Construindo pontes de conhecimento entre a Filosofia, a Psicologia e a Administração junto aos alunos de Marketing

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Construindo pontes de conhecimento entre a Filosofia, a Psicologia e a Administração junto aos alunos de Marketing"

Transcrição

1 Construindo pontes de conhecimento entre a Filosofia, a Psicologia e a Administração junto aos alunos de Marketing Villardi, Beatriz 1 Santi, Angela 2 Narducci, Viviane 3 Tardin, Maria Cláudia 4 Endereço: Rua do Rosário 90 CEP TeleFax: (21) Modalidade: Comunicações b.4 - Multidisciplinaridade no ensino da Administração Resumo Trata-se da descrição de uma experiência interdisciplinar de ensino de graduação em Administração que trouxe implicações para docentes, discentes, para a estrutura curricular e a própria capacidade organizacional de aprender. Para docentes a experiência possibilitou que percebessem desenvolvendo em si os respectivos conceitos lecionados, integrando teoria e pratica assim como a capacidade de aprender em grupo. Para os discentes propiciou que pudessem exercitar sua iniciativa e criatividade, percebessem relações entre as disciplinas que os estimularam não apenas à reprodução teórica mas também a reconhecer a importância da reflexão e posicionamento critico sobre a profissão. Também trouxe implicações para a continuidade de disciplinas posteriores e a validação interna da estruturação curricular porque evidenciou a importância da integração disciplinar do conhecimento desenvolvido na graduação dos profissionais de administração de empresas para desenvolver-lhes ação reflexiva, integrada e sustentável. Finalmente, ficou também evidenciado que a organização está desenvolvendo sua capacidade de aprender através dos grupos de trabalho e de agir integrando discurso e ação. Palavras- chave interdisciplinaridade - integração teoria/prática - aprendizagem em grupo - universidade que aprende - reflexão critica. 1 Doutoranda e Mestre em Administração de Empresas pela PUC - RJ Doutora em Filosofia pela PUC - RJ e professora universitária na ESPM RJ. 3 Mestre em Administração de Empresas pela FGV - RJ, professora universitária na ESPM RJ, Estácio de Sá e consultora de empresas. 4 Mestre em Psicologia pela PUC - RJ, professora universitária na ESPM RJ e consultora de empresas.

2 Construindo pontes de conhecimento entre a Filosofia, a Psicologia e a Administração junto aos alunos de Marketing 1. Introdução Sabe-se que as expectativas do corpo discente ao iniciar um curso de graduação são muitas, soma-se a isto o fato desta graduação ser em Administração de Empresas, visto que culturalmente associa-se a este título a imagem de homens e mulheres de sucesso liderando grandes organizações. Entretanto, é comum perceber-se logo nos primeiros meses de aula um certo desencanto, ou melhor dizendo, uma certa frustração dos alunos ao notarem que não irão receber uma lista de regras ou técnicas de como agir e garantir sucesso em seus empreendimentos, e o pior (na visão deles) é quando percebem que terão que se dedicar aos estudos da filosofia, da psicologia e das teorias administrativas, entre outras. Neste momento o questionamento é geral: Para que tudo isto? Por que preciso estudar filosofia? Qual o link existente entre administração, filosofia e psicologia? Como os conceitos trabalhados em diferentes áreas contribuem para o entendimento e atuação profissional nas empresas?. Foi ao discutir estes pontos que irremediavelmente trazem dificuldades em sala de aula, que professoras de filosofia, psicologia e administração resolveram envolver os alunos num trabalho interdisciplinar objetivando promover esta visão integrada do conhecimento desenvolvido nas três disciplinas e para estimular uma futura pratica profissional reflexiva, consciente e critica. A idéia de fazer um trabalho conjunto entre as disciplinas de Administração, Filosofia e Psicologia surgiu de uma reunião inter-departamental das áreas de Administração e Humanas, onde percebemos, através da apresentação e discussão dos conteúdos programáticos, que havia pontos de afinidade entre as disciplinas que poderiam ser explicitados com maior facilidade pelo debate conjunto dos alunos. Consideramos que investir em interdisciplinaridade faz parte de uma postura pedagógica fundamental para que o aluno esteja efetivamente instrumentalizado profissionalmente, com pratica reflexiva e trabalhando em equipe e por projetos (Perrenoud, 2000). Além daquilo que é específico da sua formação técnica como administrador, entendemos que todo profissional deve ser capaz de fazer uma avaliação global e integrada dos fatos. Decidimos, então, fazer um trabalho conjunto no final do semestre, associando temas que já havíamos trabalhado nas aulas. Em discussões informais chegamos à definição de que seria trabalhado em Teoria Geral da Administração, modelos administrativos, em Psicologia, elementos motivacionais e inter-relacionais e em filosofia, questões de ética. O caráter multidisciplinar de todo curso de graduação decorre da compreensão de que o pensamento complexo, em rede, constitui o paradigma contemporâneo para abordagem de questões teóricas e práticas. Consideramos fundamental, portanto,

