Consenso & Estratégias. Para a Saúde da Mulher na Pós-Menopausa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Consenso & Estratégias. Para a Saúde da Mulher na Pós-Menopausa"

Transcrição

1 2004 Consenso Estratégias Para a Saúde da Mulher na Pós-Menopausa 12m

2

3 Consenso Estratégias Para a Saúde da Mulher na Pós-Menopausa Organização Sociedade Portuguesa de Ginecologia Sociedade Portuguesa de Menopausa Coordenação Daniel Pereira da Silva, João Luís Silva Carvalho, Mário de Sousa e António M. Bacelar Antunes Participantes Amália Martins, Amélia Roque, Ana Matos, Ana Rosa Costa, António C. Lanhoso, Bacelar Antunes, Carla Leitão, Cristina Horgan, Daniel Fernandes, Daniel Pereira da Silva, Delfim Graça Guerreiro, Elisabete Castelo Branco, Etelvina Cruz, Fátima Romão, Fernanda Águas, Fernanda Geraldes, Fernando Cirurgião, Fernando Manuel F e rnandes, Francisco Nogueira Martins, Henrique Fartura, Isabel Casal, Isabel Marques, Isabel Matos, Isabel Reis, Isabel Santos, Joaquim Neves, José Anibal Pinto da Silva, José C. Moutinho, José Manuel Correia, Manuela Soares, Margarida Coiteiro Marq u e s, Maria Fernanda Tavares, Maria Gil Sampaio, Maria Luisa S. Vieira de Sousa, Maria Te resa Loure i ro, Marília Paizinho, Ondina Campos, Paula Botelho Moniz, Pedro Tiago Silva, Rosália Cubal, Sérg i o Esperança, Sotero Gomes, Teresa Paula e Zulmira Alves.

4 Prefácio Este consenso foi levado a efeito por um vasto grupo de ginecologistas, experientes nesta área e oriundos de todos os hospitais do país, que a convite conjunto da Sociedade Portuguesa de Ginecologia e da Sociedade Portuguesa de Menopausa, desenvolveram, com grande entusiasmo, um trabalho exaustivo e iminentemente prático. Os temas em debate, foram objecto de acesa discussão, com uma p rofundidade e fundamentação prática e científica que importa salientar. As linhas de consenso a que foi possível chegar, não são o único ângulo possível de visão, de tão vasta e, por vezes, tão contro v e r s a matéria. São apenas linhas de orientação, na medida em que cada caso clínico se reveste de particularidades que não podemos m e n o s p re z a r. Os resultados dos estudos publicados e documentos de consenso como este, são apenas referências, elementos de apoio à nossa decisão. Um dos contributos deste documento, que cremos da maior i m p o rtância, está na análise rigorosa que faz aos estudos de maior impacto mediático, que se publicaram nos últimos anos sobre as terapêuticas hormonais para a mulher na pós-menopausa.

5 Estamos certos que este consenso será muito útil na nossa prática clínica. Ele esclarece conceitos, sistematiza e organiza as várias fases p o rque passa o nosso processo de avaliação e decisão. Como p o d e rem os verificar a THS não é panaceia, mas pode e deve ser usada com critério, assim como outras terapêuticas e atitudes tão úteis à mulher no climatério. Como é do conhecimento geral, o número de mulheres em pósmenopausa é crescente e cada mulher vive pro g ressivamente mais tempo nessa fase da sua vida, sofrendo assim as consequências precoces e tardias da sua situação fisiológica. Não é legítimo que não estejamos aptos a ofere c e r-lhes o melhor. Este é apenas um contributo para que esse objectivo seja diariamente alcançado por todos nós. Daniel Pereira da Silva Presidente da Sociedade Portuguesa de Ginecologia Mário de Sousa Presidente da Sociedade Portuguesa de Menopausa

6

7 Índice Resumo º CAPÍTULO Conceitos e Definições Menopausa Climatério Pré-Menopausa Perimenopausa Pós-Menopausa Terapêutica Hormonal de Substituição Progestativos Modo de acção Tipo de progestativos Efeitos no sistema cardiovascular Efeitos no metabolismo glucídico Efeitos na mama Indicações Contra-indicações Conclusões Estrogénios Modo de acção Tipo de estrogénios Dosagem Indicações Contra-indicações Conclusões

8 Modalidades Terapêuticas Estrogénios isolados Progestativos isolados (cíclicos ou contínuos) Estroprogestativos cíclicos Orais Transdérmicos Estroprogestativos contínuos Via oral Via transdérmica Via mista Tibolona º CAPÍTULO THS - Ponderação de benefícios e riscos Benefícios Síndrome vasomotora, perturbações psíquicas e do sono Perturbações genitourinárias Osteoporose Cancro do cólon Riscos Cancro da mama Acidentes tromboembólicos Doença cardiovascular Acidente vascular cerebral Doença de Alzheimer Cancro do ovário

9 3º CAPÍTULO THS - Indicações gerais Outras vantagens da THS Indicações das diversas modalidades de THS Estrogénios isolados Progestativos isolados Estroprogestativos cíclicos Estroprogestativos contínuos Tibolona Estrogénios locais Outras opções terapêuticas do climatério Fitoestrogénios Raloxifeno Bisfosfonatos Outras opções terapêuticas para a síndrome vasomotora Outras opções terapêuticas para a osteoporose

10 Vias de administração da THS Oral Transdérmica Mista Vaginal THS - Quando começar e por quanto tempo continuar THS - Como iniciar? Como vigiar? Avaliação prévia História clínica Exames complementares Laboratoriais Ecografia Mamografia Densitometria óssea Outros Quando enviar ao ginecologista

11 ANEXOS Grandes Estudos Clínicos As populações WHI - Women's Health Initiative Hers I e II Million Women Study Tabela 1 História Clínica Exame Físico Tabela 2 Factores de risco para osteoporose Tabela 3 Avaliação de risco em geral Factores pessoais Factores relacionados com o estilo de vida Factores relacionados com a história ginecológica Bibliografia

