The SAGE Handbook of Marketing Theory. Chapter 4: The Emergence of Consumer Research

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "The SAGE Handbook of Marketing Theory. Chapter 4: The Emergence of Consumer Research"

Transcrição

1 The SAGE Handbook of Marketing Theory Chapter 4: The Emergence of Consumer Research O SURGIMENTO DA PESQUISA DO CONSUMIDOR Capítulo 4 Capítulo traduzido a partir do texto original, por Nilson Pereira e Natan Silva 1 Metade de um século se passou desde o surgimento sobre o tema comportamento do consumidor, principalmente a partir da área de marketing. O marketing não existia como um esforço acadêmico independente a pouco mais de cem anos atrás. Na virada do século XX, o Marketing foi incorporado como uma pequena unidade dentro do campo da economia. Os primeiros cursos foram intitulados com um produto a partir das (Universidades de Michigan, Illinois e Califórnia, em 1902, Pensilvânia, em 1903, e do estado de Ohio em 1905). Demorou cerca de três décadas de marketing para entrar em seu próprio ambiente universitário nos Estados Unidos (Bartels, 1988) e outro meio século na Europa (Jone e Monieson, 1990). Naqueles primeiros dias, marketing parecia diferente e professores do curso foram treinados em economia, em vez de o que chamamos de marketing moderno de hoje: a ciência de marketing, comportamento do consumidor e estratégia de marketing. A pesquisa acadêmica foi bastante impressionista e muitas vezes consistia de discussões narrativas sobre as funções sobre o que dizer um atacadista ou rack jobber. A pesquisa sobre o consumidor envolve o estudo de mercados, análise de dados secundários e teoria da utilidade (ver Wilkie e Moore, 2003, para e visão geral do pensamento de marketing). A partir deste meio, a base do comportamento do consumidor moderno acabou emergindo. O objetivo deste capítulo é examinar essas fundações e a surgimento do comportamento do consumidor nos primeiros anos de desenvolvimento, em vez de fornecer uma avaliação do estado atual do campo. SEGUNDA GUERRA MUNDIAL E DA DÉCADA DE PÓS-GUERRA Por volta de 1940, dois avanços ocorreram que foram particularmente relevantes para o nascimento de comportamento do consumidor. Uma delas foi o surgimento da Psicologia Econômica, juntamente com várias grandes teorias do comportamento humano - Teoria Psicanalítica de Freud, Teoria Comportamental Aprendizagem e lewiniana Teoria de Campos. A outra foi a pesquisa sobre os efeitos dos meios de comunicação e com o apoio do Governo dos Estados Unidos em tempos de guerra, pesquisa sobre os efeitos da propaganda e persuasão sobre o comportamento e atitude de mudança (Stouffer et al., 1949). ECONOMIA - UMA NOVA VISÃO Um desafio significativo para o pensamento econômico predominante e a comercialização desse tempo surgiu a partir do trabalho de George Katona's na análise psicológica do comportamento econômico (Katona, 1951). Katona não era um economista treinado, mas sim um estranho na época. Ele havia recebido um diploma de Direito da Universidade de Budapeste e do grau de Doutor em Psicologia pela Georg Müller's laboratório em Göttingen. Ele estava trabalhando como psicólogo experimental, em Berlim, durante o período da Segunda Guerra pré-mundial da hiperinflação. Os efeitos profundos da inflação sobre o comportamento dos consumidores levaram a empreender o estudo da economia e explorar o pensamento keynesiano (Morgan, 1991). O economista britânico John Maynard, desafiou a visão predominante do comportamento econômico, enfatizando o papel desempenhado pelo governo e as expectativas de negócios. Katona achava que as expectativas, atitudes 1 Nilson Pereira -Mestrando em Administração - Universidade Salvador-UNIFACS Natan Silva -Especialização em Administração - Universidade Salvador-UNIFACS O SURGIMENTO DA PESQUISA DO CONSUMIDOR Pág 1