3 fazermos o exercício efetivo daquilo que está entre cada área de competência. Os elos, os vínculos, é que são o conteúdo dessa perspectiva e exigem um exercício sutil e continuado no cotidiano escolar, de modo a formar profissionais que tenham incorporado organicamente tal postura. 2. Situação - Problema A idéia de um trabalho interdisciplinar originou-se especificamente da necessidade de explicitar as inter-relações entre o conteúdo e a prática de disciplinas do curso de graduação para atender a pedidos da Coordenação do curso e dos próprios alunos que manifestaram - em suas avaliações sobre as disciplinas e os professores - a não compreensão dessas relações entre as matérias. A realização deste trabalho interdisciplinar de pesquisa exigido dos alunos teve como objetivo dar consistência à formação dos discentes estimulando habilidades que a universidade prioriza em sua formação de graduação: iniciativa, criatividade, empreendedorismo, inovação, sensibilidade, ação sustentável com reflexão critica. 3. Objetivo O objetivo deste artigo é descrever a apontar as implicações interdisciplinares de uma prática de docência numa universidade particular de ensino em administração do Rio de Janeiro realizada por quatro professoras com duas turmas de primeiro período do curso de graduação em Administração como forma de propiciar o desenvolvimento da capacidade de percepção de inter-relações e de síntese do conhecimento desenvolvido junto aos discentes e, da capacidade de integrar teoria e pratica junto aos docentes. Neste artigo apresentaremos duas questões centrais Como a inclusão de trabalho interdisciplinar influencia (facilita/dificulta) a capacidade de integrar o conhecimento dos conceitos numa rede de conhecimento desenvolvido em grupo? Como se desenvolve, nos discentes e docentes, uma síntese dos conceitos trabalhados nas respectivas disciplinas e a aprendizagem em equipe? 4. A elaboração do trabalho interdisciplinar Objetivos do trabalho interdisciplinar realizado: Propiciar aos alunos do primeiro período e seus docentes a elaboração de uma síntese que integre os conhecimentos desenvolvidos na filosofia-psicologiaadministração para o entendimento das organizações empresariais. Utilizar o seminário interdisciplinar como ferramenta para desenvolver conexões/redes de conhecimento e capacidade critica em relação aos conceitos trabalhados pelos docentes e discentes. Porém, não sabíamos exatamente como reunir esses temas, a partir de qual eixo. Tivemos a idéia de trabalhar a partir de casos, situações empresariais nas quais os alunos poderiam perceber qual o perfil da empresa, quais os aspectos psicológicos