12

13 I

14 Resumo Resumo THS Indicações Tratamento de sintomatologia vasomotora Afrontamentos, suores nocturnos Tratamento de sintomatologia génito-urinária Atrofia urogenital Tratamento de sintomatologia neuro-vegetativa Insónia, irritabilidade, alterações do humor Menopausa precoce Prevenção da osteoporose Indicação reforçada, em mulheres com menos de 55 anos com sintomatologia vasomotora Indicações das diversas modalidades de THS Estrogénios isolados (Climara, Dermestril, Estrofen, Estradot e Zumenon ) Histerectomizadas sem endometriose ou cancro hormonodependente (Ca do endométrio, Ca endometrióide do ovário, etc) Progestativos isolados cíclicos ou contínuos (Duphaston, Lutenyl, Primolut-Nor, Provera, Mirena *, Surgestone e Utrogestan ) Perimenopausa - em mulheres com irregularidades menstruais após avaliação do endométrio (cíclico - prova da progesterona ). (os progestativos, sobretudo a noretisterona tem algum efeito sobre a síndrome vasomotora) * DIU com libertação contínua de levonorgestrel Consenso Estratégias

15 Resumo Estroprogestativos cíclicos (Climen, Dilena ; Estalis Sequi Femoston 2/10, Premarin Plus, Premelle Cycle, Nuvelle e Trisequens ). I rregularidades menstruais (após avaliação do endométrio) e perturbações vasomotoras da perimenopausa (considerar como 1ª linha o uso de progestativos cíclicos ou de contracepção hormonal, se necessária e desde que não existam contra--indicações) Menopausa precoce Desejo da mulher em manter a menstruação (na THS os progestativos devem ser utilizados o menor número de dias possível e por isso deve dar-se preferência aos esquemas cíclicos) Estroprogestativos contínuos (Activelle, Estalis, Femoston 1/5 Climodien, Kliogest, Mirena * + estrogénio isolado, Prémelle ) Vontade da mulher de não ter hemorragias (poderá ter spotting) Antecedentes de epilepsia Endometriose (nas mulheres histerectomizadas este esquema deve usar-se apenas na fase inicial) Necessidade de contracepção (Mirena ) Tibolona (Livial ) Iguais aos estroprogestativos contínuos. Alterações de líbido e humor. Tensão mamária/mastodínia, aumento da densidade mamográfica nos antecedentes ou sob outras modalidades de THS. Patologia benigna da mama e/ou do útero * Implica a administração simultânea de um estrogénio oral ou transdémico.

16 Resumo Estrogénios locais (Ovestin, Pausigin e Colpotrophine ) Atrofia urogenital com ou sem sintomatologia génito-urinária. Quando começar e por quanto tempo continuar a THS? Começar o mais precocemente possível, após início dos sintomas, individualizando a terapêutica após o diagnóstico estar estabelecido. Duração variável e individualizada, embora o horizonte temporal de 5 anos se revele em geral muito favorável à mulher, na perspectiva benefício/risco. Como iniciar? Como vigiar? Avaliação prévia História clínica Particular atenção aos perfis de risco para DCV, Osteoporose e Cancro da mama. Exames Complementares Laboratoriais Gerais com perfil lipídico. Ecografia ginecológica - preferencialmente transvaginal Facultativo em mulheres assintomáticas. Obrigatório em mulheres sintomáticas. Mamografia Deve ser requisitada caso a mulher não possua um exame prévio realizado há menos de 1 ano; Reavaliação anual ou até dois anos, conforme a mulher tenha queixas e haja ou não aumento da densidade mamária na mamografia. Consenso Estratégias

17 Resumo Densitometria óssea Facultativo para a THS e obrigatório para avaliar tratamento para a o s t e o p o ro s e. Recomenda-se nas seguintes condições: Presença de pelo menos 1 factor de risco major ou 2 minor. Monitorização terapêutica específica da osteoporose: após 2 anos de tratamento, para avaliar a sua eficácia. Outros exames Exames laboratoriais de acordo com patologia associada. Quando enviar ao ginecologista E s c l a rec imento de dúvidas quanto ao risco e ou contra-indicações da THS. Na presença de efeitos colaterais da THS persistentes ou de difícil controlo. Esclarecimento de sintomas suspeitos de patologia ginecológica e mamária. Estratégias terapêuticas recomendadas Síndrome do climatério C a l o res, afrontamentos, suores nocturnos, alterações do humor e sono. THS Estrogénios isolados em mulheres histerectomizadas. Estroprogestativo cíclico ou contínuo/tibolona em mulher com útero. Outras opções terapêuticas para a síndrome do climatério Quando a THS está contra-indicada várias opções são possíveis:

18 Resumo Sintomas vasomotores Antidepressivos - fluoxetina (Digassin, Fluoxetina genéricos, Nodepe, Prozac, Psipax, Salipax e Tuneluz ), venlafaxina (Efexor ) e paroxetina (Paroxetina genéricos, Paxetil e Seroxat ) Veralipride (Agreal ) Clonixina (Clonix ) Tramadol (Paxilfar, Tramadol Ciclum, Tramadol Irex, Tramal Retard e Travex SR ) Fitoestrogénios Osteoporose Exercício físico - marcha 30 minutos, 3 vezes/semana. Dieta adequada em cálcio - 1,5 gr/dia. THS P revenção da osteoporose em qualquer localização, na pósmenopausa imediata, com riscos mínimos até 5 anos para a associação estro p rogestativa e mais longa para os estro g é n i o s isolados. Raloxifeno (Evista e Optruma ) P revenção e tratamento da osteoporose em mulher sem sintomatologia vasomotora, part i c u l a rmente eficaz para o osso trabecular (coluna). Indicação reforçada em mulher com risco aumentado de cancro da mama. Bisfosfonatos (Actonel, Adronat e Fosamax ) Tratamento da osteoporose trabecular (coluna) e cortical (anca) Tratamento da osteoporose associada à corticoterapia. Outros Opções Terapêuticas para a Osteoporose Calcitonina - (Calogen, Calsyn, Miacalcic, Osseocalcina, Salcat e Tonocaltin ) - indicada para a dor decorrente da fractura. Teriparatida - (Forsteo ) - indicado para a osteoporose severa. Consenso Estratégias