2 e sentimentos também desempenhavam um papel ativo junto aos consumidores e que os economistas ignoravam ou faziam suposições ingênuas sobre o comportamento humano na época. A confiança do consumidor teve que ser levada em conta para entender melhor as flutuações econômicas. Como tantos outros estudiosos no momento, seu trabalho foi interrompido pela ascensão do nazismo e ele acabou pela primeira vez em Nova York e depois na Universidade de Michigan. Mais para um psicólogo experimental do que um teórico teórico, ele estava tentando medir o efeito que tem o sentimento do consumidor (otimismo, pessimismo e de confiança). Para fazer sua pesquisa e coletar dados, uma metodologia de pesquisa teve que ser desenvolvida. Com Rensis Likert, Donald Campbell e outros cientistas sociais bem conhecidos, ele estabeleceu o Centro da Universidade de Michigan (Newman, 1983). Hoje em dia, a confiança do consumidor é considerada um indicador importante para a previsão econômica e pesquisa de opinião e permeia os trabalhos de marketing, política e mais todos os outros aspectos das ciências sociais. O Centro de Pesquisa Michigan e no Journal of Economic Psychology acabaram absorvendo o legado de George Katona. YEALE COMUNICAÇÕES Estudos e Pesquisas RADIO EARLY O segundo avanço importante no surgimento do comportamento do consumidor centrado em vários programas de investigação de comunicação. Durante a época da II Guerra Mundial, o Communications Research da Universidade de Yale, começou a estudar as influências dos meios de comunicação e, em particular, a sua influência na formação de atitude e mudança (por exemplo, Hovland et al., 1953). O grupo de Yale "investigou características da fonte de comunicação (especialização), a mensagem, (tipo de recurso, unilateral contra argumentos de dois laterais), e as características do público, tais como as diferenças de sexo, educação e traços de personalidade, como a ansiedade e auto-estima "(Edell 1993: 197). Através de uma pesquisa sofisticada também aparecendo no setor empresarial, a agência de publicidade Young and Rubicam havia contratado George Gallup para estudar os efeitos da propaganda e posteriormente, para desenvolver uma pesquisa denominada Gallup. Outra agência havia contratado psicólogos como Daniel Starch para entender melhor como funciona a publicidade e os impactos do consumidor. Ainda um outro psicólogo, William Staton foi importante pioneiro na pesquisa de rádio. Como um estudante de pósgraduação na Universidade Estadual de Ohio, ele tinha desenvolvido um protótipo de um dispositivo de monitoramento de audiência, o precursor da AC Neilson's de rádio e TV audiómetros rating (Maloney, 1987). Eventualmente, ele se tornou um dos principais executivos da Columbia Broadcastin Sistema e instigou e auxiliou os primeiros estudos sobre audiência através de análises sobre o conteúdo de programas de rádio. Allport's (1935), através de estudos por Merton (1946) sobre a Kate Smith War Bond dirige uma pesquisa fascinante sobre os efeitos do Orson Welles 'War do programa Palavras de rádio (Cantril, 1940) e os estudos em tempo de guerra sobre rumor (Allport e Postman, 1943) fazem parte do legado da CBS e Stanton. Stanton, com a ajuda de dois psicólogos sociais a Princeton - Hadley Cantril e Gordon Alport - foi fundamental para levar para os Estados Unidos no continente austríaco. Tudo começou com o cientista social eminente, Paul Lazarsfeld, um Phd matemática da Universidade de Viena, que tinha estabelecido uma organização de pesquisa de rádio na Europa. Em Princeton, Lazarsfeld foi pouco apreciado pela administração e necessitou mudar a sua organização de pesquisa novo rádio várias vezes até encontrar um lar para ele na Universidade de Columbia, que viria a ser o Bureau of Applied Social Research (Maloney, 1987). Como Katona, Lazarsfeld estavam desafiando a economia clássica, com sua pesquisa, mostrando que os consumidores não são máquinas de calcular racionais mas muitas vezes tateou em uma névoa em meio a conhecimentos e incertezas. Anos antes ele havia terminado seu clássico estudo sobre a compra de calçados em Zurique - com 900 entrevistados, entrevistas em profundidade e questionários - foi como clássico projeto de pesquisa qualitativa com suporte quantitativo sobre por que o consumidor compra. A pesquisa por compra de sapatos com base em preços, pesquisa sobre atitudes, vitrines e personalidade, juntamente com os efeitos eróticos de vendas por pessoas do sexo feminino com clientes do sexo masculino e vice-versa foram alvo de críticas (Fullerton, 1990). [Outra contribuição interessante a esse pensamento foi trazida de Frank Baum, mais conhecido por seu Wizard of OZ livros. Ele escreveu um livro clássico que examina como restaurar as janelas poderiam ser usados para atrair clientes em lojas de produtos secos (Culver, 1988).] O SURGIMENTO DA PESQUISA DO CONSUMIDOR Pág 2

3 No devido tempo, Lazarsfeld trazido para a América a seus alunos da Universidade de Viena - Ernest Dichter, Herta Herzog, Hans Zeisel e outros pesquisadores orientação psicanalítica que mudaram a face do campo (Maloney, 1987). Lazarsfeld e seus colegas estavam trazendo de volta as técnicas de introspecção, assim introduzindo a pesquisa qualitativa e pequenas amostras de marketing e pesquisa de publicidade (Kassarjian., 1994). Em pouco tempo, a pesquisa qualitativa ganhou uma posição no estabelecimento de pesquisa. Pesquisa sólida estava saindo de uma série de organizações, em particular o trabalho de Sid Levey e outros at Social Research, Inc. e estudos encomendados pelo Pierre Martineau no Chicago Tribune. Sua abordagem não era para medir o percentual de consumidores que tinham uma opinião sobre alguma coisa ou propaganda, ou ainda preferência a uma marca em detrimento de outra, mas sim para explorar motivações, por que as pessoas compram e não o que eles compram Levy, 1991). E, como se viu, talvez por causa do interesse na pesquisa de motivação, uma das grandes teorias do comportamento humano foi introduzido no campo do marketing e do comportamento do consumidor infantil - psicologia freudiana. Até o final da Segunda Guerra Mundial, as teorias elegantes do comportamento humano tornaram-se cada vez mais popular nas ciências humanas e sociais e sua influência começou a infiltrar-se o setor empresarial. Pesquisa MOTIVAÇÃO e a teoria Freudiana A sustentação da teoria psicanalítica é que o comportamento humano é impulsionado pela força psico-sexual com raízes em experiências de infância. A crença era de que conceitos como id, ego e superego, juntamente com infância estágios de desenvolvimento psicossocial, dirigia todo o comportamento de psicopatologia para fazer um levantamento de compras, a partir da seleção de um cônjuge para a compra de um automóvel conversível. Em 1957, Ernest Dichter, um importante fornecedor comercial de pesquisa qualitativa, "tinha-se nomeado o" Messias de Motivação Research que havia resgatado o mundo dos negócios a partir da ignorância patética que prevalecia antes do seu advento "(Fullerton e Stern, 1990: 009). Ele denunciou todas as pesquisas de marketing como superficial. Como se poderia esperar, jornalistas e da imprensa especializada divulgado interpretações divertidas de Ernest Dichter's relata um carro conversível representa uma amante em que se pode fazer um passeio de vez em quando, mas quando se trata de preferência permanente o consumidor vai escolher o sedan. Os adolescentes usam sabão para lavar as mãos para afastar a culpa sexual, e fazer um bolo é análoga à entrega de uma criança. A influência de Sigmund Freud era inconfundível. Para muitos, Dichter apareceu alto e arrogante e muito pouco para o estabelecimento de pesquisa sobre paciência e tolerância. As fábricas de pesquisa em agências de publicidade e pesquisadores, tais como Gallup e Politz amarradas para trás. Acadêmicos de marketing, como Wroe Alderson, a mais profunda de teóricos americanos, juntou-se ao ataque e sessões em reuniões profissionais, tais como a American Marketing Association (AMA), muitas vezes tornou-se bastante aquecida, os dois lados entraram em confronto espadas (Fullerton e Stern, 1990). Eles afirmaram que Dichter ignorou pesquisa básica em ciências sociais e que as suas conclusões não eram nem válida nem confiável. William (Bill) Wells (1956) escreveu que alguns dos relatórios de pesquisa Dichter's lido como uma combinação de ficção científica e Alice no País das Maravilhas. Na defesa de Dichter, um cliente retrucou: 'Eu não importo se Squares Dichter's Chi são tudo o que deveria ser. Recebo ideias mais úteis em falar com Dichter por um dia que eu jamais sair de uma centena de quadros em um relatório de pesquisa "(Malone, 1987: 36). Com o tempo, os aspectos mais vazios do tipo Dichter de motivação apresentações de Pesquisa desapareceu e trabalho dos pesquisadores sérios qualidade sobreviveu. Alguns até acabaram como clássicos para ser reproduzida repetidas vezes. Quem hoje não tenha lido com fascínio, Levy's (1959) 'símbolos Sale', ou ouviu falar de Mason Haire's (1950) estudo clássico sobre Nestlés Café Solúvel e aceito a sua interpretação como razoável. CAMPO DA TEORIA A segunda das teorias sobre ciências sociais que influenciaram no comportamento do consumidor é Kurt Lewin's denominada Teoria do Campo (1936). Surgindo do trabalho dos psicólogos da Gestalt em Berlim no início do século XX, seria bastante difícil superestimar a contribuição de Lewin para a psicologia social e, através da psicologia, o seu impacto no comportamento do consumidor. Sua influência permeia o campo Variando de estudos sobre dinâmica de grupo e treinamento de sensibilidade, de mudança de atitude em relação à organização cognitiva e de teorias de equilíbrio para os hábitos alimentares de alimentos. O SURGIMENTO DA PESQUISA DO CONSUMIDOR Pág 3