4 que estariam sendo estimulados em cada perfil descrito e os princípios éticos que as caracterizavam. Os casos escolhidos eram reais ou fictícios. Ressaltamos, que esta experiência com duas turmas de 30 alunos cada uma também era nova para o corpo docente, ou seja, a proposta de escolher conceitos comuns e fazer com que os alunos olhassem através das lentes distintas de cada área, era uma experiência que até então nenhuma das professoras envolvidas havíamos realizado. Mas todas percebíamos ser necessário um esforço conjunto e não apenas o individual, para explicitar essas interconexões. Como o tempo hábil até o final do semestre era curto, nos encontros procuramos de imediato dar forma ao trabalho que seria proposto aos alunos. Foi neste processo de análise dos programas das disciplinas que percebemos e definimos alguns conceitos conexos como elos integrantes de uma rede de conhecimento mais ampla. Para evidencia-los junto aos discentes, escolhemos alguns cases a partir do material sugerido por uma das professoras e elencamos as questões para as três áreas de conhecimento que deveriam ser respondidas pelos alunos em uma única apresentação. Não havia regras para esta apresentação, isto é, os alunos poderiam optar pela forma que melhor lhes conviesse, desde que as questões fossem respondidas de forma clara e concisa. Ao final do processo percebemos a importância do estimulo ao trabalho interdisciplinar, não apenas para os alunos -que puderam perceber inter-relações e participar para desenvolver seu conhecimento-, mas também, para o corpo docente, visto ter sido possível colocar em prática vários dos conceitos por elas apregoados a respeito do trabalho em equipe (comunicação/ diálogo, motivação intra e interpessoal, ética e responsabilidade social). Os organizamos de modo pouco estruturado num trabalho de conclusão de período denominado Seminário interdisciplinar que superou pelas apresentações e descobertas propiciadas, as expectativas das docentes e dos discentes, assim como gerou subsídios para a validação interna da estrutura curricular e o aproveitamento dos links por eles percebidos para o inicio das posteriores disciplinas e o desenvolvimento da aprendizagem organizacional em grupo da própria instituição. Uma professora sugeriu a leitura do capítulo 11 do livro de Stephen Robbins (2000). Neste capítulo, o autor aborda o que é cultura organizacional, a necessidade deste estudo, as dificuldades de algumas fusões empresariais pela divergência radical das culturas organizacionais envolvidas, características das mudanças nas estruturas organizacionais das empresas. Utilizamos apenas 6 relatos de casos que Robbins cita em seu texto: O casamento entre IBM e Lótus, a comparação entre duas culturas empresariais totalmente distintas uma da outra (organização A e a organização B), o caso da Patagônia, da Microsoft, da Kodak e o da Mary Kay Cosmetics. Uma característica curiosa deste grupo de docentes foi a abertura e aceitação das propostas dadas entre si umas às outras. Em nenhum momento houve imposição de idéias, disputa de poder nem individualismo na elaboração nem durante os questionamentos e debates suscitados entre as docentes na realização das apresentações do trabalho pelos alunos.

5 Após a escolha dos casos para pesquisa dos discentes, passamos ao processo de elaboração das perguntas a ser respondidas pelos alunos. Cada professora sugeriu questões sobre o tema da outra, pois na hora deu uma saturação geral nas docentes para a criação de suas respectivas questões. Era a primeira vez que fazíamos um trabalho como este para os alunos de Marketing, na instituição já realizaram -se trabalhos inter-disciplinares mas apenas na área da Publicidade, portanto as expectativas da Coordenação e das docentes eram muitas. Em relação aos casos escolhidos para a apresentação pelos alunos de Administração, é importante assinalar que alguns dos casos eram bastante sucintos, deixando margem para que os alunos elaborassem suas próprias inferências e construíssem um raciocínio consistente com o entendimento por eles desenvolvido. Foram passadas as seguintes questões: - Para Filosofia, ficou estabelecido que os alunos deveriam localizar determinados elementos éticos nas empresas em função de perfil e modelo empresarial seguido por cada uma. O conteúdo trabalhado em sala relacionava-se aos chamados constituintes éticos, isto é, elementos que devem estar presentes nas ações humanas para que a ética realmente se efetive: liberdade, vontade, consciência e responsabilidade. Tais elementos resultam na autonomia capacidade de autoregulamentação - que é o pilar de sustentação da reflexão sobre ética. A viabilidade da atuação ética está diretamente ligada ao grau de autonomia que um indivíduo/instituição possui. Em segundo lugar, trabalhamos três tendências éticas: de princípio, de finalidade e de conseqüência. A primeira centra-se nos princípios morais a priori, a segunda define seus procedimentos em função dos fins a serem atingidos e a terceira concentra-se nos efeitos, visando atingir o maior bem para o maior número de pessoas. A partir disso, foi pedido a cada grupo que respondessem a duas perguntas: após a definição do modelo organizacional -matéria da Introdução a Administração-, do caso escolhido, qual tendência ética a empresa seguiu? e quais os princípios éticos que a empresa estaria estimulando?, buscando traçar de forma coerente um perfil do enfoque organizacional da empresa e a repercussão em termos éticos, terminando por reconhecer o caráter integrado desses elementos. - Para Psicologia, deveriam caracterizar os processos motivacionais e apontar as relações intra e interpessoais estimuladas nas situações estudadas. - Para Introdução a Administração identificariam e caracterizariam as estruturas organizacionais prevalecentes. Comunicadas a questões do seminário aos alunos, em apenas duas semanas estavam apresentando suas minuciosas pesquisas realizadas através de livros e revistas da biblioteca, na internet e inclusive com entrevistas a profissionais das empresas mencionadas nos casos. Observamos que a não proposital apresentação de pouca informação aos discentes sobre as empresas para estudo incitou-lhes a iniciativa levando-os a belas e interessantes pesquisas. Belas pois eram ricas em informações e os alunos estavam bastante motivados em apresentar o que haviam descoberto. Interessantes pela