19

20

21

22 Conceitos e Definições Conceitos e Definições Menopausa Data da última menstruação em consequência de falência ovárica d e f i n i t i v a. O diagnóstico clínico ocorre após um ano de amenorreia. Habitualmente ocorre entre os 45 e 55 anos. Se ocorrer antes dos 40 anos é considerada Menopausa Precoce. 20 Climatério É o período da vida da Mulher em que ocorre um declínio progressivo da função ovárica. Com frequência está associado a um conjunto de sinais e/ou sintomas (irregularidades menstruais, calores, afrontamentos, transpiração nocturna, alterações do humor e do sono, entre outros) que no seu conjunto caracterizam o síndroma do climatério. C o m p reende três fases (pré, peri e pós-menopausa) cuja individualização não é linear. Pré-menopausa Em sentido geral inclui toda a idade fértil até a menopausa, em sentido estrito é todo o período de tempo decorrido entre o início do declínio da função ovárica e a menopausa. Perimenopausa Período de tempo que engloba a pré-menopausa até um ano após a menopausa. Pós-menopausa É o período que se inicia com a última menstruação.

23 Tratamento Hormonal de Substituição (THS) Tratamento Hormonal de Substituição (THS) Os sinais e sintomas do climatério estão directamente re l a c i o n a d o s com a diminuição da produção hormonal do ovário. Não houve consenso quanto ao termo que englobe as opções terapêuticas destinadas ao tratamento das consequências da carência hormonal referida. Optou-se pelo conceito Tratamento Hormonal de Substituição (THS)", apenas por ser o mais utilizado na literatura médica. Entende-se que o objectivo da THS não é fazer substituição hormonal, mas sim obter um novo equilíbrio, que procure evitar as consequências da privação das hormonas endógenas. Neste sentido a THS pode ser efectuada com progestativos isolados, estrogénios isolados, estroprogestativos cíclicos ou contínuos e mais raramente androgénios. Progestativos Só após os estudos publicados em 1975, que associaram o uso de estrogénios isolados ao cancro do endométrio, começou a administrar- -se regularmente progestativos na mulher com útero. Os progestativos actuam no endométrio diminuindo os receptores de estrogénios e a actividade mitótica, e aumentando o estroma. Os progestativos diminuem a regulação dos receptores dos estrogénios, interferindo com as acções genómicas dos estrogénios. 21 Modo de acção dos progestativos Os seus efeitos são modulados pelo receptor intracelular localizado no núcleo das células alvo (receptores de progesterona). Os progestativos presentemente disponíveis para prescrição interagem ainda com outros receptores esteróides (receptores de androgénios, de mineralocorticóides, de glucocorticóides e de estrogénios). De acordo com o seu perfil selectivo, estas moléculas exercem outros efeitos além da esperada actividade progestativa. Os progestativos sintéticos usados na prática clínica são derivados da p ro g e s t e rona e hidro x i p ro g e s t e rona (17-OH pro g e s t e rona e 19-norprog e s t e rona derivados) e da testosterona (19-nort e s t o s t e rona derivados)

24 Tratamento Hormonal de Substituição (THS) Tipo de progestativos 22 P R O G E S TAT I V O P ro g e s t e ro n a R e t ro p ro g e s t e ro n a Derivados da pro g e s t e ro n a E X E M P L O P ro g e s t e rona natural D i d ro g e s t e ro n a M e d ro g e s t o n a 1 7α- H i d ro x i p ro g e s t e rona (pre g n a n o s ) Acetato de medro x i p ro g e s t e ro n a Acetato de cipro t e ro n a Acetato de megestro l * Acetato de clorm a d i n o n a * 17α-Hidroxiprogesterona (norpregnanos) Acetato de nomegestro l C a p roato de gestoro n o n a * 1 9 N o r p ro g e s t e rona (norpre g n a n o s ) P ro m e g e s t o n a Tr i m e g e s t o n a * D e m e g e s t o n a * N e s t e ro n a * 1 9 N o rt e s t o s t e rona (estranos) N o re t i s t e ro n a N o re t i n d ro n a Acetato de nore t i s t e ro n a L i n e s t re n o l N o re t i n o d re l * 1 9 N o rt e s t o s t e rona (gonanos) N o rg e s t re l L e v o n o rg e s t re l D e s o g e s t re l G e s t o d e n o N o rg e s t i m a t o D i e n o g e s t Derivados da 17α e s p i ro l a c t o n a D ro s p i re n o n a * não disponíveis em Port u g a l Os progestativos, de acordo com a sua estrutura e com o esteróide donde são derivados, têm uma afinidade diferente aos receptores existentes, pelo que exercem actividades consideradas benéficas e têm alguns efeitos secundários, que podem ser positivos em algumas doentes ou constituir efeito indesejado.

25 Tratamento Hormonal de Substituição (THS) Potenciais efeitos secundários dos progestativos PSICOLÓGICOS METABÓLICOS FÍSICOS Ansiedade Alterações lipídicas adversas Acne Irritabilidade Aumento da insulina resistência Pele oleosa Agressão Aumento da resistência vascular Dores/caimbras Inquietação abdominais/distensão Ataques de pânico Retenção de fluidos Depressão Fraqueza Baixa concentração Dores de cabeça Esquecimento Tonturas Letargia Dor mamária Labilidade Cancro mama? emocional Actividades Biológicas da Progesterona Natural e dos Progestativos Sintéticos (disponíveis no mercado português) 23 Progestativo Progesterona /- + + Dihidrogestona /- - +/- Medrogestona / α Hidroxi (derivados) Ac. Medroxiprogesterona / Ac. Ciproterona N o r p ro g e s t e ro n a ( d e r i v a d o s ) Ac. Nomegestrol /- - - Promegestona Nortestosterona (derivados) Noretisterona Levonogestrel Dienogest /- +/ Drospirenona sem actividade, +/- fraca actividade, + actividade padrão