4 A característica básica da teoria Lewin's é que o comportamento é uma função do campo psicológico que existe no momento em que o comportamento ocorre. O campo é definido como a totalidade dos fatos coexistentes, incluiding tanto a pessoa e seu ambiente psicológico, os quais são mutuamente interdependentes. Cada instância específica de comportamento (dizem que a mudança de atitude sobre uma marca de geladeira ou a compra de um automóvel) deve ser visto como o resultado da interação de uma variedade de influências ou vetores que incidem sobre a pessoa. Uma vez que todas estas forças coexistentes são mutuamente independentes e espera ser capaz de reconstruir o ato da compra. Este é o dito Gestalt familiar que o todo é diferente de se não maior do que a soma das partes isoladas. A análise deve começar com a situação como um todo a partir do qual os componentes podem ser diferenciados em vez de começar com um estudo dos elementos isolados (Kassarjian, 1973). A abordagem lewiniana é a-histórico. Apenas fatos que existem no presente pode afetar diretamente os acontecimentos presentes. Desde que o comportamento do consumidor depende do comportamento em si ocorre, eventos passados e eventos futuros que não existem agora não pode afetar o comportamento que exercem influência sobre o presente devem ser considerados, em vez de muitas das experiências da infância ou memórias sexuais utilizadas pelos adeptos de Freud ou o número de tentativas anteriores utilizados por teóricos ou analistas de Markov de aprendizagem. Além disso, eventos futuros, aspirações e expectativas, pois são relevantes e representadas no presente são contabilizados pela teoria de campo, conceitos difíceis de lidar em muitas das outras abordagens para o comportamento do consumidor (Kassarjian, 1968). TEORIAS DE APRENDIZAGEM COMPORTAMENTAIS O último conjunto de teorias que criaram a infra-estrutura do comportamento do consumidor é o de behaviorismo. A visão básica é que o comportamento é um padrão de resposta aprendido decorrentes da experiência, as exposições repetidas geralmente a um estímulo. Tudo começou com Jon Watson, professor de psicologia na Universidade Johns Hopkins e um consultor regulares cedo ao J. Walter Thompson Agência de Publicidade. Contribuições de Watson, se baseou fortemente em condicionamento clássico e o trabalho de Ivan Pavlov em São Petersburgo, na Rússia czarista. Cão Pavlos's é bem conhecido para a maioria de todos. Quando um cão é apresentado com pó seco de carne (o estímulo incondicionado - UCS), ele naturalmente saliva (resposta incondicionada - UCR). Se o toque do sino (estímulo condicionado CS) é repetidamente associado com a apresentação da UCS (alimentos), o animal também vai salivar (resposta condicionada -CR). Ou seja, o cão vai aprender mais rápido que ao toque de um sino é associado com alimentos (uma recompensa), causando a salivação, quando a UCS não está presente. Este modelo simples e pequeno, com suas elaborações posteriores e sofisticação, como o papel de recompensas e punições, o número de ensaios necessários, se a resposta original é tentativa e erro ou cognitivamente avaliado, etc formam a base das variações de inclinar-se teorias como apresentado por Hull, Spence, Skinner e tantos outros (Hilgard, 1956). Não foram só essas teorias crucial para muito do que estava por vir na linha principal de investigação do consumidor, mas a matemática de mudas da teoria de aprendizagem (por exemplo Estes et al 1954 a;. Bush e Mosteller, 1955) levou diretamente para o que ele estocástica e modelos lineares de aprendizagem de marketing que surgiram na década de 1960 (por exemplo, Frank, 1962; Kuhn, 1962 e George Haines livro de 1969, Comportamento do Consumidor Modelos de aprendizagem de compras). Eram pesquisas sobre temas como compras repetitivas, a fidelidade à marca, mudança de marca, as estimativas de vendas e adoção de produtos da época, que foram os precursores do marketing Ciência como é definido hoje. Durante a década de 1960 e início de 1970, as universidades estavam em um surto de crescimento, o conhecimento científico estava explodindo e do programa espacial estava indo para a lua. Presidente Kennedy havia introduzido o Projeto de Lei do Consumidor dos Direitos, e o país estava avançando em todas as frentes. A terceira onda do consumismo estava em pleno vigor (as ondas anteriores foram em 1900 e 1.930s). Foram os mil dias de Camelot. Parecia que não havia nada que não pudesse ser realizado. Os departamentos de marketing, juntamente com as escolas de negócios em todo o terreno, no entanto, eram percebidos como em um estado deplorável. Em um esforço para melhorar as escolas de negócios, a Ford e Fundações Carnegie tinha emitido relatórios incentivando as escolas a incorporar o comportamento ciências, matemática, estatística e ciências sociais no ensino pensamento e pesquisa. Os focos dos relatórios foram corretivos em que a educação negócio era visto como um grande 'deserto de vocacionalíssimo... [que] para ser transformado em um profissionalismo' base científica (Herbert Simon, cita em O SURGIMENTO DA PESQUISA DO CONSUMIDOR Pág 4

