O Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão é um órgão do Poder Judiciário Federal e tem como principais atividades a condução do processo eleitoral, desde o alistamento

Leia mais

Resolução nº 102, de 15 de dezembro de 2009

Resolução nº 102, de 15 de dezembro de 2009 English Sobre o CNJ Presidência Corregedoria Atos Administrativos Ouvidoria Sistemas Programas de A a Z Mapa do Site Página Inicial Atos Administrativos Atos da Presidência Resoluções Resolução nº 102,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO EMENTA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO EMENTA nteiro Teor (4842046) de 8 03/03/2016 09:31 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL Nº 0009189-59.2013.4.03.6100/SP 2013.61.00.009189-0/SP RELATOR APELANTE ADVOGADO APELADO(A)

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA

REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA O Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições, resolve aprovar o seguinte: RESOLUÇÃO Nº 40 Dispõe sobre o Regimento

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos.

Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos. Proposto por: Equipe da Central de Assessoramento Criminal DIGITAR DOCUMENTOS Analisado por: Escrivão/RE da Central de Assessoramento Criminal Aprovado por: ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça Conselho Nacional de Justiça Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS - 0006845-87.2014.2.00.0000 Requerente: ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS - AMB Requerido: CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA - CNJ Ementa: PEDIDO

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DO ÚNICO OFÍCIO DE BOCA DA MATA EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS

ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DO ÚNICO OFÍCIO DE BOCA DA MATA EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DO ÚNICO OFÍCIO DE BOCA DA MATA EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS O Doutor ANDRÉ GUASTI MOTTA, MM Juiz de Direito Titular da Comarca de Boca da

Leia mais

ARTIGO - A AÇÃO REVISIONAL DE CONTRATOS NO DIREITO BRASILEIRO

ARTIGO - A AÇÃO REVISIONAL DE CONTRATOS NO DIREITO BRASILEIRO ARTIGO - A AÇÃO REVISIONAL DE CONTRATOS NO DIREITO BRASILEIRO *Maraísa Santana No mês passado (abril/2014) escrevi artigo (AÇÃO REVISIONAL DE FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS É GARANTIDA POR LEI), que foi publicado

Leia mais