6 curiosidade despertada, criatividade para procurar informações inclusive com entrevistas por ou pessoalmente. E um fato inesperado em alunos do primeiro período, que lembrou as professoras que a estruturação excessiva pode cercear iniciativas e reforçar a passividade dos discentes. Outro fato importante de se destacar foi a troca espontânea de informações entre os alunos ao longo da pesquisa pois quando encontravam temas referentes às outras apresentações os colegas os repassavam ajudando-os assim para melhores apresentações. O espírito de cooperação sobrepujou o de competição entre grupos neste processo. 5. Apresentação dos trabalhos: No dia das apresentações a docente de Introdução à Administração não pode comparecer e solicitou que a professora de Teoria das Organizações estivesse em seu lugar, participando e colaborando nas discussões e avaliações. Foi uma troca bastante rica pois ela pode perceber o grau de conhecimento dos alunos e estimulálos nas discussões, uma vez que irão estudar esta disciplina um ano mais tarde. As professoras ficaram surpresas com o resultado do estudo dos alunos e com a motivação deles em apresentar o que haviam pesquisado assim como com suas convicções sobre os temas. 5.1 Sínteses desenvolvidas sobre conceitos trabalhados nos casos apresentados Os conceitos de ética -constituintes-, motivação -interna e externa- e estruturas organizacionais -orgânicas e mecanicistas-, foram explicitados e ficou evidente para a turma: No caso KodaK: Quem parecia ser o agente de consciência apontando que a organização não estava preparada para mudanças, tomou decisões que passavam por escolhas tais como manter os funcionários e desenvolver novos valores neles ou demitir os antigos substuindo-os por sangue novo e reduzir os custos de mudança representados pelas resistências a mudança apresentadas pelos antigos funcionários. Quem parecia ser o agente de esclarecimento com autonomia e comportamento ético, optou por um comportamento marcado pela ética da finalidade não pela ética da conseqüência. No caso Patagônia, empresários podem fazer escolhas que incluam o bem comum, incluindo a humanidade, a ecologia e também ser bem sucedidos junto ao mercado que eles mesmos também influenciam mas isto exige medidas como redução de lucros econômicos e do crescimento organizacional em prol de interesses mais abrangentes como o ecossistema. No caso Mary Kay, o ritual de reconhecimento dos resultados individuais anuais que parecia um tratamento humano e democrático também enfatizava o individualismo e competitividade pelo reforço da criação de identidade apenas através do reconhecimento alheio, da relação interpessoal e a relação intrapessoal não é desenvolvida. Com este ritual não se dava espaço ao desenvolvimento da colaboração, comunicação horizontal, nem para o trabalho em equipe que caracteriza uma estrutura organizacional orgânica. O grupo que apresentou pensou primeiro que Mary Kay tinha uma estrutura orgânica e depois de ouvir o grupo que apresentou a Patagônia percebeu que era mecanicista baseando a motivação dos funcionários no condicionamento.