5 Tadajewski, 006: 174). Como Kernan (1995) apontou, a carga desses relatórios para escolas de negócios era clara e categórica: 'Get Respeitável!' A Fundação Ford estava disposta a intervir com bolsas e apoio financeiro. Em menos de uma década, a Fundação Ford investiu em excesso de US $ 45 milhões em pesquisa de negócios e reforma da educação (Tadajewski, 2006). Por exemplo, Frank Bass, professor de marketing tradicional na universidade de Illinois foi enviado para Harvard para aprender matemática e estatística. Perry Bliss foi enviado para Harvard para aprender psicologia e sociologia, levando a uma das leituras de livros muito antigos no comportamento do consumidor (Bliss, 1963). Joseph Newman tinha suporte para seu livro sobre pesquisa de motivação (1957). Bem como Philip Kotler para um trabalho sobre o uso de simulação computacional para a estratégia de marketing (1968) e Allan Andreasen por seu trabalho sobre atitudes e difusão da inovação (1965). John Howard foi concedida uma bolsa para escrever uma monografia (1963), que abriu a porta um pouco mais amplo para as ciências do comportamento. Com o tempo, isso se transformou em monografia é marketing texto gestão e um pouco mais tarde em howard e Sheth's A Teoria do comportamento do comprador (1969). Passo a passo, o pensamento e as idéias das disciplinas científicas começaram a se infiltrar em marketing. Os departamentos de marketing, aqui e ali começou a recrutar os professores formados em outras do que a economia disciplinas: psicologia, sociologia, pesquisa operacional, estatística (Myers et al.1980) e, posteriormente, até mesmo a geografia e química. Novas ideias e abordagens foram sendo introduzidas - experimentos controlados, computador programação análise de dados baseados em computador, modelos matemáticos, simulação por computador, o empirismo e o positivismo lógico - a era da análise de dados havia chegado. A linguagem da ciência tinha alcançado a partir dos positivistas do Círculo de Viena na década de 1930 para o marketing recém-surgido - comportamento do consumidor. O rosto e os interesses intelectuais de departamentos de marketing em toda a terra fosse permanentemente alterado (Kassarjian, 1994). TEORIAS DE CONSUMIDOR COMPORTAMENTO INICIAL Talvez a mais reconhecida das abordagens de comportamento de consumo emergentes foi um dos que se transformou de um fundo a teoria de aprendizagem - Howard-Sheth'is da Teoria do Comportamento do consumidor (1969). Howard e Sheth incorporado como aspectos das outras principais teorias do comportamento, mas é basicamente foi baseado em teorias de aprendizagem predominantes na psicologia da época - principalmente Clark Hull e Kenneth Spence's trabalhar inclinada resposta estímulo. A TEORIA HOWARD-SHETH O modelo de Howard e Sheth centrada no elemento de repetição de compra ao longo do tempo. Dada uma unidade (como a fome) e a percepção de um sinal (como propaganda), o indivíduo pode dar uma resposta (compra), que se reforçado ou recompensado, pode levar é motivada por uma classe de produto, ele é confrontado com uma decisão da marca de escolha. Os elementos de sua decisão são: (1) um conjunto de motivos, (2) vários cursos de ação e (3) mediadores de decisão, pelo que os motivos são comparados com as alternativas. Ao longo do tempo, em face das decisões de escolha da marca repetitivos, o consumidor simplifica o seu processo de decisão, armazenando informações relevantes e estabelecer e rotina em seu processo de decisão (Kassarjian e Robertson, 1968:. 440 Howard e Sheth é um belo exemplo do utópico sobre grandes teorias da fase de desenvolvimento do comportamento do consumidor (cunhado por Ekstrom, 2003), mas havia outros. O modelo Engel, Kollat e Blackwell Rumo a última parte da década de 1960, vários outros que Howard-Sheth tentativas foram em busca de um modelo mais abrangente do comportamento do consumidor. Sem dúvida, o mais conhecido dos modelos da época era a de Engel et al. (1968). Utilizado como base de organização para o primeiro livro abrangente em comportamento do consumidor em relação ao nível molecular das necessidades básicas e os motivos para as influências molares de grupos, sociedades e culturas através de diversas variáveis intervenientes. Muito parecido com o modelo de Howard e Sheth, este livro foi amplamente lido e discutido e o modelo pesquisado por aspirantes a novos acadêmicos. A maior contribuição deste livro, no entanto, foi que o campo tinha agora um livro 'real' de que os cursos de comportamento do consumidor emergiram. O SURGIMENTO DA PESQUISA DO CONSUMIDOR Pág 5