26 Tratamento Hormonal de Substituição (THS) Na análise dos progestativos devemos considerar a sua farmacocinética e a sua ligação aos mais diversos receptores esteróides, das quais decorrem as suas acções: Derivados da Pro g e s t e ro n a - P ro g e s t e ro n a (U t ro g e s t a n ), D i d ro g e s t e ro n a (D u p h a s t o n, progestativo do F e m o s t o n ) - Didrog e s t e rona parece ser um progestativo altamente selectivo devido à sua re t ro s t rutura. Liga-se quase exclusivamente aos re c e p t o res da progesterona. Dada a sua grande selectividade, os efeitos não são mediados apenas pelos receptores da progesterona, pelo que os efeitos colaterais são mínimos ou mesmo ausentes. 24 Derivados da 17-hidro x i p ro g e s t e ro n a - Acetato de Medroxiprogesterona (Provera, progestativo do Dilena e do Premelle ). A sua biodisponibilidade é quase de 100%. A medro x i p ro g e s t e ro n a não se liga à SHBG, estando no soro ligada à albumina em 88%. Tem um efeito androgénico leve e também exerce actividade glucocorticóide quando usada em altas doses. Acetato de Cipro t e ro n a (A n d ro c u r, progestativo do C l i m e n ) - A biodisponibilidade é de quase 100%. Não se liga à SHBG mas sim em 93% à albumina. Tem uma potente acção anti-androgénica. D e r i v a d o s n o r p ro g e s t e ro n a - têm efeitos progestativos e não possuem qualquer actividade androgénica, estrogénica ou glucocorticóide - Medrogestona (progestativo do Premarin Plus ). O ac. de nomegestrol (Lutenyl ) e o ac. de Promegestone (Surgestone ) têm um ligeiro efeito anti-androgénico, mas que é 20 vezes menor que o ac. de ciproterona. Derivados 19-nort e s t o s t e ro n a têm alguma actividade andro g é n i c a mas um fraco efeito estrogénico. N o re t i s t e ro n a - É também conhecida como nore t i n d rona e usado frequentemente como acetato de n o re t i s t e rona (P r i m o l u t - N o r, progestativo do A c t i v e l l e, K l i o g e s t e Tr i s e q u e n s ). A biodisponibilidade é cerca de 64%, 36% circula ligada à SHBG, 61% à albumina e 3% livre na circulação; L e v o n o rg e s t rel - É rapidamente absorvido quando tomado oralmente. A biodisponibilidade é praticamente de 100%. O levonorgestral causa uma baixa nas SHBG de 50%. É o progestativo do M i re n a e N u v e l l e.

27 Tratamento Hormonal de Substituição (THS) D i e n o g e s t ( p rogestativo do C l i m o d i e n ) - É considerado um progestativo híbrido e tem um perfil farmacológico e farmacodinâmico único, combinando as propriedades típicas dos derivados 19- n o rt e s t o s t e rona, com os derivados da pro g e s t e rona. O composto é rapidamente absorvido na sua toma oral. A biodisponibilidade é de 90%. Não tem ligações à SHBG e CBG. D ro s p i re n o n a ( p rogestativo do A n g e l i q *) - É um derivado da 1 7α e s p i rolactona. Tem um perfil anti-androgénico (cerca de 30% da actividade do acetato de cipro t e rona) e é o único com efeito a n t i - m i n e r a l o c o rt i c ó i d e. Efeitos dos progestativos no sistema cardiovascular Lipoproteínas Os progestativos com propriedades androgénicas (medro x i- p ro g e s t e rona, nore t i s t e rona e levonorg e s t rel) têm mostrado um efeito oposto à elevação das HDL provocado pelos estrogénios. Os derivados da progesterona natural e os da 19 norprogesterona não têm este efeito sobre as HDL. 25 Tensão arterial Não há qualquer efeito deletério significativo nos níveis tensionais, quer diastólicos, quer sistólicos. Vasos sanguíneos Os estudos apontam no sentido de que, os progestativos com efeito androgénico, eliminam em 50% a resposta vasodilatadora, mediada pela acetilcolina, e provocada pelos estrogénios a nível das artérias coronárias. Aterosclerose Os progestativos não contrariam significativamente os efeitos induzidos pelos estrogénios na placa ateromatosa, embora as moléculas com actividade androgénica inibam a actividade antiinflamatória induzida pelos estrogénios. * Brevemente disponível no mercado

28 Tratamento Hormonal de Substituição (THS) 26 Efeitos no metabolismo glucídico A intolerância à glicose e o hiperinsulinismo são riscos bem conhecidos. A insulina é um potente estímulo ao crescimento das células endoteliais e também regula a actividade dos receptores LDL, logo a redução nos níveis de insulina em jejum parece ser factor importante. Os progestativos com actividade androgénica, por via oral, causam uma deterioração na tolerância à glicose, com um aumento dos níveis de insulina. Efeitos na mama Os estudos prospectivos têm sido contraditórios e com tipos de p rogestativos muito diferentes. A associação acetato de med ro x i p ro g e s t e ro n a / e s t rogénios equinoconjugados tem sido a mais estudada e está associada ao aumento do RR de cancro da mama após 5 anos de uso. Como não há estudos com o mesmo rigor e dimensão com outros progestativos, estima-se que podem ter o mesmo impacto sobre a mama. A didrogesterona e o dienogest têm propriedades anti-proliferativas e pró-apoptose, e consequentemente um efeito protector in vitro. Indicações Os progestativos são utilizados no tratamento das alterações do ciclo menstrual na perimenopausa. O uso dos progestativos durante o tratamento hormonal da pósmenopausa é somente para contrariar os efeitos proliferativos dos estrogénios a nível do endométrio. Contra-indicações absolutas - Meningioma - Doença hepática aguda - Tromboembolismo em fase aguda Contra-indicações relativas - Porfiria - Enxaqueca - Doença cardiovascular estabelecida HTA não controlada Doença coronária - Antecedentes de tromboembolismo