7 5.2 Interrelações percebidas nas áreas de conhecimento Especificamente, em relação aos conceitos de Psicologia, a professora pode observar que os alunos souberam integrar os conhecimentos adquiridos sobre Teorias da Psicologia e de como desenvolver a inteligência emocional em si mesmo e no grupo. Também conseguiram perceber os efeitos de algumas táticas de gestão sobre a diminuição ou ao incentivo da criatividade dos funcionários, de sua motivação e engajamento no trabalho e do estímulo ou esfacelamento do trabalho em equipes na medida em que seja propiciada a relação intrapessoal assim como a interpessoal. 6. Descrição e análise dos Resultados Imediatos 6.1 Sobre os alunos O que pode inicialmente ser constatado durante a apresentação dos trabalhos e pelo depoimento de alguns dos alunos, após a apresentação, foi que tinha-se dado um grande estímulo à pesquisa, à iniciativa própria para se apresentarem a outros profissionais e à preparação para ser argüidos, além da reflexão crítica conjunta - durante a apresentações- sobre as artimanhas empresariais ocultas por trás dos discursos e algumas práticas que parecem ser democráticas e que camuflam as relações de poder entre capital e trabalho. Reflexão esta que pôde ser estimulada e que despertou curiosidade nos alunos que não estavam acostumados a desenvolverem o pensamento crítico sobre o sistema no qual estão inseridos. Outras questões importantes percebidas pelas docentes foram: a desenvoltura de uma boa parte dos alunos que usualmente apresentam uma postura tímida em sala e nas apresentações em grupo; o capricho na realização dos materiais e na apresentação dos trabalhos conjuntos. Fato este que nem sempre é observado em sala durante a apresentação de trabalhos para apenas uma professora. Em geral, eles tinham apresentado comportamentos mais imaturos. Alguns alunos brilharam mostrando posturas de profissionais de mercado, sem fazer manha para se apresentar, barganhar nota ou fazer chantagem a respeito da avaliação do professor atitudes bastante comuns em sala de aula atualmente. Nesse momento a busca por aprendizagem apareceu tão importante quanto a nota em si Com relação aos alunos vimos a apresentação de material teórico e audiovisual, pesquisa detalhada e, principalmente, boa capacidade na integração dos conteúdos ao serem estes expostos simultaneamente. 6.2 Sobre as docentes A preocupação comum aos docentes é desenvolver, nesse discente, capacidade de ação integrada teoria-prática, de apropriar-se do conhecimento especifico desenvolvido, relacioná-lo aos outros e capacidade de reflexão critica sobre sua ação profissional. Ao fim das apresentações os docentes perceberam que - estavam perante a primeira geração interdisciplinar, exposta a um debate entre os

8 seus professores de cada matéria e a apreciar o diferente aprendizado dos colegas de turma de modo participativo e reflexivo. Puderam construir nessa apresentação o sentido de cada conceito estudado integrando três perspectivas que a pesar de parecer contraditórias superficialmente, eram também complementares após uma primeira reflexão. Ficou para reflexão de todas por exemplo, no caso Mary Kay: Esse ritual de reconhecimento era democrático também para os que não participaram?. As docentes presentes ganharam um senso de que o trabalho em equipe redundaria na melhoria do aproveitamento dessas turmas para, no próximo período estudar e aprender Teoria das Organizações. - que a experiência de ouvir seus professores debatendo juntos e perceber as diferentes opiniões sobre temas comuns estimula nos discentes o entendimento do conjunto de conhecimentos que estão estudando e da importância de cada um deles, - que as aparentes contradições complementam-se explicando os conceitos de modo mais abrangente. Outro resultado deste trabalho foi, além deste artigo, a organização de dois Seminários (um no turno diurno e outro no turno da noite) a todos os alunos das graduações desta universidade onde serão apresentados os três casos mais polêmicos: da Mary Kay Cosmetics (que mascara através da modelagem comportamental a estrutura de gestão mecanicista), da Patagônia (que impressiona através de sua política de gestão que impõe limites ao crescimento e lucro econômico) e da Kodak (que apresenta uma tática funcionalista bastante divulgada de mudança de cultura organizacional e possibilita a reflexão sobre seus princípios éticos) para estimular os calouros e docentes de outras disciplinas a continuar com a construção de pontes entre as diferentes áreas de conhecimento que desenvolvem o conhecimento do profissional de administração. Esta atividade interdisciplinar proporcionou aos professores a troca e, principalmente, o aprimoramento dos conhecimentos em função da necessidade de pensá-los segundo uma lógica que posiciona cada tema específico numa rede de relações. Paralelamente à apresentação dos alunos, houve entre os professores um debate permanente onde sentimos a necessidade de explicitar e refinar conceitos, idéias, efetivando dinamicamente a integração pedagógica. Entender a perspectiva de uma outra área é um exercício fundamental para que nossas atividades e conhecimentos ganhem vitalidade. Sem imposição, estabeleceu-se o espírito de grupo de estudo, onde acontece o compartilhamento de conhecimentos, construção de referenciais comuns, consenso na definição de termos e das diferentes perspectivas que cada disciplina propicia. 6.3 Sobre a instituição Do ponto de vista organizacional, a ampliação da percepção dos discentes sobre o conhecimento que vem sendo desenvolvido junto aos futuros profissionais foi facilitada, talvez, porque a instituição estimule seu corpo docente a inovar em sua didática de ensino, dá suporte ao trabalho apoiando ideologicamente e com os recursos materiais que se fizerem necessários. Fato este que contribui bastante ao surgimento de propostas experimentais diversificadas e inovadoras entre os docentes.