6 Outro modelo na época, um computador usando a terminologia, foi apresentado por Francisco (Franco) Nicosia (1966). Nicosia usar uma simulação do Processo de decisão do consumidor. Ele levou o caso de uma empresa de introdução de um novo produto e estruturado a sequência de decisão do consumidor resultante. Nicosia acreditava que o comportamento do consumidor pode ser diagramado em um fluxograma como uma sequência de decisões semelhantes aos programas de computador com loops de feedback. Em seguida, ele argumentou que as técnicas de simulação podem ser usadas para "explicar com maior profundidade a estrutura de uma decisão Processo do consumidor", a fim de prever melhor o comportamento do consumidor. O modelo foi mais um passo em direção a uma teoria abrangente do comportamento do consumidor. TEORIAS DE MEIO ALCANCE A muito tempo as teorias utópicas grandes deu lugar a menos complexas teorias de médio alcance, como as atitudes e processamento de informação (Cohen, 1972). Durante alguns anos, Tom Robertson tinha apelado para o desenvolvimento de modelos em um nível menos grandioso. Ele sentiu que a maior promessa para o avanço do comportamento do consumidor residia no que Merton chamou teorias "de médio alcance". Estes são quadros teóricos ou conceituais que não constituem teorias completamente fundidas que explicam todo o comportamento de uma forma grandiosa, mas não são eles sugerem explicações e previsões relativas à alguma área relativamente circunscrita de inquérito (Ward e Robertson, 1973). Várias teorias de médio alcance foram sendo promulgadas. Mais cedo, em Columbia, Lazarsfeld e Katz tinha tropeçado na ideia do ' 'Two Step Flow o Communication'" e o conceito de" gatekeeper "- que influenciam os fluxos de mensagens da mídia de massa para os líderes de opinião e de formadores de opinião para os seguidores, em vez de diretamente dos meios de comunicação para o usuário final. (Katz, 1957). Obras na difusão da inovação foi logo a seguir (Robertson, 1971; Rogers 1962). Pequeno grupo de pesquisa, teoria dos grupos de referência, as atitudes, a dissonância cognitiva, percepção de risco, baixo envolvimento, teoria da atribuição e processamento de informações estavam entre várias outras teorias de médio alcance a partir da apresentação de como pesquisadores aderiram ao movimento cognitivo e facetas dos diversos testes empíricos mini-teorias ". O consumidor cognitivo reinava como um rei na terra de pesquisa do consumidor. Essas pesquisas foram mordendo pequenos pedaços de comportamento para estudo. Por exemplo, empregando fluxogramas, Alan Andreasen (1965) propôs um modelo de comportamento do consumidor, construído em torno de atitudes. Ele também foi uma abordagem de decisão sequência, fortemente influenciado pelo trabalho de Rogers a difusão, mas muito mais a partir de um ponto de vista cognitivo. Andreasen's abordagem foi um dos primeiros reflexos da revolução cognitiva que tinham chegado no comportamento do consumidor. Das teorias de médio alcance, nenhum tópico, que não o processamento de informações, havia capturado um interesse maior do que a formação de atitude e mudança. O interesse evoluiu a partir do trabalho de Lazarsfeld e psicólogos sociais da época da II Guerra Mundial, e mais tarde a partir das teorias funcionais de Katz evoluindo para o trabalho altamente sofisticado de hoje. Esses pesquisadores concluíram que uma atitude (definida como a predisposição aprendida para responder de maneira consistentemente favorável ou desfavorável em relação a um determinado objeto) é o elo fundamental na cadeia causal entre as percepções de atributos de um lado e as intenções e comportamentos sobre os outros. A influência do modelo de Fishbein (por exemplo, Fishbein e Ajzen, 1975) é obviamente visto nos modelos multiatributos do comportamento do consumidor estudados hoje. O TRATAMENTO DAS INFORMAÇÕES E ESCOLHA DE COMPORTAMENTO A outra grande área de pesquisa durante a era cognitiva e estendendo-se até o presente, era o de processamento de informações. Um livro essencial para emergir em teorias cognitivas do consumidor foi o de Flemming Hansen (197), Consumer Behavior escolha: A Teoria Cognitiva. Baseando-se em pesquisa realizada, tanto nos Estados Unidos e na Europa, Hansen construída uma estrutura sistemática para a compreensão do comportamento de escolha. O modelo, juntamente com o apoio de pesquisa, descreve como um indivíduo tenta modificar alternativas ou escolhas disponíveis de um modo que um sai aceitável, dependendo da quantidade de conflito que pode ser tolerado. O SURGIMENTO DA PESQUISA DO CONSUMIDOR Pág 6