29 Tratamento Hormonal de Substituição (THS) Conclusões 1. Os benefícios dos progestativos no tratamento hormonal do c l i m a t é r i o, limitam-se à protecção endometrial, para a qual são eficazes e indispensáveis na mulher com útero. 2. Continuam a ser necessários mais estudos sobre os potenciais riscos e efeitos acessórios da sua utilização, nomeadamente a nível c a rd i o v a s c u l a r e mama. 3. A progesterona e os seus derivados naturais não possuem efeitos androgénicos. 4. Alguns progestativos com uma maior potência androgénica podem atenuar os efeitos benéficos dos estrogénios a nível do perf i l lipídico, assim como sobre os vasos. Não devemos dar preferência a estas moléculas em mulheres com risco cardiovascular. Estrogénios Os estrogénios são hormonas endógenas com numerosas acções fisiológicas. O mais potente estrogénio nos humanos é o 17ß Estradiol, seguido pela estrona e estriol. O estradiol é o estrogénio predominante na mulher em idade fértil e é produzido principalmente pelos ovários. O nível mínimo de estradiol circulante no ciclo menstrual normal é cerca de 40 pg/ml, 250 pg/ml no meio do ciclo e 100 pg/ml na fase lútea. Durante a menopausa o estradiol desce para níveis inferiores a 20pg/ml. A estrona é o estrogénio predominante da pós-menopausa e resulta da aromatização no tecido adiposo da androstenediona, sobretudo de origem adrenal. Depois da menopausa os níveis de estrona permanecem superiores a 40 pg/ml. A relação estradiol e estrona é re v e rtida, sendo então menor que 1. A constatação de que os principais sinais e sintomas do climatério resultam do pro g ressivo declínio na produção de estro g é n i o s gonadais, levou à sua utilização como agente terapêutico. A resposta ao declínio do nível de estrogénios é variável de pessoa para pessoa e de órgão para órgão, o que nos obriga a considerar a susceptilidade individual aos tratamentos. 27

30 Tratamento Hormonal de Substituição (THS) 28 Modo de acção O estradiol e estrona circulam parcialmente ligados à SHBG e nestas circunstâncias são biologicamente inactivos. Os estrogénios não ligados às proteínas entram passivamente nas células, onde se ligam aos receptores nucleares específicos, exercendo a sua função específica em cada órgão. Os estrogénios actuam biologicamente através de pelo menos 2 receptores: α e β. Estes re c e p t o res distribuem-se de forma diferente nos diversos sistemas orgânicos: α e β S.N.C. e ovário α mama, fígado e útero β vasos sanguíneos, osso, pulmão e tracto urogenital. A diferente distribuição dos re c e p t o res de estrogénio nos tecidos, pode explicar a sua variedade de acções. O fígado é o principal órgão de conjugação dos estrogénios, com vista à sua subsequente excreção pelo rim. Tipo de estrogénios Os estrogénios utilizados no climatério são: 1. N a t u r a i s (encontrados na natureza com ou sem manipulação química): Estradiol micronizado -17β estradiol (Climara, Dermestril, Estraderm Estradot, Estronar, Estrofem, Vagifem e Zumenon ; estrogénio do Activelle, Dilena, Estalis, Estracomb, Femoston, Kliogest e Trisequens ) Valerianato de estradiol (estrogénio do Climen, Climodien e do Nuvelle ) Estrogénios equinoconjugados (estrogénio do Premarin Plus, e Premelle ) Estriol (Ovestin, Pausigin ), promestieno (Colpotrophine e estrogénio do Trophoseptine ) 2. Sintéticos (não utilizados em Portugal) Etinilestradiol

31 Tratamento Hormonal de Substituição (THS) O 17β estradiol é o princípio activo natural. O valerianato de estradiol actua como um pró-fármaco do estrogénio natural. Sofre uma rápida clivagem em 17β estradiol e ácido valérico no tubo digestivo e durante a metabolização a nível hepático. O ácido valérico sofre uma metabolização muito rápida e o estradiol é sujeito às mesmas alterações metabólicas já descritas. Os estrogénios equinoconjugados são compostos essencialmente por conjugados de estrona e equilina embora contenham ainda numerosos compostos com actividade estrogénica. O e s t r i o l é apenas utilizado na forma tópica, visto tratar-se de um metabolito com fraca actividade sistémica. Dosagem Niveis séricos aproximados de Estrona e Estradiol, após várias doses de diferentes fórmulas de estrogénios. Valerianato de Estradiol Estradiol micronizado Fórmula Dose(mg) Estrona (pg/ml) Estradiol (pg/ml) Estrogénios Equino Conjugados Creme vaginal de estrogénios conjugados Estradiol transdérmico Estradiol implante A dose deve ser personalizada, procurando ser eficaz no controlo da sintomatologia com a dose mais baixa possível. Doses de 0,3 mg de e s t rogénios equinoconjugados ou 1mg per os de estradiol ou 25 microgramas por via transdérmica de 17β estradiol, parecem ser uma boa alternativa, quer para os sintomas vasomotores, quer para a prevenção da perda da massa óssea.

Grupo que elaborou a proposta: Dr. José Furtado Dr.ª Angelina Tavares Dr.ª Cecília Lomba Enf.ª Teresa Moreno

Grupo que elaborou a proposta: Dr. José Furtado Dr.ª Angelina Tavares Dr.ª Cecília Lomba Enf.ª Teresa Moreno CIRCULAR INFORMATIVA Nº 01/ 2011 Comissão Regional da Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente da Região Norte (CRSMCA) Menopausa - Conceitos e Estratégias Documento orientador baseado nos consensos

Leia mais

Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN

Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN Terapia hormonal de baixa dose Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN Alterações endócrinas no Climatério pg/ml mui/ml mui/ml 150 FSH 80 60 100 50 0-8 -6-4 -2 0 2 4 6 8 anos Menopausa LH Estradiol 40

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

Fisiopatologia da menopausa

Fisiopatologia da menopausa Fisiopatologia da menopausa SUSANA ANTUNES*, OFÉLIA MARCELINO*, TEREZA AGUIAR* RESUMO A menopausa representa o fim das menstruações espontâneas da mulher. Neste artigo, faz-se uma breve revisão, referindo

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa?

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Menopausa é a parada de funcionamento dos ovários, ou seja, os ovários deixam

Leia mais

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012)

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Bouma J, De Jonge M, De Laat EAT, Eekhof H, Engel HF, Groeneveld FPMJ, Stevens NTJM, Verduijn MM, Goudswaard AN, Opstelten W, De Vries

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde Saúde e Desporto Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra Relação do Desporto com a Saúde Dum modo geral aceita-se que o desporto dá saúde Contudo, o desporto também comporta malefícios

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

CONTRACEPÇÃO HORMONAL PÍLULA

CONTRACEPÇÃO HORMONAL PÍLULA CONTRACEPÇÃO HORMONAL PÍLULA A Pílula é o método contraceptivo hormonal mais utilizado, pelas mulheres em todo o mundo. O QUE É? Um método contraceptivo que contém hormonas sintéticas que são semelhantes

Leia mais

TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL. Prof. Eduardo J. Campos Leite Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia campolei@terra.com.

TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL. Prof. Eduardo J. Campos Leite Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia campolei@terra.com. TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL Prof. Eduardo J. Campos Leite Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia campolei@terra.com.br Estrogênios? O que existe por trás desta linda mulher? T R

Leia mais

MENOPAUSA TERAPIA HORMONAL - TRH UMA CONQUISTA DA MULHER MODERNA - CONHEÇA UM POUCO MAIS!

MENOPAUSA TERAPIA HORMONAL - TRH UMA CONQUISTA DA MULHER MODERNA - CONHEÇA UM POUCO MAIS! MENOPAUSA TERAPIA HORMONAL - TRH UMA CONQUISTA DA MULHER MODERNA - CONHEÇA UM POUCO MAIS! A expectativa de vida de homens e mulheres está aumentando por diversos fatores, principalmente aos avanços da

Leia mais

Farlutal acetato de medroxiprogesterona

Farlutal acetato de medroxiprogesterona Farlutal acetato de medroxiprogesterona I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Farlutal Nome genérico: acetato de medroxiprogesterona APRESENTAÇÕES Farlutal 10 mg em embalagens contendo 10 ou

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

Contracepção Resumo de diretriz NHG M02 (dezembro 2011)

Contracepção Resumo de diretriz NHG M02 (dezembro 2011) Contracepção Resumo de diretriz NHG M02 (dezembro 2011) Anke Brand, Anita Bruinsma, Kitty van Groeningen, Sandra Kalmijn, Ineke Kardolus, Monique Peerden, Rob Smeenk, Suzy de Swart, Miranda Kurver, Lex

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Primolut Nor, 10 mg, comprimidos Acetato de noretisterona Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. -Conserve este folheto. Pode ter

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

Conclusões científicas

Conclusões científicas Anexo II Conclusões científicas e fundamentos para a alteração do Resumo das Características do Medicamento, da Rotulagem e do Folheto Informativo apresentados pela Agência Europeia de Medicamentos 7 Conclusões

Leia mais

Saúde da Mulher. Ana Cristina Pinheiro. Saúde da Mulher

Saúde da Mulher. Ana Cristina Pinheiro. Saúde da Mulher Saúde da Mulher Realizado por: Ana Cristina Pinheiro (Maio de 2007) Saúde da Mulher Uma família equilibrada não pode ser produto do acaso ou da ignorância. O nascimento de uma criança deve ser o resultado

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

hipertensão arterial

hipertensão arterial hipertensão arterial Quem tem mais risco de ficar hipertenso? Quais são as consequências da Hipertensão Arterial? quem tem familiares Se a HTA» hipertensos não for controlada, causa lesões em diferentes

Leia mais

Métodos Contraceptivos Reversíveis. DSR- www.saudereprodutiva.dgs.pt

Métodos Contraceptivos Reversíveis. DSR- www.saudereprodutiva.dgs.pt Métodos Contraceptivos Reversíveis Estroprogestativos orais Pílula 21 cp + 7 dias pausa existem vários, podendo ser escolhido o que melhor se adapta a cada mulher são muito eficazes, quando se cumprem

Leia mais

TEXTO DE BULA DE TOTELLE. Cartucho contendo 1 envelope contendo 1 blister com 28 drágeas contendo 1 mg de estradiol e 0,125 mg de trimegestona.

TEXTO DE BULA DE TOTELLE. Cartucho contendo 1 envelope contendo 1 blister com 28 drágeas contendo 1 mg de estradiol e 0,125 mg de trimegestona. I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Totelle estradiol, trimegestona APRESENTAÇÃO TEXTO DE BULA DE TOTELLE Cartucho contendo 1 envelope contendo 1 blister com 28 drágeas contendo 1 mg de estradiol e 0,125 mg

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Hipogonadismo Feminino

Hipogonadismo Feminino Hipogonadismo Feminino Hipogonadismo Feminino Luíz Antônio de Araújo Diretor do Departamento de Neuroendocrinologia da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Presidente do Clube da Hipófise

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Estado- Titular da autorização de Nome do medicamento introdução no mercado. Postfach 210805 Ludwigshafen DE 67008 Germany.

Estado- Titular da autorização de Nome do medicamento introdução no mercado. Postfach 210805 Ludwigshafen DE 67008 Germany. Anexo I 3 Substância: Propil-hexedrina Estado- Titular da autorização de Nome do medicamento Membro introdução no mercado Alemanha Knoll AG Postfach 210805 Ludwigshafen DE 67008 Germany Eventin 4 Substância:

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Androcur 100 mg comprimidos Acetato de ciproterona Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento. - Conserve este folheto. Pode ter necessidade

Leia mais

Cartilha. pela Saúde da Mulher

Cartilha. pela Saúde da Mulher Cartilha pela Saúde da Mulher Cólica Menstrual Excesso de Gorduras no Sangue A cólica menstrual ou dismenorreia é uma dor abdominal provocada pelas contrações uterinas que ocorrem durante a menstruação.