9 Um outro fato que merece ser destacado como facilitador da realização deste trabalho foi a característica do imaginário organizacional desta instituição de ensino de agregar professores que têm o hábito de refletir entre si sobre suas práticas, com os coordenadores e inclusive com a direção em suas salas e em diversos encontros que são espontaneamente criados como lazer tais como: festas, reuniões e almoços onde sempre aparecem os temas referentes às problemáticas vivenciadas em seus trabalhos. O ambiente de dialogo que inclui espaço para discussão e debate é estimulado e exercitado na pratica da Direção e Coordenação assim como pela informalidade e porte da instituição. Esta característica organizacional pode ter estimulado este exercício, não proposital, de compartilhamento de informações e de experiências, ou seja, da prática da aprendizagem em grupo disciplina proposta por Peter Senge (1990) para desenvolver as organizações de aprendizagem. A instituição também oferece duas à três vezes ao ano, um programa pioneiro de desenvolvimento de professores chamado Academia de Professores onde recebemos palestras sobre didática de ensino, avaliações de aprendizagem, teatro e outras técnicas para dinamizar o professor e suas aulas e onde também expomos nossas experiências em sala de aula e testamos possíveis alternativas. Discutimos a filosofia e ética da própria organização de ensino além de trocarmos bastante dúvidas e sugestões na resolução de problemas de aprendizagem. O que se observa, em relação ao trabalho em outras instituições, uma vez que os mesmos docentes trabalham em outras faculdades, é que o espírito de equipe, solidariedade, experiência conjunta de professores de matérias diferentes na mesma sala de aula, troca de informações e inclusive dicas sobre os problemas vividos internamente acontecem freqüente e espontaneamente no cotidiano da universidade criando um clima motivador, aconchegante e de singular aproximação entre os docentes que alavanca outros trabalhos além dos curriculares dentro desta filosofia empreendedora. Na instituição desenvolve-se um tipo de cultura organizacional que propicia a aproximação dos docentes e a aproximação das disciplinas. Gerou-se um grupo de estudo interdisciplinar informal onde questionamos permanentemente sobre o perfil do discente que estamos desenvolvendo e buscamos uma identidade distintiva e sustentável. Nesta cultura organizacional em constante desenvolvimento, a aprendizagem em grupo e a visão compartilhada estão sendo desenvolvidas mesmo que não propositalmente. 7. Bibliografia CHANLAT, Jean-François. Ciências Sociais e Management. Reconciliando o econômico e o social. São Paulo: Atlas, CHAUÍ, Marilena Convite à Filosofia.Rio de Janeiro: Atlas, McINTYRE, Janet. Consideration of categories and tools for holistic thinking. in Systemic Practice and Action Research, v.11, n.2, pp , 1998 PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Convite à viagem. Porto Alegre: Artes medicas Sul, ROBBINS, Stephen. Criando e mantendo a cultura da organização. Rio de Janeiro: Saraiva, 2000.

10 SENGE, Peter et alli The Dance of change. The challenges to sustaining momentum in Learning organizations. Doubleday, New York, SENGE, Peter A quinta Disciplina. São Paulo: Best Seller, 1990.

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada

CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de etapas, acompanhadas pelo

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Vendas PROEJA FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

Curso de Tecnologia em Gestão Comercial

Curso de Tecnologia em Gestão Comercial Curso de Tecnologia em Gestão Comercial Manual Projeto Interdisciplinar Ano: 2015/2 2 Sumário 1. Introdução... 2. Caracterização Geral do Projeto... 3 4 2.1 Projeto Interdisciplinar I e III... 5 2.2 Responsáveis

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Manual Projeto Interdisciplinar Ano: 2014 2 Sumário 1. Introdução... 2. Caracterização Geral do Projeto... 3 4 2.1 Projeto Interdisciplinar I... 5 2.2

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID Michele Dalzotto Garcia Acadêmica do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Centro- Oeste/Irati bolsista do PIBID CAPES Rejane Klein Docente do