7 Aparecendo nos infernos de Nicosia (Nicosia é a capital de Chipre) e um pouco antes de Bettman, este livro foi um marco no trabalho para acompanhar a escolha dos consumidores e processamento de informações. Com a publicação do Bettman's livro, uma teoria de Processamento de Informações de Escolha do Consumidor (1979) pesquisa sobre o processamento da informação monopolizada em outros temas em revistas e conferências. Esse livro pode muito bem ter sido um dos trabalhos mais citados no momento e conseguiu unir a maioria das pesquisas disponíveis no processamento de informações. O foco central é em ver os consumidores como solucionadores de problemas cognitivamente ativo e compreender as estratégias e resolvidos em torno de busca de informações, aquisição de informação, codificação, armazenamento, recuperação, integração e os processos utilizados na escolha de heurísticas. A teoria enfatizou o papel da memória e permitiu heurísticos de processamento flexíveis e mecanismos de escolha, em maior medida do que as teorias anteriores. Ele incluiu explicitamente a construção de capacidade de processamento e discutidas limitações e heurísticos de processamento específicas em detalhe. Para resumir esta pesquisa linha inteira, nas palavras de Shimp (1991: 163), a orientação cognitiva vê o comportamento do consumidor como um "processo ativo pelo qual as formas individuais hipóteses sobre alternativas de consumo, adquire e codifica a informação, e integra a nova informação com crenças pré-existentes. Este trabalho teve um período extremamente longo de influência no campo e certamente tem realizado até o presente. O SURGIMENTO DA PROFISSÃO A disseminação de descobertas científicas e as relações intelectuais entre os membros diferentes da Fraternidade comportamento do consumidor foi um problema no início. Pesquisas sobre o consumidor não era um tema particularmente cativante para revistas das ciências sociais e grande parte do trabalho não havendo uma relevância evidente e direta de profissionais de marketing e comercialização Journal of Marketing Research estava sendo oprimido papéis sagacidade dedicadas à pesquisa do consumidor. Em outras ocasiões, os pesquisadores apresentaram seus trabalhos em reuniões como a AMA, Associação Americana de Opinião Pública Pesquisador, American Psychological Association e em seminários patrocinados pela universidade que levou a um processo de tipo livros editados (por exemplo, Newman, 1957; Sommers e Kernan, 1967). Na verdade, alguns anos antes do surgimento da ACR, os psicólogos que trabalham na indústria e agências publicitárias, junto com acadêmicos com interesses semelhantes, formadas Divisão 23, a Divisão de Psicologia do Consumidor, da Associação Americana de Psicologia. Um par de décadas mais tarde, Division 23 transformou-se em Sociedade para a Psicologia do Consumidor (SCP) - uma organização, principalmente de psicólogos que se especializam em pesquisa do consumidor, mas que também atraíram centenas de membros dos departamentos de marketing e escolas de negócios. Muito parecido com ACR e muitas vezes com sobreposição de filiação, tem crescido rapidamente nas décadas seguintes. O prestigioso Journal of Psychology Consumidor, editado e propriedade da SCP, é uma grande editora de pesquisas com consumidoresdesde é surgimento de duas décadas atrás (Schumann et al., 2008). A revista premier, no entanto, continua a ser o JORNAL DA PESQUISA DO CONSUMIDOR (JCR). Sua história mais ou menos paralelos que de ACR. Desde o início da pesquisa do consumidor como um campo científico do empreendimento, era óbvio que era necessário um grande jornal e essencial. Em outubro de 1973, representantes de dez associações acadêmicas (Associação de Pesquisa do Consumidor, AMA, American Psychological Association, American Statistical Association, American Sociological Association e cinco outros) reuniram-se em Chicago e da nova revista nasceu. Nos meses seguintes, sob a orientação sensível de robert Ferber, uma placa de política foi estabelecida. $ 50,000 foi emprestado da AMA, reembolsado no prazo de um ano, como assinaturas, bem como manuais e descrições foram criadas. Os primeiros eram autores como George Katona, George Day e Jim Bettman e, na primavera de 1974, o primeiro número foi enviado para cerca de assinantes. Assinaturas vieram de acadêmicos em marketing, psicologia, economia doméstica em marketing, psicologia, economia doméstica, etc Além disso, agências de publicidade, empresas, escritórios de advocacia, redes de televisão e agências governamentais eram assinantes de um novo jornal que foi sobre o consumidor. O SURGIMENTO DA PESQUISA DO CONSUMIDOR Pág 7

Aprendizagem. Liliam Maria da Silva

Aprendizagem. Liliam Maria da Silva Liliam Maria da Silva O Consumidor como um ser aprendiz A aprendizagem é um processo de adaptação permanente do indivíduo ao seu meio ambiente, onde acontece uma modificação relativamente durável do comportamento

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

2. Abordagens empíricas da Comunicação

2. Abordagens empíricas da Comunicação 2. Abordagens empíricas da Comunicação A Abordagem Empírico-Experimental (ou da Persuasão) é o nome dado a um conjunto de estudos de base psicológica (ainda sob forte influência behaviorista, mas já se

Leia mais

Aula 04 Fundamentos do Comportamento Individual

Aula 04 Fundamentos do Comportamento Individual Aula 04 Fundamentos do Comportamento Individual Objetivos da aula: Nosso objetivo de hoje é iniciar a análise dos fundamentos do comportamento individual nas organizações e suas possíveis influências sobre

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Pesquisa Risqué Clássicos Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Grupos focais são comumente utilizados em pesquisas de marketing para determinar

Leia mais

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Pré-Vestibular Social PSICOLOGIA

Pré-Vestibular Social PSICOLOGIA PSICOLOGIA Quem nunca pensou em procurar ajuda de um psicólogo naqueles momentos mais difíceis? Ele com certeza é nossa principal referência nessas horas, pois é o profissional que cuida da nossa mente,

Leia mais

Módulo 6: Inteligência Artificial

Módulo 6: Inteligência Artificial Módulo 6: Inteligência Artificial Assuntos: 6.1. Aplicações da IA 6.2. Sistemas Especialistas 6.1. Aplicações da Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO MARKETING EM REDES SOCIAIS Bruna Karine Ribeiro Simão Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus Nova Andradina bruna_simao@hotmail.com Rodrigo Silva Duran Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Teorias Psicodinâmicas A Psicanálise de Sigmund Freud A perspectiva de

Leia mais

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações." - ISJ,

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações. - ISJ, 1. Introdução Este trabalho enquadra-se na área de Engenharia de Requisitos (ER). O problema abordado é o da insatisfação com as aplicações das Tecnologias de Informação (TI), utilizadas para suportar

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro DAVE ULRICH, JON YOUNGER, WAYNE BROCKBANK E MIKE ULRICH Qualquer bom profissional de RH quer ser melhor. Isto começa com um desejo

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade

Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade Informações Gerais A Nielsen recentemente pesquisou mais de 25.000 consumidores online em

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Entendendo o instrumento de perfil comportamental DISC em 8 passos!

Entendendo o instrumento de perfil comportamental DISC em 8 passos! Entendendo o instrumento de perfil comportamental DISC em 8 passos! 1º Passo - Instrumento DISC O que é: DISC é um instrumento de análise comportamental, com base na teoria postulada pelo psicólogo Dr.

Leia mais

PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA

PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA Inteligência Artificial CONCEITOS PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA O que é Inteligência Artificial O que é Inteligência Artificial? É a ciência e engenharia de projetar/construir máquinas inteligentes,

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

Marketing de Relacionamento. Contextualização. Aula 2. Instrumentalização. Prof. Adriane Werner. Determinantes do comportamento do consumidor

Marketing de Relacionamento. Contextualização. Aula 2. Instrumentalização. Prof. Adriane Werner. Determinantes do comportamento do consumidor Marketing de Relacionamento Aula 2 Contextualização Prof. Adriane Werner Determinantes do comportamento do consumidor Fatores de influência Teorias da motivação Modelos de valor, papéis e escalas de valores

Leia mais

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Processo de Decisão INFLUÊNCIA DO AMBIENTE Cultura Classes Sociais Valores Étnicos Família Situação DIFERÊNÇAS INDIVIDUAIS Recursos do cliente Auto conceito Problema

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

O SIGNIFICADO DA PESQUISA:

O SIGNIFICADO DA PESQUISA: O SIGNIFICADO DA PESQUISA: ESCRITO POR Clive de Freitas PUBLICADO Outubro 2013 como ela molda nossas vidas e cria marcas O RESUMO Como profissionais de marketing, é fácil reduzir a pesquisa para métricas

Leia mais

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados fevereiro de 2011 - ano V - Número 14

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados fevereiro de 2011 - ano V - Número 14 Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados fevereiro de 2011 - ano V - Número 14 Nesta edição Vídeo: Textron, Seis Sigma uma ponte para o futuro. Lean Office - Layout, orientações práticas. Quatro

Leia mais

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 07.04.11 Agenda: A importância do levantamento

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA Munir os alunos de conhecimentos sobre: estudo dos fenômenos psicológicos da relação homemtrabalho; Abordar temas como as influências da estrutura e da cultura organizacional sobre o comportamento,

Leia mais

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões:

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões: Ogden, J.(1999). Psicologia da Saúde. Lisboa: Climepsi Editores, Capitulo 1. Capítulo 1. Uma Introdução a Psicologia da Saúde Antecedentes da Psicologia da Saúde O século XIX Foi no decorrer do século

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

PLANEJAMENTO EM RECURSOS HUMANOS. Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal

PLANEJAMENTO EM RECURSOS HUMANOS. Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal PLANEJAMENTO EM RECURSOS HUMANOS Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal Conteúdo Programático Visão Geral do Planejamento A importância do planejamento estratégico voltado para o mercado; Planejamento

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana.

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana. I - A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO 1.1. Caracterização O desenvolvimento humano (DH) enquanto área de estudo, preocupa-se em investigar e interpretar todos os processos de mudanças pelos quais o ser humano

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Relatório PIBIC 2012

Relatório PIBIC 2012 Relatório PIBIC 2012 Projeto: Déficit Específico da Linguagem (del) e problemas de linguagem ligados a dificuldades de aprendizagem: um estudo exploratório com vistas à intervenção 1 Alunas: Luiza Frizzo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Informação estratégica

Informação estratégica IVENS CONSULT Informação estratégica Ivan Leão diretor da Ivens Consult Introdução A revolução em andamento é que a manufatura ou produção não é mais principal centro de lucro e sim a logística, os sistemas

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação Faculdade de Humanidades e Direito Curso de Filosofia EAD VI semestre Módulo Formação Docente Prof. Dr. Paulo Bessa da Silva Objetivo O objetivo desta teleaula é apresentar os fundamentos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

A Teoria de Campo Gestalt

A Teoria de Campo Gestalt A Teoria de Campo Gestalt MARIA APPARECIDA MAMEDE NEVES A Teoria de Campo Gestalt foi inicialmente desenvolvida de modo formal no início da década de 20, pelo filósofo e psicólogo alemão Max Wertheimer

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 15 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO E DA INSATISFAÇÃO DOS CLIENTES Objetivo: Ao final desta aula, você deverá saber (1) sobre os fatores que causam a satisfação

Leia mais

Objetivos do Curso: Público alvo:

Objetivos do Curso: Público alvo: Formação em Coaching Com Abordagem Neurocientífica, Psicofisiológica, Filosófica e Comportamental. Destinado aos Profissionais das Áreas de Saúde, Educação e Gestão de Pessoas Coaching é a palavra inglesa

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

11. Abordagem Comportamental

11. Abordagem Comportamental 11. Abordagem Comportamental Conteúdo 1. Behaviorismo 2. Novas Proposições sobre a Motivação Humana 3. Teoria da Hierarquia das de Maslow 4. Teoria dos dois fatores 5. Teoria X & Y de McGregor 6. Outros

Leia mais

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EDA 1601 - INGLÊS INSTRUMENTAL I (2.0.0)2 English for Specific Purposes": introdução. Leitura e compreensão de texto: estratégias de leitura. Organização e partes

Leia mais

Autor: Neil Postman Editora: Graphia, Rio de Janeiro, 1999. ISBN: 8585277300 Número de chamada da biblioteca virtual da PUC-RIO: 305.

Autor: Neil Postman Editora: Graphia, Rio de Janeiro, 1999. ISBN: 8585277300 Número de chamada da biblioteca virtual da PUC-RIO: 305. Resenha do livro: O desaparecimento da infância Autor: Neil Postman Editora: Graphia, Rio de Janeiro, 1999. ISBN: 8585277300 Número de chamada da biblioteca virtual da PUC-RIO: 305.23 P858 CD Este livro

Leia mais

A maior pesquisa sobre consumo de calçados femininos já realizada no Brasil

A maior pesquisa sobre consumo de calçados femininos já realizada no Brasil A maior pesquisa sobre consumo de calçados femininos já realizada no Brasil Categoria: Consumo - Moda Segmento: Sapatos femininos Mercado: Brasil Edição 02 www.azimute720.com.br 2011 Quem Somos Uma agência

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA

EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY MASTER NEGOCIAÇÃO & VENDAS DURAÇÃO: 8H HORÁRIOS: Laboral e Pós Laboral ESTRUTURA DA PROPOSTA 1. Designação das

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS APRENDEM O QUE OS TEÓRICOS DIZEM ESTILOS DE APRENDIZAGEM

COMO AS CRIANÇAS APRENDEM O QUE OS TEÓRICOS DIZEM ESTILOS DE APRENDIZAGEM COMO AS CRIANÇAS APRENDEM O QUE OS TEÓRICOS DIZEM ESTILOS DE APRENDIZAGEM CONCRETO DISPERSO SEQUENCIAL ABSTRATO 1 CONCRETO SEQÜENCIAL Habilidades naturais do Concreto Seqüencial Passo a Passo Planeja Segue

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL

A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL Medição 2004 Menção obrigatória: Pesquisa encomendada ao IBOPE pela ABP- Associação Brasileira de Propaganda Série histórica iniciada em 2002 Principais objetivos - Avaliar

Leia mais

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos 7 Conclusão e sugestões para futuros estudos Neste capítulo são apresentadas as conclusões do estudo, em seguida é feita uma reflexão sobre os objetivos iniciais do trabalho, as sugestões para estudos

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

O comportamento do comprador de automóveis novos II

O comportamento do comprador de automóveis novos II O comportamento do comprador de automóveis novos II Fauze Najib Mattar I - INTRODUÇÃO Quais variáveis são levadas em conta na escolha da loja na hora de adquirir ou trocar automóveis novos? Quantas lojas

Leia mais

Cinco práticas recomendadas de business intelligence para dispositivos móveis

Cinco práticas recomendadas de business intelligence para dispositivos móveis Cinco práticas recomendadas de business intelligence para dispositivos móveis Autor: Ellie Fields, Diretora de marketing de produto da Tableau Software Junho de 2011 p2 Cinco práticas recomendadas de business

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO IBOPE PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO - 2006 Proibida reprodução total ou parcial sem autorização expressa

Leia mais

Introdução à Avaliação de Interfaces

Introdução à Avaliação de Interfaces Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação Introdução à Avaliação de Interfaces Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Comunicação empresarial Envolve todas as ferramentas de comunicação. Atividade multidisciplinar. Envolve conflitos, emoções, potencialidades e

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

Pesquisas e seminários Como fazer?

Pesquisas e seminários Como fazer? +++ + COLÉGIO DOS SANTOS ANJOS Avenida Iraí, 1330 - Planalto Paulista - Telefax: 5055.0744 04082-003 - São Paulo - e-mail: colsantosanjos@colegiosantosanjos.g12.br Site: www.colegiosantosanjos.g12.br Q

Leia mais

LIDERANÇA DA NOVA ERA

LIDERANÇA DA NOVA ERA LIDERANÇA DA NOVA ERA Liderança da Nova Era Liderança é a realização de metas por meio da direção de colaboradores. A liderança ocorre quando há lideres que induzem seguidores a realizar certos objetivos

Leia mais

16/2/2011. Introdução à pesquisa de marketing. Relembrando. Planejando ações de marketing

16/2/2011. Introdução à pesquisa de marketing. Relembrando. Planejando ações de marketing Introdução à pesquisa de Disciplina: Pesquisa de Prof. Ms. Marco A. Arbex Relembrando Marketing é um processo social e de gestão, através do qual os indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e querem

Leia mais

RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner

RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner Introdução Histórico Inteligência Múltipla X Educação Avaliação A Pluralidades das Inteligências INTRODUÇÃO A principal idéia

Leia mais

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: ANÁLISE DA COMPREENSÃO DO CONCEITO DE M.D.C. (MÁXIMO DIVISOR COMUM)

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: ANÁLISE DA COMPREENSÃO DO CONCEITO DE M.D.C. (MÁXIMO DIVISOR COMUM) A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: ANÁLISE DA COMPREENSÃO DO CONCEITO DE M.D.C. (MÁXIMO DIVISOR COMUM) Angelo Pedrote Caon 1 Tânia da Silveira Cardona 2 Resumo 1 UFJF/Instituto de Ciências

Leia mais

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais.

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais. The New Conversation: Taking Social Media from Talk to Action A Nova Conversação: Levando a Mídia Social da Conversa para a Ação By: Harvard Business Review A sabedoria convencional do marketing por muito

Leia mais

APRENDIZADO, BEHAVIORISMO E PROPAGANDA

APRENDIZADO, BEHAVIORISMO E PROPAGANDA APRENDIZADO, BEHAVIORISMO E PROPAGANDA DUARTE, Leopoldo e VASCONCELLOS, Nathália 1 Resumo: O presente artigo tem como objetivo indicar alguns dos possíveis usos em estratégias de propaganda, dos conceitos

Leia mais