Leia mais

Dossier Informativo. Osteoporose. Epidemia silenciosa que afecta 800.000 pessoas em Portugal

Dossier Informativo. Osteoporose. Epidemia silenciosa que afecta 800.000 pessoas em Portugal Dossier Informativo Osteoporose Epidemia silenciosa que afecta 800.000 pessoas em Portugal 2008 1 Índice 1. O que é a osteoporose? Pág. 3 2. Factores de risco Pág. 4 3. Prevenção Pág. 4 4. Diagnóstico

Leia mais

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL 1. ENVELHECIMENTO ACTIVO A Organização Mundial da Saúde e a Comissão da União Europeia consideram de grande importância todas as medidas, políticas e práticas, que contribuam para

Leia mais

Menopausa. Fernanda Águas 1. INTRODUÇÃO

Menopausa. Fernanda Águas 1. INTRODUÇÃO 18 Menopausa Fernanda Águas 1. INTRODUÇÃO Por volta dos 50 anos, um órgão fundamental para a mulher, o ovário, deixa de funcionar e a produção de hormonas que, por natureza, lhe está atribuída, é abruptamente

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

TERAP ÊUTICA DE REPOSIÇÃO HORMONAL

TERAP ÊUTICA DE REPOSIÇÃO HORMONAL TERAP ÊUTICA DE REPOSIÇÃO HORMONAL Lucas Vianna Machado Prof. Titular de Ginecologia da Faculdade de Ciências Médicas de MG Titular da Academia Mineira de Medicina. Terapêutica de reposição hormonal, significa

Leia mais

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM Paula Bogalho S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Hosp. Curry Cabral, Lisboa, 20.2.2010 Diabetes Crescimento nos países em desenvolvimento Diabetes

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS DE ASSISTÊNCIA A MULHERES CLIMATÉRIAS NA REDE DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE CAMPINAS

DIRETRIZES BÁSICAS DE ASSISTÊNCIA A MULHERES CLIMATÉRIAS NA REDE DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE CAMPINAS DIRETRIZES BÁSICAS DE ASSISTÊNCIA A MULHERES CLIMATÉRIAS NA REDE DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE CAMPINAS O climatério pode ser dividido em três fases distintas: Dos 35 aos 45 anos período em que surgem

Leia mais

Guideline sobre Climatério da SBRH

Guideline sobre Climatério da SBRH Guideline sobre Climatério da SBRH César Eduardo Fernandes Fernando Monteiro de Freitas Marta C.F. Finotti Jaime Kulak Jr O climatério representa a transição da vida reprodutiva para a não reprodutiva.

Leia mais

Apresentação: Cartucho contendo 3 blísteres com 10 comprimidos Cartucho contendo frasco de vidro com 30 comprimidos

Apresentação: Cartucho contendo 3 blísteres com 10 comprimidos Cartucho contendo frasco de vidro com 30 comprimidos Primosiston acetato de noretisterona etinilestradiol Informação importante! Leia com atenção! Forma farmacêutica: Comprimido Apresentação: Cartucho contendo 3 blísteres com 10 comprimidos Cartucho contendo

Leia mais

FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Bases Fisiológicas da Sede, Fome e Saciedade Fisiologia Humana

FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Bases Fisiológicas da Sede, Fome e Saciedade Fisiologia Humana FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Bases Fisiológicas da Sede, Fome e Saciedade Fisiologia Humana Enquadramento A alimentação garante a sobrevivência do ser humano Representa uma fonte de

Leia mais

QUAIS SÃO OS TIPOS MAIS COMUNS DE ANABOLIZANTES DO MERCADO?

QUAIS SÃO OS TIPOS MAIS COMUNS DE ANABOLIZANTES DO MERCADO? O QUE SÃO? Os anabolizantes ou esteróides anabólicos são produzidos a partir do hormônio masculino testosterona, potencializando sua função anabólica, responsável pelo desenvolvimento muscular. QUAIS SÃO

Leia mais

Osteoporose 2. Definição de Osteoporose 3. Fisiopatologia da Osteoporose 4. Como se faz o diagnóstico de osteoporose 8 Diagnóstico 9

Osteoporose 2. Definição de Osteoporose 3. Fisiopatologia da Osteoporose 4. Como se faz o diagnóstico de osteoporose 8 Diagnóstico 9 2011/2012 Módulo V.II Endocrinologia Tema da Aula: Patologia Mineral - Osteoporose Docente: Dr. Mário Rui Mascarenhas Data: 11/01/2012 Número da Aula Previsto: 30 Desgravador: Francisca Costa, Joana Carvalho

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Ciclo Menstrual. Ciclo Menstrual. Ciclo ovariano. Ciclo ovariano 17/08/2014. (primeira menstruação) (ausência de menstruação por 1 ano)

Ciclo Menstrual. Ciclo Menstrual. Ciclo ovariano. Ciclo ovariano 17/08/2014. (primeira menstruação) (ausência de menstruação por 1 ano) CICLO MENSTRUAL Ciclo Menstrual A maioria das mulheres passará por 300 a 400 ciclos menstruais durante sua vida Os ciclos variam entre 21 a 36 dias, em média 28 dias O sangramento dura de 3 a 8 dias A

Leia mais

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS 1. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS Os métodos contraceptivos são utilizados por pessoas que têm vida sexual ativa e querem evitar uma gravidez. Além disso, alguns

Leia mais

Novo texto da informação do medicamento Extratos das recomendações do PRAC relativamente aos sinais de segurança

Novo texto da informação do medicamento Extratos das recomendações do PRAC relativamente aos sinais de segurança 17 December 2015 EMA/PRAC/835764/2015 Pharmacovigilance Risk Assessment Committee (PRAC) Novo texto da informação do medicamento Extratos das recomendações do PRAC relativamente aos sinais de segurança

Leia mais

Folheto informativo: Informação para o utilizador. Livial 2,5 mg comprimidos Tibolona

Folheto informativo: Informação para o utilizador. Livial 2,5 mg comprimidos Tibolona Folheto informativo: Informação para o utilizador Livial 2,5 mg comprimidos Tibolona Leia com atenção todo este folheto antes começar a tomar este medicamento pois contém informação importante para si.

Leia mais

Motivações para se Tornar Sexualmente Ativo

Motivações para se Tornar Sexualmente Ativo Motivações para se Tornar Sexualmente Ativo Atividade Sexual Desejo de engravidar Sentir-se mulher ou homem Sentir-se desejável Intimidade / Cumplicidade Desejo de ter filho Expressão/ Afirmação Excitação/

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

Ficar velho-fenómeno novo. Esperança de vida 1000 A.C.-18 anos 100 A.C.-25 anos 1900 D.C.-49 anos 2000 D.C.-79 anos

Ficar velho-fenómeno novo. Esperança de vida 1000 A.C.-18 anos 100 A.C.-25 anos 1900 D.C.-49 anos 2000 D.C.-79 anos Menopauseiscurable Menopause covers such a wide range of physical and emotional symptoms that the implications are by no means confined to the woman. Her husband, her family and her entire relationship

Leia mais

INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA IMPORTANTE

INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA IMPORTANTE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA IMPORTANTE para os médicos prescritores de PROTELOS /OSSEOR (Ranelato de estrôncio) 2 g granulado para suspensão oral Estes medicamentos estão sujeitos a monitorização adicional

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS Ericeira, 11 de Fevereiro 2011 DEFINIÇÃO De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação Cardíaca é um conjunto De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação

Leia mais

Hormônio do Crescimento

Hormônio do Crescimento Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Hormônio do Crescimento O Hormônio do Crescimento Humano é um dos muitos hormônios que tem sua produção

Leia mais

Terapêutica anticoagulante oral

Terapêutica anticoagulante oral Terapêutica anticoagulante oral Quando iniciar? Quando e como suspender? Quando parar definitivamente? Eugénia Cruz e Sara Morais Serviço de Hematologia Clínica, Hospital de Santo António 1º Encontro Proximidade

Leia mais

Dra Adriana de O Marinho Reumatologia e Clínica Médica Fone 3223-3830

Dra Adriana de O Marinho Reumatologia e Clínica Médica Fone 3223-3830 Dra Adriana de O Marinho Reumatologia e Clínica Médica Fone 3223-3830 O que é Osteoporose? A osteoporose é uma doença freqüente que é definida como diminuição absoluta da quantidade de osso e desestruturação

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Climen (2 mg) + (2 mg + 1 mg) comprimidos revestidos Valerato de estradiol / Acetato de ciproterona Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento.

Leia mais

Brígida Ferrão. 10 de Outubro de 2014

Brígida Ferrão. 10 de Outubro de 2014 Brígida Ferrão 10 de Outubro de 2014 DEFINIÇÃO Sistema Endócrino conjunto de orgãos e tecidos que produzem hormonas, libertadas na corrente sanguínea e que controlam outros orgãos alvo Envelhecimento tecidos

Leia mais

DOENÇAS DA TIRÓIDE. Figura nº1 Localização da Tiróide e da Hipófise

DOENÇAS DA TIRÓIDE. Figura nº1 Localização da Tiróide e da Hipófise DOENÇAS DA TIRÓIDE O que é a Tiróide? A Tiróide é uma glândula situada na base do pescoço imediatamente abaixo da maçã de Adão (fig.nº1) e é constituída por dois lobos unidos por uma parte central chamada

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si A função da insulina é fazer com o que o açúcar entre nas células do nosso corpo, para depois poder

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

Recomendação de uso Menopausa. Afrontamentos. Suores nocturnos. Depressão. Osteoporose. Secura vaginal.

Recomendação de uso Menopausa. Afrontamentos. Suores nocturnos. Depressão. Osteoporose. Secura vaginal. Produto Calêndula Internacional, S.A. - Portugal Apresentação 30 comprimidos de 1236 mg 37 g Ingredientes Óxido de Magnésio; agente de volume: Maltodextrina; Isoflavonas Soja; agente de volume: Celulose

Leia mais

- O medicamento deve ser mantido em temperatura ambiente (15-30 C) e protegido da umidade.

- O medicamento deve ser mantido em temperatura ambiente (15-30 C) e protegido da umidade. ANDROCUR Acetato de ciproterona FORMA FARMACÊUTICA: Comprimido APRESENTAÇÃO: Cartucho com frasco com 20 comprimidos USO ADULTO COMPOSIÇÃO: Cada comprimido de Androcur contém 50 mg de acetato de ciproterona.

Leia mais

Hipertensão arterial. Casos clínicos. A. Galvão-Teles 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS

Hipertensão arterial. Casos clínicos. A. Galvão-Teles 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS Casos clínicos Hipertensão arterial A. Galvão-Teles Viseu, Outubro de 2012 Caso Clínico 1 Motivo consulta: Bócio Mulher de

Leia mais

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Cerca de 11.7 milhões de sobreviventes de câncer nos EUA em 2007. Destes 2.6 milhões ou 22% são

Leia mais

Bom trabalho! FICHA DE TRABALHO BIOLOGIA 12ºANO. Grupo I ESCOLA SECUNDÁRIA DOM MANUEL MARTINS 2007/08. Tigres vs. Alunos (Descubra as diferenças!

Bom trabalho! FICHA DE TRABALHO BIOLOGIA 12ºANO. Grupo I ESCOLA SECUNDÁRIA DOM MANUEL MARTINS 2007/08. Tigres vs. Alunos (Descubra as diferenças! ESCOLA SECUNDÁRIA DOM MANUEL MARTINS 2007/08 BIOLOGIA 12ºANO FICHA DE TRABALHO Bom trabalho! Tigres vs. Alunos (Descubra as diferenças! ) Grupo I Nos estudos efectuados nos últimos anos verificou-se a

Leia mais

Cuidados de armazenamento Conservar em temperatura ambiente (entre 15 C e 30 C). Proteger da umidade.

Cuidados de armazenamento Conservar em temperatura ambiente (entre 15 C e 30 C). Proteger da umidade. Diclin etinilestradiol + acetato de ciproterona FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos Estojo-calendário contendo 21 ou 63 comprimidos. USO ORAL - ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido revestido

Leia mais

Acabe, com a dor II 1

Acabe, com a dor II 1 ACABE COM A DOR Acabe, com a dor São as mulheres quem mais sofre quadros dolorosos, com maior frequência e em mais áreas corporais, revela a Associação fnternacional para o Estudo da Dor. Conheça as dores

Leia mais

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FARMACOLOGIA SEROTONINA Serotonina: funções e distribuição Receptores centrais e periféricos Neurotransmissor: neurônios

Leia mais

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Diabetes Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional de Controlo da Diabetes existe, em Portugal, desde a década de setenta, tendo sido atualizado e revisto

Leia mais