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA N 429 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes, SANTOS Lázaro, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da. DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA O conhecimento, bem como os demais

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

Curso de Desenvolvimento em Negócios Sociais e Inclusivos

Curso de Desenvolvimento em Negócios Sociais e Inclusivos Curso de Desenvolvimento em Negócios Sociais e Inclusivos O curso de Desenvolvimento de Negócios Sociais e Inclusivos visa a despertar o interesse de pessoas que queiram empreender na área social. Trata-se

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE. Adriana Noviski Manso - PUCPR

AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE. Adriana Noviski Manso - PUCPR AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE Adriana Noviski Manso - PUCPR Beatriz Ferreira da Rocha - PUCPR Romilda Teodora Ens - PUCSP/PUCPR Resumo O presente relato

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES Desde 1999 NOSSA MISSÃO AÇÕES DE TREINAMENTO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES MISSÃO Inspirar nossos clientes para a expansão de ideias e formação de relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO QUESTÃO 4 a) O conteúdo do diálogo a ser completado deve manifestar que as colocações da aluna não constituem aquilo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O C L E O W O L F F O que é Action Learning? Um processo que envolve um pequeno grupo/equipe refletindo e trabalhando em problemas reais, agindo e aprendendo enquanto atuam. FUN D A MEN T OS D O ACTION LEARNING

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: DE MAIRIPORÃ Código: 271 Município: MAIRIPORÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM CONTABILIDADE Qualificação:

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

2- PÚBLICO ALVO. Página 1 de 8 CURSO PRÁTICO FORMAÇÃO DE CONSULTORES EMPRESARIAIS. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

2- PÚBLICO ALVO. Página 1 de 8 CURSO PRÁTICO FORMAÇÃO DE CONSULTORES EMPRESARIAIS. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi 1- Objetivo Geral Capacitar profissionais para o exercício da consultoria empresarial com qualidade, possibilitando assim um melhor atendimento as demandas das empresas paraenses por estes serviços. Disseminar

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS

A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS Alyson Fernandes de Oliveira 1 Hanna Maia Marques de Mello 2 Ana Paula de Almeida Saraiva Magalhães 3 Renata Emiko Basso Hayashi 4 Resumo: Com o elevado

Leia mais

FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS. São Paulo 05/2011

FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS. São Paulo 05/2011 1 FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS São Paulo 05/2011 Claudia Stippe Rodrigues Instituto Paramitas claudiastippe@institutoparamitas.org.br Mary Grace Pereira Andrioli

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 2º Semestre EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 2º Semestre EMENTA Plano de Ensino EIXO TECNOLÓGICO: GESTÃO E NEGÓCIOS IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Superior em Administração FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Empresa Júnior como espaço de aprendizagem: uma análise da integração teoria/prática. Comunicação Oral Relato de Experiência

Empresa Júnior como espaço de aprendizagem: uma análise da integração teoria/prática. Comunicação Oral Relato de Experiência Empresa Júnior como espaço de aprendizagem: uma análise da integração teoria/prática Elisabete Ap. Zambelo e-mail: elisabete.zambelo@usc.br Daniel Freire e Almeida e-mail: daniel.almeida@usc.br Verônica

Leia mais

Turnaround de Empresas da reestruturação à recuperação judicial Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Turnaround de Empresas da reestruturação à recuperação judicial Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

As Organizações e o Processo de Inclusão

As Organizações e o Processo de Inclusão As Organizações e o Processo de Inclusão Introdução Não há nada permanente, exceto a mudança. Heráclito, filósofo grego (544-483 a.c.). Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas. Alvin

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Título do Case: Programa ELOS - Cliente e Colaborador como uma só corrente. Categoria: Projetos Internos Tema: Pessoas

Título do Case: Programa ELOS - Cliente e Colaborador como uma só corrente. Categoria: Projetos Internos Tema: Pessoas 1 Título do Case: Programa ELOS - Cliente e Colaborador como uma só corrente. Categoria: Projetos Internos Tema: Pessoas RESUMO A empresa vivia um cenário claro de desequilíbrio na gestão empresarial e

Leia mais

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH Documento final do "Seminário: O trabalho docente em educação física face às atuais políticas públicas na educação na RMBH: Repercussões nas instituições Formadoras" O presente documento tem por finalidade

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011 Ministério da Educação Secretaria de Educação Média